PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO POR COMPETÊNCIAS EM ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS: PRINCIPAIS DESAFIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO POR COMPETÊNCIAS EM ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS: PRINCIPAIS DESAFIOS"

Transcrição

1 PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO POR COMPETÊNCIAS EM ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS: PRINCIPAIS DESAFIOS RESUMO Lucielma Santos Passos de Holanda Universidade Federal de Sergipe Maísle Alves Moraes de Souza Universidade Federal de Alagoas Atualmente, muitas organizações discutem sobre uma nova forma de gerir pessoas através do modelo de gestão por competências. Este estudo especifica esta temática, tendo como objetivo identificar os principais desafios existentes no processo de implantação do modelo de Gestão por Competências nas Organizações Públicas Federais. A metodologia utilizada foi a de uma pesquisa teórico-descritiva que utilizou como método de procedimento, o bibliográfico. Foram constatados através da literatura analisada alguns desafios para a implantação do processo de Gestão por Competências. Quanto aos principais desafios identificamos, entre outros: gerenciamento da mudança na cultura e no clima organizacional, o estabelecimento de estratégias alinhadas aos objetivos organizacionais, o mapeamento de competências e a valorização das pessoas obtendo o envolvimento e comprometimento dos funcionários e da direção. É preciso também dinamizar e sistematizar as diversas práticas utilizadas na gestão de pessoal, sejam elas para a seleção, avaliação, remuneração ou capacitação de servidores públicos. Assim, foi possível concluir que diversos são os desafios ocasionados pelo processo de implantação da Gestão por Competências, principalmente ao enfocarmos o contexto do setor público a nível federal, na tentativa de promover o aumento da qualidade e da eficiência dos serviços prestados. Palavras chaves: Gestão de Pessoas Gestão por Competências Organizações Públicas Federais ABSTRACT Nowadays, many organizations discuss a new way of managing people across the model of management by competences. This study specifies this theme, taking as objective to identify the main challenges existent in the process of implantation of the model of management skills in Federal Public Organizations. The methodology used was a theoretical-descriptive research which used a bibliographic method of procedure. Some challenges were identified through literature for the establishment of the process of management by competences. Keychallenges identified, among others: management of change in culture and in organizational climate, the establishment of strategies aligned to organizational objectives, the mapping of competences an d the exploitation of people getting the involvement and commitment of officials and direction. We must also stimulate and systematize the various practices used in the management of personnel, whether for the selection, evaluation, remuneration or capacitance of civil servants. Thus, it was possible to conclude that there are various challenges caused by implantation process of management skills, mainly when we focus on the context of public sector at federal level, in the attempt to promote the increase in the quality and efficiency of services rendered. Key-words: Managing People Management Skills Federal Public Organizations

2 1. INTRODUÇÃO Cada vez mais estamos inseridos em ambiente dinâmico e competitivo que exige uma alta capacidade de adaptação às demandas impostas pelo mercado. Diante destas transformações contínuas surge a necessidade de um novo modelo de gestão que melhor assegure às organizações maior competitividade no mercado em que atuam. Assim, o modelo de gestão por competências assume uma posição relevante por proporcionar nas organizações relações entre a estratégia, as funções críticas, as competências essenciais e as competências das pessoas (ZARIFIAN, 2001, p. 11). Desde a década de 1990, no Brasil, o tema gestão por competência começou a ser mais evidenciado nas discussões acadêmicas e empresariais. Segundo Fleury e Fleury (2001, p. 183) o tema competência está associado a diferentes instâncias de compreensão: no nível da pessoa (a competência do indivíduo), das organizações (as core competences) e dos países (sistemas educacionais e formação de competências). Filenga, Moura e Rama (2010) corroborando com Dutra (2007) mostram em sua pesquisa que se faz necessário que as práticas de recursos humanos estejam alinhadas às estratégias organizacionais para alcance de maior competitividade, para facilitar a busca constante da conciliação entre as expectativas individuais e organizacionais. Diante deste contexto, a gestão por competência, por ser um modelo bastante amplo, possibilita o alinhamento das práticas de recursos humanos entre si e com as estratégias organizacionais (DUTRA, 2007). Levando-se em consideração o contexto do serviço público, o modelo de gestão por competências já está sendo adotado de forma mais avançada em algumas organizações públicas federais como agências reguladoras, tribunais e bancos. Em outras, como por exemplo, as instituições federais de ensino, este novo modelo de gestão começou a ser implementado a partir da publicação do Decreto nº 5.707, de 23 de fevereiro de 2006, o qual instituiu a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal e incorporou o conceito de gestão por competências na Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. No entanto, implementar o modelo de gestão por competência não é tarefa simples, mesmo que se tenha o apoio e comprometimento da alta administração em todas as fases da implementação do modelo, pois caso contrário, ficaria apenas a idéia no projeto. Esta implementação leva a grandes desafios que impactam profundamente toda a gestão de pessoas de uma organização e que, portanto, precisam ser identificados para que cada vez mais os gestores tornem-se preparados para implantar com eficiência este modelo. Tendo em vista esses aspectos, a pergunta norteadora deste estudo é: Quais os principais desafios da implantação do modelo de gestão por competências em uma organização pública federal? A metodologia utilizada neste trabalho foi a de uma pesquisa teórica-descritiva realizada através de levantamento bibliográfico e análise documental. A base teórica referendou alguns autores, entre outros, como Chiavenato (2008), Gramigna (2007), Dutra (2007), Fleury e Fleury (2001), com abordagens elucidativas na área de Recursos Humanos, mais especificamente sobre a Gestão por Competências.

3 Inicialmente são abordados os principais conceitos da Gestão por Competências, apresentando em seguida aspectos relacionados a este modelo de gestão que são ocasionados independente de se tratar de organização pública ou privada. Por fim, este estudo é direcionado para os desafios e as mudanças organizacionais decorrentes deste modelo para o contexto atual das organizações públicas federais. 2. UM NOVO MODELO DE GESTÃO: A GESTÃO POR COMPETÊNCIAS A carência por um novo modelo de gestão de pessoas, de acordo com Vergara (2008), é fundamentada pela transição do modelo de sociedade industrial, caracterizado por estabilidade, padronização, especialização e hierarquia, para o modelo de sociedade do conhecimento, definido por um ambiente instável, de alta complexidade e competitividade. Dessa forma, de acordo com Gramigna (2007), resta descobrir qual é o modelo de gestão apto a atender bem a este novo panorama, um novo modo de gerenciar e com ênfase nas pessoas e no conhecimento, onde o diferencial competitivo será o modo que as organizações irão gerenciar, capacitar e desenvolver o conhecimento de seus funcionários. As propostas para a obtenção de vantagem competitiva, apesar das diferenças de ordem semântica, parecem caminhar em uma mesma direção: gestão estratégica de recursos humanos (Taylor, Beechler e Napier, 1996); gestão de competências (Prahalad e Hamel, 1990; Heene e Sanchez, 1997); acumulação do saber (Arrègle, 1995; Wright, Van e Bouty, 1995) e gestão do capital intelectual (Stewart, 1998). Percebe-se, nessas proposições, a ênfase nas pessoas como recurso determinante do sucesso organizacional, uma vez que a busca pela competitividade impõe às empresas a necessidade de contar com profissionais altamente capacitados, aptos a fazer frente às ameaças e oportunidades do mercado (BRANDÃO; GUIMARÃES, 2001, apud CARVALHO, 2006, p. 25). Diante disso, a gestão baseada na competência parece ser um instrumento gerencial alternativo aos modelos de gestão tradicionalmente utilizados pelas organizações. Porém, antes de continuarmos com esta temática, é importante ter uma noção da origem da palavra competência. A idéia vem do latim competentia, derivada de competere. Dadoy (2004, p. 108) diz que é chegar ao mesmo ponto, oriunda de petere, dirigir-se para. Refere-se a o que convém ; no francês antigo, significava apropriado. Dada uma noção da origem da palavra competência, é preciso uma abordagem mais específica abrangendo algumas definições. O conceito de competência vem sendo utilizado desde a década de 1970, de acordo com Bose (2004 apud CARVALHO, 2006, p. 25), como o conjunto de características que podem ser previstas e estruturadas, de modo a se estabelecer o conjunto ideal de qualificações para que a pessoa desenvolva um desempenho superior em seu trabalho. Ainda em relação a definições sobre competência, é possível perceber, de acordo com Duarte, Ferreira e Lopes (2009, p. 06) a existência de duas grandes correntes:

4 A primeira, representada principalmente por autores norte-americanos, como Boyatzis (1982) e McCelland (1973), entendem a competência como um estoque de qualificações (conhecimentos, habilidades e atitudes) que credencia a pessoa a exercer determinado trabalho. A segunda, representada principalmente por autores franceses, como Le Boterf (1999) e Zarifian (1999), associa a competência não a um conjunto de qualificações do indivíduo, mas às realizações da pessoa em determinado contexto, ou seja, àquilo que ela produz ou realiza no trabalho. Alguns outros autores também apresentam conceitos norteadores sobre o termo competência. Parry (1996, apud Fleury e Fleury, 2001, p. 19) vincula a competência à realização de uma ou várias tarefas definidas para um cargo: Competência é o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que afetam a maior parte do trabalho de uma pessoa, e que se relacionam com o desempenho no trabalho podendo ser medida e comparada com padrões definidos e pode ser desenvolvida por meio de treinamento. Fleury e Fleury (2001, p. 188) afirmam que competência é um saber agir responsável e reconhecido que implica mobilizar, integrar, transferir conhecimentos, recursos e habilidades que agreguem valor econômico à organização e valor social ao indivíduo. Chiavenato (2008, p. 52) apresenta as seguintes definições das dimensões de Competência: O Saber: refere-se ao Conhecimento. Implica os questionamentos e esforços voltados à informação que possa agregar valor ao trabalho; é o que se deve fazer para desenvolver com qualidade aquilo que lhe é atribuído. O conhecimento é um dos atributos mais valiosos do século XXI. O Saber Fazer: refere-se a Habilidades. Significa aplicar o conhecimento, resolver problemas, criar e inovar. As habilidades são o que se deve saber para obter um bom desempenho, estando orientadas para a aplicação produtiva do conhecimento. O Saber Agir/Querer Fazer: refere-se a Atitudes. Buscam um comportamento mais condizente com a realidade desejada. Neste momento, realiza-se a união entre o discurso e ação. Deve-se saber agir para poderem empregar adequadamente os conhecimentos e habilidades. Essa dimensão diz respeito a um sentimento ou à predisposição do profissional. É o que leva a pessoa a alcançar a auto-realização do seu potencial. Faz-se necessário, a partir de então, um entendimento maior de como o conceito de competências pode abranger tanto o indivíduo quanto a organização. Dutra (2007) afirma que a competência pode ser atribuída a diferentes atores: à organização com as competências que lhes são próprias e às pessoas com seus conjuntos de competências, aproveitadas ou não pela organização. Dessa forma, este autor mostra que ao comparar as competências das organizações e das pessoas, pode-se verificar um processo contínuo de troca de competências, havendo uma relação íntima entre competências organizacionais e individuais, ou seja: A organização transfere seu patrimônio para as pessoas, enriquecendo-as e preparando-as para enfrentar novas situações profissionais e pessoais, na organização ou fora dela. As pessoas, ao desenvolverem sua capacidade individual, transferem para a organização seu aprendizado, capacitando-a a

5 enfrentar novos desafios. Desse modo, são as pessoas que ao colocarem em prática o patrimônio de conhecimentos da organização, concretizam as competências organizacionais e fazem sua adequação ao contexto. Ao utilizarem, de forma consciente, o patrimônio de conhecimento da organização, as pessoas validam-no ou implementam as modificações necessárias para aprimorá-lo (DUTRA, 2007, p. 24). Assim, é notório que as competências podem ser tanto organizacionais, quanto individuais. Green (2000 apud CURY, 2003, p. 35) classifica as competências organizacionais em básicas e essenciais. Para o autor, as competências básicas são as condições necessárias à organização para administrar com eficácia, embora essas condições não sejam o bastante para que a organização alcance o sucesso. Já as competências essenciais são os conhecimentos técnicos próprios, que significam o fator mais importante do desígnio organizacional, fazendo parte de toda a organização, agregando-lhe valor e promovendo destaque competitivo em relação às concorrentes. Já em relação às competências individuais, Carvalho (2006, p. 27) considera que a competência de um indivíduo é considerada como a descrição dos hábitos de trabalho mensuráveis e das habilidades pessoais requeridas para a consecução do objetivo de trabalho. Para Durand (1998 apud Carvalho, 2006, p. 27), as competências individuais representam combinações sinérgicas de conhecimentos, habilidades e atitudes, que mantém relação causal com o bom desempenho, no âmbito de determinado contexto organizacional, entendendo-se por conhecimentos, atitudes e habilidades. Assim, podemos ressaltar, já adentrando mais especificamente neste novo modelo de gerir pessoas, que a gestão por competências, de acordo com Fleury e Fleury (2001), não só agrega valor econômico à organização, como também agrega valor social aos indivíduos, observando que ao desenvolverem competências essenciais para o sucesso da organização, estão também investindo em si mesmos, não só como cidadãos organizacionais, mas como cidadãos do próprio país e do mundo. Corroborando com esta afirmação, na pesquisa de Munck, Souza e Munck (2010) foi relatado que: Autores como Dutra (2004), Fleury e Fleury (2001) e Kaplan e Norton (2000), dentre outros, asseveram que o principal recurso que viabiliza a continuidade e a competitividade das organizações é a gestão das competências organizacionais e individuais, desde que todas estejam alinhadas ao processo de aprendizagem. As organizações, ao discutirem o processo de alinhamento, propiciam a criação de significados coerentes e a realização de ações que instigam a conquista de um aprendizado coletivo. Dutra (2004) concorda ao enfatizar que a aplicabilidade do conceito de competência gera uma vinculação recíproca entre expectativas individuais e necessidades organizacionais (MUNCK, SOUZA E MUNCK, 2010, p. 02). Diante do exposto, é importante salientar que abordar neste momento um conceito único sobre Gestão por Competências é no mínimo ingênuo, pois, ainda, é um conceito em construção, como diz Dutra (2007). Bitencourt (2009) afirma que a gestão por competências deve respeitar as especificidades de cada organização, uma vez que possui culturas distintas, apesar de existirem algumas aproximações conceituais.

6 Tendo em vista o objetivo norteador deste estudo, torna-se válido ressaltar a definição de Gestão por Competências abordada pelo Decreto 5.707/2006 (p. 01), que deve servir de parâmetro para as Organizações públicas federais: Gestão da capacitação orientada para o desenvolvimento do conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias ao desempenho das funções dos servidores, visando ao alcance dos objetivos da instituição. Desta forma, após a abordagem da necessidade de um novo modo de gerir pessoas, apresentando o desenvolvimento de competências como uma solução para os problemas comuns no trabalho, uma vez que permite identificar os conhecimentos necessários às pessoas para que estas possam realizar seu trabalho da melhor maneira, faz-se necessário a continuidade deste enfoque, passando a identificar os desafios e impactos trazidos pelo processo de implantação deste novo modelo de gestão às organizações de um modo geral, sejam elas privadas ou públicas. 3. PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: PRINCIPAIS DESAFIOS A gestão estratégica de recursos humanos, de acordo com Carvalho (2006, p. 15), contribui para conferir vantagem competitiva sustentável às organizações. A justificativa é a de que promove o desenvolvimento de habilidades, produz complexo de relações sociais e gera conhecimento tácito. A gestão por competências surge, então, como aplicação ou derivação dessa teoria, ou seja, como mecanismo para promover a gestão estratégica de recursos humanos e, por conseguinte, gerar diferencial competitivo para a organização (CARVALHO, 2006, p. 15). Esse novo modelo busca, portanto, a valorização cada vez maior do talento humano, baseado na premissa de que o domínio de determinadas competências é o que faz com que profissionais e organizações se diferenciem, se sustentem e tenham vantagem competitiva no mercado (CARVALHO, 2006, p. 25). Para ser bem-sucedida a implementação do processo de gestão por competência, os gestores de RH precisam enfrentar com afinco alguns possíveis desafios durante o processo. A aplicação de novos modelos de gestão gera transformação cultural para lidar com fatos e dados. Em alguns casos essa transformação significa mudança radical nas práticas de gestão. Por isso é provável que surjam resistências. Novas metodologias estão relacionadas com mudanças e, nas organizações, as pessoas encaram de diferentes formas essa questão (ORSI et al, 2006). Assim, ressalta-se a relevância de estar atento ao fator clima organizacional como um dos desafios deste processo. O processo de implantação do modelo de competências, de acordo com Dutra (2007), é formado por quatro fases, que são extremamente importantes para a organização. O levantamento das necessidades é a primeira fase, envolvendo uma análise mais detalhada para dentro da organização. A segunda fase é a determinação de novas direções e possibilidades, a construção de um novo modelo e o desenvolvimento do programa e a definição do grau de envolvimento dos colaboradores. A terceira fase é a definição do plano de ação, das

7 estratégias de execução e a criação de um plano piloto. A quarta e última fase refere-se à definição dos resultados em longo prazo, mantendo a mudança, ou seja, a publicação oficial do programa e o estabelecimento de uma avaliação contínua do processo. Para a construção do modelo de gestão por competências é necessário o envolvimento total dos colaboradores, pois cada um deles pode oferecer sugestões ou idéias que devem ser aproveitadas para a finalização e definição do modelo a ser implantado na organização. Para a implementação da Gestão por competências, é preciso que a organização, de início, estabeleça as suas estratégias e defina quais as suas competências organizacionais. Em seguida, é preciso definir as especificidades do produto ou serviço oferecido para que a partir de então sejam traçadas as perspectivas de competências necessárias a cada atividade específica (UBEDA; SANTOS, 2008). Trata-se portanto de um importante desafio o estabelecimento de estratégias que estejam alinhadas com os objetivos organizacionais. Orsi et al (2006) salientam a existência de controvérsias sobre tipos de abordagens e conceitos de competência, bem como a dificuldade em estabelecer a relação entre a estratégia da organização e as competências. Ainda de acordo com os autores, a existência de diversos conceitos de gestão por competências gera uma série de divergências quanto a sua aplicabilidade. A não existência de um modelo padrão faz com que cada organização desenvolva modelos diferenciados, baseando-se em teorias de diferentes autores, dos quais alguns abordam visões fundamentadas em suas experiências específicas, com orientações ideais e complexas de serem aplicadas. É importante atentar-se, de acordo com Souza (2004), para a interpretação metodológica do nível de domínio das competências e das lacunas que pode deixar uma avaliação ou diagnóstico de competências, pois ainda é frágil, ainda tendo em vista a mesma autora, a utilização de matrizes de competências, por exemplo, para definir os perfis adequados a postos de executivos ou como definir competências necessárias para ingresso em um cargo efetivo, por concurso público (SOUZA, 2004, p. 02). Fleury e Fleury (2004 apud BEHR et al, 2010, p. 02) corroboram com esta afirmação, pois acreditam que um dos maiores desafios das organizações está na identificação, ou mapeamento das competências por se tratar de uma tarefa altamente trabalhosa e criativa, visto que para tal se deve reunir a alta gerência, considerar a opinião dos clientes e dedicar um tempo razoável conversando com os funcionários de todos os níveis. O mapeamento de competências, na visão de Ruas (2009b apud BEHR et al, 2010, p. 05), corresponde a uma tarefa muito complexa, já que lida com elementos tangíveis e intangíveis de diferentes naturezas (conhecimentos coletivos explícitos e tácitos, práticas de trabalho, culturas de grupos, entre outros). Em síntese, adotar o modelo de gestão por competência exige dos gestores a noção exata do que é competência e qual será o alcance de sua aplicabilidade no modelo de gestão. Em seguida, deve-se identificar as competências de acordo com a metodologia utilizada, sendo importante definir as competências em indicadores que possam ser mensurados para verificação dos resultados individuais e organizacionais. Desse modo, observamos que diversos são os desafios trazidos pela implementação da Gestão por Competências nas organizações de um modo geral. Assim,

8 passaremos neste momento a identificar estes desafios observando o atual contexto do serviço público, mais especificamente das organizações públicas federais. 4. ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS No atual contexto das organizações públicas, o modelo de administração gerencial tornou-se realidade no mundo desenvolvido, pois este é capaz de promover o aumento da qualidade e da eficiência dos serviços oferecidos pelo setor público, através da definição clara de objetivos para cada unidade da administração, da descentralização, da mudança de estruturas organizacionais e da adoção de valores e de comportamentos modernos no âmbito do Estado. (CARVALHO, 2006, p. 20). A escola gerencial, segundo Souza (2004, p. 01), aborda o tema das competências, considerando-as como unidades diferenciadas do desempenho pessoal, social ou organizacional, que integra condutas desejadas (resultados) e aptidões subjacentes (capacidades individuais). Exemplos de tais unidades diferenciadas são: - na área pessoal: comunicação interpessoal e autocontrole emocional; - na área social: liderança e negociação interpessoal; - na área organizacional: planejamento estratégico e programação e controle da produção. No caso do Governo Federal Brasileiro, ainda no entendimento de Souza (2004, p. 04), a gestão de pessoas baseada em modelos de gestão por competências [...] vem se difundindo entre diversas instituições de forma muito rápida, indo da seleção de servidores públicos [...] até a definição de uma parcela extra da remuneração a que poderiam fazer jus. De fato, essas novas experiências refletem as mudanças ocorridas nos últimos anos em relação à forma de gerir as pessoas mais que uma abordagem mais funcionalista de recursos humanos ou mais fenomenológica de desenvolvimento de talentos individuais, a criação e a manutenção de competências do grupo pode ser a saída para obter a eficiência, a eficácia e a efetividade necessárias à boa implementação da política pública (SOUZA, 2004, p. 04). Este modelo de administração gerencial pode ser observado baseando-se no Decreto 5.707/2006, que institui a política e as diretrizes para o desenvolvimento de pessoal da administração pública federal. Este decreto afirma que são instrumentos da Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal, entre outros, o sistema de gestão por competência, cabendo à Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão desenvolver e implementar este sistema. De toda forma, no âmbito da Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, órgão responsável pela articulação de ações de capacitação gerencial e pelo fomento do desenvolvimento de pessoas, acredita-se que o desenvolvimento e a implementação de modelos

9 de gestão por competência na Administração Pública é uma forma de dinamizar e sistematizar as diversas práticas utilizadas hoje em gestão de pessoal, nas diversas atividades que a compõem: seleção, definição de remuneração, desenvolvimento pessoal, gestão do desempenho e desenvolvimento de carreiras (SOUZA, 2004, p. 04). A autora ressalta, no entanto, que é preciso levar em consideração que não há apenas um modelo a ser seguido. Como já mencionado anteriormente, existem diversos tipos de abordagens e conceitos de competência. Por isso, a instituição deverá atentar-se para escolher o modelo que melhor se aplicar à necessidade da organização, vez que a diversidade e os diferentes escopos dos modelos de gestão por competências assim o permite e planejar sua implementação de acordo com as peculiaridades do serviço público (SOUZA, 2004, p. 04). Outro fator importante a ser mencionado é que o processo de implantação da Gestão por Competências deve atingir as subáreas da Gestão de Pessoas. Paiva e Melo (2008, p. 351), ao analisar bibliografias pertinentes, concluíram que muitos autores, ao se referirem à gestão por competências deixavam lacunas sobre políticas e procedimentos efetivos, em termos das atividades particulares da gestão de pessoas. Estas atividades são as chamadas subáreas da Gestão de Pessoas: descrição, análise e avaliação dos cargos; delineamento de carreiras; recrutamento e seleção; admissão e demissão; treinamento e desenvolvimento; avaliação funcional [...]; saúde e segurança ocupacional; relações com entidades [...]. Segundo Zarifian (2001 apud PAIVA e MELO, 2008, p. 349), cabe à gestão de recursos humanos dar coerência global ao conjunto de ações e, dessa maneira, conciliar os interesses da organização e os das pessoas. Podemos destacar alguns desafios encontrados com o processo de implantação da Gestão por Competências, baseando-se na pesquisa realizada por Souza (2004), nas subáreas da Gestão de Pessoas: - Seleção de servidores públicos: é preciso identificar os profissionais necessários às organizações públicas desde a ocorrência do processo seletivo, momento em que os profissionais terão conhecimento que, no decorrer de sua carreira, serão aferidos por determinados critérios. - Remuneração: trata-se de um aspecto crítico para qualquer organização, uma vez que é uma tarefa difícil definir o valor agregado pelas pessoas aos processos de trabalho, por cargos e níveis que estejam ocupando. O desafio passa a ser encontrar modelos alternativos de gestão da remuneração que considerem a crescente transformação do mundo e a nova dinâmica da atuação dos profissionais (SOUZA, 2004, p. 06). Sobre este aspecto, Bitencourt e Barbosa (2004 apud PAIVA; MELO, 2008, p. 350) também salientam dificuldades operacionais da gestão de competências, principalmente no que se refere às estruturas remuneratórias e às políticas particularistas das empresas, sem se omitirem na ênfase em resultados organizacionais, a despeito das expectativas de recompensas individuais. - Capacitação: atender à necessidade de compatibilizar o desempenho individual com os objetivos organizacionais, que exigem, para sua consecução, competências dos servidores que vão além da mera execução de tarefas, o que faz com que a instituição busque fortalecer a capacidade de aprender de seu corpo funcional.

10 Em relação à Avaliação de Desempenho, Munck e Munck (2008 apud MUNCK; SOUZA; MUNCK, 2010, p. 11), afirma que um processo completo de gestão por competências exige, a montante, um conjunto de conhecimentos e experiências e, a jusante, um sistema de avaliação que proporcione orientação e feedback para o modelo. Os mecanismos de orientação (estratégias, missão, objetivos...) e de feedback (avaliação de desempenho, análise de matrizes de indicadores, avaliação de entrega de resultados...) norteiam os processos envoltos a um modelo de gestão por competências. Sem eles, torna-se difícil a obtenção de uma visão crítica sobre o alcance de resultados específicos e, consequentemente, de uma avaliação efetiva sobre a contribuição real das competências para os sistemas de gestão e resultados organizacionais. Nesse contexto, é fundamental que as organizações públicas sistematizem seus processos de transformação utilizando-se de modelos estruturados para a gestão de suas mudanças, pois, de uma forma geral, essas organizações encontram dificuldades em seus processos de mudança por terem que lidar com especificidades próprias da sua natureza pública que contribuem para o fortalecimento das resistências às mudanças propostas (CARVALHO; QUELHAS, 2009, p. 16). 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente estudo teve como objetivo identificar os principais desafios na implementação do modelo de Gestão por Competências nas Organizações Públicas Federais. Pôde-se perceber que a necessidade deste novo modelo de gestão é decorrente das mudanças ocorridas no modo como as organizações gerenciam pessoas, bem como da consciência da importância da competitividade como estratégia de desenvolvimento. Especificamente no contexto do serviço público, o modelo de administração gerencial já pode ser considerado uma realidade, promovendo o aumento da qualidade e da eficiência dos serviços prestados. Um dos desafios para as organizações públicas federais, em relação à implantação do modelo de Gestão por Competências, está na escolha do modelo que melhor se aplica às suas necessidades, de acordo com as especificidades do serviço público. É possível identificar também diversos desafios inerentes às subáreas da Gestão de Pessoas, envolvendo recrutamento e seleção, remuneração e desenvolvimento de servidores públicos. A gestão de mudanças e de transformação cultural inerentes a este processo também se tornam importantes desafios. Podemos acrescentar também o gerenciamento da mudança na cultura e no clima organizacional, o estabelecimento das suas estratégias e competências organizacionais alinhadas aos objetivos da organização, das especificidades do produto ou serviço oferecido. Bem como a definição das competências individuais necessárias para cada atividade específica, buscando a valorização cada vez maior do talento humano, obtendo a participação e o comprometimento dos funcionários e da direção.

11 Temos então um dos maiores desafios das organizações que é a identificação, ou mapeamento das competências. É desafio também integrar e orientar esforços relacionados à gestão de pessoas, assim como alcançar o envolvimento total dos colaboradores contribuindo para o novo modelo a ser implantado na organização, dinamizando e sistematizando as diversas práticas utilizadas na gestão de pessoal, sejam elas para a seleção, avaliação, remuneração ou capacitação de servidores públicos. Como limitação para a realização deste estudo, apontamos a dificuldade de encontrar bibliografias que falem sobre a gestão por competências em organizações públicas federais. Percebemos que um dos fatores que pode contribuir com esta escassez de trabalhos acadêmicos seja a dificuldade na implantação da Gestão por Competências na prática, uma vez que ainda está muito longe da realidade na maioria das organizações públicas federais. Acreditamos que a revisão da literatura realizada nesta pesquisa possa ser recomendada para gestores da área de RH e dirigentes principais destas organizações, principalmente no sentido de refletir esta temática no contexto do serviço público. Sugerimos que outros estudos possam ser direcionados para esta área como a descrição do processo de implantação da Gestão por Competências especificamente em algum órgão da Administração Pública Federal, como também pesquisas que tenham como objetivo minimizar as principais dificuldades encontradas na adoção de um novo modelo de gestão. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BEHR, A.; CORSO, K. B.; FREITAS, H. M. R.; MARTENS, C. D. P.; EGGERS, I. Mapeamento de Competências na Pequena Empresa de Software: O Caso da ABC Ltda. Rio de Janeiro: XXXIV EnANPAD, set BITENCOURT, C. C. A Gestão por Competências: uma análise da mobilização entre competências, capacidades e recursos. In: Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Administração, v.1, n.1, maio P CARVALHO, M. M. Experiência de implantação da gestão por competências em instituição pública brasileira. O outro lado da moeda: a opinião dos funcionários p. UFF - Niterói, Disponível em <http://www.inmetro.gov.br/producaointelectual/obras_intelectuais/306_obraintelectual.pdf>. Acesso em 05 set CARVALHO, M. M.; QUELHAS, O. L. G. Processo de mudança organizacional em instituição pública brasileira. A opinião dos funcionários e as ações decorrentes. Niterói: V Congresso Nacional de Excelência em Gestão, jul CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas. 3.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, CURY, A. C. H. A Determinação das Competências Essenciais, na Busca da Excelência em Serviço no Segmento de Ensino Superior na Cidade de Cascavel. Dissertação de Mestrado em Engenharia da Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2003.

12 DADOY, M. As noções de competência e competências à luz das transformações na gestão da mão-de-obra. In A. Tomasi (Org.). Da qualificação à competência. Campinas: Papirus, DECRETO 5.707/2006. Disponível em: <http://www.mp.gov.br>. Acesso em: 26 set DUARTE, M.; FERREIRA, S.; LOPES, S. A Gestão por Competências como ferramenta para o desenvolvimento dos servidores técnico administrativos: Case da Universidade Federal do Tocantins. APGS. Viçosa, v. 1, nº 2, p , abr./jun DUTRA, J. S. Competências: Conceitos e Instrumentos para a Gestão de Pessoas na Empresa Moderna. São Paulo: Atlas, FILENGA, D.; MOURA, V. F. de; RAMA, A. L. F. Gestão por Competências: Análise Metodológica e Proposição de um Instrumento para Gestão de Pessoas. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, , Rio de Janeiro: Anais...Rio de Janeiro: ANPAD, FLEURY, M. T. L.; FLEURY, A. Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea (RAC), edição especial, 2001, p FLEURY, M. T. L.; FLEURY, A. Estratégias empresariais e formação de competências um quebra-cabeças caleidoscópico da indústria brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Atlas, GRAMIGNA, M. R. Modelo de Competências e Gestão dos Talentos. 2 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, MUNCK, L.; SOUZA, R. B.; MUNCK, M. M. O alinhamento entre as competências e o processo de aprendizagem: um estudo teórico-empírico em uma empresa de serviços de interesse público. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, , Rio de Janeiro: Anais...Rio de Janeiro: ANPAD, ORSI, A.; BUTTAZI, M. A.; OCHIAI, J. M.; SANTOS, L. D.; SILVEIRA H. I., Jr Implantação do modelo de gestão por competências: análise dos benefícios e desafios do processo. Proceedings of the Seminários de Administração SEMEAD, São Paulo, Disponível em: <http://www.ead.fea.usp.br/semead/9semead/resultado_semead/trabalhospdf/175.pdf>. Acesso em 10 ago PAIVA, K. C. M.; MELO, M. C. O. L. Competências, Gestão de Competências e Profissões: Perspectivas de Pesquisas. RAC, Curitiba, v. 12, n. 2, p , Abr./Jun SOUZA, R. L. S.. Gestão por competências no governo federal brasileiro: experiência recente e perspectivas. Madrid, España: IX Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública 2 5 Nov

13 UBEDA, C. L.; SANTOS, F. C. A. Os principais desafios da gestão de competências humanas em um instituto público de pesquisa. Gest. Prod., São Carlos, v. 15, n. 1, abr Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/gp/v15n1/a16v15n1.pdf>. Acesso em: 05 set VERGARA, S. C. Novos desafios na gestão de pessoas. Disponível em: <www.abrhrio.com.br>. Acesso em: 10 ago ZARIFIAN, P. Objetivo Competência por uma Nova Lógica. São Paulo: Atlas, 2001.

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 5ª Série Administração de Recursos Humanos I A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Planejamento de 2011.1 ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Disciplina 7oPe/PRD8026 Informaçõs Gerenciais Integradas Professor Alessandro Martins Mês/Semana Conteúdos Trabalhados Estratégias e Recursos Textos

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 13 de outubro de 2010 EXTRA Nº 2 OUTUBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 385, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Institui, no âmbito do IPEA,

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI * Centro Universitário Filadélfia Unifil. mariana.munk@unifil.br Mariana Gomes Musetti Munck* Roberto Yukio Nishimura* Edison Sahd*

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores Apresentação A Rede de Nacional de Consultores "ad hoc" do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GesPública se constitui elemento de suma importância

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas

Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas Decreto n 5.707/2006 Marco Legal Decreto nº 5.707, de 23/02/2006 Instituiu a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS Lidiane Vieira 1 Nerci Maria Rezende Carvalho 2 Resumo Ao falar-se de Gestão de Pessoas nos deparamos

Leia mais

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC)

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gestão da Estratégia com uso do BSC Conteúdo para impressão Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) Brasília 2014

Leia mais

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências Apresentação Gestão de Pessoas por Competências POR QUE GESTÃO POR COMPETÊNCIAS? Empresas e Organizações Gestão das Finanças Gestão de Marketing Gestão de Produção Gestão de Distribuição Gestão de Controle

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais