AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA UTILIZADAS POR UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUES NO SETOR FARMACÊUTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA UTILIZADAS POR UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUES NO SETOR FARMACÊUTICO"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA UTILIZADAS POR UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUES NO SETOR FARMACÊUTICO Fabrício Bastos Consul (UFRGS) Liane Werner (UFRGS) O artigo tem como objetivo analisar os métodos de previsão de demanda utilizados por um software de gerenciamento de estoques de uma filial de uma grande rede de farmácias. Para tal, são utilizados os modelos de suavização exponencial, modeelos ARIMA, média móvel e a técnica de combinação de previsões, pelo método da variância mínima, para a comparação e estudo da acurácia dos modelos propostos pelo sistema da empresa. O estudo de caso apresenta esta comparação, indicando o erro de cada método aplicado. Palavras-chaves: previsão de demanda, software de gerenciamento de estoques

2 1. Introdução A competitividade do mercado atual torna cada vez mais complexa e importante a tomada de decisões rápidas e precisas. É fundamental que as empresas estejam preparadas para as mudanças e imprevistos dos negócios. Neste cenário, a importância das empresas planejarem eficientemente a sua produção é essencial. Segundo Peixoto & Pinto (2006), o planejamento da produção está diretamente relacionado às políticas de manutenção dos estoques. O gerenciamento dos produtos está em evidência, pois é muitas vezes decisivo no resultado financeiro das organizações. Em empresas do setor varejista, o gerenciamento do estoque físico realizado de forma adequada pode acarretar em grandes ganhos para a organização, visto que estas lojas possuem uma alta variedade de itens. A necessidade de se manter o volume ideal em estoque se justifica analisando os altos custos de manutenção dos produtos. O estabelecimento da quantidade ideal em estoque é fundamental para evitar problemas como o excesso dos itens com baixo giro ou possíveis vendas perdidas. Saber qual a quantidade e quais mercadorias necessitam ser compradas e estocadas deve ser analisado, de forma a buscar o equilíbrio entre oferta e procura. Através da previsão de demanda, pode-se obter uma importante vantagem competitiva, considerando que esta fornece informações relevantes do que, quanto e quando comprar. É por meio desta previsão que se torna possível um maior controle dos produtos, contribuindo, assim, para que os níveis de estoque se aproximem do ideal, dando a empresa maior agilidade e diminuindo custos. A previsão de demanda, por menor que seja sua acuracidade, é uma das principais bases para o planejamento da organização, pois é a partir dela que importantes decisões acerca do gerenciamento de estoque são tomadas. (MANCUZO, 2003). Segundo Slack et al. (2007), as técnicas de previsão de demanda são constantemente utilizadas para auxiliar na tomada de decisões por parte das organizações. Makridakis et al. (1998) destacam que estas previsões necessitam ser interpretadas de forma a dar assistência ao planejamento. As empresas têm utilizado softwares, com técnicas de previsão de demanda, para gerenciamento da cadeia de suprimentos e demanda (SLACK et al., 2007). Estes softwares são capazes de fornecer informações fundamentais para a organização, possibilitando uma grande vantagem competitiva para as empresas, auxiliando em um controle mais preciso e adequado dos estoques. As empresas estão cada vez mais buscando modelos de previsão, visando uma melhor preparação da organização (FELICIANO et al., 2006). No entanto, muitas empresas desconhecem a maioria das técnicas de previsão de demanda (PELLEGRINI, 2000). Este desconhecimento dos modelos de previsão implica em uma necessidade de confiança absoluta por parte das organizações no gerenciamento do estoque feito pelos softwares, não sendo possível uma maior discussão em relação a aspectos do sistema informatizado. Kuyven (2004) afirma que é necessário um acompanhamento e revisão constante dos modelos de previsão adotados. A partir deste ponto, pode-se notar a importância de um gerenciamento, por um profissional, das ferramentas que fornecem as previsões de demanda. É somente através de discussões acerca dos fatores relacionados às previsões que se torna possível aumentar a acurácia do que se prevê. Segundo Mesquita & Santoro (2004), mostra-se necessário nas empresas um profissional que tenha noções de estatística e planejamento da 2

3 produção para um maior acompanhamento junto ao software. Pelo exposto, o objetivo deste artigo é avaliar as técnicas de previsão de demanda utilizadas por um software de gerenciamento de estoques da empresa a ser estudada, comparando os métodos selecionados com outros modelos obtidos através de um pacote computacional utilizado para projeções de séries temporais. Para tanto, serão utilizadas as vendas mensais e os métodos escolhidos pelo software para cinco produtos de alta rotatividade de uma filial em uma grande rede de farmácias do Estado do Rio Grande do Sul. 2. Previsão de demanda As previsões de demanda possuem um papel fundamental no planejamento da produção das organizações, sendo parte indispensável do processo de tomada de decisões (FOGLIATTO et al., 2005; MAKRIDAKIS et al., 1998). Sem estas previsões, as empresas não possuem as informações essenciais capazes de auxiliar na realização de um planejamento adequado para futuros eventos inesperados, podendo, apenas, reagir a estes acontecimentos (SLACK et al., 2007). A previsão, muitas vezes, apresenta dificuldades em ser obtida, mesmo a curto prazo. Embora por vezes seja possível identificar um padrão nas vendas, eventos inesperados podem alterar a demanda repentinamente. Estas incertezas devem ser consideradas pelas organizações ao serem realizadas as previsões de demanda (SLACK et al., 2007). As flutuações de demanda tornam complexas as análises e previsões das vendas. Grande parte dos produtos e serviços apresenta alguma sazonalidade em sua demanda. Embora muitas vezes esta sazonalidade seja previsível, alguns aspectos como variação inesperada do clima e condições econômicas diversas afetam diretamente as vendas, de modo a tornar a previsão mais complicada de ser realizada e com maior grau de incerteza. Mesmo variações de demanda em períodos menores como semanas ou até mesmo dias podem influenciar na complexidade das decisões quanto à previsão (SLACK et al., 2007). 3. Técnicas de previsão de demanda De forma a lidar com tantas variações, muitas técnicas para a previsão de demanda foram desenvolvidas. Diferentes métodos de previsão estão disponíveis para que as organizações identifiquem o modelo mais viável para cada situação (MAKRIDAKIS et al., 1998). Os métodos podem ser divididos em qualitativos, quantitativos e uma combinação destes dois métodos (PELLEGRINI & FOGLIATTO, 2000). Os métodos qualitativos envolvem a intuição e julgamento de profissionais qualificados para opinar na demanda futura do produto/serviço considerado (SLACK et al., 2007). Métodos quantitativos utilizam modelos matemáticos e estatísticos para projetar a demanda. Podem-se classificar os métodos quantitativos em causais, quando se considera que a variável a ter sua previsão realizada é influenciada por outros fatores que podem ser modelados, e a relação entre eles permanecerá constante no futuro, e não-causais, que utilizam dados históricos (séries temporais) para prever a demanda (SLACK et al., 2007; MAKRIDAKIS et al., 1998). O método da média aritmética é bastante simples, constando apenas de um cálculo da média dos valores observados para se obter uma previsão para o próximo período. Embora pouco complexo, a média aritmética mostra-se adequada ao se realizar previsões de séries que não apresentam tendência nem sazonalidade, quando os valores assumidos flutuam em uma média constante (MAKRIDAKIS et al., 1998). A média móvel (MM) é uma técnica de previsão que altera a influência dos valores passados 3

4 de uma série na projeção futura. Consiste no cálculo da média dos valores mais recentes: a cada período, o valor mais antigo é substituído pelo mais recente, assim modificando a média (MORETTIN & TOLOI, 2006). Os modelos de suavização exponencial consistem em uma atribuição de um peso para cada valor da série temporal, de forma que os valores mais recentes recebem ponderações maiores: os pesos decaem exponencialmente em direção ao passado (PELLEGRINI & FOGLIATTO, 2001). As técnicas de suavização exponencial consideram que os valores extremos da série representam a aleatoriedade, e suavizando estes pontos, é possível identificar o padrão da sequência (MORETTIN & TOLOI, 2006). Segundo Makridakis et al. (1998), estes modelos têm como principal vantagem a simplicidade e o baixo custo, fatores que levam estas técnicas a serem constantemente utilizadas, mesmo que outras técnicas mais sofisticadas possam apresentar uma maior acurácia. Os modelos propostos por Box-Jenkins (ARIMA) são modelos matemáticos construídos por meio de um processo iterativo (BOX et al., 1994), que tem o objetivo de identificar o comportamento da autocorrelação entre os valores da série temporal (BALLOU, 2006). Partese da ideia que os valores que compõem a série temporal são dependentes: os valores podem ser explicados por integrantes prévios da sequência (PELLEGRINI, 2000). Através da combinação de termos de autorregressão (AR), integração (I) e médias móveis (MA), o método procura modelos capazes de representar a série temporal, possibilitando, assim, previsões adequadas em relação aos próximos valores da sequência (WERNER, 2004). Os modelos autorregressivos são expressos como uma soma finita de valores ponderados prévios da série, enquanto os modelos de média móvel fazem a regressão dos valores utilizando os erros passados. Por vezes, a utilização somente de termos autorregressivos ou de média móvel não é suficiente para encontrar o modelo mais adequado. Assim, faz-se necessária a inclusão de ambos no modelo a ser analisado. Caso o modelo proposto não seja adequado, é possível repetir o ciclo, iniciando novamente a fase de identificação, até ser possível identificar o modelo que melhor se ajusta aos dados da série (MORETTIN & TOLOI, 2006). Quando se obtém a modelagem ideal, pode-se iniciar a realização de previsões (WERNER & RIBEIRO, 2003). De modo a aumentar a acurácia das previsões realizadas, surgiu a combinação de previsões. Ao invés de se buscar somente o modelo ótimo para projetar a demanda, pode-se identificar diversos modelos que contribuam para a previsão desejada e combinar os resultados obtidos, ponderando os métodos de maneira adequada, de forma a diminuir os erros de previsões (ARMSTRONG, 2001). A combinação de previsões é vantajosa em situações como de incerteza sobre qual método pode projetar os valores da série de forma mais precisa, ou ainda quando se espera que o futuro apresente turbulências (ARMSTRONG, 2001). A equação (1) descreve a combinação de duas previsões. Serão apresentadas duas formas de combinação de previsões: a média aritmética e a variância mínima. onde: F 1 e F 2 são as previsões a serem combinadas e w o peso da previsão. A média aritmética é um método simples, porém robusto de combinação, e em diversos estudos mostrou-se o modelo com melhor desempenho. Os pesos atribuídos aos modelos de previsão são iguais (CLEMEN, 1989). No método da variância mínima, os pesos dados a cada previsão são definidos de forma a minimizar o erro da variância da combinação. O método pode ser descrito pela equação (2) (1) 4

5 (MENEZES et al., 2000). onde: 1 2 e 2 2 são as variâncias dos erros das previsões. 4. Medidas de acurácia As medidas de acurácia são usadas para avaliação dos métodos de previsão. O desempenho das mesmas é analisado pela diferença entre o valor da série e o projetado para o mesmo período (MAKRIDAKIS et al., 1998). Entre as formas de medir a acurácia de previsões, a MAPE (média dos erros percentuais absolutos) é a mais popular, e pode ser descrita pela equação (3) (KAHN, 1998). No entanto, este critério limita-se a medir a acurácia de séries temporais que não contenham valores iguais a zero (PELLEGRINI & FOGLIATTO, 2001). 1 MAPE n n i 1 Y Yˆ i Y i i 5. Previsão de demanda no setor varejista e no ramo farmacêutico Uma das características do setor varejista é a comercialização de uma grande variedade de itens. No ramo farmacêutico, isto pode ser notado analisando as vendas de farmácias e de distribuidoras de medicamento e perfumaria. É comum identificar, no setor farmacêutico, diversos produtos que apresentam sazonalidade. Antibióticos, xaropes e antigripais têm maiores vendas no inverno, enquanto bronzeadores possuem uma concentração de demanda no período do verão. O recente surgimento dos medicamentos genéricos proporcionou a substituição na venda de determinados produtos: o cliente pode escolher entre diversas opções de mercadorias que possuem as mesmas características. Feliciano et al. (2006) afirmam que inovações técnicas, influências sazonais, campanhas de marketing e disponibilidade de estoque estão entre os principais aspectos que contribuem para o comportamento do consumo na indústria farmacêutica. Estes fatores devem ser considerados ao ser realizada a previsão de demanda para produtos farmacêuticos. A identificação de mercadorias substitutas, itens sazonais e ações promocionais são fundamentais para a análise dos dados históricos de venda, que compõem a projeção de demanda. 6. Metodologia De forma a elaborar previsões de demanda, é necessária uma metodologia organizada para ser possível identificar o modelo mais adequado para cada situação. Makridakis et al. (1998) propõem uma metodologia baseada em cinco etapas, que servirá de suporte para estruturar a metodologia deste trabalho. As oito etapas utilizadas no artigo são apresentadas na figura 1 e descritas a seguir. Conforme Grippa et al. (2005) o primeiro passo para obter uma previsão é definir o objetivo da previsão. Sendo assim, esta metodologia tem como primeira etapa a definição do objetivo, que é avaliar os métodos de previsão de demanda escolhidos por um software responsável pelo gerenciamento da demanda e reposição dos estoques para uma filial de uma grande rede do varejo. De modo a avaliar os métodos de previsão de demanda escolhidos pelo software da empresa, (2) (3) 5

6 serão escolhidos cinco itens de alto giro da filial estudada. A escolha destes produtos se dará através da opinião de especialistas da área, que indicarão itens de alto giro que apresentem maiores dificuldades quanto à reposição, sugerindo assim uma possível previsão inadequada por parte do software. A etapa da coleta de dados é fundamental, segundo Makridakis et al. (1998), são dois os tipos de dados que podem estar disponíveis: (i) dados estatísticos e (ii) dados originários de julgamentos de especialistas. Para este artigo, serão coletados os dados históricos de venda mensais dos itens escolhidos previamente. Serão 26 observações, de setembro de 2007 a outubro de A utilização deste período se deve ao fato de ser o mesmo período que o software da empresa utiliza para o cálculo das previsões. Também serão coletadas, junto a especialistas, informações que possam influenciar no comportamento das vendas da empresa estudada, como ações promocionais, alteração nos preços e problemas com fornecedores. Definição do problema Definição dos produtos a serem analisados Coleta de dados Dados históricos de venda Informações de especialistas Escolha de métodos de previsão Métodos software Análise preliminar dos dados Escolha e ajuste dos modelos Utilização e avaliação dos modelos de previsão escolhidos Análise e avaliação do modelo escolhido pelo software Comparação dos modelos propostos pelo artigo e pelo software Figura 1: fluxograma da metodologia proposta no artigo Na etapa de análise preliminar, os dados históricos devem ser analisados e representados graficamente, auxiliando assim na identificação de valores atípicos da série temporal. Nesta etapa também se busca identificar padrões, tendências, ciclos e sazonalidades na série temporal estudada, para assim fornecer informações mais confiáveis para a escolha do modelo quantitativo de previsão a ser adotado (MAKRIDAKIS et al., 1998). Durante esta etapa, através da análise gráfica, deve-se levantar ideias de modelos a serem aplicados nos produtos do estudo. Após, determinam-se os métodos de previsão a serem utilizados para cada item. De modo a 6

7 determinar os métodos mais adequados, fatores como aspectos que influenciam a demanda e características da série temporal devem ser analisados (MAKRIDAKIS et al., 1998). Para o artigo, será utilizado o software SPSS Statistics versão 17 como pacote computacional que modelará a série e realizará as previsões. Foi escolhido este programa devido a sua interface de fácil utilização, além da escolha de forma automática do modelo que melhor se ajusta aos dados. As séries temporais foram divididas em duas partes, sendo 24 meses para ajuste do modelo e dois meses para sua validação. As vendas mensais de agosto de 2007 a agosto de 2009 serão utilizadas para o ajuste, e as vendas de setembro e outubro de 2009 serão comparadas com as previsões realizadas para estes períodos, para a avaliação do melhor método estatístico. Optou-se por este intervalo de tempo devido a ser a mesma sistemática do software da empresa: no primeiro dia do mês, o sistema calcula a previsão estatística para o mês atual e o próximo. Uma vez que o modelo a ser utilizado foi definido e os seus parâmetros foram estimados, o método pode ser aplicado utilizando um pacote computacional. A verificação da acurácia do modelo escolhido se dará através do método da média dos erros percentuais absolutos (MAPE), devido a ser esta a medida de acurácia que o software da empresa estudada utiliza como critério para a análise da precisão dos modelos. Verificado os dois métodos estatísticos que apresentam menor MAPE nos últimos seis meses, será utilizada a combinação pelo método da variância mínima entre estes dois modelos. Paralelamente será apresentado o método escolhido pelo software da empresa para cada um dos cinco itens escolhidos, e a previsão pontual para setembro e outubro de 2009, disponibilizada pelo sistema da empresa. O software possui em sua base seis métodos estatísticos de previsão de demanda: média móvel para 3, 6 e 12 meses, suavização exponencial simples, de Holt e Holt-Winters na sua forma multiplicativa. Para analisar a acurácia do modelo de previsão escolhido, serão comparados os valores reais de venda com os descritos pela previsão, utilizando o MAPE como critério. Analisando os valores do MAPE das previsões para o modelo selecionado pelo software e para os modelos propostos pelo artigo, será possível identificar o método mais adequado, através da comparação da acurácia entre estes modelos. Estes dados auxiliarão na validação da escolha de métodos por parte do software. 7. Estudo de caso O estudo de caso foi desenvolvido em uma filial de uma rede de farmácias do Estado do Rio Grande do Sul, que possui um software de gerenciamento de estoques há dois anos. A aplicação de cada uma das etapas propostas na metodologia será apresentada na sequência. a) Definição do problema A aplicação do estudo será feita em uma filial de uma grande rede de farmácias. Além da venda tradicional no balcão, a loja também possui um sistema de tele-entrega (a farmácia atende os bairros centrais e a zona leste de Porto Alegre). De forma geral, segundo os dados disponibilizados pela farmácia, as vendas da loja mostram uma tendência sazonal, com maior volume de vendas nos meses de inverno, embora dezembro seja o mês com maior venda na loja. O atendimento dos clientes pelo sistema de tele-entrega apresenta diversas vendas atípicas: produtos com baixa rotatividade no ponto-de-venda da loja mostram-se mais populares na tele-entrega. A loja utiliza, desde 2007, um software para o gerenciamento dos seus estoques. Este sistema 7

8 possui como um dos seus parâmetros a previsão de vendas para os próximos dois meses. Para sugerir o volume de cada item a ser comprado da distribuidora, entre medicamentos e produtos de perfumaria, de modo a evitar rupturas no estoque; vendas perdidas; itens vencidos e produtos em excesso, o sistema utiliza a média de venda histórica da loja nos últimos 90 dias e a projeção de vendas para os próximos 30 dias. O software utiliza um histórico de vendas de 24 meses, modelando esta série temporal e obtendo a previsão de demanda no primeiro dia do mês para os próximos dois meses de cada item vendido na farmácia, desdobrando esta projeção em dias, de acordo com a concentração de venda de cada produto. Embora séries mais simples possam ser muitas vezes facilmente modeladas com um número menor de observações, séries complexas exigem um maior número de dados (WERNER & RIBEIRO, 2003). Os 24 meses de histórico armazenado no sistema podem não ser suficientes para uma previsão adequada para determinados itens. No entanto, devido a restrições do software e de seu banco de dados, este período é o utilizado para os cálculos, para não prejudicar o desempenho do sistema. A escolha do método que o sistema julga como mais adequado se dá através da precisão dos últimos seis meses de cada um dos seis modelos: é calculado o erro (a diferença da venda real com o projetado para o período) para os últimos seis meses. Com o somatório dos erros e com a soma das vendas neste período, obtém-se um percentual de precisão de cada modelo. O método que apresentar o menor percentual será selecionado para o item, e a previsão dos dois meses é baseada nas projeções deste modelo. Assim, o problema a ser resolvido é a análise da previsão de demanda realizada por este software da farmácia. Os analistas de estoque da loja afirmam que o sistema está subestimando as vendas da farmácia, com previsões muito abaixo da venda real. Desta forma, procura-se analisar a forma com que o software realiza as previsões de demanda, quais os métodos que o sistema possui em sua base, e a aplicação destes mesmos métodos e outras duas técnicas utilizando uma sistemática diferente, para posterior comparação com as projeções dadas pelo sistema. b) Definição dos produtos a serem analisados Para efetivar o estudo, foram entrevistados analistas responsáveis pelo gerenciamento dos estoques da farmácia. Nesta entrevista, escolheram-se os cinco itens que farão parte do estudo de caso do artigo. O item 1 é um medicamento indicado para pessoas que apresentam déficit de atenção; o item 2 é um antipsicótico recomendado para pacientes com esquizofrenia ou transtorno bipolar; o item 3 é um anticoncepcional; o item 4 é indicado para pacientes que sofrem de disfunção erétil; e o item 5 é um descongestionante nasal. Estes produtos são medicamentos tradicionais no mercado, e seguidamente são solicitados pelos clientes da farmácia. Além disso, os itens possuem uma alta rentabilidade, fazendo com que rupturas no estoque tenham um impacto significativo no resultado final da loja. c) Coleta de dados Os dados mensais de venda dos itens do estudo foram disponibilizados pelos analistas de estoque da farmácia. Questionados sobre outras informações a respeito de possíveis promoções ou negociações que pudessem influenciar o comportamento de venda dos produtos, os analistas afirmaram que estes itens são medicamentos que possuem um alto giro na farmácia. Por este fato, são produtos que não necessitam de qualquer tipo de ação para um aumento nas suas vendas, e mudança nos seus preços impactaria na rentabilidade dos produtos e da loja no geral. 8

9 d) Análise preliminar dos dados Com os dados de venda dos produtos, é possível representar as vendas graficamente e assim identificar possíveis padrões das séries temporais. A figura 2 apresenta a representação gráfica dos dados de venda para cada um dos cinco itens do estudo. Os 24 primeiros meses, que serão os dados utilizados para os ajustes dos modelos, e os dois últimos meses, que serão usados para avaliá-los, foram separados por uma linha vertical. Através da análise da figura 2, é possível identificar que a série temporal que representa o item 1 apresenta uma grande oscilação na demanda, com a venda em abril de 2008 atingindo 308 unidades, bem acima das 65 unidades vendidas dois meses antes. Entretanto, não é possível identificar um padrão para esta série, pois em abril de 2009 as vendas não seguiram este comportamento. É possível notar também que o descongestionante (item 5), como esperado considerando a característica do produto, apresenta indícios de sazonalidade: em 2007 e 2008, o produto mostrou uma queda na demanda nos meses de verão. Já os itens 2, 3 e 4 apresentam menor variação, com as vendas constantes ao longo do tempo. e) Escolha e ajuste dos modelos Figura 2 Gráfico da venda (em unidades) por mês dos cinco itens Para fins de comparação, o mesmo período utilizado pelo sofware da empresa para ajuste e previsão (vendas dos últimos 24 meses, de setembro de 2007 a agosto de 2009) foi usado com o pacote. As séries temporais de cada um dos produtos foram modeladas para cada um dos seis métodos disponíveis no sistema da farmácia (média móvel para 3, 6 e 12 meses, suavização exponencial simples, de Holt e Holt-Winters na sua forma multiplicativa), além da utilização do melhor modelo ARIMA para cada caso. Como critério para atribuição dos valores das constantes de suavização e para a escolha do modelo ARIMA a ser utilizado, foi selecionado o modelo que apresentasse o menor MAPE no período todo. A média dos erros percentuais absolutos foi usada devido ao fato de ser a medida de acurácia utilizada pelo software da farmácia. Os itens 1, 2 e 4 tiveram as previsões baseadas em um modelo AR (1). Para o item 3, o pacote computacional selecionou o ARIMA(0,1,0), que é a série diferenciada uma vez, enquanto o item 5 apresentou o modelo MA(1) como mais acurado. Ajustados os modelos utilizando o SPSS Statistics, foi analisado o MAPE dos últimos seis 9

10 meses para cada um dos sete métodos propostos. Foi definido que este seria o período utilizado para a identificação dos dois melhores modelos a terem as previsões combinadas devido à sistemática do software da farmácia, que também usa o mesmo período para a escolha do melhor método estatístico. Na tabela 1, é apresentado o MAPE calculado com os valores de março a agosto de 2009 para cada um dos itens e métodos aplicados. SES Holt H-W MM-12 MM-6 MM-3 ARIMA Item 1 41,92% 40,87% 33,82% 42,67% 33,59% 40,76% 39,65% Item 2 18,92% 21,03% 26,24% 18,92% 20,82% 18,67% 20,23% Item 3 8,20% 11,79% 7,13% 15,96% 14,14% 11,26% 10,59% Item 4 39,35% 40,41% 17,68% 41,95% 38,73% 36,34% 35,39% Item 5 22,44% 22,20% 14,51% 21,23% 26,74% 30,49% 14,51% Tabela 1 MAPE dos últimos seis meses Analisando a média dos erros percentuais absolutos para cada método na tabela 1, verifica-se que as séries modeladas pelo método de Holt-Winters apresentam o menor MAPE entre todas as técnicas para três itens, inclusive para o item 5, confirmando a sazonalidade do produto discutida na quarta etapa do estudo de caso, uma vez que os modelos de Holt-Winters são indicados para séries que apresentem este comportamento. A média móvel para 6 e 3 meses apresentam maior acurácia para os itens 1 e 2, respectivamente. De modo a definir quais métodos teriam suas previsões combinadas, foi comparado o MAPE dos últimos seis meses para cada um dos sete métodos propostos no artigo. Com a combinação de previsões, busca-se maior acurácia na projeção de vendas, fazendo com que os dois métodos que mostraram maior precisão nos modelos contribuam para as projeções de demanda. Devido à simplicidade e robustez do método da variância mínima, optou-se por esta técnica para a atribuição dos pesos para cada um dos dois métodos a terem as previsões combinadas. Assim, foram coletadas as variâncias dos erros dos modelos dos últimos seis meses dos dois métodos com menor MAPE, no mesmo intervalo. Os dois métodos escolhidos para cada item são apresentados na tabela 2. Item 1 Item 2 Item 3 Item 4 Item 5 Métodos escolhidos MM-6 e H-W MM-3 e MM-12 H-W e SES H-W e ARIMA H-W e ARIMA Tabela 2 Métodos a terem as previsões combinadas Embora alguns modelos tenham apresentado um menor valor no MAPE dos últimos seis meses, a variância dos erros neste mesmo período foi maior que a dos modelos que apresentaram o segundo menor MAPE. Assim, o peso dado às previsões destes modelos foi menor, fazendo com que os métodos com segundo melhor desempenho tivessem uma contribuição maior na combinação. f) Utilização e avaliação dos modelos de previsão escolhidos Com as séries modeladas na etapa anterior, é possível obter a previsão de demanda para os 10

11 meses de setembro e outubro, mesmo período que o software da empresa realiza as projeções de venda. Na tabela 3, são apresentadas as previsões pontuais para cada um dos sete métodos propostos e a previsão combinada, utilizando os métodos escolhidos conforme a tabela 2. Item 1 Item 2 Item 3 Item 4 Item 5 SES Holt H-W MM-12 MM-6 MM-3 ARIMA Combinação Setembro 107,11 105,54 84,15 150,08 145,17 133,67 130,10 115,40 Outubro 107,11 103,26 111,69 150,08 145,17 133,67 150,04 111,69 Setembro 92,34 99,10 100,21 93,25 89,00 87,33 96,33 90,64 Outubro 92,34 100,26 117,32 93,25 89,00 87,33 90,55 93,25 Setembro 54,80 48,80 52,87 55,33 51,33 55,33 55,13 53,70 Outubro 54,80 47,78 52,77 55,33 51,33 55,33 54,26 54,80 Setembro 21,71 22,27 21,75 24,58 20,00 21,67 21,23 21,64 Outubro 21,71 22,66 22,50 24,58 20,00 21,67 21,36 21,36 Setembro 71,00 71,44 80,53 66,25 77,00 90,33 63,42 72,83 Outubro 71,00 71,87 84,47 66,25 77,00 90,33 65,28 65,28 Tabela 3 Previsões pontuais dos oito métodos propostos no artigo Com a obtenção das previsões, utilizam-se as vendas reais no mesmo período, conforme foram coletadas na etapa 3, para a análise da acurácia. Calculou-se então o MAPE destes dois meses para os oito métodos, como é mostrado na tabela 4. SES Holt H-W MM-12 MM-6 MM-3 ARIMA Combinação Item 1 20,28% 22,26% 27,46% 11,71% 8,05% 3,33% 4,01% 15,44% Item 2 8,53% 7,87% 16,44% 7,62% 11,83% 13,48% 7,65% 8,82% Item 3 7,56% 10,01% 7,38% 7,63% 7,08% 7,63% 8,35% 6,46% Item 4 55,87% 61,39% 59,04% 76,50% 43,59% 55,56% 52,92% 54,30% Item 5 41,27% 42,55% 63,88% 31,82% 53,21% 79,74% 27,91% 37,93% Tabela 4 MAPE das previsões para setembro e outubro de 2009 Analisando as médias dos erros percentuais absolutos apresentadas na tabela 4, nota-se que nenhum dos métodos que apresentaram o menor MAPE dos valores ajustados dos últimos seis meses mostrou-se o mais acurado considerando as previsões de setembro e outubro. A média móvel para 6 meses apresentou menor MAPE para o item 4, embora não esteja entre os métodos escolhidos para ter a previsão combinada para estes produtos. A média móvel para 3 meses, 12 meses, a combinação de previsões (Holt-Winters e SES) e o modelo MA(1) apresentaram maior acurácia para, respectivamente, os itens 1, 2, 3 e 5. g) Análise e avaliação do modelo escolhido pelo software O software de gerenciamento dos estoques da empresa selecionou, para cada um dos cinco itens escolhidos, um método estatístico de previsão de demanda entre os seis métodos disponíveis no sistema (média móvel para 3, 6 e 12 meses, suavização exponencial simples, de Holt e Holt-Winters multiplicativo). A tabela 5 mostra os métodos escolhidos pelo software para cada item do estudo e as previsões pontuais disponibilizadas pelo sistema. Os métodos selecionados pelo software da loja foram de suavização exponencial. Para dois itens, o sistema ajustou modelos de suavização exponencial simples (itens 3 e 4); para os produtos 1 e 2 foi escolhido o método de Holt, e o item 5 teve a previsão de vendas para setembro e outubro calculada através do modelo de suavização exponencial sazonal de Holt- 11

12 Winters (multiplicativo). Embora o software da farmácia também utilize os métodos de suavização exponencial, por utilizar uma sistemática distinta da escolhida pelo SPSS, as previsões usando o mesmo método mostram-se diferentes entre estes dois sistemas. Item 1 Item 2 Item 3 Item 4 Item 5 Método escolhido Mês Previsão pontual Holt Setembro 63,59 Outubro 59,83 Holt Setembro 85,00 Outubro 83,40 SES Setembro 55,17 Outubro 55,17 SES Setembro 21,03 Outubro 21,03 H-W Setembro 70,52 Outubro 98,64 Tabela 5 Métodos escolhidos e previsões pontuais do software Com as previsões para setembro e outubro dos cinco itens, analisou-se a sua acurácia, comparando-as com as vendas reais nestes períodos. Na tabela 6, é apresentado o MAPE dos modelos escolhidos pelo sistema da farmácia para os dois meses que tiveram a previsão realizada, sendo que o item 3 o melhor modelado. Item 1 Item 2 Item 3 Item 4 Item 5 MAPE 54,02% 16,65% 7,61% 50,96% 66,36% Tabela 6 MAPE de setembro e outubro das previsões do software h) Comparação dos modelos propostos pelo artigo e pelo software Comparando os valores dos erros percentuais absolutos das previsões obtidas com o SPSS, com as projeções do software da empresa, verifica-se que para os itens 1 e 2 qualquer dos sete modelos identificados pelo pacote computacional utilizado, além da previsão combinada, mostram-se mais acurados que a previsão pontual do sistema. O item 5 também apresenta uma média dos erros percentuais absolutos alta em relação aos métodos com maior precisão propostos no artigo: enquanto o MAPE da previsão do software apresenta um valor de 66,36%, o modelo MA(1) tem como média 27,91%. Para os itens 3 e 4, a combinação e a média móvel de 6 meses, respectivamente, mostraram-se mais acuradas que os modelos de suavização exponencial simples selecionados para estes produtos no software da farmácia. 8. Conclusão A previsão de demanda surgiu como uma importante atividade, fornecendo informações importantes para a tomada de decisão e auxiliando no planejamento das empresas. Com estes dados, a estratégia das organizações pode ser construída com uma base sólida, minimizando eventuais problemas. Os softwares de gerenciamento da cadeia de suprimentos que contêm um módulo de previsão de demanda tornam-se importantes neste contexto das organizações. Neste cenário, o estudo de caso do artigo apresentou uma comparação entre os diferentes métodos propostos no software de gerenciamento dos estoques de uma farmácia e outros modelos com uma sistemática distinta, como alguns dos métodos mais populares utilizados 12

13 atualmente: os modelos de suavização exponencial e os modelos ARIMA. Baseando-se em uma metodologia de oito etapas, as séries temporais com os dados de venda mensais de cinco itens coletados junto à farmácia foram modeladas, de forma a ser possível realizar previsões de demanda para um horizonte de dois meses. Para a escolha dos métodos a terem suas previsões combinadas, foi utilizado a média dos erros percentuais absolutos (MAPE) como critério, por ser a medida de acurácia que o software da loja utiliza. Com a aplicação da metodologia e das técnicas propostas no artigo, foi possível avaliar a escolha dos métodos por parte do software da empresa. Utilizando novamente o MAPE como critério, comparando as previsões com a venda real no período, pode-se notar que a combinação de previsões mostrou-se com uma acurácia satisfatória para os cinco itens do estudo. Observa-se também que as previsões do sistema da farmácia apresentaram-se com precisão menor do que alguns dos métodos propostos no artigo. Com a conclusão do estudo, nota-se que adicionar a combinação de previsões entre um dos métodos de previsão de demanda do software utilizado pela farmácia é uma opção que trará vantagens competitivas, já que esta técnica apresentou resultados representativos na precisão, e pode auxiliar nos casos em que a previsão apresenta valores próximos a zero, fazendo com que a recomendação de compra seja nula ou insuficiente para atender a demanda da farmácia. A inclusão dos modelos ARIMA também pode ser analisada, visto que estes modelos mostraram-se com acurácia satisfatória, comparando-os com as previsões dos demais métodos utilizados no software. Referências ARMSTRONG, J. S. Combining forecasts. In: ARMSTRONG, J. Principles of Forecasting: a Handbook for Researchers and Practitioners. Boston: Kluwer Academic Publishers, BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos - Logística empresarial. - 5ª ed - São Paulo: Bookman, BOX, G. E. P.; JENKINS, G. M.; REINSELL, G. C. Time series analysys: forecasting and control. Prentice Hall. New Jersey, 1994 CLEMEN, R. T. Combining forecasts: a review and annotated bibliography. International Journal of Forecasting. v. 5, p , FELICIANO, R. A.; SPINOLA, M, M.; SHIMIZU, T. Um método de análise de variáveis causais para previsão de demanda no setor farmacêutico. In: XXVI ENEGEP Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2006, Porto Alegre. Cd-rom. FOGLIATTO, F. S.; RIBEIRO, J. L.; WERNER, L.; LEMOS, R. O.; BRUM, M. P. Previsão de Demanda por Energia Elétrica: Método e Aplicação. In: XXV ENEGEP Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2005, Porto Alegre. Cd-rom. GRIPPA, D. B.; LEMOS, F. O.; FOGLIATTO, F. S. Analogia e combinação de previsões aplicadas à demanda de novos produtos. In: XXV ENEGEP Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2005, Porto Alegre. Cd-rom. KAHN, K. Benchmarking sales forecasting performance measures. The Journal of Business Forecasting. Winter, p , KUYVEN, P. S. Proposta de um método para a análise de demanda: aplicação numa indústria de brinquedos. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Departamento de Engenharia de Produção e Transportes. Porto Alegre - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, MAKRIDAKIS, S.; WHEELWRIGHT, S. C; HYNDMAN, R. J. Forecasting Methods and Applications. - 3ª ed - New York: John Wiley & Sons, MANCUZO, F. Análise e Previsão de Demanda: Estudo de Caso de uma Empresa Distribuidora de 13

14 Rolamentos. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Engenharia) Departamento de Engenharia de Produção e Transportes. Porto Alegre - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, MENEZES, L. M.; BUNN, D. W.; TAYLOR, J. W. Review of guidelines for the use of combined forecasts. European Journal of Operational Research. v. 120, p , MORETTIN, P. A.; TOLOI, C. M de C. Previsão de séries temporais. - 2ª ed. - São Paulo: Atual, PEIXOTO, E. C.; PINTO, L. R. Gerenciamento de estoque via previsão de vendas agregadas utilizando simulação. Produção, v. 16, n. 3, p , Set./Dez PELLEGRINI, F. R. Metodologia para implementação de sistemas de previsão de demanda. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Departamento de Engenharia de Produção e Transportes. Porto Alegre - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, PELLEGRINI, F. R; FOGLIATTO, F. S. Estudo comparativo entre os modelos de Winters e de Box-Jenkins para previsão de demanda sazonal. Produto & Produção. v. 4, n. especial, p , PELLEGRINI, F. R; FOGLIATTO, F. S. Passos para implementação de sistemas de previsões de demanda: técnicas e estudo de caso. Revista Produção, v. 11, n. 1, p , SLACK, N.; CHAMBER, S.; HARLAND, C. HARRISON, A.; JOHNSTON, R.; Administração da Produção. 2ª ed. - São Paulo: Atlas, WERNER, L. Um modelo composto para realizar previsão de demanda através da integração de combinação de previsões e do ajuste baseado na opinião. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Departamento de Engenharia de Produção e Transportes. Porto Alegre Universidade Federal do Rio Grande do Sul, WERNER, L.; RIBEIRO, J. L. D. Previsão de demanda: uma aplicação dos modelos Box-Jenkins na área de assistência técnica de computadores pessoais. Revista Gestão & Produção, v. 10, n. 1, p ,

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO José Gilberto S. Rinaldi (UNESP/Presidente Prudente) Randal Farago (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: Este trabalho aborda técnicas

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO Andréa Crispim Lima dekatop@gmail.com Manoela Alves Vasconcelos manoelavasconcelos@hotmail.com Resumo: A previsão de demanda

Leia mais

METODOLOGIA PARA SELEÇÃO DE MÉTODOS DE PREVISÃO DE DEMANDA

METODOLOGIA PARA SELEÇÃO DE MÉTODOS DE PREVISÃO DE DEMANDA METODOLOGIA PARA SELEÇÃO DE MÉTODOS DE PREVISÃO DE DEMANDA Fernando de Oliveira Lemos (PUCRS / UFRGS) fernando.lemos@pucrs.br Flávio Sanson Fogliatto (UFRGS) ffogliatto@producao.ufrgs.br Resumo: Um dos

Leia mais

Análise comparativa de métodos de previsão de demanda utilizados em uma distribuidora de medicamentos

Análise comparativa de métodos de previsão de demanda utilizados em uma distribuidora de medicamentos Análise comparativa de métodos de previsão de demanda utilizados em uma distribuidora de medicamentos (Artigo a ser submetido à Revista Produção) Alice Senna Pereira dos Santos (UFRGS) alice.senna@ufrgs.br

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT WINTERS PARA A PREVISÃO AGREGADA DE SANDÁLIAS FABRICADAS A PARTIR DE PNEUS INSERVÍVEIS

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT WINTERS PARA A PREVISÃO AGREGADA DE SANDÁLIAS FABRICADAS A PARTIR DE PNEUS INSERVÍVEIS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT WINTERS PARA A PREVISÃO AGREGADA DE SANDÁLIAS FABRICADAS A PARTIR DE PNEUS INSERVÍVEIS Tulio Franco de Souza (UEPA) tfsengprod@yahoo.com.br

Leia mais

Previsão de demanda por energia elétrica Método e aplicação

Previsão de demanda por energia elétrica Método e aplicação Previsão de demanda por energia elétrica Método e aplicação Flávio Sanson Fogliatto (UFRGS) ffogliatto@producao.ufrgs.br José Luis Duarte Ribeiro (UFRGS) ribeiro@producao.ufrgs.br Liane Werner (UFRGS)

Leia mais

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Tiago Mendes Dantas t.mendesdantas@gmail.com Departamento de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Previsão de demanda e níveis de estoque uma abordagem conjunta aplicada no setor siderúrgico

Previsão de demanda e níveis de estoque uma abordagem conjunta aplicada no setor siderúrgico Previsão de demanda e níveis de estoque uma abordagem conjunta aplicada no setor siderúrgico Liane Werner (UFRGS) liane@producao.ufrgs.br Fernando de Oliveira Lemos (UFRGS) flemos@producao.ufrgs.br Tiago

Leia mais

A demanda pode ser entendida como a disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização.

A demanda pode ser entendida como a disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização. Previsão da Demanda As previsões têm uma função muito importante nos processos de planejamento dos sistemas logísticos, pois permite que os administradores destes sistemas antevejam o futuro e planejem

Leia mais

APLICAÇÃO DE METODOLOGIA E ANÁLISE DE PREVISÃO DE DEMANDA EM DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS

APLICAÇÃO DE METODOLOGIA E ANÁLISE DE PREVISÃO DE DEMANDA EM DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. APLICAÇÃO DE METODOLOGIA E ANÁLISE DE PREVISÃO DE DEMANDA EM DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS Gustavo Rech de Oliveira (UFRGS) gustavorech83@ibest.com.br

Leia mais

Análise de Métodos Quantitativos em Previsão de Vendas de Insumo Para Diagnóstico In Vitro

Análise de Métodos Quantitativos em Previsão de Vendas de Insumo Para Diagnóstico In Vitro Análise de Métodos Quantitativos em Previsão de Vendas de Insumo Para Diagnóstico In Vitro RESUMO Autoria: Antenor da Veiga Neto, Ailton Conde Jussani A previsão de vendas é normalmente o ponto de partida

Leia mais

Modelo SARIMA: um estudo de caso sobre venda mensal de gasolina

Modelo SARIMA: um estudo de caso sobre venda mensal de gasolina Modelo SARIMA: um estudo de caso sobre venda mensal de gasolina Ana Julia Righetto 1 Luiz Ricardo Nakamura 1 Pedro Henrique Ramos Cerqueira 1 Manoel Ivanildo Silvestre Bezerra 2 Taciana Villela Savian

Leia mais

LIDANDO COM SAZONALIDADES NO PROCESSO LOGÍSTICO

LIDANDO COM SAZONALIDADES NO PROCESSO LOGÍSTICO LIDANDO COM SAZONALIDADES NO PROCESSO LOGÍSTICO Praticamente todos os processos logísticos estão sujeitos a algum tipo de sazonalidade. A humanidade e seus grupos sociais, desde tempos remotos, sempre

Leia mais

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estimativas acuradas do volume de produtos e serviços processados pela

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Robert Wayne Samohyl (UFSC) samohyl@yahoo.com Resumo: A importância do controle estatístico

Leia mais

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Conceitos Iniciais Prever é a arte e a ciência de predizer eventos futuros, utilizando-se de dados históricos e sua projeção para o futuro, de fatores subjetivos ou intuitivos,

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais. Unidade 1 Previsão de Demanda. Revisão 0, de 07/08/2012

Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais. Unidade 1 Previsão de Demanda. Revisão 0, de 07/08/2012 Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais Unidade 1 Previsão de Demanda Revisão 0, de 07/08/2012 Prof. João Paulo Seno jpseno.pitagoras@gmail.com O que

Leia mais

tipos de métodos, técnicas de inteligência artificial e técnicas de otimização. Por fim, concluise com as considerações finais.

tipos de métodos, técnicas de inteligência artificial e técnicas de otimização. Por fim, concluise com as considerações finais. 1. Introdução A previsão de vendas é fundamental para as organizações uma vez que permite melhorar o planejamento e a tomada de decisão sobre o futuro da empresa. Contudo toda previsão carrega consigo

Leia mais

EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook

EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook Setembro 2003 PeopleSoft EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook SKU SCM89PFC0309 Copyright 2003 PeopleSoft, Inc. Todos os direitos reservados. Todas as informações

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

ANAIS PREVISÃO DE VENDAS ATRAVÉS DE MODELOS INTEGRADOS: O CASO DO SETOR TÊXTIL DE UMA EMPRESA

ANAIS PREVISÃO DE VENDAS ATRAVÉS DE MODELOS INTEGRADOS: O CASO DO SETOR TÊXTIL DE UMA EMPRESA PREVISÃO DE VENDAS ATRAVÉS DE MODELOS INTEGRADOS: O CASO DO SETOR TÊXTIL DE UMA EMPRESA GERALDO GIRARDI ( girardi@cpovo.net ) UNIVERSIDADE DE CAXIAS DOS UL MARIA EMILIA CAMARGO ( kamargo@terra.com.br,

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Profa. Marinalva Barboza Atividades da gestão de materiais e a logística Segundo Pozo, as atividades logísticas podem ser vistas por duas grandes áreas: atividades

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

A Variação da Demanda em Cadeias de Suprimentos

A Variação da Demanda em Cadeias de Suprimentos A Variação da Demanda em Cadeias de Suprimentos Artigo Mundo Logística 2011 Versão 1.0 Autor Iuri Rafael Destro Data 25/5/2011 Responsável Hélcio Fernando Lenz Histórico de Revisões Versão Data Descrição

Leia mais

5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade

5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade 5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade Neste capítulo, as metodologias abordadas nos capítulos 3 e 4 serão adaptadas e aplicadas ao contexto descrito no capítulo 1 (mensurar as variáveis que compõem

Leia mais

Forecast Pro: pacotes e funcionalidades

Forecast Pro: pacotes e funcionalidades Forecast Pro: pacotes e funcionalidades Tiago Pellegrini T. Vieira Belge Blue Tree Towers Morumbi São Paulo / SP 03 de maio de 2011 Realização: Agenda Belge Engenharia BFS e Forecast Pro Previsão de Demanda

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

METODOLOGIA PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE PREVISÃO DE DEMANDA

METODOLOGIA PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE PREVISÃO DE DEMANDA 1 METODOLOGIA PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE PREVISÃO DE DEMANDA Fernando R. Pellegrini, M.Sc. Programa de Pós Graduação em Eng a de Produção UFRGS, Porto Alegre/RS, pellegrini@ppgep.ufrgs.br. Flávio

Leia mais

DIRECIONAMENTO DE INVESTIMENTOS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR BASEADO EM PREVISÃO DE RECEITA

DIRECIONAMENTO DE INVESTIMENTOS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR BASEADO EM PREVISÃO DE RECEITA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MARINA WEIL AFONSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MARINA WEIL AFONSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MARINA WEIL AFONSO ANÁLISE DOS MODELOS DE PREVISÃO DE DEMANDA APLICADOS AO CONTROLE DE ESTOQUE DE UMA FARMÁCIA HOSPITALAR

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE VENDAS

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE VENDAS PLANEJAMENTO E CONTROLE DE VENDAS PLANO DE VENDAS É o alicerce do planejamento periódico numa empresa, pois praticamente todo o restante do planejamento da empresa baseia-se nas estimativas de vendas,

Leia mais

APLICAÇÃO DE MÉTODOS DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA REDUÇÃO DE CUSTOS NA GESTÃO DO ESTOQUE

APLICAÇÃO DE MÉTODOS DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA REDUÇÃO DE CUSTOS NA GESTÃO DO ESTOQUE APLICAÇÃO DE MÉTODOS DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA REDUÇÃO DE CUSTOS NA GESTÃO DO ESTOQUE Igor Henrique Inácio de Oliveira igoroliveira06@outlook.com FATEC Guarulhos Lucas Lopes Filholino Rodrigues lucasfilholino@hotmail.com

Leia mais

Análise de séries temporais aplicada aos valores do salário mínimo necessário do Brasil

Análise de séries temporais aplicada aos valores do salário mínimo necessário do Brasil Análise de séries temporais aplicada aos valores do salário mínimo necessário do Brasil Talita Tanaka Fernandes Jacqueline Meneguim Manoel Ivanildo Silvestre Bezerra 3 Luiz Ricardo Nakamura Introdução

Leia mais

ENG09012 - Atividades Complementares em Engenharia de Produção - UFRGS - janeiro de 2004

ENG09012 - Atividades Complementares em Engenharia de Produção - UFRGS - janeiro de 2004 Monitoramento através de controle estatístico do processo do setor de videocodificação no Centro de Tratamento de Cartas (CTC) Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) Conrado Rodrigues Paganotti

Leia mais

3 Previsão da demanda

3 Previsão da demanda 42 3 Previsão da demanda Este capítulo estuda o processo de previsão da demanda através de métodos quantitativos, assim como estuda algumas medidas de erro de previsão. Num processo de previsão de demanda,

Leia mais

SEXTA PARTE. 46. Administração dos estoques modelos e sistemas básicos. 46.1. Tipos de demandas

SEXTA PARTE. 46. Administração dos estoques modelos e sistemas básicos. 46.1. Tipos de demandas Administração de Materiais 152 SEXTA PARTE 46. Administração dos estoques modelos e sistemas básicos 46.1. Tipos de demandas Quando estamos tratando das características dos estoques, um atributo muito

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS AÇÕES DE MARKETING SOBRE O FATURAMENTO DE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DO SUL DE MINAS GERAIS UTLIZANDO TÉCNICAS DE SÉRIES TEMPORAIS

ESTUDO DO EFEITO DAS AÇÕES DE MARKETING SOBRE O FATURAMENTO DE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DO SUL DE MINAS GERAIS UTLIZANDO TÉCNICAS DE SÉRIES TEMPORAIS ESTUDO DO EFEITO DAS AÇÕES DE MARKETING SOBRE O FATURAMENTO DE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DO SUL DE MINAS GERAIS UTLIZANDO TÉCNICAS DE SÉRIES TEMPORAIS Maria de Lourdes Lima Bragion 1, Nivaldo Bragion 2,

Leia mais

Excel Básico e Avançado. Aula 7

Excel Básico e Avançado. Aula 7 Excel Básico e Avançado Aula 7 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Mudanças Abruptas www.mudancasabruptas.com.br Séries Temporais Objetivos Analisar tendências de eventos Identificar sazonalidades Fazer

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

MetrixND. especificações. MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica

MetrixND. especificações. MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica MetrixND especificações MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica Visão geral O MetrixND da Itron é uma ferramenta de modelagem flexível, bastante usada pelos principais serviços de previsão

Leia mais

PREVISÃO DA DEMANDA DE UM HOTEL TRÊS ESTRELAS NA CIDADE DE MARABÁ UTILIZANDO FERRAMENTAS PARA PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PREVISÃO DA DEMANDA DE UM HOTEL TRÊS ESTRELAS NA CIDADE DE MARABÁ UTILIZANDO FERRAMENTAS PARA PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO PREVISÃO DA DEMANDA DE UM HOTEL TRÊS ESTRELAS NA CIDADE DE MARABÁ UTILIZANDO FERRAMENTAS PARA PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Joao Antonio Soares Vieira (UEPA) joaoantonioep@gmail.com MARIA DAS GRACAS

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção

Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção Introdução - Sistema de PCP - Previsão da demanda - Planejamento da produção Gerência de Estoques - Lote Econômico - Plano de Produção Gerência de Projetos - CPM - PERT

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Métodos Básicos de Previsão

Métodos Básicos de Previsão Métodos Básicos de Previsão O que é previsão? "Prediction is very difficult, especially if it s about the future." 1 Niels Bohr, laureado com Nobel em Física Segundo o Dicionário do Aurélio (FERREIRA,

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

ANAIS COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE SÉRIE TEMPORAL PARA PREVISÃO DE DEMANDA DE UM ITEM COM COMPORTAMENTO INTERMITENTE DE DEMANDA

ANAIS COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE SÉRIE TEMPORAL PARA PREVISÃO DE DEMANDA DE UM ITEM COM COMPORTAMENTO INTERMITENTE DE DEMANDA COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE SÉRIE TEMPORAL PARA PREVISÃO DE DEMANDA DE UM ITEM COM COMPORTAMENTO INTERMITENTE DE DEMANDA ROBERTO RAMOS DE MORAIS (rrmorais@uol.com.br, rrmorais@uol.com.br) Fatec Zl - Faculdade

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

Alisamento Exponencial (EWMA) e Holt-Winters

Alisamento Exponencial (EWMA) e Holt-Winters Alisamento Exponencial (EWMA) e Holt-Winters 1 - Alisamento Exponencial Simples Admita-se que pretendemos prever os valores futuros da série representada no gráfico 1. Gráfico 1 - esta série não apresenta

Leia mais

Previsão de demanda de três produtos fornecidos por um distribuidor de bebidas

Previsão de demanda de três produtos fornecidos por um distribuidor de bebidas Resumo Previsão de demanda de três produtos fornecidos por um distribuidor de bebidas Tâmis Scipioni 1 Miguel Afonso Sellitto 2 O objetivo deste artigo foi identificar a metodologia de previsão de demanda

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA Em qualquer empresa que atua na comercialização de produtos, o estoque apresenta-se como elemento fundamental. No ramo farmacêutico, não é diferente, sendo o controle

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL MODELOS DE SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA EÓLICA A PARTR DO MÉTODO DE HOLT-WINTERS E SUAS VARIAÇÕES Matheus Ferreira de Barros Programa de Pós-Graduação em Metrologia para Qualidade e Inovação

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MÉTODOS QUANTITATIVOS

DEPARTAMENTO DE MÉTODOS QUANTITATIVOS DEPARTAMENTO DE MÉTODOS QUANTITATIVOS DISCIPLINA: MÉTODOS DE PREVISÃO DOCUMENTO DE APRESENTAÇÃO LICENCIATURA DE MARKETING ANO LECTIVO 2005/06 Métodos de Previsão Ano lectivo: 2005/2006 3.º ano; 2.º semestre

Leia mais

Análise e Previsão de Demanda numa Empresa de Distribuição de Medicamentos

Análise e Previsão de Demanda numa Empresa de Distribuição de Medicamentos Análise e Previsão de Demanda numa Empresa de Distribuição de Medicamentos Roberto Freitas Werneck MONOGRAFIA SUBMETIDA À COORDENAÇÃO DE CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA S&OP Planejamento integrado de vendas e operações

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA S&OP Planejamento integrado de vendas e operações 18 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA S&OP Planejamento integrado de vendas e operações 2.1 CADEIA DE SUPRIMENTOS A definição de gerenciamento da cadeia de suprimentos adotada por Christopher (2007) é a seguinte:

Leia mais

O Efeito Chicote e o seu Impacto na Gestão das Cadeias de Suprimentos

O Efeito Chicote e o seu Impacto na Gestão das Cadeias de Suprimentos O Efeito Chicote e o seu Impacto na Gestão das Cadeias de Suprimentos RESUMO Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Neimar Follmann (UFSC) follmann2@hotmail.com Carlos Manuel Taboada Rodriguez

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Natália Araújo Pacheco

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Natália Araújo Pacheco UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Natália Araújo Pacheco PREVISÃO DE VENDAS EM UMA DISTRIBUIDORA DE COMBUSTÍVEIS Porto Alegre 2006 1

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1 Modelagem da Venda de Revistas Mônica Barros Julho de 1999 info@mbarros.com 1 Modelagem Matemática e Previsão de Negócios Em todas as empresas, grandes e pequenas, é necessário fazer projeções. Em muitos

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Gestão de Estoques: uma ferramenta para a redução de custos

Gestão de Estoques: uma ferramenta para a redução de custos Universidade de São Paulo Faculdade de Economia e Administração Graduação em Administração Gestão de Estoques: uma ferramenta para a redução de custos Roberto Flores Falcão RESUMO A necessidade de profissionalização

Leia mais

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 Sumário Parte l 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 2. Entrevistas 5 2.1 Tipos de entrevistas 8 2.2 Preparação e condução

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Técnicas de Mineração de Dados Aplicadas a Reservatórios visando à Gestão Ambiental na Geração de Energia

Técnicas de Mineração de Dados Aplicadas a Reservatórios visando à Gestão Ambiental na Geração de Energia Técnicas de Mineração de Dados Aplicadas a Reservatórios visando à Gestão Ambiental na Geração de Energia Aluno: Gabriel Leite Mariante Orientador: Marley Maria Bernardes Rebuzzi Vellasco Introdução e

Leia mais

Rodrigo Silva Trevizan. FORECASTING DE VENDAS: Utilizar ou não uma ferramenta de previsão?

Rodrigo Silva Trevizan. FORECASTING DE VENDAS: Utilizar ou não uma ferramenta de previsão? UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL Rodrigo Silva Trevizan FORECASTING DE VENDAS:

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento 01 SISTEMA ANALÍTICO DE PLANEJAMENTO QUE PERMITE OTIMIZAR O ATENDIMENTO DAS DEMANDAS, A PRODUÇÃO DE CIMENTO E SUPRIMENTO DE INSUMOS, MAXIMIZANDO A MARGEM DE CONTRI- BUIÇÃO DA OPERAÇÃO O CILO É uma ferramenta

Leia mais

Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar

Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar Núbia da Silva Batista ¹ Cássio Pinho dos Reis ² Flávia Ferreira Batista ² 3 Introdução Inaugurado

Leia mais

Estudo comparativo entre modelos de previsão de demanda: ensaio em um produto classe a de uma empresa de perfumes e cosméticos

Estudo comparativo entre modelos de previsão de demanda: ensaio em um produto classe a de uma empresa de perfumes e cosméticos Estudo comparativo entre modelos de previsão de demanda: ensaio em um produto classe a de uma empresa de perfumes e cosméticos Salomão Almeida Pereira (UFSC) salomao@deps.ufsc.br Lorena Drumond Loureiro

Leia mais

Prof. Dr. Koiti Egoshi

Prof. Dr. Koiti Egoshi 1 PREVISÃO DE DEMANDA DE PRODUTOS FINAIS PARA PREVISÃO DE ESTOQUES DE MATÉRIAS-PRIMAS E INSUMOS BÁSICOS Prof. Dr. Koiti Egoshi Para se estabelecer efetivamente Níveis de Estoque de Matérias-Primas e Insumos

Leia mais

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS PRIAD - Adm. Materiais e Logística Prof. Célio 1 PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS QUESTÃO 1. Aponte a alternativa que não corresponde aos objetivos da Logística Empresarial

Leia mais

Sales and Operations Planning uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna

Sales and Operations Planning uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna Rodrigo Arozo A quebra dos silos funcionais e a integração entre as diversas áreas das empresas, bem como a adoção de uma visão por processos,

Leia mais

Método de previsão de demanda e detecção de sazonalidade para o planejamento da produção de indústrias de alimentos.

Método de previsão de demanda e detecção de sazonalidade para o planejamento da produção de indústrias de alimentos. XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasil, 2 a 24 de out de 2003 de previsão de demanda e detecção de sazonalidade para o planejamento da produção de indústrias de alimentos. Abelardo

Leia mais

Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição.

Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição. Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição. Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE A gestão de estoque é, basicamente, o ato de gerir recursos ociosos

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

COMPARAÇÃO DE TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA CONTROLE DE ESTOQUES DE EMBALAGEM PARA COMPUTADORES

COMPARAÇÃO DE TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA CONTROLE DE ESTOQUES DE EMBALAGEM PARA COMPUTADORES COMPARAÇÃO DE TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA CONTROLE DE ESTOQUES DE EMBALAGEM PARA COMPUTADORES UBIARA MARQUES BEZERRA OLIVEIRA (UESC ) ubiara.bezerra@gmail.com Fabricio Lopes de Souza Carvalho

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Técnicas estatísticas de pesquisa de mercado aplicadas ao processo de desenvolvimento de produto

Técnicas estatísticas de pesquisa de mercado aplicadas ao processo de desenvolvimento de produto Técnicas estatísticas de pesquisa de mercado aplicadas ao processo de desenvolvimento de produto Liane Werner (UFRGS) liane@producao.ufrgs.br Kátia Marques da Frota (UFRGS) katinhafrota@ig.com.br Resumo:

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS AMANDA CAROLINE MARTIN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS AMANDA CAROLINE MARTIN UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS AMANDA CAROLINE MARTIN ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS PARA PREVISÃO DA EVOLUÇÃO DO

Leia mais

É POSSÍVEL ATINGIR A META DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA A DOAÇÃO ESPONTÂNEA?

É POSSÍVEL ATINGIR A META DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA A DOAÇÃO ESPONTÂNEA? É POSSÍVEL ATINGIR A META DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA A DOAÇÃO ESPONTÂNEA? Rejane Corrêa da Rocha 1, Thelma Sáfadi 2, Luciane Texeira Passos Giarola 3 INTRODUÇÃO É considerado doador todo o cidadão que

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Elaboração de um modelo multivariado de previsão de demanda para um call center

Elaboração de um modelo multivariado de previsão de demanda para um call center Elaboração de um modelo multivariado de previsão de demanda para um call center Marcus Augusto Vasconcelos Araújo (UPE) marcus-recife@uol.com.br Francisco José Costa Araújo (Mackenzie/UPE) paco51@terra.com.br

Leia mais