II Seminário Nacional em Estudos da Linguagem: 06 a 08 de outubro de 2010 O FEMININO E O MASCULINO NA OBRA MACBETH, DE WILLIAM SHAKESPEARE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II Seminário Nacional em Estudos da Linguagem: 06 a 08 de outubro de 2010 O FEMININO E O MASCULINO NA OBRA MACBETH, DE WILLIAM SHAKESPEARE"

Transcrição

1 O FEMININO E O MASCULINO NA OBRA MACBETH, DE WILLIAM SHAKESPEARE ROSA, Mônica Ransolin (G UNIOESTE) POLIDÓRIO, Valdomiro (UNIOESTE) RESUMO: Nascido em Stratford-Upon-Avon, Inglaterra, William Shakespeare ( ) é autor de obras que constam dentre os maiores clássicos da literatura universal. Em Macbeth, Shakespeare tece personagens intrigantes numa trama repleta de ambição, traições e culpa. O protagonista, Macbeth, depara-se, certo dia, com três estranhas figuras a profetizar: Salve Macbeth; aquele que no futuro será rei. (Ato I, cena III) Ao tomar conhecimento da profecia, a esposa da personagem, Lady Macbeth, tem sua ambição despertada. No entanto, ela vive numa sociedade patriarcal, de modo que nem tudo o que deseja lhe é permitido executar. Assim, a solução é persuadir o marido de modo que ele efetue as ações cerceadas à esposa, devido a sua condição feminina. Neste trabalho, observar-se-á os efeitos ideológicos patriarcais vigentes no contexto imediato do autor de Macbeth, os quais se fazem presentes tanto no discurso que denigre a mulher, tomando-a como frágil e inferior, quanto no que busca enaltecer e trazer à figura masculina certo grau de responsabilidade e dever de honra à sua condição de homem. Ver-se-á ainda, de que maneiras o discurso de valorização do masculino em detrimento do feminino está presente nas falas das personagens e, de que modo tal discurso reflete os preceitos das eras Elisabetana e Jacobina. PALAVRAS-CHAVE: Sociedade Patriarcal; Linguagem; Persuasão; Representação do Homem versus Mulher. 1 - Introdução Governada por uma mulher, para a surpresa dos mais conservadores, a Inglaterra dos dias de Shakespeare, gozava da estabilidade de um governo de 45 anos. Mesmo assim, Elisabeth I percebeu a necessidade de emprenhar-se na edificação de sua imagem pública, e por vezes, conforme se verá a frente, adotou para si expressões andrógenas como príncipe e coração de rei. De acordo com Laurie Rozakis (2002) em sua obra Tudo sobre Shakespeare, hierarquia era a palavra de ordem durante a era Elizabetana. A estratificação da sociedade fora estabelecida por Deus, de acordo com o postulado pela Igreja Anglicana. Assim, aceitar que o homem se configura, por direito, superior à mulher, era nada mais do que uma questão de fé, sem possibilidades de subversão da ordem imposta pelo Soberano.

2 Com a morte de Elisabeth I, em 1603, sobe ao trono Jaime I, que já havia sido proclamado rei da Escócia. Jaime deu continuidade à Era Dourada do drama e da literatura, que se iniciou na era de Elisabeth I. No tocante à era Jacobina, Kermode Frank (2006) comenta em A linguagem de Shakespeare que Macbeth contempla em seu enredo alguns dos interesses de Jaime I, como a demonologia, conforme as palavras de Banquo: Ora, pode pois o demônio falar a verdade? (Ato I Cena III) 1 ; e a segurança pessoal, referida por possíveis alusões da obra à chamada Conspiração da Pólvora. Nesse contexto, é tecida a trama de Macbeth. Assim, será foco de estudo deste artigo como Shakespeare lapidou as figuras do feminino e do masculino na referida obra. Para tanto, é de importância expressiva a consideração do entorno social e político do autor na Inglaterra de fins do século XVI e início do XVII. Tanto durante o reinado de Elisabeth I, quanto o de Jaime I, a mulher desfrutava, em alguma medida, de liberdade, assim como confirmam as palavras de Anna Stegh Camati, do Centro de Estudos Shakespeareanos: Nos reinados da rainha Elisabete I ( ) e do rei Jaime I ( ), as mulheres inglesas gozavam de maior liberdade do que suas irmãs na Europa continental. Os viajantes que vinham do estrangeiro ficavam surpresos com o comportamento delas, que não eram confinadas em casa como na Espanha e em outros países: além das igrejas, elas tinham permissão de freqüentar outros lugares públicos, tais como mercados, feiras e teatros, onde se constituíam em uma parte importante dos espectadores. (CAMATI, 1008, p. 5) Ainda assim, conforme condicionado pelo sistema vigente, a figura do homem continuava sobrepujando a da mulher. Ver-se-á, neste estudo, como conceitos patriarcais circundam os discursos das personagens, sobretudo, as falas de Lady MacBeth ao persuadir o marido em cometer o assassinato do rei Duncan. 2 - A Fragilidade e Negação do Feminino 1 Convencionar-se-á neste trabalho, para as citações de Macbeth, indicar apenas o ato e a cena da qual foram extraídas.

3 O Sol ainda não se pôs, mas trovões ajudam a compor a atmosfera sinistra sob a qual se encontram três figuras murchas e claudicantes e tão fantásticas e desvairadas em seus trajes a ponto de não parecerem habitantes da terra [...] (Ato I, cena III). Ao mesmo tempo, Banquo e Macbeth, capitães do exército escocês, acabam de saborear sangrenta vitória contra homens noruegueses. A caminho de Forres, os dois bravos encontram as figuras inicialmente descritas. É nesse o contexto que se engendra a tragédia tecida por Shakespeare. Em tom sombrio e misterioso, as moiras revelam aquilo que ajudaria a despertar em Macbeth grande ambição: ele seria, no futuro, rei. No entanto, não deixam de mencionar as três irmãs que Banquo conquistaria maior poder, já que seus filhos alcançariam, também, o status mais elevado da coroa. A partir de então, o enredo volta-se para o castelo do futuro rei e se apresenta ao leitor Lady Macbeth, a esposa ambiciosa e provocadora, qualidades que por si só já excediam os moldes da época haja vista a personagem Gertrudes, de Hamlet, que submissa não só ao pai, mas também ao irmão, configura-se o exato exemplo de personagem feminina dentro de uma sociedade patriarcal. Por conta de sua própria ambição, Lady Macbeth incita e faz desabrochar no marido os mesmos anseios de poder que ela mesma alimenta. Embora seja edificada aqui uma personagem feminina de grande importância na trama, observa-se claramente o conceito de fragilidade deste sexo, conforme externado nas palavras de Macduff, cavaleiro da escócia, dirigidas a Lady Macbeth no momento em que descobre que o rei Duncan morrera: Ah, gentil dama, a senhora não pode ouvir o que sei. As palavras que posso pronunciar, se caídas em ouvidos femininos, poderiam matar. (Ato II, cena III). Conforme já mencionado, na sociedade elisabetana-jacobina imperava a reputação de inferioridade da figura da mulher. Camati ainda afirma: Havia toda uma série de preconceitos com relação à mulher, como revela a criação das estruturas de pensamento binárias, cultivadas pelo poder patriarcal, sempre ávido em assegurar a hegemonia masculina. A mulher era considerada fraca, passiva, submissa, dependente, falsa e volúvel, deixando-se guiar demasiadamente pela emoção; em contrapartida, o homem era visto como o exato oposto: forte, ativo, dominador, independente, sincero e verdadeiro, orientado pela razão. (CAMATI, 2008, p. 5)

4 Nesse contexto, Shakespeare lapida uma personagem feminina multifacetada. Dando vez e voz à Lady Macbeth, o autor revela-se atemporal, compreendendo as ansiedades femininas e insatisfações quanto aos estereótipos impostos. Assim, a personagem apresenta-se, por vezes, superior ao marido, de acordo com Polidório (2009) em seu artigo A Figura Feminina nas Tragédias Hamlet, Macbeth, Otelo e Rei Lear. O momento da peça em que essa superioridade é de modo especial evidente refere-se ao diálogo que sucede o assassinato do rei Duncan, quando Macbeth não tem coragem de passar sangue nos lacaios para incriminá-los. A aspirante a rainha dirige-se então ao marido como fraco. Em contrapartida, os preceitos da época impedem que Lady Macbeth, em sua condição de mulher, erga-se ditadora, ordenando o que quer que o marido faça. Assim, a personagem oculta a realidade e a transforma, engenhosa, num jogo de palavras recheado de segundas intenções, conforme observar-se-á a frente. Nesse sentido, Maria Ester Vargas (2010), traça um paralelo entre as figuras de Elisabeth I e Lady Macbeth. Para a autora, ambas percebem que sua condição de mulher ergue-se como empecilho para a efetivação de suas ambições. No excerto que segue, Lady macbeth pede que tenha o seu sexo trocado. Este fato ilustra a consciência da personagem no que diz respeito às limitações que lhe são impostas devido ao sexo ao qual pertence: Vinde vós, espíritos que sabem escutar os pensamentos mortais, liberai-me aqui de meu sexo e preenchei-me, da cabeça aos pés, com a mais medonha crueldade, até haver ela de mim tomado conta. Que o meu sangue fique mais grosso, que se obstrua o acesso, a passagem, para o remorso, que nenhuma visitação compungida da Natureza venha perturbar meu feroz objetivo ou estabelecer mediação entre este meu objetivo e seu efeito. Vinde vós aos meus seios de mulher e sugai meu leite, que agora é fel, vós, vossa invisível matéria, atendeis às vis turbulências da Natureza. (Ato I, cena V) Lady Macbeth suplica nesta cena que se torne homem para que lhe seja concedida a permissão e a coragem suficiente a fim de induzir o marido a cometer o assassinato do rei Duncan. Pode-se afirmar ainda, que há uma espécie de pacto realizado entre a personagem e os espíritos malignos. Uma vez realizado o pacto,

5 expurga-se Lady Macbeth das amarras da fragilidade feminina e torna-se possível o regicídio. Nesse tocante, Maria L. Howell (2008), em Manhood and masculine identity in William Shakespeare s The tragedy of Macbeth afirma que [ ] Lady Macbeth s desire to be a man [ ] is seen as a transcendence of feminine and fragile nature. (HOWELL, 2008, p.15) Paralelamente, tem-se no discurso de Elisabeth I às tropas que lutaram contra a Spanish Armada essa mesma ânsia por características masculinas em detrimento dos rótulos femininos: I have the body of a weak and feeble woman, but I have the heart and stomach of a king, and of a king of England too; and I think foul scorn that Parma or Spain or any Prince of Europe, should dare to invade the borders of my realm; to which, rather than any dishonour should grow by me, I myself will take up arms; I myself will be your general, judge and rewarder of everyone of your virtues in the field. (ELISABETH I apud VARGAS s.d.) Observa-se nitidamente, tanto nas palavras de Lady Macbeth quanto nas de Elisabeth I a auto-consciência de que a condição feminina configura-se como entrave para a conquista de suas ambições, haja vista os preceitos da época com relação ao sexo feminino. Em harmonia com este pensamento, Howell (2008, p. 11) ainda afirma: The body was not only signifier of sexual disparity in the sixteenth century, it served as an anology for gender of sexual difference in which the subordinated status of the female was a manifestation of her social and political inequality. Tal ideologia pode ser apontada não apenas na auto-consciência da fragilidade feminina que externa Lady Macbeth, mas também nas palavras do próprio Macbeth, conforme transcritas: Assume qualquer forma, menos essa tua, e meus nervos firmes jamais padecerão de medo. Ou então, aparece-me vivo de novo e desafia-me com tua espada para que nos defrontemos em lugar deserto. Se este corpo que abriga o meu ser puser-se então a tremer, apregoa aos quatro ventos que não sou mais que uma mocinha. Afasta-te, sombra medonha, arremedo de fantasma, some-te daqui! (Ato III, cena IV) (Grifo meu)

6 Na referida cena, Macbeth confronta-se com o fantasma de Banquo, após o assassinato do mesmo. É digno de nota que, ao sentir medo, a personagem reluta em aceitar tal sentimento, tomando-o por sinônimo de covardia e associando-o à figura da mulher. Nesse respeito, Cristina Léon Alfar (2003), em Fantasies of Female Evil: The Dynamics of gender and Power in Shaskespearean Tragedy postula que Lady Macbeth e se poderia acrescentar também Macbeth é produto de uma estrutura de poder machista e tirânica. Tem-se, portanto, que os comportamentos das personagens são determinados não apenas biologicamente, mas também, para não dizer, sobretudo, pelos padrões culturais da época. 3 - A valorização do masculino Os efeitos ideológicos patriarcais vigentes no contexto imediato do autor de Macbeth são observáveis não apenas no discurso que denigre a mulher, mas também naquele que busca enaltecer e trazer à figura masculina certo grau de responsabilidade, dever de honra à sua condição de homem. Ver-se-á nesta parte do trabalho como essa concepção machista é externada por meio das falas das personagens. Na cena descrita a seguir, Lady Macduff recebe a notícia de que seu marido fugira para a Inglaterra; a esposa brada com indignação: Prudência? Abandonar a esposa, abandonar os filhos pequenos, a mansão e tudo o que de direito a ele pertence, num lugar de onde ele mesmo foge? Ele não nos ama. A ele faltam os instintos naturais. [...] Também, nenhuma é a prudência, quando uma fuga assim corre tão contra a razão. (Ato IV, cena II) Este excerto confirma a valorização do casamento nos moldes renascentistas do século XVI e da figura do homem como a cabeça desta instituição. Neste tocante, Rozakis afirma: Esperava-se que os maridos sustentassem suas famílias e fossem pacientes com a fragilidade e os defeitos de suas esposas. Por parte destas, esperava-se que fossem meigas, pacientes e serenas, dispostas a suportar tudo o que seus maridos aprontassem. O casamento era

7 muito mais do que uma parceria; era responsável pela sobrevivência da família. (ROZAKIS, 2002, p.23) Percebe-se claramente a confirmação dos moldes patriarcais referentes à instituição do casamento na obra Macbeth. Polidório (2009, p. 5) explica que Ao dizer que a tarefa do assassínio do Rei Duncan é uma incumbência de Macbeth, o homem da casa, Lady Macbeth confirma o papel do homem nesta sociedade patriarcal. grifos do autor. Sagaz, Lady Macbeth vale-se deste exato instrumento a valorização da figura masculina dentro de sua sociedade para manipular o marido a fim de levá-lo à execução do regicídio. É importante ressaltar aqui, que a ambição de Lady Macbeth ergue-se, conforme Nietzsche (2006) de maneira a não apenas ansiar a valorização de sua própria pessoa, mas também de desvalorizar a masculinidade do marido, tão importante para os moldes da sociedade seiscentista. Nietzsche elenca em Humano, demasiado humano (2006) 638 características que se sobressaem como parte da natureza humana. Dentre elas, tem-se: Dois tipos de igualdade: A ânsia de igualdade pode se expressar tanto pelo desejo de rebaixar os outros até seu próprio nível (diminuindo, segregando, derrubando) como pelo desejo de subir juntamente com os outros (reconhecendo, ajudando, alegrando-se com seu êxito). (NIETZSCHE, 2006, p.182) (Grifo do autor) Lady Macbeth apresenta também esta ânsia que rebaixa, denigre o outro. A isso, associa-se, como já dito, a consciência da personagem acerca da importância da confirmação da virilidade para o marido. Nesse tocante, o presente trabalho debruçarse-á ponderadamente no episódio do Ato I, cena VII. Esta cena se desenrola no castelo de Macbeth. Antes da chegada do rei Duncan com os seus acompanhantes, Lady Macbeth e seu esposo tramam, impelidos pela ambição, a morte do rei. Enquanto Duncan toma a refeição, gentilmente servida pelos anfitriões, Macbeth se retira em aposento resguardado com a esposa para ali, então, expor seu medo e possível desistência em praticar o ato, tão engenhosamente outrora arquitetado.

8 Arguciosa e repleta de ambição, Lady Macbeth uso o próprio medo do marido contra ele, acusando-o de covarde. Ela o provoca e incita sua ânsia de poder ao dizer: Deixas que o teu não me atrevo fique adiando tua ação até que o teu eu quero aconteça por milagre; como a gata, coitadinha, que queria comer o peixe mas não queira molhar a pata. (Ato I, cena VII) Com essas palavras, Lady Macbeth faz uma comparação cruel perante os preceitos da época; aproxima o marido à figura de uma gata, seguida do modificador coitadinha, posto no diminutivo, o que intensifica o tom de piedade, denegrindo ainda mais a masculinidade do marido. Essa comparação da esposa é tão maldosa e eficaz que Macbeth, sem demora, se pronuncia, como que em defesa de sua masculinidade, conforme se verifica nas palavras: Imploro-te paz. Atrevo-me a fazer tudo o que é próprio de um homem. (Ato I, cena VII) Recorrendo mais uma vez a insinuações que tem respaldo na visão machista de sua época, Lady Macbeth declara: Eras um homem! E, para seres mais do que eras, teria de ser muito mais homem. (Ato I, cena VII) Ela prossegue argumentando que, se fosse preciso, racharia a cabeça de um filho se assim o tivesse prometido. De qualquer maneira, honraria a sua palavra. Calculista e cruel, em nome do orgulho pessoal e ambição, a esposa argumenta assim com o marido, na tentativa de dissuadi-lo de sua desistência. Por fim, Macbeth recupera determinação em cumprir sua palavra de matar o rei, e dirige à esposa as seguintes palavras de reverência: Teu ardor destemido não deve compor filhos que não sejam másculos. (Ato I, cena VII) Com essas palavras, a personagem corrobora com a visão patriarcal da era Jacobina. Percebe-se ao longo de toda esta cena que, para persuadir o marido, Lady Macbeth modaliza o seu discurso buscando atingir o emocional de Macbeth. Desse modo, pode-se enquadrar o discurso da personagem dentro daquilo que Adilson Citelli (2006) chama de Raciocínio Retórico, conforme a justificativa: Há certa semelhança entre o dialético e o retórico, apenas no último caso não se busca um convencimento racional, mas igualmente emotivo. O raciocínio retórico é capaz de atuar junto a mentes e corações, num eficiente mecanismo de envolvimento do receptor. (CITELLI, 2006, p. 20)

9 A seguir, em seu livro, Linguagem e persuasão (2006), o autor explica que as figuras de retórica são importantes recursos para prender a atenção do receptor. Percebe-se que Lady Macbeth faz uso de uma delas, a comparação, ao dizer: [...] como a gata, coitadinha, que queria comer o peixe mas não queira molhar a pata. (Ato I, cena VII) Assim, a personagem confere um tom pejorativo à virilidade do marido ao passo que redefine o campo de informação referente à figura do gato. Mas não apenas nas palavras da mulher encontra-se o reconhecimento da importância da masculinidade na era Jacobina. Outras personagens também evidenciam preocupação nesse respeito. É isso que se observa nas palavras de Macbeth: Vamos rapidamente compor-nos em trajes que atestam nossa virilidade, e depois encontramonos no salão. (Ato II, cena III) Juntamente com a temática aparência X realidade, observa-se nessa cena, novamente a importância de representar ser o mais viril possível. Aqui, para a personagem, a aparência revelaria a essência, já que estão as roupas diretamente relacionadas à virilidade. Enfim, toda a obra encontra-se recheada de expressões de valorização da figura do homem, tais como: Seu filho [...] teve o heróico fim de um soldado. Viveu o suficiente para se tornar um homem [...] (Ato V, cena VII), Enfrente isso como um homem. (Ato IV, cena III) e És homem ou não? (Ato III, cena IV) (Os grifos são meus). Isso confirma a veracidade das palavras de Howell (2008, p. 5): The formulation of gender and sexual notions of the body in the sixteenth century therefore reinforced the superiority of the male and consolidated patriarchy s near-absolute authority over the female. Assim, entende-se, ainda com mais ênfase, de que maneira o entorno social das personagens condiciona, em grande parte, as suas ações. Macbeth e a esposa agiam de acordo com os preceitos impostos por sua época. 4 - Conclusão

10 Têm-se em Macbeth uma obra atemporal. Não apenas o leitor dos dias de Shakespeare, mas também o leitor contemporâneo tem a possibilidade de tecer relações, intertextos entre a obra e o seu entorno social. Shakespeare evidencia sua consciência referente aos efeitos da estruturação patriarcal das sociedades Elisabetana e Jacobina nas personagens que edificou. Percebese, assim, nas vozes, tanto dos homens como das mulheres, o discurso de valorização do masculino em detrimento do feminino. Pode-se apontar esta ideologia presente de duas maneiras diferentes em Macbeth. A primeira delas concerne ao estereótipo construído de que a mulher é ser frágil, inferior. No primeiro momento deste trabalho, atentou-se para os discursos femininos que explicitavam consciência de que alguns comportamentos lhes eram vedados. Ainda que Lady Macbeth quisesse agir, ela teria de fazê-lo por meio das ações do marido; não lhe era permitido executar seus desejos, já que à sua personalidade ambiciosa externava-se um corpo de mulher. É relacionado a isso que se ergue o segundo momento deste trabalho: não podendo agir sozinha, Lady Macbeth lapida seu discurso a fim de persuadir o marido à execução do assassinato do rei. Viu-se que os preceitos patriarcais de exaltação do masculino encontram-se presentes em grande parte de suas falas. Desse modo, a personagem se vale dos conceitos seiscentistas, provocando o brio do marido de modo a conduzi-lo ao regicídio, realizado a contento. REFERÊNCIAS ALFAR, Cristina Léon. Fantasies of Female Evil: The Dynamics of gender and Power in Shaskespearean Tragedy. Newark: U of Delaware P, 2003 CAMATI, Anna Stegh. Questões de gênero e identidade na época e obra de Shakespeare Disponível em: Acesso em 25/06/2010. CITELLI, Adilson. Linguagem e persuasão. 16ª. Ed. São Paulo, Ática, FRANK, Kermode A linguagem de Shakespeare. Tradução de Bárbara Heliodora Rio de Janeiro: Record, 2006.

11 HOWELL, Maria L. Manhood and masculine identity in William Shakespeare s The tragedy of Macbeth. Estover Road Plymouth PL6 7PY United Kindom. University Press of America: POLIDÓRIO, Valdomiro. A Figura Feminina nas Tragédias Hamlet, Macbeth, Otelo e Rei Lear Disponível em: Acesso em 25/06/2010. ROZAKIS, Laurie. Tudo sobre Shakespeare. Tradução de Tereza Tillet. Barueri SP.: Editora Monole, SHAKESPEARE, William. Macbeth. Tradução de Beatriz Viégas-Faria. Porto Alegre: L&PM, VARGAS, Maria Ester. Lady Macbeth, ou a Luta entre a Natureza e a Vontade. s.d. Disponível em: Acesso em 25/06/2010.

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

A Bíblia realmente afirma que Jesus

A Bíblia realmente afirma que Jesus 1 de 7 29/06/2015 11:32 esbocandoideias.com A Bíblia realmente afirma que Jesus Cristo é Deus? Presbítero André Sanchez Postado por em: #VocêPergunta Muitas pessoas se confundem a respeito de quem é Jesus

Leia mais

Sobre a profecia de 1977

Sobre a profecia de 1977 Sobre a profecia de 1977 Recebi uma pergunta na página que mantenho no orkut, http://www.orkut.com.br/main#home.aspx Nesta pergunta uma irmã dizia que William Branham errou ao dá uma profecia sobre a volta

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

A Liderança do Espírito

A Liderança do Espírito A Liderança do Espírito Autor : Andrew Murray Para muitos Cristãos a liderança do Espírito é considerada como uma sugestão de pensamentos para nossa orientação. Eles almejam e pedem por ela em vão. Quando

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 #93r Há uma grande semelhança entre a sequência dos acontecimentos do período da Tribulação, descritos no livro do Apocalipse, com relação a Mateus 24. Vamos hoje, analisar

Leia mais

SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!...

SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!... SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!...) A cada manhã 71 (A cada manhã as misericórdias se renovam...)

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos

Naquela ocasião Jesus disse: Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29.29 Naquela ocasião

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social

E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social Transcrição de Entrevista nº 18 E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014

SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014 SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014 Maria e José levaram Jesus a Jerusalém a fim de apresentá-lo ao Senhor Leituras: Genesis 15, 1-6; 21,1-3; Salmo 104 (105), 1b-2, 3.4-5.6.8-9 (R/ 7a.8a); Carta aos

Leia mais

O CIÚME DE SAUL Lição 57

O CIÚME DE SAUL Lição 57 CIÚME DE SAUL Lição 57 1 1. bjetivos: Ensinar sobre os perigos de ciúmes. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 18 a 20 (Base bíblica para a história o professor) Versículo para decorar: 1 Samuel 18.14 Davi lograva

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo.

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. 1 Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. Amados Irmãos no nosso Senhor Jesus Cristo: É devido à atuação intima do Espírito

Leia mais

Conclui-se que Jesus não pode ter impregnado o fluido com qualidades especificas, pelo simples fato de ele não saber quem o tocou.

Conclui-se que Jesus não pode ter impregnado o fluido com qualidades especificas, pelo simples fato de ele não saber quem o tocou. Processos Mentais na Cura Claudio C. Conti www.ccconti.com Quando se fala em curas espirituais é necessário uma análise criteriosa para o perfeito entendimento ("perfeito entendimento" para o nível de

Leia mais

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11. Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.11 Introdução Negar princípios parece ser uma coisa comum em nossos

Leia mais

O rei Davi e o seu palácio

O rei Davi e o seu palácio O rei Davi e o seu palácio 2 Sm 11:1-5 Estes versículos registram um terrível e assustador período na vida do rei Davi que poderia ter sido evitado, se o mesmo não escolhesse desprezar suas responsabilidades

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

A Bíblia afirma que Jesus é Deus

A Bíblia afirma que Jesus é Deus A Bíblia afirma que Jesus é Deus Há pessoas (inclusive grupos religiosos) que entendem que Jesus foi apenas um grande homem, um mestre maravilhoso e um grande profeta. Mas a Bíblia nos ensina que Jesus

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

De um Povo Heróico O Brado Retumbante

De um Povo Heróico O Brado Retumbante De um Povo Heróico O Brado Retumbante De um Povo Heróico O Brado Retumbante Cristianismo e Resp. Social Sabedoria Bíblica e Responsabilidade Social Quando vocês estiverem fazendo a colheita da sua lavoura

Leia mais

NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO

NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO Domingo XXXIV e último NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO Solenidade LEITURA I 2 Sam 5, 1-3 «Ungiram David como rei de Israel» Leitura do Segundo Livro de Samuel Naqueles dias, todas as tribos

Leia mais

Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA. Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI)

Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA. Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI) Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI) 1 - Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde

Leia mais

A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS

A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS Gn 5 1 Esta é a lista dos descendentes de Adão. Quando criou os seres humanos, Deus os fez parecidos com ele. 2 Deus os criou homem e mulher, e os abençoou, e lhes deu o nome de

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

A MISSÃO DE CADA SIGNO

A MISSÃO DE CADA SIGNO A MISSÃO DE CADA SIGNO...E então, naquela manha Deus compareceu ante suas doze crianças e em cada uma delas plantou a semente da vida humana. Uma por uma, cada criança deu um passo à frente para receber

Leia mais

CARNE UM LIVRETE SOBRE CRESCIMENTO ESPIRITUAL PARA CRISTÃOS FAMINTOS

CARNE UM LIVRETE SOBRE CRESCIMENTO ESPIRITUAL PARA CRISTÃOS FAMINTOS CARNE UM LIVRETE SOBRE CRESCIMENTO ESPIRITUAL PARA CRISTÃOS FAMINTOS 2 SÉRIE CRESCIMENTO CRISTÃO Por Jerry Dean e Frank Hamrick editora batista regular CONSTRUINDO VIDAS NA PALAVRA DE DEUS Rua Kansas,

Leia mais

Hamlet. William Shakespeare. É só o Começo. Coleção

Hamlet. William Shakespeare. É só o Começo. Coleção William Shakespeare Adaptação para neoleitores, a partir do original em inglês: Paulo Seben Revisão técnica: Pedro Garcez Supervisão: Luís Augusto Fischer Hamlet Versão adaptada para neoleitores a Coleção

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 JESUS ESTÁ COMIGO QUANDO SOU DESAFIADO A CRESCER! OBJETIVO - Saber que sempre que são desafiados a crescer ou assumir responsabilidades, Jesus está com

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

AULA MOTIVACIONAL WILLIAM DOUCLAS DATA: 25/05/2007 MATERIAL DO PROFESSOR

AULA MOTIVACIONAL WILLIAM DOUCLAS DATA: 25/05/2007 MATERIAL DO PROFESSOR MATERIAL DO PROFESSOR PALESTRA MOTIVACIONAL PROFº WILLIAM DOUGLAS 25.05.07 Para passar em concursos, devemos ter atitudes e comportamentos: - disciplina; - conhecimento da matéria; - técnicas de como fazer

Leia mais

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 01/12/2003 POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 2 Índice Geral I POR QUE NÃO ORAMOS COM FREQUÊNCIA?... 4 II QUANDO NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS... 5 III

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

VIA HUMANITATIS O CAMINHO VOCACIONAL DA HUMANIDADE

VIA HUMANITATIS O CAMINHO VOCACIONAL DA HUMANIDADE ITINERÁRIO DE ORAÇÃO VOCACIONAL agosto 2013 novembro de 2014 VIA HUMANITATIS O CAMINHO VOCACIONAL DA HUMANIDADE DÉCIMO PRIMEIRO ESQUEMA junho de 2014 CHAMADOS À UNIDADE Guia: Uma das caraterísticas evidentes

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você?

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Talvez você já tenha pensado a esse respeito, ou não. Se souber definir bem quais são os seus valores, terá uma noção clara de quais são suas prioridades.

Leia mais

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 Mantendo-vos, portanto, firmes, tendo cingido os vossos rins com a verdade, vestindo a couraça da justiça e calçando os pés

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Oração Pai Nosso Ave Maria Chave Harmonia Hinos da ORAÇÃO Consagração do Aposento Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Pai Nosso - Ave Maria Prece

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

28 Ele se indignou e não queria entrar; saindo, porém, o pai, procurava conciliá-lo. 29 Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos que te sirvo sem

28 Ele se indignou e não queria entrar; saindo, porém, o pai, procurava conciliá-lo. 29 Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos que te sirvo sem QUAL NOSSO VALOR PARA DEUS? (Lc.15:11-32) 11 Continuou: Certo homem tinha dois filhos; 12 o mais moço deles disse ao pai: Pai, dáme a parte dos bens que me cabe. E ele lhes repartiu os haveres. 13 Passados

Leia mais

Curso Bíblico. Lição 5. Restituição & Perdão

Curso Bíblico. Lição 5. Restituição & Perdão Curso Bíblico Lição 5 Curso Bíblico Para Novos Discípulos de Jesus Cristo Devemos a ndar de tal forma que sejamos dignos de ser chamados discípulos de Jesus. Restituição & Perdão No Antigo Testamento,

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia Filosofia 1) Gabarito Final sem distribuição de pontos - Questão 1 A) De acordo com o pensamento de Jean-Jacques Rousseau, o poder soberano é essencialmente do povo e o governo não é senão depositário

Leia mais

O SENHOR É A NOSSA BANDEIRA. William Soto Santiago Sábado, 28 de Fevereiro de 2015 Vila Hermosa -Tabasco México

O SENHOR É A NOSSA BANDEIRA. William Soto Santiago Sábado, 28 de Fevereiro de 2015 Vila Hermosa -Tabasco México O SENHOR É A NOSSA BANDEIRA William Soto Santiago Sábado, 28 de Fevereiro de 2015 Vila Hermosa -Tabasco México Reverendo William Soto Santiago, Ph. D. CENTRO DE DIVULGAÇÃO DO EVANGELHO DO REINO http://www.cder.com.br

Leia mais

Missa - 10/5/2015. Entrada

Missa - 10/5/2015. Entrada Missa - 10/5/2015 ntrada m F#m 1. Todos unidos formamos um só corpo, um povo que na Páscoa nasceu. G Membros de Cristo, no sangue redimidos, Igreja peregrina de eus. m F#m Vive conosco a força do spírito,

Leia mais

LIÇÃO TÍTULO TEXTO PRINCÍPIO VERSÍCULOS-CHAVE ALVOS

LIÇÃO TÍTULO TEXTO PRINCÍPIO VERSÍCULOS-CHAVE ALVOS TEMA CENTRAL Todos os direitos reservados por: MINISTÉRIO IGREJA EM CÉLULAS R. Ver. Antônio Carnasciali, 1661 CEP 81670-420 Curitiba-Paraná Fone/fax: (041) 3276-8655 trabalhoemconjunto@celulas.com.br edile@celulas.com.br

Leia mais

D E D I C A T Ó R I A

D E D I C A T Ó R I A DEDICATÓRIA Qual será então minha recompensa, Tito, se alivio tua pena e se apaziguo o tormento que te faz sofrer? Pois me é permitido, não é mesmo, Ático?, dirigirme a ti com os mesmos versos que os dirigidos

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

Deus não é perfeito. Natureza, casamento, maturidade. Perfeição é maturidade. COLOSSENSSES 2:4-23. fica

Deus não é perfeito. Natureza, casamento, maturidade. Perfeição é maturidade. COLOSSENSSES 2:4-23. fica COLOSSENSSES 2:4-23 Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste. (Mateus 5:48) Uma questão o filosófica fica Deus não é perfeito. Natureza, casamento, maturidade. Perfeição é maturidade.

Leia mais

Tirado do website: www.spiritlessons.com

Tirado do website: www.spiritlessons.com Tirado do website: www.spiritlessons.com A artista foi levada para o inferno pelo proprio senhor Jesus. Essa artista vinha atendendo as reuniões de oração desde Abril de 2009 e continua a faze-lo. Nisso

Leia mais

UM HOMEM DESEJOSO DE SALVAÇÃO Mt 19:16-22

UM HOMEM DESEJOSO DE SALVAÇÃO Mt 19:16-22 UM HOMEM DESEJOSO DE SALVAÇÃO Mt 19:16-22 INTRODUÇÃO: O texto bíblico registrado no capítulo 19 do evangelho de São Mateus, relata o diálogo do Senhor Jesus e um homem desejoso de alcançar a salvação.

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

SEMINÁRIO O SIGNIFICADO DAS LEIS DIVINAS NO TRABALHO VOLUNTÁRIO. www.espiritizar.com.br

SEMINÁRIO O SIGNIFICADO DAS LEIS DIVINAS NO TRABALHO VOLUNTÁRIO. www.espiritizar.com.br SEMINÁRIO O SIGNIFICADO DAS LEIS DIVINAS NO TRABALHO A PROGRAMAÇÃO DA REENCARNAÇÃO Meditando sobre o significado das Leis Divinas em nossas vidas: Feche os olhos e entre em contato com você mesmo(a) em

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

Investidura do Hábito Monástico dos Irmãos Johann, Leonardo e Fabrício. 16 de novembro de 2015

Investidura do Hábito Monástico dos Irmãos Johann, Leonardo e Fabrício. 16 de novembro de 2015 Investidura do Hábito Monástico dos Irmãos Johann, Leonardo e Fabrício. 16 de novembro de 2015 Meus caros irmãos: Hoje, memória de Santa Gertrudes, nossos irmãos Johann, Leonardo e Fabrício receberão o

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

Português. Sagrada Família de Jesus, Maria e José B. Leitura I Ben-Sirá 3,3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14)

Português. Sagrada Família de Jesus, Maria e José B. Leitura I Ben-Sirá 3,3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14) Português Sagrada Família de Jesus, Maria e José B Deus apareceu na terra e começou a viver no meio de nós. (cf. Bar 3,38) Leitura I Ben-Sirá 3,3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14) Deus quis honrar os pais nos filhos

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo Tens uma tarefa importante para realizar: 1- Dirige-te a alguém da tua confiança. 2- Faz a pergunta: O que admiras mais em Jesus? 3- Regista a resposta nas linhas.

Leia mais

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana HINOS DE DESPACHO Tema 2012: Flora Brasileira Estrela D Alva www.hinarios.org 1 2 01 O DAIME É O DAIME O é o Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana O é o O professor dos professores

Leia mais

Domingo dentro da Oitava de Natal SAGRADA FAMÍLIA DE JESUS, MARIA E JOSÉ. Vésperas I

Domingo dentro da Oitava de Natal SAGRADA FAMÍLIA DE JESUS, MARIA E JOSÉ. Vésperas I Domingo dentro da Oitava de Natal Semana I do Saltério SAGRADA FAMÍLIA DE JESUS, MARIA E JOSÉ Festa Quando o Natal do Senhor é num Domingo, a festa da Sagrada Família celebra-se no dia 30 de Dezembro e

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

Ser ou não ser, eis a questão.

Ser ou não ser, eis a questão. Decisões Ser ou não ser, eis a questão. Será mais nobre sofrer na alma Pedradas e flechadas do destino feroz Ou pegar em armas contra o mar de angústias E, combatendo-o, dar-lhe fim? Hamlet de William

Leia mais

O Espiritismo é a Luz do Cristo Jesus.

O Espiritismo é a Luz do Cristo Jesus. 2 1 O Espiritismo é a Luz do Cristo Jesus. Ele era manso como os cordeiros e a sua palavra tinha a doçura de uma brisa num dia quente. Nada queria dos humanos, tudo prometia e dava a humanidade. Sua palavra

Leia mais

A Revelação. São José dos Campos, 30 de Junho 1995 numa sessão gravada.

A Revelação. São José dos Campos, 30 de Junho 1995 numa sessão gravada. A Revelação Esta comunicação é mediúnica e foi gravada, e nesta, se observa que nalguns pontos, há interferências do médium. Especialmente onde há referências aos milagres de Jesus, Ele mesmo, no livro

Leia mais

Caridade quaresmal. Oração Pai-nosso S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos!

Caridade quaresmal. Oração Pai-nosso S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos! 2ª feira, 09 de março: Dar esmola Bom dia! Há gestos que nesta altura a quaresma, ganham uma dimensão ainda maior. Enchem-nos. Um dia, uma mulher vestida de trapos velhos percorria as ruas de uma aldeia

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira S S O homem é pecador Romanos 3:9-18 S Pecadores merecem a morte Genesis 2:17, Romanos 6:23 S Portanto, se é para Deus ser justo e dar somente o que

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde Salmos 127:2

Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde Salmos 127:2 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Joaquim Costa Jr 1 Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde 2 repouseis, Que comais o pão de dores: Aos seus amados ele o dá enquanto dormem.

Leia mais

The Rosicrucian Fellowship Serviço do Templo por Max Heindel

The Rosicrucian Fellowship Serviço do Templo por Max Heindel The Rosicrucian Fellowship Serviço do Templo por Max Heindel 1. O hino de abertura da the Rosicrucian Fellowship (ou a terceira estrofe sòmente) é cantado por todos os presentes. 2. O leitor descobre o

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Refletindo Sua glória, em meio a ventos contrários. Entretanto, o barco já estava longe, a muitos estádios da terra, açoitado pelas ondas;

Leia mais

Pedir perdão dos pecados cometidos no Brasil. I. Pecados indentificados pela desobediência aos Dez Mandamentos ( Ex20:1-17).

Pedir perdão dos pecados cometidos no Brasil. I. Pecados indentificados pela desobediência aos Dez Mandamentos ( Ex20:1-17). Pedir perdão dos pecados cometidos no Brasil 2 Crônicas 7:14 se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus,

Leia mais

5º. Dia 3 de Março. Enxergando a vida do ponto de vista dedeus. Que é a sua vida? Tiago 4.14b; nvi

5º. Dia 3 de Março. Enxergando a vida do ponto de vista dedeus. Que é a sua vida? Tiago 4.14b; nvi 5º. Dia 3 de Março Enxergando a vida do ponto de vista dedeus Que é a sua vida? Tiago 4.14b; nvi Nós não vemos as coisas como são, mas como nós somos.anaïs Nin O modo de você enxergar sua vida molda sua

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais