MONITORAMENTO MÉDICO DE EXPOSTOS A AGENTES QUÍMICOS Jorge da Rocha Gomes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORAMENTO MÉDICO DE EXPOSTOS A AGENTES QUÍMICOS Jorge da Rocha Gomes"

Transcrição

1 1 MONITORAMENTO MÉDICO DE EXPOSTOS A AGENTES QUÍMICOS Jorge da Rocha Gomes INTRODUÇÃO Muitas vezes, como médico do trabalho me vi frente a duvidas de como me conduzir nas avaliações de expostos a agentes químicos. Neste artigo há algumas considerações sobre o assunto Deliberadamente procurei fugir de uma apreciação do Quadro 1 da NR 7 que trata dos Parâmetros para controle biológico da exposição a alguns agentes químicos Na realidade, o conteúdo deste quadro é bem conhecido pelos médicos do trabalho e, seguindo seus preceitos, o profissional estará cumprindo não só as determinações legais, mas, de certa forma, exercendo adequadamente sua missão. Isto posto, resolvi mostrar o dia-a-dia do médico nesta tarefa de manter trabalhadores expostos a fatores de risco químicos. E a forma escolhida foi a de mostrar uma situação real: um empresário pede que o médico faça o monitoramento biológico de vinte soldadores. A escolha recaiu em soldadores porque eles estão expostos a um conjunto de vários agentes químicos. Cumpre acrescentar que a solicitação é decorrência de ação de uma fiscalização da Delegacia Regional do Trabalho que intimou a empresa a executar este controle médico. Para obter os dados que serão utilizados foram consultadas várias fontes, especialmente da INTERNET, algumas das quais, por dever de gratidão, faço questão de citar: I N S S - RISCOS OCUPACIONAIS FLEXIBILIZAÇÃO DO RAT Ministério do Meio Ambiente (Conselho Nacional de Substâncias Químicas CNSQ) PERFIL NAC. GESTÃO SUBST. QUÍM A N A M T - CONDUTAS MEDICO-ADMINISTRATIVAS GRUPOS PROFISISONAIS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DA INTERNET: ESMTH E SESMT FUNDACENTRO: Arline Arcuri TOXIKON: Sérgio Colacioppo, Henrique Della Rosa e Jayme Leyton. SESMETI: Éderson Guimarães Silva LABORATÓRIOS SAE E FLEURY Por mera facilidade de exposição, a apresentação foi subdividida nos seguintes itens, além desta introdução: ESCOLHA DO LABORATÓRIO, METODOLOGIA DO MONITORAMENTO, RESULTADOS, PERSPECTIVAS e CONCLUSÕES.

2 2 ESCOLHA DO LABORATÓRIO Com a incumbência de monitorar os vinte soldadores, o médico devera ter segurança do caminho a seguir. E como dizia Sêneca, não adianta bons ventos se o timoneiro não sabe aonde quer chegar. Inicialmente, ele teria que fazer a escolha dos laboratórios que irão subsidiar sua atividade. Embora para o médico seja importante definir corretamente os parâmetros para escolher o laboratório que ira examinar as amostras biológicas, estas sugestões também são validas para a área de engenharia. Para avaliar a qualidade do laboratório são necessários alguns critérios tais como: Há algum programa de controle de qualidade das análises feitas? São guardadas amostras para serem utilizadas como referência posterior? O laboratório deve facultar uma lista de clientes para que o médico possa consultar o grau de satisfação dos usuários; Quais os métodos analíticos que são utilizados: estão atualizados e de acordo com a legislação e normas internacionais vigentes? O laboratório mantém condições satisfatórias de ordem e de limpeza? Os equipamentos e reagentes são adequados aos exames que se propõem? E os reagentes estão corretamente armazenados e são de boa qualidade? Qual o currículo do corpo técnico do laboratório? Há algum responsável com titulação acadêmica? Observação: Seria muito importante que o médico fosse acompanhado de algum técnico de sua confiança para ajudá-lo a fazer uma escolha correta. Ainda neste item da escolha do laboratório há um aspecto importante que são os custos, que o empresário certamente vai querer saber. Para ter uma idéia dos exames a serem solicitados, o médico vai necessitar o concurso de profissionais da área de segurança do trabalho. E, pelo Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA, o médico tomou conhecimento que os riscos químicos existentes mais significativos eram os seguintes: Cádmio, Cromo, Cobre Ferro, Magnésio, Manganês, Níquel, Chumbo, Zinco e Sílica. Estas substâncias são provenientes dos eletrodos, das chapas soldadas e do material usado para impedir a ferrugem das peças. E, como as cortinas separadoras das cabines de solda eram de amianto devido ao calor das peças soldadas, foram encontradas fibras de amianto. Por motivos de ordem técnica, não se levou em consideração o dióxido de carbono ou outros gases da operação de soldagem. Com esta informação planejou-se o monitoramento dos soldadores através de exame clínico, exame laboratorial dos nove biomarcadores (metais encontrados), radiografias de tórax e Provas de Função Pulmonar (efeitos pulmonares dos fumos, sílica e asbesto). O orçamento para este monitoramento bio-ambiental (que deverá ser semestral e, dependendo dos resultados, poderá ser necessária uma periodicidade menor) é o seguinte: PREVISÃO DE CUSTOS PARA MONITORAMENTO DE VINTE SOLDADORES

3 3 9 BIOMARCADORES (18,00) 3.240,00 RX PULMAO (36,00) 720,00 PROVAS DE FUNÇÃO PULMONAR (30,00) 600,00 EXAMES CLINICOS (42,00) 840,00 TOTAL SEMESTRAL Os preços dos procedimentos laboratoriais, das radiografias e das provas de função pulmonar são a média dos preços de listas de laboratórios da cidade de São Paulo, cujo detalhamento pode ser visto no anexo. O preço dos exames médicos é o preconizado pela tabela da Associação Médica Brasileira AMB. Mas, pelo questionário aplicado a 22 médicos dos grupos da INTERNET e colegas conhecidos, o preço praticado é muito menor. Somente um profissional declarou que aplicava a tabela da AMB. Alguns colegas acusaram serviços empresarias de assistência médica que incluíam, no contrato de prestação de serviços médicos, a realização gratuita dos exames do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO. Este assunto de custos de prestação de serviço de medicina do trabalho é controverso uma vez que os valores são extremamente diferentes pela acirrada concorrência. A própria ANAMT, não assume qualquer valor, deixando a cada profissional estabelecer o preço de seus serviços como se pode ver no Box seguinte: ANAMT: PCMSO Não definimos valores para a hora técnica e nem para a avaliação clínica,... cabendo apenas a quem vende o PCMSO a definição dos valores mencionados. Também existe a variação de como o médico do trabalho avalia a sua experiência. Deve o médico estabelecer um valor de hora técnica com o qual sinta estar trabalhando num nível confortável de remuneração. Uma vez estabelecidos os laboratórios agora é necessário fazer o planejamento das atividades inerentes ao monitoramento propriamente dito. METODOLOGIA DO MONITORAMENTO COLETA DO MATERIAL A coleta do material, embora pareça uma coisa simples, envolve uma série de procedimentos cujo planejamento é de grande importância face às peculiaridades de cada empresa. O entrosamento com os encarregados da área de produção é imprescindível tendo em vista que, tanto a coleta do material quanto os exames clínicos, interferem diretamente com o processo produtivo. E nem sempre há possibilidade de compatibilizar os dois objetivos. Alguns aspectos são significativos e devem ser cuidadosamente programados, tais como: O local da coleta (se no próprio laboratório ou se na empresa e, se nesta, em que área: no consultório, se existir; ou em algum outro sítio apropriado); O recipiente a ser utilizado (se a amostra é urina ou sangue, se deve ser usado anti-coagulante, etc.);

4 4 A forma de rotular as amostras (lembrar que quando a coleta é de amostras urinárias estas podem molhar o rótulo motivando equívocos); O horário (na NR 7 há orientações sobre este aspecto); Seguir as recomendações sobre a conservação da amostra fornecidas pelo laboratório; O fluido biológico a ser analisado (se vai ser sangue ou urina no caso dos metais, usual mente a amostra é de urina com exceção do chumbo que é determinado no sangue) Estes são alguns cuidados que o médico do trabalho deve acompanhar mesmo quando o responsável pela coleta seja pessoal do próprio laboratório. AVALIAÇÃO CLÍNICA È desejável que o médico que procederá ao exame clínico já disponha dos resultados dos exames laboratoriais para que possa orientar eventuais medidas de acompanhamento. O local onde será realizado o exame deverá ser cuidadosamente escolhido para que tanto o paciente como o médico sintam-se confortáveis. O profissional deverá estar familiarizado com a identificação precoce de seus sintomas e sinais para que possa intervir tempestivamente. Foge ao objetivo deste trabalho esmiuçar os sinais e sintomas das enfermidades relacionadas com os agentes que podem ser encontrados no ambiente dos soldadores. Com relação a sinais e sintomas e a título de curiosidade histórica, uma informação histórica recolhida por Paulo Botelho, referente à mina de Nova Lima, Minas Gerais: Nas noites de Nova Lima, quando buscava repouso, a cidade era sacudida por um trovão surdo e cavernoso da tosse dos silicóticos vindo dos casebres dos trabalhadores. Os ingleses, então, perturbados em seu sono angelical, ao invés de adotarem medidas eficazes contra a silicose, resolveram enfrentar o problema pelo ataque direto ao sintoma: uma fábrica de xarope Assim, foi transformada, também, em fonte de renda e de sossego permitindo que todos dormissem em paz para honra e glória de sua Majestade Britânica! RESULTADOS O que fazer com o resultado dos exames muitas vezes deixa o médico do trabalho meio inseguro. Vou relatar alguns episódios em que o encaminhamento inadequado pode ocasionar problemas. Em Bauru, uma fábrica de baterias ocasionou contaminação do entorno da fábrica por chumbo e a Vigilância Sanitária interditou não só a fábrica, como também toda a produção dos granjeiros da redondeza. O médico que prestava serviços à empresa teve muita dificuldade de explicar a ocorrência para as autoridades sanitárias. Já no Riacho Grande, ocorreu um episódio de grande repercussão porque o médico do trabalho mandou afastar trabalhadores da exposição ao mercúrio e a chefia não atendeu a recomendação sem informar ao médico. Os trabalhadores recorreram à DRT e ao Sindicato de Trabalhadores que foram ao local de trabalho juntamente com representantes da mídia, apreenderam os prontuários, enfim, foi um enorme problema para a empresa. Apenas por curiosidade: o médico auditor da DRT denunciou o médico da empresa ao Conselho Regional de Medicina CRM, por não afastar trabalhadores com níveis de mercúrio acima do Índice Biológico Máximo Permitido IBMP. O médico da empresa, por sua vez, denunciou o auditor da DRT, por ter feito apreensão dos prontuários.

5 5 Muitas vezes o médico pode ter receio de solicitar o afastamento da exposição, especialmente quando envolve grande número de pessoas. Lembro que em certa ocasião foi necessário afastar mais de um terço dos funcionários de uma sala de pintura por exames laboratoriais de exposição alterados. O responsável veio reclamar e atribui ao a responsabilidade pela interrupção da produção. Mudou de atitude quando foi argüido: quem mantinha condições inadequadas de trabalho o médico ou o responsável pela produção. É bom lembrar destes argumentos quando o médico tiver de tomar ações que envolvam interrupções do processo produtivo. Para completar o quadro geral do monitoramento, uma palavra sobre tratamento. Embora aas medidas terapêuticas se resumam no afastamento da exposição ou do trabalho. Com relação ao Chumbo, há mais esperanças de êxito com uso do Succimer e a perícia médica do INSS estabeleceu critérios para monitoramento médico da exposição (estão publicados na página da Previdência da Internet). Para os mangânicos, há mais esperança através da administração de coquetéis medicamentosos, mas sempre conduzida por neurologista. Nos casos de exames alterados e / ou identificação de sinais e sintomas de intoxicação, a emissão da Comunicação de Acidente de Trabalho CAT sempre deverá ser feita. Ela é a garantia de que o trabalhador poderá usufruir de seus direitos previstos na Legislação Acidentária, embora se sabendo que pode haver muita pressão da empresa para que estes eventos não sejam comunicados ao INSS. Outra dificuldade é a autorização para o retorno ao trabalho. Não é aceitável, sob o ponto de vista ético ou moral, nem da lógica, autorizar, após a alta, o retorno de um intoxicado pelo chumbo, por exemplo, para a mesma exposição que motivou o afastamento. Será simplesmente condená-lo a uma nova intoxicação. Da mesma forma, fazer o monitoramento de fatores de risco que podem ocasionar câncer, procurando seus sinais, repugna a qualquer profissional médico. Tal exposição só seria admitida se os limites de exposição fossem rigidamente controlados. Eram estas as considerações que julguei oportuno assinalar. Estão muito longe de esgotar este tema toa complexo e abrangente. Mas representam, de certa forma, algo da experiência de um velho profissional. Mas que, apesar de antigo, não poderia, deixar de comentar algumas inovações que estão ocorrendo na nossa área que vão ocasionar alterações significativas na forma de fazer o controle medico de expostos a agentes químicos. PERSPECTIVAS PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP O preenchimento do item relativo aos diagnósticos no formulário do PPP tem sido objeto de muita discussão mas entendo que a negativa em fornecer os elementos para o preenchimento do formulário pode ocasionar sérios prejuízos ao trabalhador. Se o fornecimento dos dados será útil para o trabalhador aposentar-se mais cedo e se ele mesmo solicita o preenchimento, não vejo como negar este direito do trabalhador. Neste sentido, entendo que a Resolução 1715/2004 do Conselho Federal de Medicina que prescreve è vedado ao médico do trabalho, sob pena de violação do sigilo médico profissional, disponibilizar as informações exigidas n Anexo XV da Seção III do formulário do PPP deveria ser revista. Não acredito que fornecer um dado que vai ajudar ao trabalhador, e ao seu pedido, possa ser considerado como antiético. NEXO TÉCNICO EPIDEMIOLÓGICO PREVIDENCIÁRIO NTEP E FATOR ACIDENTÁRIO DE PREVENÇÃO - FAP

6 6 A sua implantação deverá trazer muitas alterações nos procedimentos do médico do trabalho. Pessoalmente, entendo que é um grande avanço para a segurança e saúde dos trabalhadores. No entanto nem todos entendem desta forma. Fico, às vezes, pensando o que leva alguns profissionais a se manifestarem de forma tão categórica contra um instrumento legal que pretende fazer aquilo que todos nós, prevencionistas, sempre sonhamos. Um instrumento que obriga aos empregadores investir e pensar mais nos seus trabalhadores porque, caso não o façam, irão sentir naquele órgão particularmente sensível da categoria: bolso. Creio que as empresas têm condições de responder por estas questões sem necessidade de expor o médico em ações que dificultam, e muito, aquilo que caracteriza a medicina do trabalho: o respeito e a confiança da população que esta sob sua responsabilidade. Alem disto, tais atividades demandam tempo do profissional para outros objetivos que não são os de promoção e recuperação da saúde do trabalhador. Não se pense que isto e mera especulação. Tempos atrás, ao visitar uma grande empresa que estava com problemas na justiça por doenças profissionais de seus empregados, o médico do trabalho me falou que oitenta por cento de seu tempo na empresa era para defender a empresa junto à Justiça. Já há movimentação entre empregadores para que o exame médico admissional seja mais rigoroso e haverá pressões para não registrar acidentes e, principalmente, as doenças ocupacionais. Tempos atrás, já existiu um sistema semelhante chamado de Tarifação Individual que não prosperou pelo grande sub-registro dos eventos infortunísticas laborativos. GENOMA É uma área que está com um enorme desenvolvimento. O premio Nobel de medicina e o de química de 2006 foram concedidos a cientistas que trabalharam com esse tema e sua aplicabilidade na prevenção de doenças como câncer e certas intoxicações de origem ocupacional assim como instrumento de identificação de hiperssusceptiveis a certos agentes químicos. Alias, nesta última característica, já se está alertando sobre possíveis problemas de natureza ética no sentido usa-lo para discriminar candidatos a emprego. HORAS DE TRABALHO Todos nós que trabalhamos em prevenção aplaudimos a redução da jornada de trabalho especialmente pela redução da exposição. Mas é preciso lembrar que salários insuficientes levam o trabalhador a procurar suplementar seu ingresso financeiro através de ocupações informais (bicos). E nos também sabemos como e difícil avaliar a segurança e a saúde do trabalho informal, especialmente o monitoramento da exposição a fatores de risco. CONCLUSÃO Para concluir, vou apresentar situações que deveriam ser condições normais de trabalho e já o são em algumas empresas e em alguns paises mas que, infelizmente, ainda são muito mais freqüentes do que se gostaria. Eliminar tais condições impróprias de trabalho faz parte de alguns devaneios oníricos do autor.

7 7 Polimento de peças cromadas com e sem exaustão. Perfuração em mina de asbesto, sem e com umidificação. Linha de montagem antiga Linha de montagem atual Dois últimos sonhos:

8 8 Que esta menina que trabalha em fornos de carvão pudesse exercer a atividade usual de uma criança: brincar como a menina ao lado. Aliás, teria sentido algum monitoramento médicoocupacional para esta pequena trabalhadora? E que as atividades informais, com graves e incontroláveis riscos ocupacionais fossem substituídas por ocupações que, embora envolvendo riscos, estes fossem devidamente controlados. O ideal mesmo, seria que todos os trabalhadores pudessem exercer sua atividade condições que não necessitassem de nenhum controle relacionados com exposição a fatores de risco porque simplesmente não haveria trabalho com fator de risco. E um sonho utópico, mas, quem sabe um dia isto poderá acontecer.

9 9 ANEXO - Tabela de preços de exames subsidiários de três laboratórios URINA LAB A LAB B LAB C acetona 23,20 10,80 ácido 2-tio-tiazolidina-4-carboxílico 33,06 35,00 ácido deltaminolevulínico - (ala-u) 12,76 144,20 8,10 ácido fenilglioxílico 15,66 10,80 ácido hipúrico 15,66 122,57 10,80 ácido mandélico 15,66 118,43 10,80 ácido metilhipúrico 18,56 122,57 13,50 ácido trans transmucônico 33,06 35,64 ácido tricloroacético 12,76 8,10 vanil mandelico 269,25 10,80 arsênico quantitativo 27,26 157,59 21,60 cádmio 27,26 21,60 chumbo 21,46 143,17 cobre 23,20 21,60 coproporfirina 5,80 cromo 27,26 73,13 21,60 fenol 15,66 133,90 10,80 fluoreto 15,66 10,80 2,5 hexanodiona 33,06 21,60 manganês 23,20 146,26 21,60 mercúrio 27,26 *434,49 21,60 metanol 14,50 metiletilcetona 23,20 28,80 n-n-dimetilformamida 33,06 28,00 níquel 23,20 21,60 teste de azida sódica 8,70 tolueno 10,80 tiocianato 12,76 * 526,15 8,10 triclorocompostos totais 12,76 8,10 xileno 13,50 zinco 20,30 139,50 19,90 SANGUE berilio cádmio 23,20 61,80 21,60 carboxihemoglobina 8,70 8,10 chumbo 17,40 72,07 16,20 cobre (soro) 23,20... colinesterase 100,42 12,00 etanol (plasma, sangue ou soro) 14,50 12,00 mercúrio 21,60 metemoglobina 8,70 8,10 protoporfirina livre eritrocitária 8,70 8,10 sulfatos (org e inorg) 20,00

10 10 PULMÃO RX TORAX F/P 226,73 36,00 PFP 346,68 30,00 HIGIENE (PONTO DE COLETA) FUMOS SOLDA 6,00 SOLVENTES 7,00 Observação: os preços do laboratório B são os praticados no balcão. Para empresas o preço e menor;

TOXICOLOGIA OCUPACIONAL

TOXICOLOGIA OCUPACIONAL TOXICOLOGIA OCUPACIONAL TOXICOLOGIA OCUPACIONAL TOXICOLOGIA OCUPACIONAL Com um setor dedicado exclusivamente a toxicologia e análises instrumentais, o DB Diagnósticos do Brasil oferece resultados precisos,

Leia mais

PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional VIGÊNCIA: 1 ANO EMPRESA: Virtual Machine Data da Elaboração Data de Vencimento 18/ 02 /2008 17 / 02/2009 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Vitual Machine CNPJ: 08.693.563/0001.14 CNAE: 4751200 Grau

Leia mais

DIRETORIA DE SAÚDE SUBDIRETORIA TÉCNICA

DIRETORIA DE SAÚDE SUBDIRETORIA TÉCNICA DIRETORIA DE SAÚDE SUBDIRETORIA TÉCNICA Ordem Técnica nº 018/DIRSA/2005, 30 de novembro 2005. Controle de Saúde dos Servidores Civis e Militares com Riscos por Exposição aos Agentes Ambientais 1 - FINALIDADE

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação:

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação: MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (D.O.U. de 30/12/94 Seção 1 págs. 21.278 e 21.280) O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO,

Leia mais

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.2 EXAME MÉDICO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR O NOVO, PARA EVITAR A SUPERLOTAÇÃO

Leia mais

PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO. Antonio Carlos Castellar de Castro. Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF

PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO. Antonio Carlos Castellar de Castro. Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO Antonio Carlos Castellar de Castro Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF RESUMO O advento do Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP em 01/01/2004 no nosso

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 13/2012 DATA DA ENTRADA: 12 de junho de 2012 INTERESSADO: Dr. MHM CRM-MT XXXX CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra. Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO:

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP LEGISLAÇÃO A Portaria n 3214, de 08/06/1978, aprovou as normas regulamentadoras NR do capítulo V, Título II, da CLT, relativas a segurança e medicina do trabalho. Atualmente

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL. ASO Natalia Sousa

NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL. ASO Natalia Sousa NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL ASO Natalia Sousa ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL ASO Para cada exame médico ocupacional realizado, o médico emitirá o ASO (Atestado de Saúde Ocupacional) em duas vias:

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 4, DE 15 DE SETEMBRO DE 2009

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 4, DE 15 DE SETEMBRO DE 2009 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 4, DE 15 DE SETEMBRO DE 2009 Estabelece orientações para aplicação do Decreto nº 6.856, de 25 de maio de 2009, que dispõe sobre os exames médicos periódicos

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE. Orientações Gerais

MANUAL DO CLIENTE. Orientações Gerais MANUAL DO CLIENTE Orientações Gerais 2 Prezado Cliente: O compromisso da ESAME é oferecer a você o melhor serviço na área de Saúde e Segurança no Trabalho, assegurando a qualidade nos procedimentos médicos,

Leia mais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais MORAIS, Leonardo Bianchini. O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico

Leia mais

Prezados Senhores, MANUAL DA UNIDADE SUMÁRIO O PAPEL DO RESPONSÁVEL PELA UNIDADE INFORMAÇÕES IMPORTANTES:

Prezados Senhores, MANUAL DA UNIDADE SUMÁRIO O PAPEL DO RESPONSÁVEL PELA UNIDADE INFORMAÇÕES IMPORTANTES: MANUAL DA UNIDADE Prezados Senhores, Com o intuito de promover a excelência e a qualidade na prestação de nossos serviços, vimos por meio deste, agradecer pela confiança e credibilidade. A Engemed Saúde

Leia mais

Novamed Medicina e Engenharia do Trabalho

Novamed Medicina e Engenharia do Trabalho Novamed Medicina e Engenharia do Trabalho A Novamed há mais de 15 anos no mercado, prestando serviços na área de Medicina e Engenharia do Trabalho, tem como missão preservar a saúde e a qualidade de vida

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO NORMA REGULAMENTADORA NR-7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL ALTERAÇÃO

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO NORMA REGULAMENTADORA NR-7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL ALTERAÇÃO 1 SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO NORMA REGULAMENTADORA NR-7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL ALTERAÇÃO Portaria GM/SSSTb n. 24, de 29 de dezembro de 1994 (DOU 30.12.94) Aprova o texto

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. Dr. Rafael Linden CRF-RS 4819 Diretor Científico

1. APRESENTAÇÃO. Dr. Rafael Linden CRF-RS 4819 Diretor Científico MANUAL DE COLETA 1. APRESENTAÇÃO O QuantiLAB Análises Especializadas tem como objetivo realizar análises dos indicadores biológicos de substâncias químicas de interesse ocupacional. Para que os ensaios

Leia mais

COMO ELABORAR CORRETAMENTE O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP

COMO ELABORAR CORRETAMENTE O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP COMO ELABORAR CORRETAMENTE O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP *Jaques Sherique O primeiro passo para a elaboração correta de um Sistema de Perfil Profissiográfico Previdenciário é a manutenção

Leia mais

O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE)

O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE) Página 1 de 5 O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE) Texto extraído do Jus Navigandi http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=10065 Leonardo Bianchini Morais

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 26 Sobre os Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente, com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço, de

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE. Orientações Gerais

MANUAL DO CLIENTE. Orientações Gerais MANUAL DO CLIENTE Orientações Gerais Prezado Cliente: O compromisso da ESAME é oferecer a você o melhor serviço na área de Saúde e Segurança no Trabalho, assegurando a qualidade nos procedimentos médicos,

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO.

COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO. COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO. Eduardo Carvalho Abdalla Advogado, Especialista em Gestão Jurídica da Empresa Consultor de Saúde, Segurança

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO DO TRABALHO. Em relação ao Regime Jurídico Único, são deveres do servidor público, EXCETO:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO DO TRABALHO. Em relação ao Regime Jurídico Único, são deveres do servidor público, EXCETO: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO DO TRABALHO QUESTÃO 21 Em relação ao Regime Jurídico Único, são deveres do servidor público, EXCETO: a) Observar as normas legais e regulamentares. b) Ser leal

Leia mais

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS Ana Maria Selbach Rodrigues Médica do Trabalho SAÚDE Saúde: do latim, salute salvação, conservação da vida (Dicionário Aurélio) OMS = saúde é um estado

Leia mais

PANORAMA DOS RECURSOS JUNTO À PREVIDÊNCIA SOCIAL. Salvador Marciano Pinto Presidente do CRPS

PANORAMA DOS RECURSOS JUNTO À PREVIDÊNCIA SOCIAL. Salvador Marciano Pinto Presidente do CRPS PANORAMA DOS RECURSOS JUNTO À PREVIDÊNCIA SOCIAL Salvador Marciano Pinto Presidente do CRPS O CRPS é um órgão integrante da estrutura do MPS, subordinado diretamente ao Ministro de Estado da Previdência

Leia mais

TOXICOLOGIA CARBOXIHEMOGLOBINA METAHEMOGLOBINA MANGANÊS SELÊNIO

TOXICOLOGIA CARBOXIHEMOGLOBINA METAHEMOGLOBINA MANGANÊS SELÊNIO TOXICOLOGIA O C U P A C I O N A L CARBOXIHEMOGLOBINA METAHEMOGLOBINA MANGANÊS SELÊNIO Aplicabilidade dos exames de toxicologia ocupacional A saúde ocupacional representa importante estratégia para garantir

Leia mais

PROPOSTAS DE ENUNCIADOS SOBRE PERÍCIAS JUDICIAIS EM ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS

PROPOSTAS DE ENUNCIADOS SOBRE PERÍCIAS JUDICIAIS EM ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS PROPOSTAS DE ENUNCIADOS SOBRE PERÍCIAS JUDICIAIS EM ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS 1. PRINCÍPIO DA PARTICIPAÇÃO DO MAGISTRADO. ATUAÇÃO COLABORATIVA. Tendo em vista os termos do artigo 225

Leia mais

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO MED-SET QUALIDADE DE VIDA 1 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL EMPRESA: BORSARI - ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE

Leia mais

NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR 325

NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR 325 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS COD: NOR 325 APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 240, de 04/06/2012 NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

MPAS/INSS. Perfil Profissiográfico Previdenciário DRA. SILVIA MATHEUS

MPAS/INSS. Perfil Profissiográfico Previdenciário DRA. SILVIA MATHEUS MPAS/INSS Perfil Profissiográfico Previdenciário DRA. SILVIA MATHEUS Perfil Profissiográfico OBJETIVO: As Aposentadorias Especiais têm características preventivas e visam retirar o trabalhador dos ambientes

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ANAMT N o 01/2016

RECOMENDAÇÃO ANAMT N o 01/2016 RECOMENDAÇÃO ANAMT N o 01/2016 Dispõe sobre a solicitação de exames toxicológicos de larga escala para os motoristas profissionais regulamentada pela Portaria MTPS n o 116 de 13/11/2015 e sobre a conduta

Leia mais

O PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário

O PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário 1 O PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário Compilação e comentários de Airton Marinho da Silva, Auditor Fiscal do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego As Leis 8212 e 8213/91 regulamentam os

Leia mais

A importância do RH no processo de contestação do FAP. WOLNEI TADEU FERREIRA Outubro 2014 FIESP

A importância do RH no processo de contestação do FAP. WOLNEI TADEU FERREIRA Outubro 2014 FIESP A importância do RH no processo de contestação do FAP WOLNEI TADEU FERREIRA Outubro 2014 FIESP Como é definido o FAP? Como é calculado: o FAP anual reflete a aferição da acidentalidade nas empresas relativa

Leia mais

ACIDENTES DO TRABALHO SMS

ACIDENTES DO TRABALHO SMS ACIDENTES DO TRABALHO SMS Acidente do trabalho CONCEITO LEGAL: De acordo com o Art. 19 da Lei 8.213/91: Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão

Leia mais

Texto para Discussão

Texto para Discussão Convênio: Fundação Economia de Campinas - FECAMP e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Termo de Referência: Reforma Trabalhista e Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas Texto

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO NR 7

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO NR 7 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO NR 7 1 Objeto. Estabelece e obriga os empregadores Elaborar e implementar o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO estabelece os parâmetros

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO Aizenaque Grimaldi de Carvalho Conselheiro do CREMESP Especialista em Medicina do Trabalho Especialista em Medicina Legal e Perícias Médicas Ex Vice-Presidente da Associação Nacional de Medicina do Trabalho

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

DIESAT Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho

DIESAT Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho DIESAT Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? Ética Médica Código de Conduta do Médico

Leia mais

Dr. José Carlos Steola

Dr. José Carlos Steola n t e p f a p r a t (s a t) Dr. José Carlos Steola Médico do Trabalho Coordenador do Depto de Proteção no Trabalho ( UNIMED de Araras) Médico do Trabalho da Usina Sta Lúcia Araras Médico Coordenador de

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

CURSO DE EXERCÍCIOS DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO PROFESSORA: MARA QUEIROGA CAMISASSA

CURSO DE EXERCÍCIOS DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO PROFESSORA: MARA QUEIROGA CAMISASSA Olá pessoal! CURSO DE EXERCÍCIOS DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Nesta aula vamos fazer exercícios sobre a NR7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e a NR9 - Programa de Prevenção

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO ACIDENTE DE TRABALHO Conselho Federal de Medicina (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica e ocupacional Exame

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Rede Completa Orientações Gerais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Rede Completa Orientações Gerais MANUAL DE UTILIZAÇÃO Rede Completa Orientações Gerais Geremed Saúde e Segurança Ocupacional Ltda. 2011 3 de Prezado Cliente: Parabéns! Você é um CLIENTE GEREMED e para nós, isso é um motivo de grande satisfação.

Leia mais

"P.C.M.S.O." PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Demonstração LTDA CST INFORMÁTICA LTDA.

P.C.M.S.O. PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Demonstração LTDA CST INFORMÁTICA LTDA. PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL "P.C.M.S.O." Demonstração LTDA Fevereiro / 2008 SUMÁRIO Demonstração LTDA 3 Administração 10 Assistente Administrativo 11 Auxiliar de Escritório 12 Manutenção

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO

Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO Porto Nacional TO 2015 Sumário: Introdução:... 3 Dos Objetivos:... 3 Do Horário de Funcionamento:...

Leia mais

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema?

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Saber é poder definir. Quando duas pessoas discutem, devem saber primeiro sobre o que discutem.

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Orientações Gerais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Orientações Gerais MANUAL DE UTILIZAÇÃO Orientações Gerais Geremed Saúde e Segurança Ocupacional Ltda. 2013 Prezado Cliente: Parabéns! Você é um CLIENTE GEREMED e para nós, isso é um motivo de grande satisfação. Nosso compromisso

Leia mais

Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO, com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto dos seus trabalhadores.

Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO, com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto dos seus trabalhadores. NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte de todos

Leia mais

16/04/2014. Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho:

16/04/2014. Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Dispositivos legais que disciplinam a atuação dos profissionais e médicos do trabalho em conformidade com os princípios éticos. 1) OIT - Serviços

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho

Segurança e Saúde no Trabalho www.econcursando.com.br Segurança e Saúde no Trabalho Autor: Flávio O. Nunes Auditor Fiscal do Trabalho Todos os direitos reservados ao professor Flávio Nunes cópia proibida 1 NR-07 - PCMSO CLT: Art. 168

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (D.O.U. de 30/12/94 Seção 1 págs. 21.278 e 21.280) O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO,

Leia mais

E o pior temos ciência de empresas de consultoria que conseguiram este acesso junto a Previdência e estão "vendendo o serviço".

E o pior temos ciência de empresas de consultoria que conseguiram este acesso junto a Previdência e estão vendendo o serviço. Consultoria Virtual Pergunta Bom Dia! Sou representante da Empresa junto ao INSS - sistema de convenio. Entendendo que é um direito da empresa obter todo conhecimento necessário referente aos eventos previdenciários

Leia mais

Luiz Oscar Dornelles Schneider Especialista em Medicina do Trabalho AMB / ANAMT

Luiz Oscar Dornelles Schneider Especialista em Medicina do Trabalho AMB / ANAMT FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DA EXIGIBILIDADE DO LTCAT LAUDO TÉCNICO DE CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO Seguem-se abaixo os trechos dos documentos legais que versam sobre a matéria, de acordo com sua ordem hierárquica

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 XXXV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008 Ministério Trabalho e Emprego -CLT Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978 36 NR (última( (19/04/2013 Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados) Revogadas

Leia mais

ACIDENTES DO TRABALHO. Caracterização administrativa e repercussões previdenciárias e trabalhistas. Cláudia Salles Vilela Vianna claudia@vvf.adv.

ACIDENTES DO TRABALHO. Caracterização administrativa e repercussões previdenciárias e trabalhistas. Cláudia Salles Vilela Vianna claudia@vvf.adv. ACIDENTES DO TRABALHO Caracterização administrativa e repercussões previdenciárias e trabalhistas Cláudia Salles Vilela Vianna claudia@vvf.adv.br Acidente do Trabalho Lei 8.213/91, art. 19: Ocorre pelo

Leia mais

Estado da Paraíba Município de Pedra Lavrada Gabinete do Prefeito

Estado da Paraíba Município de Pedra Lavrada Gabinete do Prefeito LEI Nº0138/2014, DE 20 JANEIRO DE 2014. DISPÕE SOBRE: INSTITUI O SERVIÇO ESPECIALIZADO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHOR E DA TRABALHADORA - SESST NO MUNICÍPIO DE PEDRA LAVRADA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

NR-7 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional 7.1. - DO OBJETO

NR-7 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional 7.1. - DO OBJETO NR-7 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional 7.1. - DO OBJETO 7.1.1. - Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores

Leia mais

Documentos Obrigatórios em UANs

Documentos Obrigatórios em UANs Documentos Obrigatórios em UANs Profa. Ms Kelly Ribeiro Amichi DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Para o funcionamento de uma UAN, existe a documentação obrigatória exigida pela legislação. Essa documentação deve

Leia mais

2º ENCONTRO DE CIPAs URBANITÁRIAS RESPONSABILIDADES EM ACIDENTES DE TRABALHO. Santos (SP), 24/04/12

2º ENCONTRO DE CIPAs URBANITÁRIAS RESPONSABILIDADES EM ACIDENTES DE TRABALHO. Santos (SP), 24/04/12 2º ENCONTRO DE CIPAs URBANITÁRIAS RESPONSABILIDADES EM ACIDENTES DE TRABALHO Santos (SP), 24/04/12 LEGISLAÇÃO Artigo 7. Da Constituição Federal: São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho CEUNES / UFES Prof. Manuel Jarufe Introdução à Segurança do Trabalho O que é a função Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas

Leia mais

Saúdee Trabalho. Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D

Saúdee Trabalho. Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D Saúdee Trabalho Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D TRABALHADORES X POPULAÇÃO GERAL Saúde do Trabalhador Medicina do Trabalho; Saúde Ocupacional; Saúde do Trabalhador. Exposição ambiental X Exposição ocupacional

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA.

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA. Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Pró-Reitoria de Recursos Humanos Coordenadoria de Qualidade de Vida do Servidor PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL PREFEITURA

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5

R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5 R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5 Estabelece instruções para o reconhecimento do tempo de serviço público exercido sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física pelo Instituto

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II

DIREITO DO TRABALHO II DIREITO DO II Me. Ariel Silva. l Órgãos de segurança SESMT: O Serviço Especializado em engenharia de segurança e em Medicina do Trabalho, SESMT, constitui-se no órgão técnico da empresa composto exclusivamente

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais

VIII Fórum de Saúde e Segurança no Trabalho FEBRABAN 2011

VIII Fórum de Saúde e Segurança no Trabalho FEBRABAN 2011 VIII Fórum de Saúde e Segurança no Trabalho FEBRABAN 2011 Psiquiatria Ocupacional Prof. Duílio Antero de Camargo Psiquiatra clínico e forense Médico do Trabalho Instituto de Psiquiatria HC FM USP Núcleo

Leia mais

Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012

Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012 Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012 Dia 20/01/2012 Sexta Feira Na Associação Paulista de Medicina. ATIVIDADE TEMA DA ATIVIDADE ( Observação

Leia mais

COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL

COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL NORMA INTERNA NA OCORRÊNCIA DE ACIDENTE DE TRABALHO 2012 1 SUMÁRIO I Apresentação 03 II Objetivo 03 III Informações gerais 04 IV- Preenchimento

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

MÓDULO ADMISSÃO 1.2 EXAME MÉDICO

MÓDULO ADMISSÃO 1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.2 EAME MÉDICO DEPARTAMENTO DE PESSOAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 1.2. EAME MÉDICO... 3 1.2.1. INTRODUÇÃO... 3 1.2.2. PENALIDADES... 3 1.2.3. ADMISSIONAL OU PRÉ-ADMISSIONAL...

Leia mais

CIESP JUNDIAÍ INFORMAÇÕES TÉCNICAS E PRÁTICAS DO PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP)

CIESP JUNDIAÍ INFORMAÇÕES TÉCNICAS E PRÁTICAS DO PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP) CIESP JUNDIAÍ INFORMAÇÕES TÉCNICAS E PRÁTICAS DO PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP) Gerência Executiva em Jundiaí Seção de Saúde do Trabalhador SST Dr. Renato Humberto da Silva 06/11/2013 1 Brasil

Leia mais

MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA?

MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA? Slide Master MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA? Dr. Cláudio M. da C. Barreto Tel. (21)99588.7203 Consultor em Medicina e Segurança do Trabalho Médico do Trabalho E-mail: claudiomcbarreto@gmail.com

Leia mais

60.107 - EXAMES MÉDICOS DE SAÚDE OCUPACIONAL DATA DE APROVAÇÃO: 21/12/1999 ÍNDICE - EXAMES MÉDICOS DE SAÚDE OCUPACIONAL...01/02

60.107 - EXAMES MÉDICOS DE SAÚDE OCUPACIONAL DATA DE APROVAÇÃO: 21/12/1999 ÍNDICE - EXAMES MÉDICOS DE SAÚDE OCUPACIONAL...01/02 60.107 - EXAMES MÉDCOS DE SAÚDE OCUPACONAL DATA DE APROVAÇÃO: 21/12/1999 ÍNDCE CAPÍTULO - GENERALDADES...01/02 - Objetivo - Aplicação - Definições CAPÍTULO - EXAMES MÉDCOS DE SAÚDE OCUPACONAL...01/02 -

Leia mais

PARTE EXPOSITIVA. SGAS 915 Lote 72 CEP: 70390-150 Brasília-DF FONE: (61) 3445 5900 FAX: (61) 3346 0231 http://www.portalmedico.org.

PARTE EXPOSITIVA. SGAS 915 Lote 72 CEP: 70390-150 Brasília-DF FONE: (61) 3445 5900 FAX: (61) 3346 0231 http://www.portalmedico.org. PROCESSO-CONSULTA CFM nº 9.936/10 PARECER CFM nº 15/12 INTERESSADO: INSS Instituto Nacional do Seguro Social ASSUNTO: Registro e comunicação de afastamento e/ou substituição de diretor técnico e clínico

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 (Publicada no D.O.U. de 27/07/2010) Atualizada até 26/05/2014 Estabelece instruções para o reconhecimento, pelos Regimes Próprios de Previdência Social

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE: Regulamentar a utilização do Equipamento de Proteção Individual EPI, no âmbito do DEMLURB, a fim de proporcionar melhores

Leia mais

Atuais regras do FAP valem por mais um ano

Atuais regras do FAP valem por mais um ano Page 1 of 5 Texto publicado segunda, dia 26 de setembro de 2011 NOTÍCIAS Atuais regras do FAP valem por mais um ano POR MARÍLIA SCRIBONI As atuais regras do Fator Previdenciário de Proteção vão valer por

Leia mais

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Gustavo Nicolai Gerente de Saúde e Medicina Ocupacional 1. Sistema de Gestão Integrada de QMSR Ciência 2. Política de QMSR 3. Estrutura

Leia mais

PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP)

PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP) PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP) Os documentos (PPP) que estão anexados foram preparados pela GV Clínicas com os dados contidos no PCMSO, PPRA e LTCAT. É uma exigência do INSS e devem ser entregues

Leia mais