JOGO ENERGIA NA MEMÓRIA: UMA ALTERNATIVA PEDAGÓGICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOGO ENERGIA NA MEMÓRIA: UMA ALTERNATIVA PEDAGÓGICA"

Transcrição

1 JOGO ENERGIA NA MEMÓRIA: UMA ALTERNATIVA PEDAGÓGICA Natale Figueiredo (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia IFRJ), Ana Carolina Cunha (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia IFRJ), Fernando Freitas (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia IFRJ), Rosângela Damasceno (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia IFRJ) RESUMO O presente trabalho tem como objetivo propor uma alternativa didática para o tema energia no ensino de Ciência através de uma atividade lúdica, como um jogo da memória com características colaborativas. O jogo baseia-se em conteúdo do novo currículo do 9º ano de Ciências, da SEEDUC-RJ. O material criado foi aplicado em duas turmas do 9º ano pertencentes a uma escola da rede estadual. No final da atividade os alunos responderam um formulário de avaliação do material didático. De acordo com as repostas dos educandos verificamos que os jogos didáticos não são recursos muito utilizados pelos professores. Entretanto constatamos que o uso mais frequente ocorre nas aulas de Ciências. Além disso, foi possível analisar o grau de dificuldade e de aceitação do jogo. Palavras-chaves: Jogo didático, Energia, Currículo Mínimo. 1. INTRODUÇÃO O jogo tem grande importância na vida do homem e dos animais, porém essa percepção é pouco evidente para a maioria das pessoas, sendo uma estratégia didática pouco utilizada na educação. O jogo é uma atividade que prescinde até mesmo o advento da cultura, pois pressupõe sempre a existência de um grupo, de uma sociedade humana (HUIZINGA, 2008). O jogo sempre fez parte da vida do ser humano, desde a infância a criança aprende brincando. Desta maneira, o jogo como estratégia didática pode ser uma atividade importante para auxiliar na construção do conhecimento formal ou informal. Outro aspecto relevante dos jogos é que eles sempre apresentam algum significado. De acordo com algumas formas de interpretação da função dos jogos, eles constituiriam uma 5924

2 preparação dos indivíduos mais jovens para as tarefas que surgiriam mais tarde em sua vida adulta. (HUIZINGA, 2008). O jogo com finalidades pedagógicas ou didáticas são entendidos como materiais produzidos com objetivo de proporcionar determinadas aprendizagens, ou seja, objetivos predeterminados pelo elaborador do jogo. (CAMPOS, 2003). Esse material se diferencia dos outros materiais pedagógicos, por conter o aspecto lúdico (CUNHA, 1988 apud CAMPOS, 2003), e serve como uma ferramenta para melhorar o desempenho dos estudantes em alguns conteúdos de difícil entendimento (GOMES et al, 2001 apud CUNHA, 2003). Essa facilidade de transmissão de conteúdos através de jogos favorece a aprendizagem de conceitos abstratos e complexos, além de proporcionar motivação interna, o raciocínio, a argumentação, a interação entre alunos e professores (CAMPOS, 2003). Tal fato está relacionado à aprendizagem significativa, que é estabelecida quando a nova informação é relacionada com outros conceitos na estrutura cognitiva do indivíduo. Soares (2008) reforça esta ideia quando diz que o jogo e tudo o que está envolvido com o lúdico, representam um acesso a mais no desenvolvimento cognitivo, pois enriquecem e diversificam as possibilidades experimentais e táteis do sujeito. Além disso, os jogos são atividades que apresentam regras. Elas são um fator primordial do conceito de jogo. Todo jogo tem suas regras. São estas que determinam aquilo que "vale" dentro do mundo temporário por ele circunscrito. As regras de todos os jogos são absolutas e não permitem discussão. (HUIZINGA, 2008). O jogo pode ser utilizado como um eficiente recurso em qualquer disciplina, tanto no ensino fundamental, quanto no ensino médio. Segundo Soares (2008), há muitos trabalhos relacionados a esse instrumento pedagógico, principalmente, nas áreas de Matemática, Física e Biologia/Ciências. Talvez haja uma explicação para este fato. No caso das Ciências e a Biologia, isso se deva por serem áreas do conhecimento que tratam de conteúdos abstratos e, muitas vezes, de difícil compreensão, e que ainda hoje sofrem com abordagens tradicionais no ensino. Nelas prevalecem a transmissão-recepção de informações, a memorização e dissociação entre conteúdo e realidade (CAMPOS et al ). Assim o uso de jogos seria uma tentativa de melhorar a construção desses conhecimentos. Nesse contexto, esse estudo pretende contribuir de maneira relevante para a disseminação do tema energia dentro do ensino de Ciência, através da criação de um jogo didático. O jogo baseia-se em conteúdos do novo currículo do 9º ano de Ciências, da Secretaria de Educação do 5925

3 Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC-RJ). Ele surge como uma alternativa pedagógica para o professor dessa série, uma vez que, os livros didáticos não acompanharam esta mudança tão restrita no currículo da rede estadual de ensino. 2. METODOLOGIA 2.1. CONHECENDO O JOGO O jogo proposto foi baseado no Currículo Mínimo da disciplina de Ciências do segundo seguimento do Ensino Fundamental. Ele foi elaborado de acordo com os conteúdos do 3º bimestre do 9º ano, que utiliza como tema principal Fontes e Formas de Energia. Dentre todos assuntos disponíveis do currículo para esta série, Fontes e Formas de Energia, foi escolhido como tema do jogo por fazer parte de cotidiano do aluno e por ter dois termos que geram uma certa dúvida, pois muitos não conseguem diferenciar fonte de forma de energia. De acordo com o caderno de Orientações Pedagógicas da SEEDUC-RJ, elaborado pela Fundação CECIERJ, o termo fonte de energia pode ser classificado como um recurso energético seja ele natural ou produto de um processo, utilizado diretamente pelos seres humanos. Enquanto, que forma de energia é o meio como a energia destes recursos manifesta-se na natureza ou é utilizada pela sociedade. Sendo assim, ao aplicarmos o jogo pretendemos facilitar a distinção destes dois conceitos; e além disso, relacionar a origem das fontes de energia com seu caráter renovável ou não; problematizar as diferentes posições assumidas sobre o uso das variadas fontes de energia: hidrelétrica, eólica, solar, nuclear, de biomassa e fóssil. O material discutido neste trabalho assemelha-se à um jogo da memória. Nesse tipo de jogo, em seu formato clássico, as cartas apresentam uma figura em um dos lados e cada figura se repete em duas peças diferentes. Para começar o jogo, as cartas são postas com as figuras voltadas para baixo, para que não possam ser vistas. Cada participante deve, na sua vez, virar duas peças e deixar que todos as vejam. Entretanto, no jogo da memória idealizado e discutido aqui, cada jogador sorteia uma carta com as figuras de uma das formas de energia e fica com ela. O próximo passo é encontrar cartas com características que estejam de acordo com a forma de energia sorteada. As cartas que 5926

4 não são correspondentes devem ser devolvidas ao jogo, na mesma posição que se encontravam anteriormente. Este jogo da memória é composto por 60 cartas (seis de formas de energia, trinta de características, quatro de lugares fictícios). As cartas de formas de energia apresentam seis tipos de energia trabalhados dentro da proposta do Currículo Mínimo, a saber: Energia Hidrelétrica, Energia Eólica, Energia Fóssil, Energia Biomassa, Energia Nuclear e Energia Solar. Cada uma das cartas possui uma imagem representando uma dessas formas de energia. Nas cartas de características encontram-se informações sobre as formas de energia. Ao todo existem quatro cartas para cada forma de energia e misturadas entre elas estão três cartas de sorte e três cartas curingas que ajudam a dinamizar o jogo REGRAS DO JOGO Assim como qualquer jogo, este jogo da memória também possui regras. Elas estão distribuídas em duas etapas diferentes. Na primeira temos o jogo da memória propriamente dito, e a segunda etapa, temos uma proposta de debates sobre os tipos de energia abordados pelo jogo. Esta última etapa permitirá a discussão e a escolha de uma ou mais forma de energia para um determinado lugar fictício descrito em uma das cartas lugares. Primeira Etapa do jogo: reconhecendo características de diferentes formas de energia Inicialmente cada aluno sorteará um número de 1 a 6, e a ordem das jogadas será estabelecida a partir desses números, depois cada educando sorteia uma carta de tipo de energia. Em seguida, as cartas de características devem ser embaralhadas e dispostas com o verso virado para cima. Posteriormente cada aluno, obedecendo à ordem da jogada deverá virar apenas uma carta, que deve ser lida para todos os jogadores. Caso a carta corresponda à forma de energia do aluno, ele deverá ficar com ela. Caso a carta não tenha relação com a forma de energia do educando, ele deverá virar novamente a carta na mesma posição em que estava anteriormente. Ao tirar a carta coringa ou de revés o jogador deverá embaralhar novamente as cartas da mesa e retirar esta carta do jogo. Ao pegar a carta com o trevo da sorte, o jogador poderá virar duas cartas da mesa, numa mesma jogada. A primeira etapa termina quando todos os jogadores encontrarem todas as quatro cartas correspondentes ao seu tipo de energia. 5927

5 Segunda etapa do jogo: debatendo e discutindo o uso e implicações socioambientais das diferentes fontes de energia O último jogador que finalizar a primeira etapa deverá sortear uma carta de lugar e ler as características deste local fictício para o grupo. Seguindo a ordem de jogada definida na primeira etapa, cada participante tentará defender o uso da sua forma de energia, quando acreditar que esta pode ser aplicada para aquele local. Ao final das justificativas individuais, o grupo deverá escolher a(s) forma(s) de energia mais adequada para ser implantada no lugar indicado na carta sorteada LOCAL DA APLICAÇÃO O local escolhido para a pesquisa foi a Escola Estadual Capitão Joaquim Quaresma de Oliveira, que se encontra no município de Nova Iguaçu. Ela oferece turmas no ensino fundamental (apenas 9º ano), ensino médio e educação de jovens e adultos, distribuídas nos turnos da manhã, tarde e noite. Em comparação com outras escolas da rede estadual da localidade, é uma escola de pequeno porte, pois dispões de apenas de seis salas e possui poucos alunos PÚBLICO ALVO Os alunos que participaram deste trabalho pertencem as turmas de 9º ano da escola. De acordo com as listas dos diários, uma das turmas possui 25 alunos, 15 meninas e 10 meninos. E a outra, um pouco menor, apresenta 19 alunos, sendo 7 meninas e 10 meninos. Os integrantes das duas turmas apresentam idades que variam de 13 a 15 anos. Em ambas existem alguns alunos repetentes, mas a maioria dos educandos estão fazendo o 9º ano pela primeira vez. Considerando aspectos comportamentais durante as aulas tradicionais, os educandos, de ambas as turmas, têm a tendência de conversar bastante. Quanto ao desempenho, uma das turmas apresenta um melhor rendimento escolar do que a outra, pois os alunos são mais participativos nas aulas, fazem com mais frequência às tarefas solicitadas, e como consequência, as notas são mais elevadas DINÂMICA DA AULA PARA APRESENTAR O JOGO 5928

6 Primeiramente, a aula foi iniciada com a apresentação da atividade, e logo em seguida, foi realizada a divisão da turma em grupo. Cada grupo foi formado por seis integrantes, que receberam um kit com todas as cartas e uma folha com as regras do jogo. O passo seguinte foi a leitura e explicação das regras. Após a constatação de que todos as compreenderam, o jogo foi iniciado. Durante o desenrolar da atividade o professor auxiliou os grupos sanando dúvidas quanto às regras ou conceitos ainda não trabalhados nas aulas. Ao término do jogo foi distribuído para todos os alunos um Formulário de Avaliação do material didático. Os dados foram analisados e os resultados serão discutidos na próxima seção deste artigo. 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES Após a aplicação do jogo, na expectativa de verificar a receptividade deste recurso didático entre os alunos, pedimos que os mesmos respondessem um pequeno questionário, no qual poderiam registrar suas opiniões sobre o material pedagógico aplicado. Com base nas respostas de todos os educandos percebemos que apenas 31% (Gráfico 1) participaram de atividades em aula com jogos didáticos na sua vida escolar. A partir deste dado, constatamos que embora os jogos sejam recursos lúdicos muito indicados como recursos didáticos, eles não são comumente usados em sala de aula pelos professores. Gráfico 1: Dados gerados a partir da primeira pergunta investigativa do questionário. 5929

7 Outro dado interessante obtido a partir desse levantamento, diz respeito às outras disciplinas estudas e, se em alguma delas os alunos tiveram oportunidade de experimentar jogos didáticos. A disciplina de Ciências apresentou o maior percentual de utilização desse recurso pedagógico, seguida de Inglês e Educação Física. (Gráfico 2). Desta forma, evidencia-se que no ensino de Ciências há uma tendência em buscar diferentes alternativas pedagógicas para o ensino. Por outro lado, em um universo de tantas disciplinas apenas três disciplinas desenvolverem tal atividade, é um dado preocupante. Acreditamos que os jogos deveriam merecer um espaço e um tempo maior na prática pedagógica cotidiana dos professores (CAMPOS et al ). MENECHINI & SILVA (2001) ao estudarem o uso de jogos didáticos por professores de escolas públicas de uma cidade paranaense, constataram que a disciplina que mais desfruta destes recursos é a Educação Física. Os autores ainda apontam as possíveis justificativas para o não uso desta prática por outras disciplinas, entre elas estão: a falta de preparo dos professores e alunos, o tempo reduzido das aulas e a dificuldade de contextualizar os conteúdos a partir dos jogos didáticos. Gráfico 2: Disciplinas apontadas pelos alunos como áreas do saber nas quais eles tiveram contato com jogos didáticos. Quando questionados se conheciam jogos semelhantes a este, 75% dos educandos disseram que não reconheciam jogos similares. Apenas 25% afirmaram que o jogo se assemelhava um jogo da memória. 5930

8 Os participantes também foram indagados sobre o que mais lhes chamou a atenção no jogo, para isso, foram sugeridas opções como: figuras ilustrativas, regras do jogo e outras particularidades. Como podemos observar no Gráfico 3, 52% dos educandos da turma 1 indicaram as regras do jogo como o ponto que mais chamou atenção. Entretanto na turma 2, 61% dos integrantes assinalaram que as figuras ilustrativas eram mais interessantes. Porém, de um modo geral, analisando as respostas de todos os alunos de ambas as turmas, as figuras do jogo tiveram, realmente, um maior destaque. Ainda analisando os dados da pergunta O que mais chamou sua atenção no jogo?, encontramos uma resposta muito interessante e que nos deixou muito feliz. Uma aluna da turma 2 ao marcar a opção Outras particularidades acrescentou em sua resposta que "As cartas eram interessantes, você aprendia e se divertia ao mesmo tempos". Através de suas palavras a aluna traduziu de forma simples, o real sentido deste tipo de recurso didático, que é estimular aprendizagem de forma prazerosa (FALKEMBACH, 2014). Gráfico 3: Relevância das diferentes particularidades do jogo para os alunos. Os trinta e dois alunos entrevistados assinalaram que gostaram do jogo, porém alguns deles consideram que o jogo não era muito divertido, outros até sugeriram mudar as suas regras. Contudo, o número de alunos que sugeriram esta possível mudança foi pequeno em ambas as turmas. Na turma 1 apenas 5% assinalaram a mudança nas regras, enquanto que na turma 2, esse número foi um pouco mais expressivo, 23% (Gráfico 4). Uma possível explicação para o 5931

9 percentual apresentado pela turma 2, seja o fato de que a maioria dos seus integrantes tenha apontado como justificativa para a mudança das regras a opção Eu quero vencer o jogo, demonstrando assim, que mesmo em um jogo colaborativo como este, o caráter de competição ainda prevalece. Talvez esta situação tenha desviado um pouco da atenção do objetivo do jogo (MELIM et al ). Gráfico 4: A quinta observação aponta a apreciação dos alunos quanto a mudanças nas regras do jogo. Os alunos também foram indagados sobre o grau de dificuldade da atividade. Ao observar o Gráfico 5, podemos destacar que cerca de 54% na turma 2 e 79% dos alunos da turma 1 consideraram o jogo com o grau de dificuldade regular. Esse resultado já era esperado, uma vez que os alunos ainda não haviam estudado profundamente o assunto abordado pelo jogo. 5932

10 Gráfico 5: Este gráfico se refere a opinião dos alunos quanto ao nível de dificuldade do jogo. Por fim, na tentativa de investigar um pouco mais sobre o como o jogo poderia auxiliar no ensino/aprendizagem do tema energia, pedimos que os educandos citassem algo que eles aprenderam durante a utilização deste recurso pedagógico. As respostas mais recorrentes foram: Aprendi sobre energia e suas características ou Aprendi sobre energia. Porém, muitos alunos sinalizaram que aprenderam sobre o tipo de forma de energias que eles sortearam durante a primeira etapa do jogo. Assim, acreditamos que é necessário repensar as estratégias do jogo, para possibilitar a ampliação dos conhecimentos que podem ser aprendidos. Além disso, também pedimos aos alunos que dessem sugestões de nomes para o jogo que tinham utilizado. Dentre eles os mais criativos foram: Memória Energética e Energia na Memória. O nome mais recorrente foi Jogo da Energia, porém o escolhido para nomear o jogo foi Energia na Memória. 4. CONCLUSÕES Como já discutimos ao longo deste trabalho os jogos didáticos proporcionam um desenvolvimento, físico, social e intelectual dos alunos. No Ensino de Ciências, especialmente falando, os jogos também são considerados importantes recursos didáticos favorecendo o processo ensino e aprendizagem de maneira diferenciada. 5933

11 A partir deste contexto, podemos concluir que o jogo descrito neste trabalho pode ser um bom instrumento no processo educativo, servindo como facilitador na construção de conceitos a respeito do tema Energia. Porém, a partir dos dados analisados foi possível perceber que o material ainda precisa ser aprimorado. Pretendemos propor novas interações para investigar outras formas de contribuir com as propostas pedagógicas para o ensino de ciências. 5. REFERÊNCIAS CAMPOS, L. M. L.unardi; FELICIO, A. K. C.; BORTOLOTTO, T. M.. A produção de jogos didáticos para o ensino de Ciências e Biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Caderno do s Núcleos de Ensino, 2003(em andamento), p , FALKEMBACH, G. A. M. O Lúdico e os Jogos Educacionais. Disponível: <http://penta3.ufrgs.br/midiasedu/modulo13/etapa1/leituras/arquivos/leitura_1.pdf> Acesso em: 19 mar HUIZINGA, J. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 5 ed. Perspectiva: São Paulo, MELIM, L. M. C., SPIEGEL, C. N., ALVES, G. G, LUZ, M. R. M. P. Cooperação ou competição? Avaliação de uma estratégia lúdica de ensino de Biologia para estudantes do ensino médio. VII ENPEC, MENECHINI, L. R., SILVA, M. C. Utilização de jogos didáticos: um recurso que favorece o processo de ensino e a aprendizagem. Iniciação Científica CESUMAR. Jan./Jun., v. 13, n. 2, p , ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS, Ciências, 9º Ano, 3º Bimestre, 1ºCiclo, Fundação CECIERJ, PNLD 2011, Guia de livros didáticos: Ciências. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, SOARES, M. H. F. B. Jogos e Atividades Lúdicas no Ensino de Química: Teoria, Métodos e Aplicações. XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) UFPR, Curitiba/PR, 21 a 24 de julho,

História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo

História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo Caroline Gomes Romano e-mail: carolgromano@hotmail.com Ana Letícia Carvalho e-mail: anale.carvalho03@gmail.com Isabella Domingues Mattano

Leia mais

JOGO DIDÁTICO COMO AUXILIAR PARA O APRENDIZADO EM QUÍMICA

JOGO DIDÁTICO COMO AUXILIAR PARA O APRENDIZADO EM QUÍMICA JOGO DIDÁTICO COMO AUXILIAR PARA O APRENDIZADO EM QUÍMICA SAIDELLES, Ana Paula Fleig¹*; CRUZ, Litiele Cezar da²; KIRCHNER, Rosane Maria³; PIVOTTO, Otávio Lavarda²; SANTOS, Douglas Silva dos²; SANTOS, Nara

Leia mais

JOGO DIDÁTICO DE QUÍMICA: INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS PARA O ENSINO DE NOMENCLATURA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS.

JOGO DIDÁTICO DE QUÍMICA: INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS PARA O ENSINO DE NOMENCLATURA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS. JOGO DIDÁTICO DE QUÍMICA: INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS PARA O ENSINO DE NOMENCLATURA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS. Oliveira, Cristiane B. de Capacitação em AEE URI campus São Luiz Gonzaga cibdo@yaho.com.br Resumo:

Leia mais

Ludo Químico: Uma Maneira Divertida de Aprender Química

Ludo Químico: Uma Maneira Divertida de Aprender Química Ludo Químico: Uma Maneira Divertida de Aprender Química Givanilda. S. de Freitas, Ellen Danielly de F. Lima 1, Myrelly Morais Tôrres¹, Suzana Pereira. Rêgo¹ e Wellima Fabíola B. Jales¹, Paulo Roberto N.

Leia mais

Jogos matemáticos para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental Marli Teresinha Quartieri (mtquartieri@univates.br) Ieda Maria Giongo

Jogos matemáticos para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental Marli Teresinha Quartieri (mtquartieri@univates.br) Ieda Maria Giongo Jogos matemáticos para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental Marli Teresinha Quartieri (mtquartieri@univates.br) Ieda Maria Giongo (igiongo@univates.br) Márcia Jussara Hepp Rehfeldt (mrefeldt@univates.br)

Leia mais

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO:

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO: Relatório O brincando se Aprende Um Projeto Socioeducativo foi criado e aplicado como uma nova metodologia, para despertar o interesse dos alunos do Ensino Médio pelas atividades matemáticas e de linguagens,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOLHER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONTRUINDO HISTÓRIA

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOLHER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONTRUINDO HISTÓRIA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOLHER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONTRUINDO HISTÓRIA Projeto: Jogos matemáticos como recurso didático Professora Orientadora: Marilene

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

CIÊNCIA ENCANTADA POR MEIO DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ESTÁGIO DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CIÊNCIA ENCANTADA POR MEIO DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ESTÁGIO DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CIÊNCIA ENCANTADA POR MEIO DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ESTÁGIO DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Waldemar Borges de OLIVEIRA JUNIOR 1 waldemarjuniorcn@gmail.com Luzilene Cordeiro PEREIRA 1 lenecpereira@yahoo.com.br

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS NA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA VEGETAL E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DOCENTE EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CONSTRUÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS NA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA VEGETAL E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DOCENTE EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 736 CONSTRUÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS NA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA VEGETAL E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DOCENTE EM

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO

RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO Na EEMASA - Escola Estadual Maria Augusta Silva Araújo, antes do início do ano letivo, professores, coordenação pedagógica e direção da escola definem coletivamente, em

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

Palavras-chave: Programas Curriculares; Conteúdos; Aprendizagem; Ensino de Química; Escola Pública.

Palavras-chave: Programas Curriculares; Conteúdos; Aprendizagem; Ensino de Química; Escola Pública. LEVANTAMENTO DOS CONTEÚDOS DE QUÍMICA MINISTRADOS PELOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DA CIDADE DE AREIA - PB Fabrícia Bezerra Vieira, Gustavo do Nascimento, Maria Betania Hermenegildo

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

PRODUÇÃO DE JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO MÉDIO

PRODUÇÃO DE JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO MÉDIO Introdução PRODUÇÃO DE JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO MÉDIO Inglid Teixeira da Silva 1 Rafaela Karine da Silva 2 Romildo Batista da Silva 3 Erivan Luiz da Silva 4 José Jairo de Santana Silva 5 Lázaro Rangel

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

Química Ambiental para Jovens e Adultos (EJA): Estratégias de ensino em busca da identidade ambiental

Química Ambiental para Jovens e Adultos (EJA): Estratégias de ensino em busca da identidade ambiental Química Ambiental para Jovens e Adultos (EJA): Estratégias de ensino em busca da identidade ambiental Patrícia Alves de Abreu e Sousa 1, Luciana Nobre de Abreu Ferreira Universidade Federal do Piauí, Centro

Leia mais

Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN.

Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN. Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN. Gustavo Daniel S. Souza (IC)1, Alidna Mosana S. de Oliveira

Leia mais

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor Missão Promover e realizar ações que contribuam para a melhoria da qualidade da educação pública e que fomentem o desenvolvimento social de comunidades de baixa renda. Visão Ser referência como fundação

Leia mais

Um Retrato do Uso dos Jogos no Ensino de Matemática no 6º Ano do Ensino Fundamental: um estudo de caso.

Um Retrato do Uso dos Jogos no Ensino de Matemática no 6º Ano do Ensino Fundamental: um estudo de caso. Um Retrato do Uso dos Jogos no Ensino de Matemática no 6º Ano do Ensino Fundamental: um estudo de caso. Francisco Ricardo Nogueira de Vasconcelos 1 Ivoneide Pinheiro de Lima 2 RESUMO A aplicação adequada

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: O USO DE JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA¹. EIXO TEMÁTICO: Ensino, aprendizagem, pesquisa e avaliação na educação Básica.

RELATO DE EXPERIÊNCIA: O USO DE JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA¹. EIXO TEMÁTICO: Ensino, aprendizagem, pesquisa e avaliação na educação Básica. RELATO DE EXPERIÊNCIA: O USO DE JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa² Elizia Araujo Vieira³ RESUMO: O presente trabalho tem por objetivo salientar as contribuições do PIBID na formação

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

JOGO DIDÁTICO COMO AUXÍLIO PARA O ENSINO DE ZOOLOGIA DE INVERTEBRADOS

JOGO DIDÁTICO COMO AUXÍLIO PARA O ENSINO DE ZOOLOGIA DE INVERTEBRADOS JOGO DIDÁTICO COMO AUXÍLIO PARA O ENSINO DE ZOOLOGIA DE INVERTEBRADOS Barreto, L.M. (1) ; Gava, M. (1); Ferrarini, T.D. (1) ; Santos, C.M (1) ; Ferreira, C.D. (2) ; Carmassi, A. (2) lucasmesquita@msn.com

Leia mais

PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA: O QUE DIZEM OS ALUNOS? Fernanda Fetzer 1, Mary Ângela Teixeira Brandalise 2

PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA: O QUE DIZEM OS ALUNOS? Fernanda Fetzer 1, Mary Ângela Teixeira Brandalise 2 PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA: O QUE DIZEM OS ALUNOS? Fernanda Fetzer 1, Mary Ângela Teixeira Brandalise 2 Resumo O processo ensino-aprendizagem de Matemática na 5ª série/6º ano do Ensino

Leia mais

CRIATIVIDADE, AMBIENTE LÚDICO E ENSINO DE FÍSICA: UMA REFLEXÃO EM BUSCA DO ESTIMULO PARA O APRENDIZADO

CRIATIVIDADE, AMBIENTE LÚDICO E ENSINO DE FÍSICA: UMA REFLEXÃO EM BUSCA DO ESTIMULO PARA O APRENDIZADO CRIATIVIDADE, AMBIENTE LÚDICO E ENSINO DE FÍSICA: UMA REFLEXÃO EM BUSCA DO ESTIMULO PARA O APRENDIZADO L. L. A. Veiga 1 ; A. C. L. Dias 2 ; F. A. O. Cruz 3 1 Mestrado Profissional em Educação em Ciências

Leia mais

O JOGO COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO ENSINO DA MATEMÁTICA

O JOGO COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO ENSINO DA MATEMÁTICA 1 O JOGO COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO ENSINO DA MATEMÁTICA Caique Melo de Oliveira Universidade do Estado da Bahia Uneb (Campus IX) caiquemelo@outlook.com Américo Júnior Nunes da Silva 1 Universidade

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

SER / SOCIEDADE EDUCACIONAL ROCHA

SER / SOCIEDADE EDUCACIONAL ROCHA SER / SOCIEDADE EDUCACIONAL ROCHA Prezados Pais, Responsáveis e Alunos Recomendamos a todos que leiam com atenção cada uma destas orientações, pois os pais e responsáveis dos alunos matriculados no SER

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

BINGO QUÍMICO: UMA ATIVIDADE LÚDICA ENVOLVENDO SÍMBOLOS E NOMES DOS ELEMENTOS.

BINGO QUÍMICO: UMA ATIVIDADE LÚDICA ENVOLVENDO SÍMBOLOS E NOMES DOS ELEMENTOS. BINGO QUÍMICO: UMA ATIVIDADE LÚDICA ENVOLVENDO SÍMBOLOS E NOMES DOS ELEMENTOS. Eliana Moraes de Santana ¹ Universidade de São Paulo, Instituto de Física - Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

Ações do Governo do Estado do Rio de Janeiro com Educação a Distância. Carlos Bielschowsky Presidente da Fundação Cecierj / Consórcio Cederj

Ações do Governo do Estado do Rio de Janeiro com Educação a Distância. Carlos Bielschowsky Presidente da Fundação Cecierj / Consórcio Cederj Ações do Governo do Estado do Rio de Janeiro com Educação a Distância Carlos Bielschowsky Presidente da Fundação Cecierj / Consórcio Cederj 100 mil alunos EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 1. Graduação do

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO: CONSTRUINDO ALTERNATIVAS COM JOGOS PEDAGÓGICOS

ALFABETIZAÇÃO: CONSTRUINDO ALTERNATIVAS COM JOGOS PEDAGÓGICOS ALFABETIZAÇÃO: CONSTRUINDO ALTERNATIVAS COM JOGOS PEDAGÓGICOS Karoline Kahl Acadêmica do Curso de Letras/Português da UFSC Maria Elza de Oliveira Lima Professora do Colégio de Aplicação da UFSC (Coordenadora)

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA QUAIS AS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES DO USO DE JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA?

JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA QUAIS AS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES DO USO DE JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA? JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA QUAIS AS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES DO USO DE JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA? Gisele Bianchini 1, Tatiane Gerhardt 2 e Maria Madalena Dullius 3 RESUMO:

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER EXTENSÃO. MULTIMÍDIA E A MATEMÁTICA: Os Jogos e o Ensino da Multiplicação

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER EXTENSÃO. MULTIMÍDIA E A MATEMÁTICA: Os Jogos e o Ensino da Multiplicação ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER EXTENSÃO MULTIMÍDIA E A MATEMÁTICA: Os Jogos e o Ensino da Multiplicação IVINHEMA-MS 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER EXTENSÃO MULTIMÍDIA E A MATEMÁTICA:

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID ISSN 2316-7785 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID Charles Peixoto Mafalda Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões charles1995peixoto@hotmail.com

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS PARA APRENDER MATEMÁTICA RESUMO

JOGOS E BRINCADEIRAS PARA APRENDER MATEMÁTICA RESUMO Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 JOGOS E BRINCADEIRAS PARA APRENDER MATEMÁTICA SOUZA, Elisangela Ruiz de 1 MUNIZ, Valdinéia C. B. Q. 2 FORGIARINI,

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP SILVA JUNIOR, Ranulfo Combuca da 1 - FAPREV / FAPEPE UNIESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

CIÊNCIAS EXATAS PARA BIÓLOGOS: ANÁLISE DO CONHECIMENTO DA MATEMÁTICA POR ALUNOS INICIANTES E CONCLUINTES

CIÊNCIAS EXATAS PARA BIÓLOGOS: ANÁLISE DO CONHECIMENTO DA MATEMÁTICA POR ALUNOS INICIANTES E CONCLUINTES CIÊNCIAS EXATAS PARA BIÓLOGOS: ANÁLISE DO CONHECIMENTO DA MATEMÁTICA POR ALUNOS INICIANTES E CONCLUINTES Jamylle Maria Santos de Medeiros e-mail: jamyllemaria.jm@gmail.com Veridiana Alves da Silva e-mail:

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM.

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. UCHÔA, Yasmim Figueiredo Graduanda de Pedagogia/ UEPB. Bolsista PIBID CABRAL, Isabel Cristina Gomes de Morais Graduanda

Leia mais

CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI

CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI Thaynara Fontenele de Oliveira (Universidade Federal do Piauí UFPI/CMRV) Email: thaynarafontenele@outlook.com Maria das

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

JOGO DIDÁTICO COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA TABELA PERIÓDICA

JOGO DIDÁTICO COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA TABELA PERIÓDICA JOGO DIDÁTICO COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA TABELA PERIÓDICA Vera Lucia Rocha da Silva (Universidade Federal do Piauí - UFPI/ CMRV) Email: veraelimaocommel@hotmail.com

Leia mais

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: AS DESCOBERTAS DE MENDEL. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI)

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: AS DESCOBERTAS DE MENDEL. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: AS DESCOBERTAS DE MENDEL Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) Diego Porto Rocha (Universidade Federal do Piauí - UFPI) RESUMO: No decorrer dos anos surgiu

Leia mais

SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS

SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS Carolina Fuso Mendes¹; Márcia Lopes Francisco Mantovani²; Sandra Albano da Silva³ UEMS - 79750-000 Nova

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

Palavras-Chaves: PIBID. Jogos Pedagógicos. Ensino de Ciências.

Palavras-Chaves: PIBID. Jogos Pedagógicos. Ensino de Ciências. O USO DE JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PARA O ENSINO FUNDAMENTAL Carla Daniely Duarte de Souza¹, Fernando Pereira da Silva², Alison Pereira da Silva³ RESUMO ¹

Leia mais

GINCANA DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO MÉDIO

GINCANA DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO MÉDIO GINCANA DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO MÉDIO Zulma Elizabete de Freitas Madruga * Resumo: A pesquisa foi realizada entre os meses de novembro e dezembro do ano de 2009 na Escola Técnica Estadual

Leia mais

JOGO DAS FICHAS COLORIDAS

JOGO DAS FICHAS COLORIDAS JOGO DAS FICHAS COLORIDAS Resumo Charlene Taís Theisen UNISINOS charlenettheisen@hotmail.com Janine Charlene Diogo UNISINOS janinediogo@hotmail.com Com a intenção de introduzir materiais diversos nas aulas

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS Kelly Karina Cardoso (kkimica@hotmail.com) Eniz Conceição de Oliveira (eniz@univates.br) Marlise

Leia mais

JOGOS DE MESA PARA O ENSINO DO ATLETISMO NA ESCOLA: SOBRE O JOGO MICOTISMO TABLE GAMES FOR ATHLETICS TEACHING AT SCHOOL: ABOUT THE GAME MICOTISMO

JOGOS DE MESA PARA O ENSINO DO ATLETISMO NA ESCOLA: SOBRE O JOGO MICOTISMO TABLE GAMES FOR ATHLETICS TEACHING AT SCHOOL: ABOUT THE GAME MICOTISMO Recebido em: 15/3/2010 Emitido parece em: 5/4/2010 Artigo original JOGOS DE MESA PARA O ENSINO DO ATLETISMO NA ESCOLA: SOBRE O JOGO MICOTISMO Camila Basso Sibila, Sara Quenzer Matthiesen, Thaís Yuri Jô

Leia mais

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO Vera Lucia de Souza 1 ; Monique de Campos Ribeiro 2 ; Maria Rosa Leite da Silva 3; Kátia Nakamura 4; Maria de Lourdes dos Santos 5 1Bolsista/PIBID/PEDAGOGIA/UFGD.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 PESQUISA E PRODUÇÃO DE MATERIAL DE APOIO REGIONAL AOS DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS Aldaiza Sudré Pereira Universidade Federal do Tocantins aldaizasudre@hotmail.com José Ricardo e Souza

Leia mais

Projeto Laboratório de Ensino de Genética Jogo Memorizando a Genética

Projeto Laboratório de Ensino de Genética Jogo Memorizando a Genética Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Instituto de Ciências Biológicas ICB Projeto Laboratório de Ensino de Genética Jogo Memorizando a Genética Alunos: Bárbara Luiza Júlia Miranda Marina Amaral Priscilla

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

Três Jogos para o Ensino e Aprendizagem de Números e Operações no Ensino Fundamental

Três Jogos para o Ensino e Aprendizagem de Números e Operações no Ensino Fundamental Três Jogos para o Ensino e Aprendizagem de Números e Operações no Ensino Fundamental José Ricardo de Rezende Zeni Departamento de Matemática Universidade Estadual Paulista (UNESP) Av. Dr. Ariberto Pereira

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo Artigo Apoio tecnológico para treinamento vocacional Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online Rodrigo Laiola Guimarães*, Andrea Britto Mattos**, Victor Martinêz***, Flávio

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

O USO DE JOGOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA

O USO DE JOGOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA O USO DE JOGOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA Rosalina Maria de Lima Leite do Nascimento Universidade Estadual de Goiás rosall@ueg.br Lorrana Thalita Silva Rodrigues Universidade Estadual de Goiás lorrana@hotmail.com

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA

TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS

Leia mais

Beatriz Santomauro (bsantomauro@fvc.org.br) === PARTE 1 ==== Clique para ampliar

Beatriz Santomauro (bsantomauro@fvc.org.br) === PARTE 1 ==== Clique para ampliar Um novo jeito de ensinar a tabuada Discutir com os alunos sobre a relação dos produtos da multiplicação e as propriedades envolvidas nos cálculos ajuda a memorizar os resultados e a encontrar os que eles

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

Descrição e regras e dinâmica do jogo Unidos para produzir um lugar saudável - PDTSP TEIAS

Descrição e regras e dinâmica do jogo Unidos para produzir um lugar saudável - PDTSP TEIAS Descrição e regras e dinâmica do jogo Unidos para produzir um lugar saudável - PDTSP TEIAS Peças do jogo O jogo Unidos para produzir um lugar saudável PDTSP TEIAS Escola Manguinhos Versão inicial é composto

Leia mais

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS.

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. cibdo@yahoo.com.br Cristiane Barbosa de Oliveira * (PQ) Neusa Maria John Scheid (PG). Palavras-Chave: Educação

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES E RESPOSTAS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA (SEB/MEC)

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES E RESPOSTAS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA (SEB/MEC) ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES E RESPOSTAS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA (SEB/MEC) A ampliação do Ensino Fundamental para nove anos de duração, com a matrícula obrigatória

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

O CINEMA PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO PARA DISCUSSÕES SOBRE PROBLEMÁTICAS AMBIENTAIS UMA EXPERIÊNCIA DIDÁTICA DO GRUPO PIBID-BIOLOGIA

O CINEMA PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO PARA DISCUSSÕES SOBRE PROBLEMÁTICAS AMBIENTAIS UMA EXPERIÊNCIA DIDÁTICA DO GRUPO PIBID-BIOLOGIA O CINEMA PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO PARA DISCUSSÕES SOBRE PROBLEMÁTICAS AMBIENTAIS UMA EXPERIÊNCIA DIDÁTICA DO GRUPO PIBID-BIOLOGIA Divina M. N. Alainho (Graduanda, Ciências Biológicas, UEG Itapuranga)

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE.

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. Resumo XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. OLIVEIRA, Vanessa Duarte de PUCPR vane_do@hotmail.com CARVALHO, João Eloir PUCPR j.eloir@uol.com.br Eixo Temático: Educação, arte e movimento Agência

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO AVALIATIVO DESENVOLVIDO NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS

ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO AVALIATIVO DESENVOLVIDO NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO AVALIATIVO DESENVOLVIDO NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS GT 07 Educação Matemática, avaliação e inclusão escolar. Francine Monteiro,

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ Introdução Maria Amélia da Silva Viana Márcia Rafaella Graciliano dos Santos Viana UNASUR aneliavianna@hotmail.com A educação de qualidade é

Leia mais

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA)

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) 1 PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) O presente trabalho trata de uma discussão sobre os aspectos pedagógicos dos programas

Leia mais

APLICAÇÃO DE BINGO DE EXPRESSÕES PARA INCENTIVO DO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA

APLICAÇÃO DE BINGO DE EXPRESSÕES PARA INCENTIVO DO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA APLICAÇÃO DE BINGO DE EXPRESSÕES PARA INCENTIVO DO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA Arine de Paiva Gonçalves 1 Cássio Costa Rodrigues 2, Liliane Martinez Antonow 3 1 If Sudeste MG Câmpus Rio Pomba/ DEMAF, arine.paiva@hotmail.com

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais