GERENCIAMENTO DA ÁREA DE MANUTENÇÃO DA SAE DE ITUIUTABA (MG)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIAMENTO DA ÁREA DE MANUTENÇÃO DA SAE DE ITUIUTABA (MG)"

Transcrição

1 GERENCIAMENTO DA ÁREA DE MANUTENÇÃO DA SAE DE ITUIUTABA (MG) Autor: LEONARDO BORGES CASTRO Coordenador de Manutenção da Superintendência de Água e Esgotos de Ituiutaba (MG), Engenheiro Civil, graduado pela Universidade Federal de Uberlândia (MG), Especialista em Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólido e Líquido pela Universidade Federal de Goiás (Goiânia / GO), Mestrando em Engenharia Urbana pela Universidade Federal de Uberlândia (MG). Endereço: Av. 17 n.º 2093 Bairro Platina Ituiutaba (MG) Telefones para contato: (34) comercial (34) residencial

2 1. INTRODUÇÃO A área de Manutenção possui enormes responsabilidades para com a disponibilidade de todos os outros processos nos serviços de saneamento. As falhas em equipamentos podem gerar desde altos custos de materiais e mão-de-obra para os consertos até prejuízos por longos períodos de paradas não programadas da produção. A comunidade não admite as perdas em vazamentos de água que perduram por várias horas. Diante disso, na SAE, Superintendência de Água e Esgotos de Ituiutaba, entende-se a Área de Manutenção como um processo crítico, tamanha é a sua importância para o bom andamento dos demais processos da Autarquia e os efeitos de suas atividades na satisfação dos clientes. Essa área é gerenciada pela Coordenação de Manutenção, que é responsável pelos processos de manutenção de equipamentos eletromecânicos, manutenção de redes e ligações de água e esgotos, além da execução de novas ligações e expansões de redes. Os serviços são executados por equipes especializadas, divididas em Redes e Ligações de Água, Redes e Ligações de Esgotos, Equipe de Manutenção Mecânica e Equipe de Manutenção Elétrica. Em 1999, com a certificação ISO 9002 no Processo de Tratamento de Água, vários procedimentos foram implantados na área de manutenção eletromecânica de equipamentos. Contudo, percebeu-se a necessidade de aprimoramento das demais atividades da Área de Manutenção da Autarquia para a melhoria dos serviços prestados à comunidade e para a valorização dos colaboradores da área, por meio do envolvimento de todos nas tomadas de decisões. Assim, novos procedimentos e metodologias de trabalho foram adotados, iniciando-se no ano de 2001, tendo como ponto de partida a implantação dos critérios do Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Segundo Mirshawka (1991), a falta de qualidade na manutenção ocasiona o crescimento dos desperdícios e, conseqüentemente, prejudica ou até elimina a capacidade de gerar lucros de uma unidade. Os aumentos do custo de produção provocados direta ou indiretamente pela manutenção resultam em custos do produto maiores do que os preços de venda aceitos pelo mercado. Para os serviços de

3 saneamento, os aumentos dos custos de produção, as perdas e a insatisfação da comunidade vão aos poucos minando a sustentabilidade da empresa, que quase sempre devem sobreviver com os recursos exclusivos de tarifas de água e esgotos. Vale observar que os serviços públicos de saneamento têm a responsabilidade de gerenciar os seus recursos e prestar excelentes serviços com a responsabilidade de manter e desenvolver um patrimônio que é de toda a comunidade. Ainda de acordo com Mirshawka (1991), a qualidade não acontece, ela é construída com a responsabilidade e o empenho de todos. É comum no Setor de Saneamento no país existirem equipes de Gerentes com excelentes formações técnicas e alto grau de capacitação, enquanto o restante da equipe fica alheia às tomadas de decisões e aos programas de capacitação e de desenvolvimento. Quem faz a qualidade são todos os colaboradores, desde o ajudante que cava valetas nas ruas, até os componentes da Alta Administração. Logo, todos os colaboradores devem ser capacitados para as tarefas que exercem e ser envolvidos nas discussões para a melhoria dos processos. 2. OBJETIVO O objetivo deste trabalho é analisar as metodologias e as ferramentas de gerenciamento e desenvolvimento da área de Manutenção, implantadas na Superintendência de Água e Esgotos de Ituiutaba. Também são analisadas e descritas atividades desenvolvidas que buscam manter a disponibilidade dos demais processos da Autarquia, em especial os de operação dos Sistemas de Abastecimento de Água e Coleta e Tratamento de Esgotos. As novas práticas adotadas também visam a satisfação dos clientes, que são cada dia mais exigentes quanto à qualidade dos serviços prestados, além da melhoria da satisfação dos colaboradores da área em relação às tarefas que executam. 3. METODOLOGIAS APLICADAS

4 A área de Manutenção atende aos clientes externos a comunidade, e internos - demais áreas da Autarquia. Logo, as atividades devem ser executadas de maneira correta, com segurança e cumprimento dos prazos, buscando a satisfação das necessidades de todos. E para os trabalhos de gerenciamento e desenvolvimento das atividades da área, a SAE utiliza metodologias e ferramentas simples, com pequena utilização de tecnologias e grande envolvimento dos colaboradores da área. A Coordenação de Manutenção se aproximou das equipes operacionais, melhorando a comunicação. Assim as experiências de problemas e dificuldades que surgem, bem como soluções e informações importantes, são discutidas mais rapidamente com as equipes, visando o desenvolvimento das atividades em um clima de trabalho prazeroso. 3.1 Gerenciamento e desenvolvimento das atividades da manutenção Padronização das atividades da manutenção A busca da melhoria da qualidade dos serviços prestados pelas equipes de Manutenção deve passar pela padronização dos processos. Para Campos (1999), o padrão é o instrumento que indica a meta e os procedimentos para a execução das tarefas, de tal maneira que cada um tenha condições de assumir a responsabilidade pelos resultados do seu trabalho. A correta execução dos serviços requer procedimentos comuns a toda equipe e neste sentido, as atividades de manutenção vem sendo padronizadas por meio da elaboração de Instruções de Trabalho escritas e em vídeo. Essas instruções são elaboradas em conjunto com os colaboradores das áreas e são revisadas de acordo com a evolução dos processos, contando novamente com a participação de todos que atuam nos mesmos. As Instruções de Trabalho descrevem todos os passos das atividades, bem como as ferramentas, materiais e equipamentos de proteção individual necessários para a sua execução.

5 As Instruções de Trabalho em forma de vídeo foram criadas a partir da percepção dos colaboradores em adequar essa ferramenta às atividades da manutenção de redes e ligações de água e esgotos. Em função dos serviços executados nessa área terem características dinâmicas, esta nova metodologia facilita sua descrição e entendimento. As filmagens e edição das fitas foram executadas pelos próprios colaboradores da Autarquia. As equipes são treinadas com a filmagem e estes filmes ficam disponíveis na sala de treinamento. Antes de serem colocadas em prática, as Instruções de Trabalho são verificadas por todos os Colaboradores que estão envolvidos no referido processo e aplicado o treinamento no local de trabalho. Todos os Colaboradores novos são treinados e a cada modificação dos processos, as pessoas envolvidas participam da revisão e do treinamento Gerenciamento da execução dos serviços Central de Controle da Manutenção Além da manutenção de redes e ligações, a Área de Manutenção da SAE é também responsável pelos serviços de expansão, compreendendo a execução de novas ligações de água e esgotos e pequenas extensões de redes, além de serviços de mudança de padrão. Foi estabelecido um prazo para a execução desses serviços, que sempre é informado aos clientes no momento da sua solicitação. Os serviços executados pelas equipes são gerenciados na Central de Controle da Manutenção, que atua em conjunto com a Central de Controle da Operação e Coordenação Comercial. Na central, são recebidas e emitidas as Ordens de Serviço (OS) para serem distribuídas às equipes. Todas as solicitações dos clientes externos e internos, sejam de serviços comerciais, como novas ligações e mudanças de padrão, sejam de manutenção, como consertos de vazamentos, desentupimentos e conserto de equipamentos, geram Ordens de Serviço. Ao receberem as solicitações dos clientes externos, os atendentes que emitem as OS s, procuram obter o maior número possível de informações para que os serviços sejam executados da melhor maneira possível

6 para o solicitante. Para os serviços comerciais, caso o cliente deseje maiores orientações, um colaborador da área de Manutenção vai com antecedência até o local onde será executado o serviço para tirar dúvidas e prestar esclarecimentos. Para o atendimento dos serviços de manutenção de redes e ligações de água e esgoto, solicitados pelos clientes por meio de ligação gratuita para a Central de Atendimento, foram criadas escalas de trabalho com as equipes de água e esgotos. Desta forma, A SAE atende a essas solicitações 24 horas por dia. As OS s sempre acompanham as equipes de campo durante a execução dos serviços para que todas as informações relativas ao mesmo sejam registradas. São anotadas as datas e horários de execução dos serviços, as peças utilizadas, a necessidade de execução de outros serviços em seguida como recomposição de pavimentos e limpeza, a equipe executora e informações para alimentação e/ou atualização do cadastro de redes e ligações. Ao término do período de trabalho, as OS s são dispostas em local apropriado na Central de Controle para que sejam dadas as baixas, novas OS s sejam emitidas se necessário, e posteriormente arquivadas. São verificados se todos os serviços solicitados foram executados e se há necessidade de serviços complementares para o perfeito atendimento às solicitações. Os dados relativos aos tempos de atendimento aos serviços de manutenção, às novas ligações de água e esgoto e às mudanças de padrão alimentam o banco de dados da Central de Controle e posteriormente são compilados em gráficos de indicadores de desempenho para o acompanhamento do cumprimento dos prazos estabelecidos com os clientes. Como ainda não há redes de comunicação de dados entre as áreas de Manutenção e Comercial, que faz o atendimento aos clientes por meio do atendimento personalizado e telefônico, não há softwares que façam a interligação das duas áreas. Assim, o banco de dados dos serviços executados pela Manutenção foi desenvolvido em uma planilha eletrônica de maneira simples, porém de grande eficiência, pois as informações acerca dos serviços não são perdidas e podem ser rapidamente acessadas.

7 O prazo de atendimento é rigidamente controlado pelos responsáveis pela programação dos serviços. Caso algum serviço não puder ser executado dentro do prazo estabelecido, a Central de Controle informa o cliente, via telefone e com antecedência, o dia em que o serviço será executado. Além destas atividades, a Central de Controle da Manutenção executa a pesquisa de pós-atendimento aos serviços de manutenção. Esta pesquisa foi implantada inicialmente pela Coordenação Comercial para avaliar a satisfação dos clientes após o atendimento às solicitações de serviços comerciais, como novas ligações, solicitações de informações, negociações de débitos entre outros. São avaliados na pesquisa a qualidade dos serviços e do atendimento das equipes que os executaram, além do prazo de atendimento A importância do espaço físico na melhoria da comunicação entre as equipes. A comunicação entre as equipes de campo, as supervisões e a coordenação é de fundamental importância para o desenvolvimento das atividades da área. A SAE desenvolve atividades para proporcionar aos colaboradores oportunidades de expressar suas opiniões e transmitir informações e experiências. O espaço físico do ambiente de trabalho deve favorecer e facilitar a comunicação entre todos. Para isso, foram implantadas pequenas, mas importantes mudanças na distribuição das salas da coordenação e supervisões da área de Manutenção. A primeira mudança ocorrida foi aproximar a Coordenação das supervisões das equipes de campo, compreendendo as supervisões de Redes e Ligações de água, Redes e Ligações de esgoto e de Frota e Equipamentos. Os supervisores destas áreas são responsáveis pela programação dos serviços e a distribuição das equipes de campo. Na Área Técnica, um edifício de dois pavimentos, a gerência situava-se no andar superior e foi transferida para o andar térreo, aproximando-se fisicamente das equipes de campo. Nesta ocasião, a Coordenação de Operação, responsável por toda a operação dos sistemas de abastecimento de água e coleta e tratamento de esgotos, uniu-se em uma mesma sala com a Coordenação de Manutenção. Desta forma, ao surgirem problemas detectados pela Operação, rapidamente os

8 coordenadores discutem as possíveis causas e propõem soluções e, caso o problema possa afetar clientes externos, o Atendimento a Clientes é imediatamente comunicado. Outra importante alteração de espaço físico foi a união entre as supervisões de Redes e Ligações de Água e Esgotos, anteriormente separadas em salas diferentes. Estas supervisões, que possuem equipes de encanadores e ajudantes separadas, devem trabalhar mais em conjunto para melhorar a troca de informações e a logística da distribuição dos serviços. Além disso, entre as salas das Supervisões e das Coordenações de Manutenção e Operação, paredes de alvenaria foram substituídas por vidro, proporcionando também comunicação visual entre colaboradores Gestão participativa para a melhoria de processos e satisfação dos clientes. Buscar a excelência no atendimento à comunidade é um dos princípios da SAE. As equipes da Área de Manutenção participam diretamente desta busca, pois estão constantemente em contato com pessoas da comunidade em situações das mais variadas possíveis, lidando com diferentes humores e personalidades. E é durante a execução dos serviços que surgem idéias para otimizá-los, torná-los mais ágeis e proporcionar segurança e comodidade às pessoas. Para proporcionar a troca de informações entre todas as equipes, a Coordenação de Manutenção realiza periodicamente reuniões com os colaboradores da área, além de buscar também a participação das áreas de Operação e Comercial. Estas reuniões também acontecem sempre que surgem dúvidas ou problemas na execução dos serviços e precisam ser solucionados em equipe. As decisões são tomadas com base na Missão e nos Princípios da SAE, que são discutidos nestas reuniões para o entendimento de todos e para que as ações caminhem em direção à Visão da Autarquia. O acompanhamento dos indicadores de desempenho é feito mensalmente e, segundo o modelo de Gestão à Vista, os gráficos ficam expostos na área para que

9 todos saibam os resultados alcançados. Para a melhoria dos resultados, todos os integrantes das equipes encanadores, ajudantes, motoristas e supervisores, participam da busca por soluções para o aperfeiçoamento dos trabalhos e a conseqüente melhoria da satisfação dos clientes. O ataque às causas dos principais problemas de manutenção de redes e ligações de água e esgoto é feito utilizando ferramentas como espinhas de peixe para a elaboração de planos de ação no modelo do 5W2H, seguindo a metodologia estabelecia por Campos (1999). A partir da identificação do problema, o grupo é questionado sobre as possíveis causas do mesmo e, em seguida, são elaboradas as ações para corrigi-las. Outras formas de identificação de pontos de melhoria são as pesquisas de satisfação dos clientes após o atendimento de suas demandas, que são as pesquisas de pós-atendimento das Áreas Comercial e Manutenção. Para a realização destas pesquisas, é retirado por amostragem um determinado número de Ordens de Serviço de todos os tipos de atendimento prestado aos clientes, seja através do atendimento personalizado (pedidos de novas ligações, aferição de hidrômetros, negociação de débitos, entre outros), seja por telefone (solicitações de serviços de manutenção). Também são realizadas pesquisas com a comunidade em eventos públicos para a avaliação da percepção dos clientes quanto aos produtos e serviços prestados pela SAE. Os resultados das pesquisas juntamente com os comentários dos clientes são repassados à Manutenção para a avaliação das observações coletadas. São verificados em equipe os pontos negativos citados pelos clientes para que os problemas não ocorram outras vezes. As ações corretivas com as considerações da Área de Manutenção são registradas em relatórios que ficam anexados aos resultados das pesquisas. 3.2 A disponibilidade de operação do Sistema de Abastecimento de Água e Coleta e Tratamento de Esgotos

10 3.2.1 Manutenção preventiva de equipamentos A área de Manutenção é responsável pelo bom funcionamento de equipamentos eletromecânicos de todos os processos dos sistemas de abastecimento de água e coleta e tratamento de esgotos. E para isso, é necessário que haja um número mínimo de paradas não programadas de equipamentos, ou seja, a quantidade de manutenções corretivas não programadas deve tender a zero. Segundo Mirshawka (1991), para que haja qualidade nos serviços de manutenção de equipamentos, deve-se ter rotinas de manutenção corretas e completas, documentação do equipamento correta e adequada e informações de catálogos e dados históricos. Na SAE, foi sistematizada a manutenção preventiva dos equipamentos eletromecânicos da Autarquia, que é baseada em inspeções visuais, verificações e análise de anomalias. Também são executadas limpezas, lubrificações e reapertos para manter os equipamentos como no seu estado original. Logo, executam-se intervenções nos equipamentos somente quando há necessidade real e não de acordo com a vida útil de peças estabelecida por fabricantes. Assim, os custos com materiais e mão-de-obra são reduzidos. Foram estabelecidos os tipos de inspeções a executar nos equipamentos e as suas periodicidades, elaborando assim um Cronograma Anual de Manutenção. Esse cronograma é revisado sempre que um novo equipamento é inserido ou algum procedimento é alterado. Mensalmente, as equipes elaboram um Relatório de Manutenção, de acordo com o cronograma anual. Nesse relatório estão descritas também outras atividades ou intervenções executadas e observações importantes que ocorreram durante o mês para o registro da informação e para que ações sejam programadas, caso necessário. Todos os equipamentos possuem fichas de cadastro e identificação. As informações relativas aos equipamentos, como fabricante, número de série e demais características são descritas nessas fichas, bem como todas as intervenções realizadas e o acompanhamento do cronograma de manutenção. Portanto, tem-se histórico dos mesmos. Essas fichas ficam dispostas no mesmo local do equipamento e qualquer informação pode ser rapidamente acessada.

11 As inspeções são feitas pelas equipes, que verificam barulhos anormais, vibrações excessivas, temperaturas elevadas, quedas de vazão das bombas, variações de amperagem, etc, de acordo com o Cronograma de Manutenção. As rotinas de manutenção preventiva de equipamentos elétricos e mecânicos implantadas visam a garantia do bom funcionamento dos mesmos, evitando as paradas não programadas para intervenções corretivas. De acordo com Mirshawka (1991), o papel dos operadores dos equipamentos nos procedimentos de manutenção é muito importante, visto que são eles que passam mais tempo com as máquinas. Portanto, os operadores devem ser envolvidos na identificação de condições anormais para prevenir a deterioração dos equipamentos. Segundo Campos (1999), os operadores devem relatar as anomalias, tanto boas como as ruins, para que as causas sejam localizadas e as ações corretivas possam ser tomadas. Uma anomalia é uma não-conformidade. É tudo que for "diferente" do usual ou anormal. Pode ser um problema com o produto, um ponto fora dos limites no gráfico, um barulho estranho no equipamento, uma rugosidade não usual num componente, uma reclamação do cliente, etc. Ainda de acordo com Campos (1999), é necessário ensinar aos operadores a importância do relato de anomalias, utilizando-se os 5 sentidos. Foi elaborado então um programa com as equipes de Manutenção e Operação e todos os operadores foram treinados para executarem as verificações e inspeções nos equipamentos. Com esse treinamento, os operadores poderão identificar anomalias e informá-las às equipes de manutenção mais rapidamente, pois quanto mais cedo forem identificados e corrigidos os problemas, menores serão os custos com as intervenções Manutenção preventiva de redes e ramais de água A perda de água na distribuição é um dos maiores problemas enfrentados pelos serviços de saneamento. Com o envelhecimento das redes e ramais ao longo dos anos, as tubulações mais antigas, principalmente as de ferro fundido e galvanizadas, rompem-se pela deterioração dos materiais com os quais são fabricados. Em muitos

12 casos, a água perdida nesses vazamentos é escoada pelas redes de esgoto ou pelas redes de água pluvial, impossibilitando que o problema seja visivelmente detectado. Além dos custos financeiro e ambiental, a perda de água na distribuição gera sérios problemas para a operação do sistema de abastecimento de água. Quando o problema torna-se crítico em um determinado setor, a pressão de água nas redes cai para níveis abaixo do estabelecido pelas normas e legislações, levando à insatisfação os clientes que se situam nesse setor por não receberem água na pressão adequada para a sua utilização. Para combater essas perdas, a SAE utiliza procedimentos simples e eficazes com auxílio do geofone, equipamento para a localização de vazamentos ocultos. Inicialmente, foi estabelecido um plano de manutenção preventiva em ramais de água para a verificação de possíveis vazamentos. As equipes de geofonia e do sistema de água selecionam as áreas na cidade onde existem as redes e ramais mais antigos. Além disso, a Coordenação de Operação, que possui informações diárias da pressão e qualidade da água na distribuição coletadas em pontos de controle de qualidade (PCQ s), também informa possíveis problemas que estejam ocorrendo em determinados setores. Para a execução dos trabalhos, a equipe de cadastro de projetos e redes fornece os croquis das quadras, com a localização dos ramais e legendas para o registro das ocorrências encontradas. Todos os clientes situados nas áreas de atuação são informados via correspondência dos serviços a serem realizados, visto que a equipe freqüentemente adentra o interior de alguns domicílios para acessar o padrão. No ano de 2001, no período inicial de dois meses, foram vistoriados cerca de 350 ramais de água, representando cerca de 1,30% do total de ligações. Os vazamentos em ramais que são encontrados, bem como problemas em hidrômetros e vazamentos no padrão são anotados e repassados à equipe de manutenção de redes e ligações de água para efetuarem os reparos. Os clientes onde o padrão está muito velho e sem condições de uso estão sendo contatados para que autorizem a troca do mesmo para evitar problemas futuros. Esse contato pró-ativo é de grande

13 sucesso, pois problemas são identificados antes mesmo que tivessem sido detectados pelos clientes. Durante os meses mais secos do ano, são realizados os trabalhos de prospecção de vazamentos em redes e ramais por meio da vistoria das redes de esgoto. Este trabalho é realizado durante a madrugada, quando a vazão de esgotos é menor. Estas vistorias são feitas por meio dos poços de vista (PV) das redes de esgoto para localizar os vazamentos de água que escoam através dessas redes e iniciam-se em PV s próximos aos interceptores de esgoto, nos fundos de vales. Detectada a presença de água mais limpa no primeiro PV, segue-se rede acima até que, quando de um PV para o outro não se vê aquela água, é sinal que o vazamento encontra-se naquela quadra. A partir desta informação, é feita a vistoria da rede e dos ramais de água da quadra com o geofone, que localiza o ponto exato onde há o vazamento. Este ponto é sinalizado para que a equipe de manutenção conserte a tubulação no dia seguinte. 4. CONCLUSÕES O compromisso da SAE é a buscar o aperfeiçoamento contínuo, a prosperidade e a excelência no atendimento à coletividade, para que a Visão de consolidar-se, até o ano 2005, como Autarquia Municipal, envolvendo a coletividade no compromisso de estar A Serviço da Vida seja atingido. O gerenciamento da Área de Manutenção e as atividades desenvolvidas e implantadas juntamente com as equipes estão sempre alinhadas com os Princípios da Autarquia. A medição e o acompanhamento dos tempos de atendimentos às solicitações proporcionou a melhoria do atendimento às demandas dos clientes. Os prazos estabelecidos passaram a ser cumpridos de forma sistemática e, quando necessário, são remarcados e comunicados com antecedência aos solicitantes. Além disso, o controle da execução dos serviços e das OS s pela Central de Controle da Manutenção proporcionou agilidade nas respostas às dúvidas que podem surgir após o término dos mesmos.

14 A padronização das atividades em conjunto com as pessoas que executam as tarefas e o envolvimento das equipes na busca por soluções de problemas e por melhorias no trabalho têm sido de grande importância para que os colaboradores se sintam como parte integrante de uma verdadeira equipe. As discussões têm foco na busca pela excelência no atendimento à comunidade e no desenvolvimento da Autarquia. Com a sistematização dos procedimentos de manutenção preventiva de equipamentos, o número de manutenções corretivas é mínimo, sendo que nenhuma delas acontece nos equipamentos mais importantes. A manutenção preventiva de redes e ramais de água tem atingido resultados bastante significativos para a operação do sistema de distribuição, reduzindo perdas e proporcionando a disponibilidade de água em quantidade, qualidade e pressão adequadas para os clientes. Portanto, os grandes resultados atingidos são a melhoria da satisfação dos clientes, verificada mensalmente por meio das pesquisas de pós atendimento, a melhoria do clima de trabalho, conquistada com uma melhor comunicação e proximidade entre as equipes, a redução das perdas de água na distribuição e a manutenção da disponibilidade dos processos da Autarquia. Os colaboradores tornaram-se responsáveis pelo cumprimento das ações propostas, percebem a importância do trabalho de cada um e formam um time verdadeiro, unidos pelo Lema da SAE: Um por todos, todos por um. Nós a Serviço da Vida!. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. MIRSHAWKA, V. (1991). Manutenção preditiva: caminho para zero defeitos. São Paulo, Editora Makron, McGraw-Hill. CAMPOS, V. F. (1998). Gerenciamento da rotina do trabalho do dia-a-dia. Belo Horizonte, Editora de Desenvolvimento Gerencial.

15 O salto qualitativo do estágio atual para o futuro só é possível preparando as pessoas, educando-as, treinando-as, desenvolvendo-as, enfim, investindo em quem, de fato, vai fazer essa transformação. Victor Mirshawka

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

Paraná - Rio Grande do Sul

Paraná - Rio Grande do Sul COMPROMETIMENTO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE Paraná - Rio Grande do Sul Missão Oferecer as melhores soluções em serviços e produtos, visando se adequar aos altos padrões de satisfação de nossos clientes e parceiros

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Modelo inovador na operação do sistema de distribuição de água utilizando Distritos de Manobra Outubro-2013 Organograma da OC

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG Newton Morais e Silva (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Computer Studies pela Essex University

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!!

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! Revisão 06 de 08/02/2011 CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ A Cartilha do Sistema de Gestão da

Leia mais

Evolução do Sistema de Cadastramento de Redes e Ramais Visando a Redução de Custos Operacionais da SAE de Ituiutaba

Evolução do Sistema de Cadastramento de Redes e Ramais Visando a Redução de Custos Operacionais da SAE de Ituiutaba Evolução do Sistema de Cadastramento de Redes e Ramais Visando a Redução de Custos Operacionais da SAE de Ituiutaba Autores: Ezriel da Silveira Barros Cardoso Cargo atual: Engenheiro Formação: Engenharia

Leia mais

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água Trabalho Definitivo Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados Tema: Abastecimento de Água Autores: Cristina Helena Fukuda, Emy Kikuchi, Cristiane Costrov da Silva, Ivanir Joaquim

Leia mais

Introdução à Manutenção O QUE VOCÊ ENTENDE POR MANUTENÇÃO?

Introdução à Manutenção O QUE VOCÊ ENTENDE POR MANUTENÇÃO? MANUTENÇÃO Introdução à Manutenção O QUE VOCÊ ENTENDE POR MANUTENÇÃO? Conceito de Manutenção segundo o dicionário Michaelis UOL 1. Ato ou efeito de manter (-se). 2. Sustento. 3. Dispêndio com a conservação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Categoria IGS - Inovação da Gestão em Saneamento Monitoramento à Distância de Pontos Críticos de Abastecimento de Água e de VRP s com a utilização da estrutura

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção Palestrante: Eng. José Wagner Braidotti Junior - Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup. INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16 Telemarketing Ativo Origem: Diretoria Superintendência Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Mato Grosso Instrução Normativa: 14.16/08-01 Revisão nº 0102

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica TÍTULO: PLANO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA PARA REDES DE ÁGUA E ESGOTO NUMA CIDADE DE 01 MILHÃO DE HABITANTES. TEMA: Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento. Nome dos Autores: 1 - Engº Marco Antonio

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Patricia Viero Minussi Aes Sul Distribuidora Gaúcha de Energia patricia.minussi@aes.com

Leia mais

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP)

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) Lançado em Junho 2013 Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) A Falha não é uma Opção Quem não conhece a história corre o risco de repetí-la JWB Engenharia e Consultoria S/C Ltda JWB Engenharia Empresa nacional

Leia mais

TPM Planejamento, organização, administração

TPM Planejamento, organização, administração TPM Planejamento, organização, administração A UU L AL A Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam desperdícios, retrabalhos, perda de tempo

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

TOTAL QUALITY CONTROLE MAIS ISO 9001:2000: A APLICAÇÃO DE SEUS FUNDAMENTOS NO DMAE DE UBERLÂNDIA

TOTAL QUALITY CONTROLE MAIS ISO 9001:2000: A APLICAÇÃO DE SEUS FUNDAMENTOS NO DMAE DE UBERLÂNDIA 1 TOTAL QUALITY CONTROLE MAIS ISO 9001:2000: A APLICAÇÃO DE SEUS FUNDAMENTOS NO DMAE DE UBERLÂNDIA TEMA V Mário Augusto Bággio Rua Fioravante Dalla Stella, 66 conjunto 223/18. Tel. /Fax (0**41) 3264 1154

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes 1 PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Conselho de Clientes Setembro 2012 ORGANOGRAMA 2 PRESIDÊNCIA ASSESSORIAS 1 2 3 4 5 ORGANIZAÇAO

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados.

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados. Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA Reduza suas perdas e melhore seus resultados. INSTITUCIONAL A Consustec é uma empresa com menos de um ano de mercado, com espírito jovem e um time extremamente

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015 DISPÕE SOBRE AS ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DA FROTA DE VEÍCULOS E NOS EQUIPAMENTOS PESADOS,

Leia mais

Unindo Forças em busca da excelência PAULA MORETTI

Unindo Forças em busca da excelência PAULA MORETTI Unindo Forças em busca da excelência PAULA MORETTI CONCEITO Unificação da setorização comercial e a manutenção operacional, se consistindo em uma estrutura operacional composta por equipes multifuncionais,

Leia mais

ThyssenKrupp Elevadores

ThyssenKrupp Elevadores ThyssenKrupp Elevadores ,, Temos à sua disposição uma rede de delegações que nos permite estar próximos dos nossos clientes. Todos os nossos colaboradores são formados e estão empenhados em fornecer um

Leia mais

COPASA Águas Minerais de Minas S/A

COPASA Águas Minerais de Minas S/A ANEXO I EDITAL 001/2009 CÓDIGOS/DETALHES DE ESPECIALIDADE DO CARGO DE AGENTE INDUSTRIAL Código: 01 Detalhe de Especialidade: Ajudante de Serviços Faixa Salarial: 1 Salário Base (R$): 465,00 Requisitos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos INTRODUÇÃO A importância da manutenção em máquinas e equipamentos A manutenção de máquinas e equipamentos é importante para garantir a confiabilidade e segurança dos equipamentos, melhorar a qualidade

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Engenheiro Mecânico Leandro Botega de Sousa leandro.botega@ig.com.br 33071613 / 81761612 21:50:00 1 FLUXO - GESTÃO

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

TPM. Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maintenance

TPM. Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maintenance TPM Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maintenance ORIGEM DA TPM Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam: Desperdícios; Retrabalhos;

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Versão: 2 Pág: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 02/09/2010 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

Inovação na gestão do processo de manutenção com foco na satisfação do cliente

Inovação na gestão do processo de manutenção com foco na satisfação do cliente Inovação na gestão do processo de manutenção com foco na satisfação do cliente Presidência Diretoria Superintendência Pólo de Comunicação Departamento Administrativo Departamento de Engenharia e Operação

Leia mais

LIMPEZA PREDIAL LIMPEZA HOSPITALAR

LIMPEZA PREDIAL LIMPEZA HOSPITALAR A GUIMA CONSECO, fundada em 1988, tem no Controle de Qualidade a ferramenta que antecipa tendências e orienta seus procedimentos, na direção das expectativas e anseios de seus clientes, tornando-se assim

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1)

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) Wilson Roberto Nassar (2) Siméia Mendes do Amparo Dias (3) RESUMO A eliminação das lacunas na gestão da manutenção, com base na metodologia TPM, possibilita

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO MANUAL DE FUNÇÕES

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO MANUAL DE FUNÇÕES SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO MANUAL DE FUNÇÕES Responsável: Marco Antônio Ferreira Cópia Controlada - Revisão 16 de 11/02/2011 e Aprovado INTRODUÇÃO

Leia mais

4.1 A Parte que recebeu a notificação de anormalidade deverá encaminhá-la imediatamente a um órgão responsável, para resolver a anormalidade.

4.1 A Parte que recebeu a notificação de anormalidade deverá encaminhá-la imediatamente a um órgão responsável, para resolver a anormalidade. ANEXO 8: GERENCIAMENTO DE ANORMALIDADES DA REDE 1 As Partes reconhecem que é de seu mútuo interesse estabelecer um processo eficiente e efetivo para comunicar e resolver as anormalidades de rede que repercutam

Leia mais

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk E-mail para contato: supervisao@tse.gov.br Nome trabalho/projeto: Suporte em TI baseado em sistema de gestão da qualidade

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA A MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA COMO UM INSTRUMENTO PARA A DETECÇÃO DE PERDAS Empresa Baiana de Águas e Saneamento S. A. Diretoria Financeira e Comercial - DF O QUE É A MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA? Solução que visa

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

Controle Operacional à Distância Ferramenta Operacional

Controle Operacional à Distância Ferramenta Operacional Controle Operacional à Distância Ferramenta Operacional MÁRCIO MARTINEZ KUTSCHER mkutscher@comusa.com.br Responsável pela automação e manutenção de sistemas eletromecânicos. Eng Eletricista formado pela

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS. Categoria IGS - Inovação da Gestão em Saneamento ENTENDER PARA ATENDER

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS. Categoria IGS - Inovação da Gestão em Saneamento ENTENDER PARA ATENDER Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Categoria IGS - Inovação da Gestão em Saneamento ENTENDER PARA ATENDER Setembro/2012 PNQS 2012 - Inovação da Gestão em Saneamento IGS PNQS 2012 - IGS Página

Leia mais

Diretoria Técnica Gerência de Controle de Perdas e Sistemas

Diretoria Técnica Gerência de Controle de Perdas e Sistemas Título: Gestão da Pesquisa de vazamentos não visíveis AUTORES: Claudio Luiz Tiozzi Rubio Cargo Atual: Coordenador Macromedição e Pesquisas Formação: Engenharia Mecânica Área de Atuação: Controle de Perdas,

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

Manutenção preventiva

Manutenção preventiva A UU L AL A Manutenção preventiva Consideremos o motor de um automóvel. De tempos em tempos o usuário deverá trocar o óleo do cárter. Não realizando essa operação periódica, estaria correndo o risco de

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE E ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE E ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 06 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE E ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE EM INSTALAÇÕES

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações Plano de Manutenção e Conservação de Edificações PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União das Faculdades de Alta Floresta, mantenedora da Faculdade

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Da gestão da qualidade à excelência em gestão Gestão Operação Ao longo dos anos 90, as experiências

Leia mais

Medidas de Combate às Perdas de Água

Medidas de Combate às Perdas de Água Medidas de Combate às Perdas de Água 2 As perdas de água em sistemas de abastecimento podem ser classificadas em físicas e não físicas. A classificação pelo tipo de perda facilita a identificação da medida

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA.

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. Luís Augusto Piffer 1 José Henrique Coelho Wanderley Costa 2 RESUMO Após 10 anos

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

rimetal casa de vácuo Manual do Usuário Máquinas para Baterias

rimetal casa de vácuo Manual do Usuário Máquinas para Baterias casa de vácuo Manual do Usuário ÍNDICE INTRODUÇÃO Apresentação Dados Técnicos Cuidados Segurança Limpeza 2 3 4 5 6 MANUTENÇÃO Instruções Manutenção Preventiva INSTALAÇÃO 8 9 10 GARANTIA Garantia 12 Contato

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS ORGANOGRAMA A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática de gestão implementada? Desde 1999, a OC utiliza o Modelo de Excelência

Leia mais