USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL"

Transcrição

1 USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL Leane Chamma Barbar Przybysz (1) Engenheira Química formada pela Universidade Estadual de Maringá em Possui curso de Especialização em Engenharia da Qualidade pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUC-PR. Participou de estágio realizado na França em 1993 na área de Saneamento Básico. Atualmente exerce a função de Gerente de Divisão de Operação de Esgotos na Companhia de Saneamento do Paraná - Sanepar. Eduardo Felipe Guidi Engenheiro Agrônomo formado pela Universidade Federal do Paraná em Possui curso de Especialização em Administração Pública Fundação Getúlio Vargas e Especialização em Planejamento pela Faculdade de Administração e Economia. Atualmente coordena o Programa de Despoluição Ambiental na Companhia de Saneamento do Paraná - Sanepar. Endereço (1) : Rua Pedro de Toledo, Prado Velho - Curitiba - PR - CEP: Brasil - Tel: (041) RESUMO As Bacias Hidrográficas situadas em grandes cidades ou aglomerações urbanas são poluídas principalmente por esgotos domésticos lançados indevidamente, estabelecendo um grau de degradação acentuado nesses cursos de água. A implementação de ações de sensibilização e conscientização junto a comunidade e órgãos envolvidos, propiciam a recuperação dos recursos hídricos tendo em vista a utilização adequada do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos. O trabalho apresentado tem como ponto principal relatar ações direcionadas para orientar a comunidade quanto a utilização correta do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos e incentivar sua participação através de mudanças de hábitos e costumes para melhoria da qualidade de vida, saúde e preservação do Meio Ambiente. PALAVRAS-CHAVE: Esgotamento Sanitário, Educação Ambiental, Coleta de Esgoto, Tratamento de Esgoto, Despoluição Ambiental. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 735

2 INTRODUÇÃO O Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos domésticos é um dos pressupostos básicos para um ambiente saudável garantindo qualidade de vida e preservação do Meio Ambiente. A utilização adequada do Sistema proporciona o restabelecimento da pureza das águas e sua falta pode ocasionar sérios danos ao Meio Ambiente, à Saúde e à Qualidade de Vida, normalmente apresentado através de:? Rios poluídos e contaminados? Disseminação de doenças transmissíveis por veiculação hídrica? Proliferação de insetos e roedores transmissores de doenças? Mau cheiro? Degradação do Meio Ambiente? Baixo nível de Qualidade de Vida Os lançamentos diretos de esgotos domésticos e industriais tornam os rios altamente poluídos, bem como a quantidade de águas pluviais lançadas na rede coletora de esgotos aumentam significativamente a vazão do efluente que será tratado nas Estações de Tratamento de Esgotos - ETE s. O trabalho proposto visa a eliminação de:? lançamento indevido de águas pluviais na rede coletora de esgotos;? eliminação de fossas e sumidouros;? lançamento de esgotos na galeria de águas pluviais. Propõe também, despertar a comunidade através de noções de educação ambiental, refletir sobre o equilíbrio do ecossistema e incentivar sua participação através de atitudes para melhoria da Qualidade de Vida e preservação do Meio Ambiente. OBJETIVO O Programa de Despoluição Ambiental tem como objetivo contribuir para a melhoria do Meio Ambiente, da Saúde e da Qualidade de Vida, promovendo a despoluição dos rios e córregos formadores das Bacias Hidrográficas de Curitiba e Região Metropolitana, sensibilizando a comunidade através do repasse de noções de Educação Ambiental, de maneira a adotar atitudes apropriadas com respeito ao Meio Ambiente e utilização adequada do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos. OBJETIVOS ESPECÍFICOS? despoluir os rios e córregos através da redução da carga orgânica;? eliminar os lançamentos de esgotos sem tratamento nos rios e córregos; 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 736

3 ? eliminar os lançamentos de águas pluviais em redes coletoras de esgotos;? eliminar os lançamentos de esgotos em galerias de águas pluviais;? melhorar a eficiência das Estações de Tratamento de Esgotos;? promover educação ambiental junto aos diversos segmentos da sociedade, através de ações dirigidas junto a escolas e instituições;? executar redes coletoras;? identificar ligações de esgoto não cadastradas; e? comercializar e implantar novas ligações de esgoto em áreas providas pelo Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos e em áreas onde o sistema está sendo implantado. METODOLOGIA O Esgotamento Sanitário é um sistema constituído por tubulações de vários diâmetros que tem como finalidade transportar o esgoto doméstico que é composto pela água servida dos vasos sanitários; banheiros; pias de cozinha; tanques e máquinas de lavar roupa até as Estações de Tratamento que são projetadas para receber e tratar, através de processos que removem a matéria orgânica, lançando o efluente isento de poluição nos rios formadores de bacias hidrográficas. No entanto, para que o Sistema seja utilizado adequadamente, outras ações são necessárias, tais como: a) Instalações internas: As instalações internas, compostas a partir do ramal de ligação até o imóvel, devem seguir um padrão técnico construtivo com um cuidado especial na canalização que deve ser executada em trechos retos, com o mínimo de mudanças de direção. Se for necessário mudar a direção, deve ser colocada uma caixa de passagem para facilitar desentupimentos. Para esta tubulação deve ser utilizado tubos de PVC com juntas elásticas. O diâmetro mínimo (bitola) deverá ser de 4 polegadas (100mm) com inclinação mínima de 2%. b) Ligações regulares na rede coletora de esgoto: A rede de esgoto é dimensionada para receber esgotos domésticos, não devendo receber águas de chuvas que devem ser levadas para redes próprias, chamadas galerias de águas pluviais. Se o sistema de esgoto receber água de chuva poderá ficar saturado e refluir para algum imóvel, além de ocorrer a inviabilização do tratamento e danos ao sistema de coleta; Se o esgoto for lançado nas Galerias de Águas Pluviais estará poluindo os rios. c) Fossas e sumidouros: Após a conclusão do ramal interno devem ser eliminados fossas e sumidouros, evitando a poluição do lençol freático, disseminação de doenças, proliferação de animais nocivos, além do custo da limpeza periódica destes meios paliativos. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 737

4 d) Lixo, detritos e materiais estranhos: Não devem ser jogados lixos e materiais não degradáveis como madeira, plástico, metais e outros no esgoto sanitário, pois estes objetos prejudicam o tratamento. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 738

5 FORMAS DE ATUAÇÃO O trabalho consiste em repassar noções de Educação Ambiental para a comunidade objetivando a compreensão dos benefícios e vantagens recebidos através do uso adequado do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos e dos problemas que afetam o meio ambiente pelo seu uso indevido, sensibilizando e conscientizando a participação no trabalho. SISTEMA DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS - IMPLANTADO: São desenvolvidas atividades com a finalidade de diagnosticar a situação operacional do sistema de coleta e dos imóveis da bacia de esgotamento em questão. A bacia de esgotamento é dividida em sub-bacias de contribuição, realiza-se levantamento do número de imóveis a serem vistoriados para dimensionamento das equipes de trabalho em campo e planejamento das ações. As atividades desenvolvidas com os clientes são as seguintes:? Noções de Educação Ambiental - Personalizado As noções de educação ambiental são repassadas em cada imóvel localizado na região trabalhada, tendo como enfoque principal a despoluição hídrica dos rios e córregos existentes na área de atuação, explicando os benefícios e a importância do Trabalho, orientando e estimulando a comunidade para sua participação no trabalho como um dos pressupostos básicos para a preservação do meio ambiente.? Noções de Educação Ambiental - Instituições As noções de educação ambiental são repassadas em Escolas, Igrejas, Associações, Postos de Saúde e Clubes de Serviços localizados na região trabalhada, através da realização de palestras, com apresentação de vídeos, slides, transparências e teatro de fantoches, estimulando a comunidade para sua participação no trabalho como um dos pressupostos básicos para a preservação do meio ambiente.? Vistorias dos imóveis São realizadas vistorias em cada imóvel da área de atuação para verificar as seguintes situações que deverão ocorrer simultaneamente: - os efluentes de esgoto devem ser lançados na rede de esgoto; - as águas pluviais não devem ser lançadas na rede de esgoto; - inexistência de fossas e/ou sumidouros. As irregularidades que ocorrem no sistema podem ser de responsabilidade do cliente, da Empresa Concessionária ou da Prefeitura Municipal. Os imóveis que apresentam situação irregular, são notificados a providenciarem a regularização. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 739

6 ? Orientação técnica O cliente recebe orientação técnica tais como: - Execução da rede interna de esgoto e sua interligação à rede coletora de esgoto; - Execução da rede interna de águas de chuva e sua interligação às galerias de águas pluviais; - Uso adequado do sistema de coleta de esgoto; - Desativação de fossas e sumidouros; - Composição do esgoto doméstico; - Quando necessário, é colocado à disposição dos clientes serviço de topografia. SISTEMA DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS - EM IMPLANTAÇÃO Os procedimentos desenvolvidos para esta modalidade são basicamente os mesmos empregados no item anterior, com a vantagem do cliente receber orientação técnica, simultaneamente à implantação do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos. Além das atividades de Vistorias dos imóveis e ações de Educação Ambiental executa-se também, as seguintes atividades:? Pré-venda Na atividade de Pré-venda o cliente recebe informações sobre os benefícios e vantagens que estará recebendo com o Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos que está em fase de implantação no seu bairro, bem como custos, assistência técnica para a correta interligação do ramal interno e informações sobre o uso adequado.? Comercialização É efetivada a venda da ligação de esgoto, definida a forma de pagamento, assinado o Contrato de Adesão e repassado ao cliente informações complementares sobre o sistema em implantação. RESULTADOS OBTIDOS Quando do início dos trabalhos de vistorias em determinadas áreas, 40% dos imóveis, em média, apresentam algum tipo de irregularidade. Este percentual tende a zerar quando do desenvolvimento dos trabalhos. Das irregularidades encontradas com maior freqüência, pode-se citar:? ausência de redes coletoras de esgotos em áreas localizadas;? lançamento indevido de águas pluviais na rede coletora ou vice-versa;? lançamento de esgotos em locais indevidos: fossas, poço morto, rios;? redes coletoras danificadas e/ou obstruídas;? imóvel interligado à rede, porém sem cadastramento. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 740

7 Para exemplificar, pode-se citar o trabalho realizado na Bacia do Córrego Tarumã, localizado em Curitiba-PR, onde diagnosticou-se a situação inicial conforme Tabela 1: 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 741

8 Tabela 1: Situação inicial do Córrego Tarumã. número de imóveis pesquisados 2220 imóveis regulares 1074 clientes não atendidos com o sistema 74 ausência de rede coletora de esgoto 3000 m ausência de galerias de águas pluviais 500 m Após as ações desenvolvidas, obteve-se os resultados apresentados na Tabela 2: Tabela 2: Situação atual do Córrego Tarumã imóveis regularizados 960 imóveis pendentes 186 novos clientes atendidos com o sistema 74 execução de rede coletora de esgoto 3000 m execução de galerias de águas pluviais 500 m Os imóveis pendentes citados na Tabela 2 referem-se a imóveis fechados, em construção, abandonados, lotes vagos e imóveis com prazo de regularização prorrogados. CONCLUSÃO O trabalho realizado na Bacia do Córrego Tarumã desencadeou-se devido a existência junto ao córrego, de uma área de lazer denominada Bosque de Portugal. Apesar da beleza do Bosque, a visitação estava comprometida devido a carga orgânica lançada indevidamente no rio pela má utilização do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos. O envolvimento e a sensibilização do cliente em saber utilizar corretamente o sistema, garantiu vantagens e benefícios, evitando a disseminação de doenças de veiculação hídrica, problemas de mau cheiro, refluxo para dentro do imóvel e diminuindo também serviços de manutenção executados pela Empresa Concessionária do Sistema. Observou-se também, maior credibilidade em relação à imagem da empresa, no que tange seus compromissos com a qualidade nos serviços prestados e satisfação dos clientes. O maior benefício porém, está na preservação contínua do meio ambiente, estabelecendo com o ser humano uma relação de harmonia e de bem estar. Face as observações mencionadas e resultados positivos apresentados, conclui-se pela viabilidade de implementação deste projeto para outras Bacias de esgotamento sanitário. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 742

9 AGRADECIMENTOS Agradecemos aos técnicos da Área que incansavelmente dedicam-se ao desenvolvimento das atividades, pois a luta pela preservação do Meio Ambiente depende da sensibilização e conscientização contínua do ser humano. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. CÓDIGO SANITÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ, Lei Complementar 4/75, Decreto Lei 3641/77, Capítulo I, Art. 7º e Art. 8º, ago CÓDIGO DE POSTURAS E OBRAS DO MUNICÍPIO DE CURITIBA, Lei 699/53, Art. 483º, jul GUIDI, E.F., Manual do Programa de Despoluição Ambiental, jan BRANCO, S.M., Água Origem, Uso e Preservação, Editora Moderna, 7ª edição, CAVINATTO, V.M., Saneamento Básico, Editora Moderna, 13ª edição, o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 743

Número protocolo: IC.00909.00002/2010 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA Data protocolo: 24/10/2011

Número protocolo: IC.00909.00002/2010 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA Data protocolo: 24/10/2011 Número protocolo: IC.00909.00002/2010 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA Data protocolo: 24/10/2011 1. Trata-se de inquérito civil instaurado em 3 de fevereiro

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA SANEPAR

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA SANEPAR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA SANEPAR Marlus Alves Pereira (1) Formado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná -PUC, com especialização em língua portuguesa e literatura brasileira,

Leia mais

Relatório de Descrição da Prática de Gestão

Relatório de Descrição da Prática de Gestão Relatório de Descrição da Prática de Gestão 2 0 1 2 OC Superintendência Qualidade Polo Comunicação Depto Admin. e Financ. Depto Engenharia de Operação Depto Planej. Integ. e Rel. Com. UGR A UGR B UGR C

Leia mais

LANÇAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA E PROPOSTA DE SUA DIMINUIÇÃO ATRAVÉS DA COBRANÇA PELO INDÍCE PLUVIOMÉTRICO

LANÇAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA E PROPOSTA DE SUA DIMINUIÇÃO ATRAVÉS DA COBRANÇA PELO INDÍCE PLUVIOMÉTRICO LANÇAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA E PROPOSTA DE SUA DIMINUIÇÃO ATRAVÉS DA COBRANÇA PELO INDÍCE PLUVIOMÉTRICO TEMA VI: Esgotamento Sanitário AUTORES Paulo Sergio

Leia mais

IV-048 - DESPOLUIÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA GRANDE FORTALEZA / CEARÁ / BRASIL

IV-048 - DESPOLUIÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA GRANDE FORTALEZA / CEARÁ / BRASIL IV-048 - DESPOLUIÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA GRANDE FORTALEZA / CEARÁ / BRASIL Maria Goretti Gurgel Mota de Castro (1) Engenheira de Pesca - UFC/CE, Especialização em Engenharia Ambiental - Faculdade

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS ÁREA EXTERNA

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS ÁREA EXTERNA ÁREAS EXTERNAS A Sede do Sistema FIERGS conta com uma grande área de estacionamento, utilizada, também, para atividades paralelas, com o intuito de ampliação dos eventos existentes e de eventos independentes.

Leia mais

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE Miriam Suzana Rodrigues Schwarzbach 1 Resumo - Em 1997, o Departamento Municipal de Água

Leia mais

LEI N 5.252, DE 02 DE JANEIRO DE 2012.

LEI N 5.252, DE 02 DE JANEIRO DE 2012. LEI N 5.252, DE 02 DE JANEIRO DE 2012. INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL DE COLETA, RECICLAGEM DE ÓLEOS E GORDURAS USADAS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL, NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP INSTALAÇÃO HIDRÁULICA 1. INTRODUÇÃO As instalações de água fria devem atender

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA UERITON DA COSTA FIGUEIREDO FILHO (*), ORLEANE SOUZA DE BRITO 2, LEONARDO GOMES MARTINS 3, ENDEL DE

Leia mais

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2011 INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO - IGS Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico SETEMBRO/2011 A. OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

IDENTIFICÃO E PROPOSTA DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DO MERCADO PÚBLICO DA TORRE - JOÃO PESSOA, PB.

IDENTIFICÃO E PROPOSTA DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DO MERCADO PÚBLICO DA TORRE - JOÃO PESSOA, PB. IDENTIFICÃO E PROPOSTA DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DO MERCADO PÚBLICO DA TORRE - JOÃO PESSOA, PB. Mariana Moreira de OLIVEIRA 1, José Vicente Damante Ângelo e SILVA 2, Elisângela Maria Rodrigues

Leia mais

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 A cidade de Campo Grande, localizada no estado do Rio Grande do Norte (RN), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros

Leia mais

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006 TÍTULO INSTLÇÕES HIDRÁULICS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Projeto. Instalação. Hidráulica. INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 PROVÇÃO PROCESSO PR 009866/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO

NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Equipe de Elaboração/Revisão Elaboração e Instrutores ALDEMÁRIO SILVA DE OLIVEIRA UCCT/GPR/DT ALVAMAR ROBERTO COELHO CIRNE GFO/DT EDUARDO NOGUEIRA CUNHA UMED/GDP/DT

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Instalação de Estações de Tratamento de Esgotos por Zona de Raízes em Estabelecimentos Agrícolas Familiares na Bacia Hidrográfica Rio Mourão Mostra Local de: Campo Mourão Categoria

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR Leticia Polesel Weiss (leticia_w@hotmail.com) Rosana Pinheiro Maria Aparecida Oliveira Hinsching

Leia mais

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez 1. água 1.1 água fria 1.1.1 Cozinha 1.1.1.1 Interface placa cimentícia 1.1.2 Lavanderia 1.1.2.1 Interface placa

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI Com as mesmas seriedade e responsabilidade com que trata

Leia mais

Monica Elisa Bleich 1 ; Carlos José da Silva 2 ; Fabio Mesquita de Souza 3 ; Jeneffer Soares dos Santos 3

Monica Elisa Bleich 1 ; Carlos José da Silva 2 ; Fabio Mesquita de Souza 3 ; Jeneffer Soares dos Santos 3 CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DE UM ECOSSISTEMA AQUÁTICO URBANO NA AMAZÔNIA MATOGROSSENSE E SENSIBILIZAÇÃO DA COMUNIDADE PARA A SUA CONSERVAÇÃO E REABILITAÇÃO Monica Elisa Bleich 1 ; Carlos José da Silva 2

Leia mais

Gestão Ambiental 1/10/2012. Lei 11.445 de 05/01/2007. Saneamento (sanear) Módulo: Saneamento Ambiental

Gestão Ambiental 1/10/2012. Lei 11.445 de 05/01/2007. Saneamento (sanear) Módulo: Saneamento Ambiental Tema: Saneamento e Saúde Pública: as origens do Saneamento Ambiental Objetivos: Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves Módulo: Saneamento Ambiental Apresentar um breve histórico do saneamento dos agrupamentos

Leia mais

VI-032 - POLITICA DE CONTROLE AMBIENTAL NO ESTADO DA PARAÍBA

VI-032 - POLITICA DE CONTROLE AMBIENTAL NO ESTADO DA PARAÍBA VI-032 - POLITICA DE CONTROLE AMBIENTAL NO ESTADO DA PARAÍBA Maria de Fátima Morais Morosine (1) Química Industrial. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (UFPB). Pós graduada em Engenharia Sanitária

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE

TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE Tema II Esgotamento Sanitário Palavras-chaves: ligação de esgoto irregular. Autores: Heloiza Rachel

Leia mais

1.1 - Projeto de Intervenção Socioambiental do Empreendimento e/ou Técnico Social

1.1 - Projeto de Intervenção Socioambiental do Empreendimento e/ou Técnico Social Procedimentos: 1- EXECUÇÃO DA INTERVENÇÃO SOCIOAMBIENTAL 1.1 - Projeto de Intervenção Socioambiental do Empreendimento e/ou Técnico Social Será consolidado na reunião de início de contrato e/ou de integração

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ARAÇATUBA 2014 Nome Antônio Paulo da Silva Gama Bruno Roger Hoshino dos Santos Gustavo Chozi Izabela dos Santos Eduardo RA A424BG-5 A546BC-0 A395CC-0 A571BH-6 SISTEMA DE TRATAMENTO

Leia mais

I-029 - A GESTÃO DO LODO DE ESGOTO SANITÁRIO NA REGIÃO HIDROGRÁFICA DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ESTADO DE SÃO PAULO)

I-029 - A GESTÃO DO LODO DE ESGOTO SANITÁRIO NA REGIÃO HIDROGRÁFICA DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ESTADO DE SÃO PAULO) I-029 - A GESTÃO DO LODO DE ESGOTO SANITÁRIO NA REGIÃO HIDROGRÁFICA DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ESTADO DE SÃO PAULO) Daniel Henrique Honório (1) Engenheiro Ambiental pela Universidade

Leia mais

Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES

Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Atualmente, 1/3 da população mundial sofre escassez de água. Em 2050, mais de 2/3 da população mundial sofrerá deste problema! [ ] É consenso

Leia mais

Cálculos hidrológicos e h idraulicos para obras municipais Capítulo 83- Manutenção e Operação Eng Plínio Tomaz 30/10/2010 pliniotomaz@uol.com.

Cálculos hidrológicos e h idraulicos para obras municipais Capítulo 83- Manutenção e Operação Eng Plínio Tomaz 30/10/2010 pliniotomaz@uol.com. Capítulo 83 Manutenção e operação Sfumato (literalmente esfumado ) - disposição para aceitar a ambigüidade, o paradoxo e a incerteza. Leonardo Da Vinci 83-1 Ordem SUMÁRIO 83.1 Gerenciamento de sistema

Leia mais

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-028 PROGRAMA DE SANEAMENTO AMBIENTAL PARA O SEMI-ÁRIDO MINEIRO: OPÇÕES DE TRATAMENTO/RECICLAGEM DE ESGOTOS SANITÁRIOS PARA 20 CIDADES NO NORTE/NORDESTE DE MINAS GERAIS (EXPERIÊNCIA-PILOTO PARA O ESTADO)

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL JEVERTON PAES DOS SANTOS MORAES TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE LAGES (SC) 2014 JEVERTON PAES DOS SANTOS MORAES TRATAMENTO

Leia mais

Texto 1 Saneamento Básico, Medidas de Higiene e Parasitoses

Texto 1 Saneamento Básico, Medidas de Higiene e Parasitoses Texto 1 Saneamento Básico, Medidas de Higiene e Parasitoses 1. Saúde e doenças. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saúde é um estado de completo bem-estar físico, psíquico e social e não apenas

Leia mais

XII-019 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL: REÚSO DA ÁGUA E FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA COMO OPÇÕES PARA A SUSTENTEBILIDADE HABITACIONAL

XII-019 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL: REÚSO DA ÁGUA E FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA COMO OPÇÕES PARA A SUSTENTEBILIDADE HABITACIONAL XII-019 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL: REÚSO DA ÁGUA E FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA COMO OPÇÕES PARA A SUSTENTEBILIDADE HABITACIONAL Gleison Henrique da Silva (1) Engenheiro Civil pela Universidade de Passo

Leia mais

Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André

Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André Autores: Departamento de Gestão Ambiental SEMASA Serviço Municipal de Saneamento Ambiental

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Vereador ELIAS EMANUEL

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Vereador ELIAS EMANUEL PROJETO LEI Nº. 044/2015. Institui a criação da Política Municipal de Captação, Armazenamento e Aproveitamento da Água da Chuva no Município de Manaus, e dá outras providências. Art. 1º Fica instituída

Leia mais

Parâmetros internacionais: Terceiro setor: Função Vantagens

Parâmetros internacionais: Terceiro setor: Função Vantagens O QUE É O 3º SETOR Parâmetros internacionais: (ONU, 2002) Manual sobre as Instituições sem Fins Lucrativos. Terceiro setor: associações, fundações e entidades de interesse social e caráter público. Função:

Leia mais

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 15 Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Vamos dimensionar as tubulações do sistema de esgoto abaixo: 1. Análise do projeto. Temos uma casa com um banheiro, área de serviço e cozinha.

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC

ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC Aline Tramontin (1), Nestor Back (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG Nome do Painel: Manejo Ambiental no Combate à Dengue Eixo 3. Direitos justiça ambiental e

Leia mais

IMPACTO E PERSPECTIVAS SOBRE A REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA

IMPACTO E PERSPECTIVAS SOBRE A REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA IMPACTO E PERSPECTIVAS SOBRE A REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA Vera Maria Lopes Ponçano 1, Genesis Duarte de Oliveira Silva 2 1 Consultora Independente, Rede Metrológica do Estado de São Paulo,

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DECRETO Nº 6796 Altera e atualiza o Zoneamento Ecológico Econômico da Área de Proteção Ambiental denominada APA do Rio Verde. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo

Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo Tendo como escopo o aperfeiçoamento da prestação dos serviços de fornecimento e distribuição de água destinada a consumo

Leia mais

Agenda Ambiental Case Industria

Agenda Ambiental Case Industria Agenda Ambiental Case Industria Disciplina : Gestão de água e gestão de resíduos Professora: Simone Cohen Data: 17-julho-2010 Grupo: Carlos Augusto S.S. Dias Juliana de Freitas Calomeni Lilian Marques

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DAS PALMEIRAS / PR

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DAS PALMEIRAS / PR MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DAS PALMEIRAS / PR 1 a EDIÇÃO 2013 EQUIPE DE ELABORAÇÃO Coordenação Geral Prefeitura Municipal de São José das Palmeiras/PR Gestão 2013-2016: Prefeito Municipal: Nelton Brum Vice-Prefeito:

Leia mais

Anexo 6.3-4 Cópia do protocolo da minuta do projeto social-brasil Novo

Anexo 6.3-4 Cópia do protocolo da minuta do projeto social-brasil Novo RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 6.3-4 Cópia do protocolo da minuta do projeto social-brasil Novo Projeto

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Líquidos e Sólidos. Profa. Samara Monayna

Gerenciamento de Resíduos Líquidos e Sólidos. Profa. Samara Monayna Gerenciamento de Resíduos Líquidos e Sólidos Profa. Samara Monayna RESÍDUOS LÍQUIDOS Dejetos humanos podem ser veículos de várias doenças, por isso devem ficar longe de: Seres humanos; Vetores; Águas de

Leia mais

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE 1. TURNO: Noturno MODALIDADE: Saneamento ÁREA: Meio Ambiente e Tecnologia da Saúde GRAU ACADÊMICO: Tecnólogo em Meio Ambiente PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 3 anos Máximo =

Leia mais

ANEXO 2: ILUSTRAÇÕES DE SISTEMAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL DE ÁGUAS PLUVIAIS

ANEXO 2: ILUSTRAÇÕES DE SISTEMAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL DE ÁGUAS PLUVIAIS ANEXO 2: ILUSTRAÇÕES DE SISTEMAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL DE ÁGUAS PLUVIAIS 108 água potável: para beber, cozinhar e banho coletores separador da primeira chuva extravazor reservatório de água pluvial para

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG Edgard Jerônimo da Silva Júnior¹ Universidade

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA Projeto Estruturador Revitalização do Rio das Velhas Meta 2010/2014 Palestrante: Wanderlene Ferreira Nacif Gerência de Monitoramento

Leia mais

DECRETO Nº 17.007, DE 02 DE JULHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DO SERVIÇO AUTONÔMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ - ES

DECRETO Nº 17.007, DE 02 DE JULHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DO SERVIÇO AUTONÔMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ - ES DECRETO Nº 17.007, DE 02 DE JULHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DO SERVIÇO AUTONÔMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ - ES O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS

Leia mais

LEI Nº 1592/1997. DATA: 19 de maio de 1997. SÚMULA: Dispõe sobre a Política de Proteção, Conservação e Recuperação do Meio Ambiente.

LEI Nº 1592/1997. DATA: 19 de maio de 1997. SÚMULA: Dispõe sobre a Política de Proteção, Conservação e Recuperação do Meio Ambiente. LEI Nº 1592/1997 DATA: 19 de maio de 1997. SÚMULA: Dispõe sobre a Política de Proteção, Conservação e Recuperação do Meio Ambiente. A Câmara Municipal de Pato Branco, Estado do Paraná, decretou e eu Prefeito

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

MIRANDÓPOLIS OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 30.362.000,00

MIRANDÓPOLIS OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 30.362.000,00 MIRANDÓPOLIS OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 30.362.000,00 ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA: Obras concluídas: reforma, adequação e ampliação na Penitenciária II de Mirandópolis, situado na Av. Dr. Oswaldo

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Sustentabilidade Mariana Thozo Vieira

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Sustentabilidade Mariana Thozo Vieira 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Sustentabilidade Mariana Thozo Vieira Panorama Geral Cidade: Mirassol/SP; População: 55.000 habitantes; Concessão Plena de Água e Esgoto - 30 anos, iniciada em

Leia mais

Capítulo 24- Leis municipais sobre água de chuva

Capítulo 24- Leis municipais sobre água de chuva Aproveitamento de água de chuva em áreas urbanas para fins não potáveis Capitulo 24- Leis municipais sobre água de chuva Engenheiro Plínio Tomaz 23 de dezembro 2009 pliniotomaz@uol.com.br Capítulo 24-

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA PARA PROCEDIMENTOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO ÂMBITO DA RIO-ÁGUAS

INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA PARA PROCEDIMENTOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO ÂMBITO DA RIO-ÁGUAS INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA PARA PROCEDIMENTOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO ÂMBITO DA RIO-ÁGUAS A presente instrução estabelece os critérios básicos para a solicitação, processamento, fiscalização

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE DADOS DA CIDADE Data de fundação: 12 de dezembro de 1897 Área: 331 km 2 Latitude y Longitude 19 55'S, 43 56'W Minas Gerais BH INDICADORES DEMOGRÁFICOS População: 2.375.151

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 01234 MUNICIPIO DE IBIUNA - SP E01º Sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de

Leia mais

VALECONSULT EMPRESARIAL LTDA PROPOSTA COLETA E DISPOSIÇÃO ÓLEO COMESTÍVEL USADO

VALECONSULT EMPRESARIAL LTDA PROPOSTA COLETA E DISPOSIÇÃO ÓLEO COMESTÍVEL USADO PROPOSTA COLETA E DISPOSIÇÃO DO ÓLEO COMESTÍVEL USADO 1 REALIZAÇÃO CLÍNICA DE ENGENHARIA E PARCERIAS 2 OBJETIVOS 01.0-PORQUE COLETAR O ÓLEO DE COZINHA USADO: Batata frita, coxinha, pastel. São muitas as

Leia mais

CARTILHA. Saiba a importância do saneamento básico para se viver melhor. SECRETARIA DE SAÚDE

CARTILHA. Saiba a importância do saneamento básico para se viver melhor. SECRETARIA DE SAÚDE CARTILHA Saiba a importância do saneamento básico para se viver melhor. SECRETARIA DE SAÚDE APRESENTAÇÃO Investir em saneamento é ganhar em saúde. Mais do que isto, investir em saneamento é o começo de

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICO SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICO SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICO SANITÁRIAS PLANO DE DISCIPLINA 2014 prof. A. Ângelo Lorenzino EMENTA: Sistemas Prediais de Água Fria Sistemas Prediais de Água Quente Sistemas Prediais de Esgotos Sanitários Sistemas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU FUNDAÇÃO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE ANEXO V RESPONSABILIDADES E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU FUNDAÇÃO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE ANEXO V RESPONSABILIDADES E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ANEXO V RESPONSABILIDADES E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ADVOGADO cópia do anexo V-B da lei nº 661/2007 (plano de carreira) Defender direitos e interesses do Município, representando-o em juízo ou fora dele,

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DETALHES CONSTRUTIVOS OBJETIVO Este documento tem como objetivo definir diretrizes para projetos de Estações Elevatórias de Esgoto. SISTEMA DE ENTRADA A) MEDIÇÃO - As Estações Elevatórias cuja vazão seja

Leia mais

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Resumo Este trabalho toma como base para reflexão uma intervenção na área dos Igarapés de Manaus desenvolvido

Leia mais

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 SÃO FRANCISCO OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 2010 R$ 3.800.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 86.830 litros de leite, no período de Jan/2007 a Jul/2009 Custo: R$ 108 mil, beneficiando

Leia mais

Saneamento Básico Municipal

Saneamento Básico Municipal Saneamento Básico Municipal Apresentação COMISSÃO INTERNA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Componentes da Comissão Instituídos pela Portaria N 019/2015 e 031/2015. Carina Aparecida

Leia mais

PROGRAMA CAÇA-ESGOTO NAS BACIAS DOS RIBEIRÕES ARRUDAS E ONÇA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

PROGRAMA CAÇA-ESGOTO NAS BACIAS DOS RIBEIRÕES ARRUDAS E ONÇA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PROGRAMA CAÇA-ESGOTO NAS BACIAS DOS RIBEIRÕES ARRUDAS E ONÇA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Ronaldo Matias de Sousa (1) Engenheiro Civil com experiência de 14 anos na área de saneamento ambiental

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013

RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013 RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá OBJETO: Prestação de Serviços público para

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC DR. FRANCISCO NOGUEIRA DE LIMA Código: 059 Município: CASA BRANCA - SP Eixo Tecnológico: SAÚDE, AMBIENTE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem.

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. Nome do Autor: Engº Renan Moraes Sampaio, engenheiro

Leia mais

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb Materiais necessários Separe todo o material que será utilizado para a limpeza do seu reservatório. Anotações Papai, precisamos separar o material de limpeza. Claro, filha! Caixa d Água SAIBA COMO LIMPAR

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO Aviso - Engenheiro Vítor Manuel Pires Carmona, presidente da Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão, torna público, o Regulamento Municipal sobre o Sistema Público

Leia mais

USO DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EM APLICAÇÕES LIGADAS ÀS ÁREAS EDUCACIONAL, SOCIAL E AMBIENTAL

USO DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EM APLICAÇÕES LIGADAS ÀS ÁREAS EDUCACIONAL, SOCIAL E AMBIENTAL USO DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EM APLICAÇÕES LIGADAS ÀS ÁREAS EDUCACIONAL, SOCIAL E AMBIENTAL 1 - INTRODUÇÃO Roosevelt S. Fernandes (*) Valdir José de Souza Vinicius Braga Pelissari

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

1. Título do Projeto: Fiscal da Água. 2. Municípío: Itabirito MG

1. Título do Projeto: Fiscal da Água. 2. Municípío: Itabirito MG 1. Título do Projeto: Fiscal da Água 2. Municípío: Itabirito MG 3. Responsável pela elaboração e execução do projeto: - Responsável pela elaboração: Samanta Peixoto - Responsáveis pela execução: SAAE (Samanta

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Parecer Técnico DISAN 18562/2006 PARECER TÉCNICO DISAN N 18562/2006 Empreendedor: Prefeitura Municipal de Jequitibá Endereço: Av. Raimundo Ribeiro da Silva, 145 - Centro

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Estação Elevatória de Esgoto

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Estação Elevatória de Esgoto DETALHES CONSTRUTIVOS OBJETIVO Este documento tem como objetivo definir diretrizes para projetos de Estações Elevatórias de Esgoto. CLASSIFICAÇÃO DAS EEE POR PORTE As EEE são classificadas, segundo seu

Leia mais

Senac. Reciclagem de Raios-x 072.859.529-07 041.458.909-22 069.829.709-14 003.763.080-60 052.690.109-84

Senac. Reciclagem de Raios-x 072.859.529-07 041.458.909-22 069.829.709-14 003.763.080-60 052.690.109-84 Senac Reciclagem de Raios-x 072.859.529-07 041.458.909-22 069.829.709-14 003.763.080-60 052.690.109-84 Joinville 2013 RESUMO As radiografias possuem elementos químicos altamente agressivos à saúde e ao

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO Marilia de Jesus Oliveira (*), Eriswagner Matos Soares, Bethania de Sousa Pires, Vanessa Carvalho de Oliveira * Instituto Federal da Bahia, Campus de Vitória da Conquista,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos) PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos) Institui diretrizes para a reutilização e reciclagem de resíduos de construção civil e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Revisão de Ciências 3 Trimestre

Revisão de Ciências 3 Trimestre PARNAMIRIM - RN Revisão de Ciências 3 Trimestre Prof. José Roberto. Água e cidadania. Os diferentes usos da água Tudo em nossa vida depende da água, seja de forma direta, como na manutenção da vida: beber,

Leia mais

VI - 113 - MEIO AMBIENTE, CIDADANIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: ESTUDO DE CASO

VI - 113 - MEIO AMBIENTE, CIDADANIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: ESTUDO DE CASO VI - 113 - MEIO AMBIENTE, CIDADANIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: ESTUDO DE CASO Terezinha Rodrigues Chaves (1) Engenheira Química Universidade Federal do Ceará (UFC). Bacharel e

Leia mais

PROJETO O DESAFIO DA AÇÃO INTERSETORIAL PARA A SAÚDE O AMBIENTE E O TRABALHO NO CEARÁ: CONSTRUINDO REDE E TECENDO NÓS. SÉRIE 2:

PROJETO O DESAFIO DA AÇÃO INTERSETORIAL PARA A SAÚDE O AMBIENTE E O TRABALHO NO CEARÁ: CONSTRUINDO REDE E TECENDO NÓS. SÉRIE 2: PROJETO O DESAFIO DA AÇÃO INTERSETORIAL PARA A SAÚDE O AMBIENTE E O TRABALHO NO CEARÁ: CONSTRUINDO REDE E TECENDO NÓS. 3 FÓRUM TEMÁTICO: AGENDAS INTERSETORIAIS PARA O USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA Escola de

Leia mais

PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978

PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978 PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 85, item II, da Constituição e tendo em vista o disposto no artigo 9º do Decreto

Leia mais

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Introdução As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015 I. OBRAS I.1. I.1.1 1.1. ORIENTAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS Documentos necessários Para o início da obra será necessária a apresentação ao, dos seguintes documentos que devem permanecer na obra durante sua

Leia mais

PRÁTICAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ADOTADAS COMO MODELO DE GESTÃO: O CASO CVI

PRÁTICAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ADOTADAS COMO MODELO DE GESTÃO: O CASO CVI PRÁTICAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ADOTADAS COMO MODELO DE GESTÃO: O CASO CVI Disciplina de Estágio Supervisionado II - Curso de Administração UNIFRA Preparado pela acadêmica: Marceli da Costa Cardoso

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL SOBRE A RECICLAGEM DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS E O REUSO DE ESGOTO SANITÁRIO APÓS TRATAMENTO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL SOBRE A RECICLAGEM DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS E O REUSO DE ESGOTO SANITÁRIO APÓS TRATAMENTO EDUCAÇÃO AMBIENTAL SOBRE A RECICLAGEM DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS E O REUSO DE ESGOTO SANITÁRIO APÓS TRATAMENTO Maria Angeles Lobo Recio 1, Ana Raquel Bernardy², Catherine da Rosa Rossi 3, Kátia Cilene Rodrigues

Leia mais

7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL 7.1. PROGRAMA DE PROTEÇÃO DO TRABALHADOR E SEGURANÇA DO AMBIENTE DE TRABALHO

7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL 7.1. PROGRAMA DE PROTEÇÃO DO TRABALHADOR E SEGURANÇA DO AMBIENTE DE TRABALHO 7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL O plano de controle e monitoramento técnico e ambiental tem como objetivo propor soluções para controlar e/ou atenuar os impactos ambientais adversos gerados

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II SOUSA, K.C. 1 ; SOUSA, K.C. 2 ; OLIVEIRA, A.C. 3 ; NETO, A.T. 4 1 Estudante 4 período de Engenharia Ambiental - Universidade de Uberaba; 2 Estudante 4 período

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPADINHA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPADINHA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPADINHA Secretaria Municipal de Saúde - SEMUS PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BASICO DE CHAPADINHA PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL São Luis 2014 2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. INTRODUÇÃO...

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE TANGUÁ/RJ 1. Trata o

Leia mais

CAPTAÇÃO E UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA

CAPTAÇÃO E UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA CAPTAÇÃO E UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA Débora Thomé Miranda Universidade Tecnológica Federal do Paraná - campus Toledo debora_thomeh@hotmail.com Carla Saliby Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais