A Ergonomia consiste num conjunto de conhecimentos a respeito do desempenho do ser humano em atividades de trabalho, a fim de aplicá-los à concepção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Ergonomia consiste num conjunto de conhecimentos a respeito do desempenho do ser humano em atividades de trabalho, a fim de aplicá-los à concepção"

Transcrição

1 Análise da demanda ergonômica do trabalho e o deslocamento de efetivos de uma empresa de tecnologia da informação: teoria e prática em um estudo de caso Altemar Sales de Oliveira (COPPE/UFRJ) Rosa Amelita Sá Menezes da Motta (UFRJ) Saulo Bárbara de Oliveira (COPPE/UFRJ) Renato Ramos Coelho (UNIPAC) Resumo: Este artigo aborda o resultado parcial de um estudo de caso, realizado em uma empresa de tecnologia da informação, sobre o deslocamento de efetivos e a demora para a instalação de um sistema (Vale-Pedágio) em empresas de transportes de carga. Também, apresenta alguns conceitos teóricos essenciais da análise ergonômica do trabalho a serem utilizados na prática da análise da demanda. Palavras-chave: Análise Ergonômica do Trabalho; Ergonomia; Ergonomia do Trabalho; Análise da Demanda. 1. Introdução A análise da demanda é a primeira etapa da intervenção da Análise Ergonômica do Trabalho (AET) e tem por objetivo compreender a natureza e a dimensão dos problemas apresentados, permitindo a elaboração de um plano de intervenção para abordá-los. Consiste no levantamento dos dados sobre a situação de trabalho, tais como: tipo de tecnologia empregada; organização do trabalho adotada; principais características da mão-de-obra; principais aspectos sócio-econômicos; diversos pontos de vista do problema formulado pela demanda. Nessa etapa que são definidos os problemas da situação de trabalho a ser analisada, bem como quais são os limites para essa análise (FIALHO e SANTOS, 1997). Dentro desse contexto, muitas empresas, das mais diversas áreas, têm buscado soluções baseadas na AET para dar continuidade a seus negócios, visando maior competitividade no mercado. Uma dessas empresas, do ramo de Tecnologia da Informação (TI), aqui chamada de FXK2007 para que a sua identidade seja mantida em sigilo, encontra-se em foco neste trabalho. Para a sua confecção, foram realizadas 06 visitas à sede dessa empresa. Cada visita durou em média duas horas. As duas primeiras visitas foram à gerência operacional, à diretoria e aos gerentes de setores juntos em uma sala de reunião. A terceira foi uma entrevista com o responsável pelo setor de recursos humanos e pelo setor de operações. A quarta tratou de coletar dados acerca das condições de trabalho e entrevistar o coordenador pelo setor de operações. Na quinta e na última foram realizadas observações acerca de uma atividade do setor de implantação. Assim, este artigo apresenta um estudo de caso da aplicação da análise da demanda no tipo de empresa mencionado anteriormente. Está organizado da seguinte forma: primeiramente aborda alguns fundamentos teóricos relativos à AET; em seguida, apresenta a descrição da empresa, revelando algumas características da empresa; em terceiro, trata da análise da demanda e de uma atividade. Por último, são descritos os comentários finais. Limitou-se a realizar apenas a análise da demanda no setor de operações da empresa. 2. Fundamentos teóricos da AET 1

2 A Ergonomia consiste num conjunto de conhecimentos a respeito do desempenho do ser humano em atividades de trabalho, a fim de aplicá-los à concepção de tarefas, dos instrumentos, das máquinas e dos sistemas de produção (LAVILLE, 1977). Para Wisner (1994) mostrar o interesse de estudar a atividade real de trabalho dos operadores, considerada não muito raramente diferente da atividade prescrita pela organização, é essencial para melhorar as condições de trabalho e da produção. De acordo com esse autor, a metodologia da AET comporta cinco etapas de importância e de dificuldades diferentes: 1. análise da demanda e proposta de contrato; 2. análise do ambiente técnico, econômico e social; 3. análise das atividades e da situação de trabalho e restituição dos resultados; 4. recomendações ergonômicas; 5. validação da intervenção e eficiência das recomendações. A análise do trabalho, dirigida de maneira ampla e procurando observar o contexto organizacional e de trabalho, permite identificar e avaliar como as diversas condicionantes tecnológicas, econômicas, organizacionais e sociais afetam o trabalho dentro da empresa. Além disso, conduz ao estabelecimento do quadro geral de necessidades da organização, do ponto de vista da ergonomia. Wisner (1987) afirma que a análise da demanda varia consideravelmente, conforme se trate de ergonomia de produto ou de produção. As demandas de ergonomia da produção podem possuir como origem dificuldades diretas na produção. Santos e Fialho (1995) salientam três tipos de demandas na intervenção ergonômica: 1. demandas formuladas para recomendações na implantação de um novo sistema de produção; 2. demandas formuladas para identificar novos condicionantes de produção, introduzidos pela implantação de uma nova tecnologia; 3. demandas formuladas para resolver disfunções do sistema já implantado (relativos ao comportamento da máquina, do homem ou da organização). Dentro desse contexto, a análise da demanda é essencial para a compreensão de fatores econômicos, sociais, organizacionais técnicos e tecnológicos para AET, dentro de uma empresa (GUÉRIN et al., 2001). Por essa razão, a princípio, foi considerada a demanda descrita por último. A seguir é apresentada uma descrição da FXK2007 com base nos dados e informações coletados nas entrevistas (formais e informais) e nos questionários aplicados. 3. Descrição da empresa A FXK2007 é uma empresa com 30 funcionários em seu quadro de pessoal, que se preocupa com o desenvolvimento de soluções, de logística e de controle de pagamento de pedágio, automatizadas para empresas transportadoras de cargas. A empresa foi fundada no ano de 2002 em parceria com outra empresa líder no fornecimento de soluções corporativas de Tecnologia da Informação. Sua criação foi estabelecida por meio da Resolução nº 107, para operação em todo o território nacional, oferecendo o Sistema de Vale-pedágio que permite o fornecimento obrigatório e a emissão da documentação exigida dos embarcadores e transportadores de carga pela Lei do Vale-pedágio, criada pelo Governo Federal. Esse sistema foi desenvolvido em ASP Net e Visual Basic (ambas, linguagens de programação), tendo sido usado, para o armazenamento e a recuperação das informações, o sistema de banco de dados SQL Server, sendo disponibilizado na Internet. Quanto aos serviços de segurança dos dados on-line, ficaram a cargo da empresa SignSecurity (nome fictício). Algumas ferramentas de apoio que acompanham o Vale-pedágio são o Roteirizador, o Controle de Frotas e outras. O Roteirizador permite que se trace qualquer rota das rodovias brasileiras, incluindo 2

3 praças de pedágio, balanças, postos de gasolina, tempo médio, postos de polícia, entre muitas outras opções. O controle de frotas, por sua vez, pode gerir toda a frota de veículos da empresa de carga, acompanhando o consumo de combustível, desgastes dos pneus, hora-extra dos motoristas, monitoramento de carga entre outros. Acerca da dimensão econômica e comercial, a FXK2007 não possui monopólio desse tipo de solução e enfrenta a concorrência acirrada com outras empresas. O funcionamento do Vale-pedágio consiste num triângulo de empresas envolvidas. Em uma aresta, a FXK2007, que é a responsável pela criação, gestão e venda do vale, exclusivamente para as empresas transportadoras proprietárias das cargas. Em outra, as empresas donas das cargas que compram os vales da FXK2007; por último, as concessionárias de rodovias, que são obrigadas a receberem os vales concebidos pela FXK2007 e comprados por essas empresas. Os vales vendidos pela FXK2007 possuem o mesmo valor dos vales vendidos pelas concessionárias. O lucro da FXK2007 está relacionado à venda e a utilização do Vale-pedágio pelos seus clientes. Uma empresa, que utiliza o Vale-pedágio, pode receber os Cupons de Vale-pedágio em um local pré-estabelecido ou, como uma segunda opção, emiti-los em seu próprio estabelecimento, usando um Bureau de Emissão Local (software, acesso ao Site do Valepedágio, impressora térmica e papel específico). Em ambos os casos, é necessário que o estabelecimento contratante assine um termo de aceitação e compromisso, exigido pelo setor comercial da FXK2007, gerando imediatamente uma ordem de serviço para a instalação do sistema. No segundo caso, essa empresa deve atender aos requisitos mínimos para a essa instalação. Com o propósito de checar esses requisitos, é necessário que a FXK2007 contrate um serviço terceirizado, somente quando a empresa contratante estiver localizada fora do município do Rio de Janeiro, com o propósito da verificação da configuração computacional exigida para a utilização do Vale-pedágio. Somente após a liberação, por conta dessa avaliação, será enviado à empresa contratante um analista, pelo setor de operações da FXK2007, para dar continuidade à implantação. A FXK2007 possui três escritórios comerciais, responsáveis apenas pela venda de seus produtos para empresas transportadoras em estados brasileiros, sendo que todas as atividades administrativas e tecnológicas da empresa são desenvolvidas na matriz, que está localizada no Rio de Janeiro. Quanto à dimensão técnica, pode-se afirmar que a FXK2007 produz diversas soluções em TI, mas o seu principal produto é o Vale-pedágio. Com esse sistema, uma empresa de transporte de carga pode programar suas viagens por todo o Brasil, saindo de qualquer lugar, com todos os pedágios do trajeto desejado impressos em papel moeda e com a documentação exigida pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Esses pedágios são aceitos por todas as concessionárias do país, sendo que o vale impresso só pode ser utilizado para a praça de pedágio a qual o mesmo se destina. O processo consiste em determinar o trajeto a ser seguido pelo caminhão, fornecendo o ponto de partida e ponto de chegada, permitindo escolhas de rotas alternativas. Esse procedimento é realizado diretamente no site do Valepedágio. O segundo passo é a impressão e, por último, a passagem do vale em uma das cabines de pedágio da rodovia em questão. Após a assinatura do contrato de prestação dos serviços do Vale-pedágio assinado, a impressão dos vales pode ser realizada das seguintes formas: 1. nos estabelecimentos da própria empresa contratante ou em um local por ela designada, em ambos os casos é chamada de BEL. Um BEL consiste em que o sistema seja implantado no local desejado pelo cliente (empresa contratante). Além do software, também, serão fornecidas uma impressora térmica, fitas para impressora e as bobinas (papel para 3

4 impressão). Todas as reposições, necessárias para a manutenção e utilização, são controladas via software pela FXK2007. Em caso de um consumo extraordinário pela empresa contratante, deve haver uma solicitação, com uma antecedência de 3 dias úteis, quanto ao volume estimado. 2. nos escritórios de venda e locais estabelecidos pela FXK2007 chamados de BUNKER. Um BUNKER é responsável pela impressão e remessa, via correios ou serviços de entrega, ao cliente contratante no prazo de até 5 dias úteis. O processo de compra, por parte do cliente, é realizado via internet no site do Vale-pedágio. 3. na matriz da empresa por meio do serviço de atendimento ao cliente (0800). Este atendimento pode também realizar o serviço de vendas de vales. Nesse caso, a entrega segue o mesmo procedimento descrito no segundo caso. A FXK2007 tem como objetivo principal suprir a necessidade de diversidade em soluções de TI para o segmento de pedágio, contribuindo com produtos seguros, transparentes, eficientes e de acordo com a legislação vigente, para as empresas transportadoras de cargas em todo o Brasil. Com base nessa descrição a análise da demanda teve como ponto de partida a grande motivação da empresa em busca de soluções para reduzir os gastos com os seus efetivos do setor de operações e agilizar o processo de instalação do sistema. 4. Análise da demanda A diretoria da FXK2007 realizou uma reunião com os gerentes das áreas comercial, operacional, de suporte, de desenvolvimento e financeiro, para tratar das estatísticas de despesas operacionais. Nessa reunião, ela demonstrou a sua insatisfação com os altos custos e com a demora da implantação do Vale-pedágio. Esses fatos estimularam o gerente de operações a rever o processo de implantação. Diante desse quadro, esse gerente, sabendo da aplicabilidade da ergonomia, resolveu contratar um profissional nessa área. Para cada analista fora da sede, os principais tipos de despesas com a implantação, são: passagem área ou terrestre, comunicação, notebook, aluguel de carro, combustível para o carro locado, diária extra de trabalho, hospedagem e outras eventuais despesas. O tempo de uma instalação é contado a partir da aceitação do contrato pelo cliente até a entrega final do sistema. A média para a instalação é de 15 dias podendo chegar a um mês. Um analista só pode atender a um cliente por dia. Para a diretoria da FXK2007 esse prazo é muito longo. Ela vem cobrando do gerente operacional, há mais de um ano, a redução do tempo e dos custos com a implantação. A análise ergonômica foi realizada com base nos seguintes passos: primeiramente, fazendo-se uma entrevista informal com o gerente operacional que expôs a demanda do seu ponto de vista e relatou alguns tópicos do funcionamento da empresa como um todo, inclusive relativos à implantação do sistema citado antes; em segundo, realizando-se uma entrevista formal com o gerente operacional, com o propósito de coletar mais informações, mais detalhadas, sobre o funcionamento da empresa; em terceiro, realizando-se uma entrevista formal com o responsável pelo setor de recursos humanos da empresa, com o propósito de coletar as características da população envolvida, tais como: idade, tempo de serviço na empresa, salário, experiência profissional, formação, estado civil e sexo; em quarto, uma entrevista formal com o coordenador de implantação para coletar dados e informações acerca do trabalho prescrito e as responsabilidades de cada funcionário; e por último, uma observação inicial de uma atividade do processo de implantação A estrutura e o funcionamento do setor de operações 4

5 A seguir estão descritas, a partir de entrevista formal realizada na segunda visita com o gerente de operações, a estrutura do setor de operações e as principais atribuições (trabalho prescrito) de cada funcionário. O setor de operações possui um gerente de operações, um coordenador de suporte, um coordenador de implantação, três analistas de implantação, um analista de suporte e quatro estagiários. Somente os estagiários trabalham em turnos. Com exceção do gerente, que fica em outra sala, todos os esses profissionais ficam lotados numa sala ampla. Cada funcionário possui um telefone e um computador em suas baias. O gerente de operações é o responsável por todo o setor de operações. O coordenador de suporte tem como atribuições liderar os estagiários e o analista de suporte, com respeito a todas as tarefas que envolvam problemas técnicos, financeiros, suporte ao usuário, atualização de dados e software, tanto dos clientes quanto das concessionárias de pedágio. O coordenador de implantação é o responsável pelos seguintes itens: a) roteiro dos deslocamentos destinado às implantações, b) equipamentos, das bobinas, das fitas, do material de treinamento, das versões de software dos clientes, entre outras. Esse roteiro visa a proporcionar a economia de tempo e dinheiro, quando possível. Segundo o coordenador, a escolha de quais analistas e a da empresa a ser visitada é realizada, consultando os analistas para saber qual deles estaria interessado em fazer a visita. Caso ninguém se manifeste, o coordenador elege um analista ao seu critério. Durante a EAT, no que diz respeito à análise da atividade, foi observado que o início da implantação tem origem na chegada de um do setor comercial, solicitando-a ao setor de operações. Não existe um software para o acompanhamento de implantação do Valepedágio. Todo esse processo é realizado por e por telefone. Os documentos, quando existem, são planilhas, folhas e ou papéis etiquetados. Ou seja, o processo é manual O detalhamento do processo de implantação A partir de entrevista com o gerente operacional, pode-se afirmar que o processo de implantação consiste nas seguintes etapas: 1. primeiro, é recebida uma solicitação formal ( ) proveniente do setor comercial, indicando o nome, CNPJ, endereço, contato (responsável pelo contrato) e o tipo de instalação BEL ou BUNKER a ser instalado no futuro cliente; 2. após receber esse do setor comercial, o coordenador de implantação repassa-o para um dos estagiários do setor e solicita a confirmação dos dados informados, anteriormente, por meio do . Então, essa confirmação é verificada no site do e- Pedagio, cadastrado pelo setor comercial ou pelo próprio cliente, e por telefone junto ao responsável pelo contato da empresa solicitante. Caso não haja pendência (falta de dados no cadastro) alguma, o estagiário agenda uma visita de uma empresa terceirizada para checagem da configuração mínima que o computador deva possuir para a instalação do sistema. Após a confirmação ou não desses itens, o estagiário envia um ao coordenador, informando o resultado dessa operação; 3. o estagiário acompanha o serviço da empresa terceirizada por telefone ou por . Em seguida, envia um ao coordenador, informando que a empresa contratante está apta para a instalação do sistema. Diante disso, o coordenador já pode enviar um analista ao cliente; 4. diariamente, o coordenador verifica se há alguma outra solicitação de implantação apta mais próxima (localmente) de outras. Caso não haja, ele sonda, informalmente, junto ao setor comercial da matriz e junto aos escritórios, se haverá possibilidade de alguma 5

6 outra implantação nessa região. Caso haja, ele aguarda o pedido formal dessa possível instalação por um intervalo de tempo. Segundo o coordenador, essa sondagem é para o trabalho de logística (minimizar os custos de deslocamento, tempo de envio do analista de implantação e a quantidade de viagens); 5. depois que o coordenador possui a lista confirmada dos clientes aptos para a instalação, ele envia um para um dos analistas de implantação, a fim de agendar a instalação e a realização do treinamento junto ao cliente. Se houver êxito com relação ao agendamento, um estagiário prepara o material necessário para a implantação. O analista de implantação deve informar ao coordenador toda evolução, desse agendamento, junto ao cliente; 6. quando confirmado o agendamento junto às empresas contratantes, por parte dos analistas de implantação, o coordenador envia um com todos os nomes dos analistas e os destinos para o setor de viagens (RH), a fim de que sejam realizadas as reservas de passagens, de hospedagens, da locação de carros e outros detalhes que permitam a viagem; e 7. por último, os analistas de implantação viajam e informam ao coordenador, por telefone ou por , a situação em que se encontra a implantação Objetivo da demanda Mostrar que o deslocamento dos efetivos do Setor de Implantação gera altos custos e a demora na implantação do Vale-pedágio Hipóteses preliminares formuladas a partir da demanda Levando em conta o objetivo da demanda e considerando as entrevistas com o gerente de operação e com o coordenador de implantação, foram formuladas as seguintes hipóteses preliminares: 1. as despesas do setor de operações são altas devido ao deslocamento dos analistas de implantação e de treinamento às empresas contratantes em todo o território nacional, ocasionando gastos com transporte, alimentação, comunicação e estadia desses funcionários. Além disso, também há despesas com a contratação do serviço terceirizado. 2. a demora na implantação acontece devido ao deslocamento de um analista a empresa contratante. O setor de operações aguarda, quando possível, outras solicitações de instalações de outros clientes próximos para um deslocamento de pessoal com um custo menor, para evitar os deslocamentos extremistas (localmente distantes). Essa situação pode atrasar a instalação e o treinamento devido à distância e ao custo do deslocamento para uma única instalação, pois a FXK2007 aguarda um intervalo de tempo, para que outra empresa mais próxima (localmente), também, contrate o serviço. 3. com base em verbalização de um analista de desenvolvimento citada, posteriormente, na secção 6 deste trabalho, a alta despesa e a grande demora na implantação poderiam ser evitadas, se houvesse a automatização do processo de implantação. Ou seja, substituir a checagem de configuração, realizada pela empresa terceirizada, por um software executado pelo próprio cliente e a própria instalação do sistema por um software executado remotamente. 4. o treinamento pode provocar atrasos. Às vezes, o usuário do sistema não possui uma agenda disponível em paridade com os analistas de implantação para receber o 6

7 treinamento necessário, ocasionando atraso na implantação. 5. Características da população Esta seção restringe-se a descrever as características dos envolvidos do setor de operações. Essa descrição está baseada no resultado do tratamento estatístico aos dados coletados a partir da entrevista formal aplicado ao responsável pelo Setor de Recursos Humanos. O quadro de funcionários da FXK2007, além de profissionais da diretoria, é composto pelos analistas (financeiros, de sistemas, de suporte, de redes de computadores, de implantação), vendedores, estagiários e atendentes. O setor responsável pela solicitação da demanda é constituído por um gerente operacional, quatro estagiários, três analistas de implantação e um coordenador de setor. No total, a FXK2007 possui trinta empregados, conforme dito anteriormente. Sua dimensão social e demográfica não é muito diversificada. A população dos trabalhadores, no setor operacional, é formada por analistas de sistemas, com faixa etária entre 20 anos e 26 anos, exceto os estagiários que devem estar em fase final do curso de graduação em sistemas de informação ou similar. A maioria dos trabalhadores é de solteiros e do sexo masculino. O salário dos profissionais acompanha o mercado de trabalho. Com relação ao tempo de serviço na empresa, pode-se afirmar, com base na figura 1, que a maioria dos profissionais trabalha de 03 a 04 anos na FXK2007. FIGURA 1 Gráfico sobre o percentual de funcionários por tempo de serviço. Quanto à experiência profissional, a maioria dos funcionários (34%) possuem pouco tempo de experiência (Figura 2). FIGURA 2 Gráfico sobre o percentual de funcionários por experiência profissional. Com respeito ao nivel de formação, a maioria dos profissionais é de graduados (Figura 3), havendo poucos especialistas. 7

8 FIGURA 3 Gráfico sobre o percentual de funcionários por nível de formação. 6. Análise de uma atividade Nesta seção está sendo tratado uma única atividade, dentre outras, realizada por um dos estagiários, do setor de implantação. Em uma observação breve do posto de trabalho, tendo em vista a atividade da ação ergonômica, foi relatado ao estagiário, pelo analista de implantação, que estava em um cliente, que: a instalação do sistema possuía algum tipo de erro, pois ele não estava conseguindo configurá-lo. Imediatamente, o estagiário perguntou a todos que estavam na sala: -...alguém já viu o erro...?. Como ninguém respondeu afirmativo, o estagiário passou a seguinte instrução: -...tenta de novo a instalação a partir do zero.... Novamente, o analista retorna a ligação e afirma não conseguir dar continuidade. Então, o estagiário transfere a ligação para o setor de desenvolvimento, que relatou não ser possível a solução desse problema de imediato e que estariam trabalhando para resolvê-lo o mais rápido possível. Diante desse acontecimento, foi perguntado ao analista de suporte quanto tempo poderia levar para a chegada da solução. Ele respondeu que poderia ser em minutos, horas ou dias. A demora para encontrar a possivel solução atrasou a instalação, que geralmente leva um dia, durou um dia e meio, ocasionando ainda o aumento dos gastos com esse analista, pois ele teve que retornar ao cliente até a instalação ser completada. Esses dados qualitativos oriundos da observação realizada podem estar relacionados ao desenvolvimento do programa de instalação com problemas de qualidade. Esse fato sugere uma observação do Setor de Desenvolvimento, visto que o mesmo é responsável pela elaboração dos programas. Vale lembrar que, segundo Wisner (1987), a qualidade é muitas vezes considerada como uma conseqüência da produção. Uma verbalização proferida de um analista de desenvolvimento para um estagiário foi a seguinte: -...não sei porque até agora ninguém pensou em desenvolver um sistema para checar e instalar o Vale-pedágio.... Em contrapartida, o estagiário perguntou: - E quem vai viajar para conhecer as cidades?. 7. Considerações finais Este trabalho abordou um estudo de caso sobre análise ergonômica da demanda, considerando o detalhamento de um processo e de uma atividade do setor de implantação da empresa FXK2007. Nesse sentido, pode-se observar que se confirma a demanda do cliente, acerca dos altos custos com o deslocamento dos efetivos e a demora no processo de implantação do Vale-Pedágio. E, com base na EAT e em verbalização obtida durante a observação de uma atividade, é possível que a solução ou uma das soluções se encontre no fato de que a verificação da configuração mínima dos recursos computacionais da empresa contratante e a implantação do sistema poderiam ser automatizadas. Ou seja, nesse momento de resultado parcial do estudo de caso, existe a desconfiança de que a possivel solução para 8

9 empresa seria substituir a checagem dessa configuração, realizada por uma empresa terceirizada, e a própria implantação, ambas, por um pacote que poderia ser executado pelo cliente. Além disso, constatou-se que durante a continuidade do trabalho deveria ser investigado mais profundamente sobre a inexperiência dos profissionais, do setor de operações; sobre o motivo pelo qual estagiários realizam tarefas que deveriam ser executadas por profissionais qualificados e sobre a ausência de documentação para registrar os problemas/soluções ocorridos durante a implantação. Referências FIALHO, F.; SANTOS. Manual de Análise Ergonômica do Trabalho ª Edição. Gênesis: Curitiba, GUÉRIN, F., et. al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo: Editora Edgard Blücher ltda, p. LAVILLE, A. Ergonomia São Paulo: EPU, WISNER, A. A inteligência no trabalho: textos selecionados de ergonomia São Paulo: FUNDACENTRO, A. Por dentro do trabalho. Ergonomia: método & técnica São Paulo: Oboré, SANTOS, N.; FIALHO, F. A. P. Manual de análise ergonômica do trabalho. Curitiba; Genesis, TORRES, Lisana. O papel da análise da demanda e seus principais componentes: um estudo de caso em uma lavanderia hospitalar Dissertação de mestrado (Mestrado em Engenharia de Produção)- Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Disponível em: < Acesso em: 06 ago

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA.

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. EDITAL CONCORRÊNCIA 01/2015 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. Este Anexo apresenta as especificações requeridas para o Sistema de Bilhetagem Eletrônica SBE a ser implantado

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria. 1ª Versão

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria. 1ª Versão Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Versão 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria PROCESSO GESTÃO DE VIAGENS 1ª Versão 2 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO 2 - VISÃO

Leia mais

Cobrança e Módulo Cedente

Cobrança e Módulo Cedente Processo n.5 Processos de Produtos e Serviços Procedimento n. 5.7 Cobrança e Módulo Cedente 2 Sumário SEÇÃO 1 -COBRANÇA E MÓDULO CEDENTE... 4 CAPÍTULO 1 - DIRETRIZES... 4 1. Referência Normativa... 5 2.

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

A TECNOLOGIA NA MINIMIZAÇÃO DE CUSTOS ADICIONADOS AO TRANSPORTE PELA NOVA CARGA HORÁRIA DE TRABALHO DOS MOTORISTAS

A TECNOLOGIA NA MINIMIZAÇÃO DE CUSTOS ADICIONADOS AO TRANSPORTE PELA NOVA CARGA HORÁRIA DE TRABALHO DOS MOTORISTAS A TECNOLOGIA NA MINIMIZAÇÃO DE CUSTOS ADICIONADOS AO TRANSPORTE PELA NOVA CARGA HORÁRIA DE TRABALHO DOS MOTORISTAS Wagner Fonseca NETZ Engenharia Automotiva Fundada em 1.996 por profissionais oriundos

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GOIÂNIA 2015 2 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO

Leia mais

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO SELECIONA: Farmacêutico Descrição: Para responder tecnicamente pela distribuição dos medicamentos, auxiliar os representantes nas orientações necessárias, auxiliar os clientes, fornecer treinamentos quanto

Leia mais

Manual de utilização do Relatório de Viagens

Manual de utilização do Relatório de Viagens Manual de utilização do Relatório de Viagens Os Módulos do Sistema de Relatório de Viagens foram criados tendo com base a Regulamentação de Viagem da MGS - Minas Gerais Administração e Serviços S/A (RG/AD/02/10ª).

Leia mais

Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014

Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014 IDENTIFICAÇÃO Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014 Data de efetivação do manual: / / Data da próxima revisão: / / Frequência de revisão: Anual REGISTRO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.6 Especificações do Sistema de Bilhetagem Eletrônica PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 2 CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA... 2 2.1 Processos

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS Versão 1.0 SUMÁRIO 1. Descrição do Local de Acesso... 1 2. Módulo Registrar Diárias... 3 3. Módulo Aprovar Diárias... 11 4. Registrar Prestação de Contas...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS Rosiane da Silva Biscaia Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades

Leia mais

CADASTRE SEU CURRICULO GRATUITAMENTE EM NOSSO SITE WWW.MDRH.COM.BR E PARTICIPE DOS PROCESSOS DE SELEÇÃO!! TELEFONE: (49) 3323 5804

CADASTRE SEU CURRICULO GRATUITAMENTE EM NOSSO SITE WWW.MDRH.COM.BR E PARTICIPE DOS PROCESSOS DE SELEÇÃO!! TELEFONE: (49) 3323 5804 Comprador - Chapecó/SC Remuneração: R$ 2500,00 até 3000,00 Plano de Saúde Descrição: Profissional para atuar na área de compras. - Formação superior em ADM ou área afins - CNH AB - Preferencialmente com

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

GLOSSÁRIO GENÉRICO ORGANIZACIONAL

GLOSSÁRIO GENÉRICO ORGANIZACIONAL GLOSSÁRIO GENÉRICO ORGANIZACIONAL Clique aqui para digitar texto. Num. Doc. Não aplicável Classif. Doc. Documento Genérico - Descrição Clique aqui para digitar texto. Versão Clique aqui para digitar texto.

Leia mais

Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação

Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação Bruno Camara Vieira (CST-Arcelor/FAESA) bruno.vieira@arcelor.com.br Daniella G. Barros S. de

Leia mais

Extração de indicadores Garantias Ocorrências. Agenda de vendas Gestão de qualidade Históricos Agenda de tarefas

Extração de indicadores Garantias Ocorrências. Agenda de vendas Gestão de qualidade Históricos Agenda de tarefas Fenícia CRM & SRM Introdução O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para

Leia mais

3ROtWLFDGH9LDJHQV±06;,%5

3ROtWLFDGH9LDJHQV±06;,%5 3ROtWLFDGH9LDJHQV±06;,%5 Revisão: 04 Data: 05/12/05 Página 1 de 5 ÒOWLPD $OWHUDomR Alterado os itens: transporte aéreo, telefonemas e comprovantes. )LQDOLGDGH Estabelecer e manter procedimentos para orientar

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17 1/17 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

NOVO DECRETO DE DIÁRIAS DE VIAGEM. Decreto nº. 45.618, de 09 de junho de 2011

NOVO DECRETO DE DIÁRIAS DE VIAGEM. Decreto nº. 45.618, de 09 de junho de 2011 NOVO DECRETO DE DIÁRIAS DE VIAGEM Decreto nº. 45.618, de 09 de junho de 2011 Belo Horizonte, agosto de 2011 Agenda Diretrizes da Alteração Organização da Norma Alterações Principais Outras Alterações O

Leia mais

GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE RASTREAMENTO POR SATÉLITE PARA MELHOR EFICIÊNCIA DA GESTÃO LOGÍSTICA - ESTUDO DE CASO

GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE RASTREAMENTO POR SATÉLITE PARA MELHOR EFICIÊNCIA DA GESTÃO LOGÍSTICA - ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas SIGMA Sistema de Gerenciamento de Manutenção CMMS - Sistema Computadorizado de Gestão da Manutenção Estrutura Base de Dados Plataforma O SIGMA é um software utilizado na plataforma

Leia mais

StarMoney Câmbio Exchange & Centurion Aluguel de Carros Av. Osaka, 600 Loja 6 Fone: (11) 4651-5649 - Centro Industrial de Arujá Arujá/SP

StarMoney Câmbio Exchange & Centurion Aluguel de Carros Av. Osaka, 600 Loja 6 Fone: (11) 4651-5649 - Centro Industrial de Arujá Arujá/SP STARMONEY CÂMBIO/EXCHANGE - Quem Somos A StarMoney é a uma credenciada da Mega Corretora de Câmbio Ltda, instituição autorizada pelo Banco Central do Brasil. É mais segurança na hora de fechar negócios

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VIAGENS E TREINAMENTO Data - 24/04/2015. Procedimento do Sistema Gestão da Qualidade

PROCEDIMENTO PARA VIAGENS E TREINAMENTO Data - 24/04/2015. Procedimento do Sistema Gestão da Qualidade FL. 01 / 08 1 OBJETIVO Este documento tem como objetivo estabelecer critérios para a emissão de bilhete de passagem aérea, reserva de hotel e locação de veículos para Serviço e/ou Treinamento em âmbito

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014.

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. RIO GRANDE DO NORTE SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. Monitoramento de veículos na Revenda Francisco Correia E-mail: zonanortegas@ig.com.br O Mercado de GLP em Natal/RN O Mercado de GLP em Natal/RN

Leia mais

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL COPYRIGHT 2008 PROCTER & GAMBLE CINCINNATI, OH 45202 U.S.A. ATENÇÃO: Todos os direitos são reservados. Nenhuma parte deste teste pode ser reproduzida por meio algum

Leia mais

Contrato Comercial. Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão...

Contrato Comercial. Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... Contrato Comercial Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... : Emitido por: 0 Contrato Comercial Pelo presente instrumento, firma-se o acordo comercial

Leia mais

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Especificação de Requisitos e Modelagem Orientada

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO 2015 ERRATA

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO 2015 ERRATA EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO 2015 ERRATA A Coordenação do Edital SENAI SESI de Inovação, no uso de suas atribuições, publica ERRATA junto ao Edital SENAI SESI de Inovação 2015, para nele fazer constar

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARTE I - INTRODUÇÃO I Requisitos do Sistema. Para utilização do Sistema de Informações Gerenciais SIG, deve-se ter os seguintes requisitos: Acesso a Internet: Discado ou Banda Larga. Navegador de Internet:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução nº 2552 Dispõe sobre o ressarcimento de diárias e transporte aos Senhores Funcionários, quando em viagem a serviço, reuniões, eventos e treinamentos dentro e fora do Estado, formalmente convocados

Leia mais

5. Estudo de Caso: SomLivre.Com

5. Estudo de Caso: SomLivre.Com 5. Estudo de Caso: SomLivre.Com 5.1. Metodologia Os dados que serão descritos neste estudo referem-se à empresa SomLivre.Com, compreendido no período de Setembro de 1999 à Novembro de 2004. Com intuito

Leia mais

SOFTWARE PROFIT 2011.

SOFTWARE PROFIT 2011. apresenta o SOFTWARE PROFIT 2011. GESTÃO DE TRANSPORTES O software PROFIT já está implantado há mais de 3 anos na REQUIN TRANSPORTES, em Belo Horizonte, e mais recentemente na ASUS. É um programa direcionado

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SET / 2013. INTRODUÇÃO O presente documento visa proporcionar ao aluno inscrito no Estágio Supervisionado do Curso

Leia mais

Política de Viagem Quatro Estações

Política de Viagem Quatro Estações 1 Gestão De Viagens Corporativas Construindo Uma Política De Viagens Mais Efetiva O documento em questão visa difundir informações, consolidar as práticas de mercado que nós consideramos importantes na

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais

A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS

A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS Alexandre Milkiewicz Sanches (UTFPR) riversonic@ibestvip.com.br Profª. Dra. Isaura Alberton de Lima (UTFPR)

Leia mais

Novidades da Versão 3.0.0.30

Novidades da Versão 3.0.0.30 Novidades da Versão 3.0.0.30 Alteração Equipamento Unidade Instalação Inserida informação Telemetria na Tela de Alteração de Equipamento Unidade de Instalação (326). A informação Roaming Internacional

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR

MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR Materiais Indiretos e Prestação de Serviços Março, 2009 2 Índice 1 - Introdução... 3 2 - Objetivos... 3 3 - Interação entre a Sadia e o Fornecedor... 3 4 - Orientações Gerais...

Leia mais

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES Página 1 de 6 Este sistema automatiza todos os contatos com os clientes, ajuda as companhias a criar e manter um bom relacionamento com seus clientes armazenando e inter-relacionando atendimentos com informações

Leia mais

Atração, retenção e qualificação de mão de obra;

Atração, retenção e qualificação de mão de obra; São Paulo - Abril de 2012 As amplas deficiências de infraestrutura do País comprometem fortemente os resultados do setor logístico. Diante da expectativa de investimento público insuficiente para reverter

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS 3 A pesquisa sobre Regionalização e Globalização de viagens corporativas, encomendada pelo Instituto Alatur e HRG Brasil foi realizada em

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo )

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) A Política de segurança da informação, na A EMPRESA, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e serviços, incluindo trabalhos executados

Leia mais

Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG

Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG Carlos Cirilo Marcelino ( FEAMIG ) carlosmarcelino1976@yahoo.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE INTRODUÇÃO Na intenção de realizar um novo sistema financeiro para a gestão de recursos de convênios celebrados pela Academia Brasileira de Ciências, o setor de informática juntamente com o setor financeiro

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

Análise Estruturada de Sistemas

Análise Estruturada de Sistemas Análise Estruturada de Sistemas Capítulo 3 Estudo de Viabilidade Definição das Necessidades Funcionais O propósito desta etapa é produzir um documento formal que contenha uma descrição detalhada da proposta,

Leia mais

ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS

ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS NÚMERO CIR.FIN.MAT.0001 Elaborada em: 08/08/2011 Atualizada em: - Quant. Páginas DEPARTAMENTO DE ORIGEM Departamento Finanças 5 1 Objetivo Este documento tem como objetivo

Leia mais

Vendedor Externo - Chapecó/SC Tipo de contrato: Remuneração: Benefícios: Descrição: Turno: Requisitos: Ref.:

Vendedor Externo - Chapecó/SC Tipo de contrato: Remuneração: Benefícios: Descrição: Turno: Requisitos: Ref.: Vendedor Externo - Chapecó/SC Fixo de 900,00, ajuda de custo, comissão de 8% sobre as vendas, diária de 70,00. Descrição: Vendedor externo. Fará viagens para o interior de São Paulo e interior de Minas

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE VIAGENS, ESTADIA E ALIMENTAÇÃO - GRUPO EDUCACIONAL UNIS -

NORMATIZAÇÃO DE VIAGENS, ESTADIA E ALIMENTAÇÃO - GRUPO EDUCACIONAL UNIS - NORMATIZAÇÃO DE VIAGENS, ESTADIA E ALIMENTAÇÃO - GRUPO EDUCACIONAL UNIS - OBJETIVO 1ª Revisão em Agosto de 2011. Definir diretrizes gerais para viagens a serviço, dos colaboradores da FEPESMIG e de suas

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE

OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE Guimarilza Barbosa de Souza João Gabriel Ribeiro Luiz Cláudio de Arruda Isoton II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 5:

Leia mais

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE!

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! A EMPRESA A Fast Solution é uma empresa especializada em desenvolver soluções integradas em sistemas de impressão,

Leia mais

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente.

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente. Copyright 2015 PMtotal.com.br - Todos os direitos reservados PMI, Guia PMBOK, PMP, CAPM são marcas registradas do Project Management Institute, Inc Simulado de 20 questões para as provas CAPM e PMP do

Leia mais

Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador

Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador 1 Apresentação Apresentamos o Processo de Viagens GENS Manual do Colaborador. Este Manual é parte integrante do Processo de Viagens GENS.

Leia mais

AS VIAGENS DE NEGÓCIOS SÃO A TERCEIRA MAIOR DESPESA DAS EMPRESAS, DEPOIS DE FOLHA DE PAGAMENTO E TECNOLOGIA

AS VIAGENS DE NEGÓCIOS SÃO A TERCEIRA MAIOR DESPESA DAS EMPRESAS, DEPOIS DE FOLHA DE PAGAMENTO E TECNOLOGIA AS VIAGENS DE NEGÓCIOS SÃO A TERCEIRA MAIOR DESPESA DAS EMPRESAS, DEPOIS DE FOLHA DE PAGAMENTO E TECNOLOGIA Segundo o IEVC (Indicadores Econômicos de Viagens Corporativas), no ranking das receitas, o aéreo

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS 1 INTRODUÇÃO A ANEC Associação Nacional de Educação Católica do Brasil, através de sua estrutura organizacional e de seus colaboradores, tem avançado muito no cumprimento

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS Características Design inovador Controle de acesso Permite criar usuários com senhas podendo-se definir no sistema quais as funcionalidades cada

Leia mais

I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para transferência de colaboradores entre localidades da Companhia e parâmetros para ajuda de custo.

I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para transferência de colaboradores entre localidades da Companhia e parâmetros para ajuda de custo. I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para transferência de colaboradores entre localidades da Companhia e parâmetros para ajuda de custo. II. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Quando necessário efetuar transferências

Leia mais

Distribuidor Geral de Linhas e ramais telefônicos.

Distribuidor Geral de Linhas e ramais telefônicos. Proposto por: Equipe do Departamento de Segurança Eletrônica e de Telecomunicações (DETEL) Analisado por: Diretor do Departamento de Segurança Eletrônica e de Telecomunicações (DETEL) Aprovado por: Diretor

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer

Leia mais

Oportunidades para Sucesso! Tel.: (49) 3323 5804

Oportunidades para Sucesso! Tel.: (49) 3323 5804 Oportunidades para Sucesso! Tel.: (49) 3323 5804 Aux. Almoxarifado Remuneração: R$ 1500,00 até 2000,00 Plano Médico e Odontológico, Refeitório na Empresa, Transporte. Descrição: Principais Atividades:

Leia mais

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos:

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos: Orientações para Solicitação e Prestação de Contas de Diárias de acordo com o Decreto nº 3328-R, de 17 de junho de 2013. DIÁRIAS Diárias são indenizações pagas antecipadamente para cobrir despesas com

Leia mais

Varejo. A gestão definitiva para sua empresa

Varejo. A gestão definitiva para sua empresa Varejo A gestão definitiva para sua empresa Introdução Indicado para estabelecimentos comerciais, rede de lojas ou franquias, o sistema FENÍCIA AUTOMAÇÃO COMERCIAL traz uma série de tecnologias de alto

Leia mais

Mais inteligência para reforçar sua frota

Mais inteligência para reforçar sua frota Mais inteligência para reforçar sua frota Com o SiteWatch, nossos clientes deixam as suposições de lado na hora de gerenciar a frota O CASE SiteWatch é um sistema de telemetria que captura informações

Leia mais

PORTARIA Nº 053/2015, de 26 de Fevereiro de 2015

PORTARIA Nº 053/2015, de 26 de Fevereiro de 2015 PORTARIA Nº 053/2015, de 26 de Fevereiro de 2015 Expede normas para a concessão de diárias e passagens no âmbito do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Muriaé. A

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY

ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY FABRÍCIO DE ALMEIDA OLIVEIRA ANA CRISTINA ROUILLER UFLA - Universidade Federal de Lavras

Leia mais

Relacionamento Clientes

Relacionamento Clientes FENÍCIA CRM & SRM O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para angariar e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO CUNI Nº 085, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2011. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Lavras, no uso de suas atribuições regimentais, e tendo em vista o que foi deliberado

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Engenharia Requisitos Estudo de caso

Engenharia Requisitos Estudo de caso Engenharia Requisitos Estudo de caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Sistema de Matricula Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 PLANEJAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO ORÇAMENTO DA SIA 07/2013 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 29 de julho de 2013. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 02 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN CAPÍTULO 01 continuação Páginas 03 à 25 1 COMPONENTES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO Especialistas

Leia mais

Processo: Vender Produto

Processo: Vender Produto Pág. 1/5 Nome da Empresa Cliente: Acme Computadores Responsável Cliente: Dono do Projeto Consultor: Nome Consultor Data: Nome do Projeto: Processo de Venda de Produtos Entrevistados Perfil Consultores

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Perfil geral do Porto Digital (atualizado para Dezembro/2010) www.datametrica.com.br faleconosco@datametrica.com.br 81.3316.2600

Perfil geral do Porto Digital (atualizado para Dezembro/2010) www.datametrica.com.br faleconosco@datametrica.com.br 81.3316.2600 Perfil geral do Porto Digital (atualizado para Dezembro/2010) Dados Gerais do Porto Digital 191 Empresas *Empresas de TIC: Empresas de software e serviços de TIC; **Serviços associados: Empresas que prestam

Leia mais

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais.

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais. Fenícia Gestão ERP Introdução O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua robustez aliada ao alto grau de tecnologia e conhecimento

Leia mais

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO Universidade Corporativa Ministério da Fazenda Responsável: Margareth Alves de Almeida - Chefe

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

APOIO A REALIZAÇÃO DE EVENTOS CIENTÍFICOS, TECNOLÓGICOS E DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 002/2015 - AREC

APOIO A REALIZAÇÃO DE EVENTOS CIENTÍFICOS, TECNOLÓGICOS E DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 002/2015 - AREC APOIO A REALIZAÇÃO DE EVENTOS CIENTÍFICOS, TECNOLÓGICOS E DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 002/2015 - AREC O Governo do Estado do Maranhão e a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação - SECTEC, por

Leia mais

PROCEDIMENTO DE VIAGENS

PROCEDIMENTO DE VIAGENS São Luís MA 2/ 8 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. ABRANGÊNCIA... 3 5. DEFINIÇÃO... 3 5.1 Viagem... 3 5.2 Tipos de viagens... 3 5.3 Meios de transporte;... 4 5.4 Cargos...

Leia mais

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo FARMAINFOR Modernização da Farmácia do Hospital Mater Day Documento de Requisitos Versão 2.0 Histórico de Revisão

Leia mais

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares.

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Introdução A simulação do retorno sobre o investimento (do inglês ROI return on investment) tem sido utilizada como importante ferramenta

Leia mais

Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva

Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva Diagrama de Casos de Uso Demonstra o comportamento externo do sistema, através de uma linguagem simples. Apresentando o sistema sobre a perspectiva do

Leia mais

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16 Regulamento SIGA Versão 1.0 Outubro, 2013 Página 1 de 16 Sumário Objetivo deste Regulamento...3 Introdução...4 Definição...4 O que é documento para o SIGA...4 Numeração dos documentos no SIGA...4 Disposição

Leia mais