IMPACTOS DO TWITTER NA DECISÃO DE COMPRA ON-LINE: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM CONSUMIDORES DA CLASSE C

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPACTOS DO TWITTER NA DECISÃO DE COMPRA ON-LINE: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM CONSUMIDORES DA CLASSE C"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO IMPACTOS DO TWITTER NA DECISÃO DE COMPRA ON-LINE: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM CONSUMIDORES DA CLASSE C FERNANDA SUELI XAVIER DIAS Natal 2012

2 FERNANDA SUELI XAVIER DIAS IMPACTOS DO TWITTER NA DECISÃO DE COMPRA ON-LINE: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM CONSUMIDORES DA CLASSE C Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Coordenação do curso de Graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Administração. Orientadora: Maria Valéria Pereira de Araújo, Drª Natal 2012

3

4 FERNANDA SUELI XAVIER DIAS IMPACTOS DO TWITTER NA DECISÃO DE COMPRA ON-LINE: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM CONSUMIDORES DA CLASSE C Monografia apresentada e aprovada em 21/12/2012 pela banca examinadora composta pelos seguintes membros: Maria Valéria Pereira de Araújo, Drª Orientadora Ana Patrícia R. Leite, Drª Examinadora Max Leandro de Araújo Brito, Me. Examinador

5 Dedico este trabalho à Olacy Xavier, minha mãe.

6 AGRADECIMENTOS "Agradeço todas as dificuldades que enfrentei; não fosse por elas, eu não teria saído do lugar. As facilidades nos impedem de caminhar. Mesmo as críticas nos auxiliam muito." Chico Xavier Agradeço primeiramente a Deus por ter-me dado paciência e perseverança nos momentos difíceis. Agradeço também aos meus amigos, em especial, Liliane Chen, Jéssica Fonseca, Celiene França, Raída Venceslau, Giuliana Silva, Adailson Isidro, Andressa Priscila, Arthur Galdino, Renata Kaline e Vanessa Ydennis, pelos conselhos e palavras de carinho e conforto, e pela amizade conquistada. As minhas chefes, Andreza Cristiane e Suzana Augusta por terem paciência comigo e me liberarem algumas vezes para continuar este trabalho. A Universidade Federal do Rio Grande do Norte por ter me proporcionado um ensino de qualidade. Aos funcionários e docentes, que auxiliou e muito minha passagem por essa Instituição. Agradeço à minha orientadora, Drª. Maria Valéria Pereira de Araújo, que me ajudou neste trabalho, aconselhou-me e fez críticas positivas para o desenvolvimento da pesquisa em questão. A todas as pessoas que participaram direta ou indiretamente para conclusão deste trabalho. Minhas sinceras considerações!

7 Que os vossos esforços desafiem as impossibilidades, lembrai-vos de que as grandes coisas do homem foram conquistadas do que parecia impossível. Charles Chaplin

8 RESUMO A visibilidade e o relacionamento nas redes sociais tornam o marketing nesses meios digitais, de grande importância para a busca de novos consumidores e também um espaço para as empresas consolidarem sua marca. O presente trabalho tem por objetivo compreender a percepção dos usuários do Twitter da Classe C sobre a comunicação estabelecida por empresas com seus seguidores e seus impactos na decisão de compra on-line. Trata-se de uma pesquisa exploratória qualitativa cuja população-alvo é composta pelos usuários da rede social Twitter que moram na zona norte de Natal, pretendem ou fazem compras on-line e são considerados da classe C. Os dados da pesquisa foram obtidos através da aplicação de entrevistas com os usuários do Twitter. Os resultados mostraram que o Twitter influencia a decisão de compra on-line estabelecendo um relacionamento de proximidade com as empresas. Palavras-chaves: Twitter; E-commerce; Decisão de compra; Consumidor classe C.

9 ABSTRACT The visibility and relationships in social networks make these digital media marketing, of great importance to the search for new customers and also a space for companies consolidate their brand. This study aims to understand the perception of Twitter users on the Class C communication established by companies with their followers and their impact on purchasing decisions on-line. This is an exploratory qualitative whose target population is composed of the Twitter social network users who live in northern Natal, or intend to make on-line purchases and are considered Class C. Survey data were obtained through interviews with users of Twitter. The results showed that Twitter influences the buying decision on-line by establishing a close relationship with the companies. Keywords: Twitter, E-commerce, Consumer behavior.

10 SUMÁRIO 1. PARTE INTRODUTÓRIA PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Especificos JUSTIFICATIVA DO ESTUDO REFERENCIAL TEÓRICO MARKETING DIGITAL E-COMMERCE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR E DECISÃO DE COMPRA Comportamento do consumidor na internet PROCESSO DECISÓRIO Papéis decisórios do consumidor A CIBERCULTURA E AS NOVAS TECNOLOGIAS As redes sociais na Internet E-commerce e redes sociais Twitter Twitter e timeline METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA POPULAÇÃO E AMOSTRA DADOS E INSTRUMENTO DE COLETA TRATAMENTO DOS DADOS ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS PERFIL DO USUÁRIO OS RELACIONAMENTOS ENTRE AS EMPRESAS E OS USUÁRIOS ACESSO A SITES DE COMPRAS ATRAVÉS DA TIMELINE INFLUÊNCIAS E DECISÃO DE COMPRA CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE 1 - ROTEIRO DE ENTREVISTA... 56

11 LISTA DE TABELAS E QUADROS TABELA 1: Renda média por classes econômicas...35 QUADRO 1: Perfil do entrevistado...37 QUADRO 2: Seguir perfis de empresas virtuais...38 QUADRO 3: Relacionamento da empresa com o usuário no Twitter...40 QUADRO 4: Acesso a sites de compras on-line por meio da timeline do Twitter...43 QUADRO 5: Comentários de produtos no Twitter influenciando na decisão de compra...45 QUADRO 6: Divulgação de sites de compra on-line para amigos no Twitter...47 QUADRO 7: Influência da repercussão do produto/ou serviço no Twitter na decisão de compra on-line...49 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1: Fatores que influenciam o comportamento...16 FIGURA 2: Modelo dos cinco estágios do processo de compra do consumidor...22 FIGURA 3 - Americanas.com...27 FIGURA 4 Submarino...27 FIGURA 5 Netshoes...27 FIGURA 6 Ponto Frio...28 FIGURA 7 Magazine Luiza...28 FIGURA 8 - Timeline do Twitter...32 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1: Os 10 maiores mercados on-line...29 GRÁFICO 2: Evolução no número de e-consumidores...30

12 11 1. PARTE INTRODUTÓRIA O surpreendente crescimento do número de usuários das redes sociais no Brasil e no mundo coloca em xeque as formas tradicionais de compreender o comportamento do consumidor. De acordo com o levantamento 2012 Brazil Digital Future in Focus, da ComScore (2012), o Brasil continua ganhando espaço no mundo digital. Hoje o país é um dos maiores mercados de internet do Planeta, com 46,3 milhões de usuários e vem experimentando um considerável crescimento em áreas como o uso de conexão móvel, redes sociais e blogs. Nesse sentido, as redes sociais tem alterado significativamente a maneira como os consumidores interagem uns com os outros e com as empresas. Conforme os estudos de Ventura (2012) constatou-se que como tendência de consumo para os próximos vinte anos, haverá aumento das transações comerciais utilizando a internet, ou seja, o consumo on-line crescerá bem como o ingresso de novos consumidores oriundos das classes de baixa renda, oferecendo um vasto campo de oportunidades para as empresas. Considerando as novas tecnologias de informação utilizadas atualmente na internet, especialmente, pode-se inferir que os profissionais de marketing têm um grande espaço para a divulgação de produtos, marcas e empresas (PUPO, 2010). Essa nova comunicação entre empresas e consumidores que utilizam a internet e as redes sociais, precisa ser compreendida pelos profissionais de marketing para a mensuração de seu alcance e de suas possibilidades, precisa ainda, ser constantemente monitorada para verificação de uma estratégia correta a ser empregada nessas mídias. As redes sociais fazem parte do dia-a-dia das pessoas e das empresas de todo o planeta. Com o crescimento dessas mídias sociais muitas empresas passaram a expor as suas marcas e seus produtos nesses meios sem o devido conhecimento ou planejamento. A proposta do trabalho é compreender a opinião dos usuários do Twitter da classe C sobre a comunicação estabelecida por empresas com seus seguidores e seus impactos na decisão de compra on-line. Para Karsaklian (2001, p. 24) o valor de uma empresa depende, antes de tudo, de seus clientes. Por tanto, quanto mais interação e personalização, mais relacionamento e mais fidelização. Torna-se, portanto importante conhecer o perfil do internauta.

13 12 O presente trabalho pretende estudar o uso do Twitter na comunicação empresarial e os impactos na decisão de compra on-line, o e-commerce, tendo como referência de estudo os consumidores da classe C. O estudo está divido em cinco partes. A primeira parte constitui-se da introdução ao problema de pesquisa, apresentando os objetivos gerais e específicos e a justificativa do estudo. Na segunda parte será abordada a revisão bibliográfica pertinente ao objetivo de estudo. A terceira parte é formada pela metodologia que foi utilizada para o estudo e aplicação da pesquisa. A quarta parte apresentará a análise e interpretação dos dados e por fim, a quinta parte estará a conclusão do estudo realizado e as ponderações finais. 1.1 PROBLEMA DE PESQUISA Com a popularização do Twitter, serviço da web que tem o objetivo de fazer com que pessoas utilizem-o para compartilhar o seu dia-a-dia, as pessoas descobriram que poderiam utilizar o Twitter como um canal para trocar informações sobre produto/ serviços e empresas, expressando suas opiniões. Face ao exposto, este trabalho busca responder a seguinte questão: Qual a percepção dos usuários do Twitter da Classe C sobre a comunicação estabelecida por empresas com seus seguidores e seus impactos na decisão de compra on-line? 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral Compreender a percepção dos usuários do Twitter da classe C sobre a comunicação estabelecida por empresas com seus seguidores e seus impactos na decisão de compra online Objetivos Especificos Levantar o perfil do usuário;

14 13 Investigar como se dá o relacionamento de empresas com usuários da rede social Twitter; Estudar o processo de compra e os fatores que influenciam o comportamento de compra através da rede social Twitter; 1.3 JUSTIFICATIVA DO ESTUDO Um dos principais fatores motivadores para a realização desse estudo está relacionado à afinidade da pesquisadora com o tema escolhido, deve-se também ao fato da pesquisadora ser usuária de redes sociais. A relevância do tema está relacionada à necessidade que organizações locais precisam estar inseridas nesses meios virtuais, a opção pelo tema pesquisado está relacionada ao amplo mercado potencial que se amplia para as empresas e para os profissionais de marketing dispostos a buscarem conhecimento e espaço nas redes sociais. O acesso à informações também foi um fator decisivo para a escolha do tema, pois em meios virtuais há uma grande acessibilidade de informações. Quanto a disponibilidade de bibliografia, existe material disponiveis para a fundamentação teórica do tema proposto o que facilita a fundamentação teórica. Por fim, esse estudo pretende fornecer dados e informações quanto à utilização do Twitter e sua importância para campanhas e monitoramento do comportamento do consumidor local.

15 14 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 MARKETING DIGITAL Marketing digital são ações de comunicação que as empresas podem se utilizar por meio da internet e da telefonia celular e outros meios digitais para divulgar e comercializar seus produtos e serviços, conquistar novos clientes e melhorar a sua rede de relacionamentos. A interatividade na internet é um fenômeno tão peculiar que, mesmo que uma empresa não invista absolutamente nada em marketing digital, será afetada pela comunicação corporativa da rede através da troca de informações entre consumidores, que estarão divulgando suas experiências, aprovações ou reprovações de produtos ou serviços das empresas. Não há como uma empresa afastar-se dos efeitos da internet em seus negócios. (TORRES, 2009). 2.2 E-COMMERCE O impacto do e-commerce na economia vai muito além da simples transação eletrônica de bens e serviços. A internet está mudando a maneira como as pessoas trabalham, se relacionam e fazem negócios. Mais: está alterando a forma pela qual as pessoas se relacionam com empresas, como as empresas se relacionam entre si e até como o governo se relaciona com a sociedade (CATALINI, Luciane et al., 2004) Ultimamente, vem-se desenvolvendo muitas pesquisas científicas sobre o impacto da Internet no mundo dos negócios. É importante acompanhar dinamicamente os impactos do uso da Internet nos negócios empresariais, uma vez que ela atua diretamente sobre variáveis como faturamento (devido ao seu alcance), produção (mediante recursos tecnológicos) ou marketing (diminuição no envio de catálagos de produtos e outros materiais promocionais impressos) (VILHA; DI AGUSTINI 2002). Para Vilha; Di Agustini (2002) o e-commerce abrange os processos pelos quais se alcançam consumidores, fornecedores e parceiros de negócios, incluindo atividades como vendas, marketing, recepção de pedidos, entregas, serviços ao consumidor e administração de programas de fidelidade.

16 15 É preciso entender a definição das principais relações de troca no meio virtual. Assim, cumpre inicialmente examinar o significado de expressões como business-to-business, business-to-consumer e e-commerce (VILHA; DI AUGUSTINI, 2002). a) Business-to-business (B2B): Representa a atividade de comércio eletrônico entre empresas. b) Busines-to-consumer (B2C): Privilegia o relacionamento entre a empresa e o consumidor, contemplando estratégias de compra, venda e entrega de produtos ou serviços acessados pela internet ao consumidor, de acordo com suas necessidades. c) E-commerce: O e-commerce abrange os processos pelos quais se alcançam consumidores, fornecedores e parceiros de negócios, incluindo atividades como vendas, marketing, recepção de pedidos, entregas, serviços ao consumidor e administração de programas de fidelidade. De acordo com Nascimento (apud Kotler, 2011), o termo e-commerce significa ser uma ampla variedade de transações eletrônicas, tais como o envio de pedidos de compra para fornecedores via EDI (troca eletrônica de dados). 2.3 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR E DECISÃO DE COMPRA Segundo Cobra (1997) a compreensão do comportamento humano se faz através da análise de suas necessidades. O consumidor, ao reconhecer suas necessidades, vai em busca de informações, fazendo uma avaliação posterior acerca das alternativas que lhe são propostas. Os clientes são pessoas que sofrem vários tipos de influência, e todas ao mesmo tempo, tornando-se difícil conhecer o comportamento deste consumidor, pois está sempre em mutação.

17 16 De acordo com Kotler e Keller (2006) o comportamento de compra é influenciado por fatores culturais, sociais, pessoais e psicológicos, dos quais os fatores culturais exercem a maior e mais profunda influência. FIGURA 1: Fatores que influenciam o comportamento do consumidor Fonte: Kotler (2009, p. 163) Para elucidar a decisão de compra serão apresentados os fatores culturais, sociais, pessoais e dos fatores psicológicos, apenas, a percepção, a aprendizagem e a atitude. A cultura é um dos fatores mais importantes a ser levado em consideração pelas estratégias de marketing, pelo fato de ser um elemento fundamental na vida do indivíduo em sociedade (PINHEIRO et. al, 2005). O fator cultura apresenta os elementos cultura, subcultura e classe social. O Webster s New Collegiate Dictionary define cultura como o padrão integrado de comportamento humano que inclui pensamento, fala, ação e artefatos, e depende da capacidade do homem para adquirir e transmitir conhecimento às gerações subsequentes". Assim, cultura é tudo o que a pessoa aprende e partilha com membros de uma sociedade, inclusive ideias, normas, moral, valores, conhecimento, habilidades, tecnologia, ferramentas, objetos materiais e comportamentos (SHETH et al., 2001). Cada cultura compoe-se de subulturas que fornecem identificação e socialização mais específicas para seus membros. Entre as subculturas estão as nacionalidades, as religiões, os grupos sociais e as regiões geográficas. Para Las Casas (2008, p. 197) É evidente que as classes sociais determinam diferenças no comportamento dos indivíduos. Esta afirmativa poderá facilmente ser

18 17 constatada com o simples convívio com pessoas de diferentes classes. Quando um indivíduo pertence à determinada classe, ele passa a consumir de acordo com seus pares. Além dos fatores culturais, o comportamento do consumidor é influenciado por fatores sociais, como grupos de referência, família, papéis sociais e status. Os grupos de referência são aqueles que exercem alguma influência direta ou indireta sobre atitudes ou um comportamento de uma pessoa. Aos grupos que exercem influências diretas denominam-se grupos de afinidade. Desses grupos de afinidade, alguns são primários, como a família e os amigos, vizinhos e colegas de trabalho, com os quais se interage contínua e informalmente. Os grupos secundários são aqueles em que normalmente exigem menor interação contínua e são formais, como grupos religiosos e profissionais. A família é um dos fatores externos que influenciam mais intensamente o indivíduo, as famílias são as principais responsáveis por integrar as pessoas à sociedade e, por esse motivo, são fortes influenciadores. Muitos hábitos de consumo são adquiridos dos pais e até mesmo as compras (LAS CASAS, 2008). Papéis sociais também influenciam na decisão de compra, cada papel significa uma posição social. As pessoas escolhem produtos que comunicam seu papel e status na sociedade. Os fatores pessoais também influenciam as decisões de compra, apresentam os elementos idade e estágio de vida, ocupação, condições econômicas, estilo de vida, personalidade e autoconceito. As pessoas compram diferentes bens e serviços durante sua vida, com o tempo o gosto das pessoas por roupas, móveis e recreação muda com o passar da idade. A ocupação de uma pessoa também influencia seu padrão de consumo, ou seja, se um operário compra roupas, calçados de trabalhos e marmitas; um presidente de uma empresa comprará ternos caros, passagens áreas etc. (KOTLER, 2009). Para Las Casas (2008), a ocupação é um fator que determina o consumo, mesmo que não esteja relacionado com a renda. As atividades podem determinar necessidades de consumo. A escolha de produtos é também afetada pelas condições econômicas de uma pessoa, o que consiste em renda disponível (nível, estabilidade e período de tempo), poupança e patrimônio, dívidas, condições de crédito e atitude em relação às despesas versus poupança (KOTLER, 2009). O estilo de vida de uma pessoa representa seu padrão de vida expresso em termos de atividades, interesses e opiniões. Retrata a pessoa por inteiro interagindo com seu

19 18 ambiente. As empresas buscam os relacionamentos entre seus produtos e os grupos de estilo de vida. Cada pessoa possui uma personalidade distinta que influenciará seu comportamento de compra. A personalidade pode ser entendida como o conjunto de características psicológicas distintas de uma pessoa que levam a respostas consistentes e duradouras em seu ambiente. (KOTLER, 2009). Para Las Casas (2008, p. 197), essa característica é o que praticamente diferencia uma pessoa da outra. O desenvolvimento de uma personalidade ocorre porque é necessário um padrão que a faça ter uma forma mais conveniente de reagir aos estímulos externos. É o resultado de dois fatores: genética e ambiente. Os fatores psicológicos apresentam-se os elementos motivação, percepção, aprendizagem, crenças e atitudes. De acordo com Las Casas (apud SHETH), a forma de ver e de moldar o mundo é conseguido através da percepção. Ela é o processo pelo qual o indivíduo seleciona, organiza e interpreta a informação que recebe. Para Las Casas (2008), os consumidores distorcem as percepções, ignorando certos estímulos ou distorcendo-os o que faz com que os estímulos de marketing nem sempre sejam percebidos como deveriam. Para o autor existem três processos que são geralmente empregados: exposição seletiva, atenção seletiva e interpretação seletiva. a) Exposição seletiva: Na maioria das vezes as pessoas selecionam as mensagens que querem ouvir. Se, por acaso, têm certas aversões com o produto, elas não irão prestar atenção nele, por mais interessante que seja o comercial ou anúncio. b) Atenção seletiva: As pessoas selecionam aquilo que querem e de acordo com seus interesses. Portanto, se receber estímulo de um comercial que apresenta um produto ou serviço de que não está necessitanto, provavelmente não prestará atenção na mensagem até o final.

20 19 c) Interpretação seletiva: As pessoas tendem a selecionar aquelas mensagens que são mais coerentes com aquilo que acreditam. Na interpretação seletiva muitas vezes ocorre a distorção seletiva. As pessoas procuram interpretar a comunicação como se dissesse algo mais congruente com aquilo que acreditam, mesmo que não seja esta a realidade (LAS CASAS, 2008). Para Kotler (2009) a distorção seletiva é a tendência de as pessoas interpretarem as informações conforme suas intenções pessoais, reforçando suas pré-concepções em vez de contrariá-las. Quando as pessoas agem, elas aprendem. A aprendizagem envolve as mudanças no comportamento de um indivíduo decorrentes da experiência. De acordo com Kotler (2009, p. 175): A maior parte do comportamento humano é aprendida. Os teóricos acreditam que a aprendizagem de uma pessoa é produzida através da atuação recíproca de impulsos, estímulos, sugestões, respostas e reforço. O impulso é definido como um estímulo interno forte que impele ação. Um impulso torna-se um motivo quando é direcionado a um objeto de estímulo específico. Sugestões são estímulos menores que determinam quando, onde e como a pessoa responde. Para Kotler (2009), a atitude é a resistência de uma pessoa às avaliações favoráveis e desfavoráveis, aos sentimentos emocionais e às tendências de ação em relação a algum objeto ou ideia. As atitudes levam as pessoas a se comportarem de maneira consistente em relação a objetos similares. As pessoas não têm que interpretar e reagir a cada objeto de maneira diferente. As atitudes economizam energia física e psíquica. Por tais razões, as atitudes são muito difíceis de ser mudadas, pois as atitudes de uma pessoa estabelecem um padrão consistente, e qualquer mudança em uma atitude exige grandes ajustes nas demais atitudes (KOTLER, 2009).

21 Comportamento do consumidor na internet Para Torres (2009) o consumidor, quando está conectado à Internet, tem basicamente três desejos, três necessidades; criadas e satisfeitas pelo próprio consumidor, são: informação, diversão e relacionamento. Em sua busca pela informação, o autor afirma que o consumidor sabe que a Internet é uma grande fonte de informação, e que as ferramentas de busca são a porta de entrada para encontrá-las. Assim, toda vez que necessita de uma informação, o consumidor elabora uma pergunta, na forma de um conjunto de palavras, e por meio de uma ferramenta de busca faz a pesquisa e utiliza os resultados para se informar e instruir. Em sua busca por diversão, o consumidor acessa jogos online, sites de piadas e charges, sites de vídeos e animações, além de dezenas de outras opções de entretenimento online. O boca-a-boca parece ser o meio mais eficiente de divulgação, e a qualidade do ambiente criado, um fator fundamental para a fidelidade dos consumidores. Quando a necessidade de relacionamento, Torres (2009, p. 31) diz: Na busca por relacionamento, o consumidor tem dois tipos de atividades: a comunicação instantânea e as redes sociais. O MSN e o Orkut são, no Brasil, os exemplos mais claros e amplamente utilizados dessas duas modalidades. As redes sociais consistem em um fenômeno e, junto com os blogs e outros sites colaborativos, criam as chamadas mídias sociais. Elas integram perfis e comunidades, criando para o consumidor uma agradável sensação de proximidade com todos. 2.4 PROCESSO DECISÓRIO A decisão pode ser entendida como uma seleção de uma opção entre duas ou mais escolhas alternativas. Para iniciar o processo de compra é preciso haver uma necessidade. De acordo com Kotler e Keller (2006) o consumidor passa por cinco etapas no processo de decisão de compra: reconhecimento do problema ou necessidade, busca de informações, avaliação de alternativas, decisão de compra e comportamento pós-compra. Esse processo começa bem antes da compra e tem consequências que perduram por muito tempo.

22 21 Os autores afirmam ainda que nem sempre os consumidores passam por todas as cinco etapas ao comprar um produto, eles podem pular ou inverter algumas delas. O processo de decisão de compra acontece quando o comprador reconhece um problema ou uma necessidade. A necessidade pode ser provocada por estímulos internos ou externos. Se a necessidade for provocada por estímulos internos, por exemplo, fome, sede, sexo, sobe para o nível de consciência e torna-se um impulso. Se a necessidade é provocada por estímulos externos, por exemplo, um anúncio de férias no Havaí na televisão, o que desencadeia ideias sobre a possibilidade de fazer uma compra (Kotler e Keller, 2006). Na etapa de busca de informações o consumidor interessado tende a buscá-las. Pode-se distinguir entre dois níveis de interesse. O estado de busca mais moderado é denominado atenção elevada. Nesse nível, a pessoa é mais receptiva a informações sobre um produto. No outro nível, a pessoa embarca em uma busca ativa de informações: procura literatura a respeito, telefona para amigos, vasculha a Internet e visita lojas para saber mais sobre o produto. As fontes de informação do consumidor dividem-se em quatro grupos, segundo Kotler e Keller (2006): a) Fontes pessoais: abrange a família, os amigos, os vizinhos e conhecidos. b) Fontes comerciais: abrange a propaganda, vendedores, representantes, embalagens, mostruários. c) Fontes públicas: os meios de comunicação de massa, organizações de classificação de consumo. d) Fontes experimentais: manuseio, exame, uso do produto. A quantidade relativa e a influência dessas fontes de informação variam de acordo com a categoria de produtos e as características do comprador. De maneira geral, o consumidor recebe a maior parte das informações por meio de fontes comerciais, entretanto, as informações mais efetivas vêm das fontes pessoais ou públicas (KOTLER; KELLER, 2006, p. 189). De acordo com Kotler e Keller (2006), não existe um processo único de avaliação, e os modelos mais atuais tratam esse processo cognitivamente orientando, isto é, consideram

23 22 que o consumidor forma julgamentos principalmente em uma base racional e consciente. Ainda no estágio de avaliação Kotler e Keller (2006, p. 195), dizem: No estágio de avaliação, o consumidor cria preferências entre marcas do conjunto de escolha e também forma uma intenção de comprar as marcas preferidas. Ao formar essa intenção de compra, ele pode passar por cinco subdecisões: decisão por marca (marca A), decisão por revendedor (revendedor E), decisão por quantidade (um computador), decisão por ocasião (fim de semana) e decisão por forma de pagamento (cartão de crédito). As compras de produtos para o dia a dia envolvem menos decisões e deliberações. Em alguns casos, os consumidores podem decidir não fazer uma avaliação formal de cada marca. Em outros, alguns fatores de interferência podem afetar a decisão final. Após a compra, consumidor ao perceber certos aspectos inquietantes ou ouvir coisas favoráveis sobre outras marcas, ele pode experimentar alguma dissonância cognitiva. Ele ficará, então, atento a informações que apóiem sua decisão (KOTLER; KELLER, 2006). Ao decidir quais produtos comprar, o consumidor passa para a etapa seguinte, que é a compra. Porém, mesmo que as outras etapas tenham sido bem sucedidas e ele passe a ter disposição para a compra, ainda pode mudar de ideia e desistir. Há, portanto, uma série de fatores que fazem com que os consumidores adiem as suas compras. Há duas possibilidades pelas quais uma decisão de compra pode não acontecer: adiamento ou demora no fechamento. Segundo Las Casas (2008), depois da compra, os consumidores tendem a se sentir um pouco desconfortáveis acerca de sua decisão. Os clientes entram em certo estado de ansiedade, uma vez que não têm certeza se fizeram a opção certa ou não. Este estado é chamado de dissonância cognitiva. Para Kotler (2009), o consumidor experimentará algum nível de satisfação ou insatisfação. FIGURA 2: Modelo dos cinco estágios do processo de compra do consumidor Fonte: Kotler e Keller (2006, p. 189)

24 Papéis decisórios do consumidor Para Las Casas (2008), os clientes possuem três papeis á desempenhar: comprar o produto, pagar por ele e usá-lo ou consumi-lo. Cada papel pode ser desempenhado por pessoas diferentes ou pela mesma pessoa que recebem influências internas e externas, podendo agir de formas diferentes. Simplificando essa divisão dos papéis do consumidor, há três papéis a saber: comprador, pagante e usuário; que podem ou não ser desempenhados pelo mesmo indivíduo. Para Sheth et al (2001), independente da questão de saber se a mesma pessoa é o usuário, pagante e comprador, cada papel dita um conjunto diferente de valores que são buscados pelo cliente. A saber, Las Casas define os papéis desempenhados pelo consumidor: O iniciador é aquele que dá início ao processo de compra. Qualquer estímulo externo ou mesmo interno pode ser considerado como iniciador, o iniciador nem sempre necessita ser uma pessoa, pode ser por exemplo um comercial de TV. O influenciador é quem influencia a decisão de compra. Frequentemente, quando a pessoa vai comprar um produto pela primeira vez, pede às pessoas de sua relação uma opinião sobre que produto comprar, marca, modelo entre outras variáveis. O influenciador pode ser qualquer fonte que goze de credibilidade e que tenha influência na decisão de compra. O decisor é aquele que realmente decide sobre determinada compra, mesmo que não seja ele o comprador. O comprador é aquele que realmente faz a compra do produto, mesmo que não tenha sido o influenciador nem o decisor. O usuário é aquele que irá consumir o produto, ele pode não participar de nenhuma etapa anterior, mas irá usá-lo e sua satisfação é muito importante para dar o feedback necessário (LAS CASAS, 2008).

25 A CIBERCULTURA E AS NOVAS TECNOLOGIAS A cibercultura passa a existir a partir da década de 1950 com o advento da informática. A computação proporciona uma revolução nas maneiras de comunicar do homem, desde seus primórdios. De acordo com Mcluhan (1969, p.53): Muitas pessoas já indicaram que a revolução do computador é maior que a da roda em seu poder de remodelar a visão humana e sua organização. Enquanto a roda é uma extensão do pé, o computador dá-nos o mundo onde a mão do homem jamais pôs o pé. A cibernética começa a se tornar conhecida na década de 70 com o surgimento do microcomputador e se estabelece completamente nos anos 80, com a informática de massa e em 90 com as redes telemáticas, principalmente com boom da Internet. (LEMOS, 2002, p.18). No final do século XX, o que ocorre é a junção de todas as tecnologias anteriores. Surge uma tecnologia mais eficaz, que oferece todas as possibilidades já exploradas anteriormente na imprensa, no rádio, na televisão, gerando uma transposição: a possibilidade de interação e a velocidade com que tudo ocorre. O volume das informações emitidas passa a ser maior, assim como a rapidez com que chegam aos lares, que viabilizam situações que as tecnologias anteriores não permitiam. As novas tecnologias revelam uma nova forma de praticar a comunicação, na qual todos participam e contribuem. Sendo assim, a Internet proporciona uma forma de inteligência coletiva, enriquecendo mutuamente os que participam deste mundo virtual, os que ajudam a tecer esta rede. De acordo com Araújo (apud LÉVY, 2000), a virtualização da informação trouxe uma nova perspectiva sobre as formas consolidadas de se comunicar, permitindo ao homem não apenas compartilhar informações, mas também estar em outros lugares e com outras pessoas sem sair de casa. Esse espaço de compartilhamento virtual é chamado de Ciberespaço onde há a virtualização da realidade, uma migração do mundo real para um mundo de interações virtuais. Esta migração em direção à um novo espaço-temporalidade estabelece uma realidade social virtual, que aparentemente, mantendo as mesmas estruturas da sociedade real, não possui, necessariamente, correspondência total com esta, possuindo seus próprios códigos e estruturas (GUIMARÃES, 1997).

26 As redes sociais na Internet Assim que a World Wide Web tornou-se possível para as pessoas comuns usarem a Internet, elas começaram a se relacionar umas com as outras on-line, criando comunidades virtuais. Empresas não hesitaram em usar essas comunidades para ganhar vantagem competitiva, aumentar a quota de mercado, criar novas empresas, e promover seus produtos. Rayport e Sviokla (1994) descreveram o que a revolução da Internet estava trazendo para o mercado e como as empresas tiveram de reconceitualizar suas noções de proposta de valor, vantagem competitiva e estratégia de marketing no "Marketplace" (GOLDSMITH; HOROWITZ, 2006). Para Castells (2003), numa economia que se baseia no conhecimento, na informação e em fatores intangíveis (como imagem e conexões), a inovação é a função primordial. A inovação depende da geração de conhecimento facilitada por livre acesso à informação. E a informação está on-line. Com certeza, a invenção da Internet contribuiu muito para que pessoas se encontrassem através de seus interesses pessoais em comum. Recuero (2009, p. 24) define a sua concepção de rede social: Uma rede social é definida como um conjunto de dois elementos: atores (pessoas, intituições ou grupos; os nós da rede) e suas conexões (interações ou laços sociais). Uma rede, assim é uma metáfora para observar padrões de conexão e um grupo social, a partir das conexões estabelecidas entre os diversos atores. A abordagem de rede tem, assim, seu foco na estrutura social, onde não é possível isolar os atores sociais e nem suas conexões. Para Recuero (2009), enquanto os atores representam os nós da rede social, as conexões de uma rede social podem ser percebidas de diversas maneiras. Em termos gerais, as conexões em uma rede social são contituidas por laços sociais, que, por sua vez, são formados através da interação social entre os atores. Para Comm e Burge (2009), a definição de mídia social passa pelo próprio conteúdo produzido pelos usuários, que se agrupam em torno de temas e discussões criadas dentro das proprias comunidades virtuais, como a partir das respostas aos impulsos e estímulos provocados por profissionais de marketing que lançam suas mensagens como forma de provocar as conexões entre internautas e seus produtos ou serviços.

27 26 O termo redes sociais, no ambiente da internet, é conhecido pelas teias de relacionamentos formadas em canais da web que proporcionam a formação de comunidades on-line e a interação de seus participantes (SEBRAE, 2012). De acordo com dados da Vocalcom, mais de 1,5 bilhão de pessoas fazem uso de redes sociais ao redor do globo. Destes, 30% podem ser influenciados a consumir. Ainda assim, apenas de 3 a 5% das empresas se beneficiam destes canais no relacionamento com os clientes (E-COMMERCE NEWS, 2012). A nova distribuição socioeconômica do Brasil, com mais pessoas tendo acesso a bens de consumo, fez com que a classe C, ou classe média, passasse a ser maioria no uso de redes sociais na internet, dados da pesquisa feita pelo Instituto Data Popular (IDP). Os internautas da classe C são responsáveis por 56% de acessos no Facebook e 55% no Twitter, contra 24% da A/B nos dois casos (AGÊNCIA BRASIL, 2012) E-commerce e redes sociais Segundo dados da ebit (2012), no primeiro semestre de 2012, 5,6 milhões de pessoas fizeram a sua primeira compra on-line até hoje, o que significa 37,6 milhões de e- consumidores atualmente. Abaixo, exemplos de alguns dos principais sites de e-commerce do Brasil. Todos são printscreen das páginas iniciais e não refletem todo o conteúdo da home e suas páginas internas. Essas lojas on-line foram selecionadas pelo site e-commercebrasil baseado nos dados do Google Adplanner, ferramenta de pesquisa e planejamento de mídia do Google, apresenta um ranking com as lojas virtuais mais acessadas do Brasil em número de visitantes durante o ano de 2011.

28 27 FIGURA 3 - Americanas.com Fonte: e-commercebrasil.org, 2012 FIGURA 4 Submarino Fonte: e-commercebrasil.org, 2012 FIGURA 5 - Netshoes Fonte: e-commercebrasil.org, 2012

29 28 FIGURA 6 Ponto Frio Fonte: e-commercebrasil.org, 2012 FIGURA 7 Magazine Luiza Fonte: e-commercebrasil.org, 2012 De acordo com a pesquisa 2012 Brazil Digital Future in Focus o Brasil figura entre os maiores mercados on-line, é o que mostra o gráfico a seguir, onde o Brasil aparece em quinto lugar, com uma média de horas por visitantes entre os 10 maiores mercados online.

30 29 GRÁFICO 1: Os 10 maiores mercados on-line Fonte: ComScore, 2012 A E.life realizou um estudo sobre os hábitos e comportamentos dos internautas brasileiros nas mídias sociais, com o objetivo de mostrar como os usuários avaliam as redes que acessam. A pesquisa revelou que 28,3% dos entrevistados dedicam 40 horas ou mais a internet por semana, o que significa quase 6 horas por dia. Dos serviços mais usados estão o Facebook, com 88,9% e o Twitter, com 41%. Foi constatado que muitas pessoas utilizam as redes sociais para pesquisar sobre empresas, produtos e serviços. 41,4% procuram informações em redes sociais sobre compras, dois em cada três entrevistados disseram fazer compras on-line (Furlan, 2012). Segundo o Google, a Internet mudou as etapas no processo de decisão de compra. A etapa de decisão on-line foi chamada de Zero Moment of Truth (ZMOT), que diz respeito ao comportamento de futuros compradores, os quais buscam reviews de produtos na internet, comparam preços, trocam informações com amigos e conhecidos nas redes sociais, antes de realizar a compra de fato (E.life, 2012). De acordo com a E-bit, espera-se que 5,4 milhões de pessoas façam a sua primeira compra on-line no período de Julho/12 à Dezembro/12. Dessa forma haverá 11 milhões de novos consumidores ao final de 2012, chegando a um universo de 43 milhões.

31 30 GRÁFICO 2: Evolução no número de e-consumidores (milhões) Fonte: e-bit, 2012 (*) Previsão Twitter O Twitter foi criado em 2006 pela Obvious Corp. de São Francisco. O nome inspirado em um pássaro que, para manter os outros pássaros informados do que está fazendo e onde está, emite periodicamente um trinado estridente. O pássaro inspirou o nome e a ideia do próprio Twitter. De acordo com Torres (2009, p. 149): O Twitter é um misto de rede social, blog e ferramenta de comunicação, que permite que os usuários enviem atualizações pessoais sobre onde estão e o que estão fazendo, contendo apenas texto, em menos de 140 caracteres, via o SMS, e- mail ou algum programa instalado no computador ou smartphone, como o TweetDeck. As atualizações no perfil de um usuário do Twitter são exibidas em tempo real e também enviadas a outros usuários seguidores que tenham assinado para recebê-las. As atualizações de um perfil ocorrem através por meio de site do twitter, por RSS, por SMS ou programa especializado para gerenciamento. O serviço é gratuito pela internet, entretanto, usando o recurso SMS pode ocorrer a cobrança pela operadora telefônica. O Twitter também tem sido constantemente utilizado por grandes empresas para a divulgação de suas marcas, através de constantes atualizações, sempre ligando o

32 31 consumidor a uma página onde possa encontrar mais informações sobre o serviço ou produto oferecido. Muitas empresas têm voltado suas atividades para o desenvolvimento de aplicações para o Twitter, proporcionando aos usuários maneiras e interfaces alternativas para a utilização do micro blog. Sorteios, promoções, e até mesmo uma análise mais aprofundada da opinião dos usuários a respeito da sua marca ou serviço já pode ser feita através aplicativos desenvolvidos. A principal característica do Twitter é sua capacidade e velocidade para disseminar mensagens e fazer a conexão com outras plataformas, oferecendo informação instantânea a todos que estiverem conectados à rede. É comumente chamado de microblog, pois é uma versão reduzida dos blogs tradicionais, que permite atualizações mais rápidas e consequentemente, uma circulação da informação muito mais veloz. Os usuários podem compartilhar informações e links com outras pessoas de modo restrito ou público Twitter e timeline Proveniente do idioma inglês, o termo timeline significa linha do tempo, referese ao ordenamento temporal das conversas que, quando descem ao serem superadas por outra postagem mais recente, recebe marcação de tempo automática, por exemplo, 4 minutos atrás (REBOUÇAS, 2012). Portanto, a timeline é a linha do tempo nas mídias sociais, responsável por situar a ordem cronológica de conversas, informações, postagens e compartilhamentos. Ajuda a orientar os usuários a terem uma orientação de suas postagens nas redes sociais. É oferecida automaticamente pelo sistema de rolagem existente nos portais de redes sociais, orientando o visitante, amigo ou seguidor de um usuário; o próprio usuário e, principalmente, no caso das empresas, seus consumidores e clientes potenciais. A timeline permite saber se determinada pessoa ou empresa está sempre atualizando seu perfil e quadro de postagens, a frequência das postagens e por quanto tempo a mesma permaneceu em estado viral, ou seja, por quanto tempo foi repassada e compartilhada, dependendo das condições técnicas de visualização coletiva que o proprietário do perfil permite e do suporte do portal que oferece o uso da mídia social. Pode-se observar que a timeline é um recurso bastante utilizado pelo Facebook e o Twitter.

33 32 No Twitter há a Home Timeline referente à página inicial do usuário com todas as postagens em sequencia temporal, nessa mídia é possível excluir as mensagens, mas não é possível mudar a ordem temporal dos conteúdos (REBOUÇAS, 2012). FIGURA 8: Timeline do Twitter Fonte: Twitter.com, O Brasil é a segunda maior fonte de posts no Twitter no mundo, segundo um estudo feito pela Universidade de Oxford. Cerca de 22% dos tuítes têm origem no país, que fica atrás dos Estados Unidos, líder da lista com 30%. Para chegar a esses resultados, os

34 33 pesquisadores usaram post no Twitter georreferenciados, ou seja, aqueles em que os usuários marcam sua localidade. Segundo Mark Graham (2012) Ao mapear a distribuição de tuítes no mundo, fica claro que o Twitter está permitindo uma participação mais ampla do que é possível em outras plataformas e mídias.

35 34 3. METODOLOGIA 3.1 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA O presente trabalho trata-se de uma pesquisa, segundo Tripodi (1981, p. 40) exploratória com abordagem qualitativa. De acordo com Vergara (2000, p. 47), a pesquisa exploratória é realizada em área na qual há pouco conhecimento acumulado e sistematizado. O método qualitativo preocupa-se em analisar e interpretar os dados em seu conteúdo psicossocial. Considera que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito, isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido em números. Portanto, a interpretação dos fenômenos e a atribuição de significados são fundamentais (UFPB VIRTUAL, 2012). 3.2 POPULAÇÃO E AMOSTRA A população dessa pesquisa compreende os consumidores da classe C que utilizam o Twitter como meio de comunicação e interação com empresas on-line. A amostra de pesquisa é composta por oito entrevistados. A pesquisa utilizou-se de uma amostra por conveniência com usuários do Twitter pertencentes à classe C que moram na zona norte de Natal. Por meio da publicação de anúncio no Twitter e também pelo Facebook referente à pesquisa, algumas pessoas interessadas entraram em contato para participar da entrevista. Foi perguntado primeiramente qual a renda média da família e a localidade de moradia para que fossem encaixados nos moldes da pesquisa em questão. 3.3 DADOS E INSTRUMENTO DE COLETA Os dados primários foram obtidos através de um roteiro de entrevista elaborado pela própria pesquisadora. As entrevistas foram aplicadas entre os dias 25 de outubro a 20 de novembro de 2012, de forma telematizada e está disponível no final deste trabalho, no apêndice 1. A entrevista compõe-se de perguntas abertas para a análise de conteúdo e foi aplicada com usuários do Twitter que moram na zona norte de Natal/RN, que compram produtos on-line e pertencem à classe C. A escolha da região para a pesquisa está vinculada as características socioeconômicas que levam em consideração a renda familiar, a área de

36 35 moradia e o acesso a educação. O roteiro da entrevista realizada (ver apêndice 1), é composto por seis questões que dizem respeito ao relacionamento dos usuários com o Twitter e ao comportamento de compra on-line, além do perfil dos respondentes. Para coletar os dados da entrevista foi utilizada a divulgação on-line no Twitter e no Facebook, as pessoas que responderam a entrevista foram indicadas através desses meios e algumas se voluntariaram para participar, dentro do perfil traçado para a pesquisa. As entrevistas foram feitas através de s e messenger. Para esta pesquisa foi utilizado o Critério de Classificação Econômica Brasil (ABEP, 2012), cujo critério enfatiza a função de estimar o poder de compra das pessoas e das famílias urbanas, abandonando a pretensão de classificar a população em termos de classes sociais. TABELA 1: Renda média por classes econômicas* Classe Renda média familiar (valor bruto em R$) 2010 A B C D 714 E 477 Fonte: Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa ABEP (Critério de Classificação Econômica Brasil) (*) Adaptada pela autora 3.4 TRATAMENTO DOS DADOS Os dados da entrevista foram analisados de forma qualitativa. Na análise qualitativa (interpretação dos dados), buscou-se fazer o elo entre a teoria e os dados pesquisados, fazendo assim, uma análise de conteúdo. A análise de conteúdo pode ser entendida como um método de analise textual em que se utiliza observações, entrevistas e questionários. Utiliza-se na análise de dados qualitativos, investigação histórica, em estudos ergonômicos ou outros em que os dados tomam a forma de texto escrito (SOCIEDADE RACIONALISTA, 2012). A seguir, serão apresentadas as análises dos dados coletados neste trabalho.

37 36 4. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS Nesta seção apresenta-se a análise dos dados obtidos em entrevistas de forma telematizada no período de 25 de outubro a 20 de novembro de 2012, por meio da Internet (messenger e s) pela pesquisadora com usuários do Twitter. Serão apresentadas as falas dos sujeitos em quadros para uma melhor compreensão dos resultados. O roteiro da entrevista realizada (ver apêndice 1), foi composto por seis questões que dizem respeito ao relacionamento dos usuários com o Twitter e ao comportamento de compra on-line, além do perfil dos respondentes. Para coletar os dados da entrevista foi utilizada a divulgação on-line no Twitter e no Facebook, as pessoas que responderam a entrevista foram indicadas através desses meios e algumas se voluntariaram para participar, dentro do perfil traçado para a pesquisa. Para facilitar o entendimento do leitor a análise dos dados foi subdividida em quatro partes: a primeira parte compreende o perfil do usuário. A segunda parte compreende o relacionamento entre empresas e usuários na rede social Twitter, a terceira parte o acesso a sites de compras por meio da timeline do Twitter e a interação entre os usuários e por fim, a quarta parte compreende os fatores influenciadores para a decisão de compra on-line. 4.1 PERFIL DO USUÁRIO Os nomes dos entrevistados foram preservados nesta pesquisa por questões éticas relacionadas à pesquisa qualitativa. Assim, os entrevistados foram identificados como sujeitos, ver quadro 1. Os entrevistados responderam à pesquisa via e também através de messenger, foram selecionados de acordo com a renda média mensal familiar, bem como por utilizarem o Twitter para obter informações de compras on-line. De acordo com os dados coletados na pesquisa em questão, o quadro mostra o perfil dos entrevistados, em sua maioria são solteiros, com grau de escolaridade superior, têm entre 22 a 26 anos.

38 37 Respondentes Sujeito A Sujeito B Sujeito C Sujeito D Sujeito E Sujeito F Sujeito G Sujeito H Fonte: Dados da pesquisa, 2012 QUADRO 1: Perfil do entrevistado Perfil O sujeito A tem 26 anos, sexo masculino, casado, tem pósgraduação incompleta e respondeu a pesquisa via messenger O sujeito B tem 24 anos, sexo feminino, solteira e têm ensino superior completo. Respondeu a pesquisa via . O sujeito C tem 25 anos, sexo masculino, solteiro e tem ensino superior incompleto. Respondeu a entrevista via . O sujeito D tem 22 anos, sexo masculino, solteiro, ensino superior incompleto. Respondeu a entrevista via . O sujeito E tem 24 anos, sexo feminino, solteira e ensino médio completo. Respondeu a entrevista via messenger. O sujeito F tem 23 anos, sexo masculino, solteiro e ensino superior incompleto. Respondeu a entrevista via . O sujeito G tem 23 anos, sexo masculino, solteiro e ensino superior completo. Respondeu a entrevista via . O sujeito H tem 25 anos, sexo feminino, solteira e ensino superior incompleto. Respondeu a entrevista via OS RELACIONAMENTOS ENTRE AS EMPRESAS E OS USUÁRIOS Os quadros 2 e 3 abordam o relacionamento estabelecido entre empresas e usuários do Twitter e sua interação nessa rede. Em relação à questão 01 (apêndice 1), conforme pode ser visualizado no quadro 2, que refere-se ao processo de seguir perfis de empresas pelo Twitter, as respostas dos entrevistados, transcritas a seguir, demonstram que maioria dos entrevistados seguem perfis de empresas que estejam vinculados a promoções e novidades e ao qual se identificam com a marca. Para o sujeito A é importante seguir perfis de empresas que estejam vinculadas à carreira. Para os sujeitos B, D, E, F e G o processo para a escolha de perfis de empresas no Twitter as quais seguir, leva em consideração perfis vinculados a promoções e novidades, ou

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais SDL Campaign Management & Analytics Introdução Prezado profissional de marketing, A ideia de

Leia mais

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Estímulos de Marketing Outros Estímulos Características do comprador Processo de decisão do comprador Produto Preço Praça Promoção Econômicos Tecnológicos Políticos Culturais Culturais Sociais Pessoais

Leia mais

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Também faz parte, como pesquisador, do Grupo de Pesquisa em Interações, Tecnologias Digitais e Sociedade. Desenvolve pesquisas sobre Realidade Aumentada, Mídias Digitais

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA A IMPORTÂNCIA DAS REDES SOCIAIS PARA A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

Especialização em Marketing Digital - NOVO

Especialização em Marketing Digital - NOVO Especialização em Marketing Digital - NOVO Apresentação Previsão de Início Agosto/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O ambiente de negócios tem sido modificado pelas Novas Tecnologias da

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

PROMOÇÃO DE VENDAS NA INTERNET A PARTIR DAS REDES SOCIAIS

PROMOÇÃO DE VENDAS NA INTERNET A PARTIR DAS REDES SOCIAIS PROMOÇÃO DE VENDAS NA INTERNET A PARTIR DAS REDES SOCIAIS BASTOS, Natália Bolsoni 1 Resumo: o objetivo deste artigo é discutir como a comunicação tem se apropriado das novas tecnologias para aumentar as

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja.

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja. Com a consolidação do comércio eletrônico no Brasil e mundo, fica cada vez mais claro e a necessidade de estar participando, e mais a oportunidade de poder aumentar suas vendas. Mas é claro que para entrar

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

Americanas.com x Lojas Americanas 1

Americanas.com x Lojas Americanas 1 Americanas.com x Lojas Americanas 1 Rayra Costa da SILVA 2 Gabriela Lima RIBEIRO 3 Hugo Osvaldo ACOSTA REINALDO 4 Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE RESUMO Mesmo que no site Americanas.com haja

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget Marketing Cloud

5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget Marketing Cloud 5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget Marketing Cloud Aprimore a jornada de seus clientes com a plataforma de marketing digital 1:1 líder de mercado 5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget

Leia mais

social media para bares, restaurantes e afins

social media para bares, restaurantes e afins BARTIPS social media para bares, restaurantes e afins O que buscamos? Divulgar seu estabelecimento para milhares de potenciais consumidores. Fazer você ser parte do dia-a-dia de seu cliente Ter suas novidades,

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes Estudo Hábitos 2012 Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes O estudo O Estudo Hábitos é realizado anualmente pela E.life

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais.

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais. The New Conversation: Taking Social Media from Talk to Action A Nova Conversação: Levando a Mídia Social da Conversa para a Ação By: Harvard Business Review A sabedoria convencional do marketing por muito

Leia mais

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Guia completo de como criar uma Página no Facebook Como começar Criando uma Página Conhecendo a Página Configurações iniciais Estabelecendo conversas Autor Felipe Orsoli

Leia mais

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** O TWITTER COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE RESUMO Este artigo trata da utilização do Twitter como uma ferramenta de ensino e aprendizagem de Matemática. A experiência

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br Desde 2008 Mídia Kit 2015 encontrasãopaulo www.encontrasaopaulo.com.br Introdução O Mídia Kit 2015 do guia online Encontra São Paulo tem o objetivo de contextualizar a atuação do site no segmento de buscas

Leia mais

Marketing digital NARCISO SANTAELLA

Marketing digital NARCISO SANTAELLA Marketing digital 1 Introdução As agências de publicidade recorrem ao marketing digital para conquistar o público que hoje tem na web uma das principais fontes de informação. Utilizar todos os recursos

Leia mais

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online?

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? Edgar Marcucci Reis 1 Jéssica Naiara dos Santos Batista 2 Resumo: O artigo apresenta uma visão sobre os ambientes online encontrados

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

Influência da internet nas decisões de compra femininas

Influência da internet nas decisões de compra femininas Influência da internet nas decisões de compra femininas Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e

Leia mais

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline OPORTUNIDADES Divulgar, vender e lucrar na internet O QUE SIGNIFICA TER UM COMÉRCIO ELETRÔNICO? VANTAGENS DO

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Cristian Rafael da Rocha da Silveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Cristian Rafael da Rocha da Silveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Cristian Rafael da Rocha da Silveira UTILIZAÇÃO DO TWITTER EM CAMPANHAS DE MARKETING DIGITAL Porto

Leia mais

Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD!

Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD! Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD! SocialSuite Rua Claudio Soares, 72-16 andar +55 11 3032 1982 São Paulo - SP Brasil Introdução Esse material foi desenvolvido pela equipe

Leia mais

REDES DE RELACIONAMENTO: MAIS QUE UM MEIO DE CONTATO, UM LUGAR ONDE SE CONSTROEM MARCAS RESUMO. Palavras-chave: redes - público-alvo - fidelização.

REDES DE RELACIONAMENTO: MAIS QUE UM MEIO DE CONTATO, UM LUGAR ONDE SE CONSTROEM MARCAS RESUMO. Palavras-chave: redes - público-alvo - fidelização. REDES DE RELACIONAMENTO: MAIS QUE UM MEIO DE CONTATO, UM LUGAR ONDE SE CONSTROEM MARCAS Djúlia Denise Bohn 1 Lidiane Kasper 2 Alexandre Rafael Mattjie 3 RESUMO Este artigo pretende trazer uma contribuição

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

Uso estratégico do Facebook Como sua empresa pode explorar a rede social ao máximo

Uso estratégico do Facebook Como sua empresa pode explorar a rede social ao máximo Uso estratégico do Facebook Como sua empresa pode explorar a rede social ao máximo www.talk2.com.br 03 Introdução 3 05 06 07 10 10 12 20 CONSTRUÇÃO DE ESTRATÉGIAS 2.1Facebook e a predileção pelas marcas

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

REDES SOCIAIS: Oportunidade de diálogo com a comunidade

REDES SOCIAIS: Oportunidade de diálogo com a comunidade REDES SOCIAIS: Oportunidade de diálogo com a comunidade Prof. Thiago Costa facebook.com/thicosta @thicosta thicosta@gmail.com www.profthiagocosta.wordpress.com www.evcom.com.br QUEM É O NOVO LEITOR? Online

Leia mais

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP Empresa Nome fantasia: Rádio Kiss FM Razão Social: Kiss Telecomunicações LTDA. Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Campinas 107,9 MHz; Brasília 94,1 MHz CNPJ: 59.477.240/0001-24.

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 UM BANHO DE LOJA NOS SITES DA GAP Problema: Concorrência pesada, site difícil de usar (excesso

Leia mais

REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS

REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS Entenda a importância da utilização das Redes Sociais para a sua pequena empresa e conheça os fundamentos necessários para obter resultados positivos com a sociabilidade.

Leia mais

Redes Sociais, SEO, Blog ou Adwords: O que devo usar para minha empresa?

Redes Sociais, SEO, Blog ou Adwords: O que devo usar para minha empresa? Redes Sociais, SEO, Blog ou Adwords: O que devo usar para minha empresa? Você já pensou em posicionar sua marca na internet? Construir um relacionamento com seu cliente é uma das formas mais eficazes de

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Thaísa Fortuni Thaísa Fortuni 15 dicas de Mídias Sociais para Moda Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Sobre Thaísa Fortuni Publicitária por formação, escritora e empreendora digital. Trabalha

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DAS PROPAGANDAS NA REDE SOCIAL FACEBOOK NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA DO CONSUMIDOR UNIVERSITÁRIO

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DAS PROPAGANDAS NA REDE SOCIAL FACEBOOK NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA DO CONSUMIDOR UNIVERSITÁRIO TÍTULO: A INFLUÊNCIA DAS PROPAGANDAS NA REDE SOCIAL FACEBOOK NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA DO CONSUMIDOR UNIVERSITÁRIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Cases. Estratégias de Marketing de Conteúdo por quem entende do assunto

Cases. Estratégias de Marketing de Conteúdo por quem entende do assunto Cases Estratégias de Marketing de Conteúdo por quem entende do assunto ContaAzul O ContaAzul é um sistema de gestão empresarial para micro e pequenas empresas. O objetivo é ajudá-las a crescer de forma

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

Consumo de produtos de beleza

Consumo de produtos de beleza Consumo de produtos de beleza Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR josuevitor16@gmail.com @josuevitor Marketing Digital Como usar a internet

Leia mais

Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador. Monitoramento de Marcas no Twitter: Inst.

Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador. Monitoramento de Marcas no Twitter: Inst. Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador Introdução A web contemporânea nos revela aspectos importantes no comportamento de seus usuários: produção e compartilhamento

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Análise de Redes Sociais aplicadas ao Mercado. Msc. Ícaro Oliveira de Oliveira Especialista em Ciência dos Dados

Análise de Redes Sociais aplicadas ao Mercado. Msc. Ícaro Oliveira de Oliveira Especialista em Ciência dos Dados Análise de Redes Sociais aplicadas ao Mercado Msc. Ícaro Oliveira de Oliveira Especialista em Ciência dos Dados 30/07/2015 A Análise de Redes Sociais se aplica a diferentes áreas da computação, dentre

Leia mais

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Afinal, tudo começa em sua maneira de pensar. E marketing é isto, uma questão de posicionamento. PROPOSTA DE SERVIÇOS Logotipos Web Sites Lojas

Leia mais

Mídias Sociais nos Negócios. GorillaBrand BRAND

Mídias Sociais nos Negócios. GorillaBrand BRAND Mídias Sociais nos Negócios GorillaBrand BRAND Marketing de Relacionamento Estratégias Empresa Marca Faturamento Clientes Uso de estratégias Relacionamento Empresa x Cliente Gera Valorização da Marca Aumento

Leia mais

Hábitos de uso e comportamento dos internautas brasileiros em mídias sociais. Setembro de 2009

Hábitos de uso e comportamento dos internautas brasileiros em mídias sociais. Setembro de 2009 Hábitos de uso e comportamento dos internautas brasileiros em mídias sociais Setembro de 2009 A pesquisa Hábitos de uso e comportamento dos internautas brasileiros em mídias sociais foi direcionada para

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO E MERCADO VIRTUAL - OPORTUNIDADE PARA AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

COMÉRCIO ELETRÔNICO E MERCADO VIRTUAL - OPORTUNIDADE PARA AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 1 COMÉRCIO ELETRÔNICO E MERCADO VIRTUAL - OPORTUNIDADE PARA AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS ARAÚJO, Railda, ARLINDA, Nathane, CRISTINA, Carla, LUIZ, Jorge, QUIRINO, Marcelo, SERJONE, Ludmila RESUMO

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL Este é um roteiro completo, com pontos gerais e específicos. Na elaboração do plano, procure adaptar os tópicos que o compõe, à realidade da empresa-cliente. Priorize a qualidade

Leia mais

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Introdução às Mídias Sociais O que fazer com as mídias sociais Tipos de ações As principais mídias sociais Dicas e considerações finais Autor Felipe Orsoli 1 SUMÁRIO 1

Leia mais

2014 Aberje Espaços Corporativos em Redes Sociais Digitais e Processos de Colaboração nas Organizações: realidade no Brasil 2014

2014 Aberje Espaços Corporativos em Redes Sociais Digitais e Processos de Colaboração nas Organizações: realidade no Brasil 2014 2014 Aberje Espaços Corporativos em Redes Sociais Digitais e Processos de Colaboração nas Organizações: realidade no Brasil 2014 Concepção e planejamento: Prof. Dr. Paulo Nassar Coordenação: Carlos A.

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

Como aumentar as vendas do seu e-commerce. Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento

Como aumentar as vendas do seu e-commerce. Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento Como aumentar as vendas do seu e-commerce Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento 2013 O e-commerce se prepara para um crescimento histórico 2000 Banda larga chega ao Brasil. É lançado no

Leia mais

Sobre o estudo. Publico: De um lado: Consumidores Do outro: Profissionais de marketing, comunicação, design, pesquisa...

Sobre o estudo. Publico: De um lado: Consumidores Do outro: Profissionais de marketing, comunicação, design, pesquisa... Sobre o estudo perfil Publico: De um lado: Consumidores Do outro: Profissionais de marketing, comunicação, design, pesquisa... Amostra: Total: 1.035 respondentes Consumidores: 805 Profissionais: 230 objetivo

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000).

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000). Comércio Eletrônico É a compra e a venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores. (Kalakota, 1997) É a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócios em um

Leia mais

O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?...

O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?... Conteúdo do ebook O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?... Deixando sua loja virtual mais rápida

Leia mais

Integração com a Mídia Social

Integração com a Mídia Social Guia rápido sobre... Integração com a Mídia Social Neste guia... Vamos mostrar como integrar seu marketing com as mídias sociais para você tirar o maior proveito de todo esse burburinho online! Nós ajudamos

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE CURITIBA ABRIL - 2000 ODILIO SEPULCRI TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA

Leia mais