DOSSIER SUPER ÚTIL. Como gerir recursos humanos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOSSIER SUPER ÚTIL. Como gerir recursos humanos"

Transcrição

1 DOSSIER SUPER ÚTIL Como gerir recursos humanos Sara Moutinho/Ideias & Negócios Texto publicado na edição nº 37 da revista Ideias & Negócios (Julho de 2001) Os recursos humanos são, cada vez mais, o principal capital com que uma empresa pode contar. Não há investimento que sobreviva, ou tecnologia que faça milagres, se os colaboradores da empresa não forem os melhores. Leia-se: se não forem os mais adequados ao objectivo final pretendido. E para que isto seja conseguido, a gestão dos recursos humanos desempenha um papel indispensável. Não é uma tarefa fácil... Para o ajudar, este dossier apresenta-lhe uma síntese de conselhos para melhor orientar os seus colaboradores, a opinião de especialistas em recursos humanos, e algumas dicas para melhor passar da teoria à prática. Saiba por que é importante o recrutamento e selecção de colaboradores, como pode definir políticas de comunicação e planos de formação, quais os aspectos a ter em conta numa avaliação de desempenho, e como manter os seus colaboradores motivados. Pessoas: O maior activo das empresas Recrutamento e selecção Comunicação interna Avaliação de desempenho Políticas de formação Saída de colaboradores O segredo da motivação Feedback de resultados Dinheiro e benefícios Ser criativo Pessoas: o maior activo das empresas Lidar com as pessoas que compõem uma organização empresarial é uma tarefa por vezes árdua, geralmente complicada e quase sempre pouco reconhecida, por não trazer resultados imediatos. É, apesar disso, uma das pedras basilares da gestão de uma empresa. Uma organização que saiba gerir os seus recursos humanos possuirá, a médio prazo, uma importante vantagem competitiva face a outras empresas. Ou não fosse cada vez mais comum ouvir-se a frase o mais importante da minha empresa são as pessoas. A gestão de recursos humanos, porém, não se circunscreve ao departamento da empresa com o mesmo nome. Gestores de recursos humanos devem ser todas as pessoas na organização. Todos aqueles que têm alguém sob sua responsabilidade, e todos aqueles que não tendo alguém sob sua responsabilidade são gestores do seu próprio recurso, que é

2 a própria pessoa, considera Ricardo Luz, director-geral da empresa de consultadoria de gestão Gestluz. A um nível mais global, quer a sua empresa tenha um departamento próprio de recursos humanos ou entregue esta tarefa a uma empresa externa, as linhas de orientação da gestão dos seus colaboradores têm de ser definidas a nível do topo. Mesmo quando a gestão dos recursos humanos é feita por uma empresa externa, a orientação de base deve ser delineada pelos líderes da empresa. Um bom empresário não deixa um consultor substituí-lo na gestão da empresa, e não é um bom consultor aquele que o pretende fazer, frisa. O bom consultor de recursos humanos é, então, aquele que apoia a empresa na definição das suas estratégias. Só depois de a empresa ter perfeitamente traçados os objectivos que pretende atingir, é que pode transmitir essa informação aos seus colaboradores e, paralelamente, definir as competências funcionais de que necessita para atingir os referidos objectivos. Recrutamento e selecção Esta é uma das funções clássicas da gestão de recursos humanos. Na selecção eficaz de colaboradores começa uma boa gestão de recursos humanos. Contratar a pessoa certa para o lugar certo não é tão fácil como parece. Recrutar um profissional que, por muito bom que seja, não é o mais adequado às necessidades da empresa, acaba por custar tempo e dinheiro até que se consiga alinhar a pessoa com essas necessidades. Tendo consciência dos objectivos que se pretendem atingir, é mais fácil saber qual o perfil dos colaboradores a recrutar. A empresa precisa de pessoas já com alguma experiência na área, ou prefere jovens em início de carreira que possa formar e treinar à medida das especificidades da organização? O candidato ideal deve estar completamente orientado para a função pretendida ou deve ser suficientemente flexível para poder desempenhar várias tarefas? Todas estas questões têm de ser devidamente equacionadas para que a sua empresa contrate os funcionários que de facto correspondem às necessidades. Comunicação interna Pergunte aos seus colaboradores se já lhes aconteceu saber novidades sobre a empresa através de pessoas que não trabalham lá ou através de notícias na comunicação social. Se a resposta for sim, frequentemente, é sinal que os canais de comunicação dentro da empresa não estão a funcionar devidamente. A comunicação é actualmente uma das mais poderosas ferramentas na gestão de recursos humanos. O que acontece muitas vezes é que a empresa tem uma estratégia que é conhecida pelos quadros de topo da organização mas que não é conhecida pelos restantes colaboradores. Para Ricardo Luz, essa falta de comunicação não pode acontecer. É fundamental que todas as pessoas na empresa, desde a pessoa que hierarquicamente esteja mais baixa até ao presidente, estejam alinhadas cada um com o seu contributo, da forma que o podem dar e como estiver definido, com aquilo que são os objectivos estratégicos da mesma. Assim, uma boa política de comunicação interna, que dê às pessoas a informação necessária sobre os objectivos da empresa, as estratégias a utilizar e os projectos

3 presentes e futuros, contribuirá fortemente para melhorar a actuação individual e colectiva da organização. Cada vez mais, para que as pessoas se sintam motivadas e acreditem numa organização, têm que sentir que fazem parte dela, diz Ricardo Luz. Para isso, é essencial que haja uma comunicação dentro da equipa, seja ela informacional ou motivacional, por exemplo fornecendo um feedback do trabalho feito ou ouvindo as opiniões e sugestões das pessoas. A comunicação pode passar por diversas formas: reuniões regulares; encontros informais para debater problemas concretos; ou informação sobre planos de acção, projectos ou resultados. E hoje em dia, com as redes informáticas, o correio electrónico e a Internet, não há desculpas para que este processo não seja implementado. Avaliação de desempenho As avaliações de desempenho são importantes ferramentas que auxiliam a gestão da empresa. Importa, porém, ter alguns cuidados na sua realização, não só para que os resultados sejam o mais aproximados da realidade, mas também para não criar um clima infundado de sentimento de perseguição aos seus colaboradores. Antes de iniciar uma avaliação de desempenho, o gestor de recursos humanos deve efectuar alguns trabalhos preparatórios, que incluem a definição, para cada colaborador a ser avaliado, de diversos itens: função, deveres, responsabilidades, objectivos a cumprir, níveis de performance para algumas tarefas-chave, etc. O processo de avaliação propriamente dito apresenta um certo grau de complexidade, pelo que deve ser preferencialmente realizado por um ou mais profissionais especializados. Esta avaliação pode incluir, dependendo da especificidade da organização, relatórios de projectos e actividades, análise de resultados, apreciação de outros colaboradores ou superiores hierárquicos, etc. A avaliação não deve ser feita à revelia do colaborador. Pelo contrário, deverá envolver pelo menos uma reunião onde seja possível discutir a obtenção de resultados, os progressos alcançados, as dificuldades sentidas, e as formas de diminuir os factores mais negativos da sua performance. A avaliação de desempenho pode igualmente servir para traçar novos resultados a atingir, definir um plano de formação mais adequado ou alertar o colaborador para o perigo de uma contínua performance baixa. É importante que os resultados da avaliação não surjam como uma surpresa absoluta, seja ela positiva ou negativa, para o colaborador em causa. Isso implica que regularmente lhe seja dado um feedback adequado e construtivo em relação ao trabalho que tem desempenhado. Deve igualmente ter oportunidade de exprimir uma opinião sobre os resultados da avaliação. Pode ser uma excelente altura para, em conjunto, se debaterem possíveis formas de melhorar os desempenhos menos eficientes, por exemplo através de um plano de formação ou um acompanhamento específico. Políticas de formação Num mundo que evolui a uma velocidade estonteante, com uma concorrência feroz no mercado, os factores que ditam as vantagens críticas de uma empresa são cada vez mais voláteis. Também as competências individuais necessárias se vão modificando. A solução passa por manter os seus colaboradores constantemente disponíveis para a aprendizagem.

4 Definir políticas de formação regulares, à medida das necessidades específicas do seu negócio, pode garantir-lhe a vantagem estratégica face à concorrência. Já acabou há muito o tempo em que as pessoas concluíam um curso e depois podiam descansar porque as competências e os conhecimentos adquiridos eram válidos para toda a vida. Hoje, se não tivermos formação contínua, em menos de um ano estamos obsoletos, nota Ricardo Luz. Esta formação pode, e deve, ser da iniciativa da própria pessoa. Mas isso não tira responsabilidades à empresa no que diz respeito à melhoria da formação dos seus colaboradores até porque vai beneficiar grandemente dessa actualização. O gestor de recursos humanos deve manter-se permanentemente atento às mudanças do mercado, às necessidades da empresa, aos meios a que pode recorrer para implementar essa formação. As políticas de formação diferem muito conforme o sector em que a empresa se insere e o tipo de colaboradores que possui. Sabendo quais as competências funcionais que cada pessoa tem, é mais fácil definir uma política de formação para a empresa. Naturalmente, nem todas as pessoas vão precisar da mesma formação, pelo que será necessário delinear acções de formação concretas e estabelecer timings para a sua realização. É igualmente vantajoso recorrer aos resultados das avaliações de desempenho, já que pode ser necessário apostar em formação individual para determinados colaboradores. Embora muitas pessoas torçam o nariz ao ouvir a expressão acção de formação, a verdade é que esta não precisa de ser enfadonha e maçadora como muitas vezes é acusada de ser, nem ter o carácter de obrigatoriedade que regra geral lhe é dado. A Jazztel, por exemplo, tem uma política de formação um pouco diferente da habitual, envolvendo uma dupla vertente de mobilidade e desenvolvimento de competências. Isabel Viegas, directora de Recursos Humanos da Jazztel, explica como funciona: O objectivo é fazer uma inversão do princípio da oferta e da procura. Normalmente a formação é oferecida aos colaboradores; neste caso, são as pessoas que a procuram. Quando as pessoas sentem que necessitam de especialização ou formação numa determinada área, são elas que tomam a iniciativa de a procurar. Embora a empresa de telecomunicações também proponha alguns programas de formação tradicionais, a regra é apostar no desenvolvimento individual. Saída de colaboradores Mais cedo ou mais tarde, vai ter que se debater com este problema. Ninguém é insubstituível, já se sabe, mas a saída de um colaborador pode causar alguns transtornos nos primeiros tempos. Antes mesmo de começar a procurar outra pessoa para o lugar, tente perceber por que é que o colaborador quer sair da empresa. Está descontente com o trabalho que realizou ou foi convidado a mudar para um projecto mais aliciante? Sai por motivos pessoais ou relacionados com a evolução da carreira? Coloca a hipótese de eventualmente um dia poder regressar à empresa ou nem quer ouvir falar disso? A empresa e os seus colaboradores evoluem naturalmente com o passar do tempo... Podem no entanto surgir problemas quando o crescimento não é no mesmo sentido, ou os objectivos de cada um são divergentes. Há pessoas que atingem um determinado patamar de responsabilidades e querem ficar por aí, porque se sentem bem naquilo que estão a fazer. Outras, pelo contrário, têm mais ambição e querem sempre continuar a subir. Nenhuma das duas atitudes é condenável; tudo depende das características pessoais de

5 cada colaborador e das necessidades específicas da empresa num dado momento. Quando não é possível conciliar os interesses de ambas as partes, acaba por surgir o fim da relação contratual. Não é drama nenhum, assegura Ricardo Luz. Se a direcção da empresa, em conjunto com o gestor de recursos humanos, compreender as razões que levaram um colaborador a sair, mais facilmente tenta evitar novas saídas. Por vezes basta apenas melhorar alguns aspectos organizacionais ou corrigir situações de desequilíbrio. Hoje em dia a mobilidade profissional é muito maior do que há alguns anos atrás. O importante é que tanto a empresa como o colaborador tenham dado o seu melhor durante a relação profissional que mantiveram. Se a saída do colaborador for pacífica, nada impede que um dia mais tarde volte a integrar-se na empresa. O segredo da motivação Saber manter uma equipa coesa, interessada e produtiva é actualmente um dos maiores desafios que se colocam a um gestor de recursos humanos. Mas que estratégias de motivação podem ser utilizadas? Quase poderíamos dizer que para definir estas estratégias seria preciso estudar um a um todos os casos... Não há soluções milagrosas para a motivação, afirma categoricamente Isabel Viegas. Podem no entanto encontrar-se alguns factores que, de uma forma mais ou menos consensual, contribuem positivamente para aumentar a motivação dos funcionários de uma empresa. A começar pela própria função desempenhada pelo colaborador. Cada vez mais acredito que aquilo que liga uma pessoa à empresa é o projecto, afirma Isabel Viegas. Ver a carteira de clientes da empresa aumentar dia após dia, por exemplo, e saber que uma parte desse crescimento deriva do esforço que realizou é fonte de satisfação para o colaborador. O tempo que as pessoas passam na empresa é cada vez maior. E muitas vezes trabalha-se à noite, ao fim-de-semana... Se as pessoas não se sentirem realizadas naquilo que fazem, com a agravante de terem cada vez menos tempo para elas próprias e para a sua família, a pressão vai ser imensa. E, inevitavelmente, o seu empenho e produtividade profissional vão decair. Feedback de resultados Ter um feedback do que se faz é também essencial para manter um colaborador motivado. Isto é válido tanto para os objectivos que são alcançados como para os erros que inevitavelmente se cometem. É preciso que as pessoas possam errar, sustenta Ricardo Luz. Muitas vezes as pessoas têm funções que teoricamente lhes dão o direito de tomar determinadas decisões. O problema é quando elas tomam essas decisões e erram... nesse caso é-lhes retirado esse poder, ou então é-lhes criticada a decisão. Quando isto acontece, dificilmente as pessoas vão tomar uma decisão novamente. O que se deve fazer numa situação de erro é, juntamente com o colaborador em causa, descobrir os motivos e a forma de o evitar no futuro. É que, defende o director-geral da Gestluz, as empresas cada vez funcionam menos na lógica da ordem, do tens que fazer isso porque tens que fazer. Se nós tratarmos as pessoas como inteligentes, elas respondem como pessoas inteligentes. Aquela velha frase

6 que ainda hoje se ouve em alguns sítios, eu pago-te para fazeres, não para pensares, devia ser abolida completamente das empresas. Dinheiro e benefícios A remuneração é, sem dúvida, um factor de motivação para um colaborador. Só que, muitas vezes, não é o factor primordial. Tudo depende da hierarquia das necessidades, como refere Ricardo Luz: É complicado motivar pessoas que ganham aquilo que é quase o básico para sobreviverem. Basta ver o tecido industrial português... E depois, a remuneração tem sempre um impacto de curto prazo. Para o director da Gestluz, o incentivo do dinheiro só produz efeito nos primeiros meses. Depois, passa a ser um dado adquirido, desaparecendo a motivação inicial. Além de uma remuneração competitiva, há uma série de outros factores que contribuem para a motivação, como a existência de oportunidades de desenvolvimento de competências, ou a possibilidade de progressão na carreira. E convém não esquecer alguns benefícios adicionais que, embora isoladamente possam não significar muito, ajudam a tornar o bolo mais atractivo. Por exemplo, o facto de se oferecer um horário flexível, um regime de férias mais alargado, a participação no capital da empresa através de stock options, a possibilidade de receber um bónus anual ou um qualquer tipo de prémio... Ser criativo O que é indispensável, diz Isabel Viegas, é que a estratégia de motivação seja coerente. Para que isso aconteça, temos de voltar ao início: comunicação. Um gestor de recursos humanos tem de acompanhar os negócios da empresa permanentemente, saber o que está a ser feito e quais são os alvos que quer atingir. Só assim é possível pensar simultaneamente nos objectivos da empresa e nas pessoas que lá estão. A título de exemplo, na Jazztel é realizada semanalmente uma happy hour, na qual se juntam as cerca de 140 pessoas da empresa, para trabalhar resultados, partilhar dificuldades e unir esforços. Todas as pessoas participam. Assim sentem que não são meros objectos, reforça Isabel Viegas. Outros mecanismos que têm contribuído para reforçar a motivação na empresa de telecomunicações incluem a participação dos colaboradores em áreas da empresa que não aquelas em que são especializadas, de modo a poderem oferecer um olhar diferente sobre os problemas e os projectos; e um projecto de cidadania, através do qual os funcionários apoiam instituições locais com trabalho voluntário. Isabel Viegas refere que tem sido uma experiência muito enriquecedora. É, portanto, uma questão de encontrar soluções criativas, remata. Departamento próprio ou outsourcing? Tudo depende da dimensão da sua empresa. Grandes organizações, que integram centenas de pessoas, não podem passar sem um departamento especializado de recursos humanos. No caso de empresas menores, o cenário pode ser diferente. Um departamento de recursos humanos numa PME pode até, na opinião de Ricardo Luz, ser

7 contraproducente. Qualquer departamento administrativo ou de apoio à gestão não produz riqueza directamente. Uma empresa que facture 100 mil contos e tenha um departamento que lhe custa 10 ou 15 mil e que não está directamente a produzir riqueza para a empresa se calhar não tem possibilidade de fazer este investimento que não pode recuperar. Por isso, muitas vezes é mais rentável para as pequenas empresas recorrer a consultores externos, que as auxiliam a gerir os recursos humanos. Aspirina jurídica Para evitar dores de cabeça e litígios dentro da equipa, é essencial que a gestão dos recursos humanos seja feita garantindo o cumprimento dos direitos e deveres de ambas as partes, colaborador e empresa. Ajuda por isso ter alguns conhecimentos de legislação laboral. Elaboração de contratos, cláusulas de não-concorrência ou de segredo profissional, regime de férias, feriados e faltas, regime de remunerações acessórias, cessação de contratos... É uma boa ideia, se não conhece a legislação a fundo, contar com a ajuda de um jurista especializado em Direito do Trabalho. Ricardo Luz - Director-geral da empresa de consultadoria de gestão Gestluz Um consultor nunca deve substituir a empresa Ideias & Negócios Como é feita a gestão dos recursos humanos pelas empresas portuguesas? Ricardo Luz Há várias realidades. Por vezes ainda se confunde a gestão dos recursos humanos com a gestão administrativa dos recursos humanos, sobretudo nas PME. Tratase do pagamento de salários e pouco mais. Há outras PME onde já há uma grande preocupação por esta questão. No nosso conceito, ter uma preocupação pela gestão dos recursos humanos não implica obrigatoriamente ter um departamento próprio para esta área. A função de recursos humanos é tão importante que deve ser sempre tratada e liderada ao nível de topo da empresa, independentemente de depois existir um departamento formal para passar das decisões à prática. I&N Que vantagens tem a gestão de recursos humanos feita por uma empresa externa? RL Permite ter apoio externo para ajudar a elaborar uma política de gestão de recursos humanos. Mas nunca deve ser entregue totalmente a uma empresa externa. Um consultor nunca deve substituir a empresa. Deve ajudá-la a definir a sua estratégia, os factores críticos a que tem que responder para ser competitiva no mercado, as competências centrais que deve desenvolver. Depois, deve ajudar a formar e a desenvolver os recursos humanos, de forma a que eles tenham as competências pessoais que permitam responder

8 a essas competências empresariais, de maneira a que aquilo que é a empresa esteja perfeitamente alinhado com aquilo que são as pessoas. I&N Como é que se faz essa ligação? RL Passa muito por sabermos exactamente que contributo é que queremos de cada pessoa. Muito mais do que definir quais são as posições formais das pessoas, é saber que competências é que nós queremos ter na empresa, e de que forma é que podemos criar essas competências. Isso envolve também uma política de comunicação e informação para todas as pessoas. Para que as pessoas se sintam motivadas e acreditem numa organização, elas têm que sentir que fazem parte dessa organização. Delegar também é gerir Acontece-lhe frequentemente ter um desabafo do género quando eu não estou na empresa as coisas não funcionam? Se respondeu sim a esta questão, saiba que este é um dos principais indicadores de que não está a ser feita uma boa gestão dos recursos humanos. É sinal que a organização não sabe pensar por si própria, e que os seus colaboradores ou não conseguem resolver problemas da melhor forma, ou não lhes é dada essa possibilidade. Solução? Comece por se assegurar que as pessoas efectivamente têm as competências necessárias para cumprir as funções pedidas e, no caso de isso não acontecer, dê-lhes a formação e orientação que precisam. Depois, só tem de perder o medo de delegar tarefas e responsabilidades. Senão... Uma empresa pode ter o líder mais fantástico do mundo, mas se não conseguir colocar a organização a pensar e a trabalhar por si para atingir objectivos, chega a um ponto a partir do qual o crescimento não é possível, alerta Ricardo Luz. Isabel Viegas Directora de Recursos Humanos da Jazztel Não há soluções milagrosas para a motivação Ideias & Negócios Quais os principais desafios que enfrenta um gestor de recursos humanos? Isabel Viegas As preocupações mudam mediante as fases da vida da empresa. No caso de uma start-up, o principal desafio é o de atrair talento para a empresa. Quando a empresa já está mais avançada, já é mais o de garantir a motivação dos quadros no

9 projecto, embora se continue a dar importância à atracção de talento. É necessário garantir que temos as competências de que precisamos e encontrar ferramentas de motivação que garantam que o know-how fique na empresa. A um gestor de recursos humanos é pedida muita criatividade para encontrar estas soluções. Tem de acompanhar os negócios da empresa permanentemente, e saber quais são os targets que quer atingir. I&N Como se pode motivar um colaborador? IV Cada vez acredito mais que o que liga uma pessoa à empresa é o projecto, aquilo que a pessoa está a fazer. Obviamente, em complemento surgem outras coisas: a competitividade de remunerações, um regime de férias diferente, a disponibilidade de tempo para a família, etc. O alcance dos resultados também é importante, quando no diaa-dia se vêem os clientes a crescer. O essencial é que tudo isto seja feito de uma forma coerente. Não há soluções milagrosas para a motivação. I&N As políticas de formação são também orientadas pelo departamento de recursos humanos? IV Sim. Numa empresa com níveis de qualificação elevados, as políticas de formação são muito específicas. A nossa metodologia, por exemplo, envolve duas vertentes: a mobilidade e o desenvolvimento de competências. O objectivo é fazer uma inversão do princípio da oferta e da procura. Normalmente a formação é oferecida aos colaboradores; neste caso, são as pessoas que a procuram. Quando sentem que necessitam de especialização numa determinada área, são elas que tomam a iniciativa de procurar essa formação. Para que isto funcione, temos de ter recursos que possamos alocar às necessidades de cada pessoa. Naturalmente há também acções de formação tradicionais, propostas pela empresa. Porquê ficar? Um estudo elaborado pelo Hay Group, citado no site concluiu que as cinco principais razões que levam um colaborador a permanecer na empresa são: 1 - Oportunidade de desenvolver novas competências 2 - Acompanhamento e feedback dado pelo chefe 3 - Equipa de direcção talentosa 4 - Tratamento com respeito 5 - Reconhecimento de um trabalho bem feito A título de curiosidade, refira-se que a remuneração figurava apenas no oitavo lugar da lista de razões mais apresentadas. O estudo foi realizado entre 1996 e 1999, tendo sido entrevistados 500 mil empregados de 300 empresas norte-americanas. Um estudo semelhante aplicado ao mercado português revelaria ou não resultados semelhantes?

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4 APRENDA A SER INOVADOR PARA FICAR À FRENTE DA CONCORRÊNCIA QUAIS OS PASSOS NECESSÁRIOS PARA PLANEAR E REALIZAR UMA CONFERÊNCIA ONLINE DE SUCESSO! COMO DAR AULAS NUMA SALA DE AULA VIRTUAL! CONTEÚDOS Como

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

4. Princípios da Gestão da Qualidade

4. Princípios da Gestão da Qualidade FEUP MIEIG & MIEM Ano letivo 2013/14 Disciplina: Gestão da Qualidade Total Parte 1: Fundamentos de Gestão da Qualidade 4. Princípios da Gestão da Qualidade (v1 em 2 de setembro) José A. Faria, jfaria@fe.up.pt

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 1. Participação especial da Católica Lisbon School of Business & Economics 2. Guia do Mercado Laboral os factos 3

ÍNDICE. Introdução 1. Participação especial da Católica Lisbon School of Business & Economics 2. Guia do Mercado Laboral os factos 3 GUIA DO MERCADO LABORAL 2015 ÍNDICE Introdução 1 Participação especial da Católica Lisbon School of Business & Economics 2 Guia do Mercado Laboral os factos 3 Inquérito a empregadores e profissionais qualificados

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS. Recursos Humanos. AIMinho Associação Industrial do Minho

CADERNOS TÉCNICOS. Recursos Humanos. AIMinho Associação Industrial do Minho CADERNOS TÉCNICOS Recursos Humanos AIMinho Associação Industrial do Minho CADERNOS TÉCNICOS Recursos Humanos AIMinho Associação Industrial do Minho 2 ÍNDICE caderno técnico Normalização 1. Como gerir recursos

Leia mais

CONSTELAÇÕES ORGANIZACIONAIS. por Gunthard Weber & Brigitte Gross

CONSTELAÇÕES ORGANIZACIONAIS. por Gunthard Weber & Brigitte Gross CONSTELAÇÕES ORGANIZACIONAIS por Gunthard Weber & Brigitte Gross O presente ensaio fala das primeiras experiências colhidas com a transposição do trabalho de colocação de Bert Hellinger (Weber, 1993; Hellinger,

Leia mais

MOTIVAÇÃO. Alan G. Robinson Autor do livro Ideas are Free

MOTIVAÇÃO. Alan G. Robinson Autor do livro Ideas are Free MOTIVAÇ ÃO MOTIVAÇÃO Em cada dia, em todo o mundo, milhões de empregados identificam problemas e oportunidades que as suas chefias não conseguem ver e têm centenas de ideias para poupar tempo, ou dinheiro,

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

ZADEK, Simon (2001), The Civil Corporation: the New Economy of Corporate Citizenship

ZADEK, Simon (2001), The Civil Corporation: the New Economy of Corporate Citizenship ZADEK, Simon (2001), The Civil Corporation: the New Economy of Corporate Citizenship Mariana Leite Braga Investigadora Estudante de mestrado no ISCTE Grau Académico: Licenciatura em Sociologia Conceitos-chave:

Leia mais

Intervenção do Secretário Regional da Presidência Apresentação do projecto Incube = Incubadora de Empresas + Júnior Empresa.

Intervenção do Secretário Regional da Presidência Apresentação do projecto Incube = Incubadora de Empresas + Júnior Empresa. Intervenção do Secretário Regional da Presidência Apresentação do projecto Incube = Incubadora de Empresas + Júnior Empresa. 17 de Março de 2011, Salão Nobre da Reitoria da Universidade dos Açores Magnífico

Leia mais

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012 Property & Construction Property & Construction Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page Estudos de Remuneração 2012 - Property & Construction 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012,

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

Desempenho e Disponibilidade da Internet em Portugal em 2006 MarketWare

Desempenho e Disponibilidade da Internet em Portugal em 2006 MarketWare Desempenho e Disponibilidade da Internet em Portugal em MarketWare O ano de registou uma ligeira melhoria na qualidade de serviço percepcionada nos sites do Índice MarketWare. O valor anual de.9 segundos

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Programa Avançado de Gestão

Programa Avançado de Gestão PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão Com o apoio de: Em parceria com: Nova School of Business and Economics Com o apoio de: PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão A economia Angolana enfrenta hoje

Leia mais

Serviço de Clientes CARTA DE QUALIDADE

Serviço de Clientes CARTA DE QUALIDADE Serviço de Clientes CARTA DE QUALIDADE Os nossos 7 compromissos para com os nossos clientes e parceiros oferecendo serviços de alta qualidade Pretendem os: 1. Uniformizar a qualidade dos serviços que prestamos

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS: O NOVO DESAFIO DO GERENTE DE PROJETOS

GESTÃO DE PESSOAS: O NOVO DESAFIO DO GERENTE DE PROJETOS GESTÃO DE PESSOAS: O NOVO DESAFIO DO GERENTE DE PROJETOS Carolina Kellen Drummond Salgado * Bacharel em Relações Internacionais (PUC-MG), funcionária da GRD Minproc. Pós-Graduada em Administração de Compras

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade. das Indústrias Criativas. da Universidade de São José

Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade. das Indústrias Criativas. da Universidade de São José Correspondente especial Vanessa Amaro www.usj.edu.mo Formar talentos para contribuir para o sucesso das indústrias criativas em Macau Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade das Indústrias Criativas

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

Business Coach - para homens de negócio que querem passar ao próximo nível.

Business Coach - para homens de negócio que querem passar ao próximo nível. Business Coach - para homens de negócio que querem passar ao próximo nível. Há vários tipos de empresários: Os que trabalham no negócio, têm na realidade um trabalho por conta própria, são muitas vezes

Leia mais

Investigação científica aproxima meio académico das empresas

Investigação científica aproxima meio académico das empresas Investigação científica aproxima meio académico das empresas Maria José Fernandes, responsável pela primeira unidade de investigação nas áreas da Contabilidade e da Fiscalidade em Portugal, acredita que

Leia mais

O Mercado Porquê a MarketSales?

O Mercado Porquê a MarketSales? PISTAS PROPÓSITO PROCESSO PRAGMATISMO PRÉMIO PISTAS [1º P] O Mercado Porquê a MarketSales? Identificação de uma fragilidade de mercado. Inexistência de empresas que respondam de forma integrada a esta

Leia mais

Que comparação se pode fazer entre esta situação e a situação das mulheres europeias, nos respectivos países? (quer justificar)

Que comparação se pode fazer entre esta situação e a situação das mulheres europeias, nos respectivos países? (quer justificar) TESTEMUNHO CADERNO ESPECIAL JAMILA MADEIRA EURODEPUTADA Enquanto mulher, mas também deputada, como vê a presença feminina na Ciência em Portugal? A participação das mulheres nas várias vertentes da sociedade

Leia mais

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Outubro de 2009 Agenda EM DESTAQUE Estágios e Suplemento ao Diploma- uma aposta no futuro! Índice Nota Editorial Eventos/Notícias Na Primeira Pessoa Manz

Leia mais

Criando uma equipe vencedora

Criando uma equipe vencedora Criando uma equipe vencedora Como montar uma equipe vencedora? Hoje em dia, empresas de todos os tamanhos têm um objetivo em comum: fazer mais com menos. Desde a crise financeira global, alcançar novos

Leia mais

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas).

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas). SI INOVAÇÃO [Projectos PROVERE] Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 15/SI/2011 Aberto concurso para a implementação dos PROVERE Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos que pretendem

Leia mais

O sonho do treinador específico = Sonho de guarda-redes Apenas 32 equipas profissionais, o que não impede a exigência de profissionalismo noutras divisões Num mundo de poucas oportunidades, só a qualidade

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

O meu. Às vezes penso em como seria bom se o dia tivesse 35. Tempo 194 [ SAÚDE] Aprenda a gerir o seu dia-a-dia e ganhe espaço para tudo

O meu. Às vezes penso em como seria bom se o dia tivesse 35. Tempo 194 [ SAÚDE] Aprenda a gerir o seu dia-a-dia e ganhe espaço para tudo 194 [ SAÚDE] O meu Aprenda a gerir o seu dia-a-dia e ganhe espaço para tudo Especialistas e gestores de topo juntam-se num guião em 16 passos para esticar o tempo e ganhar uma vida nova por Carmen Saraiva

Leia mais

EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO. Fundo para Investidores Qualificados. Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO.

EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO. Fundo para Investidores Qualificados. Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO. EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO Fundo para Investidores Qualificados Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO 1 Sujeito a autorização e à supervisão pela CMVM (Comissão do Mercado de Valores

Leia mais

O FELIZ NEWS UMA COLECÇÃO TRIMESTRAL DE PALAVRAS E PROJECTOS

O FELIZ NEWS UMA COLECÇÃO TRIMESTRAL DE PALAVRAS E PROJECTOS O FELIZ NEWS UMA COLECÇÃO TRIMESTRAL DE PALAVRAS E PROJECTOS Nº 5 MAIO 2015 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA António Feliz Presidente do Conselho de Administração Realidades e desafios rumo à internacionalização

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS DIRECTRIZES DA APORMED AOS SEUS ASSOCIADOS SOBRE AS INTERACÇÕES COM OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E O MERCADO DE PRODUTOS DE SAÚDE Documento aprovado na Assembleia-Geral

Leia mais

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português Tertiary Education for the Knowledge Society Summary in Portuguese O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento Sumário em Português O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento fornece uma investigação

Leia mais

Líderes do Coração. A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes

Líderes do Coração. A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes Líderes do Coração A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes O que é? Líderes do Coração é um programa que cria espaços de estudo, reflexão e prática da arte da liderança, partindo do pressuposto

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Parceiros Estratégicos: Hospital Particular do Algarve CONFERÊNCIA TURISMO 2020 PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Turismo e Fundos Comunitários. Que futuro? O caso do Algarve

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Eduardo Branco, presidente da APAN. É preciso. regressar. ao consumo. Pág. 30

Eduardo Branco, presidente da APAN. É preciso. regressar. ao consumo. Pág. 30 Eduardo Branco, presidente da APAN É preciso regressar ao consumo Pág. 30 Fátima de Sousa jornalista fs@briefing.pt "A quadratura do círculo é sermos mais eficientes, ou seja, conseguirmos fazer mais com

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

Para responder a essa necessidade das organizações, a GALILEU desenvolveu o Fast Track MBA GALILEU.

Para responder a essa necessidade das organizações, a GALILEU desenvolveu o Fast Track MBA GALILEU. Fast Track MBA GALILEU Gestão - MBA Nível: Avançado Duração: 112h Sobre o curso Vivemos uma época fortemente competitiva e marcada por desafios constantes, onde os recursos mais qualificados serão o motor

Leia mais

A MAGIA DA MATEMÁTICA

A MAGIA DA MATEMÁTICA A MAGIA DA MATEMÁTICA Helena Rocha, Isabel Oitavem Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa hcr@fct.unl.pt, oitavem@fct.unl.pt Introdução Todos os professores se preocupam com as

Leia mais

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Objectivos Definição de estrutura organizacional. Descrever a configuração e as

Leia mais

Estratégias 16-12-2007. Margens de Lucro. Se estiver constantemente a fazer descontos, para quê então ter um preço regular?

Estratégias 16-12-2007. Margens de Lucro. Se estiver constantemente a fazer descontos, para quê então ter um preço regular? Margens de Lucro 1 - Aumente os preços/margens Isto é tão simples quanto parece: suba os preços 10% ou mais. 2 - Venda mais produtos/serviços com margens elevadas Porque não mudar para produtos com maiores

Leia mais

Posição sobre o Ensino Qualificante

Posição sobre o Ensino Qualificante Posição sobre o Ensino Qualificante Índice Índice... 1 Introdução... 2 Educação e Formação Profissional de Dupla Certificação... 3 Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF)... 3 Cursos Tecnológicos...

Leia mais

Princípios de liderança e gestão

Princípios de liderança e gestão Schmitt-Elevadores, Lda Arroteia Via Norte 4466-953 S. Mamede de Infesta Tel +351-229 569 000 Fax +351-229 569 009 info@schmitt-elevadores.com www.schmitt-elevadores.com 1 Princípios de liderança e gestão

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Evocar hoje, dia 8 de Março de 2007, o Tratado que instituiu a Comunidade Económica Europeia, assinado em Roma há 50

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

Relações Humanas 10 COISAS QUE SÓ OS MUITO AMIGOS LHE DIRÃO 5 COISAS QUE PODEMOS FAZER PARA ATENDER MELHOR NOSSO CLIENTE INTERNO

Relações Humanas 10 COISAS QUE SÓ OS MUITO AMIGOS LHE DIRÃO 5 COISAS QUE PODEMOS FAZER PARA ATENDER MELHOR NOSSO CLIENTE INTERNO ALTA GERÊNCIA Ditados para sair da crise O desafio de tomar decisões acertadas Rentabilize os bens da empresa Repensando os processos da empresa Você tem um sucessor preparado? ATENDIMENTO Os 10 vícios

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa transferência comuns. No que toca à rede regional, a cooperação já foi iniciada há algum tempo com o projecto do Sistema Regional de Transferência e Tecnologia que está em curso. No âmbito da rede este

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

Concurso de ingresso para a formação inicial no Centro de Estudos Judiciários Tribunais Administrativos e Fiscais Abril 2014, segunda chamada

Concurso de ingresso para a formação inicial no Centro de Estudos Judiciários Tribunais Administrativos e Fiscais Abril 2014, segunda chamada Concurso de ingresso para a formação inicial no Centro de Estudos Judiciários Tribunais Administrativos e Fiscais Abril 2014, segunda chamada Grelha de correcção e avaliação I. O presente documento deve

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

Ano lectivo: 2013 / 2014

Ano lectivo: 2013 / 2014 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS, SOCIAIS E HUMANAS ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Ano lectivo: 2013 / 2014 Data: 12 de Junho de 2013 Duração: 2h00m LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Leia mais

Porto Editora acentua ganhos de produtividade e eficiência com investimento em tecnologia Microsoft

Porto Editora acentua ganhos de produtividade e eficiência com investimento em tecnologia Microsoft Microsoft Exchange Server 2007 Caso de Estudo Microsoft Porto Editora Porto Editora acentua ganhos de produtividade e eficiência com investimento em tecnologia Microsoft Sumário País Portugal Sector Cultura

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Ficha Técnica Título:

Ficha Técnica Título: Gestão e Avaliação do Desempenho 1 2 Ficha Técnica Título: Gestão e avaliação do desempenho Entidade Promotora: Paradoxo Humano Entidade Parceira: IFH - Instituto de Formação para o Desenvolvimento Humano

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK Jéssica Fernanda Torres 1 Larissa Custódio Grosseli 2 Solange Suffi Barbosa 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO A qualidade de vida no

Leia mais

O caso Português O EMPREENDEDORISMO NO ÂMBITO DA ECONOMIA DO CONHECIMENTO SEMANA NACIONAL DE BUSINESS ANGELS. 26 de Setembro de 2008

O caso Português O EMPREENDEDORISMO NO ÂMBITO DA ECONOMIA DO CONHECIMENTO SEMANA NACIONAL DE BUSINESS ANGELS. 26 de Setembro de 2008 4,5/4,5 CM 4,5/4,5 CM 4,5/4,5 CM 4,5/4,5 CM SEMANA NACIONAL DE BUSINESS ANGELS O EMPREENDEDORISMO NO ÂMBITO DA ECONOMIA DO CONHECIMENTO O caso Português LUIS MIRA AMARAL Mestre em Economia Professor Catedrático

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL E APRESENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA PARA A ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA CAF (COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK)

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL E APRESENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA PARA A ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA CAF (COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK) DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL E APRESENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA PARA A ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA CAF (COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK) Equipa de Auto-Avaliação da CAF: Anabela Silva, Ercilia Braga,

Leia mais

Isabel Beja. Gestão Estratégica

Isabel Beja. Gestão Estratégica Isabel Beja Gestão Estratégica Financiamento: Entidade Coordenadora Local Entidade Promotora Objectivos Objectivo Geral A importância de uma correta definição de missão, visão e dos valores da instituição;

Leia mais

CURSO ONLINE LIDERANÇA

CURSO ONLINE LIDERANÇA CURSO ONLINE LIDERANÇA 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 LIDERANÇA _O que é Liderança _Liderança Formal e Informal _Funções do Líder 4 O QUE É LIDERANÇA?

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

'Crowdfunding' A multidão faz o projecto

'Crowdfunding' A multidão faz o projecto 'Crowdfunding' A multidão faz o projecto Paulo Duarte Filipa Carretas e Jorge Sá, promotores do projecto Mo.ca, receberam um financiamento de 1.444 euros, proveniente de 28 apoiantes. Será que a nova ideia

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

Relatório Grupos de Matemática Yahoo

Relatório Grupos de Matemática Yahoo Helena Margarida Fernandes Neves Março 2013 Relatório Grupos de Matemática Yahoo Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do Ensino Básico e no Secundário Universidade de Coimbra Meios Computacionais

Leia mais

Preparação da época de exames

Preparação da época de exames Preparação da época de exames Sugestões para os estudantes Imagem de http://jpn.icicom.up.pt/imagens/educacao/estudar.jpg A preparação para os Exames começa no início do Semestre O ritmo de exposição da

Leia mais

Otrabalho diferenciado de aprendizagem

Otrabalho diferenciado de aprendizagem REVISTA N.º 27 09/07/07 19:52 Page 38 O Tempo de Estudo Autónomo na Aprendizagem da Língua Estrangeira: Treinar, Consolidar, Aprofundar Conhecimentos e Competências Maria Dulce Abreu* A acção educativa

Leia mais

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho.

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho. Crise económica e flexibilização do direito do trabalho, segundo o Memorando de Entendimento entre o Governo Português, e o FMI/BCE/Comissão Europeia, vulgo, TROIKA Antes de entrar na análise desta questão,

Leia mais

PROJECTO PME SOCIAL O PROJECTO PME SOCIAL

PROJECTO PME SOCIAL O PROJECTO PME SOCIAL O Sensibilizar e incentivar as empresas a assumirem uma postura social, ambiental e energética mais responsável, adoptando medidas e estratégias de actuação mais eficientes e sustentáveis. Pretende-se

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 210 31 de Outubro de 2007 7964-(7) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Decreto-Lei n.º 357-A/2007 de 31 de Outubro O presente decreto -lei transpõe para

Leia mais

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas Prefácio Quando a Declaração de Lima, das directivas sobre os princípios do controlo, foi adoptada por unanimidade pelos delegados

Leia mais

A importância do treinamento em grandes corporações: Um estudo de caso na empresa Schincariol

A importância do treinamento em grandes corporações: Um estudo de caso na empresa Schincariol 1 A importância do treinamento em grandes corporações: Um estudo de caso na empresa Schincariol RESUMO Bruna Aparecida Pereira RAYMUNDO 1 Cristiane Aparecida RABELO 2 Emerson Pallotta RIBEIRO 3 Humberto

Leia mais

Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu

Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu 1 Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu Jorge Lima (*) Eurydice é a rede de informação sobre a educação na Europa, criada por iniciativa da Comissão Europeia

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Liga Nacional Contra a Fome

Liga Nacional Contra a Fome Liga Nacional Contra a Fome IPSS de Utilidade Pública.Relatório de Gestão. Exercício 2015 -Março de 2016- Liga Nacional Contra a Fome IPSS de Utilidade Pública A Liga Nacional Contra a Fome é uma Instituição

Leia mais

Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego

Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego Terça-feira, 10 de dezembro de 2013 Atualizado em 10/12/2013 08h00 Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego Profissional deve pesar salário, plano de carreira, horário, entre outros.

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

PREÂMBULO...2 1. BREVE DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DESPORTIVO...4

PREÂMBULO...2 1. BREVE DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DESPORTIVO...4 PREÂMBULO...2 1. BREVE DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DESPORTIVO...4 2. PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO DESPORTO...6 2.1. VISÃO, OBJECTIVOS E COMPROMISSOS NACIONAIS...7 2.2. OBJECTIVOS E COOPERAÇÃO ENTRE

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações In partnership: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS Guilherme Yuji FUKUMOTO 1 Gabriel Samorano MARINS 2 Roberta CAVALCANTE 3 RESUMO: Recrutamento e Seleção de Pessoal nada mais é que uma ferramenta funcional de todas as

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

1 Apresentação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS. Tudo a ver com as minhas Competências. Opção. Powerpoint. Emanuel Sousa 20 de Outubro de 2015

1 Apresentação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS. Tudo a ver com as minhas Competências. Opção. Powerpoint. Emanuel Sousa 20 de Outubro de 2015 1 Apresentação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Emanuel Sousa 20 de Outubro de 2015 Opção Tudo a ver com as minhas Competências. Apresentação Imp. 24/0 leaderconsulting.info 2 Apresentação O que é a Gestão por

Leia mais

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos:

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos: Errata Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E - mail: Outros contactos: 1 Edição Instituto da Segurança Social, I.P. Coordenação e Supervisão Técnica Departamento

Leia mais

5ª CONFERÊNCICA ANUAL DA AME. Associação Mutualista dos Engenheiros 19.06.2015

5ª CONFERÊNCICA ANUAL DA AME. Associação Mutualista dos Engenheiros 19.06.2015 5ª CONFERÊNCICA ANUAL DA AME Associação Mutualista dos Engenheiros 19.06.2015 António Cândido SS da Silva Banco Alimentar contra a Fome - Porto 1- Bancos Alimentares-História Em 1990 um grupo de pessoas

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 4

Transcrição de Entrevista nº 4 Transcrição de Entrevista nº 4 E Entrevistador E4 Entrevistado 4 Sexo Masculino Idade 43 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais