A Amazônia, como região natural, ocupa a quase totalidade da parte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Amazônia, como região natural, ocupa a quase totalidade da parte"

Transcrição

1 ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA Brígida Ramati Pereira da Rocha 1 Isa Maria Oliveira da Silva 2 Introdução A Amazônia, como região natural, ocupa a quase totalidade da parte setentrional da América do Sul, abrangendo, além do Norte Brasileiro, Guiana, Guiana Francesa, Suriname, o leste e o sul da Venezuela, o sudoeste e sul da Colombia, o leste do Equador e do Peru, bem como o norte da Bolivia. Na Colômbia, Equador e Peru, a região alcança as fraldas orientais dos Andes. No Brasil chama-se Região Amazônica, ou Norte à parte setentrional do país, cujas características fundamentais são: uma vasta bacia hidrográfica, densa cobertura florestal e extrema rarefação demográfica. Dentro do Brasil, a Amazônia Legal compreende os estados do Pará, Amazonas, Acre, Amapá, Rondônia, Roraima, Tocantins, Mato Grosso e oeste do Maranhão, ocupando uma superfície de km 2, equivalentes a 57% da área do Brasil. O clima da Amazônia é equatorial, quente e úmido. As temperaturas médias são superiores a 25 graus Celsius, e variam menos de 2 graus entre o mês mais quente e o mais frio. A amplitude térmica diária é porém muito maior, dependendo de fatores locais. Os totais anuais de chuvas são, em regra, superiores a mm. Excetuando-se o noroeste da Amazônia (alto rio Negro), onde o clima é sempre úmido, ocorre uma curta estação seca, localmente denominada verão, que para a região sul e sudeste pode estender-se até quatro ou cinco meses. A Questão Energética na Amazônia A Amazônia representa quase 60% do território nacional, abrigando diversos ecossistemas naturais e antrópicos de alta diversidade biológica, geológica e social. Possuindo a maior rede hidrográfica do mundo, a Amazônia cândidatou-se ao posto de maior produtor potencial de energia hídrica brasileira, e o Pará, concentrando o maior número de quedas d água ainda não exploradas, apresenta-se como o estado com maior potencial exportador de energia hidráulica no Brasil. Entretanto, a construção dessas barragens, algumas com reservatórios com área superficial maior que certos países europeus, foi realizada principalmente nas décadas de 70/80 sem considerar os impactos econômicos, sociais e, sobretudo, ambientais que essas barragens criariam. 1 Professora do Departamento de Engenharia Elétrica/Centro Tecnológico/UFPA 2 Professora do Departamento de Meteorologia/Centro de Geociências/UFPA

2 Esse modelo de oferta de energia acompanhou o modelo de distribuição de renda ampliando a geração centralizada de energia beneficiando o mercado capital que se encontra nas cidades mais importantes da Amazônia e nos projetos eletrointensivos (23,1% do consumo de energia do país). Esse modelo gerou também um esquecimento das populações dispersas na área amazônica, com densidades populacionais às vezes menores que 1hab/km 2, mas que no total atingem cerca de 20 milhões de habitantes sem oferta adequada de energia. Outra conseqüência desse modelo é a adoção de geração térmica usando óleo Diesel para o fornecimento de energia elétrica para as populações das sedes municipais não servidas pela energia hídrica. O óleo Diesel é o principal componente da matriz energética do setor de transportes no Brasil gerando com isso um déficit de cerca de 30% em volume de Diesel que precisa ser importado já em forma de destilado final. Além de poluidor, o óleo Diesel, no caso da geração de energia elétrica, ainda precisa ser subsidiado em 70%, com a produção de energia gerando um déficit coberto pelas empresas de outros Estados brasileiros por intermédio da CCC (Conta Consumo de Combustível). A extinção desse subsídio provocará um impacto muito grande na geração de energia nesses sistemas, caso alternativas eficientes, do ponto de vista tecnológico e econômico, não sejam implementadas a tempo. Nas décadas de 80/90, reservas gigantescas de gás natural foram descobertas no Estado do Amazonas (Juruá e Urucu) que, entretanto, por não terem sido incorporadas ao modelo de produção de energia, ainda não conseguem ser exploradas com essa finalidade. Dessa forma, a Amazônia convive, de um lado, com potenciais gigantescos de produção de energia elétrica que certamente precisam ser explorados com tecnologias que respeitem o meio ambiente e o povo amazônico, e, do outro, com índices de demanda reprimida, que impõem à sociedade limitações à sua sustentabilidade e desenvolvimento. Efeito estufa, Agenda XXI, desenvolvimento sustentável e a questão energética na Amazônia Alguns gases da atmosfera, principalmente o dióxido de carbono (CO2), funcionam como uma capa protetora que impede que o calor absorvido da irradiação solar escape para o espaço exterior, mantendo uma situação de equilíbrio térmico sobre o planeta, tanto durante o dia como durante a noite. A essa particularidade benéfica da camada de ar em volta do globo se dá o nome de Efeito Estufa. O efeito estufa na Terra é garantido por quantidades muito pequenas de certos gases normalmente presentes na atmosfera, como o vapor d água, dióxido de carbono (CO2) e metano (CH4). Além desses, outros gases presentes na atmosfera em quantidade traço e que contribuem para o Efeito Estufa são o dióxido de nitrogênio (NO2), o clorofluocarbonos (CFCs), o óxido de nitroso (N2O), o monóxido de carbono (CO), o ozônio e o dióxido de enxofre. São

3 chamados de gases do efeito estufa (GEE) porque são capazes de reter o calor do Sol na atmosfera. Sem esses gases, a radiação solar se dissiparia no espaço e nosso planeta seria cerca de 30 C mais frio e a superfície da Terra seria coberta de gelo. O efeito estufa pode ser distribuído desta forma: 55% devido à presença de CO2, 15% devido ao CH4, 25% devido aos CFCs e 5% referente ao efeito dos outros GEE. Por outro lado, um aumento da concentração desses gases irá acarretar um aumento da temperatura média da Terra, que poderá ocasionar algumas conseqüências, como o aumento do índice pluviométrico; o aumento da freqüência e rigor dos furacões e tempestades tropicais; o aumento do nível dos oceanos, ocasionando a contaminação dos lençóis de água subterrâneas com sal, inundação de mangues e a redução substancial da produção de arroz; a redução das florestas; a produção de alimentos: redução da população ou extinção de muitas espécies, afetando o equilíbrio de diversos ecossistemas; a ocorrência de epidemias de doenças transmitidas por insetos; o aumento da sobrevivência de germes, bactérias, esporos e outros organismos prejudiciais à saúde humana. Esses efeitos, provocados por um possível aumento da temperatura média da Terra, têm levado a comunidade científica e os governos a tomarem providências que evitem essa catástrofe. O dióxido de carbono, gás naturalmente presente na atmosfera, é um importante fator na fotossíntese. As fontes principais de CO2 na atmosfera são as fontes naturais oriundas da respiração de plantas e animais que contribuem com 93% do total, e as fontes antropogênicas, queimadas florestais e combustão de matéria orgânica de origem vegetal (2%), queima de combustíveis fósseis (óleo, carvão mineral, gás natural) (5%). Os processos de fotossíntese e absorção de CO2 pelos oceanos eliminam 95% do CO2 emitido por processos naturais. Apenas 5% de todo o gás carbônico emitido não é reciclado; uma quantidade percentualmente pequena, mas grande o suficiente para que pequenas variações na quantidade de gás carbônico, emitido por processos antropogênicos, sejam sentidas no aumento da temperatura média global de nosso planeta (Brady; Holum, 1995). A presença excessiva desses gases na atmosfera pode estar intensificando o efeito estufa. Modelagens do aquecimento global prevêem um aumento de 1 o a 3,5 o C na temperatura global e uma elevação do nível do mar de 15 a 90 cm até 2100 (IPCC, 1996). A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, assinada pelo Brasil na Rio-92, estabeleceu que os países do Anexo I, isto é, os países desenvolvidos ou em transição para uma economia de mercado, deveriam liderar o combate ao aquecimento global e retornar suas emissões de GEE por volta do ano 2000 aos níveis anteriores de Na conferência do Clima de 1995, em Berlim, os governos concordaram que não foram adequadas as medidas tomadas no sentido de tentar a redução das emissões de gases que provocam o efeito estufa. A Conferência do Clima de 1996, em Genebra, terminou com a declaração

4 em que os países se comprometem a negociar a redução do uso de gases responsáveis pelo efeito estufa. Em Kyoto, no Japão, em dezembro de 1997, foi decidida a adoção do Protocolo de Kyoto, onde as nações industrializadas concordaram em reduzir dentro do período de suas emissões dos 5 principais gases do efeito estufa dióxido de carbono, metano, óxidos de nitrogênio, hexafluoreto de enxofre e os perfluorcarbonos e os hidrofluorcarbonos em 5% em relação aos níveis de Em 1998, em Buenos Aires, na Quarta Conferência das Partes da Convenção, estabeleceu um processo que visa regulamentar os três mecanismos para auxiliar os países a cumprir suas metas de redução de emissões: a implementação conjunta de projetos, o comércio de emissões aplicados entre os países desenvolvidos e o mecanismo de desenvolvimento limpo envolvendo países desenvolvidos e em desenvolvimento. O Protocolo de Kyoto foi ratificado pelo Brasil em agosto de 2002 e espera-se que na próxima Conferência das Partes em Blangadesh, África do Sul, agosto de 2002, seja ratificado por mais de 60% dos países, e que estes, responsáveis por mais de 55% das emissões, possam permitir a automática adoção internacional do protocolo de Kyoto e com ele a comercialização da redução das emissões de Carbono. Segundo MIGUEZ (2000), o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) é o mecanismo que mais interessa ao Brasil, pois permitirá a certificação de projetos de redução de emissões de CO2 e a posterior venda de certificados para serem utilizados pelos países desenvolvidos como modo suplementar para cumprirem suas metas. O MDL é uma oportunidade para as companhias brasileiras desenvolverem projetos de redução de emissões, principalmente a partir do uso de energias renováveis e de aumento de eficiência energética. Na implementação dos projetos, há a possibilidade de transferência de tecnologia e de recursos externos de empresas de países do Anexo I, interessados nos certificados de redução. Todas essas questões referentes ao uso do meio ambiente de forma sustentável, preservando-o para as futuras gerações, fazem parte da Agenda 21 (ou Programa 21), que é um dos cinco documentos acordados durante a Conferência Quadro das Nações Unidas sobre Meio Ambiente (CNUMAD), realizada no Rio de Janeiro, Brasil, em Foi assinado por 179 chefes de estados e constitui um projeto de desenvolvimento sustentável para aplicação no século XXI. Com este documento, foram asseguradas as bases para um desenvolvimento sustentável e a cooperação mundial para apoiar uma política ambiental e de desenvolvimento. O objetivo geral deste documento é preparar o mundo para confrontar os desafios do próximo século em uma fundação de consenso mundial, um compromisso político para desenvolvimento socioeconômico e cooperação na esfera ambiental.

5 O Capítulo 9 da Agenda 21 ressalta que a energia é essencial para o desenvolvimento social e econômico e para uma melhor qualidade de vida. Boa parte da energia mundial, porém, é hoje produzida e consumida de maneira que não poderia ser sustentada caso a tecnologia permanecesse constante e as quantidades globais aumentassem substancialmente. A necessidade de controlar as emissões atmosféricas de gases que provocam o efeito estufa e de outros gases e substâncias deverá basear-se, cada vez mais, na eficiência, produção, transmissão, distribuição e consumo da energia, e em uma dependência cada vez maior de sistemas energéticos ambientalmente saudáveis, sobretudo de fontes de energia novas e renováveis. Todas as fontes de energia deverão ser usadas de maneira a respeitar a atmosfera, a saúde humana e o meio ambiente como um todo. A questão energética na Amazônia frente aos desafios da Agenda XXI Na Amazônia, o índice de eletrificação rural ainda é muito baixo, com percentuais de não-atendimento superiores a 80% das propriedades rurais (Eletrobrás/1996). A necessidade de eletrificação dessas comunidades isoladas e de diminuição das emissões de gases efeito de estufa, resultantes da queima de combustíveis fósseis, induz a necessidade de investimentos em estudos de alternativas energéticas ambientalmente corretas. Por outro lado, o aproveitamento dos potenciais hídricos elevados, presentes na região, é uma necessidade, quando se considera a expansão do consumo de eletricidade no Brasil e, portanto, precisase aprofundar a discussão dessa questão de forma a se conseguir o equilíbrio entre a utilização desses potenciais, a conservação ambiental, o atendimento energético das populações amazônidas e a remuneração justa pela produção de energia. A extensão das linhas de transmissão de energia elétrica apenas para suprimento local das populações de baixa renda é inviável economicamente, e a geração de eletricidade a partir de recursos renováveis figura-se como uma alternativa local, viável e sustentável em termos econômicos e ambientais. Sobretudo porque esta região de potenciais solares possui também recursos eólicos considerados de médio porte em nível mundial e de potenciais de biomassa considerados entre os mais elevados do mundo. A região, além do mais, conta com uma enorme diversidade de plantas oleaginosas nativas e de condições edafoclimáticas favoráveis para o cultivo de espécies altamente produtivas em óleos e com vantagens ambientais e sociais. Os óleos vegetais da maioria dos frutos da floresta amazônica contêm muitos elementos valiosos para a indústria alimentícia e farmacêutica. Entre as espécies oleaginosas, destacam-se a castanha-do-pará e grande parte das palmáceas. Além dos óleos, cujo valor econômico pode ser elevado, a quantidade considerável de resíduos resultantes da extração de óleo pode ser também utilizada na geração de energia.

6 Por outro lado, o aproveitamento de resíduos de biomassa na geração de energia elétrica contribuirá para a diminuição da demanda de óleo Diesel, a emissão de gases de efeito estufa para a atmosfera, além de gerar mais emprego, fixando assim o homem no campo. A biomassa, além de aumentar a disponibilidade energética, também incrementará a atividade econômica local. Outros potenciais renováveis, presentes na região, são importantes, dependendo das cargas a serem alimentadas e da sua localização. O potencial eólico das regiões litorâneas pode certamente ser uma opção economicamente interessante, especialmente após a Lei , de 26 de abril de 2002, que criou o Proinfa, o qual, entre outros objetivos, visa à expansão da oferta de energia renovável por meio da concessão de um incentivo financeiro com piso de 80% da tarifa média nacional de fornecimento ao consumidor final. Esse fundo também incentivará a adoção de sistemas à biomassa. A produção de energia usando biomassa, entretanto, ainda terá de lidar com custos de produção de biomassa, enquanto para os sistemas eólicos esses custos inexistem. Os potenciais solares também contam com incentivos para instalação de sistemas de baixa potência, de forma a prover a universalização do atendimento elétrico. A energia contida na biomassa pode ser explorada de diferentes formas, sendo a mais comum a utilização do calor proveniente da combustão seja diretamente, seja fabricando vapor para gerar eletricidade. A biomassa pode, desta forma, produzir energia numa unidade de cogeração de calor e de eletricidade, podendo o calor residual ser injetado numa rede de aquecimento urbano ou num complexo industrial. Outros processos, entretanto, podem ter um rendimento maior, como a gaseificação ou a produção de combustíveis líquidos. A utilização da biomassa, como recurso energético, faz parte de uma cadeia de produção, daí sua importância para a economia local. Uma vez identificado o recurso, deve determinar-se o melhor método para a sua colheita, o seu armazenamento e a sua conversão em energia. O tipo de material necessário para os diferentes carburantes e a sua utilização variam consideravelmente segundo o destino dos materiais (aquecimento, produção de água quente sanitária, eletricidade ou transportes): trituradora de lascas que alimentará a caldeira de água quente; sistema de gaseificação acoplado a uma cogeração de calor e de eletricidade com ligação a uma rede de aquecimento urbano; equipamento de pirólise para produzir carvão de lenha; equipamento para a fermentação de combustíveis líquidos; trituradora e processo químico para fabricar combustíveis líquidos entre outras. Além disso, é necessário um estudo atento do ecossistema, antes de lançar um projeto de cultura energética em particular no caso de uma monocultura intensiva. Este tipo de exploração é vulnerável às doenças e pode necessitar do emprego de pesticidas, daí um risco para a biodiversidade. Mais vale diversificar as culturas e excluir o emprego de pesticidas ou de fertilizantes artificiais. Convém, igualmente, velar pela preservação da fertilidade dos solos e, se for necessário, evitar retirar os resíduos florestais dos locais que têm necessidade

7 deste complemento nutritivo. O transporte do combustível em forma bruta pode causar um problema se as centrais energéticas se encontrarem distantes da fonte de biomassa. Deverá dar-se uma atenção particular às conseqüências hidrológicas induzidas pela captação da água necessária às culturas. A paisagem e a visibilidade são igualmente critérios a considerar, em caso de novas culturas num determinado local. O uso da biomassa para fins energéticos provoca emissões de gás carbônico. A vantagem em relação aos combustíveis fósseis reside no fato de essas emissões serem, no máximo, equivalentes à quantidade de gás carbônico captado pela biomassa durante o seu crescimento. A cultura e a combustão da biomassa representam, assim, um balanço neutro. Podem, no entanto, existir emissões de gás carbônico relacionadas com a produção dos fertilizantes e com as operações de colheita e de transporte. Nota-se, no entanto, que as fontes de bioenergia são menos poluentes do que o carvão ou o petróleo, já que não rejeitam praticamente nenhum enxofre para a atmosfera. A exploração das energias renováveis pode contribuir para o desenvolvimento regional, introduzindo nas zonas rurais uma fonte de rendimentos, preciosa e duradoura. As grandes distâncias entre os centros de produção de energia hídrica e os centros consumidores, sejam da própria Amazônia, sejam os consumidores externos (majoritários do Sul, Sudeste, Nordeste), exigem a implantação de sistemas de transmissão em tensão de alimentação igual e acima de 500kV, demandando formação de pessoal especializado em extra-alta tensão, de forma a gerar auto-suficiência nas diversas etapas desses projetos, bem como em sua operação e manutenção. Os impactos ambientais presentes tanto na fase de implantação como nas fases de manutenção, exigindo a inclusão de extensas faixas de servidão, obrigam as empresas a formar pessoal com visão multidisciplinar para produzir energia com consciência ecológica e mantendo índices de produção. Referências AHRENS, C.D. Meteorology Today An Introduction to Weather, Climate and the Environment. 4a Ed. New York: West Publishing Company, ARAGON, L., L. E. Educação, Ciência e Tecnologia: bases para o desenvolvimento sustentável da Amazônia. Belém: UNAMAZ/ UNESCO/ UFPA, 1977, 438p. BAHIA, R. R. P. Benefícios e vantagens sociais, econômicos e ambientais da termeletricidade na Amazônia. In: MAGALHÃES, S. B. et al (Orgs.). Energia na Amazônia. Belém: UFPA/MPEG/UNAMAZ, v.1, p , BAHIA, R. R. P.; ANDRADE, C. M. M. O gás natural: impactos na matriz energética mundial, nacional, regional amazônica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA, 7, Rio de Janeiro, Anais. Rio de Janeiro. COPPE-UFRJ/Clube de Engenharia, 1996, v.3. p

8 BARRY, R. G.; CHARLEY, R. J. Atmosphere, Weather and Climate. 6ª Ed. London: Routledge, BECKER, BERTA K. A Amazônia pós Eco92: por um desenvolvimento regional responsável. Notas: Para pensar o desenvolvimento sustentável/marcel Burstyn (org). Armando Mendes et al. São Paulo: Brasiliense/IBAMA/ENAP, p , BODEN, T. A.; SEPANSKI, R. J.; STOSS, F. W. Trends 91: A Compendium of Data on Global Change. Highlights. Carbon Dioxide Information Analysis Center. Oak Ridge, BRADY & HOLUM, Chemistry The Study of matter and Its Changes. Willey, BRASIL, MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Balanço Energético Nacional, Brasília, CENBIO NOTÍCIAS, Um Modelo para a Amazônia? Ano 2, nº 7, FATHEUR, T.; ARROYO, J.C.; MACHADO, J. A. da C. Amazônia: Estratégia e desenvolvimento sustentável, uma contribuição para a elaboração de planos de desenvolvimentos e agenda 21. Belém: UFPA/NAEA, 1988, 84 p. FONSECA, O. Energia e desenvolvimento da Amazônia. Com Ciência. Revista Eletrônica de Jornalismo. Nº 25, set/2001. FURTADO, A. A crise energética mundial e o Brasil. Novos Estudos CEBRAP, nº. 11, p.17-19, janeiro1985. FURTADO, A. As Grandes Opções da Política Energética Brasileira: o caso da indústria de 80 a 85, Revista Brasileira de Energia, Vol.1, p.77-92, KITAMURA, P. C. Desenvolvimento Sustentável: uma abordagem para as questões ambientais da Amazônia. Tese de Doutorado. Campinas/SP, 1994, 288f. MEAPA Metodologias Integradas para o Mapeamento de Energias Alternativas no Estado do Pará. Relatório do Projeto MEAPA, Janeiro, MIGUEZ, J. D. O Brasil e o Protocolo de Kioto. CENBIO NOTÍCIAS, Ano 3, nº 8, MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Balanço Energético Nacional. Brasília/DF, 1996/1998. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Energia e Desenvolvimento Sustentável. Relatório Final, OLIVEIRA, A. Energia e Desenvolvimento Sustentável. Instituto de Economia da USP. MME. Departamento Nacional de Desenvolvimento Energético. Julho, PINTO, L. F. O dilúvio energético. Agenda Amazônica. Agosto de 2001, p SILVA, I. T.; ROCHA, B. R. P. Manejo Adequado de Espécies Florestais para Fonte de Energia Alternativa para a Ilha do Marajó, no Estado do Pará. Belém, Julho, SILVA, I. T., Rocha, B. R. P., Estimativa da Biomassa como Fonte de Energia Alternativa para a Ilha do Marajó. Belém, Junho, 1998.

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS João Paulo Nardin Tavares INTRODUÇÃO Já podemos sentir o aquecimento global No último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, órgão

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Suprimento (geração, transmissão e distribuição) de energia elétrica: aspectos socioambientais Lineu Belico dos Reis REQUISITOS BÁSICOS: Atendimento ao arcabouço legal ambiental

Leia mais

Evitando o Desforestamento na Amazônia: REDD e os Mercados PSA Cuiabá, 1º de abril de 2009

Evitando o Desforestamento na Amazônia: REDD e os Mercados PSA Cuiabá, 1º de abril de 2009 Evitando o Desforestamento na Amazônia: REDD e os Mercados PSA Cuiabá, 1º de abril de 2009 Desflorestamento e Mudança do Clima Luiz Gylvan Meira Filho Pesquisador Visitante Instituto de Estudos Avançados

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR C ( p f d o m r s a b c d e omo pode cair no enem ENEM) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

1. Mudanças climáticas : Aumento da temperatura da Terra. Fonte: IPCC, 2000)

1. Mudanças climáticas : Aumento da temperatura da Terra. Fonte: IPCC, 2000) Novas Tecnologias para o desenvolvimento sustentável: a viabilidade da produção de gás natural à partir do armazenamento geológico de CO 2 na Jazida de Charqueadas Letícia Hoppe Agenda 1. Contextualização

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos?

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? Seminário sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Brasileiro Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? 21 de novembro de 2014 Aneel Brasília O conteúdo deste relatório foi produzido

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA AMAZÔNIA Como Conciliar Desenvolvimento e Sustentabilidade

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA AMAZÔNIA Como Conciliar Desenvolvimento e Sustentabilidade ENERGIAS RENOVÁVEIS NA AMAZÔNIA Como Conciliar Desenvolvimento e Sustentabilidade Paulo Felipe de Oliveira Lima Graduando de Geografia na UFPA paulo.felipelima@gmail.com 1. Introdução Energia é algo primordial

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL: ATÉ ONDE É ALARMANTE? Angela Maria Magosso Takayanagui Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP 2015

AQUECIMENTO GLOBAL: ATÉ ONDE É ALARMANTE? Angela Maria Magosso Takayanagui Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP 2015 AQUECIMENTO GLOBAL: ATÉ ONDE É ALARMANTE? Angela Maria Magosso Takayanagui Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP 2015 Principais Questões Ambientais - Séc. XXI Superaquecimento da Terra Extinção da

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Economia Internacional

Economia Internacional Economia Internacional A abertura de novos mercados criou condições para que a produção econômica mundial crescesse em mais de 150% desde 1980, com a poluição aumentando no mesmo ritmo. Amplo consenso

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

Clima e mudanças climáticas na Amazônia

Clima e mudanças climáticas na Amazônia Diligência Pública ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS Manaus-AM, 18 de maio de 2009 Comissão Mista de Mudanças Climáticas Clima e mudanças climáticas na Amazônia Antonio Ocimar Manzi manzi@inpa.gov.br

Leia mais

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica).

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). 1 Biomassa é uma substância orgânica, produzida pelo processo de acumulação de energia solar. O seu maior potencial

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro Climate Change, Energy and Food Security Rio de Janeiro Mudanças Climáticas Amazônia, Problemas Ambientais e Proteção da Biomassa Israel Klabin F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável

O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável Principais pontos de abordagem: Legislação Paulista que aborda Mudanças Climáticas; Estratégias para o Desenvolvimento

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CONGRESSO NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA BRASILIA, 1 DEZEMBRO 2009 PROF. LUIZ CARLOS BALDICERO MOLION, PhD INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

Mudança do Clima. Luiz Gylvan Meira Filho

Mudança do Clima. Luiz Gylvan Meira Filho SABESP São Paulo, 12 de novembro de 2008 Mudança do Clima Luiz Gylvan Meira Filho Pesquisador Visitante Instituto de Estudos Avançados Universidade de São Paulo A terra recebe energia do sol na forma de

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Os fenômenos climáticos e a interferência humana

Os fenômenos climáticos e a interferência humana Os fenômenos climáticos e a interferência humana Desde sua origem a Terra sempre sofreu mudanças climáticas. Basta lembrar que o planeta era uma esfera incandescente que foi se resfriando lentamente, e

Leia mais