Software Educacional e Pedagógico (SEP 1 )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Software Educacional e Pedagógico (SEP 1 )"

Transcrição

1 Software Educacional e Pedagógico (SEP 1 ) Reflexões a partir da formação profissional Horácio Covita Sumário Neste artigo propõe-se, por um lado, uma reflexão em torno do papel do SEP - Software Educacional e Pedagógico, do seu papel e seus limites, assim como, das consequências da democratização do acesso às fontes de informação e aos instrumentos de produção e disseminação em larga escala de conhecimento, permanentemente (re)construído e (re)contextualizado. Por outro lado, é discutida a importância da autoavaliação e, particularmente, o valor das metodologias de self assessment, enquanto conjunto de estratégias e instrumentos de apoio à reflexão e balanço críticos e à monitorização de processos, a explorar durante todo o projecto de produção de Software Educacional e Pedagógico - SEP. Por outro lado ainda, coloca-se à discussão da Comunidade dos Profissionais da Educação e da Formação as oportunidades, sem desvalorização dos riscos, que podem resultar duma aproximação às práticas e aos produtos oriundos da indústria do edutainment, tendo em vista a incorporação de inovações que poderão ter enormes impactos positivos nas equipas, nos processos de trabalho, nas ferramentas e, obviamente, na qualidade do produto, isto é, o SEP - Software Educacional e Pedagógico. Palavras-Chave Auto-Avaliação; Edutainment; Qualificações; Recursos Técnico-Pedagógicos; RVCC - Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências; Self Assessment; SEP - Software Educacional e Pedagógico; A - Questões de partida Acredita-se que a relativa escassez e a fraca diversidade de software educacional e pedagógico presente e em exploração nos nossos contextos de aprendizagem podem ser explicadas pela conjugação de inúmeras causas, necessariamente interligadas; podem ser sinalizados factores que se estendem desde a penúria de competências em design pedagógico e no domínio das ferramentas de produção de recursos, até à fraca presença, no nosso mercado de procura qualificada, exigente e que acredita no valor destes recursos, passando pelas dificuldades inerentes à coordenação e gestão de equipas e projectos de elevada complexidade, como são os empreendimentos que visam a produção de software pedagógico e educacional. 1 - Neste artigo, entendemos por SEP - Software Educacional e Pedagógico, todo e qualquer conteúdo de informação e conhecimento, disponível em suporte electrónico ou em formato digital, subordinável a objectivos de educação e formação ou enquadrável em processos de aprendizagem formal ou informal e com valor para o reforço ou desenvolvimento de competências específicas de determinada população-alvo. Enquadram-se nesta definição os conceitos de recursos em conhecimento, recursos técnico-pedagógicos, recursos e materiais didácticos, suportes pedagógicos, ajudas ao trabalho, simuladores, desde que sejam disponibilizados ou explorados em redes digitais ou em ambientes tecnologicamente mediados, podendo ser reconstruídos e incorporarem mais-valias, decorrentes da própria exploração em contexto de aprendizagem. 9

2 Cadernos SACAUSEF 2 Tomando como referência o mercado da formação profissional português, constata-se que, apesar dos esforços de alguns operadores e dos significativos investimentos, via cofinanciamento no âmbito de programas e medidas comunitárias, na produção de software educacional e pedagógico de qualidade, enquanto soluções com relevância e utilidade para contextos intra ou inter organizacionais precisos, é um facto que não abundam, quer no mercado em geral, quer nas redes de bibliotecas e centros de recursos em conhecimento 2, mesmo nos que dispõem de oferta on-line, recursos técnico-pedagógicos e materiais facilitadores da aprendizagem em quantidade e qualidade que genericamente poderíamos incluir na família dos softwares com valor para a aprendizagem; a agravar este cenário a escassa oferta encontra-se dispersa (ou com acesso condicionado) por inúmeras plataformas e redes de distribuição, apesar de alguns esforços e tentativas de integração 3. De facto, um dos constrangimentos mais significativos e que tem dificultado a generalização da utilização de software educacional e pedagógico nas nossas comunidades educativas e formativas relaciona-se com a inexistência de estratégias e práticas sustentadas de marketing e, acima de tudo, de disseminação de produtos com reconhecida qualidade e com utilidade e importância inquestionáveis para as Comunidades de Aprendizagem. Como se destacará mais adiante torna-se crítico incluir a fase de disseminação 4 dos softwares educacionais e pedagógicos nas agendas dos projectos de criação de SEP, pois é de enorme importância prever e garantir iniciativas de validação e de apropriação dos produtos, enquanto real oportunidade de generalização. Assim, as problemáticas de partida sobre o estado da arte dos SEP na nossa realidade poderão ser sistematizada da seguinte forma: 1. Contexto nacional com práticas reduzidas de exploração de SEP e oferta de produtos também escassa: redes de centros de recursos com bases de conhecimento com reduzida presença de softwares educacional e pedagógico, 2. Equipas pouco especializadas na produção de recursos com elevada intensidade tecnológica e enquadradas por lideranças com pouca experiência na gestão de projectos focalizados na produção de softwares educacional e pedagógico, 3. Fraca presença de clusters ou grupos especializadas na utilização de ambientes e de ferramentas-autor 5 para a concepção, produção e disseminação de SEP, 4. Reduzida presença de escolas com competências sólidas no domínio da concepção e desenho de produtos de elevado valor educacional e/ou formativo, 5. Reduzida procura de SEP e escassa disseminação de práticas de desenho e concepção, 6. Práticas escassas de articulação e participação em projectos de produção de SEP entre os sectores da educação e da formação. 2 - Consultar recursos on-line em 3 - A mero título de exemplo, veja-se o caso da Base FORMEI, da Rede de CRC, em 4 - A este propósito pode ser útil consultar o site da Iniciativa Comunitária EQUAL - - onde se encontram disponíveis vários recursos e guias que discutem estratégias e metodologias de disseminação de produtos e práticas. 5 - Brandon Hall - - é uma das organizações internacionais que realiza, com regularidade, estudos comparativos sobre as funcionalidades e as características das plataformas de elearning (LCMS) e das ferramentas-autor. 10

3 Software educacional e pedagógico B - O Valor da Autoavaliação (Self Assessment) na produção de Software Educacional e Pedagógico (SEP) É inquestionável a importância da autoavaliação e, particularmente, o valor das metodologias de self assessment, enquanto conjunto de estratégias e instrumentos de apoio à reflexão e balanço críticos e à monitorização de processos, a explorar durante todo o projecto de produção de software pedagógico e educacional. A incorporação dos critérios de avaliação e dos requisitos e standards para o controlo da qualidade dos softwares, numa perspectiva de reflexão crítica permanente logo no início (ex-ante), ao longo (on-going) de todo o projecto de produção e não só, como habitualmente se procede, no momento de avaliação final, quando o produto está realizado (ex-post), garantirá níveis de conformidade e qualidade no produto final que favorecerão a sua disseminação e transferência para os seus utilizadores finais. Existe a crença de que investindo no domínio das metodologias de autoavaliação e self assessment, enquanto estratégias que visam a qualificação dos projectos e dos seus resultados, a partir da monitorização permanente e da reflexão crítica sistemática sobre as responsabilidades, os processos, as competências e, obviamente, os resultados dos projectos (software educacional e pedagógico), poderá conseguir-se, a curto prazo, melhorar a eficácia dos projectos e das equipas, logo dos seus resultados. Ganhos provenientes da utilização sistemática da metodologia de self assessment na condução e avaliação de projectos de produção de software educacional e pedagógico (SEP) 6 De facto, considera-se hoje que a implementação permanente e sistemática de metodologias de auto avaliação e de self assessment nos projectos de construção de software educacional e pedagógico induzirão um conjunto de melhorias que se reflectirão no produto final; destacam-se: no plano individual, a aquisição de novos conhecimentos e a utilização mais segura de metodologias e ferramentas de trabalho, associadas à depuração das capacidades de reflexão crítica e à capacidade de extracção de lições e consequências sobre a qualidade do trabalho desenvolvido; no plano da equipa de projecto, a consolidação de processos produtivos mais eficazes, o reforço das competências de trabalho colaborativo e a melhoria da qualidade resultante, quer da convergência dos contributos dos elementos das equipas, quer da sua participação e integração no projecto, no plano da liderança e coordenação do projecto, inequivocamente a dimensão mais crítica nos projectos desta natureza, que é constituída pelas capacidades de liderança e coordenação de projectos complexos e pela gestão de competências muito especializadas e a difícil construção e gestão de equipas multiculturais, fortemente marcadas por padrões culturais e profissionais muito diferentes e que exploram ferramentas de trabalho cada vez mais complexas e efémeras. 6 - A este propósito destaca-se a metodologia de validação de produtos, prática em curso na Iniciativa comunitária EQUAL, reconhecida como portadora de valor acrescentado e fonte de melhoria da qualidade dos recursos técnico pedagógicos. Esta metodologia valoriza a reflexão crítica inter pares e sendo utilizada numa perspectiva de self assessment pode reforçar a dinâmica e eficácia dos projectos que visam a construção de SEP. Para mais detalhes consulte 11

4 Cadernos SACAUSEF 2 O Self Assessment e a Qualidade do SEP Assim, para além da bateria convencional dos critérios e exigências de qualidade (standards, protocolos) que regularmente são cumpridos por grande parte do software educacional e pedagógico, aos níveis de: Qualidade pedagógica Qualidade da comunicação, respeitando a multiculturalidade Rigor técnico e científico dos conteúdos Suporte tecnológico acessível, universal e amigável Facilidade de exploração, actualização e que habitualmente integram as metodologias e instrumentos de avaliação final, externa e de natureza reactiva, isto é, de aplicação no final do pipeline produtivo, visando medir a conformidade do software educacional e pedagógico face a um vasto conjunto de critérios, protocolos, guidelines, orientações, torna-se crítico e de valor estratégico a refocalização e consequente redistribuição destes investimentos metodológicos e organizacionais para os processos de self assessment e monitorização contínua de todas as fases de produção do software educacional e pedagógico. Torna-se igualmente necessário ultrapassar o síndroma da correcção tardia e que consiste, apesar da magnanimidade dos apoios financeiros, no desconforto experimentado pela grande maioria dos avaliadores de recursos e software quando detectam fragilidades irreversíveis nos produtos e são confrontados com a tomadas de decisão de exclusão e não conformidade porque as equipas de concepção não exploraram metodologias assertivas de self assessment e monitorização permanente do projecto e do produto. Contributos para a implementação de metodologias de produção de software educacional e pedagógico De facto é de um valor crucial transportar para o início do projecto de realização de software educacional e pedagógico as metodologias e os instrumentos de reflexão, de análise da qualidade, as estratégias de disseminação e mesmo os instrumentos de medida de impactos que profusamente são utilizados no final dos projectos e habitualmente vocacionados para medir a qualidade intrínseca do produto, o seu grau de conformidade com requisitos e normas que, por vezes são desvalorizados, ou mesmo esquecidos, no início A auto avaliação na realização de software identificar necessidades e oportunidades realizar autoavaliação (self assessment) desenhar e programar itinerários e conteúdos conceber protótipo avaliar e validar a qualidade disseminar o software Tempo de vida do projecto para a realização de software educativo e pedagógico 12

5 Software educacional e pedagógico do projecto, particularmente na fase de análise de necessidades e de definição das especificações e requisitos a que o produto - futuro SEP - deve responder. De facto podemos provocar a coabitação das metodologias e instrumentos de self assessment e que favorecem o apoio à reflexão permanente e à monitorização contínua da qualidade com os dispositivos de gestão do ciclo produtivo, donde se destacam: Identificar necessidades e oportunidades; Desenhar e programar itinerários, conteúdos, propostas de trabalho e estratégias de aprendizagem; Construir protótipo do produto, detalhando especificações para a sua exploração; Avaliar e validar a qualidade e conformidade da solução construída; Disseminar o produto, garantindo a sua transferência para os contextos educativos e formativos previamente identificados e a sua apropriação pelos utilizadores e clientes sinalizados. A qualidade dos produtos e, particularmente o valor do SEP desenvolvido, pode sair fortemente reforçado através da realização contínua e de modo transversal a todo o projecto da Autoavaliação - self assessment de cada um dos técnicos e actores parceiros, diversificando essa análise ao produto e ao próprio trabalho da equipa; de facto trata-se de um conjunto de estratégias e metodologias de análise inter-pares que favorecem actividades de reflexão crítica e a análise permanente da qualidade dos processos e dos resultados passo a passo. Assim, a autoavaliação tem um carácter contínuo e é transversal a todos os processos que compõem o ciclo produtivo do software educacional e pedagógico. C - A Evolução do Software Educacional e Pedagógico - SEP - as 4 gerações de software Podemos sistematizar as diversas soluções de SEP a partir de uma visão em que o elemento central e desencadeador de aprendizagens se tem movido e diversificado a partir de primados tão diferentes como o professor, passando pelo itinerário, centrando-se na comunidade e, por último, apostando no self, com implicações nas estratégias de aprendizagem e, necessariamente, nas soluções e tecnologias de suporte. Assistimos, de facto, à presença de 4 referenciais distintos, em tornos dos quais são concebidos e construídos os softwares educacional e pedagógico e que, obviamente, traduzem percepções e paradigmas diferentes sobre a aprendizagem e, em particular, pressupõem diferentes níveis de participação, responsabilização e autonomia da pessoa em situação de educação e formação. Não podemos olhar as gerações de SEP apresentadas, assim como os respectivos padrões dominantes, em termos absolutos e qualificando-os como bons e maus ; vejamos antes as gerações de SEP como patamares ou estádios em que qualquer pessoa aprendente se pode posicionar em determinado momento do seu percurso de aprendizagem e também enquanto conjunto de estratégias de contacto com realidades ou áreas do conhecimento. Destaca-se a complexidade crescente e as exigências que são colocadas a quem aprende, à medida que se opta por utilizar as gerações de SEP, enquanto estratégia de desenvolvimento pessoal. 13

6 Cadernos SACAUSEF 2 Gerações de SEP Padrões dominantes na construção dos SEP (produtor) Padrões dominantes na exploração e utilização dos SEP (cliente) 1ª geração primado do professor e do seu método (aprender é seguir o professor) Primados da informação, das sequências pedagógicas (aplicações CBT 7, ensino programado, tutoriais) Aceder e explorar informação e conhecimento estruturados, replicando o formato sequencial e demonstrativo duma fonte fidedigna. O conhecimento bom está no professor. 2ª geração primado do itinerário do aprendente (aprender é respeitar e cumprir orientações e tarefas) Primado do conhecimento formalizado, do layout pedagógico, da sua aplicação rigorosa e do feedback permanente (plataformas de elearning com LCM 8 integrando, ferramentas-autor,) Adquiri e trocar informação e conhecimento e aplicá-los em ambientes formalizados e controlados, sendo a interacção humana fortemente mediada pelas TIC. O conhecimento depende do currículo e da informação a que acedemos. 3ª geração primado da comunidade (aprender é participar na comunidade e estar em rede) Primado do estar em rede e da resolução de situações e de problemas em parceria e partilha de práticas (comunidades de interesses, ambientes colaborativos); destacase a exploração de ferramentas tipo listas de distribuição, como é o caso do yahoogroups. O elemento crítico na aprendizagem não é o que sabes, mas quem tu conheces ; valorização dos contextos de produção de saberes em comunidade, a partir da partilha de práticas. Os saberes úteis partilham-se e estão na comunidade. 4ª geração primado do self (aprender é reflectir sobre a vida e partilhar a cultura pessoal) Primado dos saberes tácitos, valorizados pela partilha de crenças e narrativas pessoais (ambientes e comunidades intimistas construídos a partir da integração de wikis, blogs, eportfolios, etc., em ambientes típicos da WEB 2.0). A reflexão pessoal e a cultura pessoal, como resultados de processos de análise crítica, constituem os saberes tácitos relevantes para aprendizagem significativa (o valor social e a dimensão holística da aprendizagem). Os saberes dependem de quem conhecemos e do valor e sentido que damos à nossa cultura. 7 - CBT - Computer Based Training. Trata-se de SEP fortemente estruturado, de acordo com os princípios do ensino programado; são muito utilizados como tutoriais (demonstração passo a passo) para favorecer a aprendizagem e o treino de processos e procedimentos organizacionais. 8 - LCMS - Learning Contents Management Systems. Estamos na presença de sistemas integrados em rede, que permitem gerir e disponibilizar percursos, recursos e conteúdos pedagógicos de acordo com standards precisos; habitualmente os 3 perfis presentes nestes ambientes aluno, tutor e administrador possuem espaços de trabalho personalizados, podendo interagir e partilhar recursos e espaços de trabalho. Habitualmente a exploração optimizada destas plataformas resulta de uma longa curva de aprendizagem das equipas responsáveis pela sua gestão e animação. 14

7 Software educacional e pedagógico D - Software Educacional e Pedagógico - Desafios e oportunidades para os Profissionais da Educação e da Formação Contextos de Aprendizagem e Qualificações Assistimos hoje a processos irreversíveis de valorização dos contextos não formais e informais de aprendizagem, visíveis nas iniciativas de reconhecimento, validação e certificação das competências aí adquiridas (metodologias RVCC 9 ), assim como à crescente exigência e preferência, por parte de quem aprende, pelas metodologias activas, particularmente pelos métodos de resolução de problemas e pelas estratégias e métodos que simulam situações e contextos de trabalho e de vida, valorizando a reflexão crítica, a tomada de decisão e, de forma mais global, o desenvolvimento de competências pessoais e sociais, nomeadamente a autonomia, a responsabilização e a cidadania, em alinhamento com as recomendações de Bolonha para o Ensino Superior e, em particular, a importância do sistema de créditos ECTS - European Credit Transfert and Accumulation System 10. Estas tendências e orientações constituem enormes desafios e oportunidades para o desenvolvimento de software educacional e pedagógico que, para além de repositórios de informação e conhecimento mais ou menos estruturados em torno de itinerários de aprendizagem, devem incorporar cenários, problemas e situações que exigem estratégias diferenciadas de abordagem e fornecem informação e conhecimento de apoio à decisão e, fundamentalmente, disponibilizam resultados e as consequências das decisões, dando feedback e elementos de apoio para decisões futuras 11. Desafios colocados pelo Edutainment à Educação e à Formação Actualmente os profissionais de educação e formação envolvidos ou a preverem envolver-se em projectos de realização de SEP - Software Educacional e Pedagógico, devem considerar, entre outras iniciativas, a realização de operações sistemáticas de benchmarking e porque não de benchlearning, visando mesmo o estabelecimento de parcerias, com a gaming industry, já que se perfilam, mesmo no nosso país, desenvolvimentos e aplicações com enorme potencial para os universos da Educação e da Formação, de enorme impacto construção sólida de aprendizagens, nomeadamente a utilização âncoras de aprendizagem com enorme poder motivacional, como são, por exemplo, a exploração de cenários sintéticos 12, onde são imediatamente percebidas e sentidas as consequências das aprendizagens realizadas e das decisões tomadas; de facto, estamos na presença de SEP de 3ª geração, onde pontuam soluções construídas em torno da exploração permanente de três dimensões críticas à aprendizagem, a partir de contextos e cenários bem determinados; assim, a aprendizagem é sempre situacional, isto é, está permanentemente subordinada à avaliação de cenários, onde, de acordo com ritmos diversos e graus de complexidade crescente, são treinadas e demonstradas competências para a tomada de decisões - a resolução de problemas - a análise de resultados & feedback permanentes; as opções e decisões de simuladores de aprendizagem e a exploração de estratégias de motivação muito poderosas. 9 - RVCC - Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências. Os muitos Centros RVCC existentes no território garantem processos de qualificação de competências e integram-se em Rede que é gerida pela DGFV - Direcção Geral de Formação Vocacional do Ministério da Educação. Para maior detalhe consulte Para aprofundamento do sistema ECTS, peça fundamental para a produção de equivalência das qualificações na UE, ver documento orientador em A este propósito vejam-se os desenvolvimentos do Edutainment (education + entertainment); provavelmente os jogos interactivos para PC de estratégia, por exemplo, podem constituir enorme fonte de inspiração para o desenho de softwares educacional e pedagógico Vejam-se, por exemplo, os denominados Mundos Virtuais, explorados pela pela indústria do edutainment, que, partindo dos já tradicionais MMORPH - Massive Multiplayer Online Role-playing Games, têm apresentado desenvolvimentos com enormes potencialidade para a aprendizagem colaborativa e em rede, a partir da construção e gestão de comunidades sintéticas 15

8 Cadernos SACAUSEF 2 Tomar Decisões Avaliação de Critérios Resultados & Feedback Resolução de Problemas De facto, torna-se urgente que a comunidade dos profissionais de Educação e da Formação envolvidos na produção de SEP, contacte e avalie criticamente, de forma mais regular e intensa, os enormes desenvolvimentos das aplicações e dos produtos que têm vindo a ser disponibilizados pelo mundo do Edutainment, tomando como base de reflexão o enorme sucesso destes conteúdos junto da Comunidade de Aprendentes, não desprezando a necessária reflexão em torno das questões da socialização, da comunicação e interacção humana mediadas por tecnologias. Cada vez mais, a evolução dos processos de aprendizagem e a acessibilidade à informação facilitada pelas tecnologias - nomeadamente os produtos da chamada WEB2.0 - permitem a cada Pessoa Aprendente ser gestor e parte cada vez mais activa na construção de redes de conhecimento e na recontextualização de saberes, de recursos e mesmo de SEP e ao acrescentar-lhes a sua narrativa experiencial não estarão a proporcionar e a disponibilizar novos SEP e recursos a outras Pessoas aprendentes, obrigando os mediadores e facilitadores do desenvolvimento e da autonomia - Professores e Formadores - a (re)pensarem os seus papéis e as suas competências de mediação e de facilitação e, por consequência, a olharem para o Software Educativo e Pedagógico como produto de geometria variável e em permanente (re)construção? Horácio Covita Psicólogo Social e das Organizações, Assessor na Missão para os Cuidados de Saúde Primários, Ministério da Saúde, Docente na U. Católica Fevereiro de

Projectos de investigação

Projectos de investigação Teses e Projectos de Investigação 261 Projectos de investigação Software Educativo Multimédia: Estrutura, Interface e Aprendizagem Responsável: Ana Amélia Amorim Carvalho Departamento de Currículo e Tecnologia

Leia mais

Introdução ao e-learning

Introdução ao e-learning Introdução ao e-learning Francisco Restivo FEUP/IDIT fjr@fe.up.pt Guião Ser um e-aprendente competente Trabalho de casa: pensar num curso Ser um desenhador de cursos competente Trabalho de casa: desenhar

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros)

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros) CLEA Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas Pedro Reis _ Janeiro 2005 Caracterização Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/

Leia mais

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO.

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. Workshop 1 Web 2.0 na educação (dinamizado por Fernando Delgado EB23 D. Afonso III) Os serviços da Web 2.0 têm um enorme potencial para a educação, pois possibilitam

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

O Centro de Documentação como laboratório de mudança O papel da Gestão da Qualidade

O Centro de Documentação como laboratório de mudança O papel da Gestão da Qualidade O Centro de Documentação como laboratório de mudança O papel da Gestão da Qualidade Paula Ochôa Funchal, Seminário Qualidade em Serviços Públicos 15 de Novembro de 2002 Os serviços de informação na Administração

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Projeto Um Computador por Aluno PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL Proposta de operacionalização Formação dos professores na escola Outubro, 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES

CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES 5.1. Introdução Neste último capítulo, pretendemos esboçar as principais conclusões sobre os resultados obtidos na investigação orientada para o objectivo

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES II Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Comunidades de Aprendizagem Modo de Funcionamento Metodologia

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos

Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos * Total de alunos mais do que triplica o de há 10 anos e atinge 91 mil; peso das escolas secundárias públicas passa de zero

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

O contexto na Administração Pública

O contexto na Administração Pública 1.º Workshop ENIDH/MÚTUA DOS PESCADORES e-aprendizagem ou aprendizagem tecnologicamente assistida? Teresa Salis Gomes Directora da Unidade de Inovação Pedagógica O contexto na Administração Pública Aumento

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

Programa Rede de Bibliotecas Escolares Quadro estratégico 2014-2020

Programa Rede de Bibliotecas Escolares Quadro estratégico 2014-2020 Programa Rede de Bibliotecas Escolares Quadro estratégico 2014-2020 Programa Rede de Bibliotecas Escolares Quadro estratégico 2014-2020 Programa Rede de Bibliotecas Escolares. Quadro estratégico: 2014-2020

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

PERSPETIVAS DE UM ATOR ENTRE DOIS MODELOS DE FORMAÇÃO PRÁTICA DE EDUCADORES DE INFÂNCIA

PERSPETIVAS DE UM ATOR ENTRE DOIS MODELOS DE FORMAÇÃO PRÁTICA DE EDUCADORES DE INFÂNCIA 13 PERSPETIVAS DE UM ATOR ENTRE DOIS MODELOS DE FORMAÇÃO PRÁTICA DE EDUCADORES DE INFÂNCIA Maria Cristina Parente Instituto de Educação- Universidade do Minho Centro de Investigação em Estudos da Criança

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8B/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Manuel Antunes

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Manuel Antunes Microfil QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Manuel Antunes Faculdade de Letras da Universidade do Porto 4 de Novembro de 2005 Tema A transferência de suporte e o desenvolvimento de software

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de Sistema de Gestão e de Garantia da Qualidade Agenda Enquadramento Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Garantia da Qualidade 2 Enquadramento Estatutos da ESHTE Prossecução de objectivos de qualificação

Leia mais

(RE)CONSTRUÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS AO LONGO DA VIDA: O CASO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA)

(RE)CONSTRUÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS AO LONGO DA VIDA: O CASO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) (RE)CONSTRUÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS AO LONGO DA VIDA: O CASO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) Equipa de Projecto Novas Oportunidades de Adulto (EP-NOA) * Nos dias 19 e 20 de Novembro,

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

design de jogos digitais o essencial da licenciatura

design de jogos digitais o essencial da licenciatura design de jogos digitais o essencial da licenciatura ÍNDICE ciclo de estudos plano de estudos metodologias de ensino perfil de saída candidaturas ipb virtual Dados do ciclo de estudos ciclo de estudos

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado O Plano Tecnológico da Educação (PTE), aprovado pela Resolução de

Leia mais

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL 21º Congresso Quantificar o Futuro Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL Programa Data Hora Actividade 23/Nov. 11:30 Inauguração Oficial Innovation Lounge Visita efectuada ao Venture Lounge por Sua

Leia mais

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral Uma Plataforma Colaborativa para apoiar a Gestão do Litoral ajherdeiro@dgterritorio.pt j @ g p mota.lopes@apambiente.pt Lugares comuns de quem lida com

Leia mais

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações CENFIC 13 de Novembro de 2009 Elsa Caramujo Agência Nacional para a Qualificação 1 Quadro Europeu de Qualificações

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL. porto. aveiro. lisboa

CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL. porto. aveiro. lisboa CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL porto. aveiro. lisboa LICENCIATURA & MESTRADO THE MARKETING SCHOOL Somos uma escola vocacionada essencialmente para as empresas e mercados. Queremos qualificar

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

DESAFIOS NA DEFINIÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESAFIOS NA DEFINIÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA pedagógico. O problema não está na definição dos UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE CENTRO DE ENSINO A DISTÂNCIA DESAFIOS NA DEFINIÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Todo processo

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Aprender com a experiência Literacia de Informação 2.0 na Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras

Aprender com a experiência Literacia de Informação 2.0 na Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras Aprender com a experiência Literacia de Informação 2.0 na Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras por Maria José Amândio Seminário Bibliotecas Públicas P e de Utilizadores Biblioteca Municipal Orlando

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

e-learning e Qualificação de Formadores

e-learning e Qualificação de Formadores e-learning e Qualificação de Formadores Rede de Centros de Recursos em Conhecimento 11 de Maio de 2011 Instituto do Emprego e Formação Profissional Lisboa Paulo Mendes pmendes@citeve.pt Criação OBJECTIVOS

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes:

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes: Fevereiro 2014 Introdução A Escola é hoje um mundo onde todos os atores educativos têm voz por isso a facilidade, a celeridade, a clareza e a abertura são as caraterísticas da comunicação que possibilitam

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão

Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Os Nossos Serviços. Learning is Changing! Project Management PMI

Os Nossos Serviços. Learning is Changing! Project Management PMI Learning is Changing! A actualidade apresenta-nos desafios constantes, que exigem novas respostas e soluções inovadoras, para um Futuro de Crescimento e Competitividade. Learning is Changing! reflecte

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos Plano Tecnológico da Educação Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos 23 de Jun de 2008 O Plano Tecnológico da Educação constitui-se como um poderoso meio

Leia mais

Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb

Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb Teresa Marta Lupi Ordaz Caldeira * INTRODUÇÃO O e-learning representa uma nova metodologia de ensino/ aprendizagem, permitindo

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8A/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Guia de Apresentação do Curso de Qualificação de Agentes, Corretores de Seguros ou Mediadores de Resseguros Guia de Apresentação do Curso Versão 1.0

Leia mais