RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE ACTIVIDADES"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2010 Bomberios Voluntários LINDA-A-PASTORA BRAVURA LEALDADE PRONTIDÃO ANOS A SERVIR A COMUNIDADE E VAMOS CONTINUAR!

2 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. ÁREA DE ACTUAÇÃO PRÓPRIA... 4 III. ORGANIZAÇÃO INTERNA DO CORPO DE BOMBEIROS... 5 IV. COMPOSIÇÃO DOS EFECTIVOS DO CORPO DE BOMBEIROS... 6 V. ACTIVIDADE OPERACIONAL DADOS COMPARATIVOS MEIOS ENVOLVIDOS DECIF VI. FORMAÇÃO CURSO DE INSTRUÇÃO INICIAL FORMAÇÃO CONTÍNUA VII. EXERCÍCIOS / SIMULACROS VIII. ASSIDUIDADE MAPA DE ASSIDUIDADE CERTIFICADO DE DESEMPENHO IX. RELACIONAMENTO COMANDO / DIRECÇÃO DA ASSOCIAÇÃO X. PARQUE AUTO XI. AGRADECIMENTOS XII. NOTAS FINAIS Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 2

3 I. INTRODUÇÃO Inicio o presente documento dando a conhecer às entidades oficiais, privadas e população a actividade desta Unidade Operacional A análise do volume de ocorrências, demonstração da capacidade de resposta e desempenho, constituem a par das insuficiências detectadas e do reconhecimento que é devido a todos os que contribuíram para a manutenção deste dispositivo permanente de Socorro e apoio, a razão do presente relato das actividades desenvolvidas no ano transacto. Este Corpo de Bombeiros mantém instalada a resposta aos vários tipos de emergência inusitada e ao não menos importante serviço de transporte de doentes não urgentes e de intervenções de apoio à comunidade residente e flutuante que no ano transacto registou Ocorrências, horas de empenho (incluindo horas de intervenção em ocorrências e as horas em permanência no quartel em serviço de piquete, reuniões e instruções) Km s percorridos com recurso a um Quadro Activo de 53 elementos, dos quais apenas 14 integram o Sector Operacional profissional responsável pela intervenção diurna das 07h00 às 21h00, sendo o restante período nocturno e fim-de-semana garantido por Bombeiros Voluntários com igual presença, formação, empenho, qualidade e motivação. Esta introdução serve apenas para dar conta do elevado sentido de missão e responsabilidade que nos motiva a continuar integrados no Sistema de Protecção e Socorro a troco apenas do reconhecimento público, uma opção de vida voluntariamente assumida e praticada. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 3

4 II. ÁREA DE ACTUAÇÃO PRÓPRIA O Regulamento Interno do Corpo de Bombeiros elaborado pela equipe de Comando e um grupo de missão oriundo do Quadro de Chefias, encontrava-se em vigor e aprovado pela ANPC, com despacho de Homologação em 14 de Julho de A Área de Actuação Própria, privilegiava o conceito de acessibilidade e proximidade para a intervenção de Socorro diminuindo o tempo de deslocação, uma vez a recepção do Alerta, despacho dos meios e chegada ao local beneficiando assim o Cidadão Sinistrado. Entrava na área geográfica de Freguesia adjacente pelas razões atrás invocadas. Foi no entanto entendimento superior que deveria ser respeitada a disposição legal no que respeita à divisão administrativa do país. Assim, a AAP foi alterada e protocolada a intervenção de meios deste Corpo de Bombeiros nas áreas anteriormente de nossa responsabilidade com recurso a Acordo. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 4

5 III. ORGANIZAÇÃO INTERNA DO CORPO DE BOMBEIROS As secções operacionais mantêm um papel importante na missão de estabilidade, motivação e mobilização do Corpo de Bombeiros. O sistema de avaliação de desempenho motivou as actividades e justificou rivalidades saudáveis com um objectivo comum. As secções têm agora dinâmica e simbologia própria, orgulho de grupo e lugar na organização e missão do Corpo de Bombeiros. Da mesma forma, as Células já criadas têm sabido quando solicitadas dar resposta interna. A melhorar a interacção Comando / Secções e as Células, e atribuição de missões. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 5

6 IV. COMPOSIÇÃO DOS EFECTIVOS DO CORPO DE BOMBEIROS O Corpo de Bombeiros tem nos seus quadros um total de 53 efectivos, distribuídos por 40 Homens e 13 Mulheres. ELEMENTOS GÉNERO NÍVEL ETÁRIO (anos) Categoria H M T <= >= 51 H M H M H M H M H M H M H M H M H M T Comandante º Comandante Adjunto de Comando Oficial Bomb Superior Oficial Bomb Principal Oficial Bombeiro 1ª Oficial Bombeiro 2ª Chefe Subchefe Bombeiro 1ª Bombeiro 2ª Bombeiro 3ª Estagiário Cadete TOTAIS Como se pode verificar, 70% dos efectivos têm idade inferior a 35 anos. Sem dúvida, um Corpo de Bombeiros jovem, com grande margem de progressão na carreira de Bombeiro. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 6

7 A estabilidade interna do Corpo de Bombeiros, reflecte-se no Quadro e Gráficos aqui expostos. Para além do ingresso de 22 novos Cadetes e estagiários nos últimos 5 anos, registo ainda de uma permanência efectiva no Quadro Activo durante período de tempo entre os 6 e os 25 anos de Serviço Operacional, Bombeiros estes que contam com muita hora de formação adquirida e treino, indispensável para o sucesso das missões nas várias vertentes que o Corpo de Bombeiros está empenhado. ELEMENTOS ANTIGUIDADE NO CORPO DE BOMBEIROS NÍVEL LITERÁRIO Categoria <= >= 31 Ano de Escolaridade Superior H M H M H M H M H M H M H M < 4º 4º 6º 9º 12º LIC PGRD DOUT Comandante 1 1 2º Comandante * 1 1 Adjunto de Comando 1 1 Oficial Bomb Superior Oficial Bomb Principal Oficial Bombeiro 1ª Oficial Bombeiro 2ª Chefe Subchefe Bombeiro 1ª * Bombeiro 2ª Bombeiro 3ª * Estagiário Cadete Totais * Encontram-se neste momento ainda a frequentar o Ensino Superior 5 Bombeiros A realçar também a natural evolução do nível de escolaridade com o registo de 4 Licenciados, 1 Pós-graduado e 1 Doutorado, todos oriundos da carreira de Bombeiro e outros 5 bombeiros que se encontram a frequentar o ensino superior. O aumento do nível de escolaridade referente ao 9º ano e 12º ano é fruto do protocolo existente entre a Associação e o Centro de Novas Oportunidades - Centro de Formação Profissional de Sintra do Instituto do Emprego e Formação Profissional. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 7

8 V. ACTIVIDADE OPERACIONAL 1. DADOS COMPARATIVOS No ano 2010 registou-se um aumento de 445 (4.5%) serviços prestados, fruto de um ligeiro aumento no serviço de transporte de doentes. De destacar também um ligeiro aumento nos Incêndios em Incultos, Vias de Comunicação e emergências no Pré-Hospitalar. Todo o restante grupo de ocorrências registou-se uma pequena quebra em relação ao ano OCORRÊNCIAS Comparativo Anual Incêndios % Florestais % Agrícolas % Incultos % Estruturais % Equipamentos % Produtos % Transportes % Detritos % Acidentes Rodoviários % Vias de Comunicação % Quedas Árvores % Desabamentos % Deslizamentos % Inundação % Desentupimentos % Pré-Hospitalar % Conflitos Legais % Tecnológicos e Industriais % Prevenções % Patrulhamentos / Vigilância % Espectáculos % Desporto % Queimadas % Pré-Posicionamento Meios % Outros Serviços % Limpezas Via % Abastecimento Água % Aberturas de Porta % Fechos de água % Reboques / Desempanagem % Transporte de Doentes % Actividades % Busca / Resgate Pessoas-Animais % Exercícios / Simulacros % Formação % Representações % Serviços Gerias / Apoio % Apoio à População % Total Geral % Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 8

9 SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA / TRANSPORTE DE DOENTES Verificou-se ligeira diminuição na Emergência Pré Hospital e pequena subida no registo de Transportes de doentes não urgentes. Sendo que é no serviço de Transporte de doentes não Urgentes que assenta maioritariamente a estabilidade financeira das Associações Humanitárias de Bombeiros, obrigando a investimentos na área de meios materiais e de recursos Humanos com a contratação de Bombeiros para potenciar e garantir este serviço de importância vital no apoio à população doente e, considerando as medidas de gestão e contenção de despesa difundidas pelo Ministério da Saúde, temo que vá reflectir-se negativamente no Socorro Emergente uma vez que a gestão do efectivo operacional passa muito pela polivalência do pessoal e, uma redução pela razões atrás indicadas traria consequências na garantia da resposta do Corpo de Bombeiros. INCÊNDIOS O conhecimento, preocupação e cuidado pelas questões de segurança da actividade diária demonstrado pela população, a par do igualmente crescente aumento de condições na concepção dos dispositivos de segurança dos equipamentos domésticos continua a reflectir-se na diminuição das ocorrências de incêndio estruturais. A Auto Protecção e Percepção do risco doméstico, constitui já uma responsabilidade transversal, assumido que está o facto de os Bombeiros e Forças de Segurança só serem intervenientes na ocorrência já esta declarada. De realçar que dos 49 incêndios Florestais/ Rurais, 22 tiveram intervenção fora do distrito de Lisboa, nomeadamente nos distritos de Viana do Castelo e Vila Real. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 9

10 ACIDENTES / OUTROS ACIDENTES / EMERGÊNCIAS Comparativamente ao ano 2009, o ano de 2010 tivemos um ligeiro aumento de intervenções em Acidentes, Vias de Comunicação, Pré-hospitalar e nos Riscos Tecnológicos. PREVENÇÕES Registo de ligeiro decréscimo no número de prevenções Desportivas e Patrulhamento ao perímetro Florestal do Estádio Nacional e aumento de Pré Posicionamento de meios no âmbito do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais. OUTROS SERVIÇOS Somente se verificou um aumento de 6 limpezas de via/ pavimento e um decréscimo acentuado nos abastecimentos de água e aberturas de porta. ACTIVIDADES De referir que a aposta na preparação de exercícios e formação tem sido regular ao longo dos últimos anos. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 10

11 2. MEIOS ENVOLVIDOS No ano de 2010 registou-se um aumento de 445 ocorrências, 1551 bombeiros e 458 veículos em intervenção, km percorridos devido ao crescente número de transferências interhospitalares efectuadas e como consequência o aumento de mais de horas de intervenção. COMPARATIVO OCORRÊNCIAS Nº Nº BOMB Nº VEÍC KMS TEMPO Nº Nº BOMB Nº VEÍC KMS TEMPO Incêndios : :01 Florestais : :27 Agrícolas : :23 Incultos : :03 Estruturais : :32 Equipamentos :19 Produtos : :01 Transportes : :47 Detritos : :48 Acidentes Rodoviários : :12 Vias de Comunicação : :29 Quedas Árvores : :09 Desabamentos : :08 Deslizamentos :05 Inundação : :27 Desentupimentos : :40 Pré-Hospitalar : :16 Conflitos Legais : :45 Tecnológicos e Industriais : :10 Prevenções : :33 Patrulhamentos / Vigilância : :16 Espectáculos : :50 Desporto : :23 Queimadas :25 Pré-Posicionamento Meios : :39 Outros Serviços : :48 Limpezas Via : :12 Abastecimento Água : :42 Aberturas de Porta : :43 Fechos de água : :17 Reboques / Desempanagem : :12 Transporte de Doentes : :42 Actividades : :33 Busca / Resgate Pessoas-Animais : :12 Exercícios / Simulacros : :01 Formação : :18 Representações : :06 Serviços Gerias / Apoio : :22 Apoio à População : :34 TOTAL GERAL : :47 Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 11

12 3. DECIF No ano 2010, o Corpo de Bombeiros integrou o dispositivo com 1 ECIN Equipa de Combate a Incêndios, durante a Fase Charlie (01JUL/30SET) e a Fase Delta (01OUT / 15OUT). Registaram-se um total de 42 Intervenções, distribuídas pelas intervenções em Ataque Inicial e/ reforço, integrando BCINs Brigadas de Combate a Incêndios e/ ou GCIF s Grupos de Combate a Incêndios Florestais no ataque inicial de Incêndios Florestais/Rurais e/ ou em apoio ao combate nos incêndios do Distrito, integrando também os GRIF s Grupos de Reforço de Incêndios Florestais, nos incêndios dos Distritos de Viana do Castelo e Vila Real. Também o Corpo de Bombeiros integrou a Companhia de Bombeiros Sapadores Florestais com 2 Bombeiros, em brigadas apeadas no Parque Nacional da Peneda-Gerês. Nº de Ocorrências Duração KMs Percorridos Intervenção Pré Posicionamento Intervenção Pré Posicionamento Intervenção Pré-Posicionamento No Distrito :01 38: Fora Distrito :25 536: TOTAIS :26 575: Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 12

13 Na seguinte tabela, indicam-se os locais de intervenção, por Concelho no Distrito de Lisboa, com a descrição dos meios envolvidos, duração das ocorrências e Kms percorridos. Data / Hora Local / Freguesia Concelho Meios Duração Kms 06JUL 21:29 Estádio Nacional / C. Quebrada Oeiras VFCI02 00: JUL 17:55 Carrasqueira / Malveira Mafra VCOT01 - VFCI01 02: JUL 18:49 Sra da Rocha / Queijas Oeiras VFCI02 00: JUL 04:50 Malveira da Serra / Alcabideche Cascais VCOT01 - VFCI02 08: JUL 17:05 Raposeiras / Algueirão M Martins Sintra VTTU02 02: JUL 16:58 Valejas / Barcarena Oeiras VFCI02 01: JUL 12:45 Serra de Carnaxide / Carnaxide Oeiras VFCI02 00: JUL 15:10 Serra Piedade / Almargem Bispo Sintra VCOT01 - VTTU02 04: JUL 17:20 Casal do Estado / Queluz Sintra VCOT01 - VTTU02 01: AGO12:38 Serra de Carnaxide / Carnaxide Oeiras VFCI01 VTTU01 00: AGO 00:00 Asfamil / Rio Mouro Sintra VTTU02 02: AGO 15:15 Tapada Vale Lobos / Belas Sintra VTTU01 - VTTU02 09: AGO 18:05 Belas Clube de Campo / Belas Sintra VFCI01 - VTTU01 05: AGO 17:05 Biscaia / Cascais Cascais VFCI01 - VTTU01 01: AGO 18:07 Lagoa Azul / S. Pedro Penaferrim Sintra VFCI01 - VTTU01 05: AGO 16:05 Quarteira / Pero Pinheiro Sintra VFCI01 07: AGO 00:20 Vale Bragada / Aveiras de Cima Azambuja VCOT01 00:10-29AGO 00:30 Vale do Paraíso / Vale do Paraíso Azambuja VCOT01 04: AGO 01:10 Adroana / Alcabideche Cascais VFCI02 - VTTU01 00: SET 15:15 Janas / Colares Sintra VFCI01 00: SET 16:00 Cortegaça / Montelavar Sintra VFCI01 01:45 37 A nível de intervenções no âmbito do DECIF, pode-se concluir que as intervenções fora do Distrito de Lisboa, originaram maior tempo de intervenção por parte dos bombeiros para praticamente o mesmo nº de ocorrências registado no distrito de Lisboa. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 13

14 Para uma melhor percepção dos locais de intervenção fora do distrito de Lisboa, na tabela seguinte estão indicadas, as ocorrências nos distritos de Viana do Castelo (concelhos de Arcos de Valdevez, Paredes de Coura, Vila Nova de Cerveira, Ponte da Barca e Viana do Castelo) e Vila Real (concelhos de Ribeira de Pena e Sabrosa), com a descrição dos meios envolvidos, duração das ocorrências e Kms percorridos pelos Meios Operacionais do Corpo de Bombeiros. Data / Hora Local / Freguesia Concelho Distrito Duração Kms 25JUL 09:25 Laranjeira / Loureda Arcos de Valdevez Viana do Castelo 15: JUL 10:15 Igreja / Extremo Arcos de Valdevez Viana do Castelo 7: JUL 00:25 Monte Carvalho / Ferreira Paredes de Coura Viana do Castelo 20: JUL 17:30 Fiais / Mentrestido Vila Nova Cerveira Viana do Castelo 3: JUL 10:10 Grijo / Rio Frio Arcos de Valdevez Viana do Castelo 14: JUL 08:00 Vale / Vale Arcos de Valdevez Viana do Castelo 9: JUL 17:00 Mouta / Vade Ponte da Barca Viana do Castelo 31: JUL 04:30 Salvador / Touvedo Ponte da Barca Viana do Castelo 1: JUL 13:05 Cachada / Nogueira Ponte da Barca Viana do Castelo 3: JUL 16:26 Santa Rita / Paço Vedro Ponte da Barca Viana do Castelo 4: AGO 22:00 Vila Franca / Vila Franca Viana do Castelo Viana do Castelo 7: AGO 15:20 Oural / Boivaes Ponte da Barca Viana do Castelo 5: AGO 23:30 Pontinha / Miranda Arcos de Valdevez Viana do Castelo 1: AGO 00:40 Laceiras / Rio Frio Arcos de Valdevez Viana do Castelo 6: AGO 14:55 Pegadinha / Bravães Ponte da Barca Viana do Castelo 5: AGO 16:38 Mezio / Cabana Maior Arcos de Valdevez Viana do Castelo 5: AGO 00:40 PNPG: Soajo / Aguieira Arcos de Valdevez Viana do Castelo 22: AGO 10:25 PNPG: Mezio / C. Maior 1 Arcos de Valdevez Viana do Castelo 109:55-16AGO 17:30 PNPG: Mezio / Travanca Arcos de Valdevez Viana do Castelo 57: AGO 16:21 Silvareira / Montaria Viana do Castelo Viana do Castelo 4: AGO 07:00 S. Martinho de Anta / SMA Sabrosa Vila Real 56: AGO 15:23 Gardunho / Canedo Ribeira de Pena Vila Real 25: Bombeiros Companhia Bombeiros Sapadores Florestais Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 14

15 VI. FORMAÇÃO 1. CURSO DE INSTRUÇÃO INICIAL Verificou-se apenas o aumento de 1 bombeiro no quadro activo, fruto da formação conjunta com mais 2 Corpos de Bombeiros do concelho de Oeiras. Em Outubro de 2010, deu início mais 1 Curso de Instrução Inicial, conforme plano de Instrução aprovado pela Direcção Nacional de Bombeiros. O Corpo de Bombeiros tem 3 Estagiários inscritos, uma vez mais, num plano de formação conjunto com 6, dos 7 Corpo de Bombeiros do concelho de Oeiras. 2. FORMAÇÃO CONTÍNUA Formação que visa o treino e o saber fazer, através do aperfeiçoamento permanente dos Bombeiros do Quadro Activo, formação esta, necessária para o cumprimento do Serviço Operacional, foi cumprido um plano de 81 horas. 1 Bombeiro frequentou com aproveitamento um Curso de Técnicas de Salvamento e Desencarceramento, ministrado pela Escola Nacional de Bombeiros, com a duração de 50 horas. Com a crescente aposta na oferta formativa por parte da DIGAL, 4 bombeiros frequentaram, com aproveitamento o Curso de Prevenção e Técnicas de Luta Contra Fogos de Gás Nível I, com a duração de 4 horas. Ministrado pela empresa 4Emes, 1 Bombeiro frequentou com aproveitamento um curso de Operações de Extinção de Incêndios Urbanos e Industriais e um curso de Manobras de Apoio à Extinção de Incêndios Urbanos e Industriais, com a duração total de 100 horas. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 15

16 VII. EXERCÍCIOS / SIMULACROS A capacidade operacional na intervenção em todas as ocorrências continua a ser um dos objectivos do Corpo de Bombeiros. Neste sentido, está cada vez mais implícita, a necessidade de colocar em prática, o conhecimento obtido através das várias acções de Formação / Instrução adquiridas. Este treino é sempre feito com o objectivo de melhorar e aperfeiçoar a capacidade de resposta a eventuais ocorrências. O Corpo de Bombeiros participou no simulacro da Comemoração do Mês do Bombeiro do Concelho de Oeiras, um exercício de Acidente Rodoviário que se realizou no alto da Boa Viagem. Em Junho, na semana da protecção Civil, realizaram exercícios de Incêndio Urbano nas Escolas da Freguesia de Queijas e também de Acções de Sensibilização de práticas de manuseamento de extintores para a Comunidade Escolar, Auxiliares de Acção Educativa, Corpo Docente e Associação de Pais, não esquecendo os idosos na motivação e aproveitamento destes nas medidas de precaução e evacuação. Foram igualmente realizadas acções de sensibilização sobre procedimentos de segurança em caso de ocorrência de Eventos Sísmicos e Incêndios Estruturais, com a realização de testes ao plano de evacuação das Escolas Noronha Feio, Cesário Verde, Narcisa Pereira e Gil Vicente. Em Julho, mês de comemoração do 119º aniversário da Associação dos Bombeiros de Lindaa-Pastora, realizou-se um simulacro de Incêndio Urbano na Rua João XXI. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 16

17 VIII. ASSIDUIDADE 1. MAPA DE ASSIDUIDADE 2010 De enaltecer o excelente resultado alcançado, média total de cerca de 6 presenças nos vários eventos ao longo do ano, pelos efectivos do Corpo de Bombeiros na presença diária em piquetes e pernoitas (média de 7 Bombeiros), assim como nas várias acções de organização, treino e prevenção que são geridas e coordenadas pelo Comando. Evento Piquete Pernoita Instrução Prevenção Representação Reunião Totais Total Anual Nº Presenças/Bombeiros Média de Presenças Horas Presentes CERTIFICADO DE DESEMPENHO Vivem-se tempos onde a motivação para o exercício de uma cidadania praticada, não é muito conseguida. Os Corpos de Bombeiros Voluntários e seus efectivos não são imunes a estas alterações de vocação da uma sociedade onde cada vez mais, cada um trata de si. Motivar a Unidade Operacional, criar desafios para a melhoria do empenho foi a razão que levou o Comando a criar este documento comprovativo da entrega e Espírito de Missão do efectivo. Aqui se apresenta o Certificado do CB s, tendo igualmente sido elaborado e atribuído individualmente a cada Bombeiro igual documento no decurso do convívio Natalício. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 17

18 IX. RELACIONAMENTO COMANDO / DIRECÇÃO DA ASSOCIAÇÃO Deve pautar-se por um diálogo permanente, conhecimento e discussão prévia de projectos. As alterações oficiais na área de Transporte de doentes não urgentes, têm repercussões inevitáveis no efectivo do Sector Operacional profissional que a médio prazo pode pôr em causa a resposta instalada. Foi mantido o relacionamento institucional. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 18

19 X. PARQUE AUTO O Corpo de Bombeiros dispõe de 21 Veículos, distribuídos por: VEÍCULOS / MEIOS Nº Socorro e Combate Incêndios 3 Florestal Combate a Incêndios 2 Urbano de Combate a Incêndios 1 Apoio Logístico 3 Tanque Táctico Urbano 2 Equipamento Técnico de Apoio 1 Técnicos de Socorro e Assistência 1 Socorro e assistência Especial 1 Comando Operacional 1 Socorro e assistência Especial 1 Socorro e Assistência a Doentes 8 Ambulância de Socorro 3 Ambulância de Transporte de Doentes 2 Ambulância de Transporte Múltiplo 3 Operações Específicas 5 Operações Específicas 2 Operações em Meios Aquáticos 1 Outras Operações 2 TOTAL GERAL 21 VEÍCULOS DE SOCORRO E COMBATE A INCÊNDIOS COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAL COMB. INCÊNDIOS URBANO VFCI01 VFCI02 VUCI03 ANO 1997 KMs ANO 1989 KMs ANO 1995 KMs VEÍCULOS DE APOIO LOGÍSTICO TANQUE TACTICO URBANO EQUIP TÉCNICO APOIO VTTU01 VTTU02 VETA01 ANO 1987 KMs ANO 2001 KMs ANO 1988 KMs Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 19

20 TÉCNICOS DE SOCORRO E ASSISTÊNCIA SOCORRO E ASSISTÊNCIA ESPECIAL COMANDO OPERACIONAL COMANDO TÁCTICO VSAE01 VCOT01 ANO 2003 KMs ANO 1996 KMs VEÍCULOS DE SOCORRO E ASSISTÊNCIA A DOENTES AMBULÂNCIA DE SOCORRO ABSC01 ABSC02 ABSC03 ANO 1999 KMs ANO 2004 KMs ANO 2008 KMs AMBULÂNCIA DE TRANSPORTE DE DOENTES ABTD01 ABTD02 ANO 2001 KMs ANO 2010 KMs AMBULÂNCIA DE TRANSPORTE MÚLTIPLO ABTM03 ABTM04 ABTM05 ANO 2004 KMs ANO 2001 KMs ANO 2002 KMs Dos 3 Veículos de socorro e Combate a Incêndios, todos eles já ultrapassaram os 14 anos ao serviço do Corpo de Bombeiros, mas mantêm-se a operacionalidade garantida para todas as missões para que estão incumbidos. Os Veículos de Apoio e o VSAE estão em boas condições de utilização e apetrechados de material topo de gama. A frota de Ambulâncias encontra-se bem equipada, apesar que as de Transporte Múltiplo já ascenderem a mais de km percorridos (2). Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 20

21 VEÍCULOS PARA OPERAÇÕES ESPECÍFICAS OPERAÇÕES ESPECÍFICAS MEIOS AQUÁTICOS VOPE01 VOPE02 BRTP01 ANO 2005 KMs ANO 1990 KMs ANO 2001 KMs - OUTROS MEIOS ESPECÍFICOS SGA01 GMBR01 MOVIMENTOS POR TIPO DE VEÍCULOS Nº SRV Total KMs Média KMs Duração Duração Média Nº SRV Total KMs Média KMs Duração Duração Média Socorro e Combate Incêndios :41 11: :28 21:10 VFCI :35 9: :19 18:17 VFCI :14 1: :12 1:26 VUCI :52 0: :57 1:27 Apoio Logístico :52 18: :13 12:07 VTTU :15 6: :31 6:21 VTTU :07 4: :58 2:42 VETA :30 8: :44 3:04 Socorro / Assistência VSAE :28 1: :02 2:00 Comando Operacional VCOT :25 3: :07 4:33 Socorro / Assistência Doentes :48 8: :44 25:19 ABSC :31 1: :25 1:26 ABSC :17 1: :11 11:48 ABSC :10 1: :42 1:51 ABTD :37 1: :47 1:39 ABTD :49 2:31 ABTM :14 0: :03 1:09 ABTM :56 0: :58 0:50 ABTM :03 0: :50 4:05 Operações Específicas :24 5: :56 4:47 VOPE :14 4: :26 2:52 VOPE :10 1: :30 1:55 TOTAL GERAL :38 49: :30 69:56 Excluindo o serviço de transporte de doentes, a nível operacional regista-se uma maior intervenção dos veículos de Socorro e Combate a Incêndios e de Apoio Logístico. Registou-se um aumento significativo no total de Km percorridos, mas uma diminuição na duração das intervenções. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 21

22 XI. AGRADECIMENTOS QUADRO COMANDO / QUADRO ACTIVO Na óptica do Comandante, o facto de os três elementos serem oriundos do quadro de Chefias trás uma importante mais valia de conhecimento prático ao nível da organização e desempenho operacional que permite e valoriza a relação de interacção que se quer permanente com a base, premissas a acrescentar aos excelentes conhecimentos técnicos que possuem no conjunto. Aos Srs. 2º Comandante e Adjunto de Comando, Grato por entenderem que o êxito da missão de Comando e Controlo que nos está confiada não compreende o individual EU mas depende e é fruto dum trabalho de dedicação e elevado sentido de missão conjunto com o Corpo de Bombeiros foi o volume de ocorrências que o nosso Corpo de Bombeiros teve que responder em A média 7.2 de presenças a piquetes, 6.8 a Pernoitas, (excluídas as ECIN do DECIF) dignas do registo de um Corpo de Bombeiros Profissional e as horas de empenho nas várias famílias de ocorrências de protecção e Socorro são bem o comprovativo que justifica análise das entidades oficiais que a nível Municipal, Distrital e Nacional superintendem e Coordenam os Bombeiros. Para o Comandante, um motivo de orgulho e a certeza de sempre: Os êxitos nesta actividade e nesta Unidade Operacional são sempre fruto e resultado do vosso elevado Sentido de Missão e Espírito de Equipe. Grato pela entrega, empenho, determinação e responsabilidade demonstrada por todos. CÂMARA MUNICPAL DE OEIRAS Por, apesar da crise Nacional transversal na Europa, manter os apoios aos 7 Corpo de Bombeiros do Concelho na perspectiva de manter garantida a qualidade do Socorro aos Munícipes e todos os que demandam o concelho por relacionamento profissional e os que o atravessam diariamente. JUNTA DE FREGUESIA DE QUEIJAS / BANCO BES Para além do contacto e acompanhamento permanente ao longo do ano das situações de protecção Civil, grato pelos apoios financeiros concedidos à instalação e promoção da equipe Bike Rescue Team num conceito de valorização da proximidade à população da Freguesia. AMAZÓNIA JAMOR HOTEL A manutenção do efectivo necessário para uma resposta à emergência, para além da mobilização e empenho do Corpo de Bombeiros, têm custos na sua presença referentes à sua alimentação. O Amazónia garante ao efectivo de serviço aos Sábados, Domingos e Feriados, as duas refeições principais almoço e jantar, que fornece gratuitamente. DIGAL Uma referência na preocupação constante da formação dos Bombeiros onde assumiu os custos e na partilha de conhecimentos de segurança para os utilizadores sobre área tão importante de utilização doméstica. JUMBO de Alfragide / SETH Sociedade de Empreitadas e Trabalhos Hidráulicos Realizar no ano ora em apreço o tradicional Almoço convívio dos Bombeiros, Órgãos Sociais desta Associação Humanitária e respectivas famílias só foi possível pelos apoios concedidos pelas entidades atrás referidas. Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 22

23 XII. NOTAS FINAIS Chegados ao fim de 2010 importa relembrar que pese embora as condições meteorológicas adversas sentidas, os resultados obtidos no acompanhamento, mobilização do efectivo foi francamente positiva. Produto de muitos que assumem o compromisso da responsabilidade e da prontidão para o socorro e apoio da comunidade. Preservar e melhorar o resultado obtido apresenta-se como um objectivo: Entrosamento com os outros agentes de protecção civil local porque a Protecção Civil somos todos e cada um de nós que desenvolvemos em conjunto esforços de forma coordenada nas acções de socorro e apoio em prol dos outros, a população de onde somos oriundos e razão primeira da existência desta Associação. Ao Quadro de Comando, e Chefias desta Unidade Operacional: Temos que ir um pouco além do óbvio, do evidente e do possível, escudados no nosso empenho e disponibilidade Voluntária. Não podemos limitar-nos a gerir o possível. A nossa responsabilidade com a Sociedade não termina aí. Temos que ser capazes de motivar, mobilizar, responsabilizar e responsabilizar-nos, dialogar, ouvir e assegurar presenças com o objectivo primeiro de garantir a protecção e socorro. Temos eventualmente e, apenas se necessário, criar novos paradigmas de entendimento interno ainda que nem sempre com o devido apoio do relacionamento institucional oficial. Ao Quadro Activo: Mudar hábitos e, apenas se necessário, fazer roturas com o que não está bem na vivência diária, mantendo o respeito com superiores e subordinados com o fim de aumentar a eficiência de execução e a eficácia daquilo que é o nosso objectivo primeiro, por isso somos com orgulho, Bombeiros, o Socorro na Emergência e o Apoio à população residente e flutuante. Sem nunca pôr em causa o Sistema de Protecção e Socorro que integramos, temos que ser Bairristas da cabeça aos pés, querer o melhor para a Freguesia que servimos e, de onde somos maioritariamente oriundos e. ter um grande amor, dedicação e respeito por esta dama, o nosso Corpo de Bombeiros, Unidade Operacional desta Associação. BRAVURA LEALDADE PRONTIDÃO Linda-a-Pastora, 25.MAR.2011 Jorge Vicente Comandante Bombeiros Voluntários de Linda-a-Pastora 23

Escola básica 2,3 ciclos da Alembrança. Os bombeiros. Ano lectivo 2008/09. Disciplina: Área de projecto. Professor: Hélder Baião

Escola básica 2,3 ciclos da Alembrança. Os bombeiros. Ano lectivo 2008/09. Disciplina: Área de projecto. Professor: Hélder Baião Escola básica 2,3 ciclos da Alembrança Os bombeiros Ano lectivo 2008/09 Disciplina: Área de projecto Professor: Hélder Baião Trabalho realizado por: - António Rodrigues nº4 - Jorge Moreira nº13 - Miguel

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

Sempre que ligar o 112 colabore com o operador de modo a deixar claro os três Pontos Seguintes:

Sempre que ligar o 112 colabore com o operador de modo a deixar claro os três Pontos Seguintes: 2ª Edição - 2º Trimestre de 2014 AHBVLAGOS Mensagem da Direcção AHBVLagos Tendo sido bem recebida a 1º edição da news letter do 1º. Trimestre de 2014, decidimos continuar com esta forma de informação aos

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Página 1 de 1 Oferta formativa 1. Escola Nacional de Bombeiros O Regulamento dos Cursos de Formação do Bombeiro, é o normativo legal que regulamenta os cursos de formação dos elementos do Quadro de Comando

Leia mais

Investimentos no distrito do Porto são contratualizados hoje, na CCDR-N

Investimentos no distrito do Porto são contratualizados hoje, na CCDR-N NOTA DE IMPRENSA Investimentos no distrito do Porto são contratualizados hoje, na CCDR-N BOMBEIROS DA REGIÃO DO NORTE RECEBEM 10 MILHÕES DE EUROS PARA REFORÇO DOS MEIOS A autoridade de gestão do ON.2 O

Leia mais

ANEXO A Despesas Comparticipadas por Dispositivo Dispositivos DECIF 15MAIO A 15 OUT Incêndios Rurais 01JAN a 14MAI 16OUT a 31 DEZ Alerta Amarelo ou Superior Excluindo Incêndios Florestais 01JAN a 31DEZ

Leia mais

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE PAÇOS DE FERREIRA REGULAMENTO INTERNO

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE PAÇOS DE FERREIRA REGULAMENTO INTERNO BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE PAÇOS DE FERREIRA REGULAMENTO INTERNO Despacho nº /DNB/2008 Nos termos do previsto no n.º 2 do artigo 6º, do Decreto-Lei n.º 247/2007 de 27 de Junho e no uso das competências delegadas

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. 7670-(8) Diário da República, 2.ª série N.º 56 20 de março de 2014. Autoridade Nacional de Proteção Civil

PARTE C MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. 7670-(8) Diário da República, 2.ª série N.º 56 20 de março de 2014. Autoridade Nacional de Proteção Civil 7670-(8) Diário da República, 2.ª série N.º 56 20 de março de 2014 PARTE C MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Autoridade Nacional de Proteção Civil Despacho n.º 4205-A/2014 Regulamento dos Cursos de Formação,

Leia mais

Situações de emergência de incêndio na FEUP

Situações de emergência de incêndio na FEUP RELATÓRIO Situações de emergência de incêndio na FEUP MIEEC - ELE305 Hugo Ribeiro (090503141) Jorge Corujas (090503045) Mafalda Machado (090503057) Ricardo Coelho (090503084) Sérgio Moreira (090503125)

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

Semana da Proteção Civil Seminário Incêndios Urbanos. PREVENÇÃO E RESPOSTA 27 Fevereiro 2015

Semana da Proteção Civil Seminário Incêndios Urbanos. PREVENÇÃO E RESPOSTA 27 Fevereiro 2015 Semana da Proteção Civil Seminário Incêndios Urbanos PREVENÇÃO E RESPOSTA 27 Fevereiro 2015 Riscos tecnológicos Incêndios estruturais: da prevenção ao combate Pedro Miguel de Araújo Comandante dos Bombeiros

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt AGENDA 4. Síntese histórica do Voluntariado;

www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt AGENDA 4. Síntese histórica do Voluntariado; Voluntariado e Protecção Civil www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt 1 AGENDA 1.Enquadramento Legal; 2. Responsabilidades; 3. O Voluntariado; 4. Síntese

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A profissionalização dos membros da Organização, enquanto factor determinante da sua eficácia na prevenção e no combate aos incêndios florestais, requer a criação de um programa

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 1 Situação Geral Uma pandemia de gripe ocorre quando um novo vírus do tipo A, para o qual a população tem uma susceptibilidade quase universal, surge

Leia mais

MAPA DE PESSOAL - 2012 (art.º 5.º da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro e art.º 3.º do Decreto-Lei n.º 209/2009, de 03 de Setembro)

MAPA DE PESSOAL - 2012 (art.º 5.º da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro e art.º 3.º do Decreto-Lei n.º 209/2009, de 03 de Setembro) MAPA DE PESSOAL - 202 (art.º 5.º da Lei n.º 2-A/2008, de 27 de Fevereiro e art.º.º do Decreto-Lei n.º 209/2009, de 0 de Setembro) GERAL, FINANÇAS E MODERNIZAÇÃO Decreto-Lei n.º 05/09, de 2/0. DEPARTAMENTO

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS ELABORADO POR: SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ELVAS PMEPC DE ELVAS Parte I ENQUADRAMENTO GERAL ÍNDICE Parte I ENQUADRAMENTO

Leia mais

EQUIPAS OPERACIONAIS DA ANAFS - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ALISTADOS DAS FORMAÇÕES SANITÁRIAS

EQUIPAS OPERACIONAIS DA ANAFS - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ALISTADOS DAS FORMAÇÕES SANITÁRIAS EQUIPAS OPERACIONAIS DA ANAFS - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ALISTADOS DAS FORMAÇÕES SANITÁRIAS ANAFS EOC TEAM (Comando, Controlo e Comunicações) ANAFS EMERGENCY OPERATION COORDINATION TEAM Um posto de comando

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE RESUMO Definir o tempo de resposta exigido ao socorro e os meios humanos e materiais adequados ao combate a incêndios (grau de prontidão), para

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal MAIO 2011 4. Informação complementar 4.1 Secção I 4.1.1 Mecanismos da estrutura de Protecção Civil Estrutura de Operações

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 5 ÍNDICE DE QUADROS... 7 PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 8 1 INTRODUÇÃO... 8 2 ÂMBITO DE

Leia mais

Programa de Ação e Orçamento

Programa de Ação e Orçamento 1 ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VAGOS Programa de Ação e Orçamento 2014 2 PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2014 Esta apresentação do programa de ação e orçamento para o ano de 2014

Leia mais

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010 Projecto Nestum Rugby nas Escolas Balanço 2009/2010 No segundo ano (2009/2010) de implementação do projecto Nestum Rugby nas Escolas, projecto este que resulta da parceria entre a Federação Portuguesa

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL programa Ao evocar os 260 anos do Terramoto de 1755, a Câmara Municipal de Lisboa, através do Programa que agora se apresenta, pretende levar a cabo um conjunto de atividades e manifestações alusivas à

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

FORÇA ESPECIAL DE BOMBEIROS

FORÇA ESPECIAL DE BOMBEIROS FORÇA ESPECIAL DE BOMBEIROS RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 1. ENQUADRAMENTO... 1 2. ATIVIDADE OPERACIONAL... 2 2.1. Missões de combate a incêndios florestais... 2 2.1.1. Missões com meios terrestres... 2

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Relatório de Integração 11/2013 VMER & SIV. Despacho n.º 14898/2011, de 3 de novembro

Relatório de Integração 11/2013 VMER & SIV. Despacho n.º 14898/2011, de 3 de novembro 11/2013 Despacho n.º 14898/2011, de 3 de novembro Ponto 7: O INEM, I. P., apresentar um relatório anual ao membro do Governo responsável pela área da saúde que permita a análise interna e a melhoria contínua

Leia mais

Regulamento de Utilização do Pavilhão Desportivo da Escola Básica 2,3 de Arco de Baúlhe (Apêndice N.º 10 II Série N.º 17 21 de Janeiro de 2003)

Regulamento de Utilização do Pavilhão Desportivo da Escola Básica 2,3 de Arco de Baúlhe (Apêndice N.º 10 II Série N.º 17 21 de Janeiro de 2003) Regulamento de Utilização do Pavilhão Desportivo da Escola Básica 2,3 de Arco de Baúlhe (Apêndice N.º 10 II Série N.º 17 21 de Janeiro de 2003) Preâmbulo O presente normativo inscreve-se na pretensão de

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República Continuarei a percorrer o País, de Norte a Sul, a apelar à união de esforços, a levar uma palavra de esperança e a mostrar bons exemplos de resposta à crise. Discurso de Sua Excelência o Presidente da

Leia mais

INDÍCE. Capítulo I. Unidade Operacional de Emergência. Caracterização da Unidade Operacional de Emergência. 1.1. Identificação. 1.2.

INDÍCE. Capítulo I. Unidade Operacional de Emergência. Caracterização da Unidade Operacional de Emergência. 1.1. Identificação. 1.2. REGULAMENTO INTERNO INDÍCE Caracterização da Unidade Operacional de Emergência Capítulo I. Unidade Operacional de Emergência 1.1. Identificação 1.2. Tipologia 1.3. Data de Homologação 2. Entidade Detentora

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS / SÚMULA DAS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES

NOTAS EXPLICATIVAS / SÚMULA DAS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES NOTAS EXPLICATIVAS / Alterações ao Decreto-Lei n.º 247/2007, de 27 de junho Regime Jurídico aplicável à Constituição, Organização, Funcionamento e Extinção dos Corpos de Bombeiros, no Território Continental,

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VIDAGO REGULAMENTO INTERNO

CORPO DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VIDAGO REGULAMENTO INTERNO CORPO DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VIDAGO REGULAMENTO INTERNO 2 Despacho nº /DNB/2008 Nos termos do previsto no n.º 2 do artigo 6º, do Decreto-Lei n.º 247/2007 de 27 de Junho e no uso das competências delegadas

Leia mais

Manual para a Avaliação do Desempenho dos Bombeiros Voluntários

Manual para a Avaliação do Desempenho dos Bombeiros Voluntários Cadernos Técnicos PROCIV Manual para a Avaliação do Desempenho dos Bombeiros Voluntários Edição: Autoridade NAcional de Protecção Civil abril de 2012 02 Cadernos Técnicos PROCIV #20 ÍNDICE 1. INTRODução

Leia mais

Permitam-me algum informalismo e que leve à risca o Protocolo.

Permitam-me algum informalismo e que leve à risca o Protocolo. 1 - Gostaria de pedir um minuto de silêncio em memória de todos os Bombeiros já falecidos e particularmente de Franquelim Gonçalves, que faleceu no desempenho das suas funções; 25 de maio Inauguração do

Leia mais

Veículos que integram o Sistema de Protecção e Socorro Referência: Substitui a NOP: 5101/2005 23 MAI 2005

Veículos que integram o Sistema de Protecção e Socorro Referência: Substitui a NOP: 5101/2005 23 MAI 2005 Data: 26 JUN 09 Homologo: O Presidente Assunto: Veículos que integram o Sistema de Protecção e Socorro Referência: Substitui a : /2005 23 MAI 2005 Planeamento/Execução: I-J-L-M-N Conhecimento: A-B-C-D-E-F-G-H-K-MA-

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

Roteiro da Intervenção de João Bau (BE) na Sessão da Assembleia Municipal de Lisboa de 13 de Dezembro de 2011 (reunião de 10 de Janeiro de 2012)

Roteiro da Intervenção de João Bau (BE) na Sessão da Assembleia Municipal de Lisboa de 13 de Dezembro de 2011 (reunião de 10 de Janeiro de 2012) Roteiro da Intervenção de João Bau (BE) na Sessão da Assembleia Municipal de Lisboa de 13 de Dezembro de 2011 (reunião de 10 de Janeiro de 2012) Período da Ordem de Trabalhos destinado à Apreciação da

Leia mais

Secretaria Nacional para o Ambiente e Prevenção Departamento Nacional de Protecção Civil e Segurança

Secretaria Nacional para o Ambiente e Prevenção Departamento Nacional de Protecção Civil e Segurança De: Para: Assunto: Circular: Data: Secretaria Nacional para o Ambiente e Prevenção Departamento Nacional de Protecção Civil e Segurança Juntas Regionais e de Núcleo Atividades Escutistas na Serra da Estrela

Leia mais

V RALI ALÉM MAR ATLÂNTICO

V RALI ALÉM MAR ATLÂNTICO V RALI ALÉM MAR ATLÂNTICO - 1 - 1 - COMUNICAÇÕES 1.1 - Um Centro Operacional do Rali (C.O.R.), estará instalado em permanência no secretariado do Rali. Este Centro Operacional é chefiado por um Responsável

Leia mais

RISCO DE INCÊNDIO. Risco mais frequente

RISCO DE INCÊNDIO. Risco mais frequente RISCO DE INCÊNDIO (RJ-SCIE / RT-SCIE) Risco mais frequente Fonte: André Kosters / Lusa 29 Abril 2008 (2 mortos) Incêndio no Centro de Recolhimento da Segurança Social no Convento da Encarnação, em Lisboa.

Leia mais

RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO

RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO Portaria n.º 1522-B/2002 de 20 de Dezembro Assistente de recinto desportivo...3 Definições...3 Funções...3 Deveres...4 Formação...4 Módulos de formação

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Paulo Pinto Obrigações legais e metodologias para a sua implementação Conteúdo 2 Medidas de Autoprotecção O que são? Enquadramento legal Responsabilidades Coimas e sanções acessórias

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS E PARECER DO CONSELHO FISCAL

RELATÓRIO E CONTAS E PARECER DO CONSELHO FISCAL ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE RELATÓRIO E CONTAS E PARECER DO CONSELHO FISCAL 2005 Associação dos Bombeiros Voluntários de Mangualde RELATÓRIO E CONTAS Associação dos Bombeiros Voluntários

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA 6678 Diário da República, 1.ª série N.º 225 21 de novembro de 2012 2 No artigo 4.º, na parte que altera a alínea d) do n.º 10 do anexo à Portaria n.º 140/2012, de 14 de maio, onde se lê: «d) TCUSD ref

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Curso de Formação de Elementos do Quadro de Comando e de Ingresso na Carreira de Oficial Bombeiro Estrutura modular

Curso de Formação de Elementos do Quadro de Comando e de Ingresso na Carreira de Oficial Bombeiro Estrutura modular Curso de Formação de Elementos do Quadro de Comando e de Ingresso na Carreira de Oficial Bombeiro Estrutura modular Módulo Organização Jurídica Administrativa e Operacional (QC801) Unidades de Formação

Leia mais

ACTIVIDADE DO CORPO DE BOMBEIROS EM 2009 DISPOSITIVO ESPECIAL COMBATE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2009

ACTIVIDADE DO CORPO DE BOMBEIROS EM 2009 DISPOSITIVO ESPECIAL COMBATE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2009 ACTIVIDADE DO CORPO DE BOMBEIROS EM 2009 INCÊNDIOS Florestal / Agrícola / Inculto / Urbano / Industrial / Transportes 155 ACIDENTES Rodoviário / Atropelamento 54 OUTROS SINISTROS Gás / Inundação / Outros

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE PARTE II Índice 1. CONCEITO DE ACTUAÇÃO...3 1.1. COMISSÕES DE PROTECÇÃO CIVIL...3 1.1.1 Missão...3 1.1.2 Competências da Comissão Municipal

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO Entidade Gestora: Nota Justificativa Conscientes da necessidade premente de se dotarem de uma infra-estrutura em conformidade com a legislação vigente, mas também no sentido

Leia mais

Relatório Mensal Operacional (Geral) Nov-13

Relatório Mensal Operacional (Geral) Nov-13 1 Relatório Mensal Operacional (Geral) Total saídas - 176 Tipo de Ocorrência Nº Saídas Incêndios 38 Acidentes 7 Infra-estruturas 14 Pré-Hospitalar 7 Conflitos Legais 4 Assistencia e Prevenção 85 Operações

Leia mais

Referência: Substitui a NOP: Conhecimento: A-B-C-D-G-H-K-MA-MB- MC-MD-ME-MF-NC-ND- NE-NI-NJ-NL-NO-NP- NQ-NR-NS-OA-OC-OD- OE-OF-OG

Referência: Substitui a NOP: Conhecimento: A-B-C-D-G-H-K-MA-MB- MC-MD-ME-MF-NC-ND- NE-NI-NJ-NL-NO-NP- NQ-NR-NS-OA-OC-OD- OE-OF-OG Data: 23 JUN 09 Homologo: O Presidente Assunto: Sistema de Gestão de Operações Simbologia Planeamento/Execução: E-F-I-J-L-M-N Referência: Substitui a : Conhecimento: A-B-C-D-G-H-K-MA-MB- MC-MD-ME-MF-NC-ND-

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

MAPA DE PESSOAL UNIDADE ORGANICA CÂMARA POLICIA MUNICIPAL

MAPA DE PESSOAL UNIDADE ORGANICA CÂMARA POLICIA MUNICIPAL Nº POSTOS DE TRABALHO A PREENCHER PREENCHIDOS POR VINCULO DE EMPREGO TERMO CÂMARA POLICIA MUNICIPAL DIRETOR DE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE POLICIA MUNICIPAL Policia Municipal Licenciatura Define os objetivos

Leia mais

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas 3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas Segurança Contra Incêndios em Edifícios Decreto-Lei 220/2008 Portaria 1532/2008 ISEP- Porto - 2010 ISEP - Abril 2010 Cap Eng Luís Bispo 1 Sumário

Leia mais

1 DONATIVO = 1 POSTAL ELECTRÓNICO

1 DONATIVO = 1 POSTAL ELECTRÓNICO A campanha Prenda AMIga tem como objectivo angariar fundos para os projectos nacionais, internacionais e ambientais da AMI. Pretende-se sensibilizar e incentivar o espírito solidário das empresas e da

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências)

ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Educação (PRODEP III) Objectivos: Reduzir

Leia mais

DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA

DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA DURAÇÃO / COMPONENTE / DIPLOMA CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA I Edição 2014 30 Horas lectivas / Teórica / Curso de Formação Avançada COORDENAÇÃO Coordenação Científica Prof.

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 APD- DELEGAÇÃO LOCAL DE MEM MARTINS RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 INTRODUÇÃO O ano de 2004 ficou marcado por alguns acontecimentos relevantes, sinal de que, apesar do passar dos anos, a Delegação

Leia mais

Discurso Comandante BVVM 70º Aniversário BV Vieira do Minho. Vice - Presidente da Assembleia Municipal de Vieira do Minho

Discurso Comandante BVVM 70º Aniversário BV Vieira do Minho. Vice - Presidente da Assembleia Municipal de Vieira do Minho Discurso Comandante BVVM 70º Aniversário BV Vieira do Minho Exmos Senhores Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho Adjunto do Sr. Governador civil do distrito de Braga Vice - Presidente da Assembleia

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

Contributo da protecção passiva para a segurança contra incêndio em edifícios

Contributo da protecção passiva para a segurança contra incêndio em edifícios Contributo da protecção passiva para a segurança contra incêndio em edifícios Carlos Ferreira de Castro 30 Setembro 2014 1 O que é a protecção passiva contra incêndio? Conjunto integrado de meios físicos

Leia mais

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural Março de 2010 UTAD Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão Desenvolvimento Rural Nuno Novais nº34001 Cláudio Lourenço nº 33999 André Ferreira nº34842 Luís Resende nº35462 Introdução O

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) Neste orçamento, o Município ajustou, as dotações para despesas de investimento, ao momento de austeridade que o país

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2013

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2013 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2013 05-04-2013 ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE PAÇO DE ARCOS Documento aprovado por maioria em Assembleia-Geral Ordinária no dia 5 de Abril de 2013.

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria Organização: Morada: Locais Auditados: Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria MUNICÍPIO DE MIRANDELA Sede : Praça do Municipio 5370-288 MIRANDELA Sr. Presidente da Câmara: Eng.º António

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

MAPA DE PESSOAL 2016

MAPA DE PESSOAL 2016 MAPA DE PESSOAL 206 Nº POSTOS DE TRABALHO AREA FUNCIONAL ATRIBUIÇÕES/COMPETÊNCIAS/S POSTOS DE TRABALHO DOS TRABALHADORES EM EXERCICIO DE FUNÇÕES NA CM NO DE DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO RESOLUTIVO CONTRATO

Leia mais

2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES

2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES 2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES Colaboram com o SMPC ou o CMOEPC (se estiver activado) na actualização do inventário dos seus meios e recursos.

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO O Plano de Segurança é um documento que sistematiza um conjunto de normas e regras, enquadradas nas modalidades de segurança ativa e passiva e destinadas a minimizar os

Leia mais

Maratona BTT 5 Cumes realiza-se a 23 de Setembro em Barcelos

Maratona BTT 5 Cumes realiza-se a 23 de Setembro em Barcelos Em 2011 foi a Maratona com maior participação das provas da FPC Maratona BTT 5 Cumes realiza-se a 23 de Setembro em Barcelos A oitava edição da Maratona BTT 5 Cumes foi apresentada na última quinta-feira

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

INTRODUÇÃO OPÇÕES DO PLANO

INTRODUÇÃO OPÇÕES DO PLANO INTRODUÇÃO O presente Orçamento para o ano de 2014 para o qual o órgão Executivo da Junta de Freguesia de Labruja elaborou e aprovou, orientar-se-á na linha do plano traçado para os quatro anos do mandato,

Leia mais