Palavras-chave: Pequenas e Médias Empresas; Gestão Estratégica de Pessoas; Comprometimento Organizacional.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Pequenas e Médias Empresas; Gestão Estratégica de Pessoas; Comprometimento Organizacional."

Transcrição

1 Área Temática: Gestão de Pessoas Título do Trabalho: Pequenas e Médias Empresas: como Gerir Pessoas e obter Comprometimento Organizacional? AUTORES CAROLINA DOS SANTOS BATISTA UNINOVE Universidade Nove de Julho VERA LÚCIA DA SILVA VENTURA UNINOVE Universidade Nove de Julho VALMIR ALVES VENTURA UNINOVE Universidade Nove de Julho NILDES R. PITOMBO LEITE Universidade de São Paulo - FEA-USP Resumo A presente pesquisa objetiva entender as associações entre as práticas de gestão de pessoas, desenvolvidas e aplicadas em pequenas e médias empresas e o comprometimento organizacional de seus colaboradores, de forma a responder a seguinte questão de pesquisa: como gerir pessoas e obter comprometimento organizacional dos colaboradores em pequenas e médias empresas? Para tanto, são utilizados como base de argumentação teórica alguns estudos sobre pequenas e médias empresas, gestão estratégica de pessoas e comprometimento organizacional. Contextualiza-se que ela foi realizada em uma empresa de serviços de médio porte. Os dados primários foram levantados por intermédio de entrevistas em profundidade e os secundários por meio de sites. Foi considerado o nível de análise organizacional e os entrevistados foram sugeridos em decorrência desse nível de análise. As unidades de codificação foram respaldadas por palavras-chave ou frases-chave e tomadas de segmentos do conteúdo das entrevistas, constituídos de significação para o objetivo da pesquisa. Os resultados apontam para uma gestão facilitadora do enfoque afetivo do comprometimento organizacional, em que há confiança e respeito pelo dono da empresa que busca sempre valorizar as pessoas. O ambiente de trabalho é visto como facilitador da manutenção de pessoas motivadas. Palavras-chave: Pequenas e Médias Empresas; Gestão Estratégica de Pessoas; Comprometimento Organizacional. 0

2 Abstract: This research aims to understand the associations between people management practices, developed and applied in small and medium enterprises and organizational commitment of its employees in order to answer the following research question: how to manage people to accomplish organizational commitment of employees in small and medium-sized enterprises? For this purpose, are used as the basis of theoretical argument some studies on small and medium enterprises, strategic management of people and organizational commitment. Contextualizes it was held in a service company of medium size. The primary data collected pray through interviews and through the secondary sites. It was considered the level of organizational analysis and the interviewees were suggested as a result of this level of analysis. The coding units were backed by keywords or keyword phrases and made of segments of the interview content, consisting of significance for the research objective. The results point to an approach facilitates the management of affective organizational commitment, in which there is trust and respect for the owner of the company that always seeks to value people. The work environment is seen as a facilitator of keeping people motivated. Palavras-chave: Small and Medium Enterprises; Strategic Management of People; Organizational Commitment. 1

3 1. Introdução É crescente o número de estudos desenvolvidos em relação às Pequenas e Médias Empresas (PMEs), haja vista a importância dessas organizações como meio de fomento social. Por reagirem e se recuperarem rapidamente nas épocas de crise econômica, contratando, no mesmo período de tempo, em sua totalidade, mais do que as grandes empresas, ou ainda, devido à geração de renda, ao desenvolvimento regional, entre outros fatores, tal importância merece ser acentuada (DOMINGOS, 1995; VEIGA e MARKWALD, 1998; COCHIA e MACHADO-DA-SILVA, 2004; LIMA, 2010). Apesar de as organizações serem tradicionalmente estruturadas a partir de uma visão mais funcional, deliberada pelos dirigentes para aproveitar uma oportunidade no seu ambiente externo (PORTER, 1994), na prática, elas alcançam seus objetivos por meio de um conjunto de recursos, atividades e processos utilizados ou empreendidos por seus integrantes (BARNEY, 1991). Para enfrentar a concorrência em mercados globalizados, as organizações buscam investir em um plano estratégico, inclusive na área de recursos humanos, pois percebem que se trata de uma área capaz de agregar valor humano ao produto, integrando toda a organização em um ciclo produtivo, o que envolve, também, lidar com tendências do meio externo e com a sinergia organizacional. Para isso é necessário estimular a criatividade, a liberdade de pensamento e inovação dos colaboradores (SANTOS, 2004). Em busca de prosperidade, uma organização deseja alta produtividade e qualidade, porém as transformações sociais, culturais e tecnológicas, geraram grande impacto no ambiente de trabalho e o investimento em patrimônio humano comprometido tornou-se um diferencial. No mundo científico, são várias as pesquisas, como sugerem Davel e Vergara (2005), que se interessam pelas particularidades do Brasil, mas faltam estudos que se utilizem das diferenças desse país para desenvolver e propor novas teorias e conceitos no âmbito dos estudos organizacionais. Ademais, os estudiosos podem se utilizar dessas pesquisas para assegurar a eficiência de programas em prol das PMEs (LIMA, 2001). Vale dizer que a compreensão equivocada em relação à PME contribui com resultados aquém das metas e dos objetivos vislumbrados por seus dirigentes e gestores, prejudicando o sucesso nos projetos e na evolução da organização, principalmente das novas PMEs, podendo até causar o encerramento das atividades. Essa afirmação é confirmada pelo grande índice de mortalidade das organizações, haja vista que, segundo dados do SEBRAE-SP (2008), 62% das empresas encerram suas atividades antes de concluírem o quinto ano de atividade. Esses dados são verificáveis por meio de 10 anos de monitoramento no Estado de São Paulo pelo SEBRAE. Devido a ações de apoio e de capacitação dessa entidade, dentre outras, esse índice obteve um recuo de 80% para 62% em É uma melhoria considerável, embora haja consenso de que ainda é um índice muito alto e que gera grandes prejuízos à sociedade. Não obstante a abertura desta introdução privilegiar o crescente o número de estudos desenvolvidos em relação às Pequenas e Médias Empresas (PMEs), vários autores citam a escassez de literatura a respeito de estudos específicos em PMEs (TUPINAMBÁ, 2002; GRAY et al, 2003; HAUGH e MCKEE, 2004; LIMA, 2007; MOHENO, CALZADA, HERNANDEZ, 2009) e enfatizam a necessidade de pesquisas voltadas ao entendimento das 2

4 relações entre os atores sociais em organizações brasileiras (COCHIA e MACHADO-DA- SILVA, 2004). Assim, justifica-se este estudo, pelo potencial de contribuição à base de dados já existente para o aprimoramento de políticas públicas de fomento e criação de entidades de apoio às PMEs, bem como aos dirigentes e gestores de PMEs. Pode ainda, auxiliar no desenvolvimento de estudos acadêmicos do setor. Como dizem Leite e Albuquerque (2009), além de conquistar, a organização precisará reter talentos, o que implica necessidade de estabelecer laços constantes de confiança, seriedade, respeito, responsabilidade e maestria. Desse modo, cria-se a vinculação da gestão estratégica de pessoas à obtenção do comprometimento organizacional. Essa vinculação pode ser investigada em empresas de qualquer porte. A presente pesquisa objetiva entender as associações entre as práticas de gestão de pessoas, desenvolvidas e aplicadas em pequenas e médias empresas e o comprometimento organizacional de seus colaboradores, de forma a responder a seguinte questão de pesquisa: como gerir pessoas e obter comprometimento organizacional dos colaboradores em pequenas e médias empresas? Para tanto, são utilizados como base de argumentação teórica alguns estudos sobre pequenas e médias empresas gestão estratégica de pessoas e comprometimento organizacional. Contextualiza-se que ela foi realizada em uma empresa de serviços de médio porte. 2. Pequenas e Médias Empresas Percebe-se grande interesse nos estudos relacionados às PMEs (Pequenas e Médias Empresas), tanto no nível sócio-econômico, quanto nos níveis industrial e político. Tal interesse deve-se ao fato da participação das empresas desse porte, em quase todo o mundo, assumindo uma representatividade na faixa de 90% de todos os empreendimentos e pela suas contribuições com a geração de empregos e desenvolvimento regionais (DOMINGOS, 1995). Essas mesmas condições econômicas e sociais atuais exigem que as PMEs sejam competitivas de tal forma que possam se adaptar às constantes mudanças do cenário ao seu entorno. Porém é notório que as PMEs apresentam facilidades de adaptação às mudanças por serem condicionadas, pelo próprio mercado, a adotarem comportamentos mais flexíveis e a agirem com maior criatividade, o que efetiva tal adaptação. Tal fato se dá, principalmente, pelo papel econômico das PMEs brasileiras, assumido na década de 1980, de gerar renda e emprego em condições de produtividade e de trabalho inferiores às das grandes empresas (VEIGA e MARKWALD, 1998). Mesmo com o imperativo do crescimento econômico nacional, provocado pela globalização e com a complexidade no ambiente organizacional, causada por fatores como internacionalização, avanços da tecnologia da informação, necessidade crescente de satisfação dos clientes e acirramento da concorrência empresarial, considerados grandes fatores de mudanças, as PMEs apresentam-se fortes atuantes no mercado competitivo (COCHIA e MACHADO-DA-SILVA, 2004). Além disso, existe, ainda, a pressão exercida pelos stakeholders (os principais interessados nos negócios da organização), conforme Peltokorpi et al. (2008), que também leva a organização a processos de adaptação e de mudança. Motta (2003) considera que as relações das organizações com o seu meio se concretizam pela atuação de seus membros que 3

5 a representam em diversas negociações. Esses membros se tornam os porta-vozes do seu segmento ou empresa e, com isso, constrói-se um meio ambiente institucionalizado. Nesse ambiente, evidencia-se, mais uma vez, o papel das PMEs, como fundamental para a sociedade, pois além de empregarem uma grande parcela da população que tem sua condição de vida afetada pelo que acontece nessas organizações, imprimi relevância na distribuição e geração de renda (LIMA, 2010). Tal importância é, ainda, reforçada pelos dados fornecidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2005, os quais apontam as PMEs como responsáveis por 59,6% dos empregos brasileiros (IBGE, 2005). Conforme Lima (2004), em geral, as pequenas e médias empresas se mostram carentes de quase tudo que leve mais profissionalismo à sua administração. Sua falta de capacidade administrativa e de conhecimentos adequados é uma das principais causas da mortalidade precoce dessas organizações. Lima (2004, p. 01) ressalta haver um consenso de que as PMEs não são grandes empresas em miniatura. Ele alega, principalmente, fatores como alta restrição de recursos e vulnerabilidade aos erros de gestão, considerados como fundamentais para distinguir as PMEs das grandes empresas, não obstante certas PMEs se aproximarem de grandes corporações, devido à globalização, às trocas eletrônicas de dados ou por adotarem programas de qualidade. O autor ainda esclarece que, contrário ao que sugerem os modelos normativos da perspectiva tradicional em formulação de estratégia, referindo-se aos autores das escolas do Design, Planejamento e Posicionamento, conforme agrupamento realizado no livro Safári de Estratégias de Henri Mintzberg, as PMEs exploram o processo visionário do dirigente, que é a imagem mental que esse dirigente tem do seu futuro desejado a ser realizada e o processo de aprendizagem, com posição da escola empreendedora proposta por Mintzberg et al. (2000), devido à complexidade e à dinâmica do ambiente externo de suas empresas que está em contínua evolução. Para ele, a visão organizacional se torna compartilhada na equipe de direção e depois é adotada pelos demais membros da organização, assim como ocorre no compartilhamento de valores e crenças em relação à cultura organizacional. Rubio e Aragón (2006 apud MOHENO, CALZADA e HERNÁNDEZ, 2009) defendem que as PMEs devem ser geridas por pessoas que se adaptem com facilidade a novas situações e que sejam capazes de processar grandes volumes de informação, assim como administrar em ambientes incertos, orientadas à criatividade e à inovação. Moheno, Calzada e Hernández (2009) sustentam que, nas PMEs, esses gestores devem dar importância à compatibilidade entre os valores dos indivíduos e os da organização, sendo que, atualmente, se busca uma congruência entre as características individuais e as demandas organizacionais de seus membros. Cumpre notar que não existe critério único universalmente aceito para se definir as PMEs e, para sua classificação são utilizados vários indicativos, mas mais comumente são utilizadas as categorias: micro, pequena, média e grande empresa, embora não sejam completamente apropriados e definitivos para todos os tipos de contexto. No Brasil, atualmente, um dos critérios mais utilizados em diversos programas de crédito do governo federal em apoio às PMEs (SEBRAE-SP, 2008) é a classificação das organizações por porte, segundo o SEBRAE e o IBGE (LIMA, 2001), a qual é utilizada neste estudo. A classificação das organizações conforme o SEBRAE (2008), para o setor de serviços é de acordo com o número de funcionários: Pequena empresa: de 10 a 49 pessoas ocupadas; 4

6 Média empresa: de 50 a 99 pessoas ocupadas; Grande empresa: serviços, acima de 99 pessoas ocupadas. 3. Gestão Estratégica de Pessoas Na década de 80 surgiu o conceito de planejamento estratégico para recursos humanos (PERH) baseado em duas abordagens: Michigan Concept e Harvard Concept. A primeira, desenvolvida por Ticky, consiste em desenvolver estrategicamente a seleção, a avaliação, a remuneração e o desenvolvimento da área e, a segunda, determinar o grau de participação do empregado, do fluxo de RH, do sistema de recompensa e da organização do trabalho (Lacombe e Tonelli, 2001). Dessa forma, O PERH visa desenvolver novas estratégias para a área de RH, vinculadas às necessidades de seus colaboradores e voltadas à obtenção de objetivos de longo prazo da organização. Com base no PERH, a organização deve estabelecer critérios de como essa gestão estratégica atuará, a fim de atingir seus objetivos, ou seja, se a seleção deverá privilegiar o recrutamento interno ou externo, se a avaliação será feita de forma individual ou por grupos, se a remuneração e as recompensas serão dadas em troca do comprometimento ou do desempenho atingido, e qual a relação que a empresa pretende estabelecer com seus colaboradores (LACOMBE e TONELLI, 2001). Contudo é preciso que a organização valorize seu capital humano por meio de treinamento que permita ao colaborador pensar e valorizar suas competências criando um ambiente que favoreça a auto-aprendizagem. Um fator de influência é o componente emocional, exigindo, da organização, a gestão das emoções no sentido de criar empatia e sintonia. Uma forma de melhorar a dinâmica nela envolvida é estimular o desenvolvimento de comunidades intelectuais, que são grupos de colaboradores para troca de experiências, de modo informal, tornando-se um multiplicador de aprendizagens (SANTOS 2004). Para César et. al. (2006), além de oferecer treinamento técnico e desenvolvimento de habilidades necessárias para o serviço a ser realizado, é preciso transmitir responsabilidades ao funcionário que estão alinhadas com o perfil da organização, para que, de maneira estratégica se busque adequar as competências do funcionário às necessidades da organização. Também é necessário que a organização possua uma visão que esteja em sintonia com sua missão para que assim sejam estabelecidos objetivos e metas. A visão deverá englobar dois elementos: ideologia essencial e futuro imaginado, sendo que, a ideologia essencial é marcada pelo ideal que inspira, orienta e torna coesa uma organização, mesmo em meio à constante mudança nos setores tecnológico e mercadológico e nas relações de trabalho. O futuro imaginado é um processo criativo focado em um objetivo audacioso que possui descrições de como alcançá-lo, a fim de engajar pessoas e estimular o progresso. A escolha das estruturas, tecnologias e estratégias determinarão o resultado dessas variáveis (LEITE e ALBUQUERQUE, 2009). 4. Comprometimento Organizacional O conceito de comprometimento na linguagem cotidiana e na científica possui algumas divergências já que há imprecisões, ambiguidades e redundâncias sobre o assunto, identificadas por Bastos et al. (1997). Segundo o autor, cotidianamente o conceito é relativo ao compromisso, que possui envolvimento e o que é leal a algo. Também há a ideia de 5

7 comprometer algo, impedir e prejudicar. Assim, comportamentos variados podem relacionarse à palavra comprometimento. No enfoque científico, é tomado como um estado e caracterizado como lealdade, engajamento, envolvimento e propensão à ação, por meio de reações positivas com dimensões afetivas, cognitivas e comportamentais em relação à organização. Bastos (1993) afirma que altos níveis de comprometimento do indivíduo com a organização se traduzem em benefícios para ambos. Partindo-se dessa idéia é possível identificar enfoques de como se dá esse comprometimento e como ele está diretamente ligado à gestão estratégica de pessoas. A presente pesquisa está baseada no modelo tridimensional proposto por Meyer e Allen (1991). Tal modelo visa analisar as diferentes características de comprometimento do indivíduo e assim associá-lo em um dos três enfoques do comprometimento organizacional: o afetivo, o instrumental e o normativo. O enfoque afetivo caracteriza-se pelo vínculo afetivo em relação à organização onde o indivíduo é leal, identifica-se, deseja permanecer e se esforça em prol da organização e se mantêm nela porque quer. No enfoque instrumental o comprometimento se dá por intermédio de elementos side-bets (ou trocas laterais) em que o engajamento é dado por meio de recompensas e custos relacionados à sua saída, já que o indivíduo permanece na organização porque precisa dela. No enfoque normativo o individuo é conduzido a seguir o conjunto de pressões normativas da organização e se sente obrigado a permanecer nela (Bastos, 1993). Assim, o comprometimento se dá por meio de um estado psicológico do indivíduo que demonstra um desejo, uma necessidade ou o uma obrigação em permanecer na organização. Meyer e Allen (1997) identificaram a falta de literatura sobre o assunto e a necessidade de avaliação do significado do comprometimento em diferentes culturas visando identificar quais benefícios o indivíduo obtém por ser comprometido e como é obtido esse comprometimento ao longo de sua vida profissional (MEDEIROS, 1998). César et. al. (2006), enfatizam que a relação com os colaboradores é fundamental para estabelecer laços mais fortes de comprometimento. A flexibilização de horários de trabalho, a assistência e o suporte às necessidades pessoais, como: creche, licenças por motivos familiares e o acompanhamento psicológico são fatores que conquistam e reduzem os índices de absenteísmo, aumentam o grau de comprometimento e motivação. 5. Aspectos Metodológicos da Pesquisa Para este estudo de caso único, respaldado na abordagem de pesquisa qualitativa com por meio de entrevistas semi-estruturadas com base em Vieira (2004) os dados levantados forma comparados com os conceitos identificados na literatura. A opção pela adoção do estudo de caso deve-se ao fato de essa estratégia ser apropriada nas situações em que a pergunta de pesquisa é uma interrogação do tipo como? ou por quê?, de acordo com Yin (2005), e por se buscar a descrição e a explicação do fenômeno, compreendendo como se desenvolve ou se modifica, com suas causas, processos e consequências, conforme Flick (2004). O caso investigado corresponde a uma média organização, a qual possui características apropriadas para a realização deste estudo, como funcionários com longo tempo integrando 6

8 essa organização, o que Strauss e Corbin (apud LIMA, 2010) definem como amostragem teórica e intencional. As entrevistas foram realizadas, seguindo um roteiro semi-estruturado e flexível que, de acordo com as circunstâncias pôde ser adaptado durante a coleta de dados, com os gestores e informantes-chave mais antigos que vivenciaram períodos de mudanças na empresa. Para esse roteiro foi utilizada a estrutura de Lima (2004), Base para a entrevista semi-estruturada com os co-dirigentes e pessoas de sua rede, adaptada para os temas gestão estratégica de pessoas e comprometimento organizacional. 6. Contextualização do Caso A organização analisada neste estudo é uma pizzaria tradicional de São Paulo, inaugurada em 1980, localizada em uma elegante e aconchegante rua central da cidade, parte integrante de um grupo gastronômico, composto por quatro restaurantes. A pizzaria surgiu logo após a identificação de sucesso do primeiro restaurante, conhecido por cantina italiana, no mesmo bairro, como proposta de ampliar a carteira de clientes. Por essa razão vale relatar a história da pizzaria. Para esse relato buscaram-se dados na entrevista pública do fundador do grupo, Sr. Walter Mancini, para a Rádio CBN (2011), por ocasião das comemorações do aniversário da cidade de São Paulo. Nessa entrevista ele apresenta os valores da empresa, desde a sua fundação, inserindo-a no contexto da rua na qual ela está situada. Demonstra relação afetiva com o centro da cidade de São Paulo e orgulho em contribuir com a reurbanização dessa rua, de forma que as pessoas se sintam felizes e associem essa felicidade aos interiores de seus restaurantes. Na mesma entrevista o Sr. Mancini relata que já viveu situações de agradecimentos dos frequentadores do lugar pela manutenção e cuidados que tem com o local. A história do restaurante se mistura à história da vida do proprietário, que iniciou o negócio por influência de sua experiência no setor de laticínios e da cultura culinária de sua família de origem italiana. Uma característica interessante do negócio, em especial do empreendedor, é a tendência à inovação constante que aparece em seu depoimento sobre a introdução da balança para pesar pratos individuais. Começando pelos antepastos e, mesmo tendo sido muito criticado na época (1980), continuou e acabou sendo reconhecido pela Revista Veja como O Pai do Peso. Atualmente oferece diversos pratos, mas sempre mantendo a oferta de antepastos. A pizzaria, empresa do grupo selecionada para esta pesquisa, possui atualmente 90 funcionários e o proprietário tem o papel de administrá-la, entendendo que sua principal missão é estar atento às necessidades dos clientes. 7. Apresentação e Análise dos Resultados Nesta pesquisa foi considerado o nível de análise organizacional. Os entrevistados foram sugeridos em decorrência desse nível de análise. As unidades de codificação foram respaldadas por palavras-chave ou frases-chave e tomadas de segmentos do conteúdo das entrevistas, constituídos de significação para o objetivo da pesquisa. O agrupamento das unidades de codificação foi feito observando-se a sequência na qual pudessem ser contemplados os termos relevantes desta pesquisa: pequenas e médias empresas, gestão estratégica de pessoas e comprometimento organizacional. Do mesmo 7

9 modo, procedeu-se ao agrupamento das palavras-chave ou frases-chave que melhor representassem as vinte e três unidades de codificação. Para tanto, considerou-se o que é dito por Bardin (2010): na análise qualitativa, a presença ou ausência de uma dada característica de conteúdo ou de um conjunto de características em um determinado fragmento de mensagem é o que se leva em consideração. A sistematização forneceu o material básico para uma análise descritiva do conteúdo das entrevistas, evidenciado pelas unidades de codificação surgidas na pesquisa. A partir dessa sistematização, foi possível obter o resultado da análise de conteúdo aplicada ao escopo da pesquisa. Isso significa que se fez uso do que é denominado por Vergara (2005) de grade fechada de categorização para as categorias de análise aqui representadas por: comprometimento organizacional, gestão estratégica de pessoas. O quadro 1 apresenta as unidades de codificação com base em questões formuladas no roteiro de entrevistas. As unidades de análise são constituídas de palavras ou frases-chave oriundas dos conteúdos das mensagens. As categorias de análise representam os significados dados pelos pesquisadores após a análise das palavras ou frases extraídas dos fragmentos das mensagens. As unidades de codificação 1-16 estão assentadas no modelo tridimensional proposto por Meyer e Allen (1991). Lacombe e Tonelli (2001) dão suporte às unidades de codificação 17 e 21. As unidades de codificação tomam por base o estudo de Leite e Albuquerque (2009). QUADRO Nº BASE PARA A ANÁLISE DE CONTEÚDO Entrevistas Unidades de Codificação Unidades de Análise Categorias de Análise 1. Significado pessoal da organização para o indivíduo 2. Relação com o grupo de trabalho e com a chefia 3. Comunicação dentro da organização Eu me dedico todos os dias para essa organização visando ter uma experiência maior ; O meu comprometimento não é só profissional, é pessoal também ; Eu sinto orgulho de falar sobre o grupo que é o Famiglia Mancini. Boa ; Esta é a melhor relação que eu já tive com os meus superiores ; Muito boa. O ambiente deve ser unido. Existe hierarquia, mas há liberdade e abertura entre os níveis ; Qualquer coisa que é preciso ser feito ou mudado não deve ser diretamente discutido com o dono ; Existe um respeito, uma hierarquia. 4. Ambiente físico Agradável, não há muita cobrança e é prazeroso trabalhar aqui ; O horário não é desgastante, pois é feita uma escala. 5. Relação com os problemas da organização 6. Próximos anos na organização 7. Próximos anos na profissão O problema é nosso até certo ponto ; Existem situações que o cliente deseja uma satisfação maior e mais responsável, assim devo chamar o meu superior. Imagino-me aqui até a copa do mundo de 2014 e após essa data trabalhar em cruzeiros ; Quero crescer e estou estudando. Aqui não pretendo nenhum cargo a mais ou a menos, quero continuar nessa profissão porque é o que gosto muito de fazer ; Quero crescer e por isso estou estudando. Comprometimento sob o Enfoque Afetivo 8

10 8. Comprometimento pelas ações do líder 9. Orgulho de trabalhar na Organização Faço pedidos que são atendidos ; Não tenho coragem de falar não ao meu superior quando ele pede algo ; O comprometimento não é só por causa da organização, é por causa do líder também, afinal eles também se comprometem conosco Em qualquer lugar que se vá todos conhecem, é um cartão de visitas ; Ao ser apresentado ao dono disse que era meu sonho de consumo trabalhar no Famiglia Mancini. 10. Lealdade Caso o relacionamento que tenho com a empresa continuar, serei leal ; Fui promovido e isso gerou uma lealdade muito grande ; O garçom que atende o cliente faz sua oportunidade através da amizade e pode conseguir emprego em outros lugares devido ao seu bom atendimento ; Cada cliente que se atende é um currículo que se preenche. 11. Obrigação moral O comprometimento é pelo fato de eles terem me dado a possibilidade de exercer a profissão ; Os cursos de inglês, de sommelier, de vinhos, as roupas que uso são pagos por mim ; Sinto-me na obrigação de ter certas atitudes pelo fato de receber a oportunidade de crescer ; É uma oportunidade de ouro trabalhar aqui ; Aqui está sendo uma escola. 12. Sacrifícios em prol da Sim, como trocas folgas e trabalhar em feriados. organização. 13. Críticas à Organização Criticas são bem vindas para melhorar e a todo instante nós somos críticos ; Devemos respeitar a hierarquia. 14. Planos de aposentadoria Eu amo puxar a cadeira para o cliente quando ele está indo embora e vir-lo-lo elogiar a casa e o meu trabalho. É muito prazeroso ; Penso em abrir meu próprio negócio nesse ramo. 15. Empregabilidade Acredito que parado eu não ficaria ; Eu conseguiria conquistar um espaço. 16. Aplicações e Comprei um terreno no Guarujá, construí uma investimentos pessoais casa e alugo ; Hoje tenho uma renda boa que paga meu aluguel aqui e sobra ; Junto dinheiro para um 17. Recrutamento/seleção dos funcionários dia abrir meu negócio. A empresa pede currículo e carta de referência de todos, mas o que conta muito é a indicação ; Posteriormente a promoção é interna. 18. Ofertas de treinamento Uma das críticas é a falta de treinamento ; O funcionário que entra hoje, aprende com a observação e instrução dos mais experientes. 19. Valorização da retenção dos talentos 20. Aprimoramento das habilidades e preparação dos trabalhos futuros Uma coisa que retém o funcionário é a sua própria dedicação ; Valorizam a capacidade do funcionário e isso acontece mais ainda quando ele se mostra comprometido com a organização ; Através da motivação, pois o nome da empresa é motivador e existem muitas pessoas querendo trabalhar aqui e muitas pessoas deixam currículo. Se aprende com o ambiente de trabalho ; Os funcionários que vão entrando vão se adaptando à empresa ; O funcionário começa como estagiário e é orientando e acompanhado. Comprometimento sob o Enfoque Normativo Comprometimento sob o Enfoque Instrumental Análise das práticas de seleção e recrutamento Análise das práticas de treinamento e desenvolvimento 9

11 22. Comparações entre a organização e outras de mesmo segmento 23. Comparação da atividade com outras As pessoas quando chegam aqui colocam o nome em primeiro lugar ; Acontece muito de clientes atenderem ao telefone e dizerem estou no Famiglia Mancini ; Usa-se muito o nome como status ; A importância que se dá ao cliente ; A empresa é honesta, paga tudo certinho. Converso com os clientes sobre geografia, cultura, topografia, etc ; Ao conversar com um leigo me sinto professor e ao conversar com uma pessoa mais experiente me sinto aluno ; A casa não vende massas e sim instantes de felicidade e momentos inesquecíveis. Fonte: Dados da Pesquisa Análise da comparação entre a organização e outras do mesmo segmento Esta pesquisa objetivou entender as associações entre as práticas de gestão de pessoas, desenvolvidas e aplicadas em pequenas e médias empresas e o comprometimento organizacional de seus colaboradores. Na entrevista concedida à CBN (2011) Sr. Walter Mancini diz ser sempre muito exigente com o seu trabalho e com o que faz, mas não tão exigente com a vida, sem cobranças com ela. Afirma: o cliente é o dono do negócio [...] realizar os sonhos e saber que as pessoas se agradam com esses sonhos é a satisfação de quem está lá para servir. Esse padrão de comportamento é reforçado junto aos seus colaboradores em reuniões quinzenais nas quais ele re-enfatiza: o cliente é o verdadeiro dono do empreendimento. A resposta à questão de como gerir pessoas e obter comprometimento organizacional dos colaboradores em pequenas e médias empresas, na empresa em estudo é dada, por meio das entrevistas, ao mostrarem a propensão ao aprendizado entre patrões e empregados. A pizzaria é considerada pelos entrevistados como uma faculdade, na qual os funcionários têm como professores os patrões e os clientes, por meio da observação e do diálogo contínuos, o que se mostra alinhado à fala do Sr. Mancini. Isso indica uma forma participativa e engajada de gerir pessoas, o que leva, em conseqüência, ao comprometimento. Os entrevistados dizem que há confiança e respeito pelo dono da empresa que busca sempre valorizar as pessoas. O ambiente de trabalho é visto como facilitador da manutenção de pessoas motivadas. Ficou registrado, nesta pesquisa, que raramente os funcionários se desligam da empresa e, quando o fazem, contam com o apoio do dono para melhorar ou para empreender seu próprio negócio. Pode-se depreender que a obtenção do comprometimento é também facilitada por essa forma de gestão. As bases de argumentação teórica sobre pequenas e médias empresas, gestão estratégica de pessoas e comprometimento organizacional respaldam os dados coletados nessa empresa de serviços de médio porte. O nível de análise organizacional ficou contemplado por meio de entrevistas em profundidade com gestores, bem como por meio de sites. 8. Considerações finais Os dados obtidos por meio das entrevistas apontam para uma convergência de informações no que tange às características do negócio, em especial do empreendedor, como tendência à inovação constante, aprimoramento contínuo e ambiência para se trabalhar, o que confirma a idéia de o cliente ser visto como centro. 10

12 Além disso, como observado no contexto das pequenas e médias empresas, há preponderância no que diz respeito à facilidade que os colaboradores dessas empresas apresentam em otimizar os recursos para atingir os objetivos organizacionais, uma vez que as empresas desse porte devem responder à demanda de serviços com a mesma qualidade que uma grande empresa, mesmo que não possa contar com os mesmo recursos. Esses fatores exigem, desses colaboradores, criatividade na execução de suas tarefas e, acima de tudo, que tenham a mesma visão do empreendedor, focando os resultados esperados não somente pelo proprietário, mas principalmente pelos clientes, especialmente por se tratar de uma empresa de serviços. Nesse sentido evidencia-se a relação de reciprocidade entre os colaboradores e seus superiores. Tal evidência aparece pelos relatos dos colaboradores em termos de lealdade, confiança e respeito pelo dono da empresa que busca sempre valorizar as pessoas. Sendo assim, os resultados apontam para uma gestão facilitadora para o enfoque afetivo do comprometimento organizacional. O ambiente de trabalho é visto como facilitador da manutenção de pessoas motivadas, no qual as pessoas continuam por que querem e sabem que podem se desligar quando perceberem a necessidade, bem como que podem contar com o apoio do proprietário. Esta pesquisa apresenta como limitação o fato de a investigação ter ficado restrita a apenas uma das quatro empresas do grupo gastronômico, o que pode ser revertido em potencialidade para futura pesquisa, que terá o efeito de comparação interna. Como sugestão para outras pesquisas, a possibilidade de comparação com outras empresas do mesmo segmento. Referências BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p , BASTOS, A. V. B. Comprometimento Organizacional: um balanço dos resultados e desafios que cercam essa tradição em pesquisa. Revista de Administração de Empresas RAE v. 3, n.33. São Paulo: FGV, Mai/Jun BASTOS, A. V. B.; BRANDÃO, M. G. A; PINHO, A. P. M. Comprometimento organizacional: uma análise do conceito expresso por servidores universitários no cotidiano de trabalho. Revista de Administração Contemporânea RAC, v. 1, n. 2. Curitiba: ANPAD, Ago/1997. CALZADA, M. A. H.; HERNANDEZ, B. C. S. La cultura organizacional en las PYMES cap.13. In: TREJO, V. G. S. (Coord.). La investigacion académica en la MIPYME: realidades, oportunidades y retos. México: Universidad Autónoma del Estado de Hidaldo,

13 CBN. disponível em: SAO-PAULO-MILTON-JUNG.htm. Acesso em 01/07/2011. CÉSAR, A. M. R.; BIDO, D. S., SAAD, S. M. O discurso se aplica na prática? Uma discussão sobre o papel estratégico da Área de Recursos Humanos. In: Anais do XXX Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração EnANPAD. Salvador: ANPAD, COCHIA, C. B. R.; MACHADO-DA-SILVA, C. L. Ambiente, interpretação e estratégia em organizações paranaenses dos setores de vestuário e alimentos. Revista de Administração Contemporânea RAC, edição especial. Curitiba: ANPAD, DAVEL, E.; VERGARA, S. C. Desafios relacionais nas práticas de gestão e de organização. Revista de Administração de Empresas RAE. São Paulo: FGV, jan./mar DOMINGOS, Guilherme Afif. A importância das micro e pequenas empresas. Estudos SEBRAE. São Paulo, ano 2, n. 12, p.43-48, Nov/dez FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, GRAY, H. J.; DENSTEN, I. L.; SARROS, J. C. Organization culture in small, medium and large Australian organizations. Journal of Small Bussines and Entrepreneurship, v. 17, n. 1, Fall/2003. HAUGH, H.; MCKEE, L. The cultural paradigm of the smaller firm. Journal of Small Business Management, v. 42, n. 4, Out/2004. IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Industrial Anual: Disp. em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/industria/pia/empresas/comentario2005.p df>. Acesso em: 24 out LACOMBE, B. M. B.; TONELLI, M. J. O discurso e a prática: o que nos dizem os especialistas e o que nos mostram as práticas das empresas sobre os modelos de gestão de recursos humanos. Revista de Administração Contemporânea RAC, v. 5, n. 2. Curitiba: Ago./ LEITE, N. P.; ALBUQUERQUE, L. G. Gestão estratégica de pessoas: conceito, evolução e visão. In: ALBUQUERQUE, L. G.; LEITE, N. P. Gestão de pessoas: perspectivas estratégicas, pp São Paulo: Atlas, LIMA, E. O. A formação em empreendedorismo face à realidade do pequeno empresário brasileiro a partir de estudos de vanguarda: o que devemos enfatizar? Texto de base da palestra de mesmo título apresentada pelo autor no evento Treinamento para Atualização da Equipe do EMPRETEC. Promoção: SEBRAE Nacional - Brasília, de 30/set. a 03/out Équipe de direction, vision partagee et apprentissage dans le management strategique de PME. Tese de Doutorado. Programa conjunto de doutorado em Administração, HEC Montreal, Canadá. BASE PARA A ENTREVISTA SEMI-ESTRUTURADA COM OS CODIRIGENTES E PESSOAS DE SUA REDE DE RELAÇÕES. Montreal:

14 . Visão compartilhada, equipes de direção e gestão estratégica de pequenas e médias empresas: um estudo multicaso e internacional. Revista de Negócios, v. 12, n. 4. Blumenau: Out./Dez./ Teorizando a partir de dados qualitativos em Administração. Revista Pretexto, v. 11, n. 1. Belo Horizonte: Jan./Mar./2010. MEDEIROS, C. A. F.; ENDERS, W. T. Validação do modelo de conceitualização de três componentes do comprometimento organizacional (Meyer e Allen, 1991). Revista de Administração Contemporânea RAC, v. 2, n. 3. Curitiba: ANPAD, Dez./1998. MEYER, J. P.;ALLEN, N. J. A three-component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, v. 1, p , MEYER, J. P.;ALLEN, N. J. Commitment in the workplace : theory, research and application. London : Sage Publications,1997. MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, MOHENO, J. M.; CALZADA, M. A. H.; HERNANDEZ, B. C. S. La cultura organizacional en las PYMES cap.13. In: TREJO, V. G. S. (Coord.). La investigacion académica en la MIPYME: realidades, oportunidades y retos. México: Universidad Autónoma del Estado de Hidaldo, MOTTA, F. P. Teoria das organizações: evolução e crítica. São Paulo: Pioneira Thonson Learning, PELTOKORPI, A. A. et al. Stakeholders approach for evaluating organizational change projects. International Journal oh Healf Care Quality Assurance, v. 21, n. 5, PORTER, M. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, SANTOS, M. J. N. Gestão de recursos humanos: teorias e práticas. Sociologias, ano 6, n. 12 Porto Alegre: Jul./Dez./ SEBRAE-SP. 10 Anos de monitoramento da sobrevivência e mortalidade de empresas. São Paulo: SEBRAE-SP, Disponível em: <http://www.sebraesp.com.br/site2010efault/files/livro_10_anos_mortalidade.pdf>. Acesso em: 22 Nov./2009. TUPINAMBÁ, A. C. R. Um estudo comparativo entre pequenos empresários brasileiros e alemães: a influência da cultura nacional sobre o potencial de sucesso de estratégias empresariais. Revista Humanidades, v. 17, n. 1. Fortaleza: Jun./Jul./2002. VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Editora Atlas,

15 VIEIRA, M. M. F. Por uma boa pesquisa (qualitativa) em Administração. In: VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M (Eds). Pesquisa qualitativa em Administração, p Rio de Janeiro: FGV, YIN, Robert. Estudo de caso: planejamento e métodos. São Paulo: Bookman,

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013 Isabella Assunção Cerqueira Procópio Janeiro de 2013 1 Sumário 1. Dados Básicos de Identificação...3 2. Histórico

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Gestão de carreiras nas organizações

Gestão de carreiras nas organizações Gestão de carreiras nas organizações A expressão "Plano de carreira", nas organizações, sempre corre o risco de ser interpretada como algo antiquado, retrógrado, que interessa aos funcionários e, principalmente,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Você é comprometido?

Você é comprometido? Você é comprometido? Não, isso não é uma cantada. O que o seu chefe quer saber é se você veste a camisa da organização. Você adora seu trabalho e desempenha suas funções com eficiência, mas não aposta

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais Evolução da Disciplina Modelos de Gestão Aula 1: Principais Modelos das Teorias da Administração Aula 2: Origem, Evolução, Classificação e Tipologia das Organizações Aula 3: Termos comuns às Organizações;

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE

GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE 2 Download da Apresentação www.gptw.com.br publicações e eventos palestras Great Place to Work - Missão 3 Construindo um Excelente Ambiente de Trabalho 4 1 2 3 4 O que

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes *

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes * PLANO DE CARREIRA Rosangela Ferreira Leal Fernandes * As mudanças no cenário político, econômico, social e ambiental das últimas décadas vêm exigindo uma mudança de postura das organizações e dos profissionais

Leia mais

Como atrair e reter talentos

Como atrair e reter talentos Como atrair e reter talentos na Panificação PORQUE A DISCUSSÃO DE TALENTOS É IMPORTANTE PARA ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS? Em toda a história do mundo empresarial, nunca houve tanta preocupação e cuidados

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Líder: o fio condutor das mudanças

Líder: o fio condutor das mudanças Líder: o fio condutor das mudanças Por Patrícia Bispo para o RH.com.br Para quem imagina que liderar pessoas significa apenas delegar ordens e cobrar resultados a qualquer custo, isso pode significar o

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a)

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Empreendedorismo Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. A formação do empreendedor... 3 4. Empreendedorismo nato ou desenvolvido?... 4 4.1 Características

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO - MARAVILHA. O sucesso de qualquer empresa depende da qualidade de seus profissionais. O funcionário público não trabalha???

ESCOLA DE GOVERNO - MARAVILHA. O sucesso de qualquer empresa depende da qualidade de seus profissionais. O funcionário público não trabalha??? ESCOLA DE GOVERNO - MARAVILHA PALESTRA: A GESTÃO DE PESSOAS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MINISTRANTE: Prof. ADEMAR DUTRA, Dr. VERDADES OU MENTIRAS??? O sucesso de qualquer empresa depende da qualidade de seus

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

ATIVISTA CONFIÁVEL. do novo RH. Como desenvolvê la? Pl Palestrante: Alba Maria Torres

ATIVISTA CONFIÁVEL. do novo RH. Como desenvolvê la? Pl Palestrante: Alba Maria Torres ATIVISTA CONFIÁVEL Uma competência essencial il do novo RH. Como desenvolvê la? Pl Palestrante: Alba Maria Torres www.entrelacos.com.br entrelacos@entrelacos.com.br 41 3079.4686 e 9973.9304 Observando

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais