Classificação e Codificação de Materiais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Classificação e Codificação de Materiais"

Transcrição

1 Localização e Classificação de Estoque Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 26/09/2011 Classificação e Codificação de Materiais Estabelecer uma padronização através da identificação, da catalogação, da codificação e do cadastramento de todos os materiais da empresa, atuando, portanto, como uma função-meio destinada ao apoio das demais atividades de suprimento. 1

2 Padronização Diminuir o número de itens no estoque; Simplificação dos materiais; Reduzir a quantidade de itens estocados; Adquirir materiais com maior rapidez; Evitar a diversificação de materiais de mesma aplicação; Obter maior uniformidade dos itens em estoque. Partes Intercambiáveis: permite atender a diversos produtos a partir de uma base reduzida de suprimentos. Identificação Primeiro e mais importante passo para a classificação do material. Análise e registro dos principais dados individualizadores, que caracterizam e particularizam um item em relação ao universo de outros materiais existentes na empresa. Conseqüências da identificação incorreta ou incompleta: *** duplicidade no estoque; *** divergências de saldos físicos; *** controle duplos; *** estatísticas de consumo falhas. 2

3 Catalogação e Codificação Catalogação: especificação das principais características do item. Codificação: atribuição de um código representativo dos elementos identificadores do item; simboliza a identidade do material. Exemplo: XX XXX XXXXX GRUPO CLASSE SUB GRUPO SUB CLASSE SEQUENCIAL CONTROLE Classificação e Codificação de Materiais M ATE R IAL M ECANICA R O L AM E N T O S M AN C AIS E ACESSÓRIO S SEQ UENCIAL C O N T R O L E Codificação e descrição: Rolamento de Esferas ZZ contra-recuo rotação direcional 3

4 Localização de Estoques Forma de endereçamento dos itens estocados para fácil localização no almoxarifado. AA.B.C.D.E AA Código do Almoxarifado ou Área de Estocagem B Número da Rua C Número da Prateleira ou Estante D Posição Vertical E Posição Horizontal dentro da posição vertical. Classificação ABC Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 26/09/

5 Classificação / Curva ABC CLASSIFICAÇÃO/CURVA ABC Processo de divisão de itens em três classes, de acordo com a quantia demandada e a utilização de capital. É obtida através da ordenação dos itens conforme sua importância relativa. Classificação / Curva ABC Cerca de 20% dos itens vendidos somam cerca de 80% do volume anual de consumo da empresa (consumo X preço). Os demais 80% dos itens consumidos somam apenas 20% do volume anual. 5

6 Definição das Classes Classe A: representam cerca de 20% dos itens vendidos ou mantidos em estoque e 80% do faturamento. Portanto, poucos produtos, se bem administrados, têm potencial de redução nos riscos associados à demanda. Grupo prioritário Modelo individualmente para cada produto Revisão e atualização constante do modelo. Definição das Classes Classe B: representam cerca de 30% dos itens vendidos ou mantidos em estoque e 15% do faturamento. Modelos individuais de estoques, mas investigação detalhada dos itens neste grupo tende a não se pagar. Classe C: representam cerca de 50% dos itens vendidos ou mantidos em estoque e 5% do faturamento. Modelos agregados de estoques. Justificam menos atenção por parte da administração. 6

7 Representação dos valores para classificação 100% Volume anual consumido Itens Estocados / consumidos 100% Informações para elaboração de uma classificação ABC Material Preço Unitário Consumo Anual (un) A R$ 2, B R$ 14, C R$ 45, D R$ 23, E R$ 7, F R$ 900,00 30 G R$ 42, H R$ 12, I R$ 8, J R$ 58,

8 Cálculo do Valor do Consumo Material Preço Unitário Consumo Anual (un) Valor Consumo (R$/ano) A R$ 2, R$ ,00 B R$ 14, R$ ,00 C R$ 45, R$ ,00 D R$ 23, R$ ,00 E R$ 7, R$ ,00 F R$ 900,00 30 R$ ,00 G R$ 42, R$ ,00 H R$ 12, R$ ,00 I R$ 8, R$ 8.000,00 J R$ 58, R$ 8.700,00 Cálculo do % para classificação Material Valor Consumo (R$/ano) Valor consumo acumulado % sobre Valor Total B R$ ,00 R$ ,00 47,93% D R$ ,00 R$ ,00 67,61% E R$ ,00 R$ ,00 79,60% F R$ ,00 R$ ,00 84,22% C R$ ,00 R$ ,00 88,07% G R$ ,00 R$ ,00 91,66% A R$ ,00 R$ ,00 95,09% H R$ ,00 R$ ,00 97,14% J R$ 8.700,00 R$ ,00 98,63% I R$ 8.000,00 R$ ,00 100,00% 8

9 Classificação ABC Material % sobre Valor Total % Classificação Classificação B 47,93% AA D 67,61% 80,00% A E 79,60% A F 84,22% B C 88,07% B 15,00% G 91,66% B A 95,09% B H 97,14% C J 98,63% 5,00% C I 100,00% C Exercício Exercício: Você tem a tarefa de elaborar uma política de estoques, para tanto está inicialmente classificando os materiais através de uma Classificação ABC. Defina a classe dos materiais, com base nas seguintes informações coletadas do sistema de informações da empresa. Item Demanda Média Anual Custo R$ 156, R$ 55, R$ 314, R$ 30, R$ 1, R$ 19, R$ 25, R$ 19, R$ 1, R$ 25, R$ 0, R$ 1, R$ 5, R$ 0, R$ 2, R$ 0,06 9

10 Curva ABC - Criticidade Uma análise da Curva ABC exclusivamente em relação a valores podem apresentar distorções perigosas, pois ela não considera a importância do bem para o processo produtivo da empresa. Um simples parafuso da curva C pode interromper a produção de um equipamento ou instalação essencial à produção dos bens e serviços. Pode ser usado o conceito de criticidade dos itens de estoque. Criticidade é a avaliação dos itens quanto ao impacto que ele causará a sua falta na operação da empresa, podendo ocasionar altos custos na sua imagem. A falta provoca parada na produção B não provoca efeitos a curto prazo C demais itens. Avaliação de Estoque Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 26/09/

11 Avaliação do Estoque A Avaliação de estoque influi no custo dos bens vendidos ou das matérias-primas usadas na produção. Avaliação feita com base nos preços dos itens existentes no estoque. Métodos: Custo Médio, PEPS (FIFO) e UEPS (LIFO). Avaliação do Estoque Fatores que justificam a avaliação de estoques: Assegurar que o capital imobilizado em estoques seja o mínimo possível; assegurar que estejam de acordo com a política da empresa; valor desse capital seja uma ferramenta de tomada de decisão; evitar desperdícios como obsolescência, roubos, extravios,... 11

12 Método do Custo Médio Tem como base a fixação do preço médio entre as entradas e as saídas. Exemplo: Peça XX teve no mês de março de 2006 a seguinte movimentação: Entradas Saídas Saldos Data Histórico Qtdade Preço Unitário Total ($) Qtdade Preço Unitário Total ($) Qtade Preço Médio Total 02/mar Est. Inicial 10 R$ 12,00 R$ 120, R$ 12,00 R$ 120,00 05/mar Venda R$ 12,00 R$ 60,00 5 R$ 12,00 R$ 60,00 08/mar Compra 10 R$ 15,00 R$ 150, R$ 14,00 R$ 210,00 10/mar Venda R$ 14,00 R$ 140,00 5 R$ 14,00 R$ 70,00 10/mar Compra 20 R$ 18,00 R$ 360, R$ 17,20 R$ 430,00 15/mar Venda R$ 17,20 R$ 258,00 10 R$ 17,20 R$ 172,00 20/mar Compra 10 R$ 21,00 R$ 210, R$ 19,10 R$ 382,00 28/mar Venda R$ 19,10 R$ 286,50 5 R$ 19,10 R$ 95,50 Método PEPS/FIFO PEPS (Primeiro a entrar, primeiro a sair) FIFO (First In, First Out) Avaliação é feita pela ordem cronológica das entradas e das saídas. Sai o material que primeiro integrou o estoque, sendo substituído pela mesma ordem cronológica em que foi recebido. 12

13 Método PEPS/FIFO Exemplo: Peça XX teve no mês de março de 2011 a seguinte movimentação: Entradas Saídas Saldos Data Histórico Qtdade Preço Unitário Total ($) Qtdade Preço Unitário Total ($) Qtade Preço Total 02/mar Est.inicial 10 R$ 12,00 R$ 120, R$ 12,00 R$ 120,00 05/mar Venda R$ 12,00 R$ 60,00 5 R$ 12,00 R$ 60,00 08/mar Compra 10 R$ 15,00 R$ 150, R$ 12,00 R$ 60,00 10 R$ 15,00 R$ 150,00 10/mar Venda R$ 12,00 R$ 60,00 5 R$ 15,00 R$ 75,00 5 R$ 15,00 R$ 75,00 10/mar Compra 20 R$ 18,00 R$ 360, R$ 15,00 R$ 75,00 20 R$ 18,00 R$ 360,00 15/mar Venda R$ 15,00 R$ 75,00 10 R$ 18,00 R$ 180,00 10 R$ 18,00 R$ 180,00 20/mar Compra 10 R$ 21,00 R$ 210, R$ 18,00 R$ 180,00 10 R$ 21,00 R$ 210,00 28/mar Venda R$ 18,00 R$ 180,00 5 R$ 21,00 R$ 105,00 5 R$ 21,00 R$ 105,00 Método UEPS/LIFO UEPS (Último a entrar, primeiro a sair) LIFO (Last In, First Out) Saem as últimas unidades que deram entrada no estoque. Saldo avaliado ao preço das últimas entradas. 13

14 Método UEPS/LIFO Exemplo: Peça XX teve no mês de março de 2011 a seguinte movimentação: Entradas Saídas Saldos Data Preço Histórico Qtdade Unitário Total ($) Qtdade Preço Unitário Total ($) Qtade Preço Total 02/mar Est.inicial 10 R$ 12,00 R$ 120, R$ 12,00 R$ 120,00 05/mar Venda R$ 12,00 R$ 60,00 5 R$ 12,00 R$ 60,00 08/mar Compra 10 R$ 15,00 R$ 150, R$ 12,00 R$ 60,00 10 R$ 15,00 R$ 150,00 10/mar Venda R$ 15,00 R$ 150,00 5 R$ 12,00 R$ 60,00 10/mar Compra 20 R$ 18,00 R$ 360, R$ 12,00 R$ 60,00 20 R$ 18,00 R$ 360,00 15/mar Venda R$ 18,00 R$ 270,00 5 R$ 12,00 R$ 60,00 5 R$ 18,00 R$ 90,00 5 R$ 12,00 R$ 60,00 20/mar Compra 10 R$ 21,00 R$ 210, R$ 18,00 R$ 90,00 10 R$ 21,00 R$ 210,00 28/mar Venda R$ 21,00 R$ 210,00 5 R$ 18,00 R$ 90,00 5 R$ 12,00 R$ 60,00 Comparativo entre os métodos Resultados - Saldo Final (mês março) Custo Médio R$ 95,50 PEPS R$ 105,00 UEPS R$ 60,00 Melhor resultado é pelo UEPS/LIFO apresentando um imobilizado em estoques menor. PORÉM, a legislação brasileira não permite a utilização do método UEPS para fins de apuração do resultado. 14

15 Referências Martins, P. G. e Alt, P.R.C. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais. São Paulo: Saraiva, Bertaglia, P. R. Logística e o Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento. São Paulo: Saraiva, Brand, F. C. Notas de Aulas da Disciplina de Administração de Recursos Materiais. Disponível no site da UFRGS,

GESTÃO DE ESTOQUES AVALIAÇÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES AVALIAÇÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES AVALIAÇÃO DE ESTOQUE Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 6 Prof. Rafael Roesler Sumário Avaliação de estoques Métodos para avaliação de estoques Introdução

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: JÚLIO CÉSAR PEREIRA MARTINS 1. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.1 INVENTÁRIO PERMANENTE É um sistema de controle de estoque onde controlamos

Leia mais

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. Eng. Liane Freitas

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. Eng. Liane Freitas PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Eng. Liane Freitas O que será visto hoje? PCP: definição e objetivos Funções do PCP Programação da Produção Plano Mestre de Produção Programação para Volumes Intermediários

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES No inventário periódico, o controle é feito de períodos em períodos, no momento da apuração do resultado do exercício. Esse intervalo de tempo pode ser semanal, quinzenal,

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Custos Industriais Aula 3 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Custos Industriais Uma vez compreendida a terminologia de custos e suas fases durante o processo produtivo, iremos delimitar os

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA JBS S.A.

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA JBS S.A. MARCIO REIS - R.A 1039892 MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Carla Milanesi de Oliveira Carla_mila_lala@hotmail.com CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS PROF. RODRIGO FREITAS DE SOUZA REVISÃO rfsouza@fatecinternacional.com.br Objetivo da Logística Fazer chegar a quantidade certa das mercadorias certas ao local certo, no

Leia mais

1 Regime de Inventário Permanente

1 Regime de Inventário Permanente 1 Regime de Inventário Permanente... 1 1.1 Primeiro que entra primeiro que sai (PEPS FIFO)... 5 1.2 Média ponderada móvel (Média)... 6 1.3 Último que entra último que sai (UEPS LIFO)... 9 1 Regime de Inventário

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Patrimônio Página 1

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Patrimônio Página 1 Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Patrimônio Página 1 ELABORAÇÃO Gracília dos Santos Gonçalves FORMATAÇÃO Silvânia Oliveira Teixeira REVISÃO Cristina Isidio Rodrigues Aguiar Albuquerque DATA Estabelecido

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC Paulino Botelho (Extensão Esterina Placco) Ensino Técnico Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: NEOENERGIA AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL OBJETO: obter subsídios ao aperfeiçoamento do Edital Nº 05/2014-ANEEL do 13º

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011. 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011. Disciplina o recebimento, a armazenagem, a estocagem e a distribuição de materiais pelos almoxarifados da UDESC. O Pró-Reitor de Administração

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS ALMOXARIFADO

GESTÃO DE MATERIAIS ALMOXARIFADO GESTÃO DE MATERIAIS ALMOXARIFADO INTRODUÇÃO Raríssimas empresas trabalham sem estoques, sejam eles de matéria-prima ou insumos, usados na fabricação ou produtos acabados para seus clientes. As organizações

Leia mais

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO A GESTÃO DE ESTOQUE COMO FATOR GERADOR DE LUCROS NO SETOR VAREJISTA Autor: Antonio Marcos Gonçalves

Leia mais

1) Você tem conta bancária?

1) Você tem conta bancária? 1) Você tem conta bancária? Sim 33 37 Não 67 63 2) Você sabe quanto paga de tarifas bancárias? Sim 36 33 Não 64 67 3) O custo das tarifas bancárias influi (ou influiria) na sua escolha de qual banco tornar-se

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 015 Etec Paulino Botelho Código: 091-6 Município: São Carlos - SP EE: Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

ATA Assistente Técnico Administrativo Trabalho em Equipe - Exercício Gestão Pública Keyvila Menezes

ATA Assistente Técnico Administrativo Trabalho em Equipe - Exercício Gestão Pública Keyvila Menezes ATA Assistente Técnico Administrativo Trabalho em Equipe - Exercício Gestão Pública Keyvila Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. EXERCÍCIOS: Trabalho em

Leia mais

Operações com Mercadorias Sem Impostos

Operações com Mercadorias Sem Impostos Contabilidade Empresarial Operações com Mercadorias Sem Impostos Profa. Vanda Aparecida Oliveira Dalfior Vanda.oliveira@pitagoras.com.br Curso de Ciências Contábeis - 2º. Período (2º. Semestre/2012) Operações

Leia mais

17/08/2010 PORQUE EXISTE ESTOQUE? se o fornecimento ocorresse exatamente quando fosse demandado, um item nunca seria estocado.

17/08/2010 PORQUE EXISTE ESTOQUE? se o fornecimento ocorresse exatamente quando fosse demandado, um item nunca seria estocado. Administração de Materiais: Estoques PORQUE EXISTE ESTOQUE? AULA 05 Gestão de Estoques se o fornecimento ocorresse exatamente quando fosse demandado, um item nunca seria estocado. 2 DEFINIÇÃO DE ESTOQUE

Leia mais

Todo erro gerencial acaba gerando estoque. Michael C. Bergerac Presidente Executivo Revlon, Inc.

Todo erro gerencial acaba gerando estoque. Michael C. Bergerac Presidente Executivo Revlon, Inc. Figura 1 Tomada de Decisão na Gestão de Estoques Fonte: NELLEMANN 1 Todo erro gerencial acaba gerando estoque. Michael C. Bergerac Presidente Executivo Revlon, Inc. SUMÁRIO 1 LOGÍSTICAMENTE FALANDO...

Leia mais

Cobertura de Estoques-Antigiro (Prazo médio de Rotação)

Cobertura de Estoques-Antigiro (Prazo médio de Rotação) Aula 3 Adm. de Materiais-TRE- ALEX DINIZ INDICADORES Giro de estoques Rotação de Estoques GIRO é a média de entrada e saída de um item em estoque, A unidade que este vem expresso é o inverso da unidade

Leia mais

Unidade I. Mercado Financeiro e. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade I. Mercado Financeiro e. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade I Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercado Financeiro O mercado financeiro forma o conjunto de instituições que promovem o fluxo de recursos entre os agentes financeiros.

Leia mais

20/03/2012 PORQUE EXISTE ESTOQUE? se o fornecimento ocorresse exatamente quando fosse demandado, um item nunca seria estocado.

20/03/2012 PORQUE EXISTE ESTOQUE? se o fornecimento ocorresse exatamente quando fosse demandado, um item nunca seria estocado. PORQUE EXISTE ESTOQUE? AULA 04 Movimentação e Armazenagem de Materiais Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves se o fornecimento ocorresse exatamente quando fosse demandado, um item nunca seria estocado. 2

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos estratégica e conectada ao canteiro na construção civil.

Leia mais

ATA Assistente Técnico Administrativo Gestão de Materiais Questões Giovanna Carranza

ATA Assistente Técnico Administrativo Gestão de Materiais Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA Assistente Técnico Administrativo Gestão de Materiais Questões Giovanna Carranza GESTÃO DE MATERIAIS Acerca de planejamento

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0 Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados Versão 1.0 Sumário Central de Materiais Esterilizados 3 1 Manual... de Processos - Central de Materiais Esterilizados 4 Fluxos do... Processo

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

MPU Gestão de Materiais Parte 03 Janilson Santos

MPU Gestão de Materiais Parte 03 Janilson Santos MPU Gestão de Materiais Parte 03 Janilson Santos 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL PROF.: JANILSON EXERCÍCIOS CESPE 1) (TJ-DF Técnico)

Leia mais

AULA 04 Movimentação e Armazenagem de Materiais. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

AULA 04 Movimentação e Armazenagem de Materiais. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves AULA 04 Movimentação e Armazenagem de Materiais Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves PORQUE EXISTE ESTOQUE? se o fornecimento ocorresse exatamente quando fosse demandado, um item nunca seria estocado. 2

Leia mais

Custeio por Absorção. Prof. Laércio Juarez Melz

Custeio por Absorção. Prof. Laércio Juarez Melz Custeio por Absorção Prof. Laércio Juarez Melz Introdução Método que apropria os custos diretos e indiretos ao produto. Os custos diretos são atribuídos com ajuda de controles específicos: Controle de

Leia mais

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS PRIAD - Adm. Materiais e Logística Prof. Célio 1 PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS QUESTÃO 1. Aponte a alternativa que não corresponde aos objetivos da Logística Empresarial

Leia mais

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima AULA 10 Contabilidade de Custos Parte 2 1. Introdução Nessa aula, estudaremos os critérios de avaliação de estoque, identificando o reflexo que tais critérios tem na apuração dos resultados das empresas.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA GERÊNCIA DE CONTABILIDADE

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA GERÊNCIA DE CONTABILIDADE NOTA TÉCNICA n. 008/2009/GECON Vitória, 09 de junho de 2009. Incluído o item 12 em 04 de janeiro de 2010. Assunto: Contabilização de Bens Imóveis para Revenda Prezados (as) Senhores (as), O presente Procedimento

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

CONCURSOS PÚBLICOS BACEN. Gestão de Materiais Exercícios. Prof. Amilton Küster

CONCURSOS PÚBLICOS BACEN. Gestão de Materiais Exercícios. Prof. Amilton Küster Questões de concursos 1. Os ativos intangíveis da empresa são, exceto: A) Clientes. B) Imagem da empresa. C) Capacidade de ação dos colaboradores em situações distintas. D) Imobilizado da empresa E) Fornecedores

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO DO LAYOUT NA GESTÃO DE MATERIAIS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA MULTINACIONAL PRODUTORA DE ARTIGOS ESPORTIVOS

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO DO LAYOUT NA GESTÃO DE MATERIAIS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA MULTINACIONAL PRODUTORA DE ARTIGOS ESPORTIVOS A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO DO LAYOUT NA GESTÃO DE MATERIAIS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA MULTINACIONAL PRODUTORA DE ARTIGOS ESPORTIVOS Yuri Laio Teixeira Veras Silva (UFPB ) yurilaio@hotmail.com Renan

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NO FLUXO DE CAIXA DE UMA EMPRESA VAREJISTA

A INFLUÊNCIA DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NO FLUXO DE CAIXA DE UMA EMPRESA VAREJISTA UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TALITA DOS SANTOS MARQUES A INFLUÊNCIA DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NO FLUXO DE CAIXA DE UMA EMPRESA VAREJISTA CRICIÚMA, NOVEMBRO

Leia mais

Contabilidade Comercial

Contabilidade Comercial Contabilidade Comercial Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Revisora: Divane A. Silva Sumário Contabilidade Comercial Unidade I 1 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS...1 2 RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES EXERCÍCIOS

GESTÃO DE ESTOQUES EXERCÍCIOS GESTÃO DE ESTOQUES EXERCÍCIOS GIRO DE ESTOQUE GIRO DE ESTOQUE Indica quantas vezes o estoque é utilizado em determinado período. ROTATIVIDADE/GIRO = ((CONSUMO) / (ESTOQUE MÉDIO)) Ex01 - Um pequeno especialista

Leia mais

UNIDADE VI - Planejamento e Controle de Projetos

UNIDADE VI - Planejamento e Controle de Projetos UNIDADE VI - Planejamento e Controle de Projetos Características do Planejamento e Controle Tarefas do Planejamento e Controle Processo de Planejamento e Controle de Projetos Técnicas e Ferramentas de

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Implantação do Sistema Enxuto de Movimentação e Armazenagem de Materiais para uma Empresa Montadora de Veículos Coletivos

Implantação do Sistema Enxuto de Movimentação e Armazenagem de Materiais para uma Empresa Montadora de Veículos Coletivos Implantação do Sistema Enxuto de Movimentação e Armazenagem de Materiais para uma Empresa Montadora de Veículos Coletivos Alvaro Luiz Neuenfeldt Júnior alvjr2002@hotmail.com Flávio Issao Kubota flavioissao.kubota@gmail.com

Leia mais

Estudo do processo de comunicação, de construção e de uso da informação no contexto da Ciência da Informação

Estudo do processo de comunicação, de construção e de uso da informação no contexto da Ciência da Informação Estudo do processo de comunicação, de construção e de uso da informação no contexto da Ciência da Informação Andressa Mello Davanso Faculdade de Biblioteconomia Centro de Ciências Humanas Sociais Aplicadas

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS Prof. Gilberto Porto Recursos Materiais Prova: CESPE - 2013 - MPU - Técnico AdministraMvo Na figura, a curva ABC representa uma situação

Leia mais

Título: Análise da gestão do capital de giro em uma empresa de médio porte da região de Ribeirão Preto (SP): um estudo de caso

Título: Análise da gestão do capital de giro em uma empresa de médio porte da região de Ribeirão Preto (SP): um estudo de caso Área Temática: Finanças Título: Análise da gestão do capital de giro em uma empresa de médio porte da região de Ribeirão Preto (SP): um estudo de caso AUTORES FRANCIELE AMARO PEREIRA Universidade Estadual

Leia mais

1.1 Caracterização do problema

1.1 Caracterização do problema 4 1. INTRODUÇÃO A gestão de materiais controla a quantidade em estoque à disposição dos setores produtivos e administrativos da empresa, mas refere-se também à sua valorização, ou seja, serve para fornecer

Leia mais

Como criar um fluxo de informação entre empresa, fornecedor e distribuidor

Como criar um fluxo de informação entre empresa, fornecedor e distribuidor Como criar um fluxo de informação entre empresa, fornecedor e distribuidor ebook Guias completos e gratuitos www.socialbase.com.br Índice 1. Introdução 2. Política de comunicação interna 3. Padronização

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES UNIFICAÇÃO DO CADASTRO DE MATERIAIS INVENTORY MANAGEMENT REGISTRATION OF UNIFICATION OF MATERIALS RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUES UNIFICAÇÃO DO CADASTRO DE MATERIAIS INVENTORY MANAGEMENT REGISTRATION OF UNIFICATION OF MATERIALS RESUMO GESTÃO DE ESTOQUES UNIFICAÇÃO DO CADASTRO DE MATERIAIS INVENTORY MANAGEMENT REGISTRATION OF UNIFICATION OF MATERIALS Edgar Luis de Souza Bomfim - elbomfim@hotmail.com Marcelo Augusto da Silva - marcelosilva_adm@yahoo.com.br

Leia mais

Análise da Centralização dos Estoques de Manutenção: o Caso de uma Empresa de Produtos Alimentícios

Análise da Centralização dos Estoques de Manutenção: o Caso de uma Empresa de Produtos Alimentícios Análise da Centralização dos Estoques de Manutenção: o Caso de uma Empresa de Produtos Alimentícios José Pretto da Silva prettoze@yahoo.com.br FABE Paulo Ricardo Borges FABE Resumo:O presente estudo consiste

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LOGÍSTICA EMPRESARIAL ELIANE DE JESUS ROCHA GESTÃO DE ESTOQUE

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LOGÍSTICA EMPRESARIAL ELIANE DE JESUS ROCHA GESTÃO DE ESTOQUE ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LOGÍSTICA EMPRESARIAL ELIANE DE JESUS ROCHA GESTÃO DE ESTOQUE VILA VELHA - ES 2010 ELIANE DE JESUS ROCHA GESTÃO DE ESTOQUE Monografia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Administração

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DJ100 MANUAL DE OPERAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO DJ100 MANUAL DE OPERAÇÃO MANUAL DE OPERAÇÃO 1 1 - INSTRUÇÕES INICIAIS IMPORTANTE LEIA COM ATENÇÃO! MANUAL DE OPERAÇÃO DJ100 Certifique-se de que a seleção de voltagem no equipamento é compatível com a tensão da rede elétrica.

Leia mais

OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos.

OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos. OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos. VIGÊNCIA DO CONTRATO 1- O contrato de abastecimento de água, recolha de águas residuais

Leia mais

Gestão de Estoques. Motivos para surgimento de estoques ! " # ) % & $ % & ' (

Gestão de Estoques. Motivos para surgimento de estoques !  # ) % & $ % & ' ( Gestão de Estoques Motivos para surgimento de estoques % &! $ % & " # " ) % & * $ % & ' ( 1 Decisões sobre volumes. TV() = Total annual variable costs and * + $, - " 2 Custos totais de um sistema simplificado

Leia mais

GUIA DE ESTUDO: Aborto

GUIA DE ESTUDO: Aborto GUIA DE ESTUDO: Aborto Julho 2015 1 ABORTO EM CASO DE ESTUPRO, ANENCEFALIA E GRAVIDEZ DE RISCO 1.1 Debate da eficiência da legislação atual 1.2 Produção de um documento final 2 ABORTO PARA TODOS OS CASOS?

Leia mais

Unidade Ribeirão Preto -SP

Unidade Ribeirão Preto -SP Unidade Ribeirão Preto -SP Gestão Estratégica de Controladoria O papel da controladoria na gestão estratégica de uma empresa Curriculum Luís Valíni Neto Técnico Contábil Administrador de Empresas pela

Leia mais

Técnico em Logística. Estoques. Luciana Bazante de Oliveira

Técnico em Logística. Estoques. Luciana Bazante de Oliveira Técnico em Logística Estoques Luciana Bazante de Oliveira 2015 C Presidenta da República Dilma Vana Rousseff Vice-presidente da República Michel Temer Ministro da Educação Cid Ferreira Gomes Secretário

Leia mais

SP 11/07/80 NT 060/80. As Funções da Sinalização de Trânsito. Eng.º José Ernesto Lima Gonçalves

SP 11/07/80 NT 060/80. As Funções da Sinalização de Trânsito. Eng.º José Ernesto Lima Gonçalves SP 11/07/80 NT 060/80 As Funções da Sinalização de Trânsito Eng.º José Ernesto Lima Gonçalves A sinalização de trânsito é um sistema de comunicação utilizado para a transmissão de mensagens relativas a

Leia mais

Professor Márcio Micheli. Administração de Recursos Materiais. Questões CESPE

Professor Márcio Micheli. Administração de Recursos Materiais. Questões CESPE 1. A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais no estoque. 2. Materiais que requerem cuidados especiais na armazenagem

Leia mais

Módulo 11 Instrumentos Financeiros Básicos Módulo 12 Outros Assuntos sobre Instrumentos Financeiros

Módulo 11 Instrumentos Financeiros Básicos Módulo 12 Outros Assuntos sobre Instrumentos Financeiros ESTUDO DE CASO Uma entidade possui o seguinte balancete para o ano encerrado em 31 de dezembro de 20X2. Usando as colunas da direita, marque quais itens estão dentro do escopo da Seção 11 e, para aqueles

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP. Curso Administração

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP. Curso Administração Disciplina: Administração Recursos Materiais e PLANO DE ENSINO - 2 o SEMESTRE/2013 Curso Administração Turno/Horário 3ª Feira 3 o e 4 o h 4ª Feira 3º e 4ºh Professor(a) Nazaré da Silva Dias Ferrão Turma:

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE MODELO DE ENDEREÇAMENTO DE MATERIAIS PARA APLICAÇÃO EM EMPRESAS VAREJISTAS DE PEQUENO A MÉDIO PORTE

PROPOSIÇÃO DE MODELO DE ENDEREÇAMENTO DE MATERIAIS PARA APLICAÇÃO EM EMPRESAS VAREJISTAS DE PEQUENO A MÉDIO PORTE XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. PROPOSIÇÃO DE MODELO DE ENDEREÇAMENTO DE MATERIAIS PARA APLICAÇÃO EM EMPRESAS VAREJISTAS DE PEQUENO A MÉDIO PORTE Marcelo Coelho de Sousa (UNAMA) marcelocsousa@yahoo.com.br

Leia mais

22-05-2015. Sumário. Energia em movimentos. A Energia de Sistemas em Mov. de Translação 20/05/2015

22-05-2015. Sumário. Energia em movimentos. A Energia de Sistemas em Mov. de Translação 20/05/2015 Sumário Unidade temática 2 A energia de sistemas em movimento de translação. - Teorema da energia cinética. A força com que a Terra atrai os corpos realiza trabalho. - Trabalho realizado pelo peso dum

Leia mais

Classificação de Materiais

Classificação de Materiais Classificação de Materiais A classificação de materiais é o processo de aglutinação de materiais por características semelhantes. O sucesso no gerenciamento de estoques depende, em grande parte, de bem

Leia mais

Glossário básico de Empreendedorismo

Glossário básico de Empreendedorismo Glossário básico de Empreendedorismo Análise Ambiental Estudo feito visando conhecer mais detalhadamente os agentes e fatores que por ventura podem influenciar nos planejamentos da empresa. Ativo Circulante

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Manual de Operações. Estação Auto-Manual AMS-1. www.innowatt.ind.br

Manual de Operações. Estação Auto-Manual AMS-1. www.innowatt.ind.br Manual de Operações Estação Auto-Manual AMS-1 www.innowatt.ind.br 1 INTRODUÇÃO Obrigado por ter escolhido um produto INNOWATT. Para garantir o uso correto e eficiente, é imprescindível a leitura completa

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO DE PATRIMÔNIO LÍQUIDO A MERCADO

LAUDO DE AVALIAÇÃO DE PATRIMÔNIO LÍQUIDO A MERCADO LAUDO DE AVALIAÇÃO DE PATRIMÔNIO LÍQUIDO A MERCADO A ACAL CONSULTORIA E AUDITORIA S/S, empresa especializada em avaliações, com escritório na Avenida Paulista 2300, andar Pilotis conj. 60, São Paulo SP,

Leia mais

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC.

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC. Mobiliário 2000 1/6 VISTA LATERAL 0 VISTA FRONTAL 0 900 0 VISTA SUPERIOR 0 A A Mobiliário 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 40 COLUNA CHAPA 1 (2,25mm) VISTA SUPERIOR

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO NA MOVIMENTAÇÃO DOS ESTOQUES EM UMA AGROINDÚSTRIA DO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA

GESTÃO DE ESTOQUE: UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO NA MOVIMENTAÇÃO DOS ESTOQUES EM UMA AGROINDÚSTRIA DO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TIAGO DE FAVERI GESTÃO DE ESTOQUE: UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO NA MOVIMENTAÇÃO DOS ESTOQUES EM UMA AGROINDÚSTRIA

Leia mais

A GESTÃO DE ESTOQUES EM AMBIENTES HOSPITALARES

A GESTÃO DE ESTOQUES EM AMBIENTES HOSPITALARES A GESTÃO DE ESTOQUES EM AMBIENTES HOSPITALARES Analisando a utilização de ferramentas de gestão de materiais em ambientes hospitalares públicos e filantrópicos no município de Santa Bárbara D Oeste. Marcelo

Leia mais

Noções de Gestão Pública Técnico TRT4. Jorge Lheureux de Freitas https://sites.google.com/site/jorgelheureux/ jorgelheureux@yahoo.com.

Noções de Gestão Pública Técnico TRT4. Jorge Lheureux de Freitas https://sites.google.com/site/jorgelheureux/ jorgelheureux@yahoo.com. Noções de Gestão Pública Técnico TRT4 Jorge Lheureux de Freitas https://sites.google.com/site/jorgelheureux/ jorgelheureux@yahoo.com.br Planejamento Estratégico do Judiciário RESOLUÇÃO Nº 70, DE 18 DE

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais