Capítulo 3 GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 3 GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA"

Transcrição

1 Capítulo 3 GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Esta aula trata da produção de energia elétrica, procurando mostrar de onde vem a energia e descrevendo as várias formas - tanto convencionais quanto alternativas - de obtenção da energia elétrica. Fontes primárias de energia elétrica Como já foi mencionada, a energia elétrica é produzida a partir de outras formas de energia. As formas de energia encontradas na natureza e utilizadas para gerar energia elétrica são chamadas de fontes primárias. As fontes primárias podem ser divididas em fontes convencionais - formas inicialmente utilizadas que permitiram o uso generalizado da eletricidade e ainda hoje responsáveis pela maior parte da energia elétrica produzida, e fontes alternativas - envolvem as formas de obtenção de energia elétrica que diferem das tradicionais e, embora sejam hoje utilizadas em pequena escala, podem vir a ser importantes no futuro. As principais fontes primárias de energia elétrica estão discriminadas no quadro abaixo. FONTES PRIMÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA Fontes Convencionais: o Reação eletroquímica (baterias, pilhas) o Hídrica o Fóssil!" Carvão!" Petróleo!" Gás natural o Nuclear (fissão do urânio) Fontes Alternativas: o Solar o Eólica o Biomassa o Eletroquímica (células combustíveis) o Geotérmica o Marés Copyright_2001_ALMorelatoFranca. 33

2 Fontes convencionais Essas fontes primárias são aquelas tradicionalmente utilizadas para gerar energia elétrica, sendo responsáveis por praticamente 99 % da energia gerada em todo o Mundo. Bateria eletroquímica As baterias e as pilhas produzem eletricidade através de reações eletroquímicas sem combustão, em que o suprimento dos reagentes é finito, ou seja, acabam após um certo tempo. Inúmeros reagentes têm sido usados para converter energia química em energia elétrica, destacando-se as baterias de chumbo-ácido (utilizadas em veículos), pilhas de zinco-carbono (pilha seca comum), pilhas de zinco-dióxido de manganês (pilha alcalina), baterias de níquel-cádmio ou lítio (usadas em telefones celulares). Quando a reação química é reversível, a bateria ou pilha é recarregável, sendo chamada de secundária; caso contrário, a bateria ou pilha é chamada de primária, devendo ser descartada após descarregada. Hídrica A geração de eletricidade a partir de fontes hídricas consiste no aproveitamento de desníveis no relevo geográfico para acumular grandes volumes de água dos rios através de barragens. Essa água represada é acelerada por gravidade, indo acionar uma turbina hidráulica que converte a energia cinética da água em energia mecânica em um eixo, que, por sua vez, aciona um gerador de eletricidade (chamado de alternador. pois fornece tensão na forma alternada). Um alternador converte a energia mecânica entregue pela turbina em energia elétrica. O conjunto de instalações e equipamentos envolvidos no processo é chamado de usina hidrelétrica. Veja a ilustração que mostra um corte da usina hidrelétrica de Itaipu, destacando a barragem, a tomada dágua, uma turbina e seu respectivo gerador (note que turbina e gerador estão acoplados pelo mesmo eixo, posicionado verticalmente). Observe também o interior da casa de máquinas da usina hidrelétrica Marimbondo que possui oito alternadores de 190 MVA cada. A fonte hídrica é de grande importância, sendo intensamente utilizada em países que possuem potencial hidráulico significativo. No Brasil, essa é a principal fonte de energia elétrica, conforme se vê na tabela abaixo, que inclui entre as fontes hídricas a usina de Itaipu 50Hz (Paraguai). Oferta de Energia Elétrica por Fonte Primária Brasil (fonte: BEN/MME.) FONTE PRIMÁRIA PORCENTUAL HÍDRICA 89,4 % PETRÓLEO 3,7 % CARVÃO 2,2 % URÂNIO 1,1 % Copyright_2001_ALMorelatoFranca. 34

3 GÁS NATURAL 0,5 % OUTRAS 3,1 % Combustíveis fósseis: carvão, petróleo e gás Outra fonte convencional importante é a que utiliza combustíveis fósseis encontrados na natureza, como o carvão mineral, o petróleo e o gás natural. Como se sabe, essas fontes são não-renováveis. A geração de energia elétrica a partir desses combustíveis passa necessariamente por um processo de geração de calor, e por isso o conjunto de instalações e equipamentos envolvidos na operação é chamado de usina termelétrica. Nas usinas termelétricas a carvão ou a oléo combustível (derivado de petróleo) realiza-se a combustão das respectivas substâncias em uma caldeira apropriada para a produção de vapor de água. Esse vapor é canalizado para uma turbina a vapor (também chamada de turbina de condensação) que gera energia mecânica em um eixo que, por sua vez, aciona um alternador que produz energia elétrica. O rendimento global de uma usina a vapor é de %. A figura abaixo mostra os principais componentes de uma usina termelétrica a vapor. O alternador de uma usina termelétrica é, em geral, do tipo turbogerador, com poucos pólos (2 ou 4), acionado em altas velocidades (3600 ou 1800 rpm) e com eixo posicionado horizontalmente, como se pode observar na ilustração que mostra a usina termelétrica de Campos-RJ. Se o combustível for gás natural utiliza-se uma turbina a gás em vez da turbina a vapor, dispensando-se a caldeira. As turbinas a gás necessitam da injeção de ar comprimido a alta pressão na câmara de combustão, obtido através de um turbocompressor acionado pelo próprio eixo da turbina. Os gases com alta temperatura e velocidade provenientes da Copyright_2001_ALMorelatoFranca. 35

4 combustão são dirigidos para a turbina que produz energia mecânica no eixo. Como a velocidade de rotação da turbina é alta, geralmente usam-se caixas redutoras de velocidade para conectá-la ao alternador. O rendimento global de uma usina a gás é de %. A figura abaixo mostra os principais componentes de uma usina termelétrica a gás. A propósito, será que o funcionamento de uma turbina a gás estacionária é diferente das turbinas usadas em aviões a jato, sendo que essas últimas queimam querosene de aviação? Pense nisso. Copyright_2001_ALMorelatoFranca. 36

5 É possível combinar turbinas a gás e a vapor com o objetivo de melhorar a eficiência total, resultando nas usinas termelétricas a ciclo combinado, como ilustrado na figura abaixo. A idéia básica de uma usina de ciclo combinado é recuperar parte do calor existente nos gases de exaustão de uma turbina a gás e utilizá-lo para produzir vapor d agua que irá acionar uma turbina a vapor. Com isso consegue-se um rendimento global de 58 a 60 %, maior, portanto que cada tipo de turbina isoladamente. No Brasil, as usinas de ciclo combinado gás-vapor tendem a ser cada vez mais utilizadas para gerar eletricidade aproveitando o gás natural proveniente da Bolívia e Argentina via gasodutos. Outro derivado de petróleo utilizado para gerar energia elétrica é o óleo diesel. Nesse caso usam-se motores de combustão interna a pistão que acionam diretamente os geradores de eletricidade. Essa forma de geração é comumente usada para fornecer energia elétrica às localidades isoladas ou como fonte alternativa de emergência se ocorrer uma interrupção no fornecimento normal. Nuclear As usinas termelétricas nucleares utilizam geralmente urânio enriquecido como combustível, que é fissionado (quebrado) dentro do reator nuclear produzindo quando quantidade de calor. Esse calor, ao ser retirado do reator para resfriá-lo, é utilizado para Copyright_2001_ALMorelatoFranca. 37

6 produzir vapor d água em uma caldeira apropriada. Em seguida, esse vapor é canalizado para acionar uma turbina a vapor que, por sua vez, aciona um alternador acoplado no mesmo eixo. Portanto, uma usina nuclear se assemelha muito a uma usina a vapor, sendo que a grande diferença está na forma como o calor é gerado. Veja a figura mostrando os principais componentes da usina termelétrica nuclear Angra 1, que usa reator de água leve pressurizada e urânio enriquecido a 3 %. A figura mostra no lado esquerdo o reator nuclear e o sistema gerador de vapor. Ambos estão inseridos em um compartimento blindado representado na figura por um fundo cinza escuro. No lado direito estão representados turbina a vapor, condensador, bomba e alternador. A propósito, a energia nuclear com fonte de eletricidade já foi mais popular que atualmente. Em 1999, havia no mundo 434 usinas nucleares em operação (104 nos EUA, 56 na França, 51 no Japão, 2 no Brasil) mas esse número vem diminuindo paulatinamente por questões econômicas, de segurança e ambientais. A propósito, o governo da Alemanha anunciou um plano para desativar todas as 19 usinas nucleares do país até Na França, cerca de 70 % da energia elétrica consumida tem origem nuclear, contra 20 % nos EUA, 30 % no Japão e 33 % na Alemanha. É interessante lembrar que na década de 50 previa-se que quase toda a energia elétrica por volta do ano 2000 seria de origem nuclear! Pense nisso. Em termos mundiais, o carvão é a fonte primária mais explorada, como mostra a tabela abaixo. Oferta de Energia Elétrica por Fonte Primária Mundo FONTE PRIMÁRIA PORCENTUAL CARVÃO 42 % HÍDRICA 19 % URÂNIO 18 % GÁS NATURAL 11 % PETRÓLEO 9 % OUTRAS 1 % Fontes alternativas As fontes primárias alternativas têm como característica comum a produção de energia elétrica em escala muito menor que as fontes convencionais, porém podem ser bastante úteis em aplicações específicas. Como o kwh produzido por fontes alternativas é, em geral, várias vezes mais caro que o de fontes convencionais, cada aplicação precisa ser analisada cuidadosamente sob vários aspectos. Copyright_2001_ALMorelatoFranca. 38

7 Solar Eletricidade pode ser produzida a partir da energia solar de duas maneiras: (a) concentrando os raios solares, através de espelhos refletores, que aquecem uma caldeira de vapor que, por sua vez, aciona um conjunto turbina+gerador; (b) utilizando painéis de células fotovoltaicas. Essa segunda forma, bem mais usada que a primeira, baseia-se na propriedade física de certos materiais que conseguem converter diretamente luz solar (ou artificial) em eletricidade (efeito fotoelétrico). O material mais usado atualmente para se construir células fotovoltaicas é o silício que pode estar nas formas monocristalina, policristalina ou amorfa. Em poucas palavras o efeito fotoelétrico funciona da seguinte maneira: em uma base de silício são injetados átomos de boro - que criam uma região eletricamente positiva e átomos de fósforo - que criam uma outra região eletricamente negativa; entre essas regiões estabelece-se, portanto um campo elétrico dentro do material; quando incide luz sobre a placa de silício, alguns de seus elétrons absorvem energia luminosa (fótons) e se desprendem da estrutura atômica adquirindo mobilidade; então, sob a ação do campo elétrico esses elétrons se movem estabelecendo uma corrente elétrica que pode ser dirigida para uma carga externa; essa corrente é do tipo contínua. Cada célula fotovoltaica produz uma tensão baixa (da ordem de 0,5 V) e portanto são conectadas em série, formando painéis capazes de fornecer 12 V ou mais. O rendimento da conversão luzeletricidade em um painel comercial situa-se entre 10 e 15 % atualmente, permitindo que de placa tenha uma potência instalada de 100 a 150 W, supondo insolação máxima. Veja as figuras que ilustram um painel fotovoltaico típico, bem como sua instalação no telhado de residências. Um sistema típico de geração de energia elétrica baseada em painéis fotovoltaicos é mostrado na figura abaixo. Note que o painel vai carregando as baterias através de um módulo regulador/controlador. As cargas são alimentadas através das baterias e não diretamente pelo painel, sendo que aquelas que necessitam alimentação em corrente alternada são supridas via um inversor (equipamento que converte tensão contínua da bateria em tensão alternada). Em função do custo e capacidade de geração, sistemas fotovoltaicos somente são competitivos em casos que o suprimento for fontes convencionais é muito caro, de difícil acesso ou mesmo impossível, como é o caso das naves e estações espaciais. Copyright_2001_ALMorelatoFranca. 39

8 Eólica Outra fonte alternativa de eletricidade aproveita a energia eólica (dos ventos) através de cataventos. Um catavento converte energia eólica em energia mecânica em um eixo que aciona um gerador elétrico. Em geral, os cataventos utilizados para gerar eletricidade possuem eixo horizontal, embora existam também cataventos de eixo vertical. A ilustração mostra um tipo de catavento de três pás com eixo horizontal capaz de gerar 500 kw de pico; a torre tem 44 metros de altura e cada pá tem 20 metros de comprimento. No Brasil, esse tipo de catavento (que é o mais usado em todo o mundo para este fim) está sendo utilizado em regiões dos estados do Ceará, Paraná e Minas Gerais onde o regime de ventos é adequado; vários cataventos são agrupados formando uma usina eólica, que pode então ser interligada à rede elétrica normal. Os sistemas de geração de energia elétrica a partir de cataventos, especialmente aqueles projetados para serem interligados à uma rede elétrica costumam utilizar geradores de indução que produzem tensão alternada senoidal. Como a velocidade do vento é bastante variável, a tensão e freqüência da forma de onda gerada também varia, o que é altamente indesejável. Duas maneiras têm sido utilizadas para contornar o problema: controlar a velocidade de rotação do catavento (através de engrenagens redutoras, ângulos das pás, etc.) mantendo-a dentro de uma faixa bem estreita ou deixar a velocidade variar ao sabor do vento e controlar eletronicamente a tensão e frequência através de dispositivos semicondutores. A primeira solução é mais barata, porém desperdiça parte da potência dos ventos, enquanto que a segunda é mais eficiente, porém mais cara. Biomassa A biomassa pode ser outra possível fonte alternativa de energia elétrica. Qualquer materia orgânica usada como combustível para gerar eletricidade pode ser considerada como bioenergético. No Brasil, o combustível oriundo da biomassa com maior potencial de aproveitamento é o bagaço de cana, resíduo produzido em grande quantidade por usinas de açúcar e álcool; restos de madeira e gás metano extraído do lixo também podem ser utilizados, porém em menor escala. A forma de gerar energia elétrica a partir de bioenergéticos consiste em queimá-los em uma caldeira apropriada produzindo vapor de água, que aciona um conjunto turbina-gerador. No caso das usinas de açúcar e álcool, partes do vapor produzidas são utilizadas no processo industriais e o restante destina-se à geração de eletricidade, tanto para uso próprio quanto para venda do excedente a terceiros. Célula combustível Uma forma alternativa de gerar eletricidade muito interessante é a célula combustível. A fonte primária aqui pode ser gás hidrogênio, gás natural, metano, álcool, ou qualquer substância que contenha grandes quantidades de hidrogênio. Entretanto não existe combustão de nenhuma substância envolvida no processo, sendo que a geração de energia elétrica se dá por meio de uma reação eletroquímica. Sob esse ponto de vista uma célula combustível se assemelha a uma bateria, porém com uma importante diferença: enquanto Copyright_2001_ALMorelatoFranca. 40

9 uma bateria se descarrega após o esgotamento dos reagentes, uma célula combustível funciona indefinidamente, desde que os reagentes continuem sendo supridos. Uma célula combustível gera energia elétrica através de uma reação eletroquímica entre hidrogênio e oxigênio. O hidrogênio é o ``combustível'', que pode ser extraído de diversas fontes naturais como gás natural, metano, álcool, gasolina (qualquer hidrocarboneto), enquanto que o oxigênio é extraído do ar. Toda célula combustível é formada por dois eletrodos de material poroso (anodo e catodo) separados por um eletrólito, que serve para transferir íons entre os eletrodos. Vários tipos de eletrólitos têm sido usados e isso distingue o tipo de célula. A figura abaixo mostra como funciona uma célula combustível tendo ácido fosfórico como eletrólito. Note que, no anodo, cada molécula de hidrogênio tem os dois elétrons arrancados com a ajuda de um catalisador (em geral, platina), formando um íon H+. Os elétrons seguem do anodo ao catodo por um circuito externo, estabelecendo uma corrente elétrica que alimenta a carga. Os íons H+ caminham pelo eletrólito até o catodo, onde se combinam com os íons O- lá formados pela reação do oxigênio do ar com os elétrons que chegam pelo circuito externo, resultando em água. Essa reação é exotérmica, ou seja, produz calor que deve ser retirada (pode ser aproveitada como fonte de calor para aquecimento ou acionar uma turbina, por exemplo). Cada célula individual é capaz de criar uma tensão contínua de Copyright_2001_ALMorelatoFranca. 41

10 apenas 0,5 a 0,9 V e, portanto, várias delas precisam ser conectadas em série para se produzirem tensões mais altas. Como normalmente se deseja obter tensão alternada, um inversor deve ainda ser conectado na saída do sistema de células. Embora seja ainda uma fonte de energia de alto custo (cerca de três vezes o preço de fontes convencionais), os sistemas de células combustíveis apresentam um bom rendimento energético que varia de 45 a 65 %. As vantagens dessa tecnologia são o baixo grau de poluição produzido (se forem usados hidrogênio e oxigênio puros, a poluição é zero), a possibilidade de instalação em zonas urbanas perto, portanto, das cargas e a possibilidade de uso em veículos elétricos (portabilidade). Existem em circulação protótipos de ônibus e automóveis elétricos movidos por células combustíveis, nas quais o fluxo de hidrogênio é produzido a partir de metanol ou mesmo gasolina. É interessante lembrar que a tecnologia das células combustíveis, embora venha sendo cada vez mais aperfeiçoada, se originou no programa espacial americano, na década de 60, quando equipavam as naves Apollo. Atualmente são utilizadas nos chamados ônibus espaciais e na estação espacial internacional (ISS). A propósito, será que o funcionamento de uma célula combustível tem alguma coisa a ver com o processo de eletrólise da água? A natureza apresenta incríveis simetrias. Pense nisso. Geotérmica Já as fontes geotérmicas consistem em aproveitar as atividades vulcânicas do interior da terra como fonte de calor. Existem vários lugares onde essa atividade vulcânica está perto da superfície, permitindo instalar tubulações injetadas com água de tal modo a gerar vapor a partir do calor do magma terrestre. O vapor é então canalizado para acionar uma turbina a vapor que, por sua vez, aciona um gerador de eletricidade. Trata-se, portanto de uma usina termelétrica convencional, cuja particularidade é a fonte de calor. Evidentemente, esse tipo de usina somente pode existir em certos locais, técnica e economicamente viáveis. No Brasil, não há usinas geotérmicas, mas México, USA, Japão, Itália e Nova Zelândia utilizam essa forma de geração, embora em pequena escala. Marés Outro tipo muito específico de gerar eletricidade consiste em explorar os desníveis das marés. A idéia é simples: quando a maré sobe, armazena-se água através de um dique; quando a maré desce, usa-se a água acumulada para gerar eletricidade através de uma turbina hidráulica acoplada a um gerador. Trata-se, portanto, de uma usina hidrelétrica convencional, cuja particularidade é a forma de acumulação de água. Claramente, só se justifica construir uma usina deste tipo em lugares onde o desnível das marés é muito grande. É uma fonte primária pouco usada em todo o mundo. Copyright_2001_ALMorelatoFranca. 42

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia A geracao de eletricidade Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia valdemir cunha/horizonte Unidades geradoras da usina hidrelétrica de Promissão, no

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

5 tempos = 329 slides

5 tempos = 329 slides 5 tempos = 329 slides 5 tempos = 329 slides ENERGIA ELÉTRICA Prof. Marco Antonio Licenciatura Plena em Física- UFRJ E-mail: marcaoitu@gmail.com OBJETIVOS CONHECER A ESTRUTURA BÁSICA DE UM SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competência de área 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Energia limpa é aquela que não libera, ou libera níveis muito baixos de resíduos ou gases poluentes geradores do efeito estufa e do aquecimento

Energia limpa é aquela que não libera, ou libera níveis muito baixos de resíduos ou gases poluentes geradores do efeito estufa e do aquecimento ENERGIA LIMPA Energia limpa é aquela que não libera, ou libera níveis muito baixos de resíduos ou gases poluentes geradores do efeito estufa e do aquecimento global durante seu processo de produção ou

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica CREEM 2005 O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO MSc. Paulo F. P. Ferreira Lab. de Hidrogênio - Unicamp O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO Premissa

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética

Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética Rodolfo Tasca A matriz de energia renovável no Brasil é imensa, estima-se que cerca de 45% da energia utilizada no Brasil vem de fontes

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas TECNOLOGIA EM ENERGIA RENOVÁVEL Edital Nº. 04/009-DIGPE 0 de maio de 009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

Introdução ao Sistema Elétrico

Introdução ao Sistema Elétrico Fundação Universidade INTRODUÇÃO Federal de Mato AO Grosso SISTEMA do Sul ELÉTRICO 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Introdução ao Sistema Elétrico Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG

Leia mais

Energia e Meio Ambiente

Energia e Meio Ambiente INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Energia e Meio Ambiente Rodrigo Valle Cezar O que é Energia INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Tudo o que existe no mundo é energia. A luz O calor A matéria Os Átomos As estrelas A

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

GESTÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

A GERAÇÃO DE ENERGIA HOJE Processos de transformação em larga escala

A GERAÇÃO DE ENERGIA HOJE Processos de transformação em larga escala 30 capítulo 4 a geração de energia hoje 4 A GERAÇÃO DE ENERGIA HOJE Processos de transformação em larga escala No último século, a maior parte das sociedades constituiu complexos regimes de energia envolvendo

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO-RENOVÁVEIS

AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO-RENOVÁVEIS AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO-RENOVÁVEIS Laís Schiavon Da Rocha ¹ Rozanda Guedes Da Silva Costa ² O desenvolvimento econômico e os altos padrões de vida são processos complexos

Leia mais

Produção de Energia Elétrica. Aula 3 Área 2 Geração e Estudos Hidroenergéticos Fernando Umbria

Produção de Energia Elétrica. Aula 3 Área 2 Geração e Estudos Hidroenergéticos Fernando Umbria Produção de Energia Elétrica Aula 3 Área 2 Geração e Estudos Hidroenergéticos Fernando Umbria Tópicos Geração termelétrica Geração fotovoltaica Geração termelétrica - conceitos Princípio: conversão de

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Aluno: Julys Pablo Atayde Fernandes Células a Combustível:

Leia mais

Escola Estadual Padre Chagas. Ezequiel José Novacoski

Escola Estadual Padre Chagas. Ezequiel José Novacoski Escola Estadual Padre Chagas Ezequiel José Novacoski Vamos pensar um pouco. Primeiro devemos pensar como vem sendo cobrado a conta de energia elétrica. A conta de energia vem em KWh e cada kw custa em

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

Tecnologias de Produção de Hidrogênio

Tecnologias de Produção de Hidrogênio Programa de Pós-Graduação em Bioenergia Tecnologias de Produção de Hidrogênio Prof. Helton José Alves Palotina, 19/05/14 O HIDROGÊNIO - Elemento mais abundante do universo (95% em número de átomos e 75%

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Capítulo 4 Sistemas solares para geração de eletricidade Lineu Belico dos Reis Os sistemas baseados no uso da energia transmitida à Terra pelo Sol para geração de eletricidade

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia Fontes Alternativas de Energia Fontes de Energia Fontes Primárias Fontes Renováveis Fontes Não Renováveis Geotérmica Gravitacional Solar Nuclear Oceânica Eólica Hidráulica Fontes Secundárias Madeira Cana

Leia mais

A energia sem fronteiras

A energia sem fronteiras 1.0 Introdução AR COMPRIMIDO A energia sem fronteiras Módulo I Eng. Gilson Macedo Santana Como o ar comprimido ser á nosso principal assunto, vamos iniciar fazendo algumas considerações sobre energia.

Leia mais

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas Os combustíveis fósseis e as energias alternativas O que são combustíveis fósseis: Os combustíveis fósseis são compostos por hidrocarbonetos e são usados por exemplo como combustível. São alguns exemplos

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

Disciplina: ENERGIA E BIOENERGIA

Disciplina: ENERGIA E BIOENERGIA Disciplina: ENERGIA E BIOENERGIA Energia. Conceito. Origem e interação entre as fontes e formas de energia. Conversão de energia. Unidades de energia. Prof. Dr. Eduardo Di Mauro Departamento de Física,

Leia mais

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO Responsável pelo Projeto Luiz Augusto de Noronha Mendes FPT Industrial RESUMO Este trabalho apresenta um estudo sobre o

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA. Entenda a Indústria. Módulo 3 Geração

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA. Entenda a Indústria. Módulo 3 Geração ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 3 Geração Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 3 5 Como se produz eletricidade? 6 O

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA GABARITO 4ª Chamada Bim. DISCIPLINA: FÍS. I E II / GEO. COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. daniel.san@lasalle.edu.br

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. daniel.san@lasalle.edu.br GEOGRAFIA Prof. Daniel San daniel.san@lasalle.edu.br RECURSOS NATURAIS: ENERGIA A revolução industrial e a recente revolução tecnológica fez com que a pressão sobre os recursos naturais se torne cada vez

Leia mais

Banco de questões n.º1

Banco de questões n.º1 Banco de questões n.º1 Tema Terra em transformação Energia Lê o texto seguinte 1 : Introdução A grande diferença entre a nossa civilização e as anteriores é a capacidade de transformar e utilizar energia

Leia mais

Aparecida Rosária Luiz da Silva Curso Online Gestão de Resíduos Urbanos CENED. Energia Eólica. Santo André 28/05/2007

Aparecida Rosária Luiz da Silva Curso Online Gestão de Resíduos Urbanos CENED. Energia Eólica. Santo André 28/05/2007 Aparecida Rosária Luiz da Silva Curso Online Gestão de Resíduos Urbanos CENED Energia Eólica Santo André 28/05/2007 Aparecida Rosária Luiz da Silva Energia Eólica Trabalho de Conclusão do Curso Online

Leia mais

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL 198 Conteúdo 1 Pilha de combustível... 199 1.1 O que é um elemento a combustível... 199 1.2 Princípio de funcionamento... 200 1.3 Tipos básicos de elementos a combustível...

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA AMAZÔNIA Como Conciliar Desenvolvimento e Sustentabilidade

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA AMAZÔNIA Como Conciliar Desenvolvimento e Sustentabilidade ENERGIAS RENOVÁVEIS NA AMAZÔNIA Como Conciliar Desenvolvimento e Sustentabilidade Paulo Felipe de Oliveira Lima Graduando de Geografia na UFPA paulo.felipelima@gmail.com 1. Introdução Energia é algo primordial

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

Energias Renováveis. Definições Básicas. Fontes de energia Convencionais Renováveis Alternativas Limpas Sustentáveis

Energias Renováveis. Definições Básicas. Fontes de energia Convencionais Renováveis Alternativas Limpas Sustentáveis Definições Básicas Fontes de energia Convencionais Renováveis Alternativas Limpas Sustentáveis Fontes de energia convencionais: São as fontes tradicionais de energia, por exemplo: Usinas hidrelétricas

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Prof. Dr. Luciano Schuch Schuch.prof@gmail.com Sumário Potencial energético Previsões Sistemas fotovoltaicos Cenário Nacional Legislação ANEEL Projeto

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: - Conhecer as diferentes formas

Leia mais

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2014

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2014 OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2014 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTA FOLHA ANTES DE APLICAR A PROVA (não imprima esta folha) Prova da 1ª fase: Regulamento da OBF 2014 para a prova da 1ª fase: 3.1 A

Leia mais

FCJJ-30. Kit de Mobilidade Elétrica. Descrição do Produto. Destaques. Atividades e Experiências. Experiências com Energia Solar. Kit Opcional FCH-024

FCJJ-30. Kit de Mobilidade Elétrica. Descrição do Produto. Destaques. Atividades e Experiências. Experiências com Energia Solar. Kit Opcional FCH-024 FCH-024 Kit de Mobilidade Elétrica FCJJ-30 Kit Opcional Descrição do Produto O kit educacional de Mobilidade Elétrica é o mais versátil do mercado com um chassis flexível onde diferentes tecnologias de

Leia mais

Sistemas de Armazenamento de Energia

Sistemas de Armazenamento de Energia Sistemas de Armazenamento de Energia (Storage Systems) Prof. Marcello Mezaroba Novembro 2012 Objetivos: Assegurar a confiabilidade do sistema elétrico; Melhoria da qualidade da energia fornecida; Integração

Leia mais

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil Introdução As baterias estão em todos os lugares, carros, computadores, laptops, MP3 players e telefones celulares.

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DOM SILVÉRIO ENSINO MÉDIO FORMAS DE ENERGIA. Belo Horizonte, abril de 2000 DEDICATÓRIA

COLÉGIO MARISTA DOM SILVÉRIO ENSINO MÉDIO FORMAS DE ENERGIA. Belo Horizonte, abril de 2000 DEDICATÓRIA COLÉGIO MARISTA DOM SILVÉRIO ENSINO MÉDIO FORMAS DE ENERGIA Belo Horizonte, abril de 2000 DEDICATÓRIA Dedico esse trabalho para todos aqueles que me ajudaram, e para as pessoas que se esforçam para economizar

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015 TERMELÉTRICA Eficiência Energética 11/2015 O que é uma Termelétrica? É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada por qualquer produto que

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

Aula 5_2. Corrente Elétrica Circuitos CC Simples. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5

Aula 5_2. Corrente Elétrica Circuitos CC Simples. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5 Aula 5_2 Corrente Elétrica Circuitos CC Simples Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5 Conteúdo Corrente elétrica e energia dissipada Fem real e receptor Potência elétrica Acoplamento

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

Tecnologia de sistemas.

Tecnologia de sistemas. Tecnologia de sistemas. HYDAC Dinamarca HYDAC Polônia HYDAC Brasil HYDAC Índia HYDAC China HYDAC França HYDAC Alemanha Seu parceiro profissional para a tecnologia de sistemas. Com mais de 7.500 colaboradores

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS

ENERGIAS ALTERNATIVAS ENERGIAS ALTERNATIVAS Energia eólica A energia dos ventos, conhecida como eólica, é utilizada há muitos anos, para realizar trabalhos como bombear água e moer grãos. Recentemente, passou a ser considerada

Leia mais

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio 1587938146 Jessika Costa 1581943530 Rafael Beraldo de Oliveira 1584937060 A

Leia mais

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

--------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11 MÓDULO II GERAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA Referências utilizadas: Leão, R. GTD Geração, Transmissão e Distribuição da Energia Elétrica, Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Ceará,

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

GERAÇÃO SOLAR PhD. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila. Prof. Dr. Clodomiro Unsihuay-Vila Vila

GERAÇÃO SOLAR PhD. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila. Prof. Dr. Clodomiro Unsihuay-Vila Vila GERAÇÃO SOLAR PhD. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Prof. Dr. Clodomiro Unsihuay-Vila Vila Energia Fotovoltaica Energia Fotovoltaica (reportagem 10 min.): https://www.youtube.com/watch?v=gzyit0sjc ou MPX -

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis

Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis Green Synthetic Fuel / Luís Guerra Conteúdos Conceito

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Disciplina - Geografia 2 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

Artigo: Energia no Brasil - Energia Eólica

Artigo: Energia no Brasil - Energia Eólica Artigo: Energia no Brasil - Energia Eólica Aparecida Rosária Luiz da Silva Pós em Gestão da Qualidade ArcelorMittal Inox Brasil Tubos Analista de Sistemas da Qualidade Rodovia Índio Tibiriçá, km 50 B.Barro

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa Prof. Augusto C. Pavão Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa O problema energético global. Aproveitamento das energias solar, eólica, hidráulica e da biomassa. Energia solar e as

Leia mais

Energia e Desenvolvimento Humano

Energia e Desenvolvimento Humano Aula 19 A energia elétrica de cada dia Página 321 O consumo de energia aumentou gradativamente ao longo das etapas de desenvolvimento. Este aumento está relacionado com o crescimento populacional e o desenvolvimento

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

Projetos eletrônicos educacionais com energia alternativa

Projetos eletrônicos educacionais com energia alternativa 1 PROJETOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS COM ENERGIA ALTERNATIVA Instituto NCB www.newtoncbraga.com.br leitor@newtoncbraga.com.br 2 PROJETOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS COM ENERGIA ALTERNATIVA Autor: São Paulo

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Procurando reduzir gastos com energia? Por que não aumentar a produtividade ao mesmo tempo? Reduzir os custos operacionais usando a energia com eficiência

Leia mais

Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana

Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana A energia empreendida no processo de floração se equivale a energia empreendida no processo de "secagem" das flores?

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Coordenção de Comunicação Social Assessoria de Estudos e Programas de Conservação de Energia

Coordenção de Comunicação Social Assessoria de Estudos e Programas de Conservação de Energia Coordenção de Comunicação Social Assessoria de Estudos e Programas de Conservação de Energia Ilustrações: Claudio Alecrim Caderno da Energia Eletrobras Furnas Foi constituída na década de 50, com o objetivo

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio 1- Introdução Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se que, até 2030,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR NA GERAÇÃO DE ENERGIA EM TERMELÉTRICAS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR NA GERAÇÃO DE ENERGIA EM TERMELÉTRICAS RESUMO A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR NA GERAÇÃO DE ENERGIA EM TERMELÉTRICAS Amábili Sierra Fernandes amabilisierra@yahoo.com.br Emiliana Ridolphi Miguel emiridolphi@msn.com RESUMO A

Leia mais

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar.

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Prof. Dr. Luiz Roberto Carrocci Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus de Guaratinguetá Definições a) Energia

Leia mais

USO DE PAINÉIS SOLARES PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO ASSENTAMENTO ELDORADO II EM SIDROLÂNDIA MS

USO DE PAINÉIS SOLARES PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO ASSENTAMENTO ELDORADO II EM SIDROLÂNDIA MS USO DE PAINÉIS SOLARES PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO ASSENTAMENTO ELDORADO II EM SIDROLÂNDIA MS Orlando Moreira Júnior 1, Bruna Insfran Jorcuvich 2, Gabriela Pinheiro Telles 2, Tatiane Machado Barbosa 2

Leia mais