Visualização Volumétrica de Imagens Médicas através de Raycasting

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visualização Volumétrica de Imagens Médicas através de Raycasting"

Transcrição

1 Visualização Volumétrica de Imagens Médicas através de Raycasting Thiago Franco de Moraes (CTI), Paulo Henrique Junqueira Amorim (CTI), Tatiana Al-Chueyr Pereira Martins (CTI) Resumo Este artigo descreve a implementação da técnica de visualização volumétrica raycasting no software InVesalius 3, realizada a partir da reconstrução tridimensional de um conjunto de imagens de Tomografia Computadorizada bidimensionais. Para comparar a qualidade da visualização volumétrica implementada, foram utilizados o software proprietário Mimics, da empresa Materialise, e as versões anteriores do InVesalius (1 e 2). No artigo também é discutida a aplicação deste tipo de visualização por médicos, odontologistas e profissionais da área forense, apresentando a relevância do trabalho desenvolvido, em relação a tradicional visualização de superfícies tridimensionais, utilizada para prototipagem rápida. Palavras-chave: Visualização volumétrica, Raycasting, Imagens médicas. 1. Introdução 1.1. InVesalius InVesalius (INVESALIUS, 2010) é um software livre para reconstrução tridimensional de estruturas anatômicas. A partir de um conjunto de imagens bidimensionais, obtidas através de equipamentos de Tomografia Computadorizada ou Ressonância magnética, o programa permite que sejam gerados modelos tridimensionais (3D) da regiões anatômicas de interesse. O desenvolvimento do software InVesalius é financiado pelo CTI e o programa tem sido constantemente aprimorado através do Portal do Software Público (SOFTWARE PUBLICO, 2010). Até o momento já foram desenvolvidas três versões: InVesalius 1, disponibilizado em abril de 2004; InVesalius 2, disponibilizado em novembro de 2007; e InVesalius 3, disponibilizado em janeiro de 2010 e ainda em desenvolvimento. Para o desenvolvimento do InVesalius foram utilizadas tecnologias livres, dentre as quais destacam-se Python (linguagem de programação) (PYTHON, 2009) e Visualization Toolkit (VTK) (VTK, 2009). VTK é uma biblioteca open-source para computação gráfica 3D, processamento de imagens e visualização científica. Ela foi implementada em C++, seguindo os princípios de orientação a objetos (VTK, 2009), e oferece suporte a várias linguagens de programação, dentre elas Python. Neste trabalho foi utilizada a versão da biblioteca VTK mais recente, 5.4, utilizada para o desenvolvimento do InVesalius 3. Após reconstruir tridimensionalmente as imagens de entrada, que devem estar no formato DICOM (Digital Imaging and Communications in Medicine), o software InVesalius oferece duas possíveis formas de representar dados 3D, desenvolvidas com auxílio da biblioteca VTK: Superfícies, que são ocas e compostas por triângulos; Projeções volumétricas, que permitem representar os modelos preenchidos. Superfícies são utilizadas, por exemplo, para impressão física 3D, podendo ser salvas no formato STL (Stereolithography) e depois impressas através de Prototipagem Rápida.

2 Projeções volumétricas, por outro lado, podem ser de grande valia para análises de exames com radio-contraste, quando deseja-se analisar não somente um tecido como o osso, mas sua relação com tumores ou vasos, por exemplo. Antes de abordar mais profundamente a reconstrução tridimensional, serão discutidos alguns fundamentos de imagens médicas relevantes para o contexto da pesquisa Imagens de Tomografia Computadorizada Apesar do software InVesalius também oferecer suporte a reconstrução tridimensional de imagens provindas de equipamentos de Ressonância Magnética, no artigo será discutido apenas a utilização de imagens originadas através de equipamentos de Tomografia Computadorizada (TC). A tecnologia de TC é resultado de pesquisas da década de 60-70, como a de Godfrey Newbold Hounsfield (HASSANI et al, 1976). Esta tecnologia utiliza uma fonte de Raios-X e múltiplos sensores de Raios-X. Os Raios-X emitidos atravessam o objeto, que absorve parte dos Raios-X, e atingem os sensores de Raios-X. As informações dos sensores são enviados ao computador, o qual, baseado na absorção dos raios-x, gera uma imagem 2D. A maior diferença em relação ao Raio-X convencional é que a TC permite gerar uma seqüência de imagens correspondentes a seções do objeto de interesse ao invés de uma única imagem contendo todas as informações. A sequência de imagens obtidas através de tomógrafos corresponde a "fatias" do objeto de estudo, que não apresentam a sobreposição de tecidos do convencional Raio-X e podem ser reconstruídas em três dimensões posteriormente. Tanto em imagens radiográficas convencionais, quanto em imagens de tomografia, materiais menos densos absorvem menos radiação e materiais mais densos absorvem mais radiação. Esta característica permitiu que este tipo de exame fosse utilizado para auxílio a diagnóstico, possibilitando a fácil distinção entre tecidos como osso e pele, por exemplo. A escala de Hounsfield (HOUNSFIELD SCALE, 2010) foi criada para representar numericamente a absorção de Raios-X de acordo com o material ao qual eles eram aplicados, sendo nomeada em homenagem à Godfrey Newbold Hounsfield. Como apresentado na Figura 1, são necessários aproximadamente 2000 valores cinza para representar a escala Hounsfield - variância que não é distinguida pelos olhos de um ser humano. Ar Gordura Material Água Músculo +40 Contraste +130 Osso HU +400 ou mais Figura 1 - Escala de Hounsfield Para contornar as limitações da visão humana, é utilizado o recurso de Window Width e Window Level, popularmente conhecidos por brilho e contraste. Com este recurso é possível definir qual faixa da escala de cinza (Window level) e qual largura desta faixa (Window width) serão empregadas para ver os dados. A Figura 2 ilustra uma imagem com Window width e Window level ajustados para para osso (a), e a mesma imagem com window width e window

3 level para pulmão (b). (a) Window Level e Width para Osso (b) Window Level e Width para Pulmão Figura 2 - Aplicação de diferentes valores de Window Level e Window Width para destacar região anatômica de interesse 1.3. Reconstrução volumétrica A reconstrução volumétrica das imagens de tomografia computadorizada é feita através do "empilhamento" e a interpolação (THÉVENAZ et al, 2000) das imagens 2D, quer permite que sejam estimados os dados existentes na anatomia do paciente, mas que não estão presentes nos exames originais, devido ao espaçamento entre a aquisição das fatias. O "empilhamento" é realizado com base em informações contidas nos arquivos DICOM, incluindo a posição espacial e o espaçamento entre as imagens. O resultado é uma matriz tridimensional cujos elementos são conhecidos como voxel. Um voxel é a representação tridimensional de um pixel (bidimensional), e seu valor representa uma propriedade do volume, no caso de TC, é um valor da escala Hounsfield. Além de visualizar o volume em três dimensões, também é possível "fatiá-lo", analisando outras orientações, como sagital ou coronal, no caso do dado de entrada estar na axial. Visualização volumétrica é qualquer método que opera sobre dados volumétrico, no nosso caso, imagens médicas, e produz uma imagem. No InVesalius foi utilizada a técnica conhecida como Raycasting. De modo simplificado, nesta técnica para cada pixel da tela é traçado um raio de luz (dai o nome Raycasting) em direção ao objeto, a cor do pixel será baseado na cor do ponto e transparência de cada Voxel interceptado pelo raio de luz (MANSSOUR et al, 2002). Em TC os valores de cores e transparência são atribuidos aos níveis de cinza, e estes valores dependem da necessidade da pessoa que irá visualizar este volume e do estudo a ser realizado. 2. Metodologia 2.1. Levantamento requisitos O foco da primeira versão do InVesalius era a reconstrução de superfícies 3D, visando atender a prototipagem rápida. Apesar desta versão oferecer uma ferramenta para visualização volumétrica baseada em raycasting, ilustrada na Figura 3(a), ela possuia uma série de limitações, inclusive: Utilização de apenas uma cor; Janela pequena e com interface gráfica não intuitiva;

4 Impossibilidade de personalizar distribuição de cores; Impossibilidade de alterar window level e window width. Tais limitações desmotivavam cirurgiões a utilizarem a ferramenta, fazendo com que eles optassem por utilizar apenas recursos de superfícies 3D. Na ocasião, os usuários do programa constantemente apontavam que os modelos 3D do InVesalius estarem "ocos" em contraposição às regiões anatômicas "recheadas", e que as cores utilizadas no InVesalius 1 não serem realistas. Além desses detalhes, foi recentemente observado que o volume projetado através da técnica raycasting pelo InVesalius 1 está invertido, tornando-o inadequado para diagnóstico. Com base nas demandas apresentadas por cirurgiões, foi desenvolvido o módulo de visualização volumétrica no InVesalius 2, que já era iniciado após a importação de imagens DICOM. A Figura 3(b) ilustra a ferramenta disponível na segunda versão do InVesalius. Apesar de apresentar melhoras significativas em relação a versão prévia do programa, a nova ferramenta de raycasting possuia as seguintes limitações: Os valores pré-definidos eram inadequados e não apresentavam resultados satisfatórios para a maior parte dos casos; A ferramenta para personalizar e configurar os parâmetros de raycasting era bastante confusa e de difícil uso; Lentidão de atualização de modificações no volume; Não era possível salvar as configurações personalizadas, para aplicá-las ao mesmo caso posteriormente ou a novos casos. Tais problemas impediam que usuários pudessem analisar as projeções volumétricas com clareza, principalmente quando havia interesse em vias aéreas ou regiões destacadas pelo contraste. Com base nas experiências prévias, foram definidos os requisitos do novo módulo de visualização volumétrica, que seria desenvoldio e adicionado ao InVesalius 3: Presets de cores e transparências adequadas; Facilidade de uso; Flexibilidade para usuário aumentar/diminuir janela; Melhorar desempenho; Permitir que usuário pudesse salvar seus próprios presets em arquivo, e depois carregá-los em outros projetos.

5 (a) Raycasting no InVesalius 1 (b) Raycasting no InVesalius 2 Figura 3 - Projeção volumétrica nas versões anteriores 2.2. Implementação O desenvolvimento do módulo de raycasting está diretamente vinculado a biblioteca VTK e segue a arquitetura de pipelines, onde a saída de um objeto é a entrada de um outro objeto. Um pipeline pode conter loops e ramificações. A Figura 4 ilustra o pipeline utilizado para elaboração da visualização volumétrica. Figura 4 - Pipeline No caso do pipeline em questão, a principal entrada é um a matriz cúbica de voxels em tons de cinza que contém as imagens médicas interpoladas. Utilizou-se a classe vtkimagedata para representar tais dados, a qual foi criada a partir da interpolação de um conjunto de imagens DICOM. O objetivo deste pipeline é atribuir cor e transparência a cada voxel cinza da matriz estudada, possibilitando a visualização volumétrica. Para a criação de um vtkvolume para projeção raycasting, além dos dados originais interpolados no formato vtkimagedata, também é necessário prover um conjunto de valores que contém as propriedades do volume (vtkvolumeproperty), tais como a relação de níveis de cinza para cores e transparências pré-definidas. Denominamos presets este conjunto de valores. Foram utilizados 30 conjuntos de presets-padrão de cores e transparências, baseados nos presets de softwares simliares. No que diz respeito as propriedades do volume, utilizou-se a classe vtkcolortransferfunction para atribuir cores aos voxels de entrada. Como esta

6 classe interpola os dados de entrada, é possível, por exemplo, atribuir a cor vermelho ao nível de cinza 100, e azul ao nível 500, e então a faixa de níveis de cinza entre 100 e 500 são atribuídas cores crescentes do gradiente entre vermelho e azul. Adicionalmente, foi utilizada a classe vtkpiecewisefunction para a atribuição de transparência ao níveis de cinza. Semelhante a vtkcolortransferfunction, esta classe permite atribuir transparências aos níveis de cinza, interpolando transparências entre níveis de cinza cujas transparências foram definidas. Por realizarem interpolação tanto a classe vtkcolortransferfunction quanto a classe vtkpiecewisefunction eliminam a necessidade de atribuir cores ou transparências a todos os níveis de cinza. A saída de ambas as classes, conforme descrito no pipeline, são utilizadas de entrada na classe vtkvolumeproperty. Assim que a classe vtkvolume contém a matriz de entrada e são definidas suas propriedades, é necessário selecionar um vtkmapper que permita a extração das primitivas do volume para a posterior renderização. Para trabalhar com projeção raycasting, a biblioteca VTK possui duas classes: vtkvolumeraycastmapper e vtkfixedpointvolumeraycastmapper. Para definir qual classe seria empregada no InVesalius 3, foram realizados testes utilizando o exame de código 0022, que contém 257 imagens DICOM, do conjunto de exames disponíveis no CTI. Após a reconstrução, alterou-se o ângulo de visão do modelo (antes frontal) para direita e cronometrou-se o tempo para atualização. O teste foi feito dez vezes para cada uma das classes, em um computador com processador Intel Core 2 Quad, com 4GB de memória e com placa de vídeo GeForce 8600 GT. Os resultados são discutidos na próxima sessão do trabalho. Uma vez definido o mapper de interesse, é necessário renderizar os dados, ou seja, converter as geometrias tridimensionais de modo que o usuário final tenha uma visualização 2D adequada. Para isso são utiizadas as classes vtkrenderer e vtkrenderwindow. O vtkrenderer é uma interface abstrata para implementações concretas, como o vtkopenglrenderer. Já a janela de renderização, ou vtkrenderwindow, é um método independente de interface gráfica que oferece suporte a interação com interface gráfica, incluindo tratamento de eventos como cliques de mouse e interações via teclado. Para elaboração da inteface gráfica para interação com o usuário, foi elaborada uma ferramenta ou widget com o qual o usuário pode personalizar os presets existentes, adicionando novos ponto e, alterando cores e transparências de acordo com o nível de cinza dos voxels de interese. Estas modificações podem ser salvas em novos presets. A Figura 5 ilustra tal ferramenta. Figura 5 Widget O widget desenvolvido contém vértices e compõe curvas, que são projetadas sobre o histograma do exame. Cada vértice possui uma cor e define determinada transparência, com base em sua posição relativa ao eixo y. O eixo x de cada vértice define qual nível de cinza do exame original, e como conseqüência os voxels dessa tonalidade, serão mapeados para a cor e a transparência do vértice correspondente. As curvas formadas pelos vértices compõe polígonos sobre a abiscissa e o preenchimento destes polígonos é diretamente vinculado a coloração dos vértices. O ícone na forma de disquete oferece ao usuário a opção de gravar as

7 suas alterações em um novo preset. Outra forma de interação com o raycasting é através do ferramenta de Window Width e Window Level. Quando esta funcionalidade está acionada, é possível alterar o mapeamento de cores e transparência movimentando o mouse com botão esquerdo pressionado sobre o volume. Os movimentos no sentido vertical correspondem a aumentar (para cima) ou diminuir (para baixo) o Window Width, enquanto os movimentos no sentido horizontal correspondem a deslocar a curva de interesse para direita ou deslocar a curva para esquerda em relação ao histograma (Window Level). 3. Resultados Inicialmente, houve a comparação e seleção do mapper mais adequado para a visualização volumétrica no InVesalius 3. Comparando vtkvolumeraycastmapper e vtkfixedpointvolumeraycastmapper foi possível avaliar que as principais diferenças entre estas duas classes são a velocidade e a qualidade de renderização. Constatouse que a classe vtkfixedpointvolumeraycastmapper é mais rápida que classe vtkvolumeraycastmapper. Segundo a metodologia proposta anteriormente, a primeira classe teve um tempo médio de 0.7 segundos, enquanto a segunda teve um tempo médio de cerca de 2.4 segundos. Ou seja, a classe vtkvolumeraycastmapper é mais de três vezes mais lenta que a classe vtkfixedpointvolumeraycastmapper. No que diz respeito a qualidade do volume gerado, foi observado que vtkvolumeraycastmapper gerou reconstruções mais detalhadas do que a classe vtkfixedpointvolumeraycastmapper. A Figura 6 apresenta a diferença de qualidade na visualização de veias e vasos sanguíneos, principalmente na região do pescoço, mandíbula e lateral do crânio. Optou-se por utilizar a classe vtkfixedpointvolumeraycastmapper por padrão no InVesalius 3, com base em pareceres de cirurgiões, que justificaram que a diferença de qualidade não justificava a diferença de velocidade de renderização entre as implementações. (a) vtkvolumeraycastmapper (b) vtkfixedpointvolumeraycastmapper

8 Figura 6 Em relação as versões prévias do InVesalius, houve clara facilitação na utilização da ferramenta. O resultado do trabalho pode ser analisado na Figura 7, onde a visualização volumétrica gerada pelo InVesalius 3 é comparada a visualização volumétrica de uma aplicação comercial proprietária chamada Mimics, da empresa belga Materialize. (a) Raycasting no InVesalius 3 (b) Raycasting no Mimics 13 Figura 7 - Comparação do raycasting no InVesalius 3 e no software comercial Mimics 13. Cirurgiões, médicos, odontologistas e profissionais da área forense demonstraram contentamento com a implementação de projeção volumétrica no InVesalius 3. Tais profissionais apontaram que ocorreram melhorias significativas na qualidade, interatividade e desempenho em relação as versões prévias e mesmo em relação a software comerciais da área, como o Mimics. Apontou-se também o uso educacional desta ferramenta, através da criação de atlas digitais. Outra aplicação é endoscopia digital, em que o cirurgião simula inspeções invasivas diretamente no volume, assim evitando a introdução de objetos estranhos no corpo do paciente. Na área forense, o recurso de visualização volumétrica é de grande valia e auxilia investigadores forenses e advogados a interpretarem imagens de tomografia computadorizada ou ressonância magnética na forma de um modelo virtual 3D completo e interativo, podendo com isso avaliar de forma mais adequada casos de homicídio, por exemplo, nos quais é importante a distinção de estruturas e regiões tridimensionalmente. 4. Conclusão Através do desenvolvimento desta pesquisa foi possível analisar a importância da visualização volumétrica através de raycasting para auxilio a diagnóstico, quando devidamente implementada. Foram observadas significativas melhorias em relação as versões prévias do InVesalius e a softwares comerciais, sendo que acredita-se que os maiores diferenciais foram a utilização de valores pré-definidos (presets) adequados e uma interface gráfica de fácil utilização. Tais características fizeram com que profissionais de diversas áreas fossem beneficiados com o uso do programa em diversos contextos, incluindo ensino,

9 diagnóstico e análise forense. Para trabalhos futuros, espera-se elaborar novos presets para TC, e RM e outras modalidades de imagens médicas. Adicionamente, pretende-se utilizar a GPU (Graphical Processor Unit) para a geração da visualização volumétrica, otimizando o desempenho do programa. Utilizando a GPU será possível permitir a interação rápida e de qualidade. Referências HASSANI, N.; R. KHOMEINI, & R. BARD Principles of computerized tomography. Journal of the National Medical Association Vol. 68, no. 2 (March), p HOUNSFIELD SCALE, acessado 21/03/2010 INVESALIUS, acessado em 15/03/ MANSSOUR, ISABEL HARB & FREITAS, CARLA MARIA DAL SASSO, Visualização Volumétrica, Revista de Informática Teórica e Aplicada Vol. IX, no. 2 (2002), p PYTHON, acessado em 15/03/2010. SOFTWARE PUBLICO, acessado em 15/03/ THÉVENAZ, PHILIPPE; BLU, THIERRY & UNSER, MICHAEL, Interpolation Revisited, IEEE TRANSACTIONS ON MEDICAL IMAGING Vol. 19, no. 7 (July 2000), p VTK, acessado em 15/03/2010.

InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário

InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário Versão 1.0 (26/01/2009) 1 Sobre o InVesalius InVesalius é um software público para área de saúde que realiza análise e segmentação de modelos anatômicos virtuais,

Leia mais

Medições em Imagens Médicas Tridimensionais utilizando VTK

Medições em Imagens Médicas Tridimensionais utilizando VTK Medições em Imagens Médicas Tridimensionais utilizando VTK Thiago Franco de Moraese 1, Tatiana Al Chueyr Martins Rospendowski 1, Paulo Henrique Junqueira Amorim 1 1 Centro de Tecnologia da Informação Renato

Leia mais

InVesalius: Software Livre de Imagens Médicas

InVesalius: Software Livre de Imagens Médicas InVesalius: Software Livre de Imagens Médicas Paulo H. J. Amorim 1, Thiago F. de Moraes 1, Fábio de S. Azevedo 1, Jorge V. L. da Silva 1 1 Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer - CTI Rodovia

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

Medições em Imagens Médicas Tridimensionais utilizando VTK

Medições em Imagens Médicas Tridimensionais utilizando VTK Medições em Imagens Médicas Tridimensionais utilizando VTK Thiago Franco de Moraes 1, Tatiana Al-Chueyr Martins Rospendowski 1, Paulo Henrique Junqueira Amorim 1 1 Centro de Tecnologia da Informação Renato

Leia mais

ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS DIGITAIS: INVESALIUS

ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS DIGITAIS: INVESALIUS ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS DIGITAIS: INVESALIUS ADRIANY DA S. CARVALHO * EDUILSON LÍVIO NEVES DA C. CARNEIRO ** Resumo. O presente trabalho se propõe, através de uma revisão

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA DAS RADIAÇÕES Prof. Emerson Siraqui CONCEITO Método que permite estudar o corpo em cortes ou fatias axiais ou trasversais, sendo a imagem obtida atraves dos Raios-X com o auxílio do computador (recontrução).

Leia mais

IMPLANTVIEWER MANUAL DO USUÁRIO. Versão 1.4

IMPLANTVIEWER MANUAL DO USUÁRIO. Versão 1.4 IMPLANTVIEWER MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.4 Índice 1 Introdução... 4 2 Iniciando... 6 2.1 Instalação... 6 2.2 Requisitos de hardware... 7 2.3 Sistema operacional... 7 3 Convertendo um projeto... 8 3.1 Importando

Leia mais

III Seminário da Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Unesp - Bauru

III Seminário da Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Unesp - Bauru RECONSTRUÇÃO E GERAÇÃO DE MALHAS BIDIMENSIONAIS NÃO ESTRUTURADAS UTILIZANDO A TRIANGULAÇÃO DE DELAUNAY Leide Daiane Caires Aluna do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Unesp Bauru Prof. Dr.

Leia mais

Reconstrução de Imagens em Radiologia Médica. M.Sc. Walmor Cardoso Godoi http://www.walmorgodoi.com

Reconstrução de Imagens em Radiologia Médica. M.Sc. Walmor Cardoso Godoi http://www.walmorgodoi.com Reconstrução de Imagens em Radiologia Médica M.Sc. Walmor Cardoso Godoi http://www.walmorgodoi.com Agenda 1. Reconstrução Tomográfica em TC e MN 1. Retroprojeção e Filtros 2. Visualização Científica na

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

Informática Aplicada a Radiologia

Informática Aplicada a Radiologia Informática Aplicada a Radiologia Apostila: Imagem Digital parte I Prof. Rubens Freire Rosa Imagem na forma digital A representação de Imagens na forma digital nos permite capturar, armazenar e processar

Leia mais

Sistema de Navegação Aim nav

Sistema de Navegação Aim nav Sistema de Navegação Aim nav Tecnologia de ponta desde sua criação Redução do tempo cirúrgico, aumento da precisão e redução de riscos para o paciente. Com foco nos principais objetivos da neurocirurgia,

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO

AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO Assunto: Software de Planejamento de Tratamento por Radiação da Brainlab: Para uso em software Brainlab, sequências de imagens (excluindo tomografias)

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

PROPOSTA DE INTERFACE PARA VISUALIZAÇÃO DE CAMPOS DE DIREÇÕES ANISOTRÓPICAS OBTIDAS A PARTIR DE DADOS DE TOMOGRAFIA DE ESTRUTURAS ORGÂNICAS

PROPOSTA DE INTERFACE PARA VISUALIZAÇÃO DE CAMPOS DE DIREÇÕES ANISOTRÓPICAS OBTIDAS A PARTIR DE DADOS DE TOMOGRAFIA DE ESTRUTURAS ORGÂNICAS PROPOSTA DE INTERFACE PARA VISUALIZAÇÃO DE CAMPOS DE DIREÇÕES ANISOTRÓPICAS OBTIDAS A PARTIR DE DADOS DE TOMOGRAFIA DE ESTRUTURAS ORGÂNICAS Tiago M. Buriol a, Marco A. Argenta b, Mildred B. Hecke c, Sergio

Leia mais

RECONSTRUÇÃO NA TC MPR MPR 2D coronal, sagital e transaxiais.

RECONSTRUÇÃO NA TC MPR MPR 2D coronal, sagital e transaxiais. RECONSTRUÇÃO NA TC Reformatação multiplanar (bidimensional) MPR, um conjunto de dados volumétricos da TC, esse conjunto de dados pode ser reconstruído em secções em qualquer plano desejado, gerando imagens

Leia mais

Visualização Científica. Pedro de Botelho Marcos Março/2008. Núcleo de Computação Científica Tópicos Avançados em Computação II

Visualização Científica. Pedro de Botelho Marcos Março/2008. Núcleo de Computação Científica Tópicos Avançados em Computação II Pedro de Botelho Marcos Março/2008 1 Sumário Introdução Ciclo de Visualização Dados 3D Dados Vetoriais Referências 2 Introdução O que? Representação visual de dados. Para? Facilitar a análise de grandes

Leia mais

Guia de Instalação e Utilização do plugin para Reconstrução Tomográfica em SPECT

Guia de Instalação e Utilização do plugin para Reconstrução Tomográfica em SPECT Guia de Instalação e Utilização do plugin para Reconstrução Tomográfica em SPECT Índice C Comentários 3 I Instalação 4 R Reconstrução tomográfica pelo método FBP 5 Reconstrução tomográfica pelo método

Leia mais

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos)

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Computação gráfica tridimensional Modelagem tridimensional Elaboração de imagens tridimensionais Realidade virtual Formatos tridimensionais: DXF, padrão

Leia mais

GUIA SIMPLIFICADO DE UTILIZAÇÃO DO DENTALSLICE

GUIA SIMPLIFICADO DE UTILIZAÇÃO DO DENTALSLICE GUIA SIMPLIFICADO DE UTILIZAÇÃO DO DENTALSLICE O ambiente virtual de planejamento DentalSlice (Bioparts) possibilita simulações realistas de planos de tratamento, levando em consideração tanto a quantidade

Leia mais

Introdução. Princípios básicos da TAC. .Tomografia deriva da palavra grega Tomos, .Computorizada o processamento. .Designação de TAC/TC.

Introdução. Princípios básicos da TAC. .Tomografia deriva da palavra grega Tomos, .Computorizada o processamento. .Designação de TAC/TC. Princípios básicos da TAC III Encontro de Formação Contínua OMV XIII Congresso de Medicina Veterinária em Língua Portuguesa 17 e 18 de Novembro, 2012 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA Mário Ginja DVM, PhD

Leia mais

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico Tomografia Computadorizada I Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04 Sistema Tomográfico Podemos dizer que o tomógrafo de forma geral, independente de sua geração, é constituído

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE APARELHOS DE RAIO X EM IMAGENS DE TOMOGRAFIA DE CRÂNIO E TÓRAX

CALIBRAÇÃO DE APARELHOS DE RAIO X EM IMAGENS DE TOMOGRAFIA DE CRÂNIO E TÓRAX CMNE/CILAMCE 2007 Porto, 13 a 15 de Junho, 2007 APMTAC, Portugal 2007 CALIBRAÇÃO DE APARELHOS DE RAIO X EM IMAGENS DE TOMOGRAFIA DE CRÂNIO E TÓRAX Dário A.B. Oliveira 1 *, Marcelo P. Albuquerque 1, M.M.G

Leia mais

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass Visão Computacional e Realidade Aumentada Trabalho 3 Reconstrução 3D Pedro Sampaio Vieira Prof. Marcelo Gattass 1 Introdução Reconstrução tridimensional é um assunto muito estudado na área de visão computacional.

Leia mais

Definição de projetos para bioimpressão em STL utilizando orientação a objetos e VTK

Definição de projetos para bioimpressão em STL utilizando orientação a objetos e VTK Definição de projetos para bioimpressão em STL utilizando orientação a objetos e VTK Luiz Angelo Valota Francisco 1, Luis Carlos Trevelin 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de São Carlos

Leia mais

Prof. Msc Elvis Pontes. Unidade IV TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Prof. Msc Elvis Pontes. Unidade IV TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Msc Elvis Pontes Unidade IV TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Formatação de planilhas Configuração de páginas; Layout da página; Margens Formatação de planilhas Definir todas as margens, com medidas personalizadas;

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Objetivos Evolução Histórica Formação da Imagem Motivação Motivação Início da Tomografia Computadorizada (CT) A Tomografia Computadorizada,

Leia mais

Importância do exame radiográfico

Importância do exame radiográfico Exames e Indicações Importância do exame radiográfico O exame radiográfico de rotina associado ao exame clínico é a maneira mais efetiva de se obter o índice diagnóstico de 100% de cárie (segundo Estevam

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Helder C. R. de Oliveira N.USP: 7122065 SEL 5705: Fundamentos Físicos dos Processos de Formação de Imagens Médicas Prof. Dr. Homero Schiabel Sumário História; Funcionamento e

Leia mais

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho Aluno : Aristófanes Corrêa Silva Professor : Paulo Cezar Carvalho Setembro/2001 Tópicos 1ª Fase Projeto VISMED Estimativa de Volume Pulmonar 2ª Fase Aquisição da Imagem Tomografia computadorizada Dicom

Leia mais

Para alterar o texto diretamente na página selecione a ferramenta Texto e clique sobre o bloco de texto parágrafo ou artístico.

Para alterar o texto diretamente na página selecione a ferramenta Texto e clique sobre o bloco de texto parágrafo ou artístico. Quando precisarmos utilizar trechos de texto mais longos, como frases inteiras e parágrafos, utilizaremos o recurso Texto Parágrafo. Para iniciarmos um texto parágrafo selecionamos a ferramenta Texto e

Leia mais

Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha

Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha Ariel Garaza Díaz Nascido em Montevidéu, Uruguai, Ariel vive e trabalha em Madri, Espanha. Ele é designer profissional desde 1980 e usuário de softwares

Leia mais

Website: professorsiraqui.com.br

Website: professorsiraqui.com.br TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA Website: professorsiraqui.com.br ESCALA DE DENSIDADE DE HOUNSFIELD-UH As diferentes densidades de teciduais é possível pela medida dos índices de atenuação; Os índices de atenuação

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1... 3 Apresentação do Photoshop... 3 Barra de Menus... 3 Barra de Opções... 3 Barra de Ferramentas...4

Leia mais

CR 30-X. Digitalizador. Alta qualidade de imagens. Digitalizador de mesa. Ampla gama de aplicações

CR 30-X. Digitalizador. Alta qualidade de imagens. Digitalizador de mesa. Ampla gama de aplicações Janeiro 2007 Digitalizador CR 30-X CR 30-X Digitalizador Alta qualidade de imagens Ampla gama de aplicações O CR 30-X é um digitalizador altamente versátil. Ele oferece uma solução ideal para qualquer

Leia mais

Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha

Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha Ariel Garaza Díaz Sobre o autor Ariel mora e trabalha em Montevidéu, Uruguai. Tornou-se um designer profissional em 1980 e usa o software Corel desde

Leia mais

Tutorial Blender. por Luis Carlos Retondaro (yudeen) yudeen@gmail.com http://www.retondaro.pro.br

Tutorial Blender. por Luis Carlos Retondaro (yudeen) yudeen@gmail.com http://www.retondaro.pro.br Tutorial Blender por Luis Carlos Retondaro (yudeen) yudeen@gmail.com http://www.retondaro.pro.br Modelagem de cabeça estilo cartoon para animação (box modelling) Este tutorial foi adaptado de um vídeo

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 06 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA 3. SEQÜÊNCIA DA AULA. 3.1 Iniciando o PowerPoint

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 06 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA 3. SEQÜÊNCIA DA AULA. 3.1 Iniciando o PowerPoint PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 06 1. OBJETIVO Apresentar o PowerPoint, que é o software para montar apresentações na forma de slides da Microsoft. Isso será feito seguindo-se uma seqüência mostrando

Leia mais

MODELANDO COM SPLINES E PATCHES, E NÃO POLÍGONOS

MODELANDO COM SPLINES E PATCHES, E NÃO POLÍGONOS T utorial por David Oilveira Figuras 1A e 1B Animation Master Parte 2 Modelando Personagens Orgânicos no AM Figura 2 MODELANDO COM SPLINES E PATCHES, E NÃO POLÍGONOS Um dos pontos diferenciais do Animation

Leia mais

[CURSO DE FÉRIAS FIREWORKS] JULHO / 2011

[CURSO DE FÉRIAS FIREWORKS] JULHO / 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO DO FIREWORKS... 2 1.1 - Diferença entre imagem Vetorial e Bitmap... 2 1.2 - Formato de Arquivos... 3 2. AMBIENTE DO FIREWORKS... 3 2.1 - INICIANDO UM PROJETO... 4 3. DESENHANDO NO

Leia mais

Gráficos tridimensionais. Introdução ao MATLAB p.1/31

Gráficos tridimensionais. Introdução ao MATLAB p.1/31 Gráficos tridimensionais Introdução ao MATLAB p1/31 Introdução Existe uma grande variedade de funções para exibir dados em três dimensões Podemos utilizar curvas em três dimensões, superfícies em retalhos

Leia mais

Corel Draw 12. Enviado por: Jair Marcolino Felix. Rua Dr. Osvaldo Assunção nº 72 Tucano BA Próximo a Escola de Artes e Ofícios (antigo CESG)

Corel Draw 12. Enviado por: Jair Marcolino Felix. Rua Dr. Osvaldo Assunção nº 72 Tucano BA Próximo a Escola de Artes e Ofícios (antigo CESG) Corel Draw 12 Enviado por: Jair Marcolino Felix Corel Draw 12 O Corel Draw é um programa de design gráfico pertencente à Corel.O Corel Draw é um aplicativo de ilustração e layout de página que possibilita

Leia mais

Princípios Físicos em Raio-X

Princípios Físicos em Raio-X Serviço de Informática Instituto do Coração HC FMUSP Princípios Físicos em Raio-X Marco Antonio Gutierrez Email: marco.gutierrez@incor.usp.br 2010 Formas de Energia Corpuscular (p, e -, n, α, β, ) Energia

Leia mais

DISPLAYS. Prospecto inteligente

DISPLAYS. Prospecto inteligente DISPLAYS Monitores de diagnóstico médico Prospecto inteligente Monitor médico completo Soluções para a maioria dos usuários Soluções para diagnósticos médicos completas e prontas para usar, do mesmo fornecedor.

Leia mais

Manual Processamento de Imagem. João L. Vilaça

Manual Processamento de Imagem. João L. Vilaça Manual Processamento de Imagem João L. Vilaça Versão 1.0 31/1/2014 Índice 1. Sistema de eixo e movimentos possíveis do Drone... 3 2. Imagem... 3 3. Espaços de cor... 4 4.1 RGB... 5 4.2HSV... 5 4.3 GRAY...

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas à manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

APOSTILA V DAC. Ferramentas Importantes

APOSTILA V DAC. Ferramentas Importantes APOSTILA V DAC Ferramentas Importantes FERRAMENTAS IMPORTANTES PARA A EXECUÇÃO DE UM DESENHO A importância do ZOOM A sintaxe do comando ZOOM permite selecionar um dos diferentes tipos de zoom, conforme

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA

Leia mais

Tomografia Computorizada

Tomografia Computorizada Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica Tomografia Computorizada Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, dodgeps@hotmail.com Rúben Pereira

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

NOKOMNN. d^i^ufp. j~åì~ä=çç=ìíáäáò~ççê. mçêíìöìæë=çç=_ê~ëáä. Manual do utilizador

NOKOMNN. d^i^ufp. j~åì~ä=çç=ìíáäáò~ççê. mçêíìöìæë=çç=_ê~ëáä. Manual do utilizador = NOKOMNN d^i^ufp j~åì~ä=çç=ìíáäáò~ççê mçêíìöìæë=çç=_ê~ëáä Manual do utilizador Índice 1 Introdução... 5 1.1 Estrutura do documento... 5 1.1.1 Identificação dos níveis de perigo... 5 1.1.2 Formatações

Leia mais

_PTBR. Guia de configuração de digitalização para aplicativos TWAIN

_PTBR. Guia de configuração de digitalização para aplicativos TWAIN _PTBR Guia de configuração de digitalização para aplicativos TWAIN Como usar a fonte de dados TWAIN Como iniciar a Ferramenta de validação de scanner... 2 A caixa de diálogo Ferramenta de validação de

Leia mais

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto.

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto. UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 2 Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples a) Defina um novo projeto para conter

Leia mais

Princípios Tomografia Computadorizada

Princípios Tomografia Computadorizada Princípios Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Histórico 1917 - Randon imagens projetadas > reproduziu 1967 Hounsfield >primeiro protótipo tipo Tomografia 1971 - H. Inglaterra > primeiro

Leia mais

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Projeto FlexiGrid IWA Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Aristófanes C. Silva Danilo Launde Lúcio Dias Roteiro PACS Definição Infra-Estrutura Camadas Problemas Soluções DICOM IWA Histórico

Leia mais

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Nota Técnica Aplicação de Física Médica em imagens de Tomografia de Crânio e Tórax Autores: Dário Oliveira - dario@cbpf.br Marcelo Albuquerque - marcelo@cbpf.br

Leia mais

Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho

Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho Objetivo da aula; Diagnóstico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica; Limitações do método. Definição

Leia mais

BrOffice.org 2.4 Imagens Abril / 2008 ESTE MATERIAL FOI DESENVOLVIDO EM PARCEIRA ENTRE A COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO METRÔ E A BARROS MARTINS TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO EM INFORMÁTICA LTDA

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

Desenhador de Escadas

Desenhador de Escadas Desenhador de Escadas Designsoft Desenhador de Escadas-1 Desenhador de Escadas-2 Desenhador de Escadas O Desenhador de Escadas facilita o desenho e a localização de escadas personalizadas no seu projeto.

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8 NAPNE / RENAPI Google SketchUp 8 Agosto de 2011 Sumário 1 Introdução... 4 2 Requisitos básicos... 4 3 Itens... 4 3.1 Assista os tutoriais em vídeo... 5 3.2 Leia dicas e truques... 6 3.3 Visite a Central

Leia mais

2- Quais são as características da computação gráfica?

2- Quais são as características da computação gráfica? QUESTÕES DE REVISÃO PARA A PROVA - COMPUTAÇÃO GRÁFICA 2014 1- Defina computação gráfica? A computação gráfica é a área da computação destinada à geração de imagens em geral em forma de representação de

Leia mais

Applets no Geogebra. Acesse os endereços dados a seguir e conheça exemplos de Applets. http://206.110.20.132/~dhabecker/geogebrahtml/index.

Applets no Geogebra. Acesse os endereços dados a seguir e conheça exemplos de Applets. http://206.110.20.132/~dhabecker/geogebrahtml/index. Applets no Geogebra Sonia Regina Soares Ferreira UFBA Applet é um software aplicativo que é executado no contexto de outro programa. Os applets geralmente tem algum tipo de interface de usuário, ou fazem

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Aula 3 - Registro de Imagem Registro é uma transformação geométrica que relaciona as coordenadas da imagem (linha e coluna) com as coordenadas geográficas (latitude e longitude)

Leia mais

Imagem digital 2. Resolução x dimensão da imagem

Imagem digital 2. Resolução x dimensão da imagem Uma imagem bitmapeada é formada por um conjunto de pixels. gerados no momento da digitalização da imagem (através do scanner ou câmera digital). PRODUÇÃO GRÁFICA 2 Imagem digital 2 Resolução x dimensão

Leia mais

Carestream PACS - Recurso 3D

Carestream PACS - Recurso 3D Carestream PACS Carestream PACS - Recurso 3D Agilize o fluxo de trabalho com a funcionalidade nativa 3D Uma eficiente nova dimensão no fluxo de trabalho, na produtividade e na confiança do diagnóstico

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

CONSTRUINDO CONSULTAS NO KOSMO 1.2

CONSTRUINDO CONSULTAS NO KOSMO 1.2 CONSTRUINDO CONSULTAS NO KOSMO 1.2 INTRODUÇÃO: Uma das funções básicas de um software de SIG é realizar consultas que em geral são usadas para análise de determinada realidade. Veremos nesse tutorial como

Leia mais

Figura 01: Aplicações do Filtro Espacial Passa-Baixa.

Figura 01: Aplicações do Filtro Espacial Passa-Baixa. 791 IMPLEMENTAÇÃO DE TÉCNICAS DE PRÉ-PROCESSAMENTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS PARA RADIOGRAFIAS CARPAIS Rafael Lima Alves 1 ; Michele Fúlvia Angelo 2 Bolsista PROBIC, Graduando em Engenharia de Computação,

Leia mais

O OpenOffice.org Impress

O OpenOffice.org Impress 1 O OpenOffice.org Impress O OpenOffice.org Impress é uma ferramenta excelente para a criação de apresentações multimídia realmente eficientes. Suas apresentações vão brilhar com figuras, efeitos especiais,

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

Vª JORNADAS DE RADIOLOGIA BASES FÍSICAS DA TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA

Vª JORNADAS DE RADIOLOGIA BASES FÍSICAS DA TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA Vª JORNADAS DE RADIOLOGIA BASES FÍSICAS DA TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA JOÃO COMBA INTERNO DE RADIOLOGIA CSE 21 DE OUTUBRO DE 2011 INTRODUÇÃO Após a descoberta dos Rx por W.K. Roentgen em 1895 e até aos anos

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS André Zuconelli 1 ; Manassés Ribeiro 2 1. Aluno do Curso Técnico em Informática, turma 2010, Instituto Federal Catarinense, Câmpus Videira, andre_zuconelli@hotmail.com

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 05: Editores de Imagem Paint / GIMP

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 05: Editores de Imagem Paint / GIMP PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 05: Editores de Imagem Paint / GIMP Desenho e Edição de Imagem Paint O Paint é um software utilizado para a criação de desenhos simples

Leia mais

4 Orbitais do Átomo de Hidrogênio

4 Orbitais do Átomo de Hidrogênio 4 Orbitais do Átomo de Hidrogênio A aplicação mais intuitiva e que foi a motivação inicial para desenvolver essa técnica é a representação dos orbitais do átomo de hidrogênio que, desde então, tem servido

Leia mais

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone COMO USAR O MAPA COM INDICADORES DO GEOPORTAL DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE DA BAHIA? Este documento fornece um passo a passo explicativo e ilustrado das principais ferramentas do Mapa com Indicadores do GeoPortal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS Microsoft Office PowerPoint 2007 Prof. M.Sc. Fábio Hipólito Julho / 2009 Visite o site:

Leia mais

Menu. No ecrã principal, alem do MENU, existem três separadores: Corte ortogonal, Corte em Curva e Corte Oblíquo. Corte Ortogonal

Menu. No ecrã principal, alem do MENU, existem três separadores: Corte ortogonal, Corte em Curva e Corte Oblíquo. Corte Ortogonal Menu Menu No menu o operador tem acesso à barra dos Ajustes, onde pode definir o contraste e luminosidade, o tipo de tecidos que quer observar (osso, pele) ou a cor em que quer ver os diferentes tecidos

Leia mais

ESTEREOSCOPIA. A reconstrução 3-D pode ser realizada em três condições

ESTEREOSCOPIA. A reconstrução 3-D pode ser realizada em três condições ESTEREOSCOPIA RECONSTRUÇÃO 3-D A reconstrução 3-D pode ser realizada em três condições CONHECIMENTO PRÉVIO RECONSTRUÇÃO 3-D A PARTIR DE DUAS VISTAS Parâmetros intrínsecos e Triangulação (coords. absolutas)

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instruções para Uso do Software VISIO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instruções para Uso do Software VISIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Instruções para Uso do Software VISIO Fevereiro/2006 Instruções para uso do Visio... 03 Instruções para Uso do Software VISIO 2 Instruções para uso do Visio O Visio 2003...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER

MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER 1 MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER 2 TERMO DE CONFIDENCIALIDADE As informações contidas neste documento são confidenciais e se constituem em propriedade da BLOCKSAT SISTEMAS DE SEGURANÇA LTDA

Leia mais

Modelo Digital de Terreno - V 6.5

Modelo Digital de Terreno - V 6.5 TCP MDT Modelo Digital de Terreno - V 6.5 Versão Standard Introdução A Versão Estandar é apropriada para a realização de todo tipo de projetos de levantamentos topográficos, perfis de terreno, cálculo

Leia mais

Tornando sites mais fáceis para visualização 16

Tornando sites mais fáceis para visualização 16 Primeiros passos com o essential Accessibility 3 O que é essential Accessibility? essential Accessibility : uma visão geral Sobre este manual Como instalar o essential Accessibility Requisitos do sistema

Leia mais

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras.

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras. MANUAL DO SISTEMA Introdução Apresentação Requisitos mínimos Instalação do programa Acessando o Secullum DVR Tela Principal Indicador de espaço em disco Disposição de telas Status de Gravação Usuário atual

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas a manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

OpenOffice.org 1.1.0 Imagens

OpenOffice.org 1.1.0 Imagens OpenOffice.org 1.1.0 Imagens Setembro/2003 Versão 1.0 1 LICENCIAMENTO DE USO DESTA DOCUMENTAÇÃO Este manual foi elaborado e é de propriedade da Companhia do Metropolitano de São Paulo - Metrô, sendo seu

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio Matriz de Especificação de Prova da : Técnico em Design de Móveis Descrição do Perfil Profissional: Desenvolve esboços, perspectivas e desenhos normatizados de móveis. Realiza estudos volumétricos e maquetes

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

MESTRADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO COMPUTAÇÃO GRÁFICA PROF A. CARLA FREITAS SISTEMA DE MODELAGEM DE SÓLIDOS POR SWEEP ROTACIONAL RELATÓRIO

MESTRADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO COMPUTAÇÃO GRÁFICA PROF A. CARLA FREITAS SISTEMA DE MODELAGEM DE SÓLIDOS POR SWEEP ROTACIONAL RELATÓRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CPGCC UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP CENTRO DE CIÊNCIAS DA ECONOMIA E INFORMÁTICA CCEI MESTRADO

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça CAVG Disciplina: Informática Apresentação Gráfica

Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça CAVG Disciplina: Informática Apresentação Gráfica Apresentação Gráfica Microsoft Office Power Point 1 Sumário 1. MICROSOFT POWER POINT... 4 1.1. INICIANDO O MICROSOFT POWER POINT... 4 2. CONHECENDO A INTERFACE DO POWER POINT... 5 2.1. O DOCUMENTO DO POWER

Leia mais