A questão da Liberdade na obra: Existencialismo é um Humanismo de Jean-Paul Sartre.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A questão da Liberdade na obra: Existencialismo é um Humanismo de Jean-Paul Sartre."

Transcrição

1 A questão da Liberdade na obra: Existencialismo é um Humanismo de Jean-Paul Sartre. I. INTRODUÇÃO Amarildo Fernando de Almeida 1 No presente artigo, nosso objetivo maior foi tecer considerações acerca dos conceitos que consideramos fundamentais na questão da liberdade no pensamento de Jean-Paul Sartre ( ) em sua obra: Existencialismo é um Humanismo. 2* Consideramos necessário antes de penetrarmos a nossa questão propriamente dita trabalharmos em questões preliminares, que são: contexto histórico e o encontro de Sartre com a fenomenologia de Husserl. Estas questões nos ajudarão a compreender melhor o pensamento de Sartre, pois estas revelam as exigências e preocupações de sua época e o método que ele utilizou para fazer a sua análise, para dar a sua resposta. É preciso levar em conta no presente artigo, nossa limitação. Evidentemente que a limitação é quase um desafio de nos superarmos no entendimento, na reflexão e na análise, não só do pensamento sartreano, mas do existencialismo, que representa uma atitude filosófica impregnada do desejo, da busca do homem do nosso século, o pensar acerca do sentido da própria existência. 1 Professor de Filosofia e Cultura Religiosa Pontifícia Universidade Católica de Minas / Serro e Guanhães 2 Conferência, livro-síntese das idéias fundamentais de Sartre e do Existencialismo em geral. Sartre proferiu esta conferência pela primeira vez em 1946 no Club Mainternart, Paris. O interesse desta conferência foi mostrar que o existencialismo não é uma bela teoria de vida, mas é uma filosofia de ação.

2 1 II. Contexto histórico e o encontro de Sartre com a Fenomenologia de Husserl. Sabemos pelos relatos (livros, documentos...) da história mundial, que sempre existiram lutas, guerras entre os homens, mas essas lutas, guerras, no século XX tornaram-se mais sofisticadas (gases asfixiantes, metralhadoras, balas explosivas, canhões, tanques, navios, bomba atômica...). As guerras tornaram-se mais eficazes. Nunca tivemos tantos mortos, tanta destruição em tão pouco tempo. O que o homem levou anos para construir em poucos segundos era destruído. Foi também no século XX que o homem pôde constatar, efetivamente, que existia uma outra possibilidade no modo de viver, um novo tipo de sociedade, uma sociedade diferente da sociedade capitalista. Esta nova sociedade foi possível de ser implantada graças a milhões de mortos. Esta nova sociedade deu-se efetivamente na Revolução Russa (1917). A quebra da Bolsa de Nova York (1929) também contribuiu para agravar os problemas do século: fome, desemprego, mortos, países ricos pressionando os países pobres, os países pobres querendo vender as suas mercadorias, por exemplo, o Brasil precisava vender o seu café base de toda nossa economia da época; mas vender para quem se ninguém tinha dinheiro. Foi uma quebradeira geral. Não podemos negar que existiram avanços neste século, pois a ciência e a tecnologia estão aí e são notórias as contribuições que elas alcançaram, tiveram. No entanto, a exaltação do saber científico, tecnológico, deve ser, é questionado, criticado, pois aquilo que foi prometido não foi cumprido: melhoria de vida da condição humana. Neste clima de crise (econômica, política, moral, social, religiosa...) surgem várias questões: o que está acontecendo? Onde está a verdade? Muitos jovens que viveram neste contexto histórico, mais precisamente, entre as duas grandes guerras mundiais, procuraram respostas. Eles buscaram a verdade, pois perceberam

3 2 que a verdade não estava naquilo que eles tinham aprendido (o bem e o mal eram distintos, separados; a ciência responde tudo, a ciência é uma deusa), mas que a vida era cheia de ambigüidades, que a ciência não responde tudo, ela esta presa a interesse de uma determinada sociedade. 3 ¹ A Filosofia surge como uma nova paixão, como uma resposta para esses angustiados e atraídos pelo sentido da existência humana. Desvendar o sentido da existência humana para esses jovens passou a ser uma questão de sobrevivência. É por isso que os existencialistas, filósofos por excelência dos anos 50, que se definiram como aqueles que têm o gosto pela evidência. 4 ² Dentre esses jovens estava Jean-Paul Sartre, que como ele próprio nos relata na sua obra O Testamento de Sartre: Entre 1939 e 1945 não fazia política. Me ocupava de literatura, vivia com meus amigos, era feliz... Subitamente estourou a guerra e, aos poucos, sobretudo depois da derrota e da ocupação alemã, eu me senti completamente privado do mundo que eu acreditava ter diante de mim. Encontrei-me diante de um mundo de miséria, de malefícios e desespero. Mas recusei esta possibilidade de desespero que tão frequente à minha volta e aliei-me a amigos que não se desesperaram, que pensavam no que era possível fazer, lutar por um futuro feliz, embora no momento parecesse não existir absolutamente qualquer possibilidade de existência para este futuro. 5 ³ Resta-nos uma questão: não existiram antes do século XX homens que preocuparam com a que tão da existência humana, pois fica parecendo que somente no século XX o homem foi preocupar com esta questão? Podemos afirmar que não, nos séculos anteriores os homens já estavam preocupados em fazer uma análise da existência humana, por exemplo: A lembrança do conselho socrático, expresso pelo lema conhece-te a ti mesmo, já assegura a improcedência da hipótese, também desmentida pela afirmação de 3 ALMEIDA, Fernando José de. Sartre: é proibido proibir. p Ibid, p in: Ibid, p.19.

4 3 Aristóteles de que a filosofia é a existência do existente enquanto existente. No Discurso do Método, de René Descartes ( ) também se pode encontrar passagens de cunho acentuadamente existencialistas, resolveu estudar a si próprio, dedicando-se, a partir de então, com todo empenho, a escolher os caminhos a seguir. Outro exemplo que merece citação é o de Voltaire ( ), que aconselhava que não perdêssemos a mediada humana das coisas. Os autores acima referidos criaram, sem dúvida, doutrinas com vida própria distinta entre si. Mas, nem por isso podem elas ser desvinculadas de certos elementos comuns que terminaram por desaguar no que modernamente é designado existencialismo. 6 Todavia, a maioria dos pensadores do existencialismo moderno possui temas, um núcleo de preocupações comuns que norteiam seu pensamento e posicionamento: A razão humana é impotente para resolver todos os problemas da existência; o homem está sempre se fazendo e refazendo; o ser humano é frágil; a realidade não aliena, nos torna estranhos a nós mesmos; a morte é uma presença constante na vida; não se pode fugir da solidão; a existência é um mistério; o Nada provoca o ser humano a avançar. 7 Na história da Filosofia não encontramos estas preocupação tão avançadas, isto é, norteadoras, pertinentes. Os pensadores que apontamos acima a título de exemplo, pensaram sim a existência humana, mas não foi esta a preocupação central, ao contrário do existencialismo moderno. Portanto, quando ouvirmos falar do existencialismo, saibamos que: Não é preciso, contudo, recuar as datas tão longínquas, pois quando alguém se refere ao existencialismo está querendo indicar, de forma precisa, um movimento filosófico historicamente bem recente. 8 Um movimento que teve um contexto histórico que possibilitou o homem perguntar, de uma maneira mais séria e vigorosa pela sua existência, visto que esta estava sendo abalada por tantos questionamentos, problemas, crises. Por isso: 6 PENHA, João da. O que é Existencialismo. p ALMEIDA, Fernando José de. Sartre: é proibido proibir. p PENHA, João da. O que é Existencialismo. p. 15.

5 4 A análise da existência não será então o simples esclarecimento ou interpretação dos modos como o homem se relaciona com o mundo, nas suas possibilidades cognoscitivas, emotivas e práticas, mas também e, simultaneamente, o esclarecimento e a interpretação dos modos como o mundo se manifesta ou homem e determina ou condiciona as suas possibilidades. 9 Os precedentes históricos próximos do existencialismo são a fenomenologia de Husserl e a filosofia de Kierkegaard. 10 Husserl ( ); Kierkegaard ( ). É com a fenomenologia de Husserl que Sartre vai se interessar, pois Husserl tinha a grande ambição de falar das coisas em seu estado puro, (...) tais como as via e as tocava, sem serem infeccionadas pela cultura ou pelas interpretações dos outros. Isso era para ele a Filosofia. A Fenomenologia buscava realizar a proeza de ultrapassar as dificuldades encontradas por outras filosofias, como o idealismo e o materialismo, na sua tentativa de explicar totalmente o mundo. 11 A fenomenologia surge no processo de revisão de verdades tidas como cientificamente inabaláveis, no momento em que as ciências ao nível da investigação, assumem um significado humano. 12 Todavia, Sartre interpreta o pensamento de Husserl de uma maneira bastante pessoal, livre, utilizando principalmente a teoria da intencionalidade. A teoria da intencionalidade veio finalmente mostrar qual é a verdadeira relação entre sujeito e objeto, entre consciência e mundo: eles nascem e emergem juntos, estando envolvidos numa relação na qual um termo não pode ser sem o outro, embora permanecendo sempre autônomo do outro. 13 Agora nós podemos compreender o porquê da rejeição de Sartre à psicologia tradicional (reduzia os eventos psíquicos a um fato físico deformava os fenômenos da consciência humana, não os dava autonomia) e o seu interesse pela psicologia fenomenológica. (...) a imagem nasce no interior do sujeito, estando relacionada com a própria capacidade intencional da consciência. Ela é, ainda, como Sartre sublinha, uma 9 ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia - vol. XIV. p Ibid, p ALMEIDA, Fernando José de. Sartre: é proibido proibir. p PENHA, João da. O que é Existencialismo. p MORAIVA, Sérgio. Sartre. p. 15.

6 5 forma de consciência organizada! Uma das possíveis modalidades de classificar o ser real. Tudo isto revela a existência, no sujeito, de uma curta capacidade. 14 Uma capacidade que só é possível ser dada à consciência livre. Uma liberdade que é ser-no-mundo, mas que ao mesmo tempo pode aniquilar o mundo, afirmando um novo ser, uma nova situação que ainda não é, mas será. Liberdade a qual Sartre vai fazer uma das bases de seu sistema filosófico, pois: o homem é um ser supremamente livre, criador do seu próprio mundo, medida dos seus valores A questão da liberdade na obra: Existencialismo é um Humanismo, de Jean-Paul Sartre. 14 MORAIVA, Sérgio. Sartre. p Ibid, p. 11.

7 6 Sartre em sua conferência (Existencialismo é um Humanismo) responde a uma série de críticas que os católicos e marxistas fazem ao existencialismo. Os marxistas criticam o existencialismo de incentivar os homens a permanecerem acomodados, num quietismo, presos a subjetividade. Os católicos constroem suas críticas ao existencialismo alegando que os existencialistas acentuam o lado feio, sombrio, ruim da vida humana, esquecendo o lado bonito, por exemplo, o sorriso de uma criança. Sartre respondendo a essas críticas afirma que o existencialismo não é uma doutrina pessimista, mas que o existencialismo que ele está incluído deixa a possibilidade de escolha de viver ao homem, porque entende que o homem é livre, isto assusta muitas pessoas. Há duas espécies de existencialistas: existencialistas cristãos e os existencialistas ateus. As duas espécies de existencialistas admitem que a existência precede a essência. No entanto, existencialismo ateu (no qual Sartre está incluído), como o próprio nome quer dizer, nega que Deus existe. Mas o que significa essência, existência, qual é a diferença? Na história da filosofia tivemos vários pensadores que tentaram fazer a distinção entre a essência e existência, por exemplo: Aristóteles, filósofo grego que viveu no século 4 a.c., ensinou que a essência é aquilo que define ou forma as características fundamentais de um ser. (...) essência é o que faz com que uma coisa seja o que é e não outra coisa qualquer. 16 Santo Tomás de Aquino: (...) a essência é potência com relação à existência; a existência é o ato da essência. Somente em Deus, porém, a essência é a própria existência, porque Deus não só é a essência mas também o próprio ser ; senão, ele existiria por participação, como as coisas finitas, e não seria o ser primeiro e causa primeira. 17 Já os existencialistas afirmam que a essência humana não existe nas idéias nem é dada gratuitamente ao homem. A essência humana é construída por cada um de nós no próprio existir. Quando penso em minha vida, vejo que há mil direções para seguir. À medida que vou existindo, decido-me por um caminho. Ando nele, com meu caminhar, abro a trilha. Sou como um trator, que faz seu caminho enquanto avanço, mais do que o automóvel, que só anda por estradas que foram feitas por outros. 16 ALMEIDA, Fernando José de. Sartre: é proibido proibir. p ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. p

8 7 O homem é um ser apenas possível. Existe à medida que transforma esse possível em real. Esta passagem do possível para o real é a vida. E mais que a passagem e o modo como o faço. 18 O homem, tal como concebe o existencialismo, se não é definível, é porque primeiramente não é nada só depois será alguma coisa e tal coisa a si próprio se fizer. 19 Não existem idéias inatas, anteriores ao surgimento do homem e destinadas a orientar sua vida, indicando que caminho ele deve seguir. As idéias do homem extraem-se de sua experiência pessoal. O indivíduo primeiramente existe, com o tempo, torna-se isto ou aquilo, quer dizer, adquire sua essência. Está é que irá caracterizá-lo, mostrando-o em que se tornou bom ou mau, agradável ou antipático, destemido ou covarde, etc. A essência humana, portanto, só aparece com decorrência da existência do homem. São seus atos que definem sua essência. Logo, inicialmente o homem existe e só depois é possível defini-lo, conceituá-lo. 20 Não há mais a dependência de um sujeito com relação a um plano divino. Deus não existe para Sartre. 21 Deus não existe para os existencialistas! Os existencialistas ateus afirmam que Deus não existe e isto leva a crer que não existe um bem a priori, um determinismo. Quando se diz que o homem está sujeito ao determinismo, significa que se acredita que qualquer força, seja econômica, social, ou biológica, obriga-o de tal forma que ele nada pode escolher por si mesmo e com a liberdade. No fundo, os defensores do determinismo afirmam que o homem é um prisioneiro de sua herança genética e um robô das pressões econômicas, que o levam a escolher a profissão, o amor, e amizade, o partido, ou uma viagem, sem nenhuma autonomia. Homens, em suas reações, seriam pouco diferentes de cobaias de laboratório. Sartre propõe e defendeu a soberania da subjetividade humana que permite ao homem escolher a cada passo o seu caminho. O indivíduo é livre. Ele não apenas tem liberdade, mas é liberdade (sublinhado meu). A inexistência de um Deus que vive a nos indicar caminhos e valores faz com que nada fora de nós legitime nosso comportamento. Nós construímos tudo: até mesmo os nossos valores, regras e imposições (...) 22 Contudo: Afirmar que o homem é livre não significa conferir-lhe o poder ou o destino de agir caprichosamente e ao acaso. O homem é livre no sentido em que pode livremente decidir do seu próprio comportamento, escolhendo os seus próprios valores, assumindo uma determinada atitude em relação ao seu próprio futuro, presente e 18 ALMEIDA, Fernando José de. Sartre: é proibido proibir. p SARTRE, Jean-Paul. Existencialismo é um Humanismo. p PENHA, João da. O que é Existencialismo. p ALMEIDA, Fernando José de. Sartre: é proibido proibir. p ALMEIDA, Fernando José de. Sartre: é proibido proibir. p. 45.

9 8 passado. No plano ontológico, a liberdade é a possibilidade do para-si existente de negar a sua própria facticidade em-si, transcendendo-a em direção a uma outra situação. 23 Vejamos como, por que isto acontece: O em-si corresponde ao mundo das coisas materiais (pedras, plantas, etc.), aquilo que se encontra fora do sujeito, que tem existência em si mesmo, atemporal. O para-si é o mundo da consciência, aquilo que tem a existência por si mesmo, a realidade humana. A consciência é um ser-para-si porque é auto-reflexiva, porque pensa sobre si mesma. 24 O para-si faz com que o nada apareça, desabroche. 25 Quando me interrogo sobre as coisas, lanço sobre elas a negatividade 26 A capacidade do para-si de modificar as coisas, de imaginar o nada, é a prova de sua liberdade. Mas o que leva Sartre a estabelecer o nexo entre nadificação e liberdade? Lembremos aqui que Sartre adota como método de análise filosófica os princípios básicos da fenomenologia. A exemplo de Husserl, ele não concebe a consciência como uma espécie de recipiente onde estariam depositadas as imagens e representação dos objetos. A consciência, ao mesmo tempo, não está contida no mundo das coisas ele está no mundo. Tampouco está como que afunda na realidade. A característica fundamental da consciência, sabemos, é a intencionalidade, é a tendência de estar sempre voltada para fora. Nesse sentido, a consciência é o nada, o que lhe propicia a capacidade de imaginar, de transcender, de ir além da situação presente, dos fatos imediatos. É a imaginação que possibilita à consciência criar mentalmente as coisas e reconstruí-las quando elas não se encontram presentes fisicamente. Daí, a afirmação sartreana de que é o para-si que faz com que exista o mundo. É através da consciência que o mundo adquire significado. Sem o para-si, toda a realidade se reduziria ao em-si. É o nada, portanto, que fundamenta a liberdade. 27 Necessário se faz lembrar a relação entre dois para-si, porque não estou sozinho no mundo, existem relações humanas, relações concretas do para-si com outro para-si. Como ficam estas relações? Ao relacionar-se com os demais indivíduos, o homem vê sua liberdade condicionada pela liberdade alheia. De sujeito, torna-se objeto, coisa, para as outras consciências alvo da liberdade do próximo. Mas, de que maneira se verifica esse processo de coisificação? Através do olhar do outro, olhar, diz Sartre, que me desloca para além de meu ser neste mundo, lança-me no meio do mundo, que é, simultaneamente, este 23 MORAIVA, Sérgio. Sartre. p PENHA, João da. O que é Existencialismo. p Ibid, p Ibid, p Ibid, p. 89.

10 9 mundo e mais além. A consciência, o para-si, experimente a sensação incômoda de existir como objeto para os outros, como parte de seu mundo exterior. Existe através do olhar alheio, que assim a fixou. Existe porque é percebida é um ser-paraoutro. Por isso, o ser-com é uma relação de conflito. 28 É como um duelo, por que: As relações entre o Eu e o Outro são em si mesma antagônicas: o outro limita-me e nega-me, enquanto, por outro lado, existe apenas como um eu rejeitado. É verdade que o Eu se esforça por compreender o Outro, mas, por definição, não o pode atingir: o Outro, o homem, não é, em última análise, passível de ser conhecido pelo outro homem. Aliás, sentir e ao mesmo tempo conhecer o homem é a priori impossível: se o sinto com clareza, não o consigo conhecer; se o conheço, se ajo sobre ele, alcanço apenas o seu ser-objeto e a sua existência provável no mundo; nenhuma síntese destas duas formas é possível. O que não é permitido é a compreensão totalizante do homem como sujeito e como objeto, como para-se e como em-si. O sujeito e o Outro permanecem divididos pelo Nada que em ambos habita e que se revela através de uma série infinda de antagonismos e negações recíproca. 29 Apesar do relacionamento entre dois para-si ser como um duelo de dois olhares, Sartre não estimula os indivíduos a ficarem presos ao subjetivismo, fazendo uma escolha estritamente pessoal, por si próprio, enclausurado no Eu, com medo de perder sua liberdade, mesmo porque existem fatos sociais, históricos... que muitas vezes balançam o meu ser (como um olhar de um outro-para-si ), mas nem por isto chega a condicionar, a acabar com projeto fruto da liberdade humana. Diz Sartre: (...) Os piores inconvenientes ou as piores ameaças que possam atingir a minha pessoa não têm sentido senão tendo em vista o meu projeto; surgem tendo como posso de fundo o meu projeto de empenhamento. É, pois, insensato pensar em queixar, porque nada de exterior decidiu aquilo porque passamos, aquilo que vivemos ou aquilo que somos (...). Cada pessoa é uma escolha absoluta de si (sublinhado meu) a partir de um mundo de conhecimentos e técnicos que esta escolha assume e esclarece ao mesmo tempo. 30 Por conseguinte, cada pessoa é uma escolha absoluta de si não significa: escolha do individual por si próprio. Quando dizemos que o homem se escolhe a si próprio; mas com isso queremos também dizer que, ao escolher-se a si próprio, ele escolhe todos os homens. Assim, a nossa responsabilidade é muito maior do que poderíamos supor, porque ela envolve 28 PENHA, João da. O que é Existencialismo. p MORAIVA, Sérgio. Sartre. p MORAIVA, Sérgio. Sartre. p

11 10 toda a humanidade. Se sou operário e se prefiro aderir a um sindicato cristão a ser comunista, se por esta adesão quero eu indicar a resignação é no fundo a solução que convém ao homem, que o reino do homem não é na terra, não abranjo somente o meu caso: pretendo ser o representante de todos, e por conseguinte a minha decisão ligou a humanidade inteira. E se quero, fato mais individual, casar-me, ter filhos, ainda que este casamento dependa unicamente da minha situação, ou da minha paixão, ou do meu desejo, tal ato implica-me não semente, mas a toda a humanidade na escolha: a monogonia. Assim sou responsável por mim e por todos. 31 E, ao querermos a liberdade, descobrimos que ela depende inteiramente da liberdade dos outros e que a liberdade dos outros depende da nossa. 32 Que a liberdade apesar de ser uma grande paixão humana, ela é angustiante, porque está (...) o homem por um compromisso e que dá conta de que não é apenas aquele que escolhe ser, mas de que é também legislador pronto a escolher, ao mesmo tempo que a si próprio, a humanidade inteira, não poderia escapar de ao sentimento de sua total responsabilidade. 33 Isto é angustiante, é angustia sentirmos que estamos condenados a ser livres. A angústia da liberdade é a angústia de optar, de fazer escolhas. Contra a sua liberdade, para fugir dela, tentando assim escapar da angústia que provoca a consciência de ser livre, o homem se refugia na má-fé. Forçado pelas circunstâncias a agir, a escolher, o que significa assumir pela decisão que tomar, o indivíduo busca disfarçar essa exigência adorando uma atitude de má-fé finge escolher, sem na verdade escolher. 34 A má-fé não é para enganar os outros, mas para enganar-me a mim mesmo, ainda que para isto o que comumente acontece eu tenha que enganar os outros. 35 Agora fica a pergunta: o indivíduo não é livre para adorar, assumir uma atitude de máfé? Sartre responde: Podemos julgar, antes de mais (e isto não é talvez um juízo de valor, mas sim juízo lógico), que certas escolhas são fundadas no erro e outras na verdade. A má-fé é evidentemente uma mentira, porque dissimula a total liberdade do compromisso. No mesmo plano, direi que há também má-fé, escolho declarar que certos valores existem antes de mim; estou na contradição comigo mesmo, se ao mesmo tempo os quero que se me impõem, se me dizem: e se eu quiser estar de má-fé?, responderei: não há razão alguma para que você o não esteja, mas declaro que você o está e que a atitude de uma estrita coerência é a atitude de boa-fé PENHA, João da. O que é Existencialismo. p SARTRE, Jean-Paul. Existencialismo é um Humanismo. p Ibid. p TROGO, Sebastião. O Impasse de má-fé na moral de Jean-Paul Sartre. p Ibid, p Ibid, p. 18.

12 11 Na mesma linha de angústia estão o desamparo e desespero, isto é, partindo da afirmação de que a existência precede a essência, que não há força a priori a nos controlar, comandar, um criador, o homem se sente desamparado, tem sempre que buscar seu futuro, (...) sem qualquer apoio e sem qualquer auxílio, o homem está condenado a cada instante a inventar o homem 37 O desamparo implica sermos a nós escolher o nosso ser. O desamparo é paralelo da angústia. Quanto ao desespero, esta expressão tem um sentido extremamente simples. Quer ela dizer que nós nos limitamos a contar o que depende da nossa ação possível. Quando se deseja uma coisa há sempre uma série de elementos prováveis. 38 Mas esta série de elementos prováveis não traz transtornos ao indivíduo e nem o deixa acomodado, quieto sem vontade de agir, de realizar o seu projeto (essencial para o indivíduo se fixar no mundo), pois, o homem é o seu projeto e só existe na medida em que esta realidade se torna concreta através da sua ação, dos seus atos, de sua vida de inserção no tempo e no espaço. E embora os projetos possam ser diversos, individuais, eles têm o valor de universalidade, eles podem ser compreendidos por todos os homens: brasileiro, inglês, angolano, chinês... criança, adulto, velho,... em qualquer contexto cultural, em qualquer época o projeto do homem pode ser reconhecido, porque ele tem o caráter de universalidade. Acreditamos que quando Sartre demonstra que o existencialismo não é uma doutrina que estimula os indivíduos a ficarem acomodados, quietos, mas que ele é uma doutrina de ação: que o existencialismo não é uma doutrina pessimista (mostra somente o lado ruim da vida humana), porque acredita no homem, acredita na sua possibilidade de encontrar a si próprio e ao outro, por isso ele é uma doutrina otimista, fundada na crença da liberdade. Ao longo do nosso artigo, tentamos compreender os passos que Sartre dá para chegar à liberdade. Uma questão que tanto buscamos mas que ao mesmo tempo temos medo 37 Ibid, p Ibid, p. 18.

13 12 de encontrá-la, pois, encontrá-la significa ter que assumi-la com sinceridade e responsabilidade. No fundo não é isto que os marxistas e católicos temiam e conseqüentemente criticavam no existencialismo, no pensamento de Sartre, obrigando Sartre a mostrar que o existencialismo é um Humanismo.

14 13 III. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao chegarmos ao final deste artigo podemos dizer: Com Sartre nós estamos realmente no ápice da filosofia existencialista atéia. Uma filosofia que tem a sua preocupação central voltada para o homem, não o homem que simplesmente é, mas o homem que existe, que se autodetermina. Através do pensamento sartreano fica definitivamente superada a metafísica tradicional. Uma metafísica que está voltada para a essência, para a busca daquilo que é. Para Sartre, a existência precede a essência, isto é, primeiro existimos depois constituiremos a nossa essência. Seremos nós mesmos os nossos construtores, inventores, não temos um Deus para dar normas, para direcionar a nossa vida. Somos livres. Somos livres para criar nossos valores. Se somos livres, somos também responsáveis por tudo aquilo que escolhemos. A nossa liberdade só possui significado se estiver ligada a fatos concretos. Através de nossa ação somos capazes de modificar o real. O homem que não assume esta sua liberdade, engana a si mesmo, aninha-se na má-fé (finge escolher no exercício da sua mais plena liberdade, mas não escolhe). Um outro ponto importante anotado por Sartre em relação ao exercício da liberdade de um indivíduo (escolha, ação, responsabilidade...) é o fato dela nunca estar centralizada, nunca estar voltada para o individual, ela tem sempre o caráter, o valor universal. Necessário agora apontarmos para um impasse que encontramos no pensamento de Sartre. Pois, como pode o homem ser totalmente livre, ou melhor, o homem ser a própria liberdade, mas ao mesmo tempo ter que se preocupar, ser responsável por toda humanidade? Como esta se dá, se de um lado Sartre acredita que as relações entre Eu e o Outro são sempre antagônicas (o Outro sempre limita, nega o Eu); por outro lado, o homem no exercício da sua

15 14 liberdade tem que se dar conta das relações com os outros, ser responsável por todos os homens. Não parece contraditório? Ambíguo? Acreditamos que aqui Sartre chega a um impasse e não deixa nenhum caminho concreto que possibilite ao homem ser realmente livre, mas um livre dentro de uma coletividade, de um tempo, de um espaço. Necessário se faz também à guisa de conclusão afirmar: Quão gratificante foi termos trabalhado o texto: Existencialismo é um Humanismo, de Jean-Paul Sartre, pensador de grande genialidade, romancista, jornalista, dramaturgo, militante político que não dissociou a sua reflexão filosófica nem a sua produção literária da situação em que vivia, permanecendo solidário nos acontecimentos sociais e políticos de seu tempo.

16 15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. 2ª ed., São Paulo: Editora Mestre Jou, História da Filosofia. 3ª ed. (Coleção História da Filosofia vol. XIV). Lisboa: Editora Presença, ALMEIDA, Fernando José de. Sartre: é proibido proibir. São Paulo: Editora FTD, JOLIVET, R. Sartre ou Teologia do Absurdo. São Paulo: Editora Herder, MORAIVA, Sérgio. Sartre. Coleção Biblioteca Básica de Filosofia. Lisboa: Edições 70, PENHA, João da. O que é Existencialismo. 10ª ed. (Coleção Primeiros Passos vol. 61). São Paulo: Editora Brasiliense, SARTRE, J. Existencialismo é um Humanismo. (Coleção Os Pensadores vol. XLV). São Paulo: Editora Abril Cultural, TROGO, Sebastião. O Impasse de má-fé na moral de Jean-Paul Sartre. Tese a ser apresentada e defendida tendo em vista o cargo de Professor Titular no Departamento de Filosofia FAFICH-UFMG-BH Inédita em livro.

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre.

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre. PLANO DE AULA ÁREA: Ética TEMA: Existencialismo HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Contemporânea INTERDISCIPLINARIDADE: Psicologia DURAÇÃO: 4 aulas de 50 cada AUTORIA: Angélica Silva Costa OBJETIVOS: Refletir sobre

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Para suportar as intensas mudanças nos próximos 10 anos, Aprendizes do Futuro compreendem que é necessário criar

Leia mais

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida 1 GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida Introdução Muitos de nós ouvimos, com certa freqüência, pregadores que ao fazerem apelo, dizem coisas do tipo: dê uma chance para Jesus ou ainda deixe Jesus entrar

Leia mais

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Adriano José da Silva, Patrícia Hetti Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Licenciatura em geografia adriano_hist@hotmail.com.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

De mãos dadas: RH e marketing

De mãos dadas: RH e marketing De mãos dadas: RH e marketing A união de RH e marketing é um dos melhores caminhos para a sobrevivência de uma empresa - e das próprias áreas Não é incomum, em tempos de turbulência e incertezas econômicas,

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

A A A A A A A A A A A A A A A

A A A A A A A A A A A A A A A SOCIOLOGI 1 Nas democracias modernas, a cidadania se concretiza pelo acesso aos direitos constitucionais. Na sociedade brasileira, o texto da Constituição Federal de 1988 estende os direitos ao conjunto

Leia mais

O HOMEM E A ANGÚSTIA EXISTENCIAL EM JEAN-PAUL SARTRE

O HOMEM E A ANGÚSTIA EXISTENCIAL EM JEAN-PAUL SARTRE O HOMEM E A ANGÚSTIA EXISTENCIAL EM JEAN-PAUL SARTRE PEREIRA, Everli Fernanda ferggraia@hotmail.com MELLO, Tamyris Villela tamyrismello@hotmail.com Discentes do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

29/04/2015. Sensibilizar para a importância de uma reflexão profunda e contínua sobre a própria existência.

29/04/2015. Sensibilizar para a importância de uma reflexão profunda e contínua sobre a própria existência. 29/04/2015 Sensibilizar para a importância de uma reflexão profunda e contínua sobre a própria existência. Favorecer a conscientização sobre a importância da elaboração de um projeto de vida pelo indivíduo,

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... 19 2. AUTOESTIMA... 23 2.1 Autoaceitação... 24 2.2 Apreço por si... 26

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Perda dos Entes Queridos Palestrante: Mauro Operti Rio de Janeiro 08/05/1998 Organizadores da palestra: Moderador: Macroz (nick:

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha - GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/7 Proatividade Uma questão de escolha Você chega sempre atrasado

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

SARTRE E O EXISTENCIALISMO

SARTRE E O EXISTENCIALISMO SARTRE E O EXISTENCIALISMO Ilda Helena Marques (COFIL-FUNREI) Orientador: Alberto Tibaji (DELAC-FUNREI) Resumo: No livro o que é o existencialismo, João da Penha diz, de maneira explícita, que a repercussão

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO

PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO Toda teoria pedagógica pressupõe uma teoria epistemológica, da qual o professor faz uso, mesmo que ele não tenha consciência disso. Ou seja, mesmo que o professor

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

TRÊS VALORES ESPÍRITAS

TRÊS VALORES ESPÍRITAS TRÊS VALORES ESPÍRITAS 1 2 ENCONTROS E DESENCONTROS DE DOIS MUNDOS Dados internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Azevedo, Israel Belo de O espiritismo

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Dia_Logos. café teatral

Dia_Logos. café teatral café Café Teatral Para esta seção do Caderno de Registro Macu, a coordenadora do Café Teatral, Marcia Azevedo fala sobre as motivações filosóficas que marcam esses encontros. Partindo da etimologia da

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

Atividade - Sequência Conrado Adolpho

Atividade - Sequência Conrado Adolpho Atividade - Sequência Conrado Adolpho Agora, eu quero lhe apresentar os 6 e-mails do conrado adolpho para vender o 8ps. Quero que você leia está sequência com muita atenção e, depois, responda às provocações

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

Filosofia Clássica Sócrates: A mosca da madeira; O moral; A maiêutica; A dialética; A negação socrática do conhecimento; O julgamento Filosofia Clássica Platão: O mito da caverna; A república (teoria do

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

7 Maneiras Simples de Dizer "não" O Manual Simples e Completo

7 Maneiras Simples de Dizer não O Manual Simples e Completo 7 Maneiras Simples de Dizer "não" O Manual Simples e Completo Você tem dificuldade em dizer "não"? Você está sempre tentando ser gentil com os outros, em detrimento de si mesmo? Bem, você não está sozinho.

Leia mais

Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração

Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração O conceito e propósito da adoração no Islã não têm paralelo com qualquer outra religião existente. Ele combina o mundano com o espiritual, o indivíduo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Myriam Moreira Protasio CRP 05/07251 Para este trabalho selecionamos três obras do filósofo dinamarquês, através das quais poderemos

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

1º Plano de Aula. 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão

1º Plano de Aula. 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão 1º Plano de Aula 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão 3- História Perdoar Sempre 4- Música Uma Luz Dentro de mim. Vol:

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas.

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NÚCLEO DE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Caro(a) participante: Esta é uma pesquisa do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná e

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI Texto: Sal. 126:6 Durante o ano de 2014 falamos sobre a importância de semear, preparando para a colheita que viria neste novo ano de 2015. Muitos criaram grandes expectativas,

Leia mais

O SER EXISTENCIAL (JOANNA DE ÂNGELIS. VIDA: DESAFIOS E SOLUÇÕES. CAP. 2)

O SER EXISTENCIAL (JOANNA DE ÂNGELIS. VIDA: DESAFIOS E SOLUÇÕES. CAP. 2) O SER EXISTENCIAL NINGUÉM SE ENCONTRARIA REENCARNADO NA TERRA, NÃO TIVESSE A EXISTÊNCIA FÍSICA UMA FINALIDADE SUPERIOR. O SER É PRODUTO DE UM LARGO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DOS INFINITOS VALORES QUE

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

O MUNDO É A CASA DO HOMEM

O MUNDO É A CASA DO HOMEM O MUNDO É A CASA DO HOMEM Nichan Dichtchekenian Há dois motivos principais que me levam a fazer esta apresentação: O primeiro é fazer um esclarecimento e uma defesa da Fenomenologia, buscando, este esclarecimento,

Leia mais

Lucas Liberato Coaching Coach de Inteligência Emocional lucasliberato.com.br

Lucas Liberato Coaching Coach de Inteligência Emocional lucasliberato.com.br Script de Terapia de Liberação Emocional (EFT) para desfazer crenças relativas aos clientes que você merece ter. Eu não consigo atrair clientes dispostos a pagar preços altos A Acupuntura Emocional é uma

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senhor presidente, Senhoras senadoras, senhores senadores Amigos das redes sociais que também estão nas ruas Estamos em época de competição de futebol. Nosso

Leia mais

Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA. Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI)

Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA. Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI) Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI) 1 - Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual Por: Rosana Rodrigues Quando comecei a escrever esse artigo, inevitavelmente fiz uma viagem ao meu passado. Lembrei-me do meu processo de escolha de carreira e me dei conta de que minha trajetória foi

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39 [entradas sem data] [ ] * esforço artístico neste domínio, ao invés de pensar em Ti e de me sentir inspirada pelo amor que tanto desejaria sentir. Meu bom Deus, não consigo amar Te como pretendo. És o

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Leandro Assis Santos Voluntário PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais