Arquiteturas de Computadores Paralelos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquiteturas de Computadores Paralelos"

Transcrição

1 Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1

2 Paralelismo O estudo de paralelismo está ligado ao fato de que, a limitação de um único processador não poder aumentar indefinidamente seus recursos computacionais, como por exemplo a frequência. O paralelismo pode ser introduzido em vários níveis: Paralelismo a nível de CHIP; Adição de processadores especializados; Multiprocessadores; Multicomputadores; 2

3 Paralelismo Soluções de processamento de multiplos CPUs são consideradas como: Fortemente aclopadas devido a proximidade das CPUs; Fracamente aclopadas devido a distância entre CPUs. 3

4 Paralelismo no CHIP Um modo de aumentar a produtividade de CHIP é conseguir que ele faça várias coisas ao mesmo tempo. Multithreading Multicore Duas técnicas são utilizadas: 4

5 Paralelismo a nível de instrução (Pipeline) Inicialmente o paralelismo de instrução é baseado na busca antecipada das instruções, dividindo a busca e a execução em duas partes distintas. O Pipeline (paralelismo, tubulação) amplia essa estratégia em vários estágios de busca e execução, criando o caminho dos dados. 5

6 Paralelismo a nível de instrução (Pipeline) 6

7 Paralelismo a nível de Processador Esse tipo de paralelismo é uma técnica que busca o ganho de desempenho associando duas ou mais CPUs organizados para executar uma determinada tarefa. Técnicas utilizadas: Computadores matriciais (Matriz de processadores dedicados) Multiprocessadores (Conjunto de processadores independentes) Multicomputadores 7

8 Multicomputadores Esse tipo de paralelismo é uma técnica que une CPUs, que estão fracamente aclopadas, utilizando-se da troca de mensagens para excecução de uma determinada tarefa. Cluster ativo-ativo Cluster ativo-passivo Técnicas utilizadas: 8

9 Multicomputadores - Cluster ativo x ativo Cluster com balanceamento de carga, onde os servidores dividem as requisições (ativo/ativo) MORIMOTO 9

10 Multicomputadores - Cluster ativo x passivo Em vez de montar um único servidor com componentes redundantes, existe também a opção de usar um cluster de alta disponibilidade (chamados de "high-availability clusters" ou "failover clusters"), onde são usados dois servidores completos, onde a única função do segundo servidor é assumir a posição do primeiro em caso de falhas (modo chamado de ativo/passivo), diferente de um cluster com balanceamento de carga, onde os servidores dividem as requisições (ativo/ativo) MORIMOTO 10

11 Paralelismo por Software É possivel executar um programa com capacidade de dividir uma tarefa em pequenas partes e executá-las em paralelo. Como por exemplo diversos cálculos matemáticos ou até mesmo atender a requisição de vários clientes, sem que seja necessário formar uma fila de processamento. Threads Processos filhos (fork) Técnicas utilizadas: 11

12 Paralelismo por Software Programar um multicomputador requer software especial, usualmente blibliotecas, para manipular a comunicação e a Sincronização entre processos. TANENBAUM Sistemas de troca de mensagens têm dois ou mais processos que executam independentemente um do outro. Não há nenhuma garantia de que, quando o remetente tiver mais dados, os receptores estão prontos para ele, pois cada um executa seu próprio programa. TANENBAUM 12

13 Threads Linhas de execução É uma técnica de um processo dividir a si mesmo em duas ou mais tarefas que podem ser executadas concorrentemente. As threads dependem do processo que as criou, compartilhando memória e demais recursos que precisam ser controlados. Exemplo: Biblioteca libptrhead em linguagem c 13

14 Exemplo: Biblioteca libptrhead #include <stdio.h> #include <pthread.h> void *TestFunction(void*) { printf("função de teste...\n"); return NULL; } int CreateThread() { pthread_t thread_hdl; if(pthread_create(&thread_hdl,null,testfunction, NULL)!= 0) { printf("criação de thread falhou \n"); return -1; } } int main(void) { CreateThread(); printf("oi Open C!\n"); return 0; } 14

15 FORK Processos filho É uma técnica de cria um novo processo através da duplicação de um processo existente. O novo processo, conhecido como filho, é uma cópia exata do processo de chamada, conhecido como o pai. O processo filho tem um conjunto próprio de recursos de memória, PID, tempos de CPU, entre outros atributos como bloqueios. 15

16 Exemplo: Biblioteca fork() #include <stdio.h> #include <unistd.h> int main() { printf("ola, sou o processo PAI: %d\n", getpid()); if(fork() == 0) { printf("1o Processo filho PID: %d\n", getpid()); }else{ wait(); if(fork() == 0) { printf("2o Processo filho PID: %d\n", getpid()); }else{ wait(); printf("finalizando processo PAI: %d\n", getpid()); } } return 0; } 16

17 Referências [1] Organizacao Estruturada de Computadores - 5ª Ed. Autor: Tanenbaum, Andrew S. Editora: Pearson Prentice Hall, [2] Hardware o Guia Definitivo II Autor: Carlos E. Morimoto Editora: GDH Press e Sul Editores,

18 Atribuição-Compartilhamento pela mesma licença 2.5 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5/deed.pt) Você pode: copiar, distribuir, exibir e executar a obra criar obras derivadas fazer uso comercial da obra Sob as seguintes condições: Atribuição. Você deve dar crédito ao autor original, da forma especificada pelo autor ou licenciante. Compartilhamento pela mesma Licença. Se você alterar, transformar, ou criar outra obra com base nesta, você somente poderá distribuir a obra resultante sob uma licença idêntica a esta. Para cada novo uso ou distribuição, você deve deixar claro para outros os termos da licença desta obra. Qualquer uma destas condições podem ser renunciadas, desde que Você obtenha permissão do autor. Qualquer direito de uso legítimo (ou "fair use") concedido por lei, ou qualquer outro direito protegido pela legislação local, não são em hipótese alguma afetados pelo disposto acima. Este é um sumário para leigos da Licença Jurídica (na íntegra: Termo de exoneração de responsabilidade:

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Classificação / Licenciamento de Software

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Classificação / Licenciamento de Software Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA Classificação / Licenciamento de Software MATERIAL PARA ESTUDO PRIMEIRO BIMESTRE Componentes de um Sistema Computacional

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

MÓDULO 02 PROCESSOS E THREADS PROCESSOS e THREADS

MÓDULO 02 PROCESSOS E THREADS PROCESSOS e THREADS MÓDULO 02 PROCESSOS E THREADS PROCESSOS e THREADS 1. ATIVIDADE 01 Verificar a criação de um processo filho (que imprime de 51 a 100) que rodará concorrentemente com o processo pai (que imprime de 1 a 50)

Leia mais

PRIMEIRO BIMESTRE MATERIAL PARA ESTUDO. Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA.

PRIMEIRO BIMESTRE MATERIAL PARA ESTUDO. Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA Sistema Binário MATERIAL PARA ESTUDO PRIMEIRO BIMESTRE Para o leigo um computador, a primeira vista, pode parecer

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Conceitos básicos. Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Conceitos básicos. Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conceitos básicos Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Um computador

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores. Módulo LPI Aula 5. Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes?

Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores. Módulo LPI Aula 5. Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes? Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores Módulo LPI Aula 5 Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes? 1 [1] NEVES, Júlio César Gerenciamento de Pacotes Por que

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

http://www.csl.mtu.edu/cs4411/www/notes/process/fork/create.html

http://www.csl.mtu.edu/cs4411/www/notes/process/fork/create.html http://www.csl.mtu.edu/cs4411/www/notes/process/fork/create.html FORK() SYSTEM CALL * UTILIZADO PARA CRIAR SUBPROCESSO * PROCESSO QUE CRIA É PAI * PROCESSO CRIADO É O FILHO * APÓS A CRIAÇÃO AMBOS OS PROCESSO

Leia mais

PROCESSOS. Prof. Maicon A. Sartin mapsartin@gmail.com

PROCESSOS. Prof. Maicon A. Sartin mapsartin@gmail.com PROCESSOS Prof. Maicon A. Sartin mapsartin@gmail.com Cenários em Sistemas Multitarefas Um usuário pode executar diversas atividades simultâneas Música Editoração de texto Navegar na Internet Servidor pode

Leia mais

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C 1 2 Repetição 1 Enquanto 'C' é verdadeira Fazer? 3 Repetição 1 Enquanto 'C' é verdadeira Fazer? while (C)?; 4 Enunciado: Construa um algoritmo para mostrar os 100

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Threads. 8 de janeiro de 2015

Threads. 8 de janeiro de 2015 1 / 24 Erick Nilsen Pereira de Souza T002 - Sistemas Operacionais e Org. Computadores Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 8 de janeiro de 2015 2 / 24 Agenda Tópicos

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de I Organização Básica B de (Parte V, Complementar)

Leia mais

Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0

Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0 2007 Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0 Por: Rafael Nink de Carvalho Web site: 2 Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0 Por: Rafael Nink de Carvalho Machadinho D Oeste RO Agosto 2007

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade II - Threads 24/04/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Threads Processos Threads Conceituação Descrição e Imagem de uma Thread Tipos de thread

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com L I N2 U0 X0 9 Manual de Instalação do Linux Educacional 3.0 Por: Rafael Nink de Carvalho ü Configurando o SETUP do computador ü Rodando a versão Live CD ü Instalando o Linux www.linuxeducacional.com Educacional

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Hardware. Arquitetura básica de Processadores. Profº André Luiz andreluizsp@gmail.

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Hardware. Arquitetura básica de Processadores. Profº André Luiz andreluizsp@gmail. Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Hardware Arquitetura básica de Processadores Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com 1 Microprocessador Ao comprar um desktop ou notebook, quase

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES LIVRO TEXTO: CAPÍTULO 13, PÁGINA 243 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Arquiteturas que possuem duas ou mais CPUs interligadas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros email@hugobarros.com.br

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros email@hugobarros.com.br Organização e Arquitetura de Computadores Hugo Barros email@hugobarros.com.br RISC X SISC RISC: Reduced Instruction Set Computer Nova Tecnologia para máquinas de alta performance; Máquina com um conjunto

Leia mais

Clonando Discos. Manual. Clonagem de Discos. Regiane S. de Carvalho Engenheira da Computação MEC/SEED/DITEC/CETE

Clonando Discos. Manual. Clonagem de Discos. Regiane S. de Carvalho Engenheira da Computação MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Clonando Discos Clonagem de Discos Clonagem de HDs via rede utilizando o UDPCast. Regiane S. de Carvalho Engenheira da Computação MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Clonando Discos Clonagem de Discos Clonagem

Leia mais

Manipulação de processos

Manipulação de processos Manipulação de processos Luiz Affonso Guedes 1 Ivanovitch Silva 1 affonso@dca.ufrn.br ivan@dca.ufrn.br 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte 17 de setembro de 2009 Processos DCA0109 1 / 18 Sumário

Leia mais

Manual. Configuração Samba. tutorial de instalação. Samba - Linux. Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE

Manual. Configuração Samba. tutorial de instalação. Samba - Linux. Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Configuração Samba tutorial de instalação Samba - Linux Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Configuração Samba tutorial de instalação Samba - Linux

Leia mais

Linux Educacional: Navegando na Internet com Iceweasel

Linux Educacional: Navegando na Internet com Iceweasel Linux Educacional: Navegando na Internet com Iceweasel Rafael Nink de Carvalho www.rafaelnink.com Julho/2007 SUMÁRIO Linux: Navegando na internet... 03 Iceweasel... 03 Abrindo o Iceweasel... 03 Conhecendo

Leia mais

Experimentos com a memória cache do CPU

Experimentos com a memória cache do CPU Experimentos com a memória cache do CPU Alberto Bueno Júnior & Andre Henrique Serafim Casimiro Setembro de 2010 1 Contents 1 Introdução 3 2 Desvendando o cache 3 2.1 Para que serve o cache?.....................

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

E.E.E.P. Dr. Solon Tavares Sistemas Operacionais Prof. Henrique Cordeiro. Programação Concorrente em Linux

E.E.E.P. Dr. Solon Tavares Sistemas Operacionais Prof. Henrique Cordeiro. Programação Concorrente em Linux E.E.E.P. Dr. Solon Tavares Sistemas Operacionais Prof. Henrique Cordeiro Programação Concorrente em Linux O Conceito de Processo no Linux O conceito de processo é fundamental para qualquer sistema operacional

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille e da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Introdução a Threads Java

Introdução a Threads Java Introdução a Threads Java Prof. Gerson Geraldo Homrich Cavalheiro Universidade Federal de Pelotas Departamento de Informática Instituto de Física e Matemática Pelotas RS Brasil http://gersonc.anahy.org

Leia mais

DISCIPLINA: Arquitetura e Organização de Computadores II 2ECOM.027

DISCIPLINA: Arquitetura e Organização de Computadores II 2ECOM.027 DISCIPLINA: Arquitetura e Organização de Computadores II CÓDIGO: 2ECOM.027 Validade: a partir do 1º semestre de 2007 Carga Horária: Total: 0 h/a Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação

Leia mais

Correção Linux Lixux Educacional

Correção Linux Lixux Educacional Manual Correção Linux Lixux Educacional tutorial de correção de Bugs Instalação em HDs IDEs Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Correção Linux Educacional

Leia mais

O Processo de Programação

O Processo de Programação Programação de Computadores I Aula 04 O Processo de Programação José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/23 Algoritmo Um algoritmo é uma seqüência de

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Fernando Fonseca Ramos Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros 1 Índice 1- Introdução 3- Memórias 4- Dispositivos

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Multicomputadores. Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP

Multicomputadores. Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP Multicomputadores Introdução Vimos que existem dois tipos de processadores paralelos MIMD: Multiprocessadores. Multicomputadores. Nos multiprocessadores, existe uma memória compartilhada que pode ser acessada

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 6 - ARQUITETURAS AVANÇADAS DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO As arquiteturas dos processadores têm evoluído ao longo dos anos, e junto com ela o conceito de arquitetura avançada tem se modificado. Nos

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Redundância e Alta Disponibilidade Redundância: Duplicação de um elemento da infraestrutura

Leia mais

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução Sistemas Distribuídos Cluster Originais gentilmente disponibilizados pelos autores em http://www.cdk4.net/wo/ Adaptados por Társio Ribeiro Cavalcante Agenda 1. Introdução 2. O que é um cluster 3. Alta

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Referências Caracterização de Sistemas Distribuídos Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Capítulo 9 Seções 9.1 a 9.3 Distributed Systems: concept

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.

Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu. Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Agenda Classificação de SO quanto a: Interface Processamento Tarefas

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul QUESTÃO: 29 Além da alternativa a estar correta a alternativa e também pode ser compreendida como correta. Segundo a definição de diversos autores, a gerência de falhas, detecta, isola, notifica e corrige

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Aula 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Processos Um processo

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Ricardo Ribeiro dos Santos ricrs@ec.ucdb.br

Sistemas Distribuídos. Ricardo Ribeiro dos Santos ricrs@ec.ucdb.br Sistemas Distribuídos Ricardo Ribeiro dos Santos ricrs@ec.ucdb.br Curso de Engenharia de Computação UCDB Agosto/2003 Tópicos Conceitos de HW em SD Multiprocessadores e Multicomputadores Conceitos de SW

Leia mais

Italo Valcy

Italo Valcy <italo@dcc.ufba.br> Programação C Módulo 01 Introdução à linguagem C Italo Valcy www.ieee.org/ufba Italo Valcy Programação em C Licença de uso e distribuição Todo o material aqui disponível pode, posteriormente,

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Marabá Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Distribuídos Prof.: Warley Junior warleyjunior05@gmail.com Plano de Ensino. Turma SI

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Fernando Fonseca Ramos Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros 1 Metodologia da Disciplina 1-Objetivo 2-Competências

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 08 Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Introdução Conceitos já vistos em aulas anteriores: Definição de Sistemas Operacionais Funções: máquina virtual

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 4 Tipos de SO Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Os Sistemas Operacionais podem ser assim classificados: SO - Prof. Edilberto Silva

Leia mais

Sistemas Operativos. Threads. 3º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv)

Sistemas Operativos. Threads. 3º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv) Sistemas Operativos Threads 3º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv) Dos Processos para os Threads O conceito de thread foi introduzido na tentativa de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SINCRONIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 07, PÁGINA 101 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional sistemas multiprogramáveis Os sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Prof. Marcelo de Paiva Guimarães 1 Objetivos Apresentar uma visão geral de processamento distribuído, analisando os tópicos mais importantes sobre sistemas operacionais distribuídos,

Leia mais

7 Processamento Paralelo

7 Processamento Paralelo 7 Processamento Paralelo Yes, of course, who has time? Who has time? But then if we do not ever take time, how can we ever have time? (The Matrix) 7.1 Introdução Classificação de Sistemas Paralelos Diversas

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais II

Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais II Definição de Processo Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais II Processo é o mesmo de Programa? Programa Estrutura estática Instruções + Dados Processo Entidade Ativa Instância de um Programa

Leia mais

GABARITO COMENTADO SISTEMAS OPERACIONAIS. PROF. Cláudio de C. Monteiro, Evanderson S. de Almeida, Vinícius de M. Rios

GABARITO COMENTADO SISTEMAS OPERACIONAIS. PROF. Cláudio de C. Monteiro, Evanderson S. de Almeida, Vinícius de M. Rios CURSO - TADS TURMA 2008.1 2 PERÍODO 3 MÓDULO AVALIAÇÃO MP2 DATA 02/10/2008 SISTEMAS OPERACIONAIS 2008/2 GABARITO COMENTADO SISTEMAS OPERACIONAIS PROF. Cláudio de C. Monteiro, Evanderson S. de Almeida,

Leia mais

Ntrip Detalhes de Implementação do Protocolo

Ntrip Detalhes de Implementação do Protocolo Ntrip Rogério Takeshi Oyama Milton Hirokazu Shimabukuro Presidente Prudente SP, 05/11/2010 Tópicos Visão geral internet Aplicação Cliente Servidor HTTP Ntrip Threads RTCM Código desenvolvido Internet -

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 07 Arquitetura de Sistemas Operacionais Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Introdução Conceitos já vistos em aulas anteriores: Definição de Sistemas Operacionais

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

Instalação em Dual Boot

Instalação em Dual Boot Manual Instalação em Dual Boot tutorial de instalação Dual boot Windows XP e o Linux Educacional 2.0 Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Instalação em Dual

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

Processos em Unix. Conteúdo: Definição de Processos em Unix Estrutura, tipo e escalonamento de processos em Unix Processos, Pai, Filho e Zumbi.

Processos em Unix. Conteúdo: Definição de Processos em Unix Estrutura, tipo e escalonamento de processos em Unix Processos, Pai, Filho e Zumbi. Processos em Unix Conteúdo: Definição de Processos em Unix Estrutura, tipo e escalonamento de processos em Unix Processos, Pai, Filho e Zumbi. O que é um Processo em Unix? É um espaço de endereçamento

Leia mais

Programação Concorrente Conceitos Multiprogramação Threads

Programação Concorrente Conceitos Multiprogramação Threads Programação Concorrente Conceitos Multiprogramação Threads Prof. Gibson Pasquini Nascimento gibson.pasquini@gmail.com O que é Concorrência? Uma unidade concorrente é um componente de um programa que não

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Programação Concorrente Introdução

Programação Concorrente Introdução Introdução Prof. Eduardo Alchieri (definição) Programação Concorrente Do inglês Concurrent Programming, onde Concurrent signifca "acontecendo ao mesmo tempo" Programação Concorrente é diferente de programação

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

Manual. Configuração D-Link. Módulo - Configuração. Renato Lopes da Silva Técnico em Prospecção MEC/SEED/DITEC/CETE

Manual. Configuração D-Link. Módulo - Configuração. Renato Lopes da Silva Técnico em Prospecção MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Configuração D-Link Módulo - Configuração Renato Lopes da Silva Técnico em Prospecção MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Configuração D-Link Módulo - Configuração Produzido por: Renato Lopes da Silva Técnico

Leia mais

Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread.

Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread. 5 THREADS Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread. 5.1 VISÃO GERAL Uma definição mais abrangente para threads é considerá-lo

Leia mais

BC1518-Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br

BC1518-Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br BC1518-Sistemas Operacionais Sincronização de Processos (aula 5 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Semáforos Monitores Passagem de Mensagem Exemplos em S.O.

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

RAID 1. RAID 0 2. RAID 1

RAID 1. RAID 0 2. RAID 1 EJAV - ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL JOSÉ APRÍGIO BRANDÃO VILELA Curso Técnico de Informática Professor Jonathas José de Magalhães AULA 08 - RAID RAID O desempenho das memórias secundárias

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE ANDRÉ LUCHESI CESAR HENRIQUE KÁLLAS SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE Pontifícia Universidade Católica de Campinas Faculdade de Engenharia de Computação Turma III Grupo 9 Agosto

Leia mais

COMPUTAÇÃO PARALELA. uma visão geral. Guilherme Galante. v.2.0

COMPUTAÇÃO PARALELA. uma visão geral. Guilherme Galante. v.2.0 COMPUTAÇÃO PARALELA uma visão geral Guilherme Galante v.2.0 Guilherme Galante Bacharel em Informática Unioeste (2003) Mestre em Ciência da Computação UFRGS (2006) Professor Assistente do curso de Informática/Ciência

Leia mais