GRUPO SILK S M COMUNICAÇÃO VISUAL E DIGI MASTER COMUNICAÇÃO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO SILK S M COMUNICAÇÃO VISUAL E DIGI MASTER COMUNICAÇÃO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL"

Transcrição

1 GRUPO SILK S M COMUNICAÇÃO VISUAL E DIGI MASTER COMUNICAÇÃO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL Porto Alegre, 25 de outubro de 2010

2 Título I Plano de recuperação judicial Meios de recuperação a serem utilizados Art. 50, Lei nº /2005 Todas as justificativas expostas na inicial do pedido de recuperação judicial de S M COMUNICAÇÃO VISUAL LTDA. ME SILK E DIGI MASTER COMUNICAÇÃO VISUAL LTDA. EPP podem ser superadas com as medidas propostas pelas recuperandas, razão pela qual correto o provimento judicial no sentido de aceitar o pedido de recuperação. A fim de dar andamento ao feito, segue Plano de Recuperação Judicial dividido em itens, com a separação das espécies de credores, sendo determinada a cada uma das classes a forma de pagamento a ser efetuada, além de demonstração de medidas comerciais que levarão ao incremento da atividade das requerentes. Utilizam-se as pessoas jurídicas empresárias S M COMUNICAÇÃO VISUAL LTDA. ME SILK E DIGI MASTER COMUNICAÇÃO VISUAL LTDA. EPP do procedimento da recuperação judicial para retomar seus status no mercado em que atuam, como restará explicitado no primeiro tópico a seguir. Muitas mudanças já ocorreram na parte estrutural das recuperandas desde que deferido o pedido de recuperação, mudanças estas que restarão identificadas no correr do plano, assim como novos projetos que servirão para fomentar a recuperação da saúde econômico-financeira. Frente aos dados colhidos da empresa, assim como de trabalho desempenhado pelos contadores das recuperandas, possível a visualização de uma projeção de incremento no faturamento, assim como diminuição dos custos de produção, o que leva, juntamente com o fluxo de caixa, à constatação de uma clara possibilidade de equalização do passivo com o crescimento das requerentes. Os documentos em anexo, dando destaque ao fluxo de caixa já referido, poderão esclarecer os destinos do faturamento projetado de forma

3 pormenorizada, o que permite a visualização de um efetivo plano de reestruturação da atividade desempenhada. Novas ações e projetos estão em desenvolvimento e serão descritos em item específico, demonstrando que uma reestruturação já ocorreu e que outras mudanças estão planejadas para curto e médio período de tempo. A evolução da S M COMUNICAÇÃO VISUAL LTDA. ME SILK E DIGI MASTER COMUNICAÇÃO VISUAL LTDA. EPP com a efetivação das medidas ora propostas é viável, tendo grande chance de sucesso na busca de restabelecer o grupo econômico como líder de mercado na região sul do Brasil no ramo de atuação. Há grande nicho de mercado que depende da atuação das recuperandas (empresários de telefonia móvel, por exemplo) - uma vez que o grupo recuperando é um dos únicos (senão o único) a possibilitar a impressão de peças em grande quantidade me pequeno espaço de tempo - além de muitos funcionários que vêm batalhando com os sócios de grupo e adaptando-se às mudanças para manutenção da empresa e de seus empregos, consequentemente. A viabilidade da recuperação do grupo requerente fica clara com a análise dos números ora apresentados, assim como pelas medidas propostas para fomento da atividade desempenhada.

4 Capítulo I Condições de pagamento de obrigações já vencidas e vincendas A fim de que seja possível um equilíbrio do fluxo de caixa atual (e futuro) das requerentes com o passivo atualmente já vencido, necessária se faz a busca por condições de pagamento, assim como eventual carência necessária para a reestruturação econômico-financeira da empresa. Para que haja a recuperação, é preciso que as recuperandas restabeleçam bom relacionamento com seus fornecedores, instituições financeiras e, consequentemente, clientes, sendo necessário, para tanto, um plano de pagamento com condições excepcionais de cálculo e parcelamento. Credores trabalhistas Quando do pedido de recuperação judicial, assim como ao longo do prazo para apresentação do plano, alguns acordos e sentença foram firmados e prolatados na Justiça do Trabalho Segue em anexo a planilha com os créditos já liquidados na justiça especializada, sendo definido número de parcelas para pagamento de acordo com os ditames do diploma falimentar. Da mesma forma, em razão da diminuição do número de funcionários (medida para adequação de custos da empresa), demissões ocorreram, sendo as rescisões efetuadas com participação do sindicato, também constando em planilha anexada os montantes a serem pagos de verbas rescisórias e indenizatórias, além de valores referentes a FGTS. Tais créditos, igualmente já liquidados, não se caracterizam como verba salarial, sendo também proposto parcelamento pelo prazo máximo de 01 (um) ano. Os valores em atraso referente a férias dos funcionários que permanecem laborando junto ás recuperandas também restou incluído no plano, sendo também proposto seu pagamento em 12 (doze) parcelas iguais. As férias adquiridas ao longo do período de recuperação serão pagas normalmente como despesa com pessoal.

5 Os titulares de créditos ainda não liquidados derivados da legislação do trabalho sujeitos aos efeitos da recuperação judicial (reclamatórias ajuizadas, porém sem acordo com sentença transitada em julgado) deverão ser incluídos quando da liquidação de seus montantes, dentro dos parâmetros determinados no plano ora apresentado e futuramente aprovado. Dessa forma, quanto às questões ainda em aberto, os pagamentos serão efetuados conforme sentenças judiciais ou acordos homologados, se o caso, sendo observados os limites para pagamento de valores de ordem salarial e indenizatória expostos na Lei nº /2005. Bancos e Instituições Financeiras a) dívidas com garantia real as recuperandas oferecem aos credores deste grupo a possibilidade de composição das dívidas por transação e/ou através da dação em pagamento de bens móveis não essenciais ao processo produtivo, com redução do grau de endividamento; a apuração de eventual saldo será pago nas condições dos demais credores, observado o respectivo grupo (maquinários disponibilizado caracterizado em anexo ao presente); e, b) passivos com garantias pessoais (aval ou fiança) as recuperandas oferecem aos credores deste grupo a possibilidade de pagamento nas condições dos demais credores, observada a carência de 12 meses e 116 parcelas mensais consecutivas. Créditos Quirografários - Fornecedores a) o pagamento das dívidas classificadas pelas recuperandas como de pequeno valor, assim consideradas aquelas de até R$ 1.500,00 (hum mil e quinhentos reais) por credor, serão pagas em até 12 quotas mensais, não inferiores a R$ 20,00 por credor; os pagamentos dos credores deste grupo observarão carência de seis meses; b) o pagamento das dívidas superiores a R$ 1.500,00 (hum mil e quinhentos reais) por credor, observará o plano de pagamento, com 12 meses de carência e até 116 parcelas mensais; e,

6 c) o pagamento das dívidas com fornecedores de bens, insumos e prestadores de serviços cujas relações de fornecimento, por opção dos empresários, tiverem continuidade após a apresentação do plano de recuperação, com preços e prazos compatíveis, será dado conjuntamente com ao pagamento da dívida vincenda (dívida nova), acrescida de percentual da dívida passada apurada com base no impacto que o insumo representa no produto final disponibilizado ao mercado. Tal disposição não fere a idéia de isonomia entre as classes de credores, uma vez que oferecida para todos aqueles que permanecerem fornecendo às recuperandas. Créditos Tributários não sujeitos à recuperação O passivo tributário foi parcelado na forma e nos prazos permitidos pelo Código Tributário Nacional CTN e legislação complementar pertinente, restando grande parte já absorvido pelos programas de parcelamento oferecidos pela União e pelo Estado do Rio Grande do Sul, conforme documentação em anexo. Juros e Encargos Conforme tabela descritiva ora anexada, as requerentes oferecem juros remuneratórios de 6,00% a.a., sempre incidentes sobre o saldo devedor, acrescido da variação da Taxa Referencial, devido somente ao final do prazo de recuperação. Capítulo II Meios de incremento de faturamento Aumento de faturamento com a ocorrência de novas parcerias O nível de conhecimento técnico alcançado pela Empresa proporcionou o seu reconhecimento no mercado em que se situa, possibilitando a formação de alianças estratégicas que somam ao negócio a confiabilidade de terceiros e a natural ampliação do relacionamento comercial, voltado ao preenchimento de ociosidade na capacidade produtiva.

7 No período pós-recuperação judicial, a empresa lançou-se em busca de novas oportunidades de negócios, através da formação de parcerias, visando à obtenção do máximo da capacidade produtiva instalada. Esta linha de ação já está levando as recuperandas à formação de novas parcerias e à ampliação das existentes visando à produção de produtos com marcas de terceiros, assim como a prestação de serviços para terceiros, a ampliação da produção própria e do leque de distribuição de marcas próprias, além do lançamento de novos produtos e negócios. Mudanças já implementadas Deferido o processamento da recuperação judicial da S M COMUNICAÇÃO VISUAL LTDA. ME SILK E DIGI MASTER COMUNICAÇÃO VISUAL LTDA. EPP em 26 de agosto de 2010, a administração passou a dedicar-se à reestruturação da Empresa, com adoção das medidas cuja implementação é objeto deste Plano de Recuperação. Os esforços concentraram-se mais urgentemente na preservação e retomada das relações com fornecedores e clientes, na revisão dos custos fixos existentes, revisão do quadro de pessoal, a fim de adequação dos custos, manutenção da produção (maquinário e insumos), além da preservação e estimulo dos colaboradores que permanecem atuando nas recuperandas, assim dos clientes e fornecedores. Muitas já foram as medidas tomadas para a reestruturação da empresa. A grande maioria delas se concentra no grande conhecimento dos sócios das recuperandas no mercado gráfico, assim como seu bom relacionamento pessoal com credores, fornecedores e clientes. A adequação de custos com pessoal foi uma das primeiras medidas tomadas, media esta que resultou em passivo trabalhista, frente ao número de demissões ocorridas (valores estes equacionados no plano ora apresentado). Da mesma forma, pesquisam hoje as recuperandas novas máquinas e tecnologias que permitem um aumento na produção com média de erro quase zero, o que vem certamente a diminuir os custos com o produto, uma vez que cada peça que é impressa com erro representa decréscimo no faturamento.

8 Novas máquinas também estão sendo negociadas para que seja possível a oferta de novos produtos a clientes, o que trará incremento no faturamento, facilitando assim o integral pagamento do passivo ora combatido. Na área comercial, houve mudança radical nos apoiadores, os quais hoje trabalham motivados, tendo maior gama de produtos e catálogos para buscar novos clientes e, principalmente, recuperar aqueles que, eventualmente, vieram a diminuir ou encerrar suas negociações com o Grupo Silk. Capítulo III A viabilidade da Empresa A viabilidade econômica da empresa e de seus projetos Laudo Econômico-Financeiro A viabilidade econômica do Grupo Silk pode ser amplamente percebida nas projeções apresentadas em anexo, que coaduna com o fluxo de caixa igualmente apresentado. Laudo de Avaliação de Bens e Ativos O laudo de avaliação dos bens e ativos da empresa, subscrito por profissionais legalmente habilitados, conforme documento anexado. Capítulo IV Projeções econômico-financeiras Receita Operacional A receita operacional apresentada encontra amparo na atual capacidade produtiva das linhas de produção da empresa, nas alterações projetadas e já detalhadas, na demanda potencial existente, nos preços de venda atualmente praticados no mercado e na estrutura fiscal em vigor.

9 O crescimento dos volumes foi projetado de forma conservadora, levando em consideração as atuais dificuldades na aquisição de insumos, de fomento do ciclo produtivo-comercial e da confiança do mercado consumidor. Custo do Produto Disponibilizado ao Cliente As despesas apontadas como custos de produção são decorrentes da rede de fornecedores que hoje atuam juntamente com as recuperandas (pagamentos somente à vista). Da mesma forma, os valores devidos a título de tributos também restam configurados, demonstrando-se o efetivo custo do produto a ser comercializado. O custo industrial se baseia na atual estrutura de produção, tomado como ponto de partida para formação dos valores projetados, incrementado de forma proporcional ao aumento dos volumes produzidos. Adotou-se como limite produtivo um turno de trabalho nos primeiros doze meses e dois turnos a partir daquele momento. Despesas Operacionais Sobre a projeção das despesas comerciais, o critério adotado foi o da evolução e incremento proporcional ao aumento do faturamento. Despesas Financeiras As despesas financeiras, ao menos no que diz respeito ao período em que restarão as requerentes em recuperação, não foram trazidas para o fluxo de caixa. Tabela de Variáveis Projetadas As variáveis utilizadas no dimensionamento do demonstrativo de resultado estão apresentadas em anexo. As principais variáveis consideradas se fixam em quantidade e preço, tendo sido elaboradas a partir no know-how dos administradores visualizando o potencial de mercado e de recuperação de clientes.

10 Projeção do Resultado Econômico A Projeção do Resultado Econômico está sintetizada de forma trimestral em anexo. A base para a formação dos resultados sintéticos apresentados é mensal nos primeiros doze meses e trimestral a partir de então, obedecidos aos princípios contábeis. Considerou-se no fluxo de caixa projetado a pressão negativa dos efeitos externos atípicos, entre esses a não realização de qualquer evento de maior porte no Brasil principalmente no ano de 2011 e durante o primeiro semestre de 2012, uma vez que a atividades está totalmente ligada à publicidade e propaganda. O que houve foi uma análise conservadora, projetando-se incremento no faturamento de forma gradual, o que demonstra a capacidade das requerentes adimplirem o passivo ora submetido a plano em recuperação judicial. Projeção do Fluxo de Caixa Critérios Adotados para os Valores Projetados As receitas e despesas têm como base a projeção do resultado econômico, considerados os prazos de pagamento e recebimento ora expostos. A utilização dos recursos gerados prevê a priorização de pagamentos das obrigações oriundas das operações realizadas após o deferimento do processo, ate mesmo como forma de estímulo aos fornecedores que mantiverem relações empresariais com as requerentes. Quando da elaboração das planilhas de pagamento, frente ao disposto no próprio fluxo de caixa, fez-se projeção de carências e parcelamentos, a fim de que haja o pagamento do passivo, porém com a manutenção da empresa e de sua capacidade produtiva. O deságio também surgiu como forma de tornar o passivo proporcional e apto a pagamento a curto, médio ou a longo prazo, dependendo da natureza do crédito habilitado.

11 Os credores estão contemplados com parcelas fixas, porém com percentual de adiantamento caso haja a manutenção das atividades empresárias, percentual este incluído nas operações futuras e vincendas (dívidas novas). Projeção do Fluxo de Caixa Projeção de Liquidação de Compromissos Passados A projeção de resultados, assim como o pagamento do passivo ora habilitado foram incluídos no fluxo de caixa, guardando as propostas de carência e deságio apresentadas. Capítulo V Demais mudanças na estrutura das recuperandas Setor Econômico Financeiro A adoção de nova estratégia comercial deverá dar maior estímulo e também maior competitividade no fechamento de novos negócios. Novos parceiros foram contratados a fim de prospecção de novos negócios, inclusive com o desenvolvimento de novos catálogos de produtos e projeto de aquisição de novo maquinário para aumentar a gama de escolha do cliente e da atuação do grupo. A atuação da parte comercial será acompanha de perto pela administração das recuperandas, promovendo o incremento da atividade e, caso viável, a antecipação do pagamento de credores, sempre respeitando classes e isonomia. Recursos Humanos A empresa apresenta em seu quadro funcional profissionais com a formação própria às suas características e necessidades, perfeitamente sintonizados e aptos ao cumprimento das exigências decorrentes do processo de recuperação, além da expressiva participação dos próprios sócios no processo produtivo e comercial.

12 Estratégias A atuação conjunta com fornecedores de matéria prima e demais insumos essenciais aos produtos da linha de produção da empresa, além da segurança e eficiência no atendimento, levará sem dúvida à otimização do custo de produção, com aumento do grau de competitividade. Além disso, eventos como as eleições, Copa das Confederações, Copa do Mundo e Olimpíadas, todos com datas já agendadas para ocorrência no Brasil, trarão incremento no faturamento das recuperandas. Ainda, se o caso e se necessário, o atendimento de eventual demanda excedente à capacidade produtiva instalada poderá também ser suprida através da terceirização momentânea de determinada linha de produtos, sem imobilização própria, porém, pela formação de alianças estratégicas. Às medidas propostas e em fase de implantação deve ser somada à política de estabelecimento de contratos de suprimento e fornecimentos de longo prazo, tanto com fornecedores como com clientes, permitindo a geração de ganhos aos parceiros da cadeia produtiva formada. Evolução e desenvolvimento da Empresa Sendo a recuperação uma forma de ação coletiva, busca-se com a mesma a equalização do passivo das recuperandas, visando, sobretudo, manter e fomentar a atividade desenvolvida para manutenção da mão-deobra, do fornecimento de produtos gráficos diferenciados, assim como do mercado gaúcho no setor. A intenção das requerentes ao ingressarem com o pedido de recuperação judicial é não somente de preservação pessoal, mas sim de efetivamente honrar com os compromissos assumidos, restabelecendo uma relação de confiança com clientes e fornecedores. A grande aflição vivida nos últimos meses com as dificuldades econômico-financeiras fez nascer uma nova visão pelos administradores e colaboradores, que aprenderam com os equívocos cometidos e percebem mais claramente os projetos promissores a serem desenvolvidos e em quais áreas comerciais devem atacar com maior afinco.

13 É necessário para que o grupo efetivamente chegue a uma reestruturação, fazendo com que o fluxo de caixa seja equilibrado e, dessa forma, haja o pagamento do passivo hoje existente, que a unidade produtiva seja mantida, uma vez que a capacidade produtiva do Grupo Silk (rapidez e número de produtos em curto espaço de tempo) é única na parte sul do Brasil, o que faz com que grandes empresários e agência de publicidade necessitem dos serviços do grupo especificamente. A atividade das recuperandas tem impacto no mercado do sul do Brasil, além do impacto social, quando da oferta de empregos e contribuição fiscal. Seguem anexadas algumas manifestações de clientes que corroboram com as colocações acima formuladas. O plano de recuperação judicial ora apresentado, juntamente com as planilhas que o integram, observa a classificação de credores exposta na legislação aplicada (art. 41, Lei nº /2005), inclusive no que diz respeito a prazos, contando as recuperandas com sua aceitação pelos credores, no intuito de manutenção da empresa e equalização do passivo. Porto Alegre, 25 de outubro de S M COMUNICAÇÃO VISUAL DIGI MASTER COMUNICAÇÃO

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais

Em junho de 2012, foi apresentado o plano de recuperação judicial.

Em junho de 2012, foi apresentado o plano de recuperação judicial. REFRIGERAÇÃO CAPITAL LTDA. EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROCESSO Nº 001/1.12.0063163-4 CNJ: 0080710-28.2012.8.21.0001 VARA DE DIREITO EMPRESARIAL, RECUPERAÇÃO

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 1.1 - Aspectos Introdutórios 1.1.1 - Objetivos Básicos Tais operações tratam de modalidades de reorganização de sociedades, previstas em lei, que permitem às empresas,

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado Neste estudo, procuraremos trazer algumas considerações

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Fábio Faria) Dispõe sobre a recuperação judicial do devedor pessoa física. O Congresso Nacional decreta: devedor pessoa física. Art. 1.º. Esta Lei estabelece a recuperação

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 1 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp - COOPUNESP é o meio pelo qual

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

Análise de Viabilidade Econômica e Financeira. Da Sociedade Subsidiária Integral

Análise de Viabilidade Econômica e Financeira. Da Sociedade Subsidiária Integral Análise de Viabilidade Econômica e Financeira Da Sociedade Subsidiária Integral 1) Da Operação O objeto da Subsidiária Integral será a exploração das atividades de tinturaria e ramagem, mediante prestação

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a

A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a Lei Complementar 147/14 Impactos para o mercado de crédito. Glauco Alves Martins Objetivo geral: aperfeiçoamento do SIMPLES e modificações

Leia mais

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR José Luiz Miranda PLANOS DE FINANCIAMENTO Imagine uma operação financeira representada por um financiamento de R$ 1.200,00 no prazo de 5 meses à taxa de juros

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa Roteiro de Laudo de Avaliação A elaboração de um Laudo de Avaliação de qualquer companhia é realizada em no mínimo 5 etapas, descritas sumariamente a seguir: 1ª. Etapa - Conhecimento inicial do negócio

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Falência. Continuação. 1.1) Da realização ativo. Art. 108, Lei 11.101/05. O administrador Judicial providenciará a realização do ativo. Pode ser por: leilão; proposta fechada ou pregão O porduto

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

Ass.: Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Comercialização

Ass.: Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Comercialização CARTA-CIRCULAR Nº 37/2007 Rio de Janeiro, 30 de agosto de 2007 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT

Leia mais

FRANCISCO ASSIS LAZZARETTI - ME,

FRANCISCO ASSIS LAZZARETTI - ME, EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIAS E CONCORDATAS DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA/PR Autos nº 1559/2008 FRANCISCO ASSIS

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA ABRIL 2011 1 1. APRESENTAÇÃO A expansão das atividades de ensino e melhoramento da infraestrutura física ofertada tem exigido da Faculdade

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 17/2003. Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003. Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola

CARTA-CIRCULAR N 17/2003. Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003. Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola CARTA-CIRCULAR N 17/2003 Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003 Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC.

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC. Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão

Leia mais

FRIGORÍFICO TAMOYO LTDA

FRIGORÍFICO TAMOYO LTDA FRIGORÍFICO TAMOYO LTDA Laudo Econômico Financeiro Parecer Técnico Plano de Recuperação Judicial Lei nº: 11.101/05 Poços de Caldas, 30 de Setembro de 2011 RUA REGENTE FEIJÓ Nº: 712 / 9º ANDAR / CONJ. 94

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à:

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à: Capítulo II CONDIÇÕES GERAIS 1. SISTEMÁTICA DE CÁLCULO DOS JUROS. Os juros, aí considerados o Custo Financeiro, a Remuneração do BNDES e a Remuneração do Agente Financeiro, serão calculados sobre o saldo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES

CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 Din Din Copa Santander Libertadores MODALIDADE:

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui a Segunda Etapa do Programa de Recuperação de Créditos Fiscais do Município REFIS II e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACAJU. Faço saber que a Câmara Municipal de Aracaju aprovou

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A COMIGO, com base na colaboração recíproca a que se obrigam seus associados, objetiva

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

CIRCULAR Nº 2824. Documento normativo revogado pela Circular 3386, de 16/11/2008.

CIRCULAR Nº 2824. Documento normativo revogado pela Circular 3386, de 16/11/2008. CIRCULAR Nº 2824 Documento normativo revogado pela Circular 3386, de 16/11/2008. Altera procedimentos para reavaliação de imóveis de uso próprio por parte de instituições financeiras, demais instituições

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL

PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL Mate Gelado Refrescos Ltda. celebrou contrato de compra e venda com Águas Minerais da Serra S.A., pelo qual esta deveria fornecer 100 (cem) litros d água por dia àquela, no período

Leia mais

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Diretrizes para Investimentos em Imóveis (aprovadas pelo CDE em sua 18ª reunião realizada nos dias 14 a 16 de dezembro de 2009 Índice Anexo à Política de Investimentos...1

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

IMPORTAÇÕES DE BENS PARA O ATIVO IMOBILIZADO

IMPORTAÇÕES DE BENS PARA O ATIVO IMOBILIZADO IMPORTAÇÕES DE BENS PARA O ATIVO IMOBILIZADO Sumário 1. Custo de Aquisição 2. Classificação Contábil 2.1 - Variações Cambiais 2.2 - Impostos Incidentes Sobre o Bem Importado 2.3 - IOF Sobre a Operação

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 60/60 A - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005).

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005). A nova legislação brasileira destinada às empresas em dificuldades econômico-financeiras. Lei de Recuperação de Empresas disciplina a recuperação judicial, a recuperação extrajudicial. Aspectos legais.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO - RDC Nº 22, DE 30 DE MAIO DE 2000 (*) Cria instrumento para acompanhamento econômico-financeiro das Operadoras A Diretoria Colegiada

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

Considerando que a Officer S.A. Distribuidora de Produtos de Tecnologia. ( Officer ) encontra-se em processo de recuperação judicial, conforme

Considerando que a Officer S.A. Distribuidora de Produtos de Tecnologia. ( Officer ) encontra-se em processo de recuperação judicial, conforme São Paulo, 26 de outubro de 2015. C O M U N I C A D O A O S F O R N E C E D O R E S E R E V E N D A S D A O F F I C E R D I S T R I B U I D O R A Prezado Parceiro, Considerando que a Officer S.A. Distribuidora

Leia mais

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!!

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Olá concurseiros (as)! Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Vamos lá!!! 01. (ESAF Analista da Receita

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Crédito Mútuo dos Servidores da Segurança Pública de São Paulo

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC CONDIÇÕES GERAIS DO PIC I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO CNPJ: 23.025.711/0001-16 PIC - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005217/2012-63 WEB-SITE:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Capitulo I - Objetivo. Artigo 1º - O presente regulamento

Leia mais

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE:

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE FÁCIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25

Leia mais

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI.

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS HEDGE CLASSIQUE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LONGO PRAZO CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil

Ordem dos Advogados do Brasil EXCELENTÍSSIMOS SENHORES: PRESIDENTE, DIRETORES E MEMBROS DO EGRÉGIO CONSELHO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECÇÃO DE SÃO PAULO. Para os devidos fins, apresentamos as Demonstrações Contábeis referentes

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS RF FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS RF FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Julho de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS RF FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA.

Leia mais

EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG.

EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG. EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG. PROCESSO: 007910 017400-6 / 0174006-57.2010.8.13.0079 JULIANA FERREIRA

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: II - GLOSSÁRIO

Leia mais

Diretrizes para Investimentos em Imóveis

Diretrizes para Investimentos em Imóveis Diretrizes para Investimentos em Imóveis 21ª reunião do CAP - 15/12/2010 11ª reunião ordinária do CDE - 16/12/2010 Anexo à Política de Investimentos 2011 a 2015 Índice 1. Contratação de Corretores, Avaliadores

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

Anexo à Política de Investimentos 2009 a 2013

Anexo à Política de Investimentos 2009 a 2013 Anexo à Política de Investimentos 2009 a 2013 Diretrizes para Investimentos em Imóveis Índice 1. Contratação de Corretores, Avaliadores e Consultores Imobiliários... 3 2. Critérios para Aquisições e Alienações...

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA MM. VARA DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÕES JUDICIAIS DA COMARCA DE PORTO ALEGRE/RS

EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA MM. VARA DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÕES JUDICIAIS DA COMARCA DE PORTO ALEGRE/RS EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA MM. VARA DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÕES JUDICIAIS DA COMARCA DE PORTO ALEGRE/RS Ref. Processo no. 1090309351-4 Recuperação Judicial LUIS HENRIQUE GUARDA, administrador

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA 1ª Vara da Fazenda Pública de Falências e Concordatas Autos nº. 001-054/2008 Nos termos da lei nº. 11.101, de 09

Leia mais

PREFEITURAMUNICIPALDE MONTEALEGREDE MINAS

PREFEITURAMUNICIPALDE MONTEALEGREDE MINAS PREFEITURAMUNICIPALDE MONTEALEGREDE MINAS ADM.2001 I 2004 LEI COMPLEMENTAR N 044~DE 29 DE JUNHO DE 2004. DISPÕE SOBRE O PARCELAMENTO, A COMPENSAÇÃO, A DAÇÃO EM PAGAMENTO, REMISSÃO E REDUÇÃO DE MULTAS E

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PREMIUM CASH PLANO PM 60/60 N - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO 1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 1.1. Razão Social: 1.2. Endereços: Fone: - Escritório - Fábrica 1.3.

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O APOENA MACRO DOLAR FICFIM 18.391.163/0001-08. Informações referentes a Setembro de 2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O APOENA MACRO DOLAR FICFIM 18.391.163/0001-08. Informações referentes a Setembro de 2015 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O APOENA MACRO DOLAR FICFIM 18.391.163/0001-08 Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o APOENA MACRO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PLANO PM 48/48 P - MODALIDADE:

Leia mais

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS II - GLOSSÁRIO PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU HARTFORD CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA Diretoria Acadêmica e de Administração fev-2010 Anexo I - PORTARIA Nº 08/2010-DIR Considerando que o melhoramento constante da infra-estrutura física ofertada e a busca

Leia mais

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 - INTRODUÇÃO Define-se como risco de mercado a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas pela Cooperativa, o que inclui os riscos das operações

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Brasília-DF Dezembro/2012 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Processo CFC n.º 2012/000258

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.406/12 Dispõe sobre o Regime de Parcelamento de Débitos de Anuidades e Multas (Redam III) para o Sistema CFC/CRCs. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO Nome da Empesa: CNPJ: Contato: Telefone: Relação de Documentos para Análise Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO 1 Ficha cadastral e Autorização de Consulta de Restritivos assinada (Anexo); 2

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos.

POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos. POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos. 1. OBJETIVO Este documento tem a finalidade de estabelecer diretrizes para a aquisição de bens e serviços nas empresas

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: Nº 18.048.590/0001-98 Informações referentes a setembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Governo do Estado do Amazonas Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Plano de Contas Manaus Amazonas 2012 0 Índice 1. Introdução

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais