SOTERIOLOGIA: A DOUTRINA DA SALVAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOTERIOLOGIA: A DOUTRINA DA SALVAÇÃO"

Transcrição

1 SOTERIOLOGIA: A DOUTRINA DA SALVAÇÃO Hélio Wahlbrinck 1 O que é salvação? O que é perdição? Quem necessita de salvação? Qual a profundidade e qual a extensão da salvação? Salvação é um produto religioso, que necessitamos comprar e consumir para que sejamos transformados misticamente em um dos salvos? Ser um dos salvos significa enriquecer? Ou, ainda, a salvação é um poderoso resgate da nossa autoconfiança para, então, alcançar vitória sobre vitória nesse mundo e conseguir nos sobrepor a tudo e a todos? Ou salvação é assumir a cruz e carregá-la junto aos humildes e necessitados, num processo contínuo de resgate da dignidade e da vida humana? A salvação é absolutamente individual, solipsista e íntima (do coração)? Ou ela é tanto individual como coletiva, histórica e relacional? Existe uma salvação acima da história e fora dela? A salvação, do ponto de vista cristão, é um produto a que somente os santos (salvos, separados) misticamente iniciados têm acesso ou qualquer humano está incluído e, inclusive a natureza, pode nela estar incluída? A salvação é uma emoção muito forte numa experiência religiosa ou ela é uma mudança radical na consciência de filiação, consciência de co-pertença, com intrínseca disposição e efetiva mudança de mentalidade, de vida, intra e inter-humana? Salvação é algo para um futuro glorioso e distante ou é já e também no e sobre o passado como bases sobre o qual o futuro se constrói? A igreja é dona da salvação e, por isso, só dentro dela é possível acessá-la a salvação é assunto do sagrado Deus divide a história entre sagrado e profano, tem interesse em separar os humanos no aqui e no agora entre salvos (santos) e profanos (mundanos) não iniciados, ou Deus tem um projeto para a humanidade toda e, inclusive, para a natureza? Talvez, ainda, salvação seja um nome eufemista para um estado de crise permanente do humano diante de si, num processo não de reforma, mas de decisão, como todo ôntico, na busca de corresponder com o transcendental ontológico que o persegue como persegue o amante a sua amada? Quem está com a salvação? O Cristo crucificado não está com ela, mas veio trazê-la: ela não está com o nu, forasteiro, cego, desprezado, faminto, sofredor; no entanto, eles são os seus destinatários prediletos! Ela também não está com os cães famintos, violentos e vorazes e nem se destina a eles (ou 1 Acadêmico do curso de integralização de Teologia pela FTBP, turma 2010.

2 também a eles se destina?). Nem tampouco está com os porcos e os escarnecedores. O que é salvação para quem esta morrendo de fome? O que é salvação para quem padece de sofrimento psíquico-mental, inclusive com alienação mental e não consegue ser pai, marido, esposa, filho/a, irmão/ã; seu status é vergonha? O Reino de Deus, inaugurado por Jesus como o Cristo, tem algo para quem está em profunda crise e correndo risco de não ter vivido e nem ter descoberto a esperança? Do que necessitamos nos salvar: do Deus vingativo, que exige sacrifício para aplacar a sua ira? Ou necessitamos nos salvar das conseqüências dos nossos atos? Ou, mais especificamente, da nossa alienação como seres humanos? Deus é um deus de amor ou é implacavelmente exigente e vingativo? Se, no Antigo Testamento, Deus mostrou a Abraão que não requer sacrifício humano (Isaque), porque, em Jesus Cristo, teria o sacrifício perfeito por ele exigido, conforme alguns, para a expiação dos pecados e da culpa? Elencamos as perguntas acima para nos deixar sensibilizados com a multifacetada realidade em que nos movemos quando falamos em soteriologia, especialmente se a visualizamos como determinante também da imanência da vida humana. Parece-nos claro não ser viável responder a todas essas inquietações em torno da questão do que seja salvação do ser humano como integralidade física, psíquica, mental, espiritual, transcendente e transcendental. Para direcionar a nossa exposição, pensamos ser razoável trabalharmos a partir e especialmente esse tema em Paul Tillich (1984). Iniciamos essa tarefa a partir da seguinte colocação O significado universal de Jesus como o Cristo [...] pode também ser expresso no termo salvação. Ele mesmo é chamado Salvador, Mediador ou Redentor. [...] O termo salvação tem tantas conotações quantas são as negatividades que necessitam de salvação. Mas pode-se distinguir salvação com relação à negatividade última e com relação àquilo que conduz à negatividade última. Negatividade última é chamada de condenação ou morte eterna, que é a perda do t e l o s intrínseco ao próprio ser, a exclusão da unidade universal do Reino de Deus, a exclusão da vida eterna (TILLICH, 1984, p ) Tillich segue colocando que, na esmagadora maioria das vezes em que se usa o termo salvação ou a frase ser salvo, pensa-se a salvação diante da negatividade última. Essa questão torna-se, assim, uma questão de ser ou não ser. A vida eterna é o alvo último e a forma como pode ser conquistada ou perdida, aponta o sentido mais limitado do termo salvação. Conforme Tillich, partindo do original (de salvus, curado ) pode ser adequado interpretar salvação como cura. Assim, cura significa reunir aquilo que está alienado, reorientar aquilo que está disperso, separar o abismo entre Deus e o homem, entre o homem e seu mundo e do homem consigo mesmo. A partir dessa interpretação é que se desenvolve o conceito de Novo Ser. Salvação é a saída do antigo ser e a transferência para o Novo Ser. Essa compreensão inclui os elementos

3 de salvação que foram enfatizados em outros períodos; inclusive, sobretudo, a realização do sentido último da própria existência, mas o considera sob uma perspectiva especial, que é a de tornar salvus, curado. Na igreja grega a compreensão de salvação era ser salvo do erro e da morte; na compreensão da igreja romana, salvação tem a ver com salvar-se da culpa e de suas conseqüências nesta e na outra vida. No protestantismo clássico, salvação tem a ver com livrar-se do fardo da lei no seu poder de causar ansiedade e condenação. Já no pietismo e no revivalismo, salvação tem a ver com a conquista do estado de impiedade através da conversão e da transformação daqueles que se convertem. De forma semelhante, no protestantismo ascético e liberal, salvação tem a ver com conquista de pecados especiais e o progresso na dimensão da perfeição moral. Nesses termos, salvação está para o transcendente e para o transcendental, bem como para o imanente. Na forma do tempo imediato, no hic et hoc do homem comum, tem a ver com a transformação do homem em direção ao Novo Ser; a salvação se configura como processo já na imanência, se é que compreendemos Tillich corretamente. Nesse sentido, haveria uma convergência entre Paul Tillich e JFLeite (2010) no sentido de a salvação ter implicância direta no modo de vida do crente? JFLeite, comentando Lutero diz A idéia de plena, livre e presente salvação para os justificados pela fé, como se Cristo tivesse feito tudo e o cristão não tivesse nada a fazer para sua própria salvação, levou à terrível doutrina de que a fé e não o procedimento é que importa doutrina que é a própria base da hipocrisia. Por isso, Cristo preveniu os seus ouvintes contra a imitação dos fariseus, dos quais declarou: Eles dizem, mas não fazem (Mt 23.3). Com toda evidência, ele pensava que não é somente o que cremos que importa, mas também co mo procedemos. Por outras palavras, ele insistiu sobre a necessidade, para a salvação, tanto da fé como das boas obras; como o faz a igreja católica (BOISSET, 1971, p.19). O próprio Cristo fez questão de acentuar a necessidade das boas obras para a salvação. Advertiu-nos: nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade do pai que está nos céus (Mt 7. 21). Louvando as boas obras, disse: Rejubilai-vos e alegraivos, pois grande é a vossa recompensa no céu (Mt 5.12). Declarou que essas boas obras ou a ausência delas serão um fator decisivo no Juízo Final. Então ele dirá vinde benditos [...] pois eu estava com fome e me destes de comer ou Afastai-vos de mim, malditos, pois estava com fome e não me destes de comer (Mt e 41). Como se pode, então, dizer que a salvação é totalmente sem obras, se, por falta de boas obras, ela pode ser perdida? (JFLEITE, p.20) Poderíamos dizer ainda mais. Quando o apóstolo Paulo fala todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas (1Co 6.12), há uma dificuldade no horizonte do status das obras. Paulo não deixa de explicar o que quer dizer, mas no v. 12 em si, fica a aporia do status das obras do ponto de vista soteriológico; ou seja, é apenas uma questão de conveniência fazer boas obras ou, muito antes e mais que isso, as boas obras não são apenas uma questão de conveniência, têm status de referendar a salvação, elas são a legitimidade de situação junto ao Novo Ser (usando, aqui, a expressão de Paul Tillich)? As boas obras, na medida em que forem vivenciadas com autenticidade, são o carimbo da garantia de salvação depois, mas também junto à obra

4 soteriológica de Jesus como o Cristo. São sinais de cura e integração. Elas, em sua autenticidade, são a efetivação do processo de cura que o Novo Ser funda. Quando Paulo diz não de obras, para que ninguém se glorie, ele constrói um argumento fundamental de sua teologia, quando na verdade deveria ser secundário. Ele parte, talvez, do exemplo da viúva pobre, que dá a sua última moedinha e assim, faz muito [...]. Para Jesus, as obras são fundamento da salvação desde que observado entre nós a condição histórica e real de cada um em contribuir, participar, laborar. As obras que para Jesus são a marca da fé, (espelhados no exemplo da viúva pobre), quando movidos pelo desejo honesto de contribuir, Paulo, em seu discurso, relativiza como secundário ou, até mesmo, como problema; seu discurso, assim, pode dar margem à falsa modéstia e à hipocrisia. Certamente a intenção de Martim Lutero (1987) não foi questionar as boas obras, mas questioná-las no seu status, diríamos nós, aqui, de legitimador histórico da salvação, tendo em vista as obras ilegítimas da sua época como as indulgências; ou seja, para combater as obras ilegítimas ligadas ao catolicismo romano, Lutero eclipsa, a nível de discurso, as obras da fé e a fé de obras, que tem, em Jesus como o Cristo, status de asseguradoras da salvação diante do juízo e, também, status de concretizadoras da salvação no aqui e agora. O apóstolo Paulo teve, em sua época, problema estruturalmente semelhante expresso em seu esforço por combater as obras da lei. Questionando as obras da lei na forma do judaísmo legalista, casuísta e cego, que leva as pessoas a agir de forma não autêntica e apenas por certa formalidade ritual, ele eclipsa, igualmente, a nível de discurso, as obras da fé e a fé de obras, em seu status de asseguradoras e concretizadoras e consumadoras da salvação. A carta de Tiago é um entre outros textos que deixa referendada e fundamentada essa nossa visão do ponto de vista bíblico (ver Tg ). Tiago, na verdade, nos deixa claro que a fé sem obras é morta e esta fé não é a fé dos cristãos, mas dos demônios. Outrossim, é pelas obras que a fé cristã legítima se consuma; esta é a cura. Retomando a reflexão de Tillich, certo é que o cristianismo deriva salvação da teofania em Jesus como o Cristo, mas ele não separa salvação através de Cristo dos processos de salvação, ou seja, da cura, que acontecem através de toda história. Em todos os períodos em que o homem existe, existe uma história de eventos revelatórios. Se, por um lado, seria errôneo chamar esta mesma história de história da salvação à moda humanista, por outro lado, seria igualmente errôneo negar que eventos revelatórios ocorrem onde quer que seja, ao lado do aparecimento de Jesus como o Cristo 2, pois Existe uma história da revelação cujo centro é o evento Jesus, o Cristo; mas esse centro não está desprovido de uma linha que conduz até a ele (revelação preparatória) e uma linha que deriva dele 2 Sobre isso ver, também, JFLeite, p.15, onde o fora da igreja não há salvação é relativizado.

5 (revelação recebida). Além disso, afirmamos que onde existe revelação, existe salvação. Revelação não é informação a respeito de coisas divinas; é a manifestação estática do Fundamento do Ser em eventos, pessoas e coisas. Essas manifestações têm poder de abalar, transformar e curar. Eles são eventos salvíficos nos quais está presente o poder do Novo Ser. [...] está presente e cura onde quer que seja realmente aceito. A vida da humanidade depende dessas forças curadoras; elas impedem que as estruturas autodestrutivas da existência mergulhem a humanidade numa aniquilação completa. (TILLICH, Op.cit., p.372) Tillich segue dizendo que isso vale tanto para indivíduos como para grupos e é fundamento de evolução positiva das religiões e culturas humanas. Não obstante, qual é o caráter peculiar da cura através ou no Novo Ser, em Jesus como o Cristo? Se o aceitamos como salvador, o que é essa salvação, como se realiza, se consuma, historicamente e na expectativa do telos? Conforme Tillich, a resposta não pode ser que não existe salvação fora do Cristo e, sim, que ele é o crivo último de toda cura e de todo processo salvífico, mesmo que aqueles que o aceitaram existencialmente só estão curados fragmentariamente. Em Jesus como o Cristo, no entanto, a qualidade curadora é completa e ilimitada. Quando olhamos para Jesus, o Cristo, como salvador (mediador, redentor), ele traz salvação através do significado universal de seu ser como Novo Ser, não sendo correto fazer distinção, nesse contexto, entre pessoa e obra de Cristo. Isso para evitar que se compreenda a expiação como um tipo de técnica sacerdotal empreendida com o objetivo de realizar a salvação, mesmo que esteja incluso, nessa técnica, o autosacrifício. O significado de Jesus como o Cristo é seu ser, e os elementos profético-sacerdotal e real nele são conseqüência imediata de seu ser (além de vários outros), mas não são ofícios especiais unidos a sua obra. Jesus como o Cristo é o salvador através do significado universal de seu ser como Novo Ser (Idem, p.374). É nessa condição de Novo Ser que Jesus, como Cristo, representa Deus junto aos homens e os homens junto a Deus; em ambas as direções, ele é mediador. Poderíamos dizer que ele é Deus e homem junto aos homens e homem e deus junto a Deus, mas não submetido ou submisso a depravação humana e efetivador da vontade infinita de Deus em Cristo como Deus que chega até nós (mediador) e como Deus que nos resgata para dentro de seu agir salvador (redentor): a vivência do Novo Ser santificação. O termo redentor significa comprar de novo e introduz a idéia de que alguém (que não Deus) tem o homem sob seu domínio, Satanás, a quem deve ser pago um preço de resgate. Conforme Tillich, isto em parte é verdadeiro, mas é problemático no sentido de colocar Deus na condição de negociador com poderes antidivinos, antes de poder libertar o homem da prisão, da culpa e do castigo. Daí, decorrem as diferentes doutrinas da expiação.

6 Nesse escrito não há espaço para abordar as diferentes doutrinas da expiação; mencionaremos o ponto de partida e de chegada de Tillich quanto a isso: a doutrina da expiação é a descrição do efeito do Novo Ser em Jesus como o Cristo sobre aqueles que são possuídos por ele em seu estado de alienação (Op. cit. p.375). Assim, aponta-se para dois aspectos da expiação: o aspecto da manifestação do Novo Ser, que tem um efeito expiatório e o aspecto do que acontece ao homem sob o efeito expiatório; importante ressaltar que expiação sempre é, para Tillich, tanto um ato divino quanto uma reação humana. Deus supera a alienação humana na medida em que esta é uma questão de culpa. Mesmo assim, esse ato de Deus somente se torna efetivo se o homem reage e acolhe a eliminação da culpa entre ele e Deus; o elemento objetivo é ato de Deus e o subjetivo, a reação humana diante desse ato. Olhando para a história da Igreja, Tillich ressalta um novo enfoque a partir de Tomás de Aquino. Nele, o aspecto subjetivo de forma alguma está presente no processo expiatório. O aquinate acrescenta a idéia da participação do cristão no que acontece à cabeça do corpo cristão, o Cristo. Aqui acontece a troca do conceito substituição (o sofrimento de Cristo que tornaria desnecessário o sofrimento, castigo humano sofrimento vicário) pelo conceito de participação. Versando sobre princípios da doutrina de expiação, Tillich aborda seis, sendo o último deles o que ancora na participação: [...] através da participação no Novo Ser, que é o ser de Jesus como o Cristo, os homens também participam da manifestação do ato expiatório de Deus. Eles participam do sofrimento de Deus que assume as conseqüências da alienação existencial sobre si mesmo ou, para dizê-lo de forma sucinta, eles participam do sofrimento de Cristo. Disso se segue uma valoração do termo sofrimento substitutivo. É um termo bastante impróprio e não deveria ser usado em teologia. Deus participa do sofrimento da alienação existencial, mas seu sofrimento não é um substituto para o sofrimento da criatura. Nem o sofrimento de Cristo é um substituto para o sofrimento do homem. Mas o sofrimento de Deus, universalmente e no Cristo, é o poder que supera a autodestruição da criatura mediante participação e transformação. Não substituição, mas participação livre, é o caráter do sofrimento divino. E, reciprocamente, não ter um conhecimento teórico da participação divina, mas ter uma participação na participação divina, aceitando-a e sendo transformada por ela esse é o caráter tríplice do estado de salvação. (Ibidem, p ) Quando Tillich (apoiado em Tomás de Aquino) fala dessa relativização da compreensão do sofrimento de Cristo como sofrimento vicário e coloca, em seu lugar, a visão da participação livre de Deus na realidade humana, coloca, ainda, que precisa haver, da parte do homem, reciprocidade, não teórica, mas participação na participação divina, acolhendo-a e sendo por ela transformado, ele aponta, também, para um procedimento prático, as obras da pessoa como um resultado intrínseco desta participação (assim como a obra de Jesus como o Cristo foi e é encarnada na História). Olhando a partir do princípio da não-contradição, talvez Tillich e JFLeite não dizem a mesma coisa, mas apontam para um mesmo resultado prático na vida das

7 pessoas que se envolvem com o Novo Ser. Uma vida que se enquadra no quem quer ser meu discípulo, tome a sua cruz e siga-me e, também, vinde a mim todos vós que estais cansados e sobrecarregados [...]. Seguindo, Tillich diz que o caráter tríplice da salvação à luz do princípio da participação e a base da doutrina da expiação deve considerar que o efeito do ato expiatório divino sobre o homem se expressa em três momentos: participação, aceitação e transformação, o que, em termos clássicos se chama Regeneração, Justificação e Santificação: a) Regeneração salvação como participação no Novo Ser Aqui Tillich deixa claro que o poder salvador do Novo Ser em Jesus, como o Cristo, depende da participação, do envolvimento do homem nele; somente assim o poder do Novo Ser pode abranger quem está sob as garras do velho ser. Isso é uma questão de iniciação na espiritualidade cristã. Contudo, o que esta na vez, aqui, não é o fator subjetivo, ou seja, a reação humana, mas o aspecto objetivo, é a relacionalidade do Novo Ser em relação aos que por ele são possuídos. Isso corresponde a um impacto e introduzir para dentro de si, alcançando-se o estado que Paulo chama de estar em Cristo. A terminologia clássica a esse estado são expressões como Novo Nascimento, Regeneração, ser uma nova criatura. Aqui se pensa em fé ao invés de descrença, entrega, ao invés de hybris, amor, ao invés de concupiscência. Esse processo, conforme Tillich, não é fato apenas no campo subjetivo (humano) individual; regeneração é um estado de coisas universal. É o novo éon trazido por Cristo. A realidade objetiva do Novo Ser procede a participação subjetiva do indivíduo nesse éon. A mensagem de conversão é, antes de mais nada, a mensagem de uma nova realidade a qual somos solicitados a nos dirigirmos; à vista da mesma, deve afastar-se da antiga realidade, o estado de alienação existencial no qual se viveu. Regeneração (e conversão), entendidos nesse sentido tem pouca coisa em comum com a tentativa de criar reações emocionais apelando ao indivíduo em sua subjetividade. (TILLICH, Op. cit., p.380) A questão é ter sido transportado para a nova realidade em Jesus como o Cristo. As conseqüências subjetivas no indivíduo podem ser e são fragmentárias, ambíguas e não configuram a base para reivindicar parte no Cristo, mas a fé que acolhe Jesus como o portador do Novo Ser é a base; a pessoa apenas participa. Isso nos abre a vista de uma segunda relação que o Novo Ser estabelece junto aos que por ele são possuídos. b) Justificação salvação como aceitação do Novo Ser

8 O sentido do ato expiatório de Deus não reside na realidade subjetiva, fragmentária e ambígua do indivíduo, não depende do seu estado de desenvolvimento. Identifica-se com o elemento do apesar de, ao processo de salvação. È a conseqüente implicação imediata da doutrina da expiação e, essa é o coração e o centro da soteriologia. No horizonte da Regeneração, Justificação é, antes de tudo, um evento objetivo (divino) e, depois, é subjetivo na forma da recepção, aceitação dela por parte da pessoa: [...] no sentido objetivo é o ato eterno de Deus mediante o qual ele aceita como não alienados aqueles que, na verdade, se acham alienados dele pela culpa, mediante o qual ele os introduz na unidade com ele, que se manifesta no Novo Ser em Cristo (Op. cit. p.381). Seguindo, a doutrina paulina confere à palavra justificação pela graça mediante a fé um sentido que, tendo em vista a seqüência de nossa exposição, se acha radicalmente no sentido oposto ao da santificação. A questão da justificação reside em a pessoa acolher, aceitar que é aceita por Deus e, assim, curada em sua ansiedade, culpa e desespero. Justificação é tornar justo, tornar o homem aquilo que ele é essencialmente e do que ele esta separado. Como em Lutero, sem o ato objetivo de Deus na justificação pela graça através da fé, o homem não tem condições de lidar sozinho com sua ambigüidade, alienação, frente à Lei; ele necessita aceitar ser aceito por graça, mediante a fé. A causa, nisso tudo, é tão somente Deus (pela graça) e a fé de que somos aceitos é o canal dispensador da graça ao homem (através da fé). Essa fé, por sua vez, também é dom de Deus, mediante a ação do espírito Santo. c) Santificação salvação como transformação pelo Novo Ser Tillich resume os dois itens acima dizendo que como ato divino, Regeneração e Justificação são um e mesmo ato (ato, aqui, tem sentido de evento). Por outro lado, santificação se distingue de ambos assim como um processo se distingue de um evento no qual se iniciou. Nesse horizonte, santificação pode significar ser recebido na comunidade dos sancti [...] esses seriam os que são possuídos pelo Novo Ser. Tillich mesmo diz, aqui, que essa compreensão se deve ao ressurgimento do paulinismo durante a Reforma. Talvez ele, nesse contexto, subentenda a questão do arrependimento. Não obstante, sentimos falta da articulação clara de que para o alienado estar dentro e continuar no processo de salvação, o arrependimento (realidade subjetiva humana), a atitude humana, na dimensão de um procedimento claro de abandono de seu comprometimento com o velho ser e a caracterização, no dia-a-dia, do significado prático de santificação como modus vivendi renovado e segundo o Espírito de Deus precisa ser

9 mencionado. Estas são questões que já discutimos acima, quando falamos de Lutero e Paulo que, em termos de discurso, parece-nos, não têm a questão do procedimento renovado do crente (as boas obras) como consumação e asseguradoras da salvação (claro, já não como fundadoras da salvação). Talvez Tillich queira dizer isso daí, quando coloca a expiação não como um ato apenas de Deus, mas como acontecimento no qual a participação do ser humano é real (ou deve ser real), quer dizer, o ser humano participa do proceder de Deus na vida, na história. A erupção do Novo Ser no mundo, em Jesus como o Cristo, tem como fim nossa participação, aceitação e transformação pessoal e coletiva (cura); quem não mais é alienado, do ponto de vista de divino de si-mesmo, vive, do ponto de vista humano um novo pensar, sentir e proceder. Como a salvação se realiza e efetiva historicamente e tem um telos, Tillich trata disso no restante de sua obra, sob os títulos A vida e o Espírito (parte 4) e A história e o Reino de Deus (parte 5). Santificação é, portanto, o processo no qual o poder do Novo Ser transforma a personalidade dos indivíduos, a identidade da comunidade, tanto dentro da igreja como também fora dela. Aqui, se lemos Tillich corretamente, está todo o aspecto do proceder prático com status de salvação. Tanto a esfera religiosa como a secular são objetos da ação santificadora do espírito de Deus que é, em cada momento da pessoa e da coletividade, a atualidade do Novo Ser que atrai para a participação, a aceitação e a transformação, a cura, a superação da alienação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. LEITE, J. F. Análise da doutrina da soteriologia no contexto histórico cristão. 2. LUTERO, Martinho. Obras Selecionadas, v.1, São Leopoldo: Sinodal e Porto Alegre: Concórdia OLIVEIRA, João Batista de. Soteriologia: a doutrina da salvação. 4. TILLICH, Paul. Teologia Sistemática. São Paulo: Paulinas. 1984

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.12) Quando você se arrepende dos seus pecados e crê

Leia mais

O Batismo é mencionado pela primeira vez, no Novo Testamento, quando do ministério de João Batista.

O Batismo é mencionado pela primeira vez, no Novo Testamento, quando do ministério de João Batista. Lição 11 A DOUTRINA DO BATISMO NAS ÁGUAS Por: Pr Valdimário Santos O Batismo é mencionado pela primeira vez, no Novo Testamento, quando do ministério de João Batista. Em Mateus 3.1,2 notamos que a mensagem

Leia mais

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem?

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? O Batismo nas Águas O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? É UMA ORDENANÇA DE JESUS O batismo é uma ordenança clara de Jesus para todo aquele que

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966.

STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966. Azusa Revista de Estudos Pentecostais 1 STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966. Josias Novak 1 1 A promessa do Espírito Em sua exposição Stott afirma que a

Leia mais

Escola da Bíblia Rua Rio Azul, 200, Boa Viagem CEP: 51.030-050 Recife PE

Escola da Bíblia Rua Rio Azul, 200, Boa Viagem CEP: 51.030-050 Recife PE AS GRANDES DOUTRINAS DA BÍBLIA LIÇÃO 07 O QUE A BÍBLIA DIZ A RESPEITO DA SALVAÇÃO INTRODUÇÃO Chegamos ao que pode ser o tópico mais importante desta série: a salvação. Uma pessoa pode estar equivocada

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais

A Justificação em Paulo e Tiago George Knight III

A Justificação em Paulo e Tiago George Knight III 1 A Justificação em Paulo e Tiago George Knight III Nas cartas do apóstolo Paulo, a doutrina da justificação é o maravilhoso ensino bíblico de que Deus nos aceita como justos em Cristo e perdoa nossos

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 Apostila Fundamentos Batismo nas Águas batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 B a t i s m o n a s Á g u a s P á g i n a 2 Batismo nas Águas Este é outro passo que está

Leia mais

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO O que é uma pessoa cristã? É a pessoa que acredita que o Deus vivo é revelado em e por meio de Jesus Cristo, que aceita Jesus Cristo como Senhor e Salvador, que

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

TIPOS DE BATISMO. Existem historicamente três formas de Batismo: por imersão, por afusão (derramamento) e por aspersão.

TIPOS DE BATISMO. Existem historicamente três formas de Batismo: por imersão, por afusão (derramamento) e por aspersão. TIPOS DE BATISMO Existem historicamente três formas de Batismo: por imersão, por afusão (derramamento) e por aspersão. A forma praticada no Novo Testamento era por imersão, conforme vemos: A palavra grega

Leia mais

revista FIDELIDADE - A vida cristã dinâmica Preparando a aula Plano de aula

revista FIDELIDADE - A vida cristã dinâmica Preparando a aula Plano de aula Base bíblica: João 3.1-23 Texto áureo: Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus (João 3.5). Preparando a aula Ore

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 A trindade sempre existiu, mas se apresenta com maior clareza com vinda de Cristo e a redação do Novo Testamento. Por exemplo,

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

O significado salvífico da morte de Jesus

O significado salvífico da morte de Jesus Igreja Nova Apostólica Internacional O significado salvífico da morte de Jesus 2.ª parte Depois da interpretação da morte de Jesus, na Epístola Aos Hebreus, seguem-se explanações sobre o que Jesus representa

Leia mais

Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar?

Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar? Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar? O livre arbítrio tem sido definido como a capacidade que o homem tem de escolher entre o bem e o mal, entre o certo e o errado, e é óbvio, a de

Leia mais

JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO

JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO 25-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Como se deu a entrada messiânica em Jerusalém? No tempo estabelecido,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS)

QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS) QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS) 1. O que é Revelação segundo a Bíblia? Revelação segundo a Bíblia é trazer a luz aquilo que estava oculto, no que se refere ao programa de Deus

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FÉ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSELHEIROS BÍBLICOS (ABCB)

DECLARAÇÃO DE FÉ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSELHEIROS BÍBLICOS (ABCB) DECLARAÇÃO DE FÉ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSELHEIROS BÍBLICOS (ABCB) A Igreja de Jesus Cristo está comprometida somente com o Antigo e Novo Testamentos como a única autoridade escrita de fé e conduta.

Leia mais

O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13)

O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13) CONFISSÃO E ARREPENDIMENTO O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13) A consequência natural do arrependimento é a confissão.

Leia mais

#61. 10.14 O batismo do Espírito Santo

#61. 10.14 O batismo do Espírito Santo 10.14 O batismo do Espírito Santo #61 Estudamos o novo nascimento e vimos como o Espírito Santo realiza essa obra juntamente com a Palavra de Deus. Tínhamos que entender o novo nascimento e como alguém

Leia mais

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO ETERNIDADE DEUS PAI LOGUS ESPIRITO SANTO A TRINDADE 1Jo.5.7 LOGUS QUER DIZER PALAVRA OU VERBO SE REFERE AO FILHO NA ETERNIDADE I - SUA PRÉ-EXISTÊNCIA 1 - SUA EXISTÊNCIA

Leia mais

Muitos descrentes ao observarem a obra da cruz em sua visão natural pensam que tal gesto praticado por Jesus parece ser de derrota e não de vitória.

Muitos descrentes ao observarem a obra da cruz em sua visão natural pensam que tal gesto praticado por Jesus parece ser de derrota e não de vitória. 1 A OBRA DA CRUZ Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo. Gálatas 6.14 OBJETIVO. Este sermão tem

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

AD Campinas- SP. Lição 2

AD Campinas- SP. Lição 2 TEXTO ÁUREO Escola Bíblica Dominical AD Campinas- SP Lição 2 12 de Abril de 2009 A Superioridade da Mensagem da Cruz "Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos,

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

CONHECENDO AS SEITAS

CONHECENDO AS SEITAS CONHECENDO AS SEITAS RELIGIÃO: deriva do termo latino "Re-Ligare", que significa "religação" com o divino. SEITA: é um grupo que afirma ser cristão, porém nega uma verdade essencial do cristianismo bíblico.

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS

2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS 2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS Sergio Bensur 1. RESUMO E OBJETIVO Resumo Os Evangelhos Sinóticos não apresentam uma visão unitária da missão. Embora tendo um pano de fundo comum cada um deles tem seu próprio

Leia mais

CONSELHOS EVANGÉLICOS

CONSELHOS EVANGÉLICOS CONSELHOS EVANGÉLICOS 1- RAZÃO TEOLÓGICA 1.1. Fato de Vida na Igreja A vivência da virgindade-pobreza-obediência de Jesus Cristo é fato de vida que existe na igreja desde suas origens. O estado religioso:

Leia mais

TI GO A T U A N T LIÇÃO - 06 IV TRIMESTRE

TI GO A T U A N T LIÇÃO - 06 IV TRIMESTRE cartas de TI GO 2014 IV TRIMESTRE LIÇÃO - 0 FÉ A T U A N T E RELEMBRANDO eé O homem com anel de ouro Luta de Classes Amor ao Próximo Toda a Lei Julgado pela Lei Resumo: O equilíbrio entre juízo e misericórdia

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EMRC 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EMRC 9.º ANO DE EMRC 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno, no final do 9.º ano, deve atingir as metas abaixo indicadas, nos seguintes domínios: Religião e Experiência Religiosa Compreender o que são

Leia mais

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO 1 ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO LIÇÃO Nº 01 DIA 16/06/2014 INTRODUÇÃO: Vamos começar uma nova série de estudos em nossas células. Esta será uma série muito interessante

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito 9.9 Jesus Cristo é homem perfeito Aula 48 Assim como é importante verificarmos na Palavra de Deus e crermos que Jesus Cristo é Deus, também é importante verificarmos e crermos na humanidade de Jesus após

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus.

fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. ACESSO A DEUS Texto Base: Rm 5.2 =... pôr intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. Introdução: Ter acesso

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira S S O homem é pecador Romanos 3:9-18 S Pecadores merecem a morte Genesis 2:17, Romanos 6:23 S Portanto, se é para Deus ser justo e dar somente o que

Leia mais

Quão perfeito é perfeito? Pode o cristão ser perfeito? Edward Heppenstall

Quão perfeito é perfeito? Pode o cristão ser perfeito? Edward Heppenstall Quão perfeito é perfeito? Pode o cristão ser perfeito? Edward Heppenstall Estar em uma posição/condição correta para com Deus é a coisa mais importante da vida. Acima de tudo que fazemos, de tudo que temos,

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

Curso Bíblico. Discipulado de Integração. Discipulado de Integração

Curso Bíblico. Discipulado de Integração. Discipulado de Integração Curso Bíblico Discipulado de Integração Curso Bíblico Gratuito Para Novos Discípulos de Jesus Cristo Quando aceitamos o evangelho, cremos em Jesus Cristo como nosso Salvador e Senhor, temos o nascimento

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

EBD ADU 2011. Aulas sobre o Espírito Santo e você. Prefácio

EBD ADU 2011. Aulas sobre o Espírito Santo e você. Prefácio Aulas sobre o Espírito Santo e você. EBD ADU 2011 Prefácio 1. Quem é o Espírito Santo? 2. Os símbolos do Espírito Santo 3. O Espírito Santo e as Escrituras 4. Da criação até o nascimento de Jesus 5. Do

Leia mais

Olá amigo estamos iniciando mais um programa da série Através da Bíblia. Você sabe que

Olá amigo estamos iniciando mais um programa da série Através da Bíblia. Você sabe que Olá amigo estamos iniciando mais um programa da série Através da Bíblia. Você sabe que este programa tem por objetivo estudar a Palavra de Deus, comentando detalhadamente os 1 seus diversos textos, no

Leia mais

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Jesus revela-nos que Deus é Pai Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Quem inventou Deus? Desde sempre que os homens acreditaram na existência de forças muito poderosas

Leia mais

ANTROPOLOGIA BÍBLICA Algumas considerações sobre a imagem e semelhança de Deus no homem

ANTROPOLOGIA BÍBLICA Algumas considerações sobre a imagem e semelhança de Deus no homem 1 Introdução ANTROPOLOGIA BÍBLICA Algumas considerações sobre a imagem e semelhança de Deus no homem João Pedro da Silva 1 Neste trabalho irei abordar diferentes posições teológicas acerca do entendimento

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP CREIO (N)A SANTA IGREJA CATÓLICA I CRER DE MODO ECLESIAL NO CONTEÚDO DA FÉ CRISTÃ. A PROFISSÃO DE FÉ DA IGREJA A FÉ BATISMAL A PROFISSÃO DE

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes

Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes Fundamentos, conceitos e paradigmas da missão OBJETIVOS DA AULA Compreender as teses fundantes da missiologia; Analisar a presença religiosa no mundo no terceiro milênio;

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

A mensagem política de Jesus

A mensagem política de Jesus A mensagem política de Jesus Mateus 13:33 E contou-lhes ainda outra parábola: "O Reino dos céus é como o fermento que uma mulher tomou e misturou com uma grande quantidade de farinha, e toda a massa ficou

Leia mais

A casa edificada sobre a rocha

A casa edificada sobre a rocha A casa edificada sobre a rocha Roteiro 3 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro III - Ensinos e Parábolas de Jesus Parte 2 Módulo II Ensinos Diretos de Jesus OBJETIVOS

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Copyright 2009 por Marcos Paulo Ferreira Eliézer dos Santos Magalhães Aridna Bahr Todos os direitos em língua portuguesa reservados por: A. D. Santos Editora Al. Júlia da Costa, 215 80410-070 - Curitiba

Leia mais

MDA - Tadel Treinamento Avançado de Líderes

MDA - Tadel Treinamento Avançado de Líderes 2015 MDA - Tadel Treinamento Avançado de Líderes Sidnei Souza [Digite o nome da empresa] 01/01/2015 Lição 2 O CORAÇÃO DO PASTOR REUNIÃO DO M.D.A Ganhar almas para Jesus (atos 2:37-47) Introdução No Brasil

Leia mais

O cristianismo que vivemos

O cristianismo que vivemos O cristianismo que vivemos TEXTO BÍBLICO BÁSICO Lucas 12.16-21,0-2 16 - E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância; 17 - E arrazoava ele entre si, dizendo:

Leia mais

Em que sois batizados então? (Atos 19:3)

Em que sois batizados então? (Atos 19:3) Em que sois batizados então? (Atos 19:3) O Senhor Jesus Cristo deu uma ordem expressa aos seus discípulos, quando disse: E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer

Leia mais

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Roteiro 1- Introdução 2- Fundamento Bíblico 3- Conclusão 1. Introdução Voce entende por que é importante

Leia mais

O Senhorio de Jesus Olga Mohana de Carvalho. Coleção Renascer. Olga Mohana de Carvalho

O Senhorio de Jesus Olga Mohana de Carvalho. Coleção Renascer. Olga Mohana de Carvalho O Senhorio de Jesus Olga Mohana de Carvalho Coleção Renascer Olga Mohana de Carvalho O Senhorio de Jesus Olga Mohana de Carvalho O Senhorio de Jesus Coordenação Geral Filipe Cabral Coordenação Editorial

Leia mais

Redenção Acontecimento e linguagem

Redenção Acontecimento e linguagem Redenção Acontecimento e linguagem Pediram-me que fizesse uma introdução a este debate acerca da «Redenção Acontecimento e liguagem» do ponto de vista da teologia sistemática. Limitar-me-ei, portanto,

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

www.sede.umnovotempo.org.br/estudos JEJUM DO AVIVAMENTO

www.sede.umnovotempo.org.br/estudos JEJUM DO AVIVAMENTO JEJUM DO AVIVAMENTO 1 Dia do Jejum do Avivamento Leitura: Romanos 13:10 à 14 Introdução: Avivamento ou avivar é tornar mais vivo, mais desperto e renovado. O avivamento está ligado a disposição de reformar,

Leia mais

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO Pai nosso que estais nos céus Santificado seja o vosso nome Venha a nós o vosso reino Seja feita a vossa vontade Assim na Terra como no Céu O pão nosso de cada dia nos dai hoje

Leia mais

BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO

BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO 1 INTRODUÇÃO Jesus mandou seus discípulos: Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

Plano de salvação e História de salvação

Plano de salvação e História de salvação Igreja Nova Apostólica Internacional Plano de salvação e História de salvação O artigo que se segue aborda a questão de como a salvação de Deus se evidencia na realidade histórica. A origem do pensamento

Leia mais

4. A IMPORTÂNCIA DE SER BATIZADO

4. A IMPORTÂNCIA DE SER BATIZADO 4. A IMPORTÂNCIA DE SER BATIZADO O batismo nas águas é um dos passos importantes nos primeiros princípios da doutrina de Cristo. Ele não é apenas uma forma ou cerimônia sem sentido, mas uma experiência

Leia mais

A Igreja nas Casas. Revolução ou Reforma? Jamê Nobre

A Igreja nas Casas. Revolução ou Reforma? Jamê Nobre A Igreja nas Casas Revolução ou Reforma? Jamê Nobre I g r e j a s n a s C a s a s P á g i n a 2 A IGREJA NAS CASAS REVOLUÇÃO OU REFORMA? (Jamê Nobre) As revoluções têm como característica mudar algumas

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

ARTIGOS DE FÉ. I. Deus Trino

ARTIGOS DE FÉ. I. Deus Trino ARTIGOS DE FÉ As referências bíblicas apoiam os Artigos de Fé e são aqui inseridas por acção da Assembleia Geral de 1976, mas não devem ser consideradas como parte do texto da Constituição. I. Deus Trino

Leia mais

Igreja Batista Fundamental Taguatinga/DF. Aula 5 - Justiça e Justificação

Igreja Batista Fundamental Taguatinga/DF. Aula 5 - Justiça e Justificação Domingo, 29/03/2009 Autor: Fábio Ramos A Recapitulação Igreja Batista Fundamental Taguatinga/DF Aula 5 - Justiça e Justificação 1 Visão Geral I) somos servos que servem evangelizando II) perdidos estão

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO DECLARAÇÃO DE FÉ Pr Josemeire Ribeiro CRM PR 2015 O que é credo? É o que eu creio. PLANO DE SALVAÇÃO QUEDA REDENÇÃO RESTAURAÇÃO Declaração de Fé da IEQ foi compilada por sua fundadora Aimeé Semple McPherson,

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

INTRODUÇÃO Introdução ao Hinduísmo

INTRODUÇÃO Introdução ao Hinduísmo INTRODUÇÃO Introdução ao Hinduísmo Denominação do conjunto de princípios, doutrinas e práticas religiosas que surgiram na Índia, a partir de 2000 a.c. O termo é ocidental e é conhecido pelos seguidores

Leia mais

Lição Um. Um Novo Princípio. O Poder Transformador de Cristo

Lição Um. Um Novo Princípio. O Poder Transformador de Cristo Livro 1 página 4 Lição Um Um Novo Princípio O Poder Transformador de Cristo Da Palavra de Deus: Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo

Leia mais

PARA ONDE CAMINHA A IGREJA BRASILEIRA?

PARA ONDE CAMINHA A IGREJA BRASILEIRA? PARA ONDE CAMINHA A IGREJA BRASILEIRA? Franklin Ferreira CONCEITUAÇÕES Fundamentalismo evangélico: literalismo bíblico, dispensacionalismo, cismático, rejeição do diálogo acadêmico. Liberalismo teológico:

Leia mais

Um sonho possível. O mundo vai ver uma flor Brotar do impossível chão.

Um sonho possível. O mundo vai ver uma flor Brotar do impossível chão. Um Sonho Possível Um sonho possível O mundo vai ver uma flor Brotar do impossível chão. Jesus foi morto e sepultado Um Sonho Possível: Encontrar-me com Deus, através da Cruz de Cristo. Um Sonho

Leia mais

5. Domínio Próprio e Emoções

5. Domínio Próprio e Emoções 1 5. Domínio Próprio e Emoções Conceito chave Domínio Próprio Leia e marque com? se você não entendeu algo, e com! se compreendeu bem. No Novo Testamento, domínio próprio é a tradução da palavra grega

Leia mais

Respostas aos Protestantes sobre o Batismo de Crianças

Respostas aos Protestantes sobre o Batismo de Crianças Respostas aos Protestantes sobre o Batismo de Crianças Por Jaime Francisco de Moura A Igreja Católica o faz, lembrando que as crianças dos Judeus eram consagradas a Deus, sobretudo os primogênitos, pela

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

Consolidação para o Discipulado - 1

Consolidação para o Discipulado - 1 Consolidação para o Discipulado - 1 Fortalecendo o novo convertido na Palavra de Deus Rev. Edson Cortasio Sardinha Consolidador/a: Vida consolidada: 1ª Lição: O Amor de Deus O amor de Deus está presente

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais

06 Meus Primeiros Passos por Dino Arí Fernandes

06 Meus Primeiros Passos por Dino Arí Fernandes 06 Meus Primeiros Passos por Dino Arí Fernandes O Espírito Santo e a Igreja Igreja Metodista 06- Meus Primeiros Passos Rev. Dino Arí Fernandes O Espírito Santo e a IGREJA Para melhor entender o tema, sugerimos

Leia mais

A Experiência do Novo Nascimento

A Experiência do Novo Nascimento Pr. Patrick Robert Briney Mission Boulevard Baptist Church A Experiência do Novo Nascimento A Série das Verdades do Evangelho (caderno 6) The Born Again Experience Tradução Pr. Anastácio Pereira de Sousa

Leia mais

Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Ademir Ifanger

Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Ademir Ifanger Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Introdução Almejamos uma nova compreensão da espiritualidade, que nos impulsione a realizar o projeto integral de Deus, expressando assim genuína adoração (Jo 4.23-24).

Leia mais

Lição 10. Como entender a realidade da morte? Texto Bíblico: 1Coríntios 15.20-28; 43-58

Lição 10. Como entender a realidade da morte? Texto Bíblico: 1Coríntios 15.20-28; 43-58 Lição 10 Como entender a realidade da morte? Texto Bíblico: 1Coríntios 15.20-28; 43-58 Introdução: O Apóstolo Paulo estava trabalhando algumas discrepâncias doutrinárias na Igreja de Corinto e, especificamente,

Leia mais

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9 Os Legados da Reforma Protestante Sobre o Indivíduo 2/9 Criado por Pedro Siena Neto em 03/2015 O legado da reforma sobre o indivíduo o trabalho a comunidade a intervenção divina a educação a economia o

Leia mais