AS RELAÇÕES PÚBLICAS DENTRO DO COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO DO MARKETING E SUA APLICAÇÃO ESTRATÉGICA NAS ORGANIZAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS RELAÇÕES PÚBLICAS DENTRO DO COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO DO MARKETING E SUA APLICAÇÃO ESTRATÉGICA NAS ORGANIZAÇÕES"

Transcrição

1 AS RELAÇÕES PÚBLICAS DENTRO DO COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO DO MARKETING E SUA APLICAÇÃO ESTRATÉGICA NAS ORGANIZAÇÕES Cláudia Bach Rizzatti² Ana Cristina Cazorla Martins³ Centro Universitário Franciscano Resumo O objetivo geral deste trabalho é identificar como o trabalho de relações públicas pode integrar a estratégia de mercado das organizações. Para alcançá-lo se tem como objetivos específicos: verificar a compreensão do significado do trabalho de relações públicas; verificar as contribuições do trabalho de relações públicas para uma organização; analisar como o trabalho de relações públicas pode ser inserido estrategicamente em uma empresa; identificar as formas de agregar estrategicamente as táticas comunicacionais para as empresas. Utilizou-se a pesquisa bibliográfica como método de pesquisa. É possível concluir que será através do trabalho de Relações Públicas nas estratégias, que a organização possibilitará uma solidez em sua imagem, reputação além de resultados positivos organizacionais. Palavras-chave Marketing; Relações Públicas e Estratégia. Introdução Vive-se em um mundo globalizado onde o a quantidade de informações procurando diversas maneiras, o contato e o recebimento direto do receptor, são enormes. Entretanto, devido a essa grande quantidade, dificulta-se o processo do recebimento correto da mensagem. É com base nisso que a percepção da importância que a comunicação e seus profissionais possuem, se manifesta em grande peso nas atividades das empresas e mercado. E, é através desse estudo da influência do que, de como e do porquê fazer que as organizações busquem a maneira correta e eficiente de induzir ao seu público a receber as informações de forma previamente estudada, ou seja, de forma planejada e estratégica. 1 Trabalho apresentado no Grupo de Trabalho Estudos da recepção do IV SIPECOM - Seminário Internacional de Pesquisa em Comunicação ² Estudante de Graduação 8º semestre do Curso de Comunicação Social Relações Públicas da UFSM e graduada em Administração pela UNIFRA, ³ Orientador do trabalho. Professor do Curso de Administração UNIFRA, 1

2 Cada vez mais a realidade enfrentada no mercado exige, das organizações um cuidado no relacionamento com seus públicos e mídia. Se isso não ocorrer, abre-se espaço para que a concorrência ocupe seu lugar. Percebe-se que a comunicação e a valorização de sua importância já vêm ocorrendo e se mostrando crescer nos últimos anos. Entretanto, a falta de união e integração do trabalho de relações públicas com o planejamento estratégico da empresa, bem como suas ações estratégicas é uma realidade. O presente estudo tem como intuito analisar, dentro do composto de comunicação de marketing (propaganda, promoção de vendas, relações públicas e publicidade, vendas pessoais e marketing direto), a área de relações públicas. E, através desta análise, verificar se esta função se integra às estratégias de vendas das organizações. Para que, então, se faça possível uma reflexão dos resultados obtidos. O trabalho de relações públicas, no Brasil, ainda é considerado novidade e muitas vezes, desconhecido pela maioria das empresas. E é com esse intuito que esse presente trabalho se concretiza. Para que se possa perceber se há a compreensão das funções de relações públicas pelas organizações e se esse profissional integra as formas e ações estratégicas das mesmas em uma cidade do interior do Rio Grande do Sul, em empresas de pequeno e médio porte. Além disso, a falta de poder do profissional de Relações Públicas gera, muitas vezes, uma dificuldade na integração deste profissional com as táticas estratégicas. Para Kunsh (2006, p.4): [...] O planejamento estratégico normalmente realizado pelas organizações é, em geral, a melhor fonte e o melhor ponto de partida para um planejamento de relações públicas com vistas a excelência e à eficácia da comunicação nas organizações. É exatamente por serem um instrumento que permite fazer um raio-x da real situação da organização frente ao ambiente e ao mercado competitivo, no contexto da sociedade onde está inserida, que as relações públicas são consideradas uma função relevante, que precede às demais funções administrativas. Tendo em vista o contexto acima, este presente estudo apresentará como problema de pesquisa o trabalho de relações públicas, dentro do composto de comunicação de marketing, contribui para a estratégia de negócio? Com isso, este presente estudo apresentará como objetivo geral identificar como o trabalho de relações 2

3 públicas pode integrar a estratégia de mercado das organizações. Para alcançá-lo se tem como objetivos específicos: verificar a compreensão do significado do trabalho de relações públicas; verificar as contribuições do trabalho de relações públicas para uma organização; analisar como o trabalho de relações públicas pode ser inserido estrategicamente em uma empresa; identificar as formas de agregar estrategicamente as táticas comunicacionais para as empresas. Justifica-se esse trabalho pela verificação da relevância do presente assunto no mercado de trabalho atual. As informações passadas no cotidiano são inúmeras e suas consequências também. Ao se analisar o que difere uma empresa de outra, vê-se que, muitas vezes, o simples fato de investir em uma comunicação eficaz torna uma mais relevante e visível no mercado que a outra. Kunsh (2006, p.6) relata que: [...] Para as relações públicas, exercer a função estratégica, significa ajudar as organizações a se posicionarem perante a sociedade, demonstrando qual é a razão de ser do seu empreendimento, isto é, sua missão, quais são os seus valores, no que acreditam e o que cultivam, bem como a definirem uma identidade própria e como querem ser vistas no futuro. Mediante sua função estratégica, elas abrem canais de comunicação entre a organização e públicos, em busca de confiança mútua, construindo a credibilidade e valorizando a dimensão social da organização, enfatizando sua missão e seus propósitos e princípios, ou seja, fortalecendo sua dimensão institucional. Portanto, se faz de extrema necessidade o diferencial competitivo da organização, sendo que, muitas vezes, o serviço e/ou produto não é o problema em questão, mas sim, a forma de como essa empresa se comunica com seu público e como esse, por sua vez a enxerga. Através de estudos, revisões bibliográficas e pesquisa sobre as questões estratégicas comunicativas, se fará possível encontrar a verdadeira forma pela qual a comunicação usada de forma verdadeiramente estratégica e que, assim contribuirá para uma imagem favorável da organização além de que todo processo realizado em conjunto com toda organização acarretará em uma estratégia de mercado de excelência. Em relação aos aspectos metodológicos, o presente artigo se classifica como pesquisa bibliográfica, a fim de verificar o que a literatura nos oferece sobre o assunto abordado. A pesquisa visa verificar os aspectos teóricos e oportunidades que a literatura oferece. Seu conceito, segundo Marconi e Lakatos (1999, p 73): A pesquisa bibliográfica, ou de fontes secundárias, abrange toda bibliografia já tornada pública em 3

4 relação ao tema de estudo, desde publicações avulsas, boletins, jornais, revistas, livros, pesquisas, monografias, teses, material cartográfico, etc. 2 Referencial Teórico Para a análise do presente estudo, se faz necessário um aprofundamento teórico nas seguintes áreas: Marketing, Composto de Comunicação de Marketing, Relações Públicas, Relações Públicas sob visão estratégica, Marketing Estratégico, explanando seus conceitos, diferenças e importância da interação das mesmas. 2.1 MARKETING A criação de todo processo de valor de um produto, serviço ou marca acontece de forma gradual e consecutiva. Todo o cuidado com seu cliente, anterior, durante e posterior à venda acontece com intuito de fidelizá-lo e satisfazê-lo com o serviço prestado. O processo mercadológico de uma empresa deve se unificar com todos os processos da mesma, principalmente com áreas afins cujo intuito seja aliar o desejo de vender com o desejo de comunicar e fidelizar. Kotler (2001, p.24) relata que ao se falar de marketing se fala em atender as necessidades de maneira lucrativa, além de complementar que o marketing lida com a identificação e o atendimento das necessidades humanas e sociais. Para Kotler apud Kunsh (1997, p. 123): [...] Marketing é um processo social e administrativo pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e o que desejam através da criação e troca de produtos e valor com outras pessoas. Esta definição apóia-se nos seguintes conceitos: necessidades, desejos e demanda; produtos; utilidade, valor e satisfação, troca, transações e relacionamento; mercados, marketing e homens de marketing. É importante perceber que o marketing, juntamente com a comunicação, deveria trabalhar em conjunto, tendo o intuito de vender, conquistar e manter relações com o cliente, real e/ou potencial. Para isso, se faz necessário a implementação, não só da área do marketing, mas de todo o composto de comunicação de marketing, possibilitando assim a construção de estratégias a fim de penetrar um novo produto ou serviço no mercado com segurança, conquistando e mantendo relacionamento com pessoas e públicos, quesito chave para o sucesso da organização. 4

5 2.2 COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO DE MARKETING Ao se analisar o composto de comunicação, primeiramente, deve-se perceber sua importância dentro das organizações. É evidente que todas as áreas do composto devem estar e trabalhar de forma integrada com a missão, visão e objetivos da organização, ou seja, com seu planejamento estratégico. Sua estratégia de marketing refere-se muito além de como e a quem vender, significa analisar e trabalhar as diferentes formas que a informação e comunicação devem chegar aos referidos públicos e como esses percebem os valores transmitidos pela organização. Kotler (2001, p. 570) explica o composto de comunicação como sendo: [...] O marketing moderno exige mais do que desenvolver um bom produto a um preço atraente e torná-lo acessível. As empresas precisam também se comunicar com as atuais e potenciais partes interessadas e com o público geral. Toda empresa tem inevitavelmente de assumir o papel de comunicadora e promotora. Para muitas empresas, o problema não é comunicar, mas o que dizer, para quem dizer e com que freqüência fazê-lo. Em seu artigo, autor explica que o composto do mix de comunicação de marketing é formado por: 1 Propaganda: qualquer forma paga de apresentação e promoção nãopessoais de idéias, mercadorias ou serviços por um anunciante identificado. 2- Promoção de vendas: uma variedade de incentivos de curto prazo para encorajar a experimentação ou a compra de um produto ou serviço. 3- Relações Públicas e publicidade: uma variedade de programas elaborados para promover ou proteger a imagem de uma empresa ou de seus produtos. 4- Vendas pessoais: interação pessoa (cara a cara) com um ou mais compradores potenciais visando apresentar produtos ou serviços responder perguntas e tirar pedidos. 5- Marketing direto: utilização de correio, telefone, fax, ou Internet para se comunicar diretamente com clientes específicos e potenciais ou lhes solicitar uma resposta direta. Ou seja, o presente estudo irá explanar com maior ênfase o composto de relações públicas e sua influência dentro da organização. Analisando também se a sua função está atrelada na estratégia das empresas analisadas. 2.3 RELAÇÕES PÚBLICAS O trabalho de relações públicas diz respeito a administrar relacionamentos. Conquistar e manter os mesmos, para que no momento em que se fizer necessário as bases sólidas já formadas auxiliarão para o não abate da sua reputação na sociedade. Carvalho, 2007, p.73 explica que: 5

6 [...] Como se sabe, a atividade de Relações Públicas possibilita o exercício de diferentes funções, cuja finalidade normalmente é analisar o clima geral em relação à organização e as atitudes dos públicos. Tais observações servem para: determinar a opinião em relação à organização, bem como o estado e o grau destas opiniões; antecipar problemas potenciais, necessidades e oportunidades; formular políticas; planejar meios de melhor trabalhar a atitudes de grupos específicos; responder, avaliar e ajustar as políticas de comunicação organizacional às realidades que se apresentam. Ou seja, fica evidente que o trabalho realizado pelo profissional de relações públicas é o mais diversificado possível. Não podendo deixar de lado os modelos básicos de relações públicas que Gruning e Hunt apud Kunsh (1997) referem-se como sendo o modelo principal utilizado na comunicação organizacional o de duas vias, simétrica de duas mãos. Ou seja, onde a organização não só comunica-se com seu público, mas também o ouve. A respeito desse novo comportamento das organizações Kunsh (1997, p. 141) diz que: E ainda continua: [...] As organizações modernas assumem novas posturas na sociedade de hoje. A velocidade das mudanças que ocorrem em todos os campos impele a um novo comportamento institucional das organizações perante a opinião pública. Elas passam a se preocupar sempre mais com as relações sociais, com os acontecimentos políticos e com os fatos econômicos mundiais. E, nesse contexto, a atuação das relações públicas será fundamental, pois caberá a essa atividade a função de uma auditoria social. Isto é, terá de saber avaliar as reações da opinião pública para traçar as estratégias de comunicação. [...] Em síntese, isso significa que as organizações não podem se pautar por uma política de indiferença, fechando-se para o que ocorre no mundo. Muito pelo contrário. Elas têm de assumir posturas cada vez mais claras, definidas e precisas. E isto só é possível com a comunicação, que deve receber delas o espaço merecido em suas estruturas formais. E é através dessa nova abordagem de comunicação que se torna imprescindível que um profissional de relações públicas planeje estrategicamente sua função dentro de uma empresa, além de que é ele o responsável pela construção de uma boa imagem e reputação organizacional. A respeito do trabalho do profissional de Relações Públicas Carvalho, (2007, p.65) afirma que: [...] Sua ação, além de criar e manter uma imagem favorável das organizações públicas e privadas, também se encarrega de zelar pela imagem e pelo nome/ marca das empresas. Aliás, é bom que se esclareça desde já que a marca é o maior patrimônio que uma organização possui e que, com o passar do tempo, esta, acaba se configurando em um importante mecanismo de reconhecimento institucional. 6

7 Portanto, é possível analisar que o profissional de Relações Públicas surge para integrar e unir as organizações e a sociedade. Além de tornar o ambiente interno e suas relações de empregados e empregadores mais próximos. Sabe-se que os públicos de uma organização são os mais variáveis possíveis, na maioria das vezes. E o planejamento de como e do o que falar para cada público específico é um trabalho longo e muitas vezes demorado. No entanto, se torna de extrema importância o fazer, pois é através dessa comunicação direta e específica que a conquista do público em questão poderá acontecer. Em relação a isso Steffen (2007 p. 42), afirma que: [...] É relevante observar que a atividade de relações públicas utiliza-se de forma invariável do mecanismo da comunicação para manter as organizações estabelecendo trocas com o meio ambiente, nos diversos ramos onde estas encontram-se inseridas. Em qualquer circunstância, a comunicação constituise em um mecanismo meio que possibilita a captação, processamento e distribuição de informações geradas pelos agentes sociais no sistema organização público. E ainda conclui que é o programa de relações públicas que regulariza o sistema, para o que se utiliza do mecanismo da comunicação. É, portanto, o desenvolvimento da atividade, em suas áreas de atuação, que define o designativo dado à comunicação: corporativa, institucional ou organizacional, donde se pode inferir que, em relações públicas, a comunicação é meio, e não fim. (STEFFEN, 2007) Kotler (apud Kunsh 1997, p. 124) enfatiza a importância da área de relações públicas dentro de uma empresa: Para nós, elas, além dessas tarefas (processo mercadológico das organizações, mediante atividades específicas como as de imprensa, divulgação do produto, organização de eventos, etc.), podem auxiliar na administração de conflitos, nos serviços de atendimento ao consumidor e no gerenciamento da comunicação com os diferentes públicos do marketing e a sociedade em geral. Kunsh (1997) ainda ressalta que a pesquisa efetuada pelos estudiosos da comunicação excelente também revelou que a atividade de Relações Públicas, para ser eficaz, deve ser organizada. E que, para isso ocorrer, deve posicionar a função no contexto da organização, dando-lhe acesso direto ao sistema administrativo, além de integrar as áreas da comunicação em um único departamento, para facilitar, assim, a administração estratégica e desenvolver uma estrutura horizontal dinâmica melhor e com novos objetivos estratégicos. 7

8 No ambiente de mercado atual percebe-se o crescimento de áreas comunicacionais e a sua valorização dentro das organizações. Entretanto, também se verifica que, em empresas de pequeno, médio porte, não localizadas em capitais, o desconhecimento dessas áreas é uma realidade. O seu planejamento, e importância se tornam obsoletos por parte das organizações, que, muitas vezes, não percebem quão prejudicadas se tornam, perante o mercado. A respeito do desconhecimento de grande número do trabalho de Relações Públicas, Kunsh (1997) afirma que o desconhecimento da área e das diversas atividades de relações públicas por grande parte das organizações impede o reconhecimento de sua importância no conjunto das demais subáreas da comunicação. E ainda acrescenta que todas as respostas dos diferentes segmentos pesquisados sobre essa questão deixam claro que há realmente uma noção errônea ou deficiente do que são Relações Públicas e qual seu âmbito de atuação. Além disso, conclui que as Relações Públicas devem ser definidas em termos de uma missão socialmente justificável e organizacionalmente relevante. Mas a eficácia de suas ações também deve ser quantificável. Para ela, um problema enfrentado é que poucos teóricos discutem a contribuição econômica que a comunicação presta a uma organização. É como medir um retorno das relações públicas, no qual os benefícios da atividade só aparecem em longo prazo? É importante verificarmos que a falta de mensuração e objetividade do trabalho de planejamento e de comunicação, são motivos para a sua ausência nas empresas. Entretanto, se torna necessária a percepção que o próprio mercado se modula subjetivamente, não sendo possíveis cálculos matemáticos para comprovar uma tendência ou imagem. Faz-se necessário um aprofundamento de que as ações subjetivas aplicadas dentro da organização tornarão, em longo prazo, um benefício e diferencial competitivo para a mesma. E então, se fará possível a análise quantitativa dos resultados. Steffen (2007) determina que como ciência e atividade que tem por objeto de estudo o sistema social organização públicos, relações públicas intervêm constantemente no processo de relacionamento que se estabelece entre esses dois parceiros de sistema, pautando a sua atuação como atividade profissional que monitora o ambiente (o macrossistema em suas diversas dimensões), considerando o interesse e opinião dos públicos de uma organização (o microssistema organização públicos ) para, posteriormente, assessorar a tomada de decisão organizacional. 8

9 Ou seja, se faz necessária toda a análise mercadológica de micro e de macro ambiente, proposto pelo marketing, para que então se verifique quais melhores meios de comunicação para cada público específico. Além disso, a percepção desses clientes modifica e junto a ela, a reputação da empresa se torna vulnerável. Portanto, fica evidente que o trabalho de marketing, e seus compostos de comunicação, especificamente o composto de relações públicas, devem se unir às estratégias de mercado que a organização se propõe, pois é através deste trabalho integrado que a posição de uma empresa conquistará a maturidade e, além disso, uma imagem positiva, para então formar bases sólidas para uma construção de uma reputação favorável. 2.4 RELAÇOES PÚBLICAS COMO ESTRATÉGIA Dentro do composto de comunicação do marketing, relações públicas responsável pela assessoria de imprensa, ou seja, relacionamento com a mídia, organizar eventos, relacionar-se com o público, cuidar da imagem e da construção da reputação organizacional, etc. Ou seja, é a área responsável pela conquista e manutenção de relações, seja com públicos internos, externos, mídias, etc. Argenti (2006, p.96) acredita que: A credibilidade que uma empresa adquire através da aplicação continuada de um excelente padrão de comportamento determinará sua imagem nas mentes dos públicos de modo muito mais profundo do que uma campanha de anúncios. Ainda sobre credibilidade e de sua importância, Carvalho (p.73, 2007) fala: [...] O profissional de Relações Públicas, ligado a área mercadológica da organização é um especialista que busca a construção da credibilidade, do prestígio e da boa imagem da organização junto à sociedade a todos os públicos da mesma os valores e princípios que a norteiam. Ao verificarmos as tarefas designadas para o cargo de relações públicas, fica evidente que toda ação por este profissional deve ser acompanhada, e integrada às outras áreas das empresas. O trabalho de relações públicas para a construção de uma imagem deve estar atrelado a todo planejamento estratégico, ou seja, estar de acordo com sua missão, visão e objetivos. Herrera (2006) conceitua missão, visão e objetivos como: 9

10 * A missão é uma declaração ampla e duradoura de propósitos que individualiza a organização e distingue o seu negócio impondo a delimitação de suas atividades dentro do espaço que deseja ocupar no mercado de atuação. * A visão orienta a organização numa meta de longo prazo criando um compromisso consigo própria no intento de atingir o propósito declarado. Uma posição que a empresa pretende ocupar no futuro em seu mercado de atuação, com relação ao portfólio ou sua participação, sendo uma premissa básica no desenvolvimento do plano estratégico. * Objetivos: Intenções assertivas e factíveis na busca por algo de valor; de resultados auspiciosos de progresso, lucro, vantagens, melhorias, onde a situação futura almejada seja melhor que a presente. É um propósito ou alvo desejado e perseguido pela entidade visando uma situação melhor. Ao se integrar planejamento estratégico ao trabalho de relações públicas, a organização poderá determinar ações para sua vantagem competitiva, além de que, ao construir e manter relacionamentos com os mais diferenciados públicos, estará possibilitando uma construção de reputação positiva na opinião pública. Em relação à vantagem competitiva, Machado (2007) diz que a reputação sólida também é sinal de bons negócios, porque atrai e segura os maiores talentos, conquista consumidores mais fiéis e parceiros de negócios, que colaboram para o crescimento e o êxito comercial. O autor relata também que a cultura brasileira não dá o valor que os norte-americanos, por exemplo, dão aos rankings que destacam as maiores e melhores organizações, no entanto, cada vez mais, a tendência é que qualquer tipo de evidência, solidificada pela mídia especializada, inclusive, dê status e propague a reputação daquelas que são consagradas. Neste sentido, por mais bobo e sem importância que possa ser, deve-se prestar mais atenção nos prêmios, concursos e manifestações sociais que giram no mundo empresarial/organizacional, pois são fóruns, ou melhor, vitrinas que oferecem visibilidade a identidade, a imagem e a reputação. A organização, ao construir sua imagem e reputação na opinião pública, deve transpassar confiança, credibilidade. Para que se torne possível o almejo do público a se tornar, de alguma forma, parte da mesma. Rosa (2006) traz uma observação bastante pertinente neste ponto. O autor comenta que existe ainda quem veja a credibilidade como uma medalha, do tipo ninguém me arranca. Bobagem. Credibilidade ou reputação é um ativo, como uma poupança, reforça. E sugere que para acumular e tornar essa reputação cada vez mais valiosa é preciso administrar esse ativo em todos os detalhes e 10

11 a chave disso é entender da melhor forma possível o lugar onde esta credibilidade está depositada: no olhar e na percepção do público. Toda construção de percepção do público e de reputação da organização só será possível se as ações da mesma condizem com sua missão e seus valores. É de extrema importância essa coerência, pois a contradição destes possibilitará a queda de imagem da organização na opinião pública. Sobre o planejamento estratégico de relações públicas, Kunsh (2006, p.12) diz: [...] Os programas de ação propostos devem ser coerentes com a definição da missão, dos valores, dos negócios, dos objetivos e das metas estabelecidas pela organização. Esses são delineados, por meio de um planejamento estratégico da organização como um todo e, numa sinergia com a área de comunicação, hão de convergir para uma comunicação excelente e simétrica. Daí a necessidade de uma nova visão das relações públicas sob novos paradigmas e a adoção de um planejamento muito mais participativo. Ou seja, se torna claro que as ações devem estar integradas aos relacionamentos com os públicos, às formas variadas de se comunicar e ao mesmo tempo, a todo planejamento e ações estratégicas da organização, tornando possível assim, um trabalho integrado e unificado para que a imagem e a reputação organizacional se tornem possíveis e fortificadas perante a opinião pública. Silveira (2007, p.149) explica: [...] Para relações Públicas, exercer a função estratégica significa ajudar as organizações a se posicionar perante a sociedade, demonstrando qual é a razão de ser do seu empreendimento, isto é, sua missão, quais são os seus valores, no que acreditam e o que cultivam, bem como a definir uma identidade própria e como queremos ser vistas no futuro. Sobre a importância do trabalho executado pelas relações públicas, Kotler (2003) afirma que as empresas devem começar a deslocar mais dinheiro de propaganda para Relações Públicas. E ainda acrescenta que a propaganda está perdendo parte de sua antiga eficácia, pois, segundo o autor, é difícil alcançar audiências maciças em face da crescente fragmentação do público. O autor conclui que as empresas gastam demais em Propaganda e de menos em Relações Públicas, pois nove entre dez agências de RP pertencem a empresas de propaganda e estas ganham mais dinheiro publicando anúncios do que praticando Relações Públicas. E é através das relações públicas que a visão de forma estratégica total se concretiza. Por fazer parte do composto de marketing, além de estar integrado à comunicação social, o profissional de relações públicas consegue ler e perceber o público como poucos. Carvalho (2007, p.74) relata que: 11

12 [...] A atividade de Relações Públicas possibilita ao mesmo tempo, uma noção analítica e estratégica da sociedade e a comunicação com públicos específicos, em que é valorizado muito o enfoque relacional. A questão relacional, ou seja, a possibilidade dos diferentes públicos se relacionarem com a organização em momentos diferentes, é hoje a mais importante faceta da atividade. No âmbito da Comunicação Social, sem dúvida, a atividade de Relações Públicas é a mais abrangente, visto que engloba o relacionamento dos públicos entre si dentes com a organização e desta com a sociedade. Neste mesmo aspecto, Schultz e Barnes (2001, p.229) lembram que: [...] As Relações Públicas constituem de maneira incontestável, a disciplina mais abrangente da comunicação de marketing, envolvendo uma ampla gama de atividades e especializações usadas para transmitir mensagens corporativas e de marca. Foram definidas como a função administrativa que avalia atitudes públicas, identificam diretrizes e os procedimentos de um indivíduo e de uma organização com o interesse público e executa um programa para obter a compreensão e a aceitação pública. Então, as formas de atuação estratégicas de relações públicas se possibilitam apenas na união das tarefas das organizações, onde que, o trabalho conjunto realizado pode acarretar conseqüências positivas e pré-determinadas pelas estratégias da empresa. Kunsh (1997, p.120) afirma: [...] Administrar estrategicamente a comunicação significa pensar na comunicação excelente e eficaz, a partir de uma análise ambiental e uma auditoria social, regida pela flexibilidade, pela percepção e por uma avaliação mensurável dos resultados, que devem beneficiar não só a organização, mas também seus públicos. Kunsh (1997) ainda relembra que essa mudança de concepção e de prática exigirá novas posturas de profissional de relações públicas. Seu papel deverá ser o de um estrategista e de uma pessoa com visão de mundo e de negócios. Terá de mostrar aos dirigentes a relevância da comunicação e a necessidade de sua administração. Ele, em síntese, pode e deve assessorar a direção da empresa, avaliando seus objetivos globais e fazendo recomendações sobre como a área pode contribuir para esses objetivos, contribuir para a análise dos planos de negócios da empresa, identificando problemas e oportunidades na área de comunicação, estabelecendo programas para minimizar situações indesejadas e capitalizando situações positivas, criar e fornecer à direção da empresa instrumentos de comunicação que mantenham os públicos informados de suas ações e seus pontos de vista, antecipar, do ponto de vista de comunicação, situações que possam vir a causar impacto sobre os negócios da empresa e desenvolver sua atividade de forma planejada e sempre integrada às demais áreas da empresa. 12

13 Ou seja, quando sugerir algum projeto e estiver executando uma ação, lembrarse de que as relações públicas são um meio para alcançar objetivos claros e bem definidos e não um fim em si mesmas. A autora ainda conclui que para a atuação de Relações Públicas seja efetivamente reconhecida e valorizada no conjunto do todo organizacional, terá de ser guiada por um planejamento estratégico. A redefinição dos objetivos e das políticas de comunicação deverá estar conectada com os negócios, a missão e os valores delineados justamente com a realização do planejamento estratégico. 3 Considerações Finais Portanto, percebe-se que para as relações públicas integrarem o planejamento estratégico de uma organização, necessita-se um trabalho conjunto, integrado, de todas os departamentos ou áreas da empresa. O relacionamento com o público, seja este interno ou externo é de responsabilidade do profissional de RP e, para tanto, cabe ao profissional também exercer sua função visando os objetivos da organização, bem como sua missão. Pois, será através desse trabalho unificado que possibilitará a empresa a compreender seu público e também a ler suas necessidades. Através de um trabalho de RP estratégico conjunto com a gestão estratégica da empresa, os resultados serão principalmente positivos, pois ao verificar as necessidades das das organizações e dos seus públicos, o profissional de RP terá como balancear esta relação estrategicamente, sempre cuidando a identidade, imagem e reputação da organização. 4 Referências bibliográficas ARGENTI, P. Comunicação Empresarial Ed.Elsevier, Rio de Janeiro, CARVALHO, H. Relações Públicas: Quem sabe, faz e explica - O enfoque mercadológico de Relações Públicas - Ed. PUCRS, Porto Alegre, 2007 HERRERA, W. Missão, visão e objetivos, Disponível em Acesso em 25 de maio de KOTLER, P. Administração de Marketing Ed. Prentice Hall, 2001, São Paulo KOTLER, P. Marketing de A a Z: 80 conceitos que todo profissional precisa saber Ed.Campus, Rio de Janeiro,

14 KUNSCH, M. Relações Públicas e Modernidade Novos paradigmas na comunicação organizacional Ed. Summus, 1997, São Paulo. KUNSCH, M. - Planejamento e gestão estratégica de relações públicas nas organizações contemporâneas - Artigo UNIrevista, Vol. 1, n 3, julho Disponível em < Acesso em: 14 de Junho de MACHADO, N. Relações Públicas: Quem sabe, faz e explica Identidade e Imagem: elementos formadores da Reputação - Ed. PUCRS, Porto Alegre, 2007 MARCONI, M; LAKATOS, E. Técnicas de Pesquisa Ed Atlas, São Paulo, 1999 ROESCH, S Projetos de Estágio e de Pesquisa em Administração Guia para Estágios, Trabalhos de Conclusão, Dissertações e Estudos de Caso Ed. Atlas, São Paulo, ROSA, M. A Reputação na velocidade do pensamento Geração Editorial, São Paulo, SILVEIRA, J. Relações Públicas: Quem sabe, faz e explica Relações Públicas e Eventos - Ed. PUCRS, Porto Alegre, 2007 SCHULTZ, D; BARNES, B. - Campanhas estratégicas de comunicação de Marca- Ed. Qualitymark, Rio de Janeiro, STEFFEN, A. Relações Públicas: Quem sabe, faz e explica Comunicação Corporativa/ institucional e organizacional - Ed. PUCRS, Porto Alegre,

15 15

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Luciano Mattana (UNIFRA) lucianomattana@unifra.br Greice de Bem Noro (UNIFRA) greice@unifra.br Milena Marinho Mottini (UNIFRA) milleninhamm@hotmail.com

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação de Marketing

Planejamento Estratégico de Comunicação de Marketing Prof. Edmundo W. Lobassi O único objetivo da propaganda é vender, não há nenhuma outra justificativa que mereça ser mencionada. (Young & Rublican) Satisfazer a necessidade do consumidor. (David Ogilvy)...

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

Comunicação Estratégica

Comunicação Estratégica Comunicação Estratégica Prof. Dr. João José Azevedo Curvello COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES UCB Brasília (DF) Agosto/Setembro de 2006 Estratégia Uma forma de pensar no futuro; integrada no processo decisório;

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

A relevância do marketing de relacionamento como diferencial estratégico. Célia Dugaich. marketing de relacionamento

A relevância do marketing de relacionamento como diferencial estratégico. Célia Dugaich. marketing de relacionamento A relevância do como diferencial estratégico Célia Dugaich Definição "Marketing de Relacionamento é o processo contínuo de identificação e criação de novos valores com clientes e o compartilhamento de

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

As Relações Públicas e o planejamento estratégico: análise e plano comunicacional Panda Zen Unesp Bauru 1

As Relações Públicas e o planejamento estratégico: análise e plano comunicacional Panda Zen Unesp Bauru 1 As Relações Públicas e o planejamento estratégico: análise e plano comunicacional Panda Zen Unesp Bauru 1 Isabella Pinto de Barros LIMA 2 Iolanda Ferreira SOUZA 3 Mariana Reiko Tabuchi HASSUIKE 4 Roseane

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MARKETING II Comunicação Integrada de Marketing Profª: Michele Freitas Santa Maria, 2012. O que é comunicação integrada? É o desenvolvimento

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Relações Públicas: utilizando a ferramenta essencial para diagnosticar 1

Relações Públicas: utilizando a ferramenta essencial para diagnosticar 1 Relações Públicas: utilizando a ferramenta essencial para diagnosticar 1 Marcio José ARIAS 2 Adriana Simões ESTEVES 3 Ana Aline da SILVA 4 Aline Cristina da ROCHA 5 Mariana de Souza FIGUEIREDO 6 Natalia

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA A IMPORTÂNCIA DAS REDES SOCIAIS PARA A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Fabiana BAGDONAS.. 2 João Paulo MARTIN 3 Myllena DE PONTES 4 Cintia dos Reis Barreto 5 Universidade Potiguar UnP, Natal/RN

Fabiana BAGDONAS.. 2 João Paulo MARTIN 3 Myllena DE PONTES 4 Cintia dos Reis Barreto 5 Universidade Potiguar UnP, Natal/RN Plano de Comunicação: Uma proposta de implantação de um setor de Comunicação na Cirne Motos Natal/RN 1 Fabiana BAGDONAS.. 2 João Paulo MARTIN 3 Myllena DE PONTES 4 Cintia dos Reis Barreto 5 Universidade

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES Valéria Pastura 1, Antônio Carlos de A. Mól 1,2,3, Ana Paula Legey 1,2,3, e Celso Marcelo F. Lapa 1,2,3 Instituto

Leia mais

Assessoria de Comunicação Empresarial: Mari Semi Jóias 1

Assessoria de Comunicação Empresarial: Mari Semi Jóias 1 Assessoria de Comunicação Empresarial: Mari Semi Jóias 1 Patricia Ferreira de BRITO 2 Ana Aline da SILVA 3 Andreia Dias PACHECO 4 Debora BISSONI 5 Mariana de Souza FIGUEIREDO 6 Maysa Belomo de PAULA 7

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

XI Inic EPG - UNIVAP 2011. Top Business Magazine: a linguagem empresarial da região Alan Douglas Batista, Profª Msc. Vânia Braz de Oliveira

XI Inic EPG - UNIVAP 2011. Top Business Magazine: a linguagem empresarial da região Alan Douglas Batista, Profª Msc. Vânia Braz de Oliveira XI Inic EPG - UNIVAP 2011 Top Business Magazine: a linguagem empresarial da região Alan Douglas Batista, Profª Msc. Vânia Braz de Oliveira Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP/ Faculdade de Ciências

Leia mais

O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2

O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2 O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2 1 Graduada em Comunicação Social - UFV, Gerente de Marketing da Lifesys Informática Ltda.

Leia mais

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrada: Um dos maiores peritos em administração de empresas e recursos humanos, o brasileiro Idalberto Chiavenato, está de regresso

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

BENCHMARKING: SER O MELHOR ENTRE OS MELHORES RESUMO

BENCHMARKING: SER O MELHOR ENTRE OS MELHORES RESUMO BENCHMARKING: SER O MELHOR ENTRE OS MELHORES Catiusa Daiane Brum 1 Mônica Sanagiotto 2 Monique Herber 3 Tiago Feron 4 RESUMO O cenário competitivo que existe atualmente exclui constantemente as empresas

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

Interatividade UniNorte 1

Interatividade UniNorte 1 Interatividade UniNorte 1 Anne Caroline BARROS 2 Francisco BARBOZA 3 Heverton PAULA 4 Igor SANTOS 5 Eudóxia Pereira da SILVA 6 Márcio Alexandre dos Santos SILVA 7 Centro Universitário do Norte (UniNorte),

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 41

PROVA ESPECÍFICA Cargo 41 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 41 QUESTÃO 26 Uma boa comunicação empresarial é condição primária para a constituição de uma boa imagem institucional. Nesse sentido, sobre o trabalho das relações públicas junto

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1

A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1 A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1 FRANCESCHI, Franciéli Rosa de 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 2 ; NEUHAUS, Mauricio 3 ; COSTA, Vanessa de Matos da 2 ; ROSSATO, Marivane Vestena 2 ; PEGORARO, Delvan

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Copyright 2011 Edvaldo de Farias Prof. Edvaldo de Farias, MSc. material disponível em www.edvaldodefarias.com Minha expectativa

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS Como conquistar e manter clientes Marketing de Relacionamento Visa a orientar como utilizar as ferramentas do marketing de relacionamento para aumentar as vendas e fidelizar clientes. Público-alvo: empresários

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

A importância de personalizar a sua loja virtual

A importância de personalizar a sua loja virtual A importância de personalizar a sua loja virtual Ter uma loja virtual de sucesso é o sonho de muitos empresários que avançam por esse nicho econômico. Porém, como as lojas virtuais são mais baratas e mais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS ISSN 1984-9354 A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS Marcelo Bandeira Leite Santos (LATE/UFF) Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Módulo 1. Introdução à Disciplina

Módulo 1. Introdução à Disciplina Módulo 1. Introdução à Disciplina Você conhece o Marketing ele está à sua volta em todos os locais. Você vê os resultados do Marketing na grande quantidade de produtos disponíveis no shopping center, nos

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

Estratégias de Comunicação

Estratégias de Comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi A propaganda é parte do marketing e uma das ferramentas da comunicação. Uma boa estratégia de marketing não garante que a campanha de propaganda será boa, mas é condição essencial

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Aula 10. Definição dos Objetivos Estratégicos. Profa. Daniela Cartoni

Aula 10. Definição dos Objetivos Estratégicos. Profa. Daniela Cartoni Aula 10 Definição dos Objetivos Estratégicos Profa. Daniela Cartoni CONTEÚDO GERAL DA AULA OBJETIVOS DE MARKETING - Formas de se estabelecer objetivos quantitativos e objetivos qualitativos ELABORAÇÃO

Leia mais

Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1

Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1 1 Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1 Danielle Rocha Gonzales 2 Resumo: A comunicação de uma organização, para ser eficiente depende de diversos setores e de como os diversos

Leia mais

CENÁRIOS DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL:

CENÁRIOS DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: CENÁRIOS DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: A PRÁTICA DA COMUNICAÇÃO INTERNA E A SUA INFLUÊNCIA SOBRE A IMAGEM INSTITUCIONAL Carla Soares Faria 1 James Dean Damiani 2 Lucas Pimenta de Lima 3 RESUMO Num cenário

Leia mais

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Alexandra Cardoso da Rosa Bittencourt 1 ; Rogério

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 1 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Administração

Leia mais

Política de. [ comunicação] Forluz

Política de. [ comunicação] Forluz Política de [ comunicação] Forluz Índice Apresentação...4 Missão da Forluz...5 Condições para aplicação deste documento...6 Objetivos da Política de Comunicação...7 Diretrizes da Política de Comunicação...8

Leia mais