ÍNDICE. Destaque 01 Informação EIC 02 Notícias 04 Divulgação 04 Os nossos Clientes 06 Empresas Certificadas 09

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Destaque 01 Informação EIC 02 Notícias 04 Divulgação 04 Os nossos Clientes 06 Empresas Certificadas 09"

Transcrição

1 eicnews AGOSTO 12 NÚMERO 13 Boletim Digital da EIC - Empresa Internacional de Certificação Distribuição Gratuita Consulte o nosso website ÍNDICE Destaque 01 Informação EIC 02 Notícias 04 Divulgação 04 Os nossos Clientes 06 Empresas Certificadas 09 DESTAQUE Seminário A Importância da Certificação de Empresas e Produtos Enquadrada na estratégia de expansão para os países de língua portuguesa, a eic promoveu no passado dia 21 Junho, um Seminário sobre a Importância da Certificação de Empresas e Produtos, num hotel do centro de Luanda. O seminário contou com o apoio do IANORQ - Instituto Angolano de Normalização e Qualidade que se fez representar pelo seu vice-presidente Dr. Omar Simão. Colaboraram neste encontro como oradores a Directora Geral do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor, uma representante do Ministério do Ambiente e um responsável da INOVE RH, para além, claro, do representante da eic. A reunião contou com 57 participantes, activos e empenhados, que debateram os temas em análise. No geral, entenderam que deveriam ser realizados mais encontros sobre o tema que a seu ver se encontra na ordem do dia com o previsto rearranque da industrialização do país. A eic teve oportunidade de divulgar os serviços que pode oferecer em Angola e deu a conhecer os clientes que já conta no país. Ficou acordado realizar, ainda este ano, um novo seminário que abordará os temas mais referidos nesta reunião. Manuel Vidigal / Comissão Executiva da EIC A EIC esteve presente na Feira Internacional de Luanda 29ª EDIÇÃO A participação da eic na Filda, que se realizou recentemente, foi um sucesso, com muitas pessoas e empresas a visitarem o Stand, para nos conhecerem e/ou recolherem informações sobre a eic, sinal que continua a despertar a consciência empresarial sobre a importância da Certificação de Produtos e Serviços. EDITORIAL Tendo em conta as diferentes previsões económicas que se fazem para Portugal, a eic prevê que o ano de 2012 nos venha a permitir aumentar a quota de mercado no território nacional, sem que daí advenha um grande crescimento da actividade geral. O mercado português tem estado sujeito a grandes restrições. Se por um lado temos conseguido atrair um número significativo de novos clientes e alargar a certificação a novos referenciais, o que nos tem criado um justificado entusiasmo, por outro, temos vindo a assistir ao encerramento de parceiros comerciais, que percorreram connosco trajectos de largos anos. Mas, por se situarem em sectores de actividade particularmente afectados pela evolução da economia, viram-se forçados a encerrar a sua actividade, perdendo, assim, contacto com pessoas e empresas com as quais mantínhamos óptimas relações comerciais e pessoais. Com esta perspectiva temos centrado uma boa parte dos nossos esforços em Cabo Verde, Angola e Moçambique, países onde a necessidade da Certificação se faz sentir, de uma forma crescente, decorrente de economias em grande evolução, prometendo vir a ser mercados de grande futuro. Com esta decisão pretendemos não só contribuir para o desenvolvimento destes países como apoiar os nossos clientes actuais que pretendam, igualmente, trabalhar nestes mercados emergentes. Temos desenvolvido diferentes projectos nos países referidos, passando por presenças em feiras e realização de seminários, associados a esforços comerciais directos que já resultaram em múltiplos novos clientes. 2012, será, tudo o indica, um ano de viragem no que se refere à nossa presença nos países africanos de língua portuguesa. MANUEL VIDIGAL Comissão Executiva da EIC Design Cempalavras

2 EICNEWS 13 PÁGINA 2 INFORMAÇÃO EIC Testemunho Directo Olá! Chamo-me Anabela Lavado, trabalho na EIC, num ambiente de trabalho agradável, onde me sinto plenamente identificada. Como a EIC balizou a minha vida? Antes da EIC: Trabalhei durante 23 anos numa Empresa Multinacional, ligada à área da energia. Sendo uma unidade fabril, existiam diversas valências, desde caldeiraria à carpintaria e à produção de equipamentos eléctricos, incluindo todas as áreas envolventes, tais como laboratórios de ensaios. Como o meu ramo de engenharia é o de Química, fui responsável pela gestão técnica e da qualidade de um laboratório, acreditado desde 1988 de acordo com o referencial normativo que corresponde presentemente à NP EN ISO/IEC 17025, e tendo todas as implicações e stresse de uma acreditação laboratorial controlo de equipamentos, calibração, ensaios interlaboratoriais, incertezas dos resultados, Mais tarde, assumi a função de responsável da Gestão da Qualidade, acumulando com as funções descritas anteriormente. Momento ZERO: Um dia, marquei uma reunião com a Aline Cortez, com o intuito de poder fazer parte da Bolsa de Auditores. Quando entrei na EIC para essa reunião, não adivinhava que já não ia sair! Ou melhor, ia sair com a proposta de passar a trabalhar na EIC a tempo inteiro. Aceitei com todo o gosto e hoje, passados 5 anos, penso muitas vezes: ainda bem. Depois de estar na EIC: Presentemente, desempenho diversas funções, tais como ser responsável pelo sistema da qualidade, fazer a supervisão técnica de processos de certificação e também participar em auditorias como auditora, num óptimo ambiente de equipa, saudável e responsável, em que cada elemento conhece as suas responsabilidades e em que a satisfação dos nossos clientes é sempre vista como uma finalidade (nem sempre fácil de atingir). Trabalhar na EIC tem uma logística própria, bastante acelerada, sempre com novos horizontes em vista, envolvendo sempre a formação correspondente e a ambição de chegar mais longe. Uma das minhas particularidades é gostar de ajudar, sem interesse. Sempre que alguém necessita de ajuda e eu posso auxiliar, aí vou eu. Mas a minha vida não se resume à EIC; além de trabalhar, o que gosto de fazer? Fora da EIC: Gosto de estar com a minha família e com os meus amigos, gosto de viajar, gosto do mar e do vento, gosto de caminhar, gosto de ler, gosto do meu Clube Os Belenenses, gosto de tanta, tanta coisa. Anabela Lavado / EIC Conferência sobre Certificação em Angola certificação Nos passados dias 27 a 29 de Março, decorreu em Luanda uma conferência sobre certificação, a qual veio reforçar a importância da nas empresas que operam em Angola. A conferência, realizada com o apoio principal da Sonangol, contou com cerca de 400 participantes, apesar de nem todos os dias terem merecido a atenção de todos. O dia 27 foi o dia de start-up da conferência, ou seja o dia das boas vindas e das intervenções institucionais. Da intervenção do IANORQ (Instituto Angolano de Normalização e Qualidade), destaca-se o alerta sobre a necessidade das empresas que operam em Angola, nomeadamente no âmbito das actividades de consultoria, de certificação, de ensaios laboratoriais, calibração, deverem registar-se no IANORQ, para efeitos de cadastro, até que seja institucionalizada uma entidade acreditadora (Decreto Executivo 55/08 de 17 Abril). O dia 28 contou com diversas intervenções de entidades certificadoras. O dia 29 foi mais dedicado a intervenções de casos de certificações em Angola, como sejam os exemplos: ISO na TOTAL ISO 9001 na Sonangol Distribuição ISO 9001 da Technip Angola IOSA na TAAG ISO na BP Angola ISO 9001, ISO e OHSAS na ZAGOPE OHSAS na ODEBRECHT Esta conferência, a 1ª do género, permitiu percepcionar que a certificação em Angola é já uma realidade; no entanto, tecem-se os seguintes comentários: As certificações, nomeadamente dos sistemas de gestão das empresas, estão maioritariamente atribuídas a grandes empresas ou empresas de referência em sectores chave da economia Angolana; Existem indefinições acerca da criação da prevista entidade acreditadora em Angola; As actuais certificações são realizadas maioritariamente por certificadoras Portuguesas, Brasileiras, Sul Africanas ou multinacionais da certificação; Apesar de tudo, esta experiência, com o apoio principal da Sonangol, foi bastante positiva, pois abre caminho a iniciativas similares e estimula o surgimento de novas certificações nas empresas Angolanas ou nas empresas estrangeiras que queiram trabalhar em Angola.

3 EICNEWS 13 PÁGINA 3 INFORMAÇÃO EIC ACONTECEU EM AUDITORIA A mais eficiente das minhas auditorias Um dia, realizei uma auditoria de primeira fase de concessão numa organização cujo gestor de topo é surdo. Na reunião de abertura e durante toda a auditoria, fui acompanhada de uma intérprete em Língua Gestual Portuguesa (LGP), cuja presença havia sido solicitada pela organização auditada. Para além disso, tanto a Responsável do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ), como a Psicóloga da organização, sabiam LGP, sendo a última, inclusivamente, também intérprete certificada nesta língua. Neste contexto, a auditoria decorreu de forma absolutamente típica, tendo-se considerado que, em próximas auditorias, seria dispensável a presença de uma interprete de LGP dedicada, dado que tanto a Responsável do SGQ como a Psicóloga poderiam assegurar a tradução simultânea, sempre que necessário. No entanto, aquando da auditoria de segunda fase de concessão, fui confrontada com duas situações inesperadas: A primeira, foi a ausência física da Responsável pelo SGQ, que, no seu oitavo mês de gravidez, havia sido confinada a casa na véspera da auditoria, por estar em situação de gravidez de risco. A segunda, foi um pedido sincero, logo às 10:00, por parte da Psicóloga da organização, para que após entrevistá-la relativamente aos processos pelos quais era responsável, a deixasse ir para casa, pois tinha vindo para a auditoria diretamente do aeroporto, em regresso de férias num país longínquo e mal se aguentava de pé com as tonturas e mal estar do jet lag. Como é que se diz não a um pedido destes, especialmente quando se compreende pessoalmente tal mal- -estar? Logo eu, que também tenho reações de jet lag duríssimas? Naturalmente que - noblesse oblige! - acatei o pedido. Mas tal teve como consequência ficar sem intérprete de LGP das 11:00 em diante. Numa auditoria a uma organização com poucos colaboradores, em que a Responsável do SGQ só podia participar por MSN e a segunda pessoa mais envolvida no SGQ como um todo era o Gestor de Topo, confesso que, por momentos, entrei em pânico. Voltei a sentir todos aqueles sintomas de ansiedade que, estou certa, todos sentimos no início da carreira de auditoria e que eu já não me lembrava de sentir há anos. Pensei para comigo - E agora, sem intérprete de LGP, como vou conduzir e levar a bom termo esta auditoria?. Pedi para ir ao WC, respirei fundo várias vezes e pensei Bom, vamos a isto. Vou tentar gerir a situação momento a momento, conforme as necessidades forem surgindo e logo se verá!. Voltei para a sala de reuniões onde se encontrava já apenas o Gestor de Topo, que me recebeu com um sorriso descontraído e caloroso, que derreteu qualquer ansiedade que eu pudesse trazer. Virei ao contrário uma folha de registo de evidências de auditoria e escrevi - Senhor Presidente, precisava de verificar o fecho das não conformidades da auditoria anterior. Podemos ir ao MSN falar com a Responsável do SGQ? - ele voltou a sorrir, realizou algumas operações no seu laptop ligado em rede e virou-mo, mostrando um mapa de acompanhamento de ações. Enquanto eu o analisava, ele foi à impressora buscar algumas folhas brancas que colocou em cima da mesa da sala de reuniões. Utilizámos várias delas ao longo daquela auditoria, escrevendo perguntas e respostas nas mesmas. Mas gastámos menos do que as que previ que iriam ser necessárias. Foi uma auditoria mais silenciosa que o habitual, mas sem desvios de conversa nem distrações que habitualmente tanto tempo queimam, apenas porque, tanto auditados como auditores, tendem a ser, conscientemente ou não, muito prolixos. A perguntas concretas, recebi sempre, tão só e apenas, respostas objectivas. Percebi, pela prática, o que já havia lido sobre a capacidade de atenção concentrada dos trabalhadores surdos e lamentei que o mercado empregador não compreenda as vantagens que estes trabalhadores podem trazer às suas equipas, particularmente nas profissões que carecem ou beneficiam com esta capacidade. Esta foi sem dúvida uma auditoria diferente. Mas nem por isso menos agradável, interessante e amigável. A meio da tarde recebi um telefonema da responsável do SGQ que, perplexa, indagou o que se passava, porque não lhe perguntávamos nada por MSN. Sosseguei-a e mandei-a descansar e à sua criança por nascer. Cumpri integralmente o Plano da Auditoria, acabei à hora e foi a auditoria mais eficiente da minha carreira. Fruto, evidentemente, do enorme envolvimento daquele Gestor de Topo no SGQ da sua organização, o que facilitou imensamente o nosso diálogo, suportado em expressões faciais, alguma gestualidade atrapalhada da minha parte e em várias folhas brancas A4 onde inscrevemos muitas letras e alguns smileys. Tenho-as todas guardadas como recordação. Uma delas diz, com a minha letra - Senhor presidente, o senhor é muito rápido a antecipar as minhas questões!!!. Com essa, ganhei de volta uma piscadela de olho e mais um sorriso caloroso. Sandra Feliciano / Auditora EIC

4 EICNEWS 13 PÁGINA 4 Os elementos mais novos da EIC Não podemos deixar de registar nesta edição o nascimento da Joana, em Abril passado, filha da nossa colaboradora Alexandra Martinez (que dizia, no Testemunho Directo da EICNEWS n.º 11, que era uma tia babada com os sobrinhos, mas que agora é certamente também uma mãe babada com a sua Joana!...). Embora tenham ocorrido há mais tempo, também não queremos deixar de referir os nascimentos de filhos de outros colaboradores da EIC, ainda não mencionados com o devido relevo nas nossas páginas. Assim, deixamos aqui registado o nascimento do Diogo, filho da Susana Neto, que está connosco desde 1 de Janeiro de 2011, e o do Guilherme, filho do Frederico Mendes, verdadeiro veterano entre o grupo dos mais novos e que já fez em Março os seus 3 anos. A todos estes novos elementos, a EIC apresenta os votos de muitas felicidades! NOTÍCIAS Revisão da ISO 9001 Realizou-se de 18 a 22 de Junho de 2012, em Bilbao, Espanha, a primeira reunião de revisão da norma ISO 9001:2008. Portugal fez-se representar nesta reunião por duas peritas nacionais credenciadas pelo Instituto Português da Qualidade (IPQ) Joana dos Guimarães Sá e Sandra Feliciano sendo esta última membro da bolsa de auditores da eic. Nesta primeira reunião, o Grupo de Trabalho 24 (WG24) da ISO/TC 176 SC2, cumpriu os objectivos propostos: validar o Justification Study e o Project Plan e elaborar a Design Specification, documentos que fundamentam e balizam esta nova revisão da norma ISO A próxima reunião presencial do WG24 realizar-se-á em Novembro de 2012, em São Petersburgo, Rússia, co-localizada com a reunião plenária anual da ISO/TC 176. Até lá, os membros do WG24 reunirão virtualmente e trabalharão remotamente. O plano de projecto agora validado estima um período de três anos para os trabalhos de revisão, pelo que a futura nova versão da norma ISO 9001 tem publicação internacional prevista para o ano de Sandra Feliciano / Auditora EIC DIVULGAÇÃO Sistemas Integrados de Gestão com base na ISO 9001 O esquema abaixo, apresentado na norma ISO 9001, suporta a concepção de um sistema da qualidade. Em muitas empresas, este é o esquema base a partir do qual desenham a sua rede de processos incluídos no âmbito do sistema da qualidade. As empresas que pretendem alargar o seu sistema da qualidade a um sistema integrado, incluindo a componente ambiental e a de segurança e saúde do trabalho, são confrontadas com novos esquemas nas normas. Perante a necessidade de conceber um sistema integrado eficaz, colocam-se algumas questões na sua concepção: - Manter o esquema de processos da ISO 9001 e pendurar os requisitos das novas normas nos vários processos existentes? - Manter o esquema de processos da ISO 9001 e criar um novo processo chamado Segurança e Ambiente? - Manter o sistema da qualidade como está e elaborar novos sistemas que respondam às novas normas? Na prática, todas estas opções e outras são escolhidas pelas empresas, no entanto considera-se que aquela que mais aparenta uma verdadeira integração do sistema é a que aponta para um sistema concebido a partir do sistema ISO 9001, pendurando os requisitos das restantes normas. Para que resulte, é importante que o sistema ISO 9001 tenha as seguintes características: - A abordagem por processos com um detalhe razoável que facilite a gestão e monitorização das actividades que interagem entre si; - O âmbito do sistema corresponda à totalidade das actividades da empresa; - O gestor de cada processo mantenha uma visão bastante integradora para a junção de novos requisitos ao seu processo. Ao lado é apresentado um exemplo de uma empresa de serviços de engenharia e que mantém um sistema integrado qualidade, ambiente e segurança e saúde do trabalho. Tendo em conta uma das particularidades na concepção do sistema integrado, sugere-se que as identificações, dos aspectos ambientais da empresa (ISO 14001) e dos perigos (OHSAS 18001), sejam penduradas nos processos originalmente identificados pela empresa. PROCESSO ASPECTO AMBIENTAL / IMPACTE AMBIENTAL / PERIGO RISCO Projecto Fiscalização Consultoria Comercial José Sousa / Auditor EIC

5 EICNEWS 13 PÁGINA 5 DIVULGAÇÃO EMM nas Respostas Sociais: Muitos e, alguns, atípicos! EMM soa éémeémes é uma sigla bem conhecida dos profissionais que trabalham com sistemas de gestão e significa Equipamento de Monitorização e/ou de Medição. Trata-se portanto de algo que utilizamos quando necessitamos de monitorizar e/ou medir qualquer coisa: a performance de um processo, a conformidade de um produto, ou a adequabilidade de uma matéria-prima, apenas para exemplificar algumas aplicações possíveis. Os EMM são uma sigla importante e verbalizada amiúde pelos profissionais dos sistemas de gestão, pois a generalidade destes sistemas contêm requisitos que exigem o controlo dos EMM utilizados para garantir a conformidade e por conseguinte, a qualidade - dos produtos ou dos serviços que uma organização fornece aos seus clientes/utentes. Quando estamos num contexto industrial, estamos habitualmente rodeados de equipamentos tangíveis e fáceis de identificar como EMM: Balanças, termómetros, manómetros, paquímetros e uma imensidão de outros qualquer-coisa-ómetros e qualquer-coisa-ímetros, muitas vezes incorporados na própria maquinaria fabril. Mas quando saímos desse contexto, a primeira tentação que nos assalta é, amiúde, a de julgarmos que nos encontrarmos num ambiente EMM-free, ou seja, sem EMM. Mas será realmente assim? Atrevo-me a desafiar o(a) leitor: Pense num contexto de Respostas Sociais (uma lar de idosos ou uma creche, por exemplo) e tente identificar os EMM que se usam por lá. Eu dou uma ajudinha: Comece por pensar na cozinha. Se está minimamente familiarizado com um ambiente de uma cozinha de refeitório, provavelmente já está a listar mentalmente vários EMM: Balanças (usadas para pesar os ingredientes), termómetros (nos frigoríficos, arcas congeladoras e para medir as temperaturas dos óleos de fritura, das águas de aquecimento das cubas, da temperatura das refeições prontas, etc.). Há também os medidores químicos da qualidade do óleo alimentar (aqueles frasquinhos pequeninos com um reagente que muda da cor azul para um tom de uma escala de verdes que nos indicam se o óleo ainda está em condições de ser reutilizado ou não). Mas uma cozinha de um refeitório também é um ambiente de fácil reconhecimento de EMM, pois, queiramos ou não, continua a ser um ambiente industrial, neste caso, de indústria alimentar. Vamos pois sair da cozinha e aumentar a dificuldade do desafio: E que tal uma incursão pelo gabinete da enfermeira? Já lá chegou? Então deparou- -se certamente com mais termómetros (do mini-frigorífico de armazenamento de medicamentos e corporais, para medição da febre), medidores de glicemia, medidores de colesterol e pelo menos um esfigmomanómetro ou medidor da tensão arterial. Mas continuamos ainda com a fasquia do desafio no nível médio, pois até agora, os nossos EMM são equipamentos tangíveis, físicos, palpáveis. Difíceis de nos passarem despercebidos. Mas no contexto das respostas sociais, existem outros, mais atípicos, menos tangíveis, ao qual nos custa inclusivamente chamar equipamento (o termo está, aliás, atualmente em revisão e dificilmente se manterá nas próximas versões da ISO 9000 e ISO 9001, ambas com publicação prevista para 2015). Para elevar a fasquia, façamos então uma nova incursão, desta vez pelos gabinetes da técnica de serviço social e da psicóloga. Reflita comigo: Como será que estas profissionais medem, por exemplo, o grau de dependência de um idoso ou o desenvolvimento cognitivo de uma criança? Acertou! Usam Escalas, tais como, por exemplo, a Katz ou a WISC, respectivamente. Estas Escalas, têm vulgarmente a forma de um grupo de questões, organizadas em questionário ou assumem a forma de jogo e foram desenvolvidas e validadas pela comunidade científica. Algumas destas escalas têm sensibilidade cultural, pelo que necessitam de aferição local, quando são aplicadas a indivíduos de uma cultura distinta daquela onde foi desenvolvida e validada a Escala. E existem, acreditem, milhares de Escalas atualmente em utilização. Em cada instituição com Respostas Sociais usam-se várias, por vezes até dezenas de Escalas que, para além dos exemplos atrás mencionados, podem ainda medir coisas tão variadas como a intensidade da dor ou a taxa de esforço de um cuidador. Estas Escalas, consideradas, à luz das normas de sistemas de gestão, como EMM, têm de ser controladas, de forma a que possamos garantir que têm capacidade para nos apresentar resultados válidos, nos quais podemos confiar e basear decisões no âmbito do nosso trabalho - decisões essas que vão afectar os nossos utentes, tendo, por isso, um impacto direto na qualidade dos serviços que lhes prestamos. Sandra Feliciano / Auditora EIC

6 EICNEWS 13 PÁGINA 6 OS NOSSOS CLIENTES Neste boletim, e na qualidade da primeira entidade com Acreditação para a realização de auditorias de Certificação de Serviços enquadrados em Respostas Sociais, foi decidido realizar um perfil sobre as Instituições de Solidariedade Social certificadas pela EIC. Iremos apresentar três destes organismos: Centro Paroquial Padre Ricardo Gameiro, Fundação CEBI e Fundação João Gonçalves, no sentido de inquirir sobre os principais aspectos da Certificação no funcionamento das instituições. Na próxima edição serão abrangidas a ADIP Associação de Desenvolvimento Integrado de Poiares, a Associação de Solidariedade Vencer Casal Popular da Damaia e a Santa Casa da Misericórdia de Almada. Fundação CEBI 1Que reacções e dificuldades foram mais sentidas na implementação dos requisitos estabelecidos nos referenciais das Respostas Sociais? 2 Quais os principais reflexos e reacções por parte dos utentes? 3 Que repercussões foram sentidas no dia-a-dia da entidade? 4 Como prevêem a evolução em termos de perspectivas futuras? 1 Este processo conducente à certificação do CAT, pelos MAQSS, foi substancialmente suavizado, pelo facto de estarmos já certificados pela norma ISO 9001:2008, cuja documentação de suporte se enquadrou, ajudando a contornar algumas dificuldades, de ordem documental. No entanto, outras dificuldades se nos colocaram, nomeadamente a questão das acessibilidades para deslocação de pessoas com mobilidade reduzida, uma vez que o edifício que serve o CAT foi edificado em 1995, antes da saída do Dec. Lei n.º 163/2006, que regula esta matéria. A dimensão das exigências documentais e processuais, dos referenciais actuais, afigura-se-nos demasiado extensa, mesmo para o nível C, constituindo grande dificuldade, pois obriga à mobilização de recursos, sempre escassos, para esta função. CONTACTOS: E.N.10, Quinta de Santa Maria Alverca Tlf: Fax: Todo este esforço foi, no entanto, reconhecido pelos nossos utentes que, entusiasticamente envolvidos, com a sua participação tornaram atractivo e motivador todo o processo. 3 Numa instituição como a Fundação CEBI que tem como princípios defender o rigor, a qualidade e a melhoria contínua dos serviços prestados à comunidade, é compreensível que este processo tenha repercussões no seu dia-a-dia, pois conduziu-nos à realização de dezenas de reuniões de interpretação dos MAQSS, de implementação de alguns procedimentos e de elaboração de muitos documentos. 4 Continuaremos, como sempre, nos caminhos das nossas Visão e Missão, primando pela melhoria da qualidade dos serviços prestados, progredindo no sentido da certificação das restantes respostas sociais, no pressuposto de que a situação de crise económico-financeira, que o País e a Europa atravessam, não seja muito duradoura. A CEBI Fundação para o Desenvolvimento Comunitário de Alverca, também designada por Fundação CEBI, é uma instituição particular de solidariedade social, sem fins lucrativos, dirigindo a sua actividade para as crianças, jovens, idosos e famílias, com particular atenção aos mais desfavorecidos. Sediada em Alverca, no Concelho de Vila Franca de Xira, onde iniciou as suas actividades em 1968, fruto da iniciativa e vontade de intervenção de um grupo de cidadãos desta cidade, impulsionados por José Álvaro Vidal, foi definindo o seu crescimento de acordo com a criação de respostas inovadoras, adequadas e ajustadas a necessidades sociais emergentes. Ao longo da sua existência tem criado respostas para o combate à exclusão e à pobreza, e para a criação de uma sociedade mais solidária e inclusiva, fundamentalmente, nos domínios da Educação, da Acção Social e da Saúde, apoiando diariamente, através do seu vasto leque de actividades, cerca de famílias e sendo um importante criador de emprego, com os seus 426 trabalhadores. CERTIFICAÇÕES A Fundação CEBI está já certificada pela ISO 9001:2008, nas suas unidades orgânicas, Clínica de Medicina Física e Reabilitação, desde 16 de Março de 2006, Departamento de Educação, desde 11 de Março de 2008 e Centro de Emergência Social-CAT, (desde 16 de Abril de 2008).

7 EICNEWS 13 PÁGINA 7 OS NOSSOS CLIENTES Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro 1 Quando iniciámos a implementação do Sistema de Gestão da Qualidade, verificámos que muitas práticas que desenvolvemos não se encontravam sistematizadas. Assim, para o cumprimento dos requisitos, numa primeira fase, houve a necessidade de descrever e criar a prática de registos. Desenvolveram-se novas metodologias de trabalho, procurando o envolvimento de todos os colaboradores, o que nem sempre foi um percurso simples. Além desta situação, para a actualização de algumas licenças, quando carecemos da articulação com organismos públicos, nem sempre houve a celeridade e facilidade para conseguir pareceres de que necessitámos, o que teve como consequência o prolongamento do processo de certificação. 2 A focalização no utente é para nós fundamental, com a implementação do Sistema de Gestão da Qualidade, permitiu-nos um maior grau de participação dos utentes, nos serviços que lhes são destinados. O facto do Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro estar certificado, gera maior confiança para quem contacta pela primeira vez a nossa instituição. Os utentes mais antigos demonstram grande satisfação pelo reconhecimento e credibilidade do trabalho que desenvolvemos. É fundamental garantir a qualidade dos serviços que os utentes têm direito de esperar e será efectivamente aquela que vão receber. 3 As principais consequências centram-se na sistematização de práticas descritas e uniformizadas e na evidência, através de registos, do trabalho que desenvolvemos. Alterámos os métodos de trabalho, ou seja, passámos a trabalhar através de uma abordagem por processos e de uma abordagem da gestão como um sistema. No Sistema de Gestão foi criado um Manual Gestão e um Manual de Funções adequados à realidade da nossa instituição. Incluímos no nosso sistema procedimentos para áreas importantes como a gestão documental, o controlo de não conformidades, acções correctivas e preventivas, fornecedores, entre outros. A melhoria da eficiência e eficácia dos processos através da medição dos indicadores, permite- -nos uma avaliação, quantitativa e qualitativa do Sistema de Gestão da Qualidade, contribuindo assim para uma melhoria contínua. 4 O facto de alcançar o reconhecimento CONTACTOS: Rua Ramiro Ferrão, nº 38 Cova da Piedade ALMADA Tlf: Fax: externo e independente por parte da entidade acreditada EIC, foi uma etapa importante do nosso percurso. Procuramos melhorar continuamente o Sistema de Gestão da Qualidade, de forma a diferenciar positivamente as Respostas Sociais do Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro. Pretendemos ser uma instituição de excelência, sustentável que seja uma referência no Município de Almada, preconizando as melhores práticas, investindo em novas aprendizagens e inovação, gerando valor e confiança junto dos utentes, famílias, parceiros e comunidade em geral. O CSPPRG é uma IPSS reconhecida de utilidade pública, sem fins lucrativos. Proclamamos e acreditamos nos valores que sempre defendemos: valores cristãos, ética, igualdade e solidariedade. O CSPPRG é uma organização que procura prestar um elevado número de respostas, que visam o crescimento e promoção de cada indivíduo. Actualmente dispõe de sete equipamentos sociais ao serviço da intervenção comunitária: Equipamento do Bairro Nossa Senhora da Piedade (1973): Com Creche (CRH), Jardim de Infância (JI), Centro de Actividades de Tempos Livres (CATL) e Actividades de Enriquecimento Curricular (AEC). A Nossa Creche (1997): Com CRH Centro Comunitário da Cova da Piedade Laranjeiro (1998): Com CRH, JI, CATL e Centro de Acolhimento Temporário. Centro Comunitário Renascer (2000): Com CRH, JI, CATL, Espaço Lúdico e Pedagógico, Centro de Dia (CD) e Apoio Domiciliário (SAD). Residência Nossa Senhora da Esperança (2001): Com Estrutura Residencial para Idosos (ERI), SAD, CD e Centro de Convívio. Jardim Infantil da Romeira (2003): Com CRH, JI. Creche e Jardim de Infância da Ramalha (2010): Com CRH, JI. CERTIFICAÇÕES Certificado pela norma NP EN ISO 9001:2008 e pelos Modelos de Avaliação de Qualidade do Instituto da Segurança Social MA- QISS Nível C para todas as Respostas Sociais.

8 EICNEWS 13 PÁGINA 8 OS NOSSOS CLIENTES Fundação João Gonçalves Júnior 1 As reacções relativamente à implementação das normas foram, sobretudo, uma inicial resistência à mudança e posterior reconhecimento da vantagem da organização dos processos e na utilização do sistema implementado. As dificuldades revelaram-se, especialmente, na implementação do sistema informático em sala e utilização do mesmo pela equipa técnica, no aumento de volume de registos e na produção de documentos. 2 Os utentes mostraram satisfação quando receberam determinados documentos, nomeadamente PDI. Os pais, por outro lado, revelaram contentamento pela readequação/ reestruturação dos espaços, nomeadamente, salas, casas de banho, recreio, etc. 3 As repercussões sentidas na entidade relevam-se nos procedimentos sempre iguais, numa organização mais eficiente e eficaz de procedimentos e práticas, numa melhor articulação de serviços e clarificação na definição de funções. A reestruturação e produção de documentos (manual de boas práticas na cozinha, plano de emergência, plano de higiene, manual de funções, manual de primeiros socorros, manual de acolhimento do trabalhador) permitiram maior organização e melhores práticas também relevantes. Verificou-se também uma organização do plano de formação, aliada à possibilidade de benchmarking e parcerias com outras entidades/instituições. E ainda uma maior autonomia em termos técnicos, uma melhor organização dos processos do utente e maior facilidade ao estabelecer objectivos/metas para o utente e instituição. 4 A Fundação João Gonçalves Júnior conclui neste ano de 2012 um processo de requalificação, revitalização e certificação da instituição, que lhe permitiu concretizar a sua visão estratégica: ser reconhecida como uma IPSS de referência a nível do Município de Alcochete. Por outro lado, esta progressiva adaptação da organização aos mais exigentes padrões de qualidade e de satisfação, no âmbito de um programa de formação alargado, tem contribuído para o reforço de uma cultura profissional e ética inquestionável e para o delinear de novas áreas CONTACTOS: Largo de S. João nº 25, Alcochete Tlf: Fax: Tlm: / e projectos de intervenção, que visa: O princípio de melhoria contínua para a progressiva eficácia e eficiência da instituição; O princípio da racionalidade e da procura da eficiência na gestão da instituição; O princípio da co-responsabilização e da competência dos trabalhadores da instituição. A instituição deverá constituir um modelo de boas práticas ao nível do empreendedorismo, inovação e competitividade. A Fundação João Gonçalves Júnior, localizada no centro histórico da Vila de Alcochete, foi constituída em 1953 por vontade expressa em testamento por D. Mariana Gonçalves Dias de Sousa Rodrigues, tendo como finalidade a distribuição de sopa aos pobres da freguesia de S. João Batista de Alcochete. Com o evoluir dos tempos e dos próprios conceitos de pobreza e exclusão social, houve a necessidade de se alargar a sua acção a outras áreas de intervenção social, nomeadamente, a de educação de infância. Mantém, ainda assim, a sua vocação inicial, continuando a apoiar a população carenciada nos termos do definido em sede de Conselho Local de Acção Social. A Fundação João Gonçalves Júnior é uma entidade Particular à qual foi atribuído, em 1983, o estatuto de Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS). Foi distinguida com medalha de mérito pelo Município de Alcochete em 2007, pelo trabalho que desenvolve não só na área da infância e apoio social, mas também pelo empenhado contributo na preservação das tradições locais de salicultura. CERTIFICAÇÕES Certificados pelas normas Respostas Sociais: Creche - Nível C e ISO 9001:2008

9 ÚLTIMAS EMPRESAS CERTIFICADAS PELA EIC EICNEWS 13 PÁGINA 9 NOME DA EMPRESA NORMA DE REFERÊNCIA 4A. MONTESINHO, LDA. NP EN ISO 9001: ABEL LUÍS MOREIRA DE SOUSA, LDA. NP EN ISO 9001: ACR - Transitários e Transportes, Lda. NP EN ISO 9001: ADEGA COOPERATIVA DE PINHEL,CRL NP EN ISO 9001: ADIP Associação de Desenvolvimento Integrado de Poiares NP EN ISO 9001: AE SINTRA - Associação Empresarial do Concelho de Sintra NP EN ISO 9001: AMBICARGO - Transportes, Lda. NP EN ISO 9001: AMBIENTE E JARDIM, S.A. NP EN ISO 9001: AMBIMED - Gestão Ambiental, Lda. NP EN ISO 9001: AMBITERMO Engenharia e Equipamentos Térmicos, S.A. NP EN ISO 9001: AMISHOES - Calçados, Lda. NP EN ISO 9001: ANTERO SANTOS & SANTOS, LDA. NP EN ISO 9001: ANTÓNIO DA SILVA, LDA. NP EN ISO 9001: ANTÓNIO EMILIO GOMES & FILHOS, LDA. NP EN ISO 9001: AREIPOR Areias Portuguesas, Lda. NP EN ISO 9001: ARIPA Ilídio Pelicano Arquitectos, S.A. NP EN ISO 9001: ATA - Assistência Técnica do Alentejo, Lda. NP EN ISO 9001: ATLANTE - Estudos e Projectos, Lda. NP EN ISO 9001: AUTO REPARADORA VALE DE MILHAÇOS, LDA. NP EN ISO 9001: AZORMED - Gestão Ambiental Açoreana, Lda. NP EN ISO 9001: BARRA 4 - Projectos de Engenharia e Fiscalização de Obras, Lda. NP EN ISO 9001: BELTRÃO COELHO (ALÉM TEJO), LDA. NP EN ISO 9001: BHB - Sistemas de Controlo e Medida, Lda. NP EN ISO 9001: BÍSARO Salsicharia Tradicional, Lda. NP EN ISO 9001: BPM GÁS, LDA. NP EN ISO 9001: CALIMENTA Indústria de Confeitaria e Conserva de Frutas, Lda. NP EN ISO 9001: Câmara de Comércio Indústria e Serviços de Sotavento (CCISS) NP EN ISO 9001: Câmara de Comércio, Indústria, Agricultura e Serviços do Barlavento (CCIASB) NP EN ISO 9001: CÂMARA MUNICIPAL DE CINFÃES NP EN ISO 9001: CÂMARA MUNICIPAL DE PENAFIEL NP EN ISO 9001: CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO NP EN ISO 9001: CÂMARA MUNICIPAL DO SEIXAL (Divisão de Espaços Verdes) NP EN ISO 9001: CARVECO - Comércio de Automóveis, Lda. NP EN ISO 9001: CASA FERREIRA - Restaurante, Lda. (HOTEL QUINTA PROGRESSO) NP EN ISO 9001: CEV - Consultores em Engenharia do Valor, LDA. NP EN ISO 9001: CHUC - Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, E.P.E. (Banco de Olhos) NP EN ISO 9001: CICCOPN Centro de Formação Profissional da Indústria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte NP EN ISO 9001: COMPUCONTA - Sociedade Técnica de Planeamento Contabilístico, Lda. NP EN ISO 9001: CONCRETOPE - Fábrica de Betão Pronto S.A. NP EN ISO 9001: CRITÉRIO & QUALIDADE, LDA. NP EN ISO 9001: DIMEXA - Distribuição, Importação e Exportação, Lda. NP EN ISO 9001: DISTACANAL - Distribuidor de Gás Canalizado, Lda. NP EN ISO 9001: DUOPINTA - Limpeza, Pinturas e Reparações de Edifícios, Lda. NP EN ISO 9001: EDIÇÕES SEGURANÇA RODOVIÁRIA, LDA. NP EN ISO 9001: EDS - Electrificadora Douro Sul, Lda. NP EN ISO 9001: ELBAI - Montagens Eléctricas de Bairro, Lda. NP EN ISO 9001: ELECTRO-ARCO, S.A. NP EN ISO 9001: ELECTRO-CAMPO, LDA. NP EN ISO 9001: ELECTROMENDANHA - Instalações Eléctricas e Reparações, Lda. NP EN ISO 9001: EMQE - Estruturas Metálicas e Quadros Eléctricos, Lda. NP EN ISO 9001: EQM2 - Elevadores e Serviços, Lda. NP EN ISO 9001: ESFERASAÚDE (AHBUSINESS - SGPS, S.A.) NP EN ISO 9001: 2008

10 ÚLTIMAS EMPRESAS CERTIFICADAS PELA EIC EICNEWS 13 PÁGINA 10 NOME DA EMPRESA NORMA DE REFERÊNCIA 4EUROMEX FACILITY SERVICES, LDA. NP EN ISO 9001: F. MELO - Sociedade de Construções, Lda. NP EN ISO 9001: F2J - Aluminios e Vidros, Lda. NP EN ISO 9001: Fábrica de Tintas Kar, Lda. NP EN ISO 9001: FAMAC - Indústria de Mobiliário, Lda. NP EN ISO 9001: FARMÁCIA ANA BRANCO UNIPESSOAL, LDA. NP EN ISO 9001: FERLIMPA 2 - Limpezas Gerais e Manutenção, Lda. NP EN ISO 9001: FERRINDAL - Indústrias de Alumínio e Ferro, Lda. NP EN ISO 9001: FESTA & FESTA, S.A. NP EN ISO 9001: FINICLASSE Comércio e Gestão Automóvel Intermercados, Lda. NP EN ISO 9001: FINICLASSE Comércio e Gestão de Automóveis, Lda. NP EN ISO 9001: FLOR DA MODA - Confecções, S.A. NP EN ISO 9001: FRULACT - Indústria Agro-alimentar, S.A. NP EN ISO 9001: FVP PORTUGAL Comércio Alimentar e Gestão, Lda. NP EN ISO 9001: G&O Gestão de Obras, Lda. NP EN ISO 9001: GLOBALPETRÓLEOS - Derivados do Petróleo, S.A. NP EN ISO 9001: GRANIPOLY - Comércio de Pedras e Derivados, Lda. NP EN ISO 9001: GRUPO 8 - Vigilância e Prevenção Electrónica, Lda. NP EN ISO 9001: HUBGRADE, S.A. NP EN ISO 9001: IMO Indústrias Metalúrgicas, S.A. NP EN ISO 9001: INPROLAC, LDA. NP EN ISO 9001: JOAQUIM DE SOUSA BRITO, S.A. NP EN ISO 9001: JOAQUIM GAUTIER & FILHOS, LDA. NP EN ISO 9001: JORGE HONÓRIO DA SILVA & FILHO, LDA. NP EN ISO 9001: JOSÉ CARLOS GOMES TEIXEIRA NP EN ISO 9001: JOSÉ MANUEL MONTEIRO & FILHO, LDA. NP EN ISO 9001: JPO - Transportes Internacionais, Lda. NP EN ISO 9001: JPP - Empresa de Construção Civil Peres, Lda. NP EN ISO 9001: JUNTA DE FREGUESIA DE NEVOGILDE NP EN ISO 9001: LEIRIDIESEL- Comércio e Reparação de Veículos Automóveis, S.A. NP EN ISO 9001: LIZAUTO - Sociedade Portuguesa de Comércio e Reparação Automóvel, Lda. NP EN ISO 9001: LOJA DE TINTAS Comércio de Tintas, Lda. NP EN ISO 9001: LUBRIDÃO - Comércio de Combustíveis e Lubrificantes, S.A. NP EN ISO 9001: LUMINAL Fernando da Silva Gonçalves, Lda. NP EN ISO 9001: LUSIS - Equipamentos & Serviços, Lda. NP EN ISO 9001: MANUEL CONCEIÇÃO ANTUNES Construções e Obras Públicas, S.A. NP EN ISO 9001: MARCANDE - Produtos Químicos, Lda. NP EN ISO 9001: MATIAS & PERPÉTUO, CONSTRUÇÕES, LDA. NP EN ISO 9001: MECTOP - Metalomecânica de Precisão, Lda. NP EN ISO 9001: METALTAGUS, LDA. NP EN ISO 9001: MIRATERRAPLANAGENS, LDA. NP EN ISO 9001: MODULAQUADRO Quadros Eléctricos, Lda. NP EN ISO 9001: MODULO - Condutores Eléctricos Especiais, S.A. NP EN ISO 9001: MONTEIRO & IRMÃO, LDA. NP EN ISO 9001: NECKMOLDE Moldes e Acessórios para a Indústria do Vidro de Embalagem, Lda. NP EN ISO 9001: NERGA- NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL NP EN ISO 9001: NEVESCO Escritório Central de Contabilidade, S.A. NP EN ISO 9001: NORASA - Empreendimentos de Jardinagem, Lda. NP EN ISO 9001: NORTEGÁS, LDA. NP EN ISO 9001: NOVA CITACOR - Metalização e Pinturas, Lda. NP EN ISO 9001: P J L PEREIRA - Montagem de Quadros Eléctricos, Lda. NP EN ISO 9001: PARSEC - Sistemas de Informação e Controlo, S.A. NP EN ISO 9001: PAULA TELES UNIPESSOAL, LDA (M.PT) NP EN ISO 9001: 2008

11 ÚLTIMAS EMPRESAS CERTIFICADAS PELA EIC EICNEWS 13 PÁGINA 11 NOME DA EMPRESA NORMA DE REFERÊNCIA 4PAVINORTE - Jorge Silva Costa, S.A. NP EN ISO 9001: PENSAMENTO SUSTENTÁVEL, LDA. NP EN ISO 9001: PERIESGOTO - Desentupimentos, Lda. NP EN ISO 9001: PEVICONTA, Contabilidade e Gestão de Empresas, Lda. NP EN ISO 9001: PORTO OCEANO - Produtos Alimentares, Lda. NP EN ISO 9001: PRISMEIRA - Quadros, Sistemas e Serviços, Lda. NP EN ISO 9001: QUADRIPORTO - Quadros e Equipamentos Eléctricos, Lda. NP EN ISO 9001: QUINTA DAS COVAS - Sociedade Agro-Turística, Lda. NP EN ISO 9001: REMBALCOM - Comércio de Embalagens, S.A. NP EN ISO 9001: RESULTADO GLOBAL - Consultoria e Gestão, Lda. NP EN ISO 9001: REVALOR - Recuperação e Valorização de Resíduos, Lda. NP EN ISO 9001: RH Castilho - Raul Heitor Castilho Herdeiros, Lda. NP EN ISO 9001: RIGORPOWER, LDA. NP EN ISO 9001: RTSmais - Comércio de produtos e Serviços para Indústria, S.A. NP EN ISO 9001: RUI ANTÓNIO ROSA MARTINS BELCHIOR NP EN ISO 9001: SERVIMOLAS - Indústria de Molas Metálicas, Lda. NP EN ISO 9001: SISTELMAR - Sociedade de Construções, Lda. NP EN ISO 9001: SOFRAPA Automóveis, S.A. NP EN ISO 9001: SOMARO, LDA. NP EN ISO 9001: SOMELGÁS Sociedade de Electrodomésticos e Gás, Lda. NP EN ISO 9001: SOPRONORTE VET - Comércio de Produtos Fármaco-Terapêuticos, Lda. NP EN ISO 9001: SOREVCO - Instalação de Aparelhos de Refrigeração e Ar Condicionado, Lda. NP EN ISO 9001: SOVIAUTO 2000 Comércio de Automóveis, Máquinas e Equipamentos, Lda. NP EN ISO 9001: STERICYCLE PORTUGAL, LDA. NP EN ISO 9001: TECNIMOL - Fábrica de Moldes, Lda. NP EN ISO 9001: TECNOMÉDICA - Equipamentos Médicos, Lda. NP EN ISO 9001: TELELUSA Telecomunicações e Informática, Lda. NP EN ISO 9001: TELSHELTER - Construções Modulares e Electrificação, Lda. NP EN ISO 9001: TERRA FÉRTIL- Gestão e Valorização de Resíduos, Lda. NP EN ISO 9001: TJA Transportes J. Amaral, S.A. NP EN ISO 9001: TORRE I.T.M. Indústria Transformadora de Mármores, Lda. NP EN ISO 9001: TRANSFOPOR Transformadores, Lda. NP EN ISO 9001: TRESMILAR - Industria Metalomecânica e Poliésteres, Lda. NP EN ISO 9001: TRIALARMES, LDA. NP EN ISO 9001: UTILMÉDICA - Produtos Médico Hospitalares, Lda. NP EN ISO 9001: UTILZÁS Exportador de Artigos de Jardim e Lar, S.A. NP EN ISO 9001: VALORMED Sociedade Gestora de Resíduos de Embalagens e Medicamentos, Lda. NP EN ISO 9001: VECODOURO - Comércio e Representações de Veículos do Douro, Lda. NP EN ISO 9001: VIA ESPIRAL - Caixilharias, Lda. NP EN ISO 9001: WONDERTIME, LDA. NP EN ISO 9001: XC Consultores, Lda. NP EN ISO 9001: BHB - Sistemas de Controlo e Medida, Lda. NP EN ISO 14001: SANTANA & CA., S.A. NP EN ISO 14001: ACR - Transitários e Transportes, Lda. NP EN ISO 14001: AMBIENTE E JARDIM, S.A. NP EN ISO 14001: AMBIMED - Gestão Ambiental, Lda. NP EN ISO 14001: AMÉRICO MARQUES DUARTE, LDA. NP EN ISO 14001: ARLINDO CORREIA & FILHOS, S.A. NP EN ISO 14001: AZORMED - Gestão Ambiental Açoreana, Lda. NP EN ISO 14001: BELTRÃO COELHO (ALÉM TEJO), LDA. NP EN ISO 14001: EUROMEX FACILITY SERVICES, LDA. NP EN ISO 14001: LIMPERSADO - Limpeza, Máquinas e Transportes, S.A. NP EN ISO 14001: OPERANDUS - Limpeza Profissional, Lda. NP EN ISO 14001: 2004

12 ÚLTIMAS EMPRESAS CERTIFICADAS PELA EIC EICNEWS 13 PÁGINA 12 NOME DA EMPRESA NORMA DE REFERÊNCIA 4REVALOR - Recuperação e Valorização de Resíduos, Lda. NP EN ISO 14001: RODRIGUES & CAMACHO - Construções, S.A. NP EN ISO 14001: SERVILUSA - Gestão e Organização de Espaços Mortuários, Cemitérios, Fornos Crematórios, Artigos e Equipamentos Funerários, Lda. NP EN ISO 14001: VALORMED Sociedade Gestora de Resíduos de Embalagens e Medicamentos, Lda. NP EN ISO 14001: LG EXTINTORES de Luís Manuel Carvalho Gomes NP 4413: PINHEL FOGO UNIPESSOAL LDA. NP 4413: SINALPLANO - Gabinete de Estudos e Projetos de Imagem, Lda. NP 4413: SERVILUSA - Agências Funerárias, S.A. NP 4427: ECBio - Research and Development in Biotecnology, S.A. NP 4457: FREZITE - Ferramentas de Corte, S.A. NP 4457: SERVILUSA - Agências Funerárias, S.A. NP : ROLEAR.ON - Soluções de Engenharia, S.A. NP 4492: PAVINORTE - Jorge Silva Costa, S.A. NP EN 1168: A2: AGREGADOS - Materiais de Construção ARTUR OURO & FILHOS, LDA. NP EN 12620: A1: ALBERTO MARQUES NUNES, LDA. NP EN 12620: A1: ANTÓNIO DA SILVA, LDA. NP EN 12620: A1: AREIATRATA Tratamento e Comércio Areia, Lda. NP EN 12620: A1: BEIRA AREAL - Sociedade de Transformação de Areias, Britas e Derivados, S.A. NP EN 12620: A1: BRITACHAVES, S.A. NP EN 12620: A1: BURGAUSADO Areias e Gravilhas de Santa Margarida do Sado, Lda. NP EN 12620: A1: GRANDAREIA - Extracção e Comercialização de Inertes, Lda. NP EN 12620: A1: GRANITENDER - Granitos e Empreitadas, Lda. NP EN 12620: A1: J. LARA & LARA, LDA. NP EN 12620: A1: JOAQUIM DE SOUSA BRITO, S.A. NP EN 12620: A1: JOSÉ MOREIRA FERNANDES & FILHOS, S.A. NP EN 12620: A1: LUSOFEL Carbonatos & Feldspatos, Lda. NP EN 12620: A1: MANUEL RODRIGUES LAMEIRO, LDA. NP EN 12620: A1: MARMEBRITAS Empresa Transformadora de Pedras Naturais, Lda. NP EN 12620: A1: PEDRAS DESLIZANTES Comércio por Grosso de Materiais de Construção, S.A. NP EN 12620: A1: RESTRADAS Revitalização de Estradas do Norte, Lda. NP EN 12620: A1: RETROMARQUES Construções, Lda. NP EN 12620: A1: SOFIBRITAS, LDA. NP EN 12620: A1: GRANITENDER - Granitos e Empreitadas, Lda. NP EN 13043: JOAQUIM DE SOUSA BRITO, S.A. NP EN 13043: AGREGADOS - Materiais de Construção ARTUR OURO & FILHOS, LDA. NP EN 13043: 2004 e NP EN 13043: 2004/AC: BEIRA AREAL - Sociedade de Transformação de Areias, Britas e Derivados, S.A. NP EN 13043: 2004 e NP EN 13043: 2004/AC: BRITACHAVES, S.A. NP EN 13043: 2004 e NP EN 13043: 2004/AC: BURGAUSADO Areias e Gravilhas de Santa Margarida do Sado, Lda. NP EN 13043: 2004 e NP EN 13043: 2004/AC: GRANDAREIA - Extracção e Comercialização de Inertes, Lda. NP EN 13043: 2004 e NP EN 13043: 2004/AC: JOSÉ MOREIRA FERNANDES & FILHOS, S.A. NP EN 13043: 2004 e NP EN 13043: 2004/AC: LUSOFEL Carbonatos & Feldspatos, Lda. NP EN 13043: 2004 e NP EN 13043: 2004/AC: MANUEL RODRIGUES LAMEIRO, LDA. NP EN 13043: 2004 e NP EN 13043: 2004/AC: MARMEBRITAS Empresa Transformadora de Pedras Naturais, Lda. NP EN 13043: 2004 e NP EN 13043: 2004/AC: RESTRADAS Revitalização de Estradas do Norte, Lda. NP EN 13043: 2004 e NP EN 13043: 2004/AC: SOFIBRITAS, LDA. NP EN 13043: 2004 e NP EN 13043: 2004/AC: AREIATRATA Tratamento e Comércio de Areia, Lda. NP EN 13139: JOAQUIM DE SOUSA BRITO, S.A. NP EN 13139: 2005

13 ÚLTIMAS EMPRESAS CERTIFICADAS PELA EIC EICNEWS 13 PÁGINA 13 NOME DA EMPRESA NORMA DE REFERÊNCIA 4PEDRAS DESLIZANTES Comércio por Grosso de Materiais de Construção, S.A. NP EN 13139: ALBERTO MARQUES NUNES, LDA. NP EN 13139: 2005 e NP EN 13139: 2005/AC: ANTÓNIO DA SILVA, LDA. NP EN 13139: 2005 e NP EN 13139: 2005/AC: AREIPOR Areias Portuguesas, Lda. NP EN 13139: 2005 e NP EN 13139: 2005/AC: BEIRA AREAL - Sociedade de Transformação de Areias, Britas e Derivados, S.A. NP EN 13139: 2005 e NP EN 13139: 2005/AC: BRITACHAVES, S.A. NP EN 13139: 2005 e NP EN 13139: 2005/AC: BURGAUSADO Areias e Gravilhas de Santa Margarida do Sado, Lda. NP EN 13139: 2005 e NP EN 13139: 2005/AC: GRANDAREIA - Extracção e Comercialização de Inertes, Lda. NP EN 13139: 2005 e NP EN 13139: 2005/AC: J. LARA & LARA, LDA. NP EN 13139: 2005 e NP EN 13139: 2005/AC: LUSOFEL Carbonatos & Feldspatos, Lda. NP EN 13139: 2005 e NP EN 13139: 2005/AC: RESTRADAS Revitalização de Estradas do Norte, Lda. NP EN 13139: 2005 e NP EN 13139: 2005/AC: RETROMARQUES Construções, Lda. NP EN 13139: 2005 e NP EN 13139: 2005/AC: AGREGADOS - Materiais de Construção ARTUR OURO & FILHOS, LDA. NP EN 13242: A1: ALBERTO MARQUES NUNES, LDA. NP EN 13242: A1: ANTÓNIO DA SILVA, LDA. NP EN 13242: A1: BEIRA AREAL - Sociedade de Transformação de Areias, Britas e Derivados, S.A. NP EN 13242: A1: BRITACHAVES, S.A. NP EN 13242: A1: BURGAUSADO Areias e Gravilhas de Santa Margarida do Sado, Lda. NP EN 13242: A1: GRANITENDER - Granitos e Empreitadas, Lda. NP EN 13242: A1: J. LARA & LARA, LDA. NP EN 13242: A1: JOSÉ MOREIRA FERNANDES & FILHOS, S.A. NP EN 13242: A1: MANUEL RODRIGUES LAMEIRO, LDA. NP EN 13242: A1: MARMEBRITAS Empresa Transformadora de Pedras Naturais, Lda. NP EN 13242: A1: PEDRAS DESLIZANTES Comércio por Grosso de Materiais de Construção, S.A. NP EN 13242: A1: RESTRADAS Revitalização de Estradas do Norte, Lda. NP EN 13242: A1: RETROMARQUES Construções, Lda. NP EN 13242: A1: SOFIBRITAS, LDA. NP EN 13242: A1: AREIATRATA Tratamento e Comércio de Areia, Lda. NP EN 13242: BRITACHAVES, S.A. NP EN : GRANITENDER - Granitos e Empreitadas, Lda. NP EN : SOFIBRITAS, LDA. NP EN : PAVINORTE - Jorge Silva Costa, S.A. NP EN 13747: A1: PAVINORTE - Jorge Silva Costa, S.A. NP EN : UTILZÁS Exportador de Artigos de Jardim e Lar, S.A. NP EN : 2007; NP EN : BÍSARO Salsicharia Tradicional, Lda. NP EN ISO 22000: CALIMENTA Indústria de Confeitaria e Conserva de Frutas, Lda. NP EN ISO 22000: FRULACT - Indústria Agro-alimentar, S.A. NP EN ISO 22000: FRUSANTOS - Frutos Selecionados, Lda NP EN ISO 22000: ACR - Transitários e Transportes, Lda. OHSAS 18001: 2007/NP 4397: AMÉRICO MARQUES DUARTE, LDA. OHSAS 18001: 2007/NP 4397: ANTERO SANTOS & SANTOS, LDA. OHSAS 18001: 2007/NP 4397: BHB - Sistemas de Controlo e Medida, Lda. OHSAS 18001: 2007/NP 4397: CEC Comunicações e Computadores, S.A. OHSAS 18001: 2007/NP 4397: DUOPINTA - Limpeza, Pinturas e Reparações de Edifícios, Lda. OHSAS 18001: 2007/NP 4397: FERRINDAL - Indústrias de Alumínio e Ferro, Lda. OHSAS 18001: 2007/NP 4397: LIMPERSADO - Limpeza, Máquinas e Transportes, S.A. OHSAS 18001: 2007/NP 4397: NOVA CITACOR - Metalização e Pinturas, Lda. OHSAS 18001: 2007/NP 4397: RODRIGUES & CAMACHO - Construções, S.A. OHSAS 18001: 2007/NP 4397: 2008

14 ÚLTIMAS EMPRESAS CERTIFICADAS PELA EIC EICNEWS 13 PÁGINA 14 NOME DA EMPRESA NORMA DE REFERÊNCIA 4TERRA FÉRTIL- Gestão e Valorização de Resíduos, Lda. OHSAS 18001: 2007/NP 4397: TJA Transportes J. Amaral, S.A. OHSAS 18001: 2007/NP 4397: Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro 4ADIP Associação de Desenvolvimento Integrado de Poiares Respostas Sociais: Creche - Nível C Serviço de Apoio Domiciliário - Nível C 4CENTRO COLOMBO - Centro Comercial S.A. UNE : SERRA SHOPPING Centro Comercial. S.A. UNE : ADIP Associação de Desenvolvimento Integrado de Poiares 4FUNDAÇÃO CEBI (Centro de Emergência Social) 4ADIP Associação de Desenvolvimento Integrado de Poiares Centro de Dia - Nível C Centtro de Acolhimento Temporário - Nível C Creche - Nível C 4ANTÓNIO EMILIO GOMES & FILHOS, LDA. EN : ANTÓNIO DA SILVA, LDA. EN : EN /AC: CAET XXI Construções A.C.E. EN : EN /AC: JOSÉ MOREIRA FERNANDES & FILHOS, S.A. EN : EN /AC: PAVIAZEMÉIS - Pavimentações de Azeméis, Lda. EN : EN /AC: JOAQUIM DE SOUSA BRITO, S.A. EN 13242: A1: ADIP Associação de Desenvolvimento Integrado de Poiares Estruturas Residenciais para Idosos - Nível C 4FRANQUIGER - Gestão de Franquias, S.A. (Loja do Condomínio) ET de 28/07/2003 4WONDERTIME, LDA. (ALMEIDA VIAGENS) ET de 28/07/2003 4WONDERTIME, LDA. (CLICKVIAJA.COM) ET de 28/07/2003 4AMBISIG Ambiente e Sistemas de Informação Geográfica, S.A. ISO/IEC : 2005

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO CATÁLOGO DE SERVIÇOS... um parceiro fiável. INTRODUÇÃO 2 A APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto, é uma associação empresarial sem fins

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Qualidade no Terceiro Sector A Importância da Certificação. 06 de Março de 2010 Hotel Fátima. Orador: Local e Data:

Qualidade no Terceiro Sector A Importância da Certificação. 06 de Março de 2010 Hotel Fátima. Orador: Local e Data: Qualidade no Terceiro Sector A Importância da Certificação 06 de Março de 2010 Hotel Fátima AGENDA I. Enquadramento da actividade da APCER II. III. Modelos de Avaliação da Qualidade das Respostas Sociais

Leia mais

Certificação das Entidades de Acção Social. Soluções e Desafios. rita.porto@apcer.pt Lisboa, 11 de Dezembro. Orador: www.apcer.pt.

Certificação das Entidades de Acção Social. Soluções e Desafios. rita.porto@apcer.pt Lisboa, 11 de Dezembro. Orador: www.apcer.pt. Certificação das Entidades de Acção Social Soluções e Desafios rita.porto@apcer.pt Lisboa, 11 de Dezembro www.apcer.pt AGENDA 0. Apresentação da actividade da APCER 1. Actuais exigências e necessidades

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL 1 Sendo uma IPSS, que: Não tem fins lucrativos; Fornece serviços para melhorar a qualidade de vida dos clientes; Os lucros, se houverem,

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1ª EDIÇÃO Requisitos para Implementar, Elaborar e Gerir SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE LUANDA 21 e 22 de OUTUBRO de 2013 Razões pelas quais a sua presença é obrigatória Compreenda as finalidades dos SGQ

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais

Apresentação. Entidade A/C. Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo. Sr. Presidente

Apresentação. Entidade A/C. Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo. Sr. Presidente Apresentação Entidade A/C Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Sr. Presidente Data 8 de Outubro de 2009 Índice 1. A EQUIWASH 2 I.1. HISTORIAL 2 I.2. CONTACTOS 3 2. EQUIPAMENTOS E PODUTOS 3 II.1. SISTEMAS

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação NATURA-ITP, L.da Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação Elaborado por Revisto por Aprovado por GT - MSGQF - 01 Coordenador pedagógico Director Formação 17 de Julho de 2014 Código do Documento:

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Helena Ferreira (helena.ferreira@apcer.pt) Gestora de Desenvolvimento da APCER I. APRESENTAÇÃO DA APCER www.apcer.pt 1. Quem Somos Início de actividade

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas Começo por cumprimentar os membros deste painel, Professor João Carvalho das Neves,

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA 2 PROGRAMA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA A Mota-Engil Indústria e Inovação e a Caixa Capital celebraram um acordo para a concretização de um Programa, designado Internacionalizar

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais

EDP Solidária Barragens 2010

EDP Solidária Barragens 2010 Menção Honrosa Entidade: LÉRIAS ASSOCIAÇÃO CULTURAL Escola de Música Tradicional a música que nos pertence formar 70 jovens em música tradicional do concelho de Miranda do Douro e divulgar as tradições

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Quem somos Origem, posição actual Actividade iniciada em 1952. O prestígio de meio século de presença no mercado, A Qualidade dos produtos que comercializa

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um CARTA DA QUALIDADE DA HABITAÇÃO COOPERATIVA Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um instrumento de promoção, afirmação e divulgação, junto

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

ORGANOGRAMA DO SISTEMA EDUCATIVO - ANGOLA (reforma educativa - fase de transição. ão) 12ª 11ª 10ª 12ª 11ª 10ª 9ª 8ª 7ª 9ª 8ª 7ª 6ª 5ª 4ª 3ª 2ª 1ª

ORGANOGRAMA DO SISTEMA EDUCATIVO - ANGOLA (reforma educativa - fase de transição. ão) 12ª 11ª 10ª 12ª 11ª 10ª 9ª 8ª 7ª 9ª 8ª 7ª 6ª 5ª 4ª 3ª 2ª 1ª Prosseguimento de estudos 12ª 11ª 10ª 12ª 11ª 10ª 9ª 8ª 7ª 9ª 8ª 7ª 6ª 5ª 4ª 3ª 2ª 1ª 9ª Classe (Transição) Mercado de trabalho Formação Média-Técnica Mercado de trabalho Ensino Ensino Secundário (1º Ciclo)

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade 1 Conceitos da qualidade Introdução aos SGQ (norma ISO 9001:2008) Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa ONG fundada em 1947 em Genebra Actualmente esta organização encontra se em 120 países. promover

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Projecto de Apoio ao

Projecto de Apoio ao Projecto de Apoio ao O Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro presta serviços dedicados a crianças e idosos, promovendo igualmente o apoio ao emprego e o auxílio a famílias carenciadas. O Centro

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VISEU

BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VISEU BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VISEU A NOSSA MISSÃO Lutar contra o desperdício, recuperando excedentes alimentares, para os levar a quem tem carências alimentares, mobilizando pessoas e empresas que

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

ÍNDICE PERFIL MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE VOLUME DE NEGÓCIOS CERTIFICAÇÕES PROJECTOS DE REFERÊNCIA CONTACTOS

ÍNDICE PERFIL MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE VOLUME DE NEGÓCIOS CERTIFICAÇÕES PROJECTOS DE REFERÊNCIA CONTACTOS DOSSIER DE IMPRENSA ÍNDICE 1 PERFIL - A Empresa - Os Colaboradores - Os serviços 2 MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE - A Internacionalização VOLUME DE NEGÓCIOS 4 CERTIFICAÇÕES 5 PROJECTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

Implementar um Sistema de Gestão da Qualidade na Valência de Creche. Helena Correia

Implementar um Sistema de Gestão da Qualidade na Valência de Creche. Helena Correia Implementar um Sistema de Gestão da Qualidade na Valência de Creche Helena Correia Apresentação do Recreio do João O Recreio do João é uma Cooperativa de Solidariedade Social com equiparação a IPSS; Possui

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia?

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia? Entrevista A13 I Experiência no lar Há quanto tempo trabalha no lar? Há 4 anos. 1 Qual é a sua função no lar? Encarregada de Serviços Gerais. Que tarefas desempenha no seu dia-a-dia? O contacto directo

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa CONSULTORIA E ESTUDOS TÉCNICOS DE AMBIENTE E SEGURANÇA, S.A. Apresentação Corporativa Dezembro 2011 Propriedade da Enviprime 12/2011. Proibida a Cópia Sem Autorização Prévia SOBRE A ENVIPRIME, S.A. é uma

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

A PHC atingiu recentemente os 400 clientes Licença Garantida. No mercado há pouco mais de um ano, a modalidade que permite os clientes PHC renovarem a licença do seu software por três anos já representa

Leia mais

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Pág. 1 5 Designação legal da Organização: Municipio do Sátão. Instalações auditadas: Paços do Concelho, na Praça Paulo VI, Oficina e Armazém na Zona Industrial e Obra (Bem ou serviço nº 525) "valetas em

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

EMPRESAS PARTICIPANTES

EMPRESAS PARTICIPANTES EMPRESAS PARTICIPANTES Empresas Participantes Actividade: Queijaria Artesanal Nº de Trabalhadores: 3 Localização da Empresa: Alcains Actividade: Estética Natural Nº de Trabalhadores: 3 Localização da Empresa:

Leia mais

APRESENTAÇÃO ACCENDO

APRESENTAÇÃO ACCENDO APRESENTAÇÃO ACCENDO "A Accendo é uma empresa que funciona com uma rede de parceiros e associados, vocacionada para o desempenho de todas as actividades ligadas à formação profissional essencialmente a

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 2ª EDIÇÃO Requisitos para Implementar, Elaborar e Gerir SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE LUANDA 20 e 21 de OUTUBRO de 2014 Razões pelas quais a sua presença é obrigatória Compreenda as finalidades dos SGQ

Leia mais

A percepção da responsabilidade social em Portugal

A percepção da responsabilidade social em Portugal A percepção da responsabilidade social em Portugal Estudo concebido pela Sair da Casca e realizado pela Multivária entre Julho de 2003 e Janeiro de 2004 _ Índice _ Introdução.............................................................

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL 3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL João de Sá Nogueira Administrador / Director Executivo Fundação Infantil Ronald McDonald joao.sanogueira@pt.mcd.com

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

QUALIDADE NO 3.º SECTOR EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE. 20 de Maio 2008 Qualidade e Qualificação 3º Sector

QUALIDADE NO 3.º SECTOR EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE. 20 de Maio 2008 Qualidade e Qualificação 3º Sector QUALIDADE NO 3.º SECTOR EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 20 de Maio 2008 Qualidade e Qualificação 3º Sector Enquadramento para a Qualidade Estratégia de Desenvolvimento; Diferenciação;

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DO AMBIENTE ISO 14001:2004

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DO AMBIENTE ISO 14001:2004 CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DO AMBIENTE ISO 14001:2004 O curso de Certificação/Qualificação de Auditores Internos é constituído por 2 módulos com avaliação escrita: 1. Interpretação

Leia mais

Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20

Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20 Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20 Não tendo podido estar presente na abertura das actividades

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO CRATO EDITAL

CÂMARA MUNICIPAL DO CRATO EDITAL CÂMARA MUNICIPAL DO CRATO EDITAL João Teresa Ribeiro, Presidente da Câmara Municipal do Crato, em cumprimento do disposto no artigo 91.º da Lei n.º 169/99 de 18 de setembro, torna público que na 27.ª reunião

Leia mais

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis 10ª Semana da Responsabilidade Social Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis Enquadramento geral No mundo de hoje todas as sociedades têm ambições

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA. MOMSteelPor, S.A. www.momsteel.com.pt

01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA. MOMSteelPor, S.A. www.momsteel.com.pt MOMSTEELPOR, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A, (MOMSteelPor) é uma empresa especializada na conceção, desenvolvimento e produção de projetos e estruturas metálicas, sediada

Leia mais