Ultimate Pipeline Simulator: Simulador do Pipeline do MIPS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ultimate Pipeline Simulator: Simulador do Pipeline do MIPS"

Transcrição

1 Ultimate Pipeline Simulator: Simulador do Pipeline do MIPS Cézar da Cunha Barcellos¹, Henrique Magalhães Simões² Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais {cezar.opaleiro¹, Resumo Já é de nosso conhecimento que a técnica pipelining é utilizada para acelerar a velocidade de operação dos processadores, possivelmente aumentando o desempenho de nossas aplicações. Usar um software com objetivo de auxiliar nosso aprendizado, tem se tornado algo potencialmente eficaz, principalmente para aqueles que fazem seu primeiro contato com a técnica pipelining. Os simuladores atuais ainda deixam lacunas nos requisitos para uma simulação satisfatória, são lacunas em: recursos, relatórios, animação e até mesmo resultados inesperados. A partir da necessidade de mitigar estas lacunas, foi desenvolvido o Ultimate Pipeline Simulador, um simulador do pipeline do MIPS aperfeiçoado, que possui novos recursos, que irão proporcionar um avanço ao aprendizado da técnica pipelining nos processadores MIPS. 1. Introdução A busca por desempenho tem se tornado algo indispensável quando falamos sobre sistemas computacionais atuais. Isso é um fato bastante interessante na evolução tecnológica dos computadores. É resultante dessa busca interminável, que foram surgindo novas técnicas e novos conceitos de arquiteturas computacionais, tais como arquiteturas Multicore (inserção de dois ou mais núcleos de processamento no interior de um único encapsula mento, capazes de processar várias instruções simultaneamente) [6]. A técnica de pipelining tem estado intimamente presente no desempenho dos processadores, portanto entender plenamente essa técnica, é algo de extrema importância para o estudo de arquiteturas computacionais atuais. A análise do comportamento da técnica pipelining, sem uso de uma ferramenta auxiliadora tal como um simulador, torna seu estudo um tanto abstrato e em alguns casos desanimador. É após agregar o uso do simulador aos nossos estudos que reconhecemos a sua importância. Essa ferramenta realmente vem proporcionando um ganho significativo na compreensão do comportamento da técnica pipelining. Depois de realizada pesquisa em sites sobre simuladores do pipeline do MIPS, foram encontrados alguns softwares que realizam essa simulação. Porém constatou-se que estes softwares ainda precisam de aperfeiçoamento, resolvendo erros e agregando novos recursos, pois uma simulação incorreta pode facilmente conduzir seu usuário a um estudo equivocado. Reconhecendo o potencial desse perigo, tornou-se principal motivação para criação de um simulador aperfeiçoado. 2. Trabalhos relacionados Alguns dos simuladores atuais seguem a estrutura proposta pelo livro Organização e Projeto de Computadores [1], esta estrutura consiste nestes cinco respectivos estágios: busca de instruções, decodificação, execução das instruções, acesso à memória de dados e escrita nos registradores. Caso ocorram dependências, ou seja, instruções que utilizam um mesmo registrador, a unidade de controle identifica os conflitos e atua de forma que o resultado da execução da instrução seja o esperado. Então é tarefa dos simuladores mostrarem a estrutura, técnicas e recursos em hardware para a resolução dos conflitos entre as instruções no pipeline. O simulador Visual MIPS [2], continua em desenvolvimento, novas funcionabilidades como estrutura de pipeline superescalar, está sendo incorporada no software, atualmente só é possível usar a estrutura de cinco estágios do MIPS. No modelo de cinco estágios ele possui um esquema de animação bastante complexo e detalhado, neste esquema é possível visualizar todo o processo. Porém para usuários que ainda não dominam a técnica de pipelining podem ter uma experiência um pouco confusa. Os recursos de adiantamentos [MD->EX], [ER->EX] e [ER->MD] também estão presentes, no entanto, só é possível habilitar os três recursos simultaneamente ou desabilitá-los, também é possível visualizar o conteúdo da memória e o conteúdo dos registradores. Para se usar o Visual MIPS é preciso que seu computador atenda os requisitos mínimos: possuir 23

2 o Visual BASIC 6.0 instalado e resolução da tela 1024x768. Este simulador não apresenta dados de speedup. No simulador WebSimple-MIPS [3], é muito simples compreender o processo de execução de cada instrução, mesmo para usuários que ainda não dominam a técnica de pipelining. Numa interface simples temos o modelo de cinco estágios e um campo para inserir as instruções de entrada. Neste campo o usuário tem a flexibilidade de modificar o código assembly (esta característica tem causado resultados inesperados durante a simulação), outro campo para configurar tempo do processador mono-ciclo e outro campo para configurar o tempo de ciclo do processador pipeline. Também é possível ao usuário controlar a simulação através do campo Simulation Control, proporcionando uma análise detalhada do processo, além da possibilidade de acelerar ou diminuir a velocidade do processo através do campo Clock Delay. Depois de realizada a simulação, é apresentado numa nova janela, o relatório da simulação, com as informações geradas no processo, este relatório contém as instruções e o respectivo registrador que gera as dependências RAW (Read after Write), o número de instruções executadas, ciclos, stalls (bolhas) e o cálculo do speedup também são visualizados. O WebSimple-MIPS [3], incorpora características muito importantes, a ativação de adiantamentos independentes e a capacidade de execução em vários ambientes ou plataformas, uma inovação no seguimento de simuladores de pipeline do MIPS. Assim como o WebSimple-MIPS [3], o WebMIPS (MIPS CPU Pipelined Simulation On Line) [4], possui a capacidade de execução em vários ambientes ou plataformas, ele possui uma interface muito completa e detalhada, recurso para carregar e editar um programa pré-definido como por exemplo uma simples calculadora também foi incorporado. Sua interface apenas suporta um idioma, o inglês. A interface complexa pode se tornar um fator limitante aos usuários iniciantes, outro ponto negativo é a visualização do fluxo de execução, que deixa a desejar quando se escolhe a opção Execute All, a simulação é feita instantaneamente. A ausência da capacidade de habilitar recursos de adiantamento o torna uma ferramenta limitada para o estudo da técnica pipelining. Nos controles da simulação é possível realizar uma simulação sem pausas, passo a passo, reiniciar o sistema e carregar um programa pré-definido. Não é possível retroceder a simulação passo a passo. Atualmente, não foi encontrado um simulador capaz de unir as funcionabilidades dos simuladores avaliados com confiabilidade. Ou seja, seria ideal um simulador capaz de informar ao usuário uma situação de erro, seja na entrada do código assembly ou nos parâmetros da simulação, além de incorporar uma interface amigável e de fácil compreensão, onde seria mostrado o que acontece durante o processo, os adiantamentos ativados e suas atuações. Capacidade de impressão de relatório e salva-lo, possibilitando ao usuário arquivar suas simulações. Além de uma interface com suporte a mais de um idioma. Enfim, tais melhorias tornariam ainda mais motivador o aprendizado. 3. Ultimate Pipeline Simulator Após reconhecermos a necessidade de uma ferramenta que nos proporcione confiabilidade e recursos inovadores, torna como objetivo específico da proposta e do desenvolvimento do software Ultimate Pipeline Simulator, criar um simulador que permita visualizar os adiantamentos ativados e suas atuações, número de bolhas, ciclos, instrução atual buscada no primeiro estágio e o progresso durante a simulação. Além de recursos de multi-linguagem e da possibilidade de imprimir e salvar relatórios. No caso de alguma informação for configurada de maneira incorreta, o usuário será alertado. Desde princípio do desenvolvimento da ferramenta, julgamos como requisitos indispensáveis, o desempenho e confiabilidade. E se o objetivo é construir uma aplicação de alto desempenho, a escolha da linguagem e do compilador adequados, podem ser fatores cruciais nesta fase do projeto. Então escolhemos a linguagem C++, essa linguagem em especial, possui características particulares como trabalhar com ponteiros e structs que faz dela uma linguagem muito poderosa. O compilador escolhido foi o C++ Builder [5], ele é um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) produzido pela CodeGear para a escrita de programas na linguagem C/C++. O aplicativo inclui ferramentas que permitem desenvolvimento visual através de "arrastar e soltar", tornando a programação mais simples. Era direcionado originalmente somente para a plataforma Windows. Versões mais recentes incorporaram o CLX, uma biblioteca de componentes multi-plataforma baseada em Qt (sistema multi-plataforma para o desenvolvimento de programas de interface gráfica), suportando Windows e Linux. O uso do C++ Builder como principal ferramenta de desenvolvimento nos proporcionou grande produtividade. O simulador Ultimate Pipeline Simulator é baseado no modelo da estrutura de cinco estágios, proposta pelo livro Organização e Projeto de Computadores [1]. 24

3 Na janela principal do Ultimate Pipeline Simulator (Figura 1), podemos reconhecer oito campos, nos quais, o usuário pode configurar a simulação conforme sua necessidade, o menu, campo de edição do código assembly, parâmetros, status da simulação, recursos, controle da simulação e a visualização do fluxo das instruções do pipeline. progresso, esta barra mostra o percentual concluido da simulação, a cada ciclo o progresso será incrementado. Este campo inovador dá ao usuário informações valiosas sobre o que está acontecendo durante a simulação, ele proporcionará informações que com outros simuladores só seriam vistas após a simulação no relatório final. Figura 3 Status da simulação Figura 1 Tela principal do simulador O menu (canto superior esquerdo da Figura 1) permite ao usuário realizar ações do tipo: novo código, abrir código, salvar código, recortar, copiar, colar e visualizar relatório. A opção visualizar relatório é inicialmente desabilitada, após o termino da simulação ela se tornará disponível. Ficando a critério do usuário a visualização do relatório. Na figura seguinte, a (Figura 2), vemos a área de configuração dos parâmetros do tempo de ciclo, esta área possibilita ao usuário configurar as características do processador pipeline e do processador monociclo. O usuário também pode configurar a velocidade da simulação, este valor informado poderá ser alterado a qualquer momento durante a simulação causando impacto imediato sobre a simulação. Figura 2 Parâmentros da simulação Na (Figura 3), podemos ver o que está acontecendo durante a simulação. No label instrução atual é mostrado a instrução que foi buscada no estágio BI (busca de instruções). Em ciclo temos o ciclo atual da execução, em bolhas é mostrado quantas bolha(s) já foram inseridas devido ao(s) conflito(s) presente entre as instruções. Em seguida vemos uma barra de No campo recursos (Figura 4), poderão ser ativados três tipos de adiantamentos, [MD -> EX] memória de dados para o estágio de execução, [ER -> EX] escrita nos registradores para o estágio de execução e [ER -> MD] escrita nos registradores para a memória de dados. Estes recursos podem ser ativados unicamente ou simultaneamente. A opção, Escalonamento Dinâmico, ainda não foi implementada, está designada como tarefa para trabalho futuro. Figura 4 Recursos Ao ativar recursos de adiantamento, será mostrado qual ou quais adiantamentos estão sendo usados no instante da simulação, quando o adiantamento for usado a sua indicação se tornará em vermelho. Este recurso inovador torna fácil a compreenção do funcionamento dos adiantamentos. Podemos visualizar este recurso em atuação na (Figura 5). Figura 5 Atuação dos adiantamentos 25

4 Outro recurso inovador incorporado no simulador foi o efeito sonoro. Ao ser detectado um conflito pela unidade de controle, será produzida uma bolha e durante o seu aparecimento no estágio de execução (EX), será emitido um som característico (Figura 6). simulação, ciclos na execução, bolhas, número de dependências RAW e o(s) adiantamento(s) ativado(s). Ainda no menu do relatório final é possível ao usuário salvar o relatório em formato (.doc) e também imprimilo. Essa inovação funcional traz grandes benefícios ao usuário, através desse recurso o usuário pode arquivar suas simulações para atuais e futuras análises. 3.1 Tratamento de erros Figura 6 Efeito sonoro na inserção de bolha A área de controle da simulação (Figura 7), permite ao usuário interagir diretamente com a simulação. Através dos botões de controle é possível retroceder passo a passo, avançar passo a passo, parar a simulação, pausar a simulação, execução automática e retomar a execução. Este recurso funcional é extremamente importante ele torna a analise bastante eficiente, o usuário pode avançar e retroceder cada ciclo, analisar adiantamentos e compreender suas atuações detalhadamente. Ainda há fôlego para inovações. Um recurso desejável é o tratamento de erros. Como sabemos é comum o usuário informar dados incorretos ao configurar uma simulação e submeter nossa simulação com dados inválidos é proporcionar uma situação de resultados inesperados. Diante deste problema foi implementado no Ultimate Pipeline Simulator, um sistema de tratamento de erros através de monitoramento de eventos e dois analisadores: analisador léxico e o analisador sintático. Dada uma situação de erro será mostrada uma janela informando o erro e a linha onde foi detectada sua ocorrência. Após a confirmação, a linha é destacada e após alguns segundos a aplicação é terminada. O analisador léxico irá detectar caracteres inválidos presentes no código assembly. Na (Figura 8), podemos observar uma situação onde seria gerado um erro léxico. Como o presente na linha três, não é permitido, o analisador léxico gera a mensagem de erro. Figura 7 Controles da simulação Ao término da simulação é habilitada a opção de visualizar relatório, este recurso contém informações geradas durante da simulação. O relatório final é composto de quatro áreas, são elas: saída, conflitos, speedup e estatísticas. No campo saída, contém a seqüência de instruções geradas após simulação, em dependências RAW, temos a indicação de dependência mostrando as linhas dependentes e o respectivo registrador que gera as dependências RAW. Em seguida temos as outras áreas do relatório final, área de speedup e estatísticas. Em speedup é calculado o valor a partir dos valores informados antes da simulação, o valor de tempo do processador que implementa o pipelining e o processador monociclo, a fórmula do cálculo é descrita nessa área. Em estatísticas é mostrado valores relacionados à Figura 8 Situação de erro léxico Na (Figura 9), vemos novamente uma situação de erro, é um erro do tipo sintático, cada instrução assembly possui uma sintaxe em particular, ou seja, uma estrutura gramatical. No exemplo da (Figura 10), temos a instrução LW $1,400($2.Essa instrução por 26

5 exemplo é composta por um identificador (id), um registrador destino (Reg1), o deslocamento (Des), um parênteses da esquerda e um registrador fonte (Reg2). Então o analisador sintático irá analisar a seqüência de entrada e sua ordem (id+reg1+des+(+reg2). Analisando sua seqüência, vemos que está faltando o último parênteses, o parênteses da direita, logo o analisador sintático irá gerar uma mensagem de erro. Figura 9 Situação de erro sintático Outro campo onde possivelmente traria conseqüências inesperadas a simulação, é o campo de parâmetros (Figura 10). Neste campo, somente é aceito dígitos e como existe a possibilidade da inserção de vários caracteres, precisamos analisar este evento. Para tratar este tipo de erro o Ultimate Pipeline Simulator, dispõe de um sistema de monitoramento de evento, neste caso em específico, o teclado ou qualquer evento que provoque alteração no campo. Se a entrada for diferente de digito, a monitoração de evento produzirá uma mensagem de advertência (Figura 10). Figura 10 Erro por dados inválidos Apesar desta primeira versão do Ultimate Pipeline Simulator suportar instruções de desvio, não foram implementadas soluções de conflitos por controle. É tarefa associada à próxima versão. Os arquivos de análise, executáveis dos simuladores analisados, assim como o simulador Ultimate Pipeline Simulator e seu código fonte, estão disponíveis para download [8]. 4. Resultados O Ultimate Pipeline Simulator traz a possibilidade de visualizar a atuação de cada adiantamento, efeito sonoro ao se inserir bolha, salvar e imprimir relatórios associado a uma simulação confiável, estas são características até então únicas e inovadoras, disponibilizando ao usuário uma forte ferramenta de aprendizado da técnica pipelining. A incapacidade de visualizar a atuação dos adiantamentos, vista nos trabalhos relacionados, torna abstrato o estudo do recurso, em especial a principiantes. Este recurso mostra o comportamento de cada adiantamento em particular, tal animação proporciona uma melhor compreensão do seu funcionamento. De acordo com a proposta central do desenvolvimento da ferramenta, o simulador Ultimate Pipeline Simulator, torna a visualização do funcionamento dos recursos de adiantamento mais clara e compreensível, associado a uma simulação confiável. A tabela abaixo (Tabela 1), contém exemplos de códigos assembly, estes foram submetidos a testes no Ultimate Pipeline Simulator. Tais testes possuem a finalidade de mostrar a eficiência dos adiantamentos, tanto usados simultaneamente quanto separadamente. Código 1 Código 2 Código 3 LW $1,100($10) LW $1,200($2) XOR $2,$1,$4 SW $1,200($20) LW $2,300($3) AND $12,$11,$2 XOR $20,$1,$11 ADD $6,$1,$3 ADD $20,$1,$2 AND $12,$11,$2 SW $6,100($2) LW $1,130($20) ADD $20,$1,$20 XOR $7,$6,$3 SW $2,120($1) LW $1,130($20) LW $1,400($2) LW $2,200($20) SW $1,120($2) AND $8,$7,$1 XOR $11,$16,$12 LW $2,200($20) LW $9,900($8) ADD $10,$11,$2 XOR $1,$16,$12 SW $9,850($5) LW $1,130($10) ADD $10,$1,$2 XOR $9,$9,$1 LW $1,240($2) Tabela 1 Exemplos de códigos assembly Através do gráfico a seguir (Gráfico 1), mostraremos a eficiência e a necessidade do uso dos adiantamentos de forma simultânea e separadamente. 27

6 Tempo de Execução (ns) Análise dos Adiantamentos Código 1 Código 2 Código 3 Sem adiantamento [MD->EX] [ER->EX] [ER->MD] [MD->EX][ER->EX] [MD->EX][ER->MD] [ER->EX][ER->MD] [MD->EX][ER->EX][ER->MD] Gráfico 1 Análise dos Adiantamentos Analisando o Código 1, vemos que o uso de forma individual dos adiantamentos [ER->EX] e [MD- >EX], geraram o mesmo resultado, considerando o tempo de ciclo do processador pipeline de 10ns, foi registrado um tempo de execução de 190ns, quatro ciclos a mais que o uso da combinação dos dois adiantamentos [MD->EX] e [ER->EX], neste caso em particular fica claro que para o uso destes adiantamentos de forma individual, ambos os adiantamentos produziriam o mesmo desempenho para essa seqüencia de instruções. No Código 2, vimos que o uso individual do adiantamento [ER->EX] produz o melhor resultado, apenas um ciclo a mais que o uso da combinação dos dois adiantamentos [MD->EX] e [ER- >EX] porém mesmo com a utilização dos três adiantamentos combinados, não foi possível eliminar todos os conflitos por dados, devido à presença das instruções LW $1,400($2), seguida por AND $8,$7,$1 e LW $9,900($8), seguida por SW $9,850($9), estas situações obrigaram a unidade de controle inserir uma bolha entre as instruções, penalizando nosso tempo de execução em dois ciclos a mais. Observando o Código 3, novamente o adiantamento [ER->EX] se destaca como a melhor opção no uso dos adiantamentos de forma individual, neste caso o uso do adiantamento [ER->EX] seria a melhor solução considerando o uso dos adiantamentos de forma individual. Com o tempo de ciclo do processador pipeline de 10ns, conseguimos um tempo de execução de 190ns, dois ciclo a menos que o uso do adiantamento [MD->EX] e quatro ciclos a mais que o uso da combinação dos três adiantamentos. Na tabela a seguir mostra um comparativo entre os simuladores relacionados analisados e o Ultimate Pipeline Simulator, considerando as características desejáveis propostas no final da segunda seção deste artigo e as características já presentes em cada simulador. Características Salvar código assembly Editar código assembly Adiantamento [ MD ->EX ] Adiantamento [ MD ->EX ] Adiantamento [ ER ->MD ] Ativação Individual dos adiantamentos Solução de conflitos de controle Tratamento de erros com análise e indicação Interface de fácil aprendizado Controle de velocidade da simulação Avanço passo a passo Retrocesso passo a passo WebSimple-MIPS Simuladores WebMIPS Visual MIPS Ultimate Pipeline Simulator Nº de bolhas durante a simulação Nº de ciclos durante a simulação Indicação dos adiantamentos ativados durante a simulação Visualização da atuação dos adiantamentos ativados durante a simulação Efeito sonoro na inserção de bolhas Estatísticas avançadas Cálculo do speedup Nº de bolhas Nº de ciclos na execução Nº de dependências RAW Adiantamentos ativados Origens dos conflitos Saída do processo Impressão de relatório Salvar relatório Web-Based Suporte a multi-linguagem Tabela 2 Comparativo entre os simuladores relacionados e o Ultimate Pipeline Simulator 28

7 Analisando a (Tabela 2) observamos que o Ultimate Pipeline Simulator possui as principais características encontradas nos simuladores relacionados e o acréscimo das principais funcionalidades propostas neste artigo além do aprimoramento das funcionabilidades e oferecer um ambiente mais interativo, amigável e confiável ao usuário. 5. Conclusão Todos os objetivos propostos neste artigo foram alcançados com ferramenta de simulação, Ultimate Pipeline Simulator. O ambiente de simulação proporcionado por este novo simulador, torna um fator motivador ao estudo da técnica de pipelining, associado a uma ferramenta de simulação. Com o simulador é possível visualizar a atuação dos recursos de adiantamento durante a simulação, contabilizar dados como bolhas, ciclos, instrução buscada no primeiro estágio do pipeline, progresso da simulação, ouvir um som quando houver inserção de bolha, todos durante a simulação além de suporte a multi-linguagem e salvar e imprimir relatórios. E se por acaso o usuário informar algum valor incorreto que conduziria a simulação a resultados inesperados, o usuário é advertido com mensagens de erro. A interface amigável permite aos usuários tanto avançados como iniciantes realizar suas simulações sem a necessidade de treinamento prévio. A associação do simulador aos estudos da técnica de pipelining causa novo impacto no aprendizado da disciplina Arquitetura de Computadores, oferecendo ao aluno uma ferramenta mais completa e confiável. A principal contribuição deste trabalho é o desenvolvimento de um simulador aperfeiçoado oferecendo ao usuário novos recursos e proporcionando um crescimento da motivação do estudo da técnica pipelining. Como trabalho futuro recursos como escalonamento dinâmico e um gráfico comparativo de speedup serão acrescentado ao simulador. Com a implementação destas novas funcionabilidades, visando ainda mais o aperfeiçoamento da ferramenta, espera-se tornar o uso de simuladores em estudos da técnica pipelining, uma prática indispensável. 6. Referencias [1] D. A. Patterson and J. L. Hennessy, Computer Organization and Design: The Hardware/Software Interface, 3nd ed., Morgan Kaufmann Publishers, [2] IKRAM, M. J. A Configurable MIPS Simulator Disponível em: Acesso em: 07/06/2009. [3] Websimple - MIPS: Simulador web-based do pipeline do MIPS. Disponível em: <http://matheus.ath.cx/simple/>. [4] WebMIPS (MIPS CPU Pipelined Simulation On Line). Disponível em: < [5]Página Oficial do C++ Builder. Disponível em: [6] TAN, G. et al. Improving performance of dynamic programming via parallelism and locality on multicore architectures. Parallel and Distributed Systems, IEEE Transactions on, Disponível em: <http://ieeexplore.ieee.org/stamp/stamp.jsp?tp=&arnu mber= &isnumber= >. [7] GRUNBACHER, H.. Teaching computer architecture/organisation using simulators. Frontiers in Education Conference, FIE '98. 28th Annual Disponível em: <http://ieeexplore.ieee.org/stamp/stamp.jsp?tp=&arnu mber=738576&isnumber=15919> [8] Ultimate Pipeline Simulator: Simulador do Pipeline do MIPS. Disponível em:< 29

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Pipeline Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Organização do MIPS: pipeline Visão geral do pipeline Analogia com uma Lavanderia doméstica 1

Leia mais

Usando o simulador MIPS

Usando o simulador MIPS Usando o simulador MIPS O objetivo desta aula prática será a utilização do simulador MipsIt para executar programas escritos em linguagem de máquina do MIPS. 1 Criando um projeto Cada programa a ser executado

Leia mais

Simulador multiciclo do processador MIPS 32 bits para apoio ao estudo em arquitetura de computadores

Simulador multiciclo do processador MIPS 32 bits para apoio ao estudo em arquitetura de computadores Simulador multiciclo do processador MIPS 32 bits para apoio ao estudo em arquitetura de computadores Warley Jacinto Elias Faculdades Integradas de Caratinga - warleyelias@gmail.com Resumo: Jacson Rodrigues

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Pipeline -- Conflito de dados paradas e adiantamentos -- Conflito de controle detecção de desvios e descarte de instruções -- Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno

Leia mais

Um Ambiente Computacional de Apoio à Aprendizagem de Instruções Assembly

Um Ambiente Computacional de Apoio à Aprendizagem de Instruções Assembly Um Ambiente Computacional de Apoio à Aprendizagem de Instruções Assembly Gabriel Costa Silva 1, Rafael Cassolato de Meneses 2 1 UNIPAR - Universidade Paranaense Campus Paranavaí Curso de Sistemas de Informação

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva

Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva Arquitetura de Computadores MIPS Pipeline Ivan Saraiva Silva Pipeline 4 pessoas (A, B, C, D) possuem sacolas de roupa para lavar, secar e dobrar A B C D Lavar leva 30 minutos Secar leva 40 minutos Dobrar

Leia mais

Caminho dos Dados e Atrasos

Caminho dos Dados e Atrasos Caminho dos Dados e Atrasos Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Pipeline MIPS O MIPS utiliza um pipeline com profundidade 5, porém

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática IM-NCE/UFRJ. Pipeline. Gabriel P. Silva. Microarquitetura de Alto Desempenho

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática IM-NCE/UFRJ. Pipeline. Gabriel P. Silva. Microarquitetura de Alto Desempenho Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática IM-NCE/UFRJ Microarquiteturas de Alto Desempenho Pipeline Gabriel P. Silva Introdução Pipeline é uma técnica de implementação de processadores

Leia mais

Visão Geral de Pipelining

Visão Geral de Pipelining Pipeline Visão Geral de Pipelining Instruções MIPS têm mesmo tamanho Mais fácil buscar instruções no primeiro estágio e decodificar no segundo estágio IA-32 Instruções variam de 1 byte a 17 bytes Instruções

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

TUTORIAL. TP - Versão 3.1

TUTORIAL. TP - Versão 3.1 TUTORIAL TP - Versão 3.1 Criação: Andréia Rauber 1, Anabela Rato 2, Denise Kluge 3 e Giane Santos 4 Desenvolvimento: Marcos Figueiredo 5 O TP (Teste/Treinamento de Percepção) é um aplicativo de software

Leia mais

Simulador do Processador Neander T&D-Bench Simulator Manual do Usuário. por Júlio César Maccali. revisado por Prof. Christian Zambenedetti

Simulador do Processador Neander T&D-Bench Simulator Manual do Usuário. por Júlio César Maccali. revisado por Prof. Christian Zambenedetti UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAMPUS UNIVERSITÁRIO DA REGIÃO DOS VINHEDOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, DA NATUREZA E DE TECNOLOGIA CURSO DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS Simulador do Processador Neander

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 1 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA Documento de Arrecadação Estadual DAE Manual do Usuário Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 66.053-000 Av. Visconde de Souza Franco, 110 Reduto Belém PA Tel.:(091)

Leia mais

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Informática Básica Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Introdução O editor de textos Microsoft Word oferece um conjunto de recursos bastante completo, cobrindo todas as etapas de preparação, formatação e impressão

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1 EXCEL 2007 O Excel 2007 faz parte do pacote de produtividade Microsoft Office System de 2007, que sucede ao Office 2003. Relativamente à versão anterior (Excel 2003), o novo programa introduz inúmeras

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

C D. C) Coleções: é usada para organizar o conteúdo de áudio, vídeo e imagens em pastas, buscando facilitar a montagem do storyboard.

C D. C) Coleções: é usada para organizar o conteúdo de áudio, vídeo e imagens em pastas, buscando facilitar a montagem do storyboard. 1 Windows Movie Maker XP O Windows Movie Maker é um software de edição de vídeos que permite criar e editar filmes caseiros, inserindo efeitos, músicas, legendas e transições. O vídeo pode ser criado a

Leia mais

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Arquitetura de Computadores Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Processadores superescalares A partir dos resultados

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Pipeline Slide 1 Pipeline Pipeline Hazards: Hazards Estruturais Hazards de Dados Hazards de Controle Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados

Leia mais

Boletim Técnico R&D 02/08 Simulador do software A1 Automation Tools 27 de fevereiro de 2008

Boletim Técnico R&D 02/08 Simulador do software A1 Automation Tools 27 de fevereiro de 2008 Boletim Técnico R&D 02/08 Simulador do software A1 Automation Tools 27 de fevereiro de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar o funcionamento e as características do recurso Simulador disponível no software

Leia mais

.: NAPRO :. NÚCLEO DE APOIO APRENDIZAGEM DE PROGRAMAÇÃO

.: NAPRO :. NÚCLEO DE APOIO APRENDIZAGEM DE PROGRAMAÇÃO Software Visualg 2.0 Bruno Tonet ELABORADO POR BRUNO TONET Sumário 1 - VISUALG - EDITOR E INTERPRETADOR DE ALGORITMOS... 3 1.1. OBJETIVOS... 3 2 - INSTALAÇÃO E REQUERIMENTOS DE HARDWARE... 4 3 - A TELA

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C#

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# 1.1 - Apresentação Quando fazemos nossas compras em um supermercado, é comum encontrarmos um código de barras impresso nos produtos expostos

Leia mais

Parte I Introdução ActionScript_30_01.indd 1 5/11/2010 08:29:29

Parte I Introdução ActionScript_30_01.indd 1 5/11/2010 08:29:29 Parte I Introdução ActionScript_30_01.indd 1 5/11/2010 08:29:29 ActionScript_30_01.indd 2 5/11/2010 08:29:34 Aprendendo uma nova linguagem... ActionScript é uma linguagem e, como um novo idioma ou a linguagem

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Linguagens para Computadores. Compiladores, Interpretadores. Ambientes de Programação 1 Linguagens para Computadores. Linguagem binária: Dispositivos

Leia mais

Exemplo: CC1 CC2 CC3 CC4 CC5 CC6 CC7 CC8 CC9 ADD $s0, $t0, $t1 IF ID EX MEM WB SUB $t2, $s0, $t3 IF Stall Stall ID EX MEM WB

Exemplo: CC1 CC2 CC3 CC4 CC5 CC6 CC7 CC8 CC9 ADD $s0, $t0, $t1 IF ID EX MEM WB SUB $t2, $s0, $t3 IF Stall Stall ID EX MEM WB 2.3 Dependências de dados (Data Hazards) Ocorre quando uma instrução depende do resultado de outra instrução que ainda está no pipeline. Este tipo de dependência é originado na natureza seqüencial do código

Leia mais

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Livro-texto: Introdução à Organização de Computadores 4ª edição Mário A. Monteiro Livros Técnicos e Científicos Editora. Atenção: Este material não

Leia mais

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3 INSTALAÇÃO... 3 4 COMO COMEÇAR... 3 5 FORMULÁRIOS DE CADASTRO... 4 6 CADASTRO DE VEÍCULO... 6 7 ALINHAMENTO...

Leia mais

Manual HPSim. 1 Introdução. 2 Instalação do Programa

Manual HPSim. 1 Introdução. 2 Instalação do Programa Manual HPSim 1 Introdução O HPSim é um software para simulação de redes de Petri que apresenta uma interface intuitiva de fácil utilização. Entre suas vantagens está a possibilidade do acompanhamento da

Leia mais

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados.

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados. Bem Vindo GDS TOUCH Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touchscreen de controle residencial, com design totalmente 3D, interativo

Leia mais

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados.

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados. MANUAL GDS TOUCH Versão: 1.0 Direitos reservados. GDS TOUCH PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touch-screen de controle residencial, com design totalmente

Leia mais

EXERCÍCIOS SIMULADO ELABORADO PELO PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR

EXERCÍCIOS SIMULADO ELABORADO PELO PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR EXERCÍCIOS SIMULADO ELABORADO PELO PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR Com base no Windows XP, na figura ao lado, julgue os itens que se seguem: 01- É possível afirmar que ao se clicar em O que mais devo saber sobre

Leia mais

Manual do KSnapshot 2

Manual do KSnapshot 2 Richard J. Moore Robert L. McCormick Brad Hards Revisão: Lauri Watts Desenvolvimento: Richard J Moore Desenvolvimento: Matthias Ettrich Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo

Leia mais

ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009

ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009 ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009 1 INDICE 1. Instalação do Software...3 2. Tela Inicial...3 3. Criando arquivo de configurações (Alt + C + C)...4 3.1 Sensores

Leia mais

Manual Simulador de Loja

Manual Simulador de Loja Manual Simulador de Loja Índice Início Menu Loja Modelo Loja Modelo Menu Criar Minha Loja Criar Minha Loja Abrir Projeto Salvo Teste Seu Conhecimento 0 04 05 08 09 8 9 0 Início 5 4 Figura 00. Tela inicial.

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

SCNES - Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde

SCNES - Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde Ministério da Saúde Secretária Executiva Departamento de Informática do SUS SCNES - Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde Manual de Operação Versão 1.0 M 01 Rio de Janeiro 2006 GARANTIAS

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Microsoft Word 97 Básico

Microsoft Word 97 Básico Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região Microsoft Word 97 Básico DIMI - Divisão de Microinformática e Redes Índice: I. Executando o Word... 4 II. A tela do Word 97... 6 III. Digitando

Leia mais

Introdução ao Processamento Paralelo

Introdução ao Processamento Paralelo Introdução ao Processamento Paralelo Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Introdução Crescente aumento de desempenho dos PCs (máquinas convencionais). Existem aplicações que requisitam

Leia mais

8/9/2010 WINDOWS. Breve Histórico. Profa. Leda G. F. Bueno. Seu desenvolvimento iniciou-se em 1981

8/9/2010 WINDOWS. Breve Histórico. Profa. Leda G. F. Bueno. Seu desenvolvimento iniciou-se em 1981 Conceitos Básicos e Gerenciamento de Arquivos WINDOWS EXPLORER Profa. Leda G. F. Bueno WINDOWS Sistema operacional criado pela Microsoft Corporation Característica Principal características o uso de janelas

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

Para resolver as questões abaixo considere o Sistema Operacional Microsoft Windows Vista

Para resolver as questões abaixo considere o Sistema Operacional Microsoft Windows Vista Nome: Gabarito Para resolver as questões abaixo considere o Sistema Operacional Microsoft Windows Vista 1) O Centro das configurações do Windows, onde pode ser acessado cada um dos dispositivos componentes

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

Sistema operacional Windows 7, Windows Live Mail e Adobe Reader. Sistemas operacionais em concursos públicos

Sistema operacional Windows 7, Windows Live Mail e Adobe Reader. Sistemas operacionais em concursos públicos Sistema operacional Windows 7, Windows Live Mail e Adobe Reader Sistemas operacionais em concursos públicos Antes de tudo é importante relembrarmos que o sistema operacional é um tipo de software com a

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

Entendendo as janelas do Windows Uma janela é uma área retangular exibida na tela onde os programas são executados.

Entendendo as janelas do Windows Uma janela é uma área retangular exibida na tela onde os programas são executados. Windows Menu Entendendo as janelas do Windows Uma janela é uma área retangular exibida na tela onde os programas são executados. Minimizar Fechar Maximizar/restaurar Uma janela é composta de vários elementos

Leia mais

Grifon Alerta. Manual do Usuário

Grifon Alerta. Manual do Usuário Grifon Alerta Manual do Usuário Sumário Sobre a Grifon Brasil... 4 Recortes eletrônicos... 4 Grifon Alerta Cliente... 4 Visão Geral... 4 Instalação... 5 Pré-requisitos... 5 Passo a passo para a instalação...

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo 1 Introdução... 3 2. Instalação... 5 3. Descrição da interface do cliente... 6 4. Conexão... 10 5.SMS... 11 6.Contatos... 14 7.Estatística... 18

Leia mais

Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04

Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04 Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04 Olá Aluno Os objetivos específicos desta lição são: - reconhecer o Ubuntu como mais uma alternativa de sistema operacional; - conhecer os elementos da área

Leia mais

❶ No Sistema Gênesis, na Aba ESTOQUE

❶ No Sistema Gênesis, na Aba ESTOQUE ❶ No Sistema Gênesis, na Aba ESTOQUE a) Checagem de Estoque - Verifique o estoque dos produtos desejados. b) Listar produtos com a quantia de estoque mínimo atingido: ESTOQUE / RELATÓRIO / ALERTA DE COMPRA

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

CMS 2.0 NAZDA. Cms2.0 User Manual

CMS 2.0 NAZDA. Cms2.0 User Manual CMS 2.0 NAZDA Cms2.0 User Manual Parabéns por adquirido o nosso DVR! Este manual foi concebido para ser uma ferramenta de referência para a instalação e funcionamento do sistema de monitoramento remoto

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema.

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema. O que é o projeto O PROINFODATA - programa de coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras tem como objetivo acompanhar o estado de funcionamento dos laboratórios

Leia mais

1 - Processamento de dados

1 - Processamento de dados Conceitos básicos sobre organização de computadores 2 1 - Processamento de dados O que é processamento? O que é dado? Dado é informação? Processamento é a manipulação das informações coletadas (dados).

Leia mais

Figura 1: Componentes do Kepler

Figura 1: Componentes do Kepler Modelagem do Workflow Científico no Kepler Modelagem do workflow de simulação científica do trabalho: Uma abordagem para gerência de projetos de experimentos científicos. Em referencia à explicação detalhada

Leia mais

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P Características da Look 312P 1 2 3 Lente Foco manual pelo ajuste da lente. Bolso Você pode colocar o cabo no bolso. Corpo dobrável Ajuste a Look 312P em diferentes posições. Instalação da Look 312P 1.

Leia mais

Manual do Usuário ZKPatrol1.0

Manual do Usuário ZKPatrol1.0 Manual do Usuário ZKPatrol1.0 SOFTWARE Sumário 1 Introdução de Funções... 3 1.2 Operação Básica... 4 1.3 Seleção de idioma... 4 2 Gerenciamento do Sistema... 5 2.1 Entrar no sistema... 5 2.2 Sair do Sistema...

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

Simuladores e ferramentas educacionais no ensino de arquitetura de computadores Luis Antonio Soares UNESP - IBILCE

Simuladores e ferramentas educacionais no ensino de arquitetura de computadores Luis Antonio Soares UNESP - IBILCE Simuladores e ferramentas educacionais no ensino de arquitetura de computadores Luis Antonio Soares UNESP - IBILCE 1. INTRODUÇÃO Ao analisar o conteúdo da disciplina de arquitetura de computadores, é possível

Leia mais

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura 4 Conversor EDTV Raw O conversor EDTV Raw é o programa que lê um documento escrito no perfil NCL EDTV e gera um documento Raw equivalente, i.e. que define a mesma apresentação. Este capítulo, apresenta

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 ÍNDICE Apresentação Principais Botões Login Usúario Resultado Método Quantum Preencher Método Quantum Extrato On-Line Engenharia de Função Grupos

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

Auto Treinamento. Versão 10.05.13

Auto Treinamento. Versão 10.05.13 Auto Treinamento Versão 10.05.13 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. CONCEITO DE BUSINESS INTELLIGENCE... 3 3. REALIZANDO CONSULTAS NO BI-PUBLIC... 4 3.2. Abrindo uma aplicação... 4 3.3. Seleções... 6 3.4. Combinando

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/35 LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS No Microsoft Office Word 2007 é possível automatizar tarefas usadas frequentemente criando

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

OPCEM 1.0. Versão 1.0 Copyright 2013 OpServices 1

OPCEM 1.0. Versão 1.0 Copyright 2013 OpServices 1 OPCEM 1.0 Versão 1.0 Copyright 2013 OpServices 1 OpCEM CONCEITO... 4 REQUISITOS MÍNIMOS... 4 INSTALANDO... 4 CONHECENDO A INTERFACE DO OPCEM... 7 CONFIGURAÇÃO DO GERENCIADOR... 7 ADICIONAR NOVO ROBÔ...

Leia mais

MODEM USB LTE. Manual do Usuário

MODEM USB LTE. Manual do Usuário MODEM USB LTE Manual do Usuário 2 Conteúdo Manual do Usuário... 1 1 Introdução... 3 2 Descrição da Interface do Cliente... 4 3 Conexão... 7 4 SMS... 10 5 Contatos... 14 6 Estatística... 18 7 Configurações...

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

mvbuilder - Manual do Usuário

mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder Editor de mapas para o meavox Parte integrante da Suite meavox de comunicação alternativa. Manual do Usuário do mvbuilder Autor: Gustavo Furtado Versão deste documento:

Leia mais

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Este tutorial visa preparar o computador com os softwares necessários para a utilização dos sistemas de visualização

Leia mais

Guia de início rápido do Powersuite

Guia de início rápido do Powersuite 2013 Ajuste e cuide do desempenho de seu computador com um aplicativo poderoso e ágil. Baixando e instalando o Powersuite É fácil baixar e instalar o Powersuite geralmente, demora menos de um minuto. Para

Leia mais

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1.

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. 1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. Partes da tela do Excel... Barra de fórmulas... Barra de status...

Leia mais

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre 17:47:08 Introdução à Informática com Software Livre 1 17:47:09 Audacity 2 Audacity 17:47:09 Audacity é um Software Livre de edição digital de áudio, disponível principalmente nas plataformas: Windows,

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte IV

SIMULADO Windows 7 Parte IV SIMULADO Windows 7 Parte IV 1. Para acessar mais rapidamente arquivos ou pastas pode-se utilizar, no desktop do Windows, ícones de atalho identificados: a) Com o formato de uma pasta aberta b) Com o desenho

Leia mais

Windows. Introdução. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional

Windows. Introdução. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional Windows Prof. Leandro Tonietto Cursos de Informática Unisinos Março-2008 O que é Sistema operacional? O que é Windows? Interface gráfica: Comunicação entre usuário e computador de forma mais eficiente

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WINDOWS

INTRODUÇÃO AO WINDOWS INTRODUÇÃO AO WINDOWS Paulo José De Fazzio Júnior 1 Noções de Windows INICIANDO O WINDOWS...3 ÍCONES...4 BARRA DE TAREFAS...5 BOTÃO...5 ÁREA DE NOTIFICAÇÃO...5 BOTÃO INICIAR...6 INICIANDO PROGRAMAS...7

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C/C++

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C/C++ INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C/C++ História da Linguagem C/C++ Dennis Ritchie, funcionário do Bell Telephone Laboratories, iniciou em 1972 o desenvolvimento da linguagem C. Ele elaborou grande parte de seu trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal AULA Informática: Aplicações e Benefícios Advocacia

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA MANUAL INTERNET ÍNDICE Sistema Integrado de Administração da Receita 1 INTRODUÇÃO GERAL... 4 2 INTRODUÇÃO AO... 4 2.1 OBJETIVOS... 4 2.2 BENEFÍCIOS... 4 2.3

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Programas e Linguagens Para executar uma tarefa

Leia mais

IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE

IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE Rev.: 01 (03/09/2007) PRODUTOS ELETRÔNICOS METALTEX LTDA. Rua: José Rafaelli, 221 - Socorro - S. Amaro - São Paulo / SP. CEP: 04763-280 - Brasil Tel.: 55

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores 2. Apresentação da Disciplina

Arquitetura e Organização de Computadores 2. Apresentação da Disciplina Arquitetura e Organização de Computadores 2 Apresentação da Disciplina 1 Objetivos Gerais da Disciplina Aprofundar o conhecimento sobre o funcionamento interno dos computadores em detalhes Estudar técnicas

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDA- SA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDA- SA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDA- SA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Software de análise de dados. Versão Sete. Melhorias

Software de análise de dados. Versão Sete. Melhorias Software de análise de dados Versão Sete Melhorias Software de análise de dados O IDEA Versão Sete apresenta centenas de novas melhorias e funcionalidades desenvolvidas para ajudá-lo a usar melhor o produto,

Leia mais

Manual de Utilização. Site Manager. Tecnologia ao serviço do Mundo Rural

Manual de Utilização. Site Manager. Tecnologia ao serviço do Mundo Rural Manual de Utilização Site Manager Tecnologia ao serviço do Mundo Rural Índice 1. Acesso ao Site Manager...3 2. Construção/Alteração do Menu Principal...4 3. Inserção/ Alteração de Conteúdos...7 4. Upload

Leia mais