USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL"

Transcrição

1 USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL Leane Chamma Barbar Przybysz (1) Engenheira Química formada pela Universidade Estadual de Maringá em Possui curso de Especialização em Engenharia da Qualidade pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUC-PR. Participou de estágio realizado na França em 1993 na área de Saneamento Básico. Atualmente exerce a função de Gerente de Divisão de Operação de Esgotos na Companhia de Saneamento do Paraná - Sanepar. Eduardo Felipe Guidi Engenheiro Agrônomo formado pela Universidade Federal do Paraná em Possui curso de Especialização em Administração Pública Fundação Getúlio Vargas e Especialização em Planejamento pela Faculdade de Administração e Economia. Atualmente coordena o Programa de Despoluição Ambiental na Companhia de Saneamento do Paraná - Sanepar. Endereço (1) : Rua Pedro de Toledo, Prado Velho - Curitiba - PR - CEP: Brasil - Tel: (041) RESUMO As Bacias Hidrográficas situadas em grandes cidades ou aglomerações urbanas são poluídas principalmente por esgotos domésticos lançados indevidamente, estabelecendo um grau de degradação acentuado nesses cursos de água. A implementação de ações de sensibilização e conscientização junto a comunidade e órgãos envolvidos, propiciam a recuperação dos recursos hídricos tendo em vista a utilização adequada do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos. O trabalho apresentado tem como ponto principal relatar ações direcionadas para orientar a comunidade quanto a utilização correta do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos e incentivar sua participação através de mudanças de hábitos e costumes para melhoria da qualidade de vida, saúde e preservação do Meio Ambiente. PALAVRAS-CHAVE: Esgotamento Sanitário, Educação Ambiental, Coleta de Esgoto, Tratamento de Esgoto, Despoluição Ambiental. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 735

2 INTRODUÇÃO O Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos domésticos é um dos pressupostos básicos para um ambiente saudável garantindo qualidade de vida e preservação do Meio Ambiente. A utilização adequada do Sistema proporciona o restabelecimento da pureza das águas e sua falta pode ocasionar sérios danos ao Meio Ambiente, à Saúde e à Qualidade de Vida, normalmente apresentado através de:? Rios poluídos e contaminados? Disseminação de doenças transmissíveis por veiculação hídrica? Proliferação de insetos e roedores transmissores de doenças? Mau cheiro? Degradação do Meio Ambiente? Baixo nível de Qualidade de Vida Os lançamentos diretos de esgotos domésticos e industriais tornam os rios altamente poluídos, bem como a quantidade de águas pluviais lançadas na rede coletora de esgotos aumentam significativamente a vazão do efluente que será tratado nas Estações de Tratamento de Esgotos - ETE s. O trabalho proposto visa a eliminação de:? lançamento indevido de águas pluviais na rede coletora de esgotos;? eliminação de fossas e sumidouros;? lançamento de esgotos na galeria de águas pluviais. Propõe também, despertar a comunidade através de noções de educação ambiental, refletir sobre o equilíbrio do ecossistema e incentivar sua participação através de atitudes para melhoria da Qualidade de Vida e preservação do Meio Ambiente. OBJETIVO O Programa de Despoluição Ambiental tem como objetivo contribuir para a melhoria do Meio Ambiente, da Saúde e da Qualidade de Vida, promovendo a despoluição dos rios e córregos formadores das Bacias Hidrográficas de Curitiba e Região Metropolitana, sensibilizando a comunidade através do repasse de noções de Educação Ambiental, de maneira a adotar atitudes apropriadas com respeito ao Meio Ambiente e utilização adequada do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos. OBJETIVOS ESPECÍFICOS? despoluir os rios e córregos através da redução da carga orgânica;? eliminar os lançamentos de esgotos sem tratamento nos rios e córregos; 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 736

3 ? eliminar os lançamentos de águas pluviais em redes coletoras de esgotos;? eliminar os lançamentos de esgotos em galerias de águas pluviais;? melhorar a eficiência das Estações de Tratamento de Esgotos;? promover educação ambiental junto aos diversos segmentos da sociedade, através de ações dirigidas junto a escolas e instituições;? executar redes coletoras;? identificar ligações de esgoto não cadastradas; e? comercializar e implantar novas ligações de esgoto em áreas providas pelo Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos e em áreas onde o sistema está sendo implantado. METODOLOGIA O Esgotamento Sanitário é um sistema constituído por tubulações de vários diâmetros que tem como finalidade transportar o esgoto doméstico que é composto pela água servida dos vasos sanitários; banheiros; pias de cozinha; tanques e máquinas de lavar roupa até as Estações de Tratamento que são projetadas para receber e tratar, através de processos que removem a matéria orgânica, lançando o efluente isento de poluição nos rios formadores de bacias hidrográficas. No entanto, para que o Sistema seja utilizado adequadamente, outras ações são necessárias, tais como: a) Instalações internas: As instalações internas, compostas a partir do ramal de ligação até o imóvel, devem seguir um padrão técnico construtivo com um cuidado especial na canalização que deve ser executada em trechos retos, com o mínimo de mudanças de direção. Se for necessário mudar a direção, deve ser colocada uma caixa de passagem para facilitar desentupimentos. Para esta tubulação deve ser utilizado tubos de PVC com juntas elásticas. O diâmetro mínimo (bitola) deverá ser de 4 polegadas (100mm) com inclinação mínima de 2%. b) Ligações regulares na rede coletora de esgoto: A rede de esgoto é dimensionada para receber esgotos domésticos, não devendo receber águas de chuvas que devem ser levadas para redes próprias, chamadas galerias de águas pluviais. Se o sistema de esgoto receber água de chuva poderá ficar saturado e refluir para algum imóvel, além de ocorrer a inviabilização do tratamento e danos ao sistema de coleta; Se o esgoto for lançado nas Galerias de Águas Pluviais estará poluindo os rios. c) Fossas e sumidouros: Após a conclusão do ramal interno devem ser eliminados fossas e sumidouros, evitando a poluição do lençol freático, disseminação de doenças, proliferação de animais nocivos, além do custo da limpeza periódica destes meios paliativos. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 737

4 d) Lixo, detritos e materiais estranhos: Não devem ser jogados lixos e materiais não degradáveis como madeira, plástico, metais e outros no esgoto sanitário, pois estes objetos prejudicam o tratamento. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 738

5 FORMAS DE ATUAÇÃO O trabalho consiste em repassar noções de Educação Ambiental para a comunidade objetivando a compreensão dos benefícios e vantagens recebidos através do uso adequado do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos e dos problemas que afetam o meio ambiente pelo seu uso indevido, sensibilizando e conscientizando a participação no trabalho. SISTEMA DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS - IMPLANTADO: São desenvolvidas atividades com a finalidade de diagnosticar a situação operacional do sistema de coleta e dos imóveis da bacia de esgotamento em questão. A bacia de esgotamento é dividida em sub-bacias de contribuição, realiza-se levantamento do número de imóveis a serem vistoriados para dimensionamento das equipes de trabalho em campo e planejamento das ações. As atividades desenvolvidas com os clientes são as seguintes:? Noções de Educação Ambiental - Personalizado As noções de educação ambiental são repassadas em cada imóvel localizado na região trabalhada, tendo como enfoque principal a despoluição hídrica dos rios e córregos existentes na área de atuação, explicando os benefícios e a importância do Trabalho, orientando e estimulando a comunidade para sua participação no trabalho como um dos pressupostos básicos para a preservação do meio ambiente.? Noções de Educação Ambiental - Instituições As noções de educação ambiental são repassadas em Escolas, Igrejas, Associações, Postos de Saúde e Clubes de Serviços localizados na região trabalhada, através da realização de palestras, com apresentação de vídeos, slides, transparências e teatro de fantoches, estimulando a comunidade para sua participação no trabalho como um dos pressupostos básicos para a preservação do meio ambiente.? Vistorias dos imóveis São realizadas vistorias em cada imóvel da área de atuação para verificar as seguintes situações que deverão ocorrer simultaneamente: - os efluentes de esgoto devem ser lançados na rede de esgoto; - as águas pluviais não devem ser lançadas na rede de esgoto; - inexistência de fossas e/ou sumidouros. As irregularidades que ocorrem no sistema podem ser de responsabilidade do cliente, da Empresa Concessionária ou da Prefeitura Municipal. Os imóveis que apresentam situação irregular, são notificados a providenciarem a regularização. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 739

6 ? Orientação técnica O cliente recebe orientação técnica tais como: - Execução da rede interna de esgoto e sua interligação à rede coletora de esgoto; - Execução da rede interna de águas de chuva e sua interligação às galerias de águas pluviais; - Uso adequado do sistema de coleta de esgoto; - Desativação de fossas e sumidouros; - Composição do esgoto doméstico; - Quando necessário, é colocado à disposição dos clientes serviço de topografia. SISTEMA DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS - EM IMPLANTAÇÃO Os procedimentos desenvolvidos para esta modalidade são basicamente os mesmos empregados no item anterior, com a vantagem do cliente receber orientação técnica, simultaneamente à implantação do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos. Além das atividades de Vistorias dos imóveis e ações de Educação Ambiental executa-se também, as seguintes atividades:? Pré-venda Na atividade de Pré-venda o cliente recebe informações sobre os benefícios e vantagens que estará recebendo com o Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos que está em fase de implantação no seu bairro, bem como custos, assistência técnica para a correta interligação do ramal interno e informações sobre o uso adequado.? Comercialização É efetivada a venda da ligação de esgoto, definida a forma de pagamento, assinado o Contrato de Adesão e repassado ao cliente informações complementares sobre o sistema em implantação. RESULTADOS OBTIDOS Quando do início dos trabalhos de vistorias em determinadas áreas, 40% dos imóveis, em média, apresentam algum tipo de irregularidade. Este percentual tende a zerar quando do desenvolvimento dos trabalhos. Das irregularidades encontradas com maior freqüência, pode-se citar:? ausência de redes coletoras de esgotos em áreas localizadas;? lançamento indevido de águas pluviais na rede coletora ou vice-versa;? lançamento de esgotos em locais indevidos: fossas, poço morto, rios;? redes coletoras danificadas e/ou obstruídas;? imóvel interligado à rede, porém sem cadastramento. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 740

7 Para exemplificar, pode-se citar o trabalho realizado na Bacia do Córrego Tarumã, localizado em Curitiba-PR, onde diagnosticou-se a situação inicial conforme Tabela 1: 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 741

8 Tabela 1: Situação inicial do Córrego Tarumã. número de imóveis pesquisados 2220 imóveis regulares 1074 clientes não atendidos com o sistema 74 ausência de rede coletora de esgoto 3000 m ausência de galerias de águas pluviais 500 m Após as ações desenvolvidas, obteve-se os resultados apresentados na Tabela 2: Tabela 2: Situação atual do Córrego Tarumã imóveis regularizados 960 imóveis pendentes 186 novos clientes atendidos com o sistema 74 execução de rede coletora de esgoto 3000 m execução de galerias de águas pluviais 500 m Os imóveis pendentes citados na Tabela 2 referem-se a imóveis fechados, em construção, abandonados, lotes vagos e imóveis com prazo de regularização prorrogados. CONCLUSÃO O trabalho realizado na Bacia do Córrego Tarumã desencadeou-se devido a existência junto ao córrego, de uma área de lazer denominada Bosque de Portugal. Apesar da beleza do Bosque, a visitação estava comprometida devido a carga orgânica lançada indevidamente no rio pela má utilização do Sistema de Coleta e Tratamento de Esgotos. O envolvimento e a sensibilização do cliente em saber utilizar corretamente o sistema, garantiu vantagens e benefícios, evitando a disseminação de doenças de veiculação hídrica, problemas de mau cheiro, refluxo para dentro do imóvel e diminuindo também serviços de manutenção executados pela Empresa Concessionária do Sistema. Observou-se também, maior credibilidade em relação à imagem da empresa, no que tange seus compromissos com a qualidade nos serviços prestados e satisfação dos clientes. O maior benefício porém, está na preservação contínua do meio ambiente, estabelecendo com o ser humano uma relação de harmonia e de bem estar. Face as observações mencionadas e resultados positivos apresentados, conclui-se pela viabilidade de implementação deste projeto para outras Bacias de esgotamento sanitário. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 742

9 AGRADECIMENTOS Agradecemos aos técnicos da Área que incansavelmente dedicam-se ao desenvolvimento das atividades, pois a luta pela preservação do Meio Ambiente depende da sensibilização e conscientização contínua do ser humano. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. CÓDIGO SANITÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ, Lei Complementar 4/75, Decreto Lei 3641/77, Capítulo I, Art. 7º e Art. 8º, ago CÓDIGO DE POSTURAS E OBRAS DO MUNICÍPIO DE CURITIBA, Lei 699/53, Art. 483º, jul GUIDI, E.F., Manual do Programa de Despoluição Ambiental, jan BRANCO, S.M., Água Origem, Uso e Preservação, Editora Moderna, 7ª edição, CAVINATTO, V.M., Saneamento Básico, Editora Moderna, 13ª edição, o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 743

Número protocolo: IC.00909.00002/2010 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA Data protocolo: 24/10/2011

Número protocolo: IC.00909.00002/2010 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA Data protocolo: 24/10/2011 Número protocolo: IC.00909.00002/2010 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA Data protocolo: 24/10/2011 1. Trata-se de inquérito civil instaurado em 3 de fevereiro

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos) PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos) Institui diretrizes para a reutilização e reciclagem de resíduos de construção civil e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG Edgard Jerônimo da Silva Júnior¹ Universidade

Leia mais

EDITAL TARIFÁRIO DE ÁGUA

EDITAL TARIFÁRIO DE ÁGUA EDITAL ---------- DR. JOSÉ ARTUR FONTES CASCAREJO, Presidente da Câmara Municipal do Concelho de Alijó:------------------------------------------------------------------------------------------- ----------

Leia mais

DECRETO Nº. 9.229 DE 13 DE OUTUBRO DE 2010.

DECRETO Nº. 9.229 DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. DECRETO Nº. 9.229 DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Aprova Norma Técnica Especial que regulamenta o funcionamento dos serviços de estética e embelezamento sem responsabilidade médica no Município do Natal. A PREFEITA

Leia mais

Água e Qualidade de Vida Profª Lígia Cristina Palácio

Água e Qualidade de Vida Profª Lígia Cristina Palácio Água e Qualidade de Vida Profª Lígia Cristina Palácio http://video.globo.com/videos/player/entretenimento/0,,gim713411-7822-wanessa+camargo+canta+planeta+agua,00.html Objetivos: Reconhecer o valor da água

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DA AMBIOLHÃO, E.M.

PROJETO DE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DA AMBIOLHÃO, E.M. PROJETO DE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DA AMBIOLHÃO, E.M. CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento é aprovado ao abrigo do

Leia mais

Política Habitacional no Orçamento Participativo de Porto Alegre

Política Habitacional no Orçamento Participativo de Porto Alegre Política Habitacional no Orçamento Participativo de Porto Alegre Nadia Andréa Hilgert 1 Introdução O Orçamento Participativo de Porto Alegre é um dos exemplos mais importantes de espaços públicos participativos

Leia mais

Proposta de Regulamento Municipal de Águas Residuais do Município de Vendas Novas

Proposta de Regulamento Municipal de Águas Residuais do Município de Vendas Novas Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de Agosto, e a Portaria 34/2011 de 13 de Janeiro, veio revelar a necessidade de proceder à elaboração de um novo Regulamento Municipal de Águas Residuais, de

Leia mais

PROGRAMA CAÇA-ESGOTO NAS BACIAS DOS RIBEIRÕES ARRUDAS E ONÇA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

PROGRAMA CAÇA-ESGOTO NAS BACIAS DOS RIBEIRÕES ARRUDAS E ONÇA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PROGRAMA CAÇA-ESGOTO NAS BACIAS DOS RIBEIRÕES ARRUDAS E ONÇA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Ronaldo Matias de Sousa (1) Engenheiro Civil com experiência de 14 anos na área de saneamento ambiental

Leia mais

CÓDIGO DE MEIO AMBIENTE DE NOVO GAMA - GO

CÓDIGO DE MEIO AMBIENTE DE NOVO GAMA - GO 1 CÓDIGO DE MEIO AMBIENTE DE NOVO GAMA - GO DEZEMBRO DE 2006 2 PREÂMBULO O Código de Meio Ambiente de Novo Gama é resultado do esforço coletivo desenvolvido pela sociedade e pelos poderes Executivo e Legislativo,

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE III - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE III - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE III - Teoria) Projeto Hidráulico TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO CONCEITOS INICIAIS

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA Nº XXX

RESOLUÇÃO TÉCNICA Nº XXX RESOLUÇÃO TÉCNICA Nº XXX Estabelece as condições gerais de prestação dos serviços de saneamento para abastecimento de água, esgotamento sanitário e resíduos sólidos. A DIRETORIA EXECUTIVA da Agência Reguladora

Leia mais

29039 PARTE H MUNICÍPIO DE ALJUSTREL

29039 PARTE H MUNICÍPIO DE ALJUSTREL Diário da República, 2.ª série N.º 197 8 de outubro de 2015 29039 PARTE H MUNICÍPIO DE ALJUSTREL Aviso n.º 11553/2015 Nos termos e para os efeitos do disposto no n.º 6 do artigo 36.º da Portaria n.º 83

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015 I. OBRAS I.1. I.1.1 1.1. ORIENTAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS Documentos necessários Para o início da obra será necessária a apresentação ao, dos seguintes documentos que devem permanecer na obra durante sua

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

MUNICIPIO DE CUBA REGULAMENTO MUNICIPAL DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO CONCELHO DE CUBA. Nota Justificativa

MUNICIPIO DE CUBA REGULAMENTO MUNICIPAL DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO CONCELHO DE CUBA. Nota Justificativa MUNICIPIO DE CUBA REGULAMENTO MUNICIPAL DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO CONCELHO DE CUBA Nota Justificativa O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de agosto, que aprova o regime jurídico

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

GERAÇÃO DE LIXIVIADOS NA CÉLULA EXPERIMENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MURIBECA-PE

GERAÇÃO DE LIXIVIADOS NA CÉLULA EXPERIMENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MURIBECA-PE GERAÇÃO DE LIXIVIADOS NA CÉLULA EXPERIMENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MURIBECA-PE Laís Roberta Galdino de Oliveira (1) Graduada em Engenharia Agrícola e Ambiental pela Universidade Federal Rural

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS. Município de Soure

MODELO DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS. Município de Soure MODELO DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS Município de Soure 2014 REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS Enquadramento geral O Decreto-Lei n.º 194/2009,

Leia mais

REGULAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ESPOSENDE

REGULAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ESPOSENDE REGULAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ESPOSENDE RAADAR.1.00 1 / 49 PREÂMBULO E LEGISLAÇÃO HABILITANTE...5 CAPÍTULO I...6 DISPOSIÇÕES GERAIS...6 Objecto...6

Leia mais

A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL GLOBAL E LOCAL

A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL GLOBAL E LOCAL A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL GLOBAL E LOCAL Ana Paula Facco Mazzocato 1 Pablo da Costa Ribeiro 2 Resumo Um dos maiores problemas do século XXI é o chamado crescimento exagerado das cidades. Tal fato possui

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS PREÂMBULO

PROJETO DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS PREÂMBULO PROJETO DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS PREÂMBULO A atividade de saneamento de águas residuais urbanas constitui um serviço público de caráter estrutural, essencial ao

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2015 (Do Sr. Hugo Leal)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2015 (Do Sr. Hugo Leal) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2015 (Do Sr. Hugo Leal) Solicita ao Ministério da Previdência Social, no âmbito da competência do INSS Instituto Nacional do Seguro Social, que se manifeste sobre as providências

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL Priscila da Silva Batista Instituto Tecnológico, Universidade

Leia mais

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 15 Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Vamos dimensionar as tubulações do sistema de esgoto abaixo: 1. Análise do projeto. Temos uma casa com um banheiro, área de serviço e cozinha.

Leia mais

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 119 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 Regulamenta a Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a agricultura orgânica, e dá

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE

TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE Tema II Esgotamento Sanitário Palavras-chaves: ligação de esgoto irregular. Autores: Heloiza Rachel

Leia mais

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS ORGANOGRAMA A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática de gestão implementada? Desde 1999, a OC utiliza o Modelo de Excelência

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3.

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3. PROJECTO DA REDE PREDIAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS Memória Descritiva e Justificativa COMUNICAÇÃO PRÉVIA, Mata do Duque 2ª Fase, 58A 59B, Santo Estêvão, Benavente Requerente: Karen Simpson

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 864/93 Súmula: Dispõe sobre o Plano Pluarianual de Investimentos para o período de 1994 a 1997.

LEI MUNICIPAL Nº. 864/93 Súmula: Dispõe sobre o Plano Pluarianual de Investimentos para o período de 1994 a 1997. LEI MUNICIPAL Nº. 864/93 Súmula: Dispõe sobre o Plano Pluarianual de Investimentos para o período de 1994 a 1997. Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aprovou e eu, Miguel

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA E DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA E DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA E DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS 2014 Nota justificativa A prestação dos serviços de abastecimento de água e de saneamento de

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 181

Norma Técnica SABESP NTS 181 Norma Técnica SABESP NTS 181 Dimensionamento de ramal predial de água e do hidrômetro Procedimento São Paulo Dezembro - 2004 NTS 181 : 2004 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Marcos Montes) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. Marcos Montes) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Marcos Montes) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, sugerindo que o Ministério das Cidades promova a implementação de programas de reaproveitamento de resíduos de óleos

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE 1 ASSIST. AMBULAT. E HOSPITALAR ESPECIALIZADA 1.1 ATENÇÃO À SAÚDE DA POP NOS MUNICÍPIOS 1.1.1 ASSUNTO - PROGRAMAÇÃO DOS OBJETIVOS E METAS 1.1.1.1

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011

RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011 RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011 PROJETO DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL PARQUE ECOLÓGICO DO TIETÊ 1 RELATÓRIO DE PLANTIO IBDN ANO BASE 2011/2012 O Instituto Brasileiro de Defesa da Natureza

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN Resumo expandido - Avaliação e Estudos de Impactos Ambientais Manoel Cirício Pereira Neto

Leia mais

CAPÍTULO I ÁGUA, SANEAMENTO, ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

CAPÍTULO I ÁGUA, SANEAMENTO, ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CAPÍTULO I ÁGUA, SANEAMENTO, ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS 1) Ligações de Água de Abastecimento Público a) Colocação de Contadores (cada serviço) 15,00 b) Ligação, Aferição, Interrupção e

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGOS

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGOS REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento é aprovado ao abrigo do disposto

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

O Conhecimento do seu Lugar: Arroio Mem de Sá e o bairro Bom Jesus

O Conhecimento do seu Lugar: Arroio Mem de Sá e o bairro Bom Jesus O Conhecimento do seu Lugar: Arroio Mem de Sá e o bairro Bom Jesus Susane Hübner Alves¹ Marco Antonio Mello² Suzi Maria Petró³ A educação sozinha não faz mudanças, mas nenhuma grande mudança se faz sem

Leia mais

REGULAMENTO DOS SISTEMAS PÚBLICOS E PREDIAIS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA

REGULAMENTO DOS SISTEMAS PÚBLICOS E PREDIAIS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA REGULAMENTO DOS SISTEMAS PÚBLICOS E PREDIAIS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA Índice Regulamento dos Sistemas Públicos e Prediais de Drenagem de Águas Residuais do Município de Beja

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE REDONDO

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE REDONDO MUNICÍPIO DE REDONDO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE REDONDO Alfredo Falamino Barroso, Presidente da Câmara Municipal de Redondo, torna público

Leia mais

A GESTÃO DO SANEAMENTO EM MONTES CLAROS- MG E SUA RELAÇÃO COM A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO VIEIRA.

A GESTÃO DO SANEAMENTO EM MONTES CLAROS- MG E SUA RELAÇÃO COM A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO VIEIRA. 1 A GESTÃO DO SANEAMENTO EM MONTES CLAROS- MG E SUA RELAÇÃO COM A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO VIEIRA. Sandra Célia Muniz Magalhães 1 Sandra.muniz@unimontes.br UNIMONTES Rodrigo Muniz Magalhães 2 rodrigobiomedicina@hotmail.com

Leia mais

Capítulo IX. Forno a lenha ou elétrico: o impacto nas despesas em uma empresa de panificação Por Andrea Teresa Barbosa e Oswaldo Odakura*

Capítulo IX. Forno a lenha ou elétrico: o impacto nas despesas em uma empresa de panificação Por Andrea Teresa Barbosa e Oswaldo Odakura* 62 Capítulo IX Forno a lenha ou elétrico: o impacto nas despesas em uma empresa de panificação Por Andrea Teresa Barbosa e Oswaldo Odakura* O desperdício de energia das micro e pequenas empresas chega

Leia mais

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Viação Garcia Ltda. Despoluir - Motores desligados para poupar o planeta Projeto iniciado em 2009, sem previsão de encerramento Categoria 03: Responsabilidade Sócio-ambiental

Leia mais

Cláudio Jesus de Oliveira Esteves Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES) cesteves@ipardes.pr.gov.br

Cláudio Jesus de Oliveira Esteves Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES) cesteves@ipardes.pr.gov.br AS FUNÇÕES PÚBLICAS DE INTERESSE COMUM DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA (RMC): DIAGNÓSTICO PRELIMINAR DA DISPONIBILIDADE Cláudio Jesus de Oliveira Esteves

Leia mais

Portaria nº 220,de 19 de maio de 2011. CONSULTA PÚBLICA

Portaria nº 220,de 19 de maio de 2011. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 220,de 19 de maio de 2011. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE DESENVOLVIMENTO URBANO E AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE RONDONÓPOLIS

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE DESENVOLVIMENTO URBANO E AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE RONDONÓPOLIS PLANO DRETOR PARTCPATVO DE DESENVOLVMENTO URBANO E AMBENTAL DO MUNCÍPO DE RONDONÓPOLS Elaborado de maneira racional e objetiva, buscando o máximo atendimento às exigências técnicas que norteará a feitura

Leia mais

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio. Área do sítio

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio. Área do sítio OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA RECUPERAÇÃO DE CERCA OPERACIONAL, IMPLANTAÇÃO DA CERCA DE SERVIDÃO, COMPLEMENTAÇÃO DA CERCA PATRIMONIAL E SERVIÇOS COMPLEMENTARES

Leia mais

INTRODUÇÃO. Dr. Guilherme Manuel Lopes Pinto, Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos:

INTRODUÇÃO. Dr. Guilherme Manuel Lopes Pinto, Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos: INTRODUÇÃO Concessão da Exploração e Gestão dos Serviços Públicos Municipais de Abastecimento de Água e de Recolha Tratamento e Drenagem de Águas Residuais do Município de Matosinhos. Dr. Guilherme Manuel

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE CANTANHEDE

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE CANTANHEDE PROPOSTA DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE CANTANHEDE Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de agosto, que aprova o regime jurídico dos serviços municipais

Leia mais

OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos.

OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos. OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos. VIGÊNCIA DO CONTRATO 1- O contrato de abastecimento de água, recolha de águas residuais

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

1 de 36. Vigilantes da Água: uma proposta para melhorar a qualidade da água no meio rural

1 de 36. Vigilantes da Água: uma proposta para melhorar a qualidade da água no meio rural 1 de 36 Vigilantes da Água: uma proposta para melhorar a qualidade da água no meio rural 2 de 36 Um Principio O ser humano aprende na medida em que participa na descoberta e na invenção Ernesto Sabato

Leia mais

O meio ambiente na Constituição Federal

O meio ambiente na Constituição Federal O meio ambiente na Constituição Federal Art. 225 Seguindo tendências mundiais e fortemente influenciada pelas ideias apresentadas na Conferência Estocolmo-72, a Constituição Federal Brasileira de 1988

Leia mais

REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE PINHEL CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º.

REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE PINHEL CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE PINHEL CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento é aprovado ao abrigo do disposto nos

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo.

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo. 1 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2. OBJETIVO Resolução nº 01 de 02/02/2004 do Conselho Nacional de Educação CNEC/CN/MEC. Proporcionar ao estudante oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações

Leia mais

Abastecimento de água e drenagem de águas residuais

Abastecimento de água e drenagem de águas residuais Redes e Instalações 1 Abastecimento de água e drenagem de águas residuais Filipa Ferreira Índice da apresentação 2 Introdução Regulamentação Distribuição de água Drenagem de águas residuais Aspectos gerais

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

TÉCNICAS DE MANEJO E GESTÃO ADEQUADAS DE USINAS DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - RCC

TÉCNICAS DE MANEJO E GESTÃO ADEQUADAS DE USINAS DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - RCC TÉCNICAS DE MANEJO E GESTÃO ADEQUADAS DE USINAS DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - RCC Gilson Morales (1) Doutor em Engenharia Civil/EPUSP e École des Ponts et Chaussées de Paris, Professor

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA Número protocolo: IC.00909.00014/2009 - Inquérito Civil n 014/2009 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE. SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO MUNICÍPIO DE COLORADO PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA

Leia mais

A. Estágio (Nível Médio)

A. Estágio (Nível Médio) PREFEI TU R A MUNICIP AL DE JOINVILLE PR OCESSO SELE TIVO SI M PLIFICADO - EDI T AL 003/2011 AN EXO II ÁR E A DE ES T ÁG IO, Q U AN TID AD E DE VAG AS, L O T AÇ ÃO, C AR G A HORÁR I A E BOLS A COM PLEM

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE ÍNDICE PREAMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Âmbito Artigo 3.º

Leia mais

Regulamentos Internos da Casa. C Do tratamento / Métodos

Regulamentos Internos da Casa. C Do tratamento / Métodos COTENEC Comunidade Terapêutica Nova Esperança Regulamentos Internos da Casa A - Querer recuperar-se é condição essencial. B - Aceitar as normas de funcionamento destes regulamentos. C Do tratamento / Métodos

Leia mais

Compatibilidade. Voltagem. PartNumber

Compatibilidade. Voltagem. PartNumber Li-Ion As baterias recarregáveis compostas de íons de lítio, conhecidas como Lithium-ion ou simplesmente Li-Ion, são atualmente a melhor opção para uso notebooks e outros equipamentos eletrônicos em geral.

Leia mais

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA Vera Lúcia A. de Melo (1) Mestre em Engenharia Civil (Geotecnia) pela UFPE. Aperfeiçoamento em pesquisa no

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2010 PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União

Leia mais

III-083 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE - INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRAS/ FIOCRUZ-RJ

III-083 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE - INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRAS/ FIOCRUZ-RJ III-083 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE - INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRAS/ FIOCRUZ-RJ Débora Cynamon Kligerman (1) Eng. Civil (UERJ,1986), Esp. Saneamento Ambiental, (UERJ,1988), Dr.Planejamento

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala 1/6 Título Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Nº de Registro (Resumen) 8 Empresa o Entidad CEMIG DISTRIBUIÇÃO S/A CEMIG-D Autores del Trabajo Nombre País e-mail

Leia mais

Quem é responsável pela administração dos rios? Bernardo Cabral 1 e Jerson Kelman 2

Quem é responsável pela administração dos rios? Bernardo Cabral 1 e Jerson Kelman 2 Quem é responsável pela administração dos rios? Bernardo Cabral 1 e Jerson Kelman 2 Introdução O Estado de São Paulo foi o primeiro a aprovar uma lei sobre recursos hídricos (Lei 7663/91), após a Constituição

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ABRANTES REGULAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ABRANTES REGULAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ABRANTES REGULAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES Índice CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES... 7 CAPÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS, DIREITOS, OBRIGAÇÕES E PROJETOS... 8 SECÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de agosto, que aprova o regime jurídico dos serviços municipais de abastecimento de água, saneamento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO BÁSICO DE CONSTRUÇÃO Empreendimento: RESIDENCIAL VILLAGE PARANÁ

MEMORIAL DESCRITIVO BÁSICO DE CONSTRUÇÃO Empreendimento: RESIDENCIAL VILLAGE PARANÁ 1. ENDEREÇO Rod. BR 116. 1960 CURITIBA - PR 2. CARACTERÍSTICAS Serão implantados 08 (oito) edifícios residenciais com apartamentos de 03 dormitórios com suíte e 02 dormitórios com suíte, áreas de lazer,

Leia mais

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade SANEPAR Curitiba (PR) Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade Categoria Controle da Poluição 1. Sobre a organização participante: Razão social: - 76484013000145 Nome fantasia: - SANEPAR Setor

Leia mais

Usina Hidrelétrica Jirau

Usina Hidrelétrica Jirau ENERGIA SUSTENTÁVEL DO BRASIL S.A. Usina Hidrelétrica Jirau Outubro de 2009 Dep. Federal MOREIRA MENDES Energia Sustentável do Brasil 2 GDF Suez (50,1%) Contrato de Concessão ANEEL/MME) Financiamento (BNDES)

Leia mais

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb Materiais necessários Separe todo o material que será utilizado para a limpeza do seu reservatório. Anotações Papai, precisamos separar o material de limpeza. Claro, filha! Caixa d Água SAIBA COMO LIMPAR

Leia mais

ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO

ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO PLANO GERAL DE ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO PARA O ANO DE 2008 ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO Controle e uso do solo urbano e rural: parcelamento irregular/clandestino

Leia mais

Atos do Congresso Nacional

Atos do Congresso Nacional 2 ISSN 677-7042.632, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 Altera o inciso I do caput do art. 44, da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro de 996. Art. o

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO - SISTEMAS HIDRÁULICOS HOSPITAL METROPOLITANO DE BELO HORIZONTE

MEMORIAL DESCRITIVO - SISTEMAS HIDRÁULICOS HOSPITAL METROPOLITANO DE BELO HORIZONTE MEMORIAL DESCRITIVO - SISTEMAS HIDRÁULICOS HOSPITAL METROPOLITANO DE BELO HORIZONTE OBRA: Contrato: 77009 Revisão: 2 Data: 15/12/2009 1. OBJETIVO Este memorial tem por objetivo descrever os sistemas hidráulicos

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: UMA QUESTÃO AMBIENTAL

LIXO ELETRÔNICO: UMA QUESTÃO AMBIENTAL LIXO ELETRÔNICO: UMA QUESTÃO AMBIENTAL Luiz Felipe Borges Martins (*), Lis Ângela De Bortoli, Patrícia Nascimento da Silva, Érica Luiza de Oliveira, Tays Zanolla * Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EUZINHO ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EUzinho Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016 Plano de Educação Ambiental 2º Biênio 2014/2016 PROJETO JUNTOS PELO AMBIENTE Ações: Levantamento ambiental das áreas a atuar dos municípios envolvidos; Análise e discussão de resultados para os municípios

Leia mais

Portaria Inmetro 332/2012 Código 3371

Portaria Inmetro 332/2012 Código 3371 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO PARA JARDINS E GRAMADOS. José Giacoia Neto

SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO PARA JARDINS E GRAMADOS. José Giacoia Neto SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO PARA JARDINS E GRAMADOS José Giacoia Neto Eng. Agrícola. M.Sc. em Irrigação e Drenagem Universidade Federal de Viçosa - MBA Executivo Internacional em Gestão Comercial Fundação Getúlio

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL EDITAL (nº. 116/2014) Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde, torna público que, no uso da competência atribuída pelo

Leia mais

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico As competências constitucionais Competência para prestação de serviços públicos locais (CF, art. 30) Compete aos Municípios:... V - organizar e

Leia mais

9 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente ASSEMAE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO. Arnaldo Luiz Dutra Presidente Nacional

9 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente ASSEMAE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO. Arnaldo Luiz Dutra Presidente Nacional 9 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente ASSEMAE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO Arnaldo Luiz Dutra Presidente Nacional Belo Horizonte, 03 de Setembro de 2007 Penápolis, 26 de março

Leia mais

CURSO ENGENHARIA SANITÁRIA (303) SISTEMA DE CRÉDITO EMENTAS

CURSO ENGENHARIA SANITÁRIA (303) SISTEMA DE CRÉDITO EMENTAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL CURSO ENGENHARIA SANITÁRIA (303) SISTEMA

Leia mais

Educação Ambiental Itinerante Reconstruindo a Harmonia do Homem com a Natureza

Educação Ambiental Itinerante Reconstruindo a Harmonia do Homem com a Natureza MINISTÉRIO PÚBLICO DE MINAS GERAIS PROMOTORIA DE DEFESA DO RIO SÃO FRANCISCO EMPRESA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS - EMATER-MG CENTRO DE EXCELÊNCIA EM MEIO AMBIENTE

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão TÍTULO:PROGRAMA DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA À CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA AUTORES: Mesquita, M. F, Menezes, V. A*., Maciel, A. E.**, Barros, E.S INSTITUIÇÃO:Faculdade de Odontologia de Pernambuco. FOP/UPE

Leia mais

ESTUDOS RECENTES DESENVOLVIDOS OU DESENVOLVIMENTO 2008 A 2009

ESTUDOS RECENTES DESENVOLVIDOS OU DESENVOLVIMENTO 2008 A 2009 ESTUDOS RECENTES DESENVOLVIDOS OU DESENVOLVIMENTO 2008 A 2009 1. SIMULAÇÃO HIDROLÓGICA DE CENÁRIO CLIMÁTICO NO RIO PARAGUAI Cliente: Rio Tinto Mineração Descrição : As condições de navegação do rio Paraguai

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇO CONTÍNUO SEM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DE MÃO DE OBRA

PRESTAÇÃO DE SERVIÇO CONTÍNUO SEM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DE MÃO DE OBRA Página nº 1 de 8 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Pregão Presencial PRESTAÇÃO DE SERVIÇO CONTÍNUO SEM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DE MÃO DE OBRA PROCESSO Nº 27.000.004621.2014 PREGÃO Presencial Nº x ÓRGÃO REQUISITANTE:Secretaria

Leia mais