FACULDADE TECSOMA Administração de Empresas. José de Souza Freitas REDUÇÃO DE ESTOQUE DO ALMOXARIFADO DA VOTORANTIM METAIS MORRO AGUDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE TECSOMA Administração de Empresas. José de Souza Freitas REDUÇÃO DE ESTOQUE DO ALMOXARIFADO DA VOTORANTIM METAIS MORRO AGUDO"

Transcrição

1 FACULDADE TECSOMA Administração de Empresas José de Souza Freitas REDUÇÃO DE ESTOQUE DO ALMOXARIFADO DA VOTORANTIM METAIS MORRO AGUDO Paracatu, 2012

2 José de Souza Freitas REDUÇÃO DE ESTOQUE DO ALMOXARIFADO DA VOTORANTIM METAIS MORRO AGUDO Monografia apresentada a disciplina Metodologia de Estagio II, ministrada pelo professor Geraldo Benedito Batista de Oliveira, como exigência à aprovação parcial no curso de Bacharelado em Administração de Empresas pela Faculdade Tecsoma de Paracatu. Orientador teórico: Carlos Kraemer Paracatu, 2012

3 José de Souza Freitas REDUÇÃO DE ESTOQUE DO ALMOXARIFADO DA VOTORANTIM METAIS MORRO AGUDO Monografia apresentada a disciplina Metodologia de Estagio II, ministrada pelo professor Geraldo Benedito Batista de Oliveira, como exigência à aprovação parcial no curso de Bacharelado em Administração de Empresas pela Faculdade Tecsoma de Paracatu. Carlos Alberto Kraemer (Orientador) FATEC Fernando A. Antunes (Coordenador) FATEC Geraldo B. B. de Oliveira (Orientador Metodológico) FATEC. Paracatu, 2012

4 Dedico este trabalho a Deus, por ter me dado a oportunidade de me graduar e a minha família pelo incentivo e apoio.

5 AGRADECIMENTOS Aos meus amigos de sala, mas principalmente ao Bruno, que me auxiliou nos momentos mais difíceis, a minha família e aos meus professores que me passaram o conhecimento e acreditaram em meu sucesso. Agradeço também ao meu orientador, Carlos Kraemer que me ajudou a elaborar esta monografia.

6 Compre a verdade, a sabedoria, a instrução e o bom senso, mas não venda nenhum deles. Provérbios, Capitulo XXIV

7 Lista de Figuras Figura 01 Organograma Figura 02 Recursos da Empresa Figura 03 Gráfico Dente de Serra Figura 04 Curva ABC... 54

8 Lista de Gráficos Gráfico 01 Movimentação de estoque Gráfico02 Movimentação dos filtros de óleo Gráfico03 Estoque de tempo de reposição... 56

9 Lista de Quadros Quadro 01 Cronograma Quadro 02 Recursos Humanos Quadro 03 Recursos Financeiros Quadro 04 Recursos Matérias Quadro 05 Cronograma de execução das ideias propostas... 60

10 Lista de Tabelas Tabela 01 Método peps (FIFO) pelo método ueps (LIFO) Tabela 02 Dados da curva ABC Tabela 03 Custo de um dos itens do estoque... 59

11 Lista de Abreviaturas MPR: Material Requerement Planning FIFO: First in first out LIFO: Last in first out Lead Time: Ponto de reposição Just Time: Eliminação de materiais MRO: Manutenção reparo e operação VM: Votorantim Metais RC: Requisição de compras PC: Pedido de compra DAF: Diretoria administrativa financeira P. Card.: Cartão de credito corporativo. AEMSA: Companhia auxiliar de empresas de mineração S.A TI: Tecnologia de Informação Edi: Sistema auxiliar de compras.

12 SUMARIO 1.INTRODUÇÃO DADOS DO PROJETO Informação sobre o estágio Coordenador do estagio Professor orientador Supervisor do estagio na empresa Área de conhecimento do estagio Projeto monográfico Titulo Tema Objetivos Problematização Justificativa Resultados Esperados Metodologia do Trabalho Cronograma de Atividades Recursos DADOS DA EMPRESA Razão social Nome fantasia Endereço CNPJ Capital Social Organograma do almoxarifado da empresa Objetivo Social da Empresa Missão da Empresa Público Alvo da Empresa Atividade a Desenvolver na Empresa REVISÃO LITERATURA A logística e Administração de Recursos Materiais A Contribuição da Logística Para a Eficiência do Estoque Gestão de estoque Administração da Informação Tipos de Estoques Kanban- metodologia para sincronização do processo produtivo Avaliação de estoque PESPS (FIFO) UEPS (LIFO) Analise ABC Lead time (ponto de reposição) Estoque de Segurança Custo de estoque Modelagem de estoque Ética em compras.... Erro! Indicador não definido. 5. ESTUDO DE CASO Votorantim Metais Morro Agudo Problema da empresa comparado com a literaturaerro! Indicador não definido Curva ABC... 49

13 6 DISCURSAO Analise dos dados PROPOSTA DE MELHORIA Cronograma de execução das ideias propostas CONCLUSÃO REFERENCIAS ANEXOS... 60

14 1. INTRODUÇÃO Esta monografia conta a historia da VOTORANTIM METAIS MORRO AGUDO no setor do almoxarifado. Tendo a explicação da gestão de estoque, redução de custo e logística. Propondo solucionar o problema de acumulo de estoque. O sucesso ou fracasso de muitas organizações depende da gestão de estoque, que administra os materiais, recursos humanos e financeiros. Assim Martins e Campos explicam que a gestão de estoques constitui uma série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relações aos setores que deles utilizam, bem manuseados e bem controlados para que haja sucesso. A gestão de estoque permite importantes ganhos com eficiência, redução de falhas e custos, rapidez, confiabilidade e capacidade de rastreamento. Devido à competência dos processos que envolvem uma serie de procedimentos e afeta dois aspectos importante: a disponibilidade do produto e o custo, ambos com impacto direto no resultado ou na rentabilidade. O grande desafio é encontrar o equilíbrio entre essas variáveis: se a política adotada tenta assegurar a disponibilidade, aumentar o estoque provoca um impacto diretamente nos custos relativos à sua manutenção, como capital de giro e armazenamento; por outro lado, se para cortar os custos os estoques são demasiadamente reduzidos, corre se o risco de não atender as necessidades da empresa. Mas quando encontramos o equilíbrio os resultados são significativos na sua lucratividade obtida através da redução dos custos e uma boa confiabilidade e não compromete a produção com a falta de materiais.

15 2. DADOS DO PROJETO 2.1 Informação sobre o estágio Coordenador do estagio Fernando Antônio Antunes Professor orientador Carlos Alberto Kramer Supervisor do estagio na empresa Jesuito Ribeiro Alves Área de conhecimento do estagio Gestão Estratégica de Materiais 2.2 Projeto monográfico Titulo Redução de Estoque do Almoxarifado da Votorantim Metais Morro Agudo Tema Gestão de estoque Objetivos

16 Objetivos Gerais Propor uma revisão nos métodos utilizados pelo almoxarifado, para que ele se torne mais eficiente em seus objetivos Objetivos específicos Levantamento dos itens e classificação de acordo com a curva ABC; Levantamento e identificação do giro dos itens de estoque; Propor uma parametrização dos volumes de pedidos conforme giro de cada item em dias de atendimentos; Propor política interna de estoque Problematização A empresa Votorantim Metais apresenta um acúmulo de estoque no almoxarifado, devido à compra excessiva de materiais dos setores, o que ocasiona obsolescência dos itens e por sua vez impossibilita cumprir as metas do almoxarifado com relação ao preço dos itens e de manter o estoque baixo. Além disso, estoque parado significa aumento de custos Hipótese Fazer um levantamento de todos os itens do estoque para saber o seu valor total, deste total saber qual a porcentagem que se encontra obsoleto, avaliar quais itens ainda podem ser utilizados e o que não for mais necessário, deve ser liberado para venda. Assim reduz a quantidade de itens no estoque e proporcionalmente e reduz seus custos Justificativa Segundo Viana (2010) a necessidade de ter um estoque em uma empresa pode ser benéfica em caso de venda para não perder o cliente, neste caso quando maior o estoque maior será a empresa. No caso dos almoxarifados das indústrias, o correto seria um estoque baixo, apenas o suficiente para manter a produção, pois o

17 estoque alto neste caso significa capital de giro parado e isso caracteriza como uma administração de materiais inadequada. Para isso foi criado os estoques Máximo e Mínimo, assim as empresas conseguem trabalhar com segurança sem comprometer a produção e, isso requer um acompanhamento criterioso para não perder o controle e nem fazer compras desnecessárias. Atualmente, a maioria das empresas trabalha como o estoque mínimo possível e para isso fazem um estudo de fornecedores, para ter opções com relação a: preço, qualidade e prazo de entrega; dessa forma podem trabalhar com mais de um fornecedor com o menor custo possível e ainda reduzir o tempo de entrega dos materiais. Ainda é necessário fazer uma parametrização dos estoques de todos os setores de produção para que itens de emergência ou que não sejam de estoque sejam encaminhados diretamente para a respectiva área sem a necessidade de ser estocado, o que incide em planejamento de estoque. Segundo Martins, (2006, p.118) MRP é o planejamento das necessidades de compras, uma técnica que permite determinar as necessidades dos materiais que serão utilizados na fabricação de certo pedidos. Em função da demanda dada, o computador calcula as necessidades de materiais que serão utilizados e verifica se há estoques disponíveis para o atendimento. Um ponto importante são os itens obsoletos, pois com a evolução tecnológica as empresas procuram manter os equipamentos novos, a função do administrador do almoxarifado é manter as peças ou equipamentos disponíveis para venda e cancelar as compras de peças novas, já que reposição é feita automaticamente. Estoque mínimo; quantidade mínima possível capaz de suportar um tempo de ressuprimento superior ao programado ou um consumo desproporcional a sua quantidade, é calculada em função do nível de atendimento fixado pela empresa. (VIANA, 2010, p. 149). Empresas que não adotam essa postura estão fadadas a dificuldades e fracasso futuros, pois como a própria história da indústria e comércio, para quaisquer processos funcionarem adequadamente e sobreviverem às mudanças e evoluções tecnológicas e científicas, é necessário administração eficiente, nesse caso, administração de materiais eficiente.

18 2.2.6 Resultados Esperados Após a implantar as mudanças sugeridas, espera-se: Redução dos itens de estoque; Atendimento do almoxarifado com melhor qualidade, eficiência e rapidez aos setores que necessitam de materiais; Melhor aproveitamento e organização do espaço físico do almoxarifado; Redução do capital de giro; Cumprimento da meta do almoxarifado com relação a preço de itens; Redução dos custos Metodologia do Trabalho Metodologia Bibliográfica Será feita uma pesquisa bibliografica em livros, internet, revistas e artigos e as informações obtidas serão usadas para entender e explicaro tema proposto por este autor. Portanto, as informações trasmitidas pelas bibliografias relacionadas teram mais peso, pois seus autores são profundos coneccedores da área etestaram suas teses para agregarinformações que serão desenvolvidas dentro da monografia Metodologia do Estudo de Caso Esta monografia tem o objetivo de propor uma verificação e aplicação dos métodos de técnicas da administração de empresa na área gestão de estoque e redução de custo na empresa Votorantim Metais Morro Agudo. Propondo uma revisão no parâmetro de estoque do almoxarifado. Foram feitas varias observações na empresa que constataram um problema no setor de estoque, o mesmo apresentava um alto volume de mercadorias estacionadas e acima do orçamento. Consciente da real situação do almoxarifado será necessário: Levantamento dos itens obsoletos e demais itens que tem movimentação acima de 01(UM) ano;

19 Inventário dos materiais para saber se o espaço físico está de acordo com o sistema; Filtração das movimentações para verificar os materiais de mais saídas e sua frequência; Classificação dos itens de acordo com a frequência de compra e utilização; Entrevista com o gestor de compra; Revisão os processos de compra e estoque; O administrador de estoque deverá reunir com o setor de suprimento e negociar com os fornecedores o tempo para a entrega destes materiais e caberá ao gestor de compra efetuar a MRP semanalmente para não acarretar o risco da falta dos materiais. De posse desses processos a serem realizados, será definida a causa ou o motivo do acúmulo de estoque; serão apresentadas alternativas para o processo de estocagem, bem como possíveis soluções para os itens obsoletos e para a redução do custo Cronograma de Atividades Descrição atividades Escolha do tema Pesquisa bibliográfica Leitura das Coleta e analise de dados Metodologia Revisão geral Entrega projeto de estagio Documentação de estagio Levantamento bibliográfico Orientação e desenvolvimento Meses 07/11 08/11 09/11 10/11 11/11 02/12 03/12 04/12 05/12 06/12 x x x X X X X X x x X X X x x X Estudo de caso x X Entrega e entrega da monografia Quadro01: Cronograma Fonte: Elaborado pelo autor x

20 2.2.9 Recursos Recursos Humanos Descrição Responsáveis Quantidade/Hora Valor Supervisor do setor Jesuito Ribeiro Alves 200 h R$ - Colaboradores do setor Jesuito Ribeiro Alves 06 colaboradores R$ - Coordenador do projeto Fernando Antunes 60 hrs R$ - TCC Coordenador da Geraldo Benedito 60 hrs R$ - Metodologia Orientador da Monografia Carlos Kramer 60 hrs R$ - Quadro 02: Recursos Humanos Fonte: Elaborado pelo autor Recursos Financeiros Descrição Quantidade Valor Total Internet 1Mega R$ 54,90 R$ 54,90 Combustível 200 Litros R$ 1,92 R$ Passagem 20 R$ 15,50 R$ 310,00 Encaderrnamento 1 R$ 28,00 R$ 28,00 Lanche 30 R$ 5,00 R$ 150,00 Total - - R$ 930,90 Quadro 03: Recursos Financeiros Fonte: Elaborado pelo autor Recursos Materiais Descrição Quantidade Custos Total Resma 1 R$ 11,90 R$ 11,90 Caneta 5 R$ 0,60 R$ 3,00 Lápis 2 R$ 0,40 R$ 0,80 Borracha 1 R$ 0,40 R$ 0,40 Compra Livro 6 R$ 470,00 R$ 470,00 Recarga Cartucho de Tinta 3 R$ 10,00 R$ 30,00 Impressora Total - - R$ 516,00 Quadro 04: Recursos Materiais Fonte: Elaborado pelo autor

21 3. DADOS DA EMPRESA 3.1 Razão social Votorantim Morro Agudo 3.2 Nome fantasia Morro Agudo 3.3 Endereço Fazenda Morro Agudo /SN, Zona Rural, Paracatu-MG, CEP: CNPJ CNPJ: / Capital Social R$ ,00(vinte e cinco milhões de reais) 3.6 Organograma do almoxarifado da empresa Supervisor Tecnico Auxiliar Administrativo Figura 01: Organograma Fonte: Elaborado pelo autor

22 3.7 Objetivo Social da Empresa Produção zinco, chumbo e calcário. 3.8 Missão da Empresa Satisfação do cliente 3.9 Público Alvo da Empresa Metalúrgicas 3.10 Atividade a Desenvolver na Empresa Extração Minério 4. REVISÃO LITERATURA 4.1 A logística e Administração de Recursos Materiais Ballou (2008.) conta que a logística teve origem com os militares principalmente com o exercito no transporte e suporte administrativo. A logística surgiu em meados de 481 A.C com o exercito persa que foi o primeiro a usar uma frota de navios de transporte em uma expedição contra os gregos, com planejamento logístico. A evolução da logística empresarial teve início a partir de 1980, com as demandas decorrentes da globalização, alteração da economia mundial e desenvolvimento tecnológico, no Brasil o crescimento da logística aconteceu gradativamente devido à grande competitividade, as empresas estão na busca de métodos logísticos para melhorar a gestão empresarial, aperfeiçoando seus processos e assim também diminuindo custos. Porém nem todas as empresas conseguem chegar aos resultados esperados, é preciso muita dedicação e o dimensionamento adequado dos seus estoques. A logística empresarial que engloba todas as atividades de movimentação é armazenagem, que transporta desde a matéria prima até o produto acabado, até ao consumidor final com o propósito de providenciar níveis de serviço adequado ao cliente a um custo razoável. (BALLOU, 2008, p. 24).

23 A logística só e importante porque as empresas ou comercio não ficam ao lado das matérias primas, pois se fossem pertos a logística não teriam tanto significado assim, com essa explosão as empresas brasileiras buscaram novos referenciais. A figura abaixo mostras além dos recursos materiais, os demais recursos que estão à disposição de todas as grandes organizações: Recursos das empresas: RECURSOS MATERIAIS PATRIMONIAIS CAPITAL HUMANO TECNOLÓGICO Figura: 02 Recursos das Empresas Fonte: Martins, Segundo Petrônio, 2006 A administração de recursos matérias engloba a sequencia de operações que tem seu inicio na identificação do fornecedor, na compra do bem, em seu recebimento, transporte interno e acondicionamento, o em seu transporte durante o processo produtivo, em sua armazenagem como produto acabado e, finalmente, em sua distribuição ao consumidor final. Na cadeia que engloba a gestão de estoque, todos os fatores são importantes e qualquer um que for ignorado poderá trazer grandes prejuízos para a organização, visto que é um fluxo continuo se uma etapa for mal elaborada interferirá diretamente no resultado final. Sendo assim, os estoques assumem um importante papel, pois todas as empresas procuram obter vantagens competitivas a seus concorrentes, esta vantagem será conseguida se o estoque for bem administrado A Contribuição da Logística Para a Eficiência do Estoque Há poucos anos atrás a logística empresarial, como estrutura organizada e integrada, era ignorada pela maioria das empresas manufatureiras e prestadoras de serviço no Brasil. Ballou (2006 p. 26). Ballou (2006) mostra que com o crescimento dos mercados nacionais e internacionais, a expansão das linhas de produtos e as possibilidades enormes das telecomunicações, fazem da distribuição e do processo logístico um conjunto importante das operações gerenciais. No clima econômico rigoroso de hoje os novos concorrentes globais estão acirrando a competitividade, como ponto forte, as

24 estratégias que estabelecem uma lealdade de longo prazo com o cliente. Como os mercados apresentam cada vez mais, um alto consumo, em que os clientes vêem pouca diferença entre as características físicas ou funcionais do produto, há vários produtos similares, são através da prestação de serviços, que cada organização faz a sua diferença. A logística empresarial estuda como a administração pode prover melhor o nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores, através de planejamento, organização e controles efetivos para atividades de movimentação e armazenagem que visam facilitar o fluxo de produtos. (BALLOU, 2006, p. 26). Segundo BALLOU (2008)ela trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviços adequados aos clientes a um custo razoável. Ou seja, tudo que transportado de um lado para o outro pode ser logística. A logística de abastecimento é a atividade que administra o transporte de materiais dos fornecedores para a empresa, o descarregamento no recebimento e armazenamento das matérias primas. Estruturação da modulação de abastecimento, embalagem de materiais, administração do retorno das embalagens e decisões sobre acordos no sistema de abastecimento da empresa. A logística de distribuição é a administração do centro de distribuição, localização de unidades de movimentação nos seus endereços, abastecimento da área de separação de pedidos, controle da expedição, transporte de cargas entre fábricas e centro de distribuição e coordenação dos roteiros de transportes urbanos. Sabemos que os grandes centros logísticos ficam situados estrategicamente perto de locais de fácil acesso é portos. De acordo Ballou (2008. p. 23) a logística de manufatura é a atividade que administra a movimentação para abastecer os postos de conformação e montagem, segundo ordens e cronogramas estabelecidos pela programação da produção. Para Ballou (2008). A logística organizacional é em função do planejamento, controle e execução do fluxo de produtos, desde o desenvolvimento e aquisição até produção e distribuição para o consumidor final, para atender às necessidades do mercado a custos reduzidos e uso mínimo de capital. Outro fator importante que

25 surgiu com a evolução da logística foi a Logística Reversa, que é a área da logística empresarial associada a retornos de produtos, reciclagem, é embalagem, substituição de materiais, reutilização de materiais, descarte de resíduos e reformas, reparos e manufatura. A missão do gerenciamento logístico é planejar e coordenar todas as atividades necessárias para alcançar níveis desejáveis dos serviços e qualidade ao custo mais baixo possível. O propósito da logística no geral é oferecer uma compreensão básica de cada atividade e operação com o menor tempo possível, maior segurança é o menor preço. A logística empresarial Segundo Ballou (2006 p. 26) é um campo relativamente novo do estudo da gestão integrada, das áreas tradicionais das financias Marketing é produção. De acordo com Ballou (1993, p. 17): Logística empresarial estuda como a administração pode prover melhor nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores, através de planejamento, organização e controle efetivos para as atividades de movimentação e armazenamento que visam facilitar o fluxo de produtos. A Logística é um assunto vital. É um fato econômico que tanto os recursos quanto os seus consumidores estão espalhados numa ampla área geográfica A logística pode ser definida como sendo a junção de quatro atividades básicas as de aquisição a movimentação armazenagem e entrega de produtos.para que essas atividades funcionem, é importante que as atividades de planejamento logístico, que sejam de materiais ou de processos, estejam intimamente relacionadas com as funções de manufatura e marketing. O Termo logística, de acordo com o dicionário Aurélio, vem do francês logistique e tem como uma de suas definições a parte da arte da guerra que trata do planejamento e da realização de projeto e desenvolvimento, obtenção,armazenamento, transporte, distribuição, reparação, manutenção e evacuação de material (para fins operativos ou administrativos) Logística Como Diferencial Competitivo Os generais e marechais de tempos mais antigos compreenderam o papel chave da logística, somente num passado recente é que a organização empresarial atentou-se para o impacto vital que o gerenciamento logístico pode ter na obtenção

26 da vantagem competitiva, ou seja, Uma posição de superioridade duradoura sobre os concorrentes, em termos de preferência do cliente, pode ser alcançada através da logística. A logística procura eliminar tudo que não tenha valor para o cliente em um determinado processo produtivo ou de distribuição, diminuindo assim os custos e a perda de tempo. Diz a respeito também dos recursos disponíveis materiais, financeiros, humanos e tecnológicos pois de um lado busca-se o aumento da eficiência e, de outro, a redução contínua dos custos. As bases do sucesso no mercado originam-se de três pontos principais: a companhia, seus clientes e seus concorrentes e que a fonte da vantagem competitiva é encontrada, primeiramente, na capacidade de a organização diferenciar-se dos seus concorrentes aos olhos dos clientes e, em segundo lugar, pela capacidade de operar a baixo custo com maior lucratividade. O sucesso comercial é conquistado através da vantagem de custo ou vantagem de valor, ou de ambas as estratégias. Quem consegue manter um padrão de baixo custo com alta produtividade e lucro, e ao mesmo tempo agregando valor a empresa através destes e da lealdade dos clientes, possui uma estratégia adequada para obtenção da diferenciação competitiva para obter vantagem competitiva sobre seus rivais, a empresa deve proporcionar valor para seus clientes através da eficiência operacional, desempenhando as atividades da melhor forma possível, na qual o valor gerado seja percebido pelo comprador do produto ou serviço. O gerenciamento logístico pode auxiliar a organização a alcançar tanto a vantagem em custo/produtividade como a vantagem em valor. No entendimento de Ballou (2001), o planejamento logístico é um problema de projeto. A primeira questão sobre o processo de planejamento é quando planejar ou relampejar a rede (configuração de armazéns, lojas varejistas, fábricas, desdobramento de inventários, serviços de transportes e sistemas de informações) no sentido de se obter um equilíbrio entre as receitas originárias do nível de serviço ao cliente, estabelecidos pelo projeto da rede, e os custos associados com a criação e operação da rede. A seleção de uma boa estratégia logística iguala-se aos muitos dos processos criativos de uma estratégia corporativa. Através da logística as empresas podem reunir informações mais rapidamente a respeito de seus processos, e também manter um equilíbrio conforme a demanda, pois se a empresa demorar a reagir, o reflexo será a perda de vendas.

27 Levando em consideração que o objetivo principal da logística é ter os produtos e serviços no local desejado e no momento em que é solicitado com o menor custo possível. O principal desafio da empresa para BOWERSOX, CLOSS (2001) É: coordenar o conhecimento específico de tarefas individuais numa competência integrada concentrada no atendimento ao cliente. Na maior parte das situações, o âmbito desejado da coordenação transcende a própria empresa e amplia-se para incluir clientes, assim como fornecedores de materiais e de serviços. Em sentido estratégico, o executivo principal de logística assume a iniciativa de expandir as fronteiras empresariais para facilitar o efetivo na cadeia de suprimento. O que faz a logística contemporânea interessante é o desafio de tornar os resultados combinados da integração interna e externa numa das competências centrais da empresa. Bowersox, Class (2001, p.20) A Importância Das atividades De Apoio As atividades de apoio são: armazenagem, manuseio de estoque, embalagem, administração informação que conforme serão explicadas a seguir: Armazenagem: Armazenagem refere à administração do espaço necessário para manter estoques. Envolve problemas como: localização, dimensionamento da área, arranjo físico, configuração do armazém. Porta palite é o sistema de armazenamento muito usado nas empresas para facilitar a retirada das mercadorias outras. (BALLOU, 2008, p. 151) menciona que uma vez estabelecido às necessidades por área de armazenagem a consideração a ser tomada é saber definir a localização do espaço. Essa decisão é feita em dois níveis; inicialmente um armazém é localizado referente a outros depósitos dos setores logístico, para reduzir custos com os transportes, manutenção dos estoques e processamentos dos pedidos. Na segunda etapa define-se o local especifico a ser escolhido, ou seja, se o armazém deve ser no distrito industrial do município ou um local próximo ao consumidor. A localização ira facilitar e reduzir os custos envolvidos. Uma forma de economizar espaço dentro de uma umidade e a construção do almoxarifado no sistema vertical, ou seja, construção menor, mas com pisos superiores ou (Andares). Vantagens

28 Armazenagem a grande altura, máximo aproveitamento da superfície disponível. Possibilitam a armazenagem de mercadorias de diversos tipos. Consistem utilizar sistemas convencionais ou automáticos. A armazenagem permite que as mercadorias sejam empilhadas diretamente sobre o piso devem manter os pallets com afastamento mínimo de 50 cm das paredes para evitar umidade facilitar a limpeza, movimentações, controle de pragas e ações em caso de incêndio, e manter os pallets com afastamento de 30 cm entre si e 20 cm do piso, para circulação de ar evitando que a mercadoria venha a mofar e quando lavar o piso, a água não molhe. A principal vantagem é a de que não requer investimentos em estruturas metálicas e de rápida implementação. (JOSAPAR, 2003, p 13). Manuseio de Materiais está associado com a armazenagem e também apóia a manutenção de estoques é saída de materiais. Está relacionada à movimentação do produto no local de estocagem.ex. carregamento é descarregamento, Armazenamento, Deslocamento transporte. Para (BOWERSOX E CLASS 2009, p.4) A área de distribuição física trata da movimentação de produtos acabados para entrega aos clientes. Na distribuição física, o cliente é o destino final. Embalagem: seu objetivo é movimentar bens sem danificá-los além do economicamente razoável. São usados vários tipos de embalagem como: Embalagem de papel, papelão, plástica e madeiras, devem ser escolhidas a mais conveniente ao produto a ser transportado. Classificação de embalagens: Embalagem padrão: É definida por uma norma geral e que permite a utilização por vários tipos de produtos. Embalagem específica: Criada e utilizada especialmente para um tipo de produto; Embalagem durável: Embalagem reutilizável continuamente. Embalagem perdida: Embalagem destruída após um uso. O objetivo das Embalagens é reduzir a quantidade imobilizada e garantir que não ocorrerão rupturas por falta delas. Regras claras devem determinar como deve ser calculada a necessidade de embalagens e a organização de sua distribuição. É necessário basear-se nas previsões de produção e entregas, bem como estoque tampão. Esta regra trata também do retorno é reutilização das embalagens que gera uma economia para a empresa. Pozo (2007, p. 112).

29 O recebimento de materiais nas empresas compreende uma combinação de cinco elementos principais: espaço físico, recurso de informática, equipamento de carga e descarga, pessoas e procedimentos. Espaço físico: envolve espaço para separação e conferencia entre outros. Recurso de informática: computadores equipado com sistema EDI, leitura com código de barra, programa de comunicação com fornecedores, planejamento e controle de produção. Equipamento de carga e descarga: são equipamentos apropriados, como palites empilhadeira e outros. Pessoas: qualificada e treinada que exerça mais de uma função, são os colaboradores poli valentes. Procedimentos: dar-se ênfase no que deve ser feito dispondo até que ponto o colaborador tem autonomia de decisão. É essencial para o administrador lembrar a importância de alguns fatores na escolha de um esquema operacional envolvendo recebimento e armazenamento. Dias (1993) Afirma que o recebimento e a armazenagem são processos importantes dentro da unidade para manter o controle e a identificação do produto. A distribuição é um processo que está normalmente associado ao movimento de material de um ponto de produção ou armazenagem até o cliente, a atividade abrange m as funções de gestão e controle de estoque, manuseio de materiais ou produtos acabados, transporte entre outros. Bertaglia (2009. p. 33). 4.2 Gestão de estoque Pozo (2010). Deixa claro que Cabe ao setor o controle das disponibilidades das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não só os almoxarifados de matérias primas e auxiliares como também os de produtos acabados. Seu objetivo não é deixar faltar material ao processo de fabricação. Segundo Viana (2010, p. 175) Uma das razões por que muitas empresas mantêm estoque elevado, aos padrões modernos, é que essa atitude permite à firma comprar e produzir em lotes econômicos, que é a visão ultrapassada da produtividade, no entanto, qualquer que sejam os níveis de estoques, eles incorrem na análise de vários custos que estão correlacionados. A importância da correta administração de materiais pode ser mais facilmente percebida quando os bens

30 necessários não estão disponíveis no momento exato e correto para atender às necessidades de mercado. A boa administração de materiais significa coordenar a movimentação de suprimentos com a exigência da produção. Biazzi. Fala das Melhorias no processo de gestão dos estoques acima de tudo tratamento de itens diferentes de forma diferente, classificação de itens segundo padrão de demanda, segundo criticidade (custo de falta), cálculo das incertezas de forma individualizada para cada item, determinação do custo de armazenagem e de pedido de forma individualizada para cada item, adoção de modelo de gestão adequado às características de cada item, entre outras ações. A busca por valores individuais para cálculo de parâmetros dos itens não significa que não se deve avaliar a sinergia entre itens, o que poderia levar a resultados ainda melhores. Processamento de Pedidos: É a atividade que inicia a movimentação de produtos em razão dos pedidos dos clientes. Sua importância deriva no fato de ser um elemento crítico em termos de tempo necessário para levar bens e serviços aos clientes. Essa atividade associada ao transporte e à manutenção de estoques forma o que pode ser denominado de: Ciclo Crítico das Atividades Logísticas. O gestor de compra deve fazer uma avaliação do produto que deve ser comprado, pois dependendo do valor da mercadoria o preço do pedido é maior, então para esse caso deve rever o parâmetro de estoque é caso o produto não seja perecível e efetuar uma compra para 01(UM) ano para compensar o valor do pedido. Essas atividades são consideradas primarias porque ou elas contribuem com maior parte do custo total da logística, mas elas são essenciais para a coordenação e o custo total da indústria. (BALLOU, 2008, p. 24). Ballou (2008) Comenta. Logística interna. Como na aquisição de materiais como armazenagem, manuseio de materiais é controle de estoque, refere-se à transformação de matéria prima em produto final através das atividades como processamento é montagem teste e impressão. Até mesmo a entrega do material até a área de uso é logística interna. Ballou (2001) Logística Externa:São atividades relacionadas á armazenagem e distribuição física do produto final ou peças de reposição para os clientes. Ou seja, as mercadorias que chegam aos almoxarifados. A Logística busca aperfeiçoar os fluxos de informações e materiais desde o ponto de origem (aquisição) até o ponto de destino final (consumidor), visando assim

31 proporcionar níveis de serviço adequados às necessidades dos clientes/fornecedores e a um custo competitivo. Muitas são as atividades logísticas necessárias para se atender os objetivos. Vários autores dividem estas atividades em primárias e de apoio. As atividades primárias são: Transportes, Manutenção de Estoques e Processamento de pedidos e as atividades de apoio são: Armazenagem, Manuseio de Materiais, Embalagem de Proteção, Obtenção, Programação de Produtos e Manutenção de Informação Administração da Informação Para Pozo (2010). A informação é todo dado coletado, tratado e estruturado de forma a gerar algo útil para a tomada de decisão. Mas para gerar uma informação competitiva é necessário um gerenciamento sistemático e dinâmico da informação. Segundo Govindarajan (1993). Afirma que a(ti) é o conjunto de tecnologias resultantes da utilização simultânea e integrada de informática e telecomunicações. TI é como uma ferramenta utilizada pelas empresas produtivas para alavancar e potencializar o processo de criação e desenvolvimento de capacitação tecnológica. A tecnologia da informação (TI) em conjunto com as telecomunicações são os principais responsáveis por esta nova fase econômica e por ser muito competitivo, já que não só aumentou o número de clientes, como também o número de concorrentes. Observa que a TI habilitou a competição global, pressionando as empresas a pensar globalmente, em vez de local ou regionalmente, e salienta que a competição global implica em desenvolver redes de informação, sistemas inter organizacionais, e sistemas que podem trabalhar em qualquer lugar. Administração de Informações: Nenhuma função logística dentro de uma firma poderia operar eficientemente sem as necessárias informações de custo e desempenho. Manter uma base de dados com informações importantes - por exemplo: localização dos clientes, volumes de vendas, padrões de entregas e níveis de estoque sapóia a administração eficiente e efetiva das atividades primárias e de apoio. Uma poderosa ferramenta para controle que permite monitorar e registrar muitos aspectos do comportamento e desempenho da organização e ao prover tais dados aos supervisores organizacionais reforça o seu controle hierárquico. A mesma tecnologia pode ser utilizada para reforçar os níveis inferiores de uma organização pelo acesso, entendendo-o a maior número de pessoas alcançadas. (ROSINI e PALMISANO, 2003, p. 130).

32 Atividade primaria: são as atividades-chaves, as mais importantes da Logística e, que, além disso, participam com os maiores percentuais nos custos logísticos. São elas: Transportes: Atividade muito importante, pois absorve de um a dois terços dos custos logísticos. É essencial, pois nenhuma firma moderna pode operar sem providenciar a movimentação de suas matérias-primas ou de seus produtos acabados de alguma forma. Os transportes de cargas possuem cinco tipos de modais: Aéreos, ferroviários, hidroviário marítimo, rodoviário é duto viário. A cadeia de valor para qualquer empresa, em qualquer negócio, é o conjunto interligado de todas as atividades que criam valor, desde uma fonte básica de matérias primas, passando por fornecedores de componentes, até a entrega do produto final às mãos do consumidor. Apesar de transportes, manutenção de estoques e processamento de pedidos serem os principais elementos que contribuem para a disponibilidade e a condição física de bens e serviços, há uma série de atividades adicionais que apóiam estas atividades primárias. A logística começa pela necessidade do cliente. Sem essa necessidade, não há movimento de produção. Uma das mais importantes tendências comerciais do século XX foi à emergência da Logística como conceito integrado que abrange toda a cadeia de suprimentos, desde a matériaprima até o ponto de consumo. (BOWESOX e GLOSS, 2009, p. 176). O ciclo de vida dos produtos está ficando cada vez menor, essa diminuição exige informações bem mais velozes, precisas e oportunas, que faz com que qualquer falha na qualidade, quantidade ou processamento da informação seja fatal para a empresa. Esse encurtamento do ciclo de vida tem criado sérios problemas para o gerenciamento logístico. Que deve manter uma comunicação continua com o fornecedor para eliminar esse problema. Neste caso os fornecedores são chamados de parceiros por algumas empresas. Hoje, diante do cenário mundial, as empresas perceberam que para atender as necessidades dos clientes, não é possível trabalhar isoladamente. Por isso, têm buscado a integração entre fornecedores para conseguir chegar ao cliente final, satisfazendo as suas necessidades.

33 4.2.2 Tipos de Estoques Visto que todas as empresas de uma forma ou de outra procura obter uma vantagem competitiva em relação aos seus concorrentes, na oportunidade de atendimento e na quantidade desejada para isso é fundamental manter o estoque. Os estoques funcionam como regulador de fluxo de negócios. Quando a velocidade de entrada dos itens é maior do que a saída, ou o numero recebido é maior do que o número de saída o nível de estoque aumenta, se ao contrario o número de estoque diminui. Existem vários tipos de estoques: estoques de matérias primas, estoque de material semi-acabados e estoque de produtos acabados. No caso estudado trata-se somente de materiais acabados prontos para ser comercializado Inicia-se com a seleção dos fornecedores, de atender as necessidades referentes a prazo, quantidade, qualidade e preço. Atualmente o relacionamento entre fornecedores e empresa é um relacionamento de parceria, diferente de alguns anos atrás onde um queria ter o máximo de vantagem sobre o outro. De um modo geral podemos afirmar que uma boa parceria entre fornecedor e empresa ajuda na qualidade do produto e na redução de custo. Redução de Estoque:Na tentativa incansável dos gestores de reduzir os estoques seja de: matéria prima, processo ou produtos acabados tem levado ao desenvolvimento de novas técnicas e até mesmo novas filosofias gerenciais, os estoques são considerados um desperdício na mente de alguns gerentes. Uma forma de estudar a redução de estoques é fazer uma analise criteriosa da curva ABC, sendo assim o controle será rígido, então sabemos quais matérias temos que da ênfase a eles. Martins e Campos (2006) Falam da redução de estoque, mas sabemos que é essencial manter o estoque nas empresas para que não comprometa a produção e nem fica equipamentos parados por falta de manutenção. Uma alternativa disponível é a empresa possuir o serviço de transporte e equipamentos ou contratar transportadoras. Idealmente, o usuário espera obter um melhor desempenho operacional, maior disponibilidade e capacidade de serviço de transporte e um custo menor. (BALLOU, 2001, p 129).

34 Ballau (2006 p. 211) comenta que o controle de estoque, é parte vital do composto logístico, pois estes podem absorver de 25ª 40% dos custos totais do capital da empresa. Os diversos tipos ou nomes de estoques que podem ou não ser mantido no almoxarifado: Almoxarifado de matérias primas; Almoxarifado de Materiais auxiliares; Almoxarifado de Manutenção; Almoxarifado Intermediário; Almoxarifado de acabados, MRO; Materiais consignados. Estoque obsoleto A armazenagem é constituída por um conjunto de funções de recepção, descarga, carregamento, arrumação e conservação matérias primas, produtos acabados ou semi-acabados. Uma vez que este processo envolve mercadorias, este apenas produz resultados quando é realizada uma operação, nas existências em trânsito, com o objetivo de lhes acrescentar valor. (Dias, 2005, p. 189). Matéria-Prima: São itens ou produtos comprados ou extraídos que sofre transformação durante o processo produtivo. As empresas têm um estoque de segurança para proteger das incertezas, com o objetivo de administrar estoque, com relação à matéria prima gerando a necessidade de estoque. A incerteza pertence ao lead time (ou tempo de atravessamento/fornecimento) que pode variar devido a atrasos inesperados e à quantidade de matéria prima recebida. Todos os itens utilizados nos processos de transformação em produtos acabados, todos os materiais armazenados que a empresa compra para usar no processo produtivo fazem parte do estoque de materiais, independentemente de serem materiais diretos, que se incorporam aos produtos finais, ou indiretos, que não se incorporam ao produto final. Martins (2006, p.170). Materiais Auxiliares: É aquele que participa do processo produtivo para o produto acabado sem agregar valores ao produto.

35 Almoxarifado de Manutenção: É onde estão as peças que servem de apoio à manutenção dos equipamentos. Almoxarifado Intermediário: Compõem esse almoxarifado as peças que estão em processo de fabricação. Almoxarifado de Produto Acabados: Este é o estoque dos produtos prontos e embalados que serão enviados aos clientes. MRO (Maitenance, Repairand Operating): Material necessário para a operação dos processos para esse estudo é necessário material acabado de estoque cabendo ao gestor dá prioridade de atendimento a esse material. (MRO) Materiais Consignados: São materiais de propriedade do fornecedor que se não for usado é devolvido sem nenhum ônus para a empresa. Os estoques, como qualquer recurso de operação que tenha materialidade, recursos físicos, têm em geral inércia decisória, isto é, decorre necessariamente algum tempo entre momento da tomada de decisão sobre o ressuprimento e a efetiva disponibilidade, para uso, do item. Isso, por tanto, requer que na hora da tomada de decisão sobre ressuprimento se tenha uma visão futura do consumo do item. (CORRÊA, 2008, p. 522). Estoque obsoleto: Um problema bem conhecido nas empresas e com uma boa dose de polêmica: a redução dos custos enfim, tratamos de um tema da gestão de materiais de consenso entre as áreas de marketing, vendas, contábil e a logística: o estoque obsoleto não é visto como benefício algum para a empresa; é sinônimo de perda. O fato é que o material obsoleto perdeu seu propósito original quando de sua fabricação e, portanto, dificilmente poderá ser utilizado para ser convertido em receita para a empresa, e caso nada seja feito, implicará em consequências econômicas negativas para a empresa, além de eventualmente provocar custos operacionais e despesas extras com logística reversa, por exemplo. Contabilização de perdas econômicas decorrentes por meio de valores de capital investido em estoque obsoleto as diferentes ações contingenciais e respectivas recomendações para contabilização dos estoques obsoletos, que podem ser desde um simples processo de descarte como sucata até a busca de alternativas mais elaboradas com menores prejuízos financeiros. A visão financeira contribuirá com processo de tomada de decisão de focalizar esforços em pontos que efetivamente valem a pena. É inevitável para a empresa a obsolescência de materiais, mas cabe ao estoquista ficar atento para que esses itens sejam retirados

36 do estoque, com isso reduz o custo do capital para o almoxarifado e não precisa de mais espaço para os itens novos. Algumas estratégias comerciais: Transferir estoques obsoletos para vendas; Promoção de vendas com preço reduzido; Promoção de venda como brinde na compra de outro produto; Inclusão do obsoleto em kit; Procurar oferecer os materiais obsoletos a um preço menor para empresas especializadas em produtos raros e fora de linha; Estabelecer metas de vendas para produtos obsoletos Just- In- Time O JIT busca a eliminação de tudo que não agrega valor ao produto ou serviço, utilizando-se de baixos inventários desde o fornecedor até o produto acabado posto no cliente. Para isso pode trabalhar com entregas parceladas e diretas à linha de produção; linhas e células balanceadas e sem gargalos; inspeção e embalagem nas próprias linhas; e, sempre que possível, envio direto ao cliente sem passar por um estoque final. Contempla a redução do inventario, melhora continua da qualidade, redução de custo do produto e redução do prazo de entrega. Segundo CAMPOS (2006). O JIT é uma ferramenta que veio auxiliar o administrador de materiais na economia de tempo e redução de custo dos materiais. Técnica que consiste em selecionar fornecedores e garantir qualidade, eliminando teste de recebimento e garantindo realimentação e correção de defeito na fabrica do fornecedor. O trabalho mais próximo entre a empresa e seus fornecedores pode ir desde o fornecimento de matérias exclusivo e com defeito zero até ambos trabalhando juntos nos projetos dos suprimentos e produtos. (2006.) Disse que é essencial manter fidelidade com seu fornecedor, pois assim você terá confiança nos equipamentos que peças que esteja usando. CAMPOS (2006), Falam das facilidades que o distribuidor tem usando o sistema EDI no seu estabelecimento diminui a falta de mercadorias e o ganho de tempo na hora das compras.

37 Estoque de segurança: Também conhecido por estoque mínimo ou estoque reserva, é uma quantidade mínima por materiais que tem que existir no estoque com uma função de cobrir as possíveis variações, que podem ser: Efetuais atraso do tem de fornecimento (TE), rejeição do lote de compra ou aumento da demanda do produto. Sua finalidade é não apertar o processo produtivo por falta de material. Este é o método mais simples e fácil onde: ES = Estoque de Segurança C = Consumo médio no período K = coeficiente de grau de atendimento. ES = C x k Os depósitos contêm materiais, peças e produtos acabados suscetíveis de movimento. O objetivo é movimentar de modo eficiente grande quantidades para dentro do deposito, a situação ideal seria ter produtos chegando e produtos saindo do deposito no mesmo dia. (BOWERSOX e GLOSS, 2009, p. 349). É usada na estocagem periódica do estoque, de ciclo, sujeito a reposição, sua duração varia segundo os diferentes sistemas logísticos dependendo dos ciclos de atividades. A estocagem planejada deve proporcionar estoque suficiente para suprir o sistema logístico.significa estocagem dos volumes que excedem o estoque planejado para a operação normal. Trata de entregar de maneira acertada os produtos certos, no local certo, no tempo certo na quantidade certa. No fluxo logístico os produtos podem seguir três roteiros: Roteiro da fabrica-centro de distribuição; Roteiro do centro de distribuição até autos serviços ou varejo; Roteiro do autosserviço até o consumidor. O grande objetivo da reposição continua é integrar esse roteiro independente, criando má trajetória mais eficiente é efetivo em toa cadeia. Apenas os itens que sejam extremamente necessários e cujo consumo seja muito grande devem ser mantidos em estoque. As peças que apresenta autovalor não devem ser mantidas em estoque, podem ser negociadas com fornecedores, e a compra pode ser efetuada em consignação, ou seja, somente será paga no momento em que o material for efetivamente consumido. (BOWERSOX e GLOSS 2009, p. 351).

38 Dias (1993, p.23) ressalta o grande objetivo da reposição continua é integrar esse roteiro independente, criando uma trajetória mais eficiente em toda cadeia. Bowersox (2009, p. 351) mostra que apenas os itens que sejam extremamente necessários e cujo consumo seja muito grande devem ser mantidos em estoque. As peças que apresenta autovalor não devem ser mantidas em estoque, podem ser negociadas com fornecedores, e a compra pode ser efetuada em consignação, ou seja, somente será paga no momento em que o material for efetivamente consumido Kanban- metodologia para sincronização do processo produtivo O cartão Kanban permite agilizar a entrega e a produção de peças. Pode ser empregado em indústrias montadoras, desde que o nível de produção não oscile em demasia. Os cartões físicos (cartões ou caixas) podem ser de Produção ou de Movimentação e transitam entre os locais de armazenagem e produção substituindo os formulários e outras formas de solicitar peças, permitindo enfim que a produção se realize Just in time O cartão em português determina o nível de estoque, gerenciamento de capacidade de produção, monitoramento, é controle de programas. Esse cartão é um sistema de puxar estoque é o modelo de duas gavetas muito usado pela Toyota empresa Japonesa que sabe usar esse cartão com muito sucesso pelo rigor do serviço. (BALLAU, 2008, p. 248). O sistema kanban foi desenvolvido dentro das características singulares, ou seja, foi gerado para funcionar efetivamente dentro de determinadas condições produtivas e competitivas. No entanto, muitas outras empresas, naturalmente diferentes, empreenderam esforços para implantá-lo. Devido a essas diferenças, muitas das tentativas falharam. E, diante disso, tanto na literatura quanto na prática são reconhecidas as limitações do sistema kanban. Daí sobrevém à necessidade de criar, adaptar e até mudar. Colocado de forma simples, um cartão Kankan em peças ou partes específicas de uma linha de produção, para indicar a entrega de uma determinada quantidade. Quando se esgotarem todas as peças, o mesmo aviso é levado ao seu ponto de partida, onde se converte num novo pedido para mais peças. Quando for recebido o cartão ou quando não há nenhuma peça na caixa ou no local definido, então se deve movimentar, produzir ou solicitar a produção da peça. (BALLAU, 2008, p. 249).

39 A gestão ou aquisição de compras, conhecidas como função de compras assume um papel estratégico nos negócios, principalmente financeiro deixando para trás a visão preconceituosa do que era uma atividade burocrática e repetitiva. Área que e conhecida por vários nomes, como suprimentos, compras ou aquisições por estar bem informadas e atualizadas, terem habilidades e dinamismos. Correia (1996) Entende- se que o funcionário do setor de suprimentos que a área mais conhecida deve está sempre comunicando com o fornecedor para que possa realizar uma boa compra CAMPOS (2006.). Antes da primeira guerra mundial a função aquisição era burocrática, após a crise do petróleo, a oferta de varias matérias primas começou a diminuir enquanto que os preços aumentavam Gestão de compras. Nesse caso, saber o que, quanto, quando e como comprar começa a assumir condição de sobrevivência, e, assim, o departamento de compras ganha visibilidade dentro da organização. Hoje a função compras faz parte do processo de logística das empresas, ou seja, parte integrante da cadeia de suprimentos. A área de compras tem o cuidado com os níveis de estoques das empresas, pois autos níveis de estoques significam pouco problema com a produção, acarretam um custo exagerado para a sua manutenção. Os baixos níveis de estoque por outro lado fazem com que as empresas trabalhem num limiar arriscado, qualquer detalhe por menor que seja acaba prejudicando ou parando a produção. CAMPOS (2006.p 151). Mostra-nos a evolução do setor de compras dentro da organização. 4.3 Política de Estoque De acordo com Bowersox e Gloss (2009, p. 254) é função do setor, o controle das disponibilidades das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não só os almoxarifados de matérias primas e auxiliares, com também os intermediários e os de produtos acabados. Seus objetivos não é deixar faltar material ao processo de fabricação, evitando alta imobilização aos recursos financeiros. É viável o que o gestor de estoque tenha padrões é critérios para medir a desempenho do departamento tais como:

40 Quanto ao tempo de entrega do produto; Quais materiais a serem estocados; Definição da rotatividade dos estoques. Definir as políticas de estoque e bom para fazer uma boa administração, com isso e viável que o gestor crie um grau de atendimento diário em porcentagem que facilita saber a real situação do almoxarifado no atendimento dos materiais, para isso e bom criar tabelas onde registra o Nº de reserva atendida a e a quantidade de itens atendidos por reservas, isso auxilia o controlador para saber a rotatividade do estoque e manter um estoque seguro. Relata que a administração geral da empresa deverá determinar ao departamento de controle de estoque o programa de objetivos a ser atingido Isto é para medir o desempenho do departamento. (DIAS 1985, p. 214). Inventario físico: Dias (1993): O inventário físico é um processo muito comum a praticamente todas as empresas. Consiste em equalizar os estoques que se têm fisicamente nos almoxarifados e os dados que estão registrados no sistema. Aparentemente, este é um processo simples já que é só contar os estoques e conferir com os registros gravados no sistema informatizado utilizado pela empresa. Porém, para que este processo se torne simples, é preciso uma boa organização prévia, para que se evitem surpresas e inconsistências. Segue algumas dicas para tornar esta atividade o mais simples possível. De acordo com Viana (2002, p ), um inventário é uma contagem periódica dos materiais existentes para efeito de comparação com os estoques registrados e contabilizados em controle da empresa, a fim de se comprovar sua existência e exatidão. Os inventários tornam-se importantes instrumentos de gerenciamento e, por razões de auditoria, é necessário ter-se a comprovação real da exatidão de seu valor. Inexistência de materiais em processo. Antes de iniciar o processo de inventário, é necessário que todas as ordens de produção, ou seja, tudo o que estiver em processo de fabricação, seja finalizado até a data do inventário ou então o material seja devolvido ao almoxarifado. Quando temos materiais na produção e estes não foram baixados dos estoques ou ainda consumiram outros materiais armazenados, possivelmente teremos problemas nas contagens; Procure fazer todos os ajustes necessários nos estoques durante o mês que antecede o inventário. Movimentações muito próximas às datas do evento

41 podem gerar desconfortos aos auditores que acompanharão o processo. O inventário permanente é o realizado durante todo o exercício financeiro, de forma sistemática. Neste aspecto ele pode ser feito após cada transação de entrada e/ou saída. Se você possui materiais seus em poder de terceiros, solicite a chamada carta de circularização, onde o fornecedor deve enviar em um papel timbrado o total em quantidade e valor dos seus materiais que estão em poder dele. Desta forma, é possível fazer o batimento desta conta no seu balanço; A organização do almoxarifado deve ser feita previamente, de forma a facilitar os processos de contagem; As contagens devem ser independentes, ou seja, a pessoa que fez a primeira contagem não deve fazer à segunda, a terceira etc. Isso demonstra uma maior transparência e imparcialidade nos processos de contagem dos materiais; As fichas de contagens devem ser em papéis de cores diferentes. Esta é uma forma visual de diferencia as contagens. Isso facilita muito para as equipes participantes; Moura (1998, p.53) esclarece que não é recomendável que haja movimentação de materiais na data da contagem e que o departamento de compras instrua os fornecedores para que não sejam entregues materiais nesta data. Cabe ao departamento de produção requisitar com antecedência os suprimentos necessários à produção do dia do inventário e também a transferência, em tempo hábil, de produtos acabados para o almoxarifado. Busque sempre alinhar com os auditores os procedimentos gerais para o inventário. Redija um documento ou um procedimento com as especificações e detalhes para que todo o processo seja bem claro para ambas as partes; Por último, mas não menos importante, certifique-se de que nenhum tipo de movimentação seja feita nos dias do inventário. Isso com certeza trarão problemas para você nas contagens e com os auditores. Há também algumas outras formas e critérios de seleção de materiais para o inventário físico. Podemos nos utilizar do inventário cíclico (contagens dos itens mais importantes durante o ano todo, sem a necessidade do inventário anual. Podemos selecionar os itens através de uma curva ABC, para selecionar apenas os mais relevantes etc. Estes aspectos serão detalhados em artigos posteriores. Mas o importante é que você procure sempre trabalhar da forma mais adequada a realidade da sua empresa. (DIAS, 1993, p. 23)

42 4.3.1 Avaliação de estoque PESPS (FIFO) UEPS (LIFO) FERREIRA (2007) explica primeiro a entrar, primeiro a sair (first in first out). A avaliação por este método é feita pela ordem cronológica das entradas. De modo a avaliar os estoques, podemos considerar quatro critérios usualmente utilizados, sendo eles. PEPS (primeiro a entrar, primeiro a sair): Sai o material que primeiro integrou o estoque, sendo substituído pela mesma ordem cronológica que em que foi recebido. Quando o giro dos estoques ocorre de maneira rápida ou quando as oscilações normais nos custos podem ser absolvidas no preço do produto, ou quando se dispõem de material que esteja mantido em longo prazo. Ultimo a entrar primeiro a sair (Last in first out). Obviamente, adoptar este método, faz com que o efeito da oscilação dos preços sobre os resultados seja expressivo, as saídas são confrontadas com os custos mais antigos, sendo esta uma das principais razões pelas quais alguns se mostram contrários a este método. UEPS (último a entrar, primeiro a sair): Este critério, também conhecido como LIFO (last-in first-out) é um método de avaliar estoque bastante discutido. O custo do estoque é obtido como se as unidades mais recentes adicionadas ao estoque (últimas a entrar) fossem as primeiras unidades vendidas (saídas) (primeiro a sair). Pressupõe-se, deste modo, que o estoque final nas unidades mais antigas é avaliado ao custo das mesmas, de acordo com o método UEPS, o custo dos artigos vendidos (saídas) tende a se refletir no custo dos artigos comprados mais recentemente (comprados ou produzidos). Também permite reduzir os lucros líquidos expostos. Este critério, também conhecido como FIFO (first-in, first-out) apura que os primeiros artigos que entrarem no estoque, vão ser aqueles que vão sair em primeiro lugar, deste modo o custo da matéria primadeve ser considerado pelo valor de compra desses primeiros artigos (FERREIRA, 2007, p. 33). Por serem debitados contra a receita os custos mais recentes de compras, e não o custo total de reposição de todos os artigos utilizados, a aplicação deste método não obtém a realização do objetivo. Esse método não é tão utilizado nas empresas, pois dependendo do ramo de atuação, a empresa poderá ter sérios prejuízos, por exemplo: Vendo produtos perecíveis, estes possuem validades, caso venda os produtos que chegaram por

43 último, se algum dia chegar a tentar vender aqueles que foram adquiridos primeiramente, provavelmente os mesmos já estará vencido. Preço médio ponderado: Ferreira (2007) Mostra que este critério é usado em empresas, em que os seus estoques tenham um controle permanente, e que a cada aquisição o seu preço médio seja atualizado, pelo método do custo médio ponderado. É o método utilizado nas empresas brasileiras para atendimento à legislação fiscal. É também muito usado nas empresas multe nacionais que tem atualizar seu preço com a matriz. Custo padrão: É o método de custeio (United States Generally Accepted Accounting Principles). Nele tanto a entrada de estoque quanto as saídas são apropriado ao custo padrão estabelecido pela empresa, usualmente é aquele que foi utilizado na elaboração do planejamento orçamentário anual. Toda diferença entre o preço real de compra (decorrente de variações de preço) ou custo real de produção (decorrente de variações na produtividade) são apropriados nas contas de variação do preço de compra ou variação de manufatura, respectivamente. Essas contas são contas de resultado, de modo que qualquer variação afeta diretamente o resultado do mês em que ocorre, ainda que o material não tenha sido vendido. Este método de avaliação considera que devem em primeiro lugar sair às ultimas peças que deram entradas no estoque, o que faz com que o saldo seja avaliado ao preço das últimas entradas. E o método mais adequado em períodos inflacionários, uniformiza o preço dos produtos em estoque para vendas. (FERREIRA, 2007, p. 35). Método PESPS (FIFO) pelo método UEPS (LIFO) Periódico Perpétuo FIFO LIFO Médio. FIFO LIFO Médio. Vendas $ 110 $ 110 $ 110 $ 110 $ 110 $ 110,00 Custo do produto vendido ,5 Lucro bruto $ 25 $ 20 $ 22 $ 25 $ 21 $ 22,50 Inventário final $ 355 $ 350 $ 352 $ 355 $ 351 $ 352,50 Tabela 01: Método peps (FIFO) pelo método ueps (LIFO) Fonte: DIAS, Vantagens da utilização destes métodos: FERREIRA (2007). Mostra as vantagens de utilização deste método, que são: Procura determinar se a empresa apurou ou não de forma correta os seus custos correntes, face à sua receita corrente. De acordo com o este método, o

44 estoque é avaliado em termos do nível de preço da época em que o UEPS foi introduzido. realista e sistemática; É uma forma de se custear os artigos consumidos de uma maneira Numa temporada de alta de preços, os preços maiores das compras mais recentes, são ajustados mais rapidamente às produções, reduzindo o lucro; O método tende a minimizar os lucros das operações, nas indústrias sujeitas a oscilações de preços. O movimento estabelecido para os materiais, de forma ordenada e contínua, simboliza uma condição necessária para um perfeito controle dos materiais, principalmente quando eles estão sujeitos à mudança de qualidade de composição e deterioração, etc; resultado conseguido reflete o custo real dos artigos específicos utilizados nas saídas; os artigos utilizados são retirados do estoque e a baixa dos mesmos é dada de uma maneira sistemática e lógica. (Ferreira, 2007, p. 34) Analise ABC Trata-se da classificação estratégica de materiais, considerando a importância que eles têm para a empresa, que se classificam os itens críticos ou itens classe A, os itens de menor importância que são necessários, mas não paralisam o processo são classificados como classe B e os demais itens que são de apoio são classificados como classe C. A análise ABC é uma das formas mais usuais de examinar estoques. Essa análise consiste na verificação, em certo espaço de tempo, do consumo, em valor monetário ou quantidade, dos itens de estoque, para que eles possam ser classificados em ordem decrescente de importância. Não existe forma totalmente aceita de dizer qual o percentual do total dos itens que pertencem a classe A, B e C. os itens A são os mais significativos podendo representar algo entre 35% e 70% do valor movimentado dos estoques, os itens B variam de 10% a 45%, os itens C representam o restante. A análise ABC de estoques, que multiplica o custo unitário com o volume comprado, permite que cada classe tenha um tratamento diferenciado. Os itens A devem receber mais atenção, pois uma economia ou melhoria em sua utilização representa uma economia no total dos gastos com materiais. Por outro lado, uma

45 análise exclusiva da relação pode levar a distorções perigosas para a empresa, pois ela não considera a importância do item em relação a operação do sistema como um todo. Na busca de tais objetivos, os administradores dispõem de vários indicadores, como o giro dos estoques, da cobertura, da análise ABC tradicional. Além destes, a criticidade assume a importância cada dia maior. Muitas vezes, a falta de um item de baixíssimo custo e pequena rotatividade pode para toda uma fabrica, com prejuízos de milhares de reais Lead time (ponto de reposição) Lead time ou tempo de aprovisionamento, em português europeu, é o período entre o início de uma atividade, produtiva ou não, e o seu término. A definição mais convencional para lead time é o tempo entre o momento de entrada do material até a sua saída do inventario em resultado da definição mais genérica, lead time é, muitas vezes, confundido ou tem até o mesmo significado que ciclo. O lead time é um dos conceitos mais importante da logística Deve ser levado em consideração em todas as atividades. MARTINS e CAMPOS (2006). Assegura que o lead time está intimamente ligado ao contexto de produção. Em certas situações, os processos de fabrica sofrem de atrasos inesperados ou tempos de iniciativa. Durante os períodos em que um processo, linha de produção ou máquina estão parados devido a atrasos ou falhas logísticas, a eficiência da produção sofre um impacto negativo. Todas as formas de atrasos inesperados representam sérios problemas no fluxo da produção. Escusado será dizer que a maioria dos gestores tem pouca ou nenhuma tolerância para com atrasos inesperados na produção resultantes da entrega de materiais ou componentes danificados ou atrasados. O desempenho do lead time pode afetar o impasse estratégico da empresa. Regra geral, as empresas que reduzem o lead time e controlam ou eliminam variâncias inesperadas na produção, têm mais flexibilidade para satisfazer as necessidades dos clientes ao mesmo tempo em que conseguem reduzir os custos. (BOWERSOX e GLOSS, 2007, p. 92). Quando emitimos um pedido de compra, decorre um espaço de tempo que vai deste do momento da sua solicitação do almoxarifado, colocação do pedido de

46 compras e passando pelo processo de fabricação em nosso fornecedor até o momento em que recebemos, é tempo que as mercadorias ficam na conferencia aguardando liberação também influi o tempo de reposição. Por tanto, o TR é composto de três elementos. 1 Tempo para elaborar e confirmar o pedido; 2 Tempo em que o fornecedor leva para processar e entregar o pedido; 3 Tempo para processar e liberar o pedido da fabrica. Formula do tempo de pedido é tempo de reposição: Fórmula: PP = C x TR + Emn onde: PP = Ponto de Pedido TR = Tempo de Reposição C = Consumo Médio Mensal Emn = Estoque Mínimo.Curva dente de serra com tempo de reposição. Para. (Bowersox e Closs 2007, p. 92). O lead time está intimamente ligado ao contexto de produção. Em certas situações, os processos de fabricação sofrem de atrasos inesperados ou tempos de parada. Durante os períodos em que um processo, linha de produção ou máquina estão parados devido a atrasos ou falhas logísticas, a eficiência da produção sofre um impacte negativo. Todas as formas de atrasos inesperados representam sérios problemas no fluxo da produção. Regra geral, as empresas que reduzem o lead time e controlam ou eliminam variâncias inesperadas na produção, têm mais flexibilidade para satisfazer as necessidades dos clientes ao mesmo tempo em que conseguem reduzir os custos. Gráfico dente de serra Gráfico de Serra Modelo de Estudo Estoque Quantidade 300 Estoque Máximo JAN FEV MAR ABR MAIO JUN Tempo Figura 02: Gráfico Dente de SerraFonte: Elaborado por Viana, * Estoque máximo: Bertaglia (2009. p. 205). Menciona que o resultado da soma do estoque de segurança mais o lote de compra. O nível Máximo de estoque é

47 normalmente determinado em forma que o seu volume não ultrapasse a quantidade do seu volume de segurança, o valor suficiente para suportar um determinado tempo até que seja feito um novo pedido. É a quantidade suficiente para suportar variações normais, a cada novo lote, que o nível máximo de estoque não cresça e os custos de manutenção de estoque não aumente. Emax = ES + LC. Ou seja, estoque máximo é igual à soma do estoque mínimo e do lote de compra, o lote de compra poderá ser econômico ou não. Em condições normais de equilíbrio entre a compra e o consumo, o estoque oscilará entre os valores máximos e mínimos Estoque de Segurança Os estoques de segurança diminuem o risco de não atendimento das solicitações dos clientes externos e internos. O gestor de estoque tem que analisar no mínimo três variáveis para que não haja falta de material para o suprimento tanto do processo produtivo quanto dos produtos final que serão repassados aos clientes. São elas: Demanda, tempo de reposição e capacidade produtiva. Quando o gestor consegue mensurar a real necessidade de cada uma destas variáveis e o tempoperíodo em que elas ocorrem, ele tem em suas mãos o poder de prever algumas possíveis situações e preparar-se para elas. O estoque de segurança é um sistema de defesa que a organização cria para suprir alguma necessidade inesperada. Ele permitirá que a empresa continue seus processos mesmo que haja algum imprevisto com a reposição normal do estoque. Ou seja, mesmo havendo uma falha no tempo de entrega, ainda assim a organização tem condições de manter sua produção com os itens do estoque de segurança. Mas isso ocorre por pouco tempo, pois nenhuma empresa deve manter um estoque de segurança muito grande, pois sabemos que todo estoque gera custos Custo de estoque BERTAGLIA (2009, p. 338) menciona que, a mais importante função do controle de estoque e dos materiais está relacionada com a administração de níveis

48 de estoques, e lógica e racionalidade podem ser aplicadas com sucesso para a resolução dos problemas de estoques. São conhecidas várias espécies de custos que se aplicam às situações de estoque. Custo de pedidos. Cada vez que uma requisição ou pedido é emitido, incorrem custos fixos e variáveis referente a esse processo. Portanto o custo de pedido está diretamente determinado com base no volume das requisições ou os pedidos que ocorrem no período. Custo de Manutenção de Estoque. Os custos de manutenção de estoques incorporam as despesas de armazenamento, tais como: altos volumes, demasiados Controles, enormes espaços físicos, sistema de armazenagem e movimentação e pessoal alocado, equipamentos e sistemas de informações específicos. Temos também custos com impostos e seguros do material estocados, ainda os materiais está sujeito a perdas e obsolescência. Custo por Falta de Estoque. Como vimos, os materiais imobilizados em estoques oneram drasticamente uma empresa e têm custo elevado e, em razão disso, as empresas busca reduzirem ao Máximo seus estoques que poderá fazer com que ela não cumpra o prazo de entrega de seu produto, o que proporcionará uma multa por atraso ou até quebra. As organizações devem definir e manter uma estratégia de estoques, que, conduza adequadamente um balanceamento dos processos de produção e distribuição, além de minimizar os custos de estoque. (BERTAGLIA, 2009, p. 340). Dias (1993.). Mostra as formas de registro de estoque, para controlar a quantidade de materiais em estoque, tanto o volume físico quanto o financeiro. Contudo, a avaliação de estoque anual deverá ser realizada em termos de preço, para proporcionar uma avaliação exata do material e informações financeiras atualizadas. A avaliação dos estoques inclui o valor das mercadorias e dos produtos em fabricação ou produtos acabados, estas formas de registro podem ser manual ou informatizada. A avaliação feita através custo médio é a mais frequente. Tem por base o preço de todas as retiradas, ao preço médio do suprimento total do item em estoque age como um estabilizador isso equilibra as flutuações de preços. Ao longo prazo reflete os custos reais das compras de material.

49 4.3.6 Modelagem de estoque Quando se define a política de estoque que a empresa seguirá é muito importante que o modelo adotado pela organização também seja coerente para que não haja contradição entre ele, pois o ideal é que ambos trabalhem em conjunto para o bem comum da organização, já que o objetivo maior de qualquer organização é atender bem seu cliente e te um modelo de estoque que facilite este processo é fundamental. Veremos aqui os modelos clássicos de gestão de estoque, como o da reposição periódica e da reposição continua e alguns modelos híbridos. O modelo de reposição continua também chamado de modelo do lote padrão, modelo do estoque mínimo ou modelo do ponto de reposição, consiste em emitir um pedido de compra, com quantidade igual ao lote econômico, sempre que o nível de estoque atingir o ponto de pedido. O modelo de reposição periódica, também chamado de modelo do intervalo padrão ou modelo de estoque máximo, consiste em emitir os pedidos de compras em lotes em intervalos de tempo fixos. Para não ocorrer erros, pela demanda ser muito variada, utiliza-se a demanda media, o mesmo acontece com o tempo de atendimento. O estoque de segurança e fixado em função da variação na demanda, no tempo de atendimento e no nível de serviço. O risco sem estoque passa a ocorrera pós a emissão do pedido de compras, isto é, como o próximo pedido somente será emitido após um prazo predeterminado, caso a demanda seja muito maior que a prevista, corre-se o risco de o estoque se esgotar antes do recebimento do próximo pedido. A modelagem de estoque permite a padronização de todo o processo, pois ele determina tempo de reposição, quantidade de itens para estoque máximo e mínimo, quando deve ser feitos os pedidos de compra e a quantidade que deve ser comprado. Assim, temos uma linha certa de trabalho que varia muito pouco, só o bastante para suprir as necessidades dos clientes e se tornar mais competitiva no mercado. 5. ESTUDO DE CASO 5.1 Votorantim Metais Morro Agudo

50 A Votorantim Metais é a maior produtora de zinco das Américas e estão entre as dez maiores produtoras mundiais. Em 2006, sua capacidade de produção alcançou a marca de 402,5 mil toneladas. A Unidade de Negócio Zinco iniciou sua trajetória em 1952 com descoberta a jazida de chumbo é zinco na comunidade rural de Morro Agudo. Em 1956 Inicia a Companhia Mineira de Metais (CMM), em Três Marias MG, para receber o minério de Morro Agudo é Vazante. Mas as atividades de pesquisa geológica iniciam em 1971 a 1973, pela (AEMSA), Companhia Auxiliar de Empresa de Mineração SA. O inicio das operações de lavras subterrânea aconteceram de 1974 a Em 1984 houve a privatização, a empresa foi dirigida pelo consórcio formado entre grupo Votorantim é o grupo Ingá. No ano seguinte deu inicio a implantação da usina de beneficiamento é deposito de rejeitos. No ano de 1988 o grupo assume o controle acionário da empresa. Dez (10) anos depois a empresa muda à razão social passando a chamar Cia Mineira de Metais. No ano de 2003 houve a expansão da produção de para t de zinco contido, partir desta data começou o processo da busca da certificação NBR, ISO 14001:2004 emitido por BSI/América INCBR é a implantação de EMCs também teve inicio as reuniões de Pro-Ação. Em 2005 nova mudança na razão social que passou a chamar, Votorantim Metais Zinco S.A. No ano de 2006 iniciou o programa de comportamento seguro, deposito de rejeito ll; é gestão de risco Críticos. Em 2007 iniciou o plano de resíduo zero, onde deixa de existir o rejeito industrial é dá lugar ao pó calcário que e um produto rentável para a empresa, no uso de combate a acidez do solo, ou seja, controla o PH da terra. Em ª pesquisa de percepção de imagem (ideia) inauguração da trilha ecológica morro do calcário; entre o ano de 2008 a maio de 2012 a empresa ganhou vários prêmios por gestão ambiental é retificação das auditorias. A competitividade que as empresas estão sujeitas nos dias atuais, tem feito com que as mesmas busquem desenvolver vantagens competitivas que as possibilitem obter sucesso em seus mercados de atuação. Uma destas vantagens fundamenta-se no controle e gestão da qualidade, dos seus estoques e da forma como lidam com as novas técnicas e tendências do

51 mercado. Estando relacionados a requisitos de produtos, processos, gestão organizacional, atendimento aos clientes e avaliação de fornecedores. É notória a necessidade de que a empresa atenda os seus clientes com qualidade, uma vez que os clientes de hoje sejam mais complexos de agradar, dotados de particularidades, mais inteligentes, mais conscientes em relação há preços, seus direitos como consumidores, mais exigentes, e são acometidos por mais concorrentes com ofertas iguais ou melhores. O grande desafio não é só satisfazer os clientes, pois, as empresas concorrentes também podem satisfazê-los. O desafio é conquistar e manter clientes fiéis. Assim, percebe-se que a busca pela satisfação dos clientes é relevante, com atenção as agilidades na decisão de problemas e as características dos produtos e serviços inovadores proporcionados para os consumidores. Estamos vivendo um momento único de extrema competitividade, com um alto grau de exigência do consumidor. Na era globalizada, num mundo sem fronteiras.muitas as empresas já implantaram, estão implantando ou pretendem implantar boas práticas gerenciais e de produção, tendo como principal fator motivador a melhoria da gestão da qualidade de processos, de produtos e organizacional; o invés de um mero atendimento da legislação governamental. Por fim, pode-se verificar por meio da análise que o porte das empresas influencia nos resultados obtidos, seja no que diz respeito aos aspectos motivacionais para implementação do sistema, seja nos aspectos burocráticos ou ainda nos benefícios da implementação deste sistema de gestão e controle de estoque. O planejamento estratégico é o ponto mais importante durante as atividades gerenciais, tendo em vista que é responsável pela seleção de programas de ação e execução das mesmas, considerando ambientes internos e externos à empresa. Também considera premissas básicas que a organização deve respeitar para que todo o processo tenha coerência e sustentação. A importância de uma boa gestão de estoque é indispensável para qualquer empresa que pretenda continuar competitiva já que, os maiores custos estão ligados a ele.

52 O presente estudo de caso visa analisar a situação vivenciada na empresa Votorantim Morro Agudo, nome fantasia Morro Agudo; localizada na Fazenda Morro Aguda /SN; Zona Rural, Paracatu-MG, CEP: ; CNPJ: / ; Inscrição Estadual Isento, que possui um Capital Social de R$ ,00(vinte e cinco milhões de reais). 5.2 Levantamento e análise de dados Os fenômenos que impactam o volume de estoque no almoxarifado. Estudar causas do acumulo de estoque. A parametrização para decisão de compras são decisões utilizadas no problema de modelo de estoque em período médio de reposição, é muito usado o sistema de lead time na logística atual, ou seja, quando o gestor consegue um fornecedor que reduz o tempo de entrega consequentemente reduz a quantidade de compra. Assim será feito uma revisão do estoque máximo e mínimo, ambos sofrerão uma correção para diminuir a quantidade que é comprada. Atualmente, esta missão tem passado por transformações profundas, envolvendo serviços que vão muito além da tradicional estocagem de curto e médio prazo. Estas mudanças são coerentes com as transformações por que passa a logística. As empresas procuram cada vez mais agilizar o fluxo de materiais, comprimindo o tempo entre o recebimento e a entrega dos pedidos para reduzir os investimentos em estoque. (LACERDA, 2002). Determinando o ponto de pedido estoque máximo é mínimo. O estoque máximo é mínimosão utilizados para organizar a empresa, note-se que estoque é um ativo (pois pode vendê-lo) e provavelmente pode ser utilizada parte do capital de giro para adquiri-lo novamente que é o giro de estoque. O gestor não vai querer trabalhar com estoque muito grande, pois o custo de manutenção é alto, quando falamos de Já o estoque mínimo está relacionado à segurança. Você não vai querer perder um cliente só porque não tem estoque para atendê-lo, e repor o estoque pode ser um pouco demorado (geralmente não se repõe no mesmo dia). Conhecendo seu negócio, você pode determinar qual o estoque de segurança que você quer ter. Esse estoque de segurança é o estoque que permanece do dia que é feito o pedido até o dia da entrega. O ponto de pedido é a reposição de mercadorias dias antes de ele atingir seu ponto mínimo. Estoque máximo está falando no tamanho que seu estoque deve possuir.

53 Lead time da logística: Um atraso logístico, da parte de um fornecedor de peças ou materiais, pode resultar numa falha na linha de produção. O controle do lead Time entre uma empresa e um fornecedor é muito importante, para analisar o potencial do fornecedor. A maneira mais eficiente de conseguir controlar o lead time entre a empresa e fornecedor é permitir um correto e aberto fluxo de informações. Compartilhar previsões e informações. Embora se a atenção for só no lead time nem sempre é possível reduzi-lo o tempo de entrega. Se fizermos esta mesma analise no objeto do nosso estudo, ou seja, o estoque de filtros da Votorantim Metais, veremos a sua aplicação na prática. Se o objetivo deste trabalho é propor uma forma de trabalhar com o mínimo possível de estoque, é fundamental que o tempo de entrega seja seguido criteriosamente, temos que ter consciência que o método JUST-IN-TIME, trabalha em conjunto com o lead time, portanto se um deles falhar, o outro não funciona também. O estoque de filtros é fundamental nas atividades da empresa e a falta desta peça pode causar imensuráveis transtornos, é imprescindível a sua reposição em tempo hábil para o uso assim que necessário. Se o objetivo da ferramenta for alcançando numa margem de 95% de precisão, não teremos nenhum problema, mas qualquer margem menor que esta poderá trazer algum dano a continuidade da produção Análise de estoque utilizando a metodologia da curva ABC Trata-se da classificação estratégica de materiais, considerando a importância que eles têm para a empresa, que se classificam os itens críticos ou itens classe A. São aqueles que não podem faltar, pois compromete a produção, são identificados pela empresa com uma etiqueta de identificação vermelha. Os itens estratégicos ou itens classe B. São identificados como itens importantes para a empresa, mas são de menores valores financeiros, e são usados em mais quantidades. A empresa usa etiqueta de identificação de cor amarela. Itens normais ou classe C.São de valores reduzidos sem muita expressão para a empresa, mas são vistos como complementares, ou seja, são essenciais, Por isso deve ser mantido no estoque.

54 A curva ABC é muito utilizada para a administração de estoques, é para o estabelecimento de prioridades, por exemplo, o administrador a usa como um parâmetro que informa sobre a necessidade de aquisição de matérias ou matéria prima. O que importa é que a análise deste trabalho de controle de estoque auxilia o gestor na decisão de compra, podendo ser baseado nos resultados obtidos pela curva ABC. Onde os itens considerados de Classe A merecerão um tratamento preferencial. A curva ABC mostra como deve ser aplicado os recursos financeiros e materiais, evitando desperdícios ou aquisições indevidas, pois na avaliação dos resultados da curva ABC, percebe-se o giro dos itens no estoque. Vendo que na pratica esse conceito pode ser mais explorado por parte da empresa que tem um estoque muito grande, por ser muito difícil fazer uma administração de todo o estoque de forma rigorosa, pode-se voltar à atenção para essas duas classes de estoque A e B. Assim haverá um monitoramento dos itens mais importância no sentido de produtividade e financeiro, sendo quase 35% dos itens estão sobre o controle do gestor. Mas não deve esquecer-se dos demais itens, pois todo o estoque tem valor para a empresa. O grande desafio dos gestores de materiais é manter as cadeias produtivas utilizando melhor os itens obtidos. Dados da Curva ABC R$ % Itens % A ,45 69,88% 35 13,83% B ,10 20,72% 52 20,55% C ,76 9,40% ,61% Total ,31 100% % Tabela 02: Tabela curva ABC Fonte: Elaborado pelo Autor Na tabela acima, observa-se que os materiais estão ordenados por valores e itens que estabelecem: a) A ordem total do consumo por ordem decrescente de valor; b) O total dos itens; c) Determina as percentagens com relação ao valor total do consumo. 9,40% 20,72% B C

55 A 68,8% A 13,83% 20,55% 65,61% Figura 03: Curva ABC Elaborado pelo autor Dias (1985 P.86) Deixa claro que; a curva ABC é um importante instrumento para o administrador, ela permite identificar daqueles itens que justifiquem atenção e tratamento adequados quanto a sua administração. Geralmente os estoques possuem os valores da tabela acima, tanto para itens em estoque quanto valor Analise do giro de estoque Neste tópico, veremos alguns gráficos que representarão a redução nos gastos do estoque da Votorantim Metais com a aplicação do método de gestão de estoque que propõem a redução da quantidade de itens através da diminuição do tempo de reposição Rotatividade das peças do estoque O gráfico dente de serra abaixo traz uma nova proposta para a reposição de um dos itens que tem maior rotatividade no almoxarifado. Os filtros de óleo. Estes itens tem uma rotatividade anual de 188 peças. O calculo do consumo diário deste item é feito pela seguinte equação: Consumo dia =0,5151* 30= 15,45 itens por mês. Com a aplicação da proposta de redução de itens, teríamos que obter apenas dezesseis peças por mês. Isso reduzia a quantidade deste item no estoque em 55%. Ou seja, o espaço que todas as cento e oitenta e oito peças ocupam no estoque poderia ser utilizado para manter outros itens que necessitam de espaço, e não

56 podem passar pelo processo de redução da sua quantidade por não ser viável financeiramente. O gráfico a seguir mostra uma movimentação de estoque da empresa onde apresenta estoque máximo é mínimo e o seu tempo de reposição. Gráfico 01: Gráfico Dente de Serra Fonte: Elaborado pelo autor O tempo de reposição do estoque é definido como o período no qual é detectado que o estoque de determinado item precisa ser reposto até a efetiva disponibilidade do item para o consumo. Ao aplicarmos a redução do tempo reposição e consequentemente a redução dos itens do estoque, percebemos a queda acentuada nos custos do estoque, pois muitos itens armazenados geram gastos variáveis e perdas, mas se eles forem reduzidos chegando ao sistema JUST TIME, ou seja, trabalhar apenas com o necessário para uma reposição rápida. Obviamente depois de ter conseguido a segurança de fornecedores confiáveis que não falharão no momento em que forem solicitados, torna-se mais viável trabalhar com este método, já que a reposição dos itens por mais vezes é mais viável que manter tudo que se gastaria em um ano armazenado. O gráfico a seguir mostra muito bem isso que falei acima.

57 Grafico02: Filtros de Óleo VM Fonte: Elaborado pelo Autor Tendo em vista que a reposição do estoque é mensal, ele me obriga a trabalhar com um estoque máximo, que esta girando em torno de vinte e quatro peças, este estoque é alto em relação ao consumo da empresa. Mas se aumentarmos a rotatividade de pedidos de compras, ou seja, reduzir o tempo de entrega conseguiremos reduzir o tamanho do estoque e também os seus custos. O gráfico nos mostra que os estoques máximos trabalhados no inicio se tornou inviável para empresa. Baseando nas informações que o gráfico acima nos dá, sobre o tempo de reposição, observamos que o estoque máximo pode ser reduzido para dezesseis peças já que o tempo de reposição foi reduzido de trinta para quinze dias. Assim o estoque mínimo será reduzido para oito peças, que é a quantidade mínima necessária para manter a produção até que o pedido seja entregue.

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Administração de Recursos e Administração de Recursos e Objetivo Discutir o conceito da administração de recursos materiais e sua relação

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS PROF. RODRIGO FREITAS DE SOUZA REVISÃO rfsouza@fatecinternacional.com.br Objetivo da Logística Fazer chegar a quantidade certa das mercadorias certas ao local certo, no

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Carla Milanesi de Oliveira Carla_mila_lala@hotmail.com CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC Paulino Botelho (Extensão Esterina Placco) Ensino Técnico Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Faculdade de Tecnologia de Pompéia LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Concepção de logística Agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva.

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Sumário Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Capítulo 2 - A Integração do Marketing com a Logística 21 2.1. O Departamento de Vendas 21 2.2. Plano de

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL ACORDO - Celular: Silencioso ou desligado - Chamada 19:10hs e 22:10hs. - Entrada ou saída no decorrer da aula em silencio para não atrapalhar os demais participantes. -Trabalho final

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

O desafio: A vantagem da Videojet:

O desafio: A vantagem da Videojet: Nota de aplicação Tinta Tintas coloridas para embalagens de ponto de venda O desafio: O ambiente de varejo é um mercado em constante evolução, com maior ênfase na embalagem, que não só protege os produtos

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

Recursos Materiais e Patrimoniais

Recursos Materiais e Patrimoniais Recursos Materiais e Patrimoniais Professor conteudista: Jean Carlos Cavaleiro Sumário Recursos Materiais e Patrimoniais Unidade I 1 OS RECURSOS...2 1.1 Administração de materiais...6 1.1.1 Medida de desempenho...6

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Administração de Materiais e Logística

Administração de Materiais e Logística Administração de Materiais e Logística Com abordagem a Supply Chain Scorecard Prof. Me Clesio L. Landini Jr. - 2012 - Dedicatória Aos meus alunos, a mola propulsora para a realização desta obra; Aos meus

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Visão Geral da Logística Empresarial

Visão Geral da Logística Empresarial Visão Geral da Logística Empresarial Prof. Dr. Nicolau D. Fares Gualda Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes email: ngualda@usp.br LOGÍSTICA Verbo Loger

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas.

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO O presente curso é composto de quatro módulos, a saber: MÓDULO I MÓDULO II MÓDULO III MÓDULO IV Gestão de Pessoas para Logística, com duração de 220 horas. Gestão Empresarial

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA JBS S.A.

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA JBS S.A. MARCIO REIS - R.A 1039892 MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial PRIMEIRA FASE 01 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Funções, gráficos e aplicações; cálculo diferencial e aplicações; funções de duas ou mais variáveis: derivadas parciais e aplicações; aplicação computacional

Leia mais