A Ergonomia consiste num conjunto de conhecimentos a respeito do desempenho do ser humano em atividades de trabalho, a fim de aplicá-los à concepção

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Ergonomia consiste num conjunto de conhecimentos a respeito do desempenho do ser humano em atividades de trabalho, a fim de aplicá-los à concepção"

Transcrição

1 Análise da demanda ergonômica do trabalho e o deslocamento de efetivos de uma empresa de tecnologia da informação: teoria e prática em um estudo de caso Altemar Sales de Oliveira (COPPE/UFRJ) Rosa Amelita Sá Menezes da Motta (UFRJ) Saulo Bárbara de Oliveira (COPPE/UFRJ) Renato Ramos Coelho (UNIPAC) Resumo: Este artigo aborda o resultado parcial de um estudo de caso, realizado em uma empresa de tecnologia da informação, sobre o deslocamento de efetivos e a demora para a instalação de um sistema (Vale-Pedágio) em empresas de transportes de carga. Também, apresenta alguns conceitos teóricos essenciais da análise ergonômica do trabalho a serem utilizados na prática da análise da demanda. Palavras-chave: Análise Ergonômica do Trabalho; Ergonomia; Ergonomia do Trabalho; Análise da Demanda. 1. Introdução A análise da demanda é a primeira etapa da intervenção da Análise Ergonômica do Trabalho (AET) e tem por objetivo compreender a natureza e a dimensão dos problemas apresentados, permitindo a elaboração de um plano de intervenção para abordá-los. Consiste no levantamento dos dados sobre a situação de trabalho, tais como: tipo de tecnologia empregada; organização do trabalho adotada; principais características da mão-de-obra; principais aspectos sócio-econômicos; diversos pontos de vista do problema formulado pela demanda. Nessa etapa que são definidos os problemas da situação de trabalho a ser analisada, bem como quais são os limites para essa análise (FIALHO e SANTOS, 1997). Dentro desse contexto, muitas empresas, das mais diversas áreas, têm buscado soluções baseadas na AET para dar continuidade a seus negócios, visando maior competitividade no mercado. Uma dessas empresas, do ramo de Tecnologia da Informação (TI), aqui chamada de FXK2007 para que a sua identidade seja mantida em sigilo, encontra-se em foco neste trabalho. Para a sua confecção, foram realizadas 06 visitas à sede dessa empresa. Cada visita durou em média duas horas. As duas primeiras visitas foram à gerência operacional, à diretoria e aos gerentes de setores juntos em uma sala de reunião. A terceira foi uma entrevista com o responsável pelo setor de recursos humanos e pelo setor de operações. A quarta tratou de coletar dados acerca das condições de trabalho e entrevistar o coordenador pelo setor de operações. Na quinta e na última foram realizadas observações acerca de uma atividade do setor de implantação. Assim, este artigo apresenta um estudo de caso da aplicação da análise da demanda no tipo de empresa mencionado anteriormente. Está organizado da seguinte forma: primeiramente aborda alguns fundamentos teóricos relativos à AET; em seguida, apresenta a descrição da empresa, revelando algumas características da empresa; em terceiro, trata da análise da demanda e de uma atividade. Por último, são descritos os comentários finais. Limitou-se a realizar apenas a análise da demanda no setor de operações da empresa. 2. Fundamentos teóricos da AET 1

2 A Ergonomia consiste num conjunto de conhecimentos a respeito do desempenho do ser humano em atividades de trabalho, a fim de aplicá-los à concepção de tarefas, dos instrumentos, das máquinas e dos sistemas de produção (LAVILLE, 1977). Para Wisner (1994) mostrar o interesse de estudar a atividade real de trabalho dos operadores, considerada não muito raramente diferente da atividade prescrita pela organização, é essencial para melhorar as condições de trabalho e da produção. De acordo com esse autor, a metodologia da AET comporta cinco etapas de importância e de dificuldades diferentes: 1. análise da demanda e proposta de contrato; 2. análise do ambiente técnico, econômico e social; 3. análise das atividades e da situação de trabalho e restituição dos resultados; 4. recomendações ergonômicas; 5. validação da intervenção e eficiência das recomendações. A análise do trabalho, dirigida de maneira ampla e procurando observar o contexto organizacional e de trabalho, permite identificar e avaliar como as diversas condicionantes tecnológicas, econômicas, organizacionais e sociais afetam o trabalho dentro da empresa. Além disso, conduz ao estabelecimento do quadro geral de necessidades da organização, do ponto de vista da ergonomia. Wisner (1987) afirma que a análise da demanda varia consideravelmente, conforme se trate de ergonomia de produto ou de produção. As demandas de ergonomia da produção podem possuir como origem dificuldades diretas na produção. Santos e Fialho (1995) salientam três tipos de demandas na intervenção ergonômica: 1. demandas formuladas para recomendações na implantação de um novo sistema de produção; 2. demandas formuladas para identificar novos condicionantes de produção, introduzidos pela implantação de uma nova tecnologia; 3. demandas formuladas para resolver disfunções do sistema já implantado (relativos ao comportamento da máquina, do homem ou da organização). Dentro desse contexto, a análise da demanda é essencial para a compreensão de fatores econômicos, sociais, organizacionais técnicos e tecnológicos para AET, dentro de uma empresa (GUÉRIN et al., 2001). Por essa razão, a princípio, foi considerada a demanda descrita por último. A seguir é apresentada uma descrição da FXK2007 com base nos dados e informações coletados nas entrevistas (formais e informais) e nos questionários aplicados. 3. Descrição da empresa A FXK2007 é uma empresa com 30 funcionários em seu quadro de pessoal, que se preocupa com o desenvolvimento de soluções, de logística e de controle de pagamento de pedágio, automatizadas para empresas transportadoras de cargas. A empresa foi fundada no ano de 2002 em parceria com outra empresa líder no fornecimento de soluções corporativas de Tecnologia da Informação. Sua criação foi estabelecida por meio da Resolução nº 107, para operação em todo o território nacional, oferecendo o Sistema de Vale-pedágio que permite o fornecimento obrigatório e a emissão da documentação exigida dos embarcadores e transportadores de carga pela Lei do Vale-pedágio, criada pelo Governo Federal. Esse sistema foi desenvolvido em ASP Net e Visual Basic (ambas, linguagens de programação), tendo sido usado, para o armazenamento e a recuperação das informações, o sistema de banco de dados SQL Server, sendo disponibilizado na Internet. Quanto aos serviços de segurança dos dados on-line, ficaram a cargo da empresa SignSecurity (nome fictício). Algumas ferramentas de apoio que acompanham o Vale-pedágio são o Roteirizador, o Controle de Frotas e outras. O Roteirizador permite que se trace qualquer rota das rodovias brasileiras, incluindo 2

3 praças de pedágio, balanças, postos de gasolina, tempo médio, postos de polícia, entre muitas outras opções. O controle de frotas, por sua vez, pode gerir toda a frota de veículos da empresa de carga, acompanhando o consumo de combustível, desgastes dos pneus, hora-extra dos motoristas, monitoramento de carga entre outros. Acerca da dimensão econômica e comercial, a FXK2007 não possui monopólio desse tipo de solução e enfrenta a concorrência acirrada com outras empresas. O funcionamento do Vale-pedágio consiste num triângulo de empresas envolvidas. Em uma aresta, a FXK2007, que é a responsável pela criação, gestão e venda do vale, exclusivamente para as empresas transportadoras proprietárias das cargas. Em outra, as empresas donas das cargas que compram os vales da FXK2007; por último, as concessionárias de rodovias, que são obrigadas a receberem os vales concebidos pela FXK2007 e comprados por essas empresas. Os vales vendidos pela FXK2007 possuem o mesmo valor dos vales vendidos pelas concessionárias. O lucro da FXK2007 está relacionado à venda e a utilização do Vale-pedágio pelos seus clientes. Uma empresa, que utiliza o Vale-pedágio, pode receber os Cupons de Vale-pedágio em um local pré-estabelecido ou, como uma segunda opção, emiti-los em seu próprio estabelecimento, usando um Bureau de Emissão Local (software, acesso ao Site do Valepedágio, impressora térmica e papel específico). Em ambos os casos, é necessário que o estabelecimento contratante assine um termo de aceitação e compromisso, exigido pelo setor comercial da FXK2007, gerando imediatamente uma ordem de serviço para a instalação do sistema. No segundo caso, essa empresa deve atender aos requisitos mínimos para a essa instalação. Com o propósito de checar esses requisitos, é necessário que a FXK2007 contrate um serviço terceirizado, somente quando a empresa contratante estiver localizada fora do município do Rio de Janeiro, com o propósito da verificação da configuração computacional exigida para a utilização do Vale-pedágio. Somente após a liberação, por conta dessa avaliação, será enviado à empresa contratante um analista, pelo setor de operações da FXK2007, para dar continuidade à implantação. A FXK2007 possui três escritórios comerciais, responsáveis apenas pela venda de seus produtos para empresas transportadoras em estados brasileiros, sendo que todas as atividades administrativas e tecnológicas da empresa são desenvolvidas na matriz, que está localizada no Rio de Janeiro. Quanto à dimensão técnica, pode-se afirmar que a FXK2007 produz diversas soluções em TI, mas o seu principal produto é o Vale-pedágio. Com esse sistema, uma empresa de transporte de carga pode programar suas viagens por todo o Brasil, saindo de qualquer lugar, com todos os pedágios do trajeto desejado impressos em papel moeda e com a documentação exigida pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Esses pedágios são aceitos por todas as concessionárias do país, sendo que o vale impresso só pode ser utilizado para a praça de pedágio a qual o mesmo se destina. O processo consiste em determinar o trajeto a ser seguido pelo caminhão, fornecendo o ponto de partida e ponto de chegada, permitindo escolhas de rotas alternativas. Esse procedimento é realizado diretamente no site do Valepedágio. O segundo passo é a impressão e, por último, a passagem do vale em uma das cabines de pedágio da rodovia em questão. Após a assinatura do contrato de prestação dos serviços do Vale-pedágio assinado, a impressão dos vales pode ser realizada das seguintes formas: 1. nos estabelecimentos da própria empresa contratante ou em um local por ela designada, em ambos os casos é chamada de BEL. Um BEL consiste em que o sistema seja implantado no local desejado pelo cliente (empresa contratante). Além do software, também, serão fornecidas uma impressora térmica, fitas para impressora e as bobinas (papel para 3

4 impressão). Todas as reposições, necessárias para a manutenção e utilização, são controladas via software pela FXK2007. Em caso de um consumo extraordinário pela empresa contratante, deve haver uma solicitação, com uma antecedência de 3 dias úteis, quanto ao volume estimado. 2. nos escritórios de venda e locais estabelecidos pela FXK2007 chamados de BUNKER. Um BUNKER é responsável pela impressão e remessa, via correios ou serviços de entrega, ao cliente contratante no prazo de até 5 dias úteis. O processo de compra, por parte do cliente, é realizado via internet no site do Vale-pedágio. 3. na matriz da empresa por meio do serviço de atendimento ao cliente (0800). Este atendimento pode também realizar o serviço de vendas de vales. Nesse caso, a entrega segue o mesmo procedimento descrito no segundo caso. A FXK2007 tem como objetivo principal suprir a necessidade de diversidade em soluções de TI para o segmento de pedágio, contribuindo com produtos seguros, transparentes, eficientes e de acordo com a legislação vigente, para as empresas transportadoras de cargas em todo o Brasil. Com base nessa descrição a análise da demanda teve como ponto de partida a grande motivação da empresa em busca de soluções para reduzir os gastos com os seus efetivos do setor de operações e agilizar o processo de instalação do sistema. 4. Análise da demanda A diretoria da FXK2007 realizou uma reunião com os gerentes das áreas comercial, operacional, de suporte, de desenvolvimento e financeiro, para tratar das estatísticas de despesas operacionais. Nessa reunião, ela demonstrou a sua insatisfação com os altos custos e com a demora da implantação do Vale-pedágio. Esses fatos estimularam o gerente de operações a rever o processo de implantação. Diante desse quadro, esse gerente, sabendo da aplicabilidade da ergonomia, resolveu contratar um profissional nessa área. Para cada analista fora da sede, os principais tipos de despesas com a implantação, são: passagem área ou terrestre, comunicação, notebook, aluguel de carro, combustível para o carro locado, diária extra de trabalho, hospedagem e outras eventuais despesas. O tempo de uma instalação é contado a partir da aceitação do contrato pelo cliente até a entrega final do sistema. A média para a instalação é de 15 dias podendo chegar a um mês. Um analista só pode atender a um cliente por dia. Para a diretoria da FXK2007 esse prazo é muito longo. Ela vem cobrando do gerente operacional, há mais de um ano, a redução do tempo e dos custos com a implantação. A análise ergonômica foi realizada com base nos seguintes passos: primeiramente, fazendo-se uma entrevista informal com o gerente operacional que expôs a demanda do seu ponto de vista e relatou alguns tópicos do funcionamento da empresa como um todo, inclusive relativos à implantação do sistema citado antes; em segundo, realizando-se uma entrevista formal com o gerente operacional, com o propósito de coletar mais informações, mais detalhadas, sobre o funcionamento da empresa; em terceiro, realizando-se uma entrevista formal com o responsável pelo setor de recursos humanos da empresa, com o propósito de coletar as características da população envolvida, tais como: idade, tempo de serviço na empresa, salário, experiência profissional, formação, estado civil e sexo; em quarto, uma entrevista formal com o coordenador de implantação para coletar dados e informações acerca do trabalho prescrito e as responsabilidades de cada funcionário; e por último, uma observação inicial de uma atividade do processo de implantação A estrutura e o funcionamento do setor de operações 4

5 A seguir estão descritas, a partir de entrevista formal realizada na segunda visita com o gerente de operações, a estrutura do setor de operações e as principais atribuições (trabalho prescrito) de cada funcionário. O setor de operações possui um gerente de operações, um coordenador de suporte, um coordenador de implantação, três analistas de implantação, um analista de suporte e quatro estagiários. Somente os estagiários trabalham em turnos. Com exceção do gerente, que fica em outra sala, todos os esses profissionais ficam lotados numa sala ampla. Cada funcionário possui um telefone e um computador em suas baias. O gerente de operações é o responsável por todo o setor de operações. O coordenador de suporte tem como atribuições liderar os estagiários e o analista de suporte, com respeito a todas as tarefas que envolvam problemas técnicos, financeiros, suporte ao usuário, atualização de dados e software, tanto dos clientes quanto das concessionárias de pedágio. O coordenador de implantação é o responsável pelos seguintes itens: a) roteiro dos deslocamentos destinado às implantações, b) equipamentos, das bobinas, das fitas, do material de treinamento, das versões de software dos clientes, entre outras. Esse roteiro visa a proporcionar a economia de tempo e dinheiro, quando possível. Segundo o coordenador, a escolha de quais analistas e a da empresa a ser visitada é realizada, consultando os analistas para saber qual deles estaria interessado em fazer a visita. Caso ninguém se manifeste, o coordenador elege um analista ao seu critério. Durante a EAT, no que diz respeito à análise da atividade, foi observado que o início da implantação tem origem na chegada de um do setor comercial, solicitando-a ao setor de operações. Não existe um software para o acompanhamento de implantação do Valepedágio. Todo esse processo é realizado por e por telefone. Os documentos, quando existem, são planilhas, folhas e ou papéis etiquetados. Ou seja, o processo é manual O detalhamento do processo de implantação A partir de entrevista com o gerente operacional, pode-se afirmar que o processo de implantação consiste nas seguintes etapas: 1. primeiro, é recebida uma solicitação formal ( ) proveniente do setor comercial, indicando o nome, CNPJ, endereço, contato (responsável pelo contrato) e o tipo de instalação BEL ou BUNKER a ser instalado no futuro cliente; 2. após receber esse do setor comercial, o coordenador de implantação repassa-o para um dos estagiários do setor e solicita a confirmação dos dados informados, anteriormente, por meio do . Então, essa confirmação é verificada no site do e- Pedagio, cadastrado pelo setor comercial ou pelo próprio cliente, e por telefone junto ao responsável pelo contato da empresa solicitante. Caso não haja pendência (falta de dados no cadastro) alguma, o estagiário agenda uma visita de uma empresa terceirizada para checagem da configuração mínima que o computador deva possuir para a instalação do sistema. Após a confirmação ou não desses itens, o estagiário envia um ao coordenador, informando o resultado dessa operação; 3. o estagiário acompanha o serviço da empresa terceirizada por telefone ou por . Em seguida, envia um ao coordenador, informando que a empresa contratante está apta para a instalação do sistema. Diante disso, o coordenador já pode enviar um analista ao cliente; 4. diariamente, o coordenador verifica se há alguma outra solicitação de implantação apta mais próxima (localmente) de outras. Caso não haja, ele sonda, informalmente, junto ao setor comercial da matriz e junto aos escritórios, se haverá possibilidade de alguma 5

6 outra implantação nessa região. Caso haja, ele aguarda o pedido formal dessa possível instalação por um intervalo de tempo. Segundo o coordenador, essa sondagem é para o trabalho de logística (minimizar os custos de deslocamento, tempo de envio do analista de implantação e a quantidade de viagens); 5. depois que o coordenador possui a lista confirmada dos clientes aptos para a instalação, ele envia um para um dos analistas de implantação, a fim de agendar a instalação e a realização do treinamento junto ao cliente. Se houver êxito com relação ao agendamento, um estagiário prepara o material necessário para a implantação. O analista de implantação deve informar ao coordenador toda evolução, desse agendamento, junto ao cliente; 6. quando confirmado o agendamento junto às empresas contratantes, por parte dos analistas de implantação, o coordenador envia um com todos os nomes dos analistas e os destinos para o setor de viagens (RH), a fim de que sejam realizadas as reservas de passagens, de hospedagens, da locação de carros e outros detalhes que permitam a viagem; e 7. por último, os analistas de implantação viajam e informam ao coordenador, por telefone ou por , a situação em que se encontra a implantação Objetivo da demanda Mostrar que o deslocamento dos efetivos do Setor de Implantação gera altos custos e a demora na implantação do Vale-pedágio Hipóteses preliminares formuladas a partir da demanda Levando em conta o objetivo da demanda e considerando as entrevistas com o gerente de operação e com o coordenador de implantação, foram formuladas as seguintes hipóteses preliminares: 1. as despesas do setor de operações são altas devido ao deslocamento dos analistas de implantação e de treinamento às empresas contratantes em todo o território nacional, ocasionando gastos com transporte, alimentação, comunicação e estadia desses funcionários. Além disso, também há despesas com a contratação do serviço terceirizado. 2. a demora na implantação acontece devido ao deslocamento de um analista a empresa contratante. O setor de operações aguarda, quando possível, outras solicitações de instalações de outros clientes próximos para um deslocamento de pessoal com um custo menor, para evitar os deslocamentos extremistas (localmente distantes). Essa situação pode atrasar a instalação e o treinamento devido à distância e ao custo do deslocamento para uma única instalação, pois a FXK2007 aguarda um intervalo de tempo, para que outra empresa mais próxima (localmente), também, contrate o serviço. 3. com base em verbalização de um analista de desenvolvimento citada, posteriormente, na secção 6 deste trabalho, a alta despesa e a grande demora na implantação poderiam ser evitadas, se houvesse a automatização do processo de implantação. Ou seja, substituir a checagem de configuração, realizada pela empresa terceirizada, por um software executado pelo próprio cliente e a própria instalação do sistema por um software executado remotamente. 4. o treinamento pode provocar atrasos. Às vezes, o usuário do sistema não possui uma agenda disponível em paridade com os analistas de implantação para receber o 6

7 treinamento necessário, ocasionando atraso na implantação. 5. Características da população Esta seção restringe-se a descrever as características dos envolvidos do setor de operações. Essa descrição está baseada no resultado do tratamento estatístico aos dados coletados a partir da entrevista formal aplicado ao responsável pelo Setor de Recursos Humanos. O quadro de funcionários da FXK2007, além de profissionais da diretoria, é composto pelos analistas (financeiros, de sistemas, de suporte, de redes de computadores, de implantação), vendedores, estagiários e atendentes. O setor responsável pela solicitação da demanda é constituído por um gerente operacional, quatro estagiários, três analistas de implantação e um coordenador de setor. No total, a FXK2007 possui trinta empregados, conforme dito anteriormente. Sua dimensão social e demográfica não é muito diversificada. A população dos trabalhadores, no setor operacional, é formada por analistas de sistemas, com faixa etária entre 20 anos e 26 anos, exceto os estagiários que devem estar em fase final do curso de graduação em sistemas de informação ou similar. A maioria dos trabalhadores é de solteiros e do sexo masculino. O salário dos profissionais acompanha o mercado de trabalho. Com relação ao tempo de serviço na empresa, pode-se afirmar, com base na figura 1, que a maioria dos profissionais trabalha de 03 a 04 anos na FXK2007. FIGURA 1 Gráfico sobre o percentual de funcionários por tempo de serviço. Quanto à experiência profissional, a maioria dos funcionários (34%) possuem pouco tempo de experiência (Figura 2). FIGURA 2 Gráfico sobre o percentual de funcionários por experiência profissional. Com respeito ao nivel de formação, a maioria dos profissionais é de graduados (Figura 3), havendo poucos especialistas. 7

8 FIGURA 3 Gráfico sobre o percentual de funcionários por nível de formação. 6. Análise de uma atividade Nesta seção está sendo tratado uma única atividade, dentre outras, realizada por um dos estagiários, do setor de implantação. Em uma observação breve do posto de trabalho, tendo em vista a atividade da ação ergonômica, foi relatado ao estagiário, pelo analista de implantação, que estava em um cliente, que: a instalação do sistema possuía algum tipo de erro, pois ele não estava conseguindo configurá-lo. Imediatamente, o estagiário perguntou a todos que estavam na sala: -...alguém já viu o erro...?. Como ninguém respondeu afirmativo, o estagiário passou a seguinte instrução: -...tenta de novo a instalação a partir do zero.... Novamente, o analista retorna a ligação e afirma não conseguir dar continuidade. Então, o estagiário transfere a ligação para o setor de desenvolvimento, que relatou não ser possível a solução desse problema de imediato e que estariam trabalhando para resolvê-lo o mais rápido possível. Diante desse acontecimento, foi perguntado ao analista de suporte quanto tempo poderia levar para a chegada da solução. Ele respondeu que poderia ser em minutos, horas ou dias. A demora para encontrar a possivel solução atrasou a instalação, que geralmente leva um dia, durou um dia e meio, ocasionando ainda o aumento dos gastos com esse analista, pois ele teve que retornar ao cliente até a instalação ser completada. Esses dados qualitativos oriundos da observação realizada podem estar relacionados ao desenvolvimento do programa de instalação com problemas de qualidade. Esse fato sugere uma observação do Setor de Desenvolvimento, visto que o mesmo é responsável pela elaboração dos programas. Vale lembrar que, segundo Wisner (1987), a qualidade é muitas vezes considerada como uma conseqüência da produção. Uma verbalização proferida de um analista de desenvolvimento para um estagiário foi a seguinte: -...não sei porque até agora ninguém pensou em desenvolver um sistema para checar e instalar o Vale-pedágio.... Em contrapartida, o estagiário perguntou: - E quem vai viajar para conhecer as cidades?. 7. Considerações finais Este trabalho abordou um estudo de caso sobre análise ergonômica da demanda, considerando o detalhamento de um processo e de uma atividade do setor de implantação da empresa FXK2007. Nesse sentido, pode-se observar que se confirma a demanda do cliente, acerca dos altos custos com o deslocamento dos efetivos e a demora no processo de implantação do Vale-Pedágio. E, com base na EAT e em verbalização obtida durante a observação de uma atividade, é possível que a solução ou uma das soluções se encontre no fato de que a verificação da configuração mínima dos recursos computacionais da empresa contratante e a implantação do sistema poderiam ser automatizadas. Ou seja, nesse momento de resultado parcial do estudo de caso, existe a desconfiança de que a possivel solução para 8

9 empresa seria substituir a checagem dessa configuração, realizada por uma empresa terceirizada, e a própria implantação, ambas, por um pacote que poderia ser executado pelo cliente. Além disso, constatou-se que durante a continuidade do trabalho deveria ser investigado mais profundamente sobre a inexperiência dos profissionais, do setor de operações; sobre o motivo pelo qual estagiários realizam tarefas que deveriam ser executadas por profissionais qualificados e sobre a ausência de documentação para registrar os problemas/soluções ocorridos durante a implantação. Referências FIALHO, F.; SANTOS. Manual de Análise Ergonômica do Trabalho ª Edição. Gênesis: Curitiba, GUÉRIN, F., et. al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo: Editora Edgard Blücher ltda, p. LAVILLE, A. Ergonomia São Paulo: EPU, WISNER, A. A inteligência no trabalho: textos selecionados de ergonomia São Paulo: FUNDACENTRO, A. Por dentro do trabalho. Ergonomia: método & técnica São Paulo: Oboré, SANTOS, N.; FIALHO, F. A. P. Manual de análise ergonômica do trabalho. Curitiba; Genesis, TORRES, Lisana. O papel da análise da demanda e seus principais componentes: um estudo de caso em uma lavanderia hospitalar Dissertação de mestrado (Mestrado em Engenharia de Produção)- Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Disponível em: < Acesso em: 06 ago

A consultoria redefinida

A consultoria redefinida A consultoria redefinida UMA NOVA VISÃO EM ESCRITÓRIO DE CONSULTORIA O AXIOMA LEGAL se fundamenta no próprio sentido do termo, de equilíbrio e ponderação, e tem como eixo ativo de atuação a eficaz proteção

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC Configurador Automático e Coletor de Informações Computacionais GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO software livre desenvolvido pela Dataprev Sistema de Administração

Leia mais

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Castanhal Faculdade de Sistemas de Informação Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Elisiane M. Soares,

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

Cobrança e Módulo Cedente

Cobrança e Módulo Cedente Processo n.5 Processos de Produtos e Serviços Procedimento n. 5.7 Cobrança e Módulo Cedente 2 Sumário SEÇÃO 1 -COBRANÇA E MÓDULO CEDENTE... 4 CAPÍTULO 1 - DIRETRIZES... 4 1. Referência Normativa... 5 2.

Leia mais

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE!

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! A EMPRESA A Fast Solution é uma empresa especializada em desenvolver soluções integradas em sistemas de impressão,

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Há mais de 10 anos ajudando igrejas de todo o Brasil a se fortalecer, crescer e cumprir sua missão. Marcos Antonio Bassoli

Há mais de 10 anos ajudando igrejas de todo o Brasil a se fortalecer, crescer e cumprir sua missão. Marcos Antonio Bassoli Informatize sua igreja com a Gileade Sistemas! A empresa A Gileade Sistemas busca o que há de melhor em tecnologia para oferecer às igrejas soluções que auxiliem na organização administrativa e que possam,

Leia mais

Introdução. 1. Introdução

Introdução. 1. Introdução Introdução 1. Introdução Se você quer se atualizar sobre tecnologias para gestão de trade marketing, baixou o material certo. Este é o segundo ebook da série que o PDV Ativo, em parceria com o Agile Promoter,

Leia mais

Contrato Comercial. Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão...

Contrato Comercial. Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... Contrato Comercial Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... : Emitido por: 0 Contrato Comercial Pelo presente instrumento, firma-se o acordo comercial

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS Características Design inovador Controle de acesso Permite criar usuários com senhas podendo-se definir no sistema quais as funcionalidades cada

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

DISASTER RECOVERY PLAN. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

DISASTER RECOVERY PLAN. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com DISASTER RECOVERY PLAN Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução O principal objetivo de um plano de continuidade de negócios (BCP Business Continuity Plan) é garantir a operação

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Levantamento de Requisitos de Software. Sistema Integrado de ATendimento (SIAT)

Levantamento de Requisitos de Software. Sistema Integrado de ATendimento (SIAT) Levantamento de Requisitos de Software Sistema Integrado de ATendimento (SIAT) o 1. Técnicas Levantamento de Requisitos 3 1.1 Levantamento Orientado a Ponto de Vista-----------------------------------------------

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Versão 1.0 Julho/2012 ÍNDICE 1 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO... 4 1.1 Equipamento e Sistemas Operacionais 4 1.1.1

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO é um sistema de informações especialista, concebido e desenvolvido para automatizar, integrar e dar suporte aos principais processos utilizados

Leia mais

Sumário do Plano de Testes

Sumário do Plano de Testes GESTOC Versão 9.1 Plano de Testes Sumário do Plano de Testes 1. Introdução... 2 2. Escopo... 2 3. Implementações... 2 0002061: Emissão de notas de remessa com vasilhames e embalagens... 3 0002062: Emissão

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014.

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. RIO GRANDE DO NORTE SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. Monitoramento de veículos na Revenda Francisco Correia E-mail: zonanortegas@ig.com.br O Mercado de GLP em Natal/RN O Mercado de GLP em Natal/RN

Leia mais

5 Experiência de implantação do software de roteirização em diferentes mercados

5 Experiência de implantação do software de roteirização em diferentes mercados 5 Experiência de implantação do software de roteirização em diferentes mercados 5.1 Introdução Após apresentação feita sobre os processos para implantação de um software de roteirização de veículos da

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Comitê Consultivo Governamental

Comitê Consultivo Governamental Comitê Consultivo Governamental Regras de auxílio viagem do GAC 23 de junho de 2015 Histórico O orçamento da ICANN determinou o auxílio viagem para 30 membros do GAC em cada encontro da ICANN. Esses membros

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

ALGUNS DIFERENCIAIS. Operadores a Diretoria.

ALGUNS DIFERENCIAIS. Operadores a Diretoria. A EMPRESA Desde nossa fundação em 1987, nos especializamos em Sistemas de Segurança. Ao longo destes anos de atuação no mercado, acumulamos experiência também em várias áreas como: Monitoramento, Logística,

Leia mais

Manual de utilização do Relatório de Viagens

Manual de utilização do Relatório de Viagens Manual de utilização do Relatório de Viagens Os Módulos do Sistema de Relatório de Viagens foram criados tendo com base a Regulamentação de Viagem da MGS - Minas Gerais Administração e Serviços S/A (RG/AD/02/10ª).

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa.

Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa. Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa. Economizar é a prioridade e sabemos que é possível ter até 40% de economia se a empresa nunca teve nenhum tipo de controle

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Implantação NG ADM. Setor Implantação

Implantação NG ADM. Setor Implantação Implantação NG ADM Setor Implantação Este treinamento faz parte da Metodologia Geral de implantação ( Manual de serviços ) Tem o foco teórico É flexível e pode ser adaptada Ainda está em evolução Orientações

Leia mais

Esses recursos aplicados possibilitaram gerar soluções desktop e WEB para atividades de:

Esses recursos aplicados possibilitaram gerar soluções desktop e WEB para atividades de: Curitiba, de de 20. REF. AQUISIÇÃO DE LICENÇAS DE USO. A Empresa A Kankei é uma empresa com mais de 10 anos de atuação na área de gerenciamento de Relacionamentos, seja entre empresa e clientes, empresa

Leia mais

PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit)

PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit) PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit) Agenda A palestra Angola Cliente O projeto Usando o PMBOK Usando o Cobit Lições Aprendidas Conclusão

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

Gerenciamento de Problemas

Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Problemas O processo de Gerenciamento de Problemas se concentra em encontrar os erros conhecidos da infra-estrutura de TI. Tudo que é realizado neste processo está voltado a: Encontrar

Leia mais

REVISÕES C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO. Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data. 0 C Emissão inicial. DD MAC MAC RPT 30/03/12

REVISÕES C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO. Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data. 0 C Emissão inicial. DD MAC MAC RPT 30/03/12 1/8 REVISÕES TE: TIPO EMISSÃO A - PRELIMINAR B - PARA APROVAÇÃO C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO E - PARA CONSTRUÇÃO F - CONFORME COMPRADO G - CONFORME CONSTRUÍDO H - CANCELADO Rev. TE Descrição

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO

NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO Segunda Passagem Integrada Grátis 1) Quando será lançada a segunda passagem gratuita? Será lançada no dia 1 de julho. 2) Como funcionará a segunda passagem gratuita? O passageiro

Leia mais

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos:

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos: Orientações para Solicitação e Prestação de Contas de Diárias de acordo com o Decreto nº 3328-R, de 17 de junho de 2013. DIÁRIAS Diárias são indenizações pagas antecipadamente para cobrir despesas com

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP sistema para gerenciamento de instituições de ensino DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP Nossa Empresa A Sponte Informática é uma empresa brasileira, localizada em Pato Branco, cidade considerada pólo

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

Software para Gestão de Equipes Externas Produtividade e Controle sobre sua equipe externa

Software para Gestão de Equipes Externas Produtividade e Controle sobre sua equipe externa Software para Gestão de Equipes Externas Produtividade e Controle sobre sua equipe externa A MobiView é originada do Grupo Original Brasil, fundado em 1990 e desde 2005 é especializada em desenvolvimento

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 O objetivo deste roteiro é descrever os passos para a instalação do UNICO. O roteiro poderá ser usado não apenas pelas revendas que apenas estão realizando

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria Contrato de locação de serviços que entre si fazem (nome e qualificação de quem está contratando: natureza ou profissão, endereço e dados como

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Fenícia Automação Comercial

Fenícia Automação Comercial Fenícia Automação Comercial Introdução Indicado para estabelecimentos comerciais, rede de lojas ou franquias, o sistema FENÍCIA AUTOMAÇÃO COMERCIAL traz uma série de tecnologias de alto valor agregado

Leia mais

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Montar o Termo de Abertura.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARTE I - INTRODUÇÃO I Requisitos do Sistema. Para utilização do Sistema de Informações Gerenciais SIG, deve-se ter os seguintes requisitos: Acesso a Internet: Discado ou Banda Larga. Navegador de Internet:

Leia mais

TREINAMENTO TAM VIAGENS

TREINAMENTO TAM VIAGENS TREINAMENTO TAM VIAGENS OBJETIVO DA PESQUISA Avaliar o atendimento das agências de viagens TAM VIAGENS, bem como verificar se os padrões estabelecidos estão sendo seguidos. INSTRUÇÕES DA PESQUISA Alguns

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

3. Documentos de referência Manual de Eventos Item 3

3. Documentos de referência Manual de Eventos Item 3 Sumário 1. Objetivo 2. Envolvidos 3. Documentos de referência 4. Definições e codificações 5. Ciclo do processo 6. Fluxograma 7. Lista das Atividades e das responsabilidades 8. Arquivos 9. Anexos 1. Objetivo

Leia mais

DIRETORIA DISTRIBUIÇÃO. Assessoria de Gestão do Projeto Energia + BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO BIRD

DIRETORIA DISTRIBUIÇÃO. Assessoria de Gestão do Projeto Energia + BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO BIRD DIRETORIA DISTRIBUIÇÃO Assessoria de Gestão do Projeto Energia + BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO BIRD Loan: 7884 - BR TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO: Contratação de

Leia mais

AS VIAGENS DE NEGÓCIOS SÃO A TERCEIRA MAIOR DESPESA DAS EMPRESAS, DEPOIS DE FOLHA DE PAGAMENTO E TECNOLOGIA

AS VIAGENS DE NEGÓCIOS SÃO A TERCEIRA MAIOR DESPESA DAS EMPRESAS, DEPOIS DE FOLHA DE PAGAMENTO E TECNOLOGIA AS VIAGENS DE NEGÓCIOS SÃO A TERCEIRA MAIOR DESPESA DAS EMPRESAS, DEPOIS DE FOLHA DE PAGAMENTO E TECNOLOGIA Segundo o IEVC (Indicadores Econômicos de Viagens Corporativas), no ranking das receitas, o aéreo

Leia mais

Dell Infrastructure Consulting Services

Dell Infrastructure Consulting Services Proposta de Serviços Profissionais Implementação do Dell OpenManage 1. Apresentação da proposta Esta proposta foi elaborada pela Dell com o objetivo de fornecer os serviços profissionais de implementação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Adler H. Schmidt, Caroline F. Vicentini, Patrick P. Viera, Ronaldo C. M. dos Santos, Andrea S. Charão Universidade

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO 2015 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Guia de preparação para o exame da Axis

Guia de preparação para o exame da Axis Diretrizes Guia de preparação para o exame da Axis Axis Certification Program Índice 1. Introdução 3 2. O que é o Axis Certification Program? 3 3. Detalhes do exame 4 4. Preparação recomendada para o exame

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Novidades da Versão 3.0.0.30

Novidades da Versão 3.0.0.30 Novidades da Versão 3.0.0.30 Alteração Equipamento Unidade Instalação Inserida informação Telemetria na Tela de Alteração de Equipamento Unidade de Instalação (326). A informação Roaming Internacional

Leia mais

Casos de Uso. Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software

Casos de Uso. Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software Um caso de uso descreve o que seu sistema faz para atingir determinado objetivo

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

MANUAL DE TRABALHO - CONTRATO MENSAL - MTQ Rev. 08 Criado em: 30/03/2012 Última revisão em: 08/09/2014

MANUAL DE TRABALHO - CONTRATO MENSAL - MTQ Rev. 08 Criado em: 30/03/2012 Última revisão em: 08/09/2014 MANUAL DE TRABALHO - CONTRATO MENSAL - MTQ Rev. 08 Criado em: 30/03/2012 Última revisão em: 08/09/2014 MANUAL DE TRABALHO A Qualitá Ocupacional, com o objetivo de facilitar a utilização dos serviços prestados

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

PROCEDIMENTO DE VIAGENS

PROCEDIMENTO DE VIAGENS São Luís MA 2/ 8 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. ABRANGÊNCIA... 3 5. DEFINIÇÃO... 3 5.1 Viagem... 3 5.2 Tipos de viagens... 3 5.3 Meios de transporte;... 4 5.4 Cargos...

Leia mais

Análise Estruturada de Sistemas

Análise Estruturada de Sistemas Análise Estruturada de Sistemas Capítulo 3 Estudo de Viabilidade Definição das Necessidades Funcionais O propósito desta etapa é produzir um documento formal que contenha uma descrição detalhada da proposta,

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Agência Virtual - O consumidor acessando sua conta de água pela Internet

Agência Virtual - O consumidor acessando sua conta de água pela Internet Agência Virtual - O consumidor acessando sua conta de água pela Internet Autores: Leandro Martini Ribeiro - Engenheiro civil pelo IME - Instituto Militar de Engenharia, 1978, engenheiro da F.SESP/FUNASA

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

Perguntas e respostas

Perguntas e respostas Diretrizes Perguntas e respostas Axis Certification Program Índice 1. Finalidade e benefícios 3 2. Como tornar-se um Axis Certified Professional 3 3. Após o Exame 5 4. Diferença entre o Axis Certification

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Controle Ambiental do Transporte de Produtos Perigosos. Belo Horizonte, Fevereiro de 2015

Controle Ambiental do Transporte de Produtos Perigosos. Belo Horizonte, Fevereiro de 2015 Controle Ambiental do Transporte de Produtos Perigosos Belo Horizonte, Fevereiro de 2015 OCORRÊNCIA 2006 M OCORRÊNCIA 2007 OCORRÊNCIA 2008 SUMÁRIO 1) Histórico 2) Instrução Normativa IBAMA n.º 05/2012

Leia mais

Software para Gestão de Frotas Economia e Controle total de seus veículos

Software para Gestão de Frotas Economia e Controle total de seus veículos Software para Gestão de Frotas Economia e Controle total de seus veículos A MobiView é originada do Grupo Original Brasil, fundado em 1990 e desde 2005 é especializada em desenvolvimento de softwares para

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS

CATÁLOGO DE SERVIÇOS Partner MASTER RESELLER CATÁLOGO DE SERVIÇOS SUPORTE TÉCNICO in1.com.br Explore Mundo! seu Conteúdo 1 - Objetivo 2 - Serviços prestados por meio do contrato de manutenção e suporte anual 2.1 - Primeira

Leia mais

www.gerenciadoreficaz.com.br

www.gerenciadoreficaz.com.br Fone: (62) 4141-8464 E-mail: regraconsultoria@hotmail.com www.gerenciadoreficaz.com.br Guia Prático do Usuário Manual de Instalação Gerenciador Eficaz 7 2 Manual do Usuário Gerenciador Eficaz 7 Instalando

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

SYSLOG Sistema de Logística. Modelo do Projeto

SYSLOG Sistema de Logística. Modelo do Projeto SYSLOG Sistema de Logística Modelo do Projeto Fac Senac Sumário 1. Título do Projeto... 3 2. Equipe de Elaboração do Projeto... 3 3. Apresentação... 3 4. Justificativa... 3 a. Benefícios esperados... 3

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA PRO CONTROL

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA PRO CONTROL Elaborado Por: Henrique Aren Troitinho Versão: 1.0 Data: 04/11/08 Elaborado por: Henrique Aren Troitinho Versão: 1.0 Data: 04/11/2008 Página 2 de 22 Índice: 1. Finalidade do Pro Control Pág. 03 2. Instalação

Leia mais

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares.

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Introdução A simulação do retorno sobre o investimento (do inglês ROI return on investment) tem sido utilizada como importante ferramenta

Leia mais

Impresso em 27/08/2015 12:17:14 (Sem título)

Impresso em 27/08/2015 12:17:14 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Leonardo Camargo/BRA/VERITAS em 07/08/2013 Verificado por Sidney Santos em 09/12/2013 Aprovado por Sergio Suzuki/BRA/VERITAS em 09/12/2013 ÁREA LNS Tipo Instrução Administrativa

Leia mais