Frederico O. M. Durães Director General Embrapa Agroenergía

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Frederico O. M. Durães Director General Embrapa Agroenergía"

Transcrição

1 Focando em soluções: da biomassa à energia Centrándose en las soluciones: la energía de biomasa Focusing on solutions: energy biomass Sesión Temática No. 3: Sistemas de Innovación para el desarrollo de los biocombustibles: b Experiencia i de Embrapa. Frederico O. M. Durães Director General Embrapa Agroenergía In: Diálogo de políticas sobre desarrollo institucional e innovación en biocombustibles en América Latina y el Caribe. Santiago, Chile, 28 y 29 de marzo de Oficina CEPAL, Sala Celso Furtado. 29 de marzo, 09h30 11h00. 01/30

2 29/Marzo/2011: 9h30 11h00 Sesión temática No.3: Sistemas de innovación para el desarrollo de los biocombustibles. La articulación de un sistema de I&D+I en biocombustibles en Brasil y el rol de la Embrapa. Frederico Durães, Embrapa Agroenergía, Brasil. Como se ha construido todo un sistema de I&D para los biocombustibles en Brasil, con la participación de entidades federales y estaduales, públicas y privadas y del rol que cumple la Embrapa en ese contexto? 1. Lavisión de los biocombustibles em Brasil Matriz energética, Las fuentes renovables de energía, Biomas brasileños, Agro energía, Integración de los arreglos institucionales y la logística, técnica, científica y productiva, planificación regional y los marcos regulatorios, Planes Plan Nacional de Agro energía, Plan de C&T+I, las prioridades de la Política de Desarrollo Productivo PDP) 2. Sistema Nacional lde Investigación ió Agrícola (SNPA) yel papel de la red de I&D+II Embrapa Agro energía ( la agricultura de alimentos y la agricultura energética ) 3. Actividades de I&D+I em biocombustibles La energía de biomasa (materias primas, procesos y productos) Generaciones tecnológicas para las 4 plataformas y 3 líneas (vertentes) 4. Acuerdos de Cooperación y alianzas nacionales y Internacionales La competitividad y la sostenibilidad: las empresas de base tecnológica (agricultura, industria y bio refinarias) Las Redes de I&D+I ( cases Ámbito de aplicación y de red): Nacionales (SEG MP1 6, BRJATROPHA, MCT/Sibratec Bioetanol,...), y Internacionales (Brasil/UK: BSBEC, FP7 JATROPT, FP7 CEPROBIO, IICA/PROCISUR: BABETHANOL,...) Los proyectos de cooperación técnica en biocombustibles con BR/Embrapa y países (7) en AL y Caribe 5. Los próximos pasos... Temas de interés común In: Diálogo de políticas sobre desarrollo institucional e innovación en biocombustibles en América Latina y el Caribe. Santiago, Chile, 28 y 29 de marzo de Oficina CEPAL, Sala Celso Furtado. 29 de marzo, 09h30 11h00. 02/30

3 29/Marzo/2011: 9h30 11h00 Sesión temática No.3: Sistemas de innovación para el desarrollo de los biocombustibles. La articulación de un sistema de I&D+I en biocombustibles en Brasil y el rol de la Embrapa. Frederico Durães, Embrapa Agroenergía, Brasil. CONTENIDO: Como se ha construido todo un sistema de I&D para los biocombustibles en Brasil, con la participación de entidades federales y estaduales, públicas y privadas y del rol que cumple la Embrapa en ese contexto?. La visión de los biocombustibles en Brasil. Sistema Nacional de Investigación Agrícola (SNPA) y el papel de la red de I&D+I Embrapa. ActividadesdeI&D+I en biocombustibles. Acuerdos de cooperación y alianzas nacionales y Internacionales. Los próximos pasos... Temas de interés común In: Diálogo de políticas sobre desarrollo institucional e innovación en biocombustibles en América Latina y el Caribe. Santiago, Chile, 28 y 29 de marzo de Oficina CEPAL, Sala Celso Furtado. 29 de marzo, 09h30 11h00. 02/30

4 ECONOMICA AMBIENTAL INSERCIÓN GLOBAL SOBERANA SISTEMAS DE PRODUCCION SUSTENTABLES PAPEL DE LA AGRICULTURA EN EL DESARROLLO SUSTENTABLE SOCIAL Producción de Bienes (productos y servicios) ALIMENTOS + FIBRAS + ENERGIA DESIGUALDADES REGIONALES Producción de Conocimiento

5 BRASIL - Matriz Energética +5,3% ,3% ,8% +2,4% Fonte: MME Boletim Mensal de Energia

6 Biomas Brasileiros e Ordenamento Territorial para Fins Energéticos Focando em soluções: da biomassa à energia Superfície Preservada* (%) 85,0 49,26% 9,92% 62,7 61,11 27,4 41,3 88,7 1,56% 23,84% 13,13% Fonte: MMA. Biomas do Brasil ,07% Biomas brasileños y Planificación con fines energéticos

7 Oportunidades da Agroenergia no Brasil: Perspectivas e Desafios Focando em soluções: da biomassa à energia Mecanismos de Sustentabilidade Sistema de Plantio Direto Oportunidades en la Agroenergía en Brasil: Perspectivas y Desafíos

8 Regionalização de Mercados e Arranjos (Institucionais, Técnico-Científicos, Produtivos) Focando em soluções: da biomassa à energia Regionalización de los Mercados y Arreglos (institucionales, técnica y científica, productivos)

9 Cambio Climático y Agroenergía Mudanças Climáticas & Agroenergia Vulnerabilidade Adaptação Mitigação Vulnerabilidad Adaptación Mitigación Integração Lavoura Pecuária Floresta Avaliação susceptibilidade em regiões e culturas energéticas Resistência ao estresse hídrico e térmico Cerrado: 1 ha pasto recuperado = 1,8 ha de floresta preservado Cultivares tolerantes (foco regional) aos estresses abióticos (toxidez de alumínio, solos áid ácidos, seca, encharcamento, altas e bi baixas temperaturas); t Identificação processos agropec. mais impactantes na emissão gases efeito estufa

10 Saltos de competitividade em Agroenergia Plataformas: 3 vertentes principais:. Desenvolvimento de Tecnologia Agronômica (sistemas de produção sustentáveis). Desenvolvimento de Tecnologia Industrial (processos de eficiência de conversão). Estudos transversais (ambientais, sócio econômicos, mercado, gestão, políticas públicas) Saltos de Competitividad en Agroenergía

11 AGROENERGÍA FOTOSÍNTESIS CO 2 + 2H 2 O + hv => CH 2 O + O 2 + H 2 O CAPACIDAD DE INTERCAMBIO CATIÓNICO (CTC) Materias Primas Procesos Formas de Energia

12 Embrapa Información Básica Fundada en 1973 Empleados: Investigadores: PhDs: Presupuesto: US$ billion 46 Centros y Servicios 11 Centros Nacionales Temáticos 16 Centros Nacionales de Productos 15 Centros Ecorregionales eagroflorestales 4Servicios 4 Nuevas Unidades Embrapa Cocais y Llanuras Inundables Embrapa Agrosilvopastoril Embrapa Acuicultura y Pesquería Embrapa Estudos Estratégicos y Capacitación Servicios Estación de cuarentena y el intercambio de germoplasma vegetal

13 Centros y Servicios de la Embrapa Red de Innovación de Embrapa: Red de Innovación de Embrapa:. 42 Centros de Investigación 11 Centros Nacionales Temáticos 16 Centros Nacionales de Productos 15 Centros Ecoregionales / Agroforestales. 4 Servicios Especiales (TT, IT, CECAT, QV). 3 Laboratórios em el Exterior (Labex USA, EU, Ásia). 2 Oficinas de Transferencia Tecnologia (África, Américas)

14 OE1: Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Brasileiro OE2: Competitividade Tecnológica em Agroenergia e Biocombustíveis OE3: Sustentável eluso de Biomas e Integração Produtiva de Regiões do Brasil OE4: Prospecção da Biodiversidade para o Desenvolvimento Diferenciado e Agregação de Valor a Produtos OE5: Avanços na Fronteira do Conhecimento e Tecnologias Emergentes Missão: Viabilizar soluções tecnológicas inovadoras para o desenvolvimento sustentável e eqüitativo do negócio da agroenergia no Brasil, em benefício da sociedade.

15 OE1: Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Brasileiro OE2: Competitividade Tecnológica em Agroenergia e Biocombustíveis OE3: Sustentável eluso de Biomas e Integração Produtiva de Regiões do Brasil OE4: Prospecção da Biodiversidade para o Desenvolvimento Diferenciado e Agregação de Valor a Produtos OE5: Avanços na Fronteira do Conhecimento e Tecnologias Emergentes Missão: Viabilizar soluções tecnológicas inovadoras para o desenvolvimento sustentável e eqüitativo do negócio da agroenergia no Brasil, em benefício da sociedade.

16 Embrapa Agroenergía. Centrándose en las soluciones: la energía de biomasa. Las innovaciones tecnológicas en Agroenergía: Responsabilidad con el presente y pasión por el futuro. Embrapa trabaja hoy la tecnología de x x x x x x x x x x x x Referências: Plano Nacional de Energia (PNE 2030). GF/MME. Plano de Ação C&T ( ), MCT. Plano Nacional de Agroenergia, 1., (PNA ), MAPA. (PNA 2., , em discussão). Plano de Desenvolvimento da AF (Pronaf, Biodiesel, Organização da Base Produtiva), MDA. Plano Diretor da Embrapa (PDE ). Embrapa. Plano Diretor da Embrapa Agroenergia (PDU ). Embrapa Agroenergia. F.O.M.Durães, Embrapa Agroenergia. 16/Dez/2010

17 Plataforma de Proyectos I&D+I de Embrapa Agroenergía Plataforma de Agroenergia da Embrapa Etanol Biodiesel Florestas Energéticas Resíduos Cana de de Açúcar Soja Palmeiras (Dendê) Jatropha Eucalipto Focos de sua atuação: pesquisa fundamental em biologia energética processosindustriais deconversãodebiomassaem em energia processos industriais de aproveitamentos de coprodutos e resíduos Cogeração Bioeletricidade Energia Térmica CO 2 Etanol Lignocelulósico (MP, Rotas Tecnológicas, processos) (Conhecimento, PI) PNA ( ), V PDE e I PDU CNPAE ( ), PNP Etanol ( ), PNPB ( )

18 Brasil PRODUCCIÓN DE ETANOL E AZÚCAR CAÑA DE AZÚCAR 1 ton cana de açúcar contém: 140 kg de açúcar 140 kg de bagaço (fibra) 140 kg de folhas e pontas (fibra) Isso representa 1 barril de petróleo Corriente (2010/2011): Caña de de Azúcar Aú.... Azúcar. Etanol Superficie sembrada (0,95% BR) Azúcar... Etanol... Cachaça... Empleo diretos... indirectos ,3 millones t. 301,5 MM t. 362,8 MM t 8,1 millones ha 38,7 millones t 28,5 billones litros 2,0 bll billones litros 1,0 millones 2,6 millones Brasil (2010/2011): 81 8,1 milhões de ha com cana 28,5 bilhões de litros de etanol 38,7 milhões de ton de açúcar 1 ha ( m 2 ): produz 80 bep (barris i equivalentes de petróleo) ) BRASIL: 8,1 milhões de ha de cana POTENCIAL: 650 milhões de bep

19 Regiones Productoras de caña de azúcar, etanol e azúcar en Brasil Corriente (2010/2011): Caña de Azúcar.... Azúcar. Etanol Superficie sembrada (0,95% BR).. Azúcar... Etanol... Cachaça... Empleo diretos... indirectos... Futuro (2015): Cana de Açúcar... Área Plantada... Etanol... Fonte: MAPA/CONAB ,3 millones t. 301,5 MM t. 362,8 MM t 8,1 millones ha. 38,7 millones t 28,5 billones litros 2,0 20bill billones litros 1,0 millones 2,6 millones Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana de Açúcar (17 Set 2009) 1 billones t millones ha 48 billones litros O j t d tiõ bi t i ô i ii d i O conjunto de restrições ambientais, econômicas, sociais, de risco climático e de condições de solo do ZAE Cana orienta a expansão da cana de açúcar em 7,5% das terras brasileiras (são 64,7 Mha). De acordo com os novos critérios, 92,5% do território nacional não são indicados ao plantio de cana.

20 Regiones Productoras de caña de azúcar, etanol e azúcar en Brasil Corriente (2010/2011): Caña de Azúcar.... Azúcar. Etanol Superficie sembrada (0,95% BR).. Azúcar... Etanol... Cachaça... Empleo diretos... indirectos... Futuro (2015): Cana de Açúcar... Área Plantada... Etanol... Fonte: MAPA/CONAB ,3 millones t. 301,5 MM t. 362,8 MM t 8,1 millones ha. 38,7 millones t 28,5 billones litros 2,0 20bill billones litros 1,0 millones 2,6 millones Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana de Açúcar (17 Set 2009) 1 billones t millones ha 48 billones litros O j t d tiõ bi t i ô i ii d i O conjunto de restrições ambientais, econômicas, sociais, de risco climático e de condições de solo do ZAE Cana orienta a expansão da cana de açúcar em 7,5% das terras brasileiras (são 64,7 Mha). De acordo com os novos critérios, 92,5% do território nacional não são indicados ao plantio de cana.

21 BRASIL SE CENTRA EN LA CULTURA DE LA CAÑA DE AZÚCAR COMO FUENTE DE ALIMENTACIÓN Y UNA FUENTE DE ENERGÍA ECONÓMICAMENTE VIABLE Cana como alimento Açúcar Cana como energia alternativa Brasil Álcool Cana como energia renovável Global Álcool OPEP KYOTO Cana como base para a Indústria Química Mercado com crescimento previsível Mercado com potencial de crescimento elevado Fatos Fatos Futuro Proálcool ( ) Leis Ambientais nos EUA e EU Questão ambiental disseminada em diversos países Carro E100 no Brasil Fim do Proálcool Carro E25 no Brasil Produção de álcool a partir do milho nos EUA Desenho do mercado de crédito C Assinatura protocolo Kyoto (diversos países) Estágio comercial carro bicombustível no Brasil Metas rígidas de emissão de gás carbônico Mercado de Crédito de Carbono maduro Etanol de milho economicamente viável como combustível Utilização de Celulose como fonte de etanol Novas tecnologias para utilização de biomassa na indústria Química Fonte: slide cedido por Dr. Hugo Molinari, CNPAE

22 PNP Etanol ( ) Programa de Melhoramento Genético de Cana de Açúcar Cana de Açúcar: Açúcar de cana convencional Açúcar Bagaço Energia Etanol Alimento (A vantagem competitiva é transitória) i

23 PNP Etanol ( ) Programa de Melhoramento Genético de Cana de Açúcar Cana de Açúcar: 2017 Características Modificadas Genes chaves para acúmulo da sacarose em cana de açúcar Açúcar de cana GM Cultivares adaptadas às Mudanças Climáticas Açúcares Modificados Açúcar Bagaço Biomateriais Alimento Celulose Lignina Energia Etanol Etanol Massa de Produtos Novos Produtos Em 2023, GM será uma tecnologia padrão para o desenvolvimento de culturas: novas características e novos produtos.

24 Plataforma de Agroenergia da Embrapa Programa Cana-de-açúcar (PMG-cana, cv modificadas, estudos especiais) Projeto SEG MP1 Cana-de-açúcar Cultivares modificadas Sistemas de Produção

25 Rede Embrapa de PD&I cana de açúcar e etanol 1. Aumento da densidade energética Desenvolvimento de novas cultivares modificadas, por melhoramento genético convencional e biologia avancada métodos convencionais ou não (transgenia) Maior produtividade agrícola (FBN, teor de sacarose ou celulose, menos lignina, a,sste Sistemasde Produção, ) 2. Eficiência das tecnologias de aproveitamento do conteúdo energético Aumento de eficiência no processo industrial convencional (prétratamento, fermentação, destilação, biodigestão da vinhaça, etc.) Domínio de novos processos em rotas tecnológicas (hidrólise ácida, p g (, enzimática, gaseificação)

26 DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA PARA A INDÚSTRIA SUCROALCOOLEIRA Genomas e Biotecnologia Xyllela Cana de açúcar Eucalyptus Melhoramento IAC, 1935 Ridesa, 1970, 1991 CTC, 1968, 1993 Etanol de bagaço 2006 Dedini CTBE Recursos Genéticos 1973 Universidades Empresas

27 Vías bioquímicas para la producción de etanol de celulosa 1) Matéria Prima: Caracterização e seleção da biomassa 3) Pré tratamento: Processos físico químicos e biológicos 2) MP Diferenciados: Genética molecular de gramíneas e microrganismos 4) Fermentação: Processos de conversão 6) Etanol Cogeração 3) Hidrólise: Prospecção e seleção de microrganismos 5) Destilação

28 Ruta de la Tecnología para el etanol lignocelulósico

29 Ruta de la Tecnología para el etanol lignocelulósico

30 Ruta de la Tecnología para el etanol lignocelulósico

31 El desarrollo de Legumbres Alternativas (Desenvolvendo oleaginosas alternativas) plantasque se destacam; iniciativas colocadas em prática; importância das alternativasasoja; particularidades de cada região. MP Materia Prima BAG especie SP Sistema de Producción BPA manejo UI Unidad Industrial UI processo conversão contenido de aceite Producción de aceite Extración de aceite contenido: (% o kg / kg) 20 22% 18 20% 42% 38% contenido: (kg ou l / kg o área) l aceite / t producto, l aceite / ha contenido: (kg o l / kg) l aceite / t producto, l aceite / ha f (especie/genotipo/cultivar) f (genotipo*ambiente) f (metodo*tasa de extracción conversión) Visión agrícola ARREGLOS (institucionales, técnico-científica, productivos) Visión industrial Perfil de ácidos grasos Las rutas,procesos, utilidades

32 Producción de Biocombustibles y Áreas de Operaciones (RBTB) Torta Ración, Glicerina Almacenamiento Farelo Salvado... Mezcla (B2 ou B5) Co productos mezcla Distribuidor Diesel Revendedor Grano Aceite Diesel H Fracción de Diesel Plantación la siembra Esmagamento Aplastar Refinería mistura Alcohol Transesterificación Consumidor Producción de Materia prima Producción de biocombustibles Gran Consumidor Caracterización y control de calidad Pruebas y ensayos de motores MCT/SDTI

33 Biodiesel: matérias primas, óleos, resíduos e entorno Oportunidades e Riscos Necessidades Áreas estratégicas para PD&I em Biodiesel

34 (0,225 M t) 0,225 M t *

35

36 SEG Strategic Committee - CGE Strategic Plan Objectives Strategic Directions Strategic INSTITUCIONAL AGENDA Focus R&D Technology Transfer Communication Institutional Develop. Programming Management Committee CGP Tactical MP 1 MP 2 MP 3 MP 4 MP 5 MP 6 National Sectorial Incremental Trans. Techn. Institutional Family Challenges Comp. & Sust. Development Communication Development Agriculture RUs Partners RUPs Operatio onal SEG - Sistema Embrapa de Gestión de I&D+I

37 SEG Sistema Embrapa de Gestión de I&D+I Programación de inducción (Programming Induction) Editais (Calls) Red de Facilitación (Network Facilitation) Coherente, centrado y integrados proyectos (consistent, focused and integrated Projects)

38 SEG - Evaluación de seguimiento (Follow-up Evaluation) Los Projectos en ejecución (Projects Execution) Every six month: quick report Technical report Mid-Term In situ evaluation Final report Workshops

39 Cooperácion Nacional: SEG Sistema Embrapa de Gestión / Macroprograms SEG MP (1 a 6) SEG MP2 Proyect BRJATROPHA Cooperación Técnica Acuerdos bilaterales o multilaterales EPE Sociedad de Propósito Específico ( cases en negociación) (BRASIL. Ley de Innovación No /04, Art. 5º.) Sibratec Bioetanol Redes Temáticas SIBRATEC: Centros de Inovacción Servicios Tecnológicos Extensión Tecnológica

40 Sociedad de Propósito Especial Empresa de Propósito Específico EPE FUNDAMENTOS HABILIDADES INTERCAMBIADAS SABER CIENTÍFICO TECNOLÓGICO (T, P, S, I) GESTIÓN INDUSTRIA MERCADO NEGÓCIOS Competitividad y Cooperación SABER R$ 1,00 Pública por R$ 1,00 Privada Empresas de Propósito Específico EPE (Lei de Inovação, No /04, Art. 5º.)

41 Cooperación Internacional: Embrapa:. Cooperación Científica. Cooperación Técnica. Negocios Tecnologicos Brasil/United Kingdom cooperación tecnica (Embrapa / BSBEC Biotechnology and Biological Sciences Research Council) I&D+I en biocombustibles de 2ª generación. FP7 JATROPT FP7 CEPROBIO IICA/PROCISUR: BABETHANOL (WP7 and WP8) New feedstock and innovative transformation process for a more sustainable development and production of lignocellulosic ethanol. Euros ; 48 months (Brazil and Paraguay: sugarcane resídues; Chile, Uruguay and Argentina (residues from fruit trees pruning processes (olives, apples, wine vineyards and table grapes).

42 Cooperación Científica Importancia del intercambio de recursos genéticos Centro de origen China Evolución de la soja en Brasil Introdución EE.UU. AC RR AM RO AP PA TO MT GO MS SP PR MA CE PI BA MG ES RJ RN PB PE AL SE AC AM RO RR MT MS PA AP PR GO TO SP MA MG PI RJ BA ES CE RN PB PE AL SE OTHERS ARGENTINA BRAZIL UNITED STATES Introducción Cultivares Americanas RS SC Melhora Genética RS Cultivares Brasileñas La soja em el Ambiente Tropical SC La Producción Mundial 2020 Fuente: Agroconsult (2005)

43 Gestión Int l de Embrapa Agroenergía: estructura y funcionamiento (esquemático envolvendo SRI, Labex, AIT, AJU, DGP, DPD/UD, CNPAE e parceiros BR) PNA ( ) V PDE e I PDU CNPAE ( ) Plataforma I&D+I Agroenergía etanol biodiesel forestas energéticas co productos y residuos Documentoorientador e articulação (*) Embrapa: SRI, Labex, AIT, AJU, DGP, DPD / UD, CNPAE e parceiros técnicos CECAT Labex EUA, EU, Ásia Labex África, Américas,... PD&I, T/C, Pesq. Visitante T/C, TT, PV, PD&I FOCOS: I&D+I, TT, Treinamento/Capacitación Rutas tecnológicas y procesos Equipos / Instituiciones / Países Métodos de articulación Condiciones/acuerdos de cooperación Aplicación, seguimiento y evaluación Cases Agroenergia : (*, em andamento) 1) Acordo BR,UK : capacitação tecnologias bioetanol 2ª geração; 2)Acordo Embrapa;Cirad/PalmElit : Dendê; 3) Acordo BR;Cuba (Embrapa;Mínaz): Cana de Açúcar 4) Acordo Embrapa;USDA ARS: bioetanol 5) Projetos Int : bioetanol, JCL, Palm Oil, Biotec Gestão Internacional na Embrapa Agroenergia: estrutura e atuação. In: Reunião de DE e CGE de Unidades da Embrapa, 1. Anápolis, GO. 7 11/Junho/2010. Legenda: PD&I, TT Transferência de Tecnologia, T/C Treinamento/Capacitação, PV Pesquisador Visitante

44 Centrarse en las soluciones: la energía de biomasa Funcionalidad de los Laboratorios Temáticos y Articulación de lacolaboración Internacional: Intereses de la Cooperación Internacional 1. La producción de etanol a partir de materiales lignocelulósicos 1.1. Las materias primas y la biología energética 1.2. MO (bacterias y hongos) producen las enzimas para hidrólisis de materiales LC y fermentación C Las enzimas y procesos enzimáticos para la hidrólisis de materiales lignocelulósicos 1.4. Los procesos para convertir la biomasa en biocombustibles 1.5. Tecnologías para el uso de los co productos y residuos 2. La producción de biodiesel y combustibles similares 2.1. Las materias primas y la biología energética Microorganismos fermentadores de carbohidratos para producir biodiesel y biocombustibles similares 2.3. Los procesos para la producción de biodiesel y combustibles y similares 2.4. Tecnologías para el uso de los co productos y residuos 3. Atributos de calidad y métodos de análisis para la caracterización de las materias primas y productos (intermedios y finales) para la producción de bioenergía 4. Los estudios transversales de las cadenas de la bioenergía

45 Sugerencia de los pasos cercanos, para el protocolo de intenciones entre Brasil y (...) en I&D+I: ( ) Etanol Caña y 2ª. Generación, ( ) Aceites y Biodiesel 1) La adopciónde una AGENDA común de trabajo, incluyendo: a) Definición de los temas y acciones de I&D+I Agroenergía de interés común; b) Formación del Grupo de trabajo multi institucional (1 3 personas*:los centros de coordinación por institución), y la organización de la agenda calendário y los plazos para la consolidación de una propuesta conjunta (incluidos los objetivos, acciones, plazos, presupuestos, equipos, resultados y efectos esperados); 2) Preparación de un protocolo de intenciones de cooperación en I&D+I, parael período de 05 años ( ).; 2015) 3) La firma de un contrato de cooperación técnica y científica en I&D+I (ajustes de la aplicación), para el período de 05 años ( ). *Nota: Utilice un máximo de teleconferencia o videoconferencia asociados con el correo electrónico.

46 Objetivos y actividades a corto plazo ( ) 1. Intercambio de información: ió identificación ió de los grupos en cada área de interés, en Brasil y ( ) 2. Taller Temático sobre Agroenergía Brasil y ( ) 3. Missión técnica: intercambio de científicos de las instituiciones centrandose en la bioenergía (agronomía, biología avanzada, química y ingeniería química, procesos para energía de biomasa) 1. Puentos focales:. ( ) (Institutos y Universidades, ). Brasil il(embrapa) Obrigado / Muchas Gracias por su Atención / Thank you...

47 En Cooperación Internacional, "Una talla no sirve para todos la cooperación debe ser adaptada. "

48 Focando em soluções: da biomassa à energia OBRIGADO! GRACIAS! THANKS! F.O.M.Durães, Embrapa Agroenergia 14/Dezembro/2010 Embrapa Agroenergia (www.cnpae.embrapa.br, Telefone: )

49

50

51 Gracias!

52 29/Marzo/2011: 9h30 11h00 Sesión temática No.3: Sistemas de innovación para el desarrollo de los biocombustibles. Moderador: Luis Augusto Horta, Universidad Federal de Itajubá, Brasil Expositores:(25 30 min / presentación) Frederico Durães, Embrapa Agroenergía, Brasil. La articulación de un sistema de I&D+I en biocombustibles en Brasil y el rol de la Embrapa Mercedes Ballesteros, Unidad d de Biocoarburantes, CIEMAT, España. La Alianza Europea de Investigación Energética (EERA) y su rol en el reforzamiento, la ampliación y optimización de la investigación energética de la UE. Discusión ió (30 40 min) Mercedes Ballesteros, CIEMAT la Alianza Europea de Investigación (EERA), la cual está formada por los 15 institutos de investigación más importantes de Europa con el objetivo de reforzar, ampliar y optimizar la capacidad d de la investigación ió energética de la UE mediante la realización ió conjunta deactividades id d paneuropeas y a que se compartan las instalaciones nacionales de excelencia. Enesecontextotambiénhablaríadelas actividades del CIEMAT. Frederico Durães, Embrapa Agroenergía Tema similar, pero para el caso de Brasil, destacandocomo se ha construido todo un sistema de I&D para los biocombustibles en Brasil, con la participación de entidades federales y estaduales, públicas y privadas y del rol que cumple la Embrapa en ese contexto.

53 Sistemas de Innovación para el desarrollo de los biocombustibles: Experiencia de Embrapa. (Sesión Temática No.3). Expositor: Frederico Ozanan Machado Durães, Chefe Geral Embrapa Agroenergia In: Diálogo de políticas sobre desarrollo institucional e innovación em biocombustibles en América Latina y el Caribe. Santiago, Chile, 28 y 29 de marzo de Oficinai CEPAL, Sala Celso Furtado. 29 de marzo, 09h30 11h00. Sesión Temática No. 3). Resumo: A adequada exploração de energias primárias e secundárias depende do conhecimento aplicado nos recursos naturais e de formas de utilização em escala. Evidenciam se, portanto, as oportunidades de se combinarem as vantagens comparativas naturais e construídas pelo talento humano. As fontes renováveis têm potencial para atender a grande parte do acréscimo da demanda de energia do mundo, nas suas diversas finalidades (biocombustíveis líquidos ou cogeração de bioeletricidade e calor). A viabilidade econômica, a sustentabilidade de cada fonte e a disponibilidade de recursos naturais para a geração de energia são variáveis entre regiões. Os biomas terrestres (Amazônia, Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica, Pantanal epampa) eaquáticos brasileiros têm alto potencial de produção de biomassa, e a energia de biomassa requer ações de PD&I, com fortes componentes de inovação em matérias primas, processos e produtos. O entendimento e aplicação adequada dos processos de fotossíntese e de capacidade de troca catiônica (CTC) são fundamentais para a dinâmica e a governança da agroenergia em qualquer espaço físico ou território. Uma aplicação sustentável da energia de biomassa é dependente da integração e logística de arranjos institucionais, técnico científicos e produtivos. O ordenamento territorial diferenciado para cada aplicação energética constitui se em uma oportunidade estratégica para as mudanças da matriz energética. As áreas tropicais reúnem condições favoráveis para a implantação da agroenergia (agricultura, indústria e logística). Desde que a produção ea distribuição ib i de alimentos compõem ações dependentesd de energia, a energia de biomassa constitui i uma grande oportunidade d paraamatriz ti de transição entre as fontes fósseis e as renováveis. Nesta transição, a evolução deverá requerer aprimoramentos nas 1ª, 2ª e 3ª gerações tecnológicas, bem como novos conhecimentos e ferramentas para utilização de energia primária de forma mais direta. O Brasil definiu diretrizes objetivas para o negócio de agroenergia, estabelecidas no Plano de Ação de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional (Plano CTI , MCT), nas prioridades da Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP, MDIC) enoplano Nacional de Agroenergia (PNA , MAPA), focando quatro plataformas (etanol, biodiesel, florestas energéticas, aproveitamento de resíduos/coprodutos), e três vertentes (desenvolvimento de tecnologia agronômica, industrial e estudos transversais balanços de massa e de energia, ciclo de vida, economia de água e de carbono, socioeconomia, etc.). A regionalização dos mercados e os arranjos produtivos constituem os desafios para promover iniciativas de organização, coordenação e governança de cadeias produtivas de agroenergia. Inovação é a chave para o aumento da produção sustentável e a segurança alimentar. A agroenergia é um negócio tipicamente da parceria público privada. Parcerias nacionais e internacionais são medidas estratégicas para a inserção competitiva no negócio de agroenergia. A Embrapa, coordenadora do SNPA (Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária) assumiu o desafio de contribuir para a agenda Brasil de desenvolvimento, com foco em tecnologia e inovação para a agricultura de alimentos e agricultura de energia renovável, com base na biomassa. As redes de PD&I, coordenadas pela Embrapa Agroenergia, focam a competitividade e a sustentabilidade dos negócios de base tecnológica, na agricultura, agroindústria e biorrefinarias, contribuindo em conhecimento e aplicação para as tecnologias, produtos, serviços e inovação. A experiência da Embrapa em PD&I e Transferência de Tecnologia, em contribuição aos sistemas de inovação para o desenvolvimento de biocombustíveis na América LatinaeCaribedeveintegraromovimentoparao green growth ou green economy, ou seja, planejar e prover ações e esforços para sustentar o crescimento econômico e o desenvolvimento em processos renováveis, de baixo C). Palavras chave: energia solar, agroenergia, diversificação, matérias primas, processos, produtos, inovação, PD&I, parcerias, arranjos (institucionais, técnico científicos, produtivos), energia debiomassa. Currículo (Résumée): Frederico Ozanan Machado Durães. Formação: Engenheiro Agrônomo e M.Sc. (Universidade Federal de Viçosa); D.Sc. (Universidade de São Paulo/ESALQ); Pós doutor [University of Nebraska, Lincoln, NE, USA (2003)]. Instituição: Pesquisador científico sênior da Embrapa, Chefe Geral da Embrapa Agroenergia (www.cnpae.embrapa.br). Brasília, DF, Brasil Telefone: +55(61) , e mail:

54 Capacidade de Troca Catiônica Matéria Orgânica

55 Recomendaciones PLAN(ES) NACIONAL(ES) DE AGROENERGIA / BIOENERGIA - Elaborar: * Plan Nacional de Agroenergia (PNA ) * Programa Nacional de P&DI Etanol (PNP-Etanol, ) * Programa Nacional de Producción e Uso de Biodiesel (PNPB ) 2010) (por ejemplo, BRASIL: Ley No /05, Biodiesel B2/B5, B3) * Plan de Aceleración del Crecimiento (PAC ) PRODUCCION DE BIOMASSA E ENERGIA DE BIOMASSA: * Mapeo de Competencias (público y privado): P&DI e Atores Relevantes en las Cadenas Productivas, por Plataforma (Etanol, Biodiesel, Forestas Energéticas, Residuos e Co-productos) AGENDA (Programa Referencial): Estructuración ey Acción de P&DI SELECCIONAR TEMA(S) PARA PROYECTO(S) COOPERATIVO(S) DE I&D+I: (p.ex., Domesticación de especies - mejoramiento genético, Etanol-LC) FONTE DE RECURSOS (Público e Privado, Nacionales e Internacionales) ENFOQUES E ENTENDIMIENTOS (Gobernanza y Cooperación Técnica) In: Diálogo de políticas sobre desarrollo institucional e innovación en biocombustibles en América Latina y el Caribe. Santiago, Chile, 28 y 29 de marzo de Oficina CEPAL, Sala Celso Furtado. 29 de marzo, 09h30 11h00.

56 Tab. 1. EVOLUÇÃO DA ENERGIA MUNDIAL (Cenário BUSINESS AS USUAL) Fonte: O Projeto Millenium, baseado na pesquisa energética de 2006.

57 Tab. 3 DENSIDADE RELATIVA DE ENERGIA DE DIFERENTES COMBUSTÍVEIS Fonte: O Projeto Millenium, baseado no IEA e no Departamento de Energia dos EUA

58 Obrigado! Gracias! Thanks! Frederico O. M. Durães Embrapa Agroenergia (www.cnpae.embrapa.br)

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

25/10/2010 AGROENERGIA. Matérias-Primas Processos Formas de Energia FOTOSSÍNTESE. CO 2 + 2H 2 O + hv => CH 2 O + O 2 + H 2 O

25/10/2010 AGROENERGIA. Matérias-Primas Processos Formas de Energia FOTOSSÍNTESE. CO 2 + 2H 2 O + hv => CH 2 O + O 2 + H 2 O Focando em soluções: da biomassa à energia Matérias-primas Alternativas para Biodiesel. Frederico O. M. Durães Chefe-Geral Embrapa Agroenergia In: Conferência BIODIESELBR. Desenvolvendo Oleaginosas Alternativas.

Leia mais

Atuação Internacional da Embrapa

Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional Cooperação Científica Negócios Tecnológicos Cooperação Técnica Cooperação Científica Conhecimentos do Mundo Agricultura Brasileira Cooperação Científica

Leia mais

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA.

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA. Seminário Temático Agroindustrial de Produção de Sorgo Sacarino para Bioetanol, 2. Ribeirão Preto, SP, 20-21/Setembro/2012. O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos

Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos Leonardo Lopes Bhering leonardo.bhering@embrapa.br In: 5º Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Guarapari ES, 13

Leia mais

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global 1 Arnaldo José Raizer P&D - Variedades Roteiro Aquecimento Global Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) O setor sucro-energético Melhoramento Genético e

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL 1 Biodiesel Estratégias: Ampliação de Acesso (inserção social e redução das disparidades regionais) Objetivos:

Leia mais

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 CREEM 2005 Energia de Biomassa I C Macedo NIPE/UNICAMP UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 Energia de biomassa no mundo 45±10 EJ/ano (~16 comercial; 7 moderna ); em ~400 EJ Pode crescer para 100-300

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR PLANO MINEIRO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO 2007-2023

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR PLANO MINEIRO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO 2007-2023 PLANO MINEIRO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO 2007-2023 VISÃO DE FUTURO A visão de longo prazo que nos inspira é tornar Minas Gerais o melhor Estado para se viver. Este será o objetivo final de todo o esforço

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria Financiamento ao Agronegócio Internacionalização da Agroindústria BRF Visão Geral BRF Principais Key Brands Marcas Dados Financeiros 3 Uma das maiores empresas de alimentos do Brasil e do mundo 7 a maior

Leia mais

P&D Petrobras - Etanol Utilizando Enzimas. Juliana Vaz Bevilaqua. Coordenadora de Gestão Tecnológica Petrobras Biocombustível S/A

P&D Petrobras - Etanol Utilizando Enzimas. Juliana Vaz Bevilaqua. Coordenadora de Gestão Tecnológica Petrobras Biocombustível S/A P&D Petrobras - Etanol Utilizando Enzimas Juliana Vaz Bevilaqua Coordenadora de Gestão Tecnológica Petrobras Biocombustível S/A Abril 2009 PETROBRAS EN NÚMEROS CONSOLIDADOS 2008* -Ingresos Operacionales

Leia mais

O Papel da Petrobras Biocombustível no Futuro da Agroenergia Quais as Perspectivas?

O Papel da Petrobras Biocombustível no Futuro da Agroenergia Quais as Perspectivas? 6º Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas O Papel da Petrobras Biocombustível no Futuro da Agroenergia Quais as Perspectivas? Gustavo Menezes Gonçalves, D.Sc. Engenheiro Agrônomo, PBIO/DAGRI Gerência

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

GraalBio anuncia primeira planta de etanol celulósico do Hemisfério Sul

GraalBio anuncia primeira planta de etanol celulósico do Hemisfério Sul GraalBio anuncia primeira planta de etanol celulósico do Hemisfério Sul Precursora da produção do biocombustível de segunda geração no Hemisfério Sul, com planta em Alagoas, GraalBio quer se tornar referência

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar Marcello Cuoco Rio de Janeiro, 28/11/11 AGENDA Overview dos mercados de Energia e Açúcar Perspectivas do mercado de Etanol ETH AGENDA Overview dos mercados

Leia mais

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA Tecnologia atual Cana-de-Açúcar Tecnologia em desenvolvimento Caldo Bagaço Palha Açúcar Etanol Bioeletricidade Melaço Vinhaça Biogás Conceitos de mercado de bioeletricidade Venda do excedente de energia

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Potencial dos Biocombustíveis

Potencial dos Biocombustíveis Potencial dos Biocombustíveis Mozart Schmitt de Queiroz Gerente Executivo de Desenvolvimento Energético Diretoria de Gás e Energia Petrobras S.A. Belo Horizonte, 17 de outubro de 2007 Evolução da Capacidade

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

"Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira -

Economia Verde: Serviços Ambientais - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - "Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - Maurício Antônio Lopes Diretor Executivo de Pesquisa e Desenvolvimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil

Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil O Panorama brasileiro e mundial Diego Nyko - Departamento de Biocombustíveis Rio de Janeiro, 07-04-2015 // 1 1 Agenda 1. Contexto setorial: produtividade

Leia mais

Florestas de Eucalipto e Outras Biomassas como Fontes Alternativas de Energia

Florestas de Eucalipto e Outras Biomassas como Fontes Alternativas de Energia Florestas de Eucalipto e Outras Biomassas como Fontes Alternativas de Energia Roberto Pinto Superintendente Agroflorestal ERB - Energias Renováveis do Brasil Alagoas Mar/2014 ERB Energias Renováveis do

Leia mais

Doutorado Industrial na Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação

Doutorado Industrial na Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Doutorado Industrial na Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira SENAI Departamento Nacional Brasília, 13

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ÓLEOS E GORDURAS

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ÓLEOS E GORDURAS SOCIEDADE BRASILEIRA DE ÓLEOS E GORDURAS PLANTAS OLEAGINOSAS POTENCIAIS PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL Prof. Dr. Gil Miguel de Sousa Câmara USP / ESALQ - LPV Florianópolis - SC Novembro / 2007 O POR QUÊ

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas A1 XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas José Dilcio Rocha NIPE/UNICAMP BIOWARE

Leia mais

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: A MODIFICAÇÃO

Leia mais

Rede de Conhecimentos sobre Biocombustíveis na Bacia do Prata Knowledge Network and Learning Avaliação e continuidade.

Rede de Conhecimentos sobre Biocombustíveis na Bacia do Prata Knowledge Network and Learning Avaliação e continuidade. Rede de Conhecimentos sobre Biocombustíveis na Bacia do Prata Knowledge Network and Learning Avaliação e continuidade. Agenda Quarta-feira, 17 de Novembro de 2010 9:00-11:00 Apresentação do projeto KNL

Leia mais

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada.

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada. SENAI Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Historia Criado

Leia mais

BIOETANOL, BIODIESEL E BIOCOMBUSTÍVEIS: PERSPECTIVAS PARA O FUTURO*

BIOETANOL, BIODIESEL E BIOCOMBUSTÍVEIS: PERSPECTIVAS PARA O FUTURO* BIOETANOL, BIODIESEL E BIOCOMBUSTÍVEIS: PERSPECTIVAS PARA O FUTURO* Luiz Fernando de Lima Luz Jr.** Moacir Kaminski** Ricardo Henrique Kozak*** Papa Matar Ndiaye** 1 INTRODUÇÃO O Brasil produz etanol a

Leia mais

d) Faz parte de Grupo empresarial:

d) Faz parte de Grupo empresarial: IDÉIA DE PROJETO PROGRAMA IBEROEKA Projetos em colaboração com empresas dos seguintes países: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Espanha, Guatemala, Honduras,

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA

DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA Produção e Demanda de Transporte Hidrovia Teles Pires - Tapajós Brasília (DF), 01 de março de 2007. Fatores

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila. Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin

Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila. Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin Mudanças as Climáticas e Agricultura Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin Alerta Global 87% dos brasileiros

Leia mais

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE Ricardo Blandy Vice - Presidente Nexsteppe Sementes do Brasil Novembro 2015 Nexsteppe Sede mundial em São Franscisco, CA Empresa de comercialização de SEMENTES DE

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

III Workshop Internacional sobre Bioenergia FTC

III Workshop Internacional sobre Bioenergia FTC III Workshop Internacional sobre Bioenergia FTC Mesa Redonda: Bioenergia X Governo X Comunidade A Política de Pesquisa e Extensão em Bioenergia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia IFBAHIA

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol. Etanol - Sustentabilidade - Relatório Final Unicamp 30 de Outubro de 2009

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol. Etanol - Sustentabilidade - Relatório Final Unicamp 30 de Outubro de 2009 Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Etanol - Sustentabilidade - Relatório Final Unicamp 30 de Outubro de 2009 OE3. Subsídios para a agenda nacional e internacional de certificação

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Mapa de Riscos Jurídicos Ambientais

Mapa de Riscos Jurídicos Ambientais Mapa de Riscos Jurídicos Ambientais Atividades Minerárias Seminário Internacional de Direito Ambiental Empresarial Rio de Janeiro 31/05/2012 1 Grupo Votorantim 94 ANOS de historia Multinacional brasileira

Leia mais

o papel das florestas nas propriedades agrícolas

o papel das florestas nas propriedades agrícolas Fórum Internacional de Estudos Estratégicos para o Desenvolvimento Agropecuário e Respeito ao Clima o papel das florestas nas propriedades agrícolas prof. gerd sparovek usp.esalq contato gerd@usp.br Perguntas

Leia mais

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ I - Objetivos do PADIQ O Plano Conjunto BNDES-FINEP de Apoio à Diversificação e Inovação da Indústria

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA

UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: H

Leia mais

Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação

Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira SENAI Departamento Nacional Brasília, 18 de Setembro

Leia mais

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria PROGRAMA SENAI + COMPETITIVIDADE INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção Civil CE EletroMetalmecânica Energias Renováveis RN Petróleo

Leia mais

Monitoreo Continuo Auditoria Contínua y a Distancia

Monitoreo Continuo Auditoria Contínua y a Distancia Monitoreo Continuo Auditoria Contínua y a Distancia Luis Pires Gerente de Auditoria e Compliance Camargo Correa Luis Pires Minibiografía Con más de 25 años de experiencia en Auditoria Interna y Externa,

Leia mais

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF Crédito Fundiário no combate a pobreza rural: Sustentabilidade e qualidade de vida 2011 PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt Biotecnologia e Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt - Imposições legais - Opinião pública - Pressão de competitividade Actualmente: Conceito de adoptado por muitas indústrias/actividades: só

Leia mais

BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS.

BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS. BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS. Dágon Manoel Ribeiro¹, Hânia Cardamoni Godoy 3, Gustavo

Leia mais

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor)

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Principais obstáculos à ampliação da produtividade do trabalho

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS. Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012

Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS. Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012 Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012 PAISS Etanol 2G 1. Motivação 2. Programa 2G 3. Perspectivas e discussão PAISS Etanol 2G 1. Motivação

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil

Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil Ministério da Agricultura/EMBRAPA MMA CC/MDA/MME Celso Vainer Manzatto Embrapa Meio Ambiente www.cnma.embrapa.br

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol 1. (Uel 2014) A gasolina é uma mistura de vários compostos. Sua qualidade é medida em octanas, que definem sua capacidade de ser comprimida com o ar, sem detonar, apenas em contato com uma faísca elétrica

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Jaime Finguerut jaime@ctc.com.br Luiz Antonio Dias Paes 5 de Junho de 2014 Agenda Dados Gerais da Safra 13/14

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego formal, crescimento da massa

Leia mais

Tendências e Perspectivas de Investimentos para o Setor de Bioenergia ABIMAQ Ribeirão Preto, 11 de novembro de 2009

Tendências e Perspectivas de Investimentos para o Setor de Bioenergia ABIMAQ Ribeirão Preto, 11 de novembro de 2009 Perspectivas Futuras e Evolução do Mercado de Biocombustíveis no Brasil e no Mundo Tendências e Perspectivas de Investimentos para o Setor de Bioenergia ABIMAQ Ribeirão Preto, 11 de novembro de 2009 Prof.

Leia mais

PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ. Consulta aos Potenciais Interessados

PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ. Consulta aos Potenciais Interessados PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ Consulta aos Potenciais Interessados Agenda Objetivos Linhas temáticas Etapas Consulta a parceiros e potenciais clientes

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

WORKSHOP BIOMASSA E AGROENERGIA NA ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA A JICA E SEU PAPEL NO CONTEXO DE PROJETOS DE MEIO AMBIENTE, BIOMASSA E AGROENERGIA

WORKSHOP BIOMASSA E AGROENERGIA NA ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA A JICA E SEU PAPEL NO CONTEXO DE PROJETOS DE MEIO AMBIENTE, BIOMASSA E AGROENERGIA WORKSHOP BIOMASSA E AGROENERGIA NA ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA A JICA E SEU PAPEL NO CONTEXO DE PROJETOS DE MEIO AMBIENTE, BIOMASSA E AGROENERGIA INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE JICA LINHA DE ATUAÇÃO DA JICA

Leia mais

Las Instituciones de Innovación. SEGIB Estoril, julho de 2009 Carlos Américo Pacheco - Unicamp

Las Instituciones de Innovación. SEGIB Estoril, julho de 2009 Carlos Américo Pacheco - Unicamp Las Instituciones de Innovación SEGIB Estoril, julho de 2009 Carlos Américo Pacheco - Unicamp Instituições Conjunto de inúmeros e complexos fatores, de mercado ou não, que moldam o comportamento econômico

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Tackling the challenge of feeding the World: A Family farming perspective

Tackling the challenge of feeding the World: A Family farming perspective Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura YEAR OF FAMILY FARMING Economic and Social Development Department Science for Poverty Erradication and Sustainable Development Tackling

Leia mais

Programa Regionalização

Programa Regionalização Programa Regionalização Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Setembro/2010 Gestor: Henrique Villa da Costa Ferreira Secretário de Políticas de Desenvolvimento

Leia mais

Compras Institucionais. Programa de Aquisição de Alimentos

Compras Institucionais. Programa de Aquisição de Alimentos Compras Institucionais Programa de Aquisição de Alimentos Brasil Sem Miseria: Rota de Inclusao Produtiva Termo de compromisso ABRAS Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) Compras Privadas Promoção Comercial

Leia mais

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP Mudanças Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável Rodrigo C. A. Lima Gerente-geral do ICONE www.iconebrasil.org.br São Paulo 6 de

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Melhoramento Vegetal

VI Congresso Brasileiro de Melhoramento Vegetal VI Congresso Brasileiro de Melhoramento Vegetal Biocombustíveis e o Melhoramento de Plantas Zoneamento Agroecológico de Espécies Vegetais Importantes para a Agroenergia AGOSTO de 2011 Celso Vainer Manzatto

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

Produção e processamento da Cana de açúcar desenvolvimento tecnológico

Produção e processamento da Cana de açúcar desenvolvimento tecnológico Produção e processamento da Cana de açúcar desenvolvimento tecnológico Produção e processamento da cana de açúcar para energia: o contexto tecnológico Situação e perspectivas no Brasil Avanços de 1975

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA

Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria

Leia mais

Abioeletricidade cogerada com biomassa

Abioeletricidade cogerada com biomassa bioeletricidade Cana-de-Açúcar: um pr energético sustentável A cana-de-açúcar, a cultura mais antiga do Brasil, é hoje uma das plantas mais modernas do mundo. A afirmação é do vice-presidente da Cogen

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel 35º. Fórum ANAVE Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel Simone Nagai 9 de novembro, 2010 Temas: O Setor Base Florestal Contribuição Social e Ambiental Investimentos e Perspectivas 2 Desempenho

Leia mais