NEWS LETTER 5. Observatório Constitucional. Newsletter N.º 5 Fevereiro de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NEWS LETTER 5. Observatório Constitucional. Newsletter N.º 5 Fevereiro de 2014. www.gdi.org.mz"

Transcrição

1 Newsletter N.º 5 Fevereiro de NEWS LETTER 5 Observatório Constitucional O ano 2013 terminou. Do ponto de vista da actividade constitucional lato sensu, foi um ano cheio de eventos relacionados, directa ou indirectamente, com a Constituição devido, principalmente, ao processo de revisão constitucional. Contudo, além deste, não se pode negligenciar a actividade do Conselho Constitucional que, em 2013, foi bastante produtiva (cinco (5) acórdãos), tomando em conta os limites formais e materiais do âmbito da sua intervenção estabelecidos na Lei Fundamental. No que concerne ao primeiro aspecto, apesar do facto de os aspectos processuais da revisão constitucional terem sido amplamente comentados nos Newsletters anteriores, era interessante ter um ponto de vista imparcial e tecnicamente reconhecido sobre o referido processo de revisão constitucional para ter uma perícia independente e, assim, melhor avaliar, o referido processo que deverá ser concluído no primeiro semestre deste ano. É na ocasião da visita do Professor Marcelo Rebelo de Sousa, docente conceituado da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em Moçambique, no âmbito da cooperação com a Faculdade de Direito da Universidade Eduardo Mondlane, que esta perícia independente foi concretizada a 19 de Setembro de O Professor Marcelo Rebelo de Sousa concedeu uma entrevista ao Editor-Chefe do Newsletter 1

2 sobre o processo de revisão constitucional que está a decorrer em Moçambique e entregamos ao leitor deste Newsletter a integralidade da mesma (II). No que concerne ao segundo aspecto, o Conselho Constitucional no dia 17 de Setembro de 2013 proferiu um Acórdão muito comentado na imprensa nacional e estrangeira atinente ao pedido de apreciação e declaração, com força obrigatória geral da inconstitucionalidade das normas contidas nos dispositivos do Código de Processo Penal (CPP) formulado por Maria Alice Mabota e outros mil novecentos e noventa e nove cidadãos. Um jovem e promissor jurista da praça, dr. Salvador Nkamate, aceitou fazer um comentário sobre o assunto para o Newsletter (I). I O ACORDÃO N. 04/CC/13, DE 17 DE SETEMBRO DO CONSELHO CONSTITUCIONAL: UM CONTRIBUTO IMENSÚRAVEL PARA A REPOSIÇÃO DA LEGALIDADE VIOLADA PELA PRÓPRIA LEI NA QUESTÃO DA PRISÃO PREVENTIVA 1 A realidade de que grande parte dos dispositivos do Código de Processo Penal (CPP), em vigor em Moçambique, aprovado em período colonial, encontra-se desajustada da progressista Constituição da República de Moçambique de 2004 (CRM), particularmente em relação à questão da Prisão Preventiva, é conhecida por todos aqueles que de forma teórica ou prática lidam com aquele instrumento. A CRM, seguindo as linhas do constitucionalismo liberal prevê um abrangente leque de garantias e liberdades fundamentais e estabelece princípios de protecção dos cidadãos suspeitos de prática de actos infraccionais de forma a melhor salvaguardar a dignidade da pessoa humana e a falibilidade do próprio processo. Todavia, sobre prisão preventiva no direito moçambicano têm sido apontados sérios problemas, seja do ponto de vista legal, pelo não acompanhamento de alguns dispositivos infraconstitucionais a magna carta, seja, sobretudo, por conta de uma actuação preconceituosa, comodista e corrupta das agências penais, aliada a falta de capacidade e uma conivência desumana das agências judiciais, práticas estas que se sustentam nalguns dispositivos do próprio CPP. Do ponto de vista teórico há que reconhecer uma renúncia da legalidade pela própria lei. As contradições na legislação processual penal no que concerne ao instituto da prisão preventiva, não ocorrem apenas em relação à Constituição Processual Penal e as normas do Direito Internacional, ocorre igualmente uma contradição lógica entre a própria 1 dr. Salvador Nkamate, Assistente Estagiário Faculdade de Direito da UEM/ Advogado. Colaborador do Newsletter. legislação processual penal ordinária, o que traduz a renúncia aludida. Neste contexto, o Acordão 04/CC/13 de 17 de Setembro, do Conselho Constitucional, assume-se como um movimento em sentido contrário a toda a deslegalizacão institucional da prisão preventiva e do processualismo penal. Constituí um marco importante para a afirmação dos direitos humanos, dos direitos fundamentais dos cidadãos a contas com a justiça penal, sendo de relevância extrema compreender o seu alcance prático-jurídico. 1. O Regime Jurídico da Prisão Preventiva antes do Acórdão 04/CC/13, de 17 de Setembro do Conselho Constitucional. Apesar das garantias individuais terem sido reforçadas com a Constituição de 2004, no plano infraconstitucional não se fizeram reformas da legislação processual penal, resultando daí que os órgãos de persecução penal continuem a trabalhar suportados por uma legislação obsoleta, que apresenta contradições em relação à Constituição (1.1.) e que sustenta a renúncia da legalidade na decretação da prisão preventiva existente no sistema jurídico-penal (1.2.) A contradição entre a legislação ordinária e a Constituição. Com a aprovação da Constituição de 1990, e mais recentemente com a Constituição de 2004, alguns artigos do Código de Processo Penal deixaram de estar em consonância com o quadro constitucional em vigor em Moçambique. Com efeito, a norma constante do 2º, al. a), do artigo 291 do C.P. Penal, ao estabelecer a incaucionabilidade dos crimes em abstracto puníveis com pena de prisão maior superior a pena estabelecida no n. 5, do art. 55 do Código Penal (C.P), sem consideração pelas razões de necessidade, adequação e proporcionalidade, que sustentam a imposição da prisão preventiva nos casos concretos, era inconstitucional, por violação dos princípios da liberdade e da presunção da inocência até decisão final (Assim decidiu a 2ª Secção do Tribunal Supremo no seu Acórdão proferido no âmbito do Proc. n. 214/99-C.) e do princípio da proibição do excesso (Princípio implicíto na norma do art.3 da CRM, que Consagra a República de Moçambique como Estado de Direito e Democrático, segundo a jurisprudência do Conselho Constitucional, vide o Acordão 04/CC/13 de 17 de Setembro, do Conselho Constitucional.). Igualmente reportava-se inconstitucional, o art. 293 do Código de Processo Penal, na redacção dada pela Lei n. 2/93 de 24 de Junho, por consagrar que fora dos casos de flagrante delito, a prisão preventiva só poderá ser levada a efeito mediante ordem por escrito do juiz, do Ministério Público ou das demais autoridades de polícia de 2 Observatório Constitucional Newsletter Fevereiro 2014

3 investigação criminal. O mesmo artigo esclarece no n s. 1, 2 e 3, do parágrafo único, que são autoridades de polícia de investigação criminal, além do Ministério Público, para efeitos de disposto neste artigo as seguintes: os directores, inspectores e subinspectores da Polícia de Investigação Criminal; os oficiais da Polícia da República de Moçambique com funções de comando; e os administradores de distrito, chefes de posto administrativo ou presidentes de conselho executivo de localidade, onde não haja oficiais da Polícia com funções de comando respectivamente. Assim, uma vez que no ordenamento jurídico moçambicano os tribunais judiciais são tribunais comuns em matéria civil e criminal e exercem jurisdição em todas as áreas não atribuídas a outras ordens jurisdicionais, nos termos do n. 4, do art. 223, da CRM, aquela consagração afigurava-se inconstitucional. Igualmente, a manutenção da culpa formada até a decisão judicial definitiva com consequente manutenção da prisão salvo se houver despronúncia ou absolvição, põe em causa o direito à liberdade e consubstancia uma medida privativa de liberdade indefinida e por assim dizer corresponde a uma antecipação da culpa, tendo por esse desvalor, a norma constante do 3º, do art. 308 do C.P. Penal, sido considera como inconstitucional, tanto mais que violava a CRM, que dispõe no nº 1, do art. 61, que são proibidas penas e medidas de segurança privativas ou restritivas de liberdade com carácter perpétuo ou de duração ilimitada ou indefinida. Dispunha ainda, o 1º do art. 311 do C.P. Penal que os presos não poderão comunicar com pessoa alguma antes do primeiro interrogatório. O juiz ou agente do Ministério Público na instrução preparatória poderá ordenar em decisão fundamentada que o arguido continue incomunicável depois do interrogatório, contanto que a incomunicabilidade não exceda quarenta e oito horas. A norma supra referenciada chocava com o disposto no n. 4, do art. 63, da Constituição da República onde se estatui que o advogado tem direito de comunicar pessoal e reservadamente com o seu patrocinado, mesmo quando este se encontre preso ou detido em estabelecimento civil e militar. Nesta breve análise a estes quatro artigos do CPP que integravam o leque de normas do núcleo duro do regime da prisão preventiva no ordenamento jurídico moçambicano, ficou demonstrada, a contradição destes em relação à constituição, contradições que se refletem igualmente em relação vários instrumentos internacionais de direitos humanos ratificados por Moçambique, como são os casos do Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos e a Carta Africana dos Direitos do Homem dos Povos, nos seus arts. 14, nº 2 e 7, al. b) respectivamente, e que patrocinavam uma completa renúncia a legalidade nos processos de decretação e manutenção da prisão preventiva A renúncia da legalidade na decretação da prisão preventiva em Moçambique. Segundo Claus Roxin a pena estigmatiza o condenado e o leva à desclassificação e a exclusão social, consequências que não podem ser desejadas num Estado Social de Direito, o qual tem por fim a integração e a redução de descriminações (ROXIM, Claus; Estudos de Direito Penal, Tradução: Luis Greco, 2ª Edição Revista, Renovar, Rio de Janeiro - São Paulo Recife, 2008, p. 2.). Mais ainda, no mundo inteiro, e com maior incidência nos países subdesenvolvidos, a prisão gera uma patologia cuja principal característica é a regressão (ZAFFARONI, Eugenio Raul; Em busca de penas perdidas, a Perda de Legitimidade do Sistema Penal, Revan, São Paulo, 1989, p. 3

4 135), conforme sustentou Eugênio Raul Zafarroni. Perante essa realidade inolvidável, a prisão, ainda que precária deve aplicar-se apenas nas situações em que ponderadas todas medidas existentes, estas não se revelem adequadas para garantirem os fins processuais, tendo-se sempre presente o princípio da proporcionalidade, o qual funciona como critério de ponderação entre a necessidade de garantia da ordem pública, dos fins do processo e a necessidade de garantia dos direitos fundamentais do acusado. Em Moçambique, entidades do poder executivo, concretamente a Polícia de Investigação Criminal, sustentados por uma competência inconstitucional e contraditória, abusam da prisão preventiva, a qual é usada para garantir a instrução dos processos e, nos casos extremos, ainda assim frequentes, a prisão preventiva é usada para chantagem e extorsão de suspeitos, ou até de cidadãos inocentes. Na maioria dos processos crimes tramitados com réu preso, a prisão preventiva foi primariamente decretada pela Polícia de Investigação Criminal e o juiz, entidade com poderes para limitar direitos fundamentais, foi apenas chamada a função secundária de validação da prisão. Todavia, é realidade comprovada, que a Policia de Investitigação Criminal decreta prisão preventiva, sem observar os pressupostos desta, quer por ignorância dos seus agentes, quer por conveniência do poder executivo e das corporações que o sustentam. Ao promover este tipo de contradição, torna-se óbvio que o sistema penal está estruturalmente montado para que a legalidade penal não opere e, sim, para que exerça seu poder com altíssimo grau de arbitrariedade selectiva dirigida, naturalmente, aos sectores vulneráveis (ZAFFARONI, Eugenio Raul; Em busca de penas perdidas, a Perda de Legitimidade do Sistema Penal, op. cit., p. 27). É sobre esta realidade de ilegalidade institucionalizada, de renúncia à legalidade fomentada pela aceitação da decretação da prisão preventiva por entidades sem competências constitucionais para o fazer e incapazes de avaliar correctamente os demais pressupostos processuais necessários a decretação da prisão preventiva e fomentada pela não previsão de prazos certos para determinados actos processuais, que o Acórdão n. 04/CC/13 de 17 de Setembro, dá um contributo inestimável rumo a sua eliminação. 2. O Regime Jurídico da Prisão Preventiva em face do Acórdão n. 04/CC/13, de 17 de Setembro do Conselho Constitucional. A retirada das normas supra descritas do ordenamento jurídico moçambicano permitiu, um progresso visando a harmonização da legislação interna sobre a prisão preventiva com os comandos constitucionais e as normas e orientações do sistema jurídico internacional nesta temática. Dos quatro dispostivos legais declarados inconstitucionais, incluindo o 1º do art. 311, do Código de Processo Penal, que se refere a incomunicabilidade do arguido antes do primeiro interrogatório, o qual havia sido declarado inconstitucional num acordão anterior (Acórdão 02/CC/13, de 28 de Abril, do Conselho Constitucional), por violação do disposto no n. 4 do art. 63 da Constituição da República, que determina o direito do arguido comunicar com o seu advogado em qualquer estabelecimento prisional e a qualquer momento, pode-se extrair as seguintes consequências prático-jurídicas no sistema. Relativamente aos pressupostos, a decretação da prisão preventiva apenas pela apreciação abstrata do crime que o arguido é acusado não é admissível. Esta deve resultar da apreciação concreta da necessidade da aplicação dessa medida, a qual tem fins meramente processuais e não constitui antecipação da pena como actualmente entendem muitos policias, procuradores e até juízes. Não se pode aplicar prisão preventiva apenas porque o arguido é acusado da prática de um crime que é punido por uma pena de prisão maior superior a pena estabelecida no n. 5, do art. 55 do C.P, é preciso avaliar-se em concreto se a acusação tem fundamento e se há necessidade de decretarse esta medida, porque o arguido pode colocar-se em fuga, pertubar a instrução do processo ou continuar a praticar crimes. Relativamente a competência para decretar a prisão preventiva, a retirada da norma dos n s 1, 2 e 3 do único do art. 293 do Código de Processo Penal, atentos a redação dada pela Lei n 2/93 e, consequentemente, a norma da al. f), do n 1, do art. 44 da Lei Orgânica do Ministério Público, representa um avanço na medida em que retira o poder das autoridades administrativas, concretamente da polícia e do Ministério Público, o poder de ordenarem a captura de cidadãos, sejam suspeitos ou arguidos, fora das situações de flagrante delito. Esta decisão é importantissima para o funcionamento correcto da nossa justiça penal, dado que haviamos chegado a um nível em que era a polícia que controlava todo o processo de captura dos arguidos, deixando o poder judicial numa posição secundária de confirmação das suas decisões, quando se sabe que o poder judicial é o guardião dos Direitos e Liberdades fundamentais dos cidadãos. Relativamente aos prazos da prisão preventiva, a retirada da norma do 3º do art. 308, do Código de Processo Penal do ordenamento jurídico moçambicano, constitui um avanço, na medida em que a problemática dos prazos de prisão preventiva prolongados é bastante acentuada no nosso sistema penal e a norma ora revogada, permitia que a justiça penal pudesse manter 4 Observatório Constitucional Newsletter Fevereiro 2014

5 arguidos de forma indeterminada em prisão preventiva. Perante a incapacidade do sistema de realizar investigações celéres e eficientes, a norma ora revogada servia de suporte para que os órgãos da administração da justiça penal determinassem o cumprimento de verdadeiras penas à cidadãos, sem que estes estivessem condenados. Enfim, no País existe um autêntico sistema de antecipação da pena de prisão. O Acordão n. 04/CC/13 de 17 de Setembro, do Conselho Constitucional, promove a retida da legislação penal, um conjunto de normas não razoáveis e propõe a construção de um quadro legal mais garantista para os cidadãos a contas com a justiça penal. Entretanto, dado a sua natureza de decisão judicial e vinculado ao princípio da separação de poderes, o acordão não trouxe novas normas jurídicas, o que nalguns casos, originou lacunas cujo seu preenchimento reportasse urgente. Por exemplo, a retirada da norma constante do 3º, do art. 308 do C.P.P, não resolveu em definitivo a problemática em torno dos prazos de prisão preventiva na medida em que, no País, continua a não estar regulada a questão dos prazos de prisão preventiva após a pronúncia ou a formação da culpa, e a realidade prática demonstra que arguidos continuam a permanecer indefinidamente em prisão preventiva após a pronúncia. Nestes casos reclama-se um papel activo na Assembleia da República, no sentido de completar o processo de purificação da legislação processual penal, juntando-se ao Conselho Constitucional neste esforço. Ao Governo exige conformação com o acordão e a adopção de medidas concretas de adequação a nova realidade legal, por exemplo, a institucionalização dos juízes de turno para responder os desafios resultantes da retirada do ordenamento jurídico das normas dos n s 1, 2 e 3 do único do art. 293 do Código de Processo Penal, atentos a redação dada pela Lei n 2/93 e consequentemente norma da al. f), do n 1, do art. 44 da Lei Orgânica do Ministério Público e, dessa forma, evitar uma carência de entidades com poder para avaliar a necessidade de decretação da prisão preventiva. Conclusão. O Acordão n. 04/CC/13 de 17 de Setembro, do Conselho Constitucional, constituí um marco histórico na questão da proteccão dos direitos humanos, dos direitos fundamentais em Moçambique, na medida em que, determina a não aplicação de uma série de normas jurídicas que permitiam o uso abusivo e ilegal da prisão preventiva, em clara contradição às garantias que a Constituição da República confere aos cidadãos, no que concerne a sua liberdade, segurança e direitos no âmbito do processo penal. É também um contributo valiosissímo a teoria e a prática jurídica em Moçambique, poís, no acordão denotase claramente uma linha de interpretação activista e póspositivista, a qual permite o reconhecimento de princípios implicítos na Constituição da República e no sistema jurídico, o que muitas vezes é determinante para a afirmação da justiça, mesmo nos casos em que esta não coincide com a legalidade. O aprefeiçoamento do quadro legal da prisão preventiva permanece uma necessidade urgente, todavia, com o Acordão 04/CC/13 de 17 de Setembro, do Conselho Constitucional, deu-se um enorme passo que permite, reivindicar com segurança uma nova forma de actuar por parte dos órgãos do sistema da administração da justiça penal, relativamente a prisão preventiva. Para ter acesso ao referido Acórdão do Conselho Constitucional, consultar: CC-2013 II A REVISÃO CONSTITUCIONAL SEGUNDO O PROFESSOR MARCELO REBELO DE SOUSA O leitor do Newsletter encontrará a seguir o texto integral da entrevista do Professor Marcelo Rebelo de Sousa concedida ao Editor-Chefe do Newsletter sobre o processo de revisão constitucional pátrio. Editor-Chefe: Professor Marcelo Rebelo de Sousa, ontem, durante a palestra subordinada a Conversa sobre a revisão constitucional, o Senhor Professor desenvolveu um conjunto de comentários sobre um conjunto de artigos da Constituição, objecto de propostas para uma eventual revisão. A minha primeira questão seria de saber qual é o seu ponto de vista, de uma forma geral, sobre este processo da revisão constitucional em Moçambique. Marcelo Rebelo de Sousa: O processo começou há três anos. Foi um processo que começou com mecanismo original que foi a criação de uma Comissão Ad-Hoc e não pela apresentação de várias projectos ou propostas pelos parlamentares uma vez que entretanto só apareceu uma que foi da Frelimo e não apareceu mais uma outra no quadro da Assembleia, mas sobretudo a originalidade esteve na abertura à sociedade civil, no debate que se criou na sociedade moçambicana ao longo dos últimos dois anos sobretudo. Esse debate levou ao aparecimento de propostas individuais de uma proposta da UDM, mas sobretudo uma proposta global que partiu da iniciativa de uma instituição tipicamente da sociedade civil, GDI, 5

6 Editor-Chefe: A segunda questão seria um ponto de pormenor em termos de processo. Vimos que a proposta do proponente era bastante restritiva, significa que tudo vai culminar no alargamento da proposta original que foi do partido Frelimo. Antes do debate no Plenário para sua aprovação, será que, na sua opinião, o projecto final não carecia de último debate público para fazer conhecer à sociedade civil (que contribuiu neste processo), a versão definitiva do projecto da Comissão Ad-Hoc? e que é uma proposta que cobre os princípios, os direitos, os deveres, a organização económica, mas também, e sobretudo, a organização do poder político e a fiscalização da inconstitucionalidade e da ilegalidade. Este material que é muito rico, está à disposição da Comissão Ad-Hoc para fazer a síntese e para integrar numa só e única proposta. O debate foi mais rico do que aquilo que muitos esperavam sobretudo pela iniciativa do GDI e o próprio debate de ontem (dia 19 de Setembro de 2013) permitiu para uma dezena de juristas, para o Presidente do Conselho Constitucional, para vários conselheiros do Conselho Constitucional, para os deputados, para o representante da Comissão Ad-Hoc e para interessados e várias sensibilidades, alargar a reflexão sobre uma matéria muito importante para um futuro próximo de Moçambique. Entretanto, penso que o processo é, assim mesmo, é original e interessante e a minha opinião que exprimi ontem é de que haveria vantagem em concluir rapidamente este processo uma vez que para o ano estão anunciadas as eleições presidenciais e não é conveniente que haja relativamente a essas eleições uma proximidade excessiva do momento culminante do processo que vai ser a discussão e votação na Assembleia. Portanto como saldo global, penso que o processo de revisão constitucional é positivo. Marcelo Rebelo de Sousa: De facto a iniciativa da Frelimo, foi uma iniciativa limitada, foi patente a preocupação de não tocar em nenhum sector essencial da Constituição material moçambicana havendo portanto, melhorias formais, aditamentos nalguns aspectos nos direitos e deveres fundamentais, retoques na organização política, e aperfeiçoamento em matéria do poder local; mas, no essencial a ideia é ser uma proposta muito contida ao contrário do contributo do GDI que é muito vasto e alternativo. Portanto eu penso que até pela reacção que encontrei da parte dos membros do Conselho Constitucional (a começar pelo Presidente), que há clima para haver o alargamento da proposta originária da Frelimo nos trabalhos da Comissão Ad-Hoc incorporando múltiplas alterações, aditamentos provenientes do debate da sociedade civil. Se assim for, e se o trabalho for rápido (uma vez que já está facilitado - trata-se agora de cortar e colar), escolher-se-á aquilo que se pretende dos preceitos que se encontram formulados com uma grande precisão técnica, como é o caso dos que constam da proposta do GDI. O que quer dizer que, o ideal é que este trabalho de revisão seja finalizado antes do fim do ano ou até ao fim do ano (2013), se assim não for, pelo menos até aos primeiros meses do ano seguinte (2014). Seria conveniente, haver o pronunciamento da versão definitiva da Comissão Ad-Hoc até o período supra, o que permitiria, a última apreciação antes da discussão parlamentar que poderia estar concluída até ao fim do primeiro trimestre (de 2014; eu penso que isso seria um equilíbrio entre o trabalho parlamentar e a participação da Sociedade Civil. Editor-Chefe: Senhor Professor, para finalizar gostaria de saber agora e em especial quais são os sectores, as propostas que foram feitas que para si são essenciais, inovadores e que permitiriam melhorar a Constituição vigente. Marcelo Rebelo de Sousa: Bom, eu começaria logo pela incorporação do princípio de respeito da dignidade da pessoa humana que é um princípio básico e que ilumina os demais 6 Observatório Constitucional Newsletter Fevereiro 2014

7 princípios da Constituição. Depois há aperfeiçoamentos importantes em matérias de direitos, liberdades e garantia. A proposta do GDI é muito precisa e muito rigorosa nessa matéria, há aditamentos úteis ainda no domínio dos direitos que enriquecem a visão do Estado de Direito Democrático no que respeita a organização económica e aos direitos e deveres económicos, encontramos também algumas precisões que são úteis mas em termos do funcionamento do regime económico do que propriamente para a sua mudança. Quanto a organização do poder político há várias propostas do GDI que são fundamentais como sejam, as respeitantes à participação na vida pública e na vida política, as respeitantes ao sufrágio para os órgãos electivos e aos sistemas eleitorais. Decompondo artigos na Constituição que estão muito sintéticos e há uma necessidade de aperfeiçoálos. Depois há uma tónica do aumento do pluralismo e da representatividade nas propostas apresentadas e existe um debate fundamental que é o confronto entre a Constituição que existe e a proposta da Frelimo, por um lado, e a proposta do GDI, por outro lado, que entre um sistema presidencialista, praticamente puro, para não dizer super presidencialista e um sistema em que o Chefe do Estado deixa de ser Chefe do Governo e, portanto, deixa, também, de ter uma intervenção na nomeação, por exemplo, de presidentes de tribunais superiores, para além, do Conselho Constitucional, isso altera a própria lógica do funcionamento na relação Primeiro-Ministro e outros membros do Governo, estabelece as premissas de responsabilização política do Governo perante o Parlamento e o papel do Presidente que iam ser centrais na organização do poder político. Ainda na organização do poder político, se propõem melhorias em termos da Administração Pública e em termos do poder local. Finalmente quanto a fiscalização da constitucionalidade há temas que são ligeiramente técnicos mas são politicamente sensíveis, é importante, por exemplo o tema da eleição do presidente do tribunal constitucional ou do conselho constitucional pelos seus pares, por exemplo a forma da escolha dos conselheiros constitucionais e o seu mandato. Eu sugeria que se ponderasse não em dois mandatos mas num só e que seja mais longo, por exemplo, de nove anos. Também na competência dos poderes do Tribunal Constitucional, a proposta de alargamento quer no lado da Frelimo é que sobretudo quanto a apreciação da constitucionalidade e da legalidade de actos não normativos expressamente proibidos na Constituição, o que exige algum cuidado na enumeração desses actos ou na limitação desses actos para não haver aqui uma sobreposição quanto ao órgão, aos tribunais administrativos quanto ao controlo dos actos administrativos que por natureza não são normativos; mas também há uma proposta do GDI que é bastante importante quanto ao alargamento do recurso extaórdinario que permite proteger ou reforçar a proteção dos direitos liberdades e garantias dos cidadãos, o que significa demonstra avanços importantes na garantia da Constituição. Há portanto, vários pontos que são politicamente sensíveis para o enriquecimento do Estado do Direito Democrático, nos principios, nos direitos, na organização do poder político e na fiscalização da constitucionalidade e da legalidade, o que permite prever que a discussão parlamentar, para além daquela que vai continuar na sociedade civil, poderá ser muito interessante. Editor-Chefe: Muito obrigado professor e agora mesmo para fechar esta entrevista Marcelo Rebelo de Sousa: Como última nota dizer que, o processo de revisão desenvolveu-se, a meu ver, de forma muito positiva, afastando a ideia que poderia surgir em alguma proposta (mas não surgiu em nenhuma proposta) de rever o limite de dois mandatos presidenciais. Portanto, nem a proposta da Frelimo e nenhuma outra proposta, se refere a possibilidade de introduzir uma disposição sobre um terceiro mandato na Constituição, algo que eu considero uma posição muito sensata e esse também é um aspecto muito positivo do processo na fase em que ele se encontra. Não podia encerrar este Newsletter sem desejar, aos leitores do Newsletter e em nome da equipe do Observatório Constitucional, um Feliz ano de 2014! Editor-Chefe. 7

8 FICHA TÉCNICA Propriedade e edição: GDI - Governance and Development Institute Av. 24 de Julho, nº 3737, 1º Andar, Flat 5 P.O. Box. 889 Maputo Moçambique Tel: Telefax: Coordenador: Benjamim Pequenino Editor-Chefe: Gilles Cistac Periodicidade: Trimestral Layout e maquetização: Zowona Comunicação e Eventos Financiamento: 8 Observatório Constitucional Newsletter Fevereiro 2014

Acórdão nº 7/CC/2014. de 10 de Julho. Relatório

Acórdão nº 7/CC/2014. de 10 de Julho. Relatório Acórdão nº 7/CC/2014 de 10 de Julho Processo nº 09/CC/2013 Acordam os Juízes Conselheiros do Conselho Constitucional: I Relatório O Tribunal Administrativo da Província do Niassa (TAPN), remeteu ao Conselho

Leia mais

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES.

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. CURSO DIREITO DISCIPLINA PROCESSO PENAL II SEMESTRE 7º Turma 2015.1 ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. 1. DO CONCEITO DE PRISAO A definição da expressão prisão para fins processuais.

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

IV ASSEMBLEIA DA CONFERÊNCIA DAS JURISDIÇÕES CONSTITUCIONAIS DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Tema: A Efectividade das Garantias Constitucionais

IV ASSEMBLEIA DA CONFERÊNCIA DAS JURISDIÇÕES CONSTITUCIONAIS DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Tema: A Efectividade das Garantias Constitucionais IV ASSEMBLEIA DA CONFERÊNCIA DAS JURISDIÇÕES CONSTITUCIONAIS DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Tema: A Efectividade das Garantias Constitucionais Apresentação Moçambique Local Brasília - Brasil de 7 a 8

Leia mais

NEWSLETTER 4. Observatório Constitucional I. O SIGNIFICADO DO PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA DO ARGUIDO 1. Newsletter N.º 4 Setembro de 2013

NEWSLETTER 4. Observatório Constitucional I. O SIGNIFICADO DO PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA DO ARGUIDO 1. Newsletter N.º 4 Setembro de 2013 Newsletter N.º 4 Setembro de 2013 www.gdi.org.mz NEWSLETTER 4 Observatório Constitucional Desde a divulgação do Newsletter n. 3, em Julho de 2013, vários eventos coloriram a vida constitucional nacional.

Leia mais

Sumários de Acórdãos do

Sumários de Acórdãos do 2013 Sumários de Acórdãos do Tribunal Constitucional Direito do Trabalho Centro Informático 2014 ADVERTÊNCIA O texto aqui apresentado foi disponibilizado antes da publicação, pelo que pode não coincidir

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E DOS DIREITOS HUMANOS DIRECÇÃO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris As Instituições Nacionais

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 130/IX PROTECÇÃO DAS FONTES DOS JORNALISTAS. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 130/IX PROTECÇÃO DAS FONTES DOS JORNALISTAS. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 130/IX PROTECÇÃO DAS FONTES DOS JORNALISTAS Exposição de motivos A Constituição da República Portuguesa define, na alínea b) do n.º 2 do artigo 38.º, que a liberdade de imprensa implica

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

Buscas e apreensões em escritórios dos advogados à luz do novo CPP Roberto Raposo Janeiro 2011 -o nível do desenvolvimento civilizacional -ser avaliado pelo grau de equilíbrio -poder dever punitivo do

Leia mais

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02 José Pedro AGUIAR-BRANCO Senhor Presidente Srs. Ministros Senhoras e Senhores Deputados 1. A segurança e a justiça constituem um pilar fundamental do Estado

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

4.º Encontro de Tradutores da Administração Pública os novos desafios 7 de outubro de 2013

4.º Encontro de Tradutores da Administração Pública os novos desafios 7 de outubro de 2013 4.º Encontro de Tradutores da Administração Pública os novos desafios 7 de outubro de 2013 Transposição para Portugal da Diretiva 2010/64/UE Proposta de intervenção Exmas Senhoras e Senhores Caros colegas,

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CARTA DE SERVIÇO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO I. Identificação da Instituição Tribunal Administrativo II. Missão Garantir a justiça administrativa, fiscal e aduaneira ao cidadão,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 329/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 329/VIII PROJECTO DE LEI N.º 329/VIII PROMOVE OS MILITARES DEFICIENTES DAS FORÇAS ARMADAS AO POSTO A QUE TERIAM ASCENDIDO SE TIVESSEM PERMANECIDO NA SITUAÇÃO DE SERVIÇO ACTIVO Exposição de motivos O Decreto-Lei

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 52/2008 Artigo 91º do Estatuto da Ordem dos Advogados QUESTÃO A Senhora Dra.... vem solicitar que o emita parecer sobre uma questão relacionada com o âmbito de aplicação do dever consagrado

Leia mais

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Lei n.º 74/98, de 11 de novembro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 2/2005, de 24 de janeiro 1 2, Lei n.º 26/2006, de 30 de junho, Lei n.º 42/2007,

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

Lei dos Partidos Políticos

Lei dos Partidos Políticos Lei dos Partidos Políticos Lei Orgânica n.º 2/2003, de 22 de Agosto, com as alterações introduzidas pela Lei Orgânica n.º 2/2008, de 14 de Maio 1 A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 6.11.2007 SEC(2007) 1425 DOCUMENTO DE TRABALHO DA COMISSÃO que acompanha a proposta de Decisão Quadro do Conselho que altera a Decisão Quadro 2002/475/JAI relativa

Leia mais

PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS

PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS Artº. 107º nº. 5 e 107º A do CPP 145º do CPC APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA SANÇÃO PELA PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE

Leia mais

Direito Processual Penal Especial

Direito Processual Penal Especial FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FREDERICO DE LACERDA DA COSTA PINTO Direito Processual Penal Especial Programa (Ano lectivo de 2013-2014, 2.º ciclo, 2.º semestre) Introdução 1. Objecto

Leia mais

Delegação da Amadora 9 de julho de 2015

Delegação da Amadora 9 de julho de 2015 Dinâmica de Defesa em sede de Inquérito As buscas e as declarações do arguido Delegação da Amadora 9 de julho de 2015 Art.º 64º Obrigatoriedade de assistência Art.º 141º Primeiro interrogatório judicial

Leia mais

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas.

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA IMPEACHMENT Fernando França Caron Especialista em Direito Constitucional pela Faculdade Damásio de Jesus Docente do Curso de Direito da UNILAGO RESUMO A Constituição Federal de

Leia mais

Deliberação Proc. n.º 3-AL/2013 (Ata n.º 79/XIV) Inelegibilidade de cidadãos falidos e insolventes para os órgãos das autarquias locais

Deliberação Proc. n.º 3-AL/2013 (Ata n.º 79/XIV) Inelegibilidade de cidadãos falidos e insolventes para os órgãos das autarquias locais Deliberação Proc. n.º 3-AL/2013 (Ata n.º 79/XIV) Inelegibilidade de cidadãos falidos e insolventes para os órgãos das autarquias locais Lisboa 19 de fevereiro de 2013 Proc. n.º 3-AL/2013 Reunião n.º 79/XIV,

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

CONTRATO DE BOLSA DE INVESTIGAÇÃO ALGUNS ASPECTOS DO SEU REGIME JURÍDICO

CONTRATO DE BOLSA DE INVESTIGAÇÃO ALGUNS ASPECTOS DO SEU REGIME JURÍDICO CONTRATO DE BOLSA DE INVESTIGAÇÃO ALGUNS ASPECTOS DO SEU REGIME JURÍDICO CONSULTA A ASSOCIAÇÃO DOS BOLSEIROS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA (ABIC) solicita-me uma breve informação sobre a legalidade de uma

Leia mais

DESCRIÇÃO E EXPLICAÇÃO GERAL DO SISTEMA JUDICIAL DO PANAMÁ

DESCRIÇÃO E EXPLICAÇÃO GERAL DO SISTEMA JUDICIAL DO PANAMÁ DESCRIÇÃO E EXPLICAÇÃO GERAL DO SISTEMA JUDICIAL DO PANAMÁ A administração de justiça é gratuita, expedita e ininterrupta. A gestão e atuação de todo processo terão tramitação simples e não estarão sujeitas

Leia mais

Parecer relativo aos Projectos de Lei. nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP

Parecer relativo aos Projectos de Lei. nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP Parecer relativo aos Projectos de Lei nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP A Associação Portuguesa de Mulheres Juristas, após ter analisado os projectos de Lei supra referidos, entendeu dever fazer

Leia mais

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009)

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) COORDENAÇÃO PARA MULHER NO DESENVOLVIMENTO ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) Na última década, a questão da violência contra

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS Relatório Março de 2015 Direito de acesso ao Advogado e direito à integridade pessoal e à imagem de um Recluso I Apresentação do caso A Associação Contra a Exclusão pelo

Leia mais

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE)

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) Artigo 185.º Tipos de insolvência A insolvência é qualificada como culposa ou fortuita, mas a qualificação atribuída não é vinculativa para efeitos da

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º /XII/4.ª

PROJETO DE LEI N.º /XII/4.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º /XII/4.ª PROCEDE À TERCEIRA ALTERAÇÃO À LEI.º 53-E/2006, DE 29 DE DEZEMBRO, REFORÇANDO A PROIBIÇÃO DE CRIAÇÃO DE TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS POR SERVIÇOS GERAIS E DE

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

WORKING PAPER N.º 01 A FISCALIZAÇÃO PELO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL DAS NORMAS INTERNAS DIREITOS FUNDAMENTAIS

WORKING PAPER N.º 01 A FISCALIZAÇÃO PELO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL DAS NORMAS INTERNAS DIREITOS FUNDAMENTAIS WORKING PAPER N.º 01 A FISCALIZAÇÃO PELO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL DAS NORMAS INTERNAS CONTRÁRIAS AO DIREITO INTERNACIONAL CONVENCIONAL EM MATÉRIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS PAULO MANUEL COSTA 2006 A fiscalização

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br 1 Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br PROCESSO Nº 2008.85.00.001172-4 CLASSE: 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: MARIA DE LOURDES VIEIRA LIMA IMPETRADO:

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto

Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto Pela Lei n.º 93/99, de 14 de Julho, a Assembleia da República aprovou o diploma que regula a aplicação de medidas para protecção de testemunhas em processo penal,

Leia mais

Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. R-1877/09 (A6)

Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. R-1877/09 (A6) Exm.º Senhor Secretário-Geral da FENPROF Rua Fialho de Almeida, 3 1070-128 LISBOA Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. R-1877/09 (A6) Assunto: Regime de autonomia, administração e gestão dos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015)

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) Acrescenta inciso V ao art. 3º da Lei 9.474, de 22 de agosto de 1997, e inciso VI e parágrafo único ao art. 7º da Lei nº 6.815,

Leia mais

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Fevereiro de 2012 Índice 1. Resumo das actividades... 1 2. Balanço e aperfeiçoamento... 6 3. Perspectivas para os trabalhos

Leia mais

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO 1.1 Foi constituído, no âmbito do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, um grupo de trabalho com vista a identificar as dificuldades de aplicação prática que resultam

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA justifiquem, concretamente, como e quando vieram à sua posse ou não demonstrem satisfatoriamente a sua origem lícita, são punidos com pena de prisão até três anos e multa até 360 dias. 2 O disposto no

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 553/XII/3.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 553/XII/3.ª Projeto de Lei n.º 553/XII/3.ª 1.ª Alteração à Lei n.º 6/94, de 7 de Abril, que aprova o regime do Segredo de Estado Vinte anos após a sua aprovação, o regime do segredo de Estado carece de atualização.

Leia mais

O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado

O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado Florbela Batalha Ramiro Marques (Orientação) 1. Introdução O Código Deontológico é um documento que reúne um conjunto de regras que

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 132 11 de julho de 2014 3805

Diário da República, 1.ª série N.º 132 11 de julho de 2014 3805 Diário da República, 1.ª série N.º 132 11 de julho de 2014 3805 suspende o prazo de propositura de ações nos tribunais administrativos na pendência da impugnação administrativa, bem como de requerer a

Leia mais

Discurso proferido pelo Presidente do Tribunal de Última Instância, Sam Hou Fai, na Cerimónia de Abertura do Ano Judicial 2000-2001

Discurso proferido pelo Presidente do Tribunal de Última Instância, Sam Hou Fai, na Cerimónia de Abertura do Ano Judicial 2000-2001 Discurso proferido pelo Presidente do Tribunal de Última Instância, Sam Hou Fai, na Cerimónia de Abertura do Ano Judicial 2000-2001 da Região Administrativa Especial de Macau Senhor Chefe do Executivo,

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO ELEITORAL MOÇAMBIQUE 2013

UNIÃO EUROPEIA MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO ELEITORAL MOÇAMBIQUE 2013 UNIÃO EUROPEIA MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO ELEITORAL MOÇAMBIQUE 2013 RESUMO Julho 2013 As Missões de Acompanhamento Eleitoral da União Europeia são independentes das instituições da União Europeia. O presente

Leia mais

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância O é a instituição encarregada de administrar justiça por meio dos tribunais. Sua função é assegurar o amparo, proteção ou tutela dos direitos dispostos nas leis. A Suprema Corte de Justiça é a máxima autoridade

Leia mais

DIREITO DE CONSuLTA DOS AuTOS E CONFIANÇA DO PROCESSO

DIREITO DE CONSuLTA DOS AuTOS E CONFIANÇA DO PROCESSO J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s DIREITO DE CONSuLTA DOS AuTOS E CONFIANÇA DO PROCESSO Processo 39/PP/2008-G Relator: Dr. A. Pires de Almeida Parecer Foi remetido ao Sr. Bastonário cópia

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU

O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU O Provedor de Justiça Europeu procede a inquéritos para esclarecer eventuais casos de má administração na atuação de instituições, organismos, gabinetes e agências da União

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL

DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL O ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL (TC), COM DATA DE 20 DE SETEMBRO RESPONDE A UM PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO ABSTRACTA

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

Subordinação ao direito público é:

Subordinação ao direito público é: A Administração e o direito público Subordinação ao direito público é: 1. Subordinação ao direito constitucional: não só porque é o vértice da pirâmide da ordem jurídica, mas também porque tem normas materialmente

Leia mais

Princípios norteadores

Princípios norteadores Princípios norteadores A Associação pela Reforma Prisional, Conectas Direitos Humanos, Instituto dos Defensores de Direitos Humanos, Instituto Sou da Paz, Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, Instituto

Leia mais

AMN A Z E V E D O, M A R Q U E S & N OVERSA Sociedade de Advogados, R.I.

AMN A Z E V E D O, M A R Q U E S & N OVERSA Sociedade de Advogados, R.I. Tabela de Honorários dos Advogados e Solicitadores (Portaria n.º 1386/2004, de 10 de Novembro repristinada pela Portaria n.º 210/2008, de 29 de Fevereiro) A Lei n.º 34/2004, de 29 de Julho, que procedeu

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA

CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA CAPÍTULO I FIRMA, OBJECTO SOCIAL E SEDE ARTIGO PRIMEIRO (Firma) Um) A Sociedade é constituída sob a forma de sociedade

Leia mais

UMA PERSPECTIVE GLOBAL DE COMBATE À CORRUPÇÃO

UMA PERSPECTIVE GLOBAL DE COMBATE À CORRUPÇÃO UMA PERSPECTIVE GLOBAL DE COMBATE À CORRUPÇÃO Júlio Pereira Procurador-Geral Adjunto O capítulo III da Convenção da ONU contra a corrupção, entre os seus artigos 15.º e 42.º, prevê um vasto elenco de normas,

Leia mais

LEI DA PRISÃO PREVENTIVA EM INSTRUÇÃO PREPARATÓRIA

LEI DA PRISÃO PREVENTIVA EM INSTRUÇÃO PREPARATÓRIA ASSEMBLEIA DO POVO Lei n.º 18-A/92 de 17 de Julho A Lei n.º 4-D/80, de 25 de Junho, veio pela primeira vez regulamentar, de forma autónoma, a matéria respeitante à prisão preventiva em instrução preparatória,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS E ACORDO DE ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RELATIVO À COBERTURA DE PROCESSOS JUDICIAIS. 27 de Novembro de 2003

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS E ACORDO DE ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RELATIVO À COBERTURA DE PROCESSOS JUDICIAIS. 27 de Novembro de 2003 Nota Prévia Este documento foi elaborado pela ex-alta Autoridade para a Comunicação Social (AACS) e apresentado no dia 27 de Novembro de 2003 em cerimónia pública, tendo sido subscrito por diversos órgãos

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO JURÍDICA

CENTRO DE FORMAÇÃO JURÍDICA 1 CENTRO DE FORMAÇÃO JURÍDICA ESTÁGIO DE FORMAÇÃO PARA MAGISTRADOS E DEFENSORES PÚBLICOS 2 o CURSO PLANO DE ACTIVIDADES FORMATIVAS PARA O 2º CURSO ANOS DE 2006/2007 I. APRESENTAÇÃO DO PLANO DE FORMAÇÃO

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Conferência das Jurisdições Constitucionais dos Países de Língua Portuguesa

Conferência das Jurisdições Constitucionais dos Países de Língua Portuguesa T R I B U N A L C O N S T I T U C I O N A L Conferência das Jurisdições Constitucionais dos Países de Língua Portuguesa I Assembleia RELATÓRIO MOÇAMBIQUE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE E ESTATUTO

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º LEI N.º 10/91 A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas ao abrigo da alínea d) do artigo 87º. Da Constituição, aprova a seguinte Lei: ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO

Leia mais

GRELHA'E'TÓPICOS'PARA'CORRECÇÃO' PRÁTICA'PROCESSUAL'PENAL' '

GRELHA'E'TÓPICOS'PARA'CORRECÇÃO' PRÁTICA'PROCESSUAL'PENAL' ' GRELHAETÓPICOSPARACORRECÇÃO PRÁTICAPROCESSUALPENAL No# dia# 10# de# Janeiro# de# 2011,# ANTÓNIO# e# BERNARDO# encontravam

Leia mais

A PROTECÇÃO DE TESTEMUNHAS NO CRIME DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

A PROTECÇÃO DE TESTEMUNHAS NO CRIME DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA compilações doutrinais A PROTECÇÃO DE TESTEMUNHAS NO CRIME DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Leonor Valente Monteiro ADVOGADA VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO A PROTECÇÃO DE TESTEMUNHAS NO CRIME DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Leia mais

Sistema jurídico e institucional

Sistema jurídico e institucional 1 Sistema jurídico e institucional A. O Direito internacional, a Constituição da República e a legislação nacional Direito internacional Desde a independência nacional em 1975, Moçambique tem ratificado,

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Fevereiro de 2011 1 Arbitragem Tributária 2 Preços de Transferência em Altura de Crise 4 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Fevereiro de 2011 1 Arbitragem Tributária 2 Preços de Transferência em Altura de Crise 4 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Fevereiro de 2011 1 Arbitragem Tributária 2 Preços de Transferência em Altura de Crise 4 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL FEVEREIRO DE 2011 Assembleia da República

Leia mais

Hugo Nigro Mazzilli AD V OG AD O OAB - SP n. 28.656

Hugo Nigro Mazzilli AD V OG AD O OAB - SP n. 28.656 As investigações do Ministério Público para fins penais (Artigo publicado na Revista APMP em Reflexão Ano 1, n. 4, p. 12, São Paulo, APMP, 2005) Hugo Nigro Mazzilli Advogado e consultor jurídico Procurador

Leia mais

Empreendedorismo e Segurança Jurídica. António Raposo Subtil Raposo Subtil & Associados Sociedade de Advogados, RL

Empreendedorismo e Segurança Jurídica. António Raposo Subtil Raposo Subtil & Associados Sociedade de Advogados, RL Empreendedorismo e Segurança Jurídica António Raposo Subtil Raposo Subtil & Associados Sociedade de Advogados, RL Empreendedorismo a criação/investimento num ambiente de risco acrescido.. Empreendedorismo

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 562/2006 para estabelecer regras comuns sobre a reintrodução temporária

Leia mais

Guilherme Fonseca APONTAMENTO

Guilherme Fonseca APONTAMENTO APONTAMENTO Independentemente da questão fulcral do regime de vinculação e do modelo de esvaziamento das funções estaduais, que se suscitou já com a lei nº12-a/2008, de 27 de Fevereiro e que pode recolocar-se

Leia mais

NEWSLETTER 6. Observatório Constitucional I O ESTADO, PODER E POLÍTICA A IMPORTÂNCIA DA CONSTITUIÇÃO. Newsletter N.º 6 Junho de 2014. www.gdi.org.

NEWSLETTER 6. Observatório Constitucional I O ESTADO, PODER E POLÍTICA A IMPORTÂNCIA DA CONSTITUIÇÃO. Newsletter N.º 6 Junho de 2014. www.gdi.org. Newsletter N.º 6 Junho de 2014 www.gdi.org.mz NEWSLETTER 6 Observatório Constitucional No dia 15 de Maio de 2014, a Embaixada Real da Noruega em Moçambique organizou uma Conferência por ocasião do Bicentenário

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2014 Contencioso INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5

Fórum Jurídico. Julho 2014 Contencioso INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5 Julho 2014 Contencioso A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa a

Leia mais

Promovendo a Transparência no Financiamento Político na SADC

Promovendo a Transparência no Financiamento Político na SADC Promovendo a Transparência no Financiamento Político na SADC Setembro de 2010 Este document apresenta um resumo das principais conclusões e recomendações de um estudo sobre financiamento político na região

Leia mais

Grupo Parlamentar INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 3/X

Grupo Parlamentar INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 3/X Grupo Parlamentar INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 3/X COMISSÃO EVENTUAL DE INQUÉRITO PARLAMENTAR AO ACOMPANHAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO DO HOSPITAL AMADORA - SINTRA 1 - Em 4 de Junho de 2004, a Administração

Leia mais

RECURSOS NO PROCESSO PENAL

RECURSOS NO PROCESSO PENAL ESTUDO RECURSOS NO PROCESSO PENAL RECURSOSRE Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

LEI N.º67/2007. Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas. Artigo 1.º. Aprovação. Artigo 2.

LEI N.º67/2007. Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas. Artigo 1.º. Aprovação. Artigo 2. LEI N.º67/2007 Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas Artigo 1.º Aprovação É aprovado o Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais

Leia mais

Estatuto do Direito de Oposição

Estatuto do Direito de Oposição Estatuto do Direito de Oposição Lei n.º 24/98, de 26 de Maio A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 114.º, 161.º, alínea c), 164.º, alínea h), e 166.º, n.º 3, e do artigo 112.º, n.º

Leia mais

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006 2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei Orgânica n. o 2/2006 de 17 de Abril Quarta alteração à Lei n. o 37/81, de 3 de Outubro (Lei da Nacionalidade)

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

REUNIÕES DA DIRECÇÃO DO CDL

REUNIÕES DA DIRECÇÃO DO CDL 1. Reuniões realizadas Reuniões Plenárias 23 Reuniões da Comissão Executiva 8 2. Reuniões Plenárias Reuniões Plenárias 5.Janeiro 12.Janeiro 19.Janeiro 26.Janeiro 3. Definição dos objectivos programáticos

Leia mais

Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça

Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça Fevereiro 2015 SÍNTESE DA COOPERAÇÃO BILATERAL COM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE NA ÁREA DA JUSTIÇA O Ministério da Justiça tem apoiado,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Decreto-Lei n.º 145/87 de 24 de Março

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Decreto-Lei n.º 145/87 de 24 de Março MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA Decreto-Lei n.º 145/87 de 24 de Março 1. Com a publicação do Decreto-Lei n.º 448/79, de 13 de Novembro, foi dado um passo fundamental no sentido da valorização da docência

Leia mais

COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO

COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO Atendendo aos pedidos de esclarecimento solicitados à Comissão para a Eficácia das Execuções relativamente às incompatibilidades

Leia mais