Situação atual e perspectivas da utilização da biomassa para a geração de energia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Situação atual e perspectivas da utilização da biomassa para a geração de energia"

Transcrição

1 1 Situação atual e perspectivas da utilização da biomassa para a geração de energia M. A. Brand, UNIPLAC; M. D. Neves, TRACTEBEL ENERGIA Resumo- Este trabalho consiste em um levantamento da situação atual do uso da biomassa para a geração de energia no Brasil e mundo. A partir da análise destes dados foi feita uma discussão das perspectivas futuras para o uso e otimização do uso da biomassa, principalmente em sistemas de co-geração de energia. Palavras-chave co-geração, biomassa, energia. I. INTRODUÇÃO O desenvolvimento dos renováveis tem sido mais lento que o projetado, em 1993, pelo World Energy Council (WEG) através da publicação Energy for Tomorrow s World (ETW) do ano 2000 [11] e [12]. Para os renováveis, foi esperado um aumento na energia primária total e na produção de energia elétrica. Porém, esta previsão não se concretizou em nível global. No entanto, os países em desenvolvimento são especialmente ricos no que se refere a potencialidade de recursos energéticos renováveis como biomassa, insolação solar e hídrica. No Brasil, por exemplo, 60% da energia primária vem de recursos renováveis como a hídrica e biomassa. Na América latina e Caribe os renováveis contribuem com 34% [11. [11] e [6] concordam, no entanto, que a produção de bioenergia como aquecimento, eletricidade e combustíveis líquidos representa em torno de 14% do suprimento mundial de energia primária, sendo que, em torno de 25% do uso está no paises industrializados e os outros 75% são usados nos paises em desenvolvimento. [11] acrescenta ainda que a maioria desta energia (madeira, resíduos de colheita e esterco de animais) não é de fontes sustentáveis, a menos que sejam transformadas em biomassa moderna. Porém, isto ainda representa o dobro da quantidade de energia suprida pela hidroeletricidade, e aproximadamente seis vezes a quantidade suprida pelos novos renováveis. Segundo [9], em se tratando somente da biomassa, esta tem sido usada de forma crescente no mundo como insumo energético; muito mais para usos finais como energia térmica, mas já de forma importante como geradora de energia elétrica, e de forma também crescente como origem de combustíveis líquidos (etanol). A biomassa tradicional e os novos renováveis modernos representam uma importante parte do suprimento de energia Este trabalho foi apoiado financeiramente pela empresa Tractebel Energia, Universidade do Planalto Catarinense UNIPLAC. M.A. Brand, trabalha na UNIPLAC e UDESC ( M. D. Neves, trabalha na Tractebel Energia ( total primária. Em 1990 do total de 8,8 Gtoe (Gigatoneladas equivalente de petróleo) aproximadamente 1,1 Gtoe (12,5%) vieram destes recursos. Espera-se ter um crescimento de 4 a 7% ao ano até 2020 com relação ao novos renováveis (moderna biomassa, vento, solar, geotérmica, marés pequenas hidroelétricas) [12]. Porém, a previsão do [11] é de que a contribuição dos recursos naturais tradicionais não comerciais (principalmente biomassa e resíduos) permaneça com as mesmas taxas atuais para o consumo anual, em Os renováveis são praticamente um suprimento de energia ilimitado se for considerado que a energia necessária para a sua produção vem do sol. Eles são também principalmente de uso doméstico ou local. O problema é que os novos renováveis não conseguem competir com os recursos de energia convencional e necessitam de grandes subsídios. Porém, isso não significa que os renováveis não devam ser incentivados para a economia de escala e para o desenvolvimento de novas tecnologias [12. Assim, este objetivo deste trabalho foi realizar uma avaliação da situação atual de uso de recursos renováveis, principalmente biomassa, para a geração de energia, e quais são as perspectivas futuras para o uso da biomassa para a geração de energia. II. MATERIAL E MÉTODOS Os dados levantados para as discussões realizadas neste trabalho foram buscados em dados estatísticos de órgãos nacionais, como no Ministério de Minas e Energia e publicações internacionais como as oriundas da Agência Internacional de Energia (EIA). III. RESULTADOS E DISCUSSÃO Em 2020, os novos renováveis (incluindo a biomassa moderna) pode representar de 3 a 12% do total do suprimento da energia primária. Porém, se os novos renováveis crescerem significativamente o custo subjacente para isso seria enorme. Em particular, uma porção de Mtoe (energia primária) dos novos renováveis em 2020 (em torno de 2 a 3% ) seria concentrado no setor de energia elétrica, onde poderia representar TWh (energia final). Além disso, enquanto a biomassa moderna poderá ter um grande crescimento, os outros renováveis (principalmente vento, solar, geotérmico e pequenas hidroelétricas) provavelmente não terão uma expressão significativa na estratégia de diversificação na disponibilidade de energia entre agora e 2020

2 2 [12]. A biomassa moderna lentamente substituirá a biomassa tradicional nas áreas rurais em torno do mundo. Em 2020, a biomassa tradicional declinará para em torno de 20% da demanda de energia total nos países em desenvolvimento, reduzindo a ineficiência de uso [12]. Além disso, atualmente estima-se que exista no mundo (10 6 ) ha de florestas. A área média de floresta e florestamentos por habitante varia entre 6,6 ha na Oceania, 0,2 ha na Ásia e 1,4 ha na Europa. A cobertura total de biomassa florestal é em torno de 420 (10 9 ) toneladas, dos quais mais de 40% está localizado na América do Sul [6]. Estimativas feitas pela FAO, em 2000, mostram que a produção global e uso da madeira para combustível e madeira roliça alcançou aproximadamente (10 6 ) m 3 em Em torno de 55% foi usado diretamente como combustível e como lenha e em torno de 90% disto foi produzido e consumido nos paises em desenvolvimento. O remanescente, 45%, foi usado como matéria-prima industrial, porém, em torno de 40% deste se tornou resíduos em processos de transformação primária e secundária, utilizável somente para geração de energia. O potencial total de biomassa sustentável no mundo é de 100 EJ/a (a parcela de biomassa madeirável é de 41,6 EJ/a), que representa em torno de 30% do consumo de energia global hoje. Em torno de 40 EJ/a da biomassa disponível é usada para energia. Uma comparação entre o potencial disponível e o uso corrente mostra que em nível mundial, em torno de dois quintos do potencial de biomassa existente é usado, e na maioria das áreas do mundo a biomassa corrente é usada abaixo do potencial disponível [6]. Além disso, o aproveitamento da biomassa para fins energéticos reflete em vários fatores como por exemplo a sua contribuição para a diversificação das fontes de energia primária. Assim sendo, verifica-se que esta irá acarretar várias vantagens tanto em nível social, como econômico e ambiental [1]. Como se sabe, a combustão da biomassa provoca emissões de gás carbônico. No entanto, este combustível apresenta uma grande vantagem relativamente aos combustíveis fósseis, que reside no fato destas emissões serem equivalente à quantidade de gás carbônico captado pela biomassa durante seu crescimento. Verifica-se então que a combustão da biomassa representa um balanço neutro. Além disso, esta fonte de energia é menos poluente que o carvão e o petróleo, uma vez que não libera nenhum teor de enxofre para a atmosfera [1]. Outro dos aspectos positivos da utilização da biomassa está na captação dos resíduos florestais, dos locais de colheita, facilitando as operações de plantação e reduzindo os riscos de doenças nos próximos ciclos e de incêndios florestais [1]. Porém, como não poderia deixar de ser a biomassa também apresenta aspectos negativos como a baixa densidade energética, custo de exploração e transporte elevados, baixo poder calorífico, altos teores de umidade necessidade de preparação do combustível, dificuldade de manuseio devido ao combustível ter forma e tamanho variáveis [1]. No caso específico do Brasil, o país aumentou ainda mais as vantagens comparativas com o resto do mundo em termo de utilização de fontes renováveis de energia. Em 2004, 43,9% da oferta interna de energia (OIE 1 ) foi de energia renovável, enquanto que em 2002, a média mundial foi de 13,6% e nos países da OECD foi de 6% [12]. Para favorecer ainda mais este quadro, com o objetivo de diversificar a matriz energética, por meio do fomento à produção de energia eólica, de biomassa e de pequenas centrais hidrelétricas, foi criado o PROINFRA (Programa de Incentivo às Fontes alternativas de Energia elétrica), através da Lei 10438/02), e revisado em novembro de 2003 (AGÊN- CIA BRASIL (2004), citado por [7]. Neste programa, que é uma parceira entre os Ministérios de Minas e Energia e do Meio Ambiente, estão previstos investimentos de R$ 8,6 bilhões, dos quais 70% financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A lei prevê a compra pela Eletrobrás da energia a ser gerada pelos produtores independentes autônomos no prazo de 20 anos (PANORAMA BRASIL (2004), citado por [8]. Neste panorama, a oferta interna de energia, no período 1970 a 2004, pode ser visto através da Figura 1. 1 OIE A oferta Interna de energia representam a energia que se disponibiliza para ser transformada (refinarias, carvoarias, etc), distribuída e consumida nos processo produtivos do País.A soma do consumo final nos setores econômicos, das perdas na distribuição e armazenamento e das perdas no processo de transformação é igual a OIE.

3 tep Ano Biomassa 1 Petróleo Hidráulica Gás natural Carvão mineral Urânio FIGURA 1 OFERTA INTERNA DE ENERGIA EVOLUÇÃO DA ESTRUTURA DE OFERTA DA PRODUÇÃO DE ENERGIA PRIMÁRIA (BRASIL ) FONTE: ADAPTADO DE MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA (2005A). NOTA: BIOMASSA 1 = INCLUI LENHA, LIXÍVIA, CARVÃO VEGETAL, PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇUCAR (BAGAÇO E ÁLCOOL ETÍLICO), OUTROS RESÍDUOS VEGETAIS E OUTRAS FONTES RENOVÁVEIS. Os países com elevada geração de eletricidade de origem térmica apresentam perdas de transformação e distribuição entre 25 a 30% da OIE. No Brasil, estas perdas são de apenas 7%, dada a alta participação da geração hidráulica. Esta vantagem, complementada por grande utilização de biomassa, faz com que o Brasil apresente baixa taxa de emissão de CO 2, de 1,62 tco 2 /tep, pela utilização de combustíveis, quando comparada com a média mundial, de 2,32 tco 2 /tep. A distribuição da oferta interna de energia pode ser visualizada na Figura 2 [12]. % de participação na oferta interna de energia 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0,00 Biomassa Hidráulica e eletricidade Urânio Carvão mineral Fonte de energia Gás natural Petróleo e derivados Mundo Brasil FIGURA 2 COMPARAÇÃO DA OFERTA INTERNA DE ENERGIA POR FONTE NO BRASIL E MUNDO FONTE: ADAPTADO DE MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA (2005B). Segundo o [11], o consumo de eletricidade cresceu 5,1% no agregado, com o destaque para o setor industrial. A atividade industrial foi a maior responsável pelo aumento no consumo final de energia de 1970 a A participação do setor aumentou de 27,7% em 1970 para 37,8% em Em relação a 2003, o consumo de energia no setor industrial aumentou de 68, tep para 72, tep, representando um aumento de 5,3%. O consumo de energia elétrica cresceu 7,1% neste setor no período, elevando sua participação no total do setor industrial de 20,2% para 20,5%. Já o consumo pelo setor industrial do agregado biomassa, que inclui lenha, lixívia, carvão vegetal, produtos da cana-de-açucar (bagaço e álcool etílico), outros resíduos vegetais e outras fontes renováveis, cresceu 8,4% no ano de 2004, elevando sua participação de 37,9% para 38,9% no total do setor industrial [11]. No consumo final de energia, no que diz respeito à biomassa, o setor industrial responde com cerca de 60% do consumo (inclui o uso de bagaço de cana na produção de álcool), e o residencial com cerca de 16%, são os principais consumidores. Em seguida vem o setor de transporte com 12% em razão da utilização do álcool carburante. O alto

4 4 incremento do uso industrial de biomassa, na primeira metade da década de 80, se deve ao carvão vegetal, em substituição ao óleo combustível; ao bagaço de cana utilizado na produção de álcool e à expansão da siderurgia a carvão vegetal. O consumo de biomassa nos setores residencial e a- gropecuário cai em razão da menor utilização da lenha [12]. O consumo final de energia por setor, de biomassa pode ser visto na Tabela 1. TABELA 1 CONSUMO FINAL DE ENERGIA. EVOLUÇÃO DO CONSUMO FINAL DE BIOMASSA E DA PARTICIPAÇÃO DO CONSUMO POR SETOR NO TOTAL DE BIOMASSA ( BRASIL ) Setor Unidade Setor energético % 0,3 5,7 16,6 13,6 14,8 14,1 Residencial % 58,5 45,0 21,3 17,2 17,0 16,2 Comercial e público % 0,7 0,7 0,4 0,3 0,3 0,3 Agropecuário e outros % 14,8 9,2 5,4 4,0 4,0 4,0 Transporte % 0,4 4,1 14,5 14,3 11,7 12,2 Industrial total % 25,3 35,3 41,8 50,5 52,2 53,2 Total 10 6 tep 33,32 35,11 40,39 40,64 49,68 52,84 Parcela dos energo intensivos 1 no consumo final total % 4,7 12,8 18,8 20,7 19,6 20,5 no consumo industrial total % 18,7 36,2 45,1 40,9 37,6 38,5 FONTE: ADAPTADO DE MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA (2005A). NOTAS: 1 SETORES ENERGO INTENSIVOS SÃO: CIMENTO, METALURGIA, QUÍMICA E PAPEL E CELULOSE. NA BIOMASSA ESTÁ INCLUÍDO LENHA, LIXÍVIA, CARVÃO VEGETAL, PRODUTOS DE CANA-DE-AÇUCAR (BAGAÇO E ÁLCOOL ETÍLI- CO), OUTROS RESÍDUOS VEGETAIS E OUTRAS FONTES RENOVÁVEIS. O crescimento da auto-produção de energia elétrica nos 10 anos entre 1994 e 2004 significou uma taxa média de crescimento de 13,1% aa, enquanto, no mesmo período, o consumo total de energia elétrica apresentou uma taxa de crescimento de 3,7% aa. As fontes primárias utilizadas nas centrais elétricas de auto-produção que apresentaram maior crescimento no período destes 10 anos foram o gás natural e a energia hidráulica. Também foram importantes o crescimento da biomassa, em particular o bagaço de cana, e dos gases industriais, conforme a Tabela 2 e Figura 3 [11]. %04 5 TABELA 2 GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AUTO-PRODUÇÃO. EVOLUÇÃO DA AUTO-PRODUÇÃO SEGUNDO A FONTE PRIMÁRIA (BRASIL ) %04/03 3 %aa 04/94 4 Auto-produção total de energia elétrica , , ,3 8,1 10,3 _ (GWh) Derivados de petróleo , , ,7 10,2 2,1 10,2 Gás natural 479, , ,9 13,5 25,3 12,1 Carvão mineral 2 346,7 244,3 447,2 83,1 2,6 1,2 Biomassa 5.387, , ,1 4,9 8,8 32,9 Lenha 666,1 625,7 659,6 5,4-0,1 1,7 Lixívia 2.165, , ,5 8,7 6,9 11,1 Bagaço-de-cana 2.313, , ,9 2,5 11,7 18,4 Outras fontes de biomassa 241,5 592,2 629,0 6,2 10,0 1,7 Gás natural , , ,7 7,4 10,6 11,4 Hidráulica 3.238, , ,8 7,7 14,2 32,2 FONTE: MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA (2005A). NOTAS: 1 DERIVADOS DE PETRÓLEO INCLUI GÁS REFINARIA. 2 CARVÃO MINERAL INCLUI ALCATRÃO 3 VARIAÇÃO DO PARÂMETRO ENTRE OS ANOS DE 2003 E DE TAXA MÉDIA DE CRESCIMENTO AO ANO QUE REPRODUZ VARIAÇÃO DO PARÂMETRO ENTRE OS ANOS DE 1994 E DE PARTICIPAÇÃO DO PARÂMETRO NO TOTAL DO ANO DE GÁS INDUSTRIAL INCLUI GÁS DE ALTO FORNO E DE ACIARIA E ENXOFRE

5 5 % de geração em centrais elétricas autoprodutoras (TWh) 4,50 4,00 3,50 3,00 2,50 2,00 1,50 1,00 0,50 0, Biomassa 1 Derivados de petóleo Hidráulica Gás natural Carvão mineral Outros Ano FIGURA 3 TOTAL DA GERAÇÃO EM CENTRAIS ELÉTRICAS AUTO-PRODUTORAS (EXCLUINDO A CONTRIBUIÇÃO DAS CENTRAIS DE SERVIÇO PÚBLICO) PARTI- CIPAÇÃO DO TOTAL DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DE CADA FONTE FONTE: ADAPTADO DE MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA (2005A). Através da Tabela 2 e Figura 3, pode-se perceber que a biomassa teve a maior participação no total de energia autoproduzida no ano de 2004, apesar do valor de 32,9% representar a somatória de lenha, lixívia, bagaço-de-cana e outras fontes. A capacidade instalada de geração de energia elétrica em centrais elétricas auto-produtoras atingiu os MW em 2004, representando 7,3% da capacidade instalada de geração de energia elétrica do país. Destes, MW são de centrais termoelétricas, equivalente a 23,9% da capacidade instalada de geração em centrais termoelétricas, e MW em centrais hidroelétricas, equivalente a 2,3% da capacidade instalada de geração em centrais hidroelétricas [11]. Enquanto a capacidade instalada de geração de energia e- létrica total cresceu 4,7% entre 2003 e 2004, passando de 86,51 GW para 90,73 GW, a capacidade instalada de geração de energia elétrica em centrais elétricas auto-produtoras cresceu 6,5%, passando de 6,22 GW para 6,63 GW [11]. Baseado nos dados do MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA [11], a biomassa está tendo participação na autoprodução de energia elétrica nos setores de celulose e papel e em outros setores, sendo que nos setores metalúrgico e químico seu uso vem decrescendo. Porém, dentro dos inicialmente mencionados, no setor de celulose e papel a geração a partir de termoelétricas é a mais representativa e dentro desta a biomassa tem maior participação. Em outros setores o uso de biomassa, também em sistemas de termoelétricas, vem crescendo nos últimos anos. Com relação à expansão mundial de energia entre o período de 1970 a 2025 prevê-se pequenas variações na estrutura de participação das fontes na oferta interna mundial de energia, comparando os dados projetados com a série histórica. O gás natural é o único energético a aumentar a participação, deslocando, principalmente, o carvão mineral. O petróleo e a energia nuclear apresentam pequena perda de participação e as fontes renováveis (hidráulica, biomassa, eólica, solar, etc) mantém a participação [11]. Utilizar uma maior quantidade de energia de biomassas (lenha, carvão vegetal, resíduos florestais, cana-de-açúcar, etc.) não constitui um retrocesso tecnológico, mas sim, uma caminhada em direção à auto-suficiência energética, a uma maior segurança quanto ao suprimento da demanda futura (algo que o gás natural, por exemplo, não nos proporciona), a uma matriz energética ambientalmente mais saudável (pois com a biomassa passamos a ciclar o CO2 diminuindo, portanto, a taxa de emissão) e, socialmente mais justa pois é uma das fontes de energia que possibilita gerar um maior número de emprego por cada R$ (real) investido. É necessário e urgente que vençamos este preconceito; a biomassa (madeira) é uma realidade energética do País e não somente uma alternativa como muitos apregoam [10]. A. Uso de biomassa para a geração de energia elétrica Segundo NOGUEIRA E MOREIRA (1997) citados por [5], a contribuição da biomassa para a produção de eletricidade em alguns países sempre foi importante. No Brasil, por exemplo, a biomassa foi o primeiro combustível utilizado em plantas termelétricas no início do século e, em 1995, a geração de eletricidade a partir de recursos bioenergéticos chegou a 6,5 TWh, com uma potência instalada superior a 2 GW e representando 30% da geração de origem térmica a 2,5% da geração total de eletricidade. Em 2001, foi estimado pela SECRETARIA TÉCNICA DO FUNDO SETORIAL DE ENERGIA [9] que a produção de energia elétrica da biomassa foi cerca de 3% da energia elétrica total: 10 TWh (1999), sendo 4,1 em co-geração na industrialização de cana, 2,9 na indústria de papel e celulose, e cerca de 3 TWh em diversas unidade utilizando resíduos agrícolas. Nos Estados Unidos, segundo WILLIAMS E LARSON (1993), a capacidade instalada de geração elétrica a partir da biomassa no início dos anos 90 era de 8,4 GW, e na mesma época o Departamento de Energia do governo dos EUA, planejava para o ano de 2000 uma capacidade instalada de 12 GW, podendo chegar, em 2030 a 100 GW (MUTANEN, 1993), citados por [5]. O uso da biomassa para a geração de energia elétrica no Brasil tem sido incrementado com a maior utilização de resíduos agrícolas e florestais. Existem no país algumas unidades de geração de energia que utilizam resíduos de madeira e

6 6 diversas estão em fase de implantação. Entre as unidades em operação destacam-se a de Cenibra, de 100 MW, em Minas Gerais e a da Aracruz Celulose, de 140 MW, no Espírito Santo [2]. Há uma clara transição dos usos envolvendo baixo nível tecnológico, como o uso da lenha para cozinhar, para processos mais avançados e classificados como modernos, que são vetores de transformações da biomassa para energia elétrica e combustíveis. No caso do Brasil, há questões importantes quanto ao uso da biomassa, a partir da constatação de que somos relativamente grandes usuários e já incorporamos comercialmente usos modernos [9]. De fato, a biomassa é reconhecida por muitos pesquisadores energéticos como uma das mais relevantes novas fontes de energia para a produção de eletricidade e, com o desenvolvimento das modernas tecnologias biotermelétricas, tende a uma crescente participação na oferta de energia (MOREIRA et al (1997), citados por [5]. IV. CONSIDERAÇÕES FINAIS Inicialmente é importante ressaltar alguns pontos fundamentais que tem impacto sobre a potencialidade do uso da biomassa florestal para a geração de energia: a) a biomassa sempre teve importante participação histórica na geração de energia, e dentro desta, a madeira sempre teve lugar de destaque; b) as fontes de energia renováveis tem contribuição significativa em nível mundial e nacional no suprimento de fontes energéticas primárias e energia final; c) mesmo nas piores projeções, o uso da biomassa florestal ainda se manterá constante nos próximos anos; d) a disponibilidade de madeira para a geração de energia no mundo é muito superior ao uso atual e demanda futuros; e) os ganhos ambientais do uso da biomassa são incontestáveis quando comparado ao uso de outras fontes energéticas, inclusive, no caso de recursos florestais, pela possibilidade de uso dos resíduos gerados na floresta e indústria; f) os ganhos econômicos são significativos devido a existência de tecnologias que permitem maior eficiência energética; g) os ganhos sociais são também importantes pela geração de empregos e renda que esta fonte energética proporciona; h) as tecnologias disponíveis são adequadas ao uso otimizado e eficiente da biomassa para a geração de energia, principalmente quando se utiliza a madeira em sistemas modernos de geração, como a co-geração de energia; i) são necessários diagnósticos básicos; de mercado; políticos; econômicos e sociais relacionados ao uso da biomassa florestal para a geração de energia Dentro deste contexto, a potencialidade de uso otimizado da biomassa florestal para a geração de energia tem crescido e vem despertando a atenção do governo e principalmente de empresas ligadas ao setor de base florestal e de produção de energia, de forma cada vez mais significativa. Além disso, nos momentos em que ocorrem as crises e- nergéticas, cíclicas, que o mundo enfrenta, em função do aumento populacional, do desenvolvimento econômico e da diminuição das fontes energéticas tradicionais, aliada ao aumento do custo destas fontes, sempre existe um incentivo para o desenvolvimento tecnológico do uso de fontes alternativas de energia. Porém, nem sempre as políticas públicas são direcionadas para as potencialidades mais adequadas, muitas vezes ocorrendo o desenvolvimento de tecnologias para fontes pouco sustentáveis ou que dependem significativa de políticas governamentais de outros países, o que pode comprometer a continuidade e evolução do uso destas fontes. Apesar disso, nestas oportunidades ocorrem também acertos como o caso do álcool carburante, onde na década de 70, o incentivo ao desenvolvimento tecnológico desta fonte e- nergética tornou o Brasil líder na tecnologia e uso deste combustível, sendo este considerado hoje a nova riqueza do Brasil. Portanto, as políticas públicas são fundamentais para o desenvolvimento de uma fonte energética, porém, a existência das mesmas sem um planejamento claro de sua sustentabilidade, pode levar ao fracasso da tecnologia ou ao descrédito destas. Além disso, o caminho mais coerente a ser buscado é a diversificação da matriz energética, não menosprezando nenhuma fonte e promovendo a participação de empresas de diferentes portes (pequenas, médias e grandes) em sistemas de geração ou co-geração própria, para a auto sustentabilidade ou venda às concessionárias públicas. Neste aspecto, e em se tratando de geração ou co-geração de energia a partir da biomassa florestal, no Brasil, tem-se um caminho longo a percorrer, pois apesar da existência de tecnologia para os processos, o número de indústrias que desenvolvem equipamentos para geração ou co-geração de energia é reduzido ou especializado no uso de outras fontes, o que acarreta em dificuldades e aumento de custos na implantação e operação dos sistemas utilizando a biomassa florestal. Com relação a biomassa suas características também contribuem para a dificuldade atual de uso. A biomassa florestal pode ser divida em várias fontes, tem características físicas e químicas diferenciadas de outras fontes energéticas. Em contrapartida, tem várias alternativas de uso e de transformação em combustíveis líquidos, sólidos e gasosos. A biomassa pode ser oriunda de operações florestais (florestas energéticas; uso múltiplo; resíduos de tratos silviculturais, como poda, desbastes e corte raso); ou de operações industrias (resíduos de indústrias de transformação mecânica primária e secundária e de transformação química). Este aspecto, ao mesmo tempo que pode ser um complicador, pode também ser uma vantagem comparativa e competitiva. Complicador pela diversidade de materiais que entram nos processos de geração, o que implica na necessidade de tratamento diferenciado para a otimização do processos. Como vantagem comparativa e competitiva, pela diversidade de origem, o que amplia o número de fontes de fornecimento, variação de preços e diminuição do risco de falta de material para os sistemas de geração, em função de sazonalidade de oferta de determinados tipos de material. Com relação às características químicas e físicas, a biomassa florestal é um combustível orgânico, composto basicamente por carbono, hidrogênio e oxigênio. Porém, esta difere de outros combustíveis orgânicos como o petróleo, pois a sua composição química confere à mesma menor poder calorífico por unidade de massa. Além disso, como é oriunda de um ser vivo, o teor de umidade contido na biomassa contribui para a diminuição da energia útil. Em con-

7 7 trapartida, os baixos teores de cinza e de enxofre são vantagens quando comparada a outras fontes energéticas. Além disso, a variação granulométrica do material, quando utilizado in natura 2 é grande. Estas são algumas das características mais importantes da biomassa quando utilizada para geração de energia e que implicam na necessidade de operações de manuseio, classificação e tratamento prévio à utilização. Neste aspecto, no Brasil, ainda é mais comum o uso in natura, sendo que nos últimos anos vem crescendo o uso da madeira biquetada 3, tanto em pequenos empreendimentos com panificadoras, pizzarias, hotéis, como em indústrias. A peletização ainda é insipiente, não existindo sequer indústrias para a fabricação de equipamentos para peletizar a biomassa florestal. A energia obtida da biomassa florestal também tem ampla gama de opções. A utilização mais simples é a combustão, empregada somente para a geração de energia térmica, ou em processos de co-geração, onde duas formas de energia são produzidas a partir da mesma fonte energética e sistema. A pirólise, para a produção de carvão vegetal é outra alternativa, além de sistemas de gaseificação, onde os gases combustíveis podem ser utilizados em sistemas de cogeração ou geração direta de energia térmica, ou ainda para a obtenção de gás de síntese para a indústria química. Outro processo de geração de energia a partir da biomassa é a hidrólise para a produção de combustíveis líquidos, como o etanol, além da liquefação. Os sistemas de transformação mais comuns são a combustão direta e a carbonização. Vem crescendo significativa a co-geração de energia. Porém, os empreendimento são de grande porte, em função dos custos de implantação e das dificuldades de comercialização dos excedentes de energia térmica e das políticas para a venda da energia elétrica existentes no pais. Neste aspecto, a co-geração deve ser incentivada por ser o sistema com maior potencialidade de utilização nas indústrias do setor de base florestal. A indústria de celulose e papel já é detentora da tecnologias para tal, porém com o uso mais intenso do licor negro, em empreendimentos de grande porte. O associativismo de pequenas e médias empresas e políticas para o fomento a esta prática podem ser alavancadoras dos processos de co-geração no setor de base florestal ou de geração de energia. Sem dúvida, a importância do setor de base florestal para o Brasil, representando em média 4% do PIB nacional, será cada vez maior, ou pelo menos constante. Isso faz com que o número de empresas do setor aumente, aumentando também as necessidades de energia. Em contrapartida, este setor é privilegiado pela disponibilidade de uma fonte energética ainda barata e farta dentro de 2 Estado in natura é quando o uso para a transformação e- nergética ocorre a partir do material como ele é obtido na fonte (cavacos, serragem, toretes). 3 Madeira briquetada o processo de briquetagem consiste na compactação da biomassa, em formatos variados, onde promove-se a diminuição o teor de umidade para níveis inferiores a 15% e aumento da massa específica em relação ao material que deu origem ao produto. O processo de peletização é similar ao de briquetagem. O que determina se o produto será denominado briquete ou pelet são as dimensões do produto final. seu próprio processo produtivo. Portanto, a potencialidade de crescimento da geração de energia a partir da biomassa florestal é grande. Inicialmente, dentro das próprias indústrias no sentido da auto-suficiência energética, tanto térmica quanto elétrica, evoluindo para a contribuição na diversificação da matriz energética nacional, através de empreendimentos maiores, em sistemas de co-geração. Além disso, a geração simultânea de energia térmica e elétrica com a utilização de resíduos da indústria da madeira pode se constituir em uma alternativa para solucionar o problema de disponibilização e falta de uso dos resíduos gerados durante a transformação da madeira. Estes resíduos se constituem em problema ambiental pela alocação dos mesmos em áreas de risco de contaminação de manaciais, poluição do ar pela queima dos mesmos ou auto-combustão, e ocupação de um espaço nas indústrias que poderia ser melhor utilizado. Sem dúvida os desafios ainda são grandes, e se concentram basicamente no aumento do número de empresas para a fabricação de equipamentos de qualidade para a conversão da biomassa florestal em energia, o conhecimento técnico da biomassa em si, voltada a eficiência de uso nos sistemas de conversão e na área de comércio dos resíduos, no que tange ao classificação, manuseio, estocagem e transporte. Finalmente, as informações no segmento operacional de geração de energia a partir da biomassa florestal são difusas e pouco organizadas ou ainda inexistentes, o que dificulta a tomada de decisões na área de uso energético da biomassa, principalmente a florestal. Agravando estes aspectos ainda há de se considerar a pouca cultura existente no Brasil para a utilização da biomassa florestal para a geração de energia V. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] ANTUNES, B. M.F.; ALMEIDA, E.D.L. Biomassa: Produção e planejamento de energia elétrica. Coimbra: Universidade de Coimbra, p. Relatório técnico. Disponível em: <http://thor.deec.uc.pt/~ppee/docs0203/biomassa.p df> Acesso em: 28.set [2] BARROS, D. M.; VASCONCELOS, E. C. Termelétricas a lenha. In: MELLO, M. G. Biomassa. E- nergia dos trópicos em Minas Gerais. Belo Horizonte: Labmídia, p [3] MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Ministro (Silas Rondeau Cavalcante Silva). Balanço Energético Nacional 2005: Ano Base 2004: Sumário Executivo. Rio de Janeiro: EPE, 2005a. [4] MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Ministro (Silas Rondeau Cavalcante Silva). Balanço Energético Nacional 2005(ano base 2004). <http://www.mme.gov.br> Acesso em: 24 nov. 2005b. [5] NOGUEIRA, L. A. H.; LORA, E. E. S. Dendroenergia: fundamentos e aplicações. 2. ed. Rio de Janeiro: Interciência, [6] PARIKKA, M. Global biomass fuel resources. Biomass and Bioenergy. v. 27, issue 6, p , December [7] REMADE. A partir de 2006 Brasil contará com mais de 3,3 mil MW de energia renovável. Disponível em:

8 <http://www.remade.com.br/notícias/notícias.php> Acesso em: 17 mai. 2004a. [8] REMADE. Projeto amplia geração de energia alternativa. Disponível em: <http://www.remade.com.br/notícias/notícias.php> Acesso em: 17 mai. 2004a. [9] SECRETARIA TÉCNICA DO FUNDO SETORIAL DE ENERGIA. Geração de energia elétrica a partir de biomassa no Brasil: situação atual, oportunidades e desenvolvimento. Brasília, Disponível em: Ctnerg/ctenerg_estudo003-2.pdf. Acesso em 10 out [10] SÜFFERT, R. L.; BAJAY, S. V.; LIMA, C. R. de. Energia, sociedade e desenvolvimento sustentável: o caso da reposição de florestas plantadas no Rio Grande do Sul. Disponível em: <: rsoc.htm> Acesso em: 18 jul [11] WORLD ENERGY COUNCIL. The 1993 Report energy Demand Analysis. In: WORLD ENERGY COUNCIL. Energy for Tomorrow s world Acting Now! London: World Energy Council, 2000a. p [12] WORLD ENERGY COUNCIL. WEG s Energy Goals for In: WORLD ENERGY COUNCIL. Energy for Tomorrow s world Acting Now! London: World Energy Council, 2000b. p

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2014

Balanço Energético Nacional 2014 Balanço Energético Nacional 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2014 BEN 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas A1 XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas José Dilcio Rocha NIPE/UNICAMP BIOWARE

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

Aula 6 Balanço Energético

Aula 6 Balanço Energético AULA Fundação 6 BALANÇO Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 6 Balanço Energético Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME Usina Hidrelétrica de Funil Resende RJ FURNAS Centrais Elétricas S/A Autor: Vicente Correa 2 Oferta e Demanda de Energia por

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2013 I Relatório Síntese I ano base 2012 Brasil. Empresa de Pesquisa Energética. Balanço Energético Nacional 2013 Ano base 2012: Relatório Síntese Rio de Janeiro: EPE, 2013

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia Fontes Alternativas de Energia Fontes de Energia Fontes Primárias Fontes Renováveis Fontes Não Renováveis Geotérmica Gravitacional Solar Nuclear Oceânica Eólica Hidráulica Fontes Secundárias Madeira Cana

Leia mais

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 CREEM 2005 Energia de Biomassa I C Macedo NIPE/UNICAMP UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 Energia de biomassa no mundo 45±10 EJ/ano (~16 comercial; 7 moderna ); em ~400 EJ Pode crescer para 100-300

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL 1º SEMINÁRIO PARANAENSE DE ENERGIA DE BIOMASSA RESIDUAL AGRÍCOLA 06 DE DEZEMBRO DE 2013 LOCAL: SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 20 - Biomassa Sorocaba, Maio de 2015. ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Agência Nacional de Elétrica

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica).

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). 1 Biomassa é uma substância orgânica, produzida pelo processo de acumulação de energia solar. O seu maior potencial

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE Ricardo Blandy Vice - Presidente Nexsteppe Sementes do Brasil Novembro 2015 Nexsteppe Sede mundial em São Franscisco, CA Empresa de comercialização de SEMENTES DE

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: - Conhecer as diferentes formas

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012 Prof. MSc. Dorival Pinheiro Garcia Diretor de Pesquisa da ABIPEL Engenheiro Industrial Madeireiro Especialista em pellets de madeira pelletsdemadeira@gmail.com 01/10/2012 Texto publicado na Revista da

Leia mais

3 Biomassa na Geração de Energia

3 Biomassa na Geração de Energia 3 Biomassa na Geração de Energia A escassez de combustíveis fósseis aliada ao crescimento do consumo de energia e à necessidade por fontes renováveis têm estimulado a busca pelo aproveitamento de outros

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Fontes de Energia. Consumo de Energia em Edificações

Fontes de Energia. Consumo de Energia em Edificações Fontes de Energia 1. Consumo médio de energia 2. Fontes de Energia Hidroelétrica Termoelétrica (combustíveis fósseis) Eólica Solar Biomassa (termoelétrica renovável) 3. Cogeração ou Geração Distribuída

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

Adriana Fiorotti Campos afiorotti@yahoo.com. Instituto Jones dos Santos Neves, 14 de Maio de 2010.

Adriana Fiorotti Campos afiorotti@yahoo.com. Instituto Jones dos Santos Neves, 14 de Maio de 2010. Adriana Fiorotti Campos afiorotti@yahoo.com Instituto Jones dos Santos Neves, 14 de Maio de 2010. O consumo de energia vem aumentando em países desenvolvidos e em países em desenvolvimento. Três Problemas

Leia mais

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética Sumário Executivo Ameaças climáticas e soluções As mudanças climáticas globais, conseqüências do incessante aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, já estão alterando ecossistemas e

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa Prof. Augusto C. Pavão Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa O problema energético global. Aproveitamento das energias solar, eólica, hidráulica e da biomassa. Energia solar e as

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

Anexo 4 - Projeção de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados)

Anexo 4 - Projeção de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados) Anexo 4: Demanda de Eletricidade 1 Anexo 4 - de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados) O Conceito de Energia Equivalente As fontes energéticas classificadas

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética

Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética Rodolfo Tasca A matriz de energia renovável no Brasil é imensa, estima-se que cerca de 45% da energia utilizada no Brasil vem de fontes

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

Dossiê Recursos Naturais

Dossiê Recursos Naturais Dossiê Recursos Naturais ESTUDOS AVANÇADOS 12 (33), 1998 5 Energia e desenvolvimento JOSÉ GOLDEMBERG ENERGIA É um ingrediente essencial para o desenvolvimento, que é uma das aspirações fundamentais da

Leia mais

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040 212 - Panorama Energético: Perspectivas para Índice Fundamentos globais 2 Residencial/comercial 3 Transportes 4 Industrial 5 Geração de eletricidade 6 Emissões 7 Fornecimento e tecnologia 8 Conclusão 9

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia A geracao de eletricidade Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia valdemir cunha/horizonte Unidades geradoras da usina hidrelétrica de Promissão, no

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

Energia no Bloco dos BRICS Ano de referência: 2013

Energia no Bloco dos BRICS Ano de referência: 2013 Parâmetros Macroeconômicos O Produto Interno Bruto dos BRICS foi 9,1 trilhões dólares em 1 (PPP constante 11), mostrando crescimento 5,6% sobre 1. No mesmo ano, o mundial cresceu,1%. Em 1, os BRICS apresentaram

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

Paradoxos e Complexidades na Geração de Energia Elétrica no Brasil Uma Comparação Internacional

Paradoxos e Complexidades na Geração de Energia Elétrica no Brasil Uma Comparação Internacional Paradoxos e Complexidades na Geração de Energia Elétrica no Brasil Uma Comparação Internacional Ana Lúcia Rodrigues da Silva 1 Fernando Amaral de Almeida Prado Junior 2 Resumo: O artigo apresenta as principais

Leia mais

O desenvolvimento de recursos energéticos renováveis e alternativos: o papel do comissário Jeff Davis Comissário Comissão de Serviços Públicos do Missouri 1 Recursos energéticos renováveis e alternativos:

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

Profª: Sabrine V.Welzel

Profª: Sabrine V.Welzel Geografia 1 ano/ensino Médio Fontes Energéticas 1) Porque o setor energético é considerado estratégico? 2) (FGV) Sobre o consumo de energia no Brasil é correto afirmar que: a) a Região Sudeste não consegue

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996)

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) CÉLIA MARIA PAIVA PROFA. DEPTO METEOROLOGIA/UFRJ celia@meteoro.ufrj.br 1. Introdução

Leia mais

O BRIQUETE COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO PARA A PRODUÇÃO DE ENERGIA

O BRIQUETE COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO PARA A PRODUÇÃO DE ENERGIA O BRIQUETE COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO PARA A PRODUÇÃO ENERGIA Arícia Pessoa Dantas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Estudante de Controle Ambiental no curso técnico integrado e bolsista

Leia mais

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia e Processos Industriais Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica André Luís Ferreira David Shiling Tsai Marcelo dos Santos Cremer Karoline Costal

Leia mais