Avaliara Tecnologiaatravésdo Modelo SECTIONS. Craig Montgomerie & Danielle Dubien

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliara Tecnologiaatravésdo Modelo SECTIONS. Craig Montgomerie & Danielle Dubien"

Transcrição

1 Avaliara Tecnologiaatravésdo Modelo SECTIONS Craig Montgomerie & Danielle Dubien

2 SECTIONS Baseado em: Bates, A.W.; and Poole,G. (2003) Effective Teaching With Technology in Higher Education: Foundations For Success. San Francisco: Jossey-Bass Publishers Underhill, C. (20??) Assessing Technology Using the SECTIONS Model. Vancouver: University of British Columbia. (Disponível:??) Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 2

3 O queé o SECTIONS Bates & Poole originalmentecriaramo SECTIONS enquanto enquadramentopara a selecçãoe usoda tecnologia e para facilitaras decisõesrelativamenteà escolha da tecnologia quer ao nível estratégico, quer ao nível táctico, bem como ajudar a obter o equilíbrio mais adequadoentre meiosdiferentesno quese referea uma tecnologia em particular. Underhill operacionalizou& reformulou o SECTIONS na forma de questões importantes para aqueles que implementamsoluçõestecnológicas. Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 3

4 Planearo Enquadramento Processo de quatro etapas: Definir Avaliar Implementar Aperfeiçoar Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 4

5 Etapa1 -Definir Definiro quese pretendeconseguiratravésda identificação de objectivos como: Quero que os estudantes aprendam Pensoqueeupoderiasermaiseficaza facilitara aprendizagem, se A actividade de aprendizagem que escolhi para atingir estesobjectivosé A tecnologiaqueestoua pensarusarpara apoiaresta actividadede aprendizagem Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 5

6 Etapa2 -Avaliar S (Students) Estudantes Estãoa serdesenvolvidascompetênciastransferíveis? A tecnologiapermiteum níveladequadode acessoà comunidade para além dos participantes registados no curso? Os estudantes podem mostrar o seu trabalho através de ligações na rede(url)? Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 6

7 Etapa2 Avaliar(continuação) E (Ease of Use) Facilidadede Utilização Será que os alunos precisam de fazer um grande investimento em termos de tempo para aprender a usar a tecnologia? Será que eu preciso de fazer um grande investimento em termos de tempo para aprender a usar a tecnologia? Sinto-me suficientementeconfortávelcom a tecnologia para orientar os alunos? Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 7

8 Etapa2 Avaliar(continuação) C (Costs) -Custos São os custos de tempo relativamente baixos para projectar um ambiente de aprendizagem que utilize esta tecnologia (ou pelo menos para fazer com que a relação custo/benefício seja favorável)? Será que os alunos incorrem em custos adicionais em consequência da incorporação desta nova tecnologia/ abordagem? Existem custos de atribuição de licenças associados com a instalação/ arquivo de materiais para além do tempo de vida do curso? Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 8

9 Etapa2 Avaliar(continuação) T (Teaching and Learning) Ensino e Aprendizagem Será que essa tecnologia apoia os objectivos de aprendizagem que identifiquei? Serão os alunos envolvidos num tipo de aprendizagem autêntica e baseada no mundo real graças à implementação desta tecnologia? Será que esta tecnologia permite avaliação de pares e auto-avaliação, bem como avaliação por parte do instrutor? Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 9

10 Etapa2 Avaliar(continuação) I (Interactivity) - Interactividade Será que esta tecnologia permite interacções entre pares, instrutores e outras pessoas que estejam associadas ou que contribuam para as actividades de aprendizagem? Será que esta tecnologia permite a partilha/colaboração com as comunidades de aprendizagem para além dos participantes registados nos cursos? Será que as pessoas podem interagir facilmente com os produtos/recursos desenvolvidos no curso? Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 10

11 Etapa2 Avaliar(continuação) O (Organizational Issues) Questões Organizacionais Estarão as estruturas de apoio preparadas para manter e actualizar esta tecnologia? Existe ajuda disponível para mim ou para os meus alunos, se precisarmos dela? Existe alguma maneira através da qual eu possa recuperar o meu material se esta tecnologia falhar ou for substituída? Será que esta tecnologia funciona com o SIS? Será necessário que os alunos façam a gestão das suas próprias contas? Será necessário que eu adicione manualmente os alunos no ambiente on-line? Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 11

12 Etapa2 Avaliar(continuação) N (Novelty) -Novidade Será que isto representa uma nova abordagem de ensino para mim? Será que isto vai proporcionar uma nova (e diferente) experiência de aprendizagem para os alunos? Há exemplos de uso num contexto educacional? Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 12

13 Etapa2 Avaliar(continuação) S (Speed) -Velocidade Posso fazer alterações imediatas no conteúdo e nas actividades de aprendizagem? Será esta uma nova tecnologia (beta) ou algo experimentado e comprovado? Posso (em última instância) trabalhar de modo independente no meu desenvolvimento com o uso desta tecnologia? Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 13

14 Etapa3: Implementar Ao observar os alunos a envolverem-se com esta actividade, percebo que... A tecnologia que eu escolhi permite a aprendizagem, porque... A tecnologia que eu escolhi é uma barreira para a aprendizagem, porque... O feedback dos alunos sobre esta tecnologia é... Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 14

15 Etapa4: Aperfeiçoar O queé quefuncionou? O queé quenãofuncionoue porquê? Preciso de mudar O meuplanopara fazerestamudançaé Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 15

16 Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 16

17 Questões Avaliar a Tecnologia através do Modelo SECTIONS 17

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender João Torres, Miguel Figueiredo e Rosário Rodrigues Centro de Competência Nónio Séc. XXI da ESE de Setúbal 26 de Abril de 2005 1 2 3 4 5 24 Objectivos Debater

Leia mais

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS Berta Bemhaja, Elizabeth Ashall, Inês Tavares, Sara Barroca, Zara Baltazar Escola Secundária, com 3º ciclo,

Leia mais

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 (...) tenho de observar o mundo a partir de outra óptica, outra lógica, e outros métodos

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA

RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) Ministério da Educação Janeiro

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais

Qual é o seu desafio?

Qual é o seu desafio? APRESENTAÇÃO Qual é o seu desafio? Quer concretizar uma grande mudança que lhe trará mais sucesso pessoal, profissional ou no seu negócio? Está a lutar com o stress, com a gestão de tempo, quer um maior

Leia mais

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, a primeira norma ambiental internacional do mundo tem ajudado milhares de

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais. Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília

Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais. Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília Projectos de investigação Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais Coordenador: Isabel Barca Equipa de investigação Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

O Centro de Documentação como laboratório de mudança O papel da Gestão da Qualidade

O Centro de Documentação como laboratório de mudança O papel da Gestão da Qualidade O Centro de Documentação como laboratório de mudança O papel da Gestão da Qualidade Paula Ochôa Funchal, Seminário Qualidade em Serviços Públicos 15 de Novembro de 2002 Os serviços de informação na Administração

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

Perguntas mais frequentes

Perguntas mais frequentes Perguntas mais frequentes Sucesso ao Alcance de Todos Pág: 1 de 8 Índice 1. Que posso conseguir com esta oportunidade?...3 2. Tenho de ter exclusividade?...3 3. Será que funciona? Será um negócio de futuro?...4

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO 1. A Universidade Lusíada do Porto organiza, a partir do ano lectivo de 2006-2007, estágios de prática

Leia mais

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores Questionário Desenvolvimento Profissional dos Professores Com este questionário pretende-se contribuir para o conhecimento de algumas dimensões do desenvolvimento profissional dos professores portugueses,

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NAS LICENCIATURAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NAS LICENCIATURAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NAS LICENCIATURAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO 1. A Universidade Lusíada do Porto organiza, a partir

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado O Plano Tecnológico da Educação (PTE), aprovado pela Resolução de

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

SENTE FAZ PARTILHA IMAGINA. Kit do Professor

SENTE FAZ PARTILHA IMAGINA. Kit do Professor Kit do Professor A Associação High Play pretende proporcionar a crianças e jovens um Projecto Educativo preenchido de experiências positivas que permitam o desenvolvimento de competências transversais

Leia mais

O que é o pensamento baseado no risco?

O que é o pensamento baseado no risco? PENSAMENTO BASEADO NO RISCO NA ISO 9001:2015 Propósito deste artigo Explicar o pensamento baseado no risco na ISO 9001 Abordar percepções e preocupações que o pensamento baseado no risco substitua a abordagem

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design.

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design. Abordagem Formativa Web-Based Success does not happen by accident. It happens by Design. Objectivo, Processo, Resultado Objectivo desta Apresentação Introduzir as características e benefícios chave de

Leia mais

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL Com vista a promover uma cultura de responsabilidade social, o Millennium bcp tem procurado desenvolver um conjunto de acções junto dos vários grupos

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

PRA. Portefólio Reflexivo de Aprendizagem. A mediadora: Dr.ª Vera Ramos

PRA. Portefólio Reflexivo de Aprendizagem. A mediadora: Dr.ª Vera Ramos PRA Portefólio Reflexivo de Aprendizagem A mediadora: Dr.ª Vera Ramos Portefólio Reflexivo de Aprendizagem é: um conjunto coerente de documentação reflectidamente seleccionada, significativamente comentada

Leia mais

Passe Jovem no SVE KIT INFORMATIVO PARTE 2 PASSE JOVEM NO SVE. Programa Juventude em Acção

Passe Jovem no SVE KIT INFORMATIVO PARTE 2 PASSE JOVEM NO SVE. Programa Juventude em Acção PASSE JOVEM NO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 2 Maio de 2011 1. O SVE como experiência de aprendizagem Ser um voluntário do SVE é uma valiosa experiência pessoal, social e cultural,

Leia mais

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA Resumo: Neste mini-curso os participantes terão a oportunidade de conhecer uma metodologia, bem como também construir e trabalhar com a mesma, na tentativa

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM 1- Estabelecimentos de ensino integrados no projecto em anos lectivos transactos Os docentes colocados em estabelecimentos

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário aos Pais Encarregados de Educação Reconhece-se a importância da família e da sua colaboração no processo educativo. Com este questionário

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

Teorias de e-learning Fábio Fernandes

Teorias de e-learning Fábio Fernandes Teorias de e-learning Fábio Fernandes O que é uma teoria? Uma teoria, nesse contexto, pode ser descrita como uma série de hipóteses que aplicam-se a todas as instâncias de um acontecimento ou assunto e

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

Dias, Paulo (2004). Comunidades de aprendizagem e formação on-line. Nov@ Formação, Ano 3, nº3, pp.14-17

Dias, Paulo (2004). Comunidades de aprendizagem e formação on-line. Nov@ Formação, Ano 3, nº3, pp.14-17 Comunidades de aprendizagem e formação on-line Paulo Dias Universidade do Minho pdias@iep.uminho.pt Introdução Comunicar e aprender em rede constituem dois aspectos de uma das mais profundas mudanças em

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

03 Set PROJETO. Manual. Inscrições. www.incubadora.coppe.ufrj.br http://www.alumnicoppead.com.br/index.php/projeto-mentoring. até

03 Set PROJETO. Manual. Inscrições. www.incubadora.coppe.ufrj.br http://www.alumnicoppead.com.br/index.php/projeto-mentoring. até Manual Faça parte desse time! Inscrições até 03 Set www.incubadora.coppe.ufrj.br http://www.alumnicoppead.com.br/index.php/projeto-mentoring INDICE Agenda Objetivos O Mentoring Quais os benefícios chaves

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização Sandra Paula da Silva Maia Pacheco de Oliveira Gestão de Pequenas e Médias Empresas As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização - O Caso Siemens AG - Orientador Professor Doutor Luís Manuel

Leia mais

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM 1- Estabelecimentos de ensino integrados no projecto em anos lectivos transactos Os docentes colocados em estabelecimentos

Leia mais

Exemplos de Boas Práticas de RSE

Exemplos de Boas Práticas de RSE Exemplos de Boas Práticas de RSE 7.4. Pritchard Englefield Filme sobre a RSE na comunidade Resumo A empresa Pritchard Englefield foi fundada em 1848. Está sediada na City de Londres (Grã-Bretanha). A Pritchard

Leia mais

Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities

Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities Nº 171303109 Mestrado em Ciências da educação Informática educacional Online Learning Communities.

Leia mais

Commonwealth Human Resources and ICT 2015 Maputo, Moçambique, 6 e 7 de Julho de 2015 Naima Valigy

Commonwealth Human Resources and ICT 2015 Maputo, Moçambique, 6 e 7 de Julho de 2015 Naima Valigy Commonwealth Human Resources and ICT 2015 Maputo, Moçambique, 6 e 7 de Julho de 2015 Naima Valigy 1 O ser humano é um ser social A prática de socializar, formar grupos e trocar informações é milenar. 2

Leia mais

Formação Nacional de Formadores para a Participação Juvenil

Formação Nacional de Formadores para a Participação Juvenil Contexto Não é claro, nem na Convenção Europeia sobre os Direitos Humanos nem na Declaração Universal dos Direitos Humanos, como é que a participação (juvenil) na sociedade civil é assegurada como Direito

Leia mais

O contexto na Administração Pública

O contexto na Administração Pública 1.º Workshop ENIDH/MÚTUA DOS PESCADORES e-aprendizagem ou aprendizagem tecnologicamente assistida? Teresa Salis Gomes Directora da Unidade de Inovação Pedagógica O contexto na Administração Pública Aumento

Leia mais

7 Conclusões e caminhos futuros

7 Conclusões e caminhos futuros 7 Conclusões e caminhos futuros Esta pesquisa teve como objetivo estudar a interação em um fórum de discussão online de um curso híbrido de formação de professores de inglês, com ensino presencial e a

Leia mais

EMPRESAS VIRTUAIS. Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes. PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com. Pág.

EMPRESAS VIRTUAIS. Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes. PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com. Pág. EMPRESAS VIRTUAIS Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes Pág. 1 (de 5) PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com EMPRESAS VIRTUAIS Actualmente, vivemos numa época de grandes mudanças

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

Estratégia Integrada para as Pessoas Sem Abrigo em Lisboa. Apresentação à CML 11.4.2012 Vereadora Helena Roseta

Estratégia Integrada para as Pessoas Sem Abrigo em Lisboa. Apresentação à CML 11.4.2012 Vereadora Helena Roseta Estratégia Integrada para as Pessoas Sem Abrigo em Lisboa Apresentação à CML 11.4.2012 Vereadora Helena Roseta Estratégia Integrada para as Pessoas Sem Abrigo em Lisboa A Estratégia que se propõe para

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Ao finalizar este tema deverá ser capaz de: - Definir o conceito de aprendizagem - Diferenciar entre aprendizagem e ensino - Definir o conceito de motivação Ao finalizar este tema deverá ser capaz de:

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

TRABALHOS RELATIVOS AOS ASSUNTOS DOS ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR

TRABALHOS RELATIVOS AOS ASSUNTOS DOS ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR TRABALHOS RELATIVOS AOS ASSUNTOS DOS ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR Professor Doutor Chiu Wai Sang, Sammy Departamento de Serviço Social da Universidade Baptista de Hong Kong Hoje em dia, os trabalhos de

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação objectivo estratégico e metas

Plano Tecnológico da Educação objectivo estratégico e metas Plano Tecnológico da Educação objectivo estratégico e metas Objectivo estratégico Colocar Portugal entre os cinco países europeus mais avançados na modernização tecnológica do ensino em 2010 Metas EU 2006

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais O objectivo deste artigo é disponibilizar uma síntese das questões-chave que

Leia mais

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC 30 Dossier Tic Tac Tic Tac MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC Texto de Elsa de Barros Ilustração de Luís Lázaro Contribuir para o aumento do sucesso escolar dos alunos, equipando as escolas

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU Jessé de Souza da Silva, José Arnaldo de Oliveira Almeida, Gabriel Pereira da Silva Gerenciamento de Configuração de Software Uma Abordagem Conceitual João Pessoa 2015 FACULDADE

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPE0147 UTILIZAÇÃO DA MINERAÇÃO DE DADOS EM UMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão

Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Comunicar em segurança protecção de menores na utitilização das TIC

Comunicar em segurança protecção de menores na utitilização das TIC Comunicar em segurança protecção de menores na utitilização das TIC Sustentabilidade social This document is intellectual property of PT and its use or dissemination is forbidden without explicit written

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

Apresentação de Solução

Apresentação de Solução Apresentação de Solução Solução: Gestão de Altas Hospitalares Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros,

Leia mais

Guia de Resolução De Conflito Interno

Guia de Resolução De Conflito Interno Guia de Resolução De Conflito Interno Copyright 2008 Dale Carnegie & Associates, Inc. 290 Motor Parkway, Hauppauge, New York 11788. All rights reserved. 1 Resolução de Conflito Interno Ao seguir estas

Leia mais

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas)

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) A Biblioteca Escolar 2.0 FORMADORA Maria Raquel Medeiros Oliveira Ramos FORMANDA Regina Graziela Serrano dos Santos Chaves da Costa Azevedo Período de Realização

Leia mais

Rekreum Bilbao, Vizcaya, Espanha, www.rekreum.com

Rekreum Bilbao, Vizcaya, Espanha, www.rekreum.com Licenciada em Psicologia e com uma vasta experiência em formação e investigação na área do desenvolvimento de capacidades infantis, Adriana Támez é hoje gestora da. Professora da Universidad Autonoma del

Leia mais

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis Resumo do projecto Com a candidatura a este projecto, e envolvendo todos os departamentos, alunos e encarregados de educação, a nossa escola

Leia mais

Termos de Referencia

Termos de Referencia Termos de Referencia Tipo de contrato: Consultoria para a concepcao de um vídeo documentário sobre mulheres líderes no sector da energia na África Ocidental Duracao: Abril Maio, 2015 Local de trabalho:

Leia mais

CRM. Serviços. Bilhetica. Aplicações. Cartão do Cidadão

CRM. Serviços. Bilhetica. Aplicações. Cartão do Cidadão Serviços CRM Cartão do Cidadão Bilhetica plicações 1 O cartão do cidadão - Para uma Cidade Digital que pretende ter o cidadão no seu umbigo, é importante que exista um número único de identificação do

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 COTEC Portugal 1. COTEC Portugal Origem, Missão, Stakeholders 2. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA

ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA Renato dos Santos Diniz renatomatematica@hotmail.com Adelmo de Andrade Carneiro adelmomatematico@yahoo.com.br Wesklemyr Lacerda wesklemyr@hotmail.com Abigail

Leia mais

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário RELATÓRIO Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário Projecto de investigação/acção No âmbito da Portaria nº 350/2008,

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

Workshop. Como desenvolver a si mesmo para desenvolver os outros no trabalho e na vida. 2 a turma. por Paulo Erlich

Workshop. Como desenvolver a si mesmo para desenvolver os outros no trabalho e na vida. 2 a turma. por Paulo Erlich Workshop FORMAÇÃO DE MENTORES por Paulo Erlich 2 a turma Como desenvolver a si mesmo para desenvolver os outros no trabalho e na vida Hotel Best Western Manibu, Boa Viagem, Recife 16 e 17 de outubro de

Leia mais

Novos Produtos /Serviços para doentes com Demências/Alzheimer/Envelhecimento Cerebral

Novos Produtos /Serviços para doentes com Demências/Alzheimer/Envelhecimento Cerebral Novos Produtos /Serviços para doentes com Demências/Alzheimer/Envelhecimento Cerebral Objectivos Objectivos Objectivos O Angelini University Award 2010/2011 tem por finalidade atribuir um prémio ao melhor

Leia mais

A Rockwell Automation está empenhada em aplicar. É nossa política irmos além do mero cumprimento. dos regulamentos e agirmos no interesse das

A Rockwell Automation está empenhada em aplicar. É nossa política irmos além do mero cumprimento. dos regulamentos e agirmos no interesse das ISO 14001 A4PT.QXD 8/31/99 4:52 PM Page 1 POLÍTICA AMBIENTAL A Rockwell Automation está empenhada em aplicar os mais altos padrões de gestão ambiental mundial. É nossa política irmos além do mero cumprimento

Leia mais

FORMAÇÃO DE MENTORES ORGANIZACIONAIS Como desenvolver a si mesmo para desenvolver os outros no trabalho e na vida

FORMAÇÃO DE MENTORES ORGANIZACIONAIS Como desenvolver a si mesmo para desenvolver os outros no trabalho e na vida FORMAÇÃO DE MENTORES ORGANIZACIONAIS Como desenvolver a si mesmo para desenvolver os outros no trabalho e na vida Facilitador: Paulo Erlich 15 e 16 de maio de 2014, das 9h às 18h Hotel Best Western Manibu,

Leia mais

Realizar um curso ou um módulo

Realizar um curso ou um módulo (v.0. abril, 0). Iniciar (ou retomar) um curso ou um módulo Para iniciar (ou retomar) um curso ou módulo, efetue o login e aceda, em qualquer página, ao menu superior. Clique Os meus cursos e módulos.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA O sistema educativo deve garantir a coordenação, a consistência e a coerência do ensino para o desenvolvimento da educação científica Critérios de qualidade O conhecimento dos alunos e das suas aptidões

Leia mais