ATUAÇÃO DA ANEEL NA ÁREA DE FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA E

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATUAÇÃO DA ANEEL NA ÁREA DE FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA E"

Transcrição

1 ATUAÇÃO DA ANEEL NA ÁREA DE FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Texto elaborado pela Superintendência de Estudos e Informações Hidrológicas da ANEEL para o Seminário Internacional sobre Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Câmara dos Deputados, Brasília-DF, de jun/ INTRODUÇÃO O papel da ANEEL na área de eficiência energética (EE) e fontes alternativas de geração de energia elétrica (FA) está previsto na legislação vigente do setor elétrico brasileiro, incluindo aquela que institui e regulamenta a Agência. A Lei n o 9.427, de 26 dezembro de 1996, que institui a Agência, cita em seu art. 2 o que a ANEEL tem por finalidade regular e fiscalizar a produção, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica, em conformidade com as políticas e diretrizes do governo federal. O art 3 o cita ainda que compete à ANEEL: V dirimir, no âmbito administrativo, as divergências entre concessionárias, permissionárias, autorizadas, produtores independentes e autoprodutores, bem como entre esses agentes e seus consumidores. A política energética nacional, com a qual a ANEEL deve atuar em conformidade, está descrita na Lei n o 9.478, de agosto de 1997, da qual destaca-se para EE e FA o seguinte: Art. 1 o As políticas nacionais para o aproveitamento racional das fontes de energia visarão aos seguintes objetivos : II promover o desenvolvimento, ampliar o mercado de trabalho e valorizar os recursos energéticos ; III proteger os interesses do consumidor quanto a preço, qualidade e oferta dos produtos ; IV proteger o meio ambiente e promover a conservação de energia ; VII identificar as soluções mais adequadas para o suprimento de energia elétrica nas diversas regiões do país ; VIII utilizar fontes alternativas de energia mediante o aproveitamento econômico dos insumos disponíveis e das tecnologias aplicáveis. Em consonância com as leis supracitadas o Decreto n o 2.335, de outubro de 1997 (Anexo I), que constitui a ANEEL, estabelece: Como diretriz (art. 3 o ): VI adoção de medidas efetivas que assegurem a oferta de energia elétrica a áreas de renda e densidade de carga baixas, urbanas e rurais, de forma a promover o desenvolvimento econômico e social e a redução das desigualdades regionais. Como competência (art 4 o ): I implementar as políticas e diretrizes do governo federal para a exploração de energia elétrica e o aproveitamento dos potenciais de energia hidráulica ; IX incentivar o combate ao desperdício de energia no que diz respeito a todas as formas de produção, transmissão, distribuição, comercialização e uso da energia elétrica ; XXIII estimular e participar das atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico necessárias ao setor de energia elétrica ; XXV estimular e participar de ações ambientais voltadas para o benefício da sociedade, bem como interagir com o Sistema Nacional de Meio Ambiente em conformidade com a legislação vigente, e atuando de forma harmônica com a Política Nacional de Meio Ambiente.

2 Como ação regulatória (art. 12): III promoção do uso e da ampla oferta de energia elétrica de forma eficaz e eficiente, com foco na viabilidade técnica, econômica e ambiental das ações. A seguir, faz-se uma síntese da atuação da Agência nas áreas supracitadas, destacando-se os seguintes aspectos: i) investimentos em pesquisa e desenvolvimento (P&D) e EE; ii) principais mecanismos regulatórios (resoluções) sobre FA e EE; iii) quadro geral de concessões e autorizações para geração com FA; iv) situação atual da regulamentação da universalização; v) principais projetos apoiados e/ou desenvolvidos pela ANEEL. 2. USO DE FONTES ALTERNATIVAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 2.1. Principais Marcos Legais Legislação Vigente Lei N o 9.427, de 26 de dezembro de 1996: institui a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), disciplina o regime das concessões de serviços públicos de energia elétrica e dá outras providências, entre elas a redução não-inferior a 50% nos encargos de uso dos sistemas de transmissão e distribuição, a livre comercialização de energia com consumidores de carga igual ou superior a 500 kw e a isenção do pagamento de compensação financeira pela utilização de recursos hídricos, para empreendimentos hidrelétricos de pequeno porte (pequenas centrais hidrelétricas PCH s). Decreto n o 2.003, de 10 de setembro de 1996: define e regulamenta a produção independente e a autoprodução de energia elétrica, modalidades importantes na geração de energia elétrica com fontes alternativas e renováveis. Lei N o 9.478, de 6 de agosto de 1997: dispõe sobre a política energética nacional e, entre outros aspectos, determina as diretrizes para o uso racional das fontes de energia, incluindo as fontes e as tecnologias alternativas, mediante o aproveitamento econômico dos insumos disponíveis (inciso VIII do art. 1 o ). Lei n o 9.648, de 27 maio de 1998: altera várias leis do setor elétrico e, entre outros aspectos, estabelece incentivos às fontes alternativas renováveis de energia que substituam geração termelétrica a derivado de petróleo em sistema elétrico isolado. Permite que essas fontes usufruam os benefícios da sistemática de rateio da Conta Consumo de Combustíveis CCC para geração de energia elétrica em sistemas isolados, conforme estabelecido na Lei n o 8.631, de 4 de março de 1993 ( 4º do art.11). A regulamentação desse dispositivo é feita pela Resolução ANEEL n o 245, de 11 de agosto de Lei No 9.991, de 24 de julho de 2000: obriga as empresas concessionárias, permissionárias e autorizadas do setor elétrico a investirem parcela mínima em eficiência energética e pesquisa e desenvolvimento tecnológico. As fontes alternativas são duplamente beneficiadas. Primeiro, porque parte desses recursos se destina à pesquisa e ao desenvolvimento de fontes e tecnologias alternativas. Segundo, porque as empresas que geram energia elétrica exclusivamente a partir de fontes alternativas são isentas desse encargo. Uma abordagem mais detalhada desta lei é feita mais adiante.

3 Lei n o , de 26 de abril de 2002: entre outras disposições, cria o Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa), a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), dispõe sobre a universalização dos serviços de energia elétrica e altera dispositivos legais que interferem no aproveitamento de fontes alternativas e co-geração de energia, como descrito a seguir: Estende a empreendimentos, com potência de até 30 MW, de geração eólica, à biomassa e à co-geração qualificada os benefícios da redução (não-inferior a 50%) dos encargos de uso dos sistemas de transmissão e distribuição; Estende à energia eólica, à solar e à biomassa os benefícios da comercialização de energia com consumidor ou grupo de consumidores de carga maior ou igual a 500 kw, no sistema elétrico interligado; Fica reduzido para 50 kw o limite mínimo de carga para comercialização de energia, quando o consumidor ou conjunto de consumidores se situar em sistema elétrico isolado; Estende por mais 20 anos a sistemática de rateio da CCC nos sistemas isolados, obrigando, porém, o estabelecimento de mecanismos que induzam à eficiência econômica e energética, à valorização do meio ambiente e à utilização de recursos energéticos locais; Estabelece novos procedimentos e mecanismos para a alocação dos recursos da Reserva Global de Reversão (RGR), incluindo a destinação de recursos para empreendimentos de geração com fontes alternativas, particularmente de pequeno porte (até 5 MW) para o atendimento de comunidades em sistemas elétricos isolados Principais Mecanismos Regulatórios Atuação da ANEEL Com base na legislação vigente, principalmente aquela mencionada no item anterior, a ANEEL tem estabelecido diversos mecanismos regulatórios para aumentar a participação das fontes alternativas na geração de energia elétrica, como abaixo descrito. Resolução N o 112, de maio de 1999: estabelece os requisitos necessários à obtenção de registro ou autorização para implantação, ampliação ou repotenciação de centrais termelétricas, eólicas e demais empreendimentos operados com fontes alternativas de energia. Essa resolução foi estabelecida em virtude da necessidade de atualizar e complementar os procedimentos contidos em normas anteriores, visando a facilitar a entrada de novas fontes de geração, simplificando regras e padronizando procedimentos. Entre outras disposições, estabelece a obrigatoriedade de registro para centrais com capacidade de geração de até 5 MW e de autorização (outorga) para centrais com capacidade superior a esse valor. Resolução n o 245, de agosto de 1999: estabelece as condições e prazos para a extensão dos benefícios da sistemática de rateio da Conta de Consumo de Combustíveis (CCC) a empreendimentos de geração de energia elétrica que substituam a geração termelétrica a derivados de petróleo em sistema elétrico isolado. Em conformidade com as disposições legais pertinentes, principalmente o que estabelece o 4º do art. 11 da Lei n o 9.648/98, e tendo em vista a compatibilidade das PCH s e demais fontes e tecnologias alternativas de geração de energia elétrica com as características dos sistemas elétricos isolados, esse mecanismo regulatório procura induzir formas de geração de energia elétrica com menor custo e impacto ambiental, de forma a promover o desenvolvimento socioeconômico e a redução das desigualdades regionais. Esta resolução deverá

4 passar por reformulação em breve, em função da nova redação dada à Lei pela Lei , no que se refere à CCC. Resolução N o 281, de 1 o de outubro de 1999: estabelece as condições gerais de contratação do acesso, compreendendo o uso e a conexão, aos sistemas de transmissão e distribuição de energia elétrica. Em termos de incentivo a fontes alternativas, destaca-se a redução não-inferior a 50% nos encargos de uso dos sistemas de transmissão e de distribuição, conforme disposto em seu Art. 22, para empreendimentos hidrelétricos de pequeno porte (pequenas centrais hidrelétricas PCH s). Estabelece, ainda, a isenção desse encargo para os empreendimentos que iniciarem a operação até 31 de dezembro de Resolução N o 021, de 20 de janeiro de 2000: estabelece os requisitos necessários à qualificação de centrais co-geradoras de energia elétrica. Esse mecanismo regulatório foi estabelecido com base nas políticas de incentivo ao uso racional dos recursos energéticos, visto que a co-geração de energia contribui com a racionalidade energética, uma vez que possibilita um melhor aproveitamento dos combustíveis, quando comparada à geração individual de calor e energia elétrica. Define co-geração de energia como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total ou parcialmente em energia elétrica, a partir da energia química disponibilizada por um ou mais combustíveis. Para obter registro ou certificado de co-geração qualificada, o empreendimento deve estar em situação regular perante à ANEEL, segundo as disposições da Resolução 112/99, e atender aos requisitos mínimos de racionalidade energética, definidos no inciso II, art. 4 o da resolução.

5 2.3. Participação das Fontes Alternativas na Geração de Energia Elétrica Como apresentado na Tabela 1, a participação das fontes alternativas renováveis na capacidade de geração de energia elétrica instalada no Brasil é de apenas 2,5%. Entre essas fontes, destacam-se a biomassa (notadamente bagaço de cana) e as pequenas centrais hidrelétricas (PCHs). Tabela 1 Usinas em operação Fonte Quantidade Potência (kw) % (kw) Eólica ,03 PCH ,03 Biomassa ,44 Outras ,50 Total ,00 Quanto aos empreendimentos em construção, a participação das fontes alternativas renováveis sobe para 4,1%, com destaque para as PCHs, responsáveis por 3,73% da atual ampliação da capacidade de geração de energia elétrica no país (Tabela 2). Tabela 2 Usinas em construção Fonte Quantidade Potência (kw) % (kw) Eólica 0 0 0,00 PCH ,73 Biomassa ,38 Outras ,90 Total ,00 Já em relação aos projetos outorgados (construção ainda não iniciada), observa-se uma participação bastante expressiva dessas fontes, representando mais de 20% da capacidade de geração autorizada pela ANEEL (Tabela 3). Neste caso, destacam-se os projetos eólicos, que representam 15,6% do total outorgado. Ressalte-se, porém, que a outorga em questão é apenas um dos requisitos necessários à implantação dos projetos, de forma que esses números (Tabela 3) geram apenas expectativas em relação ao aumento da participação dessas fontes. Informações mais detalhadas sobre a participação dessas e outras fontes na geração de energia elétrica podem ser obtidas na página WEB da Agência (www.aneel.gov.br), no link Banco de Informações de Geração. Tabela 3 Usinas outorgadas Fonte Quantidade Potência (kw) % (kw) Eólica ,55 PCH ,59 Biomassa ,56 Outras ,30 Total ,00

6

7 3. PESQUISA E DESENVOLVIMENTO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Os investimentos anuais em P&D e EE por parte das empresas concessionárias, permissionárias e autorizadas do setor de energia elétrica são regulamentados pela Lei n o 9.991, de julho de 2000, como se segue: Art. 1 o As concessionárias e permissionárias de serviços públicos de distribuição de energia elétrica ficam obrigadas a aplicar, anualmente, o montante de, no mínimo, setenta e cinco centésimos por cento de sua receita operacional líquida em pesquisa e desenvolvimento do setor elétrico e, no mínimo, vinte e cinco centésimos por cento em programas de eficiência energética no uso final... : I até 31 de dezembro de 2005, os percentuais mínimos... serão de cinqüenta centésimos por cento, tanto para pesquisa e desenvolvimento, como para programas de eficiência energética na oferta e no uso final da energia. Art. 2 o As concessionárias de geração e empresas autorizadas à produção independente de energia elétrica ficam obrigadas a aplicar, anualmente, o montante de, no mínimo, um por cento de sua receita operacional líquida em pesquisa e desenvolvimento do setor elétrico... Art. 3 o As concessionárias de serviços públicos de transmissão de energia elétrica ficam obrigadas a aplicar, anualmente, o montante de, no mínimo, um por cento de sua receita operacional líquida em pesquisa e desenvolvimento do setor elétrico. Art. 4 o Os recursos para pesquisa e desenvolvimento, previstos nos artigos anteriores, deverão ser distribuídos da seguinte forma : I cinqüenta por cento para o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT... (CTENERG); II cinqüenta por cento para projetos de pesquisa e desenvolvimento segundo regulamentos estabelecidos pela ANEEL. Art. 5 o Os recursos de que trata esta Lei serão aplicados da seguinte forma : I os investimentos em eficiência energética, previstos no art. 1 o, serão aplicados de acordo com regulamentos estabelecidos pela ANEEL ; II no mínimo trinta por cento serão destinados a projetos desenvolvidos por instituições de pesquisa sediadas nas regiões Norte, Nordeste e Centro- Oeste, incluindo as respectivas áreas das Superintendências Regionais. Conforme previsto na lei em questão, algumas resoluções e manuais de procedimentos já foram editados pela ANEEL. As mais recentes resoluções são a Resolução n o 502, de 27 de novembro de 2001, para P&D e a Resolução n o 394, de 18 de setembro de 2001, para EE. No ciclo 2000/2001, em função da Lei 9.991, foram investidos em P&D e EE cerca de R$ ,00 (trezentos e quarenta milhões de reais), dos quais, aproximadamente, 37 % em EE e 63 % em P&D. Estima-se que os recursos investidos neste ciclo em EE resultaram em uma redução de consumo de cerca de 4,1 GWh/ano e uma demanda evitada de aproximadamente 154 MW. Com relação a P&D, dos recursos aplicados diretamente pelas empresas, 12,7 % foram destinados a pesquisas com EE e 7,5 % com FA. 4. UNIVERSALIZAÇÃO DO ATENDIMENTO

8 Segundo dados recentes do IBGE cerca de 93% dos domicílios são eletrificados. No entanto este número não indica que o atendimento é satisfatório, considerando que ainda existem milhões de pessoas sem acesso a este serviço e que grande parte da população é atendida precariamente, com baixa qualidade no serviço. As concessionárias de distribuição de energia têm a obrigação legal e contratual de atender, na integralidade, o mercado em sua área de concessão. No entanto, é significativo o impacto sobre o equilíbrio econômico-financeiro dessas empresas ao atenderem novos consumidores localizados em regiões isoladas e de difícil acesso. Atualmente a agência está trabalhando na regulamentação da Lei , que, no que diz respeito à universalização do atendimento, estabelece o seguinte: Art. 13. (relativo à Conta de Desenvolvimento Energético CDE), 8 o Os recursos provenientes do pagamento pelo uso de bem público e das multas impostas aos agentes do Setor serão aplicados, prioritariamente, no desenvolvimento da universalização do serviço público de energia elétrica, na forma da regulamentação da ANEEL. Art. 14. No estabelecimento das metas de universalização do uso da energia elétrica, a ANEEL fixará, para cada concessionária e permissionária de serviço público de distribuição de energia elétrica : I áreas, progressivamente crescentes, em torno das redes de distribuição, no interior das quais a ligação ou aumento de carga de consumidores deverá ser atendido sem ônus de qualquer espécie para o solicitante ; II áreas, progressivamente decrescentes, no interior das quais a ligação de novos consumidores poderá ser diferida pela concessionária ou permissionária para horizontes temporais préestabelecidos pela ANEEL, quando os solicitantes do serviço serão então atendidos sem ônus de qualquer espécie. Art. 15. Visando a universalização do serviço público de energia elétrica, a ANEEL poderá promover licitações para outorga de permissões de serviço público de energia elétrica, em áreas já concedidas cujos contratos não contenham cláusula de exclusividade. Para regulamentação do art. 14 procura-se aproveitar a experiência da agência com trabalhos desenvolvidos na área de geoprocessamento Permissionários e Cooperativas de Eletrificação Rural As permissionárias e cooperativas de eletrificação constituem-se em importantes instrumentos para a universalização. Em muitos casos, o atendimento a localidades remotas pode ser viabilizado através de geração distribuída, inclusive com fontes locais de energia, capazes de atender a demanda atual e futura de energia de forma sustentável. Nestes casos questiona-se se a melhor forma de universalização do atendimento é via concessionárias, visto que as regiões com maiores índices de universalização do país, atingiram-nos através de cooperativas de eletrificação rural.

9 Atualmente, segundo regras estabelecidas pela Resolução n o 12, de 11 de janeiro de 2002, as cooperativas de eletrificação existentes estão sendo regularizadas podendo tornar-se permissionárias ou cooperativas autorizadas. Vale ressaltar que as cooperativas autorizadas são vistas pelas concessionárias como consumidores. O art. 15 da Lei supracitado, induz a criação de permissionárias. Além disso, outro incentivo dado às cooperativas, permissionárias e universalização pela mesma lei é o seguinte: Art. 23 4o A Eletrobrás... destinará os recursos da RGR aos fins estipulados neste artigo, inclusive à concessão de financiamento, mediante projetos específicos de investimento : I às concessionárias, permissionárias e cooperativas de eletrificação rural, para expansão dos serviços de distribuição de energia elétrica especialmente em áreas urbanas e rurais de baixa renda e para o programa de combate ao desperdício de energia elétrica ; IV para implantação de centrais geradoras de potência até kw, destinadas exclusivamente ao serviço público em comunidades populacionais atendidas por sistema elétrico isolado. 5. AÇÕES E PROJETOS APOIADOS PELA ANEEL Em parceria com universidades, institutos e centros de pesquisa e referência em fontes alternativas a ANEEL vêm desenvolvendo alguns projetos de suprimento de energia e levantamento de fontes e potenciais de geração de energia elétrica LEVANTAMENTO DE FONTES E POTENCIAIS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA O planejamento da expansão e o aproveitamento ótimo dos potenciais de geração dependem da identificação dos potenciais. Na busca dessas informações, a Agência iniciou alguns levantamentos de fontes e potenciais de geração de energia elétrica (alguns citados a seguir) e entende que devam existir mais ações nesse sentido, para a continuidade do que foi iniciado e para o levantamento de outras fontes e potenciais. - Levantamento do potencial real de co-geração de excedentes no setor sucroalcooleiro A conclusão desse levantamento, realizado em parceria com o CENBIO 1, possibilitou identificar o potencial real de excedentes de eletricidade no setor sucroalcooleiro do país, a curto, médio e longo prazo. - Inventário do potencial eólico na região Sudeste do Brasil Esse inventário, realizado em parceria com a COPPE UFRJ, permitiu levantar os dados de velocidade e direção de ventos disponíveis para a região Sudeste do Brasil. As propostas de extensão deste trabalho são as seguintes: - Tratamento e disponibilização dos dados de vento coletados pelo INMET em todo o território nacional. Incluindo os dados disponíveis coletados por 1 Centro Nacional de Referência em Biomassa.

10 outras instituições com a utilização de estações meteorológicas automatizadas; - Montagem de um banco de dados de vento nacional, baseado num modelo dinâmico, efetivamente operante e constantemente atualizado; - Definição de um operador central responsável pela coordenação deste banco de dados e pelo processamento e disponibilização dos dados; - Desenvolvimento de um software adequado para o gerenciamento do operador central e outro a ser utilizado pelos usuários. - Atlas Eólico Brasileiro Esse trabalho, desenvolvido pelo CBEE 2, tem por finalidade identificar e disponibilizar dados sobre o potencial eólico brasileiro para geração de energia elétrica. - Atlas Brasileiro de Biomassa Esse trabalho, desenvolvido pelo CENBIO, disponibilizará, de forma preliminar o mapeamento do potencial brasileiro de geração de energia elétrica a partir de biomassa, baseando principalmente nas informações divulgadas pelo IBGE 3. - Atlas de Energia Elétrica do Brasil Esse trabalho, desenvolvido pela Superintendência de Estudos e Informações Hidrológicas da ANEEL (SIH), tem por finalidade disponibilizar um sistema de dados georreferenciados sobre o setor elétrico brasileiro, incluindo fontes e tecnologias de geração, empreendimentos e projetos de geração, transmissão e distribuição de energia, assim como o perfil da demanda nas diversas regiões do País. Contribuindo para racionalizar o processo decisório dos agentes, reduzindo a assimetria de informação e as perdas de oportunidade, de modo a melhorar a competitividade e a eficiência do setor. Informações sobre fontes, tecnologias e empreendimentos de geração de energia elétrica a partir de fontes alternativas, incluindo aqueles em operação, em construção e os projetos autorizados, são disponibilizadas nos seguintes capítulos ou seções: Capítulo 2 Energia Solar; Seção 3.8 do Capítulo 3 (Energia Hidráulica) Pequenas Centrais Hidrelétricas; Capítulo 4 Biomassa; Capítulo 5 Energia Eólica. Uma versão eletrônica do Atlas está disponível na página WEB da ANEEL: 5.2 SUPRIMENTO DE ENERGIA Entende-se que o suprimento de energia de acordo com o desenvolvimento sustentável deve primar: pela eficiência na produção, transmissão, distribuição, comercialização e uso da energia; pelo uso de fontes renováveis; pelo uso ótimo destas fontes; pela garantia da disponibilidade e acesso a todos e indistintamente; pela prestação de um serviço de qualidade; pela preservação ambiental; e pelo uso da energia, não como um fim, mas como um meio para esse desenvolvimento. 2 Centro Brasileiro de Energia Eólica. 3 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

11 Baseando-se nestas premissas a ANEEL desenvolve alguns projetos, conforme descrição a seguir. - Projeto de referência em comunidades isoladas da Região Amazônica Desenvolvido em parceria com a UA 4 e a UnB 5, este projeto teve como objetivos: implementar e acompanhar em comunidades isoladas da Amazônia, sistemas de referência para geração de energia elétrica (com óleo vegetal e geração fotovoltaica) e agregação de valor aos produtos locais não lenhosos; encontrar soluções energéticas para as comunidades isoladas pelo subsídio da CCC 6 ; e encontrar formas de gestão para as tecnologias implantadas. Dentre os resultados obtidos destacam-se: eletrificação das comunidades atendidas; implantação de um programa de educação à distância; educação infantil no local; capacitação profissional em liderança, gerência de pequenos empreendimentos e operação dos equipamentos implantados, além de cursos e palestras sobre cidadania, educação ambiental e cooperativismo; construção de um poço artesiano e tratamento da água; e melhor organização política e social. - Sistema híbrido eólico-diesel em Fernando de Noronha Desenvolvido em parceria com o CBEE este teve como objetivo proporcionar eletricidade suficiente para a comunidade residente na ilha a partir da implantação de uma turbina eólica e otimização da operação desta com sistema diesel já existente no local, minimizando o custo com o transporte e o armazenamento do combustível, contribuindo para uma melhoria na qualidade de energia gerada e distribuída e reduzindo a poluição ambiental. Todos esses objetivos foram atendidos, destacando-se ainda: obtenção de informações quanto ao regime de operação de um sistema híbrido (eólico x diesel) de grande porte; demonstrativo de prós e contras desta alternativa de geração; difusão do uso de energia eólica no país; capacitação de pessoal para trabalhar no mercado de energia eólica no país. - Sistema híbrido fotovoltaico-diesel em comunidade isolada na região Norte Este projeto foi desenvolvido em parceria com o LABSOLAR - UFSC 7 e, trocando-se a turbina eólica por um sistema fotovoltaico, teve objetivos e resultados semelhantes aos do projeto anterior. O sistema foi implantado na Comunidade de Araras, no Município de Nova Mármore RO, onde também já existia um sistema diesel. Um resultado importante deste projeto foi surgimento do primeiro produtor independente com geração fotovoltaica no país. - Energização fotovoltaica em comunidades isoladas na região do Alto Solimões Este projeto, desenvolvido em parceria com CENBIO, INPA e IEE USP 8, possibilitou dotar quatro comunidades na região do Alto Solimões, no município de Benjamin Constante AM de um maior grau de sustentabilidade energética (através da tecnologia fotovoltaica) e econômica (mediante a melhoria e aumento da produtividade), de maneira compatível com o modelo de agricultura familiar 4 Universidade Federal do Amazonas 5 Universidade de Brasília 6 Conta de consumo de combustíveis 7 Laboratório de Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina. 8 Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo

12 defendido por seus habitantes, culminando em um desenvolvimento integral (econômico, cultural e social). - Monitoramento e Criação de Modelos para Implementação de Geração de Eletricidade em Comunidades Amazônicas a partir de Óleos Vegetais Este projeto foi desenvolvido em parceria com CENBIO, IEE USP e a empresa PROMAK, com o objetivo de eletrificar a comunidade de Vila Boa Esperança no Pará - município de Mojú, com a geração de energia elétrica a partir do óleo de dendê (óleo de palma). O Projeto envolveu a colheita e tratos culturais da plantação, agroindústria, produção de óleo e operação do sistema de geração. Foram obtidos resultados finais de cálculo da energia gerada que serviram de subsídio para elaboração de um modelo energético em pequenas propriedades, com produção descentralizada do óleo. Neste modelo, microusinas para extração de óleo e recuperação das nozes serão financiadas diretamente pelas cooperativas ou associação de produtores.

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002)

00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002) Programa 2033 - Energia Elétrica Número de Ações 20 Tipo: Operações Especiais 00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002) Unidade

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.962, DE 2015 (Do Sr. Jorge Côrte Real)

PROJETO DE LEI N.º 1.962, DE 2015 (Do Sr. Jorge Côrte Real) *C0054200A* C0054200A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.962, DE 2015 (Do Sr. Jorge Côrte Real) Dispõe sobre incentivos à implantação de pequenas centrais hidrelétricas e de centrais de geração

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

+, -. /*0 1!+243 0 5 1, 67!8 9 143:6*,8 - ;48 6! 6@?- 8 6*.+3 A 8. 0 5 6!B. 1*C 0 3-0. 6

+, -. /*0 1!+243 0 5 1, 67!8 9 143:6*,8 - ;48 6!<!- /*93 148 2=. 0 6> 6@?- 8 6*.+3 A 8. 0 5 6!B. 1*C 0 3-0. 6 ! " #! &%'! ()*) ( +, -. /*0 1!+243 0 5 1, 67!8 9 143:6*,8 - ;48 6! 6@?- 8 6*.+3 A 8. 0 5 6!B. 1*C 0 3-0. 6 7D*ED*F!2*G. - /*1H@7!F++IJ-K#D*ID*E6*L M -. L 1 N-.H@7!F++I E-mailO P Q

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Seminário - ABDIB ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Romeu Donizete Rufino Diretor da ANEEL 8 de dezembro de 2010 São Paulo - SP 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Início das atividades,

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Geração Distribuída 2002 INEE O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Junho de 2002 - São Paulo - SP Paulo Pedrosa Diretor Ouvidor Sumário I II III o modelo competitivo o papel

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

Unidade de Medida: Unidade de Medida:

Unidade de Medida: Unidade de Medida: Programa 2033 - Energia Elétrica Número de Ações 15 Tipo: Projeto 1379 - Atendimento das Demandas por Energia Elétrica em Localidades Isoladas Não-Supridas pela Rede Elétrica Convencional Unidade Responsável:

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

Entenda a Indústria. energia elétrica

Entenda a Indústria. energia elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 O mercado de energia elétrica Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 5 A geração e

Leia mais

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil Dep. Fabio Garcia PSB/MT O Preço da Energia No Brasil Entenda a sua fatura de energia elétrica - Tarifa para Consumidor Residencial (tarifa B1) Parcela A Custos não gerenciáveis, ou seja, que não dependem

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Júlio Campos)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Júlio Campos) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Júlio Campos) Estabelece incentivos ao uso da energia solar, altera as Leis nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995; nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995; nº 9.991, de 24

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002)

00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002) Programa 2033 - Energia Elétrica Número de Ações 17 Tipo: Operações Especiais 00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002) Unidade

Leia mais

Uso da Biomassa na Geração de Energia

Uso da Biomassa na Geração de Energia Uso da Biomassa na Geração de Energia Rui Guilherme Altieri Silva Superintendente de Regulação dos Serviços de Geração SRG/ANEEL 01/07/2011 Brasília-DF 1. Potencial Energético 2. Aspectos Tecnológicos

Leia mais

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Rio de Janeiro, 09 de novembro de 2010. Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Apresentamos nossas considerações acerca dos questionamentos apresentados na Nota Técnica nº043/2010-srd/aneel,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 2.655, DE 2 DE JULHO DE 1998. Regulamenta o Mercado Atacadista de Energia Elétrica, define as regras de organização do Operador

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Assunto: Reajuste das Tarifas de uso dos sistemas de distribuição da empresa Boa Vista Energia S/A - Boa Vista. I DO OBJETIVO Esta nota técnica

Leia mais

II Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil INOVA FV

II Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil INOVA FV II Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil INOVA FV Análise Financeira de Sistemas Fotovoltaicos em Regiões Remotas no Âmbito da Universalização 14 de

Leia mais

Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013

Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013 Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013 Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Lei no 8.987, de fevereiro de 1995, Art. 29. Incumbe ao poder concedente: Inciso X: estimular

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 8.631, DE 4 DE MARÇO DE 1993. Dispõe sobre a fixação dos níveis das tarifas para o serviço público de energia elétrica, extingue o regime de remuneração

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*)

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Estabelece as condições gerais de contratação do acesso, compreendendo

Leia mais

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 2º Encontro de Negócios de Energia Promoção: FIESP/CIESP A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 05 de setembro de 2001 São Paulo-SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Sumário I - Aspectos Institucionais

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2011. A CARTA DO SOL assenta-se no seguinte contexto:

Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2011. A CARTA DO SOL assenta-se no seguinte contexto: Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2011 A CARTA DO SOL assenta-se no seguinte contexto: A disseminação em grande escala do uso da energia solar fotovoltaica no Brasil pode fornecer uma série de benefícios

Leia mais

PROJETO DE INDICAÇÃO N.º 82/15. Art. 1º. Fica instituído o Programa Cearense de Desenvolvimento Sustentável objetivando:

PROJETO DE INDICAÇÃO N.º 82/15. Art. 1º. Fica instituído o Programa Cearense de Desenvolvimento Sustentável objetivando: PROJETO DE INDICAÇÃO N.º 82/15 Institui o Programa Cearense de Desenvolvimento Sustentável PROCEDES e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ decreta: Art. 1º. Fica instituído

Leia mais

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN Campinas/SP, 08 de abril de 2004 Ao senhor José Mario Miranda Abdo M.D. Diretor Geral da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL Ref.: Aviso de Audiência Pública nº 011/2004 Senhor Diretor Geral,

Leia mais

PCHs: Aspectos Regulatórios e Comerciais. Marcos Cabral

PCHs: Aspectos Regulatórios e Comerciais. Marcos Cabral Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência- TE157 PCHs: Aspectos Regulatórios e Comerciais Marcos Cabral Definição

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 523, DE 2007 (do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº 523, DE 2007 (do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº 523, DE 2007 (do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Institui a Política Nacional de Energias Alternativas e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º. Esta lei estabelece

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

Produção renovável de energia elétrica: a nova fonte de renda da propriedade agrícola familiar.

Produção renovável de energia elétrica: a nova fonte de renda da propriedade agrícola familiar. Produção renovável de energia elétrica: a nova fonte de renda da propriedade agrícola familiar. Carlos Reisser Júnior Embrapa Clima Temperado Laboratório de Agrometeorologia Rodrigo Motta Azevedo Instituto

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Cumprimento de metas de redução na emissão de gases de efeito estufa;

Cumprimento de metas de redução na emissão de gases de efeito estufa; Nota Técnica n 0043/2010-SRD/ANEEL Em 8 de setembro de 2010. Processo: 48500.004924/2010-51 Assunto: Proposta de abertura de Consulta Pública para o recebimento de contribuições visando reduzir as barreiras

Leia mais

. / 012343// 156 01 2 /. 31. 0 7131. 1 8 93

. / 012343// 156 01 2 /. 31. 0 7131. 1 8 93 !" ##" $#%#" &&&#" "' (" &&" ')&#" (*+"((,"(-. / 012343// 156 01 2 /. 31. 0 7131. 1 8 93!" Centro Nacional de Referência em Biomassa (CENBIO) Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE) Universidade de

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 5.899, DE 5 DE JULHO DE 1973. Dispõe sobre a aquisição dos serviços de eletricidade da ITAIPU e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG. VOTO PROCESSO: 48500.005606/2014-31. INTERESSADO: Floraplac MDF Ltda. - Floraplac RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG. ASSUNTO:

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

SP COGEN Master Plan 2020

SP COGEN Master Plan 2020 SP COGEN Master Plan 2020 São Paulo 01de Agosto de 2013 1 Introdução Motivação Expansão imobiliária Restrições pontuais nas redes de distribuição em áreas de grande mutação urbana Interesse crescente na

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 11.097, DE 13 DE JANEIRO DE 2005. Mensagem de veto Conversão da MPv nº 214, de 2004 Dispõe sobre a introdução do biodiesel

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Energias Renováveis. -Novembro -2010

Energias Renováveis. -Novembro -2010 Energias Renováveis -Novembro -2010 Av. Dr. Cardoso de Melo, 1340 12º andar Vila Olímpia 04548-004 São Paulo SP Brasil Telefone: 55 11 3054 1020 Fax: 55 11 3054 1021 SBN Quadra 2, Bloco F, Conjuntos 1311-1312

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil.

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. Eficiência Energética e a Nova Regulamentação do PEE ANEEL O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Nelson Leite Presidente da ABRADEE 1 Porto Alegre, 18 de junho de 2015 1 Agenda 1 - Panorama do setor de distribuição de E. Elétrica 2 - Perspectivas

Leia mais

! "# " " $%&'())* ++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

! #   $%&'())* ++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++ TÍTULO I DO OBJETO.... 5 TÍTULO II DAS INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS.... 5 CAPÍTULO I - DO PODER CONCEDENTE.... 5 CAPÍTULO II - DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA.... 7 Seção I - Das atribuições e da

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos e condições para obtenção e manutenção da situação operacional e definição de

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.438, DE 26 DE ABRIL DE 2002. Mensagem de veto Texto compilado Dispõe sobre a expansão da oferta de energia elétrica emergencial,

Leia mais

Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS

Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS Dia: 15 desetembro/2015 Local: Auditório Central do Colégio Teutônia Horário: 19h30min Configuração dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 112, DE 18 DE MAIO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 112, DE 18 DE MAIO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 112, DE 18 DE MAIO DE 1999 Estabelece os requisitos necessários à obtenção de Registro ou Autorização para a Implantação, Ampliação ou Repotenciação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.438, DE 26 DE ABRIL DE 2002. Dispõe sobre a expansão da oferta de energia elétrica emergencial, recomposição tarifária extraordinária,

Leia mais

O QUE É SUBSÍDIO CRUZADO E COMO ELE AFETA A SUA CONTA DE LUZ?

O QUE É SUBSÍDIO CRUZADO E COMO ELE AFETA A SUA CONTA DE LUZ? O QUE É SUBSÍDIO CRUZADO E COMO ELE AFETA A SUA CONTA DE LUZ? Edmundo Montalvão 1 e Marcos Mendes 2 (12/02/2012) Há diversos preços na economia que são fixados ou submetidos a regras e restrições pelo

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Luis Felipe Pozzatti Chefe do Setor de Estudos de Novos Potenciais luis.pozzatti@eletrosul.gov.br Eletrosul Segmentos: transmissão

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à concessão de uso do selo combustível social. O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, no

Leia mais

Breve análise sobre o impacto. da redução da tarifa de energia. elétrica na Indústria Química

Breve análise sobre o impacto. da redução da tarifa de energia. elétrica na Indústria Química Breve análise sobre o impacto da redução da tarifa de energia elétrica na Indústria Química Janeiro de 2013 Breve análise sobre o impacto da redução da tarifa de energia 1. INTRODUÇÃO elétrica na Indústria

Leia mais

GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica

GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica TRANSMISSÃO O sistema de transmissão de energia é responsável pela operação e manutenção de 32 subestações

Leia mais

A Regulação da Conexão ao Sistema

A Regulação da Conexão ao Sistema Painel 2: Aspectos Regulatórios em Pauta para Fontes Alternativas A Regulação da Conexão ao Sistema João Mello - Presidente Fontes Alternativas Conexão A conexão de fontes alternativas possuem características

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais