AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software"

Transcrição

1 Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid , Londrina - PR André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia Daniel César R. Luvizotto - Marketing e Vendas Heber A. A. Nascimento - Gerente de Projetos Luiz Gustavo A. Santos - Administrativo e Financeiro

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO VISÃO E MISSÃO VISÃO MISSÃO VALORES GESTÃO DA QUALIDADE POLÍTICA DA QUALIDADE DA EMPRESA SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE DADOS DA EMPRESA ASPECTOS JURÍDICOS ORGANOGRAMA DA EMPRESA PESSOAL DA EMPRESA DEFINIÇÃO DO NEGÓCIO PONTOS FORTES E PONTOS FRACOS AMEAÇAS E RISCOS COMPETIÇÃO NO RAMO DE GERENCIA DE PROJETOS EXIGÊNCIA DOS CONSUMIDORES PRODUTOS SIMILARES E/OU SUBSTITUTOS ANÁLISE DOS PRODUTOS E SERVIÇOS PRODUTOS E SERVIÇOS DISPONÍVEIS DESCRIÇÃO DA LINHA DE PRODUTOS E SERVIÇOS ANÁLISE DE MERCADO MERCADO MACROECONÔMICO MICRO-MERCADO REGIÃO DE LONDRINA ANÁLISE DE CONCORRENTES TÉCNICAS DE GERÊNCIA DE PROJETOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING PRODUTO PREÇO PRAÇA ESTRATÉGIA DE VENDAS PLANEJAMENTO FINANCEIRO CUSTOS FIXOS DA AZTECH ENGINEERING CUSTOS VARIÁVEIS DA AZTECH ENGINEERING CUSTOS DE COMERCIALIZAÇÃO...18

3 7.4 PREÇO FINAL DO SERVIÇO CRESCIMENTO DA EMPRESA EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS FINANCEIROS RENDIMENTO DA EMPRESA...20

4 INTRODUÇÃO A AzTech Engineering é uma empresa que trabalha na área de Engenharia de Software, provendo a padronização e controle de processos de desenvolvimento de software, para que com isso nossos clientes possam desenvolver softwares com qualidade e que o cronograma seja cumprido, evitando transtornos aos seus clientes. A empresa vem com o intuito de eliminar os problemas que ocorrem durante o processo de desenvolvimento de software, diminuindo seus riscos e estouros de orçamento da empresa desenvolvedora de tal produto.

5 1 VISÃO E MISSÃO 1.1 VISÃO Ser reconhecida como um ícone em excelência na área de Engenharia de Software em Londrina e região. 1.2 MISSÃO Fornecer soluções em Engenharia de Software para empresas, provendo uma melhor qualidade dos processos de desenvolvimento de software, visando à qualidade do mesmo. 1.4 VALORES Qualidade, padronização, pontualidade de entrega. 1.5 GESTÃO DA QUALIDADE POLÍTICA DA QUALIDADE DA EMPRESA A AzTech Engineering busca prover serviços às empresas desenvolvedoras de software, que às auxilie no processo de desenvolvimento, para que assim o produto final esteja dentro dos padrões de qualidade aceitos atualmente SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A AzTech Engineering busca a qualidade da gestão do desenvolvimento de software e conseqüentemente a qualidade do produto final, para que isso seja possível a empresa implantará a qualidade dos processos de desenvolvimento do software para que com isso o produto final tenha qualidade total. Página 4 de 21

6 1.5.3 CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE Atender as normas de qualidade exigidas por meio das ISO s, como a ISO/IEC 12207, a série de normas ISO 9000 ou com a utilização de algum modelo de padronização de processos que garantem a qualidade do software, como o modelo SPICE (Software Process Improvement and Capability Determination), CMM (Capability Maturity Model), a CMMI(Capability Maturity Model Integration), além de outros. Página 5 de 21

7 2 DADOS DA EMPRESA 2.1 ASPECTOS JURÍDICOS Aspectos jurídicos Razão social: AzTech Engineering Ltda. Nome fantasia: AzTech Engineering Endereço sede: Rodovia Celso Garcia Cid 2500 CEP: Cidade: Londrina Estado: Paraná País: Brasil Telefone: (43) Home-page: Contato: Daniel C. R. Luvizotto Responsáveis legais: André R. Gonçalves, Daniel C. R. Luvizotto, Heber A. A. Nascimento, Luiz Gustavo A. dos Santos Propriedade industrial e intelectual: Soluções em Engenharia de Software QUADRO DE COMPOSIÇÃO DO CAPITAL Sócio Quotas Cargo André R. Gonçalves 30 CEO / Tecnologia Daniel C. R. Luvizotto 30 Diretor de Marketing e Vendas Heber A. A. Nascimento 30 Gerente de Projetos Luiz Gustavo A. dos Santos 10 Diretor Administrativo e Financeiro 2.2 ORGANOGRAMA DA EMPRESA CEO André Ricardo Gonçalves Marketing e Vendas Daniel César R. Luvizotto Financeiro Luiz G. A. Santos Gerente de Projetos Heber A. A. Nascimento Tecnologia André R. Gonçalves Página 6 de 21

8 2.3 PESSOAL DA EMPRESA Nome André Ricardo Gonçalves Daniel César Romano Luvizotto Heber A. Almeida do Nascimento Luiz Gustavo dos Santos Cargo CEO, Diretor de Tecnologia. Diretor de Marketing e Vendas Gerente de Projetos Diretor Adm. Financeiro Página 7 de 21

9 3 DEFINIÇÃO DO NEGÓCIO Atualmente com a crescente necessidade de se desenvolver softwares com altos padrões de qualidade, redução de custos do desenvolvimento e o cumprimento do cronograma, a AzTech Engineering surge com o intuito de suprir tais deficiências, prestando serviços de consultoria às empresas desenvolvedoras na questão de gerência de projetos. A empresa realizará a gerencia de desenvolvimento de softwares das empresas que solicitam os nossos serviços, para garantir um produto final que satisfaça às expectativas do cliente, dentro daquilo que foi acordado inicialmente. 3.1 PONTOS FORTES E PONTOS FRACOS Pode-se dizer que um ponto forte da AzTech Engineering é o fato de todos os integrantes da empresa estarem na graduação e possuírem um grande conhecimento teórico na área de Engenharia de Software e também de possuírem um grande interesse no desenvolvimento de trabalhos na gerência de projetos. Um outro ponto forte a ser destacado é que a empresa não está presa a determinadas ferramentas ou técnicas, utilizando ferramentas específicas para cada tipo de projeto. Já um ponto fraco (na visão de algumas pessoas), seria o fato dos integrantes da empresa serem jovens e não possuírem experiência fora da universidade. 3.2 AMEAÇAS E RISCOS O maior risco que enfrentaremos é que estamos ingressando agora no mercado, e por não possuir nome forte ainda, algumas empresas possam ter receio de contratar nossos serviços. 3.3 COMPETIÇÃO NO RAMO DE GERENCIA DE PROJETOS Página 8 de 21

10 Apesar de haver empresas que competem no mesmo nicho da AzTech, há várias empresas que estão na mesma área de serviços de Engenharia de Software, mas não possuem o mesmo público alvo da AzTech, pois estas provêem serviços de assistência à desenvolvedores através de ferramentas específicas, ou são terceiros, que fornecem serviços a uma empresa específica. Enquanto AzTech Engineering não utiliza uma ferramenta específica ou presta serviços a uma única empresa, utilizando ferramentas que melhor nos auxilie em cada tipo de projeto e provendo serviços à várias empresas desenvolvedoras de Londrina e região. 3.4 EXIGÊNCIA DOS CONSUMIDORES Como a área de software é muito concorrida e está sempre em evolução, a AzTech tem como seu lema a qualidade e sempre estar atualizados, utilizando ferramentas de última geração. No desenvolvimento de software os prazos são difíceis de serem cumpridos, por isso devemos elaborar cronogramas que realmente definem as etapas e tempo de execução das mesmas, para que o projeto seja gerenciado de uma forma correta e o produto final seja entregue dentro do prazo estipulado pelo cronograma. E é claro o preço deve estar dentro do alcance das empresas do ramo. 3.5 PRODUTOS SIMILARES E/OU SUBSTITUTOS Como dito anteriormente os produtos similares são assistências que são dadas aos desenvolvedores, mas que se diferenciam da AzTech Engineering, pois utilizam uma ferramenta específica ou dão assistência apenas a uma única empresa, sendo assim terceirizado desta empresa. Página 9 de 21

11 4 ANÁLISE DOS PRODUTOS E SERVIÇOS 4.1 PRODUTOS E SERVIÇOS DISPONÍVEIS que inclui: O principal serviço prestado pela AzTech Engineering é o de Gerência de Projetos, Gerência de Requisitos; Definição do Ciclo de Vida; Gerência de Pessoas; Gerência de Recursos; Gerência de Riscos; Qualidade de Software; 4.2 DESCRIÇÃO DA LINHA DE PRODUTOS E SERVIÇOS Gerência de Projetos: este serviço consiste na gerencia total do desenvolvimento de softwares, desde o inicio com a Gerência de Requisitos até o momento de entrega do software devidamente testado e operante. Gerência de Requisitos: a AzTech Engineering fornece o serviço Gerência de Requisitos. Visto que é um item crucial no desenvolvimento de softwares, assim obtemos as funcionalidades que o software deverá suportar, através de entrevistas com os clientes das empresas solicitantes de nossos serviços, desta maneira levantaremos a documentação dos requisitos referentes ao software a ser desenvolvido. Definição de Ciclo de Vida: através de um estudo detalhado da empresa solicitante, forneceremos um Ciclo de Vida que definirá qual técnica utilizar para melhor gerenciar o projeto. Os fatores que influenciam na definição do ciclo de vida a utilizar são, o quão se sabe do projeto a ser desenvolvido, se existem muitos riscos para desenvolver o mesmo, se há necessidade de constantes validações com o cliente, além de outros fatores. Gerência de Pessoas: a questão de gerenciar pessoas dentro de um projeto de desenvolvimento de software é um dos serviços mais complicados realizado pela AzTech, pois consiste na divisão das tarefas, na alocação de pessoas em determinados setores, na questão de substituição de pessoas, isso sem que o projeto sofra alguma alteração em relação ao seu orçamento e cronograma. Página 10 de 21

12 Gerência de recursos: consiste na verificação da necessidade de aquisição de recursos para o desenvolvimento do projeto, alguns exemplos de recursos são: máquinas, equipamentos, licenças de softwares, etc. Também na verificação da necessidade de substituição destes recursos, na alocação dos recursos nos setores, isso também sem que o projeto sofra alguma alteração em relação ao seu cronograma e orçamento. Gerência de Riscos: consiste no controle dos riscos do projeto, como risco do projeto não ser entregue no prazo, riscos da perda de funcionários, risco do orçamento não for suficiente para cobrir os custos do desenvolvimento do software, entre outros. A gerência de riscos visa antever os possíveis riscos e tentar gerenciá-lo para que se caso o risco se confirme, a empresa já estará preparada para tratá-lo. Qualidade de Software: neste serviço temos como objetivo garantir a qualidade do software através da definição e padronização dos processos de desenvolvimento. Página 11 de 21

13 5 ANÁLISE DE MERCADO 5.1 MERCADO MACROECONÔMICO As perspectivas de investimentos na área de TI são positivas, principalmente por parte dos bancos, impulsionado pelo cenário de expansão econômica no Brasil. Segundo pesquisa 1 realizada pela IDC, uma das maiores empresas de consultoria de mercado no mundo, o Brasil terá um crescimento de 15% em relação ao ano de 2006, sendo um total de US$ 18,6 bilhões investidos neste setor. Segundo a pesquisa 40% deste valor será destinado ao setor de serviços. No contexto do mercado internacional as empresas da área de desenvolvimento de software que atuam no norte do Paraná vem se destacando pelo índice de exportação, cerca de 18% dos softwares desenvolvidos na região são vendidos para outros países, os principais mercados compradores são o Mercosul, América Latina e Europa. Já as vendas nacionais, a venda para o próprio estado chega a 44,3%, seguido pelo estado de São Paulo com 16,9% dos negócios, como foi mostrado pelo levantamento 2 das empresas de software realizado pelo Arranjo Produtivo Local (APL) de Londrina em Alguns outros fatores externos que influenciam no desenvolvimento da empresa são descritos abaixo: Investimentos públicos ou privados no setor de tecnologia da Informação; Aumento de impostos; Inflação que pode desestimular um cliente a compra de software; Aumento da taxa de juros. Além dos fatores acima apresentados, a AzTech Engineering sofre influência do mercado em todos os setores da economia, pois os mesmos são os clientes que solicitaram soluções tecnológicas para as empresas desenvolvedoras de software que por sua vez solicitaram serviços da nossa empresa. 1 Fonte: International Data Corporation IDC Dezembro Fonte: Instituto Euvaldo Lodi IEL APL Setembro 2007 Página 12 de 21

14 5.2 MICRO-MERCADO REGIÃO DE LONDRINA A AzTech Engineering proverá para empresas desenvolvedoras de software na região de Londrina, todo o suporte de Engenharia de Software na gestão de projetos, gestão de pessoas, para que os produtos sejam desenvolvidos com qualidade e dentro do cronograma pré-estabelecido. Em estudo 3 apresentado pelo Sebrae-PR, a pedido do Arranjo Produtivo Local (APL) de Londrina, a região de Londrina possui 110 empresas que atuam na área de desenvolvimento sendo elas atuantes em 65 segmentos diferentes, dentre esses são exportados produtos de 11 segmentos. A AzTech Engineering proverá serviços para empresas de desenvolvimento de software independente de qual segmento ela pertence. 5.3 ANÁLISE DE CONCORRENTES TÉCNICAS DE GERÊNCIA DE PROJETOS Há concorrência na região de Londrina, alguns atuando na mesma área, mas acabam não sendo concorrentes diretos, pois possuem outro mercado alvo, como empresas que provêem assistência à desenvolvedores que utilizam algumas ferramentas específicas ou a alguma empresa específica, sendo terceiros desta. A AzTech Engineering possui como diferencial sobre as empresas atuantes na região de Londrina, não ficar presa à uma ferramenta ou a um conjunto de ferramentas de uma grande empresa, mas sim a utilização de determinadas técnicas para cada tipo de projeto, pois um projeto A pode ser melhor gerenciado com a ferramenta A e o projeto B não, sendo melhor gerenciado utilizando uma ferramenta B. Devido a não restrição da AzTech Engineering em utilizar apenas uma ferramenta ou técnica de gerencia de projetos específica, ela alcançará uma maior fatia do mercado. 3 Fonte: Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná - Sebrae-PR Setembro 2007 Página 13 de 21

15 6 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING 6.1 PRODUTO O produto em si seria uma prestação de serviço, na qual projetaremos e monitoraremos o desenvolvimento do software em questão, assim forneceríamos consultoria com qualidade, através da utilização de ferramentas de engenharia de software e da aplicação de conhecimentos acadêmicos. Como o software a ser gerenciado pode ser muito diferente, a nossa prestação de serviço também pode mudar muito de um cliente para outro, porém o tratamento será o mesmo para todos os clientes, tentando encontrar a melhor maneira de desenvolver o software em questão com qualidade. O produto pretende acabar com problemas futuros durante o desenvolvimento do software, evitar ultrapassar o orçamento e também entregar o produto dentro do prazo. 6.2 PREÇO Como o software a ser gerenciado pode variar muito em sua complexidade, tamanho, tempo e preço. Mas como uma estratégia de ganhar mercado a AzTech Engineering pretende ter preços acessíveis ao público alvo. 6.3 PRAÇA Inicialmente o público alvo da AzTech Engineering é a cidade de Londrina e região, conquistando o mercado destas empresas, pretende-se gradativamente ampliar esse público alvo dentro do estado do Paraná e posteriormente os estados vizinhos. 6.4 ESTRATÉGIA DE VENDAS O principal meio de propaganda da AzTech Engineering é via Internet, através de , no qual passaríamos nossos produtos, promoções, e também Página 14 de 21

16 pretendemos fazer nossa home page para visitas de futuros clientes saber sobre nossa empresa e os serviços oferecidos. Página 15 de 21

17 7 PLANEJAMENTO FINANCEIRO A AzTech Engineering realizou seu planejamento financeiro afim de identificar os reais custos necessários para que a empresa comece a atuar no mercado, e também identificando o preço que a empresa colocará em seus serviços, os custos adicionais para a gerência de um projeto, uma estimativa de crescimento da empresa, os cálculo dos impostos sobre os serviços prestados, além de um balanço da empresa no decorrer dos primeiros meses de vida. 7.1 CUSTOS FIXOS DA AZTECH ENGINEERING seguintes premissas: Para elaboração deste plano de negócio foram levadas em consideração as Custo Fixo Mensal da empresa é de R$ 2.303,19 Pró-Labore da Diretoria (4 sócios): R$ 1.000,00 Honorários do Contador: R$ 200,00 Água: R$ 50,00 Telefone Celular: R$ 120,00 Telefone Fixo: R$ 250,00 Energia Elétrica: R$ 150,00 Aluguel e Encargos: R$ 487,51 Taxas/Despesas Bancárias: R$ 46,68 Investimento inicial da empresa é de R$ ,61 Material de Divulgação (2 unidades): R$ 1.000,00 Microcomputador (4 unidades): R$ 7.200,00 Multifuncional (1 unidade): R$ 1.300,00 Móveis (6 cadeiras, 3 mesas, 1 armário): R$ 1.631,61. Página 16 de 21

18 Depreciação Mensal da empresa é de R$ 164,33 Item Duração (Meses) R$ Material de Divulgação 12 83,33 Microcomputador ,00 Impressora Multifuncional 60 21,67 Móveis , CUSTOS VARIÁVEIS DA AZTECH ENGINEERING Em relação aos custos variáveis da empresa, a empresa não possui um produto, mas sim provê serviços, neste caso o único custo variável é o número de horas do projeto, além de outros gastos com transporte. O valor da hora de serviço de um funcionário é de R$ 10,00. Um exemplo, se o projeto durar 1 (um) mês, teremos uma carga horária de 176 horas no mês por funcionário sendo assim um custo de mão-de-obra de R$ 1.760,00 por funcionário. Custo da mão-de-obra por hora: R$ 10,00 Um outro item a ser contado é o valor mensal de encargos com transporte dos funcionários, para realizar visitas de controle nas empresas desenvolvedoras, reuniões, validação com o usuário final, entre outras. Custo de transporte (gasolina, álcool, etc.): R$ 363,00. Tendo em vista que em um mês a AzTech Engineering pode disponibilizar 2 (dois) funcionários por projeto, a empresa pode gerenciar 2 (dois) projetos por mês, lembrando que a empresa possui 4 (quatro) funcionários, com isso podemos calcular o custo variável total mensal da AzTech Engineering para gerenciar 2 (dois) projeto simultaneamente. Custo variável total (mensal) é de R$ 7.766,00 Mão-de-obra (4 funcionários): R$ 7.040,00 Custo com transporte: R$ 726,00 Página 17 de 21

19 7.3 CUSTOS DE COMERCIALIZAÇÃO Para que a empresa possa atuar no mercado, alguns impostos cobrados devem ser incluídos no preço do serviço, alguns impostos são apresentados abaixo: ISS (5%) COFINS (3%) PIS (0,65%) CPMF (0,38%) CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 7.4 PREÇO FINAL DO SERVIÇO Com base nos valores dos custos fixos, nos custos variáveis e nos custos de comercialização, podemos calcular o preço final dos serviços prestados pela AzTech Egineering, como foi dito anteriormente, a empresa trabalha como prestadora de serviços e portanto o preço do serviço depende do número de horas do projeto. Para podermos quantificar o valor de nossos serviços, efetuaremos o cálculo com base em uma suposição de um projeto que tivesse um mês de duração, trabalhando 2 (dois) gerentes de projetos. Custo de um projeto com duração de um mês é de R$ 4.685,69 Utilizando 2 (dois) funcionários; Projeto com 1 (um) mês de duração; 8 horas diárias de trabalho do funcionário; 176 horas trabalhadas mensalmente por funcionário. Preço de comercialização do serviço nesta suposição: R$ 5.000, CRESCIMENTO DA EMPRESA A AzTech Engineering espera um crescimento de 10% ao mês, tendo em vista estes parâmetros, o gráfico abaixo mostra o crescimento da empresa em relação ao número de projetos gerenciados mensalmente. Página 18 de 21

20 Crescimento do Número de Projetos Gerenciados Mensalmente Número de Projetos Meses 7.6 EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS FINANCEIROS Resultado Operacional Bruto , , , , , ,00 0, Meses Resultado Operacional Líquido 3.000, , , , ,00 500,00 0,00-500, Meses Página 19 de 21

21 7.7 RENDIMENTO DA EMPRESA Com base nos cálculos realizados, podemos calcular o tempo que a empresa demorará para começar a obter lucro, o chamado Pay Back, realizando os cálculos obtemos um Pay Back de 10,92 meses, ou seja, dentro de 11 meses em atividade a AzTech Engineering começará a obter lucro. Página 20 de 21

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

Este Plano de Negócios foi elaborado em Junho de 2014

Este Plano de Negócios foi elaborado em Junho de 2014 ESPETO VACA LOUCA Pc TUBAL VILELA Nº 0 CENTRO- UBERLANDIA MG (34) 9876-5432 contato@vacalouca.com Ademir Gonçalves Filho Diretor Administrativo Gustavo Rodovalho Oliveira - Diretor de Marketing Jhonata

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

PARTE VI O Plano de Negócios

PARTE VI O Plano de Negócios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA. Área de Operações Indiretas - AOI

CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA. Área de Operações Indiretas - AOI CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA Área de Operações Indiretas - AOI CARTA AO FORNECEDOR Classificação: Documento público Caro fornecedor, Este documento elenca os CRITÉRIOS exigidos para

Leia mais

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração.

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE NEGÓCIIOS Prroff.. Carrllos Mellllo Saal lvvaaddoorr JJANEI IRO/ /22000066 Introdução Preparar um Plano de Negócios é uma das coisas mais úteis que um empresário

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional Promovendo a Melhoria de Processos e a Qualidade de Software em Minas Gerais Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães, Fernando Silva Parreiras, Frederico Faria Comitê Gestor do SPIN-BH Direitos reservados

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

Administração Orçamentária em Relações Públicas Profª Simone Carvalho

Administração Orçamentária em Relações Públicas Profª Simone Carvalho Administração Orçamentária em Relações Públicas Profª Simone Carvalho Agenda Orçamento 1.1. Definições gerais 1.2. Orçamento em Relações Públicas Tipos 2.1. Anual 2.2. Mensal 2.3. Por projetos e programas

Leia mais

Paraná - Rio Grande do Sul

Paraná - Rio Grande do Sul COMPROMETIMENTO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE Paraná - Rio Grande do Sul Missão Oferecer as melhores soluções em serviços e produtos, visando se adequar aos altos padrões de satisfação de nossos clientes e parceiros

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO. Identificação

ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO. Identificação ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO Nome da Entidade Identificação Razão Social CGC/CNPJ Inscrição Estadual Inscrição Municipal Descreva as Pricipais Atividades Desenvolvidas pela Entidade

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO Formação de preço CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO O preço se define a partir do público a quem se dirige o produto e como a empresa se coloca em relação aos produtos e serviços dos concorrentes. Por isso, depende

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO Nome da Empesa: CNPJ: Contato: Telefone: Relação de Documentos para Análise Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO 1 Ficha cadastral e Autorização de Consulta de Restritivos assinada (Anexo); 2

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy?

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy? Por que a sua empresa merece Quem somos? A Otimizy Sistemas Inteligentes é a desenvolvedora do software ErpSoft, um Sistema de Gestão Empresarial voltado a resultados, que automatiza processos operacionais

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP Ministério Público do Estado do Paraná PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP ALEXANDRE GOMES DE LIMA SILVA CURITIBA - PR 2012-2013 Ministério

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE!

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! A EMPRESA A Fast Solution é uma empresa especializada em desenvolver soluções integradas em sistemas de impressão,

Leia mais

PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO. Tecnologia em Gestão Financeira

PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO. Tecnologia em Gestão Financeira PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Gestão Financeira JUNHO, 2012 2 S U M Á R I O 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O QUE DEVE CONSTAR NO TRABALHO DE APLICAÇÃO TECNOLÓGICA... 3 3.

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO As Faculdades mantidas pelo Instituto Educacional de Assis IEDA (Escola de Educação Física de Assis, Faculdade de Administração de Assis,

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications

Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications 09 de março de 2011 Mainstay Partners LLC 901 Mariners Island Blvd Suite

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos Prof. Ricardo J. Rabelo Conteúdo Introdução & Problemática

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Cleber Alcir Tavares Baía 06117000601

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Cleber Alcir Tavares Baía 06117000601 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Cleber Alcir Tavares Baía 06117000601 Pedro Elildo da Silva Lima 07117000701 Estudo da Viabilidade

Leia mais

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO 1. A Empresa 1.1. Histórico / Aspectos Organizacionais 1.2. Razão Social 1.3. CNPJ 1.4. Inscrição Estadual e/ou Municipal 1.5. Número e data de registro

Leia mais

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO EM CIENCIAS CONTÁBEIS PROF: HÉBER LAVOR MOREIRA Eline Cristina Miranda 0501006001 Administração

Leia mais

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares.

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Introdução A simulação do retorno sobre o investimento (do inglês ROI return on investment) tem sido utilizada como importante ferramenta

Leia mais

Qualificação do Instrutor: Psicólogo, Pós Graduado em Marketing; Professor/consultor da FUNENSEG; Projeto LOMA, Programa de Formação em Português

Qualificação do Instrutor: Psicólogo, Pós Graduado em Marketing; Professor/consultor da FUNENSEG; Projeto LOMA, Programa de Formação em Português 1 Qualificação do Instrutor: Psicólogo, Pós Graduado em Marketing; Professor/consultor da FUNENSEG; Projeto LOMA, Programa de Formação em Português Curso Internacional (Brasil / EUA); Professor da Universidade

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Políticas de Segurança Tópicos 1. Necessidade de uma Política de Segurança de Informação; 2. Definição de uma Política de

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 ISO/IEC 20000:2005 Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 André Jacobucci andre.jacobucci@ilumna.com +55 11 5087 8829 www.ilumna.com Objetivos desta Apresentação

Leia mais

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão MÓDULO IX - CUSTOS A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão 1 Conteúdo Objetivo do custeio Conceito de valor Gestão de Custos versus Gestão Estratégica Componentes básicos de custos

Leia mais

LIMPEZA PREDIAL LIMPEZA HOSPITALAR

LIMPEZA PREDIAL LIMPEZA HOSPITALAR A GUIMA CONSECO, fundada em 1988, tem no Controle de Qualidade a ferramenta que antecipa tendências e orienta seus procedimentos, na direção das expectativas e anseios de seus clientes, tornando-se assim

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

Termo de Abertura. Projeto: SysTrack. Documento: 1.0

Termo de Abertura. Projeto: SysTrack. Documento: 1.0 Termo de Abertura Projeto: SysTrack Documento: 1.0 1 Nome do Projeto: SysTrack Centro de Custo: XXXX Gerente do Projeto: Renato Santos Empresa contratante: Hórus Empresa contratada: TechHouse Método de

Leia mais

CICLO DE INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA 14/07/2014 TRABALHO PARA O PRESO

CICLO DE INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA 14/07/2014 TRABALHO PARA O PRESO TRABALHO PARA O PRESO Julho 2014 1 Sumário Categoria:... 3 Ementa... 3 Ideia... 4 Trabalho para o preso... 4 Nome do Pré-Projeto:... 4 Órgão executor:... 4 Início / Término da implementação:... 4 Público-alvo:...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II custos2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Gerência de Custos em Enfermagem GRECO, Rosangela

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Partner Network. www.scriptcase.com.br

Partner Network. www.scriptcase.com.br www.scriptcase.com.br A Rede de Parceiros ScriptCase é uma comunidade que fortalece os nossos representantes em âmbito nacional, possibilitando o acesso a recursos e competências necessários à efetivação

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II

Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II Como elaborar a programação dos investimentos? Existe um método alternativo para o cálculo do Capital de Giro de uma empresa ou projeto? Como elaborar

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

Manual do Integrador. Programa de Formação

Manual do Integrador. Programa de Formação Manual do Integrador Programa de Formação Introdução As oportunidades de iniciação de frentes de negócios na indústria fotovoltaica brasileira são diversas e estão abertas a todos aqueles que desejam começar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ALUNO: RONNY COSTA DA SILVA MATRÍCULA: 06010001201 E- MAIL: ALUNO: DENNIS WILLIAM CARDOSO FERREIRA MATRÍCULA: 06010007301 E- MAIL: denniswilliamx@hotmail.com 2º SEM/2009 Página

Leia mais

QUEM SOMOS? www.imagelh.com.br Rua José Bonifácio, 466 Vila Planalto. Campo Grande/MS CEP 79009-010 Fone/Fax: (67)3324-6500

QUEM SOMOS? www.imagelh.com.br Rua José Bonifácio, 466 Vila Planalto. Campo Grande/MS CEP 79009-010 Fone/Fax: (67)3324-6500 QUEM SOMOS? "A Image LH é uma empresa prestadora de serviços com mais de quinze anos no mercado atendendo instituições financeiras, com sede em Campo Grande MS e filial em Porto Alegre RS. Atua no ramo

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A.

PLANO DE NEGÓCIOS FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A. FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A. PLANO DE NEGÓCIOS Data: Janeiro 2.013 Dr. Marido - Operacional S U M Á R

Leia mais

Plano de Parcerias BuenitStore

Plano de Parcerias BuenitStore Plano de Parcerias Agências, Desenvolvedores e Designers 18.03.2015 v.2 Objetivo Apresentar ao mercado de criação digital a nossa proposta de parceria e colaboração técnica para criação de projetos de

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração do Resultado do Exercício Tópicos do Estudo Demonstração do Resultado do Exercício. Custo das Vendas. Despesas Operacionais. Resultados não Operacionais

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais