USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL"

Transcrição

1 USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL Leane Chamma Barbar Przybysz (1) Engenheira Química formada pela Universidade Estadual de Maringá em Possui curso de Especialização em Engenharia da Qualidade pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUC-PR. Participou de estágio realizado na França em 1993 na área de Saneamento Básico. Atualmente exerce a função de Gerente de Divisão de Operação de Esgotos na Companhia de Saneamento do Paraná - Sanepar. Eduardo Felipe Guidi Engenheiro Agrônomo formado pela Universidade Federal do Paraná em Possui curso de Especialização em Administração Pública Fundação Getúlio Vargas e Especialização em Planejamento pela Faculdade de Administração e Economia. Atualmente coordena o Programa de Despoluição Ambiental na Companhia de Saneamento do Paraná - Sanepar. Endereço (1) : Rua Pedro de Toledo, Prado Velho - Curitiba - PR - CEP: Brasil - Tel: (041) RESUMO As Bacias Hidrográficas situadas em grandes cidades ou aglomerações urbanas são poluídas principalmente por esgotos domésticos lançados indevidamente, estabelecendo um grau de degradação acentuado nesses cursos de água. A implementação de ações de sensibilização e conscientização junto a comunidade e órgãos envolvidos, propiciam a recuperação dos recursos hídricos tendo em vista a utilização adequada do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos. O trabalho apresentado tem como ponto principal relatar ações direcionadas para orientar a comunidade quanto a utilização correta do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos e incentivar sua participação através de mudanças de hábitos e costumes para melhoria da qualidade de vida, saúde e preservação do Meio Ambiente. PALAVRAS-CHAVE: Esgotamento Sanitário, Educação Ambiental, Coleta de Esgoto, Tratamento de Esgoto, Despoluição Ambiental. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 735

2 INTRODUÇÃO O Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos domésticos é um dos pressupostos básicos para um ambiente saudável garantindo qualidade de vida e preservação do Meio Ambiente. A utilização adequada do Sistema proporciona o restabelecimento da pureza das águas e sua falta pode ocasionar sérios danos ao Meio Ambiente, à Saúde e à Qualidade de Vida, normalmente apresentado através de:? Rios poluídos e contaminados? Disseminação de doenças transmissíveis por veiculação hídrica? Proliferação de insetos e roedores transmissores de doenças? Mau cheiro? Degradação do Meio Ambiente? Baixo nível de Qualidade de Vida Os lançamentos diretos de esgotos domésticos e industriais tornam os rios altamente poluídos, bem como a quantidade de águas pluviais lançadas na rede coletora de esgotos aumentam significativamente a vazão do efluente que será tratado nas Estações de Tratamento de Esgotos - ETE s. O trabalho proposto visa a eliminação de:? lançamento indevido de águas pluviais na rede coletora de esgotos;? eliminação de fossas e sumidouros;? lançamento de esgotos na galeria de águas pluviais. Propõe também, despertar a comunidade através de noções de educação ambiental, refletir sobre o equilíbrio do ecossistema e incentivar sua participação através de atitudes para melhoria da Qualidade de Vida e preservação do Meio Ambiente. OBJETIVO O Programa de Despoluição Ambiental tem como objetivo contribuir para a melhoria do Meio Ambiente, da Saúde e da Qualidade de Vida, promovendo a despoluição dos rios e córregos formadores das Bacias Hidrográficas de Curitiba e Região Metropolitana, sensibilizando a comunidade através do repasse de noções de Educação Ambiental, de maneira a adotar atitudes apropriadas com respeito ao Meio Ambiente e utilização adequada do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos. OBJETIVOS ESPECÍFICOS? despoluir os rios e córregos através da redução da carga orgânica;? eliminar os lançamentos de esgotos sem tratamento nos rios e córregos; 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 736

3 ? eliminar os lançamentos de águas pluviais em redes coletoras de esgotos;? eliminar os lançamentos de esgotos em galerias de águas pluviais;? melhorar a eficiência das Estações de Tratamento de Esgotos;? promover educação ambiental junto aos diversos segmentos da sociedade, através de ações dirigidas junto a escolas e instituições;? executar redes coletoras;? identificar ligações de esgoto não cadastradas; e? comercializar e implantar novas ligações de esgoto em áreas providas pelo Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos e em áreas onde o sistema está sendo implantado. METODOLOGIA O Esgotamento Sanitário é um sistema constituído por tubulações de vários diâmetros que tem como finalidade transportar o esgoto doméstico que é composto pela água servida dos vasos sanitários; banheiros; pias de cozinha; tanques e máquinas de lavar roupa até as Estações de Tratamento que são projetadas para receber e tratar, através de processos que removem a matéria orgânica, lançando o efluente isento de poluição nos rios formadores de bacias hidrográficas. No entanto, para que o Sistema seja utilizado adequadamente, outras ações são necessárias, tais como: a) Instalações internas: As instalações internas, compostas a partir do ramal de ligação até o imóvel, devem seguir um padrão técnico construtivo com um cuidado especial na canalização que deve ser executada em trechos retos, com o mínimo de mudanças de direção. Se for necessário mudar a direção, deve ser colocada uma caixa de passagem para facilitar desentupimentos. Para esta tubulação deve ser utilizado tubos de PVC com juntas elásticas. O diâmetro mínimo (bitola) deverá ser de 4 polegadas (100mm) com inclinação mínima de 2%. b) Ligações regulares na rede coletora de esgoto: A rede de esgoto é dimensionada para receber esgotos domésticos, não devendo receber águas de chuvas que devem ser levadas para redes próprias, chamadas galerias de águas pluviais. Se o sistema de esgoto receber água de chuva poderá ficar saturado e refluir para algum imóvel, além de ocorrer a inviabilização do tratamento e danos ao sistema de coleta; Se o esgoto for lançado nas Galerias de Águas Pluviais estará poluindo os rios. c) Fossas e sumidouros: Após a conclusão do ramal interno devem ser eliminados fossas e sumidouros, evitando a poluição do lençol freático, disseminação de doenças, proliferação de animais nocivos, além do custo da limpeza periódica destes meios paliativos. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 737

4 d) Lixo, detritos e materiais estranhos: Não devem ser jogados lixos e materiais não degradáveis como madeira, plástico, metais e outros no esgoto sanitário, pois estes objetos prejudicam o tratamento. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 738

5 FORMAS DE ATUAÇÃO O trabalho consiste em repassar noções de Educação Ambiental para a comunidade objetivando a compreensão dos benefícios e vantagens recebidos através do uso adequado do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos e dos problemas que afetam o meio ambiente pelo seu uso indevido, sensibilizando e conscientizando a participação no trabalho. SISTEMA DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS - IMPLANTADO: São desenvolvidas atividades com a finalidade de diagnosticar a situação operacional do sistema de coleta e dos imóveis da bacia de esgotamento em questão. A bacia de esgotamento é dividida em sub-bacias de contribuição, realiza-se levantamento do número de imóveis a serem vistoriados para dimensionamento das equipes de trabalho em campo e planejamento das ações. As atividades desenvolvidas com os clientes são as seguintes:? Noções de Educação Ambiental - Personalizado As noções de educação ambiental são repassadas em cada imóvel localizado na região trabalhada, tendo como enfoque principal a despoluição hídrica dos rios e córregos existentes na área de atuação, explicando os benefícios e a importância do Trabalho, orientando e estimulando a comunidade para sua participação no trabalho como um dos pressupostos básicos para a preservação do meio ambiente.? Noções de Educação Ambiental - Instituições As noções de educação ambiental são repassadas em Escolas, Igrejas, Associações, Postos de Saúde e Clubes de Serviços localizados na região trabalhada, através da realização de palestras, com apresentação de vídeos, slides, transparências e teatro de fantoches, estimulando a comunidade para sua participação no trabalho como um dos pressupostos básicos para a preservação do meio ambiente.? Vistorias dos imóveis São realizadas vistorias em cada imóvel da área de atuação para verificar as seguintes situações que deverão ocorrer simultaneamente: - os efluentes de esgoto devem ser lançados na rede de esgoto; - as águas pluviais não devem ser lançadas na rede de esgoto; - inexistência de fossas e/ou sumidouros. As irregularidades que ocorrem no sistema podem ser de responsabilidade do cliente, da Empresa Concessionária ou da Prefeitura Municipal. Os imóveis que apresentam situação irregular, são notificados a providenciarem a regularização. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 739

6 ? Orientação técnica O cliente recebe orientação técnica tais como: - Execução da rede interna de esgoto e sua interligação à rede coletora de esgoto; - Execução da rede interna de águas de chuva e sua interligação às galerias de águas pluviais; - Uso adequado do sistema de coleta de esgoto; - Desativação de fossas e sumidouros; - Composição do esgoto doméstico; - Quando necessário, é colocado à disposição dos clientes serviço de topografia. SISTEMA DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS - EM IMPLANTAÇÃO Os procedimentos desenvolvidos para esta modalidade são basicamente os mesmos empregados no item anterior, com a vantagem do cliente receber orientação técnica, simultaneamente à implantação do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos. Além das atividades de Vistorias dos imóveis e ações de Educação Ambiental executa-se também, as seguintes atividades:? Pré-venda Na atividade de Pré-venda o cliente recebe informações sobre os benefícios e vantagens que estará recebendo com o Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos que está em fase de implantação no seu bairro, bem como custos, assistência técnica para a correta interligação do ramal interno e informações sobre o uso adequado.? Comercialização É efetivada a venda da ligação de esgoto, definida a forma de pagamento, assinado o Contrato de Adesão e repassado ao cliente informações complementares sobre o sistema em implantação. RESULTADOS OBTIDOS Quando do início dos trabalhos de vistorias em determinadas áreas, 40% dos imóveis, em média, apresentam algum tipo de irregularidade. Este percentual tende a zerar quando do desenvolvimento dos trabalhos. Das irregularidades encontradas com maior freqüência, pode-se citar:? ausência de redes coletoras de esgotos em áreas localizadas;? lançamento indevido de águas pluviais na rede coletora ou vice-versa;? lançamento de esgotos em locais indevidos: fossas, poço morto, rios;? redes coletoras danificadas e/ou obstruídas;? imóvel interligado à rede, porém sem cadastramento. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 740

7 Para exemplificar, pode-se citar o trabalho realizado na Bacia do Córrego Tarumã, localizado em Curitiba-PR, onde diagnosticou-se a situação inicial conforme Tabela 1: 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 741

8 Tabela 1: Situação inicial do Córrego Tarumã. número de imóveis pesquisados 2220 imóveis regulares 1074 clientes não atendidos com o sistema 74 ausência de rede coletora de esgoto 3000 m ausência de galerias de águas pluviais 500 m Após as ações desenvolvidas, obteve-se os resultados apresentados na Tabela 2: Tabela 2: Situação atual do Córrego Tarumã imóveis regularizados 960 imóveis pendentes 186 novos clientes atendidos com o sistema 74 execução de rede coletora de esgoto 3000 m execução de galerias de águas pluviais 500 m Os imóveis pendentes citados na Tabela 2 referem-se a imóveis fechados, em construção, abandonados, lotes vagos e imóveis com prazo de regularização prorrogados. CONCLUSÃO O trabalho realizado na Bacia do Córrego Tarumã desencadeou-se devido a existência junto ao córrego, de uma área de lazer denominada Bosque de Portugal. Apesar da beleza do Bosque, a visitação estava comprometida devido a carga orgânica lançada indevidamente no rio pela má utilização do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos. O envolvimento e a sensibilização do cliente em saber utilizar corretamente o sistema, garantiu vantagens e benefícios, evitando a disseminação de doenças de veiculação hídrica, problemas de mau cheiro, refluxo para dentro do imóvel e diminuindo também serviços de manutenção executados pela Empresa Concessionária do Sistema. Observou-se também, maior credibilidade em relação à imagem da empresa, no que tange seus compromissos com a qualidade nos serviços prestados e satisfação dos clientes. O maior benefício porém, está na preservação contínua do meio ambiente, estabelecendo com o ser humano uma relação de harmonia e de bem estar. Face as observações mencionadas e resultados positivos apresentados, conclui-se pela viabilidade de implementação deste projeto para outras Bacias de esgotamento sanitário. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 742

9 AGRADECIMENTOS Agradecemos aos técnicos da Área que incansavelmente dedicam-se ao desenvolvimento das atividades, pois a luta pela preservação do Meio Ambiente depende da sensibilização e conscientização contínua do ser humano. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. CÓDIGO SANITÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ, Lei Complementar 4/75, Decreto Lei 3641/77, Capítulo I, Art. 7º e Art. 8º, ago CÓDIGO DE POSTURAS E OBRAS DO MUNICÍPIO DE CURITIBA, Lei 699/53, Art. 483º, jul GUIDI, E.F., Manual do Programa de Despoluição Ambiental, jan BRANCO, S.M., Água Origem, Uso e Preservação, Editora Moderna, 7ª edição, CAVINATTO, V.M., Saneamento Básico, Editora Moderna, 13ª edição, o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 743

Número protocolo: IC.00909.00002/2010 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA Data protocolo: 24/10/2011

Número protocolo: IC.00909.00002/2010 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA Data protocolo: 24/10/2011 Número protocolo: IC.00909.00002/2010 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA Data protocolo: 24/10/2011 1. Trata-se de inquérito civil instaurado em 3 de fevereiro

Leia mais

LANÇAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA E PROPOSTA DE SUA DIMINUIÇÃO ATRAVÉS DA COBRANÇA PELO INDÍCE PLUVIOMÉTRICO

LANÇAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA E PROPOSTA DE SUA DIMINUIÇÃO ATRAVÉS DA COBRANÇA PELO INDÍCE PLUVIOMÉTRICO LANÇAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA E PROPOSTA DE SUA DIMINUIÇÃO ATRAVÉS DA COBRANÇA PELO INDÍCE PLUVIOMÉTRICO TEMA VI: Esgotamento Sanitário AUTORES Paulo Sergio

Leia mais

Relatório de Descrição da Prática de Gestão

Relatório de Descrição da Prática de Gestão Relatório de Descrição da Prática de Gestão 2 0 1 2 OC Superintendência Qualidade Polo Comunicação Depto Admin. e Financ. Depto Engenharia de Operação Depto Planej. Integ. e Rel. Com. UGR A UGR B UGR C

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR Leticia Polesel Weiss (leticia_w@hotmail.com) Rosana Pinheiro Maria Aparecida Oliveira Hinsching

Leia mais

IV-048 - DESPOLUIÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA GRANDE FORTALEZA / CEARÁ / BRASIL

IV-048 - DESPOLUIÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA GRANDE FORTALEZA / CEARÁ / BRASIL IV-048 - DESPOLUIÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA GRANDE FORTALEZA / CEARÁ / BRASIL Maria Goretti Gurgel Mota de Castro (1) Engenheira de Pesca - UFC/CE, Especialização em Engenharia Ambiental - Faculdade

Leia mais

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 A cidade de Campo Grande, localizada no estado do Rio Grande do Norte (RN), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros

Leia mais

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2011 INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO - IGS Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico SETEMBRO/2011 A. OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA SANEPAR

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA SANEPAR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA SANEPAR Marlus Alves Pereira (1) Formado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná -PUC, com especialização em língua portuguesa e literatura brasileira,

Leia mais

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE 1. TURNO: Noturno MODALIDADE: Saneamento ÁREA: Meio Ambiente e Tecnologia da Saúde GRAU ACADÊMICO: Tecnólogo em Meio Ambiente PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 3 anos Máximo =

Leia mais

Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES

Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Atualmente, 1/3 da população mundial sofre escassez de água. Em 2050, mais de 2/3 da população mundial sofrerá deste problema! [ ] É consenso

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP INSTALAÇÃO HIDRÁULICA 1. INTRODUÇÃO As instalações de água fria devem atender

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Instalação de Estações de Tratamento de Esgotos por Zona de Raízes em Estabelecimentos Agrícolas Familiares na Bacia Hidrográfica Rio Mourão Mostra Local de: Campo Mourão Categoria

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Vereador ELIAS EMANUEL

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Vereador ELIAS EMANUEL PROJETO LEI Nº. 044/2015. Institui a criação da Política Municipal de Captação, Armazenamento e Aproveitamento da Água da Chuva no Município de Manaus, e dá outras providências. Art. 1º Fica instituída

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL JEVERTON PAES DOS SANTOS MORAES TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE LAGES (SC) 2014 JEVERTON PAES DOS SANTOS MORAES TRATAMENTO

Leia mais

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG Nome do Painel: Manejo Ambiental no Combate à Dengue Eixo 3. Direitos justiça ambiental e

Leia mais

Saneamento Básico Municipal

Saneamento Básico Municipal Saneamento Básico Municipal Apresentação COMISSÃO INTERNA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Componentes da Comissão Instituídos pela Portaria N 019/2015 e 031/2015. Carina Aparecida

Leia mais

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-028 PROGRAMA DE SANEAMENTO AMBIENTAL PARA O SEMI-ÁRIDO MINEIRO: OPÇÕES DE TRATAMENTO/RECICLAGEM DE ESGOTOS SANITÁRIOS PARA 20 CIDADES NO NORTE/NORDESTE DE MINAS GERAIS (EXPERIÊNCIA-PILOTO PARA O ESTADO)

Leia mais

IDENTIFICÃO E PROPOSTA DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DO MERCADO PÚBLICO DA TORRE - JOÃO PESSOA, PB.

IDENTIFICÃO E PROPOSTA DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DO MERCADO PÚBLICO DA TORRE - JOÃO PESSOA, PB. IDENTIFICÃO E PROPOSTA DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DO MERCADO PÚBLICO DA TORRE - JOÃO PESSOA, PB. Mariana Moreira de OLIVEIRA 1, José Vicente Damante Ângelo e SILVA 2, Elisângela Maria Rodrigues

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE Miriam Suzana Rodrigues Schwarzbach 1 Resumo - Em 1997, o Departamento Municipal de Água

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE DADOS DA CIDADE Data de fundação: 12 de dezembro de 1897 Área: 331 km 2 Latitude y Longitude 19 55'S, 43 56'W Minas Gerais BH INDICADORES DEMOGRÁFICOS População: 2.375.151

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE

TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE Tema II Esgotamento Sanitário Palavras-chaves: ligação de esgoto irregular. Autores: Heloiza Rachel

Leia mais

Gestão Ambiental 1/10/2012. Lei 11.445 de 05/01/2007. Saneamento (sanear) Módulo: Saneamento Ambiental

Gestão Ambiental 1/10/2012. Lei 11.445 de 05/01/2007. Saneamento (sanear) Módulo: Saneamento Ambiental Tema: Saneamento e Saúde Pública: as origens do Saneamento Ambiental Objetivos: Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves Módulo: Saneamento Ambiental Apresentar um breve histórico do saneamento dos agrupamentos

Leia mais

Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André

Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André Autores: Departamento de Gestão Ambiental SEMASA Serviço Municipal de Saneamento Ambiental

Leia mais

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

CAPTAÇÃO E UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA

CAPTAÇÃO E UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA CAPTAÇÃO E UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA Débora Thomé Miranda Universidade Tecnológica Federal do Paraná - campus Toledo debora_thomeh@hotmail.com Carla Saliby Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ARAÇATUBA 2014 Nome Antônio Paulo da Silva Gama Bruno Roger Hoshino dos Santos Gustavo Chozi Izabela dos Santos Eduardo RA A424BG-5 A546BC-0 A395CC-0 A571BH-6 SISTEMA DE TRATAMENTO

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS FACULDADES INTEGRADAS DE FERNANDÓPOLIS PIBID- PROGRAMA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS FACULDADES INTEGRADAS DE FERNANDÓPOLIS PIBID- PROGRAMA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS FACULDADES INTEGRADAS DE FERNANDÓPOLIS PIBID- PROGRAMA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ESCOLA TANURI DISCUTINDO A SUSTENTABILIDADE DO MUNÍCIPIO

Leia mais

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez 1. água 1.1 água fria 1.1.1 Cozinha 1.1.1.1 Interface placa cimentícia 1.1.2 Lavanderia 1.1.2.1 Interface placa

Leia mais

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem.

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. Nome do Autor: Engº Renan Moraes Sampaio, engenheiro

Leia mais

Security Level Initials/YYYY-MM-DD

Security Level Initials/YYYY-MM-DD Security Level Initials/YYYY-MM-DD Projeto Nascentes Protegendo um Recurso Limitado Água: Escassez no Mundo Água: Escassez no Mundo Água: Um recurso limitado 70% da Terra é coberta por água; Apenas 3%

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Líquidos e Sólidos. Profa. Samara Monayna

Gerenciamento de Resíduos Líquidos e Sólidos. Profa. Samara Monayna Gerenciamento de Resíduos Líquidos e Sólidos Profa. Samara Monayna RESÍDUOS LÍQUIDOS Dejetos humanos podem ser veículos de várias doenças, por isso devem ficar longe de: Seres humanos; Vetores; Águas de

Leia mais

ICMS ECOLÓGICO: UM ESTÍMULO PARA A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO AMBIENTAL EM MINAS GERAIS

ICMS ECOLÓGICO: UM ESTÍMULO PARA A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO AMBIENTAL EM MINAS GERAIS Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ICMS ECOLÓGICO: UM ESTÍMULO PARA A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO AMBIENTAL EM MINAS GERAIS Rafael Geraldo Àvila Freitas (*), Juliana Oliveira de Miranda Pacheco,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP.

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. Silvano Silvério da Costa * Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE Engenheiro

Leia mais

LEI N 5.252, DE 02 DE JANEIRO DE 2012.

LEI N 5.252, DE 02 DE JANEIRO DE 2012. LEI N 5.252, DE 02 DE JANEIRO DE 2012. INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL DE COLETA, RECICLAGEM DE ÓLEOS E GORDURAS USADAS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL, NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal.

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. Em resumo, o programa fornece, mediante convênio de cooperação

Leia mais

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud 2012. La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN 978-959-212-811-8

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud 2012. La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN 978-959-212-811-8 IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS INTEGRADAS PARA CONTROLE DA MALÁRIA COM ENFOQUE NO USO DE TELAS E MOSQUITEIROS IMPREGNADOS COM INSETICIDA SANTOS, G. 1;2 ; CASTRO, D. 1 ; FREITAS, L.M. 1, ; FIALHO, R. 1 ; ALBUQUERQUE,

Leia mais

ÍNDICE 5. PROGRAMA DE TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS DA OBRA EM QUESTÕES AMBIENTAIS, SAÚDE E SEGURANÇA... 2. 5.1 Introdução...

ÍNDICE 5. PROGRAMA DE TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS DA OBRA EM QUESTÕES AMBIENTAIS, SAÚDE E SEGURANÇA... 2. 5.1 Introdução... ÍNDICE 5. EM QUESTÕES AMBIENTAIS, SAÚDE E SEGURANÇA... 2 5.1 Introdução... 2 5.2 Justificativa... 2 5.3 Objetivos... 3 5.4 Metas... 3 5.5 Indicadores Ambientais... 4 5.6 Público-Alvo... 4 5.7 Metodologia

Leia mais

Seminário. Taxa de Drenagem Urbana O que é? Como Cobrar?

Seminário. Taxa de Drenagem Urbana O que é? Como Cobrar? Escola Politécnica Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos Seminário Taxa de Drenagem Urbana O que é? Como Cobrar? Maíra Simões Cucio Nº USP: 5621990 Novembro

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS ÁREA EXTERNA

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS ÁREA EXTERNA ÁREAS EXTERNAS A Sede do Sistema FIERGS conta com uma grande área de estacionamento, utilizada, também, para atividades paralelas, com o intuito de ampliação dos eventos existentes e de eventos independentes.

Leia mais

Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS

Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS 1 Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO LANÇAMENTOS DE ESGOTOS E

Leia mais

A PRODUTIVIDADE NA EXECUÇÃO DE ADUTORAS DE ÁGUA

A PRODUTIVIDADE NA EXECUÇÃO DE ADUTORAS DE ÁGUA A PRODUTIVIDADE NA EXECUÇÃO DE ADUTORAS DE ÁGUA Odívio da S. Rezende Neto (1); Ubiraci E. L. de Souza (2); Carla A. Sautchúk (3) (1) Dep. de Construção Civil, Escola Politécnica da USP, odivio.rezende@poli.usp.br

Leia mais

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006 TÍTULO INSTLÇÕES HIDRÁULICS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Projeto. Instalação. Hidráulica. INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 PROVÇÃO PROCESSO PR 009866/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos) PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos) Institui diretrizes para a reutilização e reciclagem de resíduos de construção civil e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 12-08-09 SEÇÃO I PAG 55 RESOLUÇÃO SMA-055 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 Altera a denominação do Projeto Ambiental Estratégico Município Verde para Projeto Ambiental Estratégico

Leia mais

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 SÃO FRANCISCO OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 2010 R$ 3.800.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 86.830 litros de leite, no período de Jan/2007 a Jul/2009 Custo: R$ 108 mil, beneficiando

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

XII-019 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL: REÚSO DA ÁGUA E FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA COMO OPÇÕES PARA A SUSTENTEBILIDADE HABITACIONAL

XII-019 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL: REÚSO DA ÁGUA E FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA COMO OPÇÕES PARA A SUSTENTEBILIDADE HABITACIONAL XII-019 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL: REÚSO DA ÁGUA E FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA COMO OPÇÕES PARA A SUSTENTEBILIDADE HABITACIONAL Gleison Henrique da Silva (1) Engenheiro Civil pela Universidade de Passo

Leia mais

Texto 1 Saneamento Básico, Medidas de Higiene e Parasitoses

Texto 1 Saneamento Básico, Medidas de Higiene e Parasitoses Texto 1 Saneamento Básico, Medidas de Higiene e Parasitoses 1. Saúde e doenças. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saúde é um estado de completo bem-estar físico, psíquico e social e não apenas

Leia mais

TITULO DO TRABALHO DEFINITIVO: PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA REPRESA DO FAXINAL

TITULO DO TRABALHO DEFINITIVO: PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA REPRESA DO FAXINAL TITULO DO TRABALHO DEFINITIVO: PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA REPRESA DO FAXINAL Edio Elói Frizzo; Roberto Carlos da Silva Alves; Maria do Carmo S. Ekman. Currículo dos autores: Edio Elói

Leia mais

Informativo Caema. Informativo Semanal da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão ANO I - N 19 - São Luís, 08 de outubro de 2015

Informativo Caema. Informativo Semanal da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão ANO I - N 19 - São Luís, 08 de outubro de 2015 Informativo Caema Informativo Semanal da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão ANO I - N 19 - São Luís, 08 de outubro de 2015 Caema monta maquete de estação de tratamento de água e apresenta ações

Leia mais

TRATAMENTO DE DEJETOS HUMANOS: USO DA SANITÁRIA COMPOSTEIRA SECA COMO ALTERNATIVA NO IFC - CAMPUS RIO DO SUL

TRATAMENTO DE DEJETOS HUMANOS: USO DA SANITÁRIA COMPOSTEIRA SECA COMO ALTERNATIVA NO IFC - CAMPUS RIO DO SUL TRATAMENTO DE DEJETOS HUMANOS: USO DA SANITÁRIA COMPOSTEIRA SECA COMO ALTERNATIVA NO IFC - CAMPUS RIO DO SUL Ana Carla KUNESKI 1, Bruno MONTIBELLER 2, Évany FERRARI 3, Iago SCHIOCHET 4, Graciane Regina

Leia mais

ÁGUA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUSEU DE CIÊNCIAS NATURAIS

ÁGUA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUSEU DE CIÊNCIAS NATURAIS ÁGUA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUSEU DE CIÊNCIAS NATURAIS Tania Lúcia Muneron (Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó) Andressa Samara Volinski (Universidade Comunitária da Região de

Leia mais

CARTILHA. Saiba a importância do saneamento básico para se viver melhor. SECRETARIA DE SAÚDE

CARTILHA. Saiba a importância do saneamento básico para se viver melhor. SECRETARIA DE SAÚDE CARTILHA Saiba a importância do saneamento básico para se viver melhor. SECRETARIA DE SAÚDE APRESENTAÇÃO Investir em saneamento é ganhar em saúde. Mais do que isto, investir em saneamento é o começo de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II SOUSA, K.C. 1 ; SOUSA, K.C. 2 ; OLIVEIRA, A.C. 3 ; NETO, A.T. 4 1 Estudante 4 período de Engenharia Ambiental - Universidade de Uberaba; 2 Estudante 4 período

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA.

IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA. IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA. Roberta Daniela da Silva Santos (1) Anne Kallyne dos Anjos Silva (2) Simone do Nascimento

Leia mais

Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento.

Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento. Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento.

Leia mais

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. BIODIGESTOR 600 L 1.300 L 3.000 L Guia de Instalação Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. 1. Apresentação O Biodigestor é uma miniestação de tratamento

Leia mais

VIABILIDADE DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA PARA VASOS SANITÁRIOS.

VIABILIDADE DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA PARA VASOS SANITÁRIOS. VIABILIDADE DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA PARA VASOS SANITÁRIOS. MARCOS B. REZENDE MOTA 1 ; MARINA DASTRE MANZANARES 1 ; RAFAEL AUGUSTO LIMA SILVA 1 1 Curso de Graduação - Faculdade de Engenharia Mecânica/UNICAMP

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI Com as mesmas seriedade e responsabilidade com que trata

Leia mais

RELATÓRIO R2 LEVANTAMENTO DE DADOS

RELATÓRIO R2 LEVANTAMENTO DE DADOS P r e f e i t u r a d a E s t â n c i a d e At i b a i a PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RELATÓRIO R2 LEVANTAMENTO DE DADOS Atibaia - SP P r e f

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.6 Programa de Gerenciamento de Risco e Plano de Ação de Emergências Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.6

Leia mais

Falta de planejamento e recursos escassos são os principais motivos da falta de saneamento no Vale do Itapocu

Falta de planejamento e recursos escassos são os principais motivos da falta de saneamento no Vale do Itapocu Infraestrutura 18/03/2015 09h20 Básico, porém raro Falta de planejamento e recursos escassos são os principais motivos da falta de saneamento no Vale do Itapocu 0 Em Guaramirim, empresa foi contratada

Leia mais

ESTRATÉGIAS DESENVOLVIDAS PARA A PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA NAS AÇÕES DE LIMPEZA URBANA

ESTRATÉGIAS DESENVOLVIDAS PARA A PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA NAS AÇÕES DE LIMPEZA URBANA ESTRATÉGIAS DESENVOLVIDAS PARA A PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA NAS AÇÕES DE LIMPEZA URBANA Gardênia D. Oliveira de Azevedo (1) Arquiteta pela UFBa., com pós-graduação em Planejamento Urbano pela

Leia mais

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002. Logística empregada na execução do Programa Luz no Campo na Bahia

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002. Logística empregada na execução do Programa Luz no Campo na Bahia XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002 Logística empregada na execução do Programa Luz no Campo na Bahia Hugo Machado S. Filho COELBA E-mail: hmachado@coelba.com.br Palavras-chave

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Parecer Técnico DISAN 18562/2006 PARECER TÉCNICO DISAN N 18562/2006 Empreendedor: Prefeitura Municipal de Jequitibá Endereço: Av. Raimundo Ribeiro da Silva, 145 - Centro

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

A RECICLAGEM DE ÓLEO PRODUZIDO NA ESCOLA PROFESSOR LORDÃO COMO PROMOTOR DO CUIDADO AMBIENTAL

A RECICLAGEM DE ÓLEO PRODUZIDO NA ESCOLA PROFESSOR LORDÃO COMO PROMOTOR DO CUIDADO AMBIENTAL A RECICLAGEM DE ÓLEO PRODUZIDO NA ESCOLA PROFESSOR LORDÃO COMO PROMOTOR DO CUIDADO AMBIENTAL DANTAS¹, Danilo Lima ; SILVA¹,Aline Priscila de França,SANTOS², José Carlos Oliveira; ARAÚJO 3, Danielly Santos

Leia mais

Parâmetros internacionais: Terceiro setor: Função Vantagens

Parâmetros internacionais: Terceiro setor: Função Vantagens O QUE É O 3º SETOR Parâmetros internacionais: (ONU, 2002) Manual sobre as Instituições sem Fins Lucrativos. Terceiro setor: associações, fundações e entidades de interesse social e caráter público. Função:

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG Fabiano de Jesus Ribeiro (1) Técnico em Topografia pela Escola Média

Leia mais

VALECONSULT EMPRESARIAL LTDA PROPOSTA COLETA E DISPOSIÇÃO ÓLEO COMESTÍVEL USADO

VALECONSULT EMPRESARIAL LTDA PROPOSTA COLETA E DISPOSIÇÃO ÓLEO COMESTÍVEL USADO PROPOSTA COLETA E DISPOSIÇÃO DO ÓLEO COMESTÍVEL USADO 1 REALIZAÇÃO CLÍNICA DE ENGENHARIA E PARCERIAS 2 OBJETIVOS 01.0-PORQUE COLETAR O ÓLEO DE COZINHA USADO: Batata frita, coxinha, pastel. São muitas as

Leia mais

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB CRUZ CE Reunião de Planejamento ETAPA IV (Produto D) ETAPA V (Produto E) ETAPA VI (Produto F) ETAPA VIII (Produto H) ETAPAS DO PMSB ETAPA I (Produto A) - Formação

Leia mais

III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES

III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES Kelma M a Nobre Vitorino (1) Química industrial pela UFC,1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UFPB,1991.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) Dispõe sobre a recuperação e conservação de mananciais por empresas nacionais ou estrangeiras especializadas em recursos hídricos ou que oferecem serviços

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL DE ÁREA IRREGULAR: CONHECENDO O AMBIENTE DA COMUNIDADE DA VILA KEPHAS EM NOVO HAMBURGO - RS

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL DE ÁREA IRREGULAR: CONHECENDO O AMBIENTE DA COMUNIDADE DA VILA KEPHAS EM NOVO HAMBURGO - RS Salvador/BA 25 a 28/11/2013 DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL DE ÁREA IRREGULAR: CONHECENDO O AMBIENTE DA COMUNIDADE DA VILA KEPHAS EM NOVO HAMBURGO - RS Danielle Paula Martins (*) * Universidade Feevale - daniellepm@feevale.br

Leia mais

Monica Elisa Bleich 1 ; Carlos José da Silva 2 ; Fabio Mesquita de Souza 3 ; Jeneffer Soares dos Santos 3

Monica Elisa Bleich 1 ; Carlos José da Silva 2 ; Fabio Mesquita de Souza 3 ; Jeneffer Soares dos Santos 3 CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DE UM ECOSSISTEMA AQUÁTICO URBANO NA AMAZÔNIA MATOGROSSENSE E SENSIBILIZAÇÃO DA COMUNIDADE PARA A SUA CONSERVAÇÃO E REABILITAÇÃO Monica Elisa Bleich 1 ; Carlos José da Silva 2

Leia mais

Of. nº 21 /2015. Guaporé, 25 de junho de 2015.

Of. nº 21 /2015. Guaporé, 25 de junho de 2015. Of. nº 21 /2015. Guaporé, 25 de junho de 2015. Senhor Presidente, Encaminho nesta Casa Legislativa, para apreciação e votação dos nobres Edis, o projeto de lei legislativa nº 009/2015, que INSTITUI O PROGRAMA

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO DE AGENTE REDUTOR LÍQUIDO DE NOx AUTOMOTIVO ARLA 32 Portaria Inmetro 139/2011 - Código: 3469

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO DE AGENTE REDUTOR LÍQUIDO DE NOx AUTOMOTIVO ARLA 32 Portaria Inmetro 139/2011 - Código: 3469 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE XINGUARA, Estado do Pará, faz saber que a câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte lei.

O PREFEITO MUNICIPAL DE XINGUARA, Estado do Pará, faz saber que a câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte lei. DO DO PARÁ LEI Nº 877/13 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013. Institui a Política Municipal de Saneamento Básico, e o Plano de Saneamento Básico (PMSB) do Município de Xinguara-Pa e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

MIRANDÓPOLIS OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 30.362.000,00

MIRANDÓPOLIS OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 30.362.000,00 MIRANDÓPOLIS OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 30.362.000,00 ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA: Obras concluídas: reforma, adequação e ampliação na Penitenciária II de Mirandópolis, situado na Av. Dr. Oswaldo

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 MIGUEL HADDAD, Prefeito do Município de Jundiaí, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e, em especial, ao que consta do art. 10 da Lei Municipal

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC

ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC Aline Tramontin (1), Nestor Back (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL 7.1. PROGRAMA DE PROTEÇÃO DO TRABALHADOR E SEGURANÇA DO AMBIENTE DE TRABALHO

7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL 7.1. PROGRAMA DE PROTEÇÃO DO TRABALHADOR E SEGURANÇA DO AMBIENTE DE TRABALHO 7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL O plano de controle e monitoramento técnico e ambiental tem como objetivo propor soluções para controlar e/ou atenuar os impactos ambientais adversos gerados

Leia mais

SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA Francisco Pereira de Sousa

SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA Francisco Pereira de Sousa SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA Francisco Pereira de Sousa Universidade Federal de Campina Grande RESUMO A busca por sistemas alternativos para o suprimento

Leia mais

Agenda Ambiental Case Industria

Agenda Ambiental Case Industria Agenda Ambiental Case Industria Disciplina : Gestão de água e gestão de resíduos Professora: Simone Cohen Data: 17-julho-2010 Grupo: Carlos Augusto S.S. Dias Juliana de Freitas Calomeni Lilian Marques

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Prefeitura Municipal de Afonso Cláudio Estado do Espírito Santo

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Prefeitura Municipal de Afonso Cláudio Estado do Espírito Santo ATA DE REUNIÃO DE ORIENTAÇÃO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE AFONSO CLÁUDIO E DIVULGAÇÃO DO MUTIRÃO DE LIMPEZA DE QUINTAIS E TERRENOS, REALIZADA COM OS MORADORES DOS BAIRROS BOA

Leia mais

VI-032 - POLITICA DE CONTROLE AMBIENTAL NO ESTADO DA PARAÍBA

VI-032 - POLITICA DE CONTROLE AMBIENTAL NO ESTADO DA PARAÍBA VI-032 - POLITICA DE CONTROLE AMBIENTAL NO ESTADO DA PARAÍBA Maria de Fátima Morais Morosine (1) Química Industrial. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (UFPB). Pós graduada em Engenharia Sanitária

Leia mais

VI-080 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE PROJETOS DE SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA: AVALIAÇÃO DE MÉTODO DE ANÁLISE PROPOSTO

VI-080 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE PROJETOS DE SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA: AVALIAÇÃO DE MÉTODO DE ANÁLISE PROPOSTO VI080 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE PROJETOS DE SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA: AVALIAÇÃO DE MÉTODO DE ANÁLISE PROPOSTO Glauco Antônio Bologna Garcia de Figueiredo (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária APRESENTAÇÃO Esta Cartilha foi desenvolvida como suporte ao trabalho da Prefeitura

Leia mais

Art. 5. (...) XXII é garantido o direito de propriedade; XXIII a propriedade atenderá a sua função social;

Art. 5. (...) XXII é garantido o direito de propriedade; XXIII a propriedade atenderá a sua função social; Art. 5. (...) XXII é garantido o direito de propriedade; XXIII a propriedade atenderá a sua função social; Áreas urbanizadas do Brasil, segundo os estratos de população urbana: 21.285 285km 2 ; Território

Leia mais

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Prof. Ms. José Benedito Gianelli Filho Nesta Unidade da Disciplina, tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nas instalações

Leia mais