UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER"

Transcrição

1 UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER José Luiz de França Freire DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO Alberto Ildefonso DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO Trabalho apresentado na VI Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos, Bahia, Julho, As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade do (s) autor (es)

2 UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO MUHLBAUER J.L.F. Freire, A. Ildefonso A. Departamento de Engenharia Mecânica Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro SINOPSE Um modelo de cálculo de Risco proposto por Muhlbauer, aplicado a dutovias de transporte de óleo cru, gás e derivados, é adaptado a uma planilha de base de dados, desenvolvida no software EXCEL. 1- INTRODUÇÃO O risco está associado a todas as atividades dos seres humanos e está presente e tem sido bastante estudado na área da engenharia. De um modo sucinto, Risco pode ser definido como a perda que seria originada em um possível acidente. Esta definição envolve perda, identificada como conseqüências advindas da falha, e possibilidade associada com a incerteza ou a probabilidade de ocorrer acidentes, [1]. Por exemplo, o risco de ocorrer uma fatalidade em um acidente rodoviário no Canada é de 1 para 5300 por ano. O mesmo risco, para a rodovia Rio Santos, é de 6 fatalidades para 100 acidentes (dados de 1998 e 1999). Uma tubulação transportando óleo cru, tem um risco de 1 em por ano de sofrer um vazamento de mais de 100 m 3 de produto [1]. O risco tem sido avaliado por um produto de índices que traduzem probabilidade de ocorrência e conseqüência da falha (Risco = Probabilidade x Conseqüência), [1-7]. A análise de risco pode ser qualitativa ou quantitativa. Na qualitativa, ênfase é dada a considerações feitas por especialistas, que são subjetivas e relativas. Na quantitativa, procura-se através de modelos analíticos desenvolver análises objetivas e absolutas. As técnicas mais utilizadas para a avaliação do risco no transporte de óleo, gás e derivados através de dutovias são: HAZOP, QRA, Matriz de Risco, Árvore de Falhas, Cenários Possíveis e Sistema de Pontuação [2]. Muhlbauer [2] fez uma identificação detalhada de 300 diferentes condições que influenciam a avaliação do risco em uma tubulação e propos um sistema de pontuação que é utilizado mundialmente. Este trabalho tem como objetivo apresentar o desenvolvimento de uma planilha para a aplicação do modelo proposto por Muhlbauer para a avaliação de risco em dutovias. Para cumprir este objetivo seguemse os seguintes passos: 1- Discussão do modelo de avaliação de risco proposto por Muhlbauer. 2- Descrição de uma planilha de cálculo que auxilie, de modo amigável e rápido, o cálculo dos índices de risco para diversos trechos de uma dutovia ou para diferentes dutovias. 1

3 3- MODELO PARA AVALIAÇÃO DO RISCO SEGUNDO MUHLBAUER O modelo proposto por Muhlbauer baseia-se na pontuação das diversas condições de um trecho de uma dutovia. Os valores numéricos são atribuídos às condições que contribuem na avaliação do risco de um trecho de tubulação ou de todo o sistema de tubulação. Aqui a pontuação reflete a importância de um item com respeito a outro item. Altas pontuações representam incrementos na segurança ou decréscimo do risco. As condições consideradas por Muhlbauer são agrupadas em quatro índices, que estão relacionados com danos causados por: - terceiros - corrosão - projeto - operações incorretas Estes índices correspondem a categorias típicas de relatórios de acidentes e falhas em tubulações. Isto significa que cada índice reflete uma área geral à qual, historicamente, os acidentes tenham sido atribuídos. Um exemplo de relatório pode ser observado na tabela 1. Tabela 1: Histórico de acidentes nos Estados Unidos do ano 2001 Considerando um valor para cada item de cada índice, a avaliação chega a valores numéricos para os quatro índices, que então são somados para alcançar um valor total. Este valor será usado em conjunto com o conhecimento dos perigos potenciais da ocorrência de acidente. Para a determinação das principais conseqüências de um acidente, uma análise detalhada é feita com relação aos perigos e danos potenciais provocados pela falha de uma tubulação. Esta análise leva em consideração as características do produto que está sendo transportado, as condições de operação e a localização do trecho. Desta análise resulta um fator que é chamado de Leak Impact Factor ou fator de impacto de vazamento. 2

4 Estudando o fator de impacto de vazamento, faz-se uma distinção entre perigos agudos e perigos crônicos. Os perigos agudos podem repentinamente suceder ou demandar atenção urgente, tais como incêndio, explosão, contato com toxicidade. Já os perigos crônicos são marcados principalmente por conseqüências de longa duração. Aqui a variável tempo é um fator importante, tais como, por exemplo, em acidentes onde ocorrem contaminação da água ou danos ao ecossistema, etc. O fator de impacto de vazamento é relacionado com a soma dos índices mediante uma razão, gerando então o risco final relativo, tal como se apresenta na figura 1. Risco relativo Soma de Índices Fator de impacto de vazamento Fator de Dispersão Produtos perigosos Índice de danos por terceiros Índice de corrosão Índice de projeto Índice de operações incorretas Coleta de dados Figura 1: Modelo básico de Avaliação de Risco segundo Muhlbauer Cabe mencionar, que no modelo de Muhlbauer, cada um dos quatro índices atinge valor máximo igual a 100 e sua soma 400. O Índice de vazamento varia desde 0.2 até 88. Sabendo que a expressão do risco relativo final é: R= Soma de Índices total / Índice de vazamento. Os valores que pode tomar o risco vão desde 0 até 2000, sendo que um valor igual a 2000 é considerado seguro ou de baixo risco, e o valor 0 é considerado inseguro ou alto risco. Outras considerações sobre o modelo de Muhlbauer são descritas a seguir: Independência: Os perigos são considerados aditivos e independentes. Isto é, cada item que influencia o quadro do risco é considerado separado de todos os outros itens. 3

5 Pior caso: A condição do pior caso governa a avaliação do risco. Relativo: A pontuação dada aos itens só tem sentido, quando é comparada com a pontuação dos items de outros trechos. Subjetivo: Os valores numéricos dados a cada item, representam opiniões de pessoas experientes. Estes valores são baseados em interpretações subjetivas. Públicas: O modelo para avaliar o risco proposto por Muhlbauer é para avaliar o risco da tubulação na sua face de exposição ao ambiente externo e identificar formas efetivas de gerenciar o risco. Neste modelo não se inclui o risco de exposição dos trabalhadores da empresa, nem o risco da empresa. Pontuação: Nos pesos para cada item, os máximos possíveis valores representam a importância relativa do item. As pontuações nos quatro itens são baseadas em uma escala igual a 100 para cada um. Isto porque o histórico dos acidentes não é consistente de uma companhia para outra e não existe um prioridade lógica de um índice sobre outro com base nos históricos de acidentes. Considerando que um dos objetivos principais da avaliação é recomendar ações que permitam diminuir o risco, propõe-se que o avaliador categorize cada item de um índice como atributo ou prevenção. Atributos (A): Este termo é usado quando as características são difíceis ou impossíveis de serem modificadas. Estas são características do sistema de tubulação, onde o operador tem pequena possibilidade de alteração ou não tem controle. Exemplos: - características do solo - tipo de atmosfera - características do produto, etc. Máxima pontuação para os itens de atributos: 145 ( dos quatro Índices) Prevenção (P): Neste termo incluí-se aquelas ações que o projetista ou operador da tubulação tem capacidade de modificar, com a intenção de gerenciar o risco. Exemplos: - freqüência de inspeção - programas de treinamento dos operadores, etc. Máxima pontuação para os itens de prevenção: 255 (dos quatro índices) 4- UMA PLANILHA PARA O MODELO MUHLBAUER O modelo explicado anteriormente, foi adaptado a uma planilha de base de dados, desenvolvida no software EXCEL. Para isto foi proposto o seguinte fluxograma, tal como pode-se ver na figura 2. Neste fluxograma, identificam-se as seguintes partes. 1- Resumo da avaliação de todos os trechos da tubulação, com a intenção de identificar os trechos mais críticos. 4

6 1 a b Resumo da Avaliação de todos os Trechos de tubulação Índice de danos por terceiros Indice de corrosão Trecho 1 Trecho 2 Trecho n Indice de projeto * Priorização do resultado da avaliação * Graficos do Resumo da Avaliação Índice de operações incorretas Índice de impacto de vazamento Trechos mais perigrossos Trecho 2 Trecho 3 Trecho 13 2 a b * Avaliação de risco - Grafico do índice de risco - Grafico do índice de vazamento - Grafico do risco total - Grafico do nível de risco - Grafico do índice de atributos - Grafico do índice de prevenção * Avaliação do custo de prevenção - Grafico de validação de custo - Planilha de tarefas recomendadas Figura 2: Fluxograma proposto para desenvolver uma planilha de base de dados 2- Avaliação individual, que é feita para cada trecho. Nas figuras seguintes apresenta-se um resumo da avaliação dos trechos de uma tubulação. A figura 3 é uma tabela onde se resumem todos os resultados de cada um dos trechos. A definição de cada item, pode ser visualizada mediante um comentário anexo. Através desta tabela pode-se identificar os trechos mais críticos (menor número de risco). A figura 4 apresenta como se realiza a priorização dos trechos de tubulações. Isto pode ser feito tomando como referência qualquer dos 8 itens mostradas em cada uma de suas colunas. Estes resultados também podem ser apresentados em forma gráfica, a qual em algumas situações é melhor para a visualização. Na análise individual de cada trecho, apresentam-se os seguintes resultados: - Gráfico dos índices de risco - Gráfico do índice de vazamento - Gráfico de risco total - Gráfico do nível de risco - Gráficos dos índices atributos - Gráficos dos índices de prevenção Na figura 5 apresenta-se o gráfico do nível de risco para um trecho especifico. Na figura 6 pode ser visto o gráfico dos índices de prevenção para um trecho e assim pode-se visualizar em que índices deve-se influir para diminuir o risco pra se 5

7 conseguir uma melhor relação custo/beneficio. A parte da análise de custo do risco será realizado em um trabalho futuro Figura 3: Resumo das Avaliações de todos os trechos de dutovias. 6

8 Figura 5: Nível de Risco de um trecho de dutovia Figura 6: Nível dos Índices de prevenção para um trecho de dutovia 7

9 4- CONCLUSÕES Neste trabalho apresenta-se uma planilha de base de dados desenvolvido no EXCEL. Esta planilha permite entradas de valores numéricos dentro do estabelecido pelo modelo de Muhlbauer para análise de risco em dutovias. 5- BIBLIOGRAFIA [1] Nessim M. e Stephend M., Notas sobre Pipeline Risk Analisys & Risk Based Planning, International Pipeline Conference, ASME, Calgary, [2] W. Kent Muhlbauer, Pipeline Risk Management Manual, 1996, Gulf Publishing Company, Houston, Texas. [3] Kia Yuan Cai, "System Failure Engineering and Fuzzy Methodology: An Introdutory Overview", Fuzzy Sets and Systems 83 (1996) [4] J.L.F. Freire, R.P. Vidal, A. Ildefonso A., "Gerenciamento de Risco e Avaliação de Integridade Estrutural em Dutos: Uma Análise Através da Lógica Nebulosa", COTEQ 99, Conferencia sobre Tecnologia de Equipamentos, p ,1999 [5] B. Pallaghy and A. Bartos, "Pipeline Repair based on Diagnostic Inspection Investiment Return", Proceeding of the Int. Pipeline Conf., , ASME, [6] W.P.G. Schlechter, "Facility Risk Review as a Means to Adressing Existing Risks During the Life Cycle of a Process Unit, Operation or Facility", PREV 95, ABCM, ,1995 [7] K. Cicansky e G. Yuen, "Risk Management at Trans Canada Pipeline", International Pipeline Conference, ASME, 9-14,1998 8

2 AVALIAÇÃO DO RISCO EM DUTOVIAS PARA TRANSMISSÃO DE PETRÓLEO E/OU GÁS MEDIANTE O MODELO MUHLBAUER

2 AVALIAÇÃO DO RISCO EM DUTOVIAS PARA TRANSMISSÃO DE PETRÓLEO E/OU GÁS MEDIANTE O MODELO MUHLBAUER 2 AVALIAÇÃO DO RISCO EM DUTOVIAS PARA TRANSMISSÃO DE PETRÓLEO E/OU GÁS MEDIANTE O MODELO MUHLBAUER No ano 1999, em Bellinghan, Washington, a ruptura de uma tubulação de 16 polegadas de diâmetro que transportava

Leia mais

4 FUZIFICAÇÃO DO MODELO MUHLBAUER

4 FUZIFICAÇÃO DO MODELO MUHLBAUER 4 FUZIFICAÇÃO DO MODELO MUHLBAUER Neste capítulo se avaliará o Risco em sistemas de tubulação que transportam petróleo e/ou gás baseado nos capítulo dois e três. Isto significa que a aplicação do modelo

Leia mais

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE Carlos Bruno Eckstein PETROBRAS/CENPES/PDEAB/Engenharia Básica de Equipamentos Edneu Jatkoski PETROBRAS/REPLAN/MI/Inspeção de Equipamentos

Leia mais

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO APLICADA AO PLANEJAMENTO DE PARADAS DE MANUTENÇÃO

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO APLICADA AO PLANEJAMENTO DE PARADAS DE MANUTENÇÃO INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO APLICADA AO PLANEJAMENTO DE PARADAS DE MANUTENÇÃO Joelma Gonçalves Damasceno Mota PETROBRAS, Refinaria Duque de Caxias REDUC. Av Washington Luiz, 114. Campos Elíseos. Duque de

Leia mais

Imagens CBERS HRC como subsídio para atualização de classe de locação de gasodutos de transmissão. Alexandro Gularte Schafer 1

Imagens CBERS HRC como subsídio para atualização de classe de locação de gasodutos de transmissão. Alexandro Gularte Schafer 1 Imagens CBERS HRC como subsídio para atualização de classe de locação de gasodutos de transmissão Alexandro Gularte Schafer 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Caixa Postal 476 88040-900

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Meg Lima Andrade Agenda Objetivos; Conceito de Sistemas Computadorizados; Conceito de Risco; Identificação de Riscos; Avaliação de Riscos; Classificação;

Leia mais

Módulo 8: Estudo de Caso Posto de Combustíveis

Módulo 8: Estudo de Caso Posto de Combustíveis APOSTILA DO CURSO SOBRE ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCOS E PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Relatório Nº: Apostila Análise Risco/2006 Revisão Nº: 2 Módulo 8: Estudo de Caso Posto de Combustíveis Preparado

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 5

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 5 Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 5 Alexandre Martins Fernandes afernandes@cena.usp.br Sorocaba Agosto 2010 Tipos e

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo FDTE Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia LabRisco Laboratório de Análise, Avaliação e Gerenciamento de Risco da USP Curso de formação:

Leia mais

Método para aplicação de modelos de melhoria e avaliação do processo de desenvolvimento de software em sistemas críticos de segurança.

Método para aplicação de modelos de melhoria e avaliação do processo de desenvolvimento de software em sistemas críticos de segurança. Método para aplicação de modelos de melhoria e avaliação do processo de desenvolvimento de software em sistemas críticos de segurança. Eng. Christian Becker Bueno de Abreu Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Risco O risco é medido por sua probabilidade de ocorrência e suas consequências; Pode se realizar uma análise qualitativa ou quantitativa;

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

Análise e Gerenciamento de Risco

Análise e Gerenciamento de Risco Análise e Gerenciamento de Risco Introdução APR HAZOP Árvores Versão: Setembro de 2015 Risco Risco Risco Risco f (frequência, severidade) Risco f (frequência, severidade) Frequência Seguros Probabilidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS André Pereira Novais INFOTEC CONSULTORIA & PLANEJAMENTO 6 COTEQ Conferência sobre

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

Gerenciamento de Risco e Programa de Seguros para Mineraçã. ção o em Subsolo e a Céu C u Aberto

Gerenciamento de Risco e Programa de Seguros para Mineraçã. ção o em Subsolo e a Céu C u Aberto Gerenciamento de Risco e Programa de Seguros para Mineraçã ção o em Subsolo e a Céu C u Aberto Principais Questões de Gerência de Risco A Incerteza quanto a estes questionamentos expõe as Empresas em:

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Marcos Aurelio Pchek Laureano laureano@ppgia.pucpr.br Roteiro Conceitos básicos Importância da Informação utilidade, valor, validade, classificação Riscos Análise Identificação Gerência

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR. Francisco J. M. Chaves

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR. Francisco J. M. Chaves ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR ANÁLISE DE RISCOS No início da década de 60, a indústria de processamento apresentou um grande avanço tecnológico, com a utilização de condições de pressão e temperaturas

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 24 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 24-14/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

ISO 14971 - APLICAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO A PRODUTOS PARA SAÚDE

ISO 14971 - APLICAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO A PRODUTOS PARA SAÚDE ISO 14971 - APLICAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO A PRODUTOS PARA SAÚDE Sejam bem vindos! Instrutora: Maria Emilia B. Bordini Data: 23/05/2013 O que iremos discutir? Conceitos básicos de gerenciamento de

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

Melhores Decisões Utilizando Dados. Simulação de Monte Carlo para Análise Quantitativa do Risco em Grandes Projetos. Marcos Huber Mendes

Melhores Decisões Utilizando Dados. Simulação de Monte Carlo para Análise Quantitativa do Risco em Grandes Projetos. Marcos Huber Mendes Melhores Decisões Utilizando Dados Simulação de Monte Carlo para Análise Quantitativa do Risco em Grandes Projetos Marcos Huber Mendes hubermendes@decisionsupport.com.br Cel.: + 55 21 9608-5537 1 Marcos

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Metodologias de Avalição de Riscos

Metodologias de Avalição de Riscos Metodologias de Avalição de Riscos Rui Veiga Objectivos Caracterizar as situações em que se deve avaliar os riscos profissionais Classificar as metodologias de AR Apresentar o Método de Avaliação do Risco

Leia mais

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1 Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias Rubens Onofre Nodari 1 O princípio da precaução foi formulado pelos gregos e significa ter

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO INTRODUÇÃO Todo problema de decisão envolve julgamento sobre um conjunto conhecido de alternativas; Informações Disponíveis (Dados) Conhecidos com certeza;

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS DE UM NAVIO DE TRANSPORTE DE GÁS NATURAL COMPRIMIDO

METODOLOGIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS DE UM NAVIO DE TRANSPORTE DE GÁS NATURAL COMPRIMIDO METODOLOGIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS DE UM NAVIO DE TRANSPORTE DE GÁS NATURAL COMPRIMIDO Marcelo Ramos Martins Professor Doutor do Departamento de Engenharia Naval e Oceânica da Universidade de

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC)

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo 09/04/2012 Departamento de Informática, PUC-Rio Testes com usuários Como avaliar? inspeção (por especialistas)

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

Avaliação dos projetos de E&P implantados sob a perspectiva da Análise de Riscos Econômicos

Avaliação dos projetos de E&P implantados sob a perspectiva da Análise de Riscos Econômicos Avaliação dos projetos de E&P implantados sob a perspectiva da Análise de Riscos Econômicos REGINA DUARTE PLANEJAMENTO FINANCEIRO E GESTÃO DE RISCOS PETROBRAS Setembro/2011 Agenda Contexto Análise de Riscos

Leia mais

Normas para caldeiras

Normas para caldeiras Normas para caldeiras Normas de projeto e fabricação: No Brasil a norma mais adotada é o código ASME seção I da American Society of Mechanical Engineers ABNT: NB 227 Código para projeto e construção de

Leia mais

Processos de gerenciamento de riscos. Planejamento Identificação Análise Resposta Monitoramento

Processos de gerenciamento de riscos. Planejamento Identificação Análise Resposta Monitoramento Gerência de Riscos Processos de gerenciamento de riscos Planejamento Identificação Análise Resposta Monitoramento Gerência de Riscos O Plano de Gerência de Riscos descreve como a identificação, a análise

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos 4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos Neste capitulo iremos apresentar a metodologia escolhida para a elaboração do estudo de caso que incorpora a análise quantitativa dos riscos financeiros.

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Prevenção e resposta a acidentes ambientais e suas repercussões jurídicas

Prevenção e resposta a acidentes ambientais e suas repercussões jurídicas Prevenção e resposta a acidentes ambientais e suas repercussões jurídicas JURIDICO JURIDICO DE SERVIÇOS COORDENADORIA DE DIREITO AMBIENTAL Consultora 31/05/2012 Prevenção X Resposta na esfera jurídica

Leia mais

Gestão de Riscos em Projetos de Software

Gestão de Riscos em Projetos de Software Gestão de Riscos em Projetos de Software Júlio Venâncio jvmj@cin.ufpe.br 2 Roteiro Conceitos Iniciais Abordagens de Gestão de Riscos PMBOK CMMI RUP 3 Risco - Definição Evento ou condição incerta que, se

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

UNIP Ciência da Computação / Sistemas de Informação TED I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos

UNIP Ciência da Computação / Sistemas de Informação TED I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos A seguir, orientações fundamentais para a elaboração dos documentos do projeto, tendo em vista a complexidade inerente neste processo. Este roteiro

Leia mais

Sistema de Proteção contra Sobrepressão

Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão HIPPS O QUE É UM SISTEMA HIPPS? HIPPS é uma sigla para High Integrity Pressure Protection System (Sistema de Proteção contra

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Professor GILBERTO MARTIN

Plano de Trabalho Docente 2013. Professor GILBERTO MARTIN 1 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município:CASA BRANCA - SP Área Profissional: SAÚDE, AMBIENTE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVO...

Leia mais

PRIMAVERA RISK ANALYSIS

PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRINCIPAIS RECURSOS Guia de análise de risco Verificação de programação Risco rápido em modelo Assistente de registro de riscos Registro de riscos Análise de riscos PRINCIPAIS BENEFÍCIOS

Leia mais

Análise de Riscos de Segurança da Informação. Prof. Paulo Silva UCEFF

Análise de Riscos de Segurança da Informação. Prof. Paulo Silva UCEFF Análise de Riscos de Segurança da Informação Prof. Paulo Silva UCEFF Roteiro 1. Conceitos Fundamentas de Seg. Informação 2. Identificação e Avaliação de Ativos 3. Identificação e Avaliação de Ameaças 4.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Planejamento e Gestão de Projetos Prof. Msc Maria C. Lage Prof. Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Riscos 1 Introdução Gerenciamento

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada

Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada Equipe

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Conferência Interamericana de Transportes de Produtos Perigosos CITRANSPPE São Paulo Setembro de 2004 11 Set/2001 Torres

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

Sistemas Críticos. Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade. 2007 by Pearson Education

Sistemas Críticos. Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade. 2007 by Pearson Education Sistemas Críticos Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade Objetivos Explicar o que significa um sistema crítico, e onde a falha de sistema pode ter conseqüência severa humana ou econômica. Explicar quatro

Leia mais

Módulo 4 Metodologias de análise de risco: APP, What if, AAF e HAZOP

Módulo 4 Metodologias de análise de risco: APP, What if, AAF e HAZOP Módulo 4 Metodologias de análise de risco: APP, What if, AAF e HAZOP Metodologias para análise de riscos/perigos APP ou APR Análise Preliminar de Perigo/Risco What if O que aconteceria se? AAF Análise

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Ensino Secundário Recorrente por Módulos Capitalizáveis Matriz da Prova do Regime de Frequência Não Presencial

Ensino Secundário Recorrente por Módulos Capitalizáveis Matriz da Prova do Regime de Frequência Não Presencial Ensino Secundário Recorrente por Módulos Capitalizáveis Matriz da Prova do Regime de Frequência Não Presencial AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR.ª LAURA AYRES Matriz do exame de Biologia - módulos 1,2,3 (12ºano)

Leia mais

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade Os modelos de Qualidade Total apresentam uma estrutura teórica bem consistente, pois: não há contradições entre as suas afirmações básicas; há uma estrutura bem definida

Leia mais

Programa de Inspeção Baseada em Risco - tubulação condução Ácido Sulfúrico

Programa de Inspeção Baseada em Risco - tubulação condução Ácido Sulfúrico Programa de Inspeção Baseada em Risco - tubulação condução Ácido Sulfúrico 1 Introdução A Inspeção Baseada em Risco - IBR, implementada em tubulações de Ferro Fundido Nodular, as quais conduzem ácido sulfúrico,

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais.

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais. 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-012 PLANO DE AÇÃO EMERGENCIAL PARA ACIDENTES ENVOLVENDO O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1. OBJETIVO O Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações, de identificação

Leia mais

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO 1 - INTRODUÇÃO Segundo Akao (1990), QFD é a conversão dos requisitos do consumidor em características de qualidade do produto e o desenvolvimento da qualidade de

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Alexsandro da Silva Cardoso (UERJ) asc@csn.com.br Doninzeti Ferreira de Oliveira (UERJ) doninzeti@csn.com.br Edson

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE E QUALIDADE DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

TESTE DE SOFTWARE E QUALIDADE DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL 1 TESTE DE SOFTWARE E QUALIDADE DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Renato de Oliveira Moraes Faculdades Tibiriçá Lab. de Engenharia de Software - E-mail: renato.moraes@peceptron.com.br Rua Pe Benedito Maria

Leia mais

Análise de Ferramentas e Metodologias para Gerência de Riscos em Projetos

Análise de Ferramentas e Metodologias para Gerência de Riscos em Projetos Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação Análise de Ferramentas e Metodologias para Gerência de Riscos em Projetos RAFAEL MOREIRA

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA FÍSICA Introdução Recomendações para o controle do acesso físico Política de segurança

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Priorização de ações ergonômicas a partir de uma análise de riscos através da adaptação do FMEA como ferramenta de avaliação e gerenciamento.

Priorização de ações ergonômicas a partir de uma análise de riscos através da adaptação do FMEA como ferramenta de avaliação e gerenciamento. Priorização de ações ergonômicas a partir de uma análise de riscos através da adaptação do FMEA como ferramenta de avaliação e gerenciamento. Eduardo Ferro dos Santos Universidade Federal de Itajubá/MG

Leia mais