PROMOÇÃO DA BIOMASSA FLORESTAL RESIDUAL NA BACIA DO MEDITERRÂNEO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROMOÇÃO DA BIOMASSA FLORESTAL RESIDUAL NA BACIA DO MEDITERRÂNEO"

Transcrição

1 PROMOÇÃO DA BIOMASSA FLORESTAL RESIDUAL NA BACIA DO MEDITERRÂNEO

2 FLORESTAS MEDITERRÂNICAS Conteúdo 2: Florestas Mediterrânicas 4: O que é biomassa? 5: Apresentação do projecto 6: Fomentar a sensibilização e o networking 9: Estimativa da biomassa 13: Uso da biomassa 16: Mobilização da biomassa 18: Disseminação de resultados A vegetação associada a florestas mediterrânicas pode referir-se a vários tipos de florestas e outras áreas florestais, desde o estrato arbustivo a altos povoamentos de pinheiro, incluindo muitas outras espécies, tais como azinheira ou sobreiro, cedros e medronheiros e também sistemas florestais de curta rotação e matos. A principal característica destas florestas é estarem sujeitas ao clima mediterrânico, o que significa verões quentes e secos, quando as plantas mais precisam de água para crescer, e outonos e invernos chuvosos e húmidos. As florestas mediterrânicas sempre fizeram parte das actividades antrópicas e exploração humana. Não existe uma clara distinção entre a actividade económica e o ambiente natural: as dinâmicas das florestas mediterrânicas sempre estiveram intimamente ligadas com as sociedades humanas que se têm desenvolvido em torno destas. 2

3 As florestas mediterrânicas são ecossistemas particularmente multifuncionais: Apresentam características ecológicas notáveis: hotspots de biodiversidade (grande riqueza de espécies, espécies endémicas e habitats singulares), sistemas de prevenção contra erosão, cheias e desertificação, reservatórios de carbono, etc.; Têm um valor económico intrínseco e geram vários produtos, nomeadamente madeira e cortiça, assim como, plantas medicinais, trufas e outros cogumelos, bolotas, frutos, mel, resina de pinheiro, etc.; Estão sujeitas a significativa procura social: fornecem um ambiente vivencial a muitas comunidades florestais e têm funções recreativas, constatando-se um aumento das actividades ao ar livre em florestas, particularmente em florestas urbanas e periurbanas. Neste sentido, as florestas mediterrânicas são ecossistemas de elevado interesse mas frágeis e insuficientemente promovidas. Estão sujeitas a várias ameaças: ameaças intrínsecas, tais como os riscos naturais (incluindo incêndios florestais), solos pobres e condições climáticas difíceis, assim como, ameaças externas designadamente o aumento da pressão socio-económica e a ausência de uma cultura coesa associada à floresta e à exploração da madeira, em concreto. Tudo isto conduz à dificuldade em atribuir valor ao produto madeira e à implementação de uma gestão sustentável. As florestas mediterrânicas são ecossistemas de grande interesse mas são frágeis e insuficientemente fomentadas 3

4 A Directiva 2009/28/CE do Parlamento Europeu define biomassa como a fracção biodegradável de produtos, resíduos e detritos de origem biológica provenientes da agricultura (incluindo substâncias de origem vegetal e animal), da exploração florestal e de indústrias afins [...]. Simplificadamente, a biomassa é material derivado de organismos vivos (ou recém-vivos). Porquê a biomassa? O QUE É BIOMASSA? No contexto da Política Energética da UE e da Estratégia Horizonte 2020, o desenvolvimento de fontes de energias renováveis, incluindo a biomassa, representa um dos principais desafios para os Estados Membros. " O desenvolvimento de fontes de energias renováveis, incluindo a biomassa, está-se a tornar um desafio chave para os Estados Membros " A biomassa oferece uma ampla gama de benefícios em comparação com outras fontes de energia. Por exemplo, a energia a biomassa contribui para a criação local de emprego. Apresenta também um impacte neutro no ciclo do carbono, uma vez que o carbono libertado é novamente capturado em florestas em crescimento. O seu preço é altamente competitivo e menos flutuante, quando comparado com as fontes de energia fósseis. Assim, a promoção das energias renováveis em áreas rurais, através da gestão sustentável da biomassa florestal, está no centro do projecto PROFORBIOMED. 4

5 O PROJECTO PROFORBIOMED No enquadramento específico das Florestas Mediterrânicas, a União Europeia financiou projectos para a promoção do uso de produtos florestais, nomeadamente através do programa MED, um programa de cooperação transnacional financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER). Como resposta ao Objectivo MED 2.2: Promoção das energias renováveis e melhoria da eficiência energética, o projecto PROFORBIOMED é um projecto MED estratégico ligado à promoção do uso de energias renováveis através do desenvolvimento de uma estratégia integrada para o uso da biomassa florestal como fonte de energia que demonstra, aplica e transfere sistemas de gestão sustentáveis adaptados às diversas condições florestais na área MED. A estratégia assenta no desenvolvimento das florestas mediterrânicas e no seu potencial como fonte de rendimento em áreas rurais, necessitando de uma gestão e manutenção apropriadas (a nível ambiental). 18 PARCEIROS no projecto: distribuídos por seis países da União Europeia Espanha, Grécia, Itália, Portugal, Eslovénia e França. Estes envolvem uma ampla gama de parceiros a nível nacional, regional e local, representados por entidades públicas e privadas. Mapa dos parceiros do projecto 5

6 FOMENTAR A SENSIBILIZAÇÃO E O NETWORKING Parceiros: CRPF ADEP Enguera Um dos objectivos do projecto PROFORBIOMED foi identificar e envolver todos os actores relevantes (stakeholders) relacionados com a cadeia de biomassa florestal, desde proprietários florestais (privados e públicos), entidades públicas de gestão e licenciamento, até empresas de sistemas de aquecimento e caldeiras, desenvolvendo-se assim uma rede multinível. Esta rede foi considerada como uma base para a criação de estruturas e compromissos sustentáveis, tendo em conta a sensibilização sobre a biomassa e a revitalização da cadeia de valor florestal, criando emprego e desenvolvendo indústrias ligadas ao sector florestal. PROPRIETÁRIOS FLORESTAIS PRIVADOS Um dos principais obstáculos à exploração da biomassa, e da madeira em geral recai, nos próprios proprietários. Na maioria dos casos, falta-lhes a tradição e cultura florestais, enquanto alguns desconhecem mesmo que possuem terrenos florestais. O CRPF da região de Provence-Alpes-Côte d Azur (França) tem vindo a experimentar novas metodologias para contactar e reunir proprietários florestais privados a fim de aumentar o seu interesse nas suas parcelas florestais. irrealistas no que concerne à qualidade do trabalho florestal, que é muitas vezes encarado como jardinagem em região turística ou a relutância em deixar resíduos no terreno no contexto do risco de incêndio. Para enfrentar estes constrangimentos e o elevado nível de fragmentação das propriedades florestais, é necessário tempo e esforços para contactar e motivar um grande número de proprietários florestais privados através do fornecimento de argumentos e soluções relevantes. Pelo que, no âmbito do projecto PROFORBIOMED, o CRPF convocou representantes locais oficiais para criar vínculos e sinergias para diversos conteúdos. Também trabalharam no sentido de remover outros obstáculos no sector da exploração da madeira e biomassa, tais como expectativas 6

7 CENTRO DE BIOMASSA NA GRÉCIA OCIDENTAL O Centro de biomassa na Grécia Ocidental foi inaugurado a 15 de Janeiro de É usado para promover o aproveitamento da biomassa florestal e de resíduos rurais para fins energéticos. São várias as ferramentas de comunicação implementadas neste centro (tablets, vídeos e jogos educacionais) e os seus funcionários cedem informação técnica sobre a procura no sector da biomassa florestal. Para além de fornecer informações ao público em geral, o centro da biomassa visa formar crianças e alunos, oferecendo um programa de aprendizagem completo; neste contexto, foram contactadas as escolas da região e convidadas a registar as suas aulas no programa. Para atingir este objectivo, os parceiros implementaram várias actividades nos seus territórios. Por exemplo, em França, o Centro Regional de Proprietários Florestais (CRPF) trabalhou com representantes oficiais, no sentido de os envolver numa estratégia de extracção e mobilização de biomassa nas suas áreas. Em níveis mais baixos da cadeia, as plataformas de biomassa florestal trabalharam com grupos stakeholders profissionais ligados ao sector da biomassa para reforçar a cooperação; e foram criados gabinetes/ centros para promover a biomassa e os seus usos para diversos públicos-alvo. Principais impactes do projecto nos territórios Para o CRPF, o principal impacte tem sido o interesse renovado na gestão das florestas privadas, assim como a consciencialização da necessidade de mudar a abordagem da prevenção de riscos de incêndios para uma abordagem de cariz mais silvicultural. Para a Empresa Municipal para o Desenvolvimento Local de Patras (ADEP) na Grécia, o Centro de Biomassa é usado como fonte de informação, educação e consultoria técnica, assim como fornece informação objectiva e especializada sobre energia da biomassa florestal, tecnologias e recursos de combustíveis em geral. Em Enguera, Espanha, a Plataforma Florestal Valenciana (VFP) faz lobby para promover um sector económico verdadeiramente sustentável para as florestas mediterrânicas em Valência. Fomentar a sensibilização e consciencialização sobre a biomassa e revitalizar a cadeia de valor florestal, criando empregos e desenvolvendo indústrias ligadas ao sector florestal. 7

8 PLATAFORMA FLORESTAL VALENCIANA Sob a alçada do projecto PROFORBIOMED, no dia 31 de Maio de 2013 um total de 18 associações, entidades e organizações criaram a Plataforma Valenciana Florestal (PVF), em Enguera (Valencia, Espanha), com o objectivo de conservar e requalificar as áreas florestais através da harmonização de práticas de conservação e gestão florestal. O Presidente da PVF, José Vicente Oliver, explicou que a nova entidade tem um desafio muito ambicioso, um contrato com as futuras gerações para manter e preservar um legado rico e um ambiente diversificado e também desenvolver um sector capaz de aproveitar oportunidades, tanto na criação de empregos como de riqueza [...]. Estabeleceram que, apesar de estas ocuparem mais de metade do território Valenciano, o actual sector contribui com menos de 1 % do Produto Interno Bruto (PIB). Através desta iniciativa, a Plataforma visa promover o real e verdadeiro reconhecimento da propriedade florestal como estratégia para fomentar o desenvolvimento sustentável do nosso sector, produzindo valor ambiental e socio-económico, e contribuindo para uma melhoria das condições de vida nas aldeias da região. A Plataforma também pretende tornar-se um verdadeiro Cluster da bioenergia em Valência e começar a promover a bioenergia na sociedade. Os parceiros que criaram a Plataforma trabalharam, numa fase inicial, no diagnóstico da situação das florestas Valencianas. " Um contrato com as futuras gerações para manter e preservar um legado rico e ambiente diversificado " 8

9 ESTIMATIVA DA BIOMASSA: QUANTIDADE E VALOR ENERGÉTICO Os planos de gestão adequados são uma ferramenta essencial para o desenvolvimento, de forma sustentável, da cadeia de valor da biomassa florestal. Na verdade, permitem aos técnicos florestais planear a gestão florestal, tendo em conta o potencial de produção e os melhores usos, permitindo assim desenvolver modelos energéticos realísticos e sustentáveis. Parceiros: DGMA ISPRA ARGEM/INFO DRAFD GOV PLANEAMENTO REGIONAL DE BIOMASSA FLORESTAL A DGMA, em Múrcia, desenvolveu uma metodologia inovadora para a elaboração de planos de gestão de biomassa florestal. Esta metodologia é baseada numa pesquisa estratificada, que utiliza os dados recolhidos no âmbito do 4º Inventário Florestal Nacional e que, reduz pela metade o trabalho de campo necessário, economizando custos e tempo. Para além disto, através do projecto PROFORBIOMED, a DGMA desenvolveu um software que processa de forma mais rápida os dados recolhidos. O programa calcula o volume de biomassa e outros parâmetros importantes para a gestão florestal, com base nos dados obtidos e integrando os dados do Inventário Florestal Nacional. Foram organizados vários seminários, com o principal objectivo de fornecer aos técnicos regionais e empresas de engenharia, a metodologia específica para o uso da ferramenta desenvolvida. Esta acção facilita a padronização dos planos na Região de Múrcia. Como resultado, o primeiro Plano de Gestão de Biomassa Florestal foi elaborado para a floresta pública Serra de Burete (Cehegín, Região de Múrcia, Espanha). 9

10 POTENCIAL DE BIOENERGIA DAS TERRAS FLORESTAIS DA LAZIO Após o levantamento da flora e vegetação de Lazio e da análise dos recursos florestais, o Instituto Italiano de Protecção e Pesquisa Ambiental (ISPRA) desenvolveu uma metodologia para avaliar o potencial de bioenergia dos recursos da floresta e fora desta, sem aumentar a pressão ou prejudicar o meio ambiente. O ISPRA focou-se no papel das culturas de curta rotação (CCR) para o fornecimento de bioenergia. O ISPRA realizou um estudo para avaliar a quantidade de terras que poderiam ser destinadas às CCR. Este instituto focou-se nos potenciais impactos das CCR para bioenergia e em vários aspectos do ambiente e da paisagem, incluindo a biodiversidade e os serviços provenientes dos ecossistemas. Com base nos resultados de estudos anteriores foram elaboradas directrizes, a fim de fornecer assessoria às partes interessadas sobre a escolha do local, espécies, criação de zonas técnicas de cultivo do solo, técnicas de plantação, gestão da cultura e métodos de colheita, tendo em conta o conceito de sustentabilidade ambiental. Foi também realizada uma análise económica e de sensibilidade da espécie Robinia pseudoacacia. O trabalho realizado pelo ISPRA sobre os impactes ambientais das CCR corresponde à acção-piloto 1.6 (parcelas de demonstração com plantações energéticas de curta rotação); as directrizes criadas para a Itália seguiram assim, as indicações e recomendações da acção piloto 1.6. Os parceiros PROFORBIOMED trabalharam nesta perspectiva para desenvolverem novas ferramentas e métodos para formalizar planos de gestão e avaliar o potencial bioenergético florestal. Por exemplo, tanto os governos regionais de Múrcia, como de Valência pesquisaram, com sucesso, formas de recolher mais rapidamente e economicamente os dados de silvicultura necessários, com base em inventários existentes e novas tecnologias. 10

11 BIOMASSA DISPONÍVEL E OS PROCEDIMENTOS DE COLHEITA Foram realizados, pela ARGEM (Agência de Energia da Região de Múrcia), vários estudos para a determinação de uma zona com uma alta produção de agrobiomassa no município de Cieza. Através de ferramentas de sistemas de informação geográfica (SIG), foi calculada a quantidade de biomassa disponível a cada ano para um total de 542 mil toneladas, a maior parte proveniente de actividades agrícolas. Além disso, foi desenvolvido um teste para melhorar os procedimentos de coleta de agro-biomassa, a fim de reduzir os custos finais, permitindo mais eficácia ao nível de custos de matéria-prima na produção de biocombustíveis e estilha de madeira. Os resultados finais revelam reduções de potenciais custos de cerca de 45 %, a partir de 50 a 27 por tonelada (20 % de humidade). Principais impactes do projecto no território Na Região de Múrcia, o trabalho da Direcção-Geral do Ambiente (DGMA), em particular as novas ferramentas que foram desenvolvidas, tem contribuído para o aparecimento de grande interesse na elaboração de Planos de Gestão de Biomassa Florestal, e para a sua implementação e gestão em florestas públicas e privadas. Este trabalho também ajudou a melhorar a cooperação entre os quadros técnicos, as empresas do sector florestal e os GESTÃO DE PLANTAÇÕES PARA A PROMO- ÇÃO DE UMA CADEIA DE FORNECIMENTO FLORESTA-MADEIRA-ENERGIA A região da Sicília realizou um estudo sobre a madeira obtida a partir da renaturalização da reflorestação nas Montanhas Sicani. O estudo foi realizado para avaliar a biomassa, numa base territorial para toda a área com recurso ao SIG, e numa base municipal através da realização de um plano de gestão, em que foram utilizados dados dendrométricos experimentais da Universidade de Palermo. Além disso, foi realizada uma actividade experimental numa área de teste (1 ha) para a biomassa da colheita a partir de um desbaste selectivo de Pinus halepensis. Os resultados confirmam que o desenvolvimento de uma cadeia de fornecimento floresta-madeira-energia é apropriado para fornecer uma central de co-geração que estaria localizada em cada zona do concelho, dimensionada de acordo com a disponibilidade da biomassa. 11

12 ELABORAÇÃO DE UMA METODOLOGIA INOVADORA PARA O DESENVOLVIMENTO DE PLANOS DE GESTÃO FLORESTAL A Generalitat Valenciana desenvolveu uma metodologia inovadora para o desenvolvimento de planos de gestão florestal, com foco na produção sustentável de biomassa florestal. Esta metodologia baseia-se na combinação da tecnologia LIDAR e de técnicas de inventário florestal convencionais. A aplicação deste método no campo é uma forma menos dispendiosa para a obtenção de dados provenientes da silvicultura, uma vez que requer menor número de parcelas do que um inventário florestal. ao uso desta nova metodologia. É complementada por um documento técnico que descreve a metodologia, fornece mapas e inclui toda a documentação da gestão de projectos. A floresta pública Serra Negrete, localizada no município de Utiel (Valência), é gerida pela Generalitat Valenciana e propriedade da cidade de Utiel. O seu plano de gestão florestal foi criado pela Generalitat Valenciana com recurso proprietários florestais privados. Em última análise, irá apoiar o sector florestal na região, através do uso sustentável da biomassa. " Desenvolvimento de novas ferramentas e métodos para projectar planos de gestão e avaliar o potencial bioenergético das florestas" Em Valência, o desenvolvimento da metodologia e a sua comunicação aos proprietários florestais e técnicos tem promovido o desenvolvimento de um maior número de planos de gestão florestal. Reduzir o custo de aplicação desta metodologia é fundamental para incentivar os proprietários de terras públicas e privadas a gerir as suas propriedades florestais. A área de floresta gerida de forma sustentável irá assim aumentar, conduzindo a uma maior rentabilidade económica e a benefícios ambientais. 12

13 USO DE BIOMASSA: NOVOS USOS E USOS COMBINADOS A biomassa florestal residual é usada principalmente para fins energéticos, para a produção de calor, electricidade, ou ambos através de combustão. Assim, foram realizados estudos para avaliar a viabilidade e os benefícios de uma mudança de combustíveis fósseis para as energias renováveis, como a biomassa ou biogás. O projeto PROFORBIOMED também tem realizado estudos no desenvolvimento de novos usos para a biomassa, para expandir as possibilidades oferecidas pelas cadeias de valor de biomassa. Um exemplo de novas utilizações são os compostos encontrados na madeira e em outras partes da planta. Uma das tarefas do Centro de Investigação em Ciências do Ambiente e Empresariais (CICAE), em Portugal, foi a sua identificação, a caracterização e quantificação em várias amostras, em particular de parcelas acção-piloto do projecto. Parceiros: Algar Region West. Macedonia Univ. West. Macedonia CICAE / INUAF Outra possibilidade para utilização da biomassa é usá-la juntamente com outros materiais, para evitar a grande mudança em instalações já existentes. Por exemplo, a central energética Kardia, SISTEMA DE AQUECIMENTO DE UMA PISCINA A ALGAR, a agência para o tratamento de resíduos sólidos no Algarve, conduziu um estudo sobre a avaliação do retorno económico, ambiental e social da substituição na piscina interior de São Brás de Alportel, de um sistema de aquecimento a gasóleo por um sistema a biomassa. Duas caldeiras a gasóleo, com o apoio adicional de painéis solares instalados no telhado, eram suficientes para as necessidades térmicas da piscina. Motivada pelos aumentos constantes no preço do diesel, a gestão da piscina decidiu procurar uma solução de energia alternativa para a redução dos elevados custos operacionais. A metodologia aplicada neste estudo foi baseada na comparação do consumo actual do diesel e nos valores da biomassa como fonte de energia alternativa. Como resultado, o novo sistema irá adoptar uma caldeira a pellets, que requer uma revisão da capacidade do tanque e um projecto para solucionar o armazenamento dos pellets. Uma vez identificados os investimentos e os custos operacionais, o estudo de viabilidade económica irá considerar os gastos de energia para a piscina através do consumo actual do diesel, comparado com a mesma energia fornecida por um sistema de biomassa a pellets. 13

14 UNIDADE DE BIOGÁS E INSTALAÇÃO DE PRO- DUÇÃO DE PELLETS A Região da Macedónia Ocidental apoiou um projecto na área da Servia-Velventos para a construção de uma unidade combinada de produção de biogás e pellets. A principal matéria-prima do biogás serão os resíduos de animais com uma menor proporção de resíduos agrícolas (70/30). O Centro de Investigação e Tecnologia Hellas/processos químicos e Instituto de Recursos Energéticos (CERTH/ CPERI) apoia o município de Servia-Velventós na preparação dos documentos para o projecto que será financiado através do mecanismo de Apoio Europeu Conjunto para o Investimento Sustentável em Áreas Urbanas (JESSICA)*. Este projecto tem como objectivo, economizar os recursos (por substituição de combustíveis importados para resíduos não utilizados), controlar a queima de resíduos e a emissão de poluentes (usando novas tecnologias), melhorar o perfil energético da região (para atrair novos investimentos), e contribuir para a meta nacional de diminuição das emissões de gases com efeito de estufa. *Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas na Grécia, não fez uma mudança completa do carvão de lenhite a biomassa, mas sim várias experiências com combinação de ambos os combustíveis. " As emissões de CO2 associadas à combustão de biomassa são consideradas zero " Principais impactes do projecto nos territórios No Algarve (Portugal), a transformação de um sistema de aquecimento a biomassa de uma piscina, irá contribuir para o desenvolvimento territorial, através da utilização de um material regional. Irá também reduzir o uso de combustíveis fósseis e os custos económicos (até 60 %). Para além dos indicadores económicos muito atractivos, a instalação de uma caldeira a pellets conduz a benefícios ambientais significativos. As emissões de CO 2 associadas à combustão de biomassa são considerados zero, porque as árvores que produzem esta biomassa combustível durante o seu crescimento absorvem a mesma quantidade de CO 2 que a emitida em combustão. Na Macedónia Ocidental, o projecto de uma nova unidade de biogás irá desenvolver novos empregos (directos e indirectos) na cadeia de matérias-primas e produtos finais, juntamente com condições propícias para futuros investimentos semelhantes (centrais de produção de energia, sistemas de produção 14

15 descentralizados, etc). Também irá contribuir para o uso de sub- -produtos, actualmente inexploradas, criando novas cadeias de valor acrescentado. Finalmente, os investimentos realizados criam redes para o desenvolvimento de tecnologias de energia renovável. Na Grécia, a acção-piloto liderada pela Universidade promove o uso da biomassa lenhosa, entre os agentes locais interessadas, para fins de calor e energia, reforçando a mensagem do Cluster Bioenergia na região e promovendo o desenvolvimento de biomassa e bioenergia, para uma economia regional mais verde e mais próspera. A biomassa florestal surge como uma matéria-prima ideal para a recuperação, de forma sustentável, de compostos de valor acrescentado provenientes dos recursos naturais. Ainda na região do Algarve, a caracterização e identificação de compostos químicos, com grande interesse e valor acrescentado, provenientes de biomassa florestal residual permite a criação de uma nova cadeia de valor, o que pode melhorar o CO-INCINERAÇÃO DE BIOMASSA COM LENHITE A co-incineração foi realizada na estação de energia Kardia em Kozani, Grécia. O objetivo da operação foi a mistura da biomassa lenhosa e carvão de lenhite para o abastecimento de uma unidade de energia já existente. A duração da co-incineração foi cerca de 14 horas e foram introduzidos 510 toneladas de estilha de madeira, juntamente com o carvão, numa das unidades de energia; foi mantida uma carga de potência de 225 MW durante a co-combustão. A substituição de biomassa foi de cerca de 2,1 % com base no peso que corresponde a 6,22 % numa base de energia (com base em sistemas térmicos com valores de aquecimento mais baixos para a lenhite e estilha de madeira). A mistura foi feita nas fábricas normais que pulverizaram o carvão e todo o procedimento decorreu de forma muito satisfatória. No geral, o teste piloto foi bem-sucedido e toda a operação decorreu de forma facilitada, sem problemas significativos, evitando as principais ameaças para os padrões operacionais estabelecidos pela fábrica. A co-incineração contou com a presença de representantes do Instituto de Processos Químicos e Recursos Energéticos (CPERI/CERTH) e da Agência Regional para o Desenvolvimento da Macedónia Ocidental (ANKO, SA), aumentando assim o público e enriquecendo a discussão do potencial global da actividade. 15

16 PRINCIPAIS COMPOSTOS DE VALOR ACRES- CENTADO DA BIOMASSA FLORESTAL RESIDUAL O Centro de Investigação em Ciências do Ambiente e Empresariais do INUAF (Portugal), desenvolveu um estudo sobre os compostos de valor acrescentado que podem ser obtidos da biomassa florestal residual. Foram identificados, caracterizados e quantificados, em várias amostras, compostos que poderão ter valor económico acrescido. Por exemplo, nas amostras de eucalipto, considerou-se o seguinte: - As amostras são ricas em óleos essenciais e lipofílico volátil não extraível - Estão presentes sesquiterpenos, aromadendreno e alloaromadendrene - Um dos principais compostos identificados foi o globulol - Estão presentes ácidos gordos, como o ácido palmítico. desenvolvimento económico dos produtores. A identificação e quantificação dos compostos de valor acrescentado é o primeiro passo de um esquema mais amplo; o próximo passo será a determinação da actividade antioxidante. Em última análise, a biomassa florestal surge como uma matéria-prima ideal para a recuperação dos recursos naturais de forma sustentável e para a obtenção de compostos de interesse. MOBILIZAÇÃO DE BIOMASSA TRACEABILIDADE DA BIOMASSA: UM NOVO PROTOCOLO PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE E QUALIDADE A Fundação para o Ambiente de Lombardia (FLA), em cooperação com os outros parceiros do projecto, desenvolveram e testaram um novo protocolo para o estabelecimento de princípios e requisitos técnicos para a traceabilidade da biomassa florestal ao longo de toda a cadeia de abastecimento. O protocolo pretende contribuir para a promoção do uso responsável dos recursos florestais para fins energéticos. O novo sistema de traceabilidade define procedimentos, instruções de trabalho e medidas de manutenção de registos que garantam a identificação dos lotes de biomassa ao longo de toda a cadeia de abastecimento. 16

17 MOBILIZAÇÃO DE BIOMASSA: NOVAS FERRAMENTAS Um dos objectivos do projecto PROFORBIOMED é estabelecer estratégias de desenvolvimento integrado para as energias renováveis, em particular através da melhoria dos aspectos técnicos, logísticos e ambientais das cadeias de produção de biomassa. Isto inclui o desenvolvimento de novas ferramentas, metodologias e de técnicas para a colheita de biomassa florestal sustentáveis, que reduzam os custos para os proprietários e preservem o ambiente. Uma das acções-piloto foi a extração completa da biomassa de árvores, que foram realizadas em várias áreas-piloto (incluindo o sul da França e Catalunha). O objectivo foi a promoção da árvore como um todo, reduzindo os custos operacionais e a avaliação do impacte sobre o ambiente (em particular sobre o solo e nutrientes). Parceiros: FLA CTFC EXTRACÇÃO DA ÁRVORE INTEIRA PARA APROVEITAMENTO DA BIOMASSA A equipa do CTFC realizou um grande conjunto de medidas para melhor avaliar a viabilidade económica da extracção de biomassa através de um sistema de colheita completa de árvores. Em particular, concentraram-se na utilização da maquinaria Feller-buncher. Estas medidas também levaram o CTFC a criar e sugerir uma metodologia para a avaliação dos impactes a longo prazo deste tipo de extracção. Principais impactes do projecto sobre o território O trabalho do CTFC (Centro de Tecnologia Florestal da Catalunha) forneceu uma visão sobre a viabilidade económica e ambiental da extração completa de biomassa de árvores, juntamente com uma avaliação dos seus impactes. Este centro também analisou qual a necessidade de subsídios para a realização de operações de desbaste. Os seus esforços também pretendem sensibilizar os gestores florestais para a necessidade da monitorização dos impactes a longo prazo. 17

18 Parceiros: AIFM DISSEMINAÇÃO DOS RESULTADOS DO PROJECTO Para que as actividades e os resultados do projecto fossem amplamente divulgados, os vários parceiros fizerem esforços especiais para delinear uma estratégia de comunicação. O objectivo foi a promoção e divulgação do projecto e as suas áreas de maior interesse: biomassa florestal, diversidade da florestal mediterrânica e as suas especificidades e desafios para a economia local e para o ambiente. Principais impactes do projecto sobre os territórios Durante todo o projecto, as actividades de comunicação tiveram um elevado impacto. O site do projeto recebeu mais de visitas em Julho de 2014, e as redes sociais obtiveram 273 gostos (Facebook) e 185 membros (LinkedIn), respectivamente. " Promover o projecto e fornecer informações sobre este, e as suas principais áreas de interesse: a biomassa florestal, a diversidade da floresta mediterrânea... O principal evento organizado no âmbito do projecto, a conferência internacional final, reuniu cerca de 100 pessoas que visitaram as áreas-piloto, discutiram sobre os projetos de biomassa em curso na área e debateram sobre os desafios relacionados com a biomassa. 18

19 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL FINAL A Associação Internacional das Florestas do Mediterrâneo (AIFN), juntamente com o CRPF, organizaram a conferência internacional final do projecto, em Marselha (França) nos dias 19 e 20 de Junho de 2014, onde foram apresentados os resultados do projecto e discutido o desenvolvimento da biomassa, os seus impactes e o seu futuro na bacia do Mediterrâneo. A conferência iniciou-se com uma visita de campo às áreas piloto do CRPF, onde esteve presente um grupo de proprietários florestais privados para a produção de biomassa que fizeram uma apresentação, no local, para os parceiros do projecto sobre a temática em questão no sul da França. O segundo dia focou-se em duas questões principais: onde e como mobilizar biomassa e quais as tecnologias e estruturas organizacionais que devem ser implementadas. As apresentações das acções do projeto (projectos-piloto, capitalização e actividades de comunicação) forneceram abordagens tangíveis no âmbito das questões colocadas no debate. Editor: AIFM (International Association for Mediterranean Forests) 14, rue Louis Astouin Marsiglia Γαλλία Tel: +33 (0) Design gráfico: Falhène Productions Moca Moca Croce Γαλλία Tel: +33 (0) Tradução: Centro de Investigação em Ciências do Ambiente e Empresariais (CICAE) Fotografia: PROFORBIOMED, Marie de Guisa, Nicolas Joly, MEDLAND 2020, Falhène Productions. impresso na UE. Copyrights : Outubro 2014 ISBN:

20 PARCERIA Para mais informações, visite o site do projecto: Ou contacte: Roque Perez Palazon (Região de Múrcia) Endereço electrónico: O projecto PROFORBIOMED também está presente em : Facebook: Proforbiomed E no LinkedIn: Group Proforbiomed (Mediterranean Forest Biomass for Energy) Esta publicação é co-financiada pelo FEDER no âmbito do Projecto PROFORBIOMED, Promoção da Biomassa Florestal na Bacia do Mediterrâneo No. Ref. (1S-MED ). A responsabilidade do conteúdo desta publicação é dos autores. A publicação não reflecte necessariamente a opinião das Comunidades Europeias ou do Programa MED. A Comissão Europeia não é responsável por qualquer uso que possa ser feito das informações contidas nesta publicação.

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas Luís Costa Leal Director-Geral CELPA, Associação da Indústria Papeleira CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Nesta

Leia mais

PROPOSTA DE SOLUÇÕES E INSTRUMENTOS INOVADORES PARA A CONSERVAÇÃO E GESTÃO SUSTENTÁVEL E INTELIGENTE DOS RECURSOS NATURAIS DA REGIÃO DO MEDITERRÂNEO

PROPOSTA DE SOLUÇÕES E INSTRUMENTOS INOVADORES PARA A CONSERVAÇÃO E GESTÃO SUSTENTÁVEL E INTELIGENTE DOS RECURSOS NATURAIS DA REGIÃO DO MEDITERRÂNEO PROPOSTA DE SOLUÇÕES E INSTRUMENTOS INOVADORES PARA A CONSERVAÇÃO E GESTÃO SUSTENTÁVEL E INTELIGENTE DOS RECURSOS NATURAIS DA REGIÃO DO MEDITERRÂNEO página 2 INTRODUÇÃO As florestas e os espaços naturais

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do artigo 175. o, Tendo em conta a proposta da Comissão ( 1 ),

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do artigo 175. o, Tendo em conta a proposta da Comissão ( 1 ), L 123/42 DIRECTIVA 2003/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 8 de Maio de 2003 relativa à promoção da utilização de biocombustíveis ou de outros combustíveis renováveis nos transportes O PARLAMENTO

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? O uso de biomassa florestal

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011 O papel dos biocombustíveis na política energética nacional Seminário Internacional sobre Políticas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013 do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt)

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) Digestão anaeróbia Santino Di Berardino em Porto santo Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) 1 1 Introdução O desenvolvimento

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA Projeto Energia Construção Sustentável www.cezero.pt / www.cezero.com.br CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA PROJETO Arquitetura e sistemas construtivos Maximização

Leia mais

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável Seminário: Biomassa Florestal, Energia e Desenvolvimento Rural João Bernardo, DGGE Índice Enquadramento do Sector Energético As fontes de Energia Renovável

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 289/XII/1.ª RECOMENDA AO GOVERNO A VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA DA BIOMASSA NO OBJETIVO DE PROTEÇÃO DA FLORESTA

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 289/XII/1.ª RECOMENDA AO GOVERNO A VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA DA BIOMASSA NO OBJETIVO DE PROTEÇÃO DA FLORESTA PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 289/XII/1.ª RECOMENDA AO GOVERNO A VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA DA BIOMASSA NO OBJETIVO DE PROTEÇÃO DA FLORESTA Os desafios do futuro da nossa sociedade obrigam a uma nova abordagem

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

FORNECEMOS EQUIPAMENTOS E LINHAS COMPLETAS PARA FABRICAÇÃO DE PELLET S PELLETS DE MADEIRA O COMBUSTIVEL DE AMANHÃ

FORNECEMOS EQUIPAMENTOS E LINHAS COMPLETAS PARA FABRICAÇÃO DE PELLET S PELLETS DE MADEIRA O COMBUSTIVEL DE AMANHÃ FORNECEMOS EQUIPAMENTOS E LINHAS COMPLETAS PARA FABRICAÇÃO DE PELLET S PELLETS DE MADEIRA O COMBUSTIVEL DE AMANHÃ Os Pellets são um combustível ideal, limpo e de CO2 neutro. Podem ser produzidos através

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

Administrador da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. Uma parceria EDP / ALTRI

Administrador da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. Uma parceria EDP / ALTRI Avaliação de Impactes e Energia Geração de Energia Eléctrica a partir de Biomassa A experiência pioneira da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. na Central Termoeléctrica a Biomassa Florestal Residual de Mortágua

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA 15-09-2011 Agostinho Figueira TÓPICOS: 1. Política energética 2. Integração de fontes de energia renovável 3. Sistema electroprodutor Fontes renováveis 4. Plano de acção -

Leia mais

AMBINOV SOLUÇÕES INOVADORAS EM AMBIENTE, RESÍDUOS E ENERGIAS RENOVÁVEIS CARACTERIZAÇÃO

AMBINOV SOLUÇÕES INOVADORAS EM AMBIENTE, RESÍDUOS E ENERGIAS RENOVÁVEIS CARACTERIZAÇÃO AMBINOV SOLUÇÕES INOVADORAS EM AMBIENTE, RESÍDUOS E ENERGIAS RENOVÁVEIS CARACTERIZAÇÃO A Estratégia de Eficiência Colectiva (EEC) PROVERE AMBINOV Soluções Inovadoras em Ambiente, Resíduos e Energias Renováveis

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

Soluções Biomassa. Recuperadores de calor ventilados a lenha. Recuperadores de calor ventilados a pellets. Recuperadores de calor a água a lenha

Soluções Biomassa. Recuperadores de calor ventilados a lenha. Recuperadores de calor ventilados a pellets. Recuperadores de calor a água a lenha Soluções Biomassa Recuperadores de calor ventilados a lenha Recuperadores de calor ventilados a pellets Recuperadores de calor a água a lenha Recuperadores de calor a água a pellets Salamandras ventiladas

Leia mais

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Direcção Regional de Florestas do Alentejo Lisboa, 21 de Julho de 2011 Sistemas Fundamentais

Leia mais

O futuro da energia. Pro2.

O futuro da energia. Pro2. O futuro da energia. Pro2. w O FUTURO DA ENERGIA Mais exigência, mais desempenho. Pro2. A Pro2 é o seu parceiro de excelência de sistemas para tecnologias de energia descentralizada e bioenergia. As nossas

Leia mais

Biomassa. A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido

Biomassa. A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido Biomassa A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido Paulo Preto dos Santos Secretário-Geral da Associação de Produtores de Energia e Biomassa 15/10/2013

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Compras Públicas Conjuntas. Recomendações para o desenvolvimento de Planos de acção Locais para a Eficiência Energética

Compras Públicas Conjuntas. Recomendações para o desenvolvimento de Planos de acção Locais para a Eficiência Energética Compras Públicas Conjuntas Recomendações para o desenvolvimento de Planos de acção Locais para a Eficiência Energética Compras energeticamente eficientes nas autoridades públicas Obstáculos e Oportunidades

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

Seminário de Pré-lançamento. Madrid 1 de julho de 2015

Seminário de Pré-lançamento. Madrid 1 de julho de 2015 Seminário de Pré-lançamento Madrid 1 de julho de 2015 Balanço do Programa Sudoe 2007-2013 Resultados quantitativos 2007/2013 Eixo FEDER Nº de projetos Nº de beneficiários Nº Beneficiários Principais PT

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

Inovação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A.

Inovação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Inovação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Inovação Em 2010 verificou-se uma notoriedade sem precedentes dos produtos e soluções de cortiça e um reforço do seu posicionamento

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

TREDD. Testando Opções e Arranjos Institucionais Eficientes para a Promoção da Extracção Sustentável da Energia de Biomassa Carvão Vegetal em Sofala

TREDD. Testando Opções e Arranjos Institucionais Eficientes para a Promoção da Extracção Sustentável da Energia de Biomassa Carvão Vegetal em Sofala TREDD Testando Opções e Arranjos Institucionais Eficientes para a Promoção da Extracção Sustentável da Energia de Biomassa Carvão Vegetal em Sofala As causas do desmatamento e degradação florestal são

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR)

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Em consulta pública O Projecto de Plano Nacional de Gestão de Resíduos (PNGR 2011-2020), bem como o Relatório Ambiental e o Resumo Não Técnico da Avaliação

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

Parcerias entres Entidades Públicas e Privadas para Territórios

Parcerias entres Entidades Públicas e Privadas para Territórios Parcerias entres Entidades Públicas e Privadas para Territórios Parcerias entres Entidades Públicas e Privadas para Territórios Agro-energéticos utilizando FER Agro-energéticos utilizando FER Parcerias

Leia mais

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA e DIRECTIVA ErP, PORQUÊ? Travar a mudança climática, garantir o abastecimento de energia e aumentar a competitividade industrial

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017 Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Cristina Carreiras Pedro Baptista APA, 25-06-2015 LIFE 2014-2020 Áreas Prioritárias Subprograma Ambiente Ambiente

Leia mais

FOCUS GROUP IV. Sustentabilidade Energética na Agricultura e Florestas

FOCUS GROUP IV. Sustentabilidade Energética na Agricultura e Florestas 1 FOCUS GROUP IV Sustentabilidade Energética na Agricultura e Florestas Eduardo Ferreira DEM Universidade do Minho 2 Conteúdo * Enquadramento; renováveis; biomassa * Aplicações da biomassa - rendimentos

Leia mais

Requalificação Urbana pela Iluminação Pública (Efficient Lighting) Nuno Canta Vice Presidente Município de Montijo

Requalificação Urbana pela Iluminação Pública (Efficient Lighting) Nuno Canta Vice Presidente Município de Montijo Requalificação Urbana pela Iluminação Pública (Efficient Lighting) Nuno Canta Vice Presidente Município de Montijo Resumo Município de Montijo Desafios Globais Visão Acção Local Boas Práticas Conclusões

Leia mais

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada Zona de Protecção Especial de Castro Verde: local de estudo em Portugal Projecto PRACTICE Prevention and

Leia mais

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

LIFE-Países Terceiros 2005: a Comissão vai financiar projectos ambientais em países terceiros, num montante superior a 6 milhões de euros

LIFE-Países Terceiros 2005: a Comissão vai financiar projectos ambientais em países terceiros, num montante superior a 6 milhões de euros IP/05/1156 Bruxelas, 19 de Setembro de 2005 LIFE-Países Terceiros 2005: a Comissão vai financiar projectos ambientais em países terceiros, num montante superior a 6 milhões de euros A Comissão Europeia

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Lisboa, 20 de Novembro 2009 Cláudio Casimiro claudio.casimiro@ceeeta.pt tel. +351 213 103 510 fax +351 213 104 411 Rua Dr. António Cândido,

Leia mais

Um Caso de Estudo: Central de Biomassa de Belmonte

Um Caso de Estudo: Central de Biomassa de Belmonte A Multifuncionalidade da Floresta: Silvopastoricia e Biomassa Floresta Biomassa florestal Residual Um Caso de Estudo: Central de Biomassa de Belmonte COTF - 10 de Abril de 2008 Lousã - Centro de Operações

Leia mais

Ministério da Energia

Ministério da Energia Ministério da Energia O PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DE BIOENERGIA EM MOÇAMBIQUE Apresentação na 2ª Semana de Bioenergia Maputo, 05 de Maio de 2014 14-05-2014 1 JUSTIFICAÇÃO As principais motivações

Leia mais

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro Nota complementar e explicativa Setembro de 2012 IDENTIFICAÇÃO Título: Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) - Município

Leia mais

SUSTENTABILIDADE URBANA

SUSTENTABILIDADE URBANA 1ª FEIRA IBÉRICA SUSTENTABILIDADE URBANA ENERGIA, SUSTENTABILIDADE, CIDADANIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 8 de Junho de 2011 ENERGIA e SUSTENTABILIDADE Utilização Racional de Energia

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal Francisco Goes Aveiro, 20 de Março de 2014 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Índice 1. A CELPA 2. O eucaliptal nacional 3.

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes);

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes); SUMÁRIO EXECUTIVO Enquadramento do Estudo O Estudo Económico de Desenvolvimento da Fileira do medronho enquadra-se na estratégia de valorização da floresta do, procurando estudar a dinamização da fileira

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

Biomassa. A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido

Biomassa. A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido Biomassa A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido Paulo Preto dos Santos Secretário-Geral da Associação de Produtores de Energia e Biomassa 28/11/2013

Leia mais

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário Nota Explicativa O Estudo Prospectivo da Fileira Florestal" tem como objectivo iniciar um processo de caracterização na óptica da inovação e transferências de tecnologias de de uma visão de conjunto integrada

Leia mais

A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política de biocombustíveis

A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política de biocombustíveis Seminário Internacional sobre Politicas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa 20 de Junho de 2011 FLAD Lisboa Portugal A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo]

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] 1. ENQUADRAMENTO Ao longo de 2009 consolidou-se em Portugal o reconhecimento de que

Leia mais

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES)

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Esquema da apresentação: Objectivos da PAC pós-2013 Orientações propostas

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel Motor Diesel p02 Vantagens na utilização do Biodiesel p04 Vantagens do Eco Óleo p05 Dúvidas mais freqüentes p08 Óleos Vegetais Biodiesel p11 Características do Biodiesel p13 Meio Ambiente: Responsabilidade

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL

A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL Ciclo de Mesas Redondas A APREN e as Universidades Comemoração do Dia Internacional das Florestas Cláudia Sousa, CBE Aveiro, 20 março de 2014

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal

Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal A Biomassa Florestal, energia e desenvolvimento rural Universidade Católica do Porto Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal Centro de Biomassa para a Energia 1 O QUE É A BIOMASSA? De acordo

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

Pellets Power, Lda. Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa. www.sustainablebiomasspartnership.org

Pellets Power, Lda. Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa. www.sustainablebiomasspartnership.org Pellets Power, Lda Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa www.sustainablebiomasspartnership.org Version 1.0 March 2015 For further information on the SBP Framework and to view the

Leia mais

Manifesto europeu para o turismo náutico sustentável

Manifesto europeu para o turismo náutico sustentável INTRODUÇÃO Através de várias iniciativas, incluindo as declarações sobre turismo de Manila e Haia, a comunidade internacional confirmou a importância do papel do turismo de veicular o desenvolvimento social

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.281.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Vote pelo seu ambiente

Vote pelo seu ambiente Vote pelo seu ambiente Um apelo ambiental para a ação do Parlamento Europeu de 2014-2019 Fotos: Susana Alves, Rúben Coelho e Pedro Geraldes Um papel claro para Europa O grande volume de desafios que a

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM PROJETO PAYS.MED.URBAN

EXPERIÊNCIA DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM PROJETO PAYS.MED.URBAN EXPERIÊNCIA DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM EXPERIÊNCIAS DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM A cooperação transnacional, no âmbito das problemáticas de desenvolvimento territorial e dos processos de transformação da paisagem

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais