Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 Audiência Parlamentar Internacional em Moçambique Maputo, 19 de Setembro de 2009

2 1. ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE Moçambique é rico em recursos energéticos, como é o caso da energia hidroeléctrica, gás natural, carvão. Contudo, a exploração desses recursos para uso nacional é limitado. Essa limitação pode ser ilustrada pelo dominante consumo da energia primária resultante da biomassa lenhosa. O acesso a energia eléctrica no País é de apenas 14% da população moçambicana. Esta percentagem mostra o grande desafio que Moçambique possui no aumento do acesso a energia eléctrica da população. Para a realização desse objectivo, a electrificação está sendo realizada tanto pela extensão da rede eléctrica nacional, como por sistemas isolados, alimentandos populações rurais.

3 2. FUNAE O Fundo de Energia FUNAE é uma Instituição pública dotada de personalidade jurídica, autonomia administrativa e financeira subordinado ao Ministro da Energia, criada pelo Decreto nº 24/97. VISÃO Tornar-se uma instituição de referência na disseminação e promoção de fontes alternativas de energia e na electrificação rural. MISSÃO Promover maior acesso à energia de forma sustentável e racional que contribua para o desenvolvimento económico e social do País.

4 2. FUNAE (Cont.) O FUNAE desenvolve a sua actividade dentro da Estratégia Nacional de Energia, da Política de Energias Renováveis e Política de Biocombustíveis. O FUNAE definiu como OBJECTIVOS: Electrificação de Distritos, Postos Administrativos e Localidades com base Electrificação de Distritos, Postos Administrativos e Localidades com base em energias novas e renováveis; Electrificação de escolas e centros de saúde, a partir de sistemas fotovoltaicos, em Distritos, Postos Administrativos e Localidades sem acesso à energia da rede nacional; Promoção do acesso à combustíveis líquidos; Electrificação de Distritos, Postos Administrativos e Localidades a partir da Reabilitação e Extensão das Redes Isoladas de Electricidade; Construção de bombas de combustível nos Distritos.

5 3. ESTRATÉGIA DA ENERGIA Intensificar o uso de electricidade nas zonas servidas pela rede nacional e, nas zonas remotas, por soluções híbridas usando os recursos da biomassa sustentável (lenha e biocombustíveis), solares, eólicos e hídricos; Promover métodos mais eficientes de produção de carvão vegetal através da formação e disseminação de informação sobre técnicas mais eficazes de conversão; Promover e disseminar fogões e fornos solares térmicos; Promover métodos mais eficientes de consumo de combustíveis lenhosos através da disseminação de informação sobre novos tipos de fogões melhorados;

6 3.ESTRATÉGIA DA ENERGIA (Cont.) Identificar oportunidades de participação do sector privado em projectos de produção e venda de sistemas de energia e comercialização de fogões melhorados contribuindo para a sua massificação; Conferir alta prioridade ao combate ao vandalismo, agravando o quadro legal e as medidas punitivas aos actos que destruam as infra-estruturas energéticas; Desenvolver acções conducentes à implementação de projectos de geração de energia eléctrica, através da diversificação das fontes alternativas de energia, com vista a preservação dos recursos de biomassa incentivando o recurso às fontes de energia alternativa; e Aprofundar o funcionamento das Comissões de Gestão e Operadores Locais, por meio de acções de formação técnica, de preservação do meio ambiente e de gestão.

7 4. FUNAE CARACTERIZAÇÃO O FUNAE possui duas divisões resposnsáveis pela implementação de seus projectos, nomeadamente, Divisão de Energias Novas e Renováveis e Divisão de Energias Convencionais. O FUNAE iniciou o processo de descentralização das suas actividades através da criação da Delegação Regional Centro sedeada em Tete responsável pelas províncias de Sofala, Manica, Tete e Zambézia; e Delegação Região Norte sedeada em Nampula, responsável pelas províncias de Nampula, Niassa e Cabo Delgado. O FUNAE tem uma Divisão de Qualidade e Ambiente que tem como principal foco salvaguardar e abranger as questões ambientais e sociais em todas as actividades.

8 4. FUNAE CARACTERIZAÇÃO (Cont) SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE e SELO MADE IN MOZAMBIQUE O FUNAE está actualmente certificada pelo Sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001:2000, e está em processo de actualização para a norma ISO 9001:2008 que será integrada à norma ISO 14001:2004 (Sistema de Gestão Ambiental). O FUNAE recebeu o galardão para o uso da marca Orgulho Moçambicano, Made in Mozambique, em reconhecimento da actividade desenvolvida pela instituição na promoção e consumo do produto nacional. DESENVOLVIMENTO DE PARCERIAS As actividades desenvolvidas pelo FUNAE se efectivam com o envolvimento de diferentes sectores (Sector Privado, Microfinanças, Organizações Sociais e Comunitárias, ONG s, e outros parceiros.

9 5. ELECTRIFICAÇÃO RURAL / ENERGIAS RENOVÁVEIS O FUNAE desenvolve actualmente a sua actividade de Electrificação Rural com base em energias renováveis, com maior destaque para a electrificação através da instalação de sistemas fotovoltaicos. O FUNAE está também empenhado na electrificação rural com base em pequenos sistemas hidroeléctricos (mini-hídricas), encontrando-se neste momento na fase de estudo para a sua implementação. A electrificação com base em grupos geradores a gasóleo, que não tem dado bons resultados pois, os sistemas embora funcionais, tem enfrentado problema do custo elevado do gasóleo e do fraco poder de compra dos beneficiários por forma a torná-los sustentáveis.

10 6. FASES DE IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS A implementação dos projectos do FUNAE possui as seguintes fases: 1. Contacto com os Governos provinciais, para a identificação de potencias locais para implementação de projectos na área de energia; 2. Levantamento de dados sócio económicos e das necessidades de energia das populações, para posterior elaboração de documentos de concursos; 3. O FUNAE cria as comissões de gestão e formação em matérias de gestão; 4. Contratação de empresas de fornecimento, instalação dos sistemas e formação de técnicos de manutenção e utilizadores; 5. Instalação dos sistemas e monitoria.

11 7. PROJECTOS IMPLEMENTADOS NA ÁREA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS PROJECTO DE ELECTRIFICAÇÃO LOCAIS Nº de BENEFICIÁRIOS Tinonganinee Djabula Matutuine -Maputo 16,150 Chupanga Marromeu -Sofala 10,140 Hospital Rural de Muxúngue Chibabava -Sofala 10, escolas e 150 Centros de Saúde Todopaís 352, Postos Administrativos Gaza 15,586 Meti Lalaua-Nampula 12,565 Mirate Montepuez-CaboDelgado 22,503 Matchedje Sanga-Niassa 2, Vilas Inhambane, Nampula, Cabo Delgado e Niassa 410, Postos Administrativos Inhambane 25, Postos Administrativos Manica e Tete 7,420

12 7. PROJECTOS IMPLEMENTADOS NA ÁREA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS (Cont.) É importante salientar que a maior parte dos sistemas fotovoltaicos instalados, são autónomos e não centralizados, através de mini-redes porque a população rural moçambicana vive de forma dispersa. A solução de electrificação através de mini-redes foi adoptada em locais onde as infra-estruturas beneficiárias encontram-se concentradas e não dispersas, como acontece em muitos locais nas zonas rurais. Esta opção tem as seguintes vantagens: 1. Custos de instalação relativamente baixos 2. Fácil manutenção 3. Melhor aproveitamento da potência instalada A instalação dos sistemas fotovoltáicos no País, é realizada por empresas contratadas para efeito e que são seleccionadas através de concursos públicos.

13 8. PROJECTOS DE USO PRODUTIVO DE ENERGIA Uma das apostas do FUNAE no desenvolvimento dos seus projectos é o incentivo uso produtivo de energia. 1. Sistemas de Bombeamento de água para actividades agropecuárias, com base em sistemas fotovoltaicos: - Projecto Mudaca (Moamba Maputo) - Projecto Pandjane (Magude Maputo) 2. Sistemas de bombeamento de água para actividades agropecuárias através de aerobombas: - Projecto Inhamissa (Xaixai Gaza) - Projecto Homoíne (Homoíne Inhambane) - Projecto Salela (Inhambane Inhambane)

14 9. INFRAESTRUTURAS ABRANGIDAS/ TAXAS MENSAIS Nos projectos de electrificação, são sempre abrangidas as seguintes infra-estruturas: 1. Escolas 2. Centros de saúde 3. Postos Policiais 4. Edifícios de administração local 5. Residências 6. Sistemas de bombeamento de água Todos os beneficiários dos sistemas pagam taxas fixas, diferenciadas de acordo com tipo de sistema instalado. O objectivo da colecta das taxas é garantir a manutenção básica dos sistemas.

15 9. COMISSÕES DE GESTÃO/ MECANISMOS DE GESTÃO FUNAE introduziu o conceito de Comissões de Gestão que tem como objectivo, envolver as comunidades locais na gestão dos sistemas para garantir a sustentabilidade dos mesmos. FUNAE em coordenação com as autoridades locais cria nos locais de projecto as comissões de gestão, cuja função é: Assessorar aos beneficiários ao bom uso dos sistemas; Colecta de taxas mensais; Manutenção básicas dos sistemas; Sensibilização da população no combate ao vandalismo. O envolvimento das comunidades locais em todas as fases do projecto, tem sido um dos instrumentos fundamentais na implementação dos projectos.

16 10. IMPACTO DOS PROJECTOS 1. Os Projectos implementados pelo FUNAE já mostram o seu grande impacto no melhoramento das condições de vida da população rural, através do leccionamento de aulas em período nocturno, atendimento hospitalar nocturno, conservação de vacinas e partos mais seguros; 2. Nota-se um grande envolvimento dos Governos e comunidades beneficiárias, durante o processo de implementação dos projectos ; 3. Quanto maior for o envolvimento das comunidades locais, maior é o impacto positivo destes projectos;

17 Hospital Rural de Muxúngue - Sofala Sistema de bombeamento de água Central fotovoltaica que alimenta: Todos sectores do Hospital Casas dos enfermeiros

18 Matchedje - Niassa Central fotovoltáica Acampamento histórico

19 Lihonzuane - Inhambane Central solar e no fundo parte das residências de professores Central fotovoltaica e um dos blocos de salas de aulas

20 Uso produtivo de energia Abeberamento de gado Bombeamento de água por aerobombas

21 Fornecimento de água as comunidades

22 Obrigada

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO ECONÓMICO E SOCIAL PARA 2013

PROPOSTA DO PLANO ECONÓMICO E SOCIAL PARA 2013 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ENERGIA DIRECÇÃO DE ESTUDOS E PLANIFICA ÇÃO PROPOSTA DO PLANO ECONÓMICO E SOCIAL PARA 2013 Nampula, 16 de Agosto de 2012 MINISTÉRIO DA ENERGIA 1 1. CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis 31 DE DEZEMBRO DE 2009 394 (157) A r t ig o 18 Reuniões do Colectivo de Direcção O Colectivo de Direcção reúne-se ordinariamente uma vez por semana e extraordinariamente quando convocado pelo Ar t ig o

Leia mais

Fórum da Conectividade Rural

Fórum da Conectividade Rural FUNDO DO SERVIÇO DE ACESSO UNIVERSAL (FSAU) Fórum da Conectividade Rural O Fundo do Serviço de Acesso Universal e o seu papel na promoção de parcerias Público- Privadas para a conectividade rural Apresentado

Leia mais

TREDD. Testando Opções e Arranjos Institucionais Eficientes para a Promoção da Extracção Sustentável da Energia de Biomassa Carvão Vegetal em Sofala

TREDD. Testando Opções e Arranjos Institucionais Eficientes para a Promoção da Extracção Sustentável da Energia de Biomassa Carvão Vegetal em Sofala TREDD Testando Opções e Arranjos Institucionais Eficientes para a Promoção da Extracção Sustentável da Energia de Biomassa Carvão Vegetal em Sofala As causas do desmatamento e degradação florestal são

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique A. de Sousa Fernando asousa@edm.co.mz 1 Principais Operadores do Sector Eléctrico Electricidade de Moçambique (EDM) Empresa Nacional de Electricidade,

Leia mais

Plano de negócio de Fogões Melhorados Mbaula. Agência de Desenvolvimento Económico Local de Sofala. Plano de negócio

Plano de negócio de Fogões Melhorados Mbaula. Agência de Desenvolvimento Económico Local de Sofala. Plano de negócio ADEL-SOFALA M O Ç A M B I Q U E Á F R I C A Agência de Desenvolvimento Económico Local de Sofala Julho 2008 Plano de negócio para Produtores dos Fogões Melhorados Mbaula 1 Indice 1. Sumário Executivo...

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE ABRIL, 2015 Estrutura da Apresentação 2 I. Papel do CEPAGRI II. III. IV.

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À REDE DE CONSULTORES

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À REDE DE CONSULTORES FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À REDE DE CONSULTORES da empresa da pessoa de contacto Data: Detalhes de contacto País: Data de preenchimento: Telefone: Fax: e-mail: Caixa Postal: 1. CONSULTORES Os consultores

Leia mais

Apresentação Do Banco. Setembro de 2010

Apresentação Do Banco. Setembro de 2010 Apresentação Do Banco Setembro de 2010 Conteúdos Onde estamos Missão Valores Accionistas Nosso mercado Responsabilidade social Factos Contactos Onde estamos Onde Estamos O Banco Terra está representado,

Leia mais

POLITICAS DE ENERGIA DE BIOMASSA

POLITICAS DE ENERGIA DE BIOMASSA POLITICAS DE ENERGIA DE BIOMASSA 2008 1 1. ESTRUTURA DE APRESENTACAO Introducao Visao do me Recursos energéticos no pais Potencialidades energéticas no pais Instrumentos legais do sector Politica de energias

Leia mais

Ministério da Energia

Ministério da Energia Ministério da Energia O PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DE BIOENERGIA EM MOÇAMBIQUE Apresentação na 2ª Semana de Bioenergia Maputo, 05 de Maio de 2014 14-05-2014 1 JUSTIFICAÇÃO As principais motivações

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS Conferência e exposição ipad angola 2011 Luanda, 15 de Setembro de 2011 Fontes de Energias renováveis no Contexto angolano APRESENTAÇÃO SANDRA CRISTÓVÃO

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA ENERGIA DA BIOMASSA

ESTRATÉGIA DE CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA ENERGIA DA BIOMASSA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE ------------------------ MINISTÉRIO DA ENERGIA ESTRATÉGIA DE CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA ENERGIA DA BIOMASSA Abril, 2013 ME 1.Introdução 1 Índice 1.Introdução... 4 1.1 Fundamentação...

Leia mais

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd Energias Renováveis e o Desenvolvimento Social 1. Apresentação da Instituição 2. Projectos da Área das Energias Renováveis e Impactes

Leia mais

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro:

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro: Diagnóstico Energético Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica Entidade Financiadora: Promotor: Parceiro: Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo

Leia mais

Cadeia de Comercialização de Carvão para cidade de Maputo

Cadeia de Comercialização de Carvão para cidade de Maputo Cadeia de Comercialização de Carvão para cidade de Maputo Situação actual e possíveis soluções Nilza Puna, INBAR Maputo, 16 de Junho de 2008 Objectivo: 1. Mapear a cadeia de comercialização de carvão 2.

Leia mais

Produza a sua própria energia

Produza a sua própria energia Produza a sua própria energia CONTEÚDO ENERGIAFRICA QUEM SOMOS A NOSSA MISSÃO SERVIÇOS AS NOSSAS SOLUÇÕES SOLARES PROJECTO MODULO VIDA PORTEFÓLIO MAIS ENERGIA RENOVÁVEL, MAIS VIDA PARA O PLANETA www.energiafrica.com

Leia mais

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Engª Sandra Cristóvão Directora Nacional de Energias Renováveis Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

MOÇAMBIQUE ACTUALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR Janeiro 2005

MOÇAMBIQUE ACTUALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR Janeiro 2005 MOÇAMBIQUE ACTUALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR Janeiro 2005 TIPO DE ALERTA: NORMAL VIGILÂNCIA AVISO EMERGÊNCIA CONTEÚDO Perspectiva sobre Riscos... 2 Precipitação e implicações... 2 Análise de Mercados...

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 5ᵃ Edição ORÇAMENTO CIDADÃO 2016 Visão: Assegurar a participação do Cidadão em

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

L ATITUDE PEMBA O MAR NO HORIZONTE

L ATITUDE PEMBA O MAR NO HORIZONTE L ATITUDE PEMBA O MAR NO HORIZONTE TANZÂNIA Mocimboa da Praia MALAWI Lichinga NIASSA CABO DELGADO NAMPULA Pemba Nacala TETE TETE ZAMBEZIA PEMBA MANICA SOFALA Quelimane CHIMOIO BEIRA para Hararre GAZA INHAMBANE

Leia mais

CONFERENCIA & EXPOSIÇÃO DO IPAD ANGOLA

CONFERENCIA & EXPOSIÇÃO DO IPAD ANGOLA CONFERENCIA & EXPOSIÇÃO DO IPAD ANGOLA TEMA: AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE DA APOSTA PELAS ENERGIAS RENOVAVEIS EM ANGOLA. EXPERIENCIAS DA PROVÍNCIA DO HUAMBO Apresentado por: Eng. Adolfo Elias Gomes Director

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa

Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa Politicas de Saúde e AIDS Moçambique Eusébio Chaquisse, MD, MIH Universidade Lúrio - Nampula Introdução: Moçambique possui uma população 20 milhões

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS NOVAS E RENOVAVEIS (EDENR)

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS NOVAS E RENOVAVEIS (EDENR) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ENERGIA ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS NOVAS E RENOVAVEIS (EDENR) PARA O PERÍODO DE 2011-2025 Índice 1. Introdução... 4 1/41 1.1 Fundamentação... 4 1.2

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Análise de Vulnerabilidade 2004: Processo e o Ponto de Situação

Análise de Vulnerabilidade 2004: Processo e o Ponto de Situação Análise de Vulnerabilidade 2004: Processo e o Ponto de Situação Maputo, Junho de 2004 Mapa das regiões de AV 2004 41 distritos vulneráveis á insegurança alimentar devido aos efeitos combinados de seca

Leia mais

Moçambique Plano Estratégico 2012 2015. Moçambique Plano Estratégico

Moçambique Plano Estratégico 2012 2015. Moçambique Plano Estratégico Moçambique Plano Estratégico 2012 2015 Moçambique Plano Estratégico 2012 2015 1 Rainha Juga, beneficiaria de uma campanha de cirurgia do Hospital Central da Beira ao distrito de Gorongosa 2 Moçambique

Leia mais

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável Seminário: Biomassa Florestal, Energia e Desenvolvimento Rural João Bernardo, DGGE Índice Enquadramento do Sector Energético As fontes de Energia Renovável

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O ESTADO DE AVANÇO FINANCEIRO E DAS ACTIVIDADES ATÉ 31.12.2012

RELATÓRIO SOBRE O ESTADO DE AVANÇO FINANCEIRO E DAS ACTIVIDADES ATÉ 31.12.2012 PROGRAMA DE APOIO À DESCENTRALIZAÇÃO E AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO LOCAL (PADDEL) NA PROVÍNCIA DE SOFALA (MOÇAMBIQUE) AID 8417 RELATÓRIO SOBRE O ESTADO DE AVANÇO FINANCEIRO E DAS ACTIVIDADES ATÉ 31.12.2012

Leia mais

Programa de Assistência para Projectos Comunitários Embaixada do Japão Informação 2014 Visão Geral

Programa de Assistência para Projectos Comunitários Embaixada do Japão Informação 2014 Visão Geral Programa de Assistência para Projectos Comunitários Embaixada do Japão Informação 2014 Visão Geral O Governo do Japão reconhece a importância dos projectos de desenvolvimento ao nível das bases que podem

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

Powered by. Desenvolvimento

Powered by. Desenvolvimento Desenvolvimento de Sistemas Sustentáveis 1 Urbancraft Energia, S.A. FDO INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES, SGPS, S.A. ALEXANDRE BARBOSA BORGES, SGPS, S.A. 50% 50% A URBANCRAFT ENERGIA, S.A é uma sociedade

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO ESTATAL Direcção Nacional de Promoção do Desenvolvimento Rural A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais

Leia mais

CARVÃO E POBREZA: IMPACTO SOCIAL E ECONÓMICO LOCAL

CARVÃO E POBREZA: IMPACTO SOCIAL E ECONÓMICO LOCAL CARVÃO E POBREZA: IMPACTO SOCIAL E ECONÓMICO LOCAL Camilo Correia Nhancale 1 Cruzeiro do Sul Instituto de Investigação para o Desenvolvimento José Negrão e KUWUKA JDA Associação para a Juventude, Desenvolvimento

Leia mais

Internet Como um Serviço Essencial

Internet Como um Serviço Essencial Internet Como um Serviço Essencial [O Desenvolvimento da Banda Larga e o Crescimento da Economia Digital ] 20 de Nov de 2015 americo@incm Pontos de Apresentação 1. Banda larga em Moçambique; 2. Como desenvolver

Leia mais

TIPOS DE ENERGIA, VANTAGENS E DESVANTAGENS. Apresentação por: Jose Fenandes Quelhas. CHIMOIO, Outubro 2008.

TIPOS DE ENERGIA, VANTAGENS E DESVANTAGENS. Apresentação por: Jose Fenandes Quelhas. CHIMOIO, Outubro 2008. DIRECCAO PROVINCIAL DOS RECURSOS MINERAIS E ENERGIA DE MANICA TIPOS DE ENERGIA, VANTAGENS E DESVANTAGENS Apresentação por: Jose Fenandes Quelhas CHIMOIO, Outubro 2008. 1 Conteúdos 1. Introdução 2. Conceito

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Principais Resultados

MOÇAMBIQUE. Principais Resultados MOÇAMBIQUE Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais e Informação sobre o HIV e SIDA em Moçambique (INSIDA 2009) Principais Resultados O Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

GRUPO VISABEIRA Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. o mundo move-nos.

GRUPO VISABEIRA Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. o mundo move-nos. GRUPO VISABEIRA Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. o mundo move-nos. GRUPO VISABEIRA QUEM SOMOS E O QUE FAZEMOS O Grupo Visabeira nasceu em 1980 em Viseu, Portugal, onde mantém a sua sede.

Leia mais

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique "Tendências do Investimento Privado em Moçambique: questões para reflexão" Nelsa Massingue da Costa Maputo, Setembro 2013 TENDÊNCIAS

Leia mais

Id: 41322 (27 years)

Id: 41322 (27 years) Ver foto Id: 41322 (27 years) DADOS PESSOAIS: Gênero: Masculino Data de nascimento: 08/07/1988 País: Mozambique, Região: Nampula, Cidade: Nampula Ver CV completo Grave o CV TRABALHO DESEJADO: Tipo de trabalho:

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO PARA A PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES - IPEX

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO PARA A PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES - IPEX 1 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO PARA A PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES - IPEX MOÇAMBIQUE Informação Geral IPEX Instituto para a Promoção de Exportações POTENCIAIS SECTORES DE EXPORTAÇÃO Por Provincia

Leia mais

Temas: Recomendações: Observações:

Temas: Recomendações: Observações: TI12653 CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA INDÚSTRIA (CAMI) Recomendações da 18 a Sessão Ordinária da Conferência dos Ministros da Indústria da UA (CAMI 18) a Nível de Altos Funcionários Durban, República

Leia mais

Tecnologias de Energias Renováveis e uso sustentável da energia - Caso das Escolas Secundárias em Moçambique

Tecnologias de Energias Renováveis e uso sustentável da energia - Caso das Escolas Secundárias em Moçambique CENTRO DE TECNOLOGIAS EDUCATIVAS(CTE) NÚCLEO DE ELECTRÓNICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Campus de Lhanguene, Av. de Moçambique, km1; Telefone +258 21401078; Fax: +258 21401082; Maputo - Moçambique Tecnologias

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal!

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! 25 de Janeiro de 2013 Agenda: Enquadramento Legislativo e Regulamentar adequado à Utilização de Energia nas empresas; Âmbito

Leia mais

Custos das Fontes Dispersas em Moçambique

Custos das Fontes Dispersas em Moçambique Folheto Informativo Moç. C 01 Custos das Fontes Dispersas em Moçambique Análise dos custos unitários dos contractos de 2009 Júlia Zita, Arjen Naafs WASHCost Dezembro, 2010 O objectivo deste documento da

Leia mais

Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012

Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012 1 Estrutura de apresentação Objectivo do Plano Caracterização geral da comercialização agrícola Principais Intervenientes

Leia mais

Centro de Promoção de Investimentos. Rafique Jusob

Centro de Promoção de Investimentos. Rafique Jusob Centro de Promoção de Investimentos Rafique Jusob CPI - Centro de Promoção de Investimentos O CPI oferece um pacote de serviços para assistência aos investidores nacionais e estrangeiros facilitando o

Leia mais

FÓRUM DA GESTÃO DO ENSINO SUPERIOR NOS PAÍSES E REGIÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Recife. 4, 5 e 6 de Dezembro de 2013

FÓRUM DA GESTÃO DO ENSINO SUPERIOR NOS PAÍSES E REGIÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Recife. 4, 5 e 6 de Dezembro de 2013 FÓRUM DA GESTÃO DO ENSINO SUPERIOR NOS PAÍSES E REGIÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Recife 4, 5 e 6 de Dezembro de 2013 Irene Mendes Universidade Politécnica (A POLITÉCNICA)

Leia mais

Apoio à Internacionalização das Empresas

Apoio à Internacionalização das Empresas Apoio à Internacionalização das Empresas 26 de Novembro de 2009 Apoio à internacionalização das empresas Moçambique: Dados Gerais O Sector Financeiro em Moçambique O Grupo Caixa Geral de Depósitos Soluções

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

Direcção do Registo Académico

Direcção do Registo Académico Direcção do Registo Académico EDITAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES PARA OS INGRESSOS DO ANO LECTIVO DE 2015 1. INTRODUÇÃO 1.1. A Direcção do Registo Académico (DRA) da Universidade Eduardo Mondlane (UEM),

Leia mais

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU A IBIS Moçambique é uma Organização Não Governamental Dinamarquesa, com sede em Maputo que trabalha em Moçambique desde 1976. As áreas temáticas actuais da

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL (FAEF) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL (DEF)

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL (FAEF) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL (DEF) UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL (FAEF) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL (DEF) MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL (MICOA) CENTRO TERRA VIVA

Leia mais

Água Quente Solar para Portugal

Água Quente Solar para Portugal INICIATIVA PÚBLICA AQSpP Água Quente Solar para Portugal J. Farinha Mendes Presidente da SPES www.spes.pt Portugal - um dos países da Europa com maior disponibilidade de recurso solar Eficiência Energética

Leia mais

Instituto Nacional de Irrigação. A Perspectiva das Instituições Contratantes 31 de Maio de 2013

Instituto Nacional de Irrigação. A Perspectiva das Instituições Contratantes 31 de Maio de 2013 Instituto Nacional de Irrigação 31 de Maio de 2013 Estrutura da apresentação I. Reforma do subsector de irrigação em Moçambique II. O INIR - Instituto Nacional de Irrigação 1. Objectivos 2. Organização

Leia mais

Eixo I _ Inovação, Desenvolvimento Tecnológico e Sociedade do Conhecimento

Eixo I _ Inovação, Desenvolvimento Tecnológico e Sociedade do Conhecimento Eixo I _ Inovação, Desenvolvimento Tecnológico e Sociedade do Conhecimento I.1. Incentivos Directos e Indirecto às Empresas Tipologia de Investimento CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página

Leia mais

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA A. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1.SEDE 1.1 NOME... 1.2 ENDEREÇO.. 1.3 CÓDIGO POSTAL... 1.4 LOCALIDADE... 1.5 CONCELHO. 1.6 DISTRITO... 1.7 TELEFONE.. 1.8 TELEFAX...

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 4ª Edição, 2015 Visão: Assegurar a participação do Cidadão em todas as fases do processo orçamental

Leia mais

A sustentabilidade na prática: Uso do painel solar em benefício aos residentes do distrito de Moamba- Maputo

A sustentabilidade na prática: Uso do painel solar em benefício aos residentes do distrito de Moamba- Maputo A sustentabilidade na prática: Uso do painel solar em benefício aos residentes do distrito de Moamba- Maputo 1.Introdução Desenvolvimento sustentavel é a utilizacao dos recursos naturais, sem transformar

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESTRATÉGIA DO DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA CRIANÇA EM IDADE PRÉ- ESCOLAR (DICIPE) 2012-2021

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESTRATÉGIA DO DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA CRIANÇA EM IDADE PRÉ- ESCOLAR (DICIPE) 2012-2021 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESTRATÉGIA DO DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA CRIANÇA EM IDADE PRÉ- ESCOLAR (DICIPE) 2012-2021 Maputo, Fevereiro de 2012 i Índice ACRÓNIMOS... iii DEFINIÇÃO

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

Apresentação por José Fernandes Quelhas Manica Moçambique Junho, 2008

Apresentação por José Fernandes Quelhas Manica Moçambique Junho, 2008 MINISTÉRIO DA ENERGIA ` Apresentação por José Fernandes Quelhas Manica Moçambique Junho, 2008 1 Difinir Educacao DISCUSSAO... Relação Energia e Educação 2 Relação Energia e Educação ODM 2: Alcançar o Ensino

Leia mais

Internacionalização de PME. Mercado de MOÇAMBIQUE

Internacionalização de PME. Mercado de MOÇAMBIQUE Internacionalização de PME Mercado de MOÇAMBIQUE 12 de Junho de 2013 Mercado de MOÇAMBIQUE ÍNDICE Índice Introdução MOÇAMBIQUE Sociedades Comerciais e Representações Comerciais Estrangeiras Lei de Investimentos

Leia mais

itc newsletter N o. 3, Julho 2012 itc newsletter parceiro dos sectores de cadastro e de florestas do país.

itc newsletter N o. 3, Julho 2012 itc newsletter parceiro dos sectores de cadastro e de florestas do país. itc newsletter N o. 3, Julho 2012 itc newsletter Caros leitores, Estamos de volta com a 3 a edição do newsletter da itc. Esta e as próximas edições do nosso newsletter, vão partilhar os resultados alcançados

Leia mais

A expansão dos recursos naturais de Moçambique Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da Agricultura?

A expansão dos recursos naturais de Moçambique Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da Agricultura? A expansão dos recursos naturais de Moçambique Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da Agricultura? Outubro 2014 A agricultura é um importante contribuinte para a economia de Moçambique

Leia mais

PME em Moçambique. Oportunidades e desafios. 16 Dezembro 2014. Baker Tilly Moçambique

PME em Moçambique. Oportunidades e desafios. 16 Dezembro 2014. Baker Tilly Moçambique PME em Moçambique Oportunidades e desafios Baker Tilly Moçambique 16 Dezembro 2014 Objectivo Dar a conhecer a situação das PME em Moçambique; Contribuir no sentido de criar condições para o sucesso das

Leia mais

Agenda de Ação para a Energia Sustentável para Todos (SE4ALL) Guiné-Bissau

Agenda de Ação para a Energia Sustentável para Todos (SE4ALL) Guiné-Bissau Agenda de Ação para a Energia Sustentável para Todos (SE4ALL) Guiné-Bissau Status: adoptado pelo Concelho de Ministros Júlio António Raul, Director das Energias Renováveis Contexto Julho 2013: Adopção

Leia mais

Contributo para o quase zero de energia no edificado

Contributo para o quase zero de energia no edificado Energia nos EDIFÌCIOS: 40 % da energia primária consumida Contributo para o quase zero de energia no edificado 24% das emissões de GEE 30% do consumo de electricidade (per capita: 1,5 MWh/ano) Edifícios

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL Relatório sobre a divulgação do Decreto de REDD+ a nível dos Governos Provinciais Introdução

Leia mais

Atlas de Energias Renováveis de Moçambique. Estoril, 25 de Junho de 2015

Atlas de Energias Renováveis de Moçambique. Estoril, 25 de Junho de 2015 Atlas de Energias Renováveis de Moçambique Estoril, 25 de Junho de 2015 Sistema de Gest\ao de Qualidade com o Certificado N 26INNOQ/13 Sistema de Gestão da Qualidade com Certificado Nº PT08/02280 Sistema

Leia mais

MOÇAMBIQUE Projecção de Segurança Alimentar Outubro 2013 a Março de 2014

MOÇAMBIQUE Projecção de Segurança Alimentar Outubro 2013 a Março de 2014 MOÇAMBIQUE Projecção de Segurança Alimentar Outubro 2013 a Março de 2014 Espera-se período de escassez menos severo devido a boa produção da segunda época e preços de alimentos estáveis DESTAQUES Figura

Leia mais

OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA

OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA O Projecto SMART-SPP: a visão do Município de Cascais Dr. João Dias Coelho - Administrador da Agência Cascais Energia Supported by: YOUR LOGO OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA Promover o uso racional de energia;

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA Programa de Cooperação Trilateral para o Desenvolvimento Agrário do Corredor de Nacala (ProSAVANA) Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Leia mais

Ministério da Energia UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL. Relatório Final

Ministério da Energia UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL. Relatório Final Ministério da Energia UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL Relatório Final AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE CONSUMO DA ENERGIA DE BIOMASSA NAS PROVINCIAS DE TETE, NAMPULA,

Leia mais

Moçambique. parcerias internacionais. Rede Bibliotecas Escolares

Moçambique. parcerias internacionais. Rede Bibliotecas Escolares Moçambique parcerias internacionais Rede Bibliotecas Escolares parcerias internacionais Moçambique Projeto de cooperação com Moçambique no âmbito das bibliotecas escolares Rede Bibliotecas Escolares Em

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

7/1/14. Conteúdos da Apresentação

7/1/14. Conteúdos da Apresentação Conteúdos da Apresentação República de Moçambique Ministério da Agricultura Ins:tuto do Algodão de Moçambique XII Reunião do SEACF A. Banze IAM Agronomist Maputo, 7-8 de Junho de 04 Piloto de Seguro Agrário

Leia mais

POLÍTICA DE ÁGUAS (PROPOSTA)

POLÍTICA DE ÁGUAS (PROPOSTA) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS E HABITAÇÃO DIRECÇÃO NACIONAL DE ÁGUAS POLÍTICA DE ÁGUAS (PROPOSTA) Junho de 2006 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 VISÃO, PRINCIPAIS OBJECTIVOS E POLÍTICAS

Leia mais