Visualização Volumétrica de Imagens Médicas através de Raycasting

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visualização Volumétrica de Imagens Médicas através de Raycasting"

Transcrição

1 Visualização Volumétrica de Imagens Médicas através de Raycasting Thiago Franco de Moraes (CTI), Paulo Henrique Junqueira Amorim (CTI), Tatiana Al-Chueyr Pereira Martins (CTI) Resumo Este artigo descreve a implementação da técnica de visualização volumétrica raycasting no software InVesalius 3, realizada a partir da reconstrução tridimensional de um conjunto de imagens de Tomografia Computadorizada bidimensionais. Para comparar a qualidade da visualização volumétrica implementada, foram utilizados o software proprietário Mimics, da empresa Materialise, e as versões anteriores do InVesalius (1 e 2). No artigo também é discutida a aplicação deste tipo de visualização por médicos, odontologistas e profissionais da área forense, apresentando a relevância do trabalho desenvolvido, em relação a tradicional visualização de superfícies tridimensionais, utilizada para prototipagem rápida. Palavras-chave: Visualização volumétrica, Raycasting, Imagens médicas. 1. Introdução 1.1. InVesalius InVesalius (INVESALIUS, 2010) é um software livre para reconstrução tridimensional de estruturas anatômicas. A partir de um conjunto de imagens bidimensionais, obtidas através de equipamentos de Tomografia Computadorizada ou Ressonância magnética, o programa permite que sejam gerados modelos tridimensionais (3D) da regiões anatômicas de interesse. O desenvolvimento do software InVesalius é financiado pelo CTI e o programa tem sido constantemente aprimorado através do Portal do Software Público (SOFTWARE PUBLICO, 2010). Até o momento já foram desenvolvidas três versões: InVesalius 1, disponibilizado em abril de 2004; InVesalius 2, disponibilizado em novembro de 2007; e InVesalius 3, disponibilizado em janeiro de 2010 e ainda em desenvolvimento. Para o desenvolvimento do InVesalius foram utilizadas tecnologias livres, dentre as quais destacam-se Python (linguagem de programação) (PYTHON, 2009) e Visualization Toolkit (VTK) (VTK, 2009). VTK é uma biblioteca open-source para computação gráfica 3D, processamento de imagens e visualização científica. Ela foi implementada em C++, seguindo os princípios de orientação a objetos (VTK, 2009), e oferece suporte a várias linguagens de programação, dentre elas Python. Neste trabalho foi utilizada a versão da biblioteca VTK mais recente, 5.4, utilizada para o desenvolvimento do InVesalius 3. Após reconstruir tridimensionalmente as imagens de entrada, que devem estar no formato DICOM (Digital Imaging and Communications in Medicine), o software InVesalius oferece duas possíveis formas de representar dados 3D, desenvolvidas com auxílio da biblioteca VTK: Superfícies, que são ocas e compostas por triângulos; Projeções volumétricas, que permitem representar os modelos preenchidos. Superfícies são utilizadas, por exemplo, para impressão física 3D, podendo ser salvas no formato STL (Stereolithography) e depois impressas através de Prototipagem Rápida.

2 Projeções volumétricas, por outro lado, podem ser de grande valia para análises de exames com radio-contraste, quando deseja-se analisar não somente um tecido como o osso, mas sua relação com tumores ou vasos, por exemplo. Antes de abordar mais profundamente a reconstrução tridimensional, serão discutidos alguns fundamentos de imagens médicas relevantes para o contexto da pesquisa Imagens de Tomografia Computadorizada Apesar do software InVesalius também oferecer suporte a reconstrução tridimensional de imagens provindas de equipamentos de Ressonância Magnética, no artigo será discutido apenas a utilização de imagens originadas através de equipamentos de Tomografia Computadorizada (TC). A tecnologia de TC é resultado de pesquisas da década de 60-70, como a de Godfrey Newbold Hounsfield (HASSANI et al, 1976). Esta tecnologia utiliza uma fonte de Raios-X e múltiplos sensores de Raios-X. Os Raios-X emitidos atravessam o objeto, que absorve parte dos Raios-X, e atingem os sensores de Raios-X. As informações dos sensores são enviados ao computador, o qual, baseado na absorção dos raios-x, gera uma imagem 2D. A maior diferença em relação ao Raio-X convencional é que a TC permite gerar uma seqüência de imagens correspondentes a seções do objeto de interesse ao invés de uma única imagem contendo todas as informações. A sequência de imagens obtidas através de tomógrafos corresponde a "fatias" do objeto de estudo, que não apresentam a sobreposição de tecidos do convencional Raio-X e podem ser reconstruídas em três dimensões posteriormente. Tanto em imagens radiográficas convencionais, quanto em imagens de tomografia, materiais menos densos absorvem menos radiação e materiais mais densos absorvem mais radiação. Esta característica permitiu que este tipo de exame fosse utilizado para auxílio a diagnóstico, possibilitando a fácil distinção entre tecidos como osso e pele, por exemplo. A escala de Hounsfield (HOUNSFIELD SCALE, 2010) foi criada para representar numericamente a absorção de Raios-X de acordo com o material ao qual eles eram aplicados, sendo nomeada em homenagem à Godfrey Newbold Hounsfield. Como apresentado na Figura 1, são necessários aproximadamente 2000 valores cinza para representar a escala Hounsfield - variância que não é distinguida pelos olhos de um ser humano. Ar Gordura Material Água Músculo +40 Contraste +130 Osso HU +400 ou mais Figura 1 - Escala de Hounsfield Para contornar as limitações da visão humana, é utilizado o recurso de Window Width e Window Level, popularmente conhecidos por brilho e contraste. Com este recurso é possível definir qual faixa da escala de cinza (Window level) e qual largura desta faixa (Window width) serão empregadas para ver os dados. A Figura 2 ilustra uma imagem com Window width e Window level ajustados para para osso (a), e a mesma imagem com window width e window

3 level para pulmão (b). (a) Window Level e Width para Osso (b) Window Level e Width para Pulmão Figura 2 - Aplicação de diferentes valores de Window Level e Window Width para destacar região anatômica de interesse 1.3. Reconstrução volumétrica A reconstrução volumétrica das imagens de tomografia computadorizada é feita através do "empilhamento" e a interpolação (THÉVENAZ et al, 2000) das imagens 2D, quer permite que sejam estimados os dados existentes na anatomia do paciente, mas que não estão presentes nos exames originais, devido ao espaçamento entre a aquisição das fatias. O "empilhamento" é realizado com base em informações contidas nos arquivos DICOM, incluindo a posição espacial e o espaçamento entre as imagens. O resultado é uma matriz tridimensional cujos elementos são conhecidos como voxel. Um voxel é a representação tridimensional de um pixel (bidimensional), e seu valor representa uma propriedade do volume, no caso de TC, é um valor da escala Hounsfield. Além de visualizar o volume em três dimensões, também é possível "fatiá-lo", analisando outras orientações, como sagital ou coronal, no caso do dado de entrada estar na axial. Visualização volumétrica é qualquer método que opera sobre dados volumétrico, no nosso caso, imagens médicas, e produz uma imagem. No InVesalius foi utilizada a técnica conhecida como Raycasting. De modo simplificado, nesta técnica para cada pixel da tela é traçado um raio de luz (dai o nome Raycasting) em direção ao objeto, a cor do pixel será baseado na cor do ponto e transparência de cada Voxel interceptado pelo raio de luz (MANSSOUR et al, 2002). Em TC os valores de cores e transparência são atribuidos aos níveis de cinza, e estes valores dependem da necessidade da pessoa que irá visualizar este volume e do estudo a ser realizado. 2. Metodologia 2.1. Levantamento requisitos O foco da primeira versão do InVesalius era a reconstrução de superfícies 3D, visando atender a prototipagem rápida. Apesar desta versão oferecer uma ferramenta para visualização volumétrica baseada em raycasting, ilustrada na Figura 3(a), ela possuia uma série de limitações, inclusive: Utilização de apenas uma cor; Janela pequena e com interface gráfica não intuitiva;

4 Impossibilidade de personalizar distribuição de cores; Impossibilidade de alterar window level e window width. Tais limitações desmotivavam cirurgiões a utilizarem a ferramenta, fazendo com que eles optassem por utilizar apenas recursos de superfícies 3D. Na ocasião, os usuários do programa constantemente apontavam que os modelos 3D do InVesalius estarem "ocos" em contraposição às regiões anatômicas "recheadas", e que as cores utilizadas no InVesalius 1 não serem realistas. Além desses detalhes, foi recentemente observado que o volume projetado através da técnica raycasting pelo InVesalius 1 está invertido, tornando-o inadequado para diagnóstico. Com base nas demandas apresentadas por cirurgiões, foi desenvolvido o módulo de visualização volumétrica no InVesalius 2, que já era iniciado após a importação de imagens DICOM. A Figura 3(b) ilustra a ferramenta disponível na segunda versão do InVesalius. Apesar de apresentar melhoras significativas em relação a versão prévia do programa, a nova ferramenta de raycasting possuia as seguintes limitações: Os valores pré-definidos eram inadequados e não apresentavam resultados satisfatórios para a maior parte dos casos; A ferramenta para personalizar e configurar os parâmetros de raycasting era bastante confusa e de difícil uso; Lentidão de atualização de modificações no volume; Não era possível salvar as configurações personalizadas, para aplicá-las ao mesmo caso posteriormente ou a novos casos. Tais problemas impediam que usuários pudessem analisar as projeções volumétricas com clareza, principalmente quando havia interesse em vias aéreas ou regiões destacadas pelo contraste. Com base nas experiências prévias, foram definidos os requisitos do novo módulo de visualização volumétrica, que seria desenvoldio e adicionado ao InVesalius 3: Presets de cores e transparências adequadas; Facilidade de uso; Flexibilidade para usuário aumentar/diminuir janela; Melhorar desempenho; Permitir que usuário pudesse salvar seus próprios presets em arquivo, e depois carregá-los em outros projetos.

5 (a) Raycasting no InVesalius 1 (b) Raycasting no InVesalius 2 Figura 3 - Projeção volumétrica nas versões anteriores 2.2. Implementação O desenvolvimento do módulo de raycasting está diretamente vinculado a biblioteca VTK e segue a arquitetura de pipelines, onde a saída de um objeto é a entrada de um outro objeto. Um pipeline pode conter loops e ramificações. A Figura 4 ilustra o pipeline utilizado para elaboração da visualização volumétrica. Figura 4 - Pipeline No caso do pipeline em questão, a principal entrada é um a matriz cúbica de voxels em tons de cinza que contém as imagens médicas interpoladas. Utilizou-se a classe vtkimagedata para representar tais dados, a qual foi criada a partir da interpolação de um conjunto de imagens DICOM. O objetivo deste pipeline é atribuir cor e transparência a cada voxel cinza da matriz estudada, possibilitando a visualização volumétrica. Para a criação de um vtkvolume para projeção raycasting, além dos dados originais interpolados no formato vtkimagedata, também é necessário prover um conjunto de valores que contém as propriedades do volume (vtkvolumeproperty), tais como a relação de níveis de cinza para cores e transparências pré-definidas. Denominamos presets este conjunto de valores. Foram utilizados 30 conjuntos de presets-padrão de cores e transparências, baseados nos presets de softwares simliares. No que diz respeito as propriedades do volume, utilizou-se a classe vtkcolortransferfunction para atribuir cores aos voxels de entrada. Como esta

6 classe interpola os dados de entrada, é possível, por exemplo, atribuir a cor vermelho ao nível de cinza 100, e azul ao nível 500, e então a faixa de níveis de cinza entre 100 e 500 são atribuídas cores crescentes do gradiente entre vermelho e azul. Adicionalmente, foi utilizada a classe vtkpiecewisefunction para a atribuição de transparência ao níveis de cinza. Semelhante a vtkcolortransferfunction, esta classe permite atribuir transparências aos níveis de cinza, interpolando transparências entre níveis de cinza cujas transparências foram definidas. Por realizarem interpolação tanto a classe vtkcolortransferfunction quanto a classe vtkpiecewisefunction eliminam a necessidade de atribuir cores ou transparências a todos os níveis de cinza. A saída de ambas as classes, conforme descrito no pipeline, são utilizadas de entrada na classe vtkvolumeproperty. Assim que a classe vtkvolume contém a matriz de entrada e são definidas suas propriedades, é necessário selecionar um vtkmapper que permita a extração das primitivas do volume para a posterior renderização. Para trabalhar com projeção raycasting, a biblioteca VTK possui duas classes: vtkvolumeraycastmapper e vtkfixedpointvolumeraycastmapper. Para definir qual classe seria empregada no InVesalius 3, foram realizados testes utilizando o exame de código 0022, que contém 257 imagens DICOM, do conjunto de exames disponíveis no CTI. Após a reconstrução, alterou-se o ângulo de visão do modelo (antes frontal) para direita e cronometrou-se o tempo para atualização. O teste foi feito dez vezes para cada uma das classes, em um computador com processador Intel Core 2 Quad, com 4GB de memória e com placa de vídeo GeForce 8600 GT. Os resultados são discutidos na próxima sessão do trabalho. Uma vez definido o mapper de interesse, é necessário renderizar os dados, ou seja, converter as geometrias tridimensionais de modo que o usuário final tenha uma visualização 2D adequada. Para isso são utiizadas as classes vtkrenderer e vtkrenderwindow. O vtkrenderer é uma interface abstrata para implementações concretas, como o vtkopenglrenderer. Já a janela de renderização, ou vtkrenderwindow, é um método independente de interface gráfica que oferece suporte a interação com interface gráfica, incluindo tratamento de eventos como cliques de mouse e interações via teclado. Para elaboração da inteface gráfica para interação com o usuário, foi elaborada uma ferramenta ou widget com o qual o usuário pode personalizar os presets existentes, adicionando novos ponto e, alterando cores e transparências de acordo com o nível de cinza dos voxels de interese. Estas modificações podem ser salvas em novos presets. A Figura 5 ilustra tal ferramenta. Figura 5 Widget O widget desenvolvido contém vértices e compõe curvas, que são projetadas sobre o histograma do exame. Cada vértice possui uma cor e define determinada transparência, com base em sua posição relativa ao eixo y. O eixo x de cada vértice define qual nível de cinza do exame original, e como conseqüência os voxels dessa tonalidade, serão mapeados para a cor e a transparência do vértice correspondente. As curvas formadas pelos vértices compõe polígonos sobre a abiscissa e o preenchimento destes polígonos é diretamente vinculado a coloração dos vértices. O ícone na forma de disquete oferece ao usuário a opção de gravar as

7 suas alterações em um novo preset. Outra forma de interação com o raycasting é através do ferramenta de Window Width e Window Level. Quando esta funcionalidade está acionada, é possível alterar o mapeamento de cores e transparência movimentando o mouse com botão esquerdo pressionado sobre o volume. Os movimentos no sentido vertical correspondem a aumentar (para cima) ou diminuir (para baixo) o Window Width, enquanto os movimentos no sentido horizontal correspondem a deslocar a curva de interesse para direita ou deslocar a curva para esquerda em relação ao histograma (Window Level). 3. Resultados Inicialmente, houve a comparação e seleção do mapper mais adequado para a visualização volumétrica no InVesalius 3. Comparando vtkvolumeraycastmapper e vtkfixedpointvolumeraycastmapper foi possível avaliar que as principais diferenças entre estas duas classes são a velocidade e a qualidade de renderização. Constatouse que a classe vtkfixedpointvolumeraycastmapper é mais rápida que classe vtkvolumeraycastmapper. Segundo a metodologia proposta anteriormente, a primeira classe teve um tempo médio de 0.7 segundos, enquanto a segunda teve um tempo médio de cerca de 2.4 segundos. Ou seja, a classe vtkvolumeraycastmapper é mais de três vezes mais lenta que a classe vtkfixedpointvolumeraycastmapper. No que diz respeito a qualidade do volume gerado, foi observado que vtkvolumeraycastmapper gerou reconstruções mais detalhadas do que a classe vtkfixedpointvolumeraycastmapper. A Figura 6 apresenta a diferença de qualidade na visualização de veias e vasos sanguíneos, principalmente na região do pescoço, mandíbula e lateral do crânio. Optou-se por utilizar a classe vtkfixedpointvolumeraycastmapper por padrão no InVesalius 3, com base em pareceres de cirurgiões, que justificaram que a diferença de qualidade não justificava a diferença de velocidade de renderização entre as implementações. (a) vtkvolumeraycastmapper (b) vtkfixedpointvolumeraycastmapper

8 Figura 6 Em relação as versões prévias do InVesalius, houve clara facilitação na utilização da ferramenta. O resultado do trabalho pode ser analisado na Figura 7, onde a visualização volumétrica gerada pelo InVesalius 3 é comparada a visualização volumétrica de uma aplicação comercial proprietária chamada Mimics, da empresa belga Materialize. (a) Raycasting no InVesalius 3 (b) Raycasting no Mimics 13 Figura 7 - Comparação do raycasting no InVesalius 3 e no software comercial Mimics 13. Cirurgiões, médicos, odontologistas e profissionais da área forense demonstraram contentamento com a implementação de projeção volumétrica no InVesalius 3. Tais profissionais apontaram que ocorreram melhorias significativas na qualidade, interatividade e desempenho em relação as versões prévias e mesmo em relação a software comerciais da área, como o Mimics. Apontou-se também o uso educacional desta ferramenta, através da criação de atlas digitais. Outra aplicação é endoscopia digital, em que o cirurgião simula inspeções invasivas diretamente no volume, assim evitando a introdução de objetos estranhos no corpo do paciente. Na área forense, o recurso de visualização volumétrica é de grande valia e auxilia investigadores forenses e advogados a interpretarem imagens de tomografia computadorizada ou ressonância magnética na forma de um modelo virtual 3D completo e interativo, podendo com isso avaliar de forma mais adequada casos de homicídio, por exemplo, nos quais é importante a distinção de estruturas e regiões tridimensionalmente. 4. Conclusão Através do desenvolvimento desta pesquisa foi possível analisar a importância da visualização volumétrica através de raycasting para auxilio a diagnóstico, quando devidamente implementada. Foram observadas significativas melhorias em relação as versões prévias do InVesalius e a softwares comerciais, sendo que acredita-se que os maiores diferenciais foram a utilização de valores pré-definidos (presets) adequados e uma interface gráfica de fácil utilização. Tais características fizeram com que profissionais de diversas áreas fossem beneficiados com o uso do programa em diversos contextos, incluindo ensino,

9 diagnóstico e análise forense. Para trabalhos futuros, espera-se elaborar novos presets para TC, e RM e outras modalidades de imagens médicas. Adicionamente, pretende-se utilizar a GPU (Graphical Processor Unit) para a geração da visualização volumétrica, otimizando o desempenho do programa. Utilizando a GPU será possível permitir a interação rápida e de qualidade. Referências HASSANI, N.; R. KHOMEINI, & R. BARD Principles of computerized tomography. Journal of the National Medical Association Vol. 68, no. 2 (March), p HOUNSFIELD SCALE, acessado 21/03/2010 INVESALIUS, acessado em 15/03/ MANSSOUR, ISABEL HARB & FREITAS, CARLA MARIA DAL SASSO, Visualização Volumétrica, Revista de Informática Teórica e Aplicada Vol. IX, no. 2 (2002), p PYTHON, acessado em 15/03/2010. SOFTWARE PUBLICO, acessado em 15/03/ THÉVENAZ, PHILIPPE; BLU, THIERRY & UNSER, MICHAEL, Interpolation Revisited, IEEE TRANSACTIONS ON MEDICAL IMAGING Vol. 19, no. 7 (July 2000), p VTK, acessado em 15/03/2010.

InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário

InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário Versão 1.0 (26/01/2009) 1 Sobre o InVesalius InVesalius é um software público para área de saúde que realiza análise e segmentação de modelos anatômicos virtuais,

Leia mais

Medições em Imagens Médicas Tridimensionais utilizando VTK

Medições em Imagens Médicas Tridimensionais utilizando VTK Medições em Imagens Médicas Tridimensionais utilizando VTK Thiago Franco de Moraese 1, Tatiana Al Chueyr Martins Rospendowski 1, Paulo Henrique Junqueira Amorim 1 1 Centro de Tecnologia da Informação Renato

Leia mais

InVesalius: Software Livre de Imagens Médicas

InVesalius: Software Livre de Imagens Médicas InVesalius: Software Livre de Imagens Médicas Paulo H. J. Amorim 1, Thiago F. de Moraes 1, Fábio de S. Azevedo 1, Jorge V. L. da Silva 1 1 Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer - CTI Rodovia

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS André Zuconelli 1 ; Manassés Ribeiro 2 1. Aluno do Curso Técnico em Informática, turma 2010, Instituto Federal Catarinense, Câmpus Videira, andre_zuconelli@hotmail.com

Leia mais

ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS DIGITAIS: INVESALIUS

ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS DIGITAIS: INVESALIUS ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS DIGITAIS: INVESALIUS ADRIANY DA S. CARVALHO * EDUILSON LÍVIO NEVES DA C. CARNEIRO ** Resumo. O presente trabalho se propõe, através de uma revisão

Leia mais

Medições em Imagens Médicas Tridimensionais utilizando VTK

Medições em Imagens Médicas Tridimensionais utilizando VTK Medições em Imagens Médicas Tridimensionais utilizando VTK Thiago Franco de Moraes 1, Tatiana Al-Chueyr Martins Rospendowski 1, Paulo Henrique Junqueira Amorim 1 1 Centro de Tecnologia da Informação Renato

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA DAS RADIAÇÕES Prof. Emerson Siraqui CONCEITO Método que permite estudar o corpo em cortes ou fatias axiais ou trasversais, sendo a imagem obtida atraves dos Raios-X com o auxílio do computador (recontrução).

Leia mais

AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO

AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO Assunto: Software de Planejamento de Tratamento por Radiação da Brainlab: Para uso em software Brainlab, sequências de imagens (excluindo tomografias)

Leia mais

IMPLANTVIEWER MANUAL DO USUÁRIO. Versão 1.4

IMPLANTVIEWER MANUAL DO USUÁRIO. Versão 1.4 IMPLANTVIEWER MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.4 Índice 1 Introdução... 4 2 Iniciando... 6 2.1 Instalação... 6 2.2 Requisitos de hardware... 7 2.3 Sistema operacional... 7 3 Convertendo um projeto... 8 3.1 Importando

Leia mais

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT.

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. PÁGINA: 2 de 21 Nenhuma parte deste documento pode ser utilizado ou reproduzido, em qualquer meio

Leia mais

Aula 03 PowerPoint 2007

Aula 03 PowerPoint 2007 Aula 03 PowerPoint 2007 Professor: Bruno Gomes Disciplina: Informática Básica Curso: Gestão de Turismo Sumário da aula: 1. Abrindo o PowerPoint; 2. Conhecendo a Tela do PowerPoint; 3. Criando uma Nova

Leia mais

Imagem digital 2. Resolução x dimensão da imagem

Imagem digital 2. Resolução x dimensão da imagem Uma imagem bitmapeada é formada por um conjunto de pixels. gerados no momento da digitalização da imagem (através do scanner ou câmera digital). PRODUÇÃO GRÁFICA 2 Imagem digital 2 Resolução x dimensão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice Índice Capítulo 10 Inserindo figuras e objetos... 2 Configurando AutoFormas... 2 Criando Caixas de Texto... 3 Inserindo Linhas e Setas... 3 Utilizando WordArt... 4 Inserindo Figuras... 5 Configurando figuras...

Leia mais

Visualização Científica. Pedro de Botelho Marcos Março/2008. Núcleo de Computação Científica Tópicos Avançados em Computação II

Visualização Científica. Pedro de Botelho Marcos Março/2008. Núcleo de Computação Científica Tópicos Avançados em Computação II Pedro de Botelho Marcos Março/2008 1 Sumário Introdução Ciclo de Visualização Dados 3D Dados Vetoriais Referências 2 Introdução O que? Representação visual de dados. Para? Facilitar a análise de grandes

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

1 Introdução. Sistemas de Autoria

1 Introdução. Sistemas de Autoria 1 Introdução Sistemas de Autoria O momento atual impulsiona a computação a lançar um novo olhar sobre a Educação, focados para as possibilidades da construção de um mundo de inovações onde as tecnologias

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário Smart Laudos 1.9 A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos Manual do Usuário Conteúdo 1. O que é o Smart Laudos?... 3 2. Características... 3 3. Instalação... 3 4. Menu do Sistema... 4 5. Configurando

Leia mais

Figura 01: Aplicações do Filtro Espacial Passa-Baixa.

Figura 01: Aplicações do Filtro Espacial Passa-Baixa. 791 IMPLEMENTAÇÃO DE TÉCNICAS DE PRÉ-PROCESSAMENTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS PARA RADIOGRAFIAS CARPAIS Rafael Lima Alves 1 ; Michele Fúlvia Angelo 2 Bolsista PROBIC, Graduando em Engenharia de Computação,

Leia mais

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna O que é uma planilha eletrônica? É um aplicativo que oferece recursos para manipular dados organizados em tabelas. A partir deles pode-se gerar gráficos facilitando a análise e interpretação dos dados

Leia mais

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas Eizo Soluções Médicas Conceitos Básicos RADIOLOGIA DIGITAL Entenda os conceitos, termos e a história da radiologia ; os benefícios, desafios e o futuro da radiologia digital INTRODUÇÃO Para profissionais

Leia mais

Guia de Instalação e Utilização do plugin para Reconstrução Tomográfica em SPECT

Guia de Instalação e Utilização do plugin para Reconstrução Tomográfica em SPECT Guia de Instalação e Utilização do plugin para Reconstrução Tomográfica em SPECT Índice C Comentários 3 I Instalação 4 R Reconstrução tomográfica pelo método FBP 5 Reconstrução tomográfica pelo método

Leia mais

Website: professorsiraqui.com.br

Website: professorsiraqui.com.br TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA Website: professorsiraqui.com.br ESCALA DE DENSIDADE DE HOUNSFIELD-UH As diferentes densidades de teciduais é possível pela medida dos índices de atenuação; Os índices de atenuação

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Informática Aplicada a Radiologia

Informática Aplicada a Radiologia Informática Aplicada a Radiologia Apostila: Imagem Digital parte I Prof. Rubens Freire Rosa Imagem na forma digital A representação de Imagens na forma digital nos permite capturar, armazenar e processar

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1... 3 Apresentação do Photoshop... 3 Barra de Menus... 3 Barra de Opções... 3 Barra de Ferramentas...4

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

Como fazer busca de imagem no Google?

Como fazer busca de imagem no Google? Como fazer busca de imagem no Google? Passo 1: Acesse o endereço do Google e depois clique na opção Imagens, que fica na barra superior da página Passo 2. Digite a palavra que procura. Observe que o Google

Leia mais

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003 Entendendo o Astigmatismo MAS450/854 Primavera 2003 9 de março de 2003 Introdução Lentes especiais sem astigmatismo Lentes cilíndricas cruzadas com astigmatismo o Foco horizontal o Foco vertical o Plano

Leia mais

Prof. Msc Elvis Pontes. Unidade IV TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Prof. Msc Elvis Pontes. Unidade IV TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Msc Elvis Pontes Unidade IV TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Formatação de planilhas Configuração de páginas; Layout da página; Margens Formatação de planilhas Definir todas as margens, com medidas personalizadas;

Leia mais

Manual do Contribuidor. Portal de Internet. Projeto: Novo Portal de internet

Manual do Contribuidor. Portal de Internet. Projeto: Novo Portal de internet Manual do Contribuidor Portal de Internet Projeto: Novo Portal de internet 1. Propósito Este documento tem o propósito de orientar usuários a utilizar as funcionalidades do portal do Inea no modo de contribuição.

Leia mais

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Introdução. Servidor de Tempo (SNTP) com opção de horário de verão automático; 1 Cadastro do novo modelo de equipamento Urano Topmax SS

Introdução. Servidor de Tempo (SNTP) com opção de horário de verão automático; 1 Cadastro do novo modelo de equipamento Urano Topmax SS Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Guia de Novas Funcionalidades Urano Integra 2.3 Data: 15/04/2015

Leia mais

Manual da AGENDA GRACES 2011

Manual da AGENDA GRACES 2011 1 Agenda Graces Manual da AGENDA GRACES 2011 O Sistema Agenda Graces integrada ao Sistema Graces e Agenda Graces Grátis foi desenvolvido pela empresa Quorum Informática. Este Manual tem por objetivo atender

Leia mais

Reconstrução de Imagens em Radiologia Médica. M.Sc. Walmor Cardoso Godoi http://www.walmorgodoi.com

Reconstrução de Imagens em Radiologia Médica. M.Sc. Walmor Cardoso Godoi http://www.walmorgodoi.com Reconstrução de Imagens em Radiologia Médica M.Sc. Walmor Cardoso Godoi http://www.walmorgodoi.com Agenda 1. Reconstrução Tomográfica em TC e MN 1. Retroprojeção e Filtros 2. Visualização Científica na

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema.

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema. O que é o projeto O PROINFODATA - programa de coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras tem como objetivo acompanhar o estado de funcionamento dos laboratórios

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA

Leia mais

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Projeto FlexiGrid IWA Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Aristófanes C. Silva Danilo Launde Lúcio Dias Roteiro PACS Definição Infra-Estrutura Camadas Problemas Soluções DICOM IWA Histórico

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 05: Editores de Imagem Paint / GIMP

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 05: Editores de Imagem Paint / GIMP PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 05: Editores de Imagem Paint / GIMP Desenho e Edição de Imagem Paint O Paint é um software utilizado para a criação de desenhos simples

Leia mais

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

MANUAL PARA INCLUSÃO DIGITAL- ANDRAGOGIA

MANUAL PARA INCLUSÃO DIGITAL- ANDRAGOGIA Inclusão Digital - Software - Sistema Operacional (SO) Introdução O objetivo dessa cartilha é informar o usuário das características básicas dos softwares, do Sistema Operacional utilizados em um computador.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES Matheus Montanini Breve (PIBIC-Jr), Miguel Angel Chincaro Bernuy (Orientador), e-mail: migueltrabalho@gmail.com Universidade Tecnológica

Leia mais

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico Tomografia Computadorizada I Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04 Sistema Tomográfico Podemos dizer que o tomógrafo de forma geral, independente de sua geração, é constituído

Leia mais

Desenhador de Escadas

Desenhador de Escadas Desenhador de Escadas Designsoft Desenhador de Escadas-1 Desenhador de Escadas-2 Desenhador de Escadas O Desenhador de Escadas facilita o desenho e a localização de escadas personalizadas no seu projeto.

Leia mais

Sistema de Navegação Aim nav

Sistema de Navegação Aim nav Sistema de Navegação Aim nav Tecnologia de ponta desde sua criação Redução do tempo cirúrgico, aumento da precisão e redução de riscos para o paciente. Com foco nos principais objetivos da neurocirurgia,

Leia mais

Importância do exame radiográfico

Importância do exame radiográfico Exames e Indicações Importância do exame radiográfico O exame radiográfico de rotina associado ao exame clínico é a maneira mais efetiva de se obter o índice diagnóstico de 100% de cárie (segundo Estevam

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Caderno 1.

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Caderno 1. Caderno 1 Índice MS-Windows 7: conceito de pastas, diretórios, arquivos e atalhos, área de trabalho, área de transferência, manipulação de arquivos e pastas, uso dos menus, programas e aplicativos, interação

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE APARELHOS DE RAIO X EM IMAGENS DE TOMOGRAFIA DE CRÂNIO E TÓRAX

CALIBRAÇÃO DE APARELHOS DE RAIO X EM IMAGENS DE TOMOGRAFIA DE CRÂNIO E TÓRAX CMNE/CILAMCE 2007 Porto, 13 a 15 de Junho, 2007 APMTAC, Portugal 2007 CALIBRAÇÃO DE APARELHOS DE RAIO X EM IMAGENS DE TOMOGRAFIA DE CRÂNIO E TÓRAX Dário A.B. Oliveira 1 *, Marcelo P. Albuquerque 1, M.M.G

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

MODELANDO COM SPLINES E PATCHES, E NÃO POLÍGONOS

MODELANDO COM SPLINES E PATCHES, E NÃO POLÍGONOS T utorial por David Oilveira Figuras 1A e 1B Animation Master Parte 2 Modelando Personagens Orgânicos no AM Figura 2 MODELANDO COM SPLINES E PATCHES, E NÃO POLÍGONOS Um dos pontos diferenciais do Animation

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Word 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

RECONSTRUÇÃO NA TC MPR MPR 2D coronal, sagital e transaxiais.

RECONSTRUÇÃO NA TC MPR MPR 2D coronal, sagital e transaxiais. RECONSTRUÇÃO NA TC Reformatação multiplanar (bidimensional) MPR, um conjunto de dados volumétricos da TC, esse conjunto de dados pode ser reconstruído em secções em qualquer plano desejado, gerando imagens

Leia mais

WordPress Institucional UFPel Guia Rápido

WordPress Institucional UFPel Guia Rápido GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NÚCLEO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SEÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA WEBSITES WordPress Institucional UFPel Guia Rápido Versão 2.0.1 Março de 2015 Introdução

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER

MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER 1 MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER 2 TERMO DE CONFIDENCIALIDADE As informações contidas neste documento são confidenciais e se constituem em propriedade da BLOCKSAT SISTEMAS DE SEGURANÇA LTDA

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho Aluno : Aristófanes Corrêa Silva Professor : Paulo Cezar Carvalho Setembro/2001 Tópicos 1ª Fase Projeto VISMED Estimativa de Volume Pulmonar 2ª Fase Aquisição da Imagem Tomografia computadorizada Dicom

Leia mais

Manual. V e r s ã o i P a d

Manual. V e r s ã o i P a d Manual V e r s ã o i P a d índice I. Introdução II. Procedimentos básicos III. A agenda IV. Clientes V. Prontuário VI. Configurações VII. Medicamentos VIII. Tags IX. Receitas X. Contato I Introdução O

Leia mais

Solute Manager Gerenciador de Conteúdo Manual de Utilização

Solute Manager Gerenciador de Conteúdo Manual de Utilização Solute Manager Gerenciador de Conteúdo Manual de Utilização SITE LABORATÓRIO SÃO JOSÉ ÍNDICE INTRODUÇÃO PÁG 03 USUÁRIOS DO SISTEMA PÁG 04 NOTÍCIAS PÁG 06 PÁGINAS INTERNAS PÁG 13 DICAS PÁG 16 BANNERS PÁG

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilização Índice 1 Introdução...2 2 Acesso ao Sistema...3 3 Funcionamento Básico do Sistema...3 4 Tela Principal...4 4.1 Menu Atendimento...4 4.2 Menu Cadastros...5 4.2.1 Cadastro de Médicos...5

Leia mais

Manual do Contribuidor. Portal de Internet. Projeto: Novo Portal de internet

Manual do Contribuidor. Portal de Internet. Projeto: Novo Portal de internet Manual do Contribuidor Portal de Internet Projeto: Novo Portal de internet 1. Propósito Este documento tem o propósito de orientar usuários a utilizar as funcionalidades do portal do Inea no modo de contribuição.

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO PROGRAMA PRO-ÍRIS (Controle Clínico e Irisdiagnose)

MANUAL DE UTILIZAÇÃO PROGRAMA PRO-ÍRIS (Controle Clínico e Irisdiagnose) MANUAL DE UTILIZAÇÃO PROGRAMA PRO-ÍRIS (Controle Clínico e Irisdiagnose) O Programa Pró Íris foi desenvolvido pela Castells, visando tornar-se uma valiosa ferramenta auxiliar de ajuda ao profissional da

Leia mais

Aula 04 Word. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/

Aula 04 Word. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Aula 04 Word Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Agenda da Aula Editor de Texto - Word Microsoft Office Conjunto de aplicativos para escritório que contém programas

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado.

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. , ()! $ Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. Uma estratégia muito utilizada para organizar visualmente informações numéricas

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução:

Capítulo 1 - Introdução: Capítulo 1 - Introdução: Todo desenho comunica uma ideia e a expressão gráfica é uma linguagem que passa o pensamento para o papel ou computador, facilitando a comunicação de quem envia ou recebe uma informação.

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas à manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

FKcorreios - Geração 2

FKcorreios - Geração 2 FKcorreios - Geração 2 Instalação do módulo Faça o download do arquivo FKcorreiosg2.zip, salvando-o em uma pasta em seu computador. Entre na área administrativa de sua loja: Entre no menu Módulos/Módulos.

Leia mais

PORTAL PROCESSUAL E AJUIZAMENTO ELETRÔNICO

PORTAL PROCESSUAL E AJUIZAMENTO ELETRÔNICO PORTAL PROCESSUAL E AJUIZAMENTO ELETRÔNICO A partir do dia 17/09/2012 foi disponibilizado, no site da SJES, o acesso ao Portal Processual, que consolida as principais funcionalidades do sistema de acompanhamento

Leia mais

Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização

Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização Sumário 1. Configurações Iniciais...2 1.1. Configurando o Menu Personalizado...2 1.2. Configurando os Widgets...3 2. Localize o nome de

Leia mais

Microsoft PowerPoint 2003

Microsoft PowerPoint 2003 Página 1 de 36 Índice Conteúdo Nº de página Introdução 3 Área de Trabalho 5 Criando uma nova apresentação 7 Guardar Apresentação 8 Inserir Diapositivos 10 Fechar Apresentação 12 Abrindo Documentos 13 Configurar

Leia mais

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT O PowerPoint é uma poderosa ferramenta que faz parte do pacote Office da Microsoft. O principal uso desse programa é a criação de apresentação de slides, para mostrar

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass Visão Computacional e Realidade Aumentada Trabalho 3 Reconstrução 3D Pedro Sampaio Vieira Prof. Marcelo Gattass 1 Introdução Reconstrução tridimensional é um assunto muito estudado na área de visão computacional.

Leia mais

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone COMO USAR O MAPA COM INDICADORES DO GEOPORTAL DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE DA BAHIA? Este documento fornece um passo a passo explicativo e ilustrado das principais ferramentas do Mapa com Indicadores do GeoPortal

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

Sistema de Navegação Aimnav

Sistema de Navegação Aimnav Sistema de Navegação Aimnav Tecnologia de ponta desde sua criação Aumento da precisão, redução do tempo cirúrgico e dos riscos para o paciente. Com foco nos principais objetivos da neurocirurgia, a Micromar

Leia mais

PEDIDO Manual OPERACIONAL

PEDIDO Manual OPERACIONAL SISTEMA DE GESTÃO HDIAS HAMILTON DIAS (31) 8829.9195 8540.8872 www.hdias.com.br hamilton-dias@ig.com.br PEDIDO Manual OPERACIONAL Pagina 2 de 34 ÍNDICE Pedido... 4 Como Acessar... 4 Como Localizar Pedido...

Leia mais

Sistema Modelix-G (Modelix-Grafix)

Sistema Modelix-G (Modelix-Grafix) Sistema Modelix-G (Modelix-Grafix) 1) Introdução 1 2) Utilizando o Sistema Modelix-G impresso (paper) 1 3) Utilizando o Sistema Modelix-G com software 4 4) Divulgando seus projetos e idéias 7 1) Introdução

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO 1 Índice Administração de Documentos...2 Lista de documentos criados...3 Criando um novo documento...3 Barra de ferramentas do editor...4 Editando um documento...7 Administrando suas

Leia mais

O que há de novo. Audaces Idea

O que há de novo. Audaces Idea O que há de novo Audaces Idea Com o propósito de produzir tecnologia de ponta, o principal requisito da Política de Qualidade da Audaces é buscar a melhoria contínua de seus produtos e serviços. Inovadora

Leia mais

CMS Cyclops Medical Station. Manual de Instalação

CMS Cyclops Medical Station. Manual de Instalação CMS Cyclops Medical Station Manual de Instalação CMS Cyclops Medical Station Manual de Instalação http://www.telemedicina.ufsc.br/cms/ mailto: cms@telemedicina.ufsc.br INE (telefone) +55 048 3331 9498

Leia mais

BRIP. Índice. I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05

BRIP. Índice. I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05 BRIP Índice I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05 1 Aulas interativas 05 2 E-manuais 09 Temas 09 Pesquisa global de Recursos Educativos Digitais 11.1 Pesquisa

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais