O ABRIR DAS ASAS DA BORBOLETA ATRAVÉS DA ARTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ABRIR DAS ASAS DA BORBOLETA ATRAVÉS DA ARTE"

Transcrição

1 FACULDADE NORTE CAPIXABA DE SÃO MATEUS CURSO DE PEDAGOGIA LUISA PETRY FLORES O ABRIR DAS ASAS DA BORBOLETA ATRAVÉS DA ARTE SÃO MATEUS - ES 2012

2 LUISA PETRY FLORES O ABRIR DAS ASAS DA BORBOLETA ATRAVÉS DA ARTE Projeto de Pesquisa apresentado a Faculdade Capixaba de São Mateus UNISAM, no curso de Pedagogia, como requisito parcial para aprovação na disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso II, sob orientação da Prof Msc Carolina F.Dadalto. SÃO MATEUS-ES 2012

3 FICHA CATALOGRÁFICA

4 LUISA PETRY FLORES O ABRIR DAS ASAS DA BORBOLETA ATRAVÉS DA ARTE Projeto de Graduação apresentado ao Programa de Graduação em Pedagogia da Faculdade Norte Capixaba de São Mateus, como requisito parcial para obtenção do Grau de Licenciatura em Pedagogia. São Mateus, de novembro de Banca Examinadora Prof. Msc Carolina F.Dadalto. Orientadora UNISAM Prof.(a) Laudinéia Azerêdo dos Santos Gomes. UNISAM Avaliador Prof.(a) Tereza Barbosa Rocha. UNISAM Avaliador

5 Dedico este trabalho a minha família que sempre me deu forças para seguir com os sonhos, mesmo aqueles dito impossíveis. Dedico também aos meus amigos que são a fonte da minha alegria e motivação, e me suportaram nos momentos difíceis e fazem parte da minha história de vida. A minha professora orientadora Carolina Dadalto pela paciência e contribuições que levaram ao sucesso deste trabalho.

6 "[...] a arte é um meio concreto para se desenvolver a sensibilidade, a ética, a concentração, a criatividade e a espiritualidade, contribuindo para uma sociedade melhor [...]. (COLAGRANDE, 2010, p.27).

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA DELIMITAÇÃO DO TEMA FORMULAÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos HIPÓTESE METODOLOGIA Classificação da Pesquisa Técnica de Pesquisa para Coleta de Dados Fonte para Coleta de Dados Caracterização das Amostras Instrumento para coleta de dados Tratamento e Análise dos Dados APRESENTAÇÃO DOS CONTEÚDOS DAS PARTES REFERENCIAL TEÓRICO A ARTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES A ARTE NA EDUCAÇÃO: UM BREVE HISTÓRICO A ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA RECENTE VONTADE DE TRANSFORMAR A CRIANÇA E O ENSINO APRENDIZAGEM ANÁLISE DOS DADOS METODOLOGIA: PROJETO A MENINA DAS BORBOLETAS O PROJETO NA PRÁTICA RELATOS DA VIVÊNCIA CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES...45

8 RESUMO A criança na educação infantil está em seu momento de formação individual, aberta a descobertas e experiências que façam sentido em suas vidas. Neste ponto de vista, a arte faz parte de seu caminho criativo e condutor de seu desenvolvimento cognitivo. Através da imaginação, a fantasia, a narrativa, a modelagem e o teatro formam um conjunto de ferramentas que conduzem ao autoconhecimento dos alunos, a concentração e sua expressão e comunicação com o mundo. Esta pesquisa tem o objetivo de contribuir para o reconhecimento da disciplina de artes como ferramenta didática para o aprimoramento das habilidades cognitivas dos alunos do Pré Nível II do CEIM Ovelhinha, com atividades que utilizem a narrativa, a modelagem e o teatro. Oportunizando a estas crianças, vivenciar atividades artísticas que estão inseridas neste contexto da arte como contribuinte no desenvolvimento cognitivo dos alunos. Percebe-se que existe uma necessidade de um reconhecimento do papel positivo da arte em transformar e modelar sentimentos, emoções, pensamentos e atitudes no individuo em formação. Consideramos que a educação quando realizada de forma íntegra percorre pelo caminho afetivo e criativo, tendo a necessidade de ter a arte como fio condutor da formação de indivíduos autênticos e transformadores das situações expostas em seu cotidiano. Neste projeto realizado com as crianças foi possível perceber o quanto as crianças participantes estão abertas à vivenciar a arte, demonstrando atitudes irreverentes e distintas ao seu comportamento comum. Podemos assim contemplar a arte como um caminho tão importante quanto todo conteúdo curricular de nossas escolas. Palavras- chaves: Arte, Educação Infantil, Teatro, Narrativa, Argila, Desenvolvimento Infantil.

9 1 INTRODUÇÃO Considerando as possibilidades que a arte oferece no desenvolvimento cognitivo das crianças, teremos como foco de pesquisa a arte como instrumento didático que pode contribuir para o desenvolvimento intelectual do indivíduo. Na medida em que o ensino da arte favorece a aquisição de habilidades tanto intelectuais quanto motoras e emocionais. A arte possui ferramentas diversas, com metodologias que abrangem um universo de possibilidades de desenvolvimento humano e que desvenda a capacidade de expressão do indivíduo, podendo assim ter um trabalho direcionado e aplicado diante as necessidades do aluno. Esta função diversificada e transformadora que as atividades artísticas apresentam é expressa neste trabalho. Foram utilizadas técnicas da narrativa, da modelagem e do teatro, como metodologias que podem contribuir para a formação de indivíduos conscientes e responsáveis que tenham esperança, força de vontade e criatividade para transformar o velho no novo. Podendo assim, desenvolver habilidades que buscam o equilíbrio interno do aluno oportunizando um melhor desenvolvimento cognitivo e percepção de vida. Segundo Colagrande (2010, p.23.) a arte está para criança como uma forma livre de experimentar a si mesma, a sua expressão, comunicação e descoberta de suas possibilidades de criação. Através desta reflexão fortalecemos o reconhecimento

10 das contribuições da arte no desenvolvimento cognitivo das crianças que neste caso são alunos de 6 anos do Pré Nível II do CEIM Ovelhinha. Neste trabalho foi desenvolvida a análise bibliográfica como fundamentação para um estudo de campo onde foram apresentadas atividades propostas para o público alvo escolhido, que são crianças de 6 anos do CEIM Ovelhinha, localizado no bairro Guriri na cidade de São Mateus ES. Esta pesquisa realizou-se no segundo semestre do ano de 2012 e teve um olhar reflexivo sobre as contribuições das atividades artísticas como ferramenta potencializadora para o desenvolvimento cognitivo das crianças. Podendo conquistar um reconhecimento e aprimoramento profissional dos professores de artes e uma qualidade no ensino de nossas crianças valorizando seu potencial criativo. 1.1 JUSTIFICATIVA Percebe-se que no cotidiano escolar muitos alunos apresentam comportamentos imaturos, refletindo em dificuldades de aprendizagem relacionadas à falta de motivação e concentração diante as possibilidades que possuem em suas atividades propostas por seus professores que exercem um trabalho prático e mecânico em suas aulas, perdendo a essência de educar e transformar. Ou seja, o potencial desses alunos poderia ser melhor explorado caso o ensino ocorresse de forma contextualizada e que houvesse nele um intuito educativo tendo como metodologia didática uma ação pedagógica que contribuísse na vida das crianças de modo mais amplo. Neste caso, a disciplina de arte tem uma gama de contribuições tanto no sentido de coordenação motora, quanto do intelecto do aluno e também o emocional. Podendo assim através de atividades artísticas ocorrer o favorecimento da expressão da

11 linguagem da criança tendo a arte como ferramenta para a internalização das informações oriundas do cotidiano. Segundo Bock (2008, p.128): Vigotsky deu ênfase ao processo de internalização como mecanismo que intervém no desenvolvimento das funções psicológicas complexas. Essa é a reconstrução interna de uma operação externa e tem como base a linguagem. O plano interno, para ele, não preexiste, mas é constituído pelo processo de internalização, fundado nas ações, nas interações sociais e na linguagem. A comunicação da criança com o mundo é refletida em sua essência como ela vê e sente o mundo, conduzindo sua expressão com pureza e espontaneidade. De fato ter possibilidades de potencializar sua forma de sentir e registrar para si as informações externas poderá desenvolver características positivas em sua relação social e interativa ao longo da vida. Tanto Vigotsky quanto Piaget em seus estudos defendem a importância das relações sociais para um desenvolvimento intelectual e equilibrado na vida do indivíduo. O autor Wadsworth (2010, p.12) relata que: Para Vigostsky, os fatores sociais desempenham um papel fundamental no desenvolvimento intelectual, Quando o conhecimento existente na cultura é internalizado (ou construído) pelas crianças, as funções e as habilidades intelectuais são provocadas a se desenvolver. Dessa forma, a aprendizagem conduz ao desenvolvimento. Piaget, por sua vez, reconheceu plenamente o papel dos fatores sociais no desenvolvimento intelectual. As interações sociais foram consideradas como uma fonte de conflito cognitivo, portanto, de desequilibração e, consequentemente, de desenvolvimento. Considerando os estudos de Vigotsky e Piaget, os mesmos expressam a necessidade do vínculo social positivo que exerça seu papel de potencializar a aprendizagem do aluno, podendo conduzir num trabalho motivador e transformador na educação. Percebemos que nos dias atuais esta desmotivação e esta desvalorização do uso da arte como contribuinte de um desenvolvimento intelectual do aluno faz do ensino um caminho árduo com dificuldades de aprendizagens que poderiam ser dissolvidas através de uma metodologia mais fluida e prazerosa para a criança.

12 Portanto, este trabalho justifica-se pela necessidade de apontar as contribuições que o ensino da arte pode oferecer no desenvolvimento cognitivo dos alunos do Pré Nível II do CEIM Ovelhinha. 1.2 DELIMITAÇÃO DO TEMA As contribuições do ensino da arte como metodologia para o desenvolvimento cognitivo das crianças de seis anos do CEIM Ovelhinha foi o tema escolhido para ser trabalhado neste projeto de pesquisa. Nesta pesquisa foram proporcionadas atividades artísticas para os alunos da faixa etária escolhida do CEIM Ovelhinha. Este estudo de campo foi posto em prática no mês de setembro deste ano, com o embasamento teórico já sendo desenvolvido no primeiro semestre de FORMULAÇÃO DO PROBLEMA O universo da criança que está na educação infantil é repleto de fantasia, movimento, cantigas de roda, brincadeiras, cores, música e imaginação. Percebe-se a necessidade de um ensino de arte na educação infantil que motive as crianças a explorar seus potenciais e desvendar habilidades cognitivas que farão sentido em suas vidas. A ausência deste trabalho com arte torna perceptível alguns comportamentos infantis os quais refletem na dificuldade da criança em ter autonomia de suas ações; de ter a capacidade de conhecer a si mesmo; saber resolver problemas; criar novas alternativas perante as situações cotidianas da vida; expressar suas emoções e; desenvolver habilidades psicomotoras e intelectuais.

13 O ensino da arte na educação infantil pode oportunizar melhor rendimento e motivação durante todo o processo escolar. A arte como metodologia de ensino influencia não somente no desenvolvimento escolar dos alunos, mas principalmente em sua formação enquanto indivíduo; na sua vida cotidiana e; até mesmo na sua profissão podendo ter força de vontade e mais facilidade de resolver desafios da vida adulta. Desta forma, esta pesquisa se propõe a responder a seguinte questão: Quais as contribuições que o ensino da arte pode proporcionar aos alunos do Pré Nível II do CEIM Ovelhinha? 1.4 OBJETIVOS Objetivo geral Contribuir para o reconhecimento da disciplina de artes como ferramenta didática para o aprimoramento das habilidades cognitivas dos alunos do Pré Nível II do CEIM Ovelhinha com atividades que utilizem a narrativa, a modelagem e o teatro Objetivos Específicos - Realizar uma pesquisa bibliográfica acerca do tema em questão; - Refletir e analisar historicamente o papel da arte na educação através de bibliografias;

14 - Analisar a importância da arte no ambiente escolar atual, considerando a literatura que trata da temática; - Contribuir para o fortalecimento da idéia de que a arte pode funcionar como ferramenta contribuinte na formação consciente e criativa da personalidade dos indivíduos; - Elaborar uma proposta metodológica que envolva atividades artísticas que propiciam o aprimoramento do desenvolvimento cognitivo; - Aplicar as atividades propostas; - Analisar o envolvimento dos alunos nas atividades propostas; - Observar os avanços no desenvolvimento dos alunos após a execução do projeto; - Contribuir para o desenvolvimento de habilidades cognitivas através da narrativa, da modelagem e do teatro. 1.5 HIPÓTESE Acredita-se que através desta pesquisa será possível reconhecer o papel positivo da arte voltada para educação no desenvolvimento cognitivo dos alunos do Pré Nível II do CEIM Ovelhinha. 1.6 METODOLOGIA Classificação da Pesquisa

15 Essa pesquisa tem a característica exploratória e descritiva. Nela será desenvolvido um trabalho que reconheça o valor da função da arte como didática de aprimoramento do desenvolvimento cognitivo de crianças do Pré Nível II do CEIM Ovelhinha. No que se refere ao caráter exploratório, Gil (2007, p. 41) afirma que: Estas pesquisas têm como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais explícito ou constituir hipótese. Pode se dizer que esta pesquisa tem como objetivo principal o aprimoramento de idéias ou a descoberta de intuições. Este trabalho também terá característica descritiva, tendo em vista que se trata de um trabalho de pesquisa em pratica no qual foram proporcionadas atividades artísticas para que através de observações indique - se um melhor desenvolvimento sobre o tema proposto. A pesquisa descritiva possibilita que o pesquisador complemente sua pesquisa com materiais registrados, observados, analisados de forma que complemente sua teoria estudada dando corpo ao seu trabalho. Segundo Andrade (2001, p.124) Neste tipo de pesquisa descritiva, os fatos são observados, registrados, analisados, classificados e interpretados, sem que o pesquisador interfira neles. A junção das pesquisas exploratórias e descritivas proporciona um maior embasamento no trabalho científico Técnica de Pesquisa Para Coleta de Dados A pesquisa bibliográfica servirá como base teórica fundamentada em pesquisadores e estudiosos sobre o tema em questão. Segundo Andrade (2006, p.126)... todo trabalho científico pressupõe uma pesquisa bibliográfica preliminar. Também será utilizada para coleta de dados a técnica de estudo de campo. Para Gil (2007, p. 53):

16 Basicamente, a pesquisa é desenvolvida por meio da observação direta das atividades do grupo estudado e de entrevistas com informantes para captar suas captações e interpretações do que ocorre no grupo. Esses procedimentos são geralmente conjugados com muitos outros, tais como a análise de documentos, filmagem e fotografias. Considerando a pesquisa bibliográfica como fundamentação teórica para a complementação deste trabalho o estudo de campo será uma etapa onde apresentará na prática questões do cotidiano dos alunos em sala, podendo assim registrar e analisar posteriormente o trabalho de forma mais concreta. As atividades propostas para este estudo de campo serão estabelecidas da seguinte forma: 1 Etapa: Narrativa da História: A Menina das Borboletas de Roberto Caldas; na horta da escola; 2 Etapa: Atividade com modelagem, utilizando argila para criação dos elementos da história; 3 Etapa: Roda de conversa e reflexões sobre a vivência e seleção de personagens entre os alunos dando início a dramatização da história; 4 Etapa: Ensaio do teatro e confecção de figurinos; 5 Etapa: Culminância do Projeto Arte com a Menina das Borboletas, com exposição das obras rústicas de argila confeccionadas pelos alunos e apresentação do teatro A Menina das Borboletas. Desta forma, equilibrando a fundamentação bibliográfica, através de pesquisas sobre o tema, com a prática, este projeto de artes se atreve a propor diferentes percepções, análises e críticas que possibilitem novas alternativas de trabalho com a arte junto às crianças na educação infantil Fontes Para Coletas de Dados

17 As fontes para coleta de dados desta pesquisa serão primárias visto que haverá coleta de dados conforme o desenvolvimento das atividades que serão registrados imagens fotográficas; vídeos, e relatos de alguns alunos envolvidos no projeto. E também serão fontes secundárias: livros, artigos fundamentados sobre o tema proposto, que segundo Andrade (2006, p.43) as fontes secundárias referem-se a determinadas fontes primárias, isto é, são constituídas pela literatura originada de determinadas fontes primárias e constituem-se em fontes das pesquisas bibliográficas Caracterização da Amostra O público alvo desta pesquisa foram 12 crianças de 6 anos da turma do Pré Nível II alunos do CEIM Ovelhinha. Este Centro Educacional Municipal Ovelhinha fica localizado no bairro Guriri, na cidade de São Mateus, ES. Estes alunos já demonstram algumas habilidades com artes, expressam suas vontades, e atualmente estão em seu processo de alfabetização preparando se para o Ensino Fundamental I para o próximo ano. Segundo Andrade (2006, p.144), os sujeitos de uma pesquisa, ou seja, os elementos que serão investigados compõem uma amostra da população ou do universo. Em geral estas crianças têm um nível social com baixa renda familiar e uma série de situações como dificuldades de relacionamentos familiares e afetivos Instrumento Para Coletas de Dados

18 Este trabalho utilizou como instrumentos metodológicos a roda de conversa 1, a narrativa, a modelagem e o teatro. A utilização desses instrumentos proporcionou um enriquecimento da pesquisa no sentido prático e qualitativo do estudo de campo. Considerando as atividades artísticas com modelagem e teatro, esta pesquisa teve como instrumentos para coleta de dados grupos de discussão, registros fotográficos e observações a partir das atividades registradas no estudo Tratamento e Análise dos Dados Nesta pesquisa foi trabalhada a análise dos dados com intuito de buscar resultados qualitativos sobre as contribuições das atividades artísticas na turma do Pré Nível II do CEIM Ovelhinha. Sendo assim, Gil (2007, p. 133) diz: A análise qualitativa depende de muitos fatores, tais como a natureza dos dados coletados, a extensão da amostra, os instrumentos de pesquisa e os pressupostos teóricos que nortearam a investigação. Pode se, no entanto, definir esse processo como uma sequência de atividades, que envolve a redução dos dados, a categorização desses dados, sua interpretação e a redação do relatório. Nesse contexto a análise dos dados foi realizada a partir de uma leitura crítica da bibliografia consultada, observação e execução de atividades pedagógicas com o intuito de organizar os dados para compor o corpo textual deste trabalho. 1.7 APRESENTAÇÃO DOS CONTEÚDOS DAS PARTES 1 A roda de conversa, dispõe da interação do professor com os alunos, todos sentados em forma de circulo, para se ter um momento de dialogo e reflexões acerca de determinado assunto.

19 Capítulo 1 O capítulo aborda a introdução do trabalho, delineando sobre os questionamento, objetivos e hipóteses que deram início a este estudo que culminou no desenvolvimento e conclusão desta pesquisa. Traz detalhes da metodologia utilizada e outros pontos relevantes sobre o processo de construção do trabalho. Capítulo 2 O presente capítulo aborda o conteúdo teórico que abrange as contribuições da arte, o histórico do ensino da arte, o histórico do ensino da arte e o ensino-aprendizagem. Capítulo 3 O capítulo três traz a análise dos dados descrevendo o processo de construção do projeto de artes desenvolvido na escola, e aborda, também, relatos das vivências. Capítulo 4 Traz as considerações finais deste estudo.

20 24 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 A ARTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES Tendo em vista que no processo de ensino aprendizagem a arte ocupa um espaço que amplia os conhecimentos adquiridos pelos educandos, esta pesquisa foi desenvolvida com crianças de seis anos do CEIM Ovelhinha, foi levado em consideração que as crianças dessa faixa etária possuem um melhor desempenho nas habilidades que foram necessárias para cumprir os objetivos deste estudo. Essa pesquisa objetivou possibilitar a esses alunos a oportunidade de vivenciar atividades artísticas que possam gerar um melhor rendimento escolar; que desenvolvam a capacidade de potencializar seus dons artísticos; desenvolver sua coordenação motora e; expressar seus sentimentos sabendo lidar com as diferenças melhorando assim sua socialização ao meio social em que vivem. A criança está aberta a aprender e praticar aquilo que a inspira, que alimenta sua imaginação, quanto a isso Fusari (2009, p.85), explica que: Compreender o processo de aquisição do conhecimento da arte pela criança significa mergulhar em seu mundo expressivo, por isso, é preciso procurar saber por que e como ela o faz. Valorizar o ensino da arte e suas contribuições é um caminho humano onde possibilita o desenvolvimento cognitivo, o autoconhecimento, a sua história podendo ser tecida e modelada de forma consciente e transformadora, cooperando com as relações sociais, relações escolares e afetivas do aluno. É necessário que haja uma mudança de paradigmas sobre a função da arte na formação do indivíduo. A criança sente e expressa o que vive, a arte é mediadora destes sentimentos. Fusari (2010, p.85), ressalta que a criança exprime se naturalmente, e se comunica tanto do ponto de vista verbal, como plástico, musical ou corporal, e sempre motivada pelo desejo da descoberta e por suas fantasias. É necessário que

21 25 se dê oportunidade ao aluno de vivenciar a arte para que ele possa expressar - se a partir dela. Segundo Colagrande (2010, p.43): A criança de três a seis anos começa a olhar o mundo, percebe-se um ser diferenciado nele e pode manifestar suas sensações por meio de pinturas, colagens ou rabiscos para começar lentamente a elaborar seu campo gráfico de acordo com suas percepções. O papel do educador nessa fase é tornar possível essa manifestação, oferecendo materiais, fazendo ao lado do aluno seu próprio trabalho para que ele observe e crie o seu próprio, sabendo como utilizar os materiais. A arte é uma ferramenta que auxilia no desenvolvimento da criança, vindo de uma criação interna, de consciência e percepção sensorial sobre o mundo. A atividade artística utilizada didaticamente 2 pode auxiliar no processo cognitivo da criança. E sendo utilizada de forma correta e aprofundada coopera equilibrando os meios de aprendizagem intelectuais e racionais com os emocionais e psicológicos que fazem parte do indivíduo. A criança precisa ser entendida e ter este auxílio amoroso em seu espaço educativo, Porcher apud. Forquin (1982, p.47) afirma que: Dentro de cada criança, como dentro de cada antiga criança, existem imensas virtualidades sensoriais, aptidões emotivas, possibilidades de felicidades sensíveis. O educador que não faz tudo o que pode, agora, no plano da educação escolar- que é o plano mais geral e decisivo- para exaltar e realizar essas virtualidades, que deixa passar o momento oportuno, quer por indiferença, por cansaço ou por negligência, contribui para manter a banalidade do mundo a mediocridade do homem, a insignificância da vida (...). Sabemos que na maioria das escolas brasileiras, a questão emocional e psicológica só recebe a devida atenção quando algum problema de comportamento de algum aluno é apresentado já em seu estado crítico, pode-se apontar essa situação como um dos maiores desafios das escolas atualmente. Através da arte é possível auxiliar na elaboração e modelagem de pensamentos, ter liberdade de expressar diretamente nossos sentimentos e registrar através da 2 A didática se caracteriza como mediação entre as bases teórico-científicas da educação escolar e a prática docente (LIBÂNEO, 1994, p. 28).

22 26 criação artística aquilo que é estimulado intelectualmente, através do raciocínio, das metodologias que aprendemos desde pequenos na escola, prevenindo assim um jovem desequilibrado emocionalmente e com dificuldades de aprendizagem. Atualmente a criança está perdendo seu tempo de brincar, criar e sonhar no jardim de infância, assim enrijecendo seus pensamentos desde pequena, pois já tem o dever de aprender a escrever, a calcular e logo estará preenchendo provas e recebendo notas para sua avaliação na educação infantil. Segundo Colagrande (2010, p.24): (...) Formamos indivíduos mais inseguros, que imitam os padrões estabelecidos por outros e, muitas vezes, padrões esses que não funcionam, e que vemos são pessoas cada vez mais insatisfeitas, infelizes e estressadas. Estou ousando dizer aqui que a arte contribui sim para uma formação de melhor qualidade e maiores possibilidades. Isso não significa que todos deveriam ser artistas, mas sim todos deveriam ter oportunidade de experimentar a arte como uma maneira de expressão pessoal, autoconhecimento e sensibilização com o meio ambiente. Com essa mudança nas relações infantis percebemos desenvolvimentos mais intensificados nas áreas de raciocínio e gramática e um déficit no desenvolvimento das áreas cognitivas, emocionais e criativas. 2.2 A ARTE NA EDUCAÇÃO: UM BREVE HISTÓRICO A arte na educação caminha junto ao que a sociedade está refletindo como as questões culturais, socioeconômicas, relações familiares e escolares. Neste conjunto de fatores existe a necessidade de fazer arte e o reconhecimento desta na vida das crianças na escola, já que a escola reflete as necessidades sociais.

23 27 Percebe-se a necessidade da importância de obtermos um conhecimento histórico da trajetória da arte e seu espaço nas escolas. Nos Parâmetros Curriculares já está registrado a arte junto à história da humanidade como práticas formadoras culturais. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte, volume 6 (2000, p.21): Desde o início da história da humanidade a arte sempre esteve presente em praticamente todas as formações culturais. O homem que desenhou um bisão numa caverna pré-histórica teve que aprender de algum modo, seu ofício. E, da mesma maneira, ensinou para alguém o que aprendeu. Assim, o ensino e a aprendizagem da arte fazem parte, de acordo com normas e valores estabelecidos em cada ambiente cultural, do conhecimento que envolve a produção artística em todos os tempos. O ensino da arte contribui para o desenvolvimento criador da criança, por isso é relevante compreendermos que na metodologia tradicional das escolas oportunizar o desenvolvimento da criatividade da criança não era o seu foco e sim trazer informações prontas e padronizadas conforme a sociedade visava construir na formação dos cidadãos há décadas atrás. Nos Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte, Volume. 6 (2000, p.22) consta que: É importante salientar que tais orientações trouxeram uma contribuição inegável no sentido da valorização da produção criadora da criança, o que não ocorria na escola tradicional. Mas o princípio revolucionário que advogava a todos, independentemente de talentos especiais, a necessidade e a capacidade da expressão artística foi aos poucos sendo enquadrado em palavras de ordem, como por exemplo, o que importa é o processo criador da criança e não o produto que realiza e aprender a fazer, fazendo ; estes e muitos lemas foram aplicados mecanicamente nas escolas, gerando deformações e simplificações na idéia original, o que redundou na banalização do deixa fazer ou seja deixar a criança fazer arte, sem nenhum tipo de intervenção. A Tendência da Pedagogia Tradicional, atualmente é refletida em nossas escolas, famílias e comunidades, no momento em que essas organizações optam por posturas mecânicas, rígidas e inflexíveis no processo de ensino aprendizagem. No que se refere a Pedagogia Tradicional, Fusari (2010,p.25) afirma que: Na pedagogia tradicional o processo de aquisição dos conhecimentos é proposto através de elaborações intelectuais e com base nos modelos de pensamento desenvolvidos pelos adultos, tais como análise lógica, abstrata. Na prática, a aplicação de tais idéias reduz-se a um ensino mecanizado, desvinculado dos aspectos do cotidiano, e com ênfase exclusivamente no

24 28 professor, que passa para os alunos informações consideradas verdades absolutas. Como forma de contestação a esta tendência pedagógica, uma nova geração de pensadores que objetivavam propor novas formas de ensino iniciaram o movimento denominado Escola Nova. Esse movimento causou polêmica e trouxe novas possibilidades nas áreas das linguagens artísticas, teatrais, e educacionais. Alguns acontecimentos sociais e culturais fortaleceram o movimento da Escola Nova. Dentre eles pode se apontar a Semana da Arte Moderna que trouxe um novo olhar sobre a produção artística de modo que deixou de focar a arte como um só gênero de criação, rompendo com uma postura mecanizada e inflexível de produção artística, tirando o foco na produção artística européia e valorizando os artistas brasileiros. Tendo em vista que a Escola Nova propunha uma educação contextualizada com a valorização da diversidade cultural e artística, a Semana de Arte Moderna veio ao encontro desta proposta fortalecendo o movimento. Segundo o autor Fusari (2010, p.33): No campo artístico observam-se ecos da Semana da Arte Moderna de 1922, expandindo-se o movimento modernista para várias regiões do país e organizando salões de arte com características inovadoras e mais nacionalistas. O resgate cultural e reconhecimento de suas riquezas naturais e artísticas em nosso país é o que teve em discussão nestes movimentos sociais representando a arte e valorizando-a caracterizando nosso país como um campo de artistas privilegiados e mantenedores de nossa cultura diversificada. Com isto podemos interligar o papel sócio-cultural do ensino da arte na educação infantil como ferramenta formadora e potencializadora de nossas raízes culturais, tanto no folclore quanto o que a própria diversidade compõe com suas misturas sociais. Outra área que podemos ressaltar na sua função da construção do pensamento evolutivo da arte na educação durante a Escola Nova é a psicologia. A psicologia tinha seu papel fundamental nesta época onde as aulas de artes eram diferenciadas buscando o estímulo para o aluno em sua criação, tendo como objetivo desenvolver

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO 0 1 A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu. Internacional de Ufologia, História e Ciência. Victor Mostajo.

Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu. Internacional de Ufologia, História e Ciência. Victor Mostajo. Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu Internacional de Ufologia, História e Ciência Victor Mostajo. Cátia Bairro Ferreira Santa Maria, RS 2009. 1 Oficina Lúdico Pedagógica - Dinossauros A criança

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES Disciplina: Linguagem. Períodos: Infantil 4 1º, 2º, 3º. Conteúdo

DIRETRIZES CURRICULARES Disciplina: Linguagem. Períodos: Infantil 4 1º, 2º, 3º. Conteúdo Linguagem Letras do alfabeto Nome próprio, nome da escola, histórias Nome das profissões, histórias, músicas Histórias, nome das plantas Histórias em quadrinho, brincadeiras, nome dos brinquedos Nome dos

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil

Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil Profa. Cláudia Yazlle 29 e 30/março/2011 Objetivos da aula de hoje Refletir sobre a identidade da educação infantil Conhecer os objetivos gerais da educação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini

Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini A favor da comunidade, que espera o bloco passar Ninguém fica na solidão Embarca com suas dores

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: A PERCEPÇÃO DE LUZ E SOMBRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras-chave: Conhecimentos físicos. Luz e sombra. Educação Infantil.

RELATO DE EXPERIÊNCIA: A PERCEPÇÃO DE LUZ E SOMBRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras-chave: Conhecimentos físicos. Luz e sombra. Educação Infantil. RELATO DE EXPERIÊNCIA: A PERCEPÇÃO DE LUZ E SOMBRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo Camille Cistina Witsmiszyn de Souza 1 Dulce Stela Schramme 2 Neila Tonin Agranionih 3 Lucilene Paixão 4 Percepção de luz e

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais