Utilização de biodigestores como alternativa para o tratamento de dejetos oriundos da produção animal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização de biodigestores como alternativa para o tratamento de dejetos oriundos da produção animal"

Transcrição

1 Utilização de biodigestores como alternativa para o tratamento de dejetos oriundos da produção animal Tainá Silvestre Moreira 1, Roberta Ferreira Carvalho 1, Eduardo Cuelar Orlandi Cassiano 1, Diana Carolina Zapata Vazquez 1, Ricardo Galbiatti Sandoval Nogueira 1, Lizbeth Collazos Paucar 2, Flavio Perna Junior 1, Paulo Henrique Mazza Rodrigues 3 1 Alunos de pós-graduação do Departamento de Nutrição e Produção Animal - FMVZ/USP, Av. Duque de Caxias Norte, 225, CEP: , Campus de Pirassununga-SP. 2 Aluna de Doutorado da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos FZEA/USP, Av. Duque de Caxias Norte, 225, CEP: , Campus de Pirassununga-SP 3 Professor do Departamento de Nutrição e Produção Animal e Bolsista em Produtividade de Pesquisa do CNPq VNP/FMVZ/USP, Av. Duque de Caxias Norte, 225, CEP: , Campus de Pirassununga-SP. INTRODUÇÃO O Brasil ocupa posição de destaque na produção pecuária, sendo importante fornecedor de proteína animal para a população mundial. Apesar de sua importância, a pecuária brasileira, vem sendo criticada por emitir quantidades significativas de gases de efeito estufa (GEE). Grande parte dessa emissão é oriunda da fermentação entérica e dos dejetos gerados durante o processo de produção, sendo responsáveis pela emissão principalmente de metano (CH 4 ), óxido nitroso (N 2 O) e dióxido de carbono (CO 2 ) Em sistemas de produção intensiva, além do impacto ambiental gerado pela emissão dos GEE outros fatores são relacionados ao acúmulo de dejetos, como a geração de resíduos líquidos com altas concentrações de carga orgânica. A pecuária também exerce um papel importante no sequestro de carbono, por parte das pastagens bem manejadas e a integração lavoura pecuária, aumentando a eficiência na utilização de insumos e redução das emissões de metano dos animais em pastejo, em função dos ganhos em termos de quantidade e qualidade da forragem em comparação ao sistema convencional. Vários fatores podem interferir sobre a produção de metano dos dejetos, destacando a qualidade dos sólidos voláteis contidos nos dejetos. Segundo Moller et al. (2004), a produção de metano é dependente da composição química dos compostos orgânicos (carboidratos, lipídios e proteínas) contidos nas fezes, urina, palhas e camas, que podem fazer parte do resíduo total. Há uma grande variação na composição dos 1

2 resíduos de origem animal devido a alguns fatores, como: a espécie e categoria animal, tipo da dieta, uso de cama e a taxa de degradação dos resíduos. Técnicas nutricionais, como o uso de ionóforos, tanino, saponinas, óleos essências, lipídios, vacinas, anticorpos policlonais, técnicas de manejo de pastagens e melhoramento genético, assim como a busca por fontes renováveis e limpas, como os biodigestores, esterqueiras, tanques ou lagoas de retenção, lagoas de sedimentação, canais de drenagem, surgem como alternativas para reverterem, controlar e mitigar os problemas causados pelos GEE. A utilização de biodigestores é uma alternativa tecnológica para o gerenciamento dos dejetos, que permite a agregação de valor ao resíduo mediante a utilização de biofertilizantes e de biogás produzido em sistemas de geração de energia e calor (Perdomo et al., 2003). São classificados em dois tipos: contínuos e batelada, dentre os contínuos tem-se os modelos Chinês e Indiano, neste tipo de sistema a matéria-prima é colocada continuamente e quase sempre diretamente, tendo uma produção continua de biogás e biofertilizante, onde a produção só cessa quando falta matéria prima, provocando parada no sistema. Os modelos podem ser divididos de acordo com seu posicionamento sobre o solo: vertical ou horizontal (Comastri Filho, 1981). O tipo batelada é abastecido uma única vez, é mantido em fermentação por um período desejado, após o término da produção de biogás o material é descarregado. O biogás é gerado através da fermentação anaeróbia, de dejetos animais e resíduos vegetais, dentro de condições adequadas, resultando em uma mistura gasosa de CH 4 e N 2 O, este produto se torna muito interessante, pois se trata da conversão de algo poluente em uma fonte de energia. Seu potencial energético pode ser aproveitado por intermédio da queima e obtenção de energia térmica. A geração do biogás trás aos produtores uma opção energética renovável de ótimo rendimento, custeando os gastos em energia elétrica externa e proporcionando energia limpa e distribuição correta dos efluentes gerados. Segundo Castanon (2002), o potencial energético do biogás está em função da quantidade de metano contida no gás que determina o seu poder calorífico. Grande parte dos nutrientes, ingeridos na dieta, são eliminados via fezes e urina e não são degradados, após a biodigestão 50% do nitrogênio presente se transforma na forma de amônia dissolvida, prontamente assimilável pelas plantas (Nogueira, 1986). A biomassa resultante do processo de biodigestão conhecida como biofertilizante possui alto poder fertilizante. De acordo com Kiehl (1985), para o dejeto se tornar um fertilizante orgânico humificado deve sofrer um processo de fermentação 2

3 microbiológica. A finalidade da fermentação é produzir um material humificado semelhante à matéria orgânica natural do solo (Malavolta, 1979). Os biofertilizantes podem ser utilizados em substituição aos fertilizantes convencionais, proporcionando aos produtores uma redução nos custos de produção, além de contribuir com a sustentabilidade ambiental. Esta revisão tem o objetivo de apresentar a utilização de biodigestores, como uma ferramenta para a redução na produção de metano, óxido nitroso e dióxido de carbono em busca de uma produção animal economicamente viável e sustentável. IMPACTO AMBIENTAL DE DEJETOS No Brasil, grande parte das emissões de metano de origem entérica é decorrente de bovinos criados em sistemas extensivos, em pastagens que se encontram abaixo de seu potencial produtivo, acarretando assim ineficiência ao processo produtivo, gerando maiores emissões de metano por unidade de produto, seja carne ou leite. (Guimarães Jr. et al., 2010; Lima 2002; Machado et al., 2011). Dentre os GEEs, o dióxido de carbono (CO 2 ), o metano (CH 4 ) e o óxido nitroso (N 2 O) são os mais importantes no âmbito da atividade agropecuária. Apesar das concentrações de metano e óxido nitroso na atmosfera serem menores que a de CO 2, esses gases apresentam potencial de aquecimento 23 e 296 vezes maior em relação ao CO 2, respectivamente (Snyder et al., 2008). Com sua taxa de crescimento anual de 7%, o gás metano apresenta potencial de aquecimento global vezes maior que o CO 2 e seu tempo de vida na atmosfera varia de 9 a 15 anos (IPCC, 2006). Dentre as fontes antrópicas de emissão de CH 4, a fermentação entérica dos ruminantes contribui com 22% da produção mundial, correspondendo a 3,3% dos GEE (USEPA, 2000). Já a emissão de metano pela fermentação das fezes no ambiente quando comparada à produção entérica é bem inferior, representando 1,6% dos GEE. A emissão de metano pela excreção fecal é variável em função do manejo do dejeto, com maiores taxas de emissão para dejeto oriundo de confinamento em relação ao dejeto depositado diretamente nas pastagens. (Brasil, 2009; Chizzotti et al., 2012) Estima-se que no Brasil as áreas de pastagens degradadas ocupem entre 20 a 60 milhões de hectares, o que representa um grande potencial de sequestro de carbono (Bernedet, 2010). A partir do ano de 2010, o governo brasileiro instituiu o Programa 3

4 para Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (Programa ABC), por meio do qual são destinados recursos para financiar práticas adequadas, tecnologias adaptadas e sistemas produtivos eficientes que contribuam para a mitigação da emissão de GEEs na agropecuária (Brasil, 2010). Com a recuperação das pastagens degradadas e um manejo adequado, observa-se um sequestro de carbono pelas pastagens no solo, em função do crescimento radicular que é um dos drenos de carbono com grande potencial no Brasil. Portanto, ao invés de reduzir nossa produção, temos que intensificá-la, apenas com o cuidado de agregar eficiência aos sistemas de produção (Almeida & Medeiros, 2013). Recentemente, a integração Lavoura-Pecuária (ilp) têm sido reconhecida como estratégia para redução das emissões de GEE pela agropecuária. Entre os fatores positivos decorrentes da adoção da ilp podem ser citados: a redução do avanço da fronteira agrícola (efeito poupa-terra), mitigação das emissões de carbono devido ao aumento no teor de matéria orgânica no solo, aumento na eficiência no uso de insumos e redução das emissões de metano dos animais em pastejo, em função dos ganhos em termos de quantidade e qualidade da forragem em comparação ao sistema convencional (Martha Jr. et al., 2006; Machado et al., 2011; Vilela et al., 2011; Vilela et al., 2012). Já o óxido nitroso, considerado um potente GEE é gerado naturalmente nos solos pelo processo de nitrificação e desnitrificação. As emissões de óxido nitroso pela agropecuária representam 90,6% das emissões nacionais deste gás e são provenientes principalmente da emissão dos solos. Apesar da baixa emissão por unidade de área, como a área de pastagens no país é muito grande, a emissão pelas pastagens representa cerca de 39,4% das emissões de óxido nitroso pelas atividades agropecuárias. A entrada de nitrogênio (N) no sistema solo-atmosfera agregada a outros fatores estimula a produção deste gás, e por isso, a grande quantidade de N contido nas excretas dos bovinos, tanto na urina quanto nas fezes, faz com que os dejetos resultem como a mais importante fonte de N 2 O em pastagens. Sua emissão via decomposição de dejetos é altamente variável e dependente do manejo aplicado ao dejeto (Lessa, 2011; Oliveira et al., 2011). Para gado de leite, de 20 a 30% do nitrogênio consumido diariamente encontram-se na proteína do leite e na carne produzida, sendo o restante excretado pelas fezes e urina. Para gado de corte a eficiência de uso do nitrogênio é ainda menor, cerca de 10%. Dessa forma, dietas com excesso de proteína resultará em maiores custos com alimentação além do aumento na excreção de N e assim como maiores quantidades de óxido nitroso serão emitidas, contribuindo negativamente para o aquecimento global 4

5 (Chizzotti et al., 2012; Dou et al., 1996; Kohn et al., 1997; Oenema et al., 2001; Hutchings et al., 1996). Para emissão de GEE a partir de suínos e aves, há escassez de estudos no Brasil. Entre os poucos trabalhos existentes na área de suínos, podem ser citados alguns estudos de emissão de gás carbônico em solos adubados com dejetos de suínos (Giacomini & Aita, 2008) e avaliações de potencial de redução de emissão através do uso de sistemas de tratamentos, tais como biodigestores (Angonese et al., 2007). Na área de avicultura, as pesquisas se limitam às avaliações de teores de amônia, a qual não é diretamente causadora de efeito estufa, em ambientes confinados de aviários visando a questão do bem estar animal (Owada et al., 2007) e estudos de aditivos com potencial mitigador da volatilização desse gás em aviários (Medeiros et al., 2008). Neste sentido, é evidente a carência que existe no país de informações consistentes, sobre a real colaboração da produção intensiva de suínos e aves na emissão de GEE e também do potencial de mitigação da emissão destes gases, quando são adotadas ações para tratamento alternativo de dejetos (Oliveira et al., 2011). BIODIGESTÃO ANAEROBIA Atualmente a tendência na produção animal é promover sua sustentabilidade, buscando o máximo rendimento com o mínimo desperdício, objetivando assim, reduzir os impactos ambientais e melhorar a eficiência. Uma alternativa para minimizar os impactos causados pela grande geração de resíduos são os processos biológicos de reciclagem de nutrientes. Estes processos utilizam os resíduos provenientes da produção animal como matéria prima para a geração de subprodutos de valor agregado, tornando a atividade técnica e economicamente viável. A biodigestão anaeróbia é um processo fermentativo, causado por microrganismos especializados que atuam em reações específicas, decompondo a matéria orgânica na ausência de oxigênio, ocorrendo uma complexa interação de microrganismos (Craveiro et al., 1982). As bactérias são responsáveis pela digestão de diversos componentes orgânicos, gerando biogás e biofertilizante (Chernicharo, 2007; Rizzoni, 2012). Biodigestão anaeróbia é um processo sensível, podendo ser dividido em quatro fases: 5

6 1. Hidrólise enzimática - materiais orgânicos complexos são hidrolisados e convertidos em moléculas menores por meio da fermentação; 2. Acidogênese - moléculas menores resultantes da hidrólise são metabolizadas por bactérias, convertendo-se em diversos compostos simples; 3. Acetogênese - microrganismos acetogênicos convertem os produtos da acidogênese, resultando em hidrogênio, dióxido de carbono e acetato; 4. Metanogênese - processo das arqueas metanogênicas, convertem os substratos que produzem metano a partir dos acetatos, hidrogênio e dióxido de carbono. Esses processos necessitam de alguns fatores para melhor aproveitamento do sistema como: temperatura, tempo de retenção, tipo de resíduo, ph, relação carbono/nitrogênio e qualidade de água (Chernicharo, 2007; Rizzoni, 2012; Leite, 2003; Fisher et al., 1979; Lucas Jr, 1998, Madigan, 2010). O valor do ph é um fator que influencia o desempenho do processo de biodigestão anaeróbia. Alguns estudos mostram o ph de 6,0 a 8,0 como sendo a faixa ótima para a fermentação anaeróbia (Batista, 1981). Porém, a faixa ótima de ph para digestão anaeróbia de dejetos de bovinos é de 6,7 a 7,4. (Ruiz, 1992; Bryant,1979). O acréscimo de resíduos de origem animal ao processo de biodigestão anaeróbia promove aumento na produção de biogás em relação ao uso de resíduos de origem vegetal (Al- Masri, 2001). Segundo Lucas Jr (1994), o potencial de produção de biogás a partir dos dejetos de ruminantes deve sofrer variações em função da qualidade nutricional dos alimentos fornecidos aos animais, encontrando-se diferenças entre dejetos coletados a partir de animais que são criados em pastagens em relação aos de animais que recebem alimento concentrado. O potencial de produção de biogás de dejeto ovino, encontrado por Jain et al. (1981), foi de 0,0452 m 3 kg -1 de biogás. Segundo Nogueira et al. (2013), a partir de dejetos de bovinos de corte confinado foi de 0,056 m 3 de biogás, com o teor médio de 79,6% de metano, resultando em um potencial de produção diário de metano de 0,043m 3 deste gás por quilograma de dejeto in natura. Lucas Jr (1987) encontrou maior eficiência na conversão de dejetos de bovinos em biogás (0,048m 3 kg - 1 de dejetos. Segundo Hardoin et al. (2004), em um confinamento de 100 vacas, um biodigestor pode produzir um volume de 118 m 3 de biogás, volume suficiente para atender com energia elétrica a demanda da ordenhadeira, do resfriador de leite, do triturador, do desintegrador, do misturador de ração e da bomba de água., Nascimento (1991) encontrou potencial de produção de biogás de 0,08692 m 3 kg -1 em biodigestores com 6

7 dejetos de ovinos e capacidade de carga de três litros. Misi & Forster (2001) avaliaram biodigestores com misturas à base de dejetos de caprinos, ovinos e bovinos (70%) e resíduos do processamento de frutas e cama de frangos (30%), encontrando valores de produção total de 4.189,50 ml de CH 4 em 35 dias de retenção em biodigestores com capacidade de ml. BIODIGESTORES Um biodigestor compõe-se, basicamente, de uma câmara fechada na qual uma biomassa (em geral detritos de animais) é fermentada anaerobiamente. É possível, portanto, definir biodigestor como um equipamento destinado a conter a biomassa e seu produto, o biogás. A função dos biodigestores é fornecer as condições propícias para que um grupo especial de bactérias, as metanogênicas, degrade o material orgânico, com a consequente liberação do gás metano (Dotto et al. 2012). O biodigestor torna-se uma alternativa para o tratamento de dejetos, pois além de possibilitar a redução do potencial poluidor e dos riscos sanitários dos dejetos, promove a geração do biogás, que pode ser utilizado como fonte de energia renovável e permite a reciclagem do efluente, podendo ser utilizado como biofertilizante (Júnior, 2009). Existem vários tipos de biodigestores, entre eles os contínuos, que proporcionam permanente fornecimento de gás e biofertilizante, como exemplo os modelos indiano (Figura 1 e 2) e chinês (Figura 3 e 4), e o modelo batelada, que o fornecimento de gás é interrompido para descarga do material digerido e nova carga do material a digerir (Figura 5) (Deganutti et al. 2002). Em geral, os biodigestores são compostos, basicamente, de duas partes: um recipiente (tanque) para abrigar e permitir a digestão da biomassa, e o gasômetro (campânula), para armazenar o biogás. Dentro do biodigestor em total ausência de oxigênio e luz, as bactérias anaeróbias digerem a biomassa (Farret, 1999). O tipo de biodigestor a construir vai depender dos seguintes parâmetros; quantidade e tipo de dejetos disponíveis, necessidade de energia, necessidade de fertilizante e necessidade de tratamento de dejetos. A construção de um biodigestor tem vantagens, por ser um processo natural para tratar rejeitos orgânicos, por requerer menos espaço que aterros sanitários, diminuir o volume de resíduo a ser descartado, ser 7

8 uma fonte de energia renovável, produzir um combustível de alta qualidade e ecologicamente correto, entre outras. Modelo Indiano: O modelo indiano caracteriza-se por possuir uma campânula, uma espécie de tampa, como gasômetro, a qual pode estar mergulhada sobre a biomassa em fermentação, ou em um selo de água externo, e uma parede central que divide o tanque de fermentação em duas câmaras. A função da parede divisória faz com que o material circule por todo o interior da câmara de fermentação. Este modelo possui pressão de operação constante, ou seja, à medida que o volume de gás produzido não é consumido de imediato, o gasômetro tende a deslocar-se verticalmente, aumentando o volume deste, portanto, mantendo a pressão no interior constante (Deganutti et al., 2002). O resíduo a ser utilizado para alimentar o biodigestor indiano, deverá apresentar uma concentração de sólidos totais (ST) não superior a 8%, para facilitar a circulação do resíduo pelo interior da câmara de fermentação e evitar entupimentos dos canos de entrada e saída do material. O abastecimento também deverá ser contínuo, ou seja, geralmente é alimentado por dejetos bovinos e/ou suínos, que apresentam certa regularidade no fornecimento de dejetos. Figura 1. Processos do biodigestor 8

9 Figura 2. Representação tridimensional em corte do biodigestor modelo indiano Modelo Chinês: O modelo chinês é constituído por uma câmara cilíndrica em alvenaria para a fermentação, com teto abobado, impermeável, destinado ao armazenamento do biogás. Este tipo de biodigestor funciona com base no princípio de prensa hidráulica, portanto, há aumento da pressão do gás no interior do biodigestor, deslocando a biomassa, em sentido contrário, da câmara de fermentação para a caixa de saída, quando há descompressão. Neste tipo de biodigestor, uma parcela de gás formado na caixa de saída é liberada para a atmosfera, reduzindo parcialmente a pressão interna do gás. Por este motivo as construções de biodigestores modelo Chinês não são utilizadas para instalações de grande porte. O substrato deverá ser fornecido continuamente, com a concentração de sólidos totais em torno de 8%, para evitar entupimentos do sistema de entrada e facilitar a circulação do material (Deganutti et. al, 2002). 9

10 Figura 3. Processos do biodigestor modelo Chinês Figura 4. Representação tridimensional em corte do biodigestor modelo chinês Modelo Batelada: Modelo batelada é um sistema simples de ser construído, composto apenas pela câmara de biodigestão cilíndrica, e pelo gasômetro móvel, com formato cilíndrico. Este tipo de biodigestor é abastecido de uma única vez, portanto não é um biodigestor contínuo, como os modelos chinês e indiano, mantendo-se em fermentação por um período conveniente, sendo o material descarregado posteriormente após o término do período efetivo de produção de biogás. Enquanto, que os modelos chinês e indiano são usados para atender propriedades em que a disponibilidade de biomassa ocorre em períodos curtos, um exemplo seria aquelas que recolhem o gado duas vezes ao dia para ordenha, permitindo coleta diária de biomassa, que deve ser encaminhada ao biodigestor, o modelo em batelada adapta-se melhor quando essa disponibilidade ocorre em períodos mais longos, como ocorre em granjas avícolas de corte, cuja biomassa fica a disposição após a venda dos animais e limpeza do galpão (Deganutti et. al, 2002). 10

11 Figura 5. Representação tridimensional em corte do biodigestor modelo batelada BIOGÁS De acordo com Paula (2006), um dos benefícios do processo de biodigestão anaeróbia, que logo contribuiu para o crescente interesse por esta tecnologia, reside na conversão da maior parte da carga poluente do efluente numa fonte de energia: o biogás. Atribui-se o nome de biogás à mistura gasosa (combustível), resultante da fermentação anaeróbia da biomassa dentro de determinados limites de temperatura, teor de umidade e acidez. O biogás é inflamável e inodoro, porém, se houver presença de ácido sulfídrico, pode possuir odor desagradável, semelhante a ovo podre. A geração de biogás a partir de resíduos animais é dependente, além da temperatura, ph, alcalinidade, também da própria característica do resíduo, que é o substrato para o crescimento dos microrganismos no biodigestor. Essa diferença na produção de biogás esta associada a vários fatores como, dieta dos animais, sistema digestivo, que fazem com que sejam produzidos resíduos de características distintas com potencialidades distintas na produção de biogás (Tabela 1) (Kunz & Oliveira, 2013). Tabela 1. Potencial de geração de biogás a partir de resíduos de diferentes animais. Kg esterco animal/dia m 3 /kg esterco m 3 /kg SV m 3 /animal dia Bovino ,038 0,094-0,31 0,36 Suíno 2,3-2,8 0,079 0,37-0,50 0,24 Aves 0,12-0,18 0,05 0,31-0,62 0,014 Fonte: Oliveira (1993). SV=sólidos voláteis. Mesquita (2009) identificou as quantidades de biomassa necessária para produzir 1m 3 de biogás (Tabela 2). Tabela 2. Quantidade de biomassa necessária para a produção de 1m 3 de biogás. Biomassa Quantidade (kg) Esterco de vaca 25 Cama de Frango 5 Esterco Suíno 12 Plantas ou casca de cereais 25 Lixo orgânico 20 Fonte: Mesquita (2009) 11

12 Segundo Castanon (2002), o potencial energético do biogás está em função da quantidade de metano contida no gás, que determina o seu poder calorífico. O teor de metano varia, de 40 a 75%, dependendo da fonte geradora. Tabela 3. Composição média do biogás proveniente de diferentes resíduos orgânicos. Gás Porcentagem Metano (CH 4 ) Dióxido de Carbono (CO 2 ) Nitrogênio (N) 0,5 2,5 Oxigênio (O) 0,1 1 Ácido sulfídrico (H 2 S) 0,1 0,5 Amônia(NH 3 ) 0,1 0,5 Monóxido de Carbono (CO) 0 0,1 Hidrogênio (H) 1 3 Fonte: Castanon (2002). O biogás, por ser extremamente inflamável, pode ser simplesmente queimado para reduzir o efeito estufa (o metano apresenta um poder estufa cerca de 21 vezes maior que o CO 2 ) ou aproveitado para uso doméstico, motores de combustão interna, sistemas de geração de energia elétrica ou térmica (Oliveira et al., 2000). Guyot (1997) descreveu uma relação comparativa do biogás com outras fontes convencionais de energia (Tabela 4). Tabela 4. Relação comparativa de 1m 3 de biogás com outras fontes de energia. Tipo de combustível Quantidade Gasolina 0,6 l Querosene 0,57 l Óleo Diesel 0,55 l Gás liquefeito 0,45 kg Etanol 0,79 l Lenha 1,5 kg Energia elétrica 1,4 kwh Fonte: Guyut (1997). Para transformação do biogás em energia elétrica é necessária a utilização de geradores, para obtenção de energia térmica faz-se necessário o uso de fornos para que ocorra a queima e sua transformação em energia térmica (Avellar et al., 2004). Em propriedades familiares, o principal benefício da utilização do biogás é a substituição da querosene, lenha ou GLP, principalmente por meio da cocção direta e iluminação (Rodriguez et al., 1998). 12

13 De acordo com Werner et al.(1989) a produção de biogás de um biodigestor simples com volume de 8 a 10 m 3 é da ordem de 1,5 a 2 m 3 /dia, usando os dejetos de 3 a 5 vacas ou de 8 a 12 suínos. Essa quantidade é suficiente para que uma família de 6 a 8 membros possa cozinhar 2 a 3 refeições ou operar uma geladeira por todo dia e duas lambadas por 3 horas. Oliveira & Hirashi (2006) desenvolveram um trabalho em uma granja de suínos e aves, no qual, a granja possuía 400 suínos na fase de crescimento e terminação e aves. A propriedade possuía um biodigestor para tratamento dos dejetos suínos. Substituiu-se todo o sistema de aquecimento de GLP das aves por biogás. Os autores concluíram que os dejetos produzidos diariamente por 400 suínos foram suficientes para gerar biogás como fonte de aquecimento para aves. Esperancini et al. (2007) avaliaram o uso do biogás gerado pelos dejetos de suínos na substituição de fontes de energia num assentamento rural. No uso domiciliar, o biogás foi aproveitado na cocção, aquecimento de água e iluminação. A economia anual foi de R$ 3.698,00, e a recuperação do investimento ocorreu em 2,5 anos. Na produção, a energia foi utilizada em diversos equipamentos. A economia anual foi de R$ 9.080,57, e o investimento foi recuperado em 11 meses. Oliveira & Martins (2007) estudaram a viabilidade econômica do uso de um gerador disponibilizando 40 kwh, utilizando biogás da suinocultura, e concluíram que esta alternativa é viável à medida que aumentam a demanda e o preço da energia. Com uma tarifa de R$ 200,00 MWh -1, o tempo de retorno do investimento, considerando desconto da taxa de juros, foi de 39; 26 e 19 meses para tempos de geração diária de 10; 14 e 18 horas, respectivamente. O resfriamento do leite geralmente requer de 100 a 120 MJ de energia elétrica por tonelada de produto, incluindo o processo de bombeamento do leite e da água para lavar os recipientes e equipamentos (Riva, 1992). O pré-resfriamento do leite produzido por uma só vaca requer apenas 15% do potencial de geração de biogás dessa mesma vaca (Mears, 2001). Segundo Zicari (2003), com a utilização do biogás em uma fazenda leiteira com 300 vacas, pode-se economizar pelo menos US$ 2.000,00, enquanto que para uma fazenda com cabeças essa economia pode chegar a US$ 7.000,00. A respeito da capacidade de produção de biogás, Souza et al. (2004) afirmam que, o tamanho das propriedades de suinocultura influi no volume de produção do biogás, sendo que estas podem variar de pequenas propriedades, com capacidade de

14 matrizes, até grandes propriedades, com mais de matrizes. Dado que o índice teórico de produção de resíduo é de 72 litros dia -1 suíno -1, resultando em 0,775 m 3 dia - 1 suíno -1 de biogás. Almeida et al. (2008), cita para uma eficiência do processo de 60,5%, tem-se a produção de metano em função da carga orgânica de 0,504 m 3 dia - 1 suíno -1. Noronha & Gimenes (2008) afirmam que em granja suinocultura operando em ciclo completo, com 200 matrizes, a produção de dejeto chega a 4.146,3 m³ano -1, gerando uma produção média de 1.762,18 m³ de biogás, cerca de 0,025 m 3 dia -1 suíno -1. Este volume permitiria que o sistema gerador de energia elétrica funcionasse por um período de 6 horas diárias. BIOFERTILIZANTES Nos últimos anos, a utilização de adubos orgânicos, sólidos ou líquidos, na produção agrícola teve um crescimento acelerado no Brasil, em função dos seguintes aspectos: altos custos dos fertilizantes químicos, conservação dos recursos do meio ambiente, a prática de uma agricultura ecológica, melhoria da qualidade dos produtos colhidos, redução de contaminações do solo, água, planta, homem e todos os organismos vivos componentes dos agroecossistemas (Araújo et al., 2007; Alves et al., 2001). Após todo o processo de produção do biogás, é gerada a biomassa, que podemos denominar de biofertilizante. Esse biofertilizante poderá ser utilizado como adubo orgânico de várias formas, seja ele aplicado diretamente no solo, pleiteando a melhora dos nutrientes no solo, ou como adubo foliar. O biofertilizante é a designação dada ao efluente líquido obtido da fermentação metanogênica da matéria orgânica e água (Santos, 2001). Alves et al. (2001), o definem como resíduo final da fermentação de compostos orgânicos que contêm células vivas ou latentes de microrganismos (bactérias, leveduras, algas e fungos filamentosos) e seus metabólicos. Tais microrganismos auxiliam o cultivo de plantas, na absorção de nutrientes pelas suas interações na rizosfera, sejam quando aplicados em sementes ou solo (Mishra & Dadlich, 2010). Aceleram certos processos microbianos no solo, que aumentam o grau de disponibilidade de nutrientes, em uma forma facilmente assimilável pelas plantas, e também mobilizando elementos nutritivos da forma não-utilizáveis para a forma utilizável, por meio de processos biológicos (Tnau, 2008). 14

15 Os dejetos orgânicos são descartados no ambiente, podendo contaminar água e solo, uma vez que possuem alto teor energético e quantidades expressivas de macro e micronutrientes, e por oferecerem água, abrigo e temperatura a inúmeros micros e macrovetores de grande importância sanitária acabam sendo preferidos como nicho ecológico (Amaral et al., 2004). Neste contexto, a utilização de biofertilizantes, produzidos em biodigestores anaeróbios, pode ser uma alternativa interessante ao se reaproveitar dejetos orgânicos. Qualquer material, de origem orgânica, submetido a processos de biodigestão anaeróbia, produz biogás e biofertilizante (Vilella Jr. et al., 2003). Os biofertilizantes são fáceis de serem obtidos, em decorrência de que geralmente são compostos de excrementos de animais e encontrados sem dificuldade, podendo, esses produtos, serem produzidos pelo próprio agricultor, gerando economia com insumos importados e, ainda, promovendo melhorias no saneamento ambiental (Medeiros et al., 2007). A matéria orgânica, adicionada ao solo, promove modificações na fertilidade através de alterações, provocadas em suas propriedades químicas e físicas, como, densidade do solo, estado de agregação das partículas, aeração, capacidade de retenção de água e condutividade hidráulica e elétrica do solo (Nobile, 2006). As áreas degradadas são melhor recuperadas quando há a incorporação de matéria orgânica ao solo, pois melhora a estrutura e a retenção de umidade e fornece macro e micronutrientes (Santos & Rodella, 2007). De forma indireta, as propriedades físicas do solo podem ser melhoradas através de um efeito floculante, próprio da matéria orgânica, que melhora o movimento do ar, da água e dos nutrientes, o que permite incrementar o crescimento e a penetração de raízes no solo (Chaimsohn et al., 2007). A matéria orgânica, fornecida a partir de esterco animal e compostos orgânicos, além de melhorar características físicas e químicas do solo, tem sido utilizada a fim de reduzir a aplicação de adubos químicos (Galbiatti et al., 2007). A digestão anaeróbia utiliza carbono, hidrogênio e oxigênio da matéria prima. Enquanto isso, os nutrientes essenciais de plantas (nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K)) permanecem na biomassa dos biodigestores (Igboro, 2011). A disponibilidade de nutrientes é maior do que em digestores de lixo orgânico não tratado. Por exemplo, digestores apresentam disponibilidade 25% superior de nitrogênio inorgânico (N-NH 4 ) e um valor de ph mais elevado do que o estrume líquido não tratado (Monnet, 2003). A qualidade e composição do sólido proveniente da digestão dependem da matéria prima e 15

16 o do processo de digestão (Mata-Alvarez et al., 2003). Além do que, o material digerido é separado em duas frações: a fibra e o efluente líquido. A fibra, porção volumosa, possui um baixo nível de nutrientes para as plantas, portanto, pode ser usado como um fertilizante de baixa qualidade e como condicionador do solo, embora o tratamento posterior da fibra, tal como através da compostagem possa produzir um composto de boa qualidade. Já a fração do efluente líquido contém uma grande proporção de nutrientes e pode ser utilizado como adubo. O elevado teor de água deste efluente facilita a sua aplicação por meio de métodos convencionais de irrigação. Apesar do grande benefício dos digestores anaeróbicos para a melhoria da fertilidade do solo, e consequentemente para a produção agrícola, tem-se uma preocupação quanto a concentração de patógenos presentes neste material e a segurança que este método oferece aos usuários finais (Mata-Alvarez et al., 2003). Os agentes patogênicos tais como Salmonella spp., Escherichia coli, Shigella spp., Klebsiella spp., entre outros, podem contaminar a lama dos biodigestores. Algumas das bactérias são resistentes e não são destruídas durante o período de digestão. Alguns agentes patogênicos sobrevivem melhor em condição úmida e estes organismos podem ainda estar presentes neste material, mesmo após a digestão (Karki et al., 2005). A disponibilidade de biofertilizante líquido no mercado tem aumentado como uma das alternativas para a utilização de fertilizantes químicos e pesticidas, um de seus benefícios é a população de microrganismos benéficos presentes (Hasarin & Viyada, 2008). Técnicas ineficientes de gestão agrícola e uso indevido de agrotóxicos resultaram em piora da qualidade do solo e degradação ambiental (Setboonsarng & Gilman, 1999). Portanto, o objetivo da utilização de biofertilizante é fornecer benefícios socioeconômicos e ecológicos, entre os quais está a melhoria da qualidade do solo, que contribui imensamente para a qualidade e segurança alimentar, saúde humana e animal, bem como a qualidade do meio ambiente (Park et al., 2002). CONCLUSÃO Com a intensificação da produção animal e a crescente preocupação pelo meio ambiente, tanto por parte do consumidor como por parte do produtor, torna-se importante o desenvolvimento de novas tecnologias para se aumentar a sustentabilidade da cadeia de produção. 16

17 A biodigestão anaeróbia dos dejetos atende as atuais exigências dos consumidores, que exigem a produção de alimentos ambientalmente corretos, assim como aos produtores, em função de seus produtos (biogás e biofertilizante), oferecendo soluções quanto ao fornecimento de energia elétrica e correção do solo, diminuindo os custos. A eficiência do biodigestor em produzir biogás e biofertilizantes é dependente de vários fatores, como dito anteriormente, o que abre oportunidades de pesquisas na área de nutrição, manejo animal e de dejetos para estudar formas de melhorar a eficiência dos biodigestores. REFERÊNCIAS AL-MASRI, M.R. Changes in biogas production due to different ratios of some animal and agricultural wastes. Bioresource Technology, Oxford, v.77, n.1, p , ALMEIDA, R.G.; MEDEIROS, S.R. Emissão de gases de efeito estufa em sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta. In: CONGRESSO: SISTEMAS AGROFLORESTAIS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: 10 ANOS DE PESQUISA, 10, 2013, Campo Grande. Anais...Campo Grande: EMBRAPA GADO DE CORTE, p ALMEIDA, S. C. A.; FRANÇA, V. C.; JUNIOR, L. M. Estudo de viabilidade técnica, económica e ambiental de utilização de biodigestores em uma fazenda no Recreio dos Bandeirantes In: Congresso internacional de geração distribuída e energia no meio rural, 7, 2008, Fortaleza, CE. Anais Fortaleza, CE: AGRENER, ALVES, S. B.; MEDEIROS, M. B.; TAMAI, M. A.; LOPES, R. B. Trofobiose e microrganismos na proteção de plantas: biofertilizantes e entomopatógenos na citricultura orgânica. Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento, São Paulo, v. 21, n. 1, p , AMARAL, C. M. C.; AMARAL, L. A.; LUCAS JUNIOR, J.; NASCIMENTO, A. A.; FERREIRA, D. S.; MACHADO, M. R. F. Biodigestão anaeróbia de dejetos de bovinos leiteiros submetidos a diferentes tempos de retenção hidráulica. Ciência Rural, Santa Maria, v. 34, n. 6, p , ANGONESE, A.R.; CAMPOS, A.T.; WELTER, R.A. Potencial de redução de emissão de carbono de uma unidade suinícola com biodigestor. Engenharia Agrícola,v.27, n.3, p , ARAÚJO, E. M.; OLIVEIRA, A. P.; CAVALCANTE, L. F.; PEREIRA, W. E.; BRITO, N. M.; NEVES, C. M. L.; SILVA, E. E. Produção do pimentão adubado com esterco bovino e biofertilizante. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 11, n. 5, p ,

18 AVELLAR, L. H. N.; COELHO, S. T.; ALVES, J. W. Geração de eletricidade com biogás de esgoto: Uma realidade. Biotecnologia, Ciência e Desenvolvimento. n Disponível em: Acesso em: 30 set BATISTA, L. F. Construção e operação de biodigestores. Brasília, DF: EMATER, Não paginado. BERNDT, A. Impacto da pecuária de corte brasileira sobre os gases do efeito estufa. In: SIMPÓSIO DE PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE, 7, 2010, Viçosa. Anais... Viçosa: UFV, p BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia. Inventário brasileiro das emissões e remoções antrópicas de gases de efeito estufa: informações gerais e valores preliminares (30 de novembro de 2009). [2009]. Disponível em: Acesso em: 12 abr BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Decreto Nº 7.390, de 9 de dezembro de [2010]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2010/decreto/ d7390.htm Acesso em: 12 abr BRYANT, M. P. Microbial methane production- theoretical aspects. Journal of Animal Science, Champaing, v. 48, n. 1, p , Jan CASTANÓN, N. J. B. Biogás, originado a partir dos rejeitos rurais. Trabalho apresentado na disciplina: Biomassa como Fonte de Energia - Conversão e utilização. São Paulo: Universidade de São Paulo, p. COMASTRI FILHO, J. A. BIOGÁS: Independência energética do pantanal matogrossense. EMBRAPA, Corumbá-MS, circular técnica n 9, out CHAIMSOHN, F. P.; VILLALOBOS, E.; URPÍ, J. M. O fertilizante orgânico aumenta a produção de raízes em plantas de pupunha (Bactris gasipaes K.). Agronomía Costarricense, Costa Rica, v. 31, p , CHERNICHARO, C.A.L. Reatores anaeróbios. Belo Horizonte: DESA-UFMG. 245 p CRAVEIRO, A. M.; LA IGLESIA, M. R. de; HIRATA, Y. S.. Manual de biodigestores rurais. São Paulo: Ipt, p. CHIZZOTTI, M.L.; PEREIRA, L.G.R.; CHIZZOTTI, F.H.M.; LADEIRA, M.M.; NETO, O.R.M. Uso da nutrição para redução na geração de metano: Eficiência no uso da energia para ruminantes x meio ambiente. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PRODUÇÃO DE RUMINANTES NO CERRADO, 1, 2012, Uberlândia. Anais... Uberlândia: UFU, p

19 DEGANUTTI, R.P. et al. Biodigestores Rurais: Modelo Indiano, Chinês e Batelada. Departamento de Arquitetura, Artes e Representações Gráficas, UNESP: Bauru, DOTTO, R.B.; WOLFF, D.B. Biodigestão e produção de biogás utilizando dejetos bovinos. Ciências Naturais e Tecnológicas, Santa Maria, v.13, n.1, p.13-26, DOU, Z.; KOHN, R.A.; FERGUSON, J.D.; BOSTON, R.C.; NEWBOLD, J.D. Managing nitrogen on dairy farms: An integrated approach I. Model description. Journal Dairy Science, v.79, p , ESPERANCINI, M.S.T.; COLEN, F.; BUENO, O. de C.; PIMENTEL, A.E.B.; SIMON, E.J. Viabilidade técnica e econômica da substituição de fontes convencionais de energia por biogás em assentamento rural do Estado de São Paulo. Revista de Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v.27, n.1, p , FARRET, F. A. Microcentrais a Biogás. In: FARRET, F. A. Aproveitamento de pequenas fontes de energia elétrica. Santa Maria: Editora/UFSM, FISCHER, J.R.; IANNOTTI, E.L.; PORTER, J.H.; GARCIA, A. Producing methane gas from swine manure in a pilot-size digester. Transactions of the ASAE, St. Joseph, v.22, n.2, p.370-4, GABIATTI J. A.; CAVALCANTE, I. H. L.; RIBEIRO A. G.; BECKMANN, C. N. Z. Fertilização e qualidade da água de irrigação no crescimento e desenvolvimento da alface. Scientia Agrária, Curitiba, v. 8, n. 2, p , GIACOMINI, S.J.; AITA, C. Emissão de dióxido de carbono após aplicação de dejetos líquidos e cama sobreposta de suínos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.43, n.1, p , GUIMARÃES JÚNIOR, R.; MARCHAO, R. L.; VILELA, L.; PEREIRA, L. G. R. Produção animal na integração lavoura-pecuária. In: Simpósio Mineiro de Nutrição de Gado de Leite, 5.,2010, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG, p GUYOT, G. Climatologie de L environnement: de la plante aux écosystemes. [S.l.]: Ed. Masson, p. HARDOIM, P. C.; GONÇALVES, A. D. A. Avaliação do potencial do emprego do biogás nos equipamentos utilizados em sistemas de produção de leite. Departamento de Engenharia, Universidade Federal de Lavras, HASARIN, N.; VIYADA, K. The study of shelf life for liquid biofertilizer from vegetable waste. Au J Technol. v.11, n.4 p , HUTCHINGS, N.J.; SOMMER, S.G.; JARVIS, S.C. A model of ammonia volatilization from a grazing livestock farm. Atmospheric Environment, v.30, p ,

20 IGBORO, S.B. Production of biogas and compost from cow dung in Zaria, Nigeria An Unpublished PhD Dissertation in the Department of Water Resources and Environmental Engineering. Zaria Nigeria: Ahmadu Bello University; IPCC - Intergovernamental Panel on Climate Change. Emissions from livestock and manure management. In: Eggleston, H. S.; Buendia, L.; Miwa, K.; Ngara, T.; Tabane, K. (eds). IPCC Guideliness for nacional greenhouse gas inventories. Hayama: IGES, p , JAIN, M.K.; SINGH, R.; TAURO, P. Anaerobic digestion of cattle and sheep wastes. Agricultural Wastes, London, v.3, p.91-8, JÚNIOR, B.C. Embrapa Agroenergia da biomassa residual: perspectivas energéticas, socioeconômicas e ambientais. 2. ed. Foz do Iguaçu: FAO KARKI, A.B.; SHRESTHA, N.J.; BAJGAIN, S. Biogas as renewable energy source in Nepal: theory and development. Nepal: BSP; Disponível em: KOHN, R. A.; DOU, Z.; FERGUSON, J.D.; BOSTON, R.C. A sensitivity analysis of nitrogen losses from dairy farms. Journal of Environmental Management, v.50, p , LEITE, V. D.; LOPES, W. S.; BELLI FILHO, P.; et al. Bioestabilização de resíduos sólidos orgânicos. In: CASSINI, S. T. Digestão anaeróbia de resíduos sólidos orgânicos e aproveitamento de biogás. Rio de Janeiro : ABES, RiMa, LESSA, A.C.R. Emissão de óxido nitroso e volatização de amônia de urina e fezes bovina em pastagens p. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica. LIMA, M. A. Agropecuária brasileira e as mudanças climáticas globais: caracterização do problema, oportunidades e desafios. Caderno de Ciência & Tecnologia, v.19, p , LUCAS, JR. Estudo comparativo de biodigestores modelo indiano e chinês f. Tese (Doutorado em Energia na Agricultura) - Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, LUCAS JR. Algumas considerações sobre o uso do estrume de suínos como substrato para três sistemas de biodigestores anaeróbios f. Tese (Livre- Docência em Construções Rurais)-Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, LUCAS JÚNIOR, J.; SILVA, F.M. Aproveitamento de resíduos agrícolas para a geração de energia.in: ENERGIA, Automação e Instrumentação. Lavras: SBEA/UFLA, p

21 MACHADO, F.S.; PEREIRA, L.G.R.; GUIMARÃES JUNIOR, R.; LOPES, F.C.F.; CHAVES, A.V.; CAMPOS, M.M.; MORENZ, M.J.F. Emissões de metano na pecuária: conceitos, métodos de avaliação e estratégias de mitigação. Edição: 2011 Fonte/Imprensa: Juiz de Fora: Embrapa Gado de Leite, p. Série: (Embrapa Gado de Leite. Documentos, 147). MADIGAN, M.T.; MARTINKO, J.M.; DUNLAP, P.V.; CLARK, D.P. Microbiologia de Brock. 12º Porto Alegre: Artmed, MANSO, K. R. J.; FERREIRA, O. M. Confinamento de bovinos: estudo do gerenciamento dos resíduos. Goiânia, Universidade Católica de Goiás, Departamento de Engenharia Engenharia Ambiental, MARTHA JR, G. B.; VILELA, L.; BARCELLOS, A. O. A planta forrageira e o agroecossistema. In: PEDREIRA, C.G.S.; MOURA, J. C.; SILVA, S. C.; FARIA, V. P. (Eds) As pastagens e o meio ambiente. (SIMPÓSIO SOBRE O MANEJO DA PASTAGEM, 23). Piracicaba: FEALQ, p MATA-ALVAREZ, J.; MACE, S.; LLABES, P. Anaerobic digestion of organic solid wastes. An overview of research achievements and perspectives. Bioresour Technol. v.74, n.1, p.3-16, MEARS, D.T., Biogas Applications for large dairy operations: alternatives to conventional engine-generators. CORNELL COOPERATIVE EXTENSION ASSOCIATION OF WYOMING COUNTY, USA, 102p, MEDEIROS, D. C.; LIMA, B. A. B.; BARBOSA, M. R.; ANJOS, R. S. B.; BORGES, R. D.; CAVALCANTE NETO, J. G.; MARQUES, L. F. Produção de mudas de alface com biofertilizantes e substratos. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 25, n. 3, p , MEDEIROS, R.; SANTOS, B.J.M.; FREITAS, M.; SILVA, O.A.; ALVES, F.F.; FERREIRA, F. A adição de diferentes produtos químicos e o efeito da umidade na volatilização de amônia em cama de frango. Ciência Rural, v.38, n.8, p , MESQUITA, P. L. Caracterização de Produtos Microbianos Solúveis (SMPs) em Reatores Aeróbio e Anaeróbio de Bancada em Diferentes Condições Operacionais Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto. MISHRA, B.K; DADLICH, S.K. Methodology of nitrogen biofertilizer production. Journal Adv Development Res. v.1, n.1, p. 3-6, MOLLER, H.B.; SOMMER, S.G.; AHRING, B.K. Methane productivity of manure, straw and solid fractions of manure. Biomass Bioenergy, Aberdeen, v.26, n.3, p ,

22 MONNET, F. An introduction to anaerobic digestion of organic waste, being a final report submitted to Remade. Scotland. Disponível em: Acesso em: Maio de NASCIMENTO, E.F. Aspecto energético e sanitário do uso de estrume de ovinos como substrato de biodigestores f. Monografia (Trabalho de Graduação) - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, NOBILE, F. O; GALBIATTI, J. A.; CORDIDO, J. P.; ANDRIÃO, M. A.; MURAISHI, R. I. Estudo da presença de nitrato em folhas de alface irrigada com água residuária e com diferentes tipos de irrigação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA João Pessoa. Anais... João Pessoa: Sociedade Brasileira de Engenharia Agrícola, 2006, CD-ROM. NOGUEIRA, R.G.S, et al., Produção total e potencial de produção de biogás de biodigesotes abastecidos com dejetos de bovnios de corte confinado. In. Simpósio de Sustentabilidade e Ciencia Animal, 2013, Pirassunga. Anais... Pirassununga: Simpósio de Sustentabilidade e Ciencia Animal, NORONHA, A. C. G.; GIMENES, R M. T. Mensuração dos Custos de Implantação de Biodigestores na Suinocultura: Gestão Econômica e Social de Cooperativas. In: V Encontro de Pesquisadores Latino-Americanos de Cooperativismo ago Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. OENEMA, J.; KOSKAMP, G.J.; GALAMA, P.J. Guiding commercial pilot farms to bridge the gap between experimental and commercial dairy farms the project: Cows & Opportunities. Netherlands Journal of Agricultural Science, v.49, p , OLIVEIRA, P, A, V. Manual de manejo e utilização dos dejetos suínos. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves, p. (Embrapa Suínos e Aves. Documentos, 27). OLIVEIRA, R. A.; CAMPELO, P. L. G.; MATOS, A. T.; MATINEZ, M. A.; CECON, P. R. Influência da aplicação de águas residuárias da suinocultura na capacidade de infiltração de um solo Podzólico vermelho amarelo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, v.4, n.2, p , OLIVEIRA, P.A.V.; HIGARASHI, M.M. Utilização de biogás no aquecimento ambiental do aviário. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA, OLIVEIRA, P.A.V. de; MARTINS, F.M. Utilização do biogás na suinocultura para geração de energia elétrica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA, 36., 2007, Bonito. Anais... Jaboticabal: Associação Brasileira de Engenharia Agrícola, CD-ROM. OLIVEIRA, P.P.A. et al. Emissão de gases nas atividades pecuárias. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS 22

23 AGROPECUÁRIOS E AGROINDUSTRIAIS, 2, 2011, Foz do Iguaçu. Anais p.1-6. PARR, J.F.; HORNICK, S.B.; PAPENDICK, R.I. Transition from conventional agriculture to natural farming systems: the role of microbial innoculants and biofertilizer. Disponível em: Acesso em: Março de PAULA, A. N. Biogás: O combustível do futuro. Dissertação (Mestrado em Fontes Alternativas de Energia) Departamento de Engenharia, Universidade Federal de Lavras, Lavras, PERDOMO, C. C.; OLIVEIRA, P. A. V. O.; KUNZ, A. Sistema de tratamento de dejetos de suínos: inventário tecnológico. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves, p. (Documentos, 85). RIVA, G., 1992, Utilisation of renewable energy sources and energy-savings technologies by small-scale milk plants and collection centres (FAO animal production and health paper 93). United Nations Food and Agriculture Organization, 111p. RIZZONI, L. B.; TOBIAS, A. C. T.; DEL BIANCHI, M.; GARCIA, J. A. D. Biodigestão anaeróbia no tratamento de dejetos de suínos. Revista Científica Eletrônica De Medicina Veterinária, Alfenas, p.7-8, RODRÍGUEZ, S.; VALDÉS, W.; TERRY, A.; MONTOTO, V.; LÓPEZ, C Utilización de los lodos de digestión como bioabonos para el cultivo de especies hortícolas. V taller y Seminario Latinoamericano de Tratamiento Anaerobio de Aguas Residuales. Viña del Mar, Chile. RUIZ, R. L.. Microbiologia Zootécnica. São Paulo: Roca, p.314, SANTOS, A. C. V. dos. A ação múltipla do biofertilizante líquido como fertifitoprotetor em lavouras comerciais. In: ENCONTRO DE PROCESSOS DE PROTEÇÃO DE PLANTAS: CONTROLE ECOLÓGICO DE PRAGAS E DOENÇAS, 2001, Botucatu. Anais... Botucatu: Agroecológica, p SANTOS, G. C.; RODELLA, A. A. Efeito da adição de fontes de matéria orgânica como amenizantes do efeito tóxico de B, Zn, Cu, Mn e Pb no cultivo de Brassica juncea. Revista Brasileira Ciência do Solo, Viçosa, v. 31, n. 4. p , SNYDER, C.S.; BRUULSEMA, T.W.; JENSEN, T.L. Melhores práticas de manejo para minimizar emissões de gases de efeito estufa associadas ao uso de fertilizantes. Informações agronômicas, n.121, p.13-14, SOARES. Digestão Anaerobia no tratamento de efluentes de origem bovina: Viabilidade em explorações da Beira Litoral e Entre Douro e Ninho. Cernas, Escola Superior Agrária de Coimbra,

USO DE DEJETOS DE OVINOS PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS

USO DE DEJETOS DE OVINOS PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS USO DE DEJETOS DE OVINOS PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS O. KONRAD ¹*, C. E. CASARIL ², T. COSTA ², N. A. D. VIEIRA ², M. LUMI ², C. HASAN ² e J.F. TONETTO ¹, ¹ UNIVATES, Curso de Engenharia Ambiental e Programa

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E AMBIENTAL DO SÍTIO ECOLÓGICO FALKOSKI

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E AMBIENTAL DO SÍTIO ECOLÓGICO FALKOSKI SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E AMBIENTAL DO SÍTIO ECOLÓGICO FALKOSKI Heleno Quevedo de Lima Engenharia em Energia e Desenvolvimento Sustentável Novo Hamburgo, janeiro de 2008 O biodigestor é uma ferramenta

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO BIOGÁS A NÍVEL DE PROPRIEDADE

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO BIOGÁS A NÍVEL DE PROPRIEDADE VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO BIOGÁS A NÍVEL DE PROPRIEDADE Zemiro Massotti Eng. Agr., - Epagri - Concórdia, SC. APRESENTAÇÃO "Os dejetos da produção intensiva de suínos quando armazenados não adequadamente,

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL GERADA NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS

AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL GERADA NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL GERADA NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS Taís Larissa da Silva 1, João Batista Sarmento dos Santos Neto 2, Paulo Fernando

Leia mais

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Todo dia é Dia da Terra. 04 05 Sem energia não há vida... mas, o crescente uso da energia atual representa a maior ameaça à vida. Na

Leia mais

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha o hectare Publicação do Ecocentro IPEC Ano 1, nº 3 Pirenópolis GO Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também vai conhecer um pouco mais sobre a suinocultura. Na

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

BIODIGESTOR: FONTE ALTERNATIVA DE GÁS LIMPO E ADUBO ORGANICO QUE CONTRIBUEM PARA REDUÇÃO DO EFEITO ESTUFA

BIODIGESTOR: FONTE ALTERNATIVA DE GÁS LIMPO E ADUBO ORGANICO QUE CONTRIBUEM PARA REDUÇÃO DO EFEITO ESTUFA BIODIGESTOR: FONTE ALTERNATIVA DE GÁS LIMPO E ADUBO ORGANICO QUE CONTRIBUEM PARA REDUÇÃO DO EFEITO ESTUFA Vanderli Luciano da Silva Universidade Federal de Goiás Técnico em Agropecuária, graduando em Tecnologia

Leia mais

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt Biogás Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt O que é o Biogás? É um gás produzido através de resíduos orgânicos que estão em

Leia mais

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário 1º ENCONTRO LUSO-ANGOLANO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário BIAVANGA GUEVARA ZIONE 16 a 18 de Outubro de 2008, Universidade

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS ESTUDADAS NO BRASIL 1

TECNOLOGIAS DE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS ESTUDADAS NO BRASIL 1 TECNOLOGIAS DE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS ESTUDADAS NO BRASIL 1 Airton Kunz 2 Martha Mayumi Higarashi 3 Paulo Armando de Oliveira 4 RESUMO A suinocultura no Brasil tem evoluído sensivelmente

Leia mais

Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: uma abordagem do custo de geração da energia

Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: uma abordagem do custo de geração da energia 25 Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: uma abordagem Recebimento dos originais: 30/06/2011 Aceitação para publicação: 25/08/2011 Resumo Anderson Catapan Mestrando em

Leia mais

PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS

PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS Paulo Armando V. de Oliveira, Engº Agrícola, PhD Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Área de construções rurais/engenharia

Leia mais

Balanço de gases de efeito estufa em pastos de Brachiaria submetidos a diferentes intensidades de pastejo

Balanço de gases de efeito estufa em pastos de Brachiaria submetidos a diferentes intensidades de pastejo Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal Balanço de gases de efeito estufa em pastos de Brachiaria submetidos a diferentes intensidades

Leia mais

A IMPORTÂNCIA PARA A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL DA CONSCIENTIZAÇÃO E INCENTIVO À ADOÇÃO DE BIODIGESTORES EM CRIADOUROS DE GADO LEITEIRO

A IMPORTÂNCIA PARA A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL DA CONSCIENTIZAÇÃO E INCENTIVO À ADOÇÃO DE BIODIGESTORES EM CRIADOUROS DE GADO LEITEIRO A IMPORTÂNCIA PARA A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL DA CONSCIENTIZAÇÃO E INCENTIVO À ADOÇÃO DE BIODIGESTORES EM CRIADOUROS DE GADO LEITEIRO José Henrique Gabetta Doutorando no Planejamento Energético

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

INSTALAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS: ANÁLISE DE VANTAGENS SOCIOAMBIENTAIS. GUILHERME DE LUCA BONTURI *& MICHEL VAN DIJK *

INSTALAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS: ANÁLISE DE VANTAGENS SOCIOAMBIENTAIS. GUILHERME DE LUCA BONTURI *& MICHEL VAN DIJK * BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE - UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 INSTALAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS: ANÁLISE DE VANTAGENS

Leia mais

BIODIGESTORES RURAIS: MODELO INDIANO, CHINÊS E BATELADA

BIODIGESTORES RURAIS: MODELO INDIANO, CHINÊS E BATELADA BIODIGESTORES RURAIS: MODELO INDIANO, CHINÊS E BATELADA Dr. Roberto Deganutti 1, Drª Maria do Carmo Jampaulo Plácido Palhaci 2, Ms. Marco ª Rossi 3, Bel. Roberto Tavares 4, Bel. Claudemilson dos Santos

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS ANIMAIS

GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS ANIMAIS GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS ANIMAIS PRODUÇÃO DE METANO A PARTIR DA CAMA DE FRANGO ASSOCIADA AO BIOFERTILIZANTE OBTIDO COM ESTRUME DE SUÍNOS Costa, L.V.C.* 1 ; Lucas Jr., J. 2 ; Xavier, C.A.N.

Leia mais

III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS

III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS Valderi Duarte Leite (1) Engenheiro Químico: DEQ/CCT/UFPB.Mestre em Saneamento: DEC/CCT/UFPB. Doutor em Saneamento : DHS/EESC/USP. Prof. do DQ/CCT/UEPB

Leia mais

Congresso Internacional de Gestão de Inovação da Educação do Setor Público CIGISP 2015. Workshop CIGISP 2015

Congresso Internacional de Gestão de Inovação da Educação do Setor Público CIGISP 2015. Workshop CIGISP 2015 Estudo da viabilidade de implantação de biodigestor para a produção de energia elétrica a partir dos resíduos orgânicos dos Restaurantes Universitários da UFPI Congresso Internacional de Gestão de Inovação

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Gestão Ambiental: Análise de viabilidade e dimensionamento de um biodigestor para geração de energia elétrica e biofertilizante

Gestão Ambiental: Análise de viabilidade e dimensionamento de um biodigestor para geração de energia elétrica e biofertilizante Gestão Ambiental: Análise de viabilidade e dimensionamento de um biodigestor para geração de energia elétrica e biofertilizante Andre Cristiano Pederiva (FAHOR) ap000739@fahor.com.br Thiago Rafael Spillari

Leia mais

PECUÁRIA DE CORTE BRASILEIRA: IMPACTOS AMBIENTAIS E EMISSÕES DE GASES EFEITO ESTUFA (GEE)

PECUÁRIA DE CORTE BRASILEIRA: IMPACTOS AMBIENTAIS E EMISSÕES DE GASES EFEITO ESTUFA (GEE) PECUÁRIA DE CORTE BRASILEIRA: IMPACTOS AMBIENTAIS E EMISSÕES DE GASES EFEITO ESTUFA (GEE) I EQUIPE DE TRABALHO Prof. Dr. Sergio De Zen Professor Doutor do Departamento de Economia, Administração e Sociologia

Leia mais

Princípios de Termoelétricas em Pequenas Propriedades Rurais

Princípios de Termoelétricas em Pequenas Propriedades Rurais Princípios de Termoelétricas em Pequenas Propriedades Rurais L. L. Silva a, M. S. Alves b, V. C. Silva c, A. L. Rocha d a. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas, Alagoas, lucivaniahta@gmail.com

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Através deste anexo, a Brascarbon Consultoria Projetos e Representação Ltda. descreve como o projeto - Brascarbon Projeto

Leia mais

VI Semana de Tecnologia em Alimentos

VI Semana de Tecnologia em Alimentos BIODIGESTORES Diego Solak Castanho 1 ; Heder Jobbins de Arruda 2 1,2 Curso Técnico em Agroindústria UTFPR Campus Ponta Grossa. diegoscastanho@gmail.com Resumo O desenvolvimento de tecnologias para o tratamento

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA (GEE)

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA (GEE) ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA (GEE) SECTOR AGRO-PECUÁRIO 2009 Ficha Técnica: Relatório elaborado por Luís de Freitas, no âmbito do estágio profissional ao abrigo do PEPAC

Leia mais

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS.

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. Sueli Farias de Souza (1) Graduanda do Curso de Química Industrial da UEPB. Bolsista de Iniciação Cientifica do CNPq/PIBIC/UEPB.

Leia mais

DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS INTEGRADA COM LODO DE TANQUE SÉPTICO ASSOCIADO AO TRATAMENTO DE LIXIVIADO EM REATOR UASB

DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS INTEGRADA COM LODO DE TANQUE SÉPTICO ASSOCIADO AO TRATAMENTO DE LIXIVIADO EM REATOR UASB DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS INTEGRADA COM LODO DE TANQUE SÉPTICO ASSOCIADO AO TRATAMENTO DE LIXIVIADO EM REATOR UASB Paulo Belli Filho Fábio Rita Hugo Moreira Soares Nadja Rigoni Medeiros

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Priscila Alves Carneiro Heleno Quevedo de Lima Universidade Federal

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Pirólise Convencional (400 C x 60 minutos x pressão atmosférica) Quantidade ano 2011 (1.000 t) Motivação (exemplo)

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013

PROJETO DE LEI Nº DE 2013 PROJETO DE LEI Nº DE 2013 Dispõe sobre as atividades relativas a geração, transporte, filtragem, estocagem e geração de energia elétrica térmica e automotiva com biogás, e dá outras providências. Art.

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS DIGESTÃO ANAERÓBIA E POTENCIALIDADE NA GERAÇÃO DE BIOGÁS

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS DIGESTÃO ANAERÓBIA E POTENCIALIDADE NA GERAÇÃO DE BIOGÁS DIGESTÃO ANAERÓBIA E POTENCIALIDADE NA GERAÇÃO DE BIOGÁS LADEMIR LUIZ BEAL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA PERCENTUAL DE ENERGIA RENOVÁVEL DIGESTÃO ANAERÓBIA PROCESSO MICROBIOLÓGICO

Leia mais

APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DA AVICULTURA PARA A PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DA AVICULTURA PARA A PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DA AVICULTURA PARA A PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA João Chiabai Junior 1 *; João Miguel Spinassé Caulyt 2 ; Patryck Rayan Laureth Romanha 2 ; Flávia Pereira Puget 2 RESUMO: A

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM BIODIGESTOR DE BAIXO CUSTO PARA ENSINO DE TERMODINÂMICA

PROTÓTIPO DE UM BIODIGESTOR DE BAIXO CUSTO PARA ENSINO DE TERMODINÂMICA PROTÓTIPO DE UM BIODIGESTOR DE BAIXO CUSTO PARA ENSINO DE TERMODINÂMICA Kamila Dias Bernardes bernardes@tucurui.ufpa.br Universidade Federal do Pará- Faculdade de Engenharia Mecânica Rodovia BR 422, S/N,

Leia mais

Estudo da viabilidade energética e ambiental do sistema de biogasificação para resíduos orgânicos domiciliares: O caso da cidade de São Paulo

Estudo da viabilidade energética e ambiental do sistema de biogasificação para resíduos orgânicos domiciliares: O caso da cidade de São Paulo Estudo da viabilidade energética e ambiental do sistema de biogasificação para resíduos orgânicos domiciliares: O caso da cidade de São Paulo Karla Nunes dos Santos 1 Prof Sérgio Almeida Pacca 2 Resumo:

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

artigos 92 Revista UFG / Dezembro 2012 / Ano XIII nº 13

artigos 92 Revista UFG / Dezembro 2012 / Ano XIII nº 13 artigos INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA: ALTERNATIVA PARA INTENSIFICAÇÃO DO USO DA TERRA Lourival Vilela 1, Geraldo B. Martha Jr 2, Robélio Leandro Marchão 3 1. Pesquisador da Embrapa Cerrados. E-mail:

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Coimbra, 2012/2014 Escolher Ciência PEC282 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA O que é um

Leia mais

Viagem Técnica Ecocitrus

Viagem Técnica Ecocitrus Resíduos INTERESSE ALTO Viagem Técnica Ecocitrus Central de tratamento de resíduos Compostagem e Biogás Objeto: Conhecer a central de tratamento de resíduos e o modelo de produção de biometano da Cooperativa

Leia mais

Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo

Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo Carlos C. Silva, Humberto A. P. Silva, José Aquiles B. Grimoni O século passado

Leia mais

Anexo III da Resolução nº. 1 Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução nº. 1 Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução nº. 1 Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição do projeto Ecoinvest Master Agropecuária - Captura e combustão de gases do efeito estufa de granjas suínas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA E OTIMIZAÇÃO DO USO DO BIOGÁS DE SUINOCULTURA

VIABILIDADE ECONÔMICA E OTIMIZAÇÃO DO USO DO BIOGÁS DE SUINOCULTURA Salvador/BA 25 a 28/11/2013 VIABILIDADE ECONÔMICA E OTIMIZAÇÃO DO USO DO BIOGÁS DE SUINOCULTURA Diógenes Araújo Sônego (*), Reinaldo de Souza Bílio, Ester Ferreira Silva * Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem Compostagem A compostagem é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal formando um composto. A compostagem propicia um destino

Leia mais

COMPOSTAGEM ORGÂNICA UTILIZANDO COMO SUBSTRATO RESÍDUOS DA PODA URBANA COM LODO DE ETA

COMPOSTAGEM ORGÂNICA UTILIZANDO COMO SUBSTRATO RESÍDUOS DA PODA URBANA COM LODO DE ETA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 COMPOSTAGEM ORGÂNICA UTILIZANDO COMO SUBSTRATO RESÍDUOS DA PODA URBANA COM LODO DE ETA Caroline Graciana Morello 1, Danielli Casarin Vilela Cansian 2,

Leia mais

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009)

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INFORMAÇÕES IMPORTANTES O Inventário Nacional de Emissões

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA

TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica, Depto. de Recursos Hídricos e Meio Ambiente TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA Eduardo Pacheco Jordão, Dr. Eng. GMI, florianópolis 2014

Leia mais

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial.

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Lixo reflexo da sociedade Definição Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Todo lixo gerado pode ser classificado em dois tipos:orgânico

Leia mais

1º Encontro Regional sobre. "Política Nacional de Resíduos Sólidos - Desafios e Oportunidades. COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS

1º Encontro Regional sobre. Política Nacional de Resíduos Sólidos - Desafios e Oportunidades. COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS 1º Encontro Regional sobre "Política Nacional de Resíduos Sólidos - Desafios e Oportunidades. COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS José Luiz Choiti Tomita¹, Naomi Akiba 1 jlctomita@kmambiente.com.br, nakiba@kmambiente.com.br

Leia mais

Rodrigo Legrazie de Faria - A GERAÇÃO DE ENERGIA PELA

Rodrigo Legrazie de Faria - A GERAÇÃO DE ENERGIA PELA Ano 02 Rodrigo Legrazie de FARIA n. 03 A GERAÇÃO DE ENERGIA PELA BIODIGESTÃO ANAERÓBICA DE EFLUENTES: O CASO DA SUINOCULTURA p.28-43 Instituto de Engenharia Arquitetura e Design INSEAD Centro Universitário

Leia mais

III-036 - METODOLOGIA DO BANCO MUNDIAL NA ESTIMATIVA DA GERAÇÃO DE GÁS METANO NUM ATERRO SANITÁRIO: ESTUDO DE CASO

III-036 - METODOLOGIA DO BANCO MUNDIAL NA ESTIMATIVA DA GERAÇÃO DE GÁS METANO NUM ATERRO SANITÁRIO: ESTUDO DE CASO III-036 - METODOLOGIA DO BANCO MUNDIAL NA ESTIMATIVA DA GERAÇÃO DE GÁS METANO NUM ATERRO SANITÁRIO: ESTUDO DE CASO Francisco Thiago Rodrigues Almeida (1) Graduando em Engenharia Ambiental pelo Instituto

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

INVENTÁRIO RIO DE JANEIRO DE EMISSÕES DE DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO RESUMO EXECUTIVO

INVENTÁRIO RIO DE JANEIRO DE EMISSÕES DE DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO RESUMO EXECUTIVO INVENTÁRIO DE EMISSÕES IN DE DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO DO EFEIT RIO DE JANEIRO RESUMO EXECUTIVO RI Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Cidade do Rio de Janeiro Prefeito da

Leia mais

Fórum Mineiro de PCS: O Biogás na agroindústria - Potencial, aspectos técnicos e iniciativas no Brasil

Fórum Mineiro de PCS: O Biogás na agroindústria - Potencial, aspectos técnicos e iniciativas no Brasil Fórum Mineiro de PCS: O Biogás na agroindústria - Potencial, aspectos técnicos e iniciativas no Brasil Fontes de biogás, suas características, vantagens ambientais e tecnologias para seu aproveitamento

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

APROVEITAMENTO DOS DEJETOS DE CAPRINOS E OVINOS NA GERAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

APROVEITAMENTO DOS DEJETOS DE CAPRINOS E OVINOS NA GERAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE UNEB Núcleo de Estudos e Pesquisas em Produção Animal www.neppa.uneb.br APROVEITAMENTO DOS DEJETOS DE CAPRINOS E OVINOS NA GERAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE - Projeto inovador

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA CFMV COMISSÃO NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL CNSA. Maria Izabel Merino de Medeiros CFMV/CNSA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA CFMV COMISSÃO NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL CNSA. Maria Izabel Merino de Medeiros CFMV/CNSA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA CFMV COMISSÃO NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL CNSA Maria Izabel Merino de Medeiros Médico Veterinário na Pesquisa e o Meio Ambiente Preocupação com o Meio Ambiente

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

FACULDADE REDENTOR CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EM AUDITORIA, PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL. BIODIGESTORES: Economia e Sustentabilidade

FACULDADE REDENTOR CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EM AUDITORIA, PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL. BIODIGESTORES: Economia e Sustentabilidade FACULDADE REDENTOR CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EM AUDITORIA, PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL BIODIGESTORES: Economia e Sustentabilidade Bruna Barros de Souza Ponte Nova 2012 Bruna Barros de Souza BIODIGESTORES:

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

PECUÁRIA DE CORTE. Impactos ambientais e emissões de gases efeito estufa (GEE)

PECUÁRIA DE CORTE. Impactos ambientais e emissões de gases efeito estufa (GEE) PECUÁRIA DE CORTE Impactos ambientais e emissões de gases efeito estufa (GEE) Equipe Técnica Daniela Bartholomeu Bacchi doutora em economia aplicada, especialista em economia de recursos naturais CEPEA/ESALQ/USP;

Leia mais

Geração de energia elétrica a partir do tratamento anaeróbico da vinhaça.

Geração de energia elétrica a partir do tratamento anaeróbico da vinhaça. Geração de energia elétrica a partir do tratamento anaeróbico da vinhaça. Suelem Correia GARCIA¹; Rutiele Tamara Januário RODRIGUES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA². ¹Estudante de Engenharia de Produção

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

Coordenadoria de Energias Renováveis CER.GB Cicero Bley Jr Superintendente

Coordenadoria de Energias Renováveis CER.GB Cicero Bley Jr Superintendente Reciclagem agrícola de dejetos de suínos e de outros resíduos com vistas à obtenção de créditos de carbono: oportunidades na despoluição da Bacia do Rio Paraná 3 Coordenadoria de Energias Renováveis CER.GB

Leia mais

Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética

Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética Rodolfo Tasca A matriz de energia renovável no Brasil é imensa, estima-se que cerca de 45% da energia utilizada no Brasil vem de fontes

Leia mais

Tecnologia EM no Meio Ambiente

Tecnologia EM no Meio Ambiente Tecnologia EM no Meio Ambiente Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, eles também podem ajudar a amenizar impactos ambientais. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS

TRATAMENTO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS SEMANA MINEIRA DE REDUÇÃO DE RESÍDUOS TRATAMENTO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS Profª. Mônica de Abreu Azevedo Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal de Viçosa FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Programa ABC Linha de Crédito para Agricultura de Baixa Emissão de Carbono Sidney

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN)

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) COMUNICAÇÃO ESTADUAL 1º INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DIRETOS E INDIRETOS DO ESTADO DE SÃO PAULO EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DE DEJETOS DE BOVINOS LEITEIROS: UM ESTUDO DE CASO NA EAFMUZ

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DE DEJETOS DE BOVINOS LEITEIROS: UM ESTUDO DE CASO NA EAFMUZ APROVEITAMENTO DE BIOGÁS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DE DEJETOS DE BOVINOS LEITEIROS: UM ESTUDO DE CASO NA EAFMUZ Santos, I.A.* 1, Morais, M.A. 2 1 Técnica de Nível Superior da Escola Agrotécnica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ Autores : Nathan Willian DOS SANTOS, Thayna HACK, Daniel Ferreira de Castro FURTADO Identificação autores: Aluno

Leia mais

COMPOSTAGEM Esquema da compostagem O que influencia a compostagem? Microrganismos Aeração Umidade Relação Carbono/Nitrogênio (C/N) Temperatura

COMPOSTAGEM Esquema da compostagem O que influencia a compostagem? Microrganismos Aeração Umidade Relação Carbono/Nitrogênio (C/N) Temperatura COMPOSTAGEM COMPOSTAGEM O QUE VAMOS VER? Esquema da compostagem O que influencia a compostagem? Microrganismos Aeração Umidade Relação Carbono/Nitrogênio (C/N) Materiais Temperatura O QUE VAMOS VER? Vantagens

Leia mais

AVALIAÇÃO DE LODO ANAERÓBIO DA ETE DE JOÃO PESSOA - PB COMO POTENCIAL INÓCULO PARA PARTIDA DE DIGESTORES ANAERÓBIOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS

AVALIAÇÃO DE LODO ANAERÓBIO DA ETE DE JOÃO PESSOA - PB COMO POTENCIAL INÓCULO PARA PARTIDA DE DIGESTORES ANAERÓBIOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS AVALIAÇÃO DE LODO ANAERÓBIO DA ETE DE JOÃO PESSOA - PB COMO POTENCIAL INÓCULO PARA PARTIDA DE DIGESTORES ANAERÓBIOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS Rômulo Wilker Neri de Andrade (*), Alex Backer Freire Bento

Leia mais

A DIGESTÃO ANAERÓBICA

A DIGESTÃO ANAERÓBICA A DIGESTÃO ANAERÓBICA Eng. Agr. Jorge A. Hilbert A realidade atual obriga a incluir nas agendas dois temas críticos para qualquer empresa: o fornecimento energético e o adequado tratamento e disposição

Leia mais

MANEJO DE DEJETOS EM SUINOCULTURA: BIODIGESTORES

MANEJO DE DEJETOS EM SUINOCULTURA: BIODIGESTORES MANEJO DE DEJETOS EM SUINOCULTURA: BIODIGESTORES Prof. Dr. Jorge de Lucas Junior FCAV/UNESP - Jaboticabal, Depto de Engenharia Rural 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Os dejetos de suínos não se constituíam em

Leia mais

Programa ABC. Agricultura de Baixo Carbono. Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura

Programa ABC. Agricultura de Baixo Carbono. Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Programa ABC Agricultura de Baixo Carbono Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Emissões globais de GEEs Participação dos diferentes setores nas emissões de GEE, 2004

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA DE CONSERVAS

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA DE CONSERVAS AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA DE CONSERVAS Débora Pietrobon Facchi 1 ; Marcia Ines Brandão 1 ; Maryana Bauer 1 ; Orlando de Paris Junior 1 Morgana Suszek Gonçalves 2

Leia mais

Biodigestor resíduo sólido pecuário para produção de energia

Biodigestor resíduo sólido pecuário para produção de energia Biodigestor resíduo sólido pecuário para produção de energia Luciulla Colatto * Marcelo Langer ** Resumo As mudanças climáticas são problemas atuais. A emissão de gases de efeito estufa (GEE) está alterando

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS Juliana da Cruz Ferreira 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 UEMS Caixa Postal 351, 79804-970 Dourados MS, E-mail: julianacruz_gnr@hotmail.com

Leia mais

FUNDAMENTOS DA DIGESTÃO ANAERÓBIA

FUNDAMENTOS DA DIGESTÃO ANAERÓBIA FUNDAMENTOS DA DIGESTÃO ANAERÓBIA No processo de conversão da matéria orgânica em condições de ausência de oxigênio, são utilizados aceptores de elétrons inorgânicos como NO 3 ( redução de nitrato ), SO

Leia mais

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA 1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Tema: Políticas Públicas no Brasil para o Desenvolvimento da Pecuária Sustentável Plano ABC Elvison

Leia mais

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt)

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) Digestão anaeróbia Santino Di Berardino em Porto santo Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) 1 1 Introdução O desenvolvimento

Leia mais