Material Planning & Logistics

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Material Planning & Logistics"

Transcrição

1 Material Planning & Logistics Mestrado em Engenharia de Produção MSc Ângelo Urias dos Santos Prof. Depto Engenharia Elétrica UNITAU Fev/2008 1

2 Sumário 1 - Missão 2 - Funções 3 - Pré-Produção (MTC) 4 - Production Planning, Scheduling & Control (PPCP) 5 - Supply Chain (PCM) 6 - Logística Operativa Recebimento Abastecimento de Linha Expedição 7 - Material Não Produtivo 8 - Gerenciamento de Inventário (Físico / Contábil) 9 - Gestão de Custos Referências Bibliográficas 2

3 Missão: Material Planning & Logistics Proporcionar um fluxo contínuo de materiais Aumentar a flexibilidade como meio de reagir às mudanças na demanda dos clientes Reduzir o custo total através da otimização de inventário e redução de desperdícios 3

4 Material Planning & Logistics Funções: MTC Inventário PPCP Logística Operativa PCM Custos Material Não Produtivo 4

5 3- Pré-Produção / MTC Processos Incorporação de Novos Produtos Mudanças de Processo Produtivo (Método / Layout / Capacidade) Mudanças Organizacionais ligadas ao Processo Produtivo Nível Operacional e Administrativo Alteração de Fornecedores Mudanças no Produto Peças Compradas (Buy Parts) Peças Manufaturadas (Make Parts) Bill of Material liberado no sistema Release de Engenharia do Produto Embalagens para End Items e Componentes Ferramentas de Controle Design & Process FMEA DCP Milestones Checklists 5

6 3 - Pré-Produção / MTC Ferramentas de Controle (cont.) APQP (Advanced Product Quality Planning) - PPAP Process Capability PSW (part submission warranty) Timing Plan Interno Timing Plan dos Fornecedores Pipeline Analysis Capacidade Instalada ( Rate ) Plan for Every Part incluindo Embalagens -> MH&PE Indicadores Timing Plan Status % Atingimento de PSW % Process Capability Cost Targets Results Perdas Geradas Obsolescência de Materiais 6

7 4 - Production Planning, Scheduling & Control (PPCP) Processos Programação das fases de lançamento de Novos Produtos Capacity Analysis Eng. Industrial Mapeamento dos Clientes Tecnologia de Informação (Recebimento de Releases / Frequência) Demanda (Mix e Volume) Gerenciamento de Variabilidade Fatores Sazonais (Estações Climáticas, Safras, Natal, Ano Novo) Não-Sazonais (Lançamento, Promoções, Ciclo de Vida) Determinação do Frozen Period para mudanças na demanda Planejamento de Fornecimento Posicionamento Geográfico Modal de Transporte Rodoviário (Sider/Conteiner) / Ferroviário / Aéreo / Navio Janelas de Embarque Produção Sequenciada / Em lotes ( Economia de Escala Custos fixos) Gerenciamento do Estoque de Segurança (Reserva Operacional) 7

8 4 - Production Planning, Scheduling & Control (PPCP) Processos (cont.) Programação de Produção Variáveis do Processo Process Lead Time, Confiabilidade, Troca Rápida, Sequenciamento Sistema de Programação no Chão de Fábrica Reuniões em Quadro Publicação em Planilhas Sistemas de TI dedicados Pontos de Programação e Controle Efetividade da Execução Sistema de Comunicação (hora a hora, batches, contínuo (end of line)) Feedback de Supply Chain (Disponibilidade no Volume e Mix on time) Sistema de Avaliação de Performance Ferramentas de Controle Statement of Capacity, considerando-se as combinações de mix e sequencia Análise dos Releases dos Clientes 8

9 4 - Production Planning, Scheduling & Control (PPCP) Ferramentas de Controle (cont.) Production Scheduling Meeting Management Deviation (Validação e Aprovação de alterações de programa dentro do frozen period) Disponibilidade e Fluxo de Embalagens (Planta, Trânsito, Cliente) Disponibilidade de Transporte e Container. Indicadores Curva de Demanda / Produção Variabilidade Issue-to-Issue dos Releases por Cliente Performance de Produção (BTS) Disponibilidade de Embalagens Cubbing (Aproveitamento do Transporte) % Atendimento da Janela de Embarque Performance de Atendimento aos Clientes (BTD) Production Losses 9

10 5 - Supply Chain (PCM) Processos Geração Releases on exception basis para Novos programas Cadastro da Base de Fornecedores (Key players) Statement of Capacity do Supply Base Total Lead Time Transit Time do Fornecedor Posição geográfica Modal utilizado (Kanban, JIT, Lote mínimo, frequência de entrega) Mapeamento da Cadeia Estendida (Production Lead Time + Reserva Operacional + Transit Time) Alteração de PPCP (volume e mix) oriundas da manufatura ou cliente Análise de Viabilidade e Confirmação da mudança para PPCP Envio de Releases / Frequência (Tecnologia de Informação) ASN / EDI Processo aduaneiro de liberação para material importado Recebimento do Material Lista Crítica 10

11 5 - Supply Chain (PCM) Ferramentas de Controle Mapa de Fornecedores (Geográfico, Modal, Transit Time, Lotes, Freqüência,Contatos, Statement of Capacity, Certificações) Banco de Dados primário Assessment dos Fornecedores Lista Crítica de Componentes Rankeamento de Fornecedores Gerenciamento de Fretes Indicadores % Atendimento Janela de Recebimento Ranking de Fornecedores Incoming Quality (PPM) SDPR (Supplier Delivery Performance Rate) Timing, ASN, Over/Undershippment Production Losses devido a Fornecedores Custo de Frete Extra (rodoviário / aéreo) Lead time do processo aduaneiro 11

12 6 - Logística Operativa Processos Recebimento (Inbound) Janela de Recebimento : Milk Run / Just in Time / Kanban / PoU / (PoP) Gate Control (Entrada de Dados no Sistema ERP) Sistemas Típicos (CMMS, SAP, Oracle, Microsiga,...) Integração com Sistemas Financeiros (Contas a Pagar, Gerenciamento de Inventário) Incoming Quality (Amostragem / Peças em QC / Ranking PPM) Verificação de Integridade de lote (Documental x Físico) Gerenciamento de Embalagens Armazenagem (Tipos de Locação) Randômica / Fixa FIFO / Prazo de Validade Produtos Químicos / Controle Min-Max / Gerenciamento Visual (Cartões) / Feedback para Analistas Material Susceptível a Roubo 12

13 6 - Logística Operativa Processos Abastecimento de Linha Controle de rotas, PFEP (Plan For Every Part) Pontos de Uso / Troca Rápida (Dolies) Pontos de Uso Ergonomia / Deslocamento / Manuseio / Pick Light (zero defeito) Equipamentos para movimentação de material (SEGURANÇA, manutenção) Expedição (Outbound) Gerenciamento de Embalagens Locação de End Item (Randômico x Fixo) FIFO Release de Embarques Consolidação de Carga (Otimização de Transporte) Validação de Carga (Governança) Janelas de Embarque 13

14 6 - Logística Operativa Processos (cont.) Expedição (Outbound) (cont.) Gate Control (Emissão de NF / Entrada de Dados) Sistemas Típicos (CMMS, SAP, MRP,...) Integração com Sistemas Financeiros (Faturamento, Gerenciamento de Inventário) Confirmação de Recebimento no Cliente ( Piloto Automático ) 14

15 6 - Logística Operativa Ferramentas de Controle Recebimento (Inbound) VSM Macro da Logística incluindo atividades e rotas Relatório de Atendimento da Janela de Recebimento Pontualidade do Fornecedor Tempo de Descarregamento Relatórios de Discrepâncias de Recebimento Notificação ao Fornecedor Relatório de PPM Incoming Quality Relatório de Pagamentos (Recebimento) Contas à Pagar Lista de Itens Abaixo do Mínimo e Zerados Abastecimento de Linha VSM Macro da Logística incluindo atividades e rotas PFEP Relatórios de Gerenciamento de Cartões de Abastecimento ( Smart System ) Auditoria dos Pontos de Uso (Max Min, freqüência peças card, tempo de atendimento peças call ) Plano de Manutenção de Veículos Industriais 15

16 6 - Logística Operativa Ferramentas de Controle (cont.) Expedição VSM Macro da Logística com Alocação de End Items Auditoria de FIFO Relatório de Aging do Inventário (Without Usage) Relatório de Necessidade de Expedição (Demanda Diária/Semanal) Relatório de Otimização de Carga (cubbing) Auditoria de Doca (Qualidade e Data Integrity) Controle de Fluxo de Embalagens de Fornecedores na Planta Controle de Fluxo de Embalagens Próprias em Fornecedores e Clientes Piloto Automático Feedback do Cliente (Sistema de Avaliação) Relatório de Contas a Receber (Faturamento) 16

17 6 - Logística Operativa Indicadores Recebimento Indicador de Atendimento ao Time Window por Fornecedor Tempo Médio de Descarregamento Indicador de Discrepâncias de Recebimento Notificação ao Fornecedor Indicador de Rejeitos de Qualidade (PPM) Incoming Quality Indicador de Giro de Embalagens ( % entre entradas e saídas) Abastecimento de Linha Indicador de Cartões Perdidos Indicador de Tempo de Ciclo (Rota) Perda de Produção por Falha de Abastecimento Indicador de Auditoria nos Pontos de Uso Performance da Manutenção Preventiva de Veículos Industriais 17

18 6 - Logística Operativa Indicadores (cont.) Expedição Indicador de Cubagem Indicador de Auditoria de Doca (checklist de embarque) MTTR de Embalagens (manutenção) Índice de Satisfação do Cliente 18

19 7 - Material Não Produtivo Processos Parametrização de Local de uso e Consumo estimado pelos Usuários Sistema de Gerenciamento de Inventário Estratégia de IT Utilização de Barcode a partir do Fornecedor para gerenciamento do estoque Central Warehouse - Linkado com o Sistema de Gerenciamento de Inventário Corporativo com visão de Estoque em todas as Plantas Satellite Warehouse / Drop Zone - Stand Alone ou Em Rede / conectado ou não com Sistema de Gerenciamento de Inventário Corporativo Janela de Recebimento / Just in Time / Kanban / PoU / PoP / Milk Run Comodatários Conceito de Estoque Zero no Cliente Definição de Linhas de produtos por Comodatário Estratégia de Fornecimento e Abastecimento Chamada de Material 19

20 7 - Material Não Produtivo Processos (cont.) Gate Control (Entrada de Dados no Sistema de Gerenciamento) Sistemas Típicos (IMIS, SAP, Máximo,...) Integração com Sistemas Financeiros (Contas a Pagar, Gerenciamento de Inventário) Central Warehouse Verificação de Integridade de lote (Documental x Físico) Incoming Quality (Amostragem / Peças em QC / Ranking PPM) FRACAS (Failure Reporting Analysis and Corrective Action System) Armazenagem (Tipos de Locação) FIFO / Prazo de Validade Produtos Químicos / Controle Min-Max / Gerenciamento Visual (Cartões) / Feedback para Analistas Material Susceptível a Roubo Locação Cativa para material obsoleto e scrap Rotas de Abastecimento (Drop Zone, Lista Mestra) 20

21 7 - Material Não Produtivo Processos (cont.) Satellite Warehouse (Manutenção Central) / Drop Zones (IMT) FIFO / Prazo de Validade Produtos Químicos / Controle Min-Max / Gerenciamento Visual (Cartões) / Alocação Auditoria de Warehouse (Quantidade, Alocação, FIFO, Obsolescência...) Preparação de sub-conjuntos para troca rápida Gerenciamento de Embalagens Gerenciamento de Hazardous MaterialMaterial Industrial Ferramentas de Controle Monitoramento Área Usuária e Consumo VSM de Material de Industrial por Família (Fluídos, Ferramentas, Manutenção,...) Road Map de Gerenciamento de Inventário, Mapa de Fornecedores (Geográfico, Modal, Transit Time, Lotes, Freqüência,Contatos, Statement of Capacity, Certificações) Banco de Dados primário Avaliação dos Fornecedores-Chave 21

22 7 - Material Não Produtivo Ferramentas de Controle (cont.) Relatórios de Discrepâncias de Recebimento Notificação ao Fornecedor Relatório de FRACAS Incoming Quality Auditoria de Warehouse (Quantidade, Alocação, FIFO, Obsolescência...) Relatórios de Excesso, Crítico, Aging, Valor, Turn over por Área Relatório de Fill Rate Instantâneo e Periódico, Inventory Rate Relatório de Pagamentos (Recebimento) Contas à Pagar Turn Over por Fornecedores Relatório de Liberação de Hazardous Material Indicadores Custo de Material Industrial por Área (Consumo) % Itens consumidos X consumo projetado (foco na assertividade da demanda estimada) Custo e Turn-over de Inventário Desempenho de Fornecedores Recuperação de Gasto por Garantia (Ressarcimento por Fornecedores) Não-Conformidades de Warehouse(Quantidade, Locação, FIFO, Obsolescência...) Indicador de Excesso, Crítico, Aging, Valor, Turn over por Área 22

23 7 - Material Não Produtivo Indicadores (cont.) Fill Rate Instantâneo e Periódico, Inventory Rate MTTS (Mean Time To Supply) Faturamento Mensal e Turn-over por Fornecedor % de Liberação de Hazardous Material 23

24 8 Gerenciamento de Inventário Físico (Contagem Cíclica) Processos Programa de Contagem Cíclica para Material Produtivo e Não-Produtivo (Frequência e Famílias) Ferramenta de IT para calendarização Itens Susceptíveis a Roubo Material Consignado (Mapa de Fornecedores e Materiais) Contagens Excepcionais (MTC e Supply Chain) Ferramentas de Controle Plano de Contagem Periódico Relatório de Discrepâncias (Físico x Sistema) Programação de Recontagens Concern Priority List (Repetibilidade das Discrepâncias) Ajustes de Contagem Material Consignado Aprovação do Fornecedor, de Finanças e Compras da Companhia Material Normal - Níveis de Aprovação Internos 24

25 8 Gerenciamento de Inventário Físico (Contagem Cíclica) Indicadores Desempenho de Contagem (Programado x Realizado) Dentro da Tolerância na Primeira Contagem Ajustes Dentro do Prazo Estipulado (Ocorrências) Ajustes em Valores Gross (Ganhos e Perdas) e Net Top-ten de Ajustes de Contagem 25

26 8 - Gerenciamento de Inventário (Contábil) Processos Desenvolvimento do Budget Histórico de Anos Anteriores Análise de Cenário de Demanda Futura VSM Parametrização do Inventário (curva ABC) Desempenho da Produção (Ganhos e/ou Perdas) Ferramentas de Controle Relatório de Inventário por Analista (Valores e Turnover) Relatório de Custo Total e Turnover( Days/Month Supply) Material em Trânsito Material no Estoque WIP Material em Processo / Rejeitos em aberto Produto Acabado (End item) Material Obsoleto / High Aging / Without Usage Indicadores Indicadores de Desempenho (Budget x Forecast x Actual) em Valores e Days Supply / DTD 26

27 9 - Gestão de Custos Processos Desenvolvimento de Budget Mão de Obra Direta Administrativa / Operacional Despesas com Materiais de Consumo Contratos de Prestação de Serviço Custo de Transporte Interno Custo da Manutenção de Veículos Industriais Custo de Área Ocupada Reposição e Manutenção de Embalagem (RSR Returnable Shipping Racks) Compra de Embalagens (ESR Expendable Shippping Racks) Ferramentas de Controle Procedimento para Aprovação de Despesa Relatório de Desempenho contra Forecast e Budget Roadmap de Melhorias Indicadores Indicadores de Desempenho de Custos ( Budget x Forecast x Actual) 27

28 Referências Bibliográficas HORGREN, Charles et.al, Cost Accounting - A Managerial Emphasis, 11a ed., New York: Prentice Hall, 2003, cap.5, pag BOWERSOX, Donald J., et al. Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística. Rio de Janeiro: Campus Elsevier, 2a. ed, NOVAES, Antonio Galvão. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição: Estratégia, Operação e Aplicação. São Paulo: Campus, 2a. ed GONÇALVES, Paulo Sérgio. Administração de Materiais. São Paulo: Campus, 2ª ed., LAUGENI, Fernando Piero; MARTINS, Petrônio Garcia. Administração da Produção. São Paulo: Saraiva, 2a. ed., Supply Chain Network, Disponível em: <http://scmprofessionals.ning.com> Six Sigam Network, Disponível em : <http://www.leansixsigma.com.br/default.asp> 28

MAYKON BUENO DA SILVA

MAYKON BUENO DA SILVA MAYKON BUENO DA SILVA Buscando recolocação como Analista Sênior / Especialista em - Planejamento e Controle de Materiais (PCM); - Logística (Planejamento, Transportes ou Suprimentos); - Compras. Curitiba/PR/Brasil

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Indústria. SIQ - Qualidade que traz Resultados!

Indústria. SIQ - Qualidade que traz Resultados! Indústria SIQ - Qualidade que traz Resultados! Panorama atual Modelo de gestão não estruturada Como as soluções atuam Onde atuam Soluções SIQ Modelo de Gestão Estruturada Todas as Suítes Fluxos Estimativa

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

EMPRESA. fornecedor suprimento produção distribuição cliente. Fluxo de informação. Fluxo de materiais. Fluxo Financeiro.

EMPRESA. fornecedor suprimento produção distribuição cliente. Fluxo de informação. Fluxo de materiais. Fluxo Financeiro. EMPRESA fornecedor suprimento produção distribuição cliente Fluxo de informação Fluxo de materiais Fluxo Financeiro Fluxo Logístico Fonte: A. Novaes Poucos itens em estoque compras mais freqüentes qualidade

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 3/3 (terceiro de três) Período: de 13/12/2007 a 13/02/2008

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 3/3 (terceiro de três) Período: de 13/12/2007 a 13/02/2008 Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

Os produtos da Royal 4 têm como base as ferramentas PROGRESS, banco de dados e linguagens de quarta geração (4GL), bastante atuais e abertas.

Os produtos da Royal 4 têm como base as ferramentas PROGRESS, banco de dados e linguagens de quarta geração (4GL), bastante atuais e abertas. Nos mais de 16 anos passados desde sua fundação, Royal 4 tem disponibilizado soluções de software empresariais para companhias de médio e grande porte dos segmentos de manufatura, varejo, atacado e distribuição.

Leia mais

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Sumário Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Capítulo 2 - A Integração do Marketing com a Logística 21 2.1. O Departamento de Vendas 21 2.2. Plano de

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO DE FINANÇAS E CUSTOS Etapa: 07 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa:

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

O Lean Thinking aplicado ao Supply Chain. Alexandre Cardoso

O Lean Thinking aplicado ao Supply Chain. Alexandre Cardoso O Lean Thinking aplicado ao Supply Chain Alexandre Cardoso Agenda Logística lean Armazenagem Inbound Outbound Lean em Fornecedores 2 Competitividade além das operações e da empresa Produção Produção Produção

Leia mais

IX FÓRUM NACIONAL DE LOGÍSTICA & SEMINÁRIO INTERNACIONAL Rio de Janeiro, 18 a 20 de agosto 2003 PALESTRANTES:

IX FÓRUM NACIONAL DE LOGÍSTICA & SEMINÁRIO INTERNACIONAL Rio de Janeiro, 18 a 20 de agosto 2003 PALESTRANTES: IX FÓRUM NACIONAL DE LOGÍSTICA & SEMINÁRIO INTERNACIONAL Rio de Janeiro, 18 a 20 de agosto 2003 PALESTRANTES: Richard Schues Diretor, VW Transport Fabio Luis Fontes Coordenador do Projeto, VW Transport

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Cenário 1 - SIGNUS ERP Back-office

Cenário 1 - SIGNUS ERP Back-office Gestão e-commerce São 3 cenários possíveis: 1º SIGNUS ERP Back-office integrado a sua loja virtual 2º SIGNUS B2B e-commerce on-line 3º SIGNUS B2C e-commerce on-line Cenário 1 - SIGNUS ERP Back-office Integração

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

Antes de começar... Perguntas no final da apresentação. Tempo de duração: 30' Celular no modo silencioso

Antes de começar... Perguntas no final da apresentação. Tempo de duração: 30' Celular no modo silencioso Antes de começar... Celular no modo silencioso Tempo de duração: 30' Perguntas no final da apresentação Jornada Excelência e Eficiência Operacional Seja Lean: diga não ao desperdício Planejament o preciso:

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações UMC / EPN Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Maio / 2013 1 Ementa da Disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo

Leia mais

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes.

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. EMPRESA CRIADA EM 2007, a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. Além de fazer um diagnóstico e sugerir recomendações, a WZ acredita

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

Pós-Graduação Fórum Lean Vale do Paraíba A contribuição do Lean-TOC-VMI para a gestão eficaz da cadeia de suprimentos Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann CIS-ERP / Grupo Everel 16maio2009 artur.moellmann@terra.com.br

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

LOG SERVICES TELA DE GESTÃO DOS MÓDULOS TEM UM VISUAL MODERNO E COMERCIAL, PARA SER UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE VENDA

LOG SERVICES TELA DE GESTÃO DOS MÓDULOS TEM UM VISUAL MODERNO E COMERCIAL, PARA SER UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE VENDA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO DOS MÓDULOS TELA INICIAL TELA DE GESTÃO DOS MÓDULOS TEM UM VISUAL MODERNO E COMERCIAL, PARA SER UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE VENDA APRESENTAÇÃO DOS MÓDULOS WORKFLOW DOS MÓDULOS

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO

COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO CAFÉ DA MANHÃ 30/04/2014 AGENDA 1. Leroy Merlin Brasil: uma empresa em crescimento 2. A estruturação do Supply Chain Ø

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA NÍVEL DE SERVIÇO CUSTO TOTAL

LOGÍSTICA INTEGRADA NÍVEL DE SERVIÇO CUSTO TOTAL LOGÍSTICA INTEGRADA NÍVEL DE SERVIÇO CUSTO TOTAL João Roberto Rodrigues Bio 1o. Prof. Semestre João Roberto de 2006 R. Bio LOGÍSTICA INTEGRADA Logística Integrada Planejamento, implantação e operação da...

Leia mais

5. Práticas de SCM na GSK

5. Práticas de SCM na GSK 5. Práticas de SCM na GSK Desde a fusão em 2001, a GSK estima que obteve cerca de 1 bilhão em economias relacionadas à racionalização da sua rede de suprimentos e das atividades de SCM. Além das economias

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

VOLKSWAGEN Transport of South America. CNT i Moniloc. Agosto 2005

VOLKSWAGEN Transport of South America. CNT i Moniloc. Agosto 2005 VOLKSWAGEN Transport of South America CNT i Moniloc Agosto 2005 Agenda Cenário Volkswagen Transport Desafio : Milkrun Brasil Solução : CNT Intelligence Resultados Experiência do Processo Cenário Volkswagen

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência

Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência problema Má organização do espaço físico Mercadoria estagnada Tempos de resposta longos Expedições incorrectas Ausência de rastreabilidade Informação

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br sileneudesc@gmail.com Sistemas Produtivos O sistema de produção define de que maneira devemos organizar a

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

MBA em Gestão Logística

MBA em Gestão Logística Pág. 1/5 MBA em Gestão Logística Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados das 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas de R$ 380,00* * Valor

Leia mais

Grupo SLC - Quadro 4

Grupo SLC - Quadro 4 1 Institucional Grupo SLC 3 Grupo SLC -Quadro 4 Grupo SLC Receita Bruta 5 Histórico 1957 1º/10 a empresa é fundada por Walter Herz( RS) 1965 A FG assume a IcoComercial, de Curitiba (PR) 1973 Incorpora

Leia mais

Diagnóstico e Auditoria da Logística. Check-List Básico

Diagnóstico e Auditoria da Logística. Check-List Básico Diagnóstico e Auditoria da Logística Check-List Básico 1 Diagnóstico e Auditoria da Logística Objetivos Elaborar diagnóstico do sistema logístico para identificar os desvios e as correspondentes causas

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Logistica Empresarial 7/11/2013

Logistica Empresarial 7/11/2013 Logística mpresarial Apresentação Professor: Luiz Mottim Graduação: Ciências Contábeis 1.999 Pós Graduação: Gestão Logística 2.004 (3G) Pós Graduação: Gestão Industrial 2.007 Atividade profissional: 27

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

SAP Excelência Operacional & Inovação. Daniel Bio Setembro 2013

SAP Excelência Operacional & Inovação. Daniel Bio Setembro 2013 SAP Excelência Operacional & Inovação Daniel Bio Setembro 2013 Portfolio de informações atualmente Fragmentado, antigo e não orientado ao usuário Serviço ao Consumidor Gerente de Vendas Finanças e Operações

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais.

Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais. Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais. Quem Somos A MDS soluções é uma prestadora de serviços que procura apoiar

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Agilidade, segurança e flexibilidade nos processos são os compromissos da Sistema Informática com seus clientes. Sediada em Criciúma,

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO Sistema de gestão ERP GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA

Leia mais

'$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$& !"#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra.

'$($')!$!& (*+!,-$+& +.*/$& !#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. Silene Seibel A variável Estoque Texto base da disciplina PCP da Udesc Introdução No planejamento e controle

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

SAP - Planejamento de Negócio Integrado. Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain

SAP - Planejamento de Negócio Integrado. Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain SAP - Planejamento de Negócio Integrado Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain Agenda Introdução SAP Extended Supply Chain SAP Integrated

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem Nádia Veríssimo (EESC-USP) nadiaverissimo@hotmail.com Prof. Dr. Marcel Andreotti Musetti (EESC-USP) musetti@prod.eesc.sc.usp.br Resumo Este trabalho

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

KANBAN ELETRÔNICO. Palavras-chave: ASN, ERP, Internet, Kanban Supply Web, Milk-Run, MRP.

KANBAN ELETRÔNICO. Palavras-chave: ASN, ERP, Internet, Kanban Supply Web, Milk-Run, MRP. KANBAN ELETRÔNICO ÁREA TEMÁTICA Gestão da Cadeia de Suprimentos Clístenes Robson da Silva, r_sons@hotmail.com FATEC Carapicuíba Silvio José Rosa, silvio.rosa2004@ig.com.br FATEC Carapicuíba RESUMO Este

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning. Sistemas Integrados de Gestão

ERP Enterprise Resource Planning. Sistemas Integrados de Gestão ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão ERP O que é S.I. com módulos integrados que dão suporte a diversas áreas operacionais Ex. vendas, gestão de materiais, produção, contabilidade,

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Utilização do Kanbans Eletrônicos Integrados à Gestão de Estoques e ao Planejamento

Utilização do Kanbans Eletrônicos Integrados à Gestão de Estoques e ao Planejamento Utilização do Kanbans Eletrônicos Integrados à Gestão de Estoques e ao Planejamento 1 A CBC Companhia Brasileira de Cartuchos CBC, uma Empresa Brasileira fundada em 1926 O Grupo CBC controla as empresas

Leia mais

Projetos Seis Sigma em áreas Transacionais e Empresas Prestadoras de Serviços

Projetos Seis Sigma em áreas Transacionais e Empresas Prestadoras de Serviços Projetos Seis Sigma em áreas Transacionais e Empresas Prestadoras de Serviços Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br F. (19) 3707-1535 M. (11) 9939-4079 1 Agosto de 2007 Objetivo : Apresentar aos participantes

Leia mais

Logística Enxuta, um diferencial competitivo

Logística Enxuta, um diferencial competitivo CONGRESSO BRASILEIRO DE SUPPLY CHAIN E LOGÍSTICA Logística Enxuta, um diferencial competitivo March, 2015 MARCO BIANCOLINI 1 Palestrante Marco Biancolini Diretor de Logística Email : mbiancolini@shcnet.com.br

Leia mais

Administração Materiais X Distribuição Física

Administração Materiais X Distribuição Física ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2010 2 Administração Materiais X Distribuição Física A é o inverso da Distribuição Física Trata do fluxo de produtos para a empresa ao invés

Leia mais

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Centro Universitário de Barra Mansa UBM Curso de Administração Tecnologia da Informação Aplicada à Administração ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Prof. M.Sc. Paulo

Leia mais

Infor ERP SyteLine Visão Geral. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas

Infor ERP SyteLine Visão Geral. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Infor ERP SyteLine Visão Geral Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Sobre a Mag-W A Mag-W foi criada especialmente para trazer ao mercado o que há de melhor em soluções corporativas de Tecnologia da Informação

Leia mais

MRP / MRP II MRP / MRP II

MRP / MRP II MRP / MRP II MRP = Material Requirement Planning (planejamento das necessidades de materiais) Surgiu da necessidade de se planejar o atendimento da demanda dependente (que decorre da independente) Lista de material

Leia mais

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA EMPRESA A WZ É UMA EMPRESA de consultoria em logística formada por profissionais com ampla experiência de mercado e oriundos de empresas dos setores varejista, atacadista, distribuidores e industrias.

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais