ruptura 36 SuperVarejo setembro 2013 Capa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ruptura 36 SuperVarejo setembro 2013 Capa"

Transcrição

1 Capa ruptura thinkstock A ruptura média auferida pela Nielsen em maio/ junho deste ano foi 7,9%. Nenhuma surpresa. O índice margeia os 8% desde que começou a ser sistematicamente medido pela consultoria, em Mesmo antes disso, as medições esporádicas sempre apontaram dados similares. Em 2004, por exemplo, a média brasileira já estava nesse mesmo patamar, de acordo com o coordenador de novos produtos da Nielsen, Eduardo Velloso. O que explica a estabilidade e números tão elevados (tendo em vista que a ruptura ideal seria aquela próxima de zero ou mesmo zero) é a dificuldade de varejo e indústria lidarem com um problema que é complexo e envolve muitas causas. De um lado, os varejistas ainda patinam para identificar a ruptura e o que levou a ela. Como as origens são muitas e em pontos bastante diversos da cadeia (podem ser geradas desde o pedido ou o recebimento até a reposição na gôndola propriamente dita), é preciso um nível bastante alto de controle das operações para saber exatamente o que aconteceu e, mais importante, antecipar eventuais faltas. É ainda muito comum, avaliam os especialistas ouvidos pela SuperVarejo, que o supermercadista e sua equipe gerencial analisem informações desatualizadas (cadastro defeituoso, estoque virtual) ou parciais (a equipe de reposição usa apenas dados sobre as vendas e desconhece o estado do estoque, a gestão não visita os corredores da loja, a equipe do estoque ignora o que acontece na frente de caixa ou com o comercial, que, por sua vez, supervaloriza a negociação em vez da garantia de fornecimento do produto, por exemplo). Outro ponto complicado: inventariar satisfatoriamente os produtos, com intervalos que garantam fidelidade ao dado e que possam servir para que a gerência tome decisões sobre a 36 SuperVarejo setembro 2013

2 Sem falta A ruptura persiste diminuindo vendas e prejudicando a imagem de varejos, independentemente do tamanho. Segredo é conhecer as causas para enfrentar o problema [ Por Natalie Catuogno ] necessidade ou não de reposição. Fazer um inventário manual pode tomar até um dia por seção, numa loja pequena. Não à toa, embora a média de ruptura seja 8%, a reportagem ouviu diversos casos de índices atingindo bem mais do que isso nas lojas varejistas, chegando a até 20% em alguns casos. Por outro lado, parte do problema é também da indústria e da entrega. Atrasos e desembarque de quantidades menores do que as pedidas são muito comuns. Houve um tempo na Coop, rede paulista com 28 lojas no ABC e no interior do Estado, que, a cada dez entregas, sete falhavam, conta o gerente de Supply Chain da empresa, Rogério Lopes. O que acontece, frequentemente, é que a ruptura é atacada, obtém-se uma redução nos índices e, logo em seguida, retomam-se antigos hábitos que fazem o problema voltar aos patamares anteriores ou até mesmo aumentar. O importante é entender que tratar da ruptura é um processo, não um projeto. É preciso focar nisso, mirar na ruptura zero, ainda que seja impossível, e tomar todas as decisões levando essa redução em consideração, avalia Claudio Czapski, superintendente da associação ECR Brasil. Além disso, o varejista precisa conhecer quais as causas que geram o problema em sua loja para, aí sim, tomar atitudes corretivas adequadas. A SuperVarejo consultou mais de uma dezena de pessoas, incluindo consultores, especialistas em tecnologia e varejistas, para identificar as principais causas de ruptura e mostrar as soluções possíveis, testadas e aprovadas por redes varejistas de todos os portes, das gigantes às pequenas. De todas essas respostas, chegou-se a quatro pontos críticos, que desencadeiam todos os demais. A seguir, um raio X desses pontos e as soluções que estão sendo implementadas em lojas varejistas para resolvê-los e garantir uma gôndola sempre abastecida. setembro 2013 SuperVarejo 37

3 Capa ruptura Abastecimento e estoque A gestão interna dos processos de abastecimento é apontada por especialistas como um dos pontos mais importantes para garantir a presença dos produtos nas gôndolas. A falta de visibilidade dessa cadeia é uma das principais causas de ruptura, diz Claudia Fajuri, diretora de varejo da BIS Company. Neste grupo, um dos problemas mais citados pelos especialistas ouvidos pela SuperVarejo é a dificuldade de prever a demanda e analisar, combinadamente, o estoque. De acordo com o professor do Programa de Administração do Varejo (Provar), Nuno Fouto, o problema se dá porque, em geral, a demanda é prevista apenas com base na média de vendas, desconsiderando-se outras variáveis e estatísticas, como a oscilação do giro ao longo de um período, o estoque, o inventário, o tempo gasto para reposição, entre outras. Olhar só a média de vendas para definir a demanda é também um erro porque pode aumentar justamente a ruptura. Itens não disponíveis na gôndola não são vendidos, o que derruba o desempenho deles nos sistemas e diminui os pedidos, quando deveria acontecer o contrário. Nas palavras de Claudio Czapski, da ECR Brasil: Um erro bastante comum é: o produto A está vendendo pouco ou quase zero porque está em ruptura. Como consequência, os consumidores estão comprando mais a marca concorrente, o produto B. O comercial lê essa informação como se estivesse havendo aumento de demanda pelo produto B. Faz o quê? Manda a indústria trazer mais B e diminui a compra de A, o que gera ainda mais ruptura, exemplifica. Para melhorar a gestão da cadeia de abastecimento, a Coop, rede paulistana que opera 28 lojas no ABC e no interior do Estado e que enfrentou, até pouco tempo, ruptura média de 18% (hoje reduzida para a média nacional) optou por criar uma diretoria específica para isso, a Supply Chain (cadeia de abastecimento, em tradução livre). É justamente subordinada a essa diretoria que atua a equipe de Gestão de Estoques, nascida em 2009, responsável, entre outras atribuições, por medir e evitar a ruptura. O grupo controla desde o desembarque no centro de distribuição (CD) e o nível de serviço dos fornecedores até a quantidade de produtos em estoque e a consequente necessidade de reabastecer ou não as unidades. Rogério Lopes, responsável por essa equipe, conta que hoje, a partir dessa reestruturação e da gestão completa da cadeia, os pedidos centralizados (alguns ainda feitos de forma independente pelas lojas) acontecem automaticamente a partir de uma série de parâmetros colocados no sistema, levando em conta variáveis, como nível de estoque do produto, tempo de espera para entregas (fornecedor para o CD, CD para a loja), vendas efetivas, vendas estimadas para o período etc, combina-se uma série de fatores da cadeia para se chegar à real demanda. Por enquanto, a equipe de Gestão de Estoque ajuda o Comercial nas compras de reabastecimento, balizando as decisões com as informações de sistematizou da cadeia de abastecimento. Mas a rede pretende, já a partir do ano que vem, centralizar a maioria dos pedidos na própria Gestão de Estoque. O Comercial ficará responsável apenas pela recompra de produtos que demandam renegociação de preços e pela introdução de novos. Assim, o grupo de gestão unirá todas as pontas da cadeia visando ao abastecimento mais adequado possível, com o menor índice de ruptura. A redução já amealhada na ruptura, de nada desprezíveis dez pontos percentuais, deve ser aumentada e, para isso, 38 SuperVarejo setembro 2013

4 thinkstock todas as compras serão centralizadas e às lojas caberá pedir apenas perecíveis, regionais ou itens de altíssimo giro. A ideia é centralizar 90% dos itens em cadastro. A argumentação pró-centralização tem lastro em números: enquanto a ruptura medida entre os produtos que hoje são centralizados não passa dos 5% na Coop, o mesmo índice entre o que é comprado diretamente pelas unidades chega, às vezes, a 18%. Nas lojas, ressalta Lopes, embora haja alerta informatizado avisando o melhor momento para fazer o pedido, a decisão de pedir depende de uma pessoa, que pode errar. Com o sistema que pede automaticamente, isso não acontece. Tem sido cada vez mais frequente graças à tecnologia a parceria entre indústria e varejo na previsão da demanda e no acerto da data ideal para o pedido. Alguns softwares da indústria, parametrizados pelo varejo, acompanham, com aval da varejista, naturalmente, as vendas, o giro, o estoque (entre outras variáveis) e alertam o momento de fazer pedido, ou o fazem automaticamente. A BIS Company fornece esse tipo de solução, por exemplo, e redes como Pão de Açúcar, Sendas, Arco-Íris, Coop e Confiança utilizam esse tipo de serviço, conhecido como reposição automática. Os pequenos podem fazer algo semelhante com atacadistas e distribuidores, a partir dos parâmetros que os varejistas podem dar de nível seguro de estoque, avalia o coordenador do Núcleo de Estudos do Varejo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Ricardo Pastore. setembro 2013 SuperVarejo 39

5 Capa ruptura Estoque Quando começou a olhar com mais atenção sua própria cadeia de abastecimento, a Coop percebeu que muitas entregas eram rejeitadas em seu centro de distribuição por incapacidade da própria varejista em receber a carga. Devolvíamos mercadoria toda semana, o que, naturalmente, ocasionava ruptura, lembra Rogério Lopes. Então foi ampliada a capacidade do CD em 25%, apenas com pequenos ajustes, como criação de parâmetros claros para recebimento e estocagem. Com a compra mais racional (baseada nos parâmetros estatístico do sistema), conseguiram organizar também o estoque geral. Ampliaram ainda a variedade e diminuíram a quantidade de um único produto em estoque. As normas valem também para as lojas, que recebem parte dos produtos diretamente nas unidades. Sanado o problema, chegaram a ganhar um prêmio no ano passado como melhor empresa para receber mercadorias e deram um passo adiante no controle do que têm em casa: o CD vive cheio até o teto, conta Lopes, mas nunca mais rejeitaram pedido por falta de capacidade de recebimento. Outro ponto sensível da armazenagem que prejudica não só recebimento, mas também gera ruptura por si só é descuidar do estoque físico. Para minimizar esse risco, a Coop fotografa o estoque diariamente e envia às lojas para que também saibam o que há no centro de distribuição. Além EVOLUÇÃO DA RUPTURA EVOLUÇÃO DO ESTOQUE VIRTUAL 2008: 8,2% 2009: 7,9% 2010: 8,1% 2011: 7,5% 2012: 7,8% 2008: 25,3% 2009: 22,4% 2010: 23,1% 2011: 22,3% 2012: 20,7% disso, determina estoque mínimo em loja para as categorias mais importantes, levando em conta dados como giro, vendas registradas e tempo de entrega da indústria até o CD e do CD até as lojas (em caso de compras centralizadas). Assim como está fazendo com as compras, a rede pretende centralizar as entregas no CD que atualmente não tem capacidade para isso e diminuir os desembarques feitos diretamente nas unidades. Os consultores ouvidos pela reportagem foram unânimes nessa questão: recebimento no CD diminui o índice de ruptura, pois facilita o controle. divulgação Lopes, da Coop: compras centralizadas reduziram a ruptura em mais de 10% 40 SuperVarejo setembro 2013

6 setembro 2013 SuperVarejo 41

7 Capa ruptura Nível de serviço Outra causa comum de ruptura, muito citada por varejistas e especialistas, é o atraso ou entrega parcial da indústria. Se o varejista não tem controle absoluto sobre isso (como tem sobre sua demanda ou seu estoque), pode e deve avaliar o nível de serviço dos parceiros e fornecedores para: 1) manter estoques adequados às datas de entrega que efetivamente serão cumpridas (não as prometidas), 2) precaver-se em caso de atraso ou de entrega parcial e 3) avaliar quando pode ser o caso de trocar de fornecedor. O gerente de compras da rede Confiança (oito lojas na região de Bauru, interior de São Paulo), Ricardo do Amaral, conta que a entrega é um dos principais problemas que a rede enfrenta hoje para conter a falta de produtos na gôndola. Há um ano atacando a ruptura de forma mais consistente (e registrando um índice próximo da média nacional, 8%), a rede desenvolveu um processo de recebimento para avaliar criteriosamente a qualidade da entrega dos fornecedores. Monitoram o recebimento de todos os produtos assim que desembarcam no CD (via coletor de dados e checagem do que foi pedido versus o que está sendo entregue) e tomam atitudes para evitar a ruptura ou diminuir seu tempo de incidência caso haja atraso ou entregas parciais. São poucas as indústrias que conseguem manter um nível satisfatório de entregas, diz Amaral. A Gestão de Estoque da Coop (28 lojas no ABC e interior de São Paulo), área responsável pelo abastecimento e, portanto, pelo controle de ruptura da companhia, faz um trabalho semelhante. Acompanham e registram individu- Do código de barras ao RFID: tecnologia avança e chega Até alguns anos atrás, o máximo que se poderia almejar de controle tecnológico de gestão e processos era o nível gerencial. Qualquer um que falasse em reposição informatizada poderia ser tomado como visionário ou leitor assíduo de ficção científica. Acontece que o avanço tecnológico já permite, hoje, rastreamento e controle das atividades executadas por qualquer funcionário, inclusive no chão da loja, incluindo ações de reposição e inventário, essenciais para manter a ruptura longe das gôndolas. Boa parte das soluções tecnológicas voltadas para a ruptura, por exemplo, vão nessa linha, de controle total do chão de loja, especialmente para conseguir agilizar processos essenciais, e antes demorados (como inventário), e, ao mesmo tempo, minimizar as chances de falha humana na reposição dos produtos na área de vendas. Todo processo tem um valor e o custo deste valor. No caso do abastecimento, o valor é colocar o produto na gôndola. Tudo o que preceder essa operação é desperdício. Portanto, quanto mais ágil e certeiro for o processo, mais barato ele será, pois resultará em menos desperdício, explica Paulo Ribeiro, da Tlantic, empresa portuguesa com operação no Brasil especializada em tecnologia móvel. Em geral, as ferramentas usadas para o controle da ruptura funcionam de forma bastante similar. Há um dispositivo móvel (em geral um aparelho similar a um smartphone ou a um crachá) que conecta o funcionário do chão de loja ao sistema (ele tem acesso a alguns dados específicos do software de retaguarda da loja) e, ao mesmo tempo, conecta o sistema a ele, pois a gerência pode acompanhar, em tempo real, o que a equipe está fazendo e quais tarefas deveriam estar executando. Dessa forma, é possível, por exemplo, que o repositor receba um alerta automático, gerado pelo sistema, solicitando reposição em determinada seção onde, segundo o estoque, há poucos itens expostos de uma determinada categoria. Isso acontece porque o software das empresas que desenvolvem essas soluções é integrável com o sistema de retaguarda do supermercadista. Quando as vendas registradas no PDV e as quebras indicadas pela equipe adequada apontam nível baixo de exposição, o alarme soa e indica ao funcionário da reposição quantas unidades e onde repor. Esse alerta tem um tempo máximo para ser cumprido. Caso não seja, é gerado um novo alerta automático, só que dessa vez endereçado ao nível hierárquico superior, 42 SuperVarejo setembro 2013

8 almente todas as entregas de todos os fornecedores. Utilizam os dados não apenas para prevenir faltas e arrumar o cadastro (se um fornecedor sempre dá prazo de dez dias, mas costuma entregar em 15, o sistema é ajustado com o prazo efetivado, não com o prometido), mas principalmente para sentar-se à mesa com fornecedores e expor a situação, uma vez que a ruptura é, em termos de vendas, por vezes mais prejudicial à própria indústria (de acordo com o Estudo Especial de Ruptura, conduzido pela Nielsen em 2011, na falta do produto que foram buscar, 72% dos consumidores trocam de marca, mas compram no mesmo ponto de venda, e 23% trocam de PDV em busca da marca desejada). Santos, da Plastron: a etiqueta eletrônica é a solução para os produtos de maior valor agregado ao chão da loja divulgação para que seja possível saber que a reposição não foi feita e checar com a equipe responsável as razões disso, explica o presidente da G.I.C, Irineu Fernandes, que desenvolveu o RuB, solução nesses moldes de combate à ruptura, que utiliza, como ferramenta principal, um dispositivo móvel com leitor de código de barras e de QR Code desenvolvido em parceria com a Motorola. Outras funcionalidades desse tipo de solução é o contrário da anterior: casos em que os funcionários (da reposição ou não) notam falta de produto em gôndola antes do sistema. Lendo o código de barras, é possível saber quantos produtos constam em estoque e emitir alertas para solicitar reposição ou correção no cadastro (para evitar estoque virtual). É possível, ainda, fazer inventários rapidamente, uma vez que os dispositivos leem códigos de barras e lançam esses dados automaticamente no sistema. RFID A etiqueta de radiofrequência que se comunica é uma promessa nesse campo. Pelo menos a G.I.C. e a Plastron Sensormatic estão investindo no desenvolvimento de soluções que se utilizem dessa tecnologia. O salto entre um dispositivo que lê código de barras e um que funcione via RFID é o seguinte: para ler o código de barras tradicional, é preciso aproximar o produto do leitor, item por item. Com o RFID, basta passar com o dispositivo pela gôndola. A antena de radiofrequência capta a frequência das etiquetas (com até seis metros de distância), identifica código e definições do produto e quantos itens com aquele código estão presentes na gôndola. O repositor não precisa sequer tocar nos produtos. A aposta na agilidade faz com que as empresas desenvolvedoras invistam na solução, apesar dos pontos negativos. O preço é um deles. Cada etiqueta custa entre R$ 0,35 e R$ 0,40. Não serve para ser usada em qualquer produto, mas naqueles mais importantes para a loja ou nos de maior valor agregado, que fazem compensar o investimento, analisa o diretor de Marketing e Soluções da Plastron Sensormatic, Carlos Eduardo Santos. Outro revés é que há interferência na leitura via RFID quando, entre as etiquetas e a antena de radiofrequência, há líquidos ou superfícies metalizadas. Na prática, isso inviabiliza o uso do aparato em diversas categorias vendidas em supermercados. setembro 2013 SuperVarejo 43

9 Capa ruptura Alguns fornecedores sugeriam que a falha fosse nossa, que nós demorávamos muito para entregar do CD às lojas. Com os dados em mãos, mostramos que, de dez entregas dessas indústrias, sete falhavam. Teve parceiro trocando até de operador logístico, pois não tinham ideia do problema, conta o gerente de Supply Chain da Coop, Rogério Lopes. Dessas conversas, relata ele, saem lições de casa tanto para a indústria quanto para a varejista, e a parceria com bons resultados é apontada como uma das causas da redução da ruptura em dez pontos percentuais desde 2010 (de 18% para 8%). A Coop utiliza o sistema conhecido como OTIF (On Time, In Full, em inglês, que, em tradução livre, significa no prazo e integralmente ). Trata-se, como explica a diretora de varejo da BIS Company, Claudia Fajuri, de um sistema informatizado binário (só aceita respostas como atende ou não atende ) que controla o nível de serviço das entregas avaliando, basicamente, se estão dentro do prazo combinado e se os produtos chegaram ao destino em quantidade completa, conforme especificados no pedido, íntegros etc. Segundo Lopes, da Coop, a rede utiliza esse tipo de sistema para extrair o relatório de acompanhamento das entregas no CD, das feitas nas lojas, avaliando entrega a entrega, loja a loja, com consolidação semanal. Graças a esse trabalho, encontraram as causas de muitas rupturas que, identificadas nas lojas, permaneciam sem resposta. O sistema opera há dois anos. Czapski, do ECR: é importante conhecer o histórico do fornecedor para prevenir a ruptura É interessante conhecer o histórico do fornecedor para prevenir a ruptura, inclusive em relação aos demais fornecedores. Se começam a acontecer atrasos, não basta antecipar pedido de um fornecedor. Pode ser interessante antecipar sistematicamente de mais deles. Se muitas indústrias entregam parcialmente, pode ser uma boa ideia pedir nota fiscal no momento da compra, não da entrega, para saber com antecedência a quantidade do que vai ser recebido e evitar a falta, avalia o superintendente da Associação ECR Brasil, Claudio Czapski. divulgação PONTOS CRÍTICOS DA CADEIA 1. PEDIDO *avaliar corretamente a demanda *avaliar corretamente o prazo de entrega 2. PRODUÇÃO INDÚSTRIA 3. ENTREGA RECEBIMENTO *avaliar nível de serviço do fornecedor quanto ao prazo *avaliar nível de serviço do fornecedor quanto à quantidade *organizar CD para evitar devolução de produtos *cuidado com o cadastro *Parametrização adequada para nova compra 4. DISTRIBUIÇÃO CD VERSUS LOJAS *contabilizar tempo para entrega na loja *organizar estoque e retaguarda para evitar devolução de produtos 5. REABASTECIMENTO DA GÔNDOLA *inventário constante; auditorias frequentes *correção de cadastro virtual 6. ACOMPANHAMENTO DE VENDAS *atenção a vendas, giro, vendas diárias, itens no estoque, estoque de segurança, tempo de cobertura do estoque, tempo de entrega da indústria até a loja, tempo de reabastecimento da retaguarda na gôndola, pedidos pendentes etc. Fonte: especialistas consultados pela SuperVarejo 44 SuperVarejo setembro 2013

10 setembro 2013 SuperVarejo 45

11 Capa ruptura thinkstock Informação e sistemas Mais do que um sistema informatizado, o varejista precisa de informação adequada. Como a tecnologia ajuda no processo de tomada da informação, processamento e obtenção de dados para análise, ela é muito bem-vinda. Entretanto, de acordo com a avaliação unânime dos especialistas consultados pela Super- Varejo (entre eles, cinco representantes de companhias que fornecem tecnologia para o autosserviço), sozinha, ela não basta. Primeiro porque não adianta ter o dado e não saber como usá-lo ou simplesmente ignorá-lo. Ainda lidamos muito mal com as estatísticas, aproveitamos muito mal todos os relatórios que os sistemas nos oferecem, avalia Nuno Fouto, professor do Provar. Em segundo lugar, se o sistema estiver com informações desatualizadas ou erradas, vai servir de muito pouco para o varejista avaliar a cadeia de abastecimento e tomar decisões. Em geral, atrapalha. O chamado estoque virtual (quando o produto consta no cadastro como disponível na loja ou estoque, mas, na verdade, não está) um tipo bem comum de erro de abastecimento de dados no sistema é considerado uma das principais causas da ruptura. O índice de estoque em 2012 foi de impressionantes 20,7%. Em outras palavras, mais de um quinto do que o varejista pensava estar na área de vendas na verdade não estava. 46 SuperVarejo setembro 2013

12 COMO CALCULAR A RUPTURA DA LOJA 1. É preciso, primeiro, inventariar a área de vendas, assinalando a quantidade de produtos em falta e o total de itens analisados. 2. Depois, multiplique o total em falta por Divida esse resultado pelo total de itens analisados 4. A proporção resultante é o percentual de ruptura da loja Fonte: Cartilha da Campanha Para Reduzir Rupturas em R$ 1 bilhão, ECR Brasil, 2007 A rede paulista Coop vem conseguindo, com sucesso, diminuir seu estoque virtual. Reduziu o índice de 15% para 5%. Entre outras medidas responsáveis pelo bom desempenho, Rogério Lopes, gerente de Supply Chain, explica que a rede passou a analisar o estoque mais vezes, em intervalos de tempo menores, independentemente do inventário, incluindo no processo avaliações diretamente na gôndola do supermercado. Um sinal que vem sendo muito utilizado pela companhia para confrontar o real com o virtual é venda zerada ou atípica. Se notamos que um produto não está vendendo, geramos um alerta para verificação in loco, conta. Esse tipo de ação ficar de olho na evolução das vendas e no que se esperava que fosse o giro do produto, com base no histórico, para identificar comportamentos anômalos e, assim, checar a gôndola in loco é a mais indicada para corrigir a discrepância entre o estoque real e o virtual. Na rede Confiança, por exemplo, são realizadas auditorias constantes em gôndolas, cujas categorias auditadas são definidas com base em relatórios do sistema, emitidos diariamente, apontando para produtos com comportamento anormal de vendas. Caso se verifiquem divergências entre a gôndola e o sistema, a equipe corrige a distorção atualizando o virtual. Há uma equipe em loja destacada apenas para essa finalidade, conta o gerente de compras da rede, Eduardo do Amaral. É preciso, ainda, tomar cuidados com erros banais, que passam despercebidos, mas que podem colocar a perder um bom cadastro. Eduardo Velloso, da Nielsen, exemplifica: Se um cliente está levando para casa dez embalagens de suco em pó, sendo duas de abacaxi, quatro de limão e quatro de laranja, o operador de caixa pode registrar apenas um código de barras o de abacaxi, por exemplo e informar ao sistema que foram vendidas as 10 unidades. Como o preço em geral é o mesmo, parece que não há problema em fazer isso. Mas há, simplesmente porque o estoque da loja vai dar baixa em dez unidades de suco de abacaxi, quando só foram vendidas duas, e não vai acusar a venda de nenhuma unidade de suco de laranja ou limão, mas foram vendidas quatro de cada. Isso resulta em estoque virtual, distorce os dados de venda e gera ruptura. divulgação Velloso, da Nielsen, alerta para o estoque virtual, que é gerado da distorção dos dados de venda setembro 2013 SuperVarejo 47

13 Capa ruptura Controle da gôndola É nas gôndolas que acontecem duas etapas muito importantes do processo de gestão de abastecimento e consequente redução da ruptura: o inventário, que verifica a quantidade de produtos disponíveis na área de exposição e serve de base para corrigir o sistema e reduzir o estoque virtual, e a medição da ruptura ou da pré-ruptura propriamente. É o caso, por exemplo, da verificação in loco quando o sistema aponta alguma inconsistência nas vendas (produto com venda zero é forte indicador de ruptura). Contudo, saem na frente as companhias que não esperam o sistema indicar falha, mas estabelecem como processo permanente a verificação rotativa e constante da área de vendas. O problema é que esse tipo de ação leva tempo e depende não de um sistema balizado que age sozinho, mas da ação humana do repositor, do estoquista. Não à toa, a maioria das soluções que se propõem a combater a ruptura agilizam e informatizam o controle da gôndola. thinkstock C M Y CM MY CY CMY K 48 SuperVarejo setembro 2013

14 No Supermercado São Roque (15 unidades no interior de São Paulo), uma das situações que causavam ruptura (que chegou a 20% e hoje está entre 8% e 5%) era justamente um controle defasado da gôndola, que acabava gerando também estoque virtual. Mesmo com um sistema informatizado de controle de gestão, faltava um processo que fornecesse as informações em tempo adequado. O diretor de Tecnologia de Informação do São Roque, Tony Godinho, conta que levava cerca de um dia para inventariar uma única sessão de uma única loja. Quando as informações eram finalmente colocadas no sistema, já estavam defasadas. Com a ajuda da tecnologia, o inventário de uma sessão inteira leva, no máximo, 15 minutos, diz Godinho. Há uma vantagem colateral adicional: como a posição de repositor tem muita rotatividade, o sistema ajuda os novatos a desempenharem bem as tarefas, porque, no aparelho, ele pode consultar informações e é o próprio dispositivo que vai ANUNCIO SV 202X130.pdf 1 19/08/13 16:53 orientando o funcionário sobre os passos que precisam ser seguidos, quais produtos deveriam estar naquele ponto da gôndola e em que quantidade. Também é possível, através da solução que ele emprega nas lojas (a Rub, da GIC), em geral, expedir um alerta de reposição caso o funcionário verifique que há poucos produtos em gôndola. Qualquer funcionário pode fazer isso ao passar por um corredor e verificar poucos produtos numa gôndola. Esse alerta tem um tempo máximo para ser respondido pelo responsável. Se não for, gera um novo alerta, dessa vez, endereçado ao chefe do repositor, para que ele cheque por que o encarregado não repôs o que o sistema informou estar em falta. Em geral, esses dispositivos operam em contato direto com o sistema, leem código de barras ou QR Code e suportam informações se a rede assim desejar do local ideal em que o produto deve ser disposto na loja ou no estoque. A chefia consegue acompanhar, por seu lado, tudo o que a equipe de reposição tem a cumprir e quais tarefas já foram executadas. setembro 2013 SuperVarejo 49

15 Capa ruptura Jogo dos 5 erros: o que NÃO fazer no combate à ruptura 1) Carregar no estoque: aumentar o estoque pode piorar a situação ao invés de melhorá-la, pois prejudica a boa gestão do abastecimento, retém recursos financeiros e não garante reposição na gôndola. 2) Lavar as mãos quanto à entrega: o supermercado não controla a logística dos fornecedores, fato. Mas é fato também que pode avaliar as entregas quanto ao respeito ao prazo e à quantidade descarregada versus quantidade pedida. Caso o fornecedor costume atrasar sempre, é preciso antecipar os pedidos, por exemplo. 3) Ignorar a gôndola: por mais que todo o processo de gestão de estoques seja informatizado, só é possível saber o que está na área de vendas indo até lá. Auditorias de presença e inventário rotativo são essenciais. 4) Tratar o combate à ruptura como um projeto: o ideal é que as etapas de combate à ruptura sejam incorporadas ao dia a dia da companhia, tornem-se processos. De outra forma, os resultados nunca serão duradouros. 5) Minimizar erros no cadastro: os parâmetros usados no sistema e as informações sobre estoque são essenciais para a gestão de abastecimento. Qualquer erro pode resultar em compras equivocadas e falta de produtos nas gôndolas. É preciso ter processos destinados apenas a corrigir distorções entre o virtual e o real. Fontes: especialistas ouvidos pela reportagem No Carrefour, outra tecnologia auxilia nos processos de controle do que está na área de vendas. A rede usa a GDS (Global Data Synchronization, ou Sincronização Global de Dados), empregada também na sede francesa (há dez anos) e em seis países onde a rede opera. De acordo com a rede, o sistema garante a atualização do controle de abastecimento de forma ágil. Já são 150 os fornecedores da gigante que aderiram à GDS. Na prática, tudo o que acontece com o produto ao longo da cadeia é registrado na Rede Global de Sincronização de Dados (GDSN) e qualquer parceiro pode acompanhar essa movimentação, sempre tendo acesso à versão mais recente da atualização de dados feita por indústria, logística ou varejo. Na rede Confiança há uma equipe deslocada nas lojas exclusivamente para auferir inventários rotativos. Esse tipo de ação é muito importante. Alguns itens de maior giro precisam ser contados até diariamente, avalia Ricardo Pastore, coordenador do Núcleo de Estudos de Varejo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). Obviamente, não é preciso ter esse rigor em todas as unidades da loja. É preciso saber não apenas os produtos que têm mais giro (e, portanto, que demandam mais agilidade na reposição), mas conhecer aqueles que geram tráfego e os que dão lucro (e, ambos, que não podem faltar). O superintendente da Associação ECR Brasil, Claudio Czapski, lembra que há marcas de produtos aos quais os consumidores são mais ou menos fiéis, bem como há categorias de produtos que ensejam mais ou menos fidelidade às marcas. Por exemplo: no caso do leite em pó infantil, das fórmulas, o consumidor é fidelíssimo. Se não houver na loja a marca e o tipo que o pediatra indicou ou que a criança toma e com a qual está acostumada, o cliente simplesmente vai buscar em outro lugar, podendo largar o carrinho cheio de outros produtos e não efetivar a compra. Nesse caso, não adianta ter similares nem os mais baratos, ilustra. De acordo com o Estudo Especial de Ruptura, conduzido pela Nielsen em 2011, se a falta de produtos for na seção de mercearia salgada, apenas 14% dos consumidores deixam a loja e vão a outro PDV. Mas se a gôndola vazia for a de cerveja, 35% dos clientes simplesmente vão embora, em busca da marca preferida em outro lugar. É preciso, portanto, selecionar bem os produtos mais importantes e prioritários no combate à ruptura. Na Coop, acompanhamos de perto cerca de itens, conclui Rogério Lopes, responsável pela Gestão de Estoque da companhia. FONTES DESTA MATÉRIA BIS Company: (11) Carrefour: Coop: ECR Brasil: (11) ESPM: (11) G.I.C.: (11) GS1: (11) Nielsen: (11) PC Sistemas: (11) Plastron Sensormatic: (11) Provar: (11) Rede Confiança: São Roque: Tlantic: (51) SuperVarejo setembro 2013

TECNOLOGIAS PARA ESTOQUE EFICIENTE E REDUÇÃO DE RUPTURAS

TECNOLOGIAS PARA ESTOQUE EFICIENTE E REDUÇÃO DE RUPTURAS TECNOLOGIAS PARA ESTOQUE EFICIENTE E REDUÇÃO DE RUPTURAS DISPONIBILIDADE EM GÔNDOLA Claudia Fajuri 21/05/2014 QUAL É O LUCRO DO SETOR SUPERMERCADISTA? Para cada R$100,00que entram no caixa, quantos Reais

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Logística no Ponto de Venda (PDV)

Logística no Ponto de Venda (PDV) Logística no Ponto de Venda (PDV) Pesquisa: Percepção do Varejo em Relação às Ações Promocionais Maio de 2005 Objetivo: Avaliar o impacto dos vários tipos de promoções praticadas em supermercados junto

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

Guia prático de como montar um planograma eficiente. www.pdvativo.com.br

Guia prático de como montar um planograma eficiente. www.pdvativo.com.br Guia prático de como montar um planograma eficiente www.pdvativo.com.br 1. INTRODUÇÃO 2. Por que preciso de um planograma? 3. COMO FAZER A DISTRIBUIÇÃO DOS PRODUTOS NA LOJA 4. EXPOSIÇÃO DOS PRODUTOS (LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Fabrício Nogueira KPL

Fabrício Nogueira KPL Esta publicação, escrita por Fabrício Nogueira, sócio-diretor da KPL, tem como principal objetivo discutir o serviço de SAC em lojas virtuais. Ele funciona como um guia de boas práticas de atendimento

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO

PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO Gustavo Carrer I. Azevedo gustavoa@sebraesp.com.br @gustavocarrer /gustavocarrer Prevenção de Perdas O que são perdas no Varejo? Toda e qualquer interferência negativa no

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Introdução. 1. Introdução

Introdução. 1. Introdução Introdução 1. Introdução Se você quer se atualizar sobre tecnologias para gestão de trade marketing, baixou o material certo. Este é o segundo ebook da série que o PDV Ativo, em parceria com o Agile Promoter,

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Introdução 1. Conheça a sua taxa de conversão 2. Usabilidade e navegabilidade 3. Pense mobile 4. Seja relevante 5. Tenha CTAs atraentes 6. O teste AB é fundamental Conclusão Introdução Conhecer os números

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

Fina Flor Cosméticos obtém grande melhoria nos processos e informações com suporte SAP Business One

Fina Flor Cosméticos obtém grande melhoria nos processos e informações com suporte SAP Business One Fina Flor Cosméticos obtém grande melhoria nos processos e informações com suporte SAP Business One Geral Executiva Nome da Fina Flor Cosméticos Indústria Cosméticos Produtos e Serviços Desenvolve, fabrica

Leia mais

Fenícia Automação Comercial

Fenícia Automação Comercial Fenícia Automação Comercial Introdução Indicado para estabelecimentos comerciais, rede de lojas ou franquias, o sistema FENÍCIA AUTOMAÇÃO COMERCIAL traz uma série de tecnologias de alto valor agregado

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA EMPRESA A WZ É UMA EMPRESA de consultoria em logística formada por profissionais com ampla experiência de mercado e oriundos de empresas dos setores varejista, atacadista, distribuidores e industrias.

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

6 Quarta parte logística - Quarterização

6 Quarta parte logística - Quarterização 87 6 Conclusão A concorrência aumentou muito nos últimos anos e com isso os clientes estão recebendo produtos com melhor qualidade e um nível de serviço melhor. As empresas precisam, cada vez mais, melhorar

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Projeto TRANSFORMAR. No Contexto Varejo há que se trocar a turbina durante o voo, logo:

Projeto TRANSFORMAR. No Contexto Varejo há que se trocar a turbina durante o voo, logo: 1 Projeto TRANSFORMAR Levando em consideração que as PERDAS podem ser provenientes de diversas fontes, sejam elas OPERACIONAIS, OBSOLESCÊNCIA, FURTO ou INCONSISTÊNCIA DE DADOS, o Supermercados Russi adotou

Leia mais

10 pontos mais importantes sobre finanças para. Pequenas Empresas:

10 pontos mais importantes sobre finanças para. Pequenas Empresas: 10 pontos mais importantes sobre finanças para Pequenas Empresas: Por Joseph Anthony Freqüentemente, contadores e consultores especializados em pequenas empresas dizem que estas não prestam atenção suficiente

Leia mais

Conhecimentos em Comércio Eletrônico Capítulo 4 CAPÍTULO 4 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO

Conhecimentos em Comércio Eletrônico Capítulo 4 CAPÍTULO 4 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO CAPÍTULO 4 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO PLANEJAMENTO E MODELOS DE E-COMMERCE Uma das principais características do CE é permitir a criação de novos modelos de negócio. Um modelo de negócio é um método que permite

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À Felisoni & Associados E AO PROVAR - Programa de Administração de Varejo da Fundação Instituto de Administração, instituição conveniada com a FEA/USP - é proibida a reprodução

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL MANTENHA SUA MÃO DE OBRA, UM DOS CUSTOS MAIS ONEROSOS

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo Cleverton do Vale Paulo Roberto

Leia mais

MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR

MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR O VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO QUE FALA AO TRADE SUPERMERCADISTA

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R 8 DICAS ESSENCIAIS PARA ESCOLHER SUA CORRETORA W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros A Lição de Lynch O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros Por Laura Somoggi, de Marblehead (EUA) É muito provável que o nome Peter Lynch não lhe seja familiar. Ele

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa.

Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa. Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa. Economizar é a prioridade e sabemos que é possível ter até 40% de economia se a empresa nunca teve nenhum tipo de controle

Leia mais

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes.

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. EMPRESA CRIADA EM 2007, a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. Além de fazer um diagnóstico e sugerir recomendações, a WZ acredita

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

Sistema Binário. Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Faculdades Integradas Campos Salles

Sistema Binário. Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Sistema Binário

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil UFCG Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil Arthur Silva Freire Caio César Meira Paes Carlos Artur Nascimento Vieira Matheus de Araújo Maciel Tiago Brasileiro Araújo Engenharia

Leia mais

Os benefícios da ce ISO 14001

Os benefícios da ce ISO 14001 Pesquisa Os benefícios da ce ISO 14001 A Revista BANAS QUALIDADE e a Destaque Pesquisa e Marketing realizaram um estudo para medir o grau de satisfação da implementação da certificação ISO 14001. Confira

Leia mais

Manual de Compras. Calcular a Curva ABC de Vendas do produto.

Manual de Compras. Calcular a Curva ABC de Vendas do produto. Manual de Compras Antes de se começar a operar a tela de compras, é necessário estabelecer a configuração ideal para o seu negócio. Este manual não visa impor a melhor forma ou o melhor calculo para se

Leia mais

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN O que é o GVN Parceiro: O GVN Parceiro é uma modalidade de parceria de negócios criada pelo Grupo Vila Nova para ampliar sua capilaridade de oferta e garantir que

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR

DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR 1 DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR ENEXT CONSULTORIA: SÉRIE DE WHITE PAPERS Produzido por: Gabriel Lima As informações contidas neste White Paper são

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA Em qualquer empresa que atua na comercialização de produtos, o estoque apresenta-se como elemento fundamental. No ramo farmacêutico, não é diferente, sendo o controle

Leia mais

GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2

GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2 Quem é a GS1 Como gerar seu Código de Barras Produtos e Soluções GS1 GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 1 GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2 Quem é a GS1 GS1 Brasil A GS1 Brasil Associação Brasileira

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Neste treinamento vamos abordar o funcionamento dos seguintes relatórios gerenciais do SisMoura: Curva ABC Fluxo de Caixa Semanal Análise de Lucratividade Análise Financeira o Ponto

Leia mais

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços Maio de 2014 2 A pesquisa Amostra 639 entrevistas A PESQUISA Intervalo de confiança 95% Margem de erro 7% por segmento Data da coleta 13 a 22 de Maio de 2014 3 DESCRIÇÃO

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 REALIZAÇÃO TABULAÇÃO Quem Somos A WBI BRASIL é uma empresa especializada em planejamento de marketing digital, que presta

Leia mais

RFID na Logística de Suprimentos. Loja do Futuro. 1. Cartão do Futuro: a. Com o Cartão Pessoal o usuário é reconhecido assim que começar as compras.

RFID na Logística de Suprimentos. Loja do Futuro. 1. Cartão do Futuro: a. Com o Cartão Pessoal o usuário é reconhecido assim que começar as compras. Loja do Futuro Na Loja do Futuro, novas ferramentas permitirão todos os processos se tornarem muito mais simples e eficientes, vamos a elas: 1. Cartão do Futuro: a. Com o Cartão Pessoal o usuário é reconhecido

Leia mais

Boletim Informativo Técnico BIT 004 08/2014

Boletim Informativo Técnico BIT 004 08/2014 PROCESSO DE CONTAGEM DE INVENTÁRIO FÍSICO Para um resultado satisfatório na execução da contagem do inventário físico é importante que os preparativos tenham início 30 dias antes da data programada para

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Índice. Introdução. Entenda porque vale a pena administrar o seu tempo. Saiba quem rouba o seu tempo. Separe o importante do urgente

Índice. Introdução. Entenda porque vale a pena administrar o seu tempo. Saiba quem rouba o seu tempo. Separe o importante do urgente Índice 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Introdução Entenda porque vale a pena administrar o seu tempo Saiba quem rouba o seu tempo Separe o importante do urgente Defina prioridades Aprensa a usar seu e-mail

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

PEDIDO DE COMPRAS AUTOPEÇAS

PEDIDO DE COMPRAS AUTOPEÇAS Apresentação As rotinas de Pedido de Compra do WinThor são utilizadas pelas empresas com objetivo de realizar: o pedido de compra baseado, ou não, em uma sugestão de compra, a cotação de compra entre fornecedores,

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

UM FRANQUEADOR A DOR E A DELÍCIA DE SE TORNAR

UM FRANQUEADOR A DOR E A DELÍCIA DE SE TORNAR CANAL DE VENDAS MERCADO DE SEGUROS QUER GANHAR CAPILARIDADE EM PARCERIA COM O VAREJO NO VAREJO 29 NO VAREJO O MAIS IMPORTANTE NO VAREJO PARA OS MAIS IMPORTANTES DO VAREJO ANO 5 maio/junho 2013 R$15,50

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS GESTÃO DE ESTOQUE Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Higino José Pereira Neto Graduando em Administração Faculdades Integradas de Três

Leia mais

COMO OTIMIZAR AS ATIVIDADES EM SEU CONSULTÓRIO

COMO OTIMIZAR AS ATIVIDADES EM SEU CONSULTÓRIO GUIA DEFINITIVO DE COMO OTIMIZAR AS ATIVIDADES EM SEU CONSULTÓRIO 10 DICAS DE COMO ORGANIZAR O DIA A DIA DE SEU CONSULTÓRIO INTRODUÇÃO O dia a dia de clínicas e consultórios, se não for organizado, pode

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração. Módulo de Gestão de Materiais Aula 2 Prof. Marcus Fontes

FTAD Formação Técnica em Administração. Módulo de Gestão de Materiais Aula 2 Prof. Marcus Fontes FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais Aula 2 Prof. Marcus Fontes AULA PASSADA: CADASTRAMENTO DE MATERIAIS UMA REVISÃO RÁPIDA CONCEITO DE CADASTRAMENTO DE MATERIAIS E SUAS

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

julho 2011 www.sm.com.br

julho 2011 www.sm.com.br www.sm.com.br Uma publicação do Grupo Lund ano 42 nº 7 julho 2011 DOIS (BONS) PROGRAMAS DE FIDELIDADE COMO DECIDIR O MELHOR NÍVEL DE ESTOQUE MÍDIA DIGITAL A TV QUE FAZ DINHEIRO UNILEVER DEFINE MIX DE 80

Leia mais

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria.

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. MARCA PRÓPRIA Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. Normalmente estas empresas iniciaram suas atividades com uma marca que se consolidou no mercado.

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

Título: Controle de Estoque (componente de especificação)

Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Palavras-chave: estoque, inventário, controle Autoria e data: Marcelo Pessôa 02 de junho de 2014 Versão: 1.0 Tecnologia: Independe de tecnologia

Leia mais

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter Software de Compras Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter OutBuyCenter Software para o gerenciamento de compras integradas (eprocurement e supply chain), objetiva a rápida tramitação de compras

Leia mais

PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO

PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO O que são perdas no varejo? São consideradas perdas no varejo, toda e qualquer interferência negativa no resultado da empresa, gerando como consequência final a redução do

Leia mais

Perguntas e respostas Mais Qualidade

Perguntas e respostas Mais Qualidade Perguntas e respostas Mais Qualidade O que é o Programa Mais Qualidade? O Mais Qualidade é um programa da Bayer CropScience que tem como objetivo a obtenção de frutas com qualidade superior. Tudo isso

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais