Master Plan Santa Catarina Desenvolvimento com Base em Inovação. Dezembro 2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Master Plan Santa Catarina Desenvolvimento com Base em Inovação. Dezembro 2005"

Transcrição

1 Master Plan Santa Catarina Desenvolvimento com Base em Inovação Dezembro 2005

2 O Master Plan parte da premissa de que o fator de produção mais relevante da economia moderna é o conhecimento. Daí decorre que o caminho para o desenvolvimento passa por educação, cultura, e investimentos em pesquisa, desenvolvimento tecnológico, e inovação. Uma segunda constatação é a de que o Brasil apresenta razoável produção científica, mas o sistema de inovação brasileiro - e o catarinense em particular -, apresentam baixas performances tanto quantitativa quanto qualitativa. Baixos investimentos, pouca integração entre empresa e universidade, e ausência de políticas públicas consensuais e de longo prazo, são as principais mazelas do desenvolvimento tecnológico brasileiro. Um terceiro ponto fundamental é a tese de que política tecnológica pode e deve ser gerenciada a nível estadual, o que contradiz o pensamento dominante até recentemente entre boa parte dos administradores estaduais dentre os quais, diga-se, não se inclui o Estado de Santa Catarina -, de que o assunto deva ser, pragmaticamente, por sua própria natureza, e por estar além das possibilidades de limitados orçamentos, subordinado a uma política nacional, e entregue ao Governo da União.

3 Partindo-se desses três pontos fundamentais, formulou-se a proposta de incrementar o sistema de inovação catarinense através de ações que fujam ao paradigma tradicional, e que, por representarem um marco diferencial, serão capazes de colocar Santa Catarina que já dispõe de instituições que se colocam entre as mais atuantes na área tecnológica -, no centro do sistema de inovação brasileiro, e de alavancar decisivamente, o desenvolvimento estadual. Dentre as medidas propostas, estão: (a) uma ampliação substancial dos recursos destinados à área tecnológica; (b) uma mudança na forma de operar o sistema de inovação catarinense, que deixaria de atuar de forma passiva, financiando preferencialmente iniciativas de pesquisas individuais ou de universidades, e passaria a direcionar e apoiar diretamente um pacote de iniciativas de pesquisa selecionadas por sua relevância para o desenvolvimento catarinense; (c) o investimento na criação de um ambiente capaz de efetivamente atrair a empresa privada para o investimento em P&D; (d) o uso efetivo do poder de compra do Estado como forma de apoiar iniciativas no campo de P&D, e, em particular, de TIC; e (e) a estruturação de um sistema de financiamento para apoio a empresas emergentes de base tecnológica.

4 A mudança, em relação aos paradigmas brasileiros, na forma de operar o sistema de inovação catarinense, visa dotar o sistema de dinamismo semelhante aos encontrados nos países líderes na produção tecnológica, inclusive os soit disant de orientação neoliberal e não intervencionistas, e se basearia na participação do governo nos custos e riscos do processo de inovação, seja pelo subsídio direto (bancar parte dos custos, a fundo perdido, e pesquisa cooperativa), ou na instituição de um programa de encomendas tecnológicas em áreas de interesse da economia e da sociedade catarinenses. A realização de investimentos para a criação de um ambiente favorável ao investimento da empresa catarinense em desenvolvimento tecnológico visa diminuir o custo da atividade pela oferta de infraestrutura eficiente de C,T&I, e pela criação de um locus de convergência entre os criadores de ciência básica, os pesquisadores de universidades, e os centros de pesquisa das empresas. A idéia é acelerar a implantação do Sapiens Park, e dota-lo de infra-estrutura de laboratórios e centros de pesquisa, em determinados campos, e subsidiar essas atividades participando diretamente dos custos a fundo perdido, de forma a criar os efeitos sinérgicos necessários para atrair a empresa privada para a chamada pesquisa cooperativa.

5 Por outro lado, e também quebrando os paradigmas brasileiros e emulando países líderes em tecnologia, é fundamental o uso do poder de compra do Estado no apoio à atividade de inovação. Tal iniciativa tem duas vertentes. A primeira, com formalidade jurídica, consistiria em criar um arcabouço legal assemelhado aos Buy American e Small Business Act, do governo americano, ou às iniciativa americanas locais (governo da Califórnia, por exemplo), destinada a criar uma margem de preferência em termos de preços para produtos produzidos localmente. A segunda, de cunho informal, consistiria em adotar, na administração estadual (inclusive empresas sob controle do Estado), essa postura, de dar preferência, sempre que viável, à produção local. Finalmente, propõe-se a criação de Fundos para ordenar a atuação da FAPESC (definir prioridades pela alocação de parcelas do orçamento anual) no apoio à formação de recursos humanos e à atividade inovadora, e, particularmente, à capitalização de empresas emergentes de base tecnológica. O sistema seria constituído por um conjunto de fundos com finalidades específicas, sendo que um deles, o destinado à capitalização de empresas emergentes, não atuaria diretamente, mas através de operadores privados a serem atraídos para o Estado, que se comprometeriam a complementar os recursos alocados pelo Governo. Os Fundos seriam geridos pela FAPESC, em complementação e ampliando seu orçamento e linha de atuação atuais.

6 Para a área específica de tecnologias da informação, propõe-se um programa radical de informatização das atividades do governo, e um programa de informatização da sociedade catarinense, capaz de gerar, pelo direcionamento de encomendas a empresas locais pré-existentes, ou a serem atraídas para o Estado, o desenvolvimento do cluster de TIC existente na região no entorno de Florianópolis, Joinville e Blumenau. As pré-condições identificadas para a implementação, com sucesso, dos programas propostos na área de TIC, são a complementação do Anel de Fibra Ótica do Estado (conclusão urgente da infra-estrutura do chamado projeto RTIC), que, além de aumentar a eficiência operacional da máquina pública, possibilitaria a universalização do acesso à internet da sociedade catarinense, em banda larga, a custo razoável, e a complementação do Datacenter do Estado, no CIASC, condição essencial ao projeto de governança eletrônica.

7 É importante salientar que todas essas propostas são absolutamente consentâneas com as diretrizes do Plano de Governo, que são descentralização, municipalização, prioridade social e modernização tecnológica, e poucas delas são originais, no sentido de que já foram pensadas, em diversas ocasiões, por diversas instâncias do Governo e/ou da sociedade catarinense. O que o estudo propõe de diferenciado é um conjunto de prioridades, e a ordenação de iniciativas em um programa coerente e focado em resultados, das diversas iniciativas ou propostas pré-existentes, apenas com algumas modificações importantes na forma de operação. Evidentemente, o esforço orçamentário adicional a ser realizado pelo Estado, no reforço às verbas destinadas a C,T&I, principalmente através do Programa de Encomendas Tecnológicas, da instituição dos Fundos, e do término acelerado da construção do RTIC, e na implantação do Sapiens Park, é substancial, e esbarra nas limitações do Orçamento Estadual.

8 Por isso, uma das propostas mais importantes é a do desenvolvimento de softwares capazes de aumentar a eficiência da arrecadação do ICMS. A informatização total da arrecadação de impostos, com as declarações prestadas via web, e o cruzamento e auditoria da totalidade das declarações prestadas feitos em tempo real, seria possível aumentar substancialmente a eficiência da arrecadação, e destinar esse aumento a dois objetivos importantes de política pública. O primeiro seria um programa de redução seletiva de alíquotas de ICMS, não só para permitir a adaptação de alguns setores à nova realidade tributária, mas sobretudo para aumentar a competitividade da economia catarinense, e atrair investimentos para o Estado. O segundo seria o objetivo de recuperar a capacidade de investimento do Estado, abrindo espaço no Orçamento Estadual para viabilizar os investimentos necessários (ou perda de receita pelos incentivos fiscais concedidos).

9 Índice Introdução Inovação e Crescimento Econômico Tecnologia da Informação e Comunicações Sistemas de Inovação Sistema de Inovação Brasileiro Lições de Experiências Internacionais Ingredientes de uma Política Tecnológica Sistema de Inovação: Federal ou Estadual? Políticas de Apoio à Inovação Tipologia das Ações de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico Incentivos Fiscais Políticas Públicas Não Fiscais Sistema de Inovação Catarinense Diagnóstico Bases para o Desenvolvimento Políticas Públicas Ambiente Institucional Formação de Recursos Humanos Forma de Atuação do Sistema de Inovação Catarinense

10 SC como cluster de TIC Arranjos produtivos Arranjos produtivos de base tecnológica SC como cluster de TIC Bases para o Desenvolvimento do Cluster de TIC de SC Programas Geradores de e sua Utilização Formação de Recursos Humanos Condições Viabilizadoras Projetos Propostos Os Projetos Propostos Projeto 1: Aumento das Verbas destinadas a CT&I Projeto 2: Mudanças na Forma de Operar do Sistema Catarinense de Inovação Projeto 3: Implantação do Sapiens Park Projeto 4: Ampliação da Rede de Incubadoras Projeto 5: Incubação de Empresas de Pesquisa por Contrato Projeto 6: Projetos Geradores de Demanda Local Projeto 7: Implantação do Buy Santa Catarina Projeto 8: Implementação de Política Industrial

11 1. Introdução Inovação e Crescimento Econômico Tecnologia da Informação e Comunicações Sistemas de Inovação Sistema de Inovação Brasileiro Lições de Experiências Internacionais Ingredientes de uma Política Tecnológica Sistema de Inovação: Federal ou Estadual?

12 Inovação e crescimento econômico Importância do conhecimento como insumo gerador de riqueza. Conhecimento só pode ser gerado e apropriado por uma sociedade quando constituída por indivíduos educados. Logo, educação e desenvolvimento cultural são fundamentais para o crescimento econômico. Países emergentes que investiram mais fortemente na incorporação do conhecimento e da inovação, nos últimos 15 a 20 anos (Coréia do Sul, Irlanda, China e Índia), vêm sendo os mais bem sucedidos em suas trajetórias de desenvolvimento econômico.

13 1. Introdução Inovação e Crescimento Econômico Tecnologia da Informação e Comunicações Sistemas de Inovação Sistema de Inovação Brasileiro Lições de Experiências Internacionais Ingredientes de uma Política Tecnológica Sistema de Inovação: Federal ou Estadual?

14 Quinta Onda: Tecnologia da Informação e Comunicações Joseph Schumpeter introduziu visão do desenvolvimento através de ondas tecnológicas. A apropriação pela sociedade de cada uma dessas ondas abriu possibilidades de aumento da capacidade de criação de riqueza, e cada uma delas apresentou ritmo crescente de disseminação na sociedade e na economia. A mais recente é a que se convenciona chamar de TIC (tecnologia da informação e comunicações). O ritmo de introdução e incorporação pela sociedade das diversas tecnologias que compõem a onda da TIC é crescente e jamais vista nas ondas anteriores, e seu efeito sobre o aumento da produtividade do trabalho e sobre a taxa de crescimento da economia, igualmente significativo.

15 A globalização financeira e a difusão do novo paradigma tecnológico baseado nas TICs levou a uma significativa transformação na economia mundial, que se tornou mais integrada. A revolução tecnológica espalhou-se rápida e desigualmente entre diferentes países e regiões. Uma conseqüência destas mudanças é que a competitividade tornou-se crescentemente relacionada com a inovação, com a capacidade de aprendizado e com o conhecimento.

16 1. Introdução Inovação e Crescimento Econômico Tecnologia da Informação e Comunicações Sistemas de Inovação Sistema de Inovação Brasileiro Lições de Experiências Internacionais Ingredientes de uma Política Tecnológica Sistema de Inovação: Federal ou Estadual?

17 Sistemas de Inovação Estudos sobre inovação e desenvolvimento mostram que algumas sociedades aprenderam a incentivar e desenvolver o processo de inventar. Um termo novo foi introduzido no jargão dos formuladores de políticas públicas para o desenvolvimento, para caracterizar um conceito já existente desde Friedrich List: sistema de inovação. O termo procura abranger as instituições políticas, econômicas e financeiras, culturais, sociais e institucionais, que levam uma sociedade a criar e incorporar conhecimento e inovação. O processo de inovação pode ser visto como um intrincado jogo de influências recíprocas entre os fenômenos que ocorrem nas empresas, instituições de pesquisa e organizações sociais, e as estruturas macroeconômicas em que se inserem.

18 Em um contexto dinâmico isso significa que os sistemas micro das empresas, instituições e organizações de pesquisa coevoluem com as estruturas, instituições e políticas que os moldam, em um processo de mútuas influências e evolução. As especificidades de cada um desses sistemas de inovação fazem com que algumas sociedades se mostrem mais aptas do que outras para gerar e incorporar conhecimento, inovação e tecnologia. Países diferentes encontraram diferentes formas de adaptação aos novos paradigmas trazidos pela globalização. O registro histórico dos países menos desenvolvidos mostra que as barreiras para o acesso ao conhecimento tecnológico útil para suas necessidades econômicas e sociais tem se tornado cada vez mais difícil de vencer.

19 Os sistemas de inovação estão constituídos ou possuem as seguintes características: as empresas são o centro do sistema, e os demais atores envolvidos atuam no sentido de garantir sua crescente competitividade; as empresas inovam em processo de interação com outras empresas, com a infra-estrutura geradora de conhecimento básico (universidades e instituições de pesquisa), e com o acervo de conhecimentos acumulados; as atividades de inovação das empresas são desenvolvidas por equipes que interagem em seu interior, e com as equipes das universidades e instituições de pesquisa. A intensidade e profundidade dessa interação dependem de aspectos sócioeconômicos e culturais (sistemas de educação, comportamento do mercado de trabalho).

20 O processo de inovação, é, portanto, um processo sinérgico e cumulativo, em que uma idéia nova se baseia sempre em idéias anteriores, e em idéias de outros atores; A contribuição das diferentes empresas para o processo de inovação como um todo, depende de diversos fatores, dentre os quais o setor em que está inserida (seguindo a intensidade tecnológica desses setores), de seu porte (e, consequentemente, da capacidade financeira para adquirir densidade tecnológica), de sua localização, e do sistema econômico em que está inserida, e da localização de seu centro de decisão (propriedade do capital de controle).

21 1. Introdução Inovação e Crescimento Econômico Tecnologia da Informação e Comunicações Sistemas de Inovação Sistema de Inovação Brasileiro Lições de Experiências Internacionais Ingredientes de uma Política Tecnológica Sistema de Inovação: Federal ou Estadual?

22 Características Negativas do Sistema de Inovação Brasileiro A empresa é o motor da inovação, e é a partir dela que se pode estruturar o sistema de inovação regional ou local. O brasileiro é um povo empreendedor e criativo, e isso pode ser demonstrado pelo fato de que, sempre que uma ação continuada e apoiada pelo governo no sentido de desenvolvimento ou apropriação de tecnologias foi mantido ao longo do tempo suficiente, o sucesso foi absoluto. Exemplos disso são as tecnologias de exploração e produção de petróleo e gás em águas profundas da Petrobrás, o sucesso do CTA e da Embraer na indústria aeronáutica, as tecnologias de agricultura tropical da Embrapa, e, o desenvolvimento de sistemas informáticos na área de tributação e eleitorais. A principal característica nociva do sistema de inovação brasileiro é o divórcio entre o produtor de ciência básica e aplicada, e o utilizador da mesma, as empresas. A atividade de P&D, no Brasil, é, basicamente, realizada na universidade, que concentra a maior parte dos cientistas e engenheiros ativos em P&D, ao contrário do padrão dos países desenvolvidos.

23 Os profissionais ativos em P&D representam 0,11% da força de trabalho no Brasil, contra 0,8% nos EUA e Japão, e 0,4% na Coréia. Figura 1 - Percentagem da FT ativa em P&D para países selecionados Brasil Espanha Itália Coréia do Sul Alemanha França Média Japão EUA

24 Apesar das elevadas verbas governamentais para P&D, nos EUA, as mesmas representam apenas 26% do total, enquanto os investimentos privados representam 68%. Os números brasileiros, além de extremamente baixos como percentual do PIB, são aproximadamente o inverso dos números americanos: 60% são recursos governamentais, e 38% de empresas. Se se considerar que boa parte dos investimentos em P&D das empresas são feitos por empresas estatais, fica evidente a baixíssima prioridade atribuída ao fator inovação pela empresa privada brasileira. Da mesma forma, a atividade de P&D é desenvolvida, nos EUA, em sua maior parte (cerca de 76%), por centros de pesquisa de empresas, 14% por universidades, e 7% por instituições governamentais. No Brasil, 44% da atividade de P&D é desenvolvida por universidades, 37% por empresas, e 18% por instituições governamentais. É notória a insuficiência de investimentos públicos para o desenvolvimento das atividades de P&D no Brasil.

25 Nos EUA, do valor total dos dispêndios em P&D financiado pelo governo, 32% se destinam à execução por Centros de P&D de empresas, e 33% em universidades. O valor destinado a empresas refere-se à compra de desenvolvimento tecnológico pelo governo, o que se constitui em importante subsídio ao desenvolvimento tecnológico. Evidentemente, a baixa presença da empresa nas atividades de P&D acarretam um sério problema de competitividade para o País, reduzindo a capacidade de transformar ciência em riqueza, e de agregar valor à produção nacional. Além disso, a indústria de venture capital, financiadora do empreendedorismo ligado à inovação, é irrelevante, no Brasil. Nos EUA, Israel, UK, e alguns outros países, a indústria de venture capital representa 0,6 a 1,2% do PIB. No Brasil, segundo estimativas, não chega a 0,1%.

26 Um dos aspectos mais preocupantes do sistema de C,T&I brasileiro, que, em grande parte se baseia na universidade, tem pequena preocupação com a proteção da produção intelectual. É que o sistema universitário atribui grande peso à publicação de papers e informes científicos em revistas técnicas nacionais e internacionais, para efeito de avaliação da performance de professores e pesquisadores. Dessa forma, a academia, quase sempre, opta pela divulgação imediata, detalhada, e, freqüentemente prematura, de seus achados científicos, antes de seu patenteamento, sempre que isso se justifica. Por esse motivo, é comum verificar-se que produtos de pesquisa realizados no Brasil são patenteados e transformados em produto no exterior. Daí dizer-se que o Brasil, que dispõe, hoje, de uma produção científica razoável - mais do que proporcional à sua participação no PIB ou no comércio exterior mundiais -, produz ciência para terceiros.

27 1. Introdução Inovação e Crescimento Econômico Tecnologia da Informação e Comunicações Sistemas de Inovação Sistema de Inovação Brasileiro Lições de Experiências Internacionais Ingredientes de uma Política Tecnológica Sistema de Inovação: Federal ou Estadual?

28 Lições de Experiências Internacionais A experiência de países que tiveram no passado (Japão, Israel), e vêm tendo em tempos recentes (Coréia, Taiwan, Índia e China), grande sucesso em termos de catching up tecnológico, apontam para uma série de ingredientes comuns em suas políticas educacionais e tecnológicas: investimentos massificados em educação, em todos os níveis, mas, particularmente, em educação superior de qualidade; participação ativa do governo na política tecnológica, direcionando verbas para áreas de pesquisa consideradas prioritárias, e comprando tecnologias, ou subsidiando custos de pesquisas; presença de grandes empresas, com porte suficiente para sustentar investimentos em P&D, arriscados e de retorno incerto; veto à venda de controle de grandes empresas estratégicas (setores tecnologicamente importantes); proteção e apoio à tecnologia nacional, e, particularmente, proteção à propriedade intelectual; ampla atividade de incubação e apoio a empresas emergentes de base tecnológica; uso intensivo do poder de compra do Estado como alavancador da inovação.

29 A experiência de alguns países, em especial daqueles em estágio de desenvolvimento semelhante ao brasileiro, é particularmente interessante, e fornece dados para a definição de uma política tecnológica. São os casos, por exemplo, de Índia e Coréia. Nos dois casos, todos os ingredientes anteriores estão presentes. Ambos investiram intensivamente em educação, particularmente na formação de uma elite de cientistas e engenheiros altamente qualificados. Ambos protegem suas empresas estratégicas, investem na incubação de empresas emergentes de base tecnológica, e usam intensivamente o poder de compra do Estado como alavanca do desenvolvimento tecnológico. Em ambos os casos, o governo direciona e concentra os investimentos em educação superior e tecnologia para setores considerados prioritários. É o caso, na Índia, das indústrias de software e de fármacos, e, na Coréia, atualmente, de eletrônica e telecomunicações e de biotecnologia.

30 O caso da Coréia é particularmente interessante, podendo ser considerado exemplar em termos de uma condução de sucesso de política tecnológica pelo governo. O governo coreano tem histórico de sucesso na condução, participação em custos e riscos, e concentração do esforço inovativo do país em indústrias estratégicas, chamadas indústrias e tecnologias portadoras de futuro, e mesmo em tecnologias específicas, nas quais se avaliava que o país poderia se tornar um dos líderes mundiais. Em todos os campos selecionados, o país se colocou, em alguns anos, entre os líderes mundiais, como, recentemente, em informática e telecomunicações. Na década de 60, a indústria coreana era primitiva, dedicada a produzir produtos de consumo com base em licenças internacionais. Os primeiros pacotes legislativos coreanos referentes a incentivos tecnológicos datam de meados dessa década, quando foi criado o KIST (Korean Institute for Science and Technology). Incentivos foram dados, também, no início da década de 70, às atividades de engenharia de projeto.

31 O KIST foi o marco mais importante na trajetória vitoriosa da Coréia nas décadas que se seguiram, até sua posição de liderança atual. Foi o grande formador inicial de mão de obra de P&D, e ensinou as empresas coreanas a metodologia da pesquisa tecnológica, e, inicialmente subsidiou, e até hoje partilha custos e riscos da atividade com as empresas, hoje, com menor participação percentual. É nítido, na Coréia, que a participação direta e indireta do governo nos custos e riscos da atividade de P&D, acabaram por levar as empresas coreanas a investirem crescentemente em P&D. As verbas governo cresceram continuamente em termos absolutos, mas foram reduzidos percentualmente, cedendo espaço ao espetacular crescimento dos dispêndios dos grupos coreanos. O sucesso dessa trajetória didática pode ser visto pela participação privada crescente nos dispêndios com P&D do país: de 13% dos US$ 105 milhões que o país gastou em 1970 (0,4% do PIB), para mais de 75% dos US$ 16 bilhões (2,6% do PIB) gastos em 2003 com P&D.

32 No início da década de 80, os gastos das empresas já representavam 45% dos gastos totais. As pesquisas eram feitas ainda majoritariamente nos institutos (50%), mas as empresas já realizavam em centros próprios cerca de 41% dos investimentos em P&D. As universidades representavam apenas 9% das pesquisas. O KIST desdobrou-se em vários institutos setoriais, e as empresas começaram uma explosiva trajetória de abertura de centros próprios de P&D. Os números de 2003 indicam que o investimento em P&D das empresas coreanas representa 74% do total. Apesar da indústria coreana disputar a liderança mundial em diversos setores, o partilhamento de custos e riscos com o governo ainda é considerado essencial, e o governo participa com 26% dos recursos totais, principalmente em novas tecnologias.

33 A política de seleção de tecnologias, com investimentos maciços e concentrados subseqüentes, têm sempre um objetivo comercial pré-determinado, e uma associação com empresas interessadas em comercializar os desenvolvimentos obtidos. É o caso atual das tecnologias de acesso sem fio à internet, baseadas no sistema WiMax, da Intel. Essa tecnologia específica foi selecionada há alguns anos atrás pelo governo, em comum acordo com os chaebols da área, particularmente a Samsung, por se tratar de tecnologia pioneira, em que o país poderia tomar a liderança mundial. Volume maciço de recursos foi disponibilizado - inicialmente pelo governo - para o deslanche das pesquisas. A Samsung está lançando o sistema WiBro, antecipando-se a qualquer outro concorrente mundial, tornando-se líder e pioneira na exploração comercial da tecnologia.

34 A política tecnológica coreana, na prática, se baseia em alguns princípios norteadores básicos: grande preocupação com aplicações práticas e comerciais das pesquisas, e rigorosa proteção da propriedade intelectual; associação entre governo, universidades, centros de pesquisa e, obrigatoriamente, pelo menos um grupo empresarial; participação ativa do governo na rígida seleção de oportunidades tecnológicas, focando sempre setores intensivos em tecnologia; e concentração de esforços nos alvos selecionados.

35 1. Introdução Inovação e Crescimento Econômico Tecnologia da Informação e Comunicações Sistemas de Inovação Sistema de Inovação Brasileiro Lições de Experiências Internacionais Ingredientes de uma Política Tecnológica Sistema de Inovação: Federal ou Estadual?

36 Ingredientes de uma Política Tecnológica Do exposto, pode-se extrair alguns princípios importantes para a formulação de uma política tecnológica focada em resultados: necessidade de participação ativa do Governo, através do fornecimento de recursos, incentivos de ordem fiscal, participação direta nos custos (subsídio, disponibilização de infra-estrutura, e pesquisa cooperativa), apoio através de uso do poder de compra, direcionamento de pesquisas através de alocação de verbas e de encomendas tecnológicas; continuidade do volume de recursos alocados a C,T&I; orientação e foco de pesquisas e verbas em alguns setores de maior impacto e perspectivas de crescimento; extrema atenção à proteção da propriedade intelectual; existência de um sistema de financiamento e apoio a empresas emergentes de base tecnológica.

37 1. Introdução Inovação e Crescimento Econômico Tecnologia da Informação e Comunicações Sistemas de Inovação Sistema de Inovação Brasileiro Lições de Experiências Internacionais Ingredientes de uma Política Tecnológica Sistema de Inovação: Federal ou Estadual?

38 Sistema de Inovação: Federal ou Estadual? Dúvida comum é a de se a atividade de desenvolvimento tecnológico e inovação é um problema que deve estar afeto ao Governo Federal, ou se há espaço para a atuação dos Estados. A maioria dos Estados tem, em sua Constituição, algum tipo de obrigatoriedade de aplicação mínima em C,T&I, mas, na prática, trata a questão da Inovação como sendo assunto do Governo Federal, restringindo-se a atuar na carona, repassando verbas e inserindo suas iniciativas no âmbito dos programas federais. É possível, sim, implementar um sistema estadual ou regional de inovação, sem deixar de aproveitar as facilidades criadas pelo Governo Federal (ver, por exemplo, a forma de atuação do Estado de São Paulo, e mesmo do governo catarinense). É fundamental que Santa Catarina redesenhe seu sistema estadual de inovação, com instituições operando com paradigmas e iniciativas e prioridades próprios e definidos localmente.

39 2. Políticas de Apoio à Inovação Tipologia das Ações de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico Incentivos Fiscais Políticas Públicas Não Fiscais

40 Tipologia das Ações de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico Todos os países, inclusive, e sobretudo, os de orientação macroeconômica neoliberal, intervêm fortemente através de políticas públicas, no setor tecnológico. Tais políticas visam estimular a sociedade como um todo, mas particularmente os principais atores envolvidos, as empresas, a buscarem eficiência pela incorporação de tecnologias inovadoras. Uma taxonomia das políticas aplicadas começaria separando os incentivos dados pelo governo em fiscais e não fiscais.

41 Os incentivos fiscais são o instrumento mais simples, imediatos e comuns, aplicados como estimuladores das atividades de P&D. A principal crítica que se faz a esse tipo de incentivo é que atinge somente as empresas grandes e maduras, as únicas investidoras em P&D que costumam apresentar lucros com regularidade e em volume capazes de permitir a apropriação de incentivos de ordem fiscal. Ocorre que boa parte das atividades de P&D é exercida em cooperação entre instituições sem fins lucrativos, como centros de pesquisa do Governo, e por pequenas empresas, sobretudo as em estágio inicial de implementação. Tais atores não dispõem de faturamento ou resultados passíveis de serem sensibilizados pelos incentivos fiscais tradicionais.

42 Daí a necessidade de aplicação de uma série de incentivos e formas de apoio à atividade de pesquisa, de origens diversas. Dentre as políticas públicas não fiscais, pode-se citar: disponibilização de infra-estrutura pública de C&T;. aporte financeiro às empresas para inovação: empréstimos; participação acionária direta do governo; capital de risco. participação direta do governo nos custos: encomendas tecnológicas do governo (total); participação direta (parcial); pesquisa cooperativa. uso do poder de compra do Estado (incluindo empresas estatais); e proteção de mercado (barreiras à importação).

43 2. Políticas de Apoio à Inovação Tipologia das Ações de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico Incentivos Fiscais Políticas Públicas Não Fiscais

44 Incentivos Fiscais Incentivos fiscais a investimentos em P&D se constituem na política pública mais utilizada para o desenvolvimento de atividades de inovação, em praticamente todo o mundo. Deixa, no entanto, de abranger um ator importantíssimo no processo de inovação, que é a pequena empresa inovadora. Não há, entretanto, como deixar de utilizar um sistema de incentivos fiscais a investimentos em P&D, já que a grande empresa é o ator mais importante em alguns setores de tecnologia, e, além disso, costuma exercer um efeito multiplicador importante como comprador de pesquisas e desenvolvimentos tecnológicos das pequenas empresas altamente especializadas. Assim, a nível estadual, um conjunto de políticas voltadas para o incentivo à inovação, deve contemplar algum tipo de incentivo fiscal na área do ICMS.

45 2. Políticas de Apoio à Inovação Tipologia das Ações de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico Incentivos Fiscais Políticas Públicas Não Fiscais

46 Políticas Públicas Não Fiscais Um conjunto de políticas públicas voltado para a inovação deve começar, necessariamente pela criação ou desenvolvimento de ampla infra-estrutura pública em C&T, que consistiria de centros de formação de recursos humanos, e montagem de laboratórios e centros de pesquisa de utilização geral pelas empresas, através de uso direto, encomenda de serviços, ou pesquisa cooperativa. Da mesma forma, um sistema de financiamento às atividades tecnológicas deve ser criado pelo setor público, envolvendo todas as providências para suportar as atividades de pesquisa, focando, sobretudo, a pequena empresa de base tecnológica. Um sistema desse tipo deve englobar o repasse de verbas federais por agentes locais, financiamentos e avais, e, sobretudo, participação direta do governo no capital das empresas, e apoio ao desenvolvimento de um sistema em parceria com a iniciativa privada, de capital de risco.

47 Além disso, todos os países importantes na área tecnológica costumam manter uma política industrial voltada para o desenvolvimento e proteção da tecnologia local, que consiste de uma série de providências envolvendo, dentre outras, a proteção aduaneira à importação de bens e serviços com conteúdo tecnológico, e um sistema de subsídios à atividade inovadora, seja total, através de encomendas tecnológicas voltadas para áreas da fronteira tecnológica, energia, saúde e defesa, e para o atendimento das demandas tecnológicas mais importantes da sociedade, seja parcial, através do aporte, a fundo perdido de parte dos custos das pesquisas, ou de participação nos custos em pesquisa cooperativa. Finalmente, os países mais bem sucedidos na área tecnológica costumam usar intensivamente o poder de compra do estado, direcionando-o a empresas locais.

48 3. Sistema de Inovação Catarinense Diagnóstico Bases para o Desenvolvimento Políticas Públicas Ambiente Institucional Formação de Recursos Humanos Forma de Atuação do Sistema de Inovação Catarinense

49 Diagnóstico Estrutura Performance Forma de Atuação

50 Diagnóstico Estrutura O sistema catarinense de ensino superior é composto por cerca de 120 instituições de ensino, com quase 180 mil alunos inscritos em cursos de graduação e pós-graduação, e cerca de 3 mil professores com nível de mestrado e doutorado. As universidades mais importantes são as duas universidades públicas, a UFSC, federal, e a UDESC, estadual. Há, ainda, dez universidades organizadas na forma de Fundações, e diversos centros universitários e estabelecimentos isolados. O sistema de pós-graduação stricto senso conta com 25 cursos de Doutorado e 72 cursos de mestrado, com mais de 6 mil alunos matriculados. Computados os cursos de especialização, o número total de cursos de pós-graduação sobe para 398, com mais de 16 mil alunos matriculados.

51 O sistema catarinense de inovação abrange, ainda: a FAPESC, financiadora pública de atividades de C,T&I; o EPAGRI Empresa de Tecnologia Agropecuária e de Extensão Rural de Santa Catarina S.A., voltada para pesquisa na área agrícola e extensão rural; um centro de pesquisa da Embrapa, o Centro Nacional de Pesquisa em Suínos e Aves, localizado em Concórdia; seis centros tecnológicos do SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, junto aos principais APLs catarinenses (Automação e Informática, em Florianópolis, Eletrometalmecânica, em Joinville, Vestuário, em Blumenau, Cerâmica e Materiais, em Criciúma, Mobiliário, em São Bento do Sul, e Alimentos, em Chapecó); 17 incubadoras, dentre as quais se destacam o CELTA Centro Empresarial para Laboração de Tecnologias Avançadas, da Fundação CERTI; um parque tecnológico em funcionamento, o PAKTEC ALFA, e um em projeto, o Sapiens Park.

52 O sistema catarinense de inovação tem um arranjo institucional bem definido, compreendendo os seguintes órgãos e respectivas atribuições: Conselho Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação CONCITI encarregado de formular a política estadual de C,T&I diretamente subordinado e presidido pelo Governador do Estado; com representantes de todos os órgãos diretamente envolvidos com inovação, particularmente o Secretário de Educação, C&T, que é seu primeiro Vice-Presidente, o Secretário de Agricultura, seu segundo VP, e os Secretários de Saúde, Planejamento e Desenvolvimento Sustentável. Secretaria de Educação, C&T dentre outras atribuições na área educacional, encarregada de implementar a política de C,T&I formulada pelo CONCITI.

53 Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de SC FAPESC diretamente subordinada à Secretaria de Educação, C&T; encarregada, dentre outras coisas, de: aplicar os recursos destinados à pesquisa científica e tecnológica; planejar, elaborar e executar os planos e programas de fomento a C,T&I, considerando as orientações de política emanadas do CONCITI; fomentar o desenvolvimento tecnológico da empresa catarinense, em parceria com as universidades do Estado; incentivar a criação de APLs e de incubadoras de base tecnológica; fomentar e manter soluções de TIC como infra-estrutura para a administração pública e as atividades de C,T&I; e, particularmente, gerenciar a rede de governo.

54 Particularmente, no caso de TIC, o Governo de Santa Catarina está estruturado da seguinte forma: Conselho Estadual de Tecnologia da Informação CTIC encarregado de definir políticas, normas e padrões de TIC; diretamente subordinado e presidido pelo Vice-Governador do Estado; com representantes de todos os órgãos diretamente envolvidos com inovação, particularmente o Secretário da Fazenda, que é seu Vice- Presidente, o Diretor de TI e Governança Eletrônica da Secretaria de Fazenda, que é seu Secretário Executivo, os Secretários de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável, Educação e C&T, Administração, e Comunicação, e os Presidentes da FAPESC e do CIASC. Secretaria de Estado da Fazenda que, dentre outras atribuições, deve gerir,definindo as normas e padrões, os assuntos de TIC, observadas as decisões de política do CTIC, e coordenar as ações de implementação do Serviço de Atendimento ao Cidadão.

55 O DTEC Diretoria de Tecnologia da Informação e Governança Eletrônica, da SEF, incumbida da execução da atribuição de gestão dos assuntos de TIC. O Diretor de TI e GE secretaria a CTIC. No âmbito de cada Secretaria de Estado, foi criada a figura do Gerente de TI, encarregado de fazer a interlocução e implementar as decisões do CTIC, SEF, e DTEC, em suas áreas de atuação. CIASC Centro de Informática e Automação do Estado SC empresa pública diretamente subordinada à SEF; encarregada, dentre outras coisas, de: integrar os sistemas informatizados do Governo em uma rede; especificar padrões de TIC para os órgãos do Governo; gerenciar os processos informatizados no âmbito do Governo; prestar consultoria e desenvolver aplicativos; e, particularmente, desenvolver tratamento de imagens e websites do Governo.

56 Até o advento das normas legais que reestruturaram a administração estadual, na atual gestão, particularmente a Lei Complementar 284, de fevereiro de 2005, havia falta de clareza em relação a uma política para a área de TIC e a Governança Eletrônica, tendo os diversos órgãos absoluta liberdade para a escolha de plataformas e soluções de TIC, freqüentemente incompatíveis, acarretando desperdícios e falta de sinergia nos esforços realizados. A nova lei definiu com clareza a estrutura hierárquica de gestão, passando a haver a possibilidade de efetiva coordenação das atividades ligadas à TIC no Governo. A atividade foi posta sob comando definido (Vice-Governador), e foi criado o CTIC, com a missão de definir uma política e Planos Diretores de TIC, definir a estrutura de gestão das redes governamentais de comunicação de voz, dados e imagem, aprovar as normas para aquisição de soluções em TIC, e aprovar procedimentos de certificação digital.

57 A execução dessas políticas e planos foi delegada à SEF, através de sua DTEC. Por outro lado, à SEF se vincula o CIASC, empresa pública encarregada de executar serviços na área de TIC para o Governo. E, para aperfeiçoar a coordenação das atividades no âmbito do Governo, cada Secretaria de Estado passou a contar, em sua estrutura, de uma Gerência de TIC, encarregada do relacionamento com o DTEC, e de zelar pelo cumprimento, em sua área, das normas e orientações emanadas do CTIC e da SEF. Pode-se discutir e, eventualmente criticar, a adequação dessa atribuição à SEF, mas não a clareza com que foi definida a estrutura e a definição de atribuições. Persistem ainda, no entanto, algumas questões não claramente definidas, ou superposições, que deveria ser corrigidas no curto prazo, a fim de evitar que a elaboração e a execução de políticas e planos sejam prejudicadas.

58 Trata-se de definir, ou melhor, de esclarecer, no âmbito do Governo, a quem incumbe a execução dos planos de implementação do Governo Eletrônico, e a implementação e gestão da rede de fibra ótica do Governo. No que diz respeito à rede de fibra ótica, a atribuição legal é da FAPESC, mas há diversos órgãos envolvidos, como a própria FAPESC, o CIASC, a CELESC, e SC Parcerias. Já no tocante às iniciativas de Governo Eletrônico, há o CIASC, a SC Parcerias, e ainda, a Fundação CERTI. O assunto deve ser debatido no âmbito do CTIC visando o encaminhamento de uma solução clara e definitiva para as indefinições que ainda persistem. Dentro da estrutura do Estado, o CIASC - que tem recursos humanos e tecnológicos, e grande conhecimento das necessidades do Governo em termos TIC, e experiência em implantar e manter projetos de porte tem o perfil mais adequado para assumir a execução tanto da implementação da rede de fibra ótica quanto da gestão do projeto de e-gov.

59 Os pontos fracos do CIASC seriam a falta de recursos (*), algum corporativismo de seu quadro funcional, e a resistência de alguns órgãos usuários, devido à imagem negativa até certo ponto injusta - que tem. De fato, a empresa goza de boa reputação na comunidade de TIC, a nível nacional, mas é vista em alguns setores do Governo como uma organização atrasada, utilizando tecnologias ultrapassadas baseadas em mainframe, percepção esta que não corresponde à realidade. Primeiro, porque o mainframe não pode ser considerado um mal em si, sendo absolutamente essencial em casos em que se tem que lidar com grande volume de dados, e em segundo, porque a empresa vem fazendo grande esforço para migrar parcialmente para plataformas baixas e tecnologias da Internet. A questão do corporativismo do corpo funcional não é irrelevante, e pode influenciar negativamente a tomada de decisões, com a opção pelo desenvolvimento de soluções in house. A atual administração vem combatendo essa tendência. (*) o que, de resto, ocorre com todos os órgãos dependentes do Orçamento Estadual.

60 Diagnóstico Estrutura Performance Forma de Atuação

61 Diagnóstico Performance O sistema de inovação de SC se caracteriza por: baixa taxa de inovação medida pelo percentual de firmas que lançam novos ou melhores produtos e/ou processos no mercado (Pintec, 2005, IBGE); o investimento em inovação se concentra na aquisição de bens de capital, antes que na atividade de P&D propriamente dita (*) ; os gastos de P&D das firmas, além de baixos, estão em queda (talvez como resultado do ambiente econômico - alta taxa de juros, volatilidade cambial, restrição ao gasto público, deterioração da infra-estrutura -, que não favorece o investimento produtivo); Santa Catarina tem boa infra-estrutura científica, e um sistema de pós-graduação de boa qualidade (universidades públicas e instituições de pesquisa), resultado de mais de trinta anos de investimento público na área; o investimento governamental em C,T&I é baixo e apresenta grande volatilidade, devido às restrições de ordem orçamentária. (*) mais de 50% dos gastos das firmas com inovação estão voltados para aquisição de bens tangíveis; tal percentual, nos países da OCDE, é de, em média, 20%.

62 O artigo n o 193 da Constituição do Estado destina um valor mínimo equivalente a 2% da receita líquida do Estado (descontados os repasses a Municípios) às atividades de C,T&I. Em função das limitações orçamentárias (decorrentes, sobretudo, do ônus imposto pela Lei 9.496, de 1997, que consolidou e refinanciou as dívidas estaduais, com limite em 13% de 1/12 avos do valor da receita líquida apurada mensalmente), o Estado tem sido obrigado a operar um Orçamento meramente autorizativo, sendo a maior parte das verbas contingenciadas na execução do orçamento, como se pode ver na Tabela a seguir. O atual Governo ampliou substancialmente o percentual de verbas efetivamente liberadas como percentual do Orçamento destinado a C,T&I pela Constituição Estadual, o qual encontra-se ainda, no entanto, em torno de 40% do previsto no Orçamento. Além desse orçamento básico, que, se efetivamente disponível, já seria, em si, relevante -, as instituições estaduais operam no repasse de verbas Federais, como os Fundos do MCT e do MEC, e verbas específicas do Ministério das Comunicações.

63 FAPESC - Orçamento e Repasses Orçamentários Efetivos Exercício Orçamento Repassado % ,6 1,2 7, ,6 2,6 11, ,9 2,8 12, ,6 1,0 3, ,5 2,6 10, ,7 4,9 13, ,0 11,5 30, ,9 16,0 39, ,5 18,3 37, ,0 17,7 43,1 Fonte: FAPESC

64 Diagnóstico Estrutura Performance Forma de Atuação

65 Diagnóstico Forma de Atuação A FAPESC tem sua atuação condicionada por uma série de fatores, dentre os quais o mais importante é o histórico contingenciamento das verbas destinadas a C,T&I, como decorrência das dificuldades orçamentárias do Governo. Ainda assim, a instituição vem conseguindo manter uma atuação equilibrada. O orçamento de 2003, primeiro ano da gestão atual, dá uma idéia da distribuição dos recursos orçamentários da FAPESC, quando a perspectiva era de um orçamento pleno. O orçamento não foi executado devido ao contingenciamento, resultando em carry-over de compromissos referentes aos editais emitidos naquele ano, o que passou a condicionar os orçamentos dos anos seguintes. Por esse motivo, o orçamento de 2003 pode ser considerado como a peça que representa a orientação e as intenções da direção da FAPESC no que diz respeito à distribuição das verbas que estariam disponíveis caso não houvesse ocorrido o contingenciamento. (*) cerca de 34%, a nível de destinações orçamentárias, mas não de aplicações efetivas.

66 Nesse nível de intenções, a FAPESC pretendia comprometer 22,9% dos recursos a dois projetos que deveriam ter tratamento orçamentário à parte, o Sapiens Park e a RTIC, 22,5% aos editais universais de pesquisa, 33,6% à pesquisa aplicada e apoio às APLs, e apenas 5,4% a incubadoras e 0,7% à implantação de laboratórios. Destinações Orçamentárias FAPESC TOTAL RTIC - Rede G overno Sapiens Park Editais Universais Arranjos Produtivos Pesquisa Aplicada Incubadoras Laboratórios Eventos Outros Custeio Administrativo R$ m ilhões % total 42,3 100,0% 9,6 23,9% 0,5 9,5 22,5% 1,4 33,6% 12,8 2,3 5,4% 0,3 0,7% 1,1 2,6% 3,7 8,7% 1,1 2,6% Fonte: Distribuição de Recursos do Orçamento de 2003, do FUNCITEC (atual FAPESC), Relatório do FUNCITEC, 2003

67 A julgar por esse programa de investimentos, as seguintes características da forma de atuar da FAPESC podem ser deduzidas: pequeno percentual do orçamento destinado a custeio; parcela adequada do orçamento destinado a pesquisas em cooperação com empresas ou arranjos produtivos locais, em geral, como contrapartida estadual de programas federais (PAPPE-Finep e PRONEX-CNPq); pequeno percentual de verbas destinado ao financiamento de implantação de infra-estrutura de pesquisa (laboratórios); grande esforço administrativo despendido na gestão de programas que fogem à finalidade específica de pesquisa (rede de governo), ou que deveriam ter tratamento ä parte (Sapiens Park); ausência no apoio à formação básica de recursos humanos (cursos e bolsas na área tecnológica), tarefa deixada a cargo de outras fontes de recursos da SECT; pouco esforço financeiro para implantação de incubadoras; e atuação passiva na orientação das áreas de pesquisa (atuação exclusiva através de editais universais, de iniciativa de instituições de ensino, pesquisadores individuais, e/ou empresas).

68 3. Sistema de Inovação Catarinense Diagnóstico Bases para o Desenvolvimento Políticas Públicas Ambiente Institucional Formação de Recursos Humanos Forma de Atuação do Sistema de Inovação Catarinense

69 Bases para o Desenvolvimento do Sistema de Inovação Catarinense aumento das verbas destinadas a C,T&I, e repasse efetivo (cumprimento do orçamento) das mesmas; direcionamento de políticas públicas para a geração de demanda governamental (inclusive de empresas estatais) para empresas inovadoras; particularmente, criar um programa de encomendas, por parte do Governo Estadual, de desenvolvimento tecnológico adequado às prioridades locais; subsídio explícito à pesquisa, através de pesquisa cooperativa ou de participação direta nos custos; criação de ambiente institucional favorável à integração entre pesquisa tecnológica e setor produtivo, particularmente a indústria, considerada a base de qualquer sistema de inovação com conseqüências práticas;

70 investimento na ampliação da infra-estrutura de pesquisa; investimento no aprimoramento dos cursos de formação e criação de centros de excelência voltados para a formação profissional nas especialidades ligadas às atividades tecnológicas; implantação de sistema de financiamento e apoio ao empresas emergentes de base tecnológica; e reforço substancial à ênfase dada à proteção da propriedade intelectual gerada pela política de inovação do Estado.

71 3. Sistema de Inovação Catarinense Diagnóstico Bases para o Desenvolvimento Políticas Públicas Ambiente Institucional Formação de Recursos Humanos Forma de Atuação do Sistema de Inovação Catarinense

72 Políticas Públicas Lei Estadual de Inovação Programa de Compras Tecnológicas Compras Governamentais Política Industrial

73 Políticas Públicas Lei Estadual de Inovação A partir da entrada em vigor da Lei , de dezembro de 2004, regulamentada pelo recente Decreto 5.563, de 11 de outubro de 2005, alguns Estados têm apresentado projetos de leis locais com o objetivo de regular o funcionamento dos respectivos sistemas estaduais de inovação. Importantes dispositivos da Lei Federal da Inovação são os voltados para o estímulo à pesquisa cooperativa entre empresas e instituições estatais de pesquisa, particularmente os relativos à regulação do uso da infra-estrutura pública de CT&I por empresas privadas, à propriedade intelectual conjunta da inovação, à possibilidade de participação da União, Estados e Municípios, direta ou indiretamente no capital de empresas inovadoras, e à participação do pesquisador de entidades estatais nos resultados das pesquisas.

74 A Lei federal estabelece os princípios gerais da política de CT&I, mas deixa vagos uma série de aspectos importantes para a organização de cada sistema de inovação estadual. Por esse motivo, e para dar maior segurança aos executores das políticas estaduais, é recomendável que o Estado institua uma lei de inovação estadual que regulamente claramente pontos fundamentais da política tecnológica estadual.

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação

Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação Associação de empresas do setor eletroeletrônico de base tecnológica nacional Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação P&D Brasil - Quem somos Associação de empresas do setor

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

XIX Workshop Anprotec. Sapiens Parque

XIX Workshop Anprotec. Sapiens Parque XIX Workshop Anprotec $ustentabilidade dos Parques Tecnológicos: Sustentabilidade financeira e competitividade do território 24 e 25 de outubro de 2011 Porto Alegre/RS Sapiens Parque PARQUE COPYRIGHT TECNOLÓGICO

Leia mais

PARQUES TECNOLÓGICS NO BRASIL: ESTUDO, ANÁLISE E PROPOSIÇÕES. Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores

PARQUES TECNOLÓGICS NO BRASIL: ESTUDO, ANÁLISE E PROPOSIÇÕES. Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores PARQUES TECNOLÓGICS NO BRASIL: ESTUDO, ANÁLISE E PROPOSIÇÕES Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores ANPROTEC o Fundação: 30/10/1987 o Tem o papel de criar mecanismos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Gestão Pública: Plano Palhoça 2030 Prefeito Municipal de Palhoça Comitê Executivo de Acompanhamento e Implantação Avaliação de Desempenho

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com BRASIL - TERRITÓRIO, POPULAÇÃO E ECONOMIA: COMBINAÇÃO VITORIOSA Indonésia Área População > 4 milhões km 2 > 100 milhões Nigéria Canadá Rússia EUA Brasil China

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 13, N. 26, P. 303-308, DEZ. 2006 VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva Data: 5 a 7 de junho de 2006 Local: Rio de Janeiro (RJ) Representante do

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CARTA SÃO PAULO 2006 1 CARTA SÃO PAULO 2006 Visão para inovação, competitividade e renda. Reunidos na cidade de São Paulo-SP, no dia 25 de agosto de

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos

Financiadora de Estudos e Projetos Financiadora de Estudos e Projetos Cenário da Metrologia Nacional: Demandas e Oportunidades Carlos A. M. Couto Superintendente da ATED Área dos Institutos de Pesquisa Tecnológica. Rio de Janeiro, 17 de

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

LEI Nº 14.328, de 15 de janeiro de 2008

LEI Nº 14.328, de 15 de janeiro de 2008 LEI Nº 14.328, de 15 de janeiro de 2008 Procedência: Governamental Natureza: PL. 582/07 DO: 18.328 de 15/01/08 Fonte - ALESC/Coord. Documentação Dispõe sobre incentivos à pesquisa científica e tecnológica

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO Prof. Nicolau Afonso Barth, Dr. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Assessoria de Projetos Cooperados / Assessoria de Assuntos Estudantis ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO: Lei

Leia mais

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 Elaine Turk Faria 1 O site do Ministério de Educação (MEC) informa quantas instituições já estão credenciadas para a Educação

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Avaliação das Políticas de. Incentivo à P&D e. Inovação Tecnológica no Brasil. João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos **

Avaliação das Políticas de. Incentivo à P&D e. Inovação Tecnológica no Brasil. João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos ** Avaliação das Políticas de Incentivo à P&D e Inovação Tecnológica no Brasil João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos ** NOTA TÉCNICA IPEA Avaliação das Políticas de Incentivo à P&D e Inovação Tecnológica

Leia mais

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009.

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Prezado Secretário Ronaldo Motta: Seguem as sugestões do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e PG das Universidades Brasileiras) com relação ao

Leia mais

Inovação & Sustentabilidade

Inovação & Sustentabilidade Inovação & Sustentabilidade Realização Apoio COPYRIGHT 2012 SAPIENS PARQUE Inovação e Empreendedorismo em Florianópolis 550 empresas de tecnologia 3 Parques Tecnológicos 6 Incubadoras de Empresas 15 Universidades

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 No mundo atual, um dos campos prioritários de intervenção do Estado está sendo a promoção do desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

SAPIENS PARQUE PARQUE DE INOVAÇÃO. Pilares SAPIENS. Clusters SAPIENS. Atores SAPIENS. Estrutura SAPIENS

SAPIENS PARQUE PARQUE DE INOVAÇÃO. Pilares SAPIENS. Clusters SAPIENS. Atores SAPIENS. Estrutura SAPIENS PARQUE DE INOVAÇÃO Pilares SAPIENS SAPIENS PARQUE Clusters SAPIENS Scientia - Unidades acadêmicas e de P&D voltadas para a geração de conhecimentos científicos e tecnológicos avançados. Tecnologia - Empresas

Leia mais

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS Carlos Alberto Teixeira Agosto 2010 Criação, Invenção e Inovação A criatividade existe no universo das idéias, em que os processos

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Desafios na Realização de Investimento de P&D e a Destinação de Recursos. Chesf Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

Desafios na Realização de Investimento de P&D e a Destinação de Recursos. Chesf Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Desafios na Realização de Investimento de P&D e a Destinação de Recursos Chesf Companhia Hidro Elétrica do São Francisco AGENDA 1. Visão Macro do Cenário P&D Nacional 2. A formula da Inovação 3. Desafios

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais;

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais; PROJETO DE LEI Institui o Programa de Cultura do Trabalhador, cria o Vale-Cultura e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Fica instituído, sob a gestão do Ministério da Cultura,

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES O objetivo deste Regulamento é apresentar o Programa de Estímulo a Formação de Pesquisadores e definir os critérios para concessão de bolsas de estudo aos

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS Relatório Executivo Relatório Executivo da Dissertação de Mestrado Profissionalizante

Leia mais

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação Tecnológica no Brasil; a Indústria em Busca da Competitividade Global. São Paulo: Associação Nacional de Pesquisa ANPEI, 2006. 117p. Kira Tarapanoff

Leia mais

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação: motor da competitividade e do desenvolvimento sustentado O investimento bem sucedido em inovação: Aumenta produtividade e cria novos produtos:

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados III Workshop das Unidades de Pesquisa do MCT e a Inovação Tecnológica Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Campinas, São Paulo, 30 e 31 de agosto de 2010 Subsecretaria de Coordenação das

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil A automação no processo produtivo: desafios e perspectivas Bruciapaglia, A. H., Farines, J.-M.; e Cury, J. E. R. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 1. Introdução:

Leia mais

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077)

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Sobre a autora Eng. Adelice Leite de Godoy Obteve sua graduação em Engenharia Química pela Unicamp em 1992, completando sua formação com o Curso

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I 10/11/2008 Ministério da Ciência e Tecnologia Configuração da Política de Estado Gestão Compartilhada MCT/MDIC/MEC/MS/MAPA/MF/M

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO Ministério da Educação MEC Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES TÍTULO DO PROJETO: Aperfeiçoamento institucional com vistas à melhoria dos programas, processos, projetos e

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

2. Ambientes de Inovação

2. Ambientes de Inovação 22 2. Ambientes de Inovação Neste capítulo, contextualizam-se os ambientes de inovação, apresentando-se os conceitos de Sistemas de Inovação. Em seguida, descrevese o Sistema Brasileiro de Inovação e sua

Leia mais

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal QUESTIONÁRIO PARA AS AUTORIDADES NACIONAIS TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO DAS RECEITA DOS RECURSOS NATURAIS O objetivo deste questionário é colher informações sobre a gestão dos recursos naturais, com ênfase

Leia mais

PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000

PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000 SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000 GESTÃO: MUNICÍPIO: FICHA DE IDENTIFICAÇÃO U.F.: 1995-1998 DF GOVERNADOR: Cristovam

Leia mais

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Missão Marco Legal Atuação do CIASC Sistemas Data Center Rede Governo Responsabilidade

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014 DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014 Projetos no Bioma Amazônia A Critérios Orientadores B C D E F Condicionantes Mínimos para Projetos Modalidades

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba 1 OBJETIVO 1.1 Realizar, em 2013, apoio financeiro para viabilizar a execução de serviços em inovação e tecnologia

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

Seguros, Previdência e Capitalização

Seguros, Previdência e Capitalização Seguros, Previdência e Capitalização Análise das contas Patrimoniais e do Resultado Ajustado do Grupo Bradesco de Seguros, Previdência e Capitalização: Balanço Patrimonial Mar10 Dez09 Mar09 Ativo Circulante

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0 Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Inovação e Empreendedorismo Data: 02/04/2014 Versão 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: I Fórum

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa 1 Introdução Este documento tem como objetivo apresentar um conjunto de reflexões sobre a implementação das disposições

Leia mais

Associação P&D Brasil

Associação P&D Brasil Transformando conhecimento em riqueza, como fazer mais e mais rápido? Associação P&D Brasil Engº Luiz Francisco Gerbase Presidente AP&D Brasil Um país só tem sucesso se contar com uma infraestrutura física,

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA

AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA PARQUE TECNOLÓGICO DA BAHIA ÁREAS DE ATUAÇÃO BIOTECNOLOGIA E SAÚDE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENERGIAS E ENGENHARIAS TECNOCENTRO

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA

PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA ODESENVOLVIMENTOREGIONAL FÓRUMNACIONALCONSECTI PALMAS 31.03.2011 O modelo para promoção do empreendedorismo (inovador) em apoio ao desenvolvimento

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

Boletim Benchmarking Internacional. Extensão Tecnológica

Boletim Benchmarking Internacional. Extensão Tecnológica Boletim Benchmarking Internacional Extensão Tecnológica Dezembro de 2012 Apresentação Visando contribuir para os objetivos estratégicos do SEBRAE, são apresentadas neste boletim informações relacionadas

Leia mais