TEORIA x PRÁTICA: A ARTE DE GERIR COM PESSOAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA x PRÁTICA: A ARTE DE GERIR COM PESSOAS"

Transcrição

1 TEORIA x PRÁTICA: A ARTE DE GERIR COM PESSOAS Área: ADMINISTRAÇÃO Tatiana Marceda Bach Graduanda do Curso de Administração da UNIOESTE / Campus Marechal Cândido Rondon Rua João Pessoa, 891, Bairro Los Angeles, Marechal C. Rondon, Mauricio Daniel Seifert Graduando do Curso de Administração da UNIOESTE / Campus Marechal Cândido Rondon, Rua João Pessoa, 891, Bairro Los Angeles, Marechal C. Rondon, Waldir Rechziegel Mestre em Engenharia de Produção pela UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba Docente do Curso de Administração da UNIOESTE / Campus Marechal Cândido Rondon Av. Irio Jacob Welp, 1003, Centro, Marechal C. Rondon, Lígia Maria Heinzmann Mestre em Engenharia de Produção pela UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Docente do Curso de Administração da UNIOESTE / Campus Marechal Cândido Rondon Av. Maripá,1760, apto. 02, Centro, Marechal C. Rondon, Resumo No cenário atual de mudanças percebe-se que a gestão com pessoas, é um diferencial das empresas, por isso a comparação da gestão com pessoas entre a teoria e prática da organização foi realizada, de modo a verificar e analisar como estão sendo geridas e foram propostas sugestões a mesma no que tange a gestão com pessoas. Nota-se também que muitas empresas não fazem uma gestão eficiente para seus colaboradores, o que vem dificultar vários processos internos, sendo assim, não contribuindo para se tornarem competitivas. Por isso, na análise da gestão com pessoas, abordou-se o recrutamento, seleção, socialização organizacional, avaliação de desempenho, remuneração, programas de incentivo e benefício, treinamento e desenvolvimento, relações com colaboradores, higiene e segurança no trabalho. Por isso considerou-se essencial, pesquisar se as práticas de gestão com pessoas são realmente

2 aplicadas na organização para identificar qual a maneira que a empresa utiliza para a gestão desse processo. As empresas em sua gestão com pessoas precisam levar em consideração tanto os interesses dos colaboradores quanto os interesses organizacionais, de modo que cada parte envolvida tenha vantagens nessa parceria. Palavras-chave: Competitividade, gestão com pessoas, parceria. 1. INTRODUÇÃO Durante todo o seu processo de evolução, a administração vem sofrendo constantes mudanças. Muitos paradigmas foram deixados para trás adotando-se outros que se encaixaram em determinadas situações. Exemplifica-se com a área de recursos humanos que foi substituída pela gestão de pessoas e que atualidade já é denominada por alguns autores de gestão com pessoas. Por isso, as organizações devem estar atentas frente às mudanças do mercado, não apenas no âmbito local onde estão inseridas, mas também a nível mundial, devido à rápida globalização. Administrar pode se caracterizar por dirigir uma organização utilizando as técnicas de gestão para que se alcancem os objetivos de forma eficiente, eficaz e com responsabilidade social e ambiental. Ao trazer a área de gestão com pessoas para o meio acadêmico, pretende-se com este estudo, definir o ato de gerir com pessoas, analisar sua aplicação dentro da empresa pesquisada, bem como as suas práticas de recrutamento, seleção, socialização organizacional, treinamento e avaliação, remuneração, benefícios e incentivos, mudança e desenvolvimento organizacional, relações com empregados, higiene e segurança do trabalho, a fim de identificar, de acordo com a teoria o cotidiano de uma organização na gestão com pessoas. No presente artigo, além da introdução, apresenta-se uma breve revisão literária, os procedimentos metodológicos, a descrição do diagnóstico e análise crítica da empresa e as considerações finais. 2. BREVE REVISÃO LITERÁRIA A área da gestão com pessoas envolve muitos processos, nos quais as empresas que mantém o seu diferencial competitivo através do enfoque humano, onde a análise teórica do processo deve ser levada em consideração. Lacombe (2006) reforça que a essência do trabalho de um administrador é através da gestão com pessoas obter bons resultados, com isso tem-se à base para a administração de recursos humanos (ARH). 2.1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO E SOCIALIZAÇÃO ORGANIZACIONAL O recrutamento pode ser caracterizado como sendo um conjunto de atividades técnicas e procedimentos, na qual objetiva-se atrair candidatos potencialmente qualificados e capazes de ocupar cargos dentro da organização.

3 Marras (2000) menciona que o recrutamento é uma atividade que capta os recursos tanto internos quanto externos à organização, a fim de posteriormente atender o sistema de seleção de pessoas e os objetivos organizacionais. O recrutamento trata-se de um sistema de informação, por meio do qual a organização divulga e oferece ao mercado de recursos humanos as oportunidades de trabalho que pretende preencher. É o processo de localizar e incentivar os candidatos em potencial para disputar as vagas existentes ou previstas. A organização pode buscar candidatos no mercado interno, colaboradores que estão interessados e aptos a mudar de cargo ou função, e no mercado externo, assim como a combinação de ambos. O recrutamento interno atua sobre os candidatos que estão trabalhando dentro da organização, ou seja, os colaboradores podem ser promovidos ou transferidos para outras atividades mais complexas ou mais motivadoras. Na seqüência, a seleção de pessoas designa o profissional que realmente possui as características da empresa e do cargo a ser preenchido. Nesse sentido, Marras (2000) comenta que a seleção tem por finalidade, escolher através de uma metodologia o candidato que melhor atender as necessidades da empresa. Após a escolha do profissional que possui o perfil da vaga oferecida pela empresa, deve-se integrá-lo na empresa com o intuito de familiarizá-lo com a equipe. Chiavenato (2004) aponta que antes do novo colaborador iniciar suas atividades é necessário integrá-lo de acordo com as filosofias da empresa e inseri-lo no meio socialempresarial. Neste sentido, Lacombe (2006, p. 94) define socialização da seguinte maneira: A socialização consiste em informar ao novo empregado, os objetivos, as políticas, os benefícios, as normas, as práticas, os horários de trabalho da empresa, bem como explicar quem é quem na empresa, com funciona os serviços de apoio, o que é permitido e o que não é, que atitudes e comportamentos se esperam dele, entre outras informações. A socialização organizacional é a adaptação das pessoas à cultura da empresa. As vantagens incluem, desde a redução da ansiedade das pessoas, redução da rotatividade, economia de tempo até o ajustamento das expectativas. Pode-se caracterizar a socialização organizacional como o processo pelo qual a pessoa adquire novos valores, normas e comportamentos esperados, que lhe permitem participar como membro da organização de um processo contínuo durante sua carreira dentro da organização. 2.2 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO, REMUNERAÇÃO, PROGRAMAS DE INCENTIVO E BENEFÍCIOS A avaliação de desempenho pode ser definida como sendo a relação entre o desempenho atual ou passado de um colaborador comparado e definido pela organização. É um processo dinâmico que envolve o avaliado e seu superior. Pode ser considerado como um meio de resolver problemas de desempenho e melhorar a qualidade do trabalho e a qualidade de vida dentro das organizações.

4 O desempenho é avaliado por três razões principais: a avaliação traz informações importantes para as decisões sobre promoções e aumento de salário, permite que superiores e colaboradores desenvolvam um plano para corrigir qualquer deficiência que possa ter sido revelada pela avaliação e permite o reforço dos pontos positivos do desempenho das pessoas. Para avaliar o desempenho pode-se utilizar o método de escala gráfica, que se caracteriza pelo supervisor avaliar o colaborador atribuindo uma classificação que melhor descreveria o desempenho do colaborador em alguns aspectos. Ao final a pontuação é somada. Outro método de avaliação de desempenho é o método da classificação alternada, na qual utiliza-se um formulário para apontar o melhor e o pior colaborador, alternando-se entre o melhor e o pior. O método da comparação entre pares sugere uma avaliação e comparação de todos os colaboradores entre cada aspecto. Finalmente, tem-se o método da distribuição forçada que estabelece percentuais para cada colaborador e os mesmos são classificados em categorias de desempenho. A remuneração envolve uma série de fatores. Marras (2000) explica que ela é a soma da remuneração variável, adicionais, horas extras, gratificações, bônus, comissões e mais os benefícios. Além disso, é necessário o incentivo contínuo para que as pessoas alcancem metas e resultados desafiadores. Nesse sentido, as empresas devem ter no seu sistema de recompensas um programa de incentivos capaz de incrementar as relações de troca entre as pessoas e a organização. Para aumentar o comprometimento das pessoas na organização, têm-se os programas de incentivo que podem ser: prêmios, bonificações, reconhecimento pelo bom desempenho de um trabalho, entre outros. Dentre os novos métodos de incentivo inclui-se obrigatoriamente a remuneração variável para incrementar resultados, criatividade, inovação, iniciativa e espírito empreendedor. Entre alguns dos métodos modernos de incentivos, está um plano de bonificação anual, participação nos resultados e remuneração por competência. O plano de bonificação anual consiste em premiar em valores monetários a determinados funcionários em função da sua contribuição ao desempenho da empresa. Este desempenho pode ser medido através de certos critérios, como lucratividade alcançada, aumento da participação no mercado e melhoria da produtividade. Já os benefícios, definem-se como sendo todos os pagamentos indiretos recebidos por um colaborador por trabalhar na empresa. São algumas vantagens que a empresa oferece, como por exemplo, assistência médica, seguro de vida, alimentação, transporte e plano de aposentadoria complementar. Alguns tipos de benefícios são de exigibilidade legal, como: férias, décimo terceiro salário, aposentadoria, seguro de acidentes de trabalho, auxílio doença, salário família, salário maternidade, entre outros (que dependem de cada Estado). Existem ainda os benefícios espontâneos, ou voluntários, pagos pela organização sem exigibilidade legal como: gratificações, refeições subsidiadas, transporte, seguro de vida em grupo, empréstimos aos funcionários, assistência médico-hospitalar mediante convênio, complementação de aposentadoria ou planos de seguridade social.

5 2.3 TREINAMENTO, DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS E DA ORGANIZAÇÃO O treinamento é a maneira de se agregar valores aos colaboradores, à organização e aos clientes. Para os colaboradores é uma forma de se tornarem produtivos, criativos e inovadores, para a organização também contribui para atingir os objetivos e para os clientes é uma forma de obterem serviços de qualidade com pessoas preparadas. De acordo com Marras (2000), o treinamento se caracteriza por um processo de assimilação cultural à curto prazo, com objetivo de repassar ou reciclar conhecimentos, habilidades ou atitudes, relacionadas diretamente a execução de tarefas ou a sua otimização no trabalho. Ainda o mesmo autor (2000), apresenta os objetivos específicos do treinamento, são eles: formação profissional (tem como meta alcançar um grau ideal de capacidade para determinada profissão); especialização (oferece ao treinando um campo de conhecimento ou prática específica dentro de uma área de trabalho para otimização dos resultados) e reciclagem (tem como finalidade rever conceitos, conhecimentos ou práticas de trabalho, renovando-os ou atualizando-os de acordo com as necessidades). Em relação ao treinamento, Lacombe (2006) enfatiza que é uma atividade que contribui para que uma pessoa desempenhe com maior capacidade a sua função. Por meio de treinamentos, as pessoas se tornam qualificadas para desempenhar novas funções, por isso pode ocorrer um crescimento conjunto entre o desenvolvimento profissional e organizacional. O treinamento pode ser classificado em interno e externo, sendo que o interno é aplicado na própria empresa. E o externo, é aplicado em outros ambientes que não sejam de domínio da empresa. Lacombe (2006, p. 328) apresenta a seguinte definição sobre desenvolvimento organizacional: Trata-se de uma complexa estratégia educacional baseada na experiência que emprega os meios mais amplos possíveis de comportamento e que tem por finalidade mudar as crenças, as atitudes, os valores e a estrutura das organizações, de modo que elas possam se adaptar melhor aos novos mercados, tecnologias e desafios e ao próprio ritmo vertiginoso de mudança. O desenvolvimento organizacional é necessário sempre que as organizações concorrem e disputam pelo mercado, a fim de se tornarem mais competitivas. Conforme Marras (2000), o desenvolvimento busca o despertar das potencialidades do colaborador, e permite um maior crescimento profissional e organizacional. 2.4 RELAÇÕES COM COLABORADORES Toda organização tem suas regras e políticas, e ao ingressar nela os colaboradores devem cumpri-las. Se houver desvio na conduta ou comportamento em relação ao que é aceito pela organização podem ocorrer ações disciplinares. Sendo assim, nas organizações, ao se aplicar ações disciplinares, é preciso deixar claro que seu objetivo não é causar danos a alguém, mas obter o comportamento desejado. O conflito no ambiente organizacional pode ser definido como uma divergência entre duas ou mais partes ou posições, sobre como melhor alcançar as metas da organização.

6 Robbins (2002) define conflito como um processo que tem início quando uma das partes percebe que a outra parte afeta, ou pode afetar, negativamente, algo que a primeira considera importante. A fim de evitar conflitos é essencial que haja boa relação, entre empresa e colaborador, de modo que se atinja um clima favorável com a intenção alcançar os objetivos de ambas as partes. De acordo com Lacombe (2006), é muito importante verificar se a responsabilidade pela falha cometida é somente do funcionário, pois muitas vezes o superior imediato tem alguma responsabilidade também. Pode não ter fornecido o treinamento adequado ou insuficiente, não selecionado a pessoa certa para a função. Na maioria dos casos as faltas graves não ocorrem sem antes terem sido cometidos pequenos deslizes, ou um desempenho abaixo do esperado. 2.5 HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Higiene no trabalho, através de um conjunto de normas e procedimentos visa à proteção da integridade física e mental do trabalhador, assim preservando-o dos riscos de saúde referentes às tarefas do cargo e ao ambiente físico onde são executadas. Relaciona-se com o diagnóstico e prevenção das doenças ocupacionais a partir do estudo e controle das suas variáveis: o homem e seu ambiente de trabalho. A higiene e segurança no trabalho, na visão de Marras (2000, p. 199) caracteriza-se: [...] pela área que responde pela segurança industrial, pela higiene e medicina do trabalho relativamente aos empregados da empresa, atuando tanto na área de prevenção quanto na de correção, em estudos e ações constantes que envolvam acidentes no trabalho e a saúde do trabalhador. A segurança do trabalho, de acordo com Chiavenato (2004) relaciona-se com as condições de trabalho seguras e saudáveis para as pessoas. Pode ser caracterizado como um conjunto de medidas técnicas, educacionais, médicas e psicológicas usadas para prevenir acidentes, na qual elimina as condições inseguras do ambiente e instrui ou convence as pessoas da implantação de práticas preventivas. Quando ocorrem acidentes de trabalho, isso representa problemas para o envolvido com o acidente e para a empresa. Sendo que para empresa pode representar custos adicionais como, possível desperdício de material ou equipamento danificado, custos indiretos da averiguação das causas do acidente e providências necessárias para evitar uma nova ocorrência. Para o envolvido além dos danos a sua saúde (organismo), tem também os danos a sua saúde mental, que em alguns casos se faz necessário um tratamento psicológico. 3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Para a classificação da pesquisa, utilizaram-se as considerações de Silva e Menezes (2001) que se baseiam em quatro formas para uma pesquisa científica: quanto à natureza: o trabalho se enquadra na categoria de pesquisa aplicada, porque objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática destinados para a solução de problemas específicos, quanto à abordagem do problema: enquadra-se na categoria de pesquisa qualitativa, onde a interpretação dos fenômenos e a atribuição de significados são básicas nessa forma de

7 pesquisa. Quanto aos objetivos: enquadra-se na categoria de pesquisa exploratória, visa proporcionar maior familiaridade com o problema com vistas a torná-lo explícito. Também quanto aos objetivos, se enquadra na categoria de pesquisa descritiva, que visa descrever as características de determinada população ou o estabelecimento de relação entre variáveis. Quanto aos procedimentos técnicos: o trabalho utilizou a pesquisa bibliográfica elaborada a partir de livros. A Forma de obtenção dos dados foi por meio de uma entrevista estruturada com enfoque empresarial. De acordo com Roesch (1996) em uma pesquisa de categoria qualitativa, após a coleta dos dados o pesquisador terá que materializá-los na forma de textos para a interpretação e organização. 4. DESCRIÇÃO DO DIAGNÓSTICO E ANÁLISE CRÍTICA DA EMPRESA A empresa pesquisada caracteriza-se por ser uma indústria de médio porte, situada na região Oeste do Estado do Paraná. Seu quadro de pessoal conta com 100 colaboradores, distribuídos nos setores: administrativo, vendas, acabamento e pintura. Tem como missão: Produzir veículos diferenciados para seus clientes, buscando constantemente inovações tecnológicas adequadas, com colaboradores desenvolvidos, objetivando o crescimento da comunidade e da empresa. A área da gestão com pessoas tem como foco principal à valorização do colaborador, a qual identifica o papel que o mesmo desempenha na organização considerando as pessoas como sendo um diferencial competitivo. O que há algum tempo era visto apenas como alguém que desempenhava uma tarefa passa a ser visto como um recurso de grande importância para a organização. A área de Recursos Humanos (RH) pode ser caracterizada também, como sendo um conjunto de políticas e práticas gerenciais de gestão de pessoas, que estão ligadas ao recrutamento, seleção, recompensas e avaliação de desempenho. Caracteriza as pessoas como o principal ativo que a organização possui. Dessa forma torna-se necessário que se tomem medidas para melhor aproveitar os seus colaboradores. 4.1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO E SOCIALIZAÇÃO ORGANIZACIONAL A empresa em questão adota duas fontes de recrutamento, o interno e o externo. No recrutamento interno os próprios colaboradores são recrutados na organização para o preenchimento da vaga, sendo o meio mais utilizado pela empresa. No recrutamento externo, o candidato se desloca até a empresa, é entregue uma ficha para o preenchimento dos dados do candidato e experiências profissionais, a mesma deve ser entregue na empresa e ao final do processo ela é arquivada no ao banco de dados, juntamente com o currículo do candidato. No surgimento de vagas consulta-se o banco de dados e agendam-se entrevistas. O recrutamento também ocorre em parceria com o Sistema Nacional de Empregos (SINE), onde as vagas são ofertadas e aguardam então candidatos para as entrevistas. Na empresa, o profissional que é recrutado é primeiramente entrevistado pelo gerente da área a que se está ofertando o cargo e posteriormente passa pelo encarregado de recursos humanos para a verificação da parte administrativa como a documentação para admissão, por exemplo.

8 É possível verificar que em havendo o recrutamento interno, pode-se ter um melhor aproveitamento do seu próprio pessoal, visto que os colaboradores irão sentir-se valorizados e criar expectativas de crescimento organizacional bem como maior identidade pela empresa. Devido o colaborador no recrutamento interno já possuir conhecimento da área de atuação da empresa, torna-se mais fácil à execução das novas tarefas estabelecidas. Verificase que o custo do recrutamento interno é menor do que o do externo, ainda tem maior agilidade. Por outro lado, nota-se que o recrutamento interno pode bloquear a entrada de novas idéias e experiências por meio de colaboradores que possuem uma visão externa mais ampla, o que acontece no recrutamento externo. Tendo em vista o recrutamento externo, analisa-se que o mesmo só é utilizado na empresa se a vaga não puder ser preenchida por um colaborador interno, por não haver a qualificação necessária para o cargo disponível. No entanto, ao utilizar somente o recrutamento interno a empresa pode deixar de mudar alguns paradigmas organizacionais, perdendo profissionais que podem estar no mercado externo exigindo uma remuneração menor. Percebe-se que na prática empresarial não são usadas técnicas específicas de seleção. São utilizados poucos métodos de diferenciação de candidatos e quem determina se ele é selecionado ou não é o gerente. Foque normalmente é feito com base nos aspectos técnicos do candidato. Na empresa, o novo colaborador é acompanhado pela pessoa que possui maior experiência no setor, por exemplo, se o contratado for trabalhar no setor de montagem, a pessoa com mais experiência na empresa na área de montagem irá acompanhá-lo durante a fase de experiência. Além da integração com o setor, a empresa também faz a integração com os equipamentos e áreas de segurança através de engenheiro de segurança do trabalho. Quanto ao ambiente, apesar de existir todos os equipamentos de segurança individual, existem ruídos, poeiras e outros resíduos no ambiente físico organizacional, cabendo a pessoa se adaptar ao ambiente. O processo de socialização não se restringe apenas à admissão do candidato, mas também à adaptação aos colegas de trabalho, à chefia, às práticas e à cultura da empresa. Os programas que aceleram a socialização tendem a diminuir a rotatividade. Considera-se essencial nesse processo uma apresentação formal aos superiores, aos colegas de trabalho, demonstrar as atividades que o novo colaborador terá que efetuar a visão geral do cargo, tarefas, objetivos do cargo e as metas e resultados. 4.2 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO, REMUNERAÇÃO, PROGRAMAS DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS Quem avalia o desempenho do colaborador na empresa é o responsável pelo setor e o gerente da área, os quais utilizam o método de avaliação da produtividade e o estabelecimento de metas para esse fim, que se caracteriza pelo volume de produção, quanto mais produzir melhor será o desempenho do colaborador. O gerente estipula as metas a serem alcançadas e na empresa o tempo de serviço não é levado em consideração, simplesmente o colaborador que mais produzir e alcançar as metas terá uma remuneração maior, não dependendo a quantia de tempo que o mesmo possui na empresa.

9 Com relação à remuneração, não existe um plano de cargos e salários definido pela empresa, os colaboradores são remunerados de acordo com a produtividade e a competência de cada um. Não há nenhum programa de incentivo, instituído formalmente. Os colaboradores recebem bônus somente pela produtividade. No que se refere a benefícios a empresa possui um convênio com um hospital da região através de um plano de saúde, convênios com farmácias e com uma creche através do Serviço Social da Indústria (SESI). Pode-se caracterizar a recompensa como uma retribuição, um prêmio ou reconhecimento pelos serviços. A recompensa mais comum é a remuneração. Devido à competitividade, torna-se necessário que as organizações adotem sistemas de remuneração variável, na qual o empregado recebe parte dos resultados da empresa. Assim ele estará motivado a produzir mais em com mais qualidade, além de haver comprometimento com a organização. Devido a estes fatores, este tipo de remuneração torna-se fundamental. 4.3 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS A empresa oferece treinamentos internos em parceria com os fornecedores e fabricantes de peças, acessórios, tintas e equipamentos. Na área de produção, há um acompanhamento e constantes treinamentos por parte de um engenheiro químico. Em relação à aquisição de equipamentos, alguns funcionários são enviados à empresa fabricante para o treinamento na operação destes equipamentos. Também são feitos treinamentos externos voltados à manutenção dos mesmos. Para a área administrativa, são feitos cursos e treinamentos em parceria com a Associação Comercial, palestras ministradas pela Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) acompanhada por um engenheiro de segurança e ainda anualmente são realizadas a Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT). 4.4 RELAÇÕES COM COLABORADORES Por ser bastante familiar, a empresa tem um relacionamento totalmente aberto, inclusive podendo os colaboradores dirigem-se diretamente ao proprietário a qualquer momento. Os conflitos normalmente são eliminados sempre que possível na sua origem, devido à abertura que os colaboradores têm com o superior. Quando necessário, nos casos em que o diálogo não surte efeito na resolução de conflitos ou o não cumprimento das regras da empresa, parte-se para ações mais rigorosas, como advertências verbais, escritas, suspensão (gancho) e em últimos casos ou até mesmo a demissão. 4.5 HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Na empresa, se faz treinamentos voltados para área de segurança no trabalho, o qual é feito por um engenheiro de segurança que atua na mesma. Em todo o processo histórico da empresa, houve apenas um acidente grave. E em média ocorrem doze acidentes com afastamentos anuais. Isto acontece devido o fato da

10 existência de muitos equipamentos de corte e desbaste na área produtiva e apesar o uso dos Equipamentos de Prevenção Individuais (EPI s), ainda nota-se o acontecimento de pequenos acidentes. O investimento em EPI s é muito grande bem como a cobrança de sua utilização pelos colaboradores. Por exemplo, no setor de moldagem, os colaboradores recebem uma roupa especial chamada Ty-Wek, a qual protege o usuário tanto dos riscos quanto das condições de insalubridade que estão expostos. Quando ocorrem acidentes de trabalho, o colaborador é encaminhado ao setor de saúde ocupacional da Unimed (com a qual a empresa mantém convênio) e encaminhado o Comunicado de acidente de trabalho (CAT). A empresa demonstra também, através de um painel informativo há quantos dias não ocorrem acidentes com afastamento. O maior prazo sem acidentes foi de cento e onze dias. Porém, na data da realização da pesquisa, o painel encontrava-se desatualizado. Não foi possível a verificação in-loco das condições de segurança e higiene da empresa, pois no período da pesquisa esta operava com capacidade máxima, em função disso, por medida de segurança, não foi permitida a entrada na linha de produção. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com a realização desta pesquisa, foi possível aliar a teoria da gestão com pessoas com a prática vivida pela empresa. No que se refere à área do recrutamento, seleção e socialização organizacional, sugere-se que a empresa focalize a necessidade que o cargo a ser preenchido exige, a fim de conciliar o recrutamento interno com o externo. Em relação à seleção, que os gerentes de área façam entrevistas diretas formais e informais, para que haja uma filtragem já no início do processo seletivo. Quanto à socialização organizacional, sugere-se que a mesma realize uma apresentação completa da empresa, desde o setor produtivo até o setor administrativo. Em relação à avaliação de desempenho, nota-se que a empresa não utiliza meios tangíveis para fazer uma análise de cargos eficaz, já que utiliza apenas um método. Por isso, sugere-se que a empresa diversifique e utilize variados meios para se ter uma avaliação de desempenho eficiente, visto que os mesmos podem trazer resultados reais e justos para o colaborador e para a organização. Na remuneração, programas de incentivos e benefícios, destaca-se como sugestão, o desenvolvimento de um plano de cargos e salários, para que se tenha um equilíbrio interno, e evitar possíveis processos trabalhistas. Também a adoção de um sistema de remuneração variável e a introdução de planos de incentivos como: bonificação anual, participação nos resultados e a remuneração por competência. No treinamento e desenvolvimento de pessoal, sugere-se que se faça primeiramente um diagnóstico das áreas que possuam maiores deficiências e a partir disso enfocar treinamentos específicos para esses segmentos, com objetivo de desenvolvimento profissional de cada colaborador.

11 No que se refere ao desenvolvimento organizacional, sugere-se o investimento contínuo em tecnologias, a fim de adotar uma estratégia de desenvolvimento organizacional, despertando a criatividade e a inovação. É interessante, nas relações com colaboradores, que se adotem técnicas de administração de conflitos, a fim de solucionar possíveis problemas que venham a surgir. Na higiene e segurança no trabalho, sugere-se o reforço em cobranças para a utilização de EPI s, para diminuir ao máximo as condições de risco de acidente e condições de insalubridade, além disso, manter sempre atualizado o painel informativo de acidentes com afastamentos. As empresas em sua gestão com pessoas, devem levar em consideração tanto os interesses dos colaboradores quanto os interesses organizacionais, de modo que cada parte envolvida tenha vantagens nessa parceria. BIBLIOGRAFIA CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: e o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, DESSLER, Gary. Administração de recursos humanos. 2. ed. São Paulo: Prentice Hall, LACOMBE, Francisco José Masset. Recursos humanos: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, MARRAS, Jean Pierre. Administração de recursos humanos. 3. ed. São Paulo: Futura, ROBBINS, Stephen Paul. Comportamento organizacional. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, ROESCH, Sylvia M. A. Projetos de estágio do curso de administração. São Paulo: Atlas, SILVA, E.L.; MENEZES, E.M.; Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3. ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2001.

Recrutamento e seleção

Recrutamento e seleção Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem Recrutamento e seleção Fernanda Maria Togeiro Fugulin RECRUTAMENTO Fase que antecede a seleção, de divulgação, em que se deverá atrair candidatos potencialmente

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS 2012 Graduando em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil adauto_montenegro@hotmail.com

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro

Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro A Empresa será reconhecida como uma organização comprometida com a valorização do homem O Significado dos

Leia mais

A importância do RH estratégico para as empresas familiares. Sheila Madrid Saad

A importância do RH estratégico para as empresas familiares. Sheila Madrid Saad A importância do RH estratégico para as empresas familiares Sheila Madrid Saad Anos 30... Pagadoria Registros e controles Enfoque jurídico FOCO NA MANUTENÇÃO DA LEGALIDADE Anos 50... Pagadoria Registros

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

Recrutamento e Seleção de Pessoal

Recrutamento e Seleção de Pessoal Gestão de RH Prof. Roberto Huck Recrutamento e Seleção de Pessoal Roteiro da Teleaula 1.Conceito de Recrutamento; 2. As Fases do Recrutamento; 3.Avaliação do Processo de Recrutamento; 4.Conceito de Seleção;

Leia mais

Módulo: Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 1 Técnicas de Recrutamento e Seleção de Pessoas. Professora: Sonia Regina Campos

Módulo: Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 1 Técnicas de Recrutamento e Seleção de Pessoas. Professora: Sonia Regina Campos Módulo: Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 1 Técnicas de Recrutamento e Seleção de Pessoas Professora: Sonia Regina Campos Recrutamento Pontos Importantes que Antecedem R&S Planejamento junto às competências

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos, atividades

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Recursos Humanos Qualificação:

Leia mais

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Capítulo 3 Agregando Pessoas -Recrutamento e Seleção de Pessoas Nesse capítulo veremos com as organizações agregam pessoas através do recrutamento e seleção de pessoas.

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Prof. Fernando Lopes. Unidade II. Administração de Cargos e

Prof. Fernando Lopes. Unidade II. Administração de Cargos e Prof. Fernando Lopes Unidade II Administração de Cargos e Salários Conforme Chiavenato (2004, p. 267), a avaliação de cargos visa a obtenção de dados que permitirão uma conclusão acerca do valor interno

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão em Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

SUBSISTEMAS DA GESTÃO DE

SUBSISTEMAS DA GESTÃO DE FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROJETO INTEGRADOR SUBSISTEMAS DA GESTÃO DE PESSOAS - MÓDULO II - GESTÃO DE PESSOAS DANIEL BOFF BORGES GOIÂNIA - NOVEMBRO 2015 Sumário

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2 A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DO TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2. O presente artigo apresenta os conhecimentos teóricos acerca da importância

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO A ABRH-ES (Associação Brasileira de Recursos Humanos Seccional Espírito Santo) é integrante do Sistema Nacional ABRH e configura-se como instituição

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: técnica de Nível

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management Profº Walter Lerner lernerwl@terra.com.br Filme 7 CONTEXTUALIZAÇÃO da ADM e do Administrador

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

O TRABALHO DE UMA PSICÓLOGA ORGANIZACIONAL COM UMA FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIVERSIDADE. Eliane Pereira Messias¹; Sérgio Domingues²

O TRABALHO DE UMA PSICÓLOGA ORGANIZACIONAL COM UMA FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIVERSIDADE. Eliane Pereira Messias¹; Sérgio Domingues² 439 O TRABALHO DE UMA PSICÓLOGA ORGANIZACIONAL COM UMA FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIVERSIDADE Eliane Pereira Messias¹; Sérgio Domingues² Resumo: Este trabalho apresenta o resultado de uma entrevista realizada

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação.

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação. a 9 de Dezembro Clima organizacional: uma análise comparativa entre a empresa x e a empresa y do setor varejista de eletrodomésticos e móveis, que disputam o mesmo nicho no município de Bambuí-MG Franciele

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

CATEGORIA: ADESÃO DOS COLABORADORES

CATEGORIA: ADESÃO DOS COLABORADORES EXPRESSO GUANABARA S/A - CNPJ: 41.550.112/0001-01 END. ROD BR 116 KM 04 N 700 MESSEJANA FORTALEZA/CE CATEGORIA: ADESÃO DOS COLABORADORES 2011 BOAS PRÁTICAS: ADESÃO DOS COLABORADORES AOS SEUS VALORES E

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

Processos de Recursos Humanos

Processos de Recursos Humanos Gestão Integrada RH Recursos Humanos Unida 2 Rosemeri da Silva Paixão Recursos Humanos 28 Gestão Integrada RH Sumário Introdução... 30 Objetivos... 31 Estrutura da Unida... 31 UNIDADE 2: Recursos Humanos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

O desempenho dos processos de recrutamento e seleção: um estudo de caso na Bambuí Bioenergia S/A.

O desempenho dos processos de recrutamento e seleção: um estudo de caso na Bambuí Bioenergia S/A. O desempenho dos processos de recrutamento e seleção: um estudo de caso na Bambuí Bioenergia S/A. Fábio Henrique CAMILO¹; Frederico Leocádio FERREIRA²; Helena Torres Gaitani MOTTA³; Jaqueline Bruno de

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção.

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção. Processo Seletivo O que é? O Processo Seletivo é um conjunto de técnicas e instrumentos, empregados para avaliação de materiais, técnicas ou candidatos visando identificar as habilidades, tendências e

Leia mais

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE)

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE) Questão n o 1 a) Na visão de Chiavenato, há pelo menos 10 ações que podem colaborar para a criação de um ambiente de criatividade na organização, duas das quais o candidato deve citar e descrever (evidentemente

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL. Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail.

GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL. Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail. GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail.com INTRODUÇÃO No respectivo trabalho, iremos abordar um

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Orçamento de Pessoal Aula 1 25-04-2012

Orçamento de Pessoal Aula 1 25-04-2012 Orçamento de Pessoal Aula 1 25-04-2012 Prof. Procópio Aula 25-04-2012 Quem sou Eu? Breve Programa do Curso Bibliografia Básica Sistema de Aulas Sistema de Avaliações Contatos do Professor Apresentação

Leia mais

A inclusão de pessoas portadoras de deficiências nas organizações como oportunidade para o desenvolvimento local

A inclusão de pessoas portadoras de deficiências nas organizações como oportunidade para o desenvolvimento local A inclusão de pessoas portadoras de deficiências nas organizações como oportunidade para o desenvolvimento local RESUMO Com a criação da Lei que estabelece cotas para a inclusão do profissional portador

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com.

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com. RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com.br FERREIRA, Silvana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas

Leia mais

MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde Objetivo do curso:

MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso de MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC)

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC) O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A CONTRIBUIÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ADMINISTRAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO Florianópolis, 2012 Expedito Michels Mestrado Profissional

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais