Apoiando-se em teorias da mudança para o planejamento, gestão e avaliação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apoiando-se em teorias da mudança para o planejamento, gestão e avaliação"

Transcrição

1 Apoiando-se em teorias da mudança para o planejamento, gestão e avaliação Professora Patricia Rogers BetterEvaluation Royal Melbourne Institute of Technology, Melbourne, Australia Avaliação para a estratégia organizacional do investimento social privado

2 A essência das teorias da mudança Estou quebrando pedras Estou construindo um templo 2 Evaluation for public sector managers

3 O que é a teoria da mudança? A teoria (ou lógica ou modelo) sobre como uma intervenção (projeto, programa, política, estratégia) contribui para os resultados pretendidos ou observados 3 Evaluation for public sector managers

4 Algumas definições básicas Teoria da mudança Teoria da mudança Uma teoria explícita sobre de como uma intervenção contribui para os resultados pretendidos ou observados, que possui 2 componentes: O processo pelo qual a mudança ocorre (quer no indivíduo, organização ou comunidade) Teoria da ação Como a intervenção é construída para ativar a teoria da mudança

5 Algumas definições básicas Teoria da mudança Uma teoria explícita sobre de como uma intervenção contribui para os resultados pretendidos ou observados, que possui 2 componentes: Teoria da mudança Teoria da ação Modelo lógico O processo pelo qual a mudança ocorre (para um indivíduo, organização ou comunidade) Como a intervenção é construída para ativar a teoria da mudança Uma representação visual de uma teoria de programa, em geral no formato de um diagrama, mas às vezes pode ser uma tabela

6 Que tipo de teoria? Qualquer espécie de modelo causal que vincula a intervenção com determinados resultados Poderia basear-se em : Uma teoria formal, embasada na pesquisa (uma teoria com T maiúsuclo), ou Premissas informais, tácitas, não verbalizadas apoiadas por profissionais (uma teoria com t minúsculo) A teoria precisa incluir uma explicação sobre como as atividades do programa contribuem para os resultados - e não apenas listar as atividades, seguidas dos resultados, sem qualquer explicação sobre de que modo um se liga ao outro a não ser por algumas setas misteriosas.

7 7 Quatro questões importantes ao usar as teorias da mudança na avaliação 1. Articular uma teoria da mudança que seja explícita 2. Ter uma teoria da mudança plausível 3. Apresentar a teoria da mudança com clareza 4. Usar a teoria da mudança na avaliação

8 8 1.Articular uma teoria da mudança explícita

9 Programa da teoria da atuação dos pais Análise situacional Teoria da mudança Teoria da ação Resultados pretendidos Reprimir (evitar uma interação negativa) Gritar Cortar a mesada Quarto arrumado Incentivo Positivo Entradas para o cinema Elogios

10 Teorias de mudança e teorias de ação para a atuação dos pais Análise Situacional Teoria da ação teoria da mudança Resultados esperados Gritar Cortar a mesada Oferecer uma recompensa (dinheiro, entradas para o cinema) Elogiar os esforços Reprimir - evitar uma interação negativa Incentivo Positivo Um quarto arrumado

11 Maneiras de representar as teorias de mudança 1. Pipeline insumos-atividades-produtos-resultadosimpactos 2. Cadeia de resultados uma cadeia de resultados (atividades mostradas separadamente em uma matriz lógica do programa) 3. Coluna Tripla - uma cadeia de resultados com atividades e outros fatores mostrados em colunas separadas 4. Matriz realista 5. Narrativa 11 Evaluation for public sector managers

12 Modelo lógico de Pipeline 12 Evaluation for public sector managers

13 Modelo lógico de Pipeline INPUTS Alunos de escolas de baixa renda Laboratório de computação Computadores Instrutores Informações sobre cursos superiores PROCESSO Cursos de softwares Apoio ao aluno Desenvolvimento profissional Ambiente universitário Projetos coletivos Estágios Parcerias com escolas de ensino médio RESULTADOS DE CURTO PRAZO Habilidades Conhecimento Aspirações/ confiança IMPACTOS Realização educacional Êxito ocupacional Liderança comunitária/ Modelos a serem seguidos Based on : Nelson and Bickel (2003) Infolink Program Teoria, 13 Evaluation for public sector managers

14 Narrativa da teoria da mudança O projeto de computação funciona com alunos que possuem alto desempenho acadêmico, vem de comunidades carentes e não têm acesso a computadores. A medida em que os alunos adquirem habilidades básicas em TI, abrindo oportunidades para estágios, eles desenvolvem uma imagem nova a respeito de seu futuro possível. Ao mesmo tempo, estão criando uma comunidade solidária de alunos, que abre um espaço seguro para o aprendizado e para elaborar e colocar em prática planos ambiciosos para sua educação e carreira futura. 14

15 Modelo lógico da cadeia de resultados Aumento das habilidades em computação Aumento da motivação Melhor desempenho escolar em matérias tecnológicas Aumento na taxa de inscrições em cursos sobre computação oferecidos em universidades Aumento no índice de graduados com diplomas em computação Maior realização ocupacional Redes sociais solidárias Conhecimrnto de possíveis opções de cursos superiores 15 Evaluation for public sector managers

16 Modelo lógico da cadeia de resultados Aumento nas habilidades em computação Aumento na motivação Redes sociais solidárias Melhor desempenho escolar em matérias tecnológicas Conhecimento de opções de cursos superiores Aumento da taxa de inscrições em cursos superiores em computação Maior número de graduações com diplomas em computação Maior realização ocupacional Cursos de verão Distribuir materiais, aconselhamento 1:1 Ajuda com as inscrições Apoio acadêmico e pessoal A teoria da ação pode ser abordada em uma matriz lógica

17 Mostrando atividades numa matriz lógica de programa Aumento das habilidades em computação Possíveis indicadores, fontes de dados, comparações Maior motivação (Possíveis indicadores, fontes de dados, comparações) Melhor desempenho escolar em matérias técnicas (Possíveis indicadores, fontes de dados, comparações) O que representa o sucesso Que atividades contribuem diretamente para isso Outros fatores que dão conta disso 17 Evaluation for public sector managers

18 Matriz da Realidade Contexto Mecanismo Resultado Alunos provenientes de ambientes de baixa renda, motivados, com alta competência Alunos provenientes de ambientes de baixa renda, com dificuldades de aprendizado e/ou problemas de comportamento Atingir um determinado nível de competência e conhecimento em computação Mecanismo não ativado Matrícula bem sucedida em cursos de computação Destino educacional inalterado 18 Evaluation for public sector managers

19 A pesquisa mostra: Comer uma maçã por dia melhora a saúde Como desenhar um projeto baseado nisto? Como uma teoria de programa pode melhorar a nossa avaliação? 19 9

20 Você tem 10 minutes para desenhar um projeto para melhorar a saúde das pessoas através da ingestão de uma maça por dia 20 Evaluation for public sector managers Funnell and Rogers Purposeful Program Teoria 9

21 Quais as premissas sobre o que constitui o problema? Qual a teoria sobre como mudar o comportamento das pessoas (convence-las comer maças) Qual a teoria sobre como maças iriam fazer você mais saudável? 21 Evaluation for public sector managers 9

22 Entendendo mecanismos causais operando em contextos RECURSOS Maças Pessoas pouco saudáveis RESULTADOS IMEDIATOS Maças comidas RESULTADOS DE CURTO PRAZO Melhor estado nutricional RESULTADOS DE LONGO PRAZO Saúde melhor Poderia usar laranjas. tendo como alvo a deficiência de Vitamina C Vitamina C Níveis adequados de vitamina C Reduzir a incidência de escorbuto Poderia usar cebolas roxas. Quercetina Níveis de quercetina aumentados Reduzir a incidência de cancer, doenças cardiacas e inflamatórias da próstata Poderia usar cenouras tendo como alvo a obesidade. Substituição Diminuição do consumo de lanches/ alimentos pouco nutritivos Evaluation for public sector managers Reduzir a incidência de obesidade e doenças correlatas 10

23 O que estas diferentes teorias de programa podem significar para o modo como deveríamos descrever ou mensurar maças comidas? 23 Evaluation for public sector managers Funnell and Rogers Purposeful Program Teoria 9

24 Múltiplas teorias de mudança e teorias de ação RECURSOS Maças Pessoas com saúde precária RESULTADOS IMEDIATOS Maças comidas RESULTADOS DE CURTO PRAZO Melhor estado nutricional RESULTADOS DE LONGO PRAZO Saúde melhor Regulamentações que restringem os tipos de alimento vendidos em máquinas automáticas Disponibilidade Substituição Impostos mais altos para alimentos não nutritivos Incentivo Anúncios que promovem o consumo de maçãs Normas Sociais Informação Lembretes Menor consumo de alimentos não nutritivos Redução na incidência de obesidade e doenças correlatas 24 Evaluation for public sector managers

25 25 2. Ter uma teoria da mudança plausível

26 Análise situacional Quais são as necessidades que a intervenção deve dar conta? Qual é o problema que a intervenção deve solucionar? O que causa esse problema? Em que pontos fortes a intervenção deverá se apoiar? Quais as oportunidades nas quais a intervenção deveria capitalizar? Quem mais está abordando essa situação? Existem aliados ou opositores em potencial? Até que ponto a situação é bem compreendida? Até que ponto a situação pode ser mudada? 26

27 Como pode ser desenvolvida uma teoria de mudança? Uma combinação de: Abordagem dedutiva a partir de pesquisas anteriores, políticas estabelecidas, arquétipos de programas, análises lógicas Abordagem indutiva a partir de observações diretas (ou feitas por outras pessoas) sobre como o programa de fato funciona Articulação dos modelos mentais de pessoas ou grupos interessados (stakeholders) a respeito de como o programa funciona. 27

28 What sort de mudança trajectory does your intervention have? Um trajeto conhecido Linear Não necessariamente fácil Simples

29 Que tipo de mudança de trajetória sua intervenção possui? Um trajeto conhecido Experiência e colaboração necessárias Complicado

30 Que tipo de mudança de trajetória sua intervenção possui? Um trajeto emergente Adaptabilidade e capacidade de aprender ao fazer Complexo

31 31 Aproveitando as teorias baseadas em pesquisa The COM-B system - a framework for understanding behaviour. Michie et al. Implementation Science :42 doi: /

32 The Behaviour Change Wheel. Michie et al. Implementation Science :42 doi: /

33 Algumas teorias de mecanismo causal baseado em pesquisas MUDANÇA A NÍVEL INDIVIDUAL Atribuição (Heider, 1958) Condicionamento clássico e condicionamento operante(pavlov, 1960; Skinner, 1953) Dissonância cognitiva (Festinger, 1957) Teoria da repressão (Homel, 1988) Teoria da diversão (http://www.thefuntheory.com/) Modelo da crença na saúde (Rosenstock, 1966; Glanz et al., 2002) Modelo PRECEDE-PROCEDE (Green and Kreuter, 2005) Auto-eficácia (Bandura, 1997) Profecia auto-realizada (Merton, 1968) Aprendizado social (Bandura, 1977) Teorias de redes sociais e da solidariedade social (Eng and Young, 1992) Treinamento (Kirkpatrick, 1959)

34 Algumas teorias de mecanismo causal baseado em pesquisas MUDANÇA NO NÍVEL ORGANIZACIONAL Groupthink (Janis, 1972) Organizational learning (Argyris and Schön, 1978) Positive deviance (Pascale, Sternin, and Sternin, 2010) Six change approaches (Kotter and Schlesinger,1979) MUDANÇA NO NÍVLEL DA COMUNIDADE Bandwagon effect (Bikhchandani, Hirshleifer, Welch, 1992) Institutional analysis and development (Ostrom, 2008) Social loafing (Karau and Williams, 1993) Strength of weak ties (Granovetter, 1973) Tipping points (Gladwell, 2000) Tragedy of the commons (Hardin, 1968; Senge, 1990; Ostrom, 1999)

35 Algumas toerias de mecanismo causal baseadas em pesquisas MUDANÇAS DE POLÍTICAS Advocacy coalition framework (Sabatier and Weible, 2007) Garbage can model (Cohen, March, and Olsen, 1972) Incrementalism model (Lindblom, 1959) Institutional rational choice (Ostrom, 1999a) Multiple streams framework (Zahariadis, 1999) Policy diffusion (Berry and Berry, 1999) Policy networks (Marsh, 1998) Punctuated equilibrium teoria (Baumgartner and Jones, 1993)

36 Algumas teorias possíveis do mecanismo causal para o desenvolvimento Mecanismos causais sobre a tecnologia (inclusive práticas comprovadas) Aumentar os incentivos para aplicar a tecnologia existente Remover barreiras para o acesso efetivo à tecnologia Adaptar a tecnologia existente para poder ser eficaz em uma situação nova Desenvolver nova tecnologia Mecanismos causais sobre capacidade Aumentar a capacidade específica para realizar uma função específica (capital humano, capital social, capital organizacional, capital econômico) Aumentar a capacidade para melhorar a resiliência (especialmente a capacidade das redes colaborativas) Mecanismos causais sobre a contribuição para um processo de mudança complicado Preencher uma lacuna colocar a última pecinha a pecinha que faltava no quebra-cabeças Remover um obstáculo (versão ligeiramente diferente de preencher a lacuna): a pedra no caminho Mecanismos causais sobre a governança Repressão (aumentar os riscos de sanções por comportamento negativo) Aumentar a capacidade (aumentar a habilidade de gerir bem) Mecanismos causais sobre advocacy Demonstrar a viabilidade e efetividade de uma nova abordagem

37 Perguntas para extrair dos participantes suas teorias de mudança (Exhibit 6-1 Funnell and Rogers, 2011, Purposeful Program Theory) Poderia me dar um exemplo de onde esse programa está dando certo? Por que escolheu esse exemplo? O que você acha que está fazendo o programa dar certo? De que modo a vida seria melhor para os participantes ou o público-alvo, caso o programa funcione? Quais são as barreiras atuais que impedem os participantes do programa de terem uma boa vida? Como você acha que esse programa vai superar essas barreiras? O que há, na maneira como esse programa opera, que poderia tornar a vida melhor para os participantes ou o público-alvo? O que o programa atualmente faz que o ajuda a dar certo e o que não faz tão bem? O que mais precisa acontecer? Quem mais deveria estar envolvido, e como? O programa tenta influenciar estas outras pessoas? Em caso positivo, o que você esperaria que eles fizessem de maneira diferente?

38 38 Estratégias para garantir uma teoria da mudança adequada 1. Faça uma análise situacional antes de desenvolver a teoria de mudança para um programa novo 2. Use uma diversidade ampla de fontes, inclusive críticos do programa 3. Verifique os fatores atípicos e as exceções, confrontando-os com a teoria de mudança inicial. 4. Aborde os aspectos complicados e complexos da intervenção

39 39 Evaluation for public sector managers

40 40 3. Represente a teoria da mudança com clareza

41 Como fazer um bom modelo lógico? 1. Seja lógico e coerente Cada seta deve ter um significado Indique o rumo da mudança esperada Evite becos sem saída 2. Comunique as mensagens principais Evite excesso de linhas; não use linhas de feedback indiscriminadamente Evite padrões excessivamente detalhados (salvo em raros casos) Elimine tudo o que não acrescenta significado Garanta a facilidade de leitura Evite palavras gatilho e siglas misteriosas Rogers Using programa teoria 41

42 Exemplos ruins de modelos lógicos Rogers Using programa teoria 42

43 Exemplos ruins de modelos lógicos Rogers Using programa teoria 43

44 Exemplos ruins de modelos lógicos Rogers Using programa teoria 44

45 45 4. Use a teoria da mudança para o planejamento, monitoramento e avaliação

46 Alguns usos possíveis para a teoria de programa PLANEJAMENTO 1. Planejar/alinhar um novo programa/intervenção com um marco estratégico MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 2. Monitoramento das correções adicionais feitas pelos gerentes e pelo staff 3. Monitorando para prestar contas aos financiadores e outros stakeholders 4. Avaliação do processo para apoiar a melhoria contínua 5. Avaliação de processo para documentar uma inovação 6. Avaliação do impacto GESTÃO 7. Proporcionar ao staff, financiadores e clientes uma compreensão comum 8. Informar decisões de investimento ELABORAÇÃO DE POLÍTICAS E PRÁTICAS BASEADAS EM EVIDÊNCIA 9. Apoiar a replicação 10. Desenvolver a base de evidências através de múltiplas avaliações ou fontes 46

47 47 USO DA TEORIA DE PROGRAMA PARA AVALIAÇÃO Medir e descrever quais os dados necessários, que análises devem ser feitas? Recursos usados Processos Contexto Outros fatores que contribuem Resultados (imediatos, intermediários, subsequentes) Análise Causal A intervenção produziu o resultado? A intervenção contribuiu para o resultado? O que mais contribuiu para o resultado? Síntese e relatório Combinar evidências para uma única avaliação Relatar a cadeia de resultados Descrever os efeitos diferenciais Combinar evidências de diversas avaliações

48 Maneiras de usar a teoria da mudança para a avaliação 1. Monitoramento das correções adicionais feitas pelos gerentes e staff da prestação de contas perante financiadores e outros stakeholders 2. Avaliação do processo para Verificar a aderência (compliance) Apoiar a melhoria contínua Documentar uma inovação 3. Avaliação do impacto para testar um piloto antes de levar o programa à escala Compreender o valor do programa existente, em larga escala, e em andamento 4. Sintetize para Compreender o efeito médio de várias avaliações Compreender o efeito em contextos diferentes

49 49 Usando uma matriz lógica de programa Para cada resultado pretendido, identifique: O que poderia ser considerado como sucesso Quais atividades contribuem diretamente para esse resultado Que outros fatores parecem contribuir para esse resultado e se estes podem ser influenciados ou gerenciados de alguma maneira As fontes possíveis de evidência Como interpretar essas evidências particularmente, que comparações são adequadas (ex: linha de base, benchmark, padrões, ou objetivos)

50 Modelo lógico da cadeia de resultados Aumento nas habilidades em computação Aumento na motivação Redes sociais solidárias Melhor desempenho escolar em matérias tecnológicas Conhecimento de opções de cursos superiores Aumento da taxa de inscrições em cursos superiores em computação Maior número de graduações com diplomas em computação Maior realização ocupacional Cursos de verão Distribuir materiais, aconselhamento 1:1 Ajuda com as inscrições Apoio acadêmico e pessoal A teoria da ação pode ser abordada em uma matriz lógica

51 A teoria da ação pode ser abordada em uma matriz lógica Redes sociais solidárias Maior taxa de inscrições em cursos superiores O que representa sucesso? Fontes de evidência disto? Como devem ser analisadas? (especialmente as comparações) Quais atividades contribuem diretamente para isto (se houver)? Fontes de evidência disto? Como devem ser analisadas? (especialmente as comparações) Que outros fatores incidem? (Controle/influência Interna/externa?) Fontes de evidência disto? Como devem ser analisadas? (especialmente as comparações)

52 Algumas variações de modelos lógicos Modelos Pipeline Modelo Recursos-Processo-Produtos-Resultados Hierarquia de Bennett Adaptação Wisconsin do Modelo Pipeline Log frame Modelos lógicos circulares Cadeias de resultados Hierarquia de resultados Lógica de programa centrada nas pessoas Coluna tripla 52

53 Falha da implementação, da teoria ou foi alguma outra coisa? Resultado Saúde melhorou Saúde não melhorou TOTA L Maçãs comidas Maçãs não comidas TOTAL

54 Falha da implementação, da teoria ou foi alguma outra coisa? Resultado Saúde melhorou Saúde não melhorou TOTAL Comeram as maçãs Não comeram as maçãs TOTAL

55 Falha da implementação, da teoria ou foi alguma outra coisa? Resultado Características dos clientes Maçãs comidas Maçãs não comidas TOTAL Saúde melhorou Afetados por doenças relacionadas à nutrição Afetados por outras doenças Saúde não melhorou Afetados por doenças relacionadas à nutrição Afetados por outras doenças TOTAL

56 56 Estratégias para usar a teoria da mudança na avaliação 1. Esclareça o tipo de avaliação 2. Use uma matriz lógica do programa para identificar os dados relevantes a serem coletados 3. Use a teoria da mudança para analisar os dados

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

03 Set PROJETO. Manual. Inscrições. www.incubadora.coppe.ufrj.br http://www.alumnicoppead.com.br/index.php/projeto-mentoring. até

03 Set PROJETO. Manual. Inscrições. www.incubadora.coppe.ufrj.br http://www.alumnicoppead.com.br/index.php/projeto-mentoring. até Manual Faça parte desse time! Inscrições até 03 Set www.incubadora.coppe.ufrj.br http://www.alumnicoppead.com.br/index.php/projeto-mentoring INDICE Agenda Objetivos O Mentoring Quais os benefícios chaves

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Rumo à transformação digital Agosto de 2014

Rumo à transformação digital Agosto de 2014 10Minutos - Tecnologia da Informação 6ª Pesquisa Anual sobre QI Digital Rumo à transformação digital Agosto de 2014 Destaques O QI Digital é uma variável para medir quanto valor você pode gerar em sua

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Desafio 100 Cidades Resilientes

Desafio 100 Cidades Resilientes Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até 24 de novembro de 2015 www.100resilientcities.org/challenge O Desafio 100 Cidades Resilientes quer identificar 100 cidades que estejam preparadas para construir

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI Referência Conhecimento em TI : O que executivos precisam saber para conduzirem com sucesso TI em suas empresas. Peter Weill & Jeanne W. Ross Tradução M.Books, 2010. 2 O

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

A importância do Gerenciamento de Projetos na Gestão de Mudanças

A importância do Gerenciamento de Projetos na Gestão de Mudanças A importância do Gerenciamento de Projetos na Gestão de Mudanças Alberto Campos 1 Apresentação Graduado em Física, Matemática e Tecnologia da Informação, com MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Dom

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CARLOS HENRIQUE FELIPE POÇAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção.

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção. Processo Seletivo O que é? O Processo Seletivo é um conjunto de técnicas e instrumentos, empregados para avaliação de materiais, técnicas ou candidatos visando identificar as habilidades, tendências e

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso.

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. Vivian D. de Arruda e S. Pires Coordenadora de Planejamento do TJ/MT 23 de outubro de 2012 ESTRATÉGIAS

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Teoria de mudança: aplicações e alcances em uma experiência brasileira

Teoria de mudança: aplicações e alcances em uma experiência brasileira Teoria de mudança: aplicações e alcances em uma experiência brasileira Antonio Ribeiro Novembro - 2014 Teoria de Mudança Pode ser vista como: a) uma ferramenta ou método b) um processo reflexivo c) um

Leia mais

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos Workshop PMBoK Gerenciamento de Recursos Humanos Paulo H. Jayme Alves Departamento de Inovação Tecnológica - DeIT Janeiro de 2009 1 Envolvimento da equipe Os membros da equipe devem estar envolvidos: Em

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 5ª Série Administração de Recursos Humanos I A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Realizar Aquisições Realizar a Garantia de Qualidade Distribuir Informações Gerenciar as

Leia mais

Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em

Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em Formulação de Políticas de Saúde e Tomada de Decisões Informadas por Evidências Sessão 5 Como usar evidências de pesquisa

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Implementação e avaliação

Implementação e avaliação Seção 3 Implementação e avaliação ESTUDO BÍBLICO Respondendo às mudanças No início de Neemias 4, vemos que algumas pessoas se opuseram ao projeto. Qual foi a resposta de Neemias? (versículo 9) Como Neemias

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Gestão da informação na SDC: uma proposta de mudança tecnológica, motivação, comprometimento e trabalho coletivo.

Gestão da informação na SDC: uma proposta de mudança tecnológica, motivação, comprometimento e trabalho coletivo. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE GABINETE DO REITOR SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO - SDC Gestão da informação na SDC: uma proposta de mudança tecnológica, motivação, comprometimento e trabalho coletivo.

Leia mais

Planejando a melhoria de desempenho

Planejando a melhoria de desempenho 10Minutos Auditoria Interna Estudo sobre a situação da profissão de auditoria interna Planejando a melhoria de desempenho Setembro 2014 Destaques A auditoria interna deve estar alinhada com as expectativas

Leia mais

Aula 04 - Planejamento Estratégico

Aula 04 - Planejamento Estratégico Aula 04 - Planejamento Estratégico Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você saiba definir o escopo do projeto. Para tal, serão apresentados elementos que ajudem a elaborar

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

GTI Governança de TI. GTI como Ativo Estratégico. GTI - Um Ativo Estratégico 1

GTI Governança de TI. GTI como Ativo Estratégico. GTI - Um Ativo Estratégico 1 GTI Governança de TI GTI como Ativo Estratégico GTI - Um Ativo Estratégico 1 GTI Um Ativo Estratégico Para pensar: Os problemas significativos que enfrentamos não podem ser resolvidos pelo mesmo nível

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Estabelecendo Prioridades para Advocacia

Estabelecendo Prioridades para Advocacia Estabelecendo Prioridades para Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PESSOAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PESSOAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PESSOAL Nome: Elaboração: / / Inspiração empresarial A criação desse modelo de Planejamento Estratégico Pessoal foi baseada numa reportagem da Revista Você S/A (Dez/2002: Paul

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 1 OBJETIVOS 1. Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação? Quais modelos deveríamos usar para

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Como combinado segue proposta para o coaching executivo com foco na preparação e caminhos para o seu crescimento e desenvolvimento profissional.

Como combinado segue proposta para o coaching executivo com foco na preparação e caminhos para o seu crescimento e desenvolvimento profissional. Belo Horizonte, 28 de março de 2013. Cara Grayce, Como combinado segue proposta para o coaching executivo com foco na preparação e caminhos para o seu crescimento e desenvolvimento profissional. Estamos

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

A formação do Conselho de uma Organização *

A formação do Conselho de uma Organização * A formação do Conselho de uma Organização * O mundo vem testemunhando o fortalecimento da sociedade civil, por meio de sua atuação organizada. O Brasil é um dos países que se destaca nesse processo. A

Leia mais

> Relatório de Vendas. Nome: Exemplo

> Relatório de Vendas. Nome: Exemplo > Relatório de Vendas Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 INTRODUÇÃO O Relatório de Vendas da SHL ajuda a compreender a adequação do potencial do Exemplo na função de vendas. Este relatório é baseado nos resultados

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles A COMUNICAÇÃO INTEGRADA NO MARKETING DE SERVIÇOS Principal causa da percepção desfavorável sobre um serviço: diferença

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Conhecer algumas metodologias e ferramentas utilizadas no gerenciamento de mudanças

Conhecer algumas metodologias e ferramentas utilizadas no gerenciamento de mudanças Mudança a Organizacional Prof. Lucio Chaves, MSc. MUDANÇA ORGANIZACIONAL OBJETIVOS Entender os princípios e conceitos das transições organizacionais e o seu impacto no sucesso dos Projetos de Mudanças

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Rita/João Abril -2014

Rita/João Abril -2014 Rita/João Abril -2014 Conteúdo Programático (Qui)10/04 Estratégia de gerenciamento de pessoas com foco em resultado e gestão por competências Rita (Qui)17/04 - Conceitos de liderança, equipes eficazes,

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Revisão Organizações focalizadas na estratégia: Traduzir a estratégia em termos operacionais;

Leia mais