UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Márcia Regina de Oliveira. AVALIAÇÃO DE GESTORES BASEADA NA GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: o caso de uma empresa de alta tecnologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Márcia Regina de Oliveira. AVALIAÇÃO DE GESTORES BASEADA NA GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: o caso de uma empresa de alta tecnologia"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Márcia Regina de Oliveira AVALIAÇÃO DE GESTORES BASEADA NA GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: o caso de uma empresa de alta tecnologia Taubaté SP 2007

2 UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Márcia Regina de Oliveira AVALIAÇÃO DE GESTORES BASEADA NA GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: o caso de uma empresa de alta tecnologia Dissertação apresentada como parte das exigências para obtenção do Título de Mestre pelo Curso de Mestrado em Gestão e Desenvolvimento Regional do Departamento de Economia, Contabilidade e Administração da Universidade de Taubaté. Área de concentração: Gestão de Recursos Socioprodutivos. Orientadores: Prof. Dr. Paulo Tadeu de Mello Lourenção e Profa. Dra. Isabel Cristina dos Santos. Taubaté SP 2007

3

4 MÁRCIA REGINA DE OLIVEIRA AVALIAÇÃO DE GESTORES BASEADA NA GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: o caso de uma empresa de alta tecnologia Dissertação apresentada como parte das exigências para obtenção do Título de Mestre pelo Curso de Mestrado em Gestão e Desenvolvimento Regional do Departamento de Economia, Contabilidade e Administração da Universidade de Taubaté. Área de concentração: Gestão de Recursos Socioprodutivos. Orientadores: Prof. Dr. Paulo Tadeu de Mello Lourenção e Profa. Dra. Isabel Cristina dos Santos. Data: Resultado: BANCA EXAMINADORA Prof. Universidade de Taubaté Assinatura Prof. Assinatura Prof. Assinatura

5 A Deus

6 AGRADECIMENTOS Aos meus orientadores, Prof. Dr. Paulo Tadeu de Mello Lourenção e Profa. Dra. Isabel Cristina dos Santos, que vislumbraram minha idéia e com maestria conduziram o desenvolvimento deste trabalho. Aos meus pais e irmãos pelo apoio e constantes incentivos. À Universidade de Taubaté e aos professores, pelos ensinamentos. À Profa. Dra. Edna Maria Querido de Oliveira Chamon, por conceder inúmeras oportunidades de aprendizado, debater idéias e definir caminhos metodológicos que muito enriqueceram este trabalho e o meu desenvolvimento pessoal e profissional. Ao Lincoln Shiodiro Ishikawa e Virgilio Calças Filho, engenheiros da empresa pesquisada, pela permissão e apoio à realização deste estudo. Aos gestores da empresa em estudo que, como sujeitos da pesquisa, se dispuseram a colaborar com a realização deste trabalho. Aos amigos Alessandra Bombonati, Alexandra Figueira, Amaro Zapellini e Dario Kajyama pelo apoio nos momentos difíceis, discussões a respeito do tema e sugestões valiosas. À amiga especial, Sandra Aparecida Nogueira de Oliveira Boffi, pelo companheirismo em todos os momentos deste estudo. A todos que, de alguma forma, contribuíram com este trabalho e não estão nominalmente citados.

7 Se queres colher em três anos; planta trigo; se queres colher em dez anos; planta uma árvore; mas, se queres colher para sempre, desenvolve o homem. Provérbio chinês

8 RESUMO Este trabalho visa contribuir ao debate referente ao conceito e instrumentos usados na avaliação de gestores por competências. A relevância deste estudo pauta-se na necessidade de particularizar os instrumentos de avaliação de gestores das empresas de alta tecnologia, como as situadas na região do Cone Leste Paulista. O objetivo do trabalho é verificar a percepção dos gestores quanto à aplicabilidade de um modelo de gestão de pessoas por competências naquele ambiente. Apresentase uma síntese referente à noção e ao conceito de competências a partir da revisão das principais correntes teóricas, o que resultou em um modelo de referência e, também, identificar na literatura pesquisada, um modelo de gestão de pessoas, aplicável ao ambiente especificado. Em seguida, apresenta-se a percepção dos gestores quanto à aplicabilidade do modelo identificado no que se refere à avaliação de competências. O método proposto tem por base entrevistas semi-estruturadas que foram realizadas em uma empresa de alta tecnologia, localizada no Vale do Paraíba. A pesquisa considera um grupo de vinte e seis gestores, do qual é separada uma amostra de nove gestores de nível um, e seis de nível intermediário. O resultado da investigação, associado aos referenciais teóricos, possibilita uma melhor compreensão de um processo de avaliação de gestores e aponta que o Modelo de Referência traduz adequadamente os desafios de avaliação dos gestores em ambiente de alta tecnologia. A partir das entrevistas, identificam-se temas importantes relacionados à avaliação por competências: facilidade de entendimento do modelo, apoio ao desenvolvimento profissional, redução da subjetividade do processo de avaliação e dificuldades de implementação. Palavras-chave: Gestão por Competências. Avaliação de Competências. Gestão de Pessoas.

9 ABSTRACT This paper intends to contribute for a deep debate about the concept and the tools used for evaluation of managers, based on competencies concept. The relevance of this study is justified by the necessity of developing specific tools for evaluation of managers, in high-tech companies, like those placed on Cone Leste Paulista. The purpose of this paper is to verify the perception of managers about the applicability of a competency based management model in that environment. It is intended to show a synthesis about the notion and the concept of competencies, thorough the review of the main theoretical aspects, that result in a reference model and, also, to identify a competency based model for people management, in the researched literature, applied to the specified environment. After that, it is presented the perception of managers in relation to the applicability of the identified competency evaluation model. The proposed method is based on semi structured interviews that were performed in high-tech Company placed at Vale do Paraiba. The research considers a reference group composed by twenty-six managers, out of which a sample composed by nine managers of level one and six of intermediate level is separated. The results of the research, associated to the theoretical references, enable a better comprehension of a manager evaluation process and point out that the Reference Model encompasses the challenges of evaluation of managers in a high technology environment. From the interviews, relevant themes related to competency based evaluation are identified: easy understanding of the model, support to professional development, reduction on subjectivity of the evaluation process and implementation hurdles. Key words: Competency Management. Competency Evaluation. People Management.

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ARH CHA GDL GDP GRH TI SGPIE UCE UN VCS Administrador de Recursos Humanos Conhecimento, Habilidades e Atitudes Gerenciamento do Desempenho do Líder Gerenciamento de Desempenho de Pessoal Gestor de Recursos Humanos Tecnologia da Informação Sistema Gestão de Pessoas Integrado e Estratégico Unidade de Contexto Elementar Unidade de Negócio Vantagem Competitiva Sustentável

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Conhecimentos, Habilidades e Atitudes CHA...31 Figura 2 - Árvore das Competências...32 Figura 3 - Conceitos de Competências Complementares...36 Figura 4 - Competência Essencial como Capacidade Estratégica...42 Figura 5 - Competências Fonte de Valor para o Indivíduo e Organização...48 Figura 6 - Dimensões de Complexidade...52 Figura 7 - Estratégias Empresariais e Formação de Competências...55 Figura 8 - Perfil Desejado do Gestor de Pessoas...59 Figura 9 - Modelo Conceitual de Referência...69 Figura 10 - Estrutura da Concepção do Sistema de Gestão...70 Figura 11 - Atribuições e Responsabilidades de um Eixo de Carreira Gerencial...71 Figura 12 - Requisitos de Acesso de um Eixo de Carreira Gerencial...72 Figura 13 - Trajetórias Profissionais...73 Figura 14 - Processo de Avaliação de Competências...74 Figura 15 - Avaliação dos Requisitos Técnicos...75 Figura 16 - Avaliação das Atribuições e Responsabilidades...76 Figura 17 - Saída Gráfica da Avaliação de uma Pessoa...77 Figura 18 - Saída Gráfica da Avaliação de Várias Pessoas...78 Figura 19 - Matriz de Análise da Avaliação...79 Figura 20 - Fluxo das Principais Etapas da Pesquisa...90 Figura 21 - Fluxo do Processo de Avaliação de Competências dos Líderes Figura 22 - Exemplo de uma Análise de gap de Competências de um Líder Figura 23 - Classificação Hierárquica Decrescente I Figura 24 - Classificação Hierárquica Decrescente II...110

12 Figura 25 - Classes Identificadas no Alceste Figura 26 - Análise Fatorial de Correspondência Eixo 1e Figura 27 - Análise Fatorial de Correspondência Eixo 3 e Figura 28 - Estrutura das Classes e Subclasses Figura 29 - Estrutura da Classe Figura 30 - Estrutura da Classe Figura 31 - Estrutura da Classe Figura 32 - Estrutura da Classe Figura 33 - Estrutura da Classe

13 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Evolução da Administração de Recursos Humanos no Brasil (ARH)...23 Quadro 2 - Fatores Críticos para Formação e Competências Organizacionais...45 Quadro 3 - Competências do Profissional...48 Quadro 4 - Competências do Gestor...60 Quadro 5 - Pesquisa sobre os Objetivos dos Sistemas de Competências...65 Quadro 6 - Conceitos de Competências Individuais...67 Quadro 7 - Situações Relevantes para Diferentes Estratégias de Pesquisa...83 Quadro 8 - Composição da Amostra...87 Quadro 9 - Competências Individuais Obrigatórias e Opcionais...97 Quadro 10 - Etapas do Processo de Avaliação Quadro 11 - Caracterização dos Respondentes Pesquisa Final Quadro 12 - Resultados Quantitativos Pesquisa Final Quadro 13 - Resultados por Respondente Pesquisa Final Quadro 14 - Palavras Significativas para a Identificação das Classes...114

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO O PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos DELIMITAÇÃO DO ESTUDO RELEVÂNCIA DO ESTUDO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO CONTEXTO DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NOVO DESENHO ORGANIZACIONAL ORGANIZAÇÕES DE ALTO DESEMPENHO HISTÓRICO E CONCEITOS DE COMPETÊNCIA Competências Essenciais Competências Organizacionais Competências Individuais A COMPLEXIDADE E O ESPAÇO OCUPACIONAL ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS E SEUS IMPACTOS NA FORMAÇÃO DE COMPETÊNCIAS PERFIL DO GESTOR EM EMPRESAS DE BASE TECNÓLOGICA GESTÃO DE DESEMPENHO GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS A CONTRIBUIÇÃO DA REVISÃO DE LITERATURA PARA A PESQUISA MODELO CONCEITUAL DE REFERÊNCIA ADOTADO MÉTODO CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA Quanto ao nível Quanto à delimitação da pesquisa Quanto à abordagem AUTORIZAÇÕES INSTRUMENTOS UNIVERSO DE PESQUISA E AMOSTRA PLANO DE COLETA DE DADOS E FLUXO DAS ETAPAS DA PESQUISA...88

15 4.5.1 Tratamento dos dados RESULTADOS MODELO DE GESTÃO DE COMPETÊNCIAS NA EMPRESA PESQUISADA Gerenciamento do Desempenho Pessoal DESCRIÇÃO DA AMOSTRA PESQUISA FINAL APRESENTAÇÃO DOS DADOS PESQUISA FINAL Classificação Hierárquica Descendente Formação das Classes DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE I - ROTEIRO DE ENTREVISTA SEMI-ESTRUTURADA - A APÊNDICE II - ROTEIRO DE ENTREVISTA SEMI-ESTRUTURADA - B APÊNDICE III - CARTA DE INFORMAÇÃO AO SUJEITO DA PESQUISA APÊNDICE IV - TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO GLOSSÁRIO...146

16 16 1 INTRODUÇÃO As transformações econômicas, sociais e políticas, ocorridas nas últimas décadas, têm sido creditadas, por autores como Prahalad e Hamel (1995) e Dutra (2004), principalmente, às novas tecnologias da informação - TI. Os avanços na TI propiciaram a crescente integração dos mercados mundiais, dos meios de comunicação remota e dos sistemas de transportes que, por sua vez, viabilizaram as ações de controle do comércio disperso geograficamente e a internacionalização dos fluxos financeiros. Desde então, as empresas nacionais e multinacionais ingressaram em um ambiente de extrema competitividade, marcado por redução na faixa de participação de mercado, declínio das margens de lucro, diminuição do ciclo de vida dos produtos, elevação dos índices de desemprego, e, ainda, uma mudança nas relações de trabalho. Essa conjuntura exigiu das empresas, especialmente daquelas mais expostas aos efeitos da competição por vantagens tecnológicas, uma profunda reflexão em relação aos seus propósitos, ao modelo de gestão vigente e à sua capacidade de adaptação aos novos requisitos do ambiente competitivo. Essas reflexões ensejaram a percepção do valor do capital humano na mobilização de ações para a adoção de novos parâmetros de qualidade na prestação de serviços e dos produtos, estabelecendo uma nova perspectiva para a relação capital versus trabalho. As relações de negócios têm sido flexibilizadas, o que tem deslocado a função manufatureira para centros com menores custos, visando a empresa central, uma grande especialista em gestão do relacionamento entre

17 17 parceiros industriais e mercado. O ritmo das inovações tecnológicas desafia as mais complexas estratégias da competição e torna a sociedade mais exigente. Logo, a forma de gerir pessoas segundo os princípios do taylorismo-fordismo, que pautaram o modelo de divisão especializada do trabalho em cargos de acordo com o tipo de operação executada pelos empregados, justificando, assim as diferenças entre os cargos, a estrutura de remuneração, e recompensando a produtividade por meio de prêmios agregados a ela; e do modelo hierárquico-funcional desenvolvido por Fayol orientado pela verticalização funcional - que segue a lógica de diferenciar, em níveis, as diversas hierarquias, associada ao poder e à autoridade cultural, ou funcional, também denominada departamental, que se tornou uma visão clássica das organizações em escala mundial na primeira metade do Séc. XX, cede lugar a um modelo organizacional mais sistêmico, holístico e interativo, à medida que o processo decisório é cada vez mais descentralizado, segundo Dutra (2004). Em conseqüência, novas competências são necessárias para garantir a competitividade organizacional, em nível global. Esse fato evidencia que o maior patrimônio das organizações é um bem intangível, ou seja, o conhecimento atrelado às habilidades e atitudes das pessoas, que serão convertidos em resultados para o negócio e para a sociedade. Amplia-se a necessidade de adotar-se uma nova postura em relação ao modelo tradicional de organizar o trabalho e gerir pessoas, em que o enfoque da gestão está no indivíduo e não mais no cargo ou no nível hierárquico, viabilizando implantar uma gestão baseada nas competências essenciais que estimule, de modo contínuo, o aumento da competitividade organizacional.

18 18 As pessoas devem ser consideradas fatores-chave para as organizações, ao contrário da visão ainda predominante de mão-de-obra como recurso abundante e barato, mais freqüente em empresas de produção seriada. As organizações apoiadas em alta tecnologia, conforme evidenciaram Prahalad e Hamel (1995), têm buscado promover um nível de competitividade sustentável, a partir das competências dos indivíduos naquilo que possam contribuir para a diferenciação estratégica da organização. Assim, as competências organizacionais devem contemplar o acervo de competências humanas, como parte dos seus recursos estratégicos. Em sua abordagem Dutra (2001, p. 07) argumenta que a empresa competitiva precisa, mais do que nunca, compreender o elemento humano e desenvolver a educação corporativa, o que trará implicações mais concretas para a organização. Portanto, embora se reconheça a importância da capacitação, esta pesquisa tem como objeto a percepção dos gestores sobre o processo de avaliação baseado no modelo de gestão por competências, uma vez que eles são sujeitos e também agentes do processo, cuja filosofia subjacente é contribuir para o desenvolvimento das pessoas, além da responsabilidade sobre os resultados e a gestão de recursos. O presente estudo apresenta uma pesquisa realizada em uma empresa localizada na região do Vale do Paraíba, na cidade de São José dos Campos SP, com o objetivo de verificar a percepção dos gestores quanto à aplicabilidade de um modelo de gestão de pessoas por competências, em ambiente de alta tecnologia. A motivação central deste trabalho é obter uma melhor compreensão do processo de avaliação de gestores.

19 O PROBLEMA O ambiente complexo, turbulento e inconstante, no qual as organizações estão inseridas, acentua a necessidade de revisarem continuamente a forma de gerir pessoas e o seu capital intelectual, uma vez que os gestores estão sendo cada vez mais desafiados a encontrarem soluções para melhorar a eficácia organizacional e garantir a vantagem competitiva sustentável. Desta forma, parece fundamental que as competências dos gestores estejam em conformidade com as estratégias organizacionais, como um meio de garantir congruência entre os desafios e a ação gerencial. Em contexto de rápidas e contínuas mudanças, torna-se de vital importância para a organização dispor de instrumentos que permitam avaliar o grau de prontidão dos seus gestores em responder aos desafios de competitividade e das mudanças, e, adicionalmente permitam identificar necessidades de desenvolvimento de competências desses gestores. 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral Este estudo pretende verificar a percepção dos gestores quanto à aplicabilidade de um modelo de gestão de pessoas por competências em ambiente de alta tecnologia Objetivos Específicos A fim de atingir o objetivo deste trabalho, pretende-se:

20 20 Elaborar uma síntese relativa à noção e ao conceito de competências, a partir da revisão das principais correntes teóricas. Identificar, na literatura pesquisada, um modelo de gestão de pessoas por competências aplicável a ambiente de alta tecnologia, que resulte em um modelo de referência. Investigar a percepção dos gestores que atuam naquele ambiente quanto à aplicabilidade do modelo identificado, no que se refere à avaliação de competências. 1.3 DELIMITAÇÃO DO ESTUDO O estudo foi desenvolvido em uma empresa do setor produtivo com aplicação de alta tecnologia, orientada pelo modelo de Gestão de Competências, localizada no Vale do Paraíba, na cidade de São José dos Campos São Paulo. A pesquisa tomou como referência um grupo de vinte e seis gestores que atuam em dois níveis hierárquicos gerenciais da organização - nível um e intermediário. A amostra é composta por nove gestores de nível um e seis de nível intermediário. A organização escolhida adotou o modelo de gestão por competências como base conceitual da gestão de pessoas. A amostra foi escolhida de maneira aleatória, dentro da população definida. Essa opção revelou-se adequada em razão da delimitação da área observada, especificamente definida para este trabalho, e em razão da uniformidade dos elementos que caracterizam a população, como pode ser visto no tópico 5.2 Descrição da Amostra.

21 RELEVÂNCIA DO ESTUDO Dutra (2001) destaca a alteração do perfil profissional exigido pelas empresas, justificando que até anos mais recentes os empregados eram considerados eficientes quando possuíam uma postura de obediência e disciplina. Atualmente, a preferência é por empregados empreendedores e autônomos. Por isso, é necessário que as organizações invistam e estimulem o desenvolvimento de seus funcionários, visando atingir resultados superiores à média (HITT, IRELAND E HOSKISSON, 2002). A média é uma referência genérica ao desempenho mediano, ou seja, resultados dentro do esperado, segundo um plano de metas individuais, além do esforço dos próprios indivíduos nas ações de auto-desenvolvimento. Dutra (2004, p. 31) ao citar McClelland. A relevância deste estudo consiste em explorar conceitos e instrumentos utilizados no processo de gestão de pessoas, baseado no modelo de gestão por competências, tendo, como objeto de pesquisa, profissionais que atuam como gestores. Ao final espera-se que este trabalho contribua para o debate sobre a questão da relevância do desempenho para a competitividade organziacional. 1.5 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O trabalho foi estruturado em cinco capítulos. O primeiro traz a Introdução, os objetivos, a relevância do estudo, delimitações e a estruturação do trabalho. O segundo capítulo apresenta a Revisão de Literatura, abordando o contexto da gestão de recursos humanos e o novo desenho organizacional, o histórico e as

22 22 principais correntes referentes aos conceitos de competências, bem como à gestão do desempenho e à gestão de pessoas por competências. Com base na revisão bibliográfica abordada, no terceiro capítulo é apresentado o Modelo Conceitual de Referência que subsidiou a pesquisa de campo. Ao longo do quarto capítulo são apresentadas a descrição e a justificativa da Metodologia utilizada e os instrumentos desenvolvidos para a pesquisa de campo. No quinto capítulo procede-se à descrição e à análise dos Resultados da Pesquisa. O capítulo sexto apresenta a Discussão dos elementos obtidos na pesquisa, vis-avis o referencial teórico. No sétimo capítulo são apresentadas as Considerações Finais e as recomendações e contribuições da pesquisa para trabalhos futuros.

23 23 2 CONTEXTO DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS As grandes organizações possuem, em geral, uma área específica responsável pela gestão das pessoas. Esse papel inicialmente restringia-se às questões contábeis, ganhando amplitude ao longo dos anos, afirma Marras (2005). O autor resume os principais marcos da história da gestão de pessoas remontando-os ao início do Século XX, utilizando o desenho e as denominações apresentadas por Albuquerque 1988 (apud MARRAS, 2005), que dividiu o universo histórico da gestão de pessoas em quatro fases: pré-histórica, jurídico trabalhista, tecnicista e administrativa, apresentadas no Quadro 1, a seguir. Fase pré-histórica ( ) Ausência de legislação trabalhista. Execução de funções protocolares, como registro e controle de pessoal e folha de pagamento. Surgimento do guarda livros. As atividades de pessoal são exercidas por um departamento que comporta, também, outras funções de apoio, como material, contabilidade e expediente. Execução das atividades de pessoal centralizada nas mãos dos proprietários das empresas. Fase jurídicotrabalhista ( ) Intervenção do estado como regulador das relações entre empregados e empregador. Criação do Ministério do Trabalho e Departamento Nacional do Trabalho. Criação das bases do sindicalismo brasileiro, vinculado ao Ministério do Trabalho. Elaboração da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Surgimento da Seção de Pessoal e do cargo de Chefe de Pessoal. Fase tecnicista ( ) Substituição do Chefe de Pessoal pelo Administrador de Pessoal. Surgimento de novos métodos de descrição de cargos. Avaliação de desempenho, pesquisa salarial. O Administrador de Pessoal passa a contar com a assistência de um advogado na execução de suas atribuições. O Administrador de Pessoal deve possuir domínio amplo de conhecimentos psicológicos, sociológicos, estatísticos, pedagógicos e administrativos. Utilização crescente de técnicas importadas dos EUA e da Europa. Quadro 1 - Evolução da Administração de Recursos Humanos no Brasil (ARH) Fonte: Marras (2005, p.119) Fase administrativa ( ) Substituição do Administrador de Pessoal pelo Gerente de Recursos Humanos. Advento da abordagem sistêmica em Recursos Humanos, integrando os enfoques administrativos, estruturalista e comportamental. Eclosão de novos movimentos sindicais (1978). Tendência à abordagem participativa em Recursos Humanos.

24 24 Seguindo a linha de pesquisa de Albuquerque, 1988 (apud MARRAS, 2005), na fase tecnicista o perfil do profissional de recursos humanos iniciou sua grande transformação, surgindo o papel de administrador de pessoal. No Brasil, a instalação da indústria automobilística, no estado de São Paulo, trouxe em seu bojo um conjunto de valores culturais até então desconhecidos e, por conseguinte, não praticados pelas nossas organizações., afirma Marras (2005). Referia-se ao gerenciamento das relações industriais que tratava do gerenciamento dos trabalhadores. A partir de então, as organizações brasileiras incorporaram à função do Departamento de Pessoal várias outras atividades como subsistemas de Recursos Humanos - RH prestadores de serviços. Devido essas transformações o status da área de RH, que ocupava no máximo o terceiro nível do organograma, foi elevado rapidamente ao nível gerencial, assumindo responsabilidades táticas, além das operacionais. Na quarta fase, denominada Administrativa, consolidou-se o entendimento de que a formação básica do gestor de RH é a de administrador de empresas, considerada ideal devido às suas características técnicas, como a visão integrada nas áreas de economia, marketing, produção, finanças, psicologia e sociologia, entre outras. Com a eclosão de novos movimentos sindicais, em 1978, as organizações passaram a exigir dos profissionais de RH enfoque nos aspectos trabalhistas legais. Nessa época algumas organizações optaram por modificar o perfil do administrador de RH substituindo-o por profissionais com formação jurídico-trabalhista, face à importância das negociações com os sindicatos.

25 25 Marras (2005) afirma que esse tipo de gestão de pessoas ainda perdura em muitas empresas, especialmente no setor de serviços operacionais como, por exemplo, restaurante, portaria, limpeza, recrutamento e treinamento, entre outros. Desta forma, com pouca possibilidade de atuação política dentro da organização, em virtude da falta de posicionamento adequado na estrutura organizacional. Marras (2005, p. 124) destaca que [...] a única mudança de status observada por essa área, nas organizações, foi a de ter sido promovida, em algumas organizações, de um patamar operacional (chefia ou supervisão) para um nível tático (gerência). E, apenas as organizações tidas como inovadoras elevaram o status da área de Administração de Recursos Humanos - ARH para o nível de diretoria, permitindo-lhe participar estrategicamente do sistema decisório e influenciar o board com projetos e idéias tipicamente oriundas do mundo do trabalho. Observa-se que não apenas o status da função de RH foi elevado. O grau de sofisticação das atividades, das técnicas e dos instrumentos aplicados à Gestão de Pessoas também foi ampliado em razão das transformações no contexto organizacional e das relações de trabalho. Para compreender esse contexto é indispensável descrever alguns dos principais conceitos relacionados à atual gestão de pessoas, em particular aqueles que serviram de base teórica para o desenvolvimento deste trabalho. É o que será apresentado a seguir. 2.1 NOVO DESENHO ORGANIZACIONAL É importante destacar as mudanças que estão surgindo em relação à formulação de estratégias mais complexas na Gestão de Pessoas e à necessidade de diferencial competitivo baseado no capital humano. E em virtude dessas mudanças, os novos

26 26 modelos de gerenciamento de pessoas enfatizam as competências necessárias ao sucesso da organização e à satisfação dos stakeholders, em substituição aos modelos baseados no rigor hierárquico, afirmam Barbais e Silva (2004), Segundo Albuquerque (1988, apud MARRAS, 2005), foi em meados da década de 1985 que teve início a fase estratégica de gestão de pessoas que, segundo o autor, encontra-se em pleno desenvolvimento até os dias atuais. Nesse modelo, o Gestor de Recursos Humanos - GRH é inserido no organograma da organização de forma estratégica, ou seja: participando ativamente das decisões diretoras e assumindo papéis de maior amplitude comparativamente ao gestor de RH operacional [...], esclarece Marras (2005, p.125). 2.2 ORGANIZAÇÕES DE ALTO DESEMPENHO Souza (2003) observa que, motivada pela eliminação das fronteiras comerciais, a mundialização tem exigido das organizações os mais elevados níveis de desempenho para enfrentar concorrentes que possuem vantagens competitivas já instaladas. Essas vantagens estão alicerçadas em pessoas polivalentes, tecnologias de ponta e estruturas organizacionais inovadoras. A autora destaca que diferentemente do que acontecia, atualmente há [...] queda acentuada no nível de tolerância para desempenhos que fiquem aquém dos padrões estabelecidos e para perfis de competência que não evidenciem capacitação multifuncional, capaz de alavancar resultados competitivos. Souza (2003, p. 23). Lawler III (apud SOUZA, 2003) realizou uma série de pesquisas com o objetivo de criar subsídios para delinear estratégias para promover a construção da highperformance organizations. Segundo o autor:

27 27 Os princípios do modelo de gestão denominado alto envolvimento requerem o compartilhamento entre todos os membros de uma organização do poder, da informação, do conhecimento e das recompensas, e estimulam patamares crescentes de desempenho, capazes de enfrentar os desafios da competitividade de modo efetivo. (SOUZA, 2003, p.23). No entanto, essas pesquisas, realizadas no período de 1987 a 1996, demonstraram que organizações americanas, em somas expressivas, pareciam não acreditar, ainda, que as pessoas são importantes fontes de vantagens competitivas, motivo pelo qual as organizações não se empenhavam em enfrentar adequadamente os desafios da competitividade, adotando práticas de gestão apoiadas nos princípios da nova lógica de gestão, conforme denominação do autor. (SOUZA, 2003, p. 24). Nesse contexto, o cenário brasileiro não difere do americano, exigindo significativas mudanças no perfil da força de trabalho. Visão global, multifuncional e nível elevado de qualificação são exigências requeridas pelo mercado. Além de pessoas qualificadas e de alta tecnologia, o cenário atual requer estruturas organizacionais inovadoras que fundamentam-se em bases sistêmicas, favorecendo avanços na gestão de resultados, postula Souza (2003, p. 26). Lawler III (apud SOUZA, 2003) apresenta seis princípios básicos que promovem organizações de alto desempenho. A saber: modelos de gestão horizontais são base para a vantagem competitiva; envolvimento das pessoas deve prevalecer sobre o controle hierárquico; todas as pessoas devem contribuir para a consecução dos objetivos; ênfase nos processos laterais e não nas funções hierarquizadas; modelos organizacionais devem focalizar produtos e clientes; e a liderança compartilhada é uma das bases da vantagem competitiva.

28 28 Com esses princípios é possível redesenhar a nova estrutura organizacional substituindo o modelo de estrutura hierárquica verticalizada, predominante desde a abordagem da administração clássica até os dias atuais em organizações consideradas mecanicistas. E, ainda, por meio de estratégias com foco no envolvimento dos empregados, as organizações apoiadas nesses princípios criam condições sustentáveis de competitividade, conclui Souza (2003). 2.3 HISTÓRICO E CONCEITOS DE COMPETÊNCIA No fim da Idade Média o vocábulo Competência era associado à linguagem jurídica e referia-se à faculdade atribuída a uma pessoa ou instituição para avaliar e julgar determinadas questões. Por extensão, o termo passou a designar o reconhecimento social em relação à capacidade de alguém pronunciar-se a respeito de determinado assunto, e, posteriormente, passou a ser utilizado para qualificar o indivíduo capaz de realizar determinado trabalho, esclarecem Brandão & Guimarães (1999). Ainda que o conceito de competência tenha sua origem relacionada ao Direito, atualmente sua aplicação extrapola essa dimensão, sendo utilizada com freqüência nas diversas áreas do conhecimento, destacando-se a pedagogia e a psicologia organizacional. (SHIPPMANN et al, 2000). Assim, competência é uma palavra do senso comum, utilizada para designar pessoa qualificada para realizar algo. Seu antônimo não apenas implica a negação dessa capacidade, mas também é empregada, usualmente, com conotações pejorativas, depreciativas, indicando que a pessoa está ou estará brevemente marginalizada dos circuitos de trabalho e de reconhecimento social, explica Fleury e Fleury (2001).

29 29 No contexto organizacional, o conceito Competência começou a ser elaborado sob a perspectiva do indivíduo, A competência, segundo McClelland (1973), é uma característica subjacente a uma pessoa que pode ser relacionada ao desempenho superior na realização de uma tarefa ou em determinada situação. O autor diferenciava as competências das aptidões, ou seja, talentos naturais da pessoa, que podem vir a ser aprimorados, e as habilidades, como demonstrações de talentos particulares na prática e de conhecimentos - o que a pessoa precisa saber para desempenhar uma tarefa. Ainda que o conceito de competência estivesse, na década de 1970, relacionado aos estudos desenvolvidos por McClelland, é possível verificar que Taylor precursor da administração científica adotava, em 1920, a divisão das tarefas e o estudo de tempos e movimentos. E essa forma de administrar o trabalho permitia identificar os requisitos necessários para o desenvolvimento de cada atividade ou parte desta, explica Lucia e Lepsinger (1999). No entanto, o conceito de competência, no contexto de Taylor, estava restrito a fatores físicos, assim a pessoa competente era aquela que possuía força física e destreza para executar determinada tarefa, segundo Cooper (2000). É a partir de 1980 que começam a ser definidas as escalas de competências que passavam a considerar, além do conhecimento da tarefa, as habilidades necessárias e as atitudes favoráveis. (GRAMIGNA, 2002). Dutra (2004, p. 34) ressalta que nesse período as empresas, ao incorporarem os conceitos de competência, foram naturalmente criando escalas de diferenciação por níveis de complexidade. Surgiram nessa fase alguns desconfortos, dentre os quais a

30 30 vinculação da competência a trajetórias de sucesso em realidades passadas, ausência de vinculação das competências em relação aos objetivos estratégicos da empresa e necessidade de estender a utilização do conceito para as demais políticas e práticas de gestão de pessoas da empresa. É também nesse período que Boyatzis (1982) reavaliou os estudos referentes às competências e identificou um conjunto de características e traços que, na sua perspectiva, determinam um desempenho superior. Spencer e Spencer (1993) destacaram a importância do trabalho de Boyatzis para a literatura norte-americana referente a competências. Pois, desde então, o conceito de competência é pensado como um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes - CHA que justificam um alto desempenho, na medida em que há, também, o pressuposto de que os melhores desempenhos estão fundamentados não somente na inteligência, mas, também, na personalidade das pessoas. No mesmo sentido, Durand (1998 apud BRANDÃO e GUIMARÃES 2001) define competência com base em três dimensões conhecimentos, habilidades e atitudes CHA que reúnem não apenas questões técnicas, mas, ainda, a cognição e as atitudes relacionadas ao trabalho. Essas dimensões são interdependentes, uma vez que, para exposição de uma habilidade, se presume que o indivíduo conheça princípios de técnicas específicas. Assim, como a adoção de um comportamento no trabalho exige da pessoa, normalmente, o domínio não apenas de conhecimentos, mas, também, de habilidades e atitudes adequadas.

31 31 A Figura 1 mostra as três dimensões do conceito de competências por meio de Conhecimentos, Habilidades e Atitudes CHA. Conhecimentos Informação Saber o que Saber o porquê + = Habilidades Técnica Capacidade Saber como + Atitudes Querer fazer Identidade Determinação Figura 1 - Conhecimentos, Habilidades e Atitudes CHA Durand (apud BRANDÃO e GUIMARÃES, 2001) explica as dimensões do conceito de competência pautado no CHA: o conhecimento corresponde a uma série de informações assimiladas e estruturadas pelo indivíduo, ou seja, o acúmulo de saberes adquirido ao longo de toda a experiência. a habilidade está relacionada ao saber fazer algo ou à capacidade de aplicar e fazer uso produtivo do conhecimento adquirido, instaurar informações e utilizá-las em uma ação, com vistas à consecução de um propósito específico. a atitude refere-se a aspectos sociais e afetivos relacionados ao trabalho e são estados complexos do ser humano que afetam o comportamento em relação a pessoas e eventos, determinando a escolha de um curso de ação pessoal.

32 32 Outra abordagem bastante utilizada para representar o conceito de competência é a Árvore de Competências, representada na Figura 2. Baseada no conceito do CHA Conhecimento, habilidade e Atitudes seu principal objetivo consiste em ilustrar como as competências podem ser estruturadas a partir da combinação de conhecimentos, habilidades e atitudes. Figura 2 - Árvore das Competências Fonte: Adaptado de Gramigna (2002) A copa corresponde às habilidades agir com aptidão, capacidade e técnica em relação à realidade resolvendo problemas e obtendo resultados positivos; o tronco e galhos correspondem ao conhecimento referem-se ao conjunto de informações que a pessoa armazena e utiliza quando é necessário; e a raiz corresponde às atitudes ao conjunto de valores, crenças e princípios que são formados no decorrer da vida. Estão relacionados com o querer ser e o querer agir e implicam o grau de comprometimento com o trabalho.

33 33 Na literatura francesa, o conceito de competência surgiu nos anos 1990 e procurava ir além do conceito de qualificação, sendo conceituada como: é o tomar iniciativa e o assumir responsabilidade do indivíduo diante de situações profissionais com as quais se depara, afirma Zarifian (2001, p.68). Esse conceito propõe mudanças na organização do trabalho, principalmente no que tange à autonomia e automobilização do indivíduo, inserindo a competência numa condição dinâmica de aprendizagem, visto que: A competência é um entendimento prático de situações que se apóia em conhecimentos adquiridos e os transforma na medida em que aumenta a diversidade das situações, afirma Zarifian (2001, p.72). Ramos (2001) destaca que a noção de competência propõe o saber-fazer proveniente da experiência, ao invés de somente os saberes teóricos tradicionais valorizados na lógica da qualificação. Basicamente, desloca a atenção para a atitude, o comportamento e os saberes tácitos dos trabalhadores, devido às novas concepções do trabalho, baseadas na flexibilidade, na autonomia, responsabilidade e capacidade de comunicação e polivalência. Para Terssac (apud CHAMON, 2006, p. 24), competência é o conjunto de tudo o que é engajado na ação organizada, ou seja, refere-se a todas as qualidades além dos conhecimentos formais utilizadas na ação e demonstradas por meio da contribuição de cada uma, face às necessidades da organização. Um dos aspectos essenciais da noção de competência é que é inseparável da ação e no que tange ao contexto organizacional é o conjunto de conhecimentos, qualidades, capacidades e aptidões que habilitam para a discussão, a consulta, a decisão de tudo que concerne seu ofício., afirmam os autores franceses Ropé e

34 34 Tanguy (1997, p.16). E, para que haja competência total é necessário que os conhecimentos teóricos sejam acompanhados das qualidades e da capacidade que permitam executar decisões. Nas décadas de 1980 e 1990 a definição de competência, associada ao acúmulo de conhecimentos e habilidades das pessoas, foi contestada pelos autores Le Boterf e Zarifian que buscavam associar o conceito às realizações e àquilo que elas fornecem, produzem ou entregam. Assim, competência é colocar em prática o que se sabe em determinado contexto, marcado geralmente pelas relações de trabalho, cultura da empresa, imprevistos, limitações de tempo e de recursos etc., apresenta Dutra (2004, p. 30). Le Boterf e Zarifian postulam que o fato de uma pessoa deter as qualificações necessárias para um trabalho não assegura que ela irá entregar o que lhe é demandado. Entende-se competência, nessa abordagem, somente quando há competência em ação, traduzindo-se em saber ser e saber mobilizar o repertório individual em diferentes contextos. (DUTRA, 2004, p. 30). Nessa abordagem, assim como na de Terssac (apud CHAMON, 2006), a competência é efetiva quando há competência em ação, evidenciada em saber ser e saber mobilizar o repertório individual em contextos diversos. Para Parry (1996), competência é o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que afetam a maior parte do trabalho de uma pessoa e que se relacionam com o desempenho do trabalho; a competência pode ser medida, quando comparada com padrões estabelecidos, e desenvolvida por meio de treinamento. E, dentre a grande diversidade de conceitos, esta é a definição freqüentemente adotada por profissionais de RH.

35 35 É uma definição de fácil operacionalização, mas que, de maneira implícita, tem como referência a tarefa e o conjunto de tarefas prescritas a um cargo. Desta maneira, a gestão por competência é tão somente um novo título para administrar uma realidade organizacional apoiada nos pressupostos do taylorismo-fordismo, ressalta Fleury e Fleury (2001). Para esses autores, o conceito de competência só revela seu poder heurístico quando aprendido no contexto de transformações do mundo do trabalho, quer seja nas empresas, quer seja nas sociedades. Assim, as pessoas atuam como agentes de transformação de conhecimento, habilidades e atitudes em competências que entregam para a organização. Nesse sentido, a competência entregue pode ser caracterizada como agregação de valor ao patrimônio de conhecimentos da organização. Dutra (2004, p.31) destaca o entendimento de agregação de valor como algo que a pessoa entrega para a organização de forma efetiva, ou seja, que permanece mesmo quando a pessoa sai da organização. Ressalta, ainda, que a agregação de valor não é atingir metas de faturamento ou de produção, mas melhorar processos ou introduzir tecnologias. Os autores consultores identificam a competência como o somatório de duas linhas teóricas: a primeira define competência como a entrega e as características da pessoa que podem ajudá-la a entregar com maior facilidade. (PARRY, 1996; MCLAGAN, 1997). Outra linha de autores, que inclui Derr (1988) e Schein (1990), discute a questão da competência associada à atuação da pessoa em áreas de

36 36 conforto profissional, usando seus pontos fortes e tendo maiores possibilidades de realização e felicidade, explica Dutra (2004, p. 30). Dutra (2004) conclui que há diversidade de conceitos em relação a competências que podem ser complementares, conforme estruturado na Figura 3, a seguir, na qual tem-se, de um lado, as competências ligadas às variáveis de input CHA. e, do outro lado, às de output ou entrega. Conhecimentos Habilidades Atitudes INPUTS OUTPUTS Agregação de Valor Contribuição Estados Unidos McClelland Boyatzis Brasil Dutra Fleury e Fleury França Le Boterf Zarifian Figura 3 - Conceitos de Competências Complementares Fonte: Adaptado de Dutra (2004, p.30) As variáveis de input estão relacionadas ao conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias para a pessoa exercer seu trabalho; e, também, as competências podem ser entendidas como a entrega da pessoa para a organização. Dutra (2004, p. 31) afirma que ao adotar essa compreensão de competências, somando a idéia de estoque de qualificação à de mobilização do repertório individual, é possível discutir a caracterização das competências em um determinado contexto organizacional dinâmico e caracterizado por intentos estratégicos e competências organizacionais. Partindo desse contexto para estabelecer as competências individuais, o autor identificou três abordagens metodológicas não

37 37 conflitantes entre si, que podem ser utilizadas concomitantemente, possibilitando maior segurança no processo. A primeira é uma adaptação da abordagem recomendada por McClelland (1973) em que são identificadas as pessoas consideradas, pelos demais, como dotadas de performance acima da média. Logo após, por meio de entrevistas, são identificadas as competências que diferenciam essas pessoas - denominadas por McClelland de competências diferenciadoras, ou que apresentam performance superior. Por fim, as competências encontradas são comparadas com os intentos estratégicos e as competências organizacionais. A segunda abordagem pressupõe que há relação natural entre o intento estratégico, as competências organizacionais e as competências individuais. Ainda que não haja consciência desse processo, ele existe, caso contrário a empresa não se sustenta. No entanto, a consciência desse processo permite à organização obter maior sincronismo entre o intento estratégico e as competências organizacionais e individuais. Assim, as competências individuais, identificadas nas entrevistas realizadas com pessoas-chave da organização, foram tabuladas e analisadas para obter a melhor sincronia entre o intento estratégico e as competências organizacionais. A terceira abordagem é uma derivação da segunda. Dutra (2004, p. 32) afirma a existência, dentro das organizações, da trajetória de carreira, geralmente vinculada a processos fundamentais. Assim, existem conjuntos específicos de entrega, em que algumas competências individuais são exigidas para todas as pessoas da organização, e outras específicas, exigidas para determinado grupo de profissionais. E, desta forma, o processo de definição segue o mesmo modelo da segunda

38 38 abordagem. Inicialmente, são identificadas as trajetórias de carreira existentes na organização em cada trajetória, e, por fim, elas são discutidas com o conjunto de pessoas-chave da organização para se obter a melhor adequação aos intentos estratégicos e as competências organizacionais. Dutra (2004) ainda ressalta que a caracterização das entregas esperadas no decorrer da carreira deve ser observada e acompanhada. Para tanto, as descrições devem retratar as entregas esperadas das pessoas de maneira a permitir que sejam observadas por elas próprias e pelos seus responsáveis. É importante destacar que a interpretação de qualquer descrição é subjetiva, e para minimizar essa subjetividade é necessário que: as expectativas da empresa em relação às pessoas sejam expressas de forma clara; a descrição deve ser construída em um processo coletivo, retratando o vocabulário e a cultura organizacional; e as descrições das diversas entregas devem demonstrar o alinhamento entre si, permitindo observar a mesma pessoa por diferentes competências e diferentes perspectivas. Assim, as competências devem ser graduadas em função do nível de complexidade da entrega, uma vez que a graduação possibilita melhor acompanhamento da entrega da evolução das pessoas em relação à entrega para a organização. Para melhor compreensão dos níveis de competências, na próxima etapa são abordados os conceitos de competência essencial, competência organizacional e competência individual.

39 Competências Essenciais Prahalad e Hamel (1995) se destacaram ao desenvolverem e difundirem o conceito de Core Competences, construído com base na observação das experiências e desempenho excepcionais de empresas da época: Sony, Fedex, Cannon, Honda e Wal Mart. Conceito traduzido como Competências Essenciais no âmbito dos negócios. Assim, competência seria a capacidade de combinar, misturar e integrar recursos em produtos e serviços. Desta forma, Uma Competência é o conjunto de habilidades e tecnologias, e não uma única habilidade ou tecnologia isolada. Prahalad e Hamel (1995, p. 231). Esses autores atribuem às Competências Essenciais um elemento-chave da organização que proporciona a competitividade, e, ainda, destacam que tais competências são as portas para oportunidades futuras (op. cit., p. 225). Adicionalmente, os autores diferenciam competências organizacionais das competências essenciais. As competências para serem essenciais devem atender a três critérios: é preciso que haja valor percebido pelo cliente, ser de difícil imitação e permitir expansão aos diferentes mercados. Ao longo do ciclo estratégico, ao definir sua estratégia competitiva, uma empresa identificará as competências essenciais do negócio e as competências necessárias a cada função, ou seja, as competências organizacionais. Dessa maneira, pode-se afirmar que a organização possui diversas competências organizacionais, distribuídas nas diversas áreas; destas apenas algumas são as competências essenciais, aquelas que diferem a empresa e garantem uma vantagem competitiva sustentável perante as demais organizações. E, considerando

40 40 que as competências dos gestores derivam das organizacionais, e estas definem as essenciais, torna-se contributivo analisar, compreender e conceituar competências essenciais, que podem ser descritas como: [...] um conjunto peculiar de know-how técnico que é o centro do propósito organizacional. Ela está presente nas múltiplas divisões da organização e nos diferentes produtos e serviços. As competências essenciais fornecem uma vantagem competitiva peculiar, resultando em valor percebido pelo cliente, e são difíceis de ser imitadas. Green (1999, p. 28). No mesmo sentido, os autores Hitt, Ireland e Hoskisson (2002, p. 113) definem Competências Essenciais como recursos e capacidades que servem de fonte de vantagem competitiva para a empresa em relação a seus concorrentes. Hitt, Ireland e Hoskisson (2002, p. 05) esclarecem que a vantagem competitiva sustentável é alcançada quando a empresa é bem-sucedida na implementação de uma estratégia que gere valor, que outras empresas não conseguem reproduzir ou acreditam que seja muito dispendioso imitá-la. Prahalad e Hamel (1995) destacam que, por vezes, é difícil identificar o limiar entre habilidade específica e competência essencial. Se durante o processo de identificação de competências específicas de uma empresa forem identificadas inúmeras competências - cinqüentas ou mais - muito possivelmente são tão somente habilidades ou tecnologias, e não, necessariamente, competências essenciais, o que sugere uma focalização da análise para a atividade central do negócio. No entanto, nesse mesmo processo, se o debate concluir por duas competências, por exemplo, provavelmente o critério de agregação utilizado foi demasiadamente amplo, o que poderá prejudicar a percepção dos agentes em relação ao negócio central, pois, normalmente, o nível de agregação mais útil resulta em cinco a quinze competências essenciais. Prahalad e Hamel (1995, p. 231).

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica Glaucia Falcone Fonseca O objetivo dessa aula é que você conheça as quatro grandes correntes existentes com relação ao tema gestão de pessoas. (Glaucia Falcone Fonseca) 1 Vimos na aula passada o que é

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências Apresentação Gestão de Pessoas por Competências POR QUE GESTÃO POR COMPETÊNCIAS? Empresas e Organizações Gestão das Finanças Gestão de Marketing Gestão de Produção Gestão de Distribuição Gestão de Controle

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Aula 2: Seleção Por Competências. Professora Sonia Regina Campos

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Aula 2: Seleção Por Competências. Professora Sonia Regina Campos Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 2: Seleção Por Competências Professora Sonia Regina Campos Seleção por Competências Seleção por Competências A Gestão de Pessoas passou por uma alteração de paradigmas.

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Prof.ª Giselle Reis Brandão IEC - PUC Minas ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES: ADM. DE RECURSOS HUMANOS: As pessoas vistas como recursos, no sentido de instrumentos, meios para

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA O exame a ser aplicado na Certificação por Prova, na ênfase Recursos

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

IMPACTO DE TREINAMENTO NO TRABALHO: ANÁLISE DE UM CURSO AUTO-INSTRUCIONAL EM UMA ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA

IMPACTO DE TREINAMENTO NO TRABALHO: ANÁLISE DE UM CURSO AUTO-INSTRUCIONAL EM UMA ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACS CURSO: PSICOLOGIA IMPACTO DE TREINAMENTO NO TRABALHO: ANÁLISE DE UM CURSO AUTO-INSTRUCIONAL EM UMA ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA ROBERTA SOARES AMANCIO BRASÍLIA NOVEMBRO/2007

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor OBJETIVO: A Gestão de Pessoas vem passando por inúmeras transformações nestes últimos anos.

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Conceitos de Gestão por Competências = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 21Ago2015 1 Tópicos abordados Principais processos 4 Vantagens 5 Avaliação de

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

Evolução do uso de competências para remuneração

Evolução do uso de competências para remuneração Tema: Competências e Instrumentos de Análise de Desempenho na Gestão da Remuneração: Experiências e Lições dos Principais Grupos Empresariais do Brasil José Hipólito Evolução do uso de competências para

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS APRESENTAÇÃO O curso de especialização Gestão de Pessoas tem por meta desenvolver gestores para atuarem em empresas que estejam inseridas no processo de globalização

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL

RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Programa de Pós-Graduação em Administração RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL Programas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. Alessandra Cristina Rubio¹ Regina Aparecida de Alcântara Gonzaga 1 Thiago Silva Guimarães³ RESUMO É notória e cada vez mais

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas ESTRATEGICA 1985 a hoje Aumentar o envolvimento dos colaboradores e integrar sistemas de suporte ADMINISTRATIVA 1965 a 1985 Foco: indivíduos

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Área temática: Gestão de pessoas O CONCEITO DE COMPETÊNCIAS E SUA APLICAÇÃO NA GESTÃO ESTRATÉGICA DAS EMPRESAS ATUANTES NO BRASIL

Área temática: Gestão de pessoas O CONCEITO DE COMPETÊNCIAS E SUA APLICAÇÃO NA GESTÃO ESTRATÉGICA DAS EMPRESAS ATUANTES NO BRASIL Área temática: Gestão de pessoas O CONCEITO DE COMPETÊNCIAS E SUA APLICAÇÃO NA GESTÃO ESTRATÉGICA DAS EMPRESAS ATUANTES NO BRASIL AUTORAS LINA EIKO NAKATA Escola Superior de Administração e Gestão linankt@yahoo.com

Leia mais

A gestão por competências como instrumento para administração estratégica de recursos humanos

A gestão por competências como instrumento para administração estratégica de recursos humanos SUZANO ANO 2 Nº 2 OUT. 2010 71 A gestão por como instrumento para administração estratégica de recursos humanos Meire Almeida de SOUZA Faculdade Unida de Suzano (malmsouza@yahoo.com.br) João de Andrade

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra UNESP - Botucatu Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional Prof. Joel Dutra Prof. Joel Dutra Professor-Livre Docente da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo FEA-USP,

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas,

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

2o. Congresso de Gestão do Ministério Público

2o. Congresso de Gestão do Ministério Público 2o. Congresso de Gestão do Ministério Público Gestão de Pessoas por Competências Prof. Joel Dutra Currículo Prof. Dr. Joel Souza Dutra Diretor Geral do Departamento de Recursos Humanos da Universidade

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Revisão Organizações focalizadas na estratégia: Traduzir a estratégia em termos operacionais;

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS 2011 Paola Lucena dos Santos Bolsista de Iniciação Científica, CNPq Acadêmica de Psicologia pela PUC/RS, Brasil Laura Traub Acadêmica de

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Objetivos Apresentar os fundamentos da avaliação de treinamento Apresentar os tipos de indicadores para mensurar a eficácia do treinamento

Leia mais

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS O programa irá capacitá-lo a interagir em um contexto empresarial de inúmeras transformações e mudanças, desenvolvendo competências para conhecer,

Leia mais

O&M Organizações e Métodos I

O&M Organizações e Métodos I UFF Universidade Federal Fluminense O&M Organizações e Métodos I UNIDADE I INTERODUÇÃO À O&M Fabio Siqueira 1. Apresentação do professor 2. Teste de sondagem (reconhecimento da turma) 3. Apresentação dos

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Palavras-chave: Alinhamento, domínio, tecnologia de informação.

Palavras-chave: Alinhamento, domínio, tecnologia de informação. RELACIONAMENTO ENTRE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO: OS FATORES CRÍTICOS SOBRE O COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL NA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO. José Aparecido Moura Aranha

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO

RECURSOS HUMANOS EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO RECURSOS HUMANOS EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação

Leia mais

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 1) Conceito e Processo do Planejamento Estratégico Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Origem da Estratégia: Originalmente

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Qual o principal Desafio das Empresas

Qual o principal Desafio das Empresas Gestão por Competências Caminho para a Sustentabilidade Empresarial Qual o principal Desafio das Empresas Lucratividade sustentável! Capacidade de negociar simultaneamente os 5 (cinco)recursos, indispensáveis

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais