MathWS: Broker de Serviços Web para e-science

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MathWS: Broker de Serviços Web para e-science"

Transcrição

1 MathWS: Broker de Serviços Web para e-science Ely Edison Matos 1, Cristianne Nocelli 1, Regina Braga 1,2, Fernanda Campos 1,2 1 Mestrado em Modelagem Computacional 2 Núcleo de Pesquisa em Qualidade de Software Universidade Federal de Juiz de Fora Campus Universitário, Juiz de Fora, Minas Gerais Brasil Abstract. The amount of e-science software components deserves a sophisticated treatment. This article presents the MathWS, a broker, based on ontologies, to register, discover and execute mathematical web services. The Broker prototype uses innovative technologies such as OWL-S and MathML languages, and inference engines. Services can implement an algorithm or encapsulate an existent mathematical implementation. The broker structure, independent of applications that effectively execute algorithms, provides interoperability and reusability within e-science domains. Resumo. O volume de componentes de softwares disponíveis para e-science faz com que essa base de serviços computacionais mereça um tratamento sofisticado. Este artigo apresenta o MathWS, um broker, baseado em ontologias, para registro, descoberta e execução de serviços web matemáticos. O protótipo faz uso de tecnologias inovadoras como os padrões OWL-S e MathML e mecanismos de inferência para descoberta de serviços. Os serviços podem implementar um algoritmo ou encapsular o acesso a implementações existentes. Independente da aplicação que efetivamente executará os algoritmos, a estrutura do broker pretende garantir uma alta interoperabilidade e uma especificação reutilizável em vários domínios da e-science.. 1. Introdução A Sociedade Brasileira de Computação (SBC) identificou a e-science, ou ciência em larga escala, como uma área estratégica para pesquisa nos próximos anos [SBC 2006]. Neste contexto, o volume de componentes de softwares disponíveis para a ciência em larga escala faz com que essa base de serviços computacionais mereça um tratamento sofisticado quanto à sua descrição, disponibilidade, interfaces, histórico de uso, etc., de tal forma que o cientista possa compor itens de solução de problemas. A pesquisa em ciência em larga escala envolve, entre outras, as áreas de Modelagem Computacional e Simulação [Barba 2006] e se apóia fortemente na Análise Numérica, executando experimentos virtuais em substituição à construção de uma infraestrutura física [Campos 2007]. Vários algoritmos matemáticos foram desenvolvidos ao longo dos últimos 40 anos. Estes algoritmos são implementados em programas isolados, agrupados em bibliotecas ou em pacotes interativos. A utilização das linguagens de programação Fortran [J3 2006] ou C [Kernighan 1988], ou de interfaces próprias de um pacote, dificulta a reutilização, prendendo o desenvolvimento da solução de um problema a uma tecnologia específica. O uso de serviços web é útil neste cenário, provendo o desacoplamento da resolução do problema e dos algoritmos matemáticos utilizados. Serviços web matemáticos devem permitir ao usuário não apenas escolher qual implementação usar para um dado algoritmo, mas também orquestrar (compor) os serviços oferecidos por bibliotecas diferentes. A linguagem XML tem sido usada em padrões para descrever os serviços através de WSDL (Web Service Description Language) e para publicar um serviço através de UDDI (Universal Description, Discovery and Integration) 41

2 [W3C 2007]. Entretanto, estas abordagens não são consideradas adequadas para capturar a natureza completa de um serviço matemático [Caprotti 2004]. A taxonomia de UDDI é de um nível muito alto e serviços matemáticos com funções distintas seriam agrupados sob uma única categoria. Por exemplo, uma categoria Sistema de Equações, englobaria tanto sistemas lineares quanto nãolineares, quando na realidade os algoritmos para resolução destes sistemas são diferentes. Categorias de alto nível dificultariam a tarefa de descoberta de um serviço específico para um problema matemático. Por outro lado, a WSDL permite a descrição do serviço em um nível mais baixo, porém um serviço matemático deve possuir uma descrição em nível mais alto, independente dos tipos de dados efetivamente usados na sua implementação. Por exemplo, para o cliente de um serviço web deve ser possível identificar que o parâmetro para um serviço é uma matriz, não importando se os dados são fornecidos formatados em um tipo string ou em um tipo vetor. A conversão de matriz para o tipo específico seria feita programaticamente. As descrições dos serviços estão, portanto, em um nível muito alto ou muito baixo de abstração. Um nível intermediário ideal pode ser alcançado agregando semântica aos serviços web. Os esforços para a consolidação da Web Semântica [Berners-Lee 2001] levaram ao desenvolvimento da OWL-S (Ontology Web Language for Services) [OWL-S 2004], que provê os blocos básicos para codificar uma descrição semântica dos serviços, construída sobre OWL (Ontology Web Language) [OWL 2004]. No contexto de propostas de infra-estrutura para e-science, este artigo apresenta o MathWS, um broker baseado em ontologias para registro, descoberta e execução de serviços web matemáticos. O registro da descrição semântica do serviço é feito através do armazenamento, em banco de dados, dos conceitos inferidos na ontologia. A descoberta usa uma máquina de inferência para recuperar serviços que combinem com os conceitos fornecidos pelo cliente. A execução utiliza a descrição WSDL contida na ontologia para acessar o serviço, bem como realiza a conversão dos parâmetros de conceitos semânticos para os tipos de dados esperados pelo serviço. Um protótipo implementando serviços matemáticos foi construído com o uso do software matemático Maple [Maple 2006]. No entanto, a estrutura do broker é independente dos aplicativos que irão efetivamente executar os algoritmos. A próxima seção apresenta alguns trabalhos correlatos. As ontologias usadas como base para a descrição dos serviços são descritas na seção 3. A arquitetura e implementação do MathWS são apresentadas na seção 4. Um exemplo, que ajuda na compreensão do processo, é apresentado na seção 5. A seção 6 apresenta alguns resultados preliminares. Finalmente, as conclusões mostram as dificuldades encontradas e apontam os passos futuros. 2. Trabalhos correlatos Os trabalhos relacionados à arquitetura do MathWS podem ser classificados em duas áreas distintas: serviços web matemáticos e serviços web semânticos. No primeiro caso destaca-se o projeto MONET [MONET 2006] e o projeto MathBroker [MathBroker 2006], enquanto os projetos das universidades de Carniege-Mellon [CMU 2004] e Maryland [Mindswap 2004] estão associados às questões semânticas. O projeto MONET, proposto para investigar a área de serviços web matemáticos, gerou vários produtos, como a implementação de um broker [Aird 2005], a definição da linguagem para descrição de serviços MSDL (Mathematical Service Description Language) [MSDL 2003], várias ontologias associadas ao domínio [Caprotti 2004] e o componente InstanceStore [Turi 2006, Bechhofer 2005]. Alguns destes produtos estão sendo utilizados no MathWS. O diferencial do MathWS em relação ao MONET é o uso de padrões propostos ou estabelecidos para a web, tais como OWL-S para descrição dos serviços e MathML [MathML 2007] para descrição dos objetos matemáticos, o que garante uma maior interoperabilidade do MathWS com aplicativos já existentes, além de uma especificação mais reutilizável. 42

3 O projeto MathBroker se propõe a desenvolver um framework para realizar o broker de serviços matemáticos distribuídos entre vários servidores em rede. Atualmente o projeto MathBroker II está desenvolvendo uma linguagem de consulta de alto-nível para pesquisa de serviços e o uso de OWL-S. O MathWS já usa o OWL-S tanto para descrever quanto para acessar o serviço e as consultas são feitas através de uma combinação de máquina de inferência e acesso SQL. Assim, não é necessário especificar uma nova linguagem de consulta. No contexto de serviços web semânticos, pesquisadores do Software Agents Group, da Canergie Mellon University, desenvolveram uma série de ferramentas [CMU 2004], como parte da construção de uma IDE. Enquanto estas ferramentas são de uso geral para Web Semântica, o MathWS trabalha em um domínio específico (serviços matemáticos) com uma ontologia própria para o domínio. Na University of Maryland, o Semantic Web Research Group também desenvolveu uma API OWL-S [Mindswap 2004] que provê uma API Java para ler, escrever e executar serviços web descritos em OWL-S. Novamente, o diferencial do MathWS consiste em trabalhar em um domínio específico e ter mapeada uma ontologia para o mesmo. Outros projetos relacionados podem ser citados. Na University of Western Ontario, os pesquisadores utilizaram a infra-estrutura do projeto MONET para prover o registro e descoberta de serviços matemáticos implementados em Maple [Smirnova 2004], com uso de OpenMath [OpenMath 2007]. No MathWS é usado o suporte nativo do Maple para MathML [MathML 2007], não sendo necessário um programa intermediário para conversão do código. Na University of Bath, o projeto GENSS (Grid-Enabled Numerical and Symbolic Services) [GENSS 2006], também estendendo o projeto MONET, busca a combinação de grid computing e serviços web matemáticos. No MathWS o suporte a grid computing ainda não foi abordado. 3. Ontologias MathWS Um objetivo importante na Web Semântica é permitir que as descrições dos serviços possam ser compartilhadas e utilizadas sem intervenção humana. Este objetivo pode ser alcançado através do uso de uma ontologia padrão, como a OWL-S, para descrever os serviços, com classes e propriedades descritas em OWL. A OWL-S é considerada uma linguagem para especificar a função de uma operação, através de pré-condições e efeitos, e os tipos semânticos de cada entrada e saída do serviço. OWL-S assume que as definições dos conceitos semânticos estão disponíveis através de URIs 1 acessíveis via web. Isto permite que os serviços e os programas clientes compartilhem os termos e possam acessar as definições dos conceitos referenciados, representados em OWL. Para os testes iniciais um sub-conjunto das ontologias desenvolvidas pelo projeto MONET [MONET 2006] foi reutilizado. Este sub-conjunto é composto pelas ontologias GAMS [GAMS 2003], Algorithm e Problem. No MathWS, uma ontologia importa outra ontologia quando necessário. Nenhuma ontologia usada contém instâncias. As ontologias GAMS e Problem são usadas na caracterização do problema matemático e a ontologia Algorithm é usada na descrição do serviço que soluciona dado problema. Estas ontologias estão expressas em OWL e são usadas na descrição dos serviços com OWL-S. As ontologias são detalhadas nas seções seguintes. As figuras apresentam os termos de cada ontologia, embora não representem as ligações ontológicas entre estes termos GAMS Guide to Available Mathematical Software (GAMS) [GAMS 2003] é um serviço oferecido pelo National Institute for Science and Technology (NIST) que provê um índice online dos softwares matemáticos disponíveis, classificados de acordo com o problema que eles resolvem. Ele está 1 URI (Universal Resource Identifier) é uma string de caracteres usada para identificar ou nomear um recurso acessível remotamente. Cada protocolo possui uma sintaxe específica para a URI, chamada URI Scheme. 43

4 baseado fortemente em software numérico (pacotes comerciais e de domínio público). GAMS pode ser compreendido como uma taxonomia. No MathWS GAMS foi representado com classes OWL. Cada classe GAMS corresponde a uma classe OWL e a especialização de uma classe de problemas é representada com através de sub-classes. A subclassificação é usada pelos sistemas de raciocínio (reasoners) no processo de pesquisa de serviços. A Figura 1 apresenta uma representação do nível mais alto da taxonomia, enquanto a Figura 2 apresenta detalhes na classe D (Linear Algebra). Figura 2 Taxonomia GAMS (detalhe da classe D). Figura 1 Taxonomia GAMS (visão geral) Ontologia Algorithm A ontologia de algoritmos 2 serve de referência para a implementação de algoritmos pelos serviços matemáticos. A ontologia descreve algoritmos conhecidos em computação científica. A classe Algorithm está subdividida em três subclasses: Numeric, Symbolic e Symbolic_Numeric, para representar computação aproximada, exata ou uma mistura das duas. No MathWS a ontologia Algorithm foi estendida para representar os algoritmos para resolução numérica de sistemas lineares e não-lineares (implementados no protótipo). A Figura 3 apresenta uma representação parcial da ontologia Ontologia Problem A ontologia de problemas 3 foi projetada para representar um problema matemático específico. Um problema pode ser descrito em termos de suas entradas e saídas, pré-condições e pós-condições. Nesta implementação a ontologia Problem está sendo usada apenas como mais um mecanismo de classificação do serviço. Posteriormente, esta ontologia poderá ser usada na composição de serviços. A Figura 4 apresenta uma representação parcial da ontologia Descrição de um Serviço Matemático Considerando as ontologias apresentadas, no MathWS cada serviço é caracterizado por 2 elementos: a) Classificação do serviço: - Descrição do problema que o serviço resolve, com referência à ontologia Problem; - Classe GAMS em que o serviço matemático está enquadrado. b) Implementação: - Algoritmo usado, com referência à ontologia Algorithm

5 Figura 4 Ontologia Problem (visão parcial). Figura 3 Ontologia Algorithm (visão parcial) Para customizar a ontologia OWL-S, foi criada uma ontologia auxiliar chamada MathWsService, com a classe MathWSProfile (uma sub-classe de OWL-S Profile) com propriedades referentes à descrição do problema, à classificação GAMS e ao algoritmo utilizado no serviço web. Esta ontologia também define as classes Equation e SystemOfEquations, usadas para descrever os parâmetros dos serviços em um nível mais alto de abstração. A Figura 5 apresenta uma representação parcial desta ontologia usando a sintaxe abstrata de OWL [AOWL 2007]. Ontology(http://mathws.mmc.ufjf.br/ontologies/mathwsservice ObjectProperty(mathwsAlgorithm domain(mathwsprofile) range(algorithm:algorithm)) ObjectProperty(mathwsGams domain(mathwsprofile) range(gams:gams)) ObjectProperty(mathwsProblem domain(mathwsprofile) range(problem:problem)) ObjectProperty(equations domain(systemofequations) range(<http://www.w3.org/2001/xmlschema#string>)) Class(Equation partial Parameters) Class(MathWsProfile partial profile:profile) Class(SystemOfEquations partial Parameters)) 4. MathWS broker Figura 5 Ontologia MathWSService (visão parcial notação AOWL). O MathWS é um broker de acesso a algoritmos matemáticos via serviços web descritos semanticamente (utilizando ontologias). Estes serviços podem implementar um algoritmo específico, ou podem encapsular o acesso a implementações já existentes. Além de fornecer uma interface padronizada para acesso aos algoritmos, existe a possibilidade de orquestração de serviços web matemáticos para a resolução de problemas mais complexos usando a combinação de diversas implementações. Descrever um serviço semanticamente permite acrescentar informações adicionais sobre a natureza e finalidade do serviço, apresentar as condições em que ele pode ser usado, definir seus parâmetros em um nível mais alto de abstração e formalizar sua utilização em conjunto com outros serviços. As ontologias OWL-S, associadas à ontologia de um domínio específico (a matemática, no caso do MathWS), proporcionam esta descrição semântica. 45

6 4.1. Arquitetura Uma visão geral da arquitetura do MathWS é apresentada na Figura 6, com 3 camadas distintas: - Client Layer: implementa uma interface para interação com o usuário do broker, podendo ser desenvolvida em qualquer linguagem que permita acesso a serviços web. No teste do protótipo foi utilizada uma aplicação escrita na linguagem PHP. - Mediation Layer: representada pelo broker MathWS. O próprio broker está implementado como um serviço web, com 3 componentes principais: -Client Manager, responsável pela interação com os clientes do broker, para consultar os serviços disponíveis e registrar ou executar um serviço. -Store Manager, responsável pelo armazenamento dos registros de serviços, sendo usado na localização de um ou mais serviços específicos. -Execute Manager, responsável pela codificação dos parâmetros e execução do serviço web. - Service Layer: abrange os serviços web que implementam (ou encapsulam) os algoritmos matemáticos. No teste do protótipo foram criados serviços web escritos na linguagem Java, encapsulando o acesso a algoritmos escritos como programas do software Maple. Figura 6 Visão geral da arquitetura do MathWS Broker. O MathWS tem como principais funcionalidades o registro, a descoberta e a execução de serviços matemáticos: a) Registro do serviço: o cliente informa ao broker a URI referente à ontologia que descreve o serviço. A Figura 7 apresenta uma representação parcial de um exemplo desta ontologia em AOWL (referente à implementação do algoritmo Cholesky [Saunders 1999], para sistemas de equações lineares). Um ou mais parâmetros que caracterizam o serviço (problema, classificação GAMS e algoritmo implementado) são obtidos a partir da ontologia. Estes dados são repassados pelo Client Manager ao Store Manager. O Store Manager encapsula o Instance Store (IS) [Turi 2006, Bechhofer 2005], um componente Java desenvolvido para lidar com as inferências sobre os indivíduos de uma ontologia. O IS armazena as asserções relativas aos indivíduos em um banco de dados relacional, juntamente com informações adicionais inferidas através de uma máquina de inferência para DL (Description Logics). A URI da ontologia que representa o serviço é armazenada como um indivíduo da ontologia MathWS. 46

7 /* Cholesky Service description */ Individual(choleskyService type(service:service) value(service:presents choleskymathwsprofile) value(service:describedby choleskyprocess) value(service:supports choleskygrounding)) /* Cholesky Service Profile description */ Individual(choleskyMathWSProfile type(mathwsservice:mathwsprofile) value(profile:servicename "cholesky"^^<http... XMLSchema#string>) value(mathwsservice:mathwsgams GamsD2) value(mathwsservice:mathwsalgorithm CholeskyAlgorithm) value(mathwsservice:mathwsproblem zero_of_linear_system) value(profile:hasinput b) value(profile:hasinput A) value(profile:hasoutput choleskyreturn) value(service:presentedby choleskyservice)) /* Cholesky Service Process description */ Individual(choleskyProcess type(process:atomicprocess) value(service:describes choleskyservice) value(process:hasinput A) value(process:hasinput b) value(process:hasoutput choleskyreturn)) Individual(A type(process:input) value(process:parametertype "http://mathws.mmc.ufjf.br/ontologies/mathwsservice.owl#systemofequations"^^...)) /* Cholesky Service Grounding description */ Individual(choleskyGrounding type(grounding:wsdlgrounding) value(service:supportedby choleskyservice) value(grounding:hasatomicprocessgrounding choleskyatomicprocessgrounding)) Individual(choleskyAtomicProcessGrounding type(grounding:wsdlatomicprocessgrounding)... value(grounding:wsdldocument "http:// mathws.mmc.ufjf.br:8080/linearsystem/services/linearsystem?wsdl"^^... ) value(grounding:owlsprocess choleskyprocess)... ) Figura 7 Representação parcial de uma ontologia de serviço (notação AOWL). b) Descoberta do serviço: o cliente informa ao broker um ou mais parâmetros que caracterizam o serviço desejado (problema, classificação GAMS e/ou algoritmo implementado). Estes dados são usados pelo Client Manager para consultar o Store Manager, que retorna como resultado uma lista de URIs de ontologias de serviços que atendem aos parâmetros. O Client Manager retorna ao cliente do broker esta lista de URIs. c) Execução do serviço: o cliente informa ao broker a URI OWL-S do serviço desejado. Esta URI é passada pelo Client Manager ao Execute Manager, para execução do serviço correspondente. O Execute Manager realiza as transformações nos parâmetros, quando necessário, usando XSLT 4 [XSLT 1999], utiliza a referência a WSDL presente na ontologia, executa o serviço e repassa para o Client Manager o resultado obtido. Este resultado é retornado para o cliente do broker. 5. Exemplos de uso do MathWS Esta seção apresenta exemplos de utilização do broker MathWS, com base nas ontologias descritas anteriormente. O objetivo é validar as tecnologias envolvidas e testar a viabilidade da ferramenta em aplicações reais em e-science. Os serviços são referentes à resolução de sistemas de equações lineares e não-lineares. As imagens são retiradas da aplicação cliente usada para teste do protótipo. 4 XLST (extensible Stylesheet Language Transformations) define uma linguagem baseada em XML para expressar regras de transformação de uma classe de documentos XML para outra. 47

8 5.1. Registro de serviços Para registro do serviço é fornecida a URI da ontologia OWL-S correspondente. A descrição do serviço (Problem, GAMS e Algorithm) é obtida a partir da ontologia. A Figura 8 mostra o registro do serviço que implementa o método Cholesky [Saunders 1999] para resolução de sistemas lineares. No protótipo foram registrados serviços que implementam os algoritmos dos métodos Jacobi [Black 2007], Cholesky e Gauss [Black 2007b] para resolução de sistemas lineares e um serviço que implementa o método Newton-Raphson [Weisstein 2007], para sistemas não-lineares. Figura 8 Exemplo de registro do serviço no MathWS Execução do serviço Para executar um serviço no MathWS é necessário antes realizar sua descoberta, submetendo a descrição completa ou parcial do serviço (Problem, GAMS e Algorithm) (Figura 9). Figura 9 Formulário de execução do serviço no MathMS. O retorno é uma lista de URIs OWL-S dos serviços que atendem à descrição (ou uma lista vazia caso nenhum serviço atenda à descrição). Observe-se que a descrição do serviço especificou como algoritmo Linear System. Embora nenhum serviço implemente este algoritmo, a ontologia de Algoritmos (Figura 3) mostra que tanto Jacobi, quanto Cholesky e Gauss estão classificados sob a classe Linear_System. Como resultado da consulta, os três serviços são apresentados e, neste segundo passo, o usuário deve escolher qual executar. Feita a escolha, através da consulta à ontologia são descobertos os parâmetros (quantidade, nome e tipo) que devem ser fornecidos. 48

9 Supondo que o usuário escolha o Método Cholesky, são apresentados, no terceiro passo, os campos para fornecimento de dois parâmetros. Os parâmetros para os serviços web devem ser fornecidos em MathML. A fim de facilitar essa tarefa, utilizou-se o editor AsciiMathML [Jipsen 2007] que permite a representação de elementos matemáticos em ASCII, com uma sintaxe mais simples e mais intuitiva que o MathML. A transformação do tipo semântico SystemOfEquations para string é feita através de XSLT. Finalmente, o serviço é executado e o resultado é apresentado. 6. Resultados Preliminares Com os resultados iniciais do projeto, podemos destacar alguns pontos importantes observados. Apesar do protótipo apresentar o broker como uma estrutura centralizada, o mesmo é um serviço web, o que permite a sua utilização de forma descentralizada, uma vez que ele pode ser distribuído em vários servidores e localizado através do uso de UDDI. Os serviços web matemáticos também são distribuídos pela rede e localizados através da referência ao WSDL, armazenada na descrição semântica do serviço. A distribuição do serviço, aliada ao fato de ter sido programado na linguagem Java e ser executado sob um servidor de container (ou um servidor de aplicações), permite uma alta escalabilidade, o que contribui para melhorar seu desempenho. A implementação do broker como um serviço web também permite o acesso através da qualquer linguagem de programação que possa utilizar este tipo de serviço, contribuindo para o desacoplamento entre a solução codificada pelo cliente e a programação dos serviços matemáticos. Isto possibilita o acesso a várias bibliotecas matemáticas existentes (e.g., NAG [NAG 2007]) e a composição de algoritmos para a solução de um problema específico. O uso de linguagens padronizadas também é relevante, por possibilitar a utilização de diversas ferramentas já existentes, além de promover a compatibilidade entre serviços criados por desenvolvedores diferentes. 7. Conclusões A Modelagem Computacional e as Simulações, ferramentas fundamentais para a e-science, se apóiam fortemente na Análise Numérica. Os algoritmos matemáticos são usados intensamente na resolução de problemas científicos e estão implementados em programas isolados, bibliotecas ou pacotes interativos, escritos em diversas linguagens de programação e acessados através de interfaces não padronizadas. Isto dificulta sua reutilização, induzindo os desenvolvedores a reescrever uma nova solução para seu caso específico. Mesmo quando implementações existentes são reutilizadas, a solução de um problema fica acoplada a uma tecnologia específica. O uso de serviços web matemáticos é útil neste cenário, desvinculando a implementação de uma solução para um problema específico da implementação de algoritmos gerais. Este artigo detalhou a especificação do broker MathWS, cujo objetivo é o registro, a descoberta e a execução de serviços web matemáticos descritos semanticamente através de OWL-S. A associação de serviços matemáticos e Web Semântica é relativamente recente. As linguagens utilizadas estão em fase de pesquisa e os padrões propostos ainda estão em discussão. Como conseqüência, avanços na área são necessários e o MathWS é um esforço no sentido de testar a integração destes padrões e tecnologias em projetos reais de e-science, com a utilização de ontologias de domínios específicos. Como exemplo, estão em estudo os mecanismos de integração do broker com a linguagem CellML [CellML 2007], usada na criação de modelos biológicos. Com a implementação do protótipo do broker, observou-se a necessidade de algumas extensões, como a criação de mecanismos para escolha do serviço a ser executado, quando a consulta retornar mais de uma possibilidade (ranking) e da melhoria no processo de realização de consultas. A definição e implementação da arquitetura MathWS é uma proposta de modelo que norteará as pesquisas futuras do grupo, como por exemplo a questão da orquestração de serviços em um ambiente distribuído. 49

10 Referências Bibliográficas Aird M-L., Medina W. B. and Padget J. (2005). Brokerage for Mathematical Services in MONET. In L. Cavedon, Z. Maamar, D. Martin, and B. Benatallah, editors, Extending Web Services Technologies, volume 13 of Multiagent Systems, Artificial Societies, and Simulated Organizations. Springer, May ISBN: AOWL (2007) OWL Web Ontology Language Semantics and Abstract Syntax. Acesso em: 30 de maio Barba, L. (2006) Introduction to Scientific Computing: Two-lecture series for post-graduates. University of Bristol, Bechhofer, S., Horrocks, I., Turi, D. (2005). The OWL Instance Store: System Description. Proceedings CADE-20, Lecture Notes in Computer Science, Springer-Verlag. Berners-Lee, T., Hendler, J.; Lassila, O. (2001) The Semantic Web. A new form of Web content that is meaningful to computers will unleash a revolution of new possibilities. Scientific American, 01/05/2001. Disponível em: 2001/0501issue/0501bernerslee. Acesso em: 30 de maio Black, N., Moore, S. and Weisstein, E. W. (2007) "Jacobi Method." From MathWorld--A Wolfram Web Resource. Acesso em: 30 de maio Black, N., Moore, S. and Weisstein, E. W. (2007b). "Gauss-Seidel Method." From MathWorld--A Wolfram Web Resource. Acesso em: 30 de maio Campos, F. C. A., Braga, R. M. M. e Matos, E. (2007) Uma ferramenta de busca na web usando ontologia para métodos numéricos e computacionais. In: CILAMCE 2007, 2007, Porto. Anais CILAMCE 2007, Caprotti O., Dewar, M. and Turi, D. (2004). Mathematical service matching using description logic and owl. In Mathematical Knowledge Management, pages CellML (2007) CellMl Homepage. Acesso em: 30 de maio CMU (2004).Semantic Web Service Tools. Acesso em: 30 de maio ebxml (2006). Electronic Business Using XML. Acesso em: 30 de maio GAMS (2003) Guide to Available Mathematical Software. Acesso em: 30 de maio GENSS (2006) The GENSS Project. GENSS Home Page, www. Available from Acesso em: 30 de maio J3 (2006) Fortran Standards Technical Committee. Disponível em: Acesso em: 30 de maio Jipsen, P. (2007) ASCIIMathML - Translating ASCII math notation to Presentation MathML. Kernighan, B. W.; Ritchie, D. M., (1988) C Programming Langauge. Prentice-Hall. MathML (2007) W3C Math Home. Acesso em: 30 de maio MathBroker (2006) MathBroker II: Brokering Distributed Mathematical Services. Acesso em: 30 de maio Mindswap (2004) OWL-S API. Acesso em: 30 de maio MSDL (2003) The MONET Consortium. Mathematical Service Description Language: Final version. Technical Report Deliverable D14, The MONET Consortium, March Available from Acesso em: 30 de maio MONET (2006) MONET Consortium. MONET Home Page, www. Available from Acesso em: 30 de maio NAG (2007). Numerical Algorithms Group. Acesso em: 30 de maio OpenMath (2007) OpenMath Homepage. Acesso em: 30 de maio OWL (2004). OWL Web Ontology Language. Acesso em: 30 de maio OWL-S (2004) OWL-S: Semantic Markup for Web services. Acesso em: 30 de maio Saunders, M. A. (1999). Solution of sparse linear equations using Cholesky factors of augmented systems, Report SOL 99-1, Dept of EESOR, Stanford University (1999), 9 pages. SBC (2006) Sociedade Brasileira de Computação, Grandes Desafios de Pesquisa em Computação no Brasil: Relatório Final, Disponível em: &content=downloads&id=231.. Acesso em: 30 de maio Smirnova Elena S., Clare S. M., Watt Stephen M., Andrea A., Grzegorz B., Andrzej T. (2004) An architecture for distributed mathematical web services. MKM 2004 : Mathematical Knowledge Management (Bialowieza, September 2004). Turi, D. (2006). Instance Store. Acesso em: 30 de maio W3C (2007) World Wide Web Consortium Acesso em: 30 de maio Weisstein, Eric W. (2007). "Newton s Method." From MathWorld--A Wolfram Web Resource. XSLT (1999) XSL Transformations (XSLT). Acesso em: 30 de maio

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Ivan Guilherme 1, Jonas Queiroz 1, Caio Marques 2 1 Universidade Estadual Paulista, IGCE, DEMAC, Caixa

Leia mais

JONATHAN SCHNEIDER DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES E CONSUMIDORES DE CONTEÚDO WEB SEMÂNTICO

JONATHAN SCHNEIDER DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES E CONSUMIDORES DE CONTEÚDO WEB SEMÂNTICO FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO JONATHAN SCHNEIDER DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES E CONSUMIDORES DE CONTEÚDO

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

O padrão RDF na descrição de imagens

O padrão RDF na descrição de imagens O padrão RDF na descrição de imagens Edeilson Milhomem da Silva 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Cx. Postal 160 77054-970

Leia mais

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Hélio Rodrigues de Oliveira Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará heliorodrigues@lia.ufc.br Bernadette Farias Lóscio Departamento

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION

ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION Andrenizia Aquino Eluan Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Luís Miguel Botelho Departamento de Ciências e Tecnologias

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

MB-XP UM MECANISMO DE BUSCA EXPERIMENTAL SIMULADOR DE WEB SEMÂNTICA

MB-XP UM MECANISMO DE BUSCA EXPERIMENTAL SIMULADOR DE WEB SEMÂNTICA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Cadernos UniFOA. Web Semântica: Uma Rede de Conceitos. Semantic Web: A Network of ConceptsONCEPTS

Cadernos UniFOA. Web Semântica: Uma Rede de Conceitos. Semantic Web: A Network of ConceptsONCEPTS 23 Web Semântica: Uma Rede de Conceitos Semantic Web: A Network of ConceptsONCEPTS Professor Especialista José Maurício dos Santos Pinheiro Artigo Original Original Paper Palavras-chaves: Internet Semântica

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE Kellen Kristine Perazzoli, Manassés Ribeiro RESUMO O grande avanço tecnológico vivenciado nos últimos anos, os web services vem sendo utilizados trazendo

Leia mais

CelOWS: UM FRAMEWORK BASEADO EM ONTOLOGIAS COM SERVIÇOS WEB PARA MODELAGEM CONCEITUAL EM BIOLOGIA SISTÊMICA. Ely Edison da Silva Matos

CelOWS: UM FRAMEWORK BASEADO EM ONTOLOGIAS COM SERVIÇOS WEB PARA MODELAGEM CONCEITUAL EM BIOLOGIA SISTÊMICA. Ely Edison da Silva Matos CelOWS: UM FRAMEWORK BASEADO EM ONTOLOGIAS COM SERVIÇOS WEB PARA MODELAGEM CONCEITUAL EM BIOLOGIA SISTÊMICA Ely Edison da Silva Matos Universidade Federal de Juiz de Fora Mestrado em Modelagem Computacional

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista

NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista Universidade do Minho Campus de Azurém, 4800-058, Guimarães, Portugal

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR WEB SEMÂNTICA: A nova internet que fará com que os computadores entendam a lógica humana. Lúcia Helena de Magalhães 1 Márcio Aarestrup

Leia mais

Computação Sensível ao Contexto

Computação Sensível ao Contexto Computação Sensível ao Contexto Percepção de Contexto em Ambientes Domiciliares Modelagem de Contexto Modelagem de Contexto + Modelagem de Usuário Fabrício J. Barth novembro de 2004 Sumário O que já foi

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica

Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica Marcus de Melo Braga 1 2, Hélio Santiago Ramos Júnior 1, Tatianna de Faria Coelho 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

AMBIENTE DE SOFTWARE PARA ELABORAÇÃO E GERENCIAMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E INTEIRA

AMBIENTE DE SOFTWARE PARA ELABORAÇÃO E GERENCIAMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E INTEIRA AMBIENTE DE SOFTWARE PARA ELABORAÇÃO E GERENCIAMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E INTEIRA Fernando Lourenço Pinho Costa Universidade Federal Fluminense Instituto de Computação

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Serviços Web Semânticos

Serviços Web Semânticos Serviços Web Semânticos Paulo Vitor Antonini Orlandin paulovitor_e@hotmail.com Resumo O grande crescimento na utilização de Serviços Web torna imprescindível o desenvolvimento de uma forma de melhoria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Construindo Axiomas e Avaliando Ontologias em ODEd

Construindo Axiomas e Avaliando Ontologias em ODEd Construindo Axiomas e Avaliando Ontologias em ODEd Vítor Estêvão Silva Souza, Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática da Universidade Federal do Espírito Santo Av. Fernando Ferrari, CEP 29060-900,

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

2. Gerar um arquivo XSD e referenciá-lo no WSDL, fazendo com que seja possível catalogar o XML Schema no catálogo de XML Schemas da e-ping;

2. Gerar um arquivo XSD e referenciá-lo no WSDL, fazendo com que seja possível catalogar o XML Schema no catálogo de XML Schemas da e-ping; Guia de Orientação para Implementação de Web Services Este documento apresenta alguns direcionamentos referentes à implementação de web services. É uma versão preliminar da construção do Guia de Orientação

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira SOA - Service Oriented Architecture Marcelo Canevello Ferreira Índice Arquitetura baseada em componentes Introdução a SOA Principais conceitos de SOA SOA Framework Abordagem de integração Conclusões Evolução

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB Deusa Cesconeti e Jean Eduardo Glazar Departamento de Ciência da Computação Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ {dcescone, jean}@fsjb.edu.br RESUMO

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Uma Integração entre Ferramentas de Gerência de Projetos Utilizando XML

Uma Integração entre Ferramentas de Gerência de Projetos Utilizando XML Uma Integração entre Ferramentas de Gerência de Projetos Utilizando XML Edson Leandro de Araújo Silva 2, Adailton Magalhães Lima 1,2, Ernani de Oliveira Sales 1, Anderson Jorge Serra da Costa 2 1 Laboratório

Leia mais

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Nelson Ribeiro de Carvalho Júnior 1 RESUMO Atualmente o cenário mundial cuja dependência do software está cada vez mais evidente requer que

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

MECANISMOS PARA INTERCÂMBIO DE DADOS GEOGRÁFICOS ATRAVÉS DE WEB SERVICES

MECANISMOS PARA INTERCÂMBIO DE DADOS GEOGRÁFICOS ATRAVÉS DE WEB SERVICES MECANISMOS PARA INTERCÂMBIO DE DADOS GEOGRÁFICOS ATRAVÉS DE WEB SERVICES Michael Schuenck e Valéria Gonçalves Soares Departamento de Informática e Matemática Aplicada - UFRN, Caixa Postal 515, 12201, Natal,

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias

Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias GARCIA, Léo Manoel Lopes da Silva Universidade Estadual Paulista

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA EDITAL DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÕES EM COMPUTAÇÃO MACK COMPUTING CERTIFICATION MCC 2º SEMESTRE DE 2014 O Diretor da Faculdade de Computação e Informática (FCI), no uso de suas atribuições estatutárias

Leia mais

Extensões MIDP para Web Services

Extensões MIDP para Web Services Extensões MIDP para Web Services INF-655 Computação Móvel Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática MIDP Architecture MIDP = Mobile Information Device Profile Connection Framework HttpConnection

Leia mais

ROSAI - Uma abordagem baseada em lógica para representar e consultar objetos de aprendizado

ROSAI - Uma abordagem baseada em lógica para representar e consultar objetos de aprendizado ROSAI - Uma abordagem baseada em lógica para representar e consultar objetos de aprendizado Francisco H. T. Costa 1, Fábio A. M. Porto 2 Instituto Militar de Engenharia IME-RJ 1 Departamento de Engenharia

Leia mais

OpenGIS e Web Services aplicados ao intercâmbio de dados geográficos

OpenGIS e Web Services aplicados ao intercâmbio de dados geográficos OpenGIS e Web Services aplicados ao intercâmbio de dados geográficos Michael Schuenck dos Santos 1, Valéria Gonçalves Soares 1 1 Departamento de Informática e Matemática Aplicada - UFRN, Caixa Postal 515,

Leia mais

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica 3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica Este trabalho tem o objetivo de integrar o controle de acesso no projeto de aplicações na web semântica. Uma arquitetura de software

Leia mais

Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais

Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais Nikolai Dimitrii Albuquerque (Grupo Stela - UFSC) nikolai@stela.ufsc.br Vinícius Medina Kern (Grupo Stela - UFSC) kern@stela.ufsc.br

Leia mais

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Modelagem de Sistemas Web Aula 4 Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas CASE Fontes: Sarajane e Marques Peres Introdução

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos 11 Objetivos Este capítulo apresenta uma introdução aos sistemas distribuídos em geral Arquiteturas de cliente servidor Características das arquiteturas de 2 e 3 camadas Ambiente

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio Arquitetura de Software Silvia Regina Vergilio Atividades de Projeto Projeto Geral ou Preliminar: fase que traduz a especificação do sistema em termos da arquitetura de dados e de módulos. Descreve a organização

Leia mais

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof.

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos 1 Objetivo Apresentação de modelo conceitual para a integração e recuperação de informações, disponíveis em ambientes internos ou externos,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Paulo Fernando da Silva, Henrique Otte, José Leomar Todesco, Fernando A. O. Gauthier Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Mestrado em Modelagem Computacional. Laryssa Aparecida Machado da Silva

Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Mestrado em Modelagem Computacional. Laryssa Aparecida Machado da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Mestrado em Modelagem Computacional Laryssa Aparecida Machado da Silva COMPOSER-SCIENCE: UM FRAMEWORK PARA A COMPOSIÇÃO DE WORKFLOWS CIENTÍFICOS Juiz de

Leia mais

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO Djalma Gonçalves Costa Junior¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil djalma.g.costajr@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 PID - Projeto de Interoperabilidade

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

Serviços Web e sua relação com Sistemas de Informação

Serviços Web e sua relação com Sistemas de Informação Serviços Web e sua relação com Sistemas de Informação Uma abordagem dos conceitos básicos às composições semânticas Daniela Barreiro Claro 1 e Raimundo José de Araújo Macêdo 1 1 Laboratório de Sistemas

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.3 Web Ontology Language (OWL) Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Virtual Museum Ontology: uma descrição ontológica de objetos virtuais 3D em Museus Virtuais

Virtual Museum Ontology: uma descrição ontológica de objetos virtuais 3D em Museus Virtuais Virtual Museum Ontology: uma descrição ontológica de objetos virtuais 3D em Museus Virtuais Felipe S. da Costa 1, Rafael G. de Oliveira 1, Everton F. C. de Almeida 1, Clézio L. Azevedo 1, Claudia M. F.

Leia mais

Similaridade Semântica na Composição de Sistemas de Informação através dos Serviços Web

Similaridade Semântica na Composição de Sistemas de Informação através dos Serviços Web Similaridade Semântica na Composição de Sistemas de Informação através dos Serviços Web Vanessa Aline S. Sena 1, Daniela Barreiro Claro 1, Rodrigo Amorim 1, Denivaldo Lopes 2 1 FORMAS - Grupo de Pesquisa

Leia mais

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Ernesto F. Veiga, Márcio V. Oliveira Sena, Renato de F. Bulcão Neto ernestofonseca@inf.ufg.br marciovinicius@inf.ufg.br

Leia mais

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Adaptatividade e interoperabilidade em ambientes de e- learning utilizando tecnologias da web semântica

Adaptatividade e interoperabilidade em ambientes de e- learning utilizando tecnologias da web semântica Adaptatividade e interoperabilidade em ambientes de e- learning utilizando tecnologias da web semântica Aluno: José dos Reis Mota Orientadora: Márcia Aparecida Fernandes Pós-Graduação em Ciência da Computação

Leia mais

Uma Visão da Web Semântica. Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho. Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás www.inf.ufg.

Uma Visão da Web Semântica. Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho. Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás www.inf.ufg. Uma Visão da Web Semântica Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho Technical Report - RT-INF_001-04 - Relatório Técnico March - 2004 - Março The contents of this document are the sole responsibility

Leia mais

Uma Arquitetura de Metadados para Descrever e Organizar Informações de um Sistema de Saúde

Uma Arquitetura de Metadados para Descrever e Organizar Informações de um Sistema de Saúde Uma Arquitetura de Metadados para Descrever e Organizar Informações de um Sistema de Saúde Rafael Port da Rocha, Marcos Cordeiro D Ornellas 1,2 Grupo PIGS, Curso de Ciência da Computação (CCC) Universidade

Leia mais

Uma Arquitetura de Armazenamento de Informações de Contexto para Aplicações Ubíquas

Uma Arquitetura de Armazenamento de Informações de Contexto para Aplicações Ubíquas Uma Arquitetura de Armazenamento de Informações de Contexto para Aplicações Ubíquas Vinícius Maran 1, Iara Augustin 2 1 DCEEng Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI)

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

EP-RDF: SISTEMA PARA ARMAZENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS BASEADO EM ONTOLOGIA

EP-RDF: SISTEMA PARA ARMAZENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS BASEADO EM ONTOLOGIA EP-RDF: SISTEMA PARA ARMAZENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS BASEADO EM ONTOLOGIA Resumo Edeilson Milhomem da Silva1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP / ULBRA),

Leia mais

Web Services e SOAP. Alexandre Zua CaldeiraTecnologias de Middleware 2006/2007 20.10.2006. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Web Services e SOAP. Alexandre Zua CaldeiraTecnologias de Middleware 2006/2007 20.10.2006. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Alexandre Zua Caldeira Tecnologias de Middleware 2006/2007 Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 20.10.2006 1 Introdução Definições Limitações do Middleware Estudado Integração com Web Services

Leia mais

WEB SEMÂNTICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CATALOGAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURAS DE METADADOS E FRBR

WEB SEMÂNTICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CATALOGAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURAS DE METADADOS E FRBR PÔSTER WEB SEMÂNTICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CATALOGAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURAS DE METADADOS E FRBR Renata Eleuterio da Silva, Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa Santos Resumo: Os avanços

Leia mais

Descrição Semântica de Componentes em Ambiente Virtual 3D

Descrição Semântica de Componentes em Ambiente Virtual 3D Descrição Semântica de Componentes em Ambiente Virtual 3D Léo Manoel Lopes da Silva Garcia Mestrando Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho netogarcia19@gmail.com Diego Colombo Dias Mestrando

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB WEBSERVICES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um WebService e sua utilidade Compreender a lógica de funcionamento de um WebService Capacitar

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

5 Exemplos. 5.1. Produção bibliográfica da PUC-Rio

5 Exemplos. 5.1. Produção bibliográfica da PUC-Rio 5 Exemplos Foram desenvolvidas duas aplicações que exemplificam o uso e a utilidade das mudanças feitas no método SHDM e do ambiente de desenvolvimento Synth, apresentadas nas seções a seguir. 5.1. Produção

Leia mais

PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK

PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK MVC PROGRAMMING AND ZEND FRAMEWORK Rodolfo Vinícius Moimas Dias Centro Universitário Filadélfia de Londrina UniFil Rafael Francovig Cavicchioli Centro Universitário Filadélfia

Leia mais

Software livre na construção de grades computacionais para processamento de alto desempenho

Software livre na construção de grades computacionais para processamento de alto desempenho Software livre na construção de grades computacionais para processamento de alto desempenho André Leon S. Gradvohl 1,2 1 Universidade São Francisco São Paulo Brasil 2 Centro Nacional de Processamento de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROPOSIÇÃO DE UMA NOVA ARQUITETURA BASEADA EM

Leia mais