GESTÃO DE ESTOQUES NO PROCESSO DE FABRICAÇÃO: SIMULAÇÃO DE UM PROCESSO PRODUTIVO DE CARRIOLAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE ESTOQUES NO PROCESSO DE FABRICAÇÃO: SIMULAÇÃO DE UM PROCESSO PRODUTIVO DE CARRIOLAS"

Transcrição

1 GESTÃO DE ESTOQUES NO PROCESSO DE FABRICAÇÃO: SIMULAÇÃO DE UM PROCESSO PRODUTIVO DE CARRIOLAS Bruno Cesar Becare da Silva (Unifran ) Tulio Sanzio Neves Bonfim (Unifran ) Joao Ricardo Iannoni (Unifran ) Matheus Silva Castro (Unifran ) Flavio Henrique De Oliveira Costa (Unifran ) Este trabalho objetiva definir ferramentas e estratégias para gestão de estoques que mais se adequam a um sistema produtivo de carriolas, com validação através de simulação. A questão de pesquisa que move este trabalho é determinar quais meelhores ferramentas e/ou estratégias para gestão de estoques em um sistema produtivo de carriolas. Optou-se por um método de pesquisa de simulação, com abordagem qualitativa e quantitativa. Baseado nas características da produção da carriola concluiu-se que os melhores métodos para a gestão de estoques foi o sistema de produção puxado, com a utilização do sistema de fluxo contínuo de produção apoiado pela ferramenta FIFO, útil como limitador de produção. Palavras-chaves: Produção Puxada; Carriola; Fifo; Sistema Continuo

2 1. Introdução A importância do gerenciamento dos estoques se dá com o aumento da concorrência e o risco de perturbações econômicas provocadas pela globalização, que alerta as empresas para a necessidade de planejamento de sua atividade e flexibilidade para se adequar em ambientes diferentes. Em um cenário empresarial muito competitivo, a expertise para lidar com essa competitividade é um fator determinante para o sucesso de qualquer organização. Neste contexto, destaca-se a gestão de estoques como uma das ferramentas para conciliar os interesses da organização na busca pela eficiência e eficácia. Este trabalho tem o objetivo avaliar por meio de simulação as ferramentas e estratégias para gestão de estoques mais adequadas para o caso de um projeto de desenvolvimento de fábrica de carriolas. A pesquisa norteia-se pela busca da determinação das melhores ferramentas e estratégias, destacam-se o sistema de fluxo contínuo; complementado pelo FIFO (First In First Out/ Primeiro que entra primeiro que sai) como um limitador de produção; e como estratégia de produção, a produção puxada. A simulação foi baseado em um projeto de desenvolvimento de uma empresa de fabricação de carriolas, com abordagem qualitativa. A metodologia desta pesquisa é bibliográfica dedutiva abrangendo temas relacionados, a gestão de estoque, processos produtivos e simulação utilizando o software Promodel. 2. Gestão de estoques e a competitividade das empresas Segundo Slack (2009) e Silva (2005), estoques são quantidades armazenadas ou em processo de produção, que tem a finalidade de dar uma independência entre os processos da cadeia produtiva. Os estoques geralmente são usados como uma forma de se proteger contra a imprevisibilidade dos processos ou da demanda do mercado. De acordo com Slack (2009) e Arozo (2006), os estoques só existem porque não há uma harmonia entre o fornecimento e a demanda. A quantidade de estoque a ser mantida também é um dilema vivido nas empresas, excessos nos níveis de estoques pode representar altos custos operacionais. Baixos níveis de estoques também podem originar perdas de econômicas, devido à falta de matérias primas ou produto acabado o que pode acarretar atrasos. Muito embora os estoques representem segurança em ambientes incertos representam também riscos pois são caros tanto no que se refere a aquisição quanto à armazenagem e podem se tornar obsoletos. De acordo com Slack, Chambers e Johnston (2009), uma boa gestão de estoque pode minimizar consideravelmente os custos operacionais e proporcionar produtos mais baratos, sendo mais competitivos no mercado. Ohno (1997) classifica a superprodução que gera estoques como uma das sete perdas da produção comenta que a eliminação destas perdas aumenta a eficiência de operação em uma 2

3 ampla margem, segundo o mesmo devemos produzir apenas o necessário, isto liberará a força de trabalho extra. Apesar de sua importância a gestão de estoques ainda é negligenciada em muitas empresas. A gestão de estoques pode ser utilizada ao longo de toda a cadeia de suprimentos, permitindo ganhos de produtividade com menores custos, gerando assim vantagem competitiva. (SLACK, 2009; SILVA, 2005). 3. Tipos e custos de estoques 3.1 Tipos de estoques De acordo a literatura, os tipos de estoque existentes nas empresas são diversos. Dias (1993) e Rogers et al (2004), preferem dividir em estoque de matéria-prima, que são materiais básicos necessários para se produzir, geralmente está localizado no almoxarifado e tem funcionalidade de regular a taxa entre o suprimento e a produção; produtos em processo, que são os materiais ou produtos semiacabados e que estão sendo usados nos processos, geralmente estão localizados entre os postos de trabalhos a jusante e montante por causa da diferença de tempo de processamento da matéria-prima entre os postos de trabalhos; produtos acabados, que são compostos dos produtos finais, que já foram produzidos mas ainda não foram vendidos, geralmente estes estoques estão presentes em quase todas as empresas; e estoque de peças de reposição ou manutenção que refere-se a peças ou equipamento que servirão como um instrumento de troca ou reposição sempre que o cliente necessitar repor alguma peça que quebrou ou apresentar desempenho abaixo do esperado (FERNADES E GODINHO, 2010; DIAS, 1993; ROGERS ET AL, 2004). 3.2 Custo dos estoques Para Dias (1993) e Arozo (2006), estoques são equivalentes a valores monetários parados, afinal os valores que estão sendo investidos para mantê-lo poderiam ser redirecionados para investimentos mais rentáveis. Dias (1993) e Rodrigues e Oliveira (2006) classificam 3 tipos de custos relacionados aos estoques: o custo de armazenagem, relacionado aos custos de capital, pessoal, edificação e manutenção; o custo de pedido, que envolve custos relacionados à mão de obra, matéria prima e custos indiretos como gastos com telefonemas, energia, etc.; e o custo total, resultado da soma do custo de armazenagem e do custo do pedido. 4. Estratégias e ferramentas para gestão de estoques A literatura pesquisada destaca nove principais ferramentas para gestão de estoques: a classificação ABC, os sistemas de reposição contínua e de reposição periódica, o lote econômico de compras, o sistema de planejamento das necessidades de materiais (MRP), a produção puxada, o kanban, a metodologia de sistema contínuo e a regra de sequenciamento fifo (Primeiro que entra primeiro que sai / First In First Out). 3

4 A classificação ABC tem a função de pontuar os itens do estoque, de forma a determinar quais itens são mais influentes na demanda, ou seja, os que representam maior percentual de valor nos estoques (LOURENÇO E CASTILHO, 2006). A respeito da curva ABC Pinto(2002) apud Oliveira (2011) diz que, apenas uma pequena parcela da população, 20%, concentra grande parte da riqueza (custos), 80%. Os sistemas de reposição contínua e de reposição periódica abordam a forma como as compras são repostas, considerando a frequência e quantidade necessária na reposição dos produtos em estoques (FERNANDES e GODINHO, 2010). O LEC (Lote Econômico de Compra) é a quantidade a ser comprada de forma a minimizar os custos de estocagem e de aquisição. Este lote gira em torno de um ponto ideal ou valor ideal, onde a compra será mais econômica para a empresa, e utiliza cálculos baseados na demanda, custos de estocagem e aquisição para chegar a um valor ótimo (SLACK, 2009). A Produção Empurrada consiste em simplesmente produzir empurrando a produção para o próximo processo ou posto de trabalho sem levar em conta as variações de tempos de processamento ou o ritmo de trabalho dos operadores do posto seguinte (TUBINO, 2007). MRP (sistema de planejamento das necessidades de materiais) consiste em transformar as informações e quantidades vendidas em uma lista de necessidades, para a fabricação dos produtos, utilizando a árvore do produto para fazer seus cálculos das necessidades de matériaprima (FERNADES e GODINHO, 2010; TUBINO, 2007; SLACK, 2009). A Produção Puxada consiste na produção somente do que o cliente interno pode consumir, seguindo o raciocínio de que cada posto a jusante puxa a produção do posto a montante gerando um sistema regulador dos níveis de estoques em processos, produzindo somente o necessário (TUBINO, 2007; SLACK 2009; SHOOK E ROTHER, 2003). O Kanban tem a finalidade de controlar a transferência de material de um posto para outro, funcionando como controle de estoques intermediários entre os postos jusante e montante, onde os produtos ou matérias primas são colocados em lotes, nos estoques controlados e já calculados para abastecerem o posto jusante e assim recolocados conforme o seu consumo (SHOOK E ROTHER, 2003; SLACK 2009). Segundo Shingo(1996) a redução dos tamanhos de lotes de produção reduz os estoque e facilita a reação da empresa frente às mudanças do mercado consumidor. A Metodologia de Sistema Contínuo consiste em produzir uma peça de cada vez e passar imediatamente ao cliente interno, podendo tornar a produção mais eficiente e eficaz e eliminado os estoques intermediários, mas seu uso é limitado a equipamentos e máquinas que não tem o mesmo tempo de ciclo ou não pode ser acoplado junto sendo necessário o uso de ferramentas complementares (SHOOK E ROTHER, 2003). Por fim, o Fifo consiste em uma regra de sequenciamento, geralmente usada para determinar a sequência ou a priorização das ordens de produção de materiais a serem processados, também podendo ser usado como limitador de produção nos processos nos quais é inviável manter supermercados, como peças sob encomenda, peças que tenham uma curto ciclo de vida de armazenamento, peças dispendiosas que são usadas com pouca frequência. (SHOOK E ROTHER, 2003). 4

5 5. Simulação Simulação consiste em montar um modelo fisicamente ou em ferramentas computacionais sem ocorrência de perturbação ao sistema. A simulação pode-se ser usada como uma ferramenta para a gestão de estoques, podendo proporcionar análises do funcionamento do sistema com a possível gestão de estoques, analisando a complexidade de processos reais, incorporando a variabilidade e interdependências o que pode possibilitar a realização de poderosas análises e mudanças e, assim, otimizar sistemas e melhorar indicadores. (CAUCHICK, 2010). Segundo Belge (s.a.) o Promodel é um avançado software de simulação de eventos discretos usado para planejar, projetar e melhorar novos ou atuais processos. Este software permite reproduzir de maneira muito fidedigna os eventos reais possibilitando ótimas analises e mudanças, gerando otimizações de sistemas e melhorias de indicadores, citam também o fato do Promodel ser o único software do mundo com uma versão em Português, sendo este escolhido devido a sua facilidade de uso e dinâmica visual. 6. Processo produtivo de carriolas 6.1 Caracterização do produto A carriola é dividida em oito partes: o chassi (A), a caçamba (B), a travessa do pé (C), os pés de apoio (D), as escoras (E), o conjunto do eixo (F), o fixador da roda (G)e o conjunto da roda (H). Para uma melhor visualização e compreensão das partes desmontáveis da carriola, a seguir pode-se ver na FIG.1, a carriola explodida. Figura 1 Carriola Explodida 6.2 Caracterização do processo produtivo Inicialmente a matéria prima para fabricação das partes componentes da carriola é adquirida de acordo com os pedidos e previsões da demanda que posteriormente são recebidas pelo setor do almoxarifado, onde são inspecionadas e armazenadas esperando para serem 5

6 processadas em suas respectivas linhas. O setor de produção conta com quatro linhas horizontais de produção, sendo que a primeira fabrica as escoras, a segunda fabrica os pés de apoio, a terceira fabrica a caçamba e a quarta linha fabrica o chassi. A matéria prima é comprada em tamanhos padrões, as peças fora dos parâmetros adequados serem processadas, as peças fora dos padrões são retiradas da área de armazenamento e marcadas para serem cortadas nos tamanhos específicos, e em seguida são encaminhadas para a linha horizontal de produção. A primeira linha de produção fabrica as escoras. Neste processo as peças já cortadas são dobradas pelo equipamento dobradeira. O operador recebe a matéria prima, corta e a coloca no equipamento para dobrá-la nos devidos parâmetros. A segunda linha fabrica os pés de apoio. Esta linha também utiliza a dobradeira, o processo é similar ao da primeira linha, alterando apenas os parâmetros de dobras. A terceira linha fabrica a caçamba. Neste processo a matéria prima é conformada em uma prensa, utilizando um molde. Nesta operação o operador alimenta a prensa com a matéria prima após prensada a matéria prima o operador retira a caçamba pronta do molde. A quarta linha de produção fabrica o chassi, que também utiliza a dobradeira. Este processo é similar a primeira e segunda linha, mas se diferencia nos parâmetros de dobras da matéria prima. É importante ressaltar que a parte componente da carriola travessa do pé não necessitará de ser dobrada ou conformada após ser cortada. O próximo processo é o acabamento. Após as peças serem cortadas, dobradas e conformadas elas podem apresentar algumas rugosidades que necessitam ser retiradas para posteriormente serem pintadas. No processo de acabamento esta rugosidade é retirada por lixadeiras, na qual a matéria é transportada através de esteiras. Posteriormente ao processo de acabamento as peças são encaminhadas, através da esteira, para a cabine de pintura. O sistema de pintura é totalmente automatizado, permitindo um sistema contínuo. As peças são pintadas utilizando jatos de tintas à base de ar comprimido, devido a esses jatos requerem um menor tempo de secagem. Após pintadas as peças o processo posterior é a montagem. É importante ressaltar que o Conjunto do Eixo, o Fixador da Roda e Conjunto Roda possuem produção terceirizada, ou seja, eles já são adquiridas prontas e prontas para a montagem. O processo de montagem é a parte final do processo produtivo da carriola onde todos os componentes são unidos por parafusos. A esteira que transporta o produto através da montagem o conduzirá até o setor de armazenagem. A FIG.2, mostrada a seguir, ilustra todo o processo produtivo descrito acima. Figura 2 Processo produtivo 6

7 Na figura 2 pode-se visualizar o setor de acabamento demarcado com a letra B; a cabine de pintura com a letra C; o setor de montagem com a D; e o estoque se rodas com a letra E. 6.3 Escolha do método A partir da revisão bibliográfica, percebeu-se a necessidade de escolha de uma ferramenta de gestão de estoques, visando minimizar custos operacionais, o número de materiais defeituosos e em excesso e os custos de aquisição. A escolha do método que mais se adequada ao processo produtivo da carriola considerou as principais características do produto e seu sistema produtivo. Os diferentes tempos de processamentos das linhas horizontais de produção influenciaram a escolha de ferramenta de gestão de estoques em processos com o intuito de evitar ocorrência de gargalos. Para o caso estudado a estratégia usada será de Produção Puxada. Na Produção Puxada, como visto na revisão bibliográfica, o material só é solicitado se realmente existe a necessidade se sua utilização, sendo notório o combate ao desperdício o que contraria a Produção Empurrada. Na Produção Puxada os estoques são reduzidos, podendo facilitar a aparição e resolução de problemas, que não ficam mascarados devido aos altos estoques. 7

8 Foi definido também para combate dos estoques em processos, em alguns pontos o sistema de Fluxo Contínuo. Considerando que o sistema produtivo deste projeto tem diferentes características de processamento entre os componentes, o que acarreta diferentes tempos de processamento, buscou-se uma ferramenta complementar ao Sistema de fluxo Continuo para dar continuidade ao fluxo. Dessa forma, escolheu-se o sistema FIFO (first in, first out/ primeiro que entra primeiro que sai), como limitador de produção. O sistema produtivo utilizará os equipamentos de acordo com a demanda do processo, com o fluxo parcialmente continuo e sem gargalos entre as fases do processo produtivo. O funcionamento do sistema produtivo de carriolas, seus fluxos de informações e materiais com as estratégias de ferramentas escolhidas para gestão de estoques em processos, pode ser visto na FIG.3 a seguir. Figura 3 Funcionamento do sistema produtivo O PCP (Planejamento e controle da produção) receberá as informações do setor de vendas, sobre os pedidos dos clientes, posteriormente enviará as informações de suprimento para o fornecedor, e OP (ordem de produção) para o setor de montagem. O setor de montagem irá puxar a produção, de acordo com a demanda. Cada linha horizontal de produção contará com uma linha FIFO, funcionado como uma canaleta. Neste caso, as linhas poderão produzir por dia uma quantidade determinada, que não poderá ser ultrapassada, evitando a formação estoques em excesso. 6.4 Simulação do sistema produtivo de carriolas Para validar a proposta final de funcionamento do sistema produtivo de carriola foram feitas duas simulações do sistema produtivo de carriolas caracterizado nos capítulos anteriores através do software no Promodel. A primeira simulação fora feita sem as propostas de gestão de estoques e a segunda simulação já contendo as proposta de gestão de estoques. 8

9 Para as duas simulações foi determinado um turno de trabalho de 8 horas/dia e mais duas horas de almoço, o que totaliza 10 horas de simulação, sendo que o almoço se inicia na quarta hora e vai até sexta hora da simulação. Foram utilizados oito operadores para movimentação dos materiais: quatro operadores movimentam as matérias primas do almoxarifado para as linhas horizontais de produção, três operadores movimentam as peças das linhas horizontais de produção para as esteiras um e dois, e um operador no final da esteira de montagem movimenta os produtos acabados para o estoque de carriolas. Os tempos de processamentos podem ser visualizados na figura a seguir: Quadro 1: Tempos de ciclos do sistema produtivo Serra Dobra / Conformação Acabamento Pintura Montagem Escoras e Travessa dos pés 3,7 mim 3.9 mim Pés de apoio 3,6 mim 3,8 mim 5,1 mim 5,3 mim 5,3 mim Caçamba 3,8 mim 3,9 mim Chassi 3,7 mim 3,8 mim Nas linhas horizontais de produção que fabricam as escoras, travessa dos pés e os pés de apoio abastecem a esteira um e as linhas horizontais de produção que produzem a caçamba e chassi abastecem para a esteira dois. A esteira um e esteira dois abastecem a esteira três. A esteira três (onde é feito o processo de acabamento) abastece a cabine de pintura. A cabine de pintura abastece a esteira quatro (na qual é feito o processo de montagem). A esteira quatro é o processo final do sistema produtivo. Foram colocados contadores nas esteiras 1,2, 3, 4 e na cabine de pintura, analisando assim qual a quantidade de estoque em processo ao final das 10 horas de simulação. É importante ressaltar que as duas simulações foram feitas com os mesmos parâmetros, ou seja, mesmo tempo de processamento, mesmo número de operadores, mesmo número de maquinas, equipamentos e etc., mudando apenas as paradas no relógio das linhas FIFO, para se comparar os resultados. Na primeira simulação ficou evidente a ocorrência de estoques em processo ao final do período de simulação, devido à descontinuidade do sistema localizado exatamente entre as linhas horizontais de produção e os processos seguintes (acabamento, pintura e montagem). Na FIG. 4 é possível ver que ao final das 10 horas de simulação formaram-se estoques em processos nas esteiras um e dois, e algumas peças no restante do processo, destacadas em vermelho. A produção final foi de 18 carriolas. Figura 4 Primeira simulação do sistema produtivo 9

10 A FIG.5 a seguir, mostra os dados de todos os locais da simulação: as quantidades de tempos programados, capacidade, total de entradas, tempos médio de entradas, conteúdos ou estoques médios, conteúdos ou estoques máximos e conteúdos ou estoques atuais. Conteúdos atuais na verdade são os números dos estoques restantes ao final da simulação. Foram destacados de preto os locais da simulação que poderiam ter estoques em processos e em destaque de vermelho a coluna do conteúdo atual que representa as quantidades de estoque em processo. Figura 5 Resultados da primeira simulação do sistema produtivo 10

11 Pode-se ver na FIG.5 que totalizaram 38 peças em estoque em processo, sendo que houve maior concentração de estoque na esteira um com 11 peças e na esteira dois com 16 peças devido à descontinuidade do sistema entre as linhas de produção e o restante dos processos. Na segunda simulação foram definidas as estratégias e ferramentas para gestão de estoques em processo. O FIFO, complemento do sistema contínuo, funcionará como uma canaleta, restringindo as linhas horizontais de produção a uma quantidade limite de modo que não haja estoques em processos, ou seja, garantem que a produção das linhas horizontais seja consumida pelos processos seguintes até o término da simulação. Como visto na FIG.6, a produção também foi de 18 carriolas, porém não teve a ocorrência de estoques em processos em virtude das paradas no relógio para as linhas horizontais de produção, como visto em destaque de vermelho na FIG.6 a seguir: Figura 6 Segunda simulação do sistema produtivo As linhas foram programadas para pararem quando chegassem à produção máxima de 18 peças, com o intuito de evitar os estoques em processos ao final da simulação. A FIG.7 a seguir, mostra as quantidades de estoques de todos os locais da segunda simulação. 11

12 Figura 7 Resultado da segunda simulação do sistema produtivo Na FIG. 7, foram destacados de preto os locais da simulação que poderiam ter estoques em processos e em destaque de vermelho a coluna do conteúdo atual que representa as quantidades de estoque em processo ao final da simulação. Nota-se que não houve nenhuma peça em estoque em processo nesta segunda simulação, o que valida as ferramentas e estratégias de gestão de estoques sugeridas: Sistema Contínuo, FIFO e Produção Puxada. 7. Conclusão Baseado nas características da produção da carriola, na revisão bibliográfica e na simulação concluiu-se que os melhores métodos para a gestão de estoques em processos foram a Produção Puxada, a metodologia de Sistema Continuo e como suporte o FIFO. O sistema de produção da carriola seguirá e, alguns de seus processos o sistema Continuo apresentado por Shoock (2003), pois se concluiu que este método destaca-se das outras ferramentas de gestão de estoques, podendo tornar a produção mais eficiente, usando somente o necessário dos recursos, diminuindo o lead time e fazendo com que os problemas fiquem mais fáceis de identificar e de se corrigir antes de prosseguir. Entretanto, o sistema produtivo de carriolas estudado, apresenta descontinuidades, mais especificadamente entre as linhas horizontais e os sistemas de acabamento, pintura e montagem, o que faz com que o uso do Sistema Contínuo seja inviabilizado ao longo do sistema tornando necessário o uso do Fifo para dar continuidade ao Fluxo Continuo ao longo do sistema. As linhas horizontais de produção irão se orientar pelo sistema Fifo, que funcionará como delimitador de produção, controlando a produção diária e fazendo com que se produza somente o necessário orientando a produção pela demanda. Para puxar a produção das linhas horizontais foi definida a estratégia de produção puxada, para que o setor de 12

13 montagem possa puxar a produção das linhas horizontais de produção, justificando-se, então, a escolha da produção puxada em conjunto com a Metodologia de sistema contínuo e o Fifo. A partir deste trabalho, espera-se agregar novas contribuições a literatura disponível na área. REFERÊNCIAS AROZO, A. Monitoramento de desempenho na gestão de estoque UFRJ. Disponível em < >. Acesso em: 17 out BELGE, Produtos, (s.a) Disponível em: <<http://www.belge.com.br/promodel-intro.php >> Acessado em 20/03/2013, CARRIOLA. In: DICIONÁRIO Michaelis.(2009) Disponível em: << >> Acessado em 20/03/2013, CORREA, H.L; GIANESI, N.G.I; CAON.M. Planejamento, programação e controle da produção. São Paulo: Atlas, DIAS, M. A. Administração de materiais: uma abordagem logística. São Paulo: Atlas, DIAS, M. A. Administração de materiais: princípios, conceitos e gestão. São Paulo: Atlas, FERNANDES, F. C; GODINHO FILHO, M. Planejamento e controle da produção: dos fundamentos ao essencial. São Paulo: Atlas, FISCHER. Carrinho de mão Fischer 60 litros, Disponível em: <http://http://www.fischer.com.br/pt/produto/carrinho-de-mao-fischer-60-litros-cacambaaco>. Acesso em: 15 mar LOURENÇO, G.K; CASTILHO, L. Classificação ABC dos materiais: uma ferramenta gerencial de custos em enfermagem. Rev. Bras. Enferm 2006 jan-fev; 59(1); Disponível em:<http://scholar.google.com.br/scholar?q=classifica%c3%a7%c3%a3o+abc+dos+mate riais%3a+uma+ferramenta+gerencial+de+custos+em+enfermagem&hl=pt-br&as_sdt=0 >. Acesso em: 16 out OHNO, T. O sistema Toyota de Produção: além da produção em larga escala. Porto Alegra: Bookman, RODRIGUES, C.P; OLIVEIRA J. O. Modelos de gestão de estoques intermediários no processo de fabricação. In: XIII SIMPEP (FEB/UNESP), Bauru. Disponível em: < >. Acesso em: 15 out

14 ROGERS, P; RIBEIRO, S.C.K; ROGERS.D. Avaliando o risco na gestão financeira de estoques. In: Simpósio de Administração da produção, Logística e Operações _ (FGV), Uberlândia. Disponível em < >. Acesso em: 18 out SILVA, S. C. Gestão de estoques Monografia (Especialização em Gestão Estratégica e Qualidade). Pós Graduação, Lato Senso - Universidade Candido Mendes, Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.avm.edu.br/monopdf/9/carlos%20dos%20sant OS%20SILVA.pdf >. Acesso em: 15 out SHINGO, S. O Sistema Toyota de produção: Do ponto de vista da Engenharia de Produção. Porto Alegre Bookman, Traduzido por: Eduardo Schaan. SHOOK, J ; ROTHER, M. Apredendo a enxergar: mapeando o fluxo de valor e eliminar o desperdício. São Paulo SLACK,N. Planejamento e controle de estoque. In: SLACK, N. ; CHAMBERS, S; JOHNSTON, R. Administração da produção. São Paulo: Atlas, Cap. 12, p SLACK, N. ; CHAMBERS, S; JOHNSTON, R. Administração da produção. São Paulo: Atlas, TUBINO, F.D. Planejamento e controle da produção: teoria pratica. São Paulo: Atlas,

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

'$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$& !"#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra.

'$($')!$!& (*+!,-$+& +.*/$& !#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. Silene Seibel A variável Estoque Texto base da disciplina PCP da Udesc Introdução No planejamento e controle

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE E PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE CABINES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS

IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE E PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE CABINES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Carla Milanesi de Oliveira Carla_mila_lala@hotmail.com CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br sileneudesc@gmail.com Sistemas Produtivos O sistema de produção define de que maneira devemos organizar a

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

Simulação Empresarial em Gestão da Produção

Simulação Empresarial em Gestão da Produção Simulação Empresarial em Gestão da Produção CAPÍTULO 5 O JOGO DE EMPRESAS GP-3 A dinâmica de trabalho do jogo GP-3 é apresentada nesse capítulo. Inicialmente são descritos os diferentes módulos de interface

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Marcos Donizete de Souza (G-UEM) Priscilla Borgonhoni (UEM) REFERÊNCIA SOUZA, M. D. e BORGONHONI, P. A consolidação dos três níveis

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia Logística/6º 07/05/2015 PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Hendy de Oliveira Analista de Suprimentos

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO

IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO Bruno Carara (UFRGS) bcarara@hotmail.com Felipe Muller Treter (UFRGS)

Leia mais

Definição da Necessidade de Produtos Finais

Definição da Necessidade de Produtos Finais OS SISTEMAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UTILIZADOS COMO VANTAGEM ESTRATÉGICA Lucia Helena de Oliveira 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 2, Antonio Pascoal

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer a terminologia usada na gestão de estoques Conhecer os métodos e procedimentos básicos de planejamento

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

Gerenciamento simultâneo de produção e processo

Gerenciamento simultâneo de produção e processo Gerenciamento simultâneo de produção e processo Leonardo Werncke Oenning - Departamento de Engenharia de Materiais UNESC, wo.leo@hotmail.com Leopoldo Pedro Guimarães Filho UNESC, lpg@unesc.net; Dino Gorini

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL Sigfrid Hornburg (UFSC) shornburg@karsten.com.br Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) tubino@deps.ufsc.br Natalia Emerich Ladeira

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

2. Planejamento e Controle da Produção

2. Planejamento e Controle da Produção 15 2. Planejamento e Controle da Produção O mercado torna-se a cada dia mais exigente e o dominio de novas tecnologias, de novos processos ou então sistemas e técnicas, é uma grande preocupação para as

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Nelson Eiji Takeuchi Uma cadeia logística convencional é composta por logística inbound, logística outbound, warehouse e movimentação interna. Fala-se que

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Cap. III GESTÃO DE ESTOQUE

Cap. III GESTÃO DE ESTOQUE Cap. III GESTÃO DE ESTOQUE Nos anos 80 muitas empresas tiveram problemas estratégicos sérios por acharem que deveriam, a todo o custo, BAIXAR A ZERO seus estoques, seduzidas por uma leitura equivocada

Leia mais

Gestão de estoques de materiais em uma confecção

Gestão de estoques de materiais em uma confecção Gestão de estoques de materiais em uma confecção Wendell Juliano Montanheiro(FAQ) biblioteca@faculdadexvdeagosto.edu.br Luiz Antonio Fernandes (FAQ) biblioteca@faculdadexvdeagosto.edu.br RESUMO O trabalho

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

A FILOSOFIA JUST IN TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE PRODUÇÃO. Palavras-chave: Just in time. Produção. Aumento de produtividade

A FILOSOFIA JUST IN TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE PRODUÇÃO. Palavras-chave: Just in time. Produção. Aumento de produtividade RESUMO A FILOSOFIA JUST IN TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE PRODUÇÃO Valério Givisiez Vilete Santos FACE - Faculdade Casa do Estudante Aracruz ES e-mail: vgvsantos@gmail.com.br 04/09/2014 A não existência

Leia mais

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios.

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios. Fascículo 6 Planejamento e controle Just In Time Entendendo o Just In Time Just In Time, cuja tradução para o português resulta em algo não muito claro Apenas a Tempo, corresponde a atividade de produzir

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Produção Industrial 4ª Série Gerenciamento da Produção A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5F)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4)2*OHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ANÁLIS CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA

VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA Arielton Freire da Silva (UFRN) aryfreire@gmail.com Fabio

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Elaboração de uma Proposta para Implantação do Sistema Kanban na Gestão de Miscelâneas da Produção de Painéis Eletrônicos

Elaboração de uma Proposta para Implantação do Sistema Kanban na Gestão de Miscelâneas da Produção de Painéis Eletrônicos Elaboração de uma Proposta para Implantação do Sistema Kanban na Gestão de Miscelâneas da Produção de Painéis Eletrônicos Priscila das Graças Felipe Santiago Engenheira de produção PUC Minas Andressa Silva

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DEDICADOS PARA O DESENVOLVIMENTO E ELABORAÇÃO DO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA LEAN PRODUCTION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Introdução ao Lean Thinking Ministrante: Christopher Thompson Lean Institute Brasil Contatos: lean@lean.org.br Apoio São Paulo, 16 de setembro de 2010 Observação:

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

TÍTULO: JUST - IN - TIME NO SISTEMA DE PRODUÇÃO FAST - FOOD CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: JUST - IN - TIME NO SISTEMA DE PRODUÇÃO FAST - FOOD CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: JUST - IN - TIME NO SISTEMA DE PRODUÇÃO FAST - FOOD CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES): FLÁVIO

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

ADM 250 capítulo 13 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 13 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 13 - Slack, Chambers e Johnston 20030917 Adm250 Administração da Produção 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM José Henrique Garrido de Lima 1 Ronaldo Ribeiro de Campos 2 Nas últimas

Leia mais

Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção

Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção Henrique Holowka 1 (EPA, DEP/FECILCAM) henrique_engprod@yahoo.com Isabela Korczovei Lemes 2 (EPA, DEP/FECILCAM) kl.isabela@hotmail.com

Leia mais

Melhoria do processo de pintura em uma indústria moveleira

Melhoria do processo de pintura em uma indústria moveleira Melhoria do processo de pintura em uma indústria moveleira Carolina Oliveira de Paula Universidade Federal de Viçosa (UFV) carolinaengprod@gmail.com José Ivo Ribeiro Júnior Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

PCP: UTILIZAÇÃO DO MS PROJECT NO AUXÍLIO À PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE CALDEIRARIA.

PCP: UTILIZAÇÃO DO MS PROJECT NO AUXÍLIO À PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE CALDEIRARIA. PCP: UTILIZAÇÃO DO MS PROJECT NO AUXÍLIO À PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE CALDEIRARIA. Everton Carlos Prado (UNIFEG) evertoncarlosprado@hotmail.com Edivaldo jose Moreira (UNIFEG) ediymoreira@hotmail.com

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

Reprojeto de layout e implantação de um sistema puxado sequenciado em uma fábrica de ar-condicionado para ônibus

Reprojeto de layout e implantação de um sistema puxado sequenciado em uma fábrica de ar-condicionado para ônibus Reprojeto de layout e implantação de um sistema puxado sequenciado em uma fábrica de ar-condicionado para ônibus Tarcisio Abreu Saurin (UFRGS) saurin@ufrgs.br Márcio Torres (CETA/SENAI-RS) ceta-rs@ceta-rs.org.br

Leia mais

Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real

Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real José Antonio de Queiroz (SC-USP) jaq@prod.eesc.usp.br Antonio Freitas Rentes (SC-USP) rentes@sc.usp.br Cesar Augusto

Leia mais

Eliminando os picos artificiais de vendas. Alexandre Cardoso

Eliminando os picos artificiais de vendas. Alexandre Cardoso Eliminando os picos artificiais de vendas Alexandre Cardoso Os mercados se comportam de maneiras erráticas e imprevisíveis, gerando sempre uma variação nos volumes e no mix de produção. As causas estão

Leia mais