Master Data Management. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Master Data Management. Resumo"

Transcrição

1 Master Data Management Luis Torres 1, Helena Galhardas 2, João Damásio 3. 1) Instituto Superior Técnico, Lisboa, Portugal 2) Instituto Superior Técnico, Lisboa, Portugal 3) Link Consulting, Lisboa, Portugal Resumo A crescente necessidade das organizações lidarem com múltiplas fontes de informação exacerba a necessidade de novas técnicas e metodologias que facilitem a resolução de problemas como a inconsistência e incoerência dos dados, assim como integração e sincronização das fontes de dados. Neste artigo apresentamos uma arquitectura Master Data Management (MDM) que suporta um repositório com informação fiável acerca da entidade informacional Cliente. Esta arquitectura não se encontra limitada à entidade Cliente, podendo ser utilizadas diferentes entidades tais como Produto, Fornecedor, Empregado. São abordados os principais componentes de um sistema MDM e os processos necessários para a sua integração com os sistemas de uma organização. Palavras chave: Integração de Dados, Limpeza de Dados, Gestão de Informação. 1. Introdução Hoje em dia as organizações lidam com diversa informação que necessita de ser gerida e mantida. Dada a estrutura departamental de muitas organizações, onde cada departamento tem as suas fontes de dados, estas vêm os seus dados dispersos por vários sistemas, levando a inconsistências nos dados Exemplo de motivação Suponhamos uma organização cujo departamento comercial necessita de armazenar informação sobre o comportamento de facturação dos seus clientes de modo a aferir a pontualidade nos pagamentos. O sistema utilizado é um ERP (Enterprise Resource Planning) cuja função é integrar informação oriunda de vários processos de negócio, tais como vendas, marketing, produção, recursos humanos [Laudon et al. 2006].

2 Consideremos também o departamento de marketing que necessita de informação mais específica sobre clientes onde o sistema utilizado é um CRM (Customer Relationship Management). Este sistema tem como objectivos permitir a gestão dos clientes e melhorar a relação entre estes e a organização. Estes sistemas providenciam informação para coordenar todos os processos de negócio que lidam com clientes no que diz respeito a vendas e campanhas de marketing. Disponibilizam também serviços que permitem aumentar os lucros e a satisfação dos clientes [Laudon et al. 2006]. Estas fontes de dados encontram-se representadas na Figura 1, podendo-se verificar os diferentes esquemas de dados e registos mantidos por cada uma destas fontes. Figura 1- Clientes departamento Comercial (Cliente_COM) e Clientes departamento Marketing (Cliente_MKT) Nesta imagem, é possível perceber que a informação não se encontra consistente em ambas as fontes. De facto, a rua e o código postal referentes à cliente "Ana Reis", na tabela Cliente_COM (à esquerda), têm valores diferentes do campo morada apresentado na tabela Cliente_MKT (à direita). Também é possível observar que existem clientes cuja informação apenas é mantida num dos sistemas. Por exemplo, a informação referente ao cliente "Rui Lima" apenas se encontra localizada no departamento de Marketing Problemática Primeiro, um cliente pode não ser considerado numa situação em que seria relevante que o fosse. Perante a existência de uma campanha de marketing adequada às necessidades do cliente, o cliente "Filipe Dias" não teria conhecimento da campanha por não constar no sistema do departamento de Marketing. Acabaria assim por não aderir a uma campanha que aumentaria a sua satisfação em relação aos serviços da organização. Segundo, a realização de acções com base em informação inconsistente e desactualizada pode provocar prejuízos à organização. Um exemplo que ilustra esta situação é o caso em que a cliente "Maria Fonte" muda a sua morada para "Rua do perfume " e comunica esta alteração à organização. A nova morada é registada pelo departamento Comercial. Desconhecendo esta actualização, o departamento de Marketing acaba por enviar campanhas publicitárias para a morada antiga da cliente, desperdiçando recursos. Em terceiro lugar, pode surgir a situação em que um cliente é considerado duplicadamente devido à sua informação se encontrar replicada em ambos os sistemas. Esta situação pode levar a um descontentamento do cliente por ser contactado várias vezes pelo mesmo assunto. Esta situação pode ocorrer com a cliente "Maria Fonte" perante uma campanha efectuada a todos os clientes existentes nos sistemas CRM e ERP.

3 1.3. Objectivos Este artigo tem como objectivo apresentar uma visão generalizada de uma arquitectura MDM na vertente das arquitecturas, processos e ferramentas MDM. 2. Solução Master Data Management A existência dos problemas mencionados na Secção 1.2 leva à necessidade de um componente que integre os vários sistemas de dados da organização que contêm informação relevante. Este componente deve permitir a definição do esquema de dados integrado (como o representado na Figura 2), controlo da qualidade dos dados (e.g., detecção de duplicados) e mecanismos para disseminação dos dados. Figura 2 - Dados Mestre - Visão Integrada dos Clientes No exemplo de motivação, este componente permite à organização o usufruto de um repositório que contém a informação integrada de todas as fontes referentes a clientes. Ou seja, passa a existir uma visão única que contém dados "verdadeiros" sobre a entidade informacional Cliente [Wise 2008] [Dreibelbis 2008]. Este componente tem o nome de sistema de Master Data Management (MDM). Neste sistema, os dados que resultam da integração de informação existente nas diferentes fontes de dados têm o nome de Dados Mestre (ver Figura 2). Neste artigo, definimos MDM como sendo um componente de software cuja principal funcionalidade é permitir a uma organização criar um ponto único de acesso a todos os dados referentes a uma entidade informacional. Este sistema é responsável por garantir a qualidade dos Dados Mestre e disseminar as alterações efectuadas neste repositório para todas as fontes de dados, passando assim, cada fonte de dados a ter informação fiável e actualizada. Arquitectura MDM Tipicamente, uma arquitectura MDM (ver Figura 3) é constituída por dois componentes principais: (i) Sistemas fonte; (ii) Sistema MDM. Os sistemas fonte são os sistemas previamente existentes na organização que contêm a informação sobre uma entidade informacional de forma dispersa. O MDM é o sistema que visa integrar os dados de forma a criar uma vista única. Este sistema envolve as seguintes quatro componentes: (i) Dados Mestre; (ii) Metadados; (iii) Qualidade de dados e (iv) Integração de dados.

4 Figura 3- Arquitectura de um sistema MDM Dados Mestre trata-se de um repositório de dados que mantém de forma persistente os Dados Mestre. O componente de Metadados consiste num repositório de dados que mantém informação sobre os dados das fontes de dados e os Dados Mestre, guardando também os mapeamentos de esquemas entre as fontes de dados e os Dados Mestre. A componente de Qualidade de dados é o módulo responsável por efectuar um préprocessamento dos dados de entrada do sistema MDM. Consiste num conjunto de técnicas que permitem resolver problemas existentes nos dados de modo a que estes sejam fiáveis [Batini 2006]. Relativamente à Integração de Dados, trata-se de um componente que recorrendo aos mapeamentos de esquemas visa combinar dados oriundos de diferentes fontes de dados de modo a disponibilizar uma visão unificada dos mesmos [Lenzerini 2002]. 3. Processos A interligação entre o sistema MDM e as fontes de dados é levada a cabo pelos seguintes processos: (i) Carregamento dos dados; (ii) Actualização de dados e (iii) Disseminação de dados (ver Figura 1). O processo de Carregamento dos dados corresponde à fase inicial em que o sistema MDM não contém dados. Este processo é responsável pela extracção de informação, relativa aos atributos relevantes para os Dados Mestre, dos sistemas fonte da organização que representa parcialmente a entidade informacional para a qual se está a desenvolver a solução. Numa fase posterior em que o sistema MDM contém dados, o carregamento integral dos dados dada uma actualização nas fontes é muito dispendioso. Para que tal não ocorra, é necessário um processo que, de forma incremental, seja responsável por identificar as actualizações que

5 ocorram nas fontes de dados, de modo a que essas mesmas actualizações também sejam realizadas nos Dados Mestre. Este processo designa-se por Actualização de dados. Os dados de entrada do sistema MDM são sujeitos a um processo de integração e a um tratamento que permite aumentar a sua qualidade. Os Dados Mestre contêm os dados verdadeiros de cada instância da entidade informacional. Assim sendo, uma actualização nos Dados Mestre deve implicar a disseminação desta alteração para os diversos sistemas fonte a fim de os manter sincronizados com o sistema MDM. Este processo denomina-se de Disseminação de dados, podendo ser executado em tempo real ou modo batch (e.g., diariamente à 01h00). 4. Ferramentas Existem ferramentas disponíveis no mercado que permitem implementar uma solução MDM numa organização. Ao longo desta secção, serão identificados os critérios principais que permitem avaliar uma ferramenta MDM. Posteriormente, apresentaremos as principais ferramentas e utilizamos os critérios previamente definidos para classificar as mesmas. Por fim, será realizada a comparação entre as ferramentas Critérios de avaliação de ferramentas Após análise dos critérios definidos em [Radcliffe 2008] e considerando as características da arquitectura MDM, definiram-se os cinco seguintes critérios para avaliação de uma ferramenta MDM: Capacidade de modelação dos dados - Uma ferramenta deve ser capaz de modelar correctamente os dados da organização, em particular as relações hierárquicas mais complexas. Associada à correcta modelação, encontra-se o mapeamento do modelo de dados dos sistemas fonte no modelo dos Dados Mestre. Capacidade de gestão de qualidade dos dados - Dada a necessidade inerente à qualidade dos dados para uma solução MDM, a ferramenta deve conter um módulo que trate da qualidade dos dados ou disponibilizar serviços que permitam a integração desta ferramenta com outras de qualidade de dados. Capacidade de integração - Uma ferramenta MDM deve ter boa capacidade de integração para permitir a integração das diversas fontes de dados da organização. Serviços de negócio e funcionalidades de workflow - Uma ferramenta MDM ao disponibilizar serviços e demonstrar-se flexível na criação de novos serviços para interacção com a ferramenta, permite que a integração desta com os sistemas da organização seja transparente e escalável. A existência de serviços de negócio permite à organização inserir a solução MDM numa Arquitectura Orientada a Serviços (SOA), tirando partido das vantagens desta, nomeadamente a flexibilidade e reutilização de serviços [Dreibelbis 2008] [Papazoglou 2003]. Performance, escalabilidade e disponibilidade - É relevante que a ferramenta tenha um desempenho aceitável em termos de tempo de execução, consiga lidar com o constante crescimento de dados no sistema e tenha uma taxa de disponibilidade aceitável de acordo com as necessidades da organização.

6 4.2. Classificação das principais ferramentas MDM As principais ferramentas MDM em análise nesta secção são a D&B Purisma, DataFlux, InfoSphere, Initiate Systems, Oracle Customer Data Hub, Oracle Universal Customer Master e SAP MDM. Estas ferramentas foram identificadas pela Gartner [Radcliffe 2008] como sendo as principais ferramentas MDM. Além destas, foi também avaliada o Mural, ferramenta open source da SUN Microsystems. A Figura 4 representa um quadro comparativo das ferramentas MDM segundo os critérios definidos na Secção 5.1. Esta tabela indica se determinada ferramenta possui ou não dada característica. Figura 4- Avaliação de ferramentas MDM 4.3. Análise comparativa de ferramentas MDM A análise desta Figura 4 permite averiguar que em termos de modelação de dados, o destaque vai para a ferramenta da Initiate Systems que preenche todos os requisitos. As ferramentas DataFlux, SAP MDM e Mural encontram-se apenas limitadas na modelação de relações hierárquicas entre os dados. Relativamente à qualidade de dados, o DataFlux evidencia-se positivamente pelas suas funcionalidades. Em contrapartida, o Oracle CDH é a ferramenta que se encontra mais limitada, contendo limitações relacionadas com limpeza de dados e detecção de duplicados. O Mural verifica quase todas as funcionalidades, nomeadamente profiling e limpeza de dados, detecção de duplicados e suporte para data steward. A funcionalidade de integração com outras ferramentas de qualidade de dados não foi possível de avaliação.

7 O componente de integração das ferramentas MDM não se encontra detalhado nem no estudo da Gartner [Radcliffe 2008], nem nos WebSites das ferramentas. A falta de informação dá-se também devido às ferramentas serem comerciais, não existindo documentação específica que permita a análise destes pontos. Sendo estas comerciais, também é impossível efectuar o teste às ferramentas. As ferramentas para as quais se conseguiu maior informação foram a D&B Purisma, Initiate Systems, Oracle CDH e Mural, suportando o Mural a combinação das funcionalidades mais importantes, ou seja integração com fontes legadas e técnicas de integração através de publicação e subscrição. Em termos de Serviços de negócio e workflow, a InfoSphere e o Mural são as ferramentas que disponibilizam serviços para integração da ferramenta numa arquitectura SOA e gestão de processos de negócio. As ferramentas da Oracle contêm limitações em termos de serviços e o SAP MDM a nível de gestão de processos de negócio. Por fim, as ferramentas DataFlux e Oracle foram as únicas para as quais foi possível averiguar a existência de mecanismos de monitorização de desempenho. 5. Conclusão Neste artigo foram descritos os problemas inerentes à utilização de diversas fontes de dados associadas à mesma entidade informacional. Apresentou-se uma possível solução para este tipo de problemas através da utilização de um sistema MDM, apresentando-se a arquitectura típica, os processos necessários para a sua integração com a organização e as principais ferramentas existentes. 6. Referências Batini C. M. Scannapieco, Data Quality: Concepts, Methodologies and Techniques (Data- Centric Systems and Applications), Springer-Verlag New York Inc, Dreibelbis, A. E. Hechler I. Milman M. Oberhofer P. Van Run e D. Wolfson, Enterprise Master Data Management: An SOA Approach to Managing Core Information, IBM Press, Laudon, J. K. Laudon, Management Information Systems: Managing the Digital Firm (10th Edition), Prentice Hall, Lenzerini, M., Data integration: A theoretical perspective, in Proceedings of the twenty-first ACM SIGMOD-SIGACT-SIGART Symposium on Principles of Database Systems (PODS), Nova Iorque, 2002, Loshin, A., Master Data Management, Morgan Kaufmann, Papazoglou, M., Service-oriented computing: Concepts, characteristics and directions, in Proceedings of the Fourth International Conference, 2003, Radcliffe, J., Magic Quadrant for Master Data Management for Customer Data, (27 de Maio de 2009), Wise, L., The Intrinsic Value of Master Data Management, (27 de Maio de 2009), 2008.

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

A nossa equipa para hoje

A nossa equipa para hoje A nossa equipa para hoje Miguel Raposo, a trabalhar na Novabase desde 2010 MEIC 2003-2010 Consultor CRM com percurso na área de Telecomunicações com principal foco em projectos no âmbito de CRM empresarial.

Leia mais

AberdeenGroup. O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo. Agosto de 2004

AberdeenGroup. O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo. Agosto de 2004 AberdeenGroup O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo Agosto de 2004 Aberdeen Group, Inc. 260 Franklin Street Boston, Massachusetts 021103112 USA Telefone: 617 723 7890 Fax: 617 723 7897 www.aberdeen.com O

Leia mais

Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai

Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai Plug & Play Options Integrating Systems Flávio De Nadai Desenvolvimento de Negócios Utilities & Telecom

Leia mais

ECTS Total Horas de contacto semestral 4 T TP PL TC S E OT 6 60 10 20 30. Jorge Miguel Calha Rainho Machado/jmachado@estgp.pt

ECTS Total Horas de contacto semestral 4 T TP PL TC S E OT 6 60 10 20 30. Jorge Miguel Calha Rainho Machado/jmachado@estgp.pt Ano Lectivo 2008/09 Curso Engenharia Informática Unidade Curricular Arquitecturas Tecnológicas dos Sistemas de Informação (6º Semestre) Objectivos gerais da Unidade Curricular 1 O objectivo desta unidade

Leia mais

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE LINKEDIN FACEBOOK TWITTER GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE PAY PAL SEO UNICRE 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE ACTUALIZE O SEU SITE VENDAS ONLINE MARKETING ONLINE A PLATAFORMA GCM

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

CA ERwin Data Modeling Visualize the Power of Your Data On Premise or in the Cloud

CA ERwin Data Modeling Visualize the Power of Your Data On Premise or in the Cloud CA ERwin Data Modeling Visualize the Power of Your Data On Premise or in the Cloud Luis Alfonso Rey 05 06 2012 Programa 1 O desafio: Lidar com a complexidade dos dados 2 A solução CA ERwin: Visualize o

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP SENDYS - Copyright 2007 SENDYS é uma marca proprietária da Readsystem, Lda. 2 Universo

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Licenciatura em desporto Gestão das Organizações Desportivas

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Licenciatura em desporto Gestão das Organizações Desportivas INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR Licenciatura em desporto Gestão das Organizações Desportivas Programa da Unidade Curricular Gestão de Sistemas de Informação I

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Uma marca da Leadership Business Consulting

Uma marca da Leadership Business Consulting Uma marca da Leadership Business Consulting 1 Sequence e Business Process Management O Sequence é a plataforma líder em ibpm & Workflow. É um software de BPM simples e intuitivo, com programação por meio

Leia mais

Soluções para o Negócio Back-Office e Front-Office.

Soluções para o Negócio Back-Office e Front-Office. Soluções para o Negócio Back-Office e Front-Office. 1 Back-Office e Front-Office. Soluções para o Negócio Back-Office e Front-Office. ESTRATÉGIA DO NEGÓCIO ANÁLISE ESTRATÉGICA Visão, missão, objectivos

Leia mais

Dynamic Data Center. A infra-estrutura de suporte às SOA. Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers

Dynamic Data Center. A infra-estrutura de suporte às SOA. Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers Dynamic Data Center A infra-estrutura de suporte às SOA Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers As necessidades do negócio pressionam continuamente as infra-estruturas

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Arquitecturas de Sistemas de Informação

Arquitecturas de Sistemas de Informação Arquitecturas de Sistemas de Informação Arquitectura Tecnológica Arquitectura Tecnológica O que é: É a escolha dos tipos de tecnologia que devem ser utilizados para dar suporte a cada um dos sistemas e

Leia mais

Um Modelo para Geração de Aplicações para Acesso a ERP em Ambiente Móvel. Resumo

Um Modelo para Geração de Aplicações para Acesso a ERP em Ambiente Móvel. Resumo Um Modelo para Geração de Aplicações para Acesso a ERP em Ambiente Móvel Ana Cristina Grave Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Departamento de Informática ana.grave@di.fc.ul.pt Mário J. Silva

Leia mais

2 - Conceitos Fundamentais de Sistemas de Informação

2 - Conceitos Fundamentais de Sistemas de Informação ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão/ FMH - Instituto de Motricidade Humana 2 - Conceitos Fundamentais de Sistemas de Informação Conceitos SI II - 1 Agenda O Impacto do Computador na Sociedade

Leia mais

Oracle BPM 11g. Análise à Plataforma

Oracle BPM 11g. Análise à Plataforma Oracle BPM 11g Análise à Plataforma Maio de 2010 Tive o privilégio de ser convidado a participar no "EMEA BPM 11g beta bootcamp" em Abril de 2010, no qual tive contacto mais próximo com a última versão

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec Teoria geral do Sistemas O Sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes

Leia mais

Gestão Documental e Governança da Informação - O Debate Necessário

Gestão Documental e Governança da Informação - O Debate Necessário Gestão Documental e 11 de novembro de 2014 Auditório da Torre do Tombo PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI Critérios de Avaliação e Tendências dos ECM Luís Vidigal (APDSI) Lisboa 11 de Novembro

Leia mais

O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados

O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados Lançamento da Plataforma G.R.I.A. 20-04-2009 The global language of business O que é a sincronização de dados? 2009 GS1

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 New Standards for Business SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 Quem Somos A SCORE INNOVATION é uma empresa que tem como objecto social a prestação de serviços em consultoria,

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

CR.Doc. Management Platform for Clients and Documents

CR.Doc. Management Platform for Clients and Documents CR.Doc Management Platform for Clients and Documents Agenda Introdução O que é o CR.Doc? Principais funcionalidades Demonstração O que é o CR.Doc? O CR.doc é um novo conceito de Sistema Integrado de CRM

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social DISCIPLINA Controlo Informático da Gestão LICENCIATURA Informática

Leia mais

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal.

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. Adoptada por diversas empresas líderes de mercado em vários sectores

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Palbit investe no Microsoft Dynamics CRM para suportar crescimento do negócio

Palbit investe no Microsoft Dynamics CRM para suportar crescimento do negócio Microsoft Dynamics CRM Cliente Referência: PALBIT Palbit Palbit investe no Microsoft Dynamics CRM para suportar crescimento do negócio Sumário País Portugal Sector Produção Industrial Perfil do Cliente

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de acções a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Conferência Ibero-Americana WWW/Internet 2004 7/8 Outubro, Madrid, Espanha O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Jorge Xavier Aluno de Mestrado DEGEI UA Campus Universitário de Santiago.

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

PHC Workflow. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa

PHC Workflow. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa PHCWorkflow DESCRITIVO O PHC Workflow permite que o conjunto de acções a executar, sigam uma ordem pré- -definida de acordo com as normas da empresa, aumentando a agilidade e produtividade dos colaboradores.

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Open Operational Platform

Open Operational Platform Open Operational Platform Visão Tecnológica 20.01.2009 Agenda Enquadramento Arquitectura Características Diferenciadoras Case Study 2 Enquadramento 3 Mobilidade Optimização Processos Tecnologia Operações

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Windows e Web Dynamics Comunicação e Produtividade Servidores Infraestrutura Empresarial Busca e Anúncios Mobilidade Entretenimento e TV PRODUTIVIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Turismo 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Chord Tecnologias de Middleware 2006/2007 Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Tópicos Objectivo Motivação Peer-To-Peer Chord Descrição Geral Características Distintivas Comparação DNS Modelo do Sistema

Leia mais

Implementação de projetos - Siebel Versão 2.0 / Jan-2013

Implementação de projetos - Siebel Versão 2.0 / Jan-2013 Implementação de projetos - Siebel Versão 2.0 / Jan-2013 DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 1 de 12 Controlo de Versões Versão Descição da Versão Data Responsável V 1.0 Criação

Leia mais

Service Oriented Architectures

Service Oriented Architectures Service Oriented Architectures Uma abordagem evolutiva Manager, IT Middleware Vodafone Portugal Mario.saraiva@vodafone.com Agenda 1. O desafio da Integração O princípio do Middleware, ActiveWorks e Middleware

Leia mais

COPE Create Once Publish Everywhere

COPE Create Once Publish Everywhere COPE Create Once Publish Everywhere Conversão automática de conteúdos multimédia para multiplataforma CONTESSA, 2001-2003 Estrutura da apresentação Definição de publicação multiplataforma Tendências da

Leia mais

As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa.

As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa. Dun-Trade As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa. O que é o DUN-Trade? é um programa de partilha de informação, totalmente gratuito,

Leia mais

PHC Workflow CS. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa

PHC Workflow CS. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa PHCWorkflow CS DESCRITIVO O PHC Workflow permite que o conjunto de acções a executar, sigam uma ordem pré- -definida de acordo com as normas da empresa, aumentando a agilidade e produtividade dos colaboradores.

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

Tecnologia de Base de Dados Introdução à Base de Dados

Tecnologia de Base de Dados Introdução à Base de Dados Introdução à Base de Dados MSc. Eugénio Alberto Macumbe Plano Temático 1. Introdução à Base de Dados; 2. Modelo Relacional; 3. Modelação de dados; 4. Formas Normais e Processo de Normalização; 5. Operações

Leia mais

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Índice Introdução... 2 A solução... 2 Plataforma Integrada (principais características)... 4 Eliminar limitações à execução de testes

Leia mais

João Matias. Managing Director Oracle Portugal

João Matias. Managing Director Oracle Portugal João Matias Managing Director Oracle Portugal Pontos de Partida. Para onde Vamos? Evolução. Estratégia. Desafios. A vida começa aos quarenta... Evolução O passado recente dos ambientes de IT Best of Breed

Leia mais

Sistemas de Informação na Organização

Sistemas de Informação na Organização Sistemas de Informação na Organização Tipos de Sistemas de Informação TPS, KMS, MIS, DSS, ESS Perspectiva funcional dos SI Exemplos Perspectiva dos processos de negócio CRM SCM ERP Sistemas de Informação

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 7-02/03/09 1 Negociação Comercial CONCEITOS ERP - ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 2 -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

MIEIC. Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Sistemas de informação 2009-2010

MIEIC. Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Sistemas de informação 2009-2010 MIEIC Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Sistemas de informação 2009-2010 Primavera Aplicação do ERP Numa Mercearia em Fase de Expansão André Filipe Lima ei01017 Carlos Esteves ei03028

Leia mais

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma Índice Bases de Dados Pedro Quaresma Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2010/2011 1. Parte I Componente Teórica 1.1 Introdução 1.2 Modelo ER 1.3 Modelo Relacional 1.4 SQL 1.5 Integridade

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

Business Process Management

Business Process Management 1 Business Process Management O imperativo da eficiência operacional Na constante busca pelo aumento da eficiência operacional e diminuição dos custos, as organizações procuram optimizar os seus processos

Leia mais

Profº.: Daniel Gondim. Relatórios Gerenciais e Sistemas Web

Profº.: Daniel Gondim. Relatórios Gerenciais e Sistemas Web Profº.: Daniel Gondim Relatórios Gerenciais e Sistemas Web Roteiro Relatórios Gerenciais Relatórios Programados; Relatórios de Exceção; Relatórios de Solicitação; Sistemas de Informações Web Definições

Leia mais

Gestão de Informação e Business Intelligence na Saúde. www.novaims.unl.pt PÓS-GRADUAÇÃO

Gestão de Informação e Business Intelligence na Saúde. www.novaims.unl.pt PÓS-GRADUAÇÃO Em parceria com: Escola Nacional de Saúde Pública - NOVA Instituto de Higiene e Medicina Tropical - NOVA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão de Informação e Business Intelligence na Saúde Com o patrocínio de: www.novaims.unl.pt

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Metadados em Business Intelligence Estado da Arte

Metadados em Business Intelligence Estado da Arte Metadados em Business Intelligence Estado da Arte André Alexandre Santos Simões - N o 53873 Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Informática e de Computadores Orientador: Prof. Helena

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

PRIMAVERA INDUSTRY. Uma solução para as PME industriais

PRIMAVERA INDUSTRY. Uma solução para as PME industriais PRIMAVERA INDUSTRY Uma solução para as PME industriais PRIMAVERA INDUSTRY Uma solução para as PME industriais produtivos de modo a garantir uma maior qualidade dos produtos sujeitos a fabrico, ao menor

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação 5º semestre Licenciatura de EI 2011/2012 msantos@ispgaya.pt cramos@ispgaya.pt / Carlos Ramos 1 Objectivos da Disciplina de Sistemas de Informação da Licenciatura de EI Complementar a formação em bases

Leia mais

Mobile Business. Your sales on the move.

Mobile Business. Your sales on the move. Pág/02 O PRIMAVERA é um produto destinado a empresas que utilizem processos de auto-venda e/ou pré-venda com Equipas de Vendas que necessitem de um conjunto de informação e funcionalidades avançadas, disponíveis

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Informática 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO 22 B&S DOSSIER SIG Por Marco Painho, Professor Associado, Director do Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação da Universidade Nova de Lisboa. OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NOS NEGÓCIOS

Leia mais

Sotecnisol melhorou indicadores com estratégia de foco no cliente potenciada pelo Microsoft Dynamics CRM

Sotecnisol melhorou indicadores com estratégia de foco no cliente potenciada pelo Microsoft Dynamics CRM Microsoft Dynamics CRM Cliente Referência: SOTECNISOL Sotecnisol Sotecnisol melhorou indicadores com estratégia de foco no cliente potenciada pelo Microsoft Dynamics CRM Sumário País Portugal Sector Comércio

Leia mais

Organizações. Pedro Sousa

Organizações. Pedro Sousa Organizações Índice Introdução aos Tipos de Organizações Industriais Grossistas/Armazenistas Distribuição e Retalho Logística Serviços. Áreas das Organizações Financeira Recursos Humanos Produção Marketing

Leia mais

Factor PME. Junho 2011

Factor PME. Junho 2011 Projecto Factor PME Junho 2011 Índice Âmbito e Objectivos 03 Condições de Elegibilidade _Entidade beneficiária 04 _Projecto 05 Investimentos Elegíveis _Componentes de financiamento 06 _Despesas elegíveis

Leia mais

Sistema SAP R/3 SAP R/3

Sistema SAP R/3 SAP R/3 SAP R/3 O que é a SAP? 3º maior fornecedor de software do mundo Líder do mercado com 32% de quota de mercado em soluções de gestão empresarial (1998) 25 anos de experiência no negócio Mais de 21.000 instalações

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Rogério Machado Director Técnico José Monteiro Ferreira Director Informática e Telecomunicações AGENDA 1. A APR 2. APRESENTAÇÃO DO PROJECTO 3.

Leia mais

Especificação do Projecto

Especificação do Projecto MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS Especificação do Projecto Grupo nº: _5 Turno (e campus): Taguspark Nome Número João Vasques 63512 Rui Costa 63524 Mário Nzualo 62551 1 Nome do Projecto Mobile Payment System -

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Gestão 3. Ciclo de Estudos 2º 4.

Leia mais

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias.

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. GoldMine QuickStart Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. O GoldMine é uma ferramenta de gestão da relação com os clientes (CRM-Costumer Relationship

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

REPOX: Uma infra-estrutura XML para a PORBASE

REPOX: Uma infra-estrutura XML para a PORBASE REPOX: Uma infra-estrutura XML para a PORBASE Nuno Freire Biblioteca Nacional Campo grande 83 1741-081 Lisboa E-mail: nuno.freire@bn.pt Hugo Manguinhas, José Borbinha INESC ID Rua Alves Redol 9, Apartado

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Wincrm Gestão das Oportunidades de Negócio

Wincrm Gestão das Oportunidades de Negócio Wincrm Gestão das Oportunidades de Negócio Wincrm Gestão das Oportunidades de Negócio Soluções Com o módulo WinCRM, aumente drasticamente a produtividade comercial e o volume de negócios da organização.

Leia mais

HP ajuda empresas a aumentar a eficiência da gestão de informação

HP ajuda empresas a aumentar a eficiência da gestão de informação HP ajuda empresas a aumentar a eficiência da gestão de informação Estudo indica que 70 por cento das empresas têm lacunas na abordagem holística à gestão de informação crítica para o seu negócio Lisboa,

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma?

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma? Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: Agenda para gestão da Informação Página Conteúdo 2 Introdução 3 A necessidade de informações confiáveis 5 Uma nova abordagem a agenda para gestão

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Email: teóricas: artur.arsenio@ist.utl.pt práticas: joao.barreto@ist.utl.pt 2012-2013 1º semestre Sistemas Distribuídos Objectivos e Programa Estudar as técnicas fundamentais para

Leia mais

BPM (Business Process Management)

BPM (Business Process Management) Instituto Superior de Economia e Gestão Ano lectivo 2007/2008 Cadeira de Tecnologias de Informação BPM (Business Process Management) Planeamento e Controlo de Gestão Baseados nos Processos de Negócio José

Leia mais

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Cloud Computing é a denominação adotada para a mais recente arquitetura de sistemas informáticos. Cada vez mais empresas

Leia mais