Introdução: um autor em busca dos personagens

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução: um autor em busca dos personagens"

Transcrição

1 Uma incursão no território urbano da cidade de São Paulo através de seus personagens: estudo psicossocial sobre olhares, imagens e paisagens diagnóstico para uma intervenção ambiental Autor: Cintia Okamura* Instituição: Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental CETESB/SMA Universidade de São Paulo - USP *Doutora em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo, especialista em Psicologia Ambiental pela Université René Descartes - Paris V - França, pesquisadora da Universidade de São Paulo, pesquisadora (representante brasileira) do grupo de pesquisa internacional ACI do Ministério da Pesquisa da França, socióloga da CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Resumo O presente trabalho delimitou como território da pesquisa uma região do Centro velho da cidade de São Paulo, onde, por meio de um mergulho no campo, objetivou-se compreender como as pessoas, moradores ou freqüentadores, se relacionavam com aquele território. Nessa incursão, verificou-se a existência de diferentes segmentos sociais a partilhar os espaços públicos, formando diversas comunidades fechadas que, ao delimitarem o seu território, acabavam privatizando esses espaços, produzindo a exclusão do outro, do diferente, configurando, com isso, uma situação de conflito, ocorrendo uma luta pelo território. Essas comunidades apresentavam como traço marcante: o agrupamento de pessoas em função de características identitárias semelhantes. Tendo em vista o constatado, buscou-se representantes das categorias de identidade social identificadas. Estes representantes foram, por estas categorias, chamados de personagens. A coleta de dados subjetivos teve como substrato uma entrevista aberta, na qual se solicitava ao sujeito que falasse sobre a sua vida e, mais especificamente, sobre a sua vida no bairro; pediu-se também que o entrevistado conduzisse uma trilha, ao lado do pesquisador, mostrando, comentando e registrando fotograficamente aquilo que ele considerasse importante no seu território. A análise dos dados obtidos foi efetuada tendo como hipótese que a espacialização da identidade desses grupos poderia ser o substrato desse conflito, na medida em que o sujeito, ao se apropriar do espaço, supõe e tem o território como seu. O estudo apontou que a origem do conflito ancorava-se na estrutura da ordem social, apontando como necessária a desconstrução da realidade, que se apresenta a nós de forma naturalizada, como um modelo hegemônico.

2 Introdução: um autor em busca dos personagens Um pesquisador nunca é neutro e jamais sai ileso de um processo de pesquisa. Ele carrega a sua história de vida, que, ao se encontrar com a história social do lugar e com a história de vida dos elementos da comunidade pesquisada, transforma e se transforma, porque o pesquisador é um ser humano e, portanto, carrega a humanidade consigo, e não uma máquina a computar e a transformar os dados. Como humano, é constituído pelas experiências vividas. Ele sente, pressente, observa e é observado, estranha e é estranhado, reconhece e se faz reconhecer, partilhando com o campo e a comunidade que pesquisa um universo infinito de experiências. Assim, retomamos a discussão sobre a questão do pesquisador e do seu objeto de estudo, onde não acreditamos na separação entre os dois, mas sim no processo dialético do encontro, encontro que possibilita dois diferentes formarem em conjunto um terceiro, que já não é mais nem só o primeiro nem só o segundo, mas um terceiro que tem um pouco ou nada dos dois e é por isso que um pesquisador se transforma no decorrer da pesquisa. No decorrer desta obra surgirão personagens e no papel de narradora desses, que ora falarão por si mesmos, ora pelo grupo a que pertencem, pretendo ser apenas um instrumento a dar voz aos personagens que criei...volta Pirandello, por outros meios, ao princípio da autonomia da personagem e da obra de arte, que têm vida independentemente de quem as criou. (Magaldi, 1999, p. 26). Consideramos esses personagens como autores da sua própria obra (vida) e da história compartilhada pelo grupo identitário a que pertencem (Ciampa, 1987). Personagem no seu mais amplo entendimento, personagem dos papéis que lhe foram incumbidos, QUANDO TUDO COMEÇOU... A vida impõe ao indivíduo uma forma fixa, tornada em máscara. O fluxo da existência necessita desta fixação para não se dissolver em caos, mas ao mesmo tempo o papel imposto ou adotado estrangula e sufoca o movimento da vida. Essa contradição é para Pirandello problema angustiante não só no nível do indivíduo humano, mas também no da sociedade dentro do fluxo histórico. (Rosenfeld, 1973, p. 12). Tento recordar quando iniciei minha (re) inserção no centro da cidade de São Paulo. Por muito tempo, afirmei que tudo havia começado com o NEA Centro Expandido¹, a idéia de formar um 1 O Governo do Estado de São Paulo instituiu, por meio do Decreto Lei n de 12 de janeiro de 1998, o Programa Núcleos Regionais de Educação Ambiental. Tal programa foi instituído levando em conta os princípios do Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global, propostos durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Rio 92, o qual dispõe no seu Cap. 36, da Seção IV, meios de implantação da Agenda 21. Os núcleos têm como objetivo integrar, articular e potencializar as ações dos órgãos públicos federais, estaduais e municipais, bem como da sociedade civil, entidades ambientalistas, comunidades tradicionais, universidades e escolas, para o desenvolvimento de projetos de educação ambiental em âmbito regional. Esses núcleos devem constituir-se como fóruns de integração e participação interinstitucional para otimização dos recursos materiais, humanos e financeiros, tendo em vista o desenvolvimento de projetos e ações de educação ambiental que estimulem o exercício da cidadania, configurando-se, portanto, como um instrumento de ação e mecanismo para o fluxo de informações ambientais. Assim, foram sendo implantados Núcleos de Educação Ambiental espalhados por todo o Estado de São 2

3 núcleo para tratar das questões ambientais do centro da nossa cidade. Na verdade, hoje, tenho mais claro que o NEA foi apenas um pretexto, um impulso maior ou o que faltava para eu mergulhar de vez no local, que se tornou o laboratório da minha pesquisa e que há muito tempo me encantava. Entre tantos locais, bairros e pedaços que a cidade de São Paulo nos oferece, por que eu teria escolhido justamente o Centro? Entre as várias respostas e justificativas que tento encontrar, penso que a vida urbana me fascina pela sua complexidade e diversidade, ao mesmo tempo em que estar e viver em uma metrópole como São Paulo nos conduz a uma aventura instigante ao tentarmos compreendê-la. Sempre achei que o Centro possui uma forte representação simbólica, pois foi onde a cidade de São Paulo nasceu e tudo começou. São Paulo era apenas uma pequena vila, e o espaço ocupado por ela é o que hoje chamamos de centro histórico E assim permaneceu por muito tempo, e em menos de um século se transformou no que é, ou seja, uma verdadeira megalópole, hoje com cerca de 10 milhões de habitantes. Pensar na transformação, no nascer, no renascer e na morte dos diversos cenários que compuseram a história da cidade, abarcando a cada época os seus personagens foi o que me conduziu a esta investigação, cujo objetivo inicial, ainda vago, foi descrever como as pessoas, moradores ou freqüentadores se relacionavam com aquele território, o centro da cidade de São Paulo. Lembro-me de quando iniciei minha (re) inserção no Centro. Chegava neste local com os diversos papéis que constituíam o meu personagem-pesquisador, primeiramente como socióloga da Cetesb 2 e educadora ambiental, que se juntava com a minha função de pesquisadora do Lapsi 3 e depois como coordenadora do NEA, somado ao fato de eu estar iniciando o doutorado na Universidade de São Paulo. Nesse momento, o Centro serviu como conciliador de todos esses papéis, fato que me trouxe um certo alívio e uma alegria momentânea, afinal, tinha a oportunidade de agregar todos os papéis e todas as instituições que, por vezes, tinha de representar...em primeiro lugar, eu posso crer-me alguém, mas sou tantos quantas são as pessoas que me Paulo e entre eles surgiu o NEA Centro Expandido (Núcleo de Educação Ambiental do Centro Expandido da cidade de São Paulo), o qual iniciou as suas atividades no final de 1999 e foi oficializado em dezembro de 2000, agregando as seguintes entidades: Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, Secretarias Municipal e Estadual da Educação, Laboratório de Psicologia Socioambiental e Intervenção (Lapsi), Instituto Paulo Freire, Ação Local Barão de Itapetininga, Associação Viva o Centro, Associação Vida Natural (AVN), Grupo Amigos do Meio Ambiente (Grama), Cooperativa de Catadores de Papel e cidadãos, as quais se constituíram no grupo gestor. O NEA Centro Expandido adotou como área piloto para o início das suas atividades o centro histórico ou o Centro velho da cidade de São Paulo. A autora deste artigo exerceu o papel de coordenadora do processo de implantação do núcleo. 2 Cetesb Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, empresa ligada à Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, cujas ações têm como objetivo o controle da poluição e a preservação do meio ambiente. 3 Lapsi Laboratório de Psicologia Socioambiental, com sede no Instituto de Psicologia da USP, é uma iniciativa interinstitucional de uma equipe de pesquisadores que visa oferecer condições materiais, não-materiais e organizacionais para a sistematização de resultados de estudos sobre a psicologia socioambiental em São Paulo, estudos estes que até então vinham acontecendo de forma dispersa. Desta forma, o Lapsi pretende vir a se constituir em um centro articulador de atividades de pesquisa, ensino e extensão voltadas para a consolidação da área de investigação em psicologia socioambiental e intervenção. 3

4 contemplam, já que as imagens não se igualam. (Pirandello, citado por Magaldi, 1999, p. 16). À medida que fui mergulhando no campo, fui me despindo de tudo; a experiência vivida me conduzia a outras realidades e a outro entendimento de mim mesma, onde eu ia percebendo que todos esses papéis e instituições eram meros detalhes diante do que eu encontrava a cada dia. Não importava mais o que eu era, simplesmente era e, então, nada mais fazia sentido senão desfrutar do fascinante momento de novas descobertas. O MERGULHO NO CAMPO Aos poucos fui (re) descobrindo o Centro: ruas, praças, edifícios, pontos comerciais e de lazer, locais de trabalho e pessoas que o ocupavam de diversas formas. Seguindo as proposições de Lynch (1997): cada instante há mais do que o olho pode ver, mais do que o ouvido pode perceber, há uma paisagem ou um cenário esperando para serem explorados e a percepção ou não dessa paisagem dependerá do poder criativo de cada um. Com isso, procurava olhar também para além da materialidade, buscando outras dimensões e outros significados. O meu andar foi se tornando mais livre, resultado de uma postura mais despreocupada, pois realizava, a cada dia, um exercício de desnaturalização da realidade, desconstruindo, com isso, a forte imagem do perigo e da degradação. Iniciava-se assim o que eu chamei de primeira etapa do trabalho, que foi o reconhecimento do campo, ou melhor, o mergulho no campo, do qual emergiram diários que continham descrições, as mais detalhadas possíveis, das ocorrências ambientais vivenciadas. Assim sendo, posso dizer que a minha atitude enquanto pesquisador no campo foi antropológica, adotando como prerrogativa importante as proposições de Canevacci (1997): a de querer perderse, de ter prazer nisso, de aceitar ser estrangeiro, desenraizado e isolado. Para Canevacci (1997, p. 15), o desenraizamento e o estranhamento são momentos fundamentais...mais sofridos que predeterminados..., que permitem atingir novas possibilidades cognitivas, através de misturas imprevisíveis e casuais entre níveis racionais, perceptivos e emotivos, para que se refine o olhar urbano. Considerei necessário adotar justamente esta perspectiva, que o autor chama de oblíqua e polifônica: estranhar toda a familiaridade possível e, ao mesmo tempo, se familiarizar com as suas múltiplas diferenças. É a observação observadora. Que não é mais participante da ação, mas observa também a si própria como sujeito que observa o contexto. É metaobservação (Canevacci, 1997, p. 31). Paralelamente, na medida em que mais profundamente penetrava no campo, deixando-me ser invadida por ele, fui realizando um levantamento de dados sócio-histórico-demográfico relativos ao 4

5 local em estudo. Essas informações foram sendo retiradas de fontes indiretas, mediante a análise de trabalhos de pesquisa e investigação científica, bem como de trabalhos e estudos desenvolvidos, na área, por instituições governamentais e não-governamentais. Com os dados obtidos nessas fontes, verifiquei que os locais que eu estava explorando, e que eu chamava de Centro, correspondiam ao distrito 4 da Sé e ao distrito da República. Assim, identifiquei que os lugares percorridos na infância faziam parte do que se denomina núcleo histórico (que hoje faz parte do distrito Sé), chamado anteriormente de Centro velho e com a minha (re) inserção no Centro, passei a explorar o local que no passado se chamou Centro novo em oposição ao velho, hoje área do distrito República. A denominação Centro novo veio na década de 40, quando as atividades, principalmente comerciais e bancárias, se expandiram para essa área. Hoje, essas duas áreas fazem parte do chamado Centro velho. Esse levantamento de dados fez-me refletir sobre todas as formas de intervenção realizadas tanto por instâncias governamentais como pelas não-governamentais. Eu sabia que nos diversos papéis que desempenhava, como, por exemplo, o de educadora ambiental, estava inserida em um trabalho de intervenção. Estava claro para mim, conforme colocado por Tassara & Rabinovich (2001), que a intervenção deve ser possibilitadora de um caminho histórico na direção de uma verdadeira política ambiental do urbano, respeitando valores tradicionais, sintetizando novas formas do compartilhar da vida coletiva no espaço urbano, fundamentando decisões técnicas e políticas de projetação com eles comprometidos. Entende-se por intervenção, conforme proposto por Tassara (1999), qualquer ato planejado de ação estratégica sobre uma problemática e que toda intervenção deve ser precedida de um conhecimento do meio, tanto psicológico quanto socioambiental, para não ser autoritária, sendo o resultado de uma dialética teoria-prática. Por isso mesmo, cada vez mais reafirmava-se o objetivo dessa minha (re) inserção no Centro; eu almeja, de fato, conhecer o meio no qual me encontrava totalmente imersa. Com esses dados e com a experiência vivida com o mergulho no campo, sentia que se aproximava o momento em que eu entraria em uma segunda etapa da pesquisa. Concluía que era preciso delimitar o local de estudo, pois o Centro configurava-se, sem dúvida, em um universo muito amplo subdividido em distritos, bairros e pedaços. Ali havia uma população de diferentes origens socioculturais, bem como de diferentes segmentos sociais, inscritos em espaços ou pedaços, cujos limites físicos ou simbólicos ainda me eram desconhecidos. Um espaço, ou um segmento dele, recebe o nome de pedaço, segundo Magnani (2000), quando, assim demarcado, se torna ponto de referência para distinguir determinado grupo de freqüentadores como pertencentes a uma rede de relações. 4 Distrito é a divisão de município ou cidade, compreendendo, geralmente, mais de um bairro. 5

6 E essa escolha realmente aconteceu de uma forma inusitada, que só pode ter sido o resultado de uma simbiose ocorrida entre o campo e o pesquisador. Ainda hoje me pergunto: não teria sido, na verdade, o pesquisador o escolhido? Já havia passado um ano após a minha primeira (re) inserção no Centro. Era janeiro de Eu e o pessoal do NEA estávamos reunidos na Praça da República promovendo um evento. Abordávamos várias pessoas que por ali passavam, simples transeuntes ou trabalhadores locais, para uma atividade de arte-educação. Era por volta das 12 horas quando se aproximou, espontaneamente, uma mulher, que trazia nas mãos uma garrafa contendo água mineral e alguns copos descartáveis. Veio imediatamente em direção a nós e nos ofereceu gentilmente aquela água. Era um dia típico de verão em São Paulo. O sol do meio-dia firmava-se no céu, fazendo-nos arder em calor e aquela água fresca vinha como uma fonte no deserto a refrescar a garganta e o corpo suado. Seu olhar curioso perseguiu-nos e, imediatamente, perguntou o que fazíamos ali. Expliquei-lhe sobre o NEA e as atividades que vínhamos desenvolvendo no centro da cidade. Ela achou interessante. Falou-me quem era, líder de uma associação comunitária, e me levou para mostrar o seu bairro. Naquele momento, descobri que ela era moradora do local. Então pensei que não havia me deparado ainda com os moradores do Centro. Entrávamos na Avenida Vieira de Carvalho e na qual ela mostrou-me edifícios residenciais, lojas, restaurantes, bares e o local onde morava. Apresentou-me o Largo do Arouche, as atividades ali desenvolvidas pelos moradores e comerciantes, e percorremos a Rua do Arouche e as suas travessas, como a Ruas Aurora e Vitória, chegando até a Avenida São João e a Praça Júlio Mesquita. Percebia que nesse instante, ela delimitava o seu território, o que se tornaria o meu território de pesquisa. À medida que ia me conduzindo, numa rapidez impressionante, mostrando-me e falando-me do seu bairro e das pessoas que lá freqüentavam, eu descobria um novo universo. O seu olhar revelava-me coisas antes desapercebidas por mim. No olhar daquela moradora, encontrava outras atividades e outros significados, além da simples circulação das pessoas e veículos. Podia ver naquele instante, na escada de um edifício ou na porta de um bar, pontos de encontro. Olhava agora para as crianças, antes nunca vistas, a brincar pelas ruas e praças. Me apareciam os comerciantes, antes escondidos nos seus estabelecimentos. Os moradores de rua, os vendedores ambulantes e outras personagens ainda não vistas se faziam aparecer ou se apresentavam de forma distinta da que o nosso olhar apressado comumente vê. Configuravam-se diante de mim grupos identitários que se apropriavam daquele espaço. Nessa experiência, percebi que se confundiam os papéis, pois de pesquisador me transformava no pesquisado; de observador do olhar do outro tornava-me o observado; e o olhar do observador se confundiu, muitas vezes, com o do observado. Era o processo dialético do encontro entre o pesquisador e o seu objeto de estudo... (Okamura, 2004, p ). Após essa experiência, passei a observar de perto o quadrilátero apontado por essa interlocutora espontânea. Aprofundei o meu olhar e depois de algumas imersões nesse local, já não tinha mais dúvida, realmente o campo havia me capturado e assim delimitei o território da pesquisa. 6

7 O DESENROLAR DA TRAMA E A DESCOBERTA DOS PERSONAGENS E assim, o campo havia capturado o pesquisador, narrador-autor, e o território da pesquisa foi delimitado: uma porção contornada pelas Avenidas Duque de Caxias, São João e Rua Aurora, tendo, em uma das pontas a Praça da República e, em outra, o Largo do Arouche, unidos pela Avenida Vieira de Carvalho, que faz a conexão entre as duas praças. No interior desse quadrilátero, temos as Ruas Vitória, Aurora e Pedro Américo e, próximo à Avenida São João, a Praça Júlio Mesquita. Delimitado o território da pesquisa, o mergulho no campo prosseguia. Entre as tantas descobertas que eu fizera, o que passou a chamar minha atenção foi a existência de diferentes segmentos sociais a partilhar aquele território. E então percebi que se configurava diante de mim um grande cenário. Os espaços públicos transformavam-se em palcos no meu olhar, nos quais eu percebia uma delimitação construída pelos seus atores carregada de símbolos e códigos. Estes atores sabiam qual era a trama de cada um destes palcos e em qual poderiam atuar. Percebi que cada um deles era constituído de uma comunidade feita da relação face a face e do espaço geográfico delimitado que, segundo Sawaia (1996, p. 49), são a base cotidiana da objetivação do conceito de comunidade. Cada comunidade representava um segmento social, reunindo atores que se configuravam na minha leitura como grupos de identidade social clara e definida. A identidade social, na opinião de Mendes (2002), é um cruzamento de atributos pessoais e estruturais, uma categorização derivada dos contextos sociais, onde decorre a interação social e os participantes nessas redes procuram criar ideologias e histórias comuns, que integrem e legitimem as suas ações. Para desempenhar a contento o seu papel, o ator necessita de um clima favorável, no palco, auspiciado pela justeza de todas as deixas. (Magaldi, 1999, p. 26). Mas eram comunidades fechadas que, ao delimitarem o seu palco, acabavam privatizando o espaço público e produzindo a exclusão do outro, do diferente. Nesse instante, perguntei-me: essa privatização do espaço, bem como a exclusão não seriam produzidas pelo processo de apropriação e espacialização daquelas identidades? Com essas reflexões, percebia que acabara de construir as minhas primeiras hipóteses que precisariam ser investigadas. Buscava, então, apreender como aquelas pessoas ou grupos se relacionavam com aquele espaço, lembrando, conforme expõe Santos (1979), que a história não se escreve fora do espaço e não há sociedade a-espacial, pois o espaço, ele mesmo, é social. Ficava claro o que eu deveria buscar compreender: a inter-relação entre o espaço físico-material e o campo simbólico, investigando a experiência vivida por cada segmento no espaço público em estudo. 7

8 Era o teatro da vida diante mim. E por que não? Não estamos a todo o momento a adotar e a desenrolar papéis? O tema do teatro é o próprio teatro o mundo humano; o tema do ator, o próprio ator o homem. (Rosenfeld, 1973, p. 43). O próximo passo era buscar os representantes de cada segmento social, que encarnavam papéis em consonância com os seus respectivos grupos de identidade social: os personagens autores e atores. MÉTODO(S) DE COLETA DE DADOS Foi denominada primeira etapa do trabalho o seguinte período: janeiro de 2000, quando iniciei minha (re) inserção no Centro, até janeiro de 2001, quando delimitei o território da pesquisa. Neste período, iniciei o mergulho no campo e realizei um levantamento de dados sócio-históricodemográfico relativo ao campo em estudo. Após a delimitação do território, iniciou-se a segunda etapa do trabalho, onde, diante das indagações e reflexões advindas da experiência vivida através do mergulho no campo, fui buscar representantes das categorias de identidade social que eu havia reconhecido por meio do que se exteriorizava nas pessoas desses grupos. Estes representantes foram, por essas categorias, chamados de personagens, pois eu observava a manifestação de signos que vinham na forma de como elas se apresentavam, se manifestavam, falavam e faziam. A reflexão que se colocava nesse momento era a respeito do método. Como colocam Grosjean & Thibaud (2001), a vida social é um grande laboratório e a cidade deu lugar a uma longa tradição de experimentações metodológicas, onde numerosas abordagens de campo foram aplicadas e inventadas, no domínio da pesquisa, ilustrando como a questão do método é central na pesquisa. Isto não somente porque as escolhas devem ser coerentes com o objeto, com a perspectiva e com as hipóteses, mas porque a utilização de novos métodos engaja recortes originais do objeto de estudo e permite a elaboração de categorias de análise inéditas. Sob este ponto de vista podemos dizer que o espaço urbano não é um objeto de pesquisa pré-constituído, mas possibilita uma diversidade de abordagens que, por sua vez, também o define, considerando-se o sujeito como co-produtor do espaço. Assim, objetivando verificar como aquelas pessoas ou grupos se relacionavam com aquele espaço, a experiência vivida por cada segmento, fui buscar retirar dos sujeitos, personagens, informações da esfera subjetiva, relacionando-as ao seu ambiente. Tendo em vista tais objetivos, a coleta de dados compreendeu: uma entrevista aberta, onde foi solicitado ao sujeito que falasse sobre a sua vida e, mais especificamente, sobre o seu bairro; 8

9 a realização de uma trilha conduzida pelo sujeito, onde foi solicitado ao mesmo o registro fotográfico daquilo que ele considerava importante. A primeira entrevistada foi a nossa interlocutora espontânea, nomeada como personagem líder comunitária, cuja entrevista aconteceu em abril de Com essa primeira experiência, pude observar que o método escolhido colocava em questão, primordialmente, o modelo que separa o pesquisador do pesquisado, pois o momento da entrevista é, antes de tudo, um encontro que deve permitir a ruptura de fronteiras, onde o pesquisador e o outro aprendem a se reconhecer, engajam juntos um diálogo, apropriam-se e tornam explícito o objeto da pesquisa, estabelecendo uma relação de confiança. Como colocam Petiteau & Pasquier (2001), a experiência será única, e não reprodutível, na qual aceitamos o deslocamento das nossas palavras e referências e a possibilidade de não compreender. Verificou-se que a história de vida do personagem serviu de fio condutor sobre todo o ciclo da relação entre o pesquisador e o entrevistado. E a trilha conduzida por este último, bem como o registro fotográfico solicitado foram instrumentos importantes que permitiram uma aproximação do olhar do sujeito e uma penetração profunda no campo. Isto porque acompanhar, conhecer e reconhecer o olhar do outro exigiu o envolvimento do pesquisador em relação ao meio que lhe era mostrado, desvelado. A trilha é uma experiência partilhada entre o pesquisador e o entrevistado, onde esse último se torna um guia e o pesquisador, abandonando a sua leitura, aceita ser conduzido pelo outro, tornando-se um explorador através da narrativa e do olhar do entrevistado, lembrando que esse percurso não é apenas um deslocamento sobre o território do sujeito, mas sim um deslocamento sobre o universo de referência do outro. Este outro não é apenas um testemunho que nos informa ou confirma nossas hipóteses, mas é aquele que detém o seu universo cultural e se ele nos transmite, desestabiliza nossos hábitos, nossas referências e análises. A primeira entrevista apontou claramente os grupos identitários presentes no local, os quais foram sendo confirmados e complementados pelas entrevistas seguintes. Assim, foram identificados e selecionados os demais personagens nas seguintes categorias: morador de rua, drag queen, aposentada, menina de rua, invasora, presidente da ação local, travesti, proprietário de restaurante, síndico do prédio, executivo, segurança do bairro, homossexual, profissional liberal e vendedor ambulante. No total, foram 15 entrevistados e, portanto, 15 personagens. As entrevistas foram realizadas no período de abril de 2001 a março de A duração de cada uma delas variou em função da relação entre o pesquisador e o entrevistado, ou seja, o grau de complexidade dos encontros: o tempo de reconhecimento e envolvimento e o tempo disponível desse último. As entrevistas e todas as falas que surgiram durante o percurso da trilha conduzida pelo sujeito foram gravadas, com a autorização prévia do entrevistado. Transcrevemos integralmente a entrevista e após, 9

10 realizamos a segunda etapa, que consistiu na devolução da mesma ao entrevistado, juntamente com o registro fotográfico, para que ele lesse e corrigisse o que achasse necessário. Feitas as correções, ele assinou um termo de acordo apontando se o texto correspondia ao que ele dissera e em que termos aceitaria a publicação do mesmo, com ou sem a sua identificação. Embora a maioria tivesse concordado com a sua identificação, por questões éticas, julgamos conveniente manter o sigilo de todos os entrevistados, adotando um nome fictício para cada um. Em cada percurso realizado com cada um desses personagens, abria-se um cenário novo. Tudo estava lá: palco, ornamentos, atores principais e coadjuvantes. A trama desenrolava-se orquestrada com os movimentos dos papéis desenrolados. Observei que os personagens queriam falar e, de fato, o fizeram; queriam ser ouvidos e o foram por mim. Nas suas narrativas, descortinava-se a trama da vida, pois eram autores e atores da sua própria obra (vida): O ator apenas executa de forma exemplar e radical o que é característica fundamental do homem: desempenhar papéis no palco do mundo, na vida social. (Rosenfeld, 1973, p.31). E por que esses personagens me falavam? Ora, eram personagens em busca de um narrador das suas histórias que se encontrava com o narrador-autor em busca de personagens, um encontro perfeito. Então, eu me transformava em um narrador e ao mesmo tempo autor que apenas tornou real a autoria que na verdade era a do próprio personagem. ANALISANDO O CONFLITO Retomando, havíamos iniciado a incursão no território da pesquisa, com o objetivo de compreender como as pessoas, moradores ou freqüentadores, se relacionavam com esse espaço. Nessa incursão, constatamos a ocupação desse espaço público por diferentes comunidades como: moradores, comerciantes, trabalhadores, executivos, homossexuais, morador de rua, meninos de rua, vendedor ambulante, entre outros. Durante o dia o local preserva suas características de centro comercial e de trabalho, e no período noturno o cenário se transforma em palco de encontro dos homossexuais, atraindo os vendedores ambulantes e o pessoal da vida noturna, produzindo conflito principalmente com os moradores locais e demais personagens do dia. Desta forma, verificamos a existência de diferentes segmentos sociais a partilhar os espaços públicos, formando diversas comunidades fechadas, que, ao delimitarem o seu território, acabavam privatizando esses espaços, produzindo a exclusão do outro, do diferente, configurando, com isso, uma situação de conflito, ocorrendo uma luta pelo território. Partimos, pois, de uma tese antropológica, onde a exclusão é produzida por comunidades fechadas. 10

11 Após essa constatação, refinando o olhar, verificamos que essas comunidades apresentavam como traço marcante: o agrupamento de pessoas em função de características identitárias semelhantes. Com isso, nos apoiamos em uma tese de Psicologia Ambiental, onde a espacialização da identidade podia ser o substrato de conflitos, na medida em que o sujeito, ao se apropriar do espaço, supõe e tem o território como seu. E assim o estudo foi apontando que os conflitos poderiam estar sendo ocasionados pelas diferenças de cada segmento, diferenças estas entendidas como a imagem do outro, a paisagem indesejável, por exemplo, que incomoda o nosso olhar. Esse outro que nega o modelo ideológico vigente, no qual estamos inseridos, e se apresenta a nós de forma naturalizada. Tomando como exemplo os nossos personagens homossexuais, o conflito que se estabelece com os demais personagens seria o de valor moral, pois estes personagens (os homossexuais) são incitados a um processo de exteriorização do comportamento sexual, tirando a atividade sexual da esfera íntima, negando o sexo como heterossexualidade reprodutora, bem como o modelo familiar monogâmico-patriarcal. O nosso personagem executivo coloca a questão da moral em cheque, ao se referir aos homossexuais, indagando-se: Que que é moral, que que não é moral? (...) Eu não sei dizer o que é certo e o que é errado. Por outro lado, os nóias (meninos de rua) e o morador de rua negam simultaneamente a família e a propriedade. Nesse momento, as questões da privacidade do mundo íntimo e da propriedade ambas valores burgueses encontram-se, representando, na imagem desses personagens, o fim da família e da propriedade. A personagem invasora, por sua vez, representa uma ameaça à propriedade privada, pois, embora afirme que não se invade onde tem pessoas mas ocupa-se espaços vazios, sua ação é vista como invasão de propriedade alheia. O que caracteriza, então, um espaço público na cidade de São Paulo? Cabe colocar que não há um espaço público na cidade de São Paulo que seja a convergência das diferentes categorias sociais que habitam a cidade, isso em função das histórias cultural, social e material do país e em função do fato de que a característica marcante da nossa realidade é a divisão da sociedade em dois grandes grupos: as chamadas classes médias, que têm um comportamento burguês, e as chamadas classes populares, que são aqueles que habitam as periferias precárias. Segundo Vilaça (1998), é importante compreender a conceituação de uma estrutura territorial urbana, a inter-relação entre os seus elementos e como o seu processo de produção é comandado pela classe dominante (para nós, ideologia dominante ou modelo hegemônico), tendo em vista manter o controle em seu benefício dos tempos de deslocamento espacial. Para esse autor, as camadas de mais alta renda controlam a produção do espaço urbano por meio do controle de três mecanismos: um de natureza econômica o mercado imobiliário, outro de 11

12 natureza política o controle do Estado e, finalmente, o de natureza ideológica, através, por exemplo, dos meios de comunicação de massa. Portanto, ao estudarmos formas de apropriação do espaço, em se tratando das classes populares, as franjas ou as populações marginais do sistema, é importante entendermos que a escolha do espaço ocorre, primeiramente, em função do que lhes é permitido ou do que lhes resta. Assim, o espaço público em estudo é o local de sobrevivência para a maioria dos personagens, como o morador de rua, a menina de rua, a invasora, o vendedor ambulante e, em outro nível, para o segurança do bairro e o proprietário do restaurante, ou, ainda, foi o local onde a compra do imóvel foi acessível, como é o caso dos personagens aposentada e presidente da ação local. Mesmo entre os integrados na estrutura básica, observamos uma luta pela permanência na hierarquia social: como é o caso do personagem executivo, que, para manter o padrão de moradia, se aloja no Centro, local onde consegue adquirir o imóvel dentro do modelo desejado. No caso dos personagens homossexual, drag queen e travesti, o Centro, após o abandono das camadas de alta renda, tornou-se o lugar onde foi possível agregar o seu grupo, caracterizando também uma situação marginal. Podemos dizer que o único personagem que de fato teve e tem o poder de escolha e, portanto, morar no centro foi uma opção, é o personagem advogado, representante da elite paulistana. Nesse sentido, entre os nossos personagens encontramos os que estão em situação marginal em seus diversos níveis e formas e, portanto, marginais em relação: à moradia, ao mercado de trabalho, ao modelo familiar e a um valor moral dominante. Enfim, como se opera a espacialização da identidade? Segundo Felonneau, Fleury-Bahi & Marchand (2003), para que o indivíduo possa se espacializar, ou seja, se projetar em um dado espaço, é necessário que este lugar favoreça os processos de identificação e gere uma consciência emocional de pertencimento suscetível de se exprimir pelo processo de apropriação. Nesse sentido, a identidade está essencialmente ligada à noção de apropriação, cujo processo, segundo Canter (1977), transforma um espaço de vida em um outro simbolicamente significante. Este processo é, fundamentalmente, dinâmico, tendo dois componentes essenciais: um ligado à ação sobre o espaço e um outro simbólico ligado à identificação do sujeito em relação ao seu ambiente. Nesse particular, a apropriação é indissociável da identificação. O termo apropriação é polissêmico e controverso; trata-se, de um lado, do processo de apropriação em si e, de outro, do seu resultado: o objeto, o lugar ou espaço apropriado. Podemos dizer que a apropriação do espaço tem várias funções, entre as quais podemos mencionar a social, na medida em que o indivíduo e o grupo, através das práticas de apropriação, afirmam seu domínio sobre esse espaço. No nosso caso, podemos dizer que a apropriação individual ou coletiva de um espaço se realiza sob esse fundo de relações sociais mais ou menos conflituosas, em função dos interesses específicos de cada um. Os indivíduos que partilham o mesmo lugar chegam geralmente a 12

13 partilhar também o apego por esses espaços, o sentido e o significado desses lugares, afirmando uma identidade comum. O apego seria o investimento afetivo que se exprime não somente por uma marca afetiva dos elementos desse ambiente, mas também pelo sentimento do indivíduo, ou seja, o fato de ele manter uma ligação subjetiva forte com esse espaço. E o enraizamento seria o sentimento de pertencimento que se manifesta pela estabilidade e a permanência de uma ligação estabelecida com um lugar e pela vontade de se inscrever na duração. Se observa o enraizamento quando o eu e o sentimento de identidade pessoal se inscrevem em um lugar (Ratiu, 2003). O Narrador em Busca de uma Conclusão Acompanhar o olhar do sujeito foi, quase sempre, uma descoberta do próprio olhar, pois, muitas vezes, vemos apenas o que precisamos ver, atravessamos nossos dias com viseiras, observando somente uma fração do que nos rodeia. Assim, como espectadora, tornei-me também sujeito desse processo. Os percursos realizados com cada um dos personagens entrevistados apresentavam-se como (novos) cenários de uma peça teatral. Nesse ambiente, eu identificava as paisagens, que se transformavam em panoramas com elementos cenográficos, recheados por acontecimentos e situações inusitadas. As ruas tornavam-se vivas, jorrando movimentos, olhares, faces e as silhuetas estampavam-se na noite como se os muros, as fachadas e as calçadas se transformassem em cenários. Eu era uma espectadora assistindo tudo o que me era apresentado. Um verdadeiro espetáculo estava diante de mim. Eu tentava compreender como essas paisagens se transformavam em sensações, sonhos, emoções, ao mesmo tempo em que eu tentava compreender a intimidade e complexidade das relações que unem o ser humano com o seu ambiente cotidiano. As imagens superpostas e entrelaçadas começavam a ficar mais claras diante do meu olhar, observava admirada a coexistência de universos e mundos tão diferentes (Okamura, 2004, p.50). Assim, diante do que se apresentava aos meus olhos, fui identificando cenas. Cada uma delas era um episódio, uma unidade, um acontecimento, uma situação particular ou uma ação específica, contendo cada cena o seu palco e os seus atores interagindo com o ambiente e a paisagem. Em cada paisagem encontrei grupos de pessoas que emergiam com clareza, configurando-se de diferentes formas em função dos vários momentos do dia ou dos inúmeros acontecimentos. As paisagens diurnas eram substituídas por outras, novas, ao cair da noite. Foi assim que desses grupos foram identificados os personagens. Cada um deles foi uma síntese envolvendo a história do grupo e criando uma unidade cenográfica, mostrando situações, episódios e paisagens diferentes. No encontro e depoimento de cada personagem, fui verificando a constituição de diferentes paisagens naquele mesmo ambiente e a transformação do território em palco, e foi assim que o pesquisador criou o narrador-autor e constituiu uma peça de teatro como forma de mostrar o conflito que se configura na ocupação desse espaço público, a forma 13

14 como esse território é ocupado de diferentes maneiras no tempo (dia e noite) e no espaço. As cenas e os atos que constituem a peça são frutos do processo de interação e inter-relação entre a vivência do personagem narrador-autor nos diversos momentos e situações e a vivência dos personagens que o primeiro foi encontrando. Se a proposta é um projeto de intervenção para gerenciar os conflitos, entende-se que tal projeto deve ser capaz de propor novas estratégias contrárias à hegemonia, buscando caminhos alternativos, sendo necessária, por exemplo, a desnaturalização do conceito de desenvolvimento, ou seja, a crítica à racionalidade moderna e o questionamento da direção do desenvolvimento histórico. Temos como hipótese, que o aprimoramento de uma tolerância na direção da possibilidade de um convívio público no partilhar de um espaço público pode ser estimulado através da consciência das diferenças de cada segmento, da consciência do conflito e da consciência de como é experimentado e vivido o espaço, entendemos que essa consciência:...é a capacidade humana para conhecer, para saber que conhece e para saber o que sabe que conhece. A consciência é um conhecimento (das coisas e de si) e um conhecimento desse conhecimento (reflexão). (Chauí, 1994, p. 117). Para Chauí (1994): Esta autora distingue três graus de consciência:...embora a subjetividade se manifeste plenamente como uma atividade que sabe de si mesma, isso não significa que a consciência esteja sempre inteiramente alerta e atenta. (p. 117). a passiva, na qual temos uma vaga e confusa percepção de nós mesmos e do que se passa à nossa volta; a vivida, que é a nossa consciência afetiva, que a autora chama de egocêntrica, na qual percebemos os outros e as coisas apenas a partir de nossos sentimentos com relação a eles; a ativa e reflexiva, na qual reconhecemos a diferença entre interior e exterior, entre si e os outros e entre si e as coisas. (..) esse grau de consciência é que permite a existência da consciência em suas quatro modalidades, isto é, eu, pessoa, cidadão e sujeito. (Chauí, 1994, p. 119). Segundo Chauí (1994), o eu, ou consciência psicológica, é formado por nossas vivências, ou seja, pelo modo como sentimos e compreendemos o que se passa em nosso corpo e no mundo que nos rodeia. A pessoa, ou a consciência moral, é a capacidade de compreender e interpretar sua situação e condição: 14

15 ...viver na companhia de outros segundo as normas e os valores morais definidos por sua sociedade, agir tendo em vista fins escolhidos por deliberação ou decisão, realizar as virtudes e, quando necessário, contrapor-se e opor-se aos valores estabelecidos. (p. 117). O cidadão, ou a consciência política, representa o indivíduo como portador de direitos e deveres, como membro portador e defensor de interesses específicos de uma classe social ou grupo, relacionando-se com a esfera pública do poder e da lei. O sujeito, ou a consciência reflexiva, forma-se como atividade sensível e intelectual dotada do poder de análise, síntese, representação e significação:...o sujeito do conhecimento não é uma vivência individual, mas aspira à universalidade, ou seja, a capacidade de conhecimento que seja idêntica em todos os seres humanos e com validade para todos os seres humanos, em todos os tempos e lugares (p. 118). Enfim, Chauí (1992) coloca que:...eu, pessoa, cidadão e sujeito constituem a consciência como subjetividade ativa, sede da razão e do pensamento, capaz de identidade consigo mesma, virtude, direitos e verdade. (p. 119). Exposta à questão da consciência, fica claro, então, que necessário se faz estimular uma consciência ativa e reflexiva, ou, como já apontado anteriormente, deve-se estimular a crítica da racionalidade moderna, conforme proposto por Tassara & Damergian (1996), desvelando a ocultação do processo de criação simbólico-científico-tecnológico pelo processo produtivo e as forças, que têm como objetivo o domínio do processo histórico, atuando no sentido de manutenção do status quo, do qual são representantes, influenciando e persuadindo o momento contemporâneo como sendo não-transformáveis. Como colocado por Berger & Luckmann, a relação real entre o homem e o seu mundo é invertida na consciência. O homem, o produtor de um mundo, é apreendido como produto deste e a atividade humana, como um epifenômeno de processos não-humanos, sendo a questão central saber...se o homem ainda conserva a noção de que embora objetivado o mundo social foi feito pelos homens e, portanto, pode ser refeito por eles. (Berger & Luckmann, 1985). Mas o narrador-autor tem esperança, pois ele acredita na emancipação humana ou na metamorfose humana, que, segundo Ardans (2001): 15

16 ...pode-se entender como emancipatório tudo quanto contribua para a expressão dessa capacidade de metamorfosear-se dos seres humanos, pois é por esse caminho que os detentores de poder podem ser enfrentados, coibindo suas contrametamorfoses e as proibições de metamorfose que cada vez mais constrangem a vida humana... (p. 118). Assim, se a alternativa for uma proposta de intervenção educativa, acreditamos que ela poderá estimular a emancipação humana a pedagogia da emancipação, como apontado por Boaventura (1999) e tal intento poderá ter, como condição inicial, tornar o sujeito consciente do seu olhar. Isto porque, entendemos que, ao perceber o próprio olhar, o sujeito poderá perceber a existência de outros olhares: a existência do outro que, muitas vezes, nos incomoda. E suscitando esse novo olhar, vislumbramos a possibilidade de desnaturalização da realidade, no sentido de estimular a crítica e atingir a conduta. Tassara & Darmegian (1996) argumentam que para romper este processo de dominação, há a necessidade de criação de um homem planetário capaz de se relacionar com base em uma ética de interdependência dos grupos, e não da competição. Estas autoras propõem como estratégia a organização de zonas cada vez mais extensas de abertura do universo da locução sendo tal estratégia baseada no proposto por Habermas (1987) e de promoção de redes de diálogos interculturais, como forma de construção de um novo humanismo. É enfatizado que para a produção desse novo humanismo, é preciso a sobrevivência da história processada mediante a crítica de sua representação social hegemônica. Desta forma, um programa de intervenção deve, antes de tudo, ouvir os personagens inseridos no meio em que se quer intervir...nem que seja por breves minutos, as suas vozes devem ser ouvidas... (Mendes, 2002, p. 526). Assim, o narrador-autor ouviu os personagens que encontrou, descobriu e discutiu o(s) conflito(s) e se propôs a planejar uma ação estratégica sobre essa problemática. Ele se permite aqui não saber, mas se propõe, sim, voltar ao palco para interagir com os personagens e testar as hipóteses resultantes deste estudo, que será a continuidade desta pesquisa em um próximo trabalho. No decorrer da pesquisa, o personagem-narrador-autor transformou-se não é mais o mesmo, pois carrega agora todas as experiências vividas e partilhadas com o campo e com a(s) comunidade(s) que pesquisou, tendo um compromisso com os personagens que encontrou. A proposta que se coloca é a realização de um laboratório social envolvendo todos os segmentos sociais identificados e representados pelos seus personagens, no qual se explicitaria a natureza do conflito e os mecanismos do modelo hegemônico que o conduzem. Com isso, objetiva-se estimular a produção de uma consciência reflexiva, que leve à desalienação e à desnaturalização da realidade, que, por sua vez, podem possibilitar a emancipação do indivíduo. 16

17 No entanto, o narrador-autor está ciente, também, que essa consciência não garante a resolução do conflito, pois, lembremos, conforme nos diz Pirandello (citado por Magaldi, 1999), do princípio da autonomia do personagem que tem vida, independentemente de quem os criou. Assim, a única certeza resultante é a de não ter visto tudo. Talvez essa certeza possa parecer decepcionante ao leitor. Ora, mas ela tem um lado positivo, que é incitar outros personagensnarradores-autores para a continuidade da investigação. Ao escrever este trabalho, foram múltiplas as vozes que falaram, inclusive oriundas de um diálogo interno permanente envolvendo lembranças, reflexões, emoções e desejos que, segundo Mendes (2002), podem ser entendidos como metáforas da conversação, sendo elas...essenciais para se perceber como as pessoas organizam e ancoram o fluxo contínuo e indeterminado das suas experiências. (p. 519). E foi assim que o pesquisador-autor criou o narrador: um narrador dele mesmo com todos esses diálogos internos, um narrador dos acontecimentos, um narrador dos personagens e um narrador ao mesmo tempo autor. O pesquisador-narrador-autor entregou-se ao campo, envolveu-se com a comunidade pesquisada e viveu emoções no encontro com os personagens, estabelecendo, com cada um deles, trocas e ruptura de fronteiras. Cada personagem foi uma experiência única, uma lição aprendida expressa na sua história de vida e através da narrativa dele, possibilitando-nos conhecer outras humanidades...no jogo sério e cheio de conseqüências da identificação, não é de se esperar que o analista saia incólume, mas espera-se um esforço de apresentação das diferentes perspectivas, numa contribuição modesta para o sublinhar da humanidade que habita em todos nós. (Mendes, 2002, p. 534). Enfim, o narrador-autor permitiu-se, no decorrer desta obra, expor seus sentimentos e emoções, que o acompanharam durante todo o processo da pesquisa, pois entende-se que a ciência também não é neutra quanto aos seus propósitos e filiações políticas, assim como não está livre da subjetividade de quem a realiza. Referências Bibliográficas ARDANS, O. Apontamentos sobre a Metamorfose Humana. Um ensaio de psicologia social. Tese de Doutorado em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, BERGER, P. L. & LUCKMANN, T. A Construção Social da Realidade. Petrópolis, Vozes,

18 CANEVACCI, M. A Cidade Polifônica. São Paulo, Studio Nobel, CANTER, D. The psychology of Place. London, Architectural Press, CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo, Ática, CIAMPA, A. C. A estória do Severino e a história da Severina: um ensaio de psicologia social. São Paulo, Brasiliense, FELONNEAU, M-L.; FLEURY-BAHI, G. & MARCHAND, D. Proximites et identites urbaines. Representations sociales de l urbanite et spatialisation de l identite. Paris, Laboratoire de Psychologie Environnementale. CNRS UMR 8069 Université René Descartes Paris V, (Relatório de Pesquisa). GROSJEAN, M. & THIBAUD, J-P. L espace urbain en méthodes. Marseille, Éditions Parenthèses, HABERMANS, J. Teoría de la acción comunicativa, II. Crítica de la razón funcionalista. Madrid, Taurus, LYNCH, K. A Imagem da cidade. São Paulo, Martins Fontes, MAGNANI, J.G.C. Quando o campo é a cidade. In MAGNANI, J.G.C. & TORRES, L.de L.(orgs.) Na Metrópole: Texto de Antropologia Urbana. São Paulo, Edusp, 2000, p MAGALDI, S. Princípios estéticos desentranhados das peças de Pirandello sobre o teatro. In: GUINSBURG, J. (org.) Pirandello. Do teatro no teatro. São Paulo, Perspectiva, 1999, p MENDES, J. M. O. O desafio das identidades. In SANTOS, B. S. (org.) A globalização e as ciências sociais. São Paulo, Cortez, 2002, p OKAMURA, C. Arouche 2004: Uma incursão no território urbano da cidade de São Paulo através de seus personagens. Estudo psicossocial sobre encontros e desencontros entre olhares, imagens e paisagens diagnóstico para uma intervenção ambiental. São Paulo, 2004, 300 p. Tese de Doutorado. Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo. PETITEAU, J-Y & PASQUIER, E. La méthode des itinéraires : récits et parcours. In GROSJEAN, M. & THIBAUD, J-P. (org.). L espace urbain en méthodes. Marseille, Éditions Parenthèses, 2001, p RATIU, E. L évaluation de l environnement. In MOSER, G. & WEISS, K. Espaces de vie. Aspects de la relation homme-environnement. Paris, Armand Colin, 2003, p ROSENFELD, A. Texto / contexto. São Paulo, Perspectiva, SANTOS, M. Espaço e Sociedade. Rio de Janeiro: Petrópolis Vozes,

19 SAWAIA, B. B. A apropriação científica de um conceito tão antigo quanto a humanidade. In CAMPOS, R.H.F. (org.) Psicolgoia Social Comunitária: da solidariedade à autonomia. Rio de Janeiro: Vozes, 1996, p SOUSA SANTOS, B. Pelas mãos de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo, Cortez, TASSARA, E. T. de O. & DAMERGIAN, S. Para um novo humanismo: contribuições da Psicologia Social. In Estudos Avançados, vol. 10, nº 28, p , set/dez, TASSARA, E.T. de O. & RABINOVICH, E. P. A invenção do Urbano e do Poético: uma cartografia afetiva: Estudo sobre o bairro paulistano da Barra Funda. In: TASSARA, E. (Org.). Panoramas interdisciplinares para uma psicologia ambiental do urbano. São Paulo, EDUC/ CAPES /FAPESP, 2001, p TODOROV, T. Poética. Lisboa: Teorema, VILLAÇA, F. Espaço Intra-Urbano no Brasil. São Paulo, Studio Nobel,

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

Dia_Logos. café teatral

Dia_Logos. café teatral café Café Teatral Para esta seção do Caderno de Registro Macu, a coordenadora do Café Teatral, Marcia Azevedo fala sobre as motivações filosóficas que marcam esses encontros. Partindo da etimologia da

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias OS CICLOS DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO E A REALIDADE DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA PÚBLICA Suzane Ribeiro Milhomem E-mail:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Wallace Matheus Torres Peres / UERJ w.matheustorres@bol.com.br Renan Caldas Galhardo Azevedo / UERJ renan.azevedo08@outlook.com INTRODUÇÃO O

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO A Prima do Coelho. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Os brinquedos ouvem batidos na porta: é

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Maria da Gloria Vasconcellos Cid Faculdades Integradas Geraldo Di Biase Volta Redonda RJ glorinhacid@hotmail.com INTRODUÇÃO A Matemática tem

Leia mais

UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA

UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA José de Jesus de Oliveira 1 (Fac. Signorelli) Siderlene Muniz-Oliveira 2 (UTFPR) Resumo: Esta comunicação tem como objetivo

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I DINÂMICA Telefone sem fio

Leia mais

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL Bárbara Leite 1 Paula Filippom 2 Francilene Raimone 3 Stelamaris Gluck 4 O problema é procurar aquilo que sai da terra, isto é, o que acontece quando

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1

ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1 ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1 BETWEEN THE PAST AND THE PRESENT: THE CONSTRUCTION AND AFFIRMATION OF ETHNIC

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O louco No pátio de um manicômio encontrei um jovem com rosto pálido, bonito e transtornado.

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL.

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. Tema 4: A participação e o empoderamento das comunidades locais conduzem a uma

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Para suportar as intensas mudanças nos próximos 10 anos, Aprendizes do Futuro compreendem que é necessário criar

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ

A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ BARRETO, Adriano Albuquerque

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais