DOSSIER SUPER ÚTIL. Como gerir recursos humanos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOSSIER SUPER ÚTIL. Como gerir recursos humanos"

Transcrição

1 DOSSIER SUPER ÚTIL Como gerir recursos humanos Sara Moutinho/Ideias & Negócios Texto publicado na edição nº 37 da revista Ideias & Negócios (Julho de 2001) Os recursos humanos são, cada vez mais, o principal capital com que uma empresa pode contar. Não há investimento que sobreviva, ou tecnologia que faça milagres, se os colaboradores da empresa não forem os melhores. Leia-se: se não forem os mais adequados ao objectivo final pretendido. E para que isto seja conseguido, a gestão dos recursos humanos desempenha um papel indispensável. Não é uma tarefa fácil... Para o ajudar, este dossier apresenta-lhe uma síntese de conselhos para melhor orientar os seus colaboradores, a opinião de especialistas em recursos humanos, e algumas dicas para melhor passar da teoria à prática. Saiba por que é importante o recrutamento e selecção de colaboradores, como pode definir políticas de comunicação e planos de formação, quais os aspectos a ter em conta numa avaliação de desempenho, e como manter os seus colaboradores motivados. Pessoas: O maior activo das empresas Recrutamento e selecção Comunicação interna Avaliação de desempenho Políticas de formação Saída de colaboradores O segredo da motivação Feedback de resultados Dinheiro e benefícios Ser criativo Pessoas: o maior activo das empresas Lidar com as pessoas que compõem uma organização empresarial é uma tarefa por vezes árdua, geralmente complicada e quase sempre pouco reconhecida, por não trazer resultados imediatos. É, apesar disso, uma das pedras basilares da gestão de uma empresa. Uma organização que saiba gerir os seus recursos humanos possuirá, a médio prazo, uma importante vantagem competitiva face a outras empresas. Ou não fosse cada vez mais comum ouvir-se a frase o mais importante da minha empresa são as pessoas. A gestão de recursos humanos, porém, não se circunscreve ao departamento da empresa com o mesmo nome. Gestores de recursos humanos devem ser todas as pessoas na organização. Todos aqueles que têm alguém sob sua responsabilidade, e todos aqueles que não tendo alguém sob sua responsabilidade são gestores do seu próprio recurso, que é

2 a própria pessoa, considera Ricardo Luz, director-geral da empresa de consultadoria de gestão Gestluz. A um nível mais global, quer a sua empresa tenha um departamento próprio de recursos humanos ou entregue esta tarefa a uma empresa externa, as linhas de orientação da gestão dos seus colaboradores têm de ser definidas a nível do topo. Mesmo quando a gestão dos recursos humanos é feita por uma empresa externa, a orientação de base deve ser delineada pelos líderes da empresa. Um bom empresário não deixa um consultor substituí-lo na gestão da empresa, e não é um bom consultor aquele que o pretende fazer, frisa. O bom consultor de recursos humanos é, então, aquele que apoia a empresa na definição das suas estratégias. Só depois de a empresa ter perfeitamente traçados os objectivos que pretende atingir, é que pode transmitir essa informação aos seus colaboradores e, paralelamente, definir as competências funcionais de que necessita para atingir os referidos objectivos. Recrutamento e selecção Esta é uma das funções clássicas da gestão de recursos humanos. Na selecção eficaz de colaboradores começa uma boa gestão de recursos humanos. Contratar a pessoa certa para o lugar certo não é tão fácil como parece. Recrutar um profissional que, por muito bom que seja, não é o mais adequado às necessidades da empresa, acaba por custar tempo e dinheiro até que se consiga alinhar a pessoa com essas necessidades. Tendo consciência dos objectivos que se pretendem atingir, é mais fácil saber qual o perfil dos colaboradores a recrutar. A empresa precisa de pessoas já com alguma experiência na área, ou prefere jovens em início de carreira que possa formar e treinar à medida das especificidades da organização? O candidato ideal deve estar completamente orientado para a função pretendida ou deve ser suficientemente flexível para poder desempenhar várias tarefas? Todas estas questões têm de ser devidamente equacionadas para que a sua empresa contrate os funcionários que de facto correspondem às necessidades. Comunicação interna Pergunte aos seus colaboradores se já lhes aconteceu saber novidades sobre a empresa através de pessoas que não trabalham lá ou através de notícias na comunicação social. Se a resposta for sim, frequentemente, é sinal que os canais de comunicação dentro da empresa não estão a funcionar devidamente. A comunicação é actualmente uma das mais poderosas ferramentas na gestão de recursos humanos. O que acontece muitas vezes é que a empresa tem uma estratégia que é conhecida pelos quadros de topo da organização mas que não é conhecida pelos restantes colaboradores. Para Ricardo Luz, essa falta de comunicação não pode acontecer. É fundamental que todas as pessoas na empresa, desde a pessoa que hierarquicamente esteja mais baixa até ao presidente, estejam alinhadas cada um com o seu contributo, da forma que o podem dar e como estiver definido, com aquilo que são os objectivos estratégicos da mesma. Assim, uma boa política de comunicação interna, que dê às pessoas a informação necessária sobre os objectivos da empresa, as estratégias a utilizar e os projectos

3 presentes e futuros, contribuirá fortemente para melhorar a actuação individual e colectiva da organização. Cada vez mais, para que as pessoas se sintam motivadas e acreditem numa organização, têm que sentir que fazem parte dela, diz Ricardo Luz. Para isso, é essencial que haja uma comunicação dentro da equipa, seja ela informacional ou motivacional, por exemplo fornecendo um feedback do trabalho feito ou ouvindo as opiniões e sugestões das pessoas. A comunicação pode passar por diversas formas: reuniões regulares; encontros informais para debater problemas concretos; ou informação sobre planos de acção, projectos ou resultados. E hoje em dia, com as redes informáticas, o correio electrónico e a Internet, não há desculpas para que este processo não seja implementado. Avaliação de desempenho As avaliações de desempenho são importantes ferramentas que auxiliam a gestão da empresa. Importa, porém, ter alguns cuidados na sua realização, não só para que os resultados sejam o mais aproximados da realidade, mas também para não criar um clima infundado de sentimento de perseguição aos seus colaboradores. Antes de iniciar uma avaliação de desempenho, o gestor de recursos humanos deve efectuar alguns trabalhos preparatórios, que incluem a definição, para cada colaborador a ser avaliado, de diversos itens: função, deveres, responsabilidades, objectivos a cumprir, níveis de performance para algumas tarefas-chave, etc. O processo de avaliação propriamente dito apresenta um certo grau de complexidade, pelo que deve ser preferencialmente realizado por um ou mais profissionais especializados. Esta avaliação pode incluir, dependendo da especificidade da organização, relatórios de projectos e actividades, análise de resultados, apreciação de outros colaboradores ou superiores hierárquicos, etc. A avaliação não deve ser feita à revelia do colaborador. Pelo contrário, deverá envolver pelo menos uma reunião onde seja possível discutir a obtenção de resultados, os progressos alcançados, as dificuldades sentidas, e as formas de diminuir os factores mais negativos da sua performance. A avaliação de desempenho pode igualmente servir para traçar novos resultados a atingir, definir um plano de formação mais adequado ou alertar o colaborador para o perigo de uma contínua performance baixa. É importante que os resultados da avaliação não surjam como uma surpresa absoluta, seja ela positiva ou negativa, para o colaborador em causa. Isso implica que regularmente lhe seja dado um feedback adequado e construtivo em relação ao trabalho que tem desempenhado. Deve igualmente ter oportunidade de exprimir uma opinião sobre os resultados da avaliação. Pode ser uma excelente altura para, em conjunto, se debaterem possíveis formas de melhorar os desempenhos menos eficientes, por exemplo através de um plano de formação ou um acompanhamento específico. Políticas de formação Num mundo que evolui a uma velocidade estonteante, com uma concorrência feroz no mercado, os factores que ditam as vantagens críticas de uma empresa são cada vez mais voláteis. Também as competências individuais necessárias se vão modificando. A solução passa por manter os seus colaboradores constantemente disponíveis para a aprendizagem.

4 Definir políticas de formação regulares, à medida das necessidades específicas do seu negócio, pode garantir-lhe a vantagem estratégica face à concorrência. Já acabou há muito o tempo em que as pessoas concluíam um curso e depois podiam descansar porque as competências e os conhecimentos adquiridos eram válidos para toda a vida. Hoje, se não tivermos formação contínua, em menos de um ano estamos obsoletos, nota Ricardo Luz. Esta formação pode, e deve, ser da iniciativa da própria pessoa. Mas isso não tira responsabilidades à empresa no que diz respeito à melhoria da formação dos seus colaboradores até porque vai beneficiar grandemente dessa actualização. O gestor de recursos humanos deve manter-se permanentemente atento às mudanças do mercado, às necessidades da empresa, aos meios a que pode recorrer para implementar essa formação. As políticas de formação diferem muito conforme o sector em que a empresa se insere e o tipo de colaboradores que possui. Sabendo quais as competências funcionais que cada pessoa tem, é mais fácil definir uma política de formação para a empresa. Naturalmente, nem todas as pessoas vão precisar da mesma formação, pelo que será necessário delinear acções de formação concretas e estabelecer timings para a sua realização. É igualmente vantajoso recorrer aos resultados das avaliações de desempenho, já que pode ser necessário apostar em formação individual para determinados colaboradores. Embora muitas pessoas torçam o nariz ao ouvir a expressão acção de formação, a verdade é que esta não precisa de ser enfadonha e maçadora como muitas vezes é acusada de ser, nem ter o carácter de obrigatoriedade que regra geral lhe é dado. A Jazztel, por exemplo, tem uma política de formação um pouco diferente da habitual, envolvendo uma dupla vertente de mobilidade e desenvolvimento de competências. Isabel Viegas, directora de Recursos Humanos da Jazztel, explica como funciona: O objectivo é fazer uma inversão do princípio da oferta e da procura. Normalmente a formação é oferecida aos colaboradores; neste caso, são as pessoas que a procuram. Quando as pessoas sentem que necessitam de especialização ou formação numa determinada área, são elas que tomam a iniciativa de a procurar. Embora a empresa de telecomunicações também proponha alguns programas de formação tradicionais, a regra é apostar no desenvolvimento individual. Saída de colaboradores Mais cedo ou mais tarde, vai ter que se debater com este problema. Ninguém é insubstituível, já se sabe, mas a saída de um colaborador pode causar alguns transtornos nos primeiros tempos. Antes mesmo de começar a procurar outra pessoa para o lugar, tente perceber por que é que o colaborador quer sair da empresa. Está descontente com o trabalho que realizou ou foi convidado a mudar para um projecto mais aliciante? Sai por motivos pessoais ou relacionados com a evolução da carreira? Coloca a hipótese de eventualmente um dia poder regressar à empresa ou nem quer ouvir falar disso? A empresa e os seus colaboradores evoluem naturalmente com o passar do tempo... Podem no entanto surgir problemas quando o crescimento não é no mesmo sentido, ou os objectivos de cada um são divergentes. Há pessoas que atingem um determinado patamar de responsabilidades e querem ficar por aí, porque se sentem bem naquilo que estão a fazer. Outras, pelo contrário, têm mais ambição e querem sempre continuar a subir. Nenhuma das duas atitudes é condenável; tudo depende das características pessoais de

5 cada colaborador e das necessidades específicas da empresa num dado momento. Quando não é possível conciliar os interesses de ambas as partes, acaba por surgir o fim da relação contratual. Não é drama nenhum, assegura Ricardo Luz. Se a direcção da empresa, em conjunto com o gestor de recursos humanos, compreender as razões que levaram um colaborador a sair, mais facilmente tenta evitar novas saídas. Por vezes basta apenas melhorar alguns aspectos organizacionais ou corrigir situações de desequilíbrio. Hoje em dia a mobilidade profissional é muito maior do que há alguns anos atrás. O importante é que tanto a empresa como o colaborador tenham dado o seu melhor durante a relação profissional que mantiveram. Se a saída do colaborador for pacífica, nada impede que um dia mais tarde volte a integrar-se na empresa. O segredo da motivação Saber manter uma equipa coesa, interessada e produtiva é actualmente um dos maiores desafios que se colocam a um gestor de recursos humanos. Mas que estratégias de motivação podem ser utilizadas? Quase poderíamos dizer que para definir estas estratégias seria preciso estudar um a um todos os casos... Não há soluções milagrosas para a motivação, afirma categoricamente Isabel Viegas. Podem no entanto encontrar-se alguns factores que, de uma forma mais ou menos consensual, contribuem positivamente para aumentar a motivação dos funcionários de uma empresa. A começar pela própria função desempenhada pelo colaborador. Cada vez mais acredito que aquilo que liga uma pessoa à empresa é o projecto, afirma Isabel Viegas. Ver a carteira de clientes da empresa aumentar dia após dia, por exemplo, e saber que uma parte desse crescimento deriva do esforço que realizou é fonte de satisfação para o colaborador. O tempo que as pessoas passam na empresa é cada vez maior. E muitas vezes trabalha-se à noite, ao fim-de-semana... Se as pessoas não se sentirem realizadas naquilo que fazem, com a agravante de terem cada vez menos tempo para elas próprias e para a sua família, a pressão vai ser imensa. E, inevitavelmente, o seu empenho e produtividade profissional vão decair. Feedback de resultados Ter um feedback do que se faz é também essencial para manter um colaborador motivado. Isto é válido tanto para os objectivos que são alcançados como para os erros que inevitavelmente se cometem. É preciso que as pessoas possam errar, sustenta Ricardo Luz. Muitas vezes as pessoas têm funções que teoricamente lhes dão o direito de tomar determinadas decisões. O problema é quando elas tomam essas decisões e erram... nesse caso é-lhes retirado esse poder, ou então é-lhes criticada a decisão. Quando isto acontece, dificilmente as pessoas vão tomar uma decisão novamente. O que se deve fazer numa situação de erro é, juntamente com o colaborador em causa, descobrir os motivos e a forma de o evitar no futuro. É que, defende o director-geral da Gestluz, as empresas cada vez funcionam menos na lógica da ordem, do tens que fazer isso porque tens que fazer. Se nós tratarmos as pessoas como inteligentes, elas respondem como pessoas inteligentes. Aquela velha frase

6 que ainda hoje se ouve em alguns sítios, eu pago-te para fazeres, não para pensares, devia ser abolida completamente das empresas. Dinheiro e benefícios A remuneração é, sem dúvida, um factor de motivação para um colaborador. Só que, muitas vezes, não é o factor primordial. Tudo depende da hierarquia das necessidades, como refere Ricardo Luz: É complicado motivar pessoas que ganham aquilo que é quase o básico para sobreviverem. Basta ver o tecido industrial português... E depois, a remuneração tem sempre um impacto de curto prazo. Para o director da Gestluz, o incentivo do dinheiro só produz efeito nos primeiros meses. Depois, passa a ser um dado adquirido, desaparecendo a motivação inicial. Além de uma remuneração competitiva, há uma série de outros factores que contribuem para a motivação, como a existência de oportunidades de desenvolvimento de competências, ou a possibilidade de progressão na carreira. E convém não esquecer alguns benefícios adicionais que, embora isoladamente possam não significar muito, ajudam a tornar o bolo mais atractivo. Por exemplo, o facto de se oferecer um horário flexível, um regime de férias mais alargado, a participação no capital da empresa através de stock options, a possibilidade de receber um bónus anual ou um qualquer tipo de prémio... Ser criativo O que é indispensável, diz Isabel Viegas, é que a estratégia de motivação seja coerente. Para que isso aconteça, temos de voltar ao início: comunicação. Um gestor de recursos humanos tem de acompanhar os negócios da empresa permanentemente, saber o que está a ser feito e quais são os alvos que quer atingir. Só assim é possível pensar simultaneamente nos objectivos da empresa e nas pessoas que lá estão. A título de exemplo, na Jazztel é realizada semanalmente uma happy hour, na qual se juntam as cerca de 140 pessoas da empresa, para trabalhar resultados, partilhar dificuldades e unir esforços. Todas as pessoas participam. Assim sentem que não são meros objectos, reforça Isabel Viegas. Outros mecanismos que têm contribuído para reforçar a motivação na empresa de telecomunicações incluem a participação dos colaboradores em áreas da empresa que não aquelas em que são especializadas, de modo a poderem oferecer um olhar diferente sobre os problemas e os projectos; e um projecto de cidadania, através do qual os funcionários apoiam instituições locais com trabalho voluntário. Isabel Viegas refere que tem sido uma experiência muito enriquecedora. É, portanto, uma questão de encontrar soluções criativas, remata. Departamento próprio ou outsourcing? Tudo depende da dimensão da sua empresa. Grandes organizações, que integram centenas de pessoas, não podem passar sem um departamento especializado de recursos humanos. No caso de empresas menores, o cenário pode ser diferente. Um departamento de recursos humanos numa PME pode até, na opinião de Ricardo Luz, ser

7 contraproducente. Qualquer departamento administrativo ou de apoio à gestão não produz riqueza directamente. Uma empresa que facture 100 mil contos e tenha um departamento que lhe custa 10 ou 15 mil e que não está directamente a produzir riqueza para a empresa se calhar não tem possibilidade de fazer este investimento que não pode recuperar. Por isso, muitas vezes é mais rentável para as pequenas empresas recorrer a consultores externos, que as auxiliam a gerir os recursos humanos. Aspirina jurídica Para evitar dores de cabeça e litígios dentro da equipa, é essencial que a gestão dos recursos humanos seja feita garantindo o cumprimento dos direitos e deveres de ambas as partes, colaborador e empresa. Ajuda por isso ter alguns conhecimentos de legislação laboral. Elaboração de contratos, cláusulas de não-concorrência ou de segredo profissional, regime de férias, feriados e faltas, regime de remunerações acessórias, cessação de contratos... É uma boa ideia, se não conhece a legislação a fundo, contar com a ajuda de um jurista especializado em Direito do Trabalho. Ricardo Luz - Director-geral da empresa de consultadoria de gestão Gestluz Um consultor nunca deve substituir a empresa Ideias & Negócios Como é feita a gestão dos recursos humanos pelas empresas portuguesas? Ricardo Luz Há várias realidades. Por vezes ainda se confunde a gestão dos recursos humanos com a gestão administrativa dos recursos humanos, sobretudo nas PME. Tratase do pagamento de salários e pouco mais. Há outras PME onde já há uma grande preocupação por esta questão. No nosso conceito, ter uma preocupação pela gestão dos recursos humanos não implica obrigatoriamente ter um departamento próprio para esta área. A função de recursos humanos é tão importante que deve ser sempre tratada e liderada ao nível de topo da empresa, independentemente de depois existir um departamento formal para passar das decisões à prática. I&N Que vantagens tem a gestão de recursos humanos feita por uma empresa externa? RL Permite ter apoio externo para ajudar a elaborar uma política de gestão de recursos humanos. Mas nunca deve ser entregue totalmente a uma empresa externa. Um consultor nunca deve substituir a empresa. Deve ajudá-la a definir a sua estratégia, os factores críticos a que tem que responder para ser competitiva no mercado, as competências centrais que deve desenvolver. Depois, deve ajudar a formar e a desenvolver os recursos humanos, de forma a que eles tenham as competências pessoais que permitam responder

8 a essas competências empresariais, de maneira a que aquilo que é a empresa esteja perfeitamente alinhado com aquilo que são as pessoas. I&N Como é que se faz essa ligação? RL Passa muito por sabermos exactamente que contributo é que queremos de cada pessoa. Muito mais do que definir quais são as posições formais das pessoas, é saber que competências é que nós queremos ter na empresa, e de que forma é que podemos criar essas competências. Isso envolve também uma política de comunicação e informação para todas as pessoas. Para que as pessoas se sintam motivadas e acreditem numa organização, elas têm que sentir que fazem parte dessa organização. Delegar também é gerir Acontece-lhe frequentemente ter um desabafo do género quando eu não estou na empresa as coisas não funcionam? Se respondeu sim a esta questão, saiba que este é um dos principais indicadores de que não está a ser feita uma boa gestão dos recursos humanos. É sinal que a organização não sabe pensar por si própria, e que os seus colaboradores ou não conseguem resolver problemas da melhor forma, ou não lhes é dada essa possibilidade. Solução? Comece por se assegurar que as pessoas efectivamente têm as competências necessárias para cumprir as funções pedidas e, no caso de isso não acontecer, dê-lhes a formação e orientação que precisam. Depois, só tem de perder o medo de delegar tarefas e responsabilidades. Senão... Uma empresa pode ter o líder mais fantástico do mundo, mas se não conseguir colocar a organização a pensar e a trabalhar por si para atingir objectivos, chega a um ponto a partir do qual o crescimento não é possível, alerta Ricardo Luz. Isabel Viegas Directora de Recursos Humanos da Jazztel Não há soluções milagrosas para a motivação Ideias & Negócios Quais os principais desafios que enfrenta um gestor de recursos humanos? Isabel Viegas As preocupações mudam mediante as fases da vida da empresa. No caso de uma start-up, o principal desafio é o de atrair talento para a empresa. Quando a empresa já está mais avançada, já é mais o de garantir a motivação dos quadros no

9 projecto, embora se continue a dar importância à atracção de talento. É necessário garantir que temos as competências de que precisamos e encontrar ferramentas de motivação que garantam que o know-how fique na empresa. A um gestor de recursos humanos é pedida muita criatividade para encontrar estas soluções. Tem de acompanhar os negócios da empresa permanentemente, e saber quais são os targets que quer atingir. I&N Como se pode motivar um colaborador? IV Cada vez acredito mais que o que liga uma pessoa à empresa é o projecto, aquilo que a pessoa está a fazer. Obviamente, em complemento surgem outras coisas: a competitividade de remunerações, um regime de férias diferente, a disponibilidade de tempo para a família, etc. O alcance dos resultados também é importante, quando no diaa-dia se vêem os clientes a crescer. O essencial é que tudo isto seja feito de uma forma coerente. Não há soluções milagrosas para a motivação. I&N As políticas de formação são também orientadas pelo departamento de recursos humanos? IV Sim. Numa empresa com níveis de qualificação elevados, as políticas de formação são muito específicas. A nossa metodologia, por exemplo, envolve duas vertentes: a mobilidade e o desenvolvimento de competências. O objectivo é fazer uma inversão do princípio da oferta e da procura. Normalmente a formação é oferecida aos colaboradores; neste caso, são as pessoas que a procuram. Quando sentem que necessitam de especialização numa determinada área, são elas que tomam a iniciativa de procurar essa formação. Para que isto funcione, temos de ter recursos que possamos alocar às necessidades de cada pessoa. Naturalmente há também acções de formação tradicionais, propostas pela empresa. Porquê ficar? Um estudo elaborado pelo Hay Group, citado no site concluiu que as cinco principais razões que levam um colaborador a permanecer na empresa são: 1 - Oportunidade de desenvolver novas competências 2 - Acompanhamento e feedback dado pelo chefe 3 - Equipa de direcção talentosa 4 - Tratamento com respeito 5 - Reconhecimento de um trabalho bem feito A título de curiosidade, refira-se que a remuneração figurava apenas no oitavo lugar da lista de razões mais apresentadas. O estudo foi realizado entre 1996 e 1999, tendo sido entrevistados 500 mil empregados de 300 empresas norte-americanas. Um estudo semelhante aplicado ao mercado português revelaria ou não resultados semelhantes?

CADERNOS TÉCNICOS. Recursos Humanos. AIMinho Associação Industrial do Minho

CADERNOS TÉCNICOS. Recursos Humanos. AIMinho Associação Industrial do Minho CADERNOS TÉCNICOS Recursos Humanos AIMinho Associação Industrial do Minho CADERNOS TÉCNICOS Recursos Humanos AIMinho Associação Industrial do Minho 2 ÍNDICE caderno técnico Normalização 1. Como gerir recursos

Leia mais

3. Gerir equipas. 1. Definir objectivos que outros irão perseguir. 2. Recrutar os melhores

3. Gerir equipas. 1. Definir objectivos que outros irão perseguir. 2. Recrutar os melhores 10 TOP COMPETÊNCIAS DE SUCESSO EM GESTÃO A Harvard Business School lançou um artigo onde foram analisadas as principais aptidões para alcançar o sucesso em Gestão. Partindo dessa análise, apresentamos

Leia mais

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010)

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) Foi prorrogado o prazo para apresentação de candidaturas no âmbito do Aviso N.º 03/SI/2010,

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

Preparação da época de exames

Preparação da época de exames Preparação da época de exames Sugestões para os estudantes Imagem de http://jpn.icicom.up.pt/imagens/educacao/estudar.jpg A preparação para os Exames começa no início do Semestre O ritmo de exposição da

Leia mais

A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito

A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito A Universidade : reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito Miguel Rombert Trigo, Luis Borges Gouveia mtrigo@ufp.pt, lmbg@ufp.pt ProjEstQ, CEREM Universidade Fernando Pessoa Universidade

Leia mais

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Objectivos Definição de estrutura organizacional. Descrever a configuração e as

Leia mais

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Outubro de 2009 Agenda EM DESTAQUE Estágios e Suplemento ao Diploma- uma aposta no futuro! Índice Nota Editorial Eventos/Notícias Na Primeira Pessoa Manz

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

Questionário de satisfação para colaboradores

Questionário de satisfação para colaboradores Questionário de satisfação para colaboradores Identificação da Organização: Data: Instruções de resposta ao questionário: Este questionário versa um conjunto de temáticas relativas ao modo como o colaborador

Leia mais

BARÓMETRO 2005-2015. Evolução da gestão de frotas nos últimos 10 anos

BARÓMETRO 2005-2015. Evolução da gestão de frotas nos últimos 10 anos BARÓMETRO 2005-2015. Evolução da gestão de frotas nos últimos 10 anos O Corporate Vehicle Observatory (CVO) tem por missão a produção e divulgação de informação relevante e neutra sobre as tendências da

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 29.1.2004 L 24/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 139/2004 DO CONSELHO de 20 de Janeiro de 2004 relativo ao controlo das concentrações de empresas («Regulamento

Leia mais

Relatório de Actividades 2009

Relatório de Actividades 2009 Relatório de Actividades 2009 C e n t r o d e F o r m a ç ã o RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 Centro de Formação DGCI Centro de Formação 2 Índice I. NOTA INTRODUTÓRIA 4 1. Análise conjuntural7 2. Enquadramento

Leia mais

Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para uma Europa da inovação e do conhecimento

Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para uma Europa da inovação e do conhecimento Estratégia de Lisboa Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para uma Europa da inovação e do conhecimento Em 23 e 24 de Março de 2000, o Conselho Europeu extraordinário de Lisboa, nasceu

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES. Ana Paula Vitorino. por ocasião do

A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES. Ana Paula Vitorino. por ocasião do INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Ana Paula Vitorino por ocasião do Workshop Livro Verde Para uma nova cultura de Mobilidade Urbana Hotel Sheraton Porto 18 de Fevereiro

Leia mais

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

AS DIFERENÇAS DO BSC NO SECTOR PRIVADO E NO SECTOR PÚBLICO... 7

AS DIFERENÇAS DO BSC NO SECTOR PRIVADO E NO SECTOR PÚBLICO... 7 Í N D I C E INTRODUÇÃO... 3 DEFINIÇÃO DO BALANCED SCORECARD - SECTOR PÚBLICO... 4 AS DIFERENÇAS DO BSC NO SECTOR PRIVADO E NO SECTOR PÚBLICO... 7 MISSÃO E ESTRATÉGIA... 7 PERSPECTIVA FINANCEIRA... 8 PERSPECTIVA

Leia mais

White Paper: Como Produzir um Case Study Guia Prático e Essencial

White Paper: Como Produzir um Case Study Guia Prático e Essencial White Paper: Como Produzir um Case Study Guia Prático e Essencial Indíce de Conteúdos O Que É um Case Study?... Os seus clientes realmente gostam sua empresa e têm excelentes resultados com os seus produtos,

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Promotores da Iniciativa. Marca Registada

Promotores da Iniciativa. Marca Registada Promotores da Iniciativa Marca Registada 2 Índice Introdução 4 Metodologia 6 Resultados da Empresa 10 Benchmarking 19 Caracterização do Entrevistado Comentários dos Entrevistados Anexos 23 25 27 3 Introdução

Leia mais

Mestrado Online respostas

Mestrado Online respostas Mestrado Online respostas Resumo 1. Por que razão escolheu este mestrado em regime online? 1. Escolhi o mestrado online porque é um mestrado que aborda questões relacionadas com a minha área de formação,

Leia mais

MENSAGEM DE NATAL DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MENSAGEM DE NATAL DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM DE NATAL DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Nesta quadra, que é de reencontro e de celebração dos valores da família e da paz, é com grande alegria que desejo a todos, os meus votos de

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Conceito de projecto ideia ou intuito de executar algo representação em perspectiva conjunto de documentos, cálculos e

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

Departamento de Formação

Departamento de Formação FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BADMINTON Departamento de Formação Documento Orientador de Formação de Treinadores Nível I, II e III Com apoio de: ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 OBJECTIVOS 4 FUNÇÃO DO TREINADOR 4 SISTEMA

Leia mais

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Este inquérito, realizado pela EU-OSHA a empresas de toda a Europa, visa contribuir

Leia mais

FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL. Carlos C. SARAIVA 1 ; Ana MAIA 2

FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL. Carlos C. SARAIVA 1 ; Ana MAIA 2 FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Carlos C. SARAIVA 1 ; Ana MAIA 2 RESUMO A necessidade de aceleração da dinâmica de resposta do mercado da água e mais concretamente do sector de saneamento às

Leia mais

SERVIÇO DE RECEITA DE TIMOR LOROSAE RELATÓRIO ANUAL ANO 2000

SERVIÇO DE RECEITA DE TIMOR LOROSAE RELATÓRIO ANUAL ANO 2000 SERVIÇO DE RECEITA DE TIMOR LOROSAE RELATÓRIO ANUAL ANO 2000 Funcionários do Departamento Fiscal de Díli Maio.2001 Díli, Maio.2001 2 Ao Director da Autoridade Fiscal Central De acordo com o artigo 8º do

Leia mais

O LÍDER DO FUTURO. Resumo do livro de F. Hesselbein, M. Goldsmith e R. Beckhard PAULA BELO. Aluno Nº 20101049 PEDRO RIBEIRO.

O LÍDER DO FUTURO. Resumo do livro de F. Hesselbein, M. Goldsmith e R. Beckhard PAULA BELO. Aluno Nº 20101049 PEDRO RIBEIRO. O LÍDER DO FUTURO Resumo do livro de F. Hesselbein, M. Goldsmith e R. Beckhard PAULA BELO Aluno Nº 20101049 PEDRO RIBEIRO Aluno Nº 21120431 RESUMO: O presente trabalho é o resumo do livro O Líder do Futuro.

Leia mais

Coaching Para a EXCELÊNCIA

Coaching Para a EXCELÊNCIA Coaching Para a EXCELÊNCIA António Santos António Santos Coaching ferramenta que permite elevar o nível de lucidez Mudanças que alargam horizontes. COACHING para a EXCELÊNCIA Mudanças que alargam horizontes.

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

Introdução a Engenharia de Produção. Instrumentos de Avaliação. EMENTA do curso. Bibliografia Básica. Instrumentos de Avaliação 20/03/2012

Introdução a Engenharia de Produção. Instrumentos de Avaliação. EMENTA do curso. Bibliografia Básica. Instrumentos de Avaliação 20/03/2012 Introdução a Engenharia de Produção Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO Introdução a Engenharia de Produção Objetivos 1. Apresentar ao educando o curso de Engenharia de Produção com suas diversas

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

CÓDIGO DE ÉTICA DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS ÍNDICE CÓDIGO DE ÉTICA Preâmbulo Capítulo 1 Capítulo 2 Secção 1 Introdução Âmbito de aplicação Princípios fundamentais Secção 2 Estrutura conceptual Secção 3 Resolução de conflito ético Secção 4 Integridade

Leia mais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais SGDP sistema de gestão do desempenho e potencial :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais ÍNDICE Competências Inovação e Criatividade

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

CAPÍTULO I - Princípios gerais. Artigo 1º Âmbito de aplicação

CAPÍTULO I - Princípios gerais. Artigo 1º Âmbito de aplicação CAPÍTULO I - Princípios gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 - O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, adiante designado por Estatuto, aplica-se

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 13 19 de Janeiro de 2011 3935

Diário da República, 2.ª série N.º 13 19 de Janeiro de 2011 3935 Diário da República, 2.ª série N.º 13 19 de Janeiro de 2011 3935 Despacho n.º 1550/2011 A mais recente revisão regulamentar do sector do gás natural, concretizada através do Despacho n.º 4878/2010, de

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: AO 10559 Serviços logísticos integrados 2013/S 234-405266. Anúncio de concurso. Serviços

Luxemburgo-Luxemburgo: AO 10559 Serviços logísticos integrados 2013/S 234-405266. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:405266-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: AO 10559 Serviços logísticos integrados 2013/S 234-405266 Anúncio de

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Gabinete de Aconselhamento Vocacional e Psicológico FCT/UNL

Gabinete de Aconselhamento Vocacional e Psicológico FCT/UNL Sugestões Para o Teu Estudo Não há regras rígidas para um estudo efectivo e bem sucedido, pelo que cada pessoa deve desenvolver a sua própria abordagem ao mesmo. Contudo, no geral, o acto de estudar envolve

Leia mais

Gestão de Activos Humanos na Saúde Pessoas ou Pessoal

Gestão de Activos Humanos na Saúde Pessoas ou Pessoal Gestão de Activos Humanos na Saúde Pessoas ou Pessoal Itinerário 15 m Gerir em Tempos difíceis Gerir Investimento Pessoas vs Pessoal O m Importância do Capital Humano 2 Não há gestão de Recursos Humanos.......

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

1 Apresentação. Liderança Autêntica: Inspirar, Mobilizar e Transformar. Essência. Powerpoint. Apresentação Powerpoint Imp. 24/0 leaderconsulting.

1 Apresentação. Liderança Autêntica: Inspirar, Mobilizar e Transformar. Essência. Powerpoint. Apresentação Powerpoint Imp. 24/0 leaderconsulting. 1 Apresentação Liderança Autêntica: Inspirar, Mobilizar e Transformar. Essência 2 Apresentação A Nova Organização FASES ASPECTOS ERA DA AGRICULTURA SOCIEDADE INDUSTRIAL SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Curso de Formação. Liderança e Gestão de Equipas (Data de início: 13/11/2014 - Data de fim: 15/12/2014)

Curso de Formação. Liderança e Gestão de Equipas (Data de início: 13/11/2014 - Data de fim: 15/12/2014) Curso de Formação Liderança e Gestão de Equipas (Data de início: 13/11/2014 - Data de fim: 15/12/2014) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas Interpretativas No âmbito dos poderes que estatutáriamente lhe são conferidos, a Direcção da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, tendo em consideração as questões colocadas pelos órgãos da Câmara

Leia mais

1 Introdução. 2 Exemplo de aplicação

1 Introdução. 2 Exemplo de aplicação Os problemas da utilização de métodos de simulação de cargas térmicas e consumo energético na auditoria energética para verificação dos Requisitos Energéticos dos edifícios por Luís Roriz e Alexandre Gonçalves

Leia mais

yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm

yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwe rtyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyui opasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco :!:!: em foco Conceito O2 Sinta uma lufada de ar fresco Executive Coaching Através do processo de Executive Coaching a Conceito O2 realiza um acompanhamento personalizado dos seus Clientes com objectivo

Leia mais

Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009

Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009 Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009 Os Prémios RH são o reconhecimento público do mérito dos profissionais da Gestão de Recursos Humanos que se distinguem nas suas várias dimensões. É crescente o prestígio

Leia mais

França-Angers: Sistema de gestão de conteúdos Web e atualização de sítio Web 2015/S 233-422700. Anúncio de concurso. Serviços

França-Angers: Sistema de gestão de conteúdos Web e atualização de sítio Web 2015/S 233-422700. Anúncio de concurso. Serviços 1 / 5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:422700-2015:text:pt:html França-Angers: Sistema de gestão de conteúdos Web e atualização de sítio Web 2015/S 233-422700

Leia mais

Conferência Corporate Governance em Espanha e Portugal o que muda. Intervenção do Director Executivo da AEM, Abel Sequeira Ferreira

Conferência Corporate Governance em Espanha e Portugal o que muda. Intervenção do Director Executivo da AEM, Abel Sequeira Ferreira Conferência Corporate Governance em Espanha e Portugal o que muda organizada pela Católica-Lisbon School of Business & Economics com a colaboração da AEM - Associação de Empresas Emitentes de Valores Cotados

Leia mais

Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Curso de Engenharia Eléctrica e Electrónica HUMANOS

Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Curso de Engenharia Eléctrica e Electrónica HUMANOS RECURSOS HUMANOS Disciplina: Gestão Docente responsável: Jaime Martins Autoras Ana Vieira, n.º 30367 Natacha Timóteo, n.º 30381 Faro, 20 de Novembro de 2007 ÍNDICE Introdução 3 Desenvolvimento 1. Recursos

Leia mais

Satisfaça os seus Patrocinadores

Satisfaça os seus Patrocinadores Satisfaça os seus Patrocinadores Orador: Dr. José António Cardoso Director-Geral da Desejo Sem Limites Sinopse Cada vez mais existe a necessidade do promotor adaptar as suas propostas às realidades do

Leia mais

CRIATIVIDADE & INOVAÇÃO NAS EMPRESAS Tornar as coisas simples é normalmente resultado de um trabalho muito complexo

CRIATIVIDADE & INOVAÇÃO NAS EMPRESAS Tornar as coisas simples é normalmente resultado de um trabalho muito complexo CRIATIVIDADE & INOVAÇÃO NAS EMPRESAS Tornar as coisas simples é normalmente resultado de um trabalho muito complexo No contexto conturbado em que as crises económicas e políticas se sucedem, as empresas

Leia mais

LÍNGUA INTERATIVIDADE REVISÃO 2 INTERATIVIDADE. Unidade II. Cultura- A pluralidade na expressão humana. Aula 20. Revisão e avaliação da unidade II.

LÍNGUA INTERATIVIDADE REVISÃO 2 INTERATIVIDADE. Unidade II. Cultura- A pluralidade na expressão humana. Aula 20. Revisão e avaliação da unidade II. Unidade II Cultura- A pluralidade na expressão humana. Aula 20 Revisão e avaliação da unidade II. 2 Ervas O caule das ervas (plantas herbáceas) é geralmente verde, ao contrário das árvores e arbustos.

Leia mais

Future Leaders in Healthcare

Future Leaders in Healthcare Future Leaders in Healthcare faculdade de economia universidade nova de lisboa Sobre o Programa O sector da Saúde enfrenta desafios sem precedentes. O crescimento contínuo das despesas de saúde - com algumas

Leia mais

RELATÓRIO DE TRANSPARÊNCIA RELATIVO AO ANO FINDO EM 31 DEZ 08

RELATÓRIO DE TRANSPARÊNCIA RELATIVO AO ANO FINDO EM 31 DEZ 08 RELATÓRIO DE TRANSPARÊNCIA RELATIVO AO ANO FINDO EM 31 DEZ 08 1. Introdução Nos termos do nº 1 do artigo 62º-A do Decreto-Lei 224/2008, de 20 Nov, os Revisores Oficiais de Contas e as Sociedades de Revisores

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril Estatuto Orgânico da Direcção de Eficácia da Assistência Externa O Estatuto

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

PORQUÊ? O tempo de preparação de equipamentos e dispositivos periféricos do posto de trabalho é uma operação sem valor acrescentado para o produto.

PORQUÊ? O tempo de preparação de equipamentos e dispositivos periféricos do posto de trabalho é uma operação sem valor acrescentado para o produto. Contribuir para a redução do tempo de preparação do sistema produtivo para a execução de um dado lote Aumentar a produtividade e a agilidade da resposta ao mercado PORQUÊ? O tempo de preparação de equipamentos

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO. Turma - 10º N. Professora: Ana Cristina Viegas

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO. Turma - 10º N. Professora: Ana Cristina Viegas CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR Turma - 10º N Professora: Ana Cristina Viegas PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO 1 - Estrutura e Finalidades da Disciplina A disciplina de Economia

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças APEF Ser um Treinador de Sucesso com Crianças Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de Psicologia e Comunicação, Associação Portuguesa

Leia mais

PONTNews Solução Comercial de e-marketing

PONTNews Solução Comercial de e-marketing PONTNews Solução Comercial de e-marketing Dossier de Produto DP010.03 02/01/2009 A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais, cuja principal actividade é implementação de Sistemas de Informação

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Aluguer de linhas de telecomunicação de alta velocidade entre edifícios e fornecimento de acesso à Internet 2015/S 055-095506

Luxemburgo-Luxemburgo: Aluguer de linhas de telecomunicação de alta velocidade entre edifícios e fornecimento de acesso à Internet 2015/S 055-095506 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:95506-2015:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Aluguer de linhas de telecomunicação de alta velocidade entre edifícios

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

O QUE 2009 TROUXE DE NOVO

O QUE 2009 TROUXE DE NOVO 2009 em resumo JANEIRO 2010 O QUE 2009 TROUXE DE NOVO Nos últimos anos, o direito societário tem sido objecto de grandes e importantes reformas legislativas, algumas das quais destinadas à simplificação

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

THEKA Gestão das Colecções

THEKA Gestão das Colecções THEKA Gestão das Colecções Manuela Silva Fevereiro 2007 THEKA Plano da sessão 1 A biblioteca Escolar e a sociedade da informação 1.1. Questões prévias - reflexão 2 A colecção na biblioteca escolar 2.1.

Leia mais

Technical assistance to conduct studies and works of the restructuration of Electra

Technical assistance to conduct studies and works of the restructuration of Electra www.pwc.com/pt Technical assistance to conduct studies and works of the restructuration of Electra Termos de referência para o ajustamento do software aplicacional ELAG para suporte da descentralização

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Livro com atividades para colorir, desenhar, construir, e muito mais! Este livro pertence a

Livro com atividades para colorir, desenhar, construir, e muito mais! Este livro pertence a Livro com atividades para colorir, desenhar, construir, e muito mais! Este livro pertence a CENTRO DE PSICOLOGIA APLICADA DO EXÉRCITO NÚCLEO DE APOIO PSICOLÓGICO E INTERVENÇÃO NA CRISE Edição - Julho 2014

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA PROVA MENTALIDADE E ORGANIZAÇÃO TODO CONTEÚDO DE ENFERMAGEM PARA CONCURSOS CICLO E3R PREPARO PARA O ESTUDO

ESTRATÉGIAS PARA PROVA MENTALIDADE E ORGANIZAÇÃO TODO CONTEÚDO DE ENFERMAGEM PARA CONCURSOS CICLO E3R PREPARO PARA O ESTUDO ESTRATÉGIAS PARA PROVA TODO CONTEÚDO DE ENFERMAGEM PARA CONCURSOS MENTALIDADE E CICLO E3R PREPARO PARA O ESTUDO OBJETIVO DO MÓDULO SEU MAIOR CONCORRENTE É VOCÊ. SE VOCÊ IDENTIFICA OS PRÓPRIOS ERROS E ORGANIZA

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA HARMONIA NA GESTÃO POLICIAL

IMPORTÂNCIA DA HARMONIA NA GESTÃO POLICIAL IMPORTÂNCIA DA HARMONIA NA GESTÃO POLICIAL Chefe da Divisão, Substituto da DICJ da PJ, Chan Kin Hong Como diz um ditado chinês a união das forças dos irmãos é suficiente para cortar o ouro, ou seja, o

Leia mais

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS CONDIÇÕES E DOCUMENTAÇÃO PARA REQUERER CONCESSÃO / RENOVAÇÃO DE ALVARÁ PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

incorporação de um novo colaborador

incorporação de um novo colaborador incorporação de um novo colaborador Manual de Excelência no Serviço 21 4. A Incorporação de um Novo Colaborador Recrutamento e Selecção Antes da incorporação de um novo colaborador no Hotel será obrigatório

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 12 de Março de 2014 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas -

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas - Vários estudos provam que a Gestão de Recursos Humanos é a área mais problemática nas organizações e a que consome grande parte do tempo do empresário. Por outro lado, a área da inovação e do Marketing

Leia mais

LANXESS AG. Axel C. Heitmann Chairman do Conselho de Administração. Driving Growth through Innovation. Discurso de abertura

LANXESS AG. Axel C. Heitmann Chairman do Conselho de Administração. Driving Growth through Innovation. Discurso de abertura LANXESS AG Axel C. Heitmann Chairman do Conselho de Administração Driving Growth through Innovation Discurso de abertura LANXESS Rubber Day São Paulo (Favor verificar em relação à apresentação) 23 de setembro

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO - Processo Seletivo para Preceptoria dos Programas de Residência em Área Profissional da Saúde Seleção 2015/2

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO - Processo Seletivo para Preceptoria dos Programas de Residência em Área Profissional da Saúde Seleção 2015/2 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO - Processo Seletivo para Preceptoria dos Programas de Residência em Área Profissional da Saúde Seleção 2015/2 Nº da Inscrição: Vaga a que concorre: Nº Preenchimento exclusivo da

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

COMPORTAMENTAL, LIDERANÇA e RECURSOS HUMANOS. Comportamental, Liderança e Recursos Humanos

COMPORTAMENTAL, LIDERANÇA e RECURSOS HUMANOS. Comportamental, Liderança e Recursos Humanos Comportamental, Liderança e Recursos Humanos LIDERANÇA DURAÇÃO 21 horas ENQUADRAMENTO O grande desafio do século XXI consiste em conseguir desenvolver o potencial humano como forma de capacitar as organizações

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

intra Perfil do Gestor

intra Perfil do Gestor Perfil do Gestor 35 Entrevista Dinah J. Kamiske, Autoeuropa A internacionalização economia obriga as empresas a tornarem-se mais competitivas. Entrevista de José Branco Dados publicados recentemente prevêem

Leia mais

Marca Pessoal e Carreira Profissional

Marca Pessoal e Carreira Profissional O MERCADO Marca Pessoal e Carreira Profissional Managing Partner da Stanton Chase international Vivemos tempos difíceis! Tempos em que muitos passam por situações de desemprego, alguns têm que aceitar

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais