Procedimentos para Captura e processamento de dados com sistema Vicon (hardware, MX e Ultranet HD e software, Nexus)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Procedimentos para Captura e processamento de dados com sistema Vicon (hardware, MX e Ultranet HD e software, Nexus)"

Transcrição

1 Relatório Técnico MovLab/ ULHT 2008/101 Procedimentos para Captura e processamento de dados com sistema Vicon (hardware, MX e Ultranet HD e software, Nexus) Ivo F. Roupa João M.C.S. Abrantes José Maria Dinis Vasco Bila Filipe Luz MovLab, Novembro, 2008

2 PROCEDIMENTOS PARA CAPTURA E PROCESSAMENTO DE DADOS COM SISTEMA VICON - HARDWARE (MX1.3 + ULTRANET HD) E SOFTWARE (NEXUS) I - Hardware Ligar Plataforma de Forças AMTI (hardware AMTI MiniAmp) Ligar MXUltranet 1 e Ligar MXControl Ligar Switch de Rede Ligar Computador Conectar câmara de vídeo (desligada) ao PC através de cabo Firewire... 5 II - Software Introdução Configuração da estação de trabalho Procedimentos Iniciais Ligar câmara de vídeo DV Ligar software Nexus Colocar o sistema em Live Verificar o sinal do hardware no Nexus Definir Frequência de Captura das Câmaras Mx Definir Frequência de Captura da Plataforma de Forças e outro(s) equipamento(s) analógico(s) Instalação e Calibração da Plataforma de Forças Instalar Modelo da Plataforma de Forças Adicionar Modelo da Plataforma de Forças Seleccionar hardware analógico de input Configurar canais Gravar... 13

3 4.2 Calibrar a Plataforma de Forças Carregar ficheiro de calibração plataforma Calibrar o software Corrigir as dimensões da plataforma Gravar Seleccionar Reset no Hardware (AMTI MiniAmp) Calibração das Câmaras MX Pré-Calibrar Câmaras MX Seleccionar e colocar o calibrador Verificar ordem das câmaras MX em relação à câmara de vídeo DV Reajustar ordem das câmaras MX (opcional) Definir no software o modelo de calibrador utilizado Ajustar a imagem vídeo de cada câmara Mx Verificar a qualidade da imagem de todas as câmaras Gravar Configurar painel central Iniciar pré-calibração das câmaras MX Terminar pré-calibração das câmaras MX Verificar imagem das câmaras MX Calibrar as Câmaras MX Definir os parâmetros de calibração das câmaras MX Iniciar Calibração Verificar erro da imagem Terminar Calibração Definir Origem do Volume de Captura Localizar o calibrador Configurar painel central Iniciar Definição da Origem do Volume Verificar a localização do calibrador Finalizar Definição da Origem do Volume Gravar Calibração da Câmara de Video DV Configurar painel central Seleccionar Start

4 6.1.3 Definir marcadores manualmente Calibrar Criar Base de Dados Abrir Data Management Criar Nova Base de Dados Definir Parâmetros da Base de Dados Finalizar Processo Recolher Dados do executante Utilizar ficha do anexo Captura de Dados Abrir Base Dados Definir local de gravação dos dados a ser recolhidos Criar novo Subject Definir Nome do Sujeito Seleccionar NewSubject Inserir Dados Antropométricos do Executante Definir Dados da Captura Iniciar Captura do ensaio Estático Terminar Captura do ensaio Estático Iniciar Captura do ensaio Dinâmico Terminar Captura do ensaio Dinâmico Novas Capturas Processamento de Dados Ensaio Estático Abrir Base de Dados Seleccionar Ensaio Estático Abrir Ensaio Seleccionar modelo de reconstrução do ensaio estático Executar reconstrução Realizar identificação manual dos marcadores (Ver ponto ) Seleccionar pipeline de calibração do modelo Executar calibração do modelo Gravar Observar a reconstrução do ensaio

5 10.2 Ensaio Dinâmico Abrir o(s) ficheiro(s) de captura(s) dinâmica(s) pretendido(s) Seleccionar modelo de reconstrução do ensaio dinâmico Executar reconstrução Gravar Observar a reconstrução do ensaio Operações Complementares de Processamento Observar a reconstrução do ensaio Realizar identificação dos marcadores manualmente Realizar o preenchimento manual das falhas Realizar novamente a reconstrução Realizar reconstrução com alteração dos parâmetros standartizados Processing Level Marker Movement Speed Label Model Rigidity Quality / Speed Minimum Cameras per Marker Ray Intersection Factor Minimum Recon Separation Apagar ruído do ensaio Ajustar velocidade de repetição do ensaio Apagar os falsos marcadores ao longo do ensaio Elaboração de Relatório Ver Manual Software Polygon Anexos

6 PROCEDIMENTOS PARA CAPTURA E PROCESSAMENTO DE DADOS COM SISTEMA VICON - HARDWARE (MX1.3 + ULTRANET HD) E SOFTWARE (NEXUS) I - Hardware 1 Ligar Plataforma de Forças AMTI (hardware AMTI MiniAmp) 2 Ligar MXUltranet 1 e 2 3 Ligar MXControl 4 Ligar Switch de Rede 5 Ligar Computador 6 Conectar câmara de vídeo (desligada) ao PC através de cabo Firewire 5

7 II - Software 1 Introdução Ao longo do tutorial decidimos utilizar o símbolo > para representar a ligação hierárquica entre menus e submenus. Exemplificando, ao aparecer Resources > MXSystem > Properties > Frame Rate o procedimento a adoptar será procurar o menu Resources, dentro deste o submenu MXSystem, em seguida o submenu Properties e finalmente seleccionar o submenu Frame Rate com o botão esquerdo do rato. Definiuse também que os ensaios seriam classificados de acordo com a seguinte terminologia (Estático e Dinâmico(s)). 2 Configuração da estação de trabalho O software Nexus possui quatro menus principais : Menu Superior (1); Menu Resources (2); Menu Central (4) e Menu Tools (5) e um menu secundário Properties (3) que podem ser livremente redimensionados, seleccionando e arrastando livremente a linha tracejada que define as margens de cada menu. 6

8 Outra forma de personalizar o ambiente de trabalho, consiste no encerramento de menus (Resources ou Tools). Para reabrir o(s) menu(s) encerrado(s) há que realizar o seguinte procedimento. Menu Superior > Window > Resources / Tools 7

9 3 Procedimentos Iniciais Ligar câmara de vídeo DV Aguardar reconhecimento da drive no Windows Ligar software Nexus Colocar o sistema em Live Painel Resources > Live Verificar o sinal do hardware no Nexus Resources MX Controls MX Ultranets DV Cameras Force Plates > MX Cameras 8

10 3.1.5 Definir Frequência de Captura das Câmaras Mx Resources > MXSystem > Properties > Frame Rate > Frame Rate (Hz) 1 1 VR Valor Recomendado: A frequência de captura das câmaras MX tem que ser múltipla (5x) da velocidade de captura da câmara de vídeo DV, logo, sendo a velocidade da câmara DV 25 fps, a velocidade de captura das Câmaras MX deverá ser no mínimo de 125 Hz. 9

11 3.1.6 Definir Frequência de Captura da Plataforma de Forças e outro(s) equipamento(s) analógico(s) Resources > MXControls > #1 (MX Control) > Analog Card (Slot 1) > Properties > Configuration > Sampling Frequency (Hz) 2 2 VR Valor Recomendado: O procedimento aplicado no cálculo da frequência das câmaras MX aplica-se igualmente à plataforma de forças e a outros equipamentos analógicos. Neste caso, mantém-se a necessidade do valor de captura da plataforma de forças ser múltiplo (5x) da frequência de captura das câmaras MX, no entanto, recomenda-se a frequência mínima de 900 Hz. 10

12 4 Instalação e Calibração da Plataforma de Forças 4.1 Instalar Modelo da Plataforma de Forças Adicionar Modelo da Plataforma de Forças Resources > Force Plates (Click no botão direito do rato) > AMTI OR6 Series Force Plate 11

13 4.1.2 Seleccionar hardware analógico de input Resources > Force Plates > Properties > Source Device > MX Contr g Card Configurar canais Resources > Force Plates > Properties > Source Channel - Fazer corresponder cada canal a um número no menú. É possível seleccionar um a um ou todos em simultâneo (Ctrl + Shift + Botão Esq. Do Rato) Canal A B C D E F Número

14 4.1.4 Gravar 4.2 Calibrar a Plataforma de Forças Carregar ficheiro de calibração plataforma Resources > Force Plates > Properties > Calibration File > AMTI plt Localização :C:\File_Calibração_Plataforma\AMTI plt Calibrar o software Resources > Force Plates > Properties > Calibration > Calibrate > Calibrate Corrigir as dimensões da plataforma Resources > Force Plates > Properties > Dimensions X 400 (mm) / Y 600 (mm) 13

15 4.2.4 Gravar Seleccionar Reset no Hardware (AMTI MiniAmp) 5 Calibração das Câmaras MX 5.1 Pré-Calibrar Câmaras MX Seleccionar e colocar o calibrador Obrigatório usar o modelo 5 Marker Wand & L-Frame Colocar o calibrador sobre a plataforma de forças na posição da imagem: 14

16 5.1.2 Verificar ordem das câmaras MX em relação à câmara de vídeo DV A câmara de vídeo DV tem uma posição fixa no Laboratório (alinhada com o eixo X da plataforma de forças, câmara 1 na figura). As câmaras MX podem ter uma localização variável de acordo com o volume a calibrar, contudo, deve-se manter uma ordem prédefinida de acordo com a numeração afixada em cada uma dessas câmaras ( ) Reajustar ordem das câmaras MX (opcional) Resources > MXCameras (Click Botão direito) > Reorder 15

17 5.1.4 Definir no software o modelo de calibrador utilizado Menu Tools > System Preparation Campos Wand e L-Frame: 5 Marker Wand & L-Frame Ajustar a imagem vídeo de cada câmara Mx Seleccionar câmara a câmara Mx (Resources > Mx Cameras) e no painel central seleccionar tipo de vista Camera Utilizar botões do rato: Botão esquerdo Muda Perspectiva Botão Central Desloca a imagem no painel Botão Direito Zoom In / Zoom Out 16

18 Ajustar os seguintes parâmetros de acordo com os valores indicados 3 Resources > MX Cameras > Properties > Settings Ajustar Strobe Intensity VR 100% Ajustar Threshold - VR 0,2 / 0,3 / 0,4 Ajustar Gray Scale Mode - VR Auto Ajustar Minimum Circularity Ratio - VR 0, Verificar a qualidade da imagem de todas as câmaras Se necessário reajustar o valor que apresente ruído através do procedimento anterior (5.1.5) 3 Valores recomendados pelo fabricante Vicon e pela experiência do MovLab 17

19 5.1.7 Gravar Configurar painel central Painel Central > 3D Perspective Iniciar pré-calibração das câmaras MX Tools > Aim Mx Cameras > Start Terminar pré-calibração das câmaras MX Tools > Aim Mx Cameras > Stop Verificar imagem das câmaras MX Resources > Mx Cameras 4 De acordo com a experiência do MovLab - aguardar 30 segundos 18

20 Seleccionar todas as câmaras e mudar painel central para 3D Perspective (deverá agora aparecer o conjunto das imagens das 8 câmaras). No final retirar o calibrador 5 Marker Wand & L-Frame do volume de captura e ocultá-lo das câmaras. 5.2 Calibrar as Câmaras MX Definir os parâmetros de calibração das câmaras MX Tools > System Preparation > Calibrate Mx Cameras Initial Frames Número Inicial de frames não utilizados na calibração Refinement Frames Número de frames captados por cada câmara para realizar a calibração. Ajustável de acordo com cada captura AutoStop - Caso o campo Auto Stop esteja seleccionado, após a obtenção do número de frames definidos no campo Refinement Frames pelas 8 câmaras, o programa pára a captura automaticamente. 19

21 20

22 5.2.2 Iniciar Calibração Tools > System Preparation > Calibrate MX Cameras > Start É necessário segurar o 5 Marker Wand & L-Frame e movê-lo lentamente dentro do volume de captura. Durante este processo existe em cada câmara um led laranja a piscar. Quando este se apaga e acende o led verde o processo de captura (de cada câmara) está terminado. No final a imagem de cada câmara deverá ficar preenchida pelo efeito blur resultante do movimento do 5 Marker Wand & L-Frame : 21

23 5.2.3 Verificar erro da imagem Após a obtenção do número de frames (manual ou automaticamente) definido no menu de calibração das MX Cameras (5.2.1) é necessário confirmar o valor do erro da calibração. São considerados valores de referência 5 os que se encontram definidos no seguinte intervalo 0,1 < IR < 0, Terminar Calibração Tools > System Preparation > Calibrate MX Cameras > Stop 5 Manual fabricante Vicon referência vídeo formação 22

24 5.3 Definir Origem do Volume de Captura Localizar o calibrador Colocar o calibrador 5 Marker Wand & L-Frame no ponto que se pretende que seja o ponto-zero do Laboratório VR (no x/y = 0 da plataforma) Configurar painel central Menu Central > 3D Perspective Iniciar Definição da Origem do Volume Tools > System Preparation > Set Volume Origin > Start 23

25 5.3.4 Verificar a localização do calibrador Confirmar que o Nexus localiza o calibrador 5 Marker Wand & L-Frame - deverá aparecer um gizmo (estrutura do calibrador definida pelos 5 marcadores) com a posição do calibrador Finalizar Definição da Origem do Volume Tools > Set Volume Origin > Set No final retirar o calibrador 5 Marker Wand & L-Frame do volume de captura 24

26 5.3.6 Gravar 6 Calibração da Câmara de Video DV Configurar painel central Painel central > Camera 25

27 6.1.2 Seleccionar Start Definir marcadores manualmente Localizar manualmente no menu central os marcadores com o ponteiro do rato e seleccioná-los. A ordem de selecção é irrelevante. 26

28 6.1.4 Calibrar 7 Criar Base de Dados Abrir Data Management Menu > Data Management Criar Nova Base de Dados Menu > Data Management > New Database 27

29 7.1.3 Definir Parâmetros da Base de Dados Localização / Nome / Descrição / Modelo Base de Dados Finalizar Processo Menu > Data Management > New Database > Create 8 Recolher Dados do executante Utilizar ficha do anexo 2 9 Captura de Dados Abrir Base Dados Caso não esteja ainda criada, ver ponto Definir local de gravação dos dados a ser recolhidos Project > Patient > Session 28

30 Project (projecto definido por uma característica comum a todos os ficheiros que vão ser capturados, ex.: Golf) > Patient (Nome do executante) > Session (Sessão com características próprias ou data de gravação). Depois de seleccionar a sessão desejada, encerrar o menu através do ícone no canto superior direito. A sessão fica predefinida para a captura a realizar Criar novo Subject Resources > Subjects > New Subject from Template > Modelo Desejado 29

31 9.1.4 Definir Nome do Sujeito Nomenclatura: subnomesubjeito Atribuir a mesma designação que acima foi utilizada para Patient (Nome do executante) Seleccionar NewSubject Este NewSubject agora já tem o novo nome atribuído em (Nome do executante). 30

32 9.1.6 Inserir Dados Antropométricos do Executante Resources > Subject > Properties > General 31

33 9.1.7 Definir Dados da Captura Menu Tools > Capture > Next Trial Setup > Trial Name Nome Ensaio (atribuído de acordo com o tipo de ensaio. O 1º será Estático, os seguintes de acordo com a nomenclatura adoptada - ordem crescente incrementada automaticamente) / Descrição (opcional) / Notas (opcional) Iniciar Captura do ensaio Estático Tools > Capture > Start 6 No ensaio estático o executante encontra-se sobre a plataforma de forças de pé na posição antropométrica base. 6 Só é possível efectuar a recolha de dados quando o sistema se encontra em Live (botão start fica azul). Caso tal não aconteça, é necessário colocar o sistema em Live : Menu Resources > Live 32

34 9.1.9 Terminar Captura do ensaio Estático Tools > Capture > Stop Este ensaio deverá ter uma duração aproximada de 30 segundos Iniciar Captura do ensaio Dinâmico Tools > Capture > Start Cada ensaio Dinâmico tem uma duração definida de acordo com as características da execução e o volume de calibração definido Terminar Captura do ensaio Dinâmico Tools > Capture > Stop 33

35 Novas Capturas Para realizar mais capturas repetir os procedimentos anteriores ( a ) o número de vezes necessário 10 Processamento de Dados 10.1 Ensaio Estático Abrir Base de Dados Seleccionar Ensaio Estático Projecto > Paciente > Sessão > Ensaio Estático Abrir Ensaio Duplo click no ícone azul para importar os dados das câmaras MX e da plataforma de forças. Caso se pretenda também os dados da câmara de vídeo DV, fazer duplo click no ícone M. 34

36 Seleccionar modelo de reconstrução do ensaio estático Tools > Pipeline > Current Pipeline > Static Plug-in-Gait Executar reconstrução Realizar identificação manual dos marcadores (Ver ponto ) 35

37 Seleccionar pipeline de calibração do modelo Tools > Pipeline > Current Pipeline > Calibrate Labeling Model 36

38 Executar calibração do modelo Gravar 37

39 Observar a reconstrução do ensaio 10.2 Ensaio Dinâmico Abrir o(s) ficheiro(s) de captura(s) dinâmica(s) pretendido(s) Repetir ponto a Seleccionar modelo de reconstrução do ensaio dinâmico Menu Tools > Pipeline > Current Pipeline > Dinamic Plug- in-gait 38

40 Executar reconstrução É possível eliminar/modificar algumas opções de reconstrução. Para tal, há que desmarcar (click com o botão esquerdo do rato) a opção pretendida na lista de operações a realizar e terminar o processo (ver ponto 9.1.6) Gravar 39

41 Observar a reconstrução do ensaio 40

42 11 Operações Complementares de Processamento Observar a reconstrução do ensaio Realizar identificação dos marcadores manualmente Tools > Label / Edit > Manual Labelling Colocar o ensaio nos frames iniciais e definir manualmente (seleccionar no menu Tools > Manual Labelling o nome do marcador desejado e de seguida colocar o gizmo criado sobre o marcador do modelo que se deseja identificar/alterar no menu central e clicar no botão esquerdo) todos os pontos visíveis do executante. Para alterar a posição da imagem ver ponto

43 Realizar o preenchimento manual das falhas Durante a reconstrução do ensaio, o software (Nexus) realiza este procedimento através do método Spline Fill (identificação automática dos marcadores através dum modelo matemático baseado nas características do deslocamento dos mesmos), contudo, nem sempre identifica todos os marcadores, deste modo, é necessário mover a barra da linha de gravação 7 ao longo do ensaio e repetir o procedimento anterior (ponto ) sempre que houver falhas na identificação dos marcadores. Durante este processo os pontos alterados aparecerão num submenu no canto inferior direito do menu Tools. Existe outro método de preenchimento das falhas mais adequado a grandes intervalos (Pattern Fill) e que consiste na cópia da trajectória de outro marcador cujo deslocamento seja semelhante àquele em que estamos a trabalhar e que queremos 7 Ver

44 preencher, por exemplo, trajecto de uma crista ilíaca com base no trajecto da outra crista ilíaca Realizar novamente a reconstrução Consoante as características do ensaio, é possível utilizar diferentes modelos de reconstrução pré-definidos (pipelines), contudo existem outros procedimentos não contemplados no modelo seleccionado que poderão ser adicionados. Todos os procedimentos aplicados na reconstrução têm parâmetros ajustáveis de modo a obter um melhor resultado final Realizar reconstrução com alteração dos parâmetros standartizados Analisando de forma mais detalhada, os procedimentos mais importantes são o Core Processing, (reconstrói as trajectórias dos marcadores ao longo do ensaio) e o Apply Woltring filtering routine (suaviza as trajectórias dos marcadores ao longo do ensaio). No Core processing podemos alterar os seguintes parâmetros: Processing Level Tools > Properties > Core Processor > Processing Level Ao ajustar este parâmetro é possível realizar apenas as seguintes opções: 43

45 Circle Fit Reconstrói a trajectória dos marcadores em 2D Reconstruct Reconstrói a trajectória dos marcadores em 3D mas não os identifica automaticamente. Label Reconstrói a trajectória dos marcadores em 3D e identifica-os automaticamente, com base no modelo Vicon (.vsk), desde que exista um ficheiro.vsk associado. Kinematic Fit Ajusta os ângulos entre articulações de modo a definir a relação entre segmentos. Os segmentos definidos no ficheiro.vsk são ajustados e deslocados. Nota: As opções de reconstrução referidas são aplicadas de forma cumulativa, ou seja, caso se escolha a opção Kinematic Fit, todas as opções anteriores são previamente executadas. 44

46 Marker Movement Speed Tools > Properties > Core Processor > Marker Movement Speed 8 Este parâmetro define a capacidade de criar trajectórias contínuas entre os marcadores e pode ser ajustado entre 0 (mais lento) e 10 (mais rápido). Um valor muito elevado aumenta a probabilidade de sobreposição entre os diversos marcadores ao longo do ensaio. O valor predefinido é adequado à maioria das capturas, no entanto, para movimentos com velocidades de execução inferiores a 1 ms -1 ou superiores a 3ms -1 (golf swing) é aconselhável alterá-lo de modo a obter melhores resultados Label Model Rigidity Tools > Properties > Core Processor > Label Model Rigidity 9 8 De acordo com as especificações originais da Vicon: The speed of marker movement specified as a value in the range 0-10, where 0 is almost stationary (such as turtle movements), and 10 is very fast (such as a golf swing). This setting affects the Core Processor's ability to create continuous trajectories. If you use the fastest setting, you can expect continuous trajectories even for very fast moving markers, but if two markers are close to each other there is an increased chance of a crossover (where the 3D trajectory changes from one marker to the other). The default value should be sufficient for typical captures where markers move at around 1-3 m/s. Increase the value for high speed movements such as a golf swing; decrease it for situations where the markers are in close proximity but do not move very much. 45

47 Este parâmetro define a rigidez da posição dos marcadores num dado segmento, e pode ser ajustado entre 0 (maior rigidez) e 10 (maior mobilidade), sendo o valor mais baixo (0) adequado a situações onde não seja expectável qualquer alteração da posição dos marcadores num determinado segmento. Na situação contrária o valor a escolher deverá ser o mais elevado possível (10) Quality / Speed Tools > Properties > Core Processor > Quality / Speed 10 Este parâmetro altera a qualidade da identificação automática dos marcadores e das suas trajectórias e pode ser ajustado entre 0 (menor velocidade e melhor identificação) e 10 (maior velocidade de processamento e menor precisão na identificação dos marcadores). 9 The rigidity of the relationship between the segment and the markers on the object being labeled specified as a value in the range 0-10, where 0 is completely rigid (that is markers are not expected to move in respect to underlying the segment), and 10 is loose (that is the markers are expected to move significantly in respect to the segment). 10 The relative importance of the quality over the speed of processing specified as a value in the range 0-10, where 0 places a higher priority on processing quality (the system tries very hard to get the labels right at the expense of processing speed), and 10 places a higher priority on processing speed (the system processes at high speed at the expense of labeling accuracy). This property primarily affects the labeling function of the Core Processing. 46

48 Minimum Cameras per Marker Tools > Properties > Core Processor > Minimum Cameras per Marker 11 Este parâmetro define o número mínimo de câmaras necessárias à reconstrução tridimensional das trajectórias dos diversos marcadores, e pode ser ajustado entre 2 e The minimum number of Vicon cameras, specified as a value in the range 2-10, that must contribute to a 3D marker position before it can be reconstructed and its trajectory tracked. 47

49 Ray Intersection Factor Minimum Recon Separation Apagar ruído do ensaio Ajustar velocidade de repetição do ensaio Menu Central > Time Line (Right Click) > Replay Speed >... A velocidade de repetição pode ser ajustada para facilitar a detecção dos marcadores anómalos. 12 The factor, specified as a value in the range 1-10, by which the reconstruction algorithm will be able to form a single reconstruction from rays from different cameras. The higher the value, the more distance is allowed between two rays that contribute to the reconstruction. 13 The minimum distance, specified as a value in the range millimeters, allowed between 3D marker positions in order for them to be considered for reconstruction. If two candidate reconstructions are closer than this minimum separation, only the most likely reconstruction (in terms of the number of cameras contributing) will be reported. The other will be discarded. A higher value decreases the likelihood of creating spurious reconstructions, but increases the possibility that some genuine markers will not be reconstructed. 48

50 Apagar os falsos marcadores ao longo do ensaio Mover a linha do tempo do ensaio e parar no frame onde exista ruído para seleccionalo e apagá-lo (click com o botão direito do rato abre o menu abaixo e em seguida escolher a opção delete). É possível seleccionar apenas um ponto do ruído, ou vários em simultâneo. Neste caso há que premir a tecla Alt e simultaneamente arrastar o rato (desenhando um rectângulo que capte os pontos pretendidos). Todos os marcadores criados encontram-se numerados por ordem crescente de aparição no ensaio. À medida que forem sendo eliminados, desaparecem também do menu Menu Tools > Label / Edit > Manual Labelling.. 49

51 12 Elaboração de Relatório Ver Manual Software Polygon 13 Anexos 50

52 Nº Ponto Localização do Marcador 1 LFHD Cabeça À frente do lado esquerdo 2 RFHD Cabeça À frente do lado direito 3 LBHD Cabeça Atrás do lado esquerdo 4 RBJD Cabeça Atrás do lado direito 5 C7 Cervical 7 Vértebra saliente na flexão do pescoço 6 T10 Torácica 10 Vértebra logo acima da linha inferior das omoplatas 7 CLAV União das Clavículas Articulação Esterno Clavicular 8 STRN Terminação inferior do Esterno 9 RBAK Aleatória na parte posterior do lado direito do tronco 10 LSHO No final da clavícula junto à articulação gleno-umeral lado esquerdo 11 LELB C.A. do cotovelo lado esquerdo 12 LWRA C.A. da mão junto apófise estilóide do rádio lado esquerdo 13 LWRB C.A. da mão junto apófise estilóide do cúbito lado esquerdo 14 LFIN Sobre a articulação da falange do indicador - esquerdo 15 RSHO No final da clavícula junto à articulação gleno-umeral lado direito 16 RELB C.A. do cotovelo lado direito 17 RWRA C.A. da mão junto apófise estilóide do rádio lado direito 18 RWRB C.A. da mão junto apófise estilóide do cúbito lado direito 19 RFIN Sobre a articulação da falange do indicador - direito 20 LASI Sobre Crista ilíaca Antero-Superior lado esquerdo 21 RASI Sobre Crista ilíaca Antero-Superior lado direito 22 LPSI Sobre Crista ilíaca Postero-Superior lado esquerdo 23 RPSI Sobre Crista ilíaca Postero-Superior lado direito 24 LTHI No alinhamento do trocanter e do ponto do joelho a meio da coxa lado esquerdo 25 LKNE C.A. do joelho ponto de maior diâmetro do joelho lado esquerdo 26 LTIB No alinhamento do ponto do joelho e do tornozelo a meio da perna lado squerdo 27 LANK Sobre o maléolo interno lado esquerdo 28 LHEEL Calcanhar lado esquerdo 29 LTOE Sobre a articulação do dedo mais pequeno lado esquerdo 30 RTHI No alinhamento do trocanter e do ponto do joelho a meio da coxa lado direito 31 RKNE C.A. do joelho ponto de maior diâmetro do joelho lado direito 32 RTIB No alinhamento do ponto do joelho e do tornozelo a meio da perna lado direito 33 RANK Sobre o maléolo interno lado direito 34 RHEEL Calcanhar lado direito 35 RTOE Sobre a articulação do dedo mais pequeno lado direito 51

53 Referências MovLab / Executante Data de Captura: Referências MovLab: Identificação Localização do ficheiro Referências executante: Identificação Data de Nascimento Medidas do Executante Nº Descrição Valor CheckBox 1 Peso (Kg) 2 Altura (mm) 3 Distância InterAsis (mm) 14 4 HeadOffset Lado Direito 5 Comprimento Perna Direita (mm) 6 Diâmetro Joelho Direito (mm) 7 Diâmetro Tornozelo Direito (mm) 8 Shoulder Offset Direito 15 (mm) 9 Diâmetro Cotovelo Direito (mm) 10 Diâmetro Pulso Direito (mm) 11 Hand Thickness Direito (mm) Lado esquerdo 12 Comprimento Perna (mm) 13 Diâmetro Joelho (mm) 14 Diâmetro Tornozelo (mm) 15 Shoulder Offset (mm) 16 Diâmetro Cotovelo (mm) 17 Diâmetro Pulso (mm) 18 Hand Thickness (mm) 14 Este valor é calculado automaticamente caso as marcas se encontrem sobre as cristas ilíacas (LASI;.RASI). Quando tal não acontece o valor tem que ser medido manualmente. 15 Esta medida corresponde à distância entre o acrómio e a articulação gleno umeral (união da cabeça do úmero e debrum glenoideu)

54 53

User Guide Manual de Utilizador

User Guide Manual de Utilizador 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE User Guide Manual de Utilizador 2014 1Life Simplify it All rights reserved. www.1-life.eu 2 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE ENGLISH USER GUIDE...4 MANUAL DE UTILIZADOR PORTUGUÊS...18

Leia mais

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador.

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o da d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a AnimatorDV M a

Leia mais

Análise EDS - Oxford

Análise EDS - Oxford Análise EDS - Oxford Manual para Treinamento em Operação Básica Análise qualitativa e quantitativa Versão 1.2 03/04/2013 Para utilizar este recurso é fundamental saber operar o microscópio no qual o sistema

Leia mais

CRIAR UMA ANIMAÇÃO BÁSICA NO FLASH MX

CRIAR UMA ANIMAÇÃO BÁSICA NO FLASH MX CRIAR UMA ANIMAÇÃO BÁSICA NO FLASH MX Introdução Este tutorial vai-te ajudar a compreender os princípios básicos do Flash MX - tal como layers, tweens, cores, texto, linhas e formas. No final deste tutorial

Leia mais

Registrador de Dados VB300 3-Axis G- Force Versão 1.0 Novembro 2010

Registrador de Dados VB300 3-Axis G- Force Versão 1.0 Novembro 2010 Utilitário de Ajuda do Software Registrador de Dados VB300 3-Axis G- Force Versão 1.0 Novembro 2010 Introdução ao Software O software do registrador de dados é um programa que coleta dados do registrador

Leia mais

Neste tutorial irá criar uma animação simples com base num desenho do Mechanical Desktop.

Neste tutorial irá criar uma animação simples com base num desenho do Mechanical Desktop. Neste tutorial irá criar uma animação simples com base num desenho do Mechanical Desktop. Inicialize o 3D Studio VIZ. Faça duplo clique no ícone de 3D Studio VIZ Abre-se a janela da figura seguinte. Esta

Leia mais

Manipulação de Células, linhas e Colunas

Manipulação de Células, linhas e Colunas Manipulação de Células, linhas e Colunas Seleccionar células Uma vez introduzidos os dados numa folha de cálculo, podemos querer efectuar alterações em relação a esses dados, como, por exemplo: apagar,

Leia mais

Microsoft Windows. Aspectos gerais

Microsoft Windows. Aspectos gerais Aspectos gerais É um sistema operativo desenvolvido pela Microsoft Foi desenhado de modo a ser fundamentalmente utilizado em computadores pessoais Veio substituir o sistema operativo MS-DOS e as anteriores

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

Os elementos básicos do Word

Os elementos básicos do Word Os elementos básicos do Word 1 Barra de Menus: Permite aceder aos diferentes menus. Barra de ferramentas-padrão As ferramentas de acesso a Ficheiros: Ficheiro novo, Abertura de um documento existente e

Leia mais

Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida. Português

Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida. Português Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida Português Índice Instalação do Software... 1 Instalação do Controlador e Actualização do Controlador... 4 Motic Images Plus 2.0 ML...11 Calibração

Leia mais

7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12

7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12 7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12 Este programa permite gerir toda a sua colecção de músicas, vídeos e até mesmo imagens, estando disponível para download no site da Microsoft, o que significa que mesmo quem

Leia mais

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista Mesa Digitalizadora Manual do Utilizador Windows 2000 / XP / Vista 1 I. Informação Geral 1. Visão Geral Bem-vindo ao mundo das canetas digitais! Irá descobrir que é muito fácil controlar o seu computador

Leia mais

Microsoft Windows: # 1

Microsoft Windows: # 1 Microsoft Windows Microsoft Windows: # 1 Ambiente de trabalho Microsoft Windows: # 2 Botão Iniciar I Lado Esquerdo Para guardar atalhos para as aplicações mais genéricas (Internet, E-mail) e para aquelas

Leia mais

TUTORIAL CORTADORA LASER. Software de Edição e Output ADOBE ILLUSTRATOR. 1. Abrir o programa ADOBE ILLUSTRATOR localizado na barra de tarefas

TUTORIAL CORTADORA LASER. Software de Edição e Output ADOBE ILLUSTRATOR. 1. Abrir o programa ADOBE ILLUSTRATOR localizado na barra de tarefas TUTORIAL CORTADORA LASER Software de Edição e Output ADOBE ILLUSTRATOR 1. Abrir o programa ADOBE ILLUSTRATOR localizado na barra de tarefas 2. Para iniciar a edição do trabalho para enviar para o equipamento,

Leia mais

1. I n t r o d u ç ã o

1. I n t r o d u ç ã o Curso Ed iição de v íídeo d iig iita ll com o V iideostud iio Partte 1 1. I n t r o d u ç ã o F. T. Ferreira ftferreira@sapo.pt O VideoStudio 1 segue um paradigma passo-a-passo, de forma a ser fácil realizar

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente Gráfico Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e que comunique com o exterior. Actualmente o Windows é

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação 9º ANO. Escola Básica José Afonso. Professora Marta Caseirito

Tecnologias da Informação e Comunicação 9º ANO. Escola Básica José Afonso. Professora Marta Caseirito Tecnologias da Informação e Comunicação 9º ANO Escola Básica José Afonso Professora Marta Caseirito Grupo 1 1. As questões seguintes são de escolha múltipla. Nas afirmações seguintes assinale com X aquela

Leia mais

Sumário GERAL... 3 INSTALAÇÃO... 3 UTILIZANDO O MINI DVR USB ST-400...10. Opções de Segurança... 12. Gravando as Imagens...13 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Sumário GERAL... 3 INSTALAÇÃO... 3 UTILIZANDO O MINI DVR USB ST-400...10. Opções de Segurança... 12. Gravando as Imagens...13 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Nos campos channel description, podemos nomear os canais. O nome será exibido junto ao vídeo. No campo Channel control, selecionando o modo automatic, podemos definir os canais ativos, o tempo de exibição

Leia mais

Rato Templarius Gladiator. Manual de instruções

Rato Templarius Gladiator. Manual de instruções Rato Templarius Gladiator Manual de instruções Desenvolvido pela Aerocool para o rato de jogo Templarius Gladiator Copyright 2012 Página Perfis de jogo 1 Opção da taxa de resposta 1 Definição principal

Leia mais

Criar um Aplicativo de Realidade Aumentada

Criar um Aplicativo de Realidade Aumentada Escola Superior de Educação de Santarém Criar um Aplicativo de Realidade Aumentada Exercício 2 Nuno Lopes Data 21 Maio 2013 26 Maio 2013 Passo 1: Criar um novo projeto 1- Dar o nome ao projeto de projeto_ra

Leia mais

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/conteudo/modelos/vmware-workstation-8_a42915_z397.aspx

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/conteudo/modelos/vmware-workstation-8_a42915_z397.aspx Todos os meses mais de 5,1 milhões de internautas visitam o Fórum do BABOO. Lá todas as suas dúvidas e problemas de informática são solucionados gratuitamente pela nossa comunidade. Participe você também:

Leia mais

Guia de consulta rápida DVR HD

Guia de consulta rápida DVR HD Guia de consulta rápida DVR HD Primeira parte: Operações Básicas... 2 1. Instalação básica... 2 2. Arranque... 2 3. Desligar... 2 4. Iniciar sessão... 2 5. Pré- visualização... 3 6. Configuração da gravação...

Leia mais

Iniciação ao MS Windows XP. Ana Loureiro 2002/03 TIC ESEV Pólo de Lamego

Iniciação ao MS Windows XP. Ana Loureiro 2002/03 TIC ESEV Pólo de Lamego Iniciação ao MS Windows XP Ana Loureiro 2002/03 TIC ESEV Pólo de Lamego Sistema Operativo (SO) É a primeira camada de s/w indispensável para que um sistema informático (SI) possa funcionar. Um SO é concebido

Leia mais

Office 8K Mouse Ótico Sem Fio de 8 Botões

Office 8K Mouse Ótico Sem Fio de 8 Botões INTRODUÇÃO PARABÉNS PELA SUA COMPRA: O SEU NOVO RF MOUSE OFFICE 8K É FÁCIL DE INSTALAR E OFERECE INÚMEROS RECURSOS. O RÁDIO-RECEPTOR PODE SER ADEQUADAMENTE COLOCADO EM QUALQUER LUGAR PARA LHE PROPORCIONAR

Leia mais

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados.

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados. Bem Vindo GDS TOUCH Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touchscreen de controle residencial, com design totalmente 3D, interativo

Leia mais

Os primeiros passos com a TI-Nspire

Os primeiros passos com a TI-Nspire Os primeiros passos com a TI-Nspire 1. Cria um novo documento: pressiona a tecla HOME, c, e selecciona 6:New Doc pressionando 6 ou quando o ícone estiver seleccionado. Se tiveres outro documento aberto,

Leia mais

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados.

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados. MANUAL GDS TOUCH Versão: 1.0 Direitos reservados. GDS TOUCH PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touch-screen de controle residencial, com design totalmente

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Sistemas Digitais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Sistemas Digitais Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Sistemas Digitais Introdução ao Ambiente de Projecto da Xilinx Paulo Lopes, Horácio

Leia mais

Usando o Excel ESTATÍSTICA. A Janela do Excel 2007. Barra de título. Barra de menus. Barra de ferramentas padrão e de formatação.

Usando o Excel ESTATÍSTICA. A Janela do Excel 2007. Barra de título. Barra de menus. Barra de ferramentas padrão e de formatação. Barra de deslocamento ESTATÍSTICA Barra de menus Barra de título Barra de ferramentas padrão e de formatação Barra de fórmulas Conjuntos e Células (Intervalos) Área de trabalho Separador de folhas Barra

Leia mais

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior. Actualmente, o Windows é

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

TINA. Projecto de Tecnologias de Informação para Netos e Avós. Manual de TIC

TINA. Projecto de Tecnologias de Informação para Netos e Avós. Manual de TIC TINA Projecto de Tecnologias de Informação para Netos e Avós Manual de TIC Abril 2010 Manual de Formação Básica em TIC Vitor Gonçalves Raquel Patrício Abril 2010 2 ÍNDICE Introdução... 2 Windows... 2 Word...

Leia mais

Software de Telecomunicações. Introdução ao Cinderella

Software de Telecomunicações. Introdução ao Cinderella Software de Telecomunicações Introdução ao Cinderella Prof RG Crespo Software de Telecomunicações Cinderella : 1/26 Descrição Ambiente de desenvolvimento, que inclui: Editor gráfico em SDL Analisador Simulador

Leia mais

Preparação do Autocad 2009

Preparação do Autocad 2009 Preparação do Autocad 2009 No ano 2009 a Faculdade de Engenharia da UEM recebeu o pacote de programas da Autodesk que inclui: Inventor 2009, AutoCAD Mechanical 2009, AutoCAD 2009 e outros. Para facilitar

Leia mais

Manual PowerPoint 2000

Manual PowerPoint 2000 Manual PowerPoint 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO 1 2. DIRECTRIZES PARA APRESENTAÇÕES DE DIAPOSITIVOS 1 3. ECRÃ INICIAL 2 4. TIPOS DE ESQUEMA 2 5. ÁREA DE TRABALHO 3 5.1. ALTERAR O ESQUEMA AUTOMÁTICO 4 6. MODOS

Leia mais

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011 Manual Profissional BackOffice Mapa de Mesas v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar ZSRest Backoffice... 3 4. Confirmar desenho de mesas... 4 b) Activar mapa de mesas... 4 c) Zonas... 4 5. Desenhar

Leia mais

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client O Software HMS Client permite visualização de imagens de 3 maneiras diferentes: Imagens dos dispositivos (Mini Câmeras e NVRs) gravadas

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa.

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa. Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Sistemas Digitais Introdução ao Ambiente de Projecto da Xilinx Paulo Lopes, Horácio

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Manual de captura de movimentos usando o sistema óptico da Vicon e o software iq

Manual de captura de movimentos usando o sistema óptico da Vicon e o software iq Manual de captura de movimentos usando o sistema óptico da Vicon e o software iq SUMÁRIO 1. Manual de captura de movimentos usando o sistema óptico da Vicon e o software iq... 3 1.1 Equipamento do laboratório

Leia mais

CRIANDO e GRAVANDO DVD usando o NERO 7 ULTRA EDITION

CRIANDO e GRAVANDO DVD usando o NERO 7 ULTRA EDITION CRIANDO e GRAVANDO DVD usando o NERO 7 ULTRA EDITION Criando um DVD a partir de arquivos (DIVX -.wmv.avi.mpeg.mpg) baixados da Internet. Basta seguir os passos abaixo conforme as figuras ANTES DE COMEÇAR

Leia mais

Características da Câmara de Look 316

Características da Câmara de Look 316 Símbolo para a recolha separada em países da Europa Este símbolo indica que este produto tem de ser recolhido separadamente. Os seguintes pontos aplicam-se somente a utilizadores de países europeus: Este

Leia mais

Kit de Demonstração MatchPort Início Rápido

Kit de Demonstração MatchPort Início Rápido Kit de Demonstração MatchPort Início Rápido Número de peça 900-486 Revisão F Maio 2010 Índice Introdução...3 Conteúdo do kit de demonstração...3 O que você precisa saber...3 Endereço de hardware... 3 Endereço

Leia mais

MICROSOFT POWERPOINT

MICROSOFT POWERPOINT MICROSOFT POWERPOINT CRIAÇÃO DE APRESENTAÇÕES. O QUE É O POWERPOINT? O Microsoft PowerPoint é uma aplicação que permite a criação de slides de ecrã, com cores, imagens, e objectos de outras aplicações,

Leia mais

Introdução à aplicação Web

Introdução à aplicação Web Introdução à aplicação Web A aplicação Web SanDisk +Cloud é uma interface com base na Web para aceder ao seu conteúdo e gerir a sua conta. Com a aplicação Web poderá reproduzir música, ver filmes, ver

Leia mais

QNAP Surveillance Client para MAC

QNAP Surveillance Client para MAC QNAP Surveillance Client para MAC Chapter 1. Instalar o QNAP Surveillance Client 1. Clique duas vezes em "QNAP Surveillance Client V1.0.1 Build 5411.dmg". Após alguns segundos, é exibida a seguinte imagem.

Leia mais

USB para CONVERSOR EM SÉRIE

USB para CONVERSOR EM SÉRIE USB para CONVERSOR EM SÉRIE Manual do Utilizador DA-70156 Rev.5 Manual de Instalação do Windows 7/8/8.1 Passo 1: Introduzir o CD deste produto na entrada CD-ROM. Ligar o dispositivo à porta USB extra do

Leia mais

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Página 1 Índice Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 1 O que é o EasyReader? 4 Abrir um livro 5 Abrir um novo livro de um CD/DVD 5 Abrir um novo livro

Leia mais

Software de Edição e Output ADOBE ILLUSTRATOR E SILHOUETTE STUDIO. File > Open > Escolher a pasta ou local onde se encontre o ficheiro

Software de Edição e Output ADOBE ILLUSTRATOR E SILHOUETTE STUDIO. File > Open > Escolher a pasta ou local onde se encontre o ficheiro TUTORIAL CORTADORA DE VINIL Software de Edição e Output ADOBE ILLUSTRATOR E SILHOUETTE STUDIO 1. Abrir o programa ADOBE ILLUSTRATOR localizado na barra de tarefas 2. Abrir o ficheiro a cortar no ADOBE

Leia mais

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Unidade 2 Utilização do ambiente operativo Windows Aplicações Sistema Operativo ROM BIOS Processador+memória+... Software aplicacional

Leia mais

Microsoft Office FrontPage 2003

Microsoft Office FrontPage 2003 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Office FrontPage 2003 1 Microsoft Office FrontPage 2003 O Microsoft

Leia mais

Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação. Arquitectura de Computadores ETI IGE

Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação. Arquitectura de Computadores ETI IGE Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação Tutorial Arquitectura de Computadores ETI IGE 02 XILINX 1. Criação de um projecto Edição e simulação

Leia mais

Evolution3.0. Manual do Utilizador

Evolution3.0. Manual do Utilizador Evolution3.0 Manual do Utilizador 1 Conteúdos Conteúdos... 2 Principais Características... 3 Requisitos de Sistema... 4 Instalar e Desinstalar a Aplicação... 5 Instalar... 5 Desinstalar... 8 Evolution

Leia mais

LeYa Educação Digital

LeYa Educação Digital Índice 1. Conhecer o 20 Aula Digital... 4 2. Registo no 20 Aula Digital... 5 3. Autenticação... 6 4. Página de entrada... 7 4.1. Pesquisar um projeto... 7 4.2. Favoritos... 7 4.3. Aceder a um projeto...

Leia mais

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS Curso Educação e Formação de Adultos Nível Básico. Access 2003

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS Curso Educação e Formação de Adultos Nível Básico. Access 2003 Curso Educação e Formação de Adultos Nível Básico Access 2003 28/07/2009 [Manual de Microsoft Access.] FICHA TÉCNICA DESIGNAÇÃO DA COLECTÂNEA Manual de Microsoft Access AUTOR Carlos Serranheira DESTINATÁRIOS

Leia mais

Acer erecovery Management

Acer erecovery Management 1 Acer erecovery Management Desenvolvido pela equipa de software da Acer, o Acer erecovery Management é uma ferramenta que lhe permite de forma fácil, fiável e segura restaurar o seu computador para o

Leia mais

Computação Móvel 2007/2008

Computação Móvel 2007/2008 Computação Móvel 2007/2008 Tutorial 2 Criação de uma nova publicação de base de dados no SQL Server 2005 Standard Edition / Enterprise Edition / Developer Edition No computador cliente: 1. Estabelecer

Leia mais

Segurança 24, Lda VIDEOGRAVADOR DIGITAL EM DISCO DURO TRANSMISOR POR TCP-IP SERVIDOR WEB MANUAL DO UTILIZADOR

Segurança 24, Lda VIDEOGRAVADOR DIGITAL EM DISCO DURO TRANSMISOR POR TCP-IP SERVIDOR WEB MANUAL DO UTILIZADOR VIDEOGRAVADOR DIGITAL EM DISCO DURO TRANSMISOR POR TCP-IP SERVIDOR WEB MANUAL DO UTILIZADOR Capítulo 4 Guia Básico de Operação 4.1 Ligar o DVR Nota: Certifique-se que liga correctamente os conectores de

Leia mais

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo Conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior; Windows: sistema operativo mais utilizado nos

Leia mais

Trabalhar com Layers em Photoshop

Trabalhar com Layers em Photoshop Painel Layers / Camadas Trabalhar com Layers em Photoshop Existem cinco tipos de layers / camadas, que podem estar listados neste painel: - de imagem, contendo pixéis - de texto, com texto editável - de

Leia mais

Printer Driver. Antes de utilizar o controlador da impressora, certifique-se de que lê o ficheiro Readme. Antes de utilizar o software 4-539-577-71(1)

Printer Driver. Antes de utilizar o controlador da impressora, certifique-se de que lê o ficheiro Readme. Antes de utilizar o software 4-539-577-71(1) 4-539-577-71(1) Printer Driver Guia de instalação Este manual descreve a instalação dos controladores da impressora para o Windows 8, Windows 7, Windows Vista, Windows XP e. Antes de utilizar o software

Leia mais

Configuração da Impressora e primeiros passos

Configuração da Impressora e primeiros passos Configuração da Impressora e primeiros passos Índice: PrintJet II:... 3 Instalar programa de controlo da impressora... 3 Calibrar a PrintJet II... 3 Definir tipos de marcador... 6 Calibrar o tipo de marcador:...

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

CRIANDO EQUIPAMENTOS MOVING HEAD

CRIANDO EQUIPAMENTOS MOVING HEAD CRIANDO EQUIPAMENTOS MOVING HEAD 2 / 18 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Neste tutorial veremos como podemos criar um moving head que não existe na biblioteca do Freestyler. É fundamental ter a tabela dos canais

Leia mais

Guia Rápido do TVR 12

Guia Rápido do TVR 12 Guia Rápido do TVR 12 Figura 1: Ligações do painel traseiro 1. "Loop through" para um máximo de 16 câmaras analógicas (consoante o modelo de DVR). 2. Ligar a um dispositivo RS-232. 3. Ligar até quatro

Leia mais

Sistema de Gerenciamento Central

Sistema de Gerenciamento Central Sistema de Gerenciamento Central Manual do Usuário MC-636 A-2 Índice 1.0 Funções CMS... 3 2.0 Instalar o CMS... 3 3.0 Iniciar o CMS... 5 3.1. Barra de ferramentas superior... 7 3.2 Barra do Menu Superior...

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

Manual. Professora: Elisa Carvalho elisa_castro@sapo.pt http://elisacarvalho.no.sapo.pt

Manual. Professora: Elisa Carvalho elisa_castro@sapo.pt http://elisacarvalho.no.sapo.pt Manual Professora: Elisa Carvalho elisa_castro@sapo.pt http://elisacarvalho.no.sapo.pt Fevereiro de 2006 Índice Operações básicas com a interface gráfica do sistema operativo... 2 Iniciar e encerrar uma

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 Obrigado por escolher o DVR USB ST-104 DIMY S. Por favor, certifique-se que a operação do produto esta de acordo com este manual para garantir a estabilidade do sistema

Leia mais

Gravação ao vivo com M7CL e PM5D via Dante

Gravação ao vivo com M7CL e PM5D via Dante Gravação ao vivo com M7CL e PM5D via Dante Utilizando Steinberg Cubase ou Nuendo Yamaha Musical do Brasil www.yamaha.com.br Lista de Equipamentos 1. Mixer Digital Yamaha 2. Até 4x Dante- MY16-AUD interfaces

Leia mais

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS. 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo)

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS. 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo) Profs. Paula Viero e Beatriz Lima TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 1. O AUTOCAD 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo) 4. ALGUNS COMANDOS

Leia mais

1 - Configurar a ligação

1 - Configurar a ligação 1 - Configurar a ligação Abrir o Cx-Programmer e criar um novo ficheiro. Seleccionar o tipo de processador em Device Type CJ1M. Em Device Type - Settings escolher em CPU Type - CPU 12. Em seguida é necessário

Leia mais

COMO DIGITALIZAR E FINALIZAR SEUS PROGRAMAS DE RÁDIO EM CD 1 Mariana Moura e Marcelo Berg

COMO DIGITALIZAR E FINALIZAR SEUS PROGRAMAS DE RÁDIO EM CD 1 Mariana Moura e Marcelo Berg COMO DIGITALIZAR E FINALIZAR SEUS PROGRAMAS DE RÁDIO EM CD 1 Mariana Moura e Marcelo Berg Para que possamos digitalizar nossos programas de rádio gravados em fita cassete, utilizaremos: - o próprio gravador

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CURSO DIDÁTICO SOBRE O SIMULADOR DE CIRCUITOS ELÉTRICOS E ELETRÔNICOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CURSO DIDÁTICO SOBRE O SIMULADOR DE CIRCUITOS ELÉTRICOS E ELETRÔNICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - DEE CURSO DIDÁTICO SOBRE O SIMULADOR DE CIRCUITOS ELÉTRICOS E ELETRÔNICOS Prof. Fortaleza, Agosto de 2003 ORCAD

Leia mais

Resumo. Maria Bernadete Barison apresenta aulas práticas sobre RETAS em Desenho Geométrico. Geométrica vol.1 n.1d. 2006 RETAS CAD

Resumo. Maria Bernadete Barison apresenta aulas práticas sobre RETAS em Desenho Geométrico. Geométrica vol.1 n.1d. 2006 RETAS CAD 1 1. INTRODUÇÃO. RETAS CAD Iniciaremos o estudo das retas construindo no CAD alguns exercícios já construídos na aula teórica utilizando a régua e o compasso. Entretanto, o nosso compasso aqui será o comando

Leia mais

SLIDESHOWS PARA TODOS

SLIDESHOWS PARA TODOS 110 JULHO AGOSTO 2004 2004 / / EDIÇÃO 109 110 NO CD E DVD SLIDESHOWS PARA TODOS Aprenda organizar as suas fotos para uma posterior gravação num CD ou DVD. Tudo com excelentes efeitos visuais e com as suas

Leia mais

Instrução de acesso ao DVR da Yoko Modelo RYK925x Via Software.

Instrução de acesso ao DVR da Yoko Modelo RYK925x Via Software. Instrução de acesso ao DVR da Yoko Modelo RYK925x Via Software. 1 - Instalar o Software que está no CD (Yoko H264\setup.exe) ou Fazer o Download do software do através do site abaixo: http://cameras.khronos.ind.br:1061/clientes/aplicativos/yokoprata/

Leia mais

Manual do usuário. Midas Touch PISOINTERATIVO.COM.BR

Manual do usuário. Midas Touch PISOINTERATIVO.COM.BR Manual do usuário Midas Touch PISOINTERATIVO.COM.BR 1 INSTALAÇÃO 1.1 Requisitos de sistema 1.2 Conteúdos do CD de instalação 1.3 Instalação 2 CONFIGURAÇÃO 2.1 ENUTV setup 2.2 Midas Touch 1.1 REQUISITOS

Leia mais

HeadMouse. Grupo de Investigação em Robótica. Universidade de Lérida

HeadMouse. Grupo de Investigação em Robótica. Universidade de Lérida HeadMouse Grupo de Investigação em Robótica Universidade de Lérida Manual de utilização e perguntas frequentes O que é o HeadMouse? O HeadMouse é um programa gratuito desenhado para substituir o rato convencional.

Leia mais

MICROSOFT WINDOWS XP Sistema Operativo

MICROSOFT WINDOWS XP Sistema Operativo MICROSOFT WINDOWS XP Sistema Operativo Índice 1. O que é o Windows XP 1 2. Para que serve o Windows XP 1 3. O Ambiente de Trabalho 2 4. Menu Iniciar 3 5. Janelas 4 6. Vistas 5 7. Iniciar 10 8. Encerrar

Leia mais

Sistema para o Controlo e Gestão de Fechaduras de Hotel. Manual de Instruções

Sistema para o Controlo e Gestão de Fechaduras de Hotel. Manual de Instruções Sistema para o Controlo e Gestão de Fechaduras de Hotel BRF 500 Índice Capítulo 1: Descrição geral do produto... 2 Capítulo 2: Instalação e características do software... 3 Guia para a instalação do software...

Leia mais

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice Manual de Iniciação BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 a) BackOffice:... 4 b) Acesso BackOffice:... 4 4. Zonas... 6 c) Criar Zona:... 7 d) Modificar Zona:... 8 e) Remover

Leia mais

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares Folha de cálculo Excel Agrupamento de Escolas de Amares Índice 1. Funcionalidades básicas... 3 1.1. Iniciar o Excel... 3 1.2. Criar um livro novo... 3 1.3. Abrir um livro existente... 3 1.4. Inserir uma

Leia mais

s em Me d iç USB Agronegócio Transporte Laboratórios Alimentos Processo Aquecimento Refrigeração Klimalogg Smart Industrial Termo-higrômetro

s em Me d iç USB Agronegócio Transporte Laboratórios Alimentos Processo Aquecimento Refrigeração Klimalogg Smart Industrial Termo-higrômetro es u çõ In s tr Soluç s em Me ão d iç õe USB Agronegócio Transporte O TE RM Laboratórios KL -H IG RÔ IM A M ET SM LO RO AR GG T M l a u an de Alimentos Termo-higrômetro Klimalogg Smart Processo Aquecimento

Leia mais

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO. Apostila de Programação Ativa XPANEL Cód MTXXTSC-ET. Programação Básica. IHM ATIVA Xpanel. Software Xpanel Designer

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO. Apostila de Programação Ativa XPANEL Cód MTXXTSC-ET. Programação Básica. IHM ATIVA Xpanel. Software Xpanel Designer Apostila de Programação Ativa XPANEL Cód MTXXTSC-ET Programação Básica IHM ATIVA Xpanel Software Xpanel Designer 1 1. Conectividade IHM Xpanel MANUAL DE PROGRAMAÇÃO (1) USB Client Upload and Download project.

Leia mais

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Criação e eliminação de atalhos Para criar atalhos, escolher um dos seguintes procedimentos: 1. Clicar no ambiente de trabalho com o botão secundário (direito) do

Leia mais

Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL. Fevereiro/2002 - Portalegre

Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL. Fevereiro/2002 - Portalegre Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL Fevereiro/2002 - Portalegre Introdução A necessidade de efectuar cálculos complexos de uma forma mais rápida e fiável,

Leia mais

PROCEDIMENTO PADRÃO. HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES REVISÃO DATA ITENS REVISADOS 1.1 13/01/2006 Alteração do PID de recepção de 1050 para 1070.

PROCEDIMENTO PADRÃO. HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES REVISÃO DATA ITENS REVISADOS 1.1 13/01/2006 Alteração do PID de recepção de 1050 para 1070. DATA: 23/01/2009 HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES REVISÃO DATA ITENS REVISADOS 1.1 13/01/2006 Alteração do PID de recepção de 1050 para 1070. 1.2 12/07/2006 Alteração da frequência de recepção, symbol rate (taxa

Leia mais

1. Estilos 1. 2. Índices 7

1. Estilos 1. 2. Índices 7 Carlos Maia Índice 1. Estilos 1 1.1. Considerações gerais 1 1.2. Aplicar estilos 1 1.3. Modificar estilos 2 1.4. Criar um novo estilo 3 1.5. Cópia de estilos 5 1.6. Retirar todos os estilos presentes num

Leia mais

Controlador da impressora

Controlador da impressora 2-699-392-71 (1) Controlador da impressora Manual de instalação Este manual descreve a instalação e utilização dos Controladores da Impressora para o Windows XP e. Antes de utilizar este Software Antes

Leia mais

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE 2 EISnt Centro de Formação Profissional, Engenharia Informática e Sistemas, Novas Tecnologias, Lda Avª D. João I, nº 380/384 Soutelo 4435-208 Rio Tinto Portal Internet : www.eisnt.com E-Mail : formação@eisnt.com

Leia mais

Para iniciar a construção de WebQuest no Servidor PHP de webquests do Centro de Competência CRIE do CAPAG, aceda ao seguinte url:

Para iniciar a construção de WebQuest no Servidor PHP de webquests do Centro de Competência CRIE do CAPAG, aceda ao seguinte url: C e n tro d e C ompetênci a CRIE d o CA PAG Versão Beta 4 E l a b o r a d o p o r : M a r i a d e B a l s a m ã o M e n d e s G u i ã o d e P H P W e b Q u e s t V a m o s C r i a r W e b q u e s t s?

Leia mais

6 - Apresentação do Painel de Controle do software DVR-Viewer. Itens Descrição 1 Lista do DVR: Adiciona/Modifica/Apaga a lista de DVRs conectados.

6 - Apresentação do Painel de Controle do software DVR-Viewer. Itens Descrição 1 Lista do DVR: Adiciona/Modifica/Apaga a lista de DVRs conectados. Instrução de acesso ao DVR da Yoko modelo Pentaplex. Via Software. 1 - Instalar o Software que esta no CD (Yoko H264\setup.exe) ou Fazer o Download do software do através do site abaixo: ( caso o navegador

Leia mais

Manual Painel Led Neoflash 10mm

Manual Painel Led Neoflash 10mm Manual Painel Led Neoflash 10mm Sumário 1- Características 2- Técnico 3- Instalação 4- Manual cabo Lan 5- Sistema instalação 6- Gráficos 7- Definições Software 8- Atenção 9- Problemas 10mm Bem-vindo à

Leia mais