Arquiteturas usando Pipes and Filters

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquiteturas usando Pipes and Filters"

Transcrição

1 Arquiteturas usando Pipes and Filters Por Sergio Crespo Prof. Dr. Sergio Crespo C S Pinto 2010/01

2 Introdução O Padrão arquitetural Pipes and Filters oferece uma estrutura para processamento de stream de dados. Cada passo do processamento é encapsulado em um componente filtro. Os dados são transortados por meio de tubos (pipes) que estão entre filtros.

3 Pipes and Filters Contexto: Processamento de Stream de dados Problema: Imagine que você está construindo um sistema de software que deve processar ou transformar uma stream de dados de entrada. Implementar isto como um único componentes pode não ser flexível. O projeto do sistema, em especial a interconexão entre as fases de cada estágio do processamento, deve considerer alguns pontos: (1) Futuras atualizações do sistema devem ser possíveis substituindo-se ou recombinando-se fases. (2) Processamento em pequena escala deve ser prioritátio, pois é mais facil de manter e reutilizar. (3) Processamento não adjacente não deve compartilhar informação. (4) Deve ser possível armazenar a informação em vários formatos.

4 Pipes and Filters Estrutura: Filter: Componentes Filter (filtro) são unidades de processamento de um pipeline. Um filtro enriquece, redefine, sincroniza ou transforma os dados de entrada. Pipes: São as conexões entre os filtros, entre o data source (a origem dos dados) e o 1º filtro e entre o último filtro e o data sink. Data source: representa a entrada dos dados. Data sink: Coleta o resultado do fim de um pipeline.

5 Cards: Pipes and Filters Class Filter Responsabilidade Recebe os dados de entrada. Executa uma função sob os dados de entrada. Abastece a saída de dados. Colaboradores Pipe Class Pipe Responsabilidade Transferência dos dados. Buffers data. Sincronização com visinhos. Colaboradores Data Source Data Sink Filter Class Data Source Responsabilidade Entrega o stream de input para o processamento no pipeline. Colaboradores Pipe Class Data Sink Responsabilidade Consome o Output. Colaboradores Pipe

6 Pipes and Filters exemplo 1

7 Pipes and Filters exemplo 2 Contexto: Você deve prover uma solução de integração para várias aplicações financeiras. A aplicação utiliza uma grande variedades de formatos tais como Interactive Financial Exchange (IFX), Open Financial Exchange formato (OCX) e o formato Electronic Data Interchange (EDI) para as mensagens que correspondem a pagamentos, retiradas, depósitos e transferências.

8 Pipes and Filters exemplo 2 Integrar estas aplicações requer o processamento de mensagens de diferentes maneiras. Por exemplo, converter uma mensagem XML-like para outra XML-like usando transformações XSLT. Converter uma mensagem padrão EDI para um formato XML-like envolve o uso de regras e processamento. Verificar a identidade do emissor envolve verificar a sua assinatura digital que veio anexada na mensagem.

9 Pipes and Filters exemplo 2 Contexto: Você deve prover uma solução de integração para várias aplicações financeiras. A aplicação utiliza uma grande variedades de formatos tais como Interactive Financial Exchange (IFX), Open Financial Exchange formato (OCX) e o formato Electronic Data Interchange (EDI) para as mensagens que correspondem a pagamentos, retiradas, depósitos e transferências. Problema: Como implementar uma sequência de transformações de tal forma que você possa combinar e reusar elas de forma independe?

10 Pipes and Filters exemplo 2 Implementar transformações que possam ser combinadas e reusadas em diferentes aplicações envolve o balanceamento das seguintes forças: Muitas aplicações processam grandes volumes de dados em formato similares. O processamento dos dados pode ser dividido em uma sequencia de transformações individuais. Por exemplo, processar mensagens XML envolve tipicamente uma série de transformações XSLT. Isto ajuda a diminuir o overhead e a latencia de uma transformação.

11 Pipes and Filters exemplo 2 solução Solução: Implemente as transformações usando uma sequência de componentes filters, onde cada filtro recebe uma mensagem de entrada, aplica uma simples transformação e envia a mensagem modificada para o próximo componente. A mensagem é conduzida através de um pipe que conecta filtros de output / input e mecanismos de buferização entre eles.

12 Pipes and Filters exemplo 2 solução O lado esquerdo apresenta uma configuração com 2 filtros. Uma aplicação de origem envia mensagens através de um pipe. O filtro transforma cada mensagem e envia a mensagem transformada como output dentro do próximo pipe. O pipe carrega a mensagem transformada para o filtro 2. O pipe também buferiza qualquer mensagem que filtro 1 envia a filtro 2. O segundo filtro aplica novas transformações e envia por meio de um pipe para uma aplicação Sink. A aplicação Sink coleta a mensagem transformada. Esta configuração requer: (1) que a saida dos dados deve ser compatível com o input do filtro 1. (2) a saida dos dados do filtro 1 deve ser compatível com o input do filtro 2. (3) a saida dos dados do filtro 2 deve ser compatível com o input do Sink.

13 Pipes and Filters exemplo 3 Consider a Web service for printing insurance policies. The service accepts XML messages from agency management systems. Incoming messages are based on the ACORD XML specification, an insurance industry standard. However, each agency has added proprietary extensions to the standard ACORD transactions. A print request message specifies the type of document to be generated, for example, an HTML document or a Portable Document Format (PDF) document. The request also includes policy data such as client information, coverage, and endorsements. The Web service processes the proprietary extensions and adds the jurisdiction-specific information that should appear on the printed documents, such as local or regional requirements and restrictions. The Web service then generates the documents in the requested format and returns them to the agency management system. You could implement these processing steps as a single transformation within the Web service. Although viable, this solution does not let you reuse the transformation in a different context. In addition, to accommodate new requirements, you would have to change several components of the Web service. For example, you would have to change several components if a new requirement calls for decrypting some elements of the incoming messages. An implementation that is based on Pipes and Filters provides an elegant alternative for the printing Web service.

14 Pipes and Filters exemplo 3 solução In this example, the Pipes and Filters implementation of the printing Web service has the following benefits that make it preferable to implementing the Web service as a single monolithic transformation: Separation of concerns. Each filter solves a different problem. Division of labor. ACORD XML experts implement the conversion of the proprietary extensions into an internal vendor-independent format. People who specialize in dealing with the intricacies of each jurisdiction assist with the implementation of the filter that handles those aspects. Formatters and layout experts implement document generation. Specialization. Document-rendering is CPU intensive and, in the case of a PDF document, uses floating point operations. You can deploy the rendering to hardware that meets these requirements. Reuse. Each filter encapsulates fewer context-specific assumptions. For example, the document generator takes messages that conform to some schema and generates an HTML or PDF document. Other applications can reuse this filter.

15 BizTalk Pipeline Designer The allows developers to connect and to configure these filters within the pipeline. The Figure shows a pipeline that consists of Pre-Assemble, Assemble, and Encode filters. The toolbox shows the filters than can be dropped into this configuration.

16 Pipes and Filters : Related Patterns For more information about Pipes and Filters, see the following related patterns: Implementing Pipes and Filters with BizTalk Server This pattern uses the Global Bank scenario to show how you can use BizTalk Server 2004 to implement Pipes and Filters. Pipes and Filters [Shaw96, Buschmann96, Hohpe03]. Intercepting Filter [Trowbridge03]. This version of Intercepting Filter discusses the pattern in the context of Web applications built using the Microsoft.NET Framework. Developers can chain filters to implement preprocessing and post-processing tasks such as extracting header information and rewriting URLs. In-band and Out-of-band Partitions [Manolescu97]. This pattern remedies the lack of a component that has a global context in Pipes and Filters systems. The out-of-band partition is context-aware; therefore, it can configure the filters and handle errors.

17 Pipes and Filters : Intercepting Filter Context Anyone who has built a Web application from scratch realizes that it requires bit more housekeeping work than building an internal clientserver application. First, you have to deal with the HTTP and all its quirks such as HTTP headers, multi-part forms, the statelessness of HTTP, character set encoding schemes, Multipurpose Internet Mail Extensions (MIME) types, and URL rewriting. On top of that, you have to deal with security measures such as Secure Sockets Layer (SSL) and user authentication. In many situations, the list continues on to include such items as client browser detection or user activity logging. Web application server frameworks perform many of these tasks for you, but sometimes you need additional control, or you need to insert your own processing steps before or after the application processes the Web page request. Problem How do you implement common pre- and post-processing steps around Web page requests? Related Patterns Decorator [Gamma95]. Intercepting filters can be considered decorators around a front controller.

18 Pipes and Filters : Front Controller Context You have decided to use the Model-View-Controller(MVC) pattern to separate the user interface logic from the business logic of your dynamic Web application. You have reviewed the Page Controller pattern, but your page controller classes have complicated logic, are part of a deep inheritance hierarchy, or your application determines the navigation between pages dynamically based on configurable rules. Problem How do you best structure the controller for very complex Web applications so that you can achieve reuse and flexibility while avoiding code duplication?

19 A Data Flow Pattern Language A Data Flow Pattern Language Dragos-Anton Manolescuy Pattern: Data flow architecture Pattern: Payloads Pattern: Module data protocol Pattern: Out-of-band and in-band partitions

20 DataLaViSTA : A Packet-based Pipes and Filters Architecture for Data Handling in Virtual Environments Ingo Assenmacher, Bernd Hentschel, Marc Wolter, Torsten Kuhlen Virtual Reality Group RWTH Aachen University Aachen Tel.: +49 (0) Fax: +49 (0) Abstract: Modern Virtual Reality applications are integrated in distributed environments and use concurrent programming models to enable virtual environments for real time interaction. A suitable model for many sub problems can be found in the pipes and filters architecture, where data is processed in a stream-like way using filters to transform or aggregate data. This paper describes a terminology that can be used to decompose a problem domain according to such an architecture and presents DataLaViSTA as an implementation of this model. As results, two issues common to Virtual Reality setups, namely the data synchronization in a PC cluster setup and the coupling of external systems to this configuration are implemented using the DataLaViSTA module.

21 Composite Filter Pattern Sherif M. Yacoub Hewlett-Packard Labs 1501 Page Mill Rd., MS 1126 Palo Alto, CA Context You are designing a system that processes digital media, streams of data, or digital content. Problem A part of the overall structure of a digital media processing system is a filtering subsystem that transforms/manipulates streams of digital media. The functionality of that subsystem is achieved by integrating several processing modules (filters) together. The way you integrate and connect these filters together controls the format of output (processed) digital media. There are several ways of combining these filters. A flexible design structure is required for modeling the complex combination of these filters, which could be hierarchical in nature. The problem is how do you design your filtering subsystem to support the complex hierarchical combination of filters?

22 Software Architecture for Computer Vision:Beyond Pipes and Filters Alexandre R.J. Fran»cois Institute for Robotics and Intelligent Systems University of Southern California July 2003 This document highlights and addresses architecture level software development issues facing researchers and practitioners in the field of Computer Vision. A new framework, or architectural style, called SAI, is introduced. It provides a formalism for the design, implementation and analysis of software systems that perform distributed parallel processing of generic data streams. Architectural patterns are illustrated with a number of demonstration projects ranging from single stream automatic real-time video processing to fully integrated distributed interactive systems mixing live video, graphics and sound. SAI is supported by an open source architectural middleware called MFSM.

23 Pipes and Filters Pipes and Filters, como testar este padrão? Como usar o Pipes and Filters como multithreaded?

Métodos Formais em Engenharia de Software. VDMToolTutorial

Métodos Formais em Engenharia de Software. VDMToolTutorial Métodos Formais em Engenharia de Software VDMToolTutorial Ana Paiva apaiva@fe.up.pt www.fe.up.pt/~apaiva Agenda Install Start Create a project Write a specification Add a file to a project Check syntax

Leia mais

hdd enclosure caixa externa para disco rígido

hdd enclosure caixa externa para disco rígido hdd enclosure caixa externa para disco rígido USER S GUIDE SPECIFICATONS HDD Support: SATA 2.5 Material: Aluminium and plastics Input connections: SATA HDD Output connections: USB 3.0 (up to 5.0Gbps)

Leia mais

Serviços: API REST. URL - Recurso

Serviços: API REST. URL - Recurso Serviços: API REST URL - Recurso URLs reflectem recursos Cada entidade principal deve corresponder a um recurso Cada recurso deve ter um único URL Os URLs referem em geral substantivos URLs podem reflectir

Leia mais

A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing

A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing Marcello de Lima Azambuja A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing Dissertação de Mestrado Dissertation presented to the Postgraduate Program in Informatics of the Departamento

Leia mais

Caracterização dos servidores de email

Caracterização dos servidores de email Caracterização dos servidores de email Neste documento é feita a modulação de um servidor de email, com isto pretende-se descrever as principais funcionalidades e características que um servidor de email

Leia mais

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS Ana Helena da Silva, MCI12017 Cristiana Coelho, MCI12013 2 SUMMARY 1. Introduction 2. The importance of IT in Organizations 3. Principles of Security 4. Information

Leia mais

OVERVIEW DO EAMS. Enterprise Architecture Management System 2.0

OVERVIEW DO EAMS. Enterprise Architecture Management System 2.0 OVERVIEW DO EAMS Enterprise Architecture Management System 2.0 NETWORKS @arqcorp_br #eamsrio http://arquiteturacorporativa.wordpress.com/ WE MANAGE KNOWLEDGE, WITH YOU Arquitetura Empresarial Repositório

Leia mais

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual IPortalMais: a «brainware» company FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL Easy Linux! Title: Subject: Client: Reference: Funambol Client for Mozilla Thunderbird Doc.: Jose Lopes Author: N/Ref.: Date: 2009-04-17 Rev.:

Leia mais

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH ÍNDICE PORTUGUÊS 1. Características... 2 2. Conteúdo da Embalagem... 3 3. Como usar o Receptor de TV Digital... 3 4. Tela de Vídeo... 6 5.Requisitos Mínimos... 6 6. Marcas Compatíveis... 8 INDEX ENGLISH

Leia mais

Leonardo Godinho da Cunha. Modelos de Concorrência e Sandboxes Aplicados a Servidores HTTP em Lua. Dissertação de Mestrado

Leonardo Godinho da Cunha. Modelos de Concorrência e Sandboxes Aplicados a Servidores HTTP em Lua. Dissertação de Mestrado Leonardo Godinho da Cunha Modelos de Concorrência e Sandboxes Aplicados a Servidores HTTP em Lua Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

Frameworks orientados a objetos. Por Sergio Crespo

Frameworks orientados a objetos. Por Sergio Crespo Frameworks orientados a objetos Por Sergio Crespo Frameworks O que é um Framework??? Um framework é um conjunto de classes que constitui um design abstrato para soluções de uma família de problemas - Johnson

Leia mais

Integrated Network Operations Support System ISO 9001 Certified A Plataforma Integradora Integrated Platform O INOSS V2 é uma poderosa plataforma de operação e gestão centralizada de redes e serviços de

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

5/10/10. Implementação. Building web Apps. Server vs. client side. How to create dynamic contents?" Client side" Server side"

5/10/10. Implementação. Building web Apps. Server vs. client side. How to create dynamic contents? Client side Server side 5/10/10 Implementação Mestrado em Informática Universidade do Minho! 6! Building web Apps How to create dynamic contents?" Client side" Code runs on the client (browser)" Code runs on a virtual machine

Leia mais

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425 CMDB no ITIL v3 Miguel Mira da Silva mms@ist.utl.pt 919.671.425 1 CMDB v2 Configuration Management IT components and the services provided with them are known as CI (Configuration Items) Hardware, software,

Leia mais

Simulação Gráfica e Visão Computacional. Soraia Raupp Musse

Simulação Gráfica e Visão Computacional. Soraia Raupp Musse Simulação Gráfica e Visão Computacional Soraia Raupp Musse Objetivo Analisar exemplos comerciais e do estado-da-arte científicos que utilizam dados reais para aprimorar a qualidade de simulações e animações.

Leia mais

A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA

A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA ALEXANDRE DE A. GUIMARÃES 1 ANTÔNIO M. SARAIVA 2 RESUMO Considerando-se os impactos relacionados ao aumento da eletrônica embarcada

Leia mais

Aula 2. Programa. Arquitectura da camada de interface.! Programação Web - 1! Engenharia de Aplicações Sistemas Interactivos 2010/11!

Aula 2. Programa. Arquitectura da camada de interface.! Programação Web - 1! Engenharia de Aplicações Sistemas Interactivos 2010/11! Aula 2 Arquitectura da camada de interface.! Programação Web - 1! Mestrado em Engenharia Informática Universidade do Minho! 44! Programa Métodos! &! Tecnologias!! Conceitos de IHC!! Programação web client

Leia mais

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas)

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Professional activities/tasks Design and produce complex ICT systems by integrating

Leia mais

Protective circuitry, protective measures, building mains feed, lighting and intercom systems

Protective circuitry, protective measures, building mains feed, lighting and intercom systems Tecnologia de instalações electrónicas Training systems / trainers for electrical wiring/building management systems: Protective circuitry, protective measures, building mains feed, lighting and intercom

Leia mais

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment SAFIRA is an IT consulting boutique known for transforming the way organizations do business, or fulfil their missions,

Leia mais

Padrões de Aplicações Empresariais

Padrões de Aplicações Empresariais Padrões de Aplicações Empresariais Paulo Sousa Engenharia da Informação Instituto Superior de Engenharia do Porto Introdução aos Padrões Parte 1 O que é um Pattern? Each pattern describes a problem that

Leia mais

Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures

Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures GeoInfo - 2006 Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures Leonardo Lacerda Alves Clodoveu A. Davis Jr. Information Systems Lab

Leia mais

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Serviço Service Requisitante Consumer Service Serviço Provider Provedor consumidores processos business e processes negócios Coreografia process choreography

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Tolerância a Faltas nos Web Services

Tolerância a Faltas nos Web Services Tolerância a Faltas nos Web Services Reliable Messaging Protocol - RMP RMP Tolerar faltas temporárias na comunicação Garantir a semântica da invocação do Web Service independentemente do protocolo de transporte

Leia mais

Addition of Fields in Line Item Display Report Output for TCode FBL1N/FBL5N

Addition of Fields in Line Item Display Report Output for TCode FBL1N/FBL5N Addition of Fields in Line Item Display Report Output for TCode FBL1N/FBL5N Applies to: Any business user who uses the transactions FBL1N and FBL5N to display line item reports for vendors and customers.

Leia mais

Wiki::Score A Collaborative Environment For Music Transcription And Publishing

Wiki::Score A Collaborative Environment For Music Transcription And Publishing Wiki::Score A Collaborative Environment For Music Transcription And Publishing J.J. Almeida 1 N.R. Carvalho 1 J.N. Oliveira 1 1 Department of Informatics, University of Minho {jj,narcarvalho,jno}@di.uminho.pt

Leia mais

FATEsC - Uma Ferramenta de apoio ao teste estrutural de componentes

FATEsC - Uma Ferramenta de apoio ao teste estrutural de componentes FATEsC - Uma Ferramenta de apoio ao teste estrutural de componentes Vânia Somaio Teixeira 1,2, Marcio Eduardo Delamaro 1, Auri Marcelo Rizzo Vincenzi 3 1 Programa de Pós-graduação em Ciência da Computação

Leia mais

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Engenharia de Requisitos Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br O Documento de Requisitos Introdução The requirements for a system are the descriptions

Leia mais

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines basic concepts Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Um produto www.usm.maine.edu

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems. www.gsd.inesc-id.pt. technology from seed

Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems. www.gsd.inesc-id.pt. technology from seed Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems João Barreto and Paulo Ferreira Distributed Systems Group INESC-ID/Technical University Lisbon, Portugal www.gsd.inesc-id.pt Bandwidth remains

Leia mais

Ontology Patterns e Ontology Pattern Languages

Ontology Patterns e Ontology Pattern Languages Ontology Patterns e Ontology Pattern Languages Ricardo de Almeida Falbo Ontologias para Engenharia de Software Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Ontology Patterns

Leia mais

Marcelo Frate Instituto Federal de São Paulo Campus Boituva. Fabio Luciano Verdi Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba

Marcelo Frate Instituto Federal de São Paulo Campus Boituva. Fabio Luciano Verdi Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Alexis Saito Ericsson Telecomunicações Marcelo Frate Instituto Federal de São Paulo Campus Boituva Fabio Luciano Verdi Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Qualidade de Serviço em redes Qualidade

Leia mais

Passo a Passo. WebSphere Message Broker. Fluxo como WebService

Passo a Passo. WebSphere Message Broker. Fluxo como WebService Passo a Passo WebSphere Message Broker Fluxo como WebService Alexandre José Batista ajbatist@ibest.com.br Criado em: 07/11/08 Página 1 de 38 Índice 1. OBJETIVOS DO DOCUMENTO... 4 2. CRIANDO UM FLUXO NO

Leia mais

SATA 3.5. hd:basic. hdd enclosure caixa externa para disco rígido

SATA 3.5. hd:basic. hdd enclosure caixa externa para disco rígido SATA 3.5 hd:basic hdd enclosure caixa externa para disco rígido hd:basic USER S GUIDE SPECIFICATIONS HDD support: SATA 3.5 Material: Aluminium Input connections: SATA HDD Output connections: USB 2.0

Leia mais

Criando diferenciais competitivos e minimizando riscos com uma boa. Claudio Yamashita Country Manager Intralinks Brasil

Criando diferenciais competitivos e minimizando riscos com uma boa. Claudio Yamashita Country Manager Intralinks Brasil Criando diferenciais competitivos e Informação minimizando riscos com uma boa Governança da Claudio Yamashita Country Manager Intralinks Brasil PESQUISA GLOBAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 2014 - EY Pensando

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

Introduction to Network Design and Planning

Introduction to Network Design and Planning Introduction to Network Design and Planning Joao.Neves@fe.up.pt 1 In the Beginning... The project of a Network was the result of the inspiration of a guru or an "artist" (after all was considered an art...)

Leia mais

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainmoziware» company www.iportalmais.pt. Manual Jose Lopes

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainmoziware» company www.iportalmais.pt. Manual Jose Lopes IPortalMais: a «brainmoziware» company www.iportalmais.pt FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL Easy Linux! Title: Subject: Client: Reference: Funambol Client for Microsoft Outlook Doc.: Author: N/Ref.: Date: 2009-04-17

Leia mais

FEN- 06723 Processamento Digital de Imagens. Projeto 3 Utilizando filtragem rejeita faixa para tirar ruído de imagem

FEN- 06723 Processamento Digital de Imagens. Projeto 3 Utilizando filtragem rejeita faixa para tirar ruído de imagem FEN- 06723 Processamento Digital de Imagens Projeto 3 Utilizando filtragem rejeita faixa para tirar ruído de imagem Marcelo Musci Mestrado Geomática/UERJ-2004 Abstract Frequency space offers some attractive

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

FLISOL 2015. Criptografia é importante! Aprenda meios simples de proteger arquivos com ferramentas livres.

FLISOL 2015. Criptografia é importante! Aprenda meios simples de proteger arquivos com ferramentas livres. FLISOL 2015 Criptografia é importante! Aprenda meios simples de proteger arquivos com ferramentas livres. Prof. Esp. Paulo Henrique S. Barbosa facebook.com/groups/facimplinux ImperatriX hackerspacema groups.google.com/group/hackerspacema

Leia mais

Laboratório 3. Base de Dados II 2008/2009

Laboratório 3. Base de Dados II 2008/2009 Laboratório 3 Base de Dados II 2008/2009 Plano de Trabalho Lab. 3: Programação em Transact-SQL MYSQL Referências www.mysql.com MICROSOFT SQL SERVER - Procedimentos do Lado do Servidor (Stored Procedures)

Leia mais

PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK

PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK MVC PROGRAMMING AND ZEND FRAMEWORK Rodolfo Vinícius Moimas Dias Centro Universitário Filadélfia de Londrina UniFil Rafael Francovig Cavicchioli Centro Universitário Filadélfia

Leia mais

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes Redes de Tipos de Redes Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet / FastEthernet / GigabitEthernet

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Otavio Rezende da Silva Uma Arquitetura para Sistemas Multi- Agentes Baseada em Espaços de Tuplas Reflexivos DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Programa de Pós-Graduação em Informática Rio de Janeiro, dezembro de

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes Tipos de Redes Redes de Sistemas Informáticos I, 2005-2006 Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Capítulo 3 Processos de Software Slides do Livro do Sommerville, 2000 Disponíveis em inglês em www.software-engin.com Traduzidos por Jacinta Pereira Graduando do Curso de Letras

Leia mais

Construindo uma aplicação Web completa utilizando ASP.Net 2.0, Visual Studio 2005 e IIS 7.0 ( Parte 1)

Construindo uma aplicação Web completa utilizando ASP.Net 2.0, Visual Studio 2005 e IIS 7.0 ( Parte 1) Construindo uma aplicação Web completa utilizando ASP.Net 2.0, Visual Studio 2005 e IIS 7.0 ( Parte 1) Marcus Garcia Microsoft Most Valuable Professional INETA Regional Director MAS Mentor Associado Um

Leia mais

manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil

manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil These guides possess a lot information especially advanced tips such as the optimum settings configuration for manualdepsiquiatriainfantil manual

Leia mais

Computação Móvel J2ME

Computação Móvel J2ME Computação Móvel J2ME Java 2 Platform (1) Java 2 Standard Edition (J2SE) Desktop applications Java 2 Enterprise Edition (J2EE) Server applications Java 2 Micro Edition (J2ME) Handheld/embedded devices

Leia mais

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET 2015 1 e-mail:mario@labma.ufrj.br Tables BR-EMS, mortality experience of the Brazilian Insurance Market, were constructed,

Leia mais

Lista de Gerência de Redes

Lista de Gerência de Redes Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Professor: João José Costa Gondim Aluno: Marcelo Vale Asari Matrícula: 06/90708

Leia mais

SIMOS (IMPLEMENTING CISCO SECURE MOBILITY) 1.0

SIMOS (IMPLEMENTING CISCO SECURE MOBILITY) 1.0 SIMOS (IMPLEMENTING CISCO SECURE MOBILITY) 1.0 Objetivo Implementing Cisco Secure Mobility Solutions (SIMOS) v1.0 é um treinamento que faz parte da grade de certificação CCNP Security. Este curso visa

Leia mais

ISO, IHE e HL7. Apresentação ABNT. José Costa Teixeira. Junho 2015

ISO, IHE e HL7. Apresentação ABNT. José Costa Teixeira. Junho 2015 ISO, IHE e HL7 Apresentação ABNT José Costa Teixeira Junho 2015 Standards ISO Normas de jure e de facto HL7 Normas de facto (de jure quando adotada) IHE Normas e recomendações de implementação Projetos

Leia mais

Strings. COM10615-Tópicos Especiais em Programação I edmar.kampke@ufes.br 2014-II

Strings. COM10615-Tópicos Especiais em Programação I edmar.kampke@ufes.br 2014-II Strings COM10615-Tópicos Especiais em Programação I edmar.kampke@ufes.br Introdução Uma estrutura de dados fundamental Crescente Importância Aplicações: Busca do Google Genoma Humano 2 Caracteres Codificação

Leia mais

Interactive Internet TV Architecture Based on Scalable Video Coding

Interactive Internet TV Architecture Based on Scalable Video Coding Interactive Internet TV Architecture Based on Scalable Video Coding Pedro Gomes Moscoso Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia de Redes de Comunicações Presidente: Orientador: Co-Orientador:

Leia mais

Select a single or a group of files in Windows File Explorer, right-click and select Panther Print

Select a single or a group of files in Windows File Explorer, right-click and select Panther Print Quick Start Guide SDI Panther Print Panther Print SDI Panther products make sharing information easier. Panther Print is an intuitive dialog box that provides a thumbnail view of the file to print, depicting

Leia mais

A sua Organização já está preparada para o novo Código dos Contratos Públicos (CCP, DL 18/2008)?

<Insert Picture Here> A sua Organização já está preparada para o novo Código dos Contratos Públicos (CCP, DL 18/2008)? A sua Organização já está preparada para o novo Código dos Contratos Públicos (CCP, DL 18/2008)? Sessão Aberta Homero Silveira - Sector Público e Saúde Contratação Pública agenda

Leia mais

Odyssey-WI: Uma Ferramenta para Mineração de Rastros de Modificação em Modelos UML Versionados

Odyssey-WI: Uma Ferramenta para Mineração de Rastros de Modificação em Modelos UML Versionados Odyssey-WI: Uma Ferramenta para Mineração de Rastros de Modificação em Modelos UML Versionados Cristine Dantas, Leonardo Murta, Cláudia Werner COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação

Leia mais

Consórcio do Politecnico di Milano. Fevereiro 2013

Consórcio do Politecnico di Milano. Fevereiro 2013 Consórcio do Politecnico di Milano Fevereiro 2013 DESIGN DEFINITIONS SENAI & POLI.design Fevereiro 2013 Design como uma atividade específica no processo de P&D que visa a projetação dos aspectos funcionais

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa MÓDULO 6: Sistemas distribuídos baseados em coordenação. Coordenação de serviços Web Coordenação de serviços Web A infraestrutura SOAP suporta interações requisiçãoresposta

Leia mais

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho Título: Direção e Taxa (Velocidade) de Acumulação de Capacidades Tecnológicas: Evidências de uma Pequena Amostra de Empresas de Software no Rio de Janeiro, 2004 Autor(a): Eduardo Coelho da Paz Miranda

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

egovernment The Endless Frontier

egovernment The Endless Frontier CENTRO DE GESTÃO DA REDE INFORMÁTICA DO GOVERNO (Management Center for the Electronic Government Network) egovernment The Endless Frontier Alexandre Caldas 29 th June 2010 Summary VISION AND LEADERSHIP

Leia mais

Interacção Homem-Máquina Interfaces Tangíveis e Realidade Aumentada

Interacção Homem-Máquina Interfaces Tangíveis e Realidade Aumentada Interacção Homem-Máquina Interfaces Tangíveis e Realidade Aumentada Pedro Campos dme.uma.pt/pcampos pcampos@uma.pt Novos paradigmas de interacção Pervasive computing Wearable computing Tangible user interfaces

Leia mais

AJaX Asy s nchronous s J avasc S ript p t a nd d XML

AJaX Asy s nchronous s J avasc S ript p t a nd d XML Asynchronous JavaScript and XML Ajax Um nome para um novo tipo de aplicações na Web Técnica de desenvolvimento de aplicações para criar páginas mais interactivas Não é uma nova tecnologia Ajax= JavaScript

Leia mais

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 -

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - Glossário BiSL Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - 1. Glossário de Terminologia Terminologia em Inglês Terminologia em Português BiSL processes Processos de BiSL Business data management

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

O que é modularidade? Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br

O que é modularidade? Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br O que é modularidade? Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br AOSD Aspectos tem como objetivo aumentar a modularidade dos sistemas...... mas 2 O que é modularidade??? 3 Parnas, 1972 modularization is a mechanism

Leia mais

COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA.

COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA. COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA. PAULO RICARDO H. BALDUINO 0 Conteúdo 1. Introdução

Leia mais

HMI Caracteristicas e extensões utilizando FT View ME v6.1 e PanelView Plus 6

HMI Caracteristicas e extensões utilizando FT View ME v6.1 e PanelView Plus 6 HMI Caracteristicas e extensões utilizando FT View ME v6.1 e PanelView Plus 6 Dangelo Ávila Gerente de Produto Email: dmavila@ra.rockwell.com Cel: (021) 98207-5700 PUBLIC PUBLIC - 5058-CO900H Agenda 1.

Leia mais

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Explicar as vantagens e desvantagens das arquiteturas de sistemas distribuídos

Leia mais

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level Parent Academy Digital Citizenship At Elementary Level Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental Pan American School of Bahia March 18 and 29, 2016 Digital Citizenship Modules Cyberbullying

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas Perguntas & Respostas 17 de Abril de 2008 Versão Portuguesa 1. O que é uma Certidão Permanente?...4 2. Como posso ter acesso a uma Certidão Permanente?...4 3. Onde posso pedir uma Certidão Permanente?...4

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA Sistemas Distribuídos Mestrado em Ciência da Computação 1o. Semestre / 2006 Prof. Fábio M. Costa fmc@inf.ufg.br www.inf.ufg.br/~fmc/ds MSc2006 Aula

Leia mais

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer?

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer? MONEY CHANGER Câmbio I d like to exchange some money. Where can I find a money changer? Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Onde posso encontrar um câmbio? I d like to exchange (I would) Where can

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

MCSD Web Applications Developer [Ativar Portugal]

MCSD Web Applications Developer [Ativar Portugal] MCSD Web Applications Developer [Ativar Portugal] Microsoft - Percursos Nível: Intermédio Duração: 99h Sobre o curso A GALILEU integrou na sua oferta formativa, o Percurso de Formação e Certificação MCSD

Leia mais

Juliano Sulzbach. Consultor de Vendas Oracle Regional Sul

Juliano Sulzbach. Consultor de Vendas Oracle Regional Sul Juliano Sulzbach Consultor de Vendas Oracle Regional Sul GUO-RS Oracle BPEL Process Manager Agenda Introdução Oracle BPEL Process Manager Rápida revisão Demonstrações Agenda Introdução Oracle BPEL Process

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

Performance Evaluation of Software Architectures. Outline. José Costa 2011-03-22. Software architectures - exercises. Software for Embedded Systems

Performance Evaluation of Software Architectures. Outline. José Costa 2011-03-22. Software architectures - exercises. Software for Embedded Systems Performance Evaluation of Software Architectures José Costa Software for Embedded Systems Department of Computer Science and Engineering (DEI) Instituto Superior Técnico 2011-03-22 José Costa (DEI/IST)

Leia mais

Transações no Mundo SOA. Luciano Oliveira Solution Consultant

Transações no Mundo SOA. Luciano Oliveira Solution Consultant Transações no Mundo SOA Luciano Oliveira Solution Consultant Agenda Definição Através do Tempo Transações com Bancos Distribuídos Transações em SOA Compensação Coordenador Gerenciado vs. Não-Gerenciado

Leia mais

User Guide Manual de Utilizador

User Guide Manual de Utilizador 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE User Guide Manual de Utilizador 2014 1Life Simplify it All rights reserved. www.1-life.eu 2 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE ENGLISH USER GUIDE...4 MANUAL DE UTILIZADOR PORTUGUÊS...18

Leia mais

FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF

FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF Arlindo L. Boiça Neto 1 ; Leandro H. de M. Oliveira 2 N 0803081 Resumo : Atualmente a descrição de recursos

Leia mais

INSTALANDO O LAM-MPI NO DEBIAN

INSTALANDO O LAM-MPI NO DEBIAN INSTALANDO O LAM-MPI NO DEBIAN Brivaldo Junior 25 de Março de 2006 1 Introdução A comunicação de processos por troca de mensagens é muito utilizada em programação paralela, especialmente em máquinas parelelas

Leia mais

GT-Mconf: Sistema de Multiconferência para acesso interoperável web e dispositivos móveis

GT-Mconf: Sistema de Multiconferência para acesso interoperável web e dispositivos móveis Proposta de Serviço Piloto Grupo de Trabalho Segunda Fase GT-Mconf: Sistema de Multiconferência para acesso interoperável web e dispositivos móveis http://www.mconf.org Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br

Leia mais

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534.

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. Bibliografia 88 8 Bibliografia ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. AMBRIOLA, V.; TORTORA, G. Advances in Software

Leia mais

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks Conteúdo: Reading - Typographic Marks Habilidades: Utilizar as Marcas Tipográficas para facilitar a compreensão e também chamar a atenção do leitor. Typographic Marks O que são marcas tipográficas? As

Leia mais

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 APRESENTAÇÃO ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 Instalações elétricas de baixa tensão NBR 5410:1997 NBR 5410:2004

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais