GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro aula 6

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 27-11-2012 aula 6"

Transcrição

1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro aula 6

2 Revisão Geral

3 Dinâmica 1 Lista de exercícios nº 28 1-A) A Grampão, empresa de grampos, pretende montar uma fábrica de pregos de aço, chamado de projeto Pregão. Não existe um prazo pré-fixado para a vida útil dessa fábrica de pregos, ela pode durar 50 anos ou mais. O fluxo de caixa projetado para o primeiro ano é $10.000,00 e não existe perspectiva de crescimento para os fluxos de caixa desse projeto ao longo do tempo. Você consultou analistas do mercado, que lhe informaram que o risco beta desse projeto é 2,6. Em publicações especializadas, você leu que a taxa RF é 12% ao ano e o retorno esperado do mercado, 20% ao ano. Qual é o valor do projeto Pregão? Solução: Kp = RF + p (Erm - RF) = 0,12 + 2,6 (0,20 0,12) = 0,3280 = 32,80% Vprojeto = FC1 / Kp Vprojeto = / 0,3280 Resposta: O valor do projeto Pregão é $30.487,80.

4 Dinâmica 1 Lista de exercícios nº 28 1-B) A Dentão, empresa de equipamentos odontológicos, pretende montar uma fábrica de próteses dentárias plásticas, chamada de Projeto Sorriso. Não existe um prazo pré-fixado para a vida útil dessa fábrica de próteses, ela pode durar 50 anos ou mais. O fluxo de caixa projetado para o primeiro ano é $25.000,00 e não existe perspectiva de crescimento para os fluxos de caixa desse projeto ao longo do tempo. Você consultou analistas do mercado que lhe informaram que o risco beta desse projeto é 2,8. Em publicações especializadas, você leu que a taxa RF é 10% ao ano e o retorno esperado do mercado, 17% ao ano. Qual é o valor do projeto Sorriso? Solução: Kp = RF + p (Erm - RF) = 0,10 + 2,8 (0,17 0,10) = 0,2960 = 29,60% Vprojeto = FC1 / Kp Vprojeto = / 0,2960 Resposta: O valor do projeto é de $84.459,46.

5 Dinâmica 1 Lista de exercícios nº 28 2) A firma de comércio exterior, Comex, tem um projeto na gaveta pronto para ser implementado. Trata-se de exportação via internet chamado, pelos funcionários da firma, de projeto Expint. A vida útil projetada para o projeto Expint é de 3 anos e acredita-se que, após esse período, novas tecnologias o tornarão obsoleto, devendo então ser abandonado e ter seus ativos imobilizados vendidos ao final do terceiro ano. O fluxo de caixa projetado para o primeiro ano é de $ ,00, para o segundo, $ ,00 e para o terceiro, $ ,00. O valor de venda dos ativos imobilizados - máquinas e equipamentos - é projetado para aquela data como sendo 30% do valor dos investimentos necessários hoje. Você consultou analistas do mercado, que lhe informaram que o risco beta desse projeto é 1,4. Em publicações especializadas, você leu que a taxa RF é 8,50% ao ano e o retorno esperado do mercado, 16% ao ano. O investimento necessário para implementarmos esse projeto hoje é $ ,00. Qual é o VPL do projeto Expint? Você investiria nele?

6 Dinâmica 1 Lista de exercícios nº 28 Kp = RF + p (Erm - RF) = 0, ,4 (0,16 0,085) = 0,1900 = 19,00% Vprojeto = FC1/(1+Kp) 1 + FC2/(1+Kp) 2 + FC3/(1+Kp) 3 Vprojeto = /(1+0,19) /(1+0,19) /(1+0,19) 3 = ,47 Mais valor terminal = 0,30 x ,00 = ,00 VP do valor terminal = ,00/(1+0,19) 3 = ,9489 Custo do projeto = ,00 Valor Presente do Ativo = Valor Presente dos FC s + Valor Presente do Valor Terminal Valor = , ,95 = ,42 VPL = Valor Custo = , ,00 = ,42 Resposta: O VPL do projeto Expint é $ ,42. Sim, investiria.

7 Dinâmica 1 Lista de exercícios nº 28 3) Seus sócios acreditam que devem investir na compra de uma fábrica de computadores que produz um único modelo Notebook Executivo. As vendas previstas são unidades desse notebook por ano, durante 5 anos. Os custos variáveis são de $680,00 por unidade e os custos fixos, $ ,00 por ano. Acredita se que a vida útil desse modelo seja de 5 anos. Após esses 5 anos, você pretende vender a fábrica de computadores por $ ,00. Considere que a taxa de desconto adequada ao risco desse negócio seja de 25% ao ano e a alíquota do imposto de renda, 30%. Sua equipe de vendas acredita que possa vender cada computador por $1.800,00. A fábrica de computadores está à venda por $ ,00. Desconsidere a depreciação. Afinal, qual é sua decisão? Compra a fábrica ou não? Use o VPL para tomar sua decisão.

8 Dinâmica 1 Lista de exercícios nº 28 Faturamento x 1.800,00 = ,00 Custos Variáveis x 680,00 = ,00 Custos Fixos ,00 LAJIR ,00 IR (LAJIR) ,00 FCO ,00 Fluxos de caixa... t = 0 t = 1 t = 2 t = 3 t = 4 t = Valor... PMT = FV = I = 25 N = 5 PV =? = ,00 Valor = ,00 Custo = ,00 VPL = , ,00 = ,00 Resposta: Sim, compro a fábrica, pois o VPL é de $ ,00.

9 Comentários sobre exercícios de Revisão.

10 Dinâmica 2 - Lista de exercícios nº 29 4) Na última reunião de diretoria, você ficou encarregado de analisar e dar um parecer sobre um projeto em engenharia genética: pílulas contra calvície. Suas pesquisas indicam que você poderá vender unidades por mês desse produto por $180,00 a unidade durante 18 meses. Os custos variáveis são 68,00 por unidade. Os custos fixos são $$ ,00 por mês. Especialistas acreditam que esse produto estará ultrapassado em 18 meses, quando as vendas devem cessar por completo. Você vai precisar investir um total de $ ,00 - valores de hoje. Você acredita que poderá vender, no mercado de segunda mão as máquinas e os equipamentos utilizados por $ ,00 - ao final dos 18 meses. A alíquota do imposto de renda é 40%. A taxa de desconto adequada ao risco dos investimentos nesse tipo de produto é 5% ao mês. Desconsidere a depreciação. Qual é sua decisão?

11 Dinâmica 2 - Lista de exercícios nº 29 Faturamento x 180,00 = ,00 Custos Variáveis x 68,00 = ,00 Custos Fixos ,00 LAJIR ,00 IR (LAJIR) 40% ,00 FCO ,00 Fluxos de caixa... t = 0 t = 1 t = 2 t = 3 t = 17 t = Valor... PMT = FV = I = 5 N = 18 PV =? = ,08 Valor = ,08 Custo = ,00 VPL = , ,00 = ,08 Resposta: Sim, investe, pois o VPL é $ ,08

12 Dinâmica 2 - Lista de exercícios nº 29 5) Você pretende abrir uma fábrica de escovas para dente. Os investimentos necessários são $ ,00. Os fluxos de caixa líquidos que você espera obter são de $ ,00 anuais no primeiro ano, com um crescimento de 2% ao ano em condições de perpetuidade. Considere que a taxa de retorno adequada seja 15% ao ano. Qual é o VPL desse projeto? Custo: ,00 Valor Presente = / (0,15 0,02) = ,77 VPL = , ,00 = ,77 Resposta: O VPL desse projeto de fábrica de escovas de dente é $ ,77. 6) O Sr. Armando tem um projeto de implantar uma fábrica de martelos no sul do estado, visando o mercado externo. Os investimentos necessários são $ ,00 e os fluxos de caixa líquidos esperados são de $ ,00 por ano, em condições de perpetuidade sem crescimento algum. A taxa de retorno esperada é 25% ao ano. Qual é o VPL do projeto do Sr. Armando? Custo: ,00 Valor Presente = / 0,25 = ,00 VPL = , ,00 = ,00 Resposta: O VPL desse projeto de fábrica de escovas de dente é $ ,00.

13 Intervalo

14 exercícios de Revisão.

15 Dinâmica 3 - Lista de exercícios nº 30 7) Você pretende abrir uma fábrica de escovas de dente. Os investimentos necessários são $ ,00. Os custos fixos anuais são $80.000,00. Os custos variáveis são de $1,20 por cada escova produzida. O custo do capital é 20% ao ano. O preço de venda de cada escova é $2,00. A vida econômica útil desse projeto é 5 anos. A alíquota do imposto de renda é 30%. Não existe valor terminal residual algum. Considere a depreciação linear, para todos os ativos, ao longo da vida útil da fábrica. Qual é a quantidade mínima de escovas que você deve produzir e vender, a cada ano, para atingir o ponto de equilíbrio econômico? Considere que a previsão de vendas seja estável, sem crescimento. P.Q = CV.Q + CF + C.Cap. + IR.(P.Q - CV.Q - CF Depreciação) Q = [CF + C.Cap. - IR CF - IR Depreciação] / [P - CV - IR. P + IR CV] C.Cap. = Custo do Capital = ,85 Q = [ ,18985 (0,3) 80 (0,3)100] / [2 1,20 (0,3)2 + (0,3)1,20] Q = ,88 Resposta: A quantidade de escovas de dentes produzidas e vendidas que coloca o projeto no ponto de equilíbrio é

16 Dinâmica 3 - Lista de exercícios nº 30 8) A Bússola, fabricante de bússolas para embarcações, está, atualmente, vendendo seu único modelo de bússola por $1.500,00 a unidade. As vendas - todas a crédito - do ano mais recente foram de unidades. O custo variável unitário é $800,00 e o custo fixo anual total é de $ ,00. A empresa está pretendendo flexibilizar os padrões de crédito e espera se que essa medida acarrete um acréscimo de 20% nas vendas, para unidades anuais, um aumento no período médio de cobrança, do seu nível atual de 45 para 60 dias, e um aumento no nível atual de devedores incobráveis, de 4% para 6% sobre as vendas. A taxa de juros simples que os banco cobram para descontar as duplicatas da empresa é de 4% ao mês (desconto simples). Deve a Bússola flexibilizar seus padrões para concessão de crédito? Solução: Para determinar se a Bússola deve adotar padrões de crédito mais flexíveis, é necessário calcular o seu efeito sobre a contribuição adicional aos lucros, decorrentes das vendas, o custo do investimento marginal em duplicatas a receber e o custo marginal com devedores incobráveis. Contribuição adicional aos lucros Aumento de vendas: unidades Lucro marginal: $ = 700 por unidade Lucro adicional $700 x = total

17 Dinâmica 3 - Lista de exercícios nº 30 Incremento nos custos com Desconto de Duplicatas Plano atual (45 dias de prazo) unidades a $1.500 cada = faturamento anual = O custo para descontar estas duplicatas é 0,04 x x 1,5 mês = Ou seja, posto que todas as vendas são a prazo, precisamos descontar $ , a uma taxa de juros simples de 4% ao mês, pelo prazo de um mês e meio. Plano proposto (60 dias de prazo) unidades a $1.500 cada = Novo faturamento total = O custo para descontar estas duplicatas é 0,04 x x 2 meses = O incremento nos custos com descontos de duplicatas é $ Custo marginal dos investidores duvidosos Plano proposto 0,06 x $1.500 x = Plano atual 0,04 x $1.500 x = Custo marginal com devedores incobráveis = ,00. Resultados da flexibilização: Contribuição adicional aos lucros pelas vendas $ Custo adicional com desconto $ Custo incremental marginal com incobráveis $ Contribuição Líquida = + $ Resposta: Haverá contribuição positiva no valor de $ ,00 com a flexibilização das condições de crédito. Conclusão: Sim, podemos flexibilizar as normas para concessão de crédito.

18 Dinâmica 3 - Lista de exercícios nº 30 Calcule os Pontos de Equilíbrio Operacional, Contábil e Econômico para os seguintes projetos (assuma um único produto sendo produzido em cada projeto). Considere depreciação linear e valor terminal igual a zero: Projeto A Projeto B Projeto C Valor total do investimento $ $ $ Vida útil do projeto 10 anos 12 anos 12 anos Taxa do Custo de Capital 20% aa 15% aa 15% aa Taxa do Imposto de Renda 35% 40% 20% Preço de venda do único produto $3 p/ und $25/und $25/und Custo variável do produto $1 p/ und $13/und $13/und Custo fixo anual total $1.500 $1.000 $1.000 Assuma que a demanda de mercado para o produto produzido pelo Projeto A seja unidades, por ano, e que a capacidade instalada seja unidades, por ano; Assuma que a demanda de mercado para o produto produzido pelo Projeto B seja unidades, por ano, e que a capacidade instalada seja unidades, por ano; Assuma que a demanda de mercado para o produto produzido pelo Projeto C seja 800 unidades, por ano, e que a capacidade instalada seja 400 unidades, por ano. Quais destes projetos são viáveis?

19 Solução Projeto A: Ponto de equilíbrio operacional... PQ = CF + CV Q Q = CF / (P CV) Q = / (3 1) = 750 unidades Ponto de equilíbrio contábil... P.Q = CV.Q + CF + D + IR.(P.Q CV.Q CF D) Manipulando, algebricamente, para facilitar os cálculos isolamos Q... Q = [CF + D IR CF IR D] / [P CV - IR (P CV)] Onde: CF = 1.500,00 D (Depreciação) = total investido dividido pelo prazo = IR (alíquota do IR) = 35% = 0,35 Agora basta substituir na fórmula... Q = [ (0,35 x 1.500) (0,35 x 3.500)] / [3 1 0,35 x (3 1)] Q = unidades

20 Ponto de equilíbrio econômico... P.Q = CV.Q + CF + C.Cap. + IR.(P.Q CV.Q CF D) Q = [CF + C.Cap. IR CF IR D] / [P CV IR.(P CV)] Onde: Custo do capital é o pagamento periódico que devemos fazer, durante a vida útil do projeto, aos investidores, incluindo juros mais principal. Podemos calculá-lo usando a calculadora financeira PV é o investimento realizado na data zero (VP) 10 n é vida útil do projeto 20 i é a taxa do custo do capital 0 FV não haverá nenhum valor a ser pago pelo projeto após t=10 PMT = Custo do Capital = $8.348,30 Substituindo na fórmula teremos... Q = [CF + C.Cap. IR CF IR D] / [P CV IR.(P CV)] Q = [ ,30 (0,35 x 1.500) (0,35 x 3.500)]/ [3 1 0,35 x (3 1)] Q = unidades Resposta Projeto A: P.E. Operacional: 750 P.E. Contábil: 2500 P.E. Econômico: 6230 O projeto A é inviável, pois tanto a capacidade de produção quanto a demanda do mercado por este produto estão abaixo do ponto de equilíbrio (Break Even) econômico.

21 Solução Projeto B: Procedimentos idênticos ao projeto A. Resposta Projeto B: P.E. Operacional: 84 P.E. Contábil: 223 P.E. Econômico: 504 O projeto B é viável, pois tanto a capacidade de produção quanto a demanda do mercado por este produto estão acima do ponto de equilíbrio (Break Even) econômico.

22 Solução Projeto C: Procedimentos idênticos ao projeto A. Resposta Projeto C: P.E. Operacional: 84 P.E. Contábil: 223 P.E. Econômico: 433 O projeto C é inviável, pois apesar da demanda do mercado ser boa, a capacidade instalada de produção é incapaz de atingir o ponto de equilíbrio.

23 10 - Estudo de Caso 1 Análise de viabilidade econômica de um projeto de investimentos em uma Estrada Rodoviária em processo de privatização O governo federal está abrindo uma licitação que visa à privatização, por um período de 5 anos, de uma estrada rodoviária que liga duas importantes capitais. O preço mínimo estipulado para o leilão é de $ ,00. Quanto você poderia oferecer nesse leilão, para vencer essa licitação? Qual será o lucro que você poderá ter com esse projeto? Observação: Na prática, os períodos para privatização são mais longos, situam-se em torno de 25 anos, porém, para efeitos acadêmicos e práticos, facilitando a nossa análise, vamos considerar esse prazo como sendo de apenas 5 anos. Outras informações relevantes... Fluxo de veículos, custos fixos e variáveis previstos para essa estrada nos próximos 5 anos: Ano Número de Veículos (Q) Pedágio CV CF 0, , , , , Alíquota do imposto de renda = 30%; Taxas de retorno de projetos de privatização equivalentes: Taxa de retorno da estrada Auto Silva = 25,3%; Taxa de retorno da estrada Expressa Moreira = 26,1%; Taxa de retorno da estrada Linha Roxa = 24,2%.

24 Ano Veículos Q Pedágio Faturamento = (veículo x pedágio) CV 0,80 0,90 1,00 1,20 1,40 CV Q = (c. variáveis x veículos) CF Lucro Bruto = IR 30% Lucro Líquido (FC) = Taxa de retorno médio para estradas privatizadas = 25,2%. Cálculo do valor presente de cada fluxo de caixa: VP FC1 447,28 VP FC2 656,46 VP FC3 820,38 VP FC4 891,71 VP FC5 928,40

25 O valor presente de todos os retornos projetados a serem obtidos com esse projeto é... VP Total = 3.744,234 Valor Presente do projeto é $ ,00. Custo do projeto é o preço a ser pago no leilão, os outros custos são os operacionais CV e CF, pois a estrada já existe. Se pagarmos no leilão $ ,00, o lucro desse projeto será de $ ,00. Se pagarmos no leilão $ ,00, o lucro desse projeto será de $ ,00. Se pagarmos no leilão $ ,00, o lucro desse projeto será de $ ,00. Resposta: Devemos ir ao leilão, iniciar fazendo a oferta pelo preço mínimo de $ ,00 e, conforme outras ofertas sejam colocadas, podemos subir nossa oferta até um limite superior que não deve ser atingido de $ ,00.

26 11 - Estudo de Caso 2 Projeto de Construção de Shopping Center Temos um projeto, já em negociações, para construção do Shopping Center Amadeus, no terreno de propriedade da igreja. As negociações estão andando no seguinte sentido... a igreja entra com o terreno; nosso grupo banca a construção do Shopping com capital próprio e o explora por 6 anos; após esses 6 anos o prédio volta para a igreja e nosso grupo se retira. Teremos 6 anos para construir e explorar o Shopping. A exploração do Shopping se dará, exclusivamente, pelo aluguel das unidades lojas que são todas idênticas e, por esta razão, deverão render o mesmo aluguel. Isto significa que, teremos 6 anos para investir e receber de volta os investimentos com lucro. Devemos atender a taxa de retorno mínima de 2% ao mês. O trabalho dos senhores é verificar a viabilidade econômica deste projeto. Calculem a TIR, VPL, Período Pay Back e o Bread Even, que em nosso caso, será o índice de ocupação mínimo do Shopping. A construção deverá demorar 2 anos. Os senhores receberão relatórios semestrais sobre os quais deverão analisar os indicadores de performance.

27 Informações úteis... Custo da construção, em moeda de hoje, é $600,00 por m 2 (média, inclui elevadores, areia, cimento, ferragens e tudo o mais); Área do pavimento padrão (projeção vertical) é 4.000m 2 ; 5 andares com lojas; 2 andares de garagens; 35 lojas por andar em cada pavimento padrão; Aluguel padrão é $ mensais; IR incidente sobre operação de alugueis é 15% sobre o lucro; Despesa operacional é custo fixo mensal para manutenção do shopping $ ; Custos variáveis, para cada loja, são $1.000,00 mensais; Considere que não existe depreciação contábil.

28 a) Cálculo da metragem quadrada: 4000 x (5+2) = m 2 b) Custos de construção: x $600 = c) Número de Lojas: 35 x 5 = 175 lojas d) Fluxo de Caixa durante as operações aluguel após as obras: Número de lojas 175 Aluguel médio $10.000,00 Faturamento = $ ,00 Custos fixos $ ,00 Custos variáveis $ ,00 LAJIR = $ ,00 IR (15%) $ ,00 Lucro Líquido = $ ,00

29 Calculando VPL e TIR na HP12C CFo 0 CFj 24 Nj ,00 CFj 48 Nj 2% i Obtemos NPV e IRR Cálculo do Pay Back ,00 VP 24 N 2% i 0 Pmt FV =? = $ ,79 Custo da construção em t 0 = $ ,00 Custo da construção no fim das obras = $ ,79 Colocamos na HP12C ,79 PV ,00 Pmt 2% i 0 FV N =? = 32

30 Cálculo da taxa de ocupação... Fizemos todos os cálculos considerando taxa de ocupação de 100% e observamos que temos lucro neste projeto. Agora, vamos calcular a taxa de ocupação em termos percentuais que nos coloca no limite entre lucro e prejuízo. Primeiro, calculamos o Ponto de Equilíbrio Break Even Econômico do projeto: P.Q = CV.Q + CF + C.Cap. + IR.(P.Q CV.Q CF Depreciação) Q = [CF + C.Cap. IR CF IR Depreciação] / [P CV IR.(P CV)] Onde: Custo do capital é o pagamento periódico que devemos fazer, durante a vida útil do projeto, aos investidores, incluindo juros mais principal. Utilizando a calculadora financeira, encontramos...

31 ,79 PV é o investimento realizado na data zero das operações n é vida útil do projeto i é a taxa do custo do capital FV não haverá nenhum valor a ser pago projeto após t=48 PMT = Custo do Capital = $ ,51 Depreciação é zero. Substituindo na fórmula, teremos...

32 Q = [CF + C.Cap. IR CF IR D] / [P CV IR.(P CV)] Q = [ ,51 (0,15) x (0,15) x 0] / [ (0,15) ( )] Q = [ ,50] / [7.650] Q = 137,38 lojas Ou seja, 138 lojas. A taxa mínima de ocupação é dada por: 138 / 175 = 0,788 = 78,8%.

33 Respostas: Break Even = 138 lojas Taxa de ocupação mínima = 79% Considerando taxa máxima de ocupação como 100%: VPL = $5.488,223,00 e TIR = 2,65%. Pay Back = 32 meses de operação do Shopping após estar pronto, ou 56 meses a partir da data zero (hoje), considerando que a construção leve exatamente 24 meses.

34 Fechamento Dúvidas

Sim a riqueza, que visa o valor! Para tomarmos a decisão ótima, precisamos saber responder 04 perguntas:

Sim a riqueza, que visa o valor! Para tomarmos a decisão ótima, precisamos saber responder 04 perguntas: Análise de Projetos e Investimentos Autor: Prof. Ms. Thiago Nunes Bazoli Investimentos Podemos chamar de investimento em um determinado período os gastos destinados a ampliar a futura capacidade de consumo.

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 06-11-2013 aula revisão 1 Representação de Ativos 1) Um projeto produz um fluxo de caixa líquido depois de descontados

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 13-11-2013 aula 4

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 13-11-2013 aula 4 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 13-11-2013 aula 4 Avaliação de Ativos e Valor Presente. Dinâmica 1 Exercícios de Valor Presente e Valor Futuro 1) Joaquim

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 30-10-2013 aula 3

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 30-10-2013 aula 3 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 30-10-2013 aula 3 Fluxo de Caixa Apuração do Imposto de Renda com base no Lucro Real Apuração do Imposto de Renda com

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

Curso de Pós-Graduação MBA Executivo Gerência de Projetos I

Curso de Pós-Graduação MBA Executivo Gerência de Projetos I Curso de Pós-Graduação MBA Executivo Gerência de Projetos I Professor: Disciplina: Marcos Guilherme Heringer e Matemática Financeira Curso de Pós-Graduação MBA Executivo Gerência de Projetos I e Matemática

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I FACULDADE CAPIVARI - FUCAP GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I Prof. Msc. Fabiano Pires de Oliveira 1 CAPITULO 5 CRITERIOS PARA ANALISE DE PROJETOS Critérios mais utilizados no mercado: Fluxo de Caixa VPL

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL SOLUÇÕES COMPLETAS DE QUESTÕES E EXERCÍCIOS ADRIANO LEAL BRUNI E RUBENS FAMÁ 4ª EDIÇÃO ATLAS 2007 1 APRESENTAÇÃO Este texto apresenta todas as respostas de todas

Leia mais

Métodos de Análise de Investimentos

Métodos de Análise de Investimentos Aula Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos 11.1- Introdução Neste capítulo mostraremos aplicações de valor presente líquido (VPL) e taxa interna de retorno (TIR) em comparações de fluxos de caixa

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS

SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS Análise Econômica e Financeira Este relatório, elaborado pela Projeobra Engenharia Ltda., apresenta a análise econômica e financeira da implantação de um Shopping Popular

Leia mais

FINANÇAS EMPRESARIAIS. Fluxos de Caixa Futuros BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI

FINANÇAS EMPRESARIAIS. Fluxos de Caixa Futuros BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI Desvendando as Tópico Novo FINANÇAS EMPRESARIAIS Fluxos de Caixa Futuros Adriano Leal Bruni albruni@infinitaweb.com.br www.infinitaweb.com.br /albruni /planilhas Para pensar "Algo como o mau tempo, na

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

PARTE ANÁLISE DE INVESTIMENTO

PARTE ANÁLISE DE INVESTIMENTO PARTE V ANÁLISE DE INVESTIMENTO FLUXO DE CAIXA Fluxo de Caixa é uma série de pagamentos ou de recebimentos ao longo de um intervalo de tempo. Entradas (+) Saídas (-) Segundo Samanez (1999), os fluxos de

Leia mais

Matemática Financeira FN1200C

Matemática Financeira FN1200C Matemática Financeira FN1200C 0 Índice Introdução... 2 Principais Funções... 2 Juros... 8 Capitalização Simples ou Linear... 9 Capitalização Composta ou Exponencial... 12 Taxas Equivalentes... 16 Prestações

Leia mais

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

18/04/2012. Substituição de equipamentos:

18/04/2012. Substituição de equipamentos: 18/04/2012 Ponto 2 Metodologia e Princípios da Análise de Investimentos; Análise de projetos Industriais e substituição de equipamentos; Prática Instrumental, tabelas, planilhas e calculadoras financeiras.

Leia mais

Escolha de investimentos via fluxos de caixa irregulares

Escolha de investimentos via fluxos de caixa irregulares Escolha de investimentos via fluxos de caixa irregulares descontados WERNKE, Rodney. Gestão financeira: ênfase em aplicações e casos nacionais. Rio de Janeiro, Saraiva, 2008. Capítulo 4 Aula de Fernando

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 4 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Técnicas de Análise Financeira CMPC Custo Médio Ponderado de Capital. Relação custo-benefício. Valor presente. Valor presente

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Avaliação da Performance Financeira de Projetos 4.690.000 Veículos x 4,50 R$/veículo = 21.105.000 Receita bruta + (3.165.750) 15,0% Prefeituras e

Leia mais

AVALIAÇÃO de INVESTIMENTOS

AVALIAÇÃO de INVESTIMENTOS SÉRIE FINANÇAS NA PRÁTICA AVALIAÇÃO de INVESTIMENTOS ADRIANO LEAL BRUNI Respostas dos Exercícios Extras Respostas dos exercícios extras 1 Adriano Leal Bruni SÉRIE FINANÇAS NA PRÁTICA Avaliação de investimentos

Leia mais

Escolha de investimentos. Aula de Fernando Nogueira da Costa

Escolha de investimentos. Aula de Fernando Nogueira da Costa Escolha de investimentos via fluxos de caixa descontados Aula de Fernando Nogueira da Costa Idéia Capital Valor do dinheiro no tempo: o capital emprestado (ou investido) em determinado período deve ser

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas de dinheiro (desembolsos)

Leia mais

Retorno do investimento

Retorno do investimento Retorno do investimento Aspectos matemáticos e Uso Na HP2c Fluxos Irregulares VPL TIR PAYBACK Payback Descontado Duration Payback TIR TIRM VUE Seleção de Projetos Princípios da análise de projetos. Não

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

ANÁLISE DE PROJETOS DE INVESTIMENTO

ANÁLISE DE PROJETOS DE INVESTIMENTO UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 9 ANÁLISE DE PROJETOS DE INVESTIMENTO Autor: Francisco Cavalcante Circular para: CAVALCANTE & ASSOCIADOS AOS NOSSOS LEITORES Neste Up-To-Date 9 daremos continuidade ao assunto

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Orçamento Empresarial Copyright Pereira, F. I. Prof. Isidro

Leia mais

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA Amanda de Campos Diniz 1, Pedro José Raymundo 2

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS SUMÁRIO 1 Exercício 01...2 2 Exercício 02 - O caso da Empresa Equilibrada....4 3 Exercício 03...5 4 Exercício 04...6 5 Exercício 05...7 6 Exercício 06...9

Leia mais

LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA. Lista de Exercício - 1

LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA. Lista de Exercício - 1 LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA Lista de Exercício - 1 1- A que taxa de juros simples : a) $ 20.000,00 se elevarão a $ 21.100,00 em um ano? (Resp. 5,5%aa). b) $ 720.000,00 se elevarão a $ 744.000,00

Leia mais

Exercícios. Matemática Financeira

Exercícios. Matemática Financeira Exercícios de Matemática Financeira SUMÁRIO - Apresentação... 01-01 ª Série - Taxas Equivalentes...... 02-02 ª Série - Planos de Amortização...... 05-03 ª Série - Exercícios Extras...... 09-04 ª Série

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ANÁLISE DE INVESTIMENTO AULA 02: CAPITALIZAÇÃO, DESCONTO E FLUXO DE CAIXA TÓPICO 03: FLUXO DE CAIXA (UNIFORME E IRREGULAR) FLUXO DE CAIXA Denomina-se fluxo de caixa, a sequência

Leia mais

Técnicas de Avaliação. Técnicas BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Comparar os parâmetros das Decisões de Investimentos. Tópico Novo. O segundo passo...

Técnicas de Avaliação. Técnicas BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Comparar os parâmetros das Decisões de Investimentos. Tópico Novo. O segundo passo... Tópico Novo O segundo passo... Técnicas de Avaliação Comparar os parâmetros das Decisões de Investimentos Um breve resumo... Comparação e técnicas Ativo Passivo Bens + Direitos INVESTIMENTOS Obrigações

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Me. Jorge França Análise de Investimentos Jorge França: Graduado em Engenharia pela UFF-RJ; Pós-graduado em Gestão da Qualidade (UFMG), Marketing (ESPM e UFRJ), Gestão Empresarial

Leia mais

(*) Valor residual refere-se ao valor de compra (1.100.000) deduzido da depreciação correspondente aos quatro anos do projeto (4 x 220.

(*) Valor residual refere-se ao valor de compra (1.100.000) deduzido da depreciação correspondente aos quatro anos do projeto (4 x 220. 7) Investimento Inicial Acréscimo da NCG Equipamento 1.100.000 NCG Inicial 900.000 Necessidade Capital de Giro 900.000 NCG Operações 1.500.000 2.000.000 Investimento adicional - 1º ano 600.000 Fluxo de

Leia mais

23/10/2015 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROJETO. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc FLUXO DE CAIXA. Apresentar o modelo de Fluxo de Caixa

23/10/2015 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROJETO. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc FLUXO DE CAIXA. Apresentar o modelo de Fluxo de Caixa ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROJETO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc FLUXO DE CAIXA Apresentar o modelo de Fluxo de Caixa 1 CAPITAL DE GIRO E FLUXO DE CAIXA CÁLCULO DA NECESSIDADE DE CAPITAL

Leia mais

O Valor no Tempo de uma Série de Fluxos de Caixa

O Valor no Tempo de uma Série de Fluxos de Caixa O Valor no Tempo de uma Série de Fluxos de Caixa Uma aula preparada por Luiz A. Bertolo IMES-FAFICA O Básico Para se calcular o valor de uma série de fluxos de caixa usa-se a mesma matemática que aquela

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira Unidade II MATEMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira Receita Total A receita é o valor em moeda que o produtor recebe pela venda de x unidades do produto produzido e

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

100.000 (CHS) CF0; 30.000 (CFj) 3 (Nj); 40.000 (CFj); 6% (i); (f) (CF0)

100.000 (CHS) CF0; 30.000 (CFj) 3 (Nj); 40.000 (CFj); 6% (i); (f) (CF0) Exercícios Resolvidos 1. Em qual dos dois investimentos deve-se aceitar, levando em consideração os índices do VPL, TIR e PAYBACK? Justifique sua resposta. Taxa mínima de atratividade é de 6% Período Investimento

Leia mais

Análise de Investimentos e Reposição de Ativos

Análise de Investimentos e Reposição de Ativos Análise de Investimentos e Reposição de Ativos Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 10 A essência da análise de investimentos: Comparação de valores presentes, calculados

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

3. JUROS SIMPLES. i 100

3. JUROS SIMPLES. i 100 Matemática Financeira com a Calculadora HP -12C 23 3. JUROS SIMPLES 3.1 INTRODUÇÃO 5 10 15 20 Como vimos no Capítulo 1, juros simples apresentam uma grande vantagem operacional sobre os compostos. Isso

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Geralmente quando um consultor é chamado a socorrer uma empresa, ele encontra, dentre outros, problemas estruturais, organizacionais, de recursos humanos. O problema mais comum

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL SOLUÇÕES COMPLETAS DE QUESTÕES E EXERCÍCIOS ADRIANO LEAL BRUNI E RUBENS FAMÁ 5ª EDIÇÃO ATLAS 2010 1 APRESENTAÇÃO Este texto apresenta as respostas da questões e

Leia mais

07/02/2015. Matemática Financeira 3º ADMINISTRAÇÃO. Prof. José Luiz Oliveira. Matemática Financeira 3º ADMINISTRAÇÃO. Prof. José Luiz Oliveira

07/02/2015. Matemática Financeira 3º ADMINISTRAÇÃO. Prof. José Luiz Oliveira. Matemática Financeira 3º ADMINISTRAÇÃO. Prof. José Luiz Oliveira 3º ADMINISTRAÇÃO Oliveira 3º ADMINISTRAÇÃO Oliveira PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 Inflação e Preços 2 Variação Média e Variação Ponta a Ponta 3 Número Índice e Valor Base/Reajustado 4 Regra de Três Simples/Compostas

Leia mais

Organização da Aula. Avaliação de Investimentos. Aula 2. Contextualização. Instrumentalização. Proporcionalidade de taxas. Equivalência de taxas

Organização da Aula. Avaliação de Investimentos. Aula 2. Contextualização. Instrumentalização. Proporcionalidade de taxas. Equivalência de taxas Avaliação de Investimentos Aula 2 Profa. Claudia Abramczuk Organização da Aula Proporcionalidade de taxas Equivalência de taxas Comparação entre proporcionalidade e equivalência VP e VF Contextualização

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Data: VPL(VAL) Valor Presente Líquido ou Valor Atual Líquido O valor presente líquido (VPL), também conhecido como valor atual líquido (VAL)

Leia mais

FINANÇAS APLICADAS. Prof. Almir Xavier. Campinas, 13 de setembro de 2011

FINANÇAS APLICADAS. Prof. Almir Xavier. Campinas, 13 de setembro de 2011 FINANÇAS APLICADAS Prof. Almir Xavier Campinas, 13 de setembro de 2011 Experiência - Almir Xavier 2008 a Atual (CSN - Companhia Siderúrgica Nacional) - Gerência de Riscos Corporativos: responsável pela

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

Escolha de inves.mentos via fluxos de caixa irregulares descontados

Escolha de inves.mentos via fluxos de caixa irregulares descontados Escolha de inves.mentos via fluxos de caixa irregulares descontados WERNKE, Rodney. Gestão financeira: ênfase em aplicações e casos nacionais. Rio de Janeiro, Saraiva, 2008. Capítulo 4 Aula de Fernando

Leia mais

4a. Depreciação do Ativo Imobilizado

4a. Depreciação do Ativo Imobilizado 4a. Depreciação do Ativo Imobilizado 4a. Depreciação do Ativo Imobilizado Balanço Patrimonial: ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Realiz. Longo Prazo Exigível a Longo Prazo Permanente Patrimônio Líquido

Leia mais

especificamente para facilitar o trabalho de escritórios contábeis e/ou consultorias tributárias, auxiliando na escolha da melhor forma de tributação

especificamente para facilitar o trabalho de escritórios contábeis e/ou consultorias tributárias, auxiliando na escolha da melhor forma de tributação Programa desenvolvido especificamente para facilitar o trabalho de escritórios contábeis e/ou consultorias tributárias, auxiliando na escolha da melhor forma de tributação (Simples/Presumido/Real) para

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa DECISÕES DE INVESTIMENTOS E ORÇAMENTO DE CAPITAL Orçamento de capital Métodos e técnicas de avaliação de investimentos Análise de investimentos Leia o Capítulo 8 do livro HOJI, Masakazu. Administração

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso 01 Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 9: Concessionárias de Transmissão S u b m ó d u l o 9. 8 M e t o d o l o g i a d e c á l c u l o de p r e ç o t e t o d a R e c e

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Conceitos. Conceitos

GESTÃO FINANCEIRA. Conceitos. Conceitos GESTÃO FINANCEIRA Conceitos Capital (C ou PV) é o valor do dinheiro que você pode aplicar ou emprestar. Também chamado de Capital Inicial ou Principal, representado pela letra C ou PV (Valor Presente abreviação

Leia mais

Gestão Financeira de Empresas

Gestão Financeira de Empresas Gestão Financeira de Empresas Módulo 6 Decisões de investimento de longo prazo Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail:luiz.campagnac@gmail.com Livro - Texto Administração Financeira: princ princípios, pios,

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA! O que é Lucro Real?! O que é Lucro Presumido?! Como é calculada a tributação pelo SIMPLES?! Qual o regime tributável mais vantajoso para a elaboração de um projeto?!

Leia mais

Unidade: Aspectos contábeis na determinação dos fluxos de caixa. Unidade I:

Unidade: Aspectos contábeis na determinação dos fluxos de caixa. Unidade I: Unidade: Aspectos contábeis na determinação dos fluxos de caixa Unidade I: 0 Unidade: Aspectos contábeis na determinação dos fluxos de caixa 2. Aspectos contábeis e tributários 2. 1. Fundamentos de depreciação

Leia mais

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo 2 2 pts) A Cia Roupas de Festa coloca no mercado seu produto principal ao preço unitário de R$ 86,75 isento de IPI, mas com ICMS de 17%. O custo variável nessa produção alcança R$ 54,00. A Cia está conseguindo

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

Curso Preparatório CEA

Curso Preparatório CEA Curso Preparatório Tel: 4004-0435 ramal 4505 Email: contato@ifb.net.br CEA 1ª Edição 13. Matemática Financeira Na prova da ANBIMA, para o CEA, não só é permitido usar calculadora como deve-se utilizar

Leia mais

COMO QUALIFICAR O PREÇO DE VENDA DE SEUS PRODUTOS (UTILIZANDO AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTOS FORMAÇÃO DE PREÇOS)

COMO QUALIFICAR O PREÇO DE VENDA DE SEUS PRODUTOS (UTILIZANDO AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTOS FORMAÇÃO DE PREÇOS) COMO QUALIFICAR O PREÇO DE VENDA DE SEUS PRODUTOS (UTILIZANDO AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTOS FORMAÇÃO DE PREÇOS)! A TIR e o VPL Na Formação do Preço Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA I ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Prof. Edson de Oliveira Pamplona Prof. José Arnaldo Barra Montevechi OBJETIVO

ENGENHARIA ECONÔMICA I ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Prof. Edson de Oliveira Pamplona Prof. José Arnaldo Barra Montevechi OBJETIVO ENGENHARIA ECONÔMICA I ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Edson de Oliveira Pamplona Prof. José Arnaldo Barra Montevechi 2000 OBJETIVO Capacitar os participantes a analisar a viabilidade econômica e financeira

Leia mais

MBA EM FINANÇAS UNOCHAPECÓ. Disciplina: Cálculos Financeiros

MBA EM FINANÇAS UNOCHAPECÓ. Disciplina: Cálculos Financeiros 1 MBA EM FINANÇAS UNOCHAPECÓ Disciplina: Cálculos Financeiros Material de Apoio ao Livro Texto: A Matemática das Finanças: com aplicações na HP 12C e Excel Autores: Adriano Leal Bruni e Rubens Famá 3 a.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES. Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ.

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES. Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ. RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ. Caso você entenda que cabe recurso em relação a alguma questão, não hesite

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO 1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 1.1. Razão Social: 1.2. Endereços: Fone: - Escritório - Fábrica 1.3.

Leia mais

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA PARTE I 1 1) Calcular a taxa de juros trimestral proporcional às seguintes taxas: a) 24% ao ano. b) 36% ao biênio c) 6% ao semestre 2) Determinar a taxa de juros anual proporcional, das as seguintes taxas:

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

UNIDADE. Noções de análise de investimentos

UNIDADE. Noções de análise de investimentos UNIDADE 6 Noções de análise de investimentos Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai descrever e aplicar os dois mais importantes métodos de avaliação de projetos

Leia mais

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento CAVALCANTE & COMO MONTAR O FLUXO DE CAIXA EM! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento Autores: Francisco

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 7 - Custo de Capital e Estrutura de Capital Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios, fundamentos

Leia mais

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Educação Tutorial Gerenciamento e Administração da Empresa Agrícola Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Felipe

Leia mais