Geografia. Ensino & Pesquisa, v. 12, p , 2008 Santa Maria: UFSM.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geografia. Ensino & Pesquisa, v. 12, p. 972-985, 2008 Santa Maria: UFSM."

Transcrição

1 Geografia. Ensino & Pesquisa, v. 12, p , 2008 Santa Maria: UFSM. A DELIMITAÇÃO DE UNIDADES DE PAISAGEM COMO SUBSÍDIO AO ZONEAMENTO URBANO: ESTUDOS DE CASO DO BAIRRO BOQUEIRÃO - CURITIBA/PR E DO DISTRITO DE SANTA CECÍLIA - SÃO PAULO/SP SIMONE VALASKI Mestre Geografia UFPR JOÃO CARLOS NUCCI Profº Drº Depto. Geografia UFPR RESUMO O procedimento de delimitação e classificação de unidades de paisagem é de grande valia nos estudos que envolvem o ordenamento dos usos da terra, porém vem sendo comumente aplicado nas paisagens ditas rurais e em escalas menores do que 1: O objetivo deste trabalho foi o de apresentar a delimitação de unidades de paisagem como um procedimento de planejamento de paisagem em áreas urbanizadas e em escalas maiores do que 1: Para tanto, foram utilizados como exemplos o bairro Boqueirão (Curitiba/Pr) e o Distrito de Santa Cecília (São Paulo/SP). Para a delimitação das unidades de paisagem do bairro Boqueirão foram utilizadas fotografias aéreas de 2002, coloridas, na escala 1:8.000 (IPPUC) e mapa de classificação do uso do solo na escala 1:20.000, sendo este resultante de trabalho de campo realizado em Os critérios utilizados para a delimitação das unidades de paisagem foram baseados principalmente no uso do solo. Para o Distrito de Santa Cecília foram utilizadas fotografias aéreas de 1989, em preto e branco, na escala 1: (ELETROPAULO) e trabalho de campo para identificação do uso do solo. O primeiro critério escolhido para a delimitação das unidades de paisagem foi o geomorfológico e, em seguida, o uso do solo e a verticalidade das edificações (gabarito). A classificação da paisagem do bairro Boqueirão resultou em sete grandes unidades de paisagem e três subunidades. O Distrito de Santa Cecília foi dividido em duas grandes unidades: a Planície Aluvial e os Terraços Fluviais. A Planície Aluvial foi subdividida em quatro unidades e os Terraços Fluviais em doze unidades de paisagem. Palavras-chaves: Unidades de paisagem, planejamento, uso do solo. ABSTRACT The delimitation procedure and the classification of the landscape unities is a very important tool in the investigations which involve the ordainment of the land using. However, these procedures are commonly applied in the landscapes called rural and in scales lower than 1:25,000. The purpose of this work was to present the delimitation of the landscape as a procedure of the landscape planning in urban areas and in scales larger than 1:25,000. This way, it were used as examples the district Boqueirao (Curitiba/Pr) and the district Santa Cecilia (Sao Paulo/SP). To delimit the landscape unities of the district Boqueirao were used area photo which were produced in 2002, colour, in the scale 1:8,000 (IPPUC) and classification map of the land using in the scale 1:20,000, which is resultant from the field investigation, in The rules used for the delimitation of the landscapes unities were based mainly in the land using. For the district of Santa Cecilia were used area photos from 1989, dark and white, in the scale 1:10,000 (ELETROPAULO) and field investigations for identification of the land using. The first rule chosen for the delimitation of the landscape unities was the geomorphologic and, in the sequence, the land using

2 and the edification verticality (pattern). The classification of the landscape of the district Boqueirao resulted in seven great unities and in three subunity. The district Santa Cecilia was divided in two great unities: the Alluvial Plain and the Fluvial Terraces. The Alluvial Plain was subdivided in four unities and the Fluvial Terraces in twelve unities of landscape. Key-words: Landscape unities, planning, land using.

3 1 OBJETIVOS O objetivo deste trabalho foi o de apresentar a delimitação de unidades de paisagem como um procedimento de planejamento de paisagem em áreas urbanizadas e em escalas maiores do que 1: Foram utilizados como estudo de caso o bairro Boqueirão, localizado na porção sudeste do município de Curitiba/Pr (FIGURA 1) e o Distrito de Santa Cecília, localizado próximo ao centro do município de São Paulo/SP (FIGURA 2). Figura 1: Localização do bairro Boqueirão Curitiba/Pr

4 Figura 2: Localização do distrito de Santa Cecília São Paulo/SP

5 2 REVISÃO DE LITERATURA A delimitação das unidades de paisagem consiste em uma importante ferramenta de planejamento para a classificação e avaliação das paisagens, sobretudo no campo da Geografia. Esta delimitação, considerada um tipo de zoneamento, pode ser entendida como uma proposta de organização do espaço, estabelecida em um plano, sendo alcançado por meio de uma classificação do território em setores homogêneos como, por exemplo, por meio do cruzamento de cartas temáticas, valorizando ou não certas características da paisagem: tipos de solo, formações rochosas, formas de relevo, classes de declividade, vegetação, entre outros (GÓMEZ OREA, 1978). Para Bertrand (1972), a delimitação das unidades de paisagem nunca deve ser considerada como um fim em si, mas apenas como um meio de aproximação em relação com a realidade geográfica. Trata-se de pesquisar as descontinuidades objetivas da paisagem, ou seja, delimitar setores homogêneos. Pode-se conceituar Unidade de Paisagem como sendo uma representação geográfica (projeção espacial) do ecossistema, denunciada por indicadores facilmente perceptíveis (vegetação, formas de relevo, uso e cobertura do solo, entre outros), com um nível homogêneo de organização de vida em seu interior, tanto em sua estrutura como em seu funcionamento (FÁVERO et al, 2004). Outro aspecto importante a ser considerado na delimitação de Unidade de Paisagem é a escala. A delimitação de Unidades de Paisagem deve sempre vir acompanhada da definição da escala cartográfica adotada (FÁVERO, op cit.). A preocupação com estudos que buscam fazer uma análise detalhada dos elementos da paisagem e desprezam o fato de que esses participam de uma dinâmica comum que não corresponde à evolução de cada um separadamente, é apresentado por Bertrand (1972), afirmando que se deve procurar os mecanismos gerais da paisagem: (...) é preciso procurar talhar diretamente a paisagem global tal qual ela se apresenta. Naturalmente, a delimitação será mais grosseira, mas as combinações e as relações entre os elementos, assim como os fenômenos de convergência aparecerão mais claramente. A síntese vem felizmente no caso substituir a análise. (BERTRAND, op cit., p.9) Nucci (2001) coloca que a delimitação de unidades de paisagem não se limita somente à sobreposição de mapas temáticos. Algumas características da área de estudo, que não foram e não são cartografáveis, estão na mente do pesquisador, que convivendo diretamente com a realidade por meio do trabalho de campo, vai aos poucos

6 classificando a paisagem de acordo com seus interesses. Para a classificação das unidades de paisagem, portanto, devem ser estabelecidos critérios. O conceito de paisagem adotado neste trabalho está baseado na proposta do geógrafo Prof. Dr. Carlos Augusto Figueiredo Monteiro que entende a paisagem como uma entidade espacial delimitada segundo um nível de resolução do pesquisador, a partir dos objetivos centrais da análise, de qualquer modo sempre resultado de integração dinâmica e, portanto, instável dos elementos de suporte e cobertura (físicos, biológicos e antrópicos), expressa em partes delimitáveis infinitamente, mas individualizadas através das relações entre elas que organizam um todo complexo (sistema) verdadeiro conjunto solidário em perpétua evolução (MONTEIRO, 2000). 3 METODOLOGIA Para a delimitação das unidades de paisagem do bairro Boqueirão-Curitiba/Pr foram utilizadas fotografias aéreas de 2002, coloridas, na escala 1:8.000 (IPPUC) e mapa de classificação do uso do solo na escala 1:20.000, sendo este resultante de trabalho de campo realizado em Os critérios utilizados para a delimitação das unidades de paisagem foram baseados no uso do solo. Para o Distrito de Santa Cecília São Paulo/SP foram utilizadas fotografias aéreas de 1989, em preto e branco, na escala 1: (ELETROPAULO) e trabalho de campo para identificação do uso do solo. O primeiro critério escolhido para a delimitação das unidades de paisagem foi o geomorfológico, com base no Mapa Geomorfológico Esquemático do Sítio Urbano de São Paulo de autoria do professor Ab Saber (AZEVEDO, 1958) e, em seguida, o uso do solo e a verticalidade das edificações ou gabarito (NUCCI, 1996, 2001).

7 4 RESULTADOS A classificação da paisagem do bairro Boqueirão resultou em sete grandes unidades de paisagem: 1.Parque Náutico: área pertence à APA do Iguaçu; 2.Uso Misto: mistura de usos residenciais e comerciais; 3. Quartel do Exército; 4.Uso Residencial: uso predominantemente residencial o comércio localiza-se em eixos específicos; 5.Av. Mal. Floriano Peixoto: avenida de uso predominantemente comercial e de serviços; 6.Rio Belém e afluentes: uso misto ao longo das margens; 7.Transição Uso Misto/Parque Náutico: limite entre a área densamente ocupada e o Parque Náutico. Foram, também, identificadas três subunidades: a Estação de Tratamento de Esgoto dentro do Parque Náutico; uma área de sobrados em condomínios localizada na unidade de uso residencial; e o Cemitério, também localizado na unidade de uso residencial. As unidades de paisagem do bairro foram apresentadas em uma mapa (MAPA 1) e a descrição de cada unidade organizada em uma tabela (QUADRO 1). O Distrito de Santa Cecília foi dividido em duas grandes unidades: a Planície Aluvial e os Terraços Fluviais. A Planície Aluvial, localizada entre as curvas de nível de 720 e 725m em relação ao nível do mar, é caracterizada por ainda apresentar, apesar de alterada, o potencial ecológico de uma área de transbordo do rio Tietê. Essa unidade apresenta baixa declividade e propensão a enchentes e foi dividida em quatro unidades de paisagem, de acordo com o uso do solo. Os Terraços Fluviais ocupam a área restante do distrito, de 725 a 760m de altitude em relação ao nível do mar, não apresentando potencial ecológico de uma várzea de modo generalizado, ficando este restrito a pequenas planícies aluviais dos córregos canalizados que cortam a área. Esta unidade foi dividida em outras doze unidades, com base no uso do solo e na verticalidade das edificações (MAPA 2) (QUADRO 2).

8 Mapa 1: Delimitação das unidades de paisagem do bairro Boqueirão Curitiba/Pr.

9 Quadro 1: Descrição das unidades de paisagem do bairro Boqueirão Curitiba/Pr. UP DESCRIÇÃO DAS UNIDADES PARQUE NÁUTICO: Área pertencente à APA do Iguaçu. É recoberta predominantemente por vegetação herbácea e arbustiva, com algumas manchas de estrato arbóreo. É utilizado para treinamento de equipes de remo e para caminhadas. Não possui infra-estrutura adequada ao atendimento dos usuários do parque. Possui altitude de 860m em média. 1.1: Compreende a estação de tratamento de esgoto da Sanepar (ETE-SANEPAR), localizado na porção nordeste do Parque. Neste local, as empresas que realizam desentupimentos de esgotos da cidade, vêm esvaziar os caminhões, o que causa um cheiro extremamente desagradável percebido por quem circula pelo Parque. ÁREA DE USO MISTO: Área com altitude entre 887m e 910m. Caracteriza-se pela grande mistura de usos, principalmente pela presença de barracões (comerciais, industriais ou de serviços). QUARTEL: Corresponde à área ocupada pelo quartel do Boqueirão (5º GAC AP). Possui grande quantidade de vegetação nos três estratos (herbáceo, arbustivo e arbóreo), destacando-se a grande quantidade de árvores de grande porte, que chama a atenção tanto na observação da fotografia aérea quanto na observação em campo. ÁREA RESIDENCIAL: Unidade de uso predominantemente residencial. Os usos comerciais ficam localizados em três eixos específicos, não havendo incompatibilidade de usos. Existem Propriedade particulares com grande quantidade de vegetação, incluindo árvores de grande porte como a Araucária e o eucalipto. As altitudes variam de 887m a 935m. 4.1: Trecho caracterizado pela presença de condomínios residenciais (sobrados), com diminuição da área permeável de solo e ausência de vegetação. 4.2: Cemitério Municipal do Boqueirão. Solo impermeável e ausência de vegetação. AVENIDA MARECHAL FLORIANO PEIXOTO: Unidade correspondente ao eixo da Avenida Marechal Floriano Peixoto. Caracteriza-se pelo uso exclusivo comercial e de serviços. Serve de ligação entre o centro de Curitiba e o município de São José dos Pinhais. RIO BELÉM E AFLUENTES: O Rio Belém possui uso misto ao longo de sua margem. Há presença de lixo, principalmente na área de ocupação irregular. Às margens dos três córregos afluentes do Rio Belém há presença de vegetação. Os córregos estão a céu aberto e o acesso às residências é feito por meio de pontes de concreto TRANSIÇÃO DA ÁREA RESIDENCIAL E MISTA COM O PARQUE NÁUTICO: Esta unidade representa uma faixa transitória entre a área densamente ocupada do bairro e o Parque Náutico. Entre a área ocupada e o Parque existe uma linha férrea, com constante tráfego de trens de carga.

10 Mapa 2: Delimitação das unidades de paisagem do distrito de Santa Cecília São Paulo/SP.

11 Quadro 2: Descrição das unidades de paisagem do distrito de Santa Cecília São Paulo/SP. UP DESCRIÇÃO DAS UNIDADES Boa parte exclusivamente com casas térreas ou sobrados com pequeno quintal e uso residencial unifamiliar ocupando lotes pequenos. Mecânicas, depósitos, transportadoras e pequenas indústrias aparecem de modo disperso. Lotes grandes com indústrias. Usina de asfalto (PMSP), produtos químicos, bebidas e têxtil. Estacionamentos, mecânicas, depósitos e garagem da CMTC. Uma vila residencial e outra de uso misto. Lotes pequenos e estreitos, com ou sem quintal, com uso residencial e comercial. Galpões com indústrias pequenas. Muitas mecânicas e funilarias. Área da Ferrovia que se estreita quando passa pelo distrito sendo ocupada por trilhos e alguns galpões, restando pouca oportunidade para o desenvolvimento de vegetação. Lotes pequenos com ou sem quintal de uso residencial e residencial/comercial. Lotes estreitos e alongados e totalmente edificados. Concentração de mecânicas, funilarias e auto-peças. Postos de gasolina, bancos, escritórios, bares, pequenas fábricas e grandes estacionamentos. Alguns cortiços. Casas desocupadas com janelas e portas muradas. Maioria dos lotes ocupados por casas térreas e sobrados com uso residencial, jardim frontal e quintal. Pequena área com edifícios altos com garagem e recuos ocupados com jardim. Ao lado da ferrovia aparecem usos industriais. Lotes pequenos sem quintal ocupados por residência/comércio. Mistura de usos: mecânicas, postos de gasolina, escritórios e comércio em geral. Algumas obras de verticalização e seis grandes estacionamentos. Edifícios altos de escritórios ocupando lotes com amplos pátios. Seis grandes estacionamentos e pequena área com edifícios altos de uso residencial. Bancos e comércio. Lotes pequenos com ou sem quintal com baixa verticalização e lotes maiores ocupados por edifícios altos e galpões. Residências dividem o lote com comércio. Mistura de usos: residências, mecânicas, postos de gasolina, auto-peças, depósitos, cinemas, casas noturnas, bares, escritórios, etc. Ocorrem grandes áreas de estacionamentos. Pensões e cortiços. Área ocupada pela boca do automóvel. Venda de veículos, peças e acessórios em lotes pequenos ou grandes ocupados por galpões. Bares, bancos, escritórios e o prédio do jornal FSP. Edifícios residenciais se misturam com esses usos. Uso institucional (Polícia Militar, Depto. de Ação Social do Palácio do Governo e Palácio Campos Elíseos), praça Princesa Isabel e Terminal de ônibus. Lotes grandes com uso institucional. Fashion Center Luz atacado de modas (antiga rodoviária), grandes depósitos, venda de pneus, transportadoras. Lotes menores ocupados por hotéis de baixa classe, pensões e muitos cortiços misturados com mecâncias, auto-peças e comércio em geral. Alta concentração de imóveis tombados. Elevado Costa e Silva (Minhocão) e adjacências. Altos edifícios com uso residencial/comercial margeiam o elevado. Lojas de móveis usados, mecânicas, postos de gasolina, auto-peças e grandes estacionamentos, escritórios, bancos, pizzarias, bares, etc. Vários cortiços, áreas com depósito de sucatas, garrafas e favelas. 14 Minhocão com áreas adjacentes ocupadas por praças, alguns edifícios e galpões para depósitos Lotes de tamanho médio/pequeno ocupados por edifícios altos e baixos e casas térreas com uso misto residencial/comercial sem quintal ou jardim frontal. Alguns usos exclusivamente comercial: supermercados, bares, padarias, casas noturnas, restaurantes, farmácias, bancos, mecânicas, funilarias, etc. Várias pensões e cortiços. Destacam-se dez grandes estacionamentos. Baixo Higienópolis com lotes grandes ocupados por altos edifícios com amplos recuos, jardim frontal e áreas de lazer, com garagem. Algumas ruas com comércio de alto padrão: academias de ginástica, roupas, perfumes, clínica para animais, floriculturas, restaurantes, etc. Ocorrem doze escolas particulares e várias obras de construção de edifícios nobres.

12 5 CONCLUSÃO O planejamento e gestão municipais devem dar conta de prevenir que a ocupação do solo urbano ocorra de maneira equivocada, gerando conseqüências negativas que afetam tanto a qualidade ambiental quanto a qualidade de vida das pessoas. O bairro Boqueirão e o Distrito de Santa Cecília apresentam alguns destes problemas resultantes da inexistência ou equívocos de planejamento como, por exemplo, a ocupação intensa ao longo dos canais fluviais e a grande mistura de usos (industrial, comercial e residencial) numa mesma área. Tais falhas no planejamento colaboram para que ocorra a diminuição tanto da qualidade ambiental quanto da qualidade de vida. A classificação de unidades de paisagem pode ser considerada como um início para a solução dos problemas complexos enfrentados pelo planejamento e pela gestão da paisagem dos dias atuais. Além disso, aposta-se no conceito de unidade de paisagem como um instrumento valioso de comunicação por ser mais facilmente compreendido pela população em geral. REFERÊNCIAS BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global: um esboço metodológico. Caderno de ciências da terra. São Paulo: USP, n. 13, FÁVERO, O. A.; NUCCI, J. C.; DE BIASI. Hemerobia nas Unidades de Paisagem da Floresta Nacional de Ipanema, Iperó/SP: conceito e método. IV CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSEVAÇÃO. Anais... Curitiba, 2004 GÓMEZ OREA, D. El Medio Fisico y la Planificación. Cuadernos del CIFCA, v.1 e v.2. Madrid IPPUC Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba. Fotografias aéreas do bairro Boqueirão, escala 1:8.000, MONTEIRO, C.A.F. Geossistemas: a história de uma procura. São Paulo: Contexto, 2000, 128p. NUCCI, J. C. Qualidade ambiental e adensamento: um estudo de Planejamento da Paisagem do distrito de Santa Cecília (MSP). Tese de doutorado. Universidade de São Paulo. Programa de Pós-Graduação em Geografia Física Qualidade ambiental e adensamento urbano. São Paulo: Humanitas/FAPESP, 2001, 236p. VALASKI, S. Análise da evolução da paisagem do bairro Boqueirão Curitiba/Pr no período de 1952 a Monografia de conclusão de curso. Departamento de Geografia, Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS 1 LEI Nº 142/ 82. DE 20 DE 12 DE 1982. DISPÕE SOBRE O ZONEAMENTO DE USOS DO SOLO URBANO. A CÂMARA MUNICIPAL DE PIRENÓPOLIS aprovou e eu PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

PGT - 1* para AUTOMÓVEIS. 1 vaga / unid com área 150 m² 1 vaga / unid c/ área 150 m² 2 vagas / unidade 1 vaga / 5 unidades

PGT - 1* para AUTOMÓVEIS. 1 vaga / unid com área 150 m² 1 vaga / unid c/ área 150 m² 2 vagas / unidade 1 vaga / 5 unidades USO para AUTOMÓVEIS PGT - 1* para AUTOMÓVEIS para BICICLETAS para MOTOCICLETAS Residências Unifamiliares 1 vaga/ unidade - - - 1 vaga / unidade Condomínios Unifamiliares - 2 vagas / unidade 1 vaga de visitante

Leia mais

Figura 5 - Mapa no papel vegetal pronto Autor: PEREIRA, T. mar/2006.

Figura 5 - Mapa no papel vegetal pronto Autor: PEREIRA, T. mar/2006. 55 Figura 5 - Mapa no papel vegetal pronto Autor: PEREIRA, T. mar/2006. Depois desta etapa no módulo seguinte realizou-se um trabalho de campo na área localizada anteriormente, registraram-se as coordenadas

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 IDENTIFICAÇÃO DE UNIDADES DE PAISAGEM ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS, PROPOSTA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE MANEJO EM RESERVA EXTRATIVISTA MARINHA Tabilla Verena da Silva Leite 1, Abraão Levi dos

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA MICRO-BACIA CÓRREGO DO AVIÁRIO CURITIBA/PR

IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA MICRO-BACIA CÓRREGO DO AVIÁRIO CURITIBA/PR IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA Landolfi Teixeira de Carvalho, J.W. 1 ; de Oliveira, F. 2 ; 1 UFPR Email:ju_wlt@hotmail.com; 2 UFPR Email:foliveira@ufpr.br; RESUMO: O presente

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso Zoneamento da Cidade de São Paulo Zoneamento Cidade de São Paulo Características das Zonas de Uso 1 Histórico A Legislação relativa a zoneamento reunia algumas dezenas de atos, decretos- leis, leis e decretos,

Leia mais

O bairro teve uma redução de área em 2004, quando foi aprovada a Nova Divisão de Bairros. Passou a iniciar na rua Hermann Huscher.

O bairro teve uma redução de área em 2004, quando foi aprovada a Nova Divisão de Bairros. Passou a iniciar na rua Hermann Huscher. VILA FORMOSA Índice 1. Aspectos Históricos... 2 2. Aspectos Físicos e Humanos... 2 3. Aspectos Sócio-Econômicos... 4 4. Equipamentos Urbanos... 6 5. Outras Atividades... 6 2 1. Aspectos Históricos Na área

Leia mais

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana 6.1. A Dinâmica de Uso e Ocupação do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição As praias da Conceição, Tainha, Porto da Vó, Retiro dos Padres, Caixa D Aço, Geremias, Gravatá, Poá e São Miguel encontram-se em processo avançado de urbanização (Fichas 43 a 52 e Anexo 1). Nestas praias

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação)

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação) (orientações para a implementação) Escolas Programa de Regeneração Urbana da Cidade de Estarreja Fases do Fase 1. Diagnóstico Fase 2. Estratégia e Plano de Ação 2 Exercícios para preparação de diagnóstico

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais).

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais). PLANO DE GOVERNO - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTICIPATIVA PARA 2013/2016 COLIGAÇÃO O PRESENTE NOS PERMITE SEGUIR EM FRENTE - CANDIDATO A PREFEITO PEDRINHO DA MATA 11 Ações a serem realizadas por Secretarias:

Leia mais

Adensamento do tecido urbano e drenagem de águas pluviais Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis

Adensamento do tecido urbano e drenagem de águas pluviais Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis Adensamento do tecido urbano e drenagem de Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis Enchentes, no campo, são problemas naturais. Em áreas urbanas, são problemas sociais Nosso primeiro objetivo: origem dos problemas.

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 3.464, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008

LEI MUNICIPAL N.º 3.464, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008 ANEXO 2 CATEGORIAS DE ATIVIDADES E CLASSIFICAÇÃO Residências Unifamiliares RU Compreendendo: a) residências unifamiliares isoladas; b) residências unifamiliares agrupadas, geminadas ou em série; c) condomínios

Leia mais

EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. A melhor localização de Águas Claras Surpreenda seus clientes com estilo. No comércio, o ponto é tudo! Na região que vem se consolidando como maior centro comercial de Águas Claras, nasce o Supremo Mall,

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

P O R T O A L E G R E plano diretor de desenvolvimento urbano ambiental. pddua COMO APLICAR O REGIME URBANÍSTICO PREVISTO NO PDDUA DEZEMBRO/1999

P O R T O A L E G R E plano diretor de desenvolvimento urbano ambiental. pddua COMO APLICAR O REGIME URBANÍSTICO PREVISTO NO PDDUA DEZEMBRO/1999 P O R T O A L E G R E plano diretor de desenvolvimento urbano ambiental PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA DO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DEZEMBRO/1999 1999 I N F O R M A Ç Õ E S Ú T E I S S O

Leia mais

Artigo publicado nos Anais do IV Seminário Latinoamericano de Geografia Física. Universidade Estadual de Maringá, Maringá/PR, 2006.

Artigo publicado nos Anais do IV Seminário Latinoamericano de Geografia Física. Universidade Estadual de Maringá, Maringá/PR, 2006. Artigo publicado nos Anais do IV Seminário Latinoamericano de Geografia Física. Universidade Estadual de Maringá, Maringá/PR, 2006. (CD-ROM) Cobertura Vegetal: conceituação, classificação e quantificação

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.944 DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 DISPÕE SOBRE O ZONEAMENTO ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL. JOSÉ AURICCHIO JÚNIOR, Prefeito Municipal de São Caetano do Sul, no uso das atribuições que

Leia mais

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS Roberto Epifânio Lessa beto.lessa.epifanio@hotmail.com /Bolsista FAPEAM Márcia Regina Albuquerque Alves marciaregina.geo@gmail.com /Bolsista

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP. CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP. CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 47.840000 S 21.178888 2 de 11 FICHA CADASTRAL DO

Leia mais

Estudo de morfologia e infraestrutura de recortes espaciais com instrumentos analíticos do urbanismo ecológico

Estudo de morfologia e infraestrutura de recortes espaciais com instrumentos analíticos do urbanismo ecológico Estudo de morfologia e infraestrutura de recortes espaciais com instrumentos analíticos do urbanismo ecológico Stefanie Ap. Rubia Santos Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC stefanierubia@puccamp.edu.br

Leia mais

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em volta. Por isso, é considerado um verdadeiro acrobata.

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA Seminário GVcev: Polos Varejistas de Rua: Oportunidades para o varejo e a revitalização das cidades Fernando de Mello Franco 11 novembro 2014 DOMINGO, 09

Leia mais

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 Anexo 1.50 Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: acesso pela rodovia SP 122 Ribeirão Pires Paranapiacaba, Santo André SP, Brasil. Autoria: a vila foi construída pela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 08 a Aula INFORMAÇÃO E REPRESENTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS Série Textos de reconhecimento do objeto de pesquisa 1 Título: CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS 2016-17 SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE GEOGRAFIA O setor

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO

UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- Nascimetno, M.D. 1 ; Moura, N.S.V. 2 ; Souza, B.S.P. 3 ; 1 UFRGS Email:mdnascimento@ymail.com; 2 UFRGS Email:nina.moura@ufrgs.br; 3 UFSM Email:bernardosps@yahoo.com.br;

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

CAMARA MUNICIPAL DE BRUMADINHO Praça da Paz Carmem de Oliveira Gonçalves, s/nº - São Conrado Brumadinho/MG CEP 35.460-000

CAMARA MUNICIPAL DE BRUMADINHO Praça da Paz Carmem de Oliveira Gonçalves, s/nº - São Conrado Brumadinho/MG CEP 35.460-000 PROPOSIÇAO DE LEI Nº 30/2004 O Presidente da Câmara Municipal de Brumadinho, no uso de suas atribuições e no termos do disposto nos 1º e 8º do Art. 89 da Lei Orgânica Municipal do município de Brumadinho,

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP

ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 196 ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP Elaine Cristina Barboza, Larissa

Leia mais

*01 0*+.34 5 0*26$.7

*01 0*+.34 5 0*26$.7 !"#$%&'$&()$ *+,+ %-./ *, *01 *2%... 0*+.34 5 0*. 0*0. 0*26$.7 2*+ 8$9: *, 1. Prédios rústicos; 2. Prédios urbanos; 3. Prédios Mistos. *, Prédios urbanos (continuação) (a) Habitacionais; (b) Comerciais,

Leia mais

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico A CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE OPORTUNIDADE JUNTO AO SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO: EM PROL DE UMA PARCERIA MAIS EFETIVA NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO URBANA NO ENTORNO DAS ESTAÇÕES. ABSTRACT Ao longo dos trinta

Leia mais

ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E SOLO USOS PERMITI PERMISSÍVEL PROIBI Habitação unifamiliar uma por lote Comércio e serviço vicinal de pequeno porte 1 e 2 Comércio e serviço de bairro Comunitário

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

MINUTA DA FUTURA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL TOP LIFE CLUB & RESIDENCE

MINUTA DA FUTURA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL TOP LIFE CLUB & RESIDENCE MINUTA DA FUTURA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL TOP LIFE CLUB & RESIDENCE Pelo presente instrumento particular, em cumprimento à determinação contida no artigo 9º da Lei 4.591, de 16.12.1964, MRV

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E Silveira, A. 1 ; Cunha, C.M.L. 2 ; 1 CEETEPS Email:silveira_81@yahoo.com.br; 2 UNESP

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA DENOMINAÇÃO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo. Nelson Brissac

Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo. Nelson Brissac Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo Nelson Brissac Nos limites da cidade, os processos urbanos envolvem grandes obras de infraestrutura metropolitana, moradia precária e necessidade

Leia mais

Metodologia. Etapas do Projeto de Paisagismo

Metodologia. Etapas do Projeto de Paisagismo Metodologia Etapas do Projeto de Paisagismo Etapa de Levantamentos, Análise e Diagnóstico Aspectos históricos Morfologia do sítio Relações urbanas Aspectos climáticos Caracterização demográfica Elementos

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS

LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS RIOS, R.B. 1 RESUMO: Nos dias atuais o ordenamento territorial, torna-se de suma importância frente aos

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Anexo 11. projetos especiais

Anexo 11. projetos especiais Anexo 11 projetos especiais L.C. 434/99, atualizada e compilada até a L.C. 667/11, incluindo a L.C. 646/10. Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria do Planejamento Municipal PROJETOS ESPECIAIS

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

Título III Do Uso e Ocupação do Solo

Título III Do Uso e Ocupação do Solo Título III Do Uso e Ocupação do Solo RETORNAR Capítulo I Das Macrozonas Seção I Da Macrozona de Estruturação e Qualificação Urbana Art. 26 A Subprefeitura da Mooca encontra-se integralmente contida na

Leia mais

MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE FAMALICÃO

MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE FAMALICÃO MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE FAMALICÃO Actualização segundo o D.L. 9/2007, 17 de Janeiro RESUMO NÃO TÉCNICO Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Luís Conde Santos, Director do Laboratório Susana

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

Aula 16 PLANIMETRIA:OS ELEMENTOS DE REPRESENTAÇÃO TERRESTRE. Antônio Carlos Campos

Aula 16 PLANIMETRIA:OS ELEMENTOS DE REPRESENTAÇÃO TERRESTRE. Antônio Carlos Campos Aula 16 PLANIMETRIA:OS ELEMENTOS DE REPRESENTAÇÃO TERRESTRE META Apresentar os principais elementos que podem figurar nas cartas topográficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Foto 8.4.11.2-53: Bloco 10 Acesso principal do Supermercado, na Av. Senador Vergueiro. Referência geográfica local.

Foto 8.4.11.2-53: Bloco 10 Acesso principal do Supermercado, na Av. Senador Vergueiro. Referência geográfica local. Foto 8.4.11.2-53: loco 10 Acesso principal do Supermercado, na Av. Senador Vergueiro. Referência geográfica local. Foto 8.4.11.2-54: loco 10 Ginásio Poliesportivo Adib Moysés Dib. Ponto de referência local

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO VOLUME IV - PROJETO DE ENGENHARIA E MATERIAL RODANTE PROJETOS ARQUITETÔNICOS E DEMAIS PROJETOS TÉCNICOS PREDIAIS PROJETO URBANÍSTICO 1 3.2.6.11. Projeto Urbanístico

Leia mais

LUCAS PRÍNCIPE FERREIRA

LUCAS PRÍNCIPE FERREIRA LUCAS PRÍNCIPE FERREIRA arquiteto + urbanista PORTFÓLIO DE APRESENTAÇÃO projetos ACADÊMICOS Olá, Complexo Multifuncional República Projeto de Habitação, Comércio e Cultura no bairro República. Trabalho

Leia mais

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas.

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas. 1. Conectividade Em que medida o ambiente urbano/pedonal dispõe de uma rede integrada que permite conectar origens e destinos, que passa, por exemplo, pela existência e continuidade de uma infra-estrutura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

COBERTURA DO SOLO E QUALIDADE AMBIENTAL URBANA COMO SUBSÍDIOS AO PLANEJAMENTO DA PAISAGEM

COBERTURA DO SOLO E QUALIDADE AMBIENTAL URBANA COMO SUBSÍDIOS AO PLANEJAMENTO DA PAISAGEM COBERTURA DO SOLO E QUALIDADE AMBIENTAL URBANA COMO SUBSÍDIOS AO PLANEJAMENTO DA PAISAGEM João Carlos Nucci DGEOG-UFPR nucci@ufpr.br Manoella Barros Pedreira Ferreira DGEOG-UFPR manuh.geo@hotmail.com Simone

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

Mapeamento da evolução dos usos e coberturas das terras na bacia do ribeirão das Anhumas Campinas (SP)

Mapeamento da evolução dos usos e coberturas das terras na bacia do ribeirão das Anhumas Campinas (SP) Mapeamento da evolução dos usos e coberturas das terras na bacia do ribeirão das Anhumas Campinas (SP) Samuel Fernando Adami 1 Francisco de Paula Nogueira 1 Jener Fernando Leite de Moraes 1 1 Instituto

Leia mais

José Elias, 141. Conceito:

José Elias, 141. Conceito: Conceito: menu No meio do jardim tem um escritório. Na beira da janela, uma floreira. Na alma,inspiração. Nasce no ponto mais valorizado do Alto da Lapa o único projeto comercial que leva o verde para

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV. Mário Barreiros

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV. Mário Barreiros ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV Mário Barreiros Arquiteto Mestre em Engenharia Civil e Urbana Flektor Engenharia e Consultoria Ltda. Palestra realizada para o Instituto de Desenvolvimento Urbano

Leia mais

nós na sala de aula - módulo: geografia 4º e 5º anos - unidade 9

nós na sala de aula - módulo: geografia 4º e 5º anos - unidade 9 As paisagens urbanas e as paisagens rurais são visualmente distintas. As atividades propostas têm como objetivo diferenciar e evidenciar as relações espaciais entre as paisagens urbanas e rurais, colocando

Leia mais

Detecção de mudanças no uso e cobertura do solo entre os anos de 2004 e 2009 na Cidade do Rio de Janeiro

Detecção de mudanças no uso e cobertura do solo entre os anos de 2004 e 2009 na Cidade do Rio de Janeiro Coordenadoria Geral de Planejamento Urbano CGPU Núcleo de Indicadores Urbanos - NIU Assessoria de Informações Urbanísticas - AIU 18/10/2011 1 Detecção de mudanças no uso e cobertura do solo entre os anos

Leia mais

ANEXO II PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO AMBIENTAL DE CAPÃO DA CANOA GRUPOS DE ATIVIDADES.

ANEXO II PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO AMBIENTAL DE CAPÃO DA CANOA GRUPOS DE ATIVIDADES. 1 ANEXO II PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO AMBIENTAL DE CAPÃO DA CANOA GRUPOS DE ATIVIDADES. 1.HABITAÇÃO 2.MEIOS DE HOSPEDAGEM 3.COMÉRCIO VAREJISTA I 4.COMÉRCIO VAREJISTA II 5.COMÉRCIO VAREJISTA

Leia mais

VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014

VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014 VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014 ORGANIZAÇÃO DA APRESENTAÇÃO I. CONTEÚDOS ATITUDINAIS II. CONTEÚDOS PROCEDIMENTAIS III. CONTEÚDOS CONCEITUAIS 1. AS TRANSFORMAÇÕES DA VILA MADALENA Da vila

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários Rodrigo Bicalho Objetivos do Plano Aproximar local de residência e trabalho Concentrar o adensamento nos eixos de transporte

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO [ZONEMANENTO BAIRRO ESPLANADA]

PESQUISA DE OPINIÃO [ZONEMANENTO BAIRRO ESPLANADA] PESQUISA DE OPINIÃO [ZONEMANENTO BAIRRO ESPLANADA] OBJETIVO Diagnosticar a opinião de moradores proprietários de imóveis no Jardim Esplanada sobre a possível mudança de zoneamento de residencial para comercial

Leia mais

CARTA DE HEMEROBIA DO CENTRO POLITÉCNICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ (UFPR)

CARTA DE HEMEROBIA DO CENTRO POLITÉCNICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ (UFPR) CARTA DE HEMEROBIA DO CENTRO POLITÉCNICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ (UFPR) CARTA DE HEMEROBIA DO CENTRO POLITÉCNICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ (UFPR) Letter of Hemerobia of Centro Politécnico

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar Alexandre Brasil André Prado Carlos A. Maciel Danilo Matoso projeto: 2000 concurso 1o lugar O conjunto objeto desta proposta se constitui de três partes de caráter notadamente diferenciadas: a primeira,

Leia mais

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4.1. Revitalização do Rio Cheonggyecheon Seul Coréia do Sul Ficha Técnica Localização: Seul, Coréia do Sul Autor do Projeto: KeeYeonHwang Área de Intervenção: 400 hectares, 8

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO. Folha 1 01. IMÓVEL. 01.1. TIPO DO BEM: Terreno

LAUDO DE AVALIAÇÃO. Folha 1 01. IMÓVEL. 01.1. TIPO DO BEM: Terreno Folha 1 01. IMÓVEL LAUDO DE AVALIAÇÃO 01.1. TIPO DO BEM: Terreno 01.2. ENDEREÇO COMPLETO: Condomínio Paraiso dos Lagos, QR- 01, Lote 88, Guarajuba Camaçari BA. 01.3. DOCUMENTAÇÃO: Registro de Imóveis,

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos

Fazendo a cidade com as próprias mãos Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Penha Distritos de Artur Alvim, Penha, Cangaíba e Vila Matilde A cidade

Leia mais

Revisão da Legislação das Áreas Industriais na AP-3 e AP-5

Revisão da Legislação das Áreas Industriais na AP-3 e AP-5 Avenida Brasil HISTÓRICO A partir de 1935 foram definidas zonas de ocupação mais específicas dentre as quais a Zona Industrial. A primeira zona industrial efetivamente delimitada foi a de São Cristóvão.

Leia mais

Comunidades Planejadas Dr. Luiz Augusto Pereira de Almeida 20/09/2013

Comunidades Planejadas Dr. Luiz Augusto Pereira de Almeida 20/09/2013 Comunidades Planejadas Dr. Luiz Augusto Pereira de Almeida 20/09/2013 Comunidades Planejadas Fatores de sucesso Localização Uma só companhia conduzindo o empreendimento Fator visionário o homem e seu sonho

Leia mais